Apresentação e organização de um agregador de informação noticiosa para uma comunidade sénior online

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apresentação e organização de um agregador de informação noticiosa para uma comunidade sénior online"

Transcrição

1 Apresentação e organização de um agregador de informação noticiosa para uma comunidade sénior online R ESU M O Renato Costa 1 Ana Veloso 2 Segundo dados das Nações Unidas a população mundial encontra-se envelhecida, estando previsto um agravamento desta situação até Apesar de existirem iniciativas e quadros estratégicos que visam contribuir para uma melhoria geral da situação de info-inclusão, continua a ser importante pensar e desenvolver soluções adaptadas às necessidades do cidadão sénior em particular. Neste trabalho de investigação estudaram-se as estratégias de apresentação e organização da informação noticiosa online num agregador de notícias adaptado ao público sénior. Posteriormente, foi desenvolvido um protótipo funcional que visa responder às dificuldades de utilização deste público-alvo, contribuindo para um incremento da qualidade de vida do sénior e do seu bem-estar em geral. PA L A V R AS-C H A V E Sénior, informação noticiosa, comunidade online, design centrado no utilizador. A BST R A C T According to the United Nations the world population is aged, and is predicted an aggravation of this situation by Although there are initiatives and strategic measures that aim to contribute to a general improvement of the situation of e-inclusion s still important to think and develop solutions adapted to the particular needs of senior citizens. In this investigation were studied strategies of organization and presentation of information within a news aggregator adapted to senior users. Subsequently, it was developed a functional prototype that aims to meet the difficulties lifestyle and general well-being. K E Y W O RDS Senior, news information, online community, user centered design. 1 Mestrando em Comunicação Multimédia, Departamento de Comunicação e Arte, Universidade de Aveiro 2 Departamento de Comunicação e Arte, Universidade de Aveiro, CETAC.MEDIA 1

2 1. IN T R O DU Ç Ã O No decorrer dos últimos anos verificou-se um aumento significativo da população idosa. Em 2009, o número de pessoas com idade acima dos 60 anos era de 737 milhões. Hoje em dia, uma em cada nove pessoas tem idade superior a 60 anos e, em 2050, a Organização das Nações Unidas estima um aumento deste rácio para uma em cada seis pessoas, representando um número de 2 mil milhões (United Nations, 2009). Ou seja, percebe-se que estes números aumentam mais rapidamente do que em qualquer outro intervalo etário da população. No que diz respeito a Portugal, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), o cenário é o mesmo, mantendo-se a tendência para o envelhecimento demográfico no decorrer dos últimos anos. No final de 2009, a percentagem de indivíduos com idade superior a 65 anos era 17.9%, verificando-se a existência de 118 idosos por cada 100 jovens (com menos de 15 anos) (INE, 2009). Para além disso, com a tecnologia em crescente desenvolvimento, o acesso geral à informação está cada vez mais facilitado. No entanto, para algumas pessoas, nomeadamente as mais idosas, este avanço tecnológico pode ser limitador, considerando que são indivíduos que experienciam diversas dificuldades associadas à idade diminuição da capacidade auditiva e da acuidade visual, bem como limitações a nível de controlo motor (Zaphiris, et. al., 2005). Pelo exposto, destaca-se a necessidade urgente de pensar em estratégias e soluções que garantam uma boa qualidade de vida destes cidadãos e que favoreçam a sua inclusão social e digital. O propósito desta investigação passa por compreender e desenvolver a forma mais adequada para permitir o fácil acesso do utilizador sénior à informação noticiosa em contexto de media tecnológico. Através da participação de um grupo de seniores em estudos centrados no utilizador, foi possível planear e conceber um protótipo final que, para além de facilitar o consumo de informação noticiosa digital, pretende também motivar o acesso a essa informação por parte destas pessoas. 2

3 2. E N Q U A DR A M E N T O T E Ó RI C O 2.1. Sénior Aspetos demográficos Para compreender a rapidez com que avança o envelhecimento da população no cenário mundial, repare-se: em 1950 o número de pessoas com mais de 60 anos encontrava-se nos 205 milhões, ou seja, aproximadamente três vezes menos face aos 737 milhões referentes a Nos próximos 40 nos irá aumentar para mais do triplo, ultrapassando em número a camada de população com idades até aos 14 anos (Nations, 2009). Em Portugal, segundo o INE, as conclusões são semelhantes. Devido ao fenómeno do duplo envelhecimento da população aumento da população idosa e diminuição da população jovem provocado pelas tendências de aumento da longevidade e declínio da fecundidade, regista-se um continuado envelhecimento demográfico. Na Figura 1 encontra-se um gráfico representativo do índice de envelhecimento em Portugal entre 2004 e 2009, no qual é possível ver a sua evolução. Em 2004 existiam 109 seniores para cada 100 jovens (com menos de 15 anos de idade) e, passados cinco anos, em 2009, o número aumentou para 118. Dois anos mais tarde, em 2011, o índice de envelhecimento sofreu um aumento ainda mais significativo para 129 seniores por cada 100 jovens. Figura 1 Índice de envelhecimento em Portugal, entre 2004 e 2009 Até 2060 esta tendência para o envelhecimento demográfico irá continuar a verificar-se, altura em que o índice de envelhecimento será de 300 seniores por cada grupo de 100 jovens (INE, 2009). 3

4 Envelhecimento O envelhecimento está associado a três classes de fatores capazes de acelerar ou retardar o processo biológicos, psíquicos e sociais (Cancela, 2007). O envelhecimento fisiológico, que compreende, portanto, alterações a nível orgânico, é um processo particular no qual cada elemento do corpo humano órgãos, tecidos e estruturas celulares envelhece de forma diferenciada, em resposta ao estilo de vida adotado por cada indivíduo quando criança ou adolescente (Cancela, 2007). A Tabela 1 reflete as alterações a nível sensorial associadas ao envelhecimento, sendo possível concluir que o equilíbrio, visão e audição são as modalidades mais fortemente afetadas pela idade. Tabela 1 Efeitos da idade nas diferentes modalidades sensoriais (Fontaine, 2000) Algumas modalidades sensoriais, como a visão e a audição, relacionadas com tarefas do dia-a-dia, como a leitura de um jornal em papel ou a utilização de um serviço de comunicação mediada por computador como a leitura de um jornal online na Internet sendo muito importante considerar os efeitos da idade no desempenho destas tarefas, podendo estes resultar num declínio geral no funcionamento de atividades intelectuais (Fontaine, 2000, citado por Cancela, 2007, p. 5). O simples ato de seguir o cursor de um rato no ecrã de um computador ou de colocar o mesmo sobre um determinado alvo pode revelar-se uma tarefa muito complicada para um sénior que experiencie uma reduzida acuidade visual. Por sua vez, é importante considerar também os efeitos do envelhecimento no desempenho cognitivo. Geralmente, o declínio das funções cognitivas ocorre por volta 4

5 dos 60 anos, revelando-se mais significativo a partir dos 70 anos. Este não é um declínio uniforme, podendo manifestar-se mais visivelmente numas funções do que noutras (Cancela, 2007). Existem alguns aspetos importantes que devem ser considerados neste tipo de investigação: Dificuldades em tarefas de raciocínio que envolvem análise lógica e organizada de material abstrato ou não familiar. Lentidão no desempenho de tarefas que implicam planear, executar e avaliar sequências complexas de comportamento; Apesar de se manter a capacidade de reconhecer lugares e rostos familiares, bem como de formas geométricas vulgares, existe um declínio na capacidade de reconhecer e reproduzir configurações complexas ou que não sejam familiares; Dificuldade em filtrar informação, repartir atenção por múltiplas tarefas e desviar a atenção de um para outro aspeto (Spar e La Rue, 2006, citado por Cancela, 2007) Comunidades sénior online não tem uma definição cientificamente aceite (Preece, 2003), uma vez que aborda várias áreas, como a psicologia, sociologia e interação homem-máquina, tornando difícil de encontrar uma definição correta a todos os níveis. No entanto, para o efeito desta investigação, é possível considerar uma comunidade online como um espaço social virtual, no qual as pessoas partilham e trocam informações comuns (Cheung e Lee, 2009). Considerando que esta investigação envolve o desenvolvimento de um espaço noticioso em comunidade online para o sénior, torna-se importante abordar alguns aspetos que estão na base da criação de comunidades na Internet. Por um lado, a Internet consegue ultrapassar barreiras criadas pela distância e pelo tempo, permitindo que os membros mantenham contacto entre si, desenvolvam as suas relações e possam conhecer outras pessoas que, de outra forma, nunca conheceriam. Por outro lado, confere uma nova e atraente combinação de anonimato e intimidade que potencia os melhores e os piores comportamentos dos seus membros (Kim, 2000). Numa comunidade um dos aspetos mais importantes a considerar são as necessidades dos membros. É através da sua análise que é possível apurar as finalidades e características de uma comunidade. 5

6 A pirâmide com a hierarquia de necessidades de Maslow (Huitt, 2007) (Figura 2), proposta pelo psicólogo Abraham Maslow, é um instrumento fulcral nesse aspeto. Segundo o psicólogo as pessoas são motivadas pela urgência em satisfazer as suas necessidades, desde as mais básicas, necessárias para sobreviver, até àquelas que nos realizam como pessoas. De acordo com este modelo hierárquico, para satisfazer uma necessidade de nível superior, as necessidades base deverão estar satisfeitas. Figura 2 Pirâmide das necessidades de Maslow A partir deste modelo é possível fazer uma adaptação destas necessidades, desde a base da pirâmide até ao topo, para o contexto web de comunidade online. Na Tabela 2 está exposta essa adaptação. 6

7 Tabela 2 Necessidades da pirâmide de Maslow transpostas para o contexto web (Kim, 2000) Na prática existem já alguns projetos online para cidadãos sénior a decorrer (Tabela 3). A quantidade de websites com assuntos de interesse, bem como de blogues direcionados para este público-alvo é imensa. Contudo, o mesmo não se verifica a nível de comunidades e serviços. Considera-se que apesar de representarem uma mais-valia na rotina diária do sénior, no que diz respeito à consulta de informação, entretenimento e interação com outros utilizadores, alguns destes websites não estão completamente adequados ao público sénior, existindo ainda muitos melhoramentos a fazer na adaptação destas tecnologias. 7

8 Tabela 3 Exemplos de projetos online para seniores a decorrer Percorrendo os exemplos presentes na Tabela 3, encontram-se algumas falhas, como por exemplo tamanhos de letra muito reduzidos, sem possibilidade de aumento, ou a utilização de menus com áreas clicáveis demasiadamente reduzidas. Existem também alguns softwares pagos ambiente complicado de um computador pessoal num computador adequado ao sénior e fácil de utilizar. O Big Screen Live é um exemplo que reúne potencialidades que vão desde os jogos e serviço de simplificado até à consulta de informação noticiosa. Nesta secção de notícias o programa permite a filtragem por diferentes temáticas e disponibiliza um sumário das notícias da atualidade. No entanto, a visualização da informação é efetuada dentro do próprio software, como se de um browser normal se tratasse. Denota-se alguma despreocupação neste aspeto, existindo apenas a possibilidade de aumentar e diminuir o tamanho da fonte. A organização e estruturação da informação (noticiosa) é um aspeto de extrema importância que não foi contemplado no desenvolvimento deste software. 8

9 2.3. O rganização da informação noticiosa online A estruturação e organização da informação numa interface web é um meio indispensável para se conseguir transmitir aquilo que se pretende e para que o utilizador consiga retirar apenas o que deseja com rapidez e sem constrangimentos. Algumas abordagens à ontologia e taxonomia em relação à semântica na web sugerem que os utilizadores requerem, na maior parte das vezes, um controlo e classificação de vocabulário, isto é, sentem um maior conforto quando existe um acesso controlado a um determinado assunto (Taylor, 2003). É importante fazer uma análise detalhada das várias áreas de informação que se destacam nas interfaces, tais como títulos, subtítulos, textos introdutórios, tabelas de conteúdos, imagens e diagramas. Alguns destes elementos podem ser fulcrais para uma visualização eficaz da informação (Taylor, 2003). Um determinado utilizador não será obrigado, por exemplo, a ler um bloco de texto na íntegra se a informação pela qual procura se encontrar num texto introdutório. Torna-se importante, portanto, ter presente estes aspetos relativos à organização da informação com vista a desenvolver a melhor forma para disponibilizar a mesma num espaço adequado ao sénior. Com isto presente, e considerando que o principal método de exposição da informação no espaço noticioso que se pretende desenvolver nesta investigação é, precisamente, a notícia, é fulcral compreender os contornos que a mesma tem, especialmente no contexto online. Apesar de o jornalismo tradicional sempre ter utilizado técnicas de redação específicas, nomeadamente a escrita e seleção da informação através do modelo da pirâmide invertida (colocando a informação noticiosa mais importante em primeiro lugar), com o aparecimento de novos meios de comunicação social, nomeadamente a Internet, muitos dos pressupostos adotados até então pelo jornalismo de massa deixaram de fazer qualquer sentido quando transpostos para o contexto online (Canavilhas, 2006). Graças às potencialidades do hipertexto, é impensável utilizar uma pirâmide para expor a informação noticiosa. Faz sentido, sim, utilizar um conjunto de textos interligados entre si, nos quais um primeiro introduz o essencial da notícia (lead), estando os restantes blocos de informação disponíveis caso o leitor os deseje consultar, sendo possível adotar uma leitura pessoal e multilinear. 9

10 2.4. Design de interfaces adequadas ao sénior O design centrado no utilizador (UCD) diz respeito ao termo pelo qual se designam os processos de design nos quais os utilizadores finais têm influência na forma como o projeto é desenvolvido. Tem como objetivo principal facilitar a execução de tarefas para o utilizador assegurando que este consiga utilizar o produto com o mínimo esforço de aprendizagem possível (Abras et al., 2005). As metodologias de design participativo (PD) pretendem estudar os aspetos tácitos e de mais difícil interpretação da atividade humana (Spinuzzi, 2005). Participantes e investigadores, partilhando o mesmo ambiente, ideias e fluxos de trabalho, refinam o seu próprio entendimento das atividades levadas a cabo em cada sessão existindo, portanto, contributo de ambas as partes. Recorrendo a algumas técnicas de prototipagem, como o Pictive (Muller, 2002) e o Card Sorting (Tudor et al., 1993), é possível ultrapassar algumas barreiras de entendimento entre o utilizador e o designer e tornar o processo de design mais interessante para todos os envolvidos. Estas metodologias permitem apurar guidelines para o desenvolvimento de interfaces adequadas ao cidadão sénior. E, hoje em dia, existem ainda muitas aplicações direcionadas para este público-alvo que as desrespeitam. A construção de uma interface deste género requer muita atenção em determinados aspetos e, infelizmente, existem ainda poucos produtos realmente fáceis de utilizar. Um estudo desenvolvido por Zaphiris, Guiawadwala e Mughal (2005) partiu de 52 guidelines levantadas de uma vasta revisão de literatura e, através do método de Card Sorting, reuniram um conjunto de 38 guidelines adicionais. Entre elas, destacam-se: fornecer objetos clicáveis de grandes dimensões; não esperar duplo clique por parte do sénior; utilizar apenas imagens relevantes e não decorativas; evitar menus drop down e, também, evitar alterações bruscas de luminosidade entre ecrãs. Estes são aspetos que devem ser sempre considerados no desenvolvimento das aplicações e foram, seguramente, contemplados na construção do protótipo relativo a esta investigação. 10

11 3. IN V EST I G A Ç Ã O E MPÍRI C A Esta investigação foi levada a cabo no âmbito do projeto SEDUCE - Utilização da comunicação e da informação mediada tecnologicamente em ecologias web pelo cidadão sénior beneficiando de parcerias com algumas Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) do distrito de Aveiro. A instituição que colaborou nesta investigação foi o Centro Paroquial de S. Bernardo (CPSB), com a participação de um grupo experimental constituído por 6 seniores. A caracterização da amostra (Tabela 4) indica que a maioria dos participantes são, pela moda, institucionalizados em lar, possuem o 4º ano de escolaridade e são viúvos. Quatro dos elementos são do sexo masculino e dois do sexo feminino. Tabela 4 Caracterização da amostra do grupo experimental do CPSB. No entanto, na fase final de testes, devido a problemas de saúde em dois dos seniores, o grupo ficou reduzido a 4 elementos para concretização do estudo (três do sexo masculino e um do sexo feminino). Os critérios para que os seniores participassem na investigação foram: i) ter mais de 65 anos; ii) estar motivado para a utilização de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC); iii) ter um estado de saúde mental considerado normal. O grupo experimental foi construído após a aplicação do teste Mini Mental State Examination (MMSE). O trabalho de campo decorreu entre os meses de Março e Julho de 2012, em sessões bissemanais de 90 minutos cada. No decorrer das sessões existiu sempre um computador para cada sénior, fomentando a sua autonomia. A investigação empírica adotou o UCD como metodologia de desenvolvimento, beneficiando do envolvimento dos seniores e da sua experiência de utilização. 11

12 O grupo não teve qualquer contacto com as TIC antes do início do projeto e, como tal, foi necessário planear todo um conjunto de atividades iniciais antes da utilização de websites com informação noticiosa e dos protótipos. A investigação empírica foi estruturada em cinco fases principais, articuladas entre si de modo sequencial (Tabela 5). Tabela 5 Descrição das fases de investigação empírica e respetivo número de sessões A fase 1 da investigação teve como principal objetivo a habituação dos seniores ao computador e compreendeu diferentes atividades: i) utilização de uma ferramenta de processamento de texto para transcrição e redação de artigos, poemas e opiniões; ii) utilização do Microsoft Paint para habituação ao rato; iii) navegação na Internet (utilização do motor de pesquisa Google); iv) utilização de um serviço de webmail (Gmail); v) jogos de cartas e de palavras. Esta fase foi essencial para a adaptação ao teclado e ao rato, alvos de grandes dificuldades por parte dos seniores envolvidos. Na utilização do teclado destacou-se a dificuldade na distinção entre algumas teclas, principalmente o backspace e enter, e caps lock e tab e, também, na combinação entre teclas, por exemplo para a colocação de acentuação. No entanto, com o decorrer das várias atividades, a memorização das funções das teclas foi conseguida, chegando ao ponto em que todos os seniores conseguiram utilizar o teclado autonomamente 12

13 (excetuando algumas situações mais complexas de acentuação). No que diz respeito ao rato, as dificuldades iniciais foram sendo atenuadas com o decorrer das sessões, destacando-se alguns problemas na localização do cursor no ecrã e do clique em alvos de dimensões reduzidas. A primeira sessão de Internet, na qual foi utilizado o Google, revelou-se confusa e alvo de muitas dúvidas. Como é compreensível, mesmo explicando individualmente o modo de funcionamento das pesquisas online, das hiperligações e utilização geral do browser, foi muito difícil a compreensão do que estava a ser feito. Todavia, com ajuda, todos os seniores compreenderam aquilo que é navegar na Internet revelando, no final, alguma autonomia nas atividades. Só então foi possível avançar para a fase 2, que englobou a consulta de dois websites de informação noticiosa (Jornal de Notícias, e Record, consultados em Março e Abril, respetivamente). Estes são os dois jornais mais lidos pelos seniores deste grupo, juntamente com o Diário de Aveiro. Esta informação foi obtida através de um inquérito por questionário no início desta fase. Para além de dar continuidade à habituação ao computador e ao ambiente de Internet, o que se pretendeu nesta fase foi um primeiro contacto dos seniores com o ambiente de notícias online. Os pontos de maior dificuldade nesta atividade estiveram relacionados com o scroll nas páginas devido, principalmente, ao facto das barras e botões para o efeito apresentarem dimensões muito reduzidas e, também, devido à interação em menus dinâmicos e zonas de publicidade animadas, tendo-se verificado alguns casos em que os seniores foram. Esta atividade revelou muita motivação por parte dos seniores, visto que se mantinham informados sobre várias notícias da atualidade. Tendo em conta que todos os seniores envolvidos têm por hábito a leitura de jornais e revistas (informação obtida via inquério por questionário), na fase 3 deu-se início a uma atividade diferente que incluiu, em cada sessão, a visualização de algumas notícias num jornal em papel (JN e Record) e, imediatamente a seguir, a consulta da versão online de cada uma dessas notícias escolhidas, confrontando os dois métodos de apresentação da informação. Esta tarefa permitiu aos seniores compreender com êxito as diferenças entre a forma de organização da informação num jornal em papel ou seja, em pirâmide invertida com informação estruturada em blocos hierarquizados segundo relevância informativa e 13

14 num site de notícias isto é, com informação multilinear repartida por uma hiperligação que separa o título e o lead do corpo da notícia e dos restantes elementos multimédia (vídeos e imagens). Foi uma atividade que funcionou como transição para a fase 4, na qual foi levada a cabo a utilização de um agregador de notícias propriamente dito, o Google News (http://news.google.pt, consultado em Maio). A realização desta atividade foi uma mais-valia para a investigação, uma vez que se trata de uma plataforma que reúne notícias de diversas fontes e temáticas, aproximandose daquilo que se pretende conceber no protótipo. Para além disso, é uma ferramenta personalizável, sendo possível alterar entre quatro modos de visualização diferentes (moderno, principais notícias, compacto e clássico), como é possível ver na Figura 3. Figura 3 Quatro modos de visualização do agregador de notícias Google Notícias Foi possível apurar o modo clássico como aquele em que os seniores se sentem mais confortáveis a utilizar, com título da notícia e lead à esquerda, e imagem à direita. A par uma grande homogeneidade na apresentação da informação. O facto de incluir também uma pré-visualização da imagem, à direita, contribuiu para a escolha da maior parte dos seniores. 14

15 Embora com ajuda e ainda com algumas dificuldades na utilização do rato, todos os intervenientes fizeram uma utilização positiva do agregador. Estas sessões permitiram ao investigador iniciar um processo de categorização de dados, com o objetivo de facilitar a análise dos mesmos. Para tal, todos os pontos a avaliar durante a recolha de dados foram tabelados em categorias e, se aplicável, identificadas algumas subcategorias (Tabela 6). Tabela 6 Categorização dos dados recolhidos e respetivos índices de sucesso/insucesso 15

16 Os números da m os seniores que se identificaram com os pontos da coluna A fase 5 iniciou-se com a análise destes índices e das notas registadas em diário de bordo no final de cada sessão, possibilitando o início da conceção de um protótipo digital de baixa fidelidade. Este protótipo foi já construído seguindo a linha gráfica definida anteriormente para o projeto e permitiu avaliar a maior parte das tarefas pretendidas, tais como a navegação pelo agregador (voltar atrás, voltar ao início, entre outras.), consultar notícias e utilizar separadores temáticos. Posteriormente, foi testado um protótipo digital de alta fidelidade, idêntico ao anterior, mas funcional e online, o que permitiu testar tudo o pretendido, nomeadamente algumas questões adicionais mais complexas, como o funcionamento das barras de scroll e a partilha de notícias. 4. APR ESE N T A Ç Ã O, A N Á L ISE E DISC USSÃ O D OS R ESU L T A DOS O protótipo digital de baixa fidelidade foi concebido para responder às dificuldades sentidas pelos seniores na fase de recolha de dados, incluindo uma interface simples, limpa e bem organizada, para que possa ser facilmente utilizado por este público-alvo. O intuito é de permitir ao sénior uma leitura fácil e rápida das notícias, para que este possa retirar apenas a informação que deseja. O agregador é constituído por duas tipologias de interface diferentes uma para o ecrã inicial, que reúne o sumário das notícias da atualidade (Figura 4), e outra respeitante ao ecrã de notícia, que apresenta o corpo da mesma e, também, uma área de partilha (Figura 5). 16

17 Figura 4 Ecrã inicial de notícias Figura 5 Página com a apresentação de uma notícia completa A navegação é realizada da mesma forma em ambos os ecrãs, estando sempre disponíveis dois botões na parte superior da aplicação: ao ecrã geral de notícias (Figura 4) a qualquer momento. 17

18 Na coluna esquerda (Figura 4) destacam-se os separadores temáticos, com o botão questionário. Na coluna direita, um sumário com três notícias iniciais. A organização do título, lead e imagem foi resultado da preferência manifestada entre os quatro modos de visualização do agregador de notícias do Google. As barras de scroll de grandes dimensões pretendem minimizar as dificuldades sentidas na utilização desta funcionalidade nos browsers comuns, possibilitando a visualização de mais notícias. Para aceder a uma notícia é possível clicar em qualquer um dos seus elementos (título, lead ou imagem), acedendo à tipologia de ecrã presente na Figura 5. Esta tipologia de ecrã apresenta também duas áreas principais: a notícia completa e uma lista de contactos para partilhar a mesma. Esta última funcionalidade foi criada no sentido de fomentar o conceito de comunidade, permitindo aos seniores partilhar uma notícia que considerem interessante com os seus contactos. Para tal, apenas é necessário um clique nos contactos pretendidos. Como foi referido na secção anterior, para avaliar esta interface foram realizados testes com o grupo experimental de seniores em duas situações diferentes. Considerando que a implementação online deste agregador é um processo complexo e que consome algum tempo, os testes foram iniciados com o referido protótipo digital de baixa fidelidade. Para tal, foi pedido a cada um dos seniores que utilizasse o agregador para consultar algumas notícias, sequenciando essa utilização em tarefas. Finalizada a implementação do protótipo digital e online de alta fidelidade, foi possível dar início ao segundo momento de testes, realizado num browser, com os feeds das notícias e respetivos separadores temáticos em funcionamento, bem como as já referidas barras de scroll e funcionalidade de partilha de notícia. A organização desta interface foi resultado da análise de todos os dados recolhidos durante as sessões participativas com os seniores e de um conjunto de guidelines levantadas através de revisão bibliográfica. Os resultados da investigação suportam algumas dessas guidelines (Zaphiris, Guiawadwala e Mughal, 2005), revelando que devem ser contempladas no desenvolvimento de serviços de Comunicação Mediada por Computador (CMC). 18

19 Adicionalmente, a análise dos dados recolhidos e o sucesso na utilização dos protótipos revelam alguns aspetos que devem ser considerados e conservados na implementação final do agregador de informação noticiosa adequado ao público sénior: A navegação deve ser simples e clara, sem hierarquias profundas, e respetivos botões com terminologia sugestiva; Se existir necessidade de scroll, devem ser fornecidas barras de grandes dimensões, bem como a possibilidade de o fazer através do teclado e da roda do rato; Os separadores temáticos devem ser apresentados do lado esquerdo da interface e fornecer feedback sobre qual o separador selecionado; O sumário da notícia deve ser apresentado com o respetivo título e lead justificados à esquerda, e imagem do lado direito do bloco informativo; Na eventualidade de não existir feed de imagem, deve ser fornecida uma imagem predefinida que o indique, de forma a não quebrar a estrutura de apresentação da informação; O acesso à página da notícia completa deve poder ser realizado através de três formas possíveis: clique no título, lead ou imagem; A notícia deve ser organizada com o título no topo do bloco informativo, imagem de grandes dimensões (caso exista) imediatamente abaixo, justificada à esquerda, emparelhada com o lead, à direita, e corpo da notícia em baixo; A funcionalidade de partilha deve encontrar-se do lado direito da interface, não exigindo mais do que um clique. 5. C O M E N T Á RI OS F IN A IS O desenvolvimento desta interface de apresentação e organização de informação noticiosa para uma comunidade sénior online beneficiou muito do envolvimento do grupo experimental de seniores, permitindo obter informação muito pertinente baseada na experiência de utilização do público-alvo em contexto institucional. Só com esta metodologia de desenvolvimento centrada no utilizador é que foi possível obter o sucesso registado na utilização do protótipo final. 19

20 Foi possível verificar que, mesmo com uma literacia digital extremamente reduzida, este grupo de seniores revelou sempre motivação na utilização das TIC. Os resultados da investigação apontam no sentido de que a utilização de um agregador de notícias por parte do sénior pode representar uma mais-valia na sua rotina diária, agilizando e facilitando o acesso à informação através da possibilidade de consultas noticiosas de várias fontes e temáticas num único espaço. Verificou-se também que é possível promover o espírito de comunidade num agregador deste género, considerando a aceitação que a funcionalidade de partilha noticiosa teve. 6. A G R A D E C I M E N T OS À direção do Centro Paroquial de S. Bernardo e a todos os seniores que participaram no estudo, pela motivação e empenho que demonstraram, tornando tudo possível. Um agradecimento também a todas as pessoas envolvidas na equipa de projeto que, através da partilha de conhecimentos e recursos, contribuíram para o sucesso desta investigação. Este trabalho é suportado pelo projeto SEDUCE (PTDC/CCI- COM/111711/2009) COMPETE, FEDER, FCT de Lisboa. 7. R E F E R Ê N C I AS BIB L I O G R Á F I C AS Abras, C., Maloney-Krichmar, D., Preece, J. (2005). User-Centered Design. Canavilhas, J. M. (2006). Webjornalismo: da pirâmide invertida à pirâmide deitada. UBI. Cancela, D. (2007). O processo de envelhecimento. Universidade Lusíada do Porto Cheung, C., Lee, M. (2009). Understanding the sustainability of a virtual community: model development and empirical test. Journal of Information Science 2009; Fairweather, P. G. (2008). How Older and Younger Adults Differ in their approach to Problem Solving on a Complex Website, Hawthorne, Nova Iorque. Huitt, W. (2007). Maslow's hierarchy of needs. Educational Psychology Interactive. Valdosta, GA: Valdosta State University. 20

ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO NOTICIOSA EM COMUNIDADE ONLINE PARA O SÉNIOR RENATO MIGUEL SILVA COSTA. Departamento de Comunicação e Arte !!!!!!!!!

ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO NOTICIOSA EM COMUNIDADE ONLINE PARA O SÉNIOR RENATO MIGUEL SILVA COSTA. Departamento de Comunicação e Arte !!!!!!!!! Universidade de Aveiro 2012 Departamento de Comunicação e Arte RENATO MIGUEL SILVA COSTA ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO NOTICIOSA EM COMUNIDADE ONLINE PARA O SÉNIOR RENATO MIGUEL SILVA COSTA Universidade de

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO NOTICIOSA EM COMUNIDADE ONLINE PARA O SÉNIOR RENATO MIGUEL SILVA COSTA. Universidade de Aveiro 2012

ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO NOTICIOSA EM COMUNIDADE ONLINE PARA O SÉNIOR RENATO MIGUEL SILVA COSTA. Universidade de Aveiro 2012 Universidade de Aveiro 2012 Departamento de Comunicação e Arte RENATO MIGUEL SILVA COSTA ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO NOTICIOSA EM COMUNIDADE ONLINE PARA O SÉNIOR Universidade de Aveiro 2012 Departamento

Leia mais

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor 20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor Manual do Utilizador Professor... 1 1. Conhecer o 20 Escola Digital... 4 2. Autenticação... 6 2.1. Criar um registo na LeYa Educação... 6 2.2. Aceder ao

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

LeYa Educação Digital

LeYa Educação Digital Índice 1. Conhecer o 20 Aula Digital... 4 2. Registo no 20 Aula Digital... 5 3. Autenticação... 6 4. Página de entrada... 7 4.1. Pesquisar um projeto... 7 4.2. Favoritos... 7 4.3. Aceder a um projeto...

Leia mais

Manual do Utilizador. PowerPoint 2013. Carlos Diniz

Manual do Utilizador. PowerPoint 2013. Carlos Diniz Manual do Utilizador PowerPoint 2013 Carlos Diniz Índice 1. Acerca do PowerPoint 2013... 3 1.1. Principais caraterísticas do PowerPoint 2013... 3 2. Trabalhar no interface do PowerPoint 2013... 3 2.1.

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

Our Mobile Planet: Portugal

Our Mobile Planet: Portugal Our Mobile Planet: Portugal Compreender o Consumidor de Telemóveis Maio de 2013 Informações Confidenciais e de Propriedade da Google 1 Resumo Executivo Os smartphones tornaram-se uma parte indispensável

Leia mais

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia Dia Mundial da População 11 julho de 15 1 de julho de 15 Envelhecimento da população residente em e na União Europeia Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto Nacional de Estatística

Leia mais

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo Introdução Co-habitamos uma sociedade de informação universal, aliados ao paradigma da evolução tecnológica que se verifica e se revela como um meio

Leia mais

Pesquisa e organização de informação

Pesquisa e organização de informação Pesquisa e organização de informação Capítulo 3 A capacidade e a variedade de dispositivos de armazenamento que qualquer computador atual possui, tornam a pesquisa de informação um desafio cada vez maior

Leia mais

Google Site Search Pesquisa de Websites Google para a sua Entidade

Google Site Search Pesquisa de Websites Google para a sua Entidade Google Site Search Folha de Dados Google Site Search Pesquisa de Websites Google para a sua Entidade google site search para obter mais informações, aceda a: http://www.google.com/enterprise/search/ o

Leia mais

POSTOUCH. Manual Software

POSTOUCH. Manual Software POSTOUCH Manual Software Introdução Introdução POS TOUCH é uma solução direcionada a pequenos postos de venda, que tem necessidade de criação de muitos talões de uma forma linear e rápida. A solução implementa

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

Usabilidade e Acessibilidade dos Museus Online. Ivo Gomes

Usabilidade e Acessibilidade dos Museus Online. Ivo Gomes Usabilidade e Acessibilidade dos Museus Online Ivo Gomes Análise aos websites dos Museus Nacionais Em colaboração com o Público Digital Análise aos websites dos Museus Nacionais O Público Digital pediu

Leia mais

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador MATRÍCULA ELECTRÓNICA Manual do Utilizador ÍNDICE 1 PREÂMBULO... 2 2 UTILIZAÇÃO PELOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO... 3 2.1 Matrícula Electrónica - Acesso através do Portal das Escolas... 3 2.2 Registo de

Leia mais

Adaptação de materiais digitais. Manuela Francisco manuela.amado@gmail.com

Adaptação de materiais digitais. Manuela Francisco manuela.amado@gmail.com Adaptação de materiais digitais Manuela Francisco manuela.amado@gmail.com Plano da sessão Tópicos Duração Documentos acessíveis: porquê e para quem. Diretrizes de acessibilidade Navegabilidade, legibilidade

Leia mais

BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR

BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR ÍNDICE Biblioteca ANACOM - Manual do utilizador... 2 Página de entrada... 3 Barra de menus da Biblioteca ANACOM... 3 Tipos de pesquisa... 3 Pesquisa simples... 3

Leia mais

Oficina de Construção de Páginas Web

Oficina de Construção de Páginas Web COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 Oficina de Construção de Páginas Web Criação e Publicação Actividades de exploração Objectivo Explorar as funcionalidades essenciais do Programa, na perspectiva da construção/actualização

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

Escola Secundária de Amora Seixal

Escola Secundária de Amora Seixal Escola Secundária de Amora Seixal DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) TIC TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 7º ANO TURMAS: 7A E 7B ANO LETIVO 2014-2015 P R O P

Leia mais

Bolsa de Contratação de Escola. Criação de Oferta

Bolsa de Contratação de Escola. Criação de Oferta MANUAL DO UTILIZADOR Bolsa de Contratação de Escola Criação de Oferta 27 de agosto de 2014 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 5 1.1 Aspetos gerais... 5 1.2 Normas importantes de acesso e utilização da aplicação...

Leia mais

Manual de Utilização. Site Manager. Tecnologia ao serviço do Mundo Rural

Manual de Utilização. Site Manager. Tecnologia ao serviço do Mundo Rural Manual de Utilização Site Manager Tecnologia ao serviço do Mundo Rural Índice 1. Acesso ao Site Manager...3 2. Construção/Alteração do Menu Principal...4 3. Inserção/ Alteração de Conteúdos...7 4. Upload

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012 06 de novembro de 2012 60% das pessoas dos 16 aos 74 anos utilizam Internet

Leia mais

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I APRESENTAÇÃO... 1 AMBIENTE DE TRABALHO... 2 A folha de cálculo... 2 O ambiente de trabalho do Excel... 3 Faixas de Opções do Excel... 4 - Guia

Leia mais

Migrar para o Excel 2010

Migrar para o Excel 2010 Neste Guia Microsoft O aspecto do Microsoft Excel 2010 é muito diferente do Excel 2003, pelo que este guia foi criado para ajudar a minimizar a curva de aprendizagem. Continue a ler para conhecer as partes

Leia mais

1- Objetivos de comunicação/adaptabilidade aos vários dispositivos

1- Objetivos de comunicação/adaptabilidade aos vários dispositivos UC: Tecnologia Multimédia Discente Brany Cunha Lisboa-1130499 Docente: Bruno Rego Proposta de melhoria de uma solução interativa Site: www.reporterstp.info 1- Objetivos de comunicação/adaptabilidade aos

Leia mais

Sobre o Livro... XV. FCA Editora de Informática

Sobre o Livro... XV. FCA Editora de Informática Índice Sobre o Livro... XV Capítulo 1 Configurar o Excel... 1 1.1 Iniciar o Excel... 1 1.2 Ambiente de trabalho... 3 1.3 Personalização do ambiente de trabalho... 6 1.3.1 Opções da interface do utilizador...

Leia mais

20 Aula Digital Manual do Utilizador do Professor

20 Aula Digital Manual do Utilizador do Professor 20 Aula Digital Manual do Utilizador do Professor Versão 1.0 Índice I. Começar a utilizar o 20 Aula Digital... 4 1. Registo... 4 2. Autenticação... 4 2.1. Recuperar palavra-passe... 5 II. Biblioteca...

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 8.º ANO DE T.I.C. 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno deve ser capaz de: - desenvolver capacidades na utilização das tecnologias de informação e comunicação que permitam uma literacia digital

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Office Web Apps para Professores Passo-a-passo

Office Web Apps para Professores Passo-a-passo Office Web Apps para Professores Passo-a-passo Usar o Office Web Apps no Windows Live Para usar o Office Web Apps no Windows Live precisa de ter uma conta Microsoft, Windows Live ou Office 365 um endereço

Leia mais

Plano Curricular TIC - 1º Ciclo -

Plano Curricular TIC - 1º Ciclo - O Projeto de TIC A elaboração deste projeto tem como objetivo principal a estrutura organizacional das TIC (Tecnologias de Informação e de Comunicação) no Externato Grão Vasco, tendo como base as necessidades

Leia mais

Manual do Nero ControlCenter

Manual do Nero ControlCenter Manual do Nero ControlCenter Nero AG Informações sobre direitos de autor e marcas O manual do Nero ControlCenter e todo o seu conteúdo estão protegidos pelos direitos de autor e são propriedade da Nero

Leia mais

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Ana Beatriz Mesquita (CPTEC/INPE) ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Metodologia do trabalho realizado referente a gravação e expansão dos vídeos

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

MANUAL DO CURSO Normas Internacionais de Auditoria

MANUAL DO CURSO Normas Internacionais de Auditoria MANUAL DO CURSO ÍNDICE ENQUADRAMENTO DESCRIÇÃO DESTINATÁRIOS OBJETIVOS ESTRUTURA E DURAÇÃO AUTORES FUNCIONAMENTO E METODOLOGIA DO CURSO AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO PORTAL E CONTEÚDOS MULTIMÉDIA PORTAL ORDEM

Leia mais

P3 Tratamos tudo por tu. Duarte Pereira e Ivan Mendes

P3 Tratamos tudo por tu. Duarte Pereira e Ivan Mendes P3 Tratamos tudo por tu Duarte Pereira e Ivan Mendes Conteúdo 1.Introdução... 2 2. O caso p3... 3 2.1 Estatística... 3 3. Público-alvo... 4 4. Objetivos de Comunicação... 5 5. Vantagens desvantagens...

Leia mais

Prémio Excelência no Trabalho 2015

Prémio Excelência no Trabalho 2015 FAQ Frequently Asked Questions Índice Prémio Excelência no Trabalho 2015 INSCRIÇÃO... 2 COMUNICAÇÃO INTERNA... 4 QUESTIONÁRIO DIRIGIDO AOS COLABORADORES... 5 INQUÉRITO À GESTÃO DE TOPO... 7 TRATAMENTO

Leia mais

Avaliação e Proposta de Melhoria de uma Solução Interativa

Avaliação e Proposta de Melhoria de uma Solução Interativa Avaliação e Proposta de Melhoria de uma Solução Interativa Website para avaliação: wwwmrpizzapt Introdução O Mr Pizza consiste numa cadeia de pizzarias baseada no franchising, fundada em 2001 em Portugal,

Leia mais

Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante)

Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante) Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante) 1. Introdução I 2. Primeiros passos I 3. Unidade Curricular I 4. Recursos e atividades O e-campus do ISPA - Instituto

Leia mais

1.4.5 Ligar outros serviços de armazenamento

1.4.5 Ligar outros serviços de armazenamento Configurar o Word FIGURA 1.26 Serviços ligados 1.4.5 Ligar outros serviços de armazenamento O Microsoft Office 2013 apenas tem disponíveis ligações a serviços de armazenamento proprietários da Microsoft.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO da DISCIPLINA de TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES Desenvolvimento

Leia mais

A criação de um site público e dinâmico

A criação de um site público e dinâmico PHC dportal A criação de um site público e dinâmico A solução ideal para criar um site público e dinâmico com um visual profissional, e facilmente utilizável por colaboradores sem conhecimentos de HTML.

Leia mais

ESCOLA. Contratos e Aditamentos

ESCOLA. Contratos e Aditamentos MANUAL DO UTILIZADOR ESCOLA Contratos e Aditamentos 9 de julho de 2015 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 5 1.1 Aspetos gerais... 5 1.2 Normas importantes de acesso e utilização da aplicação... 5 2 INSTRUÇÕES DE

Leia mais

Migrar para o Access 2010

Migrar para o Access 2010 Neste Guia Microsoft O aspecto do Microsoft Access 2010 é muito diferente do Access 2003, pelo que este guia foi criado para ajudar a minimizar a curva de aprendizagem. Continue a ler para conhecer as

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2014 / 2015

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2014 / 2015 TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 204 / 205 SUBDOMÍNIO CC8.. CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO ADEQU ADA E SEGURA DE DIFERENTES TIPOS DE FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM AS

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 7.º ANO DE T.I.C. 7.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno deve ser capaz de: - desenvolver capacidades na utilização das tecnologias de informação e comunicação que permitam uma literacia digital

Leia mais

MANUAL DE UTILIZADOR/A. mwba.montemor.jeec an.pt mwba.viseu.jeec an.pt

MANUAL DE UTILIZADOR/A. mwba.montemor.jeec an.pt mwba.viseu.jeec an.pt MANUAL DE UTILIZADOR/A mwba.montemor.jeec an.pt mwba.viseu.jeec an.pt Síntese Este manual está estruturado tendo em conta, numa primeira fase, o acesso às redes interempresariais criadas, nomeadamente

Leia mais

RELATÓRIO DO GOMOMETER

RELATÓRIO DO GOMOMETER RELATÓRIO DO GOMOMETER Análise e conselhos personalizados para criar sites mais otimizados para celular Inclui: Como os clientes de celular veem seu site atual Verificação da velocidade de carregamento

Leia mais

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1. Oficina da Internet

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1. Oficina da Internet COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 Oficina da Internet Utilização Educativa da Internet Guião de iniciação à consulta e pesquisa de informação na Web Índice Introdução... 2 Alguns conceitos básicos...2

Leia mais

Construir um e-portefólio com o Blogger

Construir um e-portefólio com o Blogger TUTORIAIS CienTIC7 Construir um e-portefólio com o Blogger O suporte informático para um e-portefólio pode ser tão simples como um documento criado num processador de texto ou tão específico e elaborado

Leia mais

Guia da Internet. Página 1

Guia da Internet. Página 1 Guia da Internet Utilização da Internet Introdução... 2 Alguns conceitos básicos... 2 Endereços (URL)... 2 Páginas Web... 3 Abrir o Internet Explorer... 3 O ecrã do Internet Explorer... 4 A Barra de Ferramentas

Leia mais

Painel de Navegação Para ver o Painel de Navegação, prima CTRL+F. Pode arrastar os cabeçalhos dos documentos neste painel para reorganizá-los.

Painel de Navegação Para ver o Painel de Navegação, prima CTRL+F. Pode arrastar os cabeçalhos dos documentos neste painel para reorganizá-los. Guia de Introdução O Microsoft Word 2013 tem um aspeto diferente das versões anteriores, pelo que criámos este guia para ajudar a minimizar a curva de aprendizagem. Barra de Ferramentas de Acesso Rápido

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação e Arte JESSICA NEVES SIMÕES PROPOSTA DE UM SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO ASSÍNCRONA PARA O CIDADÃO SÉNIOR

Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação e Arte JESSICA NEVES SIMÕES PROPOSTA DE UM SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO ASSÍNCRONA PARA O CIDADÃO SÉNIOR Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação e Arte 2011 JESSICA NEVES SIMÕES PROPOSTA DE UM SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO ASSÍNCRONA PARA O CIDADÃO SÉNIOR Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 7º ano. Domínio : I7 Informação. Aulas Previstas Semestre 32

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 7º ano. Domínio : I7 Informação. Aulas Previstas Semestre 32 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 7º ano Domínio : I7 Informação Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: A informação, o conhecimento e o mundo das

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

Bolsa de Contratação de Escola. Candidatura

Bolsa de Contratação de Escola. Candidatura MANUAL DO UTILIZADOR Bolsa de Contratação de Escola Candidatura 2 de setembro de 2014 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 5 1.1 Aspetos gerais... 5 1.2 Normas importantes de acesso e utilização da aplicação... 6

Leia mais

20 Manual Manual do Utilizador Android

20 Manual Manual do Utilizador Android 20 Manual Manual do Utilizador Android Versão 1.1 Conteúdos do Manual do Utilizador A aplicação 20 Manual... 3 I... 3 1. Especificações técnicas... 3 1.1 Especificações mínimas do tablet... 3 1.2 Software

Leia mais

20 Manual. Manual do utilizador Windows 8

20 Manual. Manual do utilizador Windows 8 20 Manual Manual do utilizador Windows 8 Índice A aplicação 20 Manual... 3 I... 3 1. Especificações técnicas... 3 1.1. Requisitos técnicos mínimos:... 3 II... 4 Começar a utilizar o 20 Manual... 4 1. Instalar

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR. Bolsa de Contratação de Escola. Candidatura

MANUAL DO UTILIZADOR. Bolsa de Contratação de Escola. Candidatura MANUAL DO UTILIZADOR Bolsa de Contratação de Escola Candidatura 22 de julho de 2015 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 4 1.1 Aspetos gerais... 4 1.2 Normas importantes de acesso e utilização da aplicação... 5 2

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC 10º C. Planificação de. Curso Profissional de Técnico de Secretariado

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC 10º C. Planificação de. Curso Profissional de Técnico de Secretariado Escola Básica e Secundária de Velas Planificação de TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC Curso Profissional de Técnico de Secretariado 10º C MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO Microsoft Excel Conteúdos

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom

Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom Quem Somos? A Portugal Telecom, SGPS, SA. ( PT ) é a holding de um grupo integrado de Empresas (Grupo PT), que atua na área das comunicações

Leia mais

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Direção de Gestão de Informação e Comunicação Centro de Informação e Conhecimento Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Lisboa, janeiro de 2015 Introdução

Leia mais

manual da aplicação informática modelo de avalição da biblioteca escolar v2011.12 Rede Bibliotecas Escolares

manual da aplicação informática modelo de avalição da biblioteca escolar v2011.12 Rede Bibliotecas Escolares manual da aplicação informática modelo de avalição da biblioteca escolar v2011.12 Rede Bibliotecas Escolares Manual da aplicação informática: modelo de avaliação da biblioteca escolar Rede de Bibliotecas

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Será a Internet/Intranet uma plataforma viável em sala de aula? Luís Manuel Borges Gouveia. www.ufp.pt/staf/lmbg/ lmbg@ufp.pt

Será a Internet/Intranet uma plataforma viável em sala de aula? Luís Manuel Borges Gouveia. www.ufp.pt/staf/lmbg/ lmbg@ufp.pt Será a Internet/Intranet uma plataforma viável em sala de aula? Luís Manuel Borges Gouveia www.ufp.pt/staf/lmbg/ lmbg@ufp.pt Questões Será a Internet/Intranet uma plataforma viável em sala de aula? Lições

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

[GESTÃO DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COM O ENDNOTE]

[GESTÃO DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COM O ENDNOTE] 2015 FEP Centro de Documentação, Informação e Arquivo (CDIA) [GESTÃO DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COM O ENDNOTE] Documento de apoio na utilização do Endnote. ÍNDICE ÍNDICE... 1 BREVE INTRODUÇÃO... 2 O

Leia mais

POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo,

POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo, Módulo POS Loja O que é um POS? Para que serve? POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo, uma Loja que efetue venda ao público. Por outras palavras,

Leia mais

ued - unidade de ensino a distância instituto politécnico de leiria BlackBoard - Moodle Guia rápido

ued - unidade de ensino a distância instituto politécnico de leiria BlackBoard - Moodle Guia rápido ued - unidade de ensino a distância instituto politécnico de leiria BlackBoard - Guia rápido ued - unidade de ensino a distância instituto politécnico de leiria Unidade de Ensino a Distância Equipa Guia

Leia mais

Animação Sénior. Animação

Animação Sénior. Animação Animação Animar-se ou distrair-se é uma necessidade essencial de todos nós, e aquele que se diverte com uma ocupação agradável com o fim de se descontrair física e psicologicamente consegue satisfazer

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 7º Ano. Ano letivo 2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 7º Ano. Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO da DISCIPLINA de TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 7º Ano Ano letivo 2014-201 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES Desenvolvimento

Leia mais

Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013

Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013 Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013 AULAS PREVISTAS (50 minutos) 1.- Conhecimento e utilização adequada e segura de diferentes tipos de ferramentas de comunicação,

Leia mais

A importância das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) na aprendizagem dos alunos com Dificuldades Intelectuais e Desenvolvimentais (DID)

A importância das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) na aprendizagem dos alunos com Dificuldades Intelectuais e Desenvolvimentais (DID) A importância das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) na aprendizagem dos alunos com Dificuldades Intelectuais e Desenvolvimentais (DID) Ana Isabel Leitão, Técnica Superior de Educação Especial

Leia mais

LinkCities MANUAL GESTOR DE CONTEÚDOS. Cities all together, make a better world. Copyright 2014 Link Think. Todos os direitos reservados.

LinkCities MANUAL GESTOR DE CONTEÚDOS. Cities all together, make a better world. Copyright 2014 Link Think. Todos os direitos reservados. LinkCities Cities all together, make a better world MANUAL GESTOR DE CONTEÚDOS Introdução Bem vindos ao LinkCities! O LinkCities é uma plataforma online dirigida aos profissionais e cidades que compõem

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

O 1º Ciclo do Ensino Básico é um espaço privilegiado onde se proporcionam aos alunos aprendizagens mais ativas e significativas,

O 1º Ciclo do Ensino Básico é um espaço privilegiado onde se proporcionam aos alunos aprendizagens mais ativas e significativas, O 1º Ciclo do Ensino Básico é um espaço privilegiado onde se proporcionam aos alunos aprendizagens mais ativas e significativas, pois este é um dos meios de socialização e da aquisição das primeiras competências

Leia mais

RÁDIO UNIVERSITÁRIA DO MINHO: CONFIGURAÇÕES EDUCOMUNICATIVAS DE ENSINO-APREDIZAGEM MARCELO MENDONÇA TEIXEIRA

RÁDIO UNIVERSITÁRIA DO MINHO: CONFIGURAÇÕES EDUCOMUNICATIVAS DE ENSINO-APREDIZAGEM MARCELO MENDONÇA TEIXEIRA 1 RÁDIO UNIVERSITÁRIA DO MINHO: CONFIGURAÇÕES EDUCOMUNICATIVAS DE ENSINO-APREDIZAGEM MARCELO MENDONÇA TEIXEIRA Introdução A passagem da comunicação oral para a comunicação eletrônica no final da década

Leia mais

Transição de POC para SNC

Transição de POC para SNC Transição de POC para SNC A Grelha de Transição surge no âmbito da entrada em vigor, no ano de 2010, do Sistema de Normalização Contabilística (SNC). O SNC vem promover a melhoria na contabilidade nacional,

Leia mais

PROCESSO DE AUDITORIA DE SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE

PROCESSO DE AUDITORIA DE SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE PROCESSO DE AUDITORIA DE SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE Exercício Experimental ASIGQ 2012 Análise Crítica do Processo e Medidas de Melhoria Março 2013 2 1. Introdução A Agência de Avaliação

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

Programa de Edição de Textos- Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 2

Programa de Edição de Textos- Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 2 Programa de Edição de Textos- Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 2 2. MANIPULAÇÃO DE DOCUMENTOS Os processadores de textos possibilitam a criação e a manipulação de diversos modelos de documentos. Com eles

Leia mais

Ajuda: Pesquisa Web na base de dados Digitarq

Ajuda: Pesquisa Web na base de dados Digitarq Ajuda: Pesquisa Web na base de dados Digitarq A pesquisa Web nos oferece duas principais possibilidades, a saber: 1) Pesquisa simples e 2) Pesquisa avançada 1) Pesquisa simples O interface da pesquisa

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Planificação Anual da Disciplina de TIC Módulos 1,2,3-10.ºD CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA Ano Letivo 2015-2016 Manual adotado:

Leia mais

Educação Digital... 41... 19

Educação Digital... 41... 19 Versão 1.1 ... 3... 3... 3... 3... 3... 4... 4... 6... 9... 9... 10... 13... 15... 16... 16... 17... 18... 19... 21... 23... 27... 41... 42... 43... 44... 46... 60... 65 2 A aplicação 20 Manual é um novo

Leia mais

bit Tecnologia ao Serviço do Mundo Rural www.ruralbit.pt

bit Tecnologia ao Serviço do Mundo Rural www.ruralbit.pt bit Tecnologia ao Serviço do Mundo Rural www.ruralbit.pt :: Ruralbit :: http://www.ruralbit.pt :: Índice :: Ruralbit :: http://www.ruralbit.pt :: Pág. 1 Introdução O Pocket Genbeef Base é uma aplicação

Leia mais

Google Apps para o Office 365 para empresas

Google Apps para o Office 365 para empresas Google Apps para o Office 365 para empresas Mude O Office 365 para empresas tem um aspeto diferente do Google Apps, por isso, ao iniciar sessão, obterá esta vista para começar. Após as primeiras semanas,

Leia mais

Como fazer uma pesquisa de Imagens

Como fazer uma pesquisa de Imagens Como fazer uma pesquisa de Imagens Nesta etapa irá aprender como fazer uma pesquisa de imagens no motor de pesquisa Google e ficará a saber como: Reconhecer as diferentes opções do menu de pesquisa Pesquisar

Leia mais

GERIR REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS com o software Mendeley. Bibliotecas da Universidade de Aveiro

GERIR REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS com o software Mendeley. Bibliotecas da Universidade de Aveiro GERIR REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS com o software Mendeley Bibliotecas da Universidade de Aveiro 2014 2 sumário 1. Citações em texto e referências bibliográficas conceitos chave vantagens 2. Essencial do

Leia mais

Calculadora Virtual HP Prime

Calculadora Virtual HP Prime Calculadora Virtual HP Prime Número de peça HP: NW280-3002 Edição 2, fevereiro de 2014 Avisos Legais Este manual e os exemplos nele incluídos são fornecidos "tal como estão" e estão sujeitos a alteração

Leia mais

Guia Rápido do ScienceDirect

Guia Rápido do ScienceDirect Guia Rápido do ScienceDirect Apresentando o ScienceDirect O ScienceDirect está frequentemente desenvolvendo recursos inovadores que facilitam e agilizam o processo de pesquisa. E tais inovações só são

Leia mais

Publicação em contexto académico: OJS na prática

Publicação em contexto académico: OJS na prática Publicação em contexto académico: OJS na prática sumário 1. Publicações científicas em ambiente académico: um cenário pouco homogéneo 1.1 o papel das bibliotecas de ensino superior 2. OJS Open Journal

Leia mais

Fluxo de trabalho no Picasa

Fluxo de trabalho no Picasa Fluxo de trabalho no Picasa Neste bloco serão abordados: Download e Instalação Aquisição de imagens Tratamento básico de imagem digital fotográfica Opções de impressão Tratamento para envio para a web

Leia mais