RECOMENDAÇÕES PARA O DESIGN DE INTERFACES WEB ACESSÍVEIS AO PÚBLICO SURDO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECOMENDAÇÕES PARA O DESIGN DE INTERFACES WEB ACESSÍVEIS AO PÚBLICO SURDO"

Transcrição

1 RECOMENDAÇÕES PARA O DESIGN DE INTERFACES WEB ACESSÍVEIS AO PÚBLICO SURDO Carla Flor 1, Sabrina Bleicher 2, Vânia Ribas Ulbricht 3, Tarcísio Vanzin 4, Marília Matos Gonçalves 5 Abstract Several authors identified in their studies needs and latent issues related to language aspects, visuality, usability and navigation in web interfaces dedicated to the deaf public. Therefore, as a way to decrease this gap, this study has the objective of showing recommendations for accessible web design interfaces to the deaf public. By a bibliographic and exploratory research, using the technic of literature systematic revision, it was obtained as a result a compilation of recommendations for the development of web interfaces that include, in a systematic board, general orientations, text formatting, navigation, page layout, programming language and video features in sign language. The recommendations bring benefits to the deaf community as well to the webdesigners that currently don t have available in a synthesized form practical orientations dedicated to interfaces design to this public. Index Terms deaf, design, interface, web. INTRODUÇÃO O conceito de interface web pode ser descrito de diferentes formas. De modo simples, pode-se defini-la como a face responsável pela conexão entre os seres humanos e o computador e seus sistemas. O estudo da interface insere-se em uma grande área multidisciplinar denominada Interação Homem-Computador (IHC) que tem como objeto de pesquisa o design, a avaliação e a implementação de sistemas computacionais interativos para uso humano [11]. O campo de estudo da IHC sofreu e ainda sofre alterações constantes com o rápido desenvolvimento das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs). Consequentemente, a interface web também passou por modificações. O acesso de um público cada vez maior e diversificado aos sistemas computacionais tornou latente a necessidade de se desenvolver sistemas acessíveis e utilizáveis por qualquer tipo de usuário. Contudo, o que ainda se vê, muitas vezes, é um ambiente web desenvolvido para um público-alvo específico: infantil, jovem, adulto, idoso, experiente, inexperiente etc. Na tentativa de construir interfaces web acessíveis ao público surdo é que surgiu a proposta de pesquisa descrita neste artigo. Esse estudo se justifica porque a visualização das informações e as mídias visuais, comuns no ambiente web, contribuem para a comunicação dos surdos a partir da leitura de imagens, uma vez que a língua escrita não é dominada, na maioria dos casos, por esse público [2]-[4]-[5]. Apesar de alguns surdos lerem textos e fazerem leitura labial com facilidade, a perda precoce da audição influencia substancialmente no sucesso do domínio dos surdos com a língua escrita. A falta da audição traz como prejuízo a dificuldade em associar a língua escrita com o correspondente sonoro, levando o surdo a recorrer a estratégias como a língua de sinais, hoje reconhecida como sua primeira língua [2]-[9]. Esse problema reflete-se também em dificuldades de comunicação e interação em ambientes virtuais em que a quantidade de textos é predominante. Os estudos de [4] demonstram que cerca de 50% dos surdos com idade de 16 anos são analfabetos e, para essas pessoas, navegar em sites puramente textuais é algo semelhante a ser um estrangeiro que não conhece a língua: enfrentarão diversas barreiras que os impedirão de seguirem em frente e encontrarem os conteúdos almejados. Assim, com o intuito de diminuir as barreiras de conteúdo e navegação em websites para surdos, este artigo se propõe a buscar soluções de interface que reúnam procedimentos e técnicas mais adequados para o webdesign de ambientes virtuais voltados às especificidades da linguagem, navegação e visualidade desse público. Para tanto, a metodologia utilizada foi a revisão sistemática de literatura aplicada à base de dados Scopus, que reuniu 294 artigos, dos quais 12 foram selecionados para a extração e estruturação das recomendações para o 1 Carla Flor, Doctor Student at the Post Graduation Program of Engenharia e Gestão do Conhecimento (PPGEGC) in Federal University of Santa Catarina (UFSC), Campus Universitário Reitor João David Ferreira Lima, CEP: , Trindade, Florianópolis, Santa Catarina, Brazil, com 2 Sabrina Bleicher, Doctor Student at the Post Graduation Program of Engenharia e Gestão do Conhecimento (PPGEGC) in Federal University of Santa Catarina (UFSC), Campus Universitário Reitor João David Ferreira Lima, CEP: , Trindade, Florianópolis, Santa Catarina, Brazil, 3 Vânia R. Ulbricht, Doctor and Professor at the Post Graduation Program of Engenharia e Gestão do Conhecimento (PPGEGC) in Federal University of Santa Catarina (UFSC), Campus Universitário Reitor João David Ferreira Lima, CEP: , Trindade, Florianópolis, Santa Catarina, Brazil, 4 Tarcísio Vanzin, Doctor and Professor at the Post Graduation Program of Engenharia e Gestão do Conhecimento (PPGEGC) in Federal University of Santa Catarina (UFSC), Campus Universitário Reitor João David Ferreira Lima, CEP: , Trindade, Florianópolis, Santa Catarina, Brazil, 5 Marília Matos Gonçalves, Doctor and Professor at the Federal University of Santa Catarina (UFSC), Campus Universitário Reitor João David Ferreira Lima, CEP: , Trindade, Florianópolis, Santa Catarina, Brazil, com 50

2 desenvolvimento de interfaces web acessíveis ao público surdo. METODOLOGIA DA PESQUISA Com o intuito de obter recomendações que contribuíssem com o desenvolvimento de interfaces gráficas para surdos foi elaborada uma pesquisa bibliográfica, utilizando, como supracitado, a técnica de revisão sistemática de literatura. A técnica de revisão sistemática de literatura foi escolhida porque possibilita planejar a revisão e obter respostas para questões específicas, utilizando métodos explícitos e sistemáticos que permitem a identificação, seleção e avaliação crítica das pesquisas que farão parte da revisão [13]. A questão a ser respondida nesta pesquisa referia-se a quais características de projetos de interfaces devem ser previamente solucionadas para tornar o webdesign acessível a surdos. A fim de responder à tal pergunta, foi feita a seleção das palavras-chave e da base de dados; definiram-se os critérios da pesquisa; selecionou-se a amostra; e obteve-se os resultados e a análise dos dados [13]. Seleção das palavras-chave e escolha da base de dados Uma busca preliminar com palavras variadas sobre o tema ajudou a definir as palavras-chave da pesquisa. Deaf and Human-Computer-Interaction e Interface and Deaf foram as palavras escolhidas porque retornaram artigos de interesse para o tema. Em relação à base de dados, a Scopus foi a base escolhida por ser de natureza multidisciplinar, no entanto, muitos dos artigos recuperados estavam relacionados à medicina, não sendo de interesse para a pesquisa. Assim, os artigos da área Health Sciences foram excluídos da busca. A combinação Interface and Deaf retornou uma grande quantidade de artigos por isso foi delimitada a um período de tempo específico. Nesse caso, buscou-se na base de dados conteúdos publicados no período de 2000 a outubro de 2013 (mês em foi realizada a busca na base de dados). A combinação Deaf and Human-Computer- Interaction retornou uma quantidade menor de artigos, por isso, delimitou-se apenas a data fim, nesse caso outubro de 2013 (mês em foi realizada a busca na base de dados). Definição dos critérios da pesquisa Incluiu-se na pesquisa todos os artigos que tratavam de interfaces gráficas para surdos, com exceção dos que: tratavam de interfaces para tradutores automáticos, legendas, dicionários ou glossários: o foco destes artigos costuma ser a reprodução dos sinais e não a interface como um todo; eram destinados à área médica; não estavam disponíveis de forma gratuita. Seleção da amosta A combinação Deaf and Human-Computer-Interaction retornou 101 resultados. Após a leitura dos títulos, 20 artigos foram pré-selecionados, mas com a leitura dos resumos e avaliação da existência do texto completo, somente 7 foram lidos integralmente, destes somente 2 foram incluídos na pesquisa. Dentre os cinco excluídos, quatro o foram porque, embora apresentassem aderência com o tema, não traziam as soluções de interface procuradas para compor o estado da arte e um, porque datava de 1996 e suas referências, embora ligadas a temática estudada, apresentavam-se ultrapassadas. A outra combinação (Interface and Deaf) foi a que apresentou mais resultados. A pesquisa retornou 193 resultados, dos quais apenas 10 foram selecionados. Os títulos dos artigos selecionados para a pesquisa e a respectiva autoria de cada um estão descritos na Tabela I. TABELA I ARTIGOS SELECIONADOS DE ACORDO COM OS CRITÉRIOS DE PESQUISA Título do artigo User Interface Requirements for E-Learning Program Designed for Deaf Children Bilingual alphabetisation of deaf children:requirements for a communication to children E-learning accessibility for the deaf and hard of hearing - Practical examples and experiences Improving multimodal web accessibility for deaf people: sign language interpreter module Improving deaf users' accessibility in hypertext information retrieval: are graphical interfaces useful for them? Autores AL-OSAIMI, ALFEDAGHI e ALSUMAIT (2009) BUENO, GARCIA e MIRANDA (2010) DEBEVC, KOSEC e HOLZINGER (2010) DEBEVC, KOSEC e HOLZINGER (2011) FAJARDO, CANAS, SALMERON, ABASCAL (2006) Sign Language Web Pages FELS et al. (2006) Designing and Assessing an Intelligent E- Tool for Deaf Children Semi-transparent Video Interfaces to Assist Deaf Persons in Meetings Vias-Ka: Modelo de acessibilidade para sistemas computacionais de educação a distância Personalization, interation, and navigation in rich multimedia documents for printdisabled users Towards a Service Integration Portal for Deaf People GENNARI e MICH (2008) MILLER et al.(2007) MIRANDA et al. (2005) PETRIE, WEBER e FICHER (2005) PONSARD et al. (2006) Após a seleção e leitura dos artigos, o próximo passo foi a extração das principais recomendações de interface para surdos. RESULTADO E ANÁLISE DOS DADOS 51

3 Como resultado desta pesquisa obteve-se um conjunto de recomendações que se encontravam espalhadas nos diversos artigos selecionados. Alguns autores propunham recomendações de ordem geral e também específicas, como para a navegação e o layout; já outros se detinham no uso de texto e na forma de apresentação de vídeos em língua de sinais. A Tabela II apresenta o resultado do agrupamento dessas recomendações. A coluna à esquerda apresenta tópicos gerais, ou seja, os recursos aos quais destinam-se as recomendações e a coluna à direita apresenta as recomendações propriamente ditas. Recursos TABELA II RECOMENDAÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA INTERFACE WEB VOLTADA AO PÚBLICO SURDO 1. Orientações gerais para a interface Recomendações 1.1 O ambiente deve ser multicultural (deve permitir o uso não restrito a um único público, e deve possibilitar a interação entre eles) [2]. 1.2 Deve haver uma correlação entre sons, sinais e texto, de maneira que as informações sonoras sejam convertidas em visuais e os elementos verbais em não verbais [2]-[9]. 2. Uso de texto 2.1 Os textos devem ser curtos e simples e, de preferência, associados a recursos visuais [1]- [2]-[3]. 2.2 Os títulos e listas devem apresentar uma hierarquia clara e adequada [3]. 2.3 A linguagem técnica específica, quando possível, deve ser apresentada a partir de termos simples de fácil compreensão [3]. 2.4 As palavras incomuns devem estar ligadas a um dicionário. A entrada desse dicionário deve conter, respectivamente: a palavra, uma breve explicação com palavras simples, uma imagem e a tradução em vídeo para a língua de sinais [7]. 3 Uso de vídeos em Língua de sinais 3.1 Vídeos em língua de sinais devem dar preferência a intérpretes humanos a avatares digitais [3]. 3.2 Os vídeos devem apresentar cores consistentes e evitar o excesso de informações gráficas. Devem ser apresentados de forma contínua e só devem ser interrompidos quando solicitado pelo usuário [3]. 3.3 Posição dos vídeos na página: Fixo na página: quando fixos, os vídeos devem ser inseridos no canto superior esquerdo da página [3] Flutuante: vídeos flutuantes devem permitir movê-los pela página de forma a posicioná-lo o mais próximo possível do conteúdo a ser traduzido ou da imagem gráfica relacionada [8]-[4]. Podem ser: - Semitransparentes: translúcidos, permitindo a visualização da página por entre o vídeo [8]. - Com fundo transparente: quando toda a área ao redor do intérprete é removida [3]-[4]. 3.4 Os vídeos flutuantes devem ser acessados somente quando requisitados pelo usuário, a partir de qualquer elemento da página (palavra, ícone, parágrafo, etc.), e devem desaparecer automaticamente ao final da exibição [4]. 3.5 Vídeos com mais de 5 segundos devem dispor de mecanismos que permitam parar, desacelerar, acelerar e aumentar (mantendo a nitidez) [1]-[2]-[4]-[6]-[8]. 3.6 Os vídeos devem permitir a visualização de detalhes dos dedos e expressões faciais, portanto, não podem ter formato inferior a 352x288 pixels [4]. 3.7 Os vídeos não devem apresentar tempo de carregamento superior a 1 segundo [4]-[6]-[12]. 3.8 Os vídeos devem mostrar apenas o torso e a cabeça do intérprete de sinais e não o corpo inteiro. O intérprete deve vestir roupa discreta e permanecer o mesmo para todo o vídeo [2]. 3.9 Os vídeos podem ser combinados com legendas e transcrições em áudio [4]-[12]. 4 Navegação 4.1 A navegação deve ser clara e intuitiva. Deve-se manter a posição dos elementos de navegação de uma página a outra e evitar que novas páginas abram sem a solicitação do usuário [3]. 4.2 A navegação deve ser orientada por vídeos de ajuda, que demonstram o funcionamento da interface [1]. 4.3 Sites extensos devem conter mapas do site no formato de texto e de imagem [1]. 4.4 Traduções de texto não lineares para vídeos em língua de sinais devem conter hiperlinks, denominados de signlinks, de modo a permitir a interatividade das páginas da web [6]. 4.5 Imagens de ícones como elementos de navegação: Imagens de ícones de navegação devem ser acompanhadas, preferencialmente, de legendas [1] Imagens de ícones de navegação sem o acompanhamento de uma linguagem verbal devem ser localizados em camadas menos profundas do site, a fim de evitar possíveis ambiguidades, ou onde o conhecimento prévio do usuário sobre o ícone permite uma navegação inequívoca [5]. 5 Uso de imagens 5.1 O design da página deve explorar o uso de recursos visuais que facilitem a compreensão e memorização de conteúdos relevantes [2]-[3]- [7]. 5.2 As imagens devem ser simples e inequívocas. Não devem produzir mais de um significado como, por exemplo, na imagem de um menino brincando com um carrinho, que pode ser deduzida como 'brincadeira' ao em vez de 'garoto' [1]. 5.3 Deve-se dar preferências ao o uso de imagens da vida real, como fotografias, ao invés de imagens ilustradas, como cartoons [7]. 6 Layout e 6.1 O design do site deve privilegiar o uso de 52

4 construção do site cores de maneira consistente e padronizada para que possa ser associada mais facilmente ao conteúdo [2]. 6.2 A construção do site deve oferecer flexibilidade e acessibilidade ao conteúdo por meio de linguagens como HTML e CSS (Cascading Style Sheets) [3]. 6.3 Textos, imagens, vídeos em língua de sinais e outros elementos multimídias relacionados a um novo conceito devem ser dispostos próximos uns aos outros [1]. Como pode-se perceber na Tabela II, as recomendações foram divididas em seis tópicos: orientações gerais, uso de texto, uso de vídeos em língua de sinais, navegação, uso de imagens, layout e construção do site. As recomendações gerais, como o próprio nome diz, são recomendações amplas que orientam ao suporte do site a várias mídias. As orientações de texto e de vídeos em língua de sinais conduzem à diminuição das barreiras de linguagem. Navegação orienta às melhores maneiras de apresentar os caminhos do site, considerando as dificuldades dos surdos com os rótulos de texto. Uso de imagens prevê as formas de apresentar esses recursos de forma simples e inequívoca. Layout e construção do site orienta a combinação dos elementos que compõem uma mesma página, incluindo uma orientação relacionada a linguagem de programação que pode tornar a interface web mais acessível ao público surdo. Dentre os tópicos citados, o que obteve a maior ênfase foi o uso de vídeos em língua de sinais, demonstrando a importância dessa língua para os surdos, mas ao contrário do que se imaginava, os estudos demonstraram que os vídeos não devem substituir os textos escritos, apresentando-se como elemento principal da página, mas sim, devem estar disponíveis quando solicitados. Nem mesmo as imagens são sempre eficazes na substituição do texto: como elementos de navegação podem se tornar ambíguas em camadas profundas do site; como representação da realidade podem passar mais do que uma só mensagem. Dessa forma, as orientações dos autores pesquisados em relação a esses recursos é combinálos de maneira que estejam associados, ou seja, próximos uns aos outros na página. Uma das formas encontradas foi possibilitar que o vídeo flutue sobre a página, permitindo arrastá-lo para perto dos conteúdos de texto e imagem correspondentes. CONSIDERAÇÕES FINAIS A barreira do analfabetismo é um problema que atinge grande parte da população de surdos no Brasil e no mundo, e os obstáculos ao acesso a informação projeta-se também nos websites. Ao contrário do senso comum, prover acessibilidade na web para surdos não se reduz à elaboração de legendas para materiais multimídia, mas a considerar aspectos de sua habilidade visual e linguagem própria. Com esse intuito, este estudo se propôs a elencar, a partir de uma revisão sistemática de literatura, recomendações necessárias à elaboração de websites para surdos. O resultado dessa revisão reuniu uma gama de orientações que servirão de base para guiar webdesigners e permitirão uma navegação mais eficaz para esse público. Dentre as recomendações listadas, algumas são mais gerais e trazem a necessidade de construir ambientes que não sejam restritos a um único público. Nesse contexto, sobressai o uso de recursos de mídias variadas para um mesmo conteúdo. Em relação ao uso de texto, prevalece as orientações para que se utilize a linguagem mais simples possível, de uso corrente, e o uso de dicionários para termos técnicos. O vídeo em língua de sinais, por sua vez, é apresentado por diferentes abordagens nos autores consultados e, neste trabalho, preferiu-se manter todas as recomendações e deixar a escolha para o webdesigner, que pode posicionar o vídeo fixo ou flutuante na página, este último, com semitransparência ou com fundo transparente. Trabalhos futuros poderão determinar quais dessas técnicas são mais eficazes para o surdo. Contudo, supõe-se que o vídeo flutuante seja mais eficaz do que o fixo na página, por permitir que seja arrastado para perto dos conteúdos ao fundo da página, uma suposição também ainda a ser testada futuramente. Em relação à navegação, os estudos mostraram que a dificuldade de leitura reflete a capacidade de navegação do surdo, mas o uso de ícones, por si só, não diminui essa frustração, o que indica que o mais recomendado é combinar ícone com legenda. Também é aconselhável que a navegação seja explicada em língua de sinais. Quanto ao uso de imagens, embora a base da comunicação dos surdos seja visual, seu uso necessita de cuidados, pois uma mesma imagem pode apresentar variados significados. Assim, quanto mais simples e realistas forem, menos conflitos poderão gerar. A combinação de textos, vídeos em língua de sinais e imagens deve estar associada e não espalhada de forma aleatória pela página. Em outras palavras e de modo geral, ainda se sobrepõe a todas as recomendações o fato de que o layout do site deve ser atrativo, mas apresentar, sempre coerência e consistência entre os recursos utilizados. REFERENCIAS [1] AL-OSAIMI, A.; ALFEDAGHI, H.; ALSUMAIT, A., "User Interface Requirements for E-Learning Program Designed for Deaf Children". In: First Kuwait Conference On E-services and E-systems. Proceedings of the First Kuwait Conference on e-services and e- Systems. New York: ACM, v. 1, 2009, pp Disponível em: <http://dl.acm.org/citation.cfm?id= >. Acesso em: 04 out. [2] BUENO, J.; GARCÍA, L.; MIRANDA J., "Bilingual alphabetisation of deaf children: requirements for a communication to children". In: Proceedings of the IADIS International Conference on WWW/Internet. Fort Worth: IADIS, v. 1, 2010, pp Disponível em: <http://connection.ebscohost.com/c/articles/ /bilingual-alphabetisation-deaf-children-requirementscommunication-tool>. Acesso em: 04 out. [3] DEBEVC, M.; KOSEC, P.; HOLZINGER, A., "E-Learning Accessibility for the Deaf and Hard of Hearing - Practical Examples 53

5 and Experiences". In: LEITNER, G; HITZ, M.; HOLZINGER, A. (Org.). USAB 2010: LNCS Berlin: Springer-verlag Berlin Heidelberg, pp Disponível em: <https://online.tugraz.at/tug_online/voe_main2.getvolltext?pdocum entnr=233173&pcurrpk=52576>. Acesso em: 10 out. [4] DEBEVC, M.; KOSEC, P.; HOLZINGER, A., "Improving multimodal web accessibility for deaf people: sign language interpreter module". Multimedia Tools And Applications, Springer USA, v. 54, Ago/2011, pp Disponível em: <http://link.springer.com/article/ %2fs #>. Acesso em: 10 out. [5] FAJARDO, I.; CAÑAS, J. J.; SALMERÓN, L.; ABASCAL, J., "Improving deaf users' accessibility in hypertext information retrieval: are graphical interfaces useful for them?". Behaviour & Information Technology, Manchester, v. 25, n. 6, Nov/Dez/2006 pp Disponível em: <http://dx.doi.org/ / >. Acesso em: 10 set. [6] FELS, D. et al. "Sign Language Web Pages". American Annals of the Deaf, Gallaudet University Press, v. 151, n. 4, Mai/2006, pp Disponível em: <http://muse.jhu.edu/journals/aad/summary/v151/151.4fels.htm> Acesso em: 15 set. [7] GENNARI, R.; MICH, O. "Designing and Assessing an Intelligent E-Tool for Deaf Children". In: IUI - Intelligent User Interfaces, 2008, Gran Canaria. Proceedings of the 13th international conference on Intelligent user interfaces. New York: ACM, v. 1, 2008, pp Disponível em: <http://dl.acm.org/citation.cfm?id= >. Acesso em: 18 set. [8] MILLER, D.; GYLLSTROM, K.; STOTTS, D.; CULP, J., "Semitransparent video interfaces to assist deaf persons in meetings". Proceedings of the 45th annual southeast regional conference. New York: ACM, 2007, pp Disponível em: <http://doi.acm.org/ / >. Acesso em: 18 out. [9] MIRANDA, A. et al., "Vias-Ka: modelo de acessibilidade para sistemas computacionais de educação a distância". In: Proceedings of the 2005 Latin American conference on Human-computer interaction (CLIHC '05). New York: ACM, 2005, pp Disponível em: <http://doi.acm.org/ / >. Acesso em: 18 out. [10] PETRIE, L.; WEBER, G.; FISHER, W., "Personalization, interaction, and navigation in rich multimedia documents for printdisabled users". Ibm Systems Journal, ABI/INFORM Global, v. 44, n. 3, jan/ 2005, pp Disponível em: <http://domino.research.ibm.com/tchjr/journalindex.nsf/ b3d85256bd500483abf/017ebbd6f4f6242f e98a2!O pendocument>. Acesso em: 10 out. [11] PREECE, J.; ROGERS, Y.; SHARP, H. Design de Interação: Além da Interação homem-computador. Porto Alegre: Bookman, [12] PONSARD, C. et al., "Towards a Service Integration Portal for Deaf People". In: MIESENBERGER, K.;KLAUS, J., et al. (Ed.). Computers Helping People with Special Needs, Springer Berlin Heidelberg, v. 4061, cap. 87, 2006, pp Disponível em: <http://link.springer.com/chapter/ %2f _87#>. Acesso em: 18 out. [13] ULBRICHT, V. et al. "Visualização do Conhecimento: Revisão Sistemática da Literatura e Mapas Conceituais". Revista Educaonline: Educomunicação, Educação e Novas Tecnologias, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, maio/ago. 2012, pp

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMANDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ACESSO A INTERNET: O CURSO DE WEB DESIGN E A

Leia mais

CONCURSO DE WEBSITES DE RAMOS ESTUDIANTIS DO IEEE. Traduzido por: Adjamilton Junior Equipe de Tradução Região 9

CONCURSO DE WEBSITES DE RAMOS ESTUDIANTIS DO IEEE. Traduzido por: Adjamilton Junior Equipe de Tradução Região 9 CONCURSO DE WEBSITES DE RAMOS ESTUDIANTIS DO IEEE Traduzido por: Adjamilton Junior Equipe de Tradução Região 9 Regras e instruções O objetivo de uma página web é transmitir informação de uma maneira útil

Leia mais

Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG

Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG Adoniran Dias Ribeiro Andrade, Renato de Freitas Bulcão Neto Instituto de Informática Universidade Federal

Leia mais

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Arte X Engenharia Desenvolver Sistema Web é arte? A Web oferece espaço para arte...... mas os usuários também desejam

Leia mais

Interfaces para Softwares Educativos

Interfaces para Softwares Educativos Interfaces para Softwares Educativos Eliseo Reategui eliseoreategui@gmail.com Departamento de Informática Universidade de Caxias do Sul Interfaces para Softwares Educativos Interfaces para Softwares Educativos

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB Isadora dos Santos Rodrigues, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil isadora.santosrodrigues@hotmail.com, bonetti@unipar.br

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 5ª. Série Programação e Design para Web A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL http://pt.wordpress.com http://.wordpress.org Autor: Calvin da Silva Cousin Orientação: Profª Drª Sílvia Porto

Leia mais

3 - Projeto de Site:

3 - Projeto de Site: 3 - Projeto de Site: O site de uma empresa é como um cartão de visita que apresenta sua área de negócios e sua identidade no mercado, ou ainda, como uma vitrine virtual em que é possível, em muitos casos,

Leia mais

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Formosa Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Prof. M.Sc. Victor Hugo Lázaro Lopes IHC Paradigmas de IHC AGENDA Engenharia Cognitiva

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB Romero Tori Universidade de São Paulo Escola Politécnica INTERLAB Laboratório de Tecnologias Interativas-USP Instituto Sumaré de Educação Superior rometori@usp.br

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC A história da construção do conhecimento pessoal é a história da vida de cada um de nós, pois construímos esse conhecimento de uma maneira específica e individual. A teoria a respeito dos Mapas Conceituais

Leia mais

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 2 conhecendo a interface do Adobe Flash professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com O layout do programa A barra de ferramentas (tools) Contém as ferramentas necessárias para desenhar,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1 Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis Resumo Descreve a implantação da Biblioteca Virtual

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET WEBSITE MUNDO MULHER GABRIELA DE SOUZA DA SILVA LUANA MAIARA DE PAULA SILVA

Leia mais

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral MICROSOFT WORD 2007 George Gomes Cabral AMBIENTE DE TRABALHO 1. Barra de título 2. Aba (agrupa as antigas barras de menus e barra de ferramentas) 3. Botão do Office 4. Botão salvar 5. Botão de acesso à

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

ACESSIBILIDADE E USABILIDADE: UM INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS MÓVEIS COM ÊNFASE EM NECESSIDADE ESPECIAL VISUAL

ACESSIBILIDADE E USABILIDADE: UM INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS MÓVEIS COM ÊNFASE EM NECESSIDADE ESPECIAL VISUAL ACESSIBILIDADE E USABILIDADE: UM INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS MÓVEIS COM ÊNFASE EM NECESSIDADE ESPECIAL VISUAL Erick Lino Pedro 1 NIPETI 2 - Instituto Federal de Mato Grosso

Leia mais

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Discutindo a visibilidade da EaD Pública no Brasil USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Priscilla Márcia Scarpelli Bastos 1, Diogo Marcos de

Leia mais

Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado.

Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado. , ()! $ Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado. Uma estratégia muito utilizada para organizar visualmente informações numéricas

Leia mais

Existem 109 questões nesta pesquisa

Existem 109 questões nesta pesquisa FASE 2: ANÁLISE DO WEBSITE INSTRUÇÕES Leia atentamente todas as questões Explore o website em avaliação, procurando pelas questões propostas Depois, responda cada questão Algumas questões precisam de informações

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

NTI Núcleo de Tecnologia de Informação / UNIFAL-MG Drupal Manual do Usuário DRUPAL MANUAL DO USUÁRIO

NTI Núcleo de Tecnologia de Informação / UNIFAL-MG Drupal Manual do Usuário DRUPAL MANUAL DO USUÁRIO DRUPAL MANUAL DO USUÁRIO Primeiros passos para inserir conteúdo no site. 1. Logar-se no site através de seu usuário e senha. 2. Criar um novo menu. 3. Ativar o menu criado, colocando-o em alguma região

Leia mais

Usando Ferramentas de Busca

Usando Ferramentas de Busca Web Marketing Usando Ferramentas de Busca Marcelo Silveira Novatec Editora Ltda. www.novateceditora.com.br 1 Conhecendo o cenário de pesquisas na Internet Este capítulo apresenta uma visão geral sobre

Leia mais

CONFECÇÃO DE SITE, PARA ABRIGO DE PORTIFÓLIO PESSOAL, INTEIRAMENTE EM FLASH Tales Garcia Fernandes Universidade Estadual de Campinas

CONFECÇÃO DE SITE, PARA ABRIGO DE PORTIFÓLIO PESSOAL, INTEIRAMENTE EM FLASH Tales Garcia Fernandes Universidade Estadual de Campinas CONFECÇÃO DE SITE, PARA ABRIGO DE PORTIFÓLIO PESSOAL, INTEIRAMENTE EM FLASH Tales Garcia Fernandes Universidade Estadual de Campinas Introdução A proposta inicial desse projeto era a de confeccionar um

Leia mais

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente 1 Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente Clarisse Sieckenius de Souza SERG - Semiotic Engineering Research Group Departamento de Informática, PUC-Rio clarisse@inf.puc-rio.br http://www.serg.inf.puc-rio.br

Leia mais

Unidade: Sistemas Hipermidia Multimidia. Unidade I:

Unidade: Sistemas Hipermidia Multimidia. Unidade I: Unidade I: 0 Unidade: Sistemas Hipermidia Multimidia Engenharia de Websites Por que realizar uma Engenharia de websites: Devemos seguir Princípios básicos de Engenharia (passos bem definidos); Websites

Leia mais

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Gláucio Brandão de MATOS 1 ; Alisson RIBEIRO 2 ; Gabriel da SILVA 2 1 Ex-aluno do Curso Superior

Leia mais

WebMail --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Manual do cliente

WebMail --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Manual do cliente WebMail --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Manual do cliente www.plugin.com.br 1 ÍNDICE Prefácio...3 Sobre Este Manual... 3

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

CAPÍTULO 4. AG8 Informática

CAPÍTULO 4. AG8 Informática 2ª PARTE CAPÍTULO 4 Este capítulo têm como objetivo: 1. Tratar das etapas do projeto de um Website 2. Quais os profissionais envolvidos 3. Administração do site 4. Dicas para não cometer erros graves na

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

IHM Interface Humano-Máquina

IHM Interface Humano-Máquina A IHM Interface Humano-Máquina Prof. Dra. Sílvia Dotta Aula 1 - Introdução Roteirodaaula Apresentação da disciplina Motivação, Objetivos Metodologia de ensino Introdução e conceituação de IHM Histórico

Leia mais

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications)

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) ANTUNES, M. S.¹, SILVA, R. E. S. 2 (orientadora) ¹ Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas RS (FATEC-PEL) Rua

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

Relato das experiências da área de IHC nos cursos de graduação e ações na universidade

Relato das experiências da área de IHC nos cursos de graduação e ações na universidade Relato das experiências da área de IHC nos cursos de graduação e ações na universidade Isabela Gasparini, Avanilde Kemczinski Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) Motivação IHC está relacionada

Leia mais

Arquitetura de Informação - 6

Arquitetura de Informação - 6 Arquitetura de Informação - 6 Ferramentas para Web Design Prof. Ricardo Ferramentas para Web Design 1 Objetivo do Sistema de Rotulação O sistema de rotulação é o componente da Arquitetura de Informação

Leia mais

TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD

TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD Objetivos: Apresentar os principais problemas de acessibilidade na Internet. Apresentar as principais deficiências e as tecnologias de apoio.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática Estudo e aperfeiçoamento da técnica de steering behaviors na simulação física de fluidos

Leia mais

VERSÃO 1 PRELIMINAR - 2010 MÓDULO 3 - PRESENCIAL

VERSÃO 1 PRELIMINAR - 2010 MÓDULO 3 - PRESENCIAL MÓDULO 3 - PRESENCIAL CmapTools É um software para autoria de Mapas Conceituais desenvolvido pelo Institute for Human Machine Cognition da University of West Florida1, sob a supervisão do Dr. Alberto J.

Leia mais

DESIGN DE LIVRO DIGITAL

DESIGN DE LIVRO DIGITAL DESIGN DE LIVRO DIGITAL Aluna: Mariana Ferreira Gomes Corrêa Orientadora: Rita Maria de Souza Couto Co-orientadora: Cristina Portugal Introdução A pesquisa desenvolvida foi parte integrante do trabalho

Leia mais

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração.

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração. Cobit e ITIL GOVERNANÇA, GP - RISCO, GP PROJETOS - PMP, SEGURANÇA DAIANA BUENO OUTUBRO 20, 2010 AT 8:00 3.496 visualizações Atualmente, as empresas estão com seus processos internos cada vez mais dependentes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS. Prof. M.Sc.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS. Prof. M.Sc. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS Microsoft Office PowerPoint 2007 Prof. M.Sc. Fábio Hipólito Julho / 2009 Visite o site:

Leia mais

Software Tutorial sobre Sistema Solar

Software Tutorial sobre Sistema Solar Software Tutorial sobre Sistema Solar Alan Correa, Antônio Rocir, Sandro Niederauer Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {sandroniederauer, alan.sms}@hotmail.com,

Leia mais

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13 Aula 13 1. Data Warehouse Armazém de Dados (Continuação) 1 Erros na implantação de um Data Warehouse Segundo o Data Warehousing Institute existem dez erros mais comuns na implantação de um Data Warehouse

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 Eduardo Laguna Rubai, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR- Brasil eduardorubay@gmail.com, bonetti@unipar.br Resumo.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS Guia Inicial de Acesso e Utilização Para Docentes Versão 1.0b Outubro/2010 Acesso e utilização do Ambiente Virtual de Ensino

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO Carlos Eduardo Rocha dos Santos Universidade Bandeirante Anhanguera carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Realidade Virtual Aplicada à Educação

Realidade Virtual Aplicada à Educação Realidade Virtual Aplicada à Educação Sandra Dutra Piovesan 1, Camila Balestrin 2, Adriana Soares Pereira 2, Antonio Rodrigo Delepiane de Vit 2, Joel da Silva 2, Roberto Franciscatto 2 1 Mestrado em Informática

Leia mais

Padrão Visual de Sistemas da Anvisa na Internet

Padrão Visual de Sistemas da Anvisa na Internet Agência Nacional de Vigilância Sanitária Padrão Visual de Sistemas da Anvisa na Internet Gerência-Geral de Tecnologia da Informação Gerência de Sistemas www.anvisa.gov.br Brasília, janeiro de 2007 Agência

Leia mais

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone 2004 142 ARQTEXTO 5 A REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone O uso do projeto auxiliado por computador (CAD) em arquitetura é cada vez mais corrente, através do projeto 2D e 3D de

Leia mais

SISTEMAS HIPERMÍDIA E MULTIMÍDIA

SISTEMAS HIPERMÍDIA E MULTIMÍDIA SISTEMAS HIPERMÍDIA E MULTIMÍDIA Prof. Dr. Juliano Schimiguel Tutor. Msd. Rolfi C. Gomes Unidade V Engenharia de Software x Engenharia Web Propósitos de Websites Atividades da EW Categorias de Aplicações

Leia mais

Kobo Desktop. Manual do Usuário

Kobo Desktop. Manual do Usuário Kobo Desktop Manual do Usuário Kobo Desktop Manual Do Usuário Índice Sobre o Kobo Desktop... 4 Como baixar e instalar o Kobo Desktop... 5 Como instalar o Kobo Desktop para Windows... 5 Como instalar o

Leia mais

Microsoft Office FrontPage 2003

Microsoft Office FrontPage 2003 Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão Área Interdepartamental de Tecnologias de Informação e Comunicação Microsoft Office FrontPage 2003 1 Microsoft Office FrontPage 2003 O Microsoft

Leia mais

Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT.

Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT. Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT. PÁGINA: 2 de 21 Nenhuma parte deste documento pode ser utilizado ou reproduzido, em qualquer meio

Leia mais

QFD: Quality Function Deployment QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO

QFD: Quality Function Deployment QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO 1 - INTRODUÇÃO Segundo Akao (1990), QFD é a conversão dos requisitos do consumidor em características de qualidade do produto e o desenvolvimento da qualidade de

Leia mais

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01 Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0 Tutorial HTML versão 4.01 K O M Σ D I Copyright by Editora Komedi, 2007 Dados para Catalogação Rimoli, Monica Alvarez Chaves,

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EAD 1

MANUAL DO ALUNO EAD 1 MANUAL DO ALUNO EAD 1 2 1. CADASTRAMENTO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Após navegar até o PORTAL DA SOLDASOFT (www.soldasoft.com.br), vá até o AMBIENTE DE APRENDIZAGEM (www.soldasoft.com.br/cursos).

Leia mais

ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO

ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO Tutorial de Pesquisa do Portal de Periódicos da CAPES Manaus 2014 ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO A Biblioteca Aderson Dutra da Universidade Nilton Lins disponibiliza um moderno conjunto

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 FRAMEWORK PARA TREINAMENTOS NA WEB BASEADO EM VÍDEO SOBRE DEMANDA Ícaro Carlos Andrade Costa 1 Igor Antônio Andrade Costa 2 Ricardo Ariel Correa Rabelo 3 Renata Azevedo Santos Carvalho 4 RESUMO A educação

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Abstract. This work shows the evolution of Intelligent Teaching Assistant SAE that include and provide

Leia mais

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB Marcelo Rodrigo da Silva Ribeiro 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil marcelo.rodrigo@live.com,

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas DOMÍNIO E IMAGEM DE UMA FUNÇÃO: UMA ABORDAGEM POR MEIO DO JOGO BINGO DAS FUNÇÕES Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT 10 ADELSON CARLOS MADRUGA Universidade

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Adapti - Technology Solutions www.adapti.net Leonor cardoso nº 331 Fone : (041) 8844-7805 81240-380 Curitiba - PR MANUAL DO USUÁRIO

Adapti - Technology Solutions www.adapti.net Leonor cardoso nº 331 Fone : (041) 8844-7805 81240-380 Curitiba - PR MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO 1 Índice Administração de Documentos...2 Lista de documentos criados...3 Criando um novo documento...3 Barra de ferramentas do editor...4 Editando um documento...7 Administrando suas

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

Como instalar o Kobo Desktop para Windows... 5. Como instalar o Kobo Desktop para Mac... 6. Como classificar a sua biblioteca...

Como instalar o Kobo Desktop para Windows... 5. Como instalar o Kobo Desktop para Mac... 6. Como classificar a sua biblioteca... Kobo Desktop Manual Do Utilizador Índice Sobre o Kobo Desktop... 4 Como baixar e instalar o Kobo Desktop... 5 Como instalar o Kobo Desktop para Windows... 5 Como instalar o Kobo Desktop para Mac... 6 Como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA TREINAMENTO EM INFORMÁTICA MÓDULO V

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA TREINAMENTO EM INFORMÁTICA MÓDULO V UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA TREINAMENTO EM INFORMÁTICA MÓDULO V MACAPÁ-AP 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Desenvolvedor Web Docente André Luiz Silva de Moraes

Desenvolvedor Web Docente André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Introdução a Linguagem HTML Neste roteiro é explorada a linguagem HTML. A linguagem HTML (Hypertext Markup Language) é amplamente utilizada na construção de páginas de internet e é responsável

Leia mais

UMA PROPOSTA DE USO DE INTERFACE GRÁFICA PARA O DESENVOLVIMENTO DO BORDADO MANUAL

UMA PROPOSTA DE USO DE INTERFACE GRÁFICA PARA O DESENVOLVIMENTO DO BORDADO MANUAL UMA PROPOSTA DE USO DE INTERFACE GRÁFICA PARA O DESENVOLVIMENTO DO BORDADO MANUAL A proposal use of graphic interface for development manual embroidery Mendes, Isabella Filipini; UTFPR Apucarana, isa_filipini70@hotmail.com

Leia mais

Manual do Contribuidor. Portal de Internet. Projeto: Novo Portal de internet

Manual do Contribuidor. Portal de Internet. Projeto: Novo Portal de internet Manual do Contribuidor Portal de Internet Projeto: Novo Portal de internet 1. Propósito Este documento tem o propósito de orientar usuários a utilizar as funcionalidades do portal do Inea no modo de contribuição.

Leia mais

Projeto de Análise de Site Educacional www.diabetesnoscuidamos.com.br

Projeto de Análise de Site Educacional www.diabetesnoscuidamos.com.br Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Instituto de Artes Pós Graduação em Multimeios 1º sem/2002 Disciplina: Multimeios e Educação Ministrada por: José Armando Valente Aluno: Álvaro E.M. Marinho

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Introdução à Computação A disciplina apresenta a área da Computação como um todo, desde a história e a evolução dos computadores

Leia mais

1.1. Aplicações de TVD dinâmicas

1.1. Aplicações de TVD dinâmicas 1 Introdução Uma aplicação de TV Digital (TVD) comumente é composta por um vídeo principal associado a outros objetos (aplicações, imagens, vídeos, textos etc.), que são transmitidos em conjunto possibilitando

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

Soluções de Acessibilidade. VLibras - Desktop. Manual de Instalação da Ferramenta. Linux R. Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD

Soluções de Acessibilidade. VLibras - Desktop. Manual de Instalação da Ferramenta. Linux R. Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD Soluções de Acessibilidade VLibras - Desktop Manual de Instalação da Ferramenta Linux R Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD 2015 INTRODUÇÃO Objetivo Este manual contém introdução e informações necessárias

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIOS PARA QUALIFICAÇÃO (MESTRADO E DOUTORADO), TESES E TRABALHOS

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web

Introdução à Tecnologia Web Introdução à Tecnologia Web JavaScript Histórico e Características Índice 1 JAVASCRIPT... 2 1.1 Histórico... 2 1.2 Aplicações de JavaScript... 2 a) Interatividade... 2 b) Validação de formulários... 2

Leia mais

OFICINA BLOG DAS ESCOLAS

OFICINA BLOG DAS ESCOLAS OFICINA BLOG DAS ESCOLAS Créditos: Márcio Corrente Gonçalves Mônica Norris Ribeiro Março 2010 1 ACESSANDO O BLOG Blog das Escolas MANUAL DO ADMINISTRADOR Para acessar o blog da sua escola, acesse o endereço

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design gordongroup Sobre o gordongroup gordongroup é uma agência de marketing e comunicação de tempo integral e de balcão único, que oferece um conjunto exclusivo de serviços criativos,

Leia mais

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013.

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013. Curso de atualização Educação Integral e Integrada Tutorial Moodle Belo Horizonte, 2013. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACESSANDO O AMBIENTE... 4 3. CONHECENDO O AMBIENTE... 5 3.1. CAIXAS DE UTILIDADES... 5 4.

Leia mais

www.periodicos.capes.gov.br Treinamento no uso do Portal de Periódicos UFCG, outubro de 2012

www.periodicos.capes.gov.br Treinamento no uso do Portal de Periódicos UFCG, outubro de 2012 Portal CAPES www.periodicos.capes.gov.br Treinamento no uso do Portal de Periódicos UFCG, outubro de 2012 Estrutura da apresentação 1. Breve histórico 2. Conceitos básicos 3. Finalidade do Portal 4. Informações

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Docente André Luiz Silva de Moraes

Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Docente André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Introdução a Linguagem HTML Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Neste roteiro é explorada a linguagem HTML. A linguagem HTML (Hypertext Markup Language) é amplamente utilizada na construção

Leia mais

Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line

Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line Gabriel Ramos Guerreiro - DEs, UFSCar 1 2 Anderson Luiz Ara-Souza - DEs, UFSCar 1 3 Francisco Louzada-Neto - DEs, UFSCar 1 4 1. INTRODUÇÃO Segundo Cavalcanti

Leia mais