Auxiliar em Web Designer

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Auxiliar em Web Designer"

Transcrição

1

2 Prjet Pedagógic d Curs de Frmaçã Inicial e Cntinuada u Qualificaçã Prfissinal em Auxiliar em Web Designer na mdalidade presencial

3 Prjet Pedagógic d Curs de Frmaçã Inicial e Cntinuada u Qualificaçã Prfissinal em Auxiliar em Web Designer na mdalidade presencial Eix Tecnlógic: Infrmaçã e Cmunicaçã Prjet aprvad pela Deliberaçã nº 23/2012-CONSEPEX/IFRN, de 20/06/2012 e Resluçã nº 59/2012-CONSUP/IFRN, de 20/06/2012

4 Belchir de Oliveira Rcha REITOR Anna Catharina da Csta Dantas PRÓ-REITORA DE ENSINO Wyllys Abel Farkatt Tabsa PRÓ-REITOR DE EXTENSÃO Jsé Yvan Pereira Leite PRÓ-REITOR DE PESQUISA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO/SISTEMATIZAÇÃO Thiag Medeirs Barrs Brun Emersn Gurgel Gmes Elber Wagner da Silva COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Juliana de Medeirs Franc Lima Paula Francinete de Araúj Rejane Gmes Ferreira REVISÃO TÉCNICO-PEDAGÓGICA Ana Lúcia Pascal Diniz Anna Catharina da Csta Dantas Francy Izanny de Brit Barbsa Martins Nadja Maria de Lima Csta Rejane Bezerra Barrs COLABORAÇÃO Andreilsn Oliveira da Silva Ramn Viana de Suza

5 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 6 2. JUSTIFICATIVA 6 3. OBJETIVOS 7 4. REQUISITOS E FORMAS DE ACESSO 7 5. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DO CURSO 8 6. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ESTRUTURA CURRICULAR DIRETRIZES PEDAGÓGICAS INDICADORES METODOLÓGICOS CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS E DE CERTIFICAÇÃO DE CONHECIMENTOS INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PERFIL DO PESSOAL DOCENTE E TÉCNICO-ADMINISTRATIVO CERTIFICADOS 15 REFERÊNCIAS 16 ANEXO I PROGRAMAS DAS DISCIPLINAS DO NÚCLEO FUNDAMENTAL 17 ANEXO II PROGRAMAS DAS DISCIPLINAS DO NÚCLEO ARTICULADOR 23 ANEXO III PROGRAMAS DAS DISCIPLINAS DO NÚCLEO TECNOLÓGICO 26 4

6 APRESENTAÇÃO O presente dcument cnstitui prjet pedagógic d Curs de Frmaçã Inicial e Cntinuada (FIC) em Auxiliar em Web Designer, na mdalidade presencial. Este prjet pedagógic de curs se prpõe a cntextualizar e a definir as diretrizes pedagógicas para respectiv curs n âmbit d Institut Federal d Ri Grande d Nrte. Cnsubstancia-se em uma prpsta curricular baseada ns fundaments filsófics da prática educativa prgressista e transfrmadra, nas bases legais da educaçã prfissinal e tecnlógica brasileira, explicitadas na LDB nº 9.94/96 e atualizada pela Lei nº /08, e demais resluções que nrmatizam a Educaçã Prfissinal brasileira, mais especificamente a que se refere à frmaçã inicial e cntinuada u qualificaçã prfissinal. Este curs de Frmaçã Inicial e Cntinuada em Auxiliar em Web Designer, na mdalidade presencial aspira uma frmaçã que permita a mudança de perspectiva de vida pr parte d alun; a cmpreensã das relações que se estabelecem n mund d qual ele faz parte; a ampliaçã de sua leitura de mund e a participaçã efetiva ns prcesss sciais. (BRASIL, 2009, p. 5). Dessa frma, almeja-se prpiciar uma frmaçã humana e integral em que bjetiv prfissinalizante nã tenha uma finalidade em si, nem seja rientad pels interesses d mercad de trabalh, mas se cnstitui em uma pssibilidade para a cnstruçã ds prjets de vida ds estudantes (FRIGOTTO, CIAVATTA e RAMOS, 2005). Este dcument apresenta, prtant, s pressupsts teórics, metdlógics e didáticpedagógics estruturantes da prpsta d curs em cnsnância cm Prjet Plític-Pedagógic Institucinal. Em tds s elements estarã explicitads princípis, categrias e cnceits que materializarã prcess de ensin e de aprendizagem destinads a tds s envlvids nesta práxis pedagógica. 5

7 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O presente dcument cnstitui prjet pedagógic d Curs de Frmaçã Inicial e Cntinuada (FIC) em Auxiliar em Web Designer, na mdalidade presencial. 2. JUSTIFICATIVA Em seu aspect glbal, a frmaçã inicial e cntinuada é cncebida cm uma ferta educativa específica da educaçã prfissinal e tecnlógica que favrece a qualificaçã, a requalificaçã e desenvlviment prfissinal de trabalhadres ns mais variads níveis de esclaridade e de frmaçã. Centra-se em ações pedagógicas, de natureza teóric-prática, planejadas para atender a demandas scieducacinais de frmaçã e de qualificaçã prfissinal. Nesse sentid, cnslida-se em iniciativas que visam frmar, qualificar, requalificar e pssibilitar tant atualizaçã quant aperfeiçament prfissinal a cidadãs em atividade prdutiva u nã. Cntemple-se, ainda, n rl dessas iniciativas, trazer de vlta, a ambiente frmativ, pessas que fram excluídas ds prcesss educativs frmais e que necessitam dessa açã educativa para dar cntinuidade as estuds. Ancrada n cnceit de plitecnia e na perspectiva crític-emancipatória, a frmaçã inicial e cntinuada, a se estabelecer n entrecruzament ds eixs sciedade, cultura, trabalh, educaçã e cidadania, cmprmete-se cm a elevaçã da esclaridade, sintnizand frmaçã humana e frmaçã prfissinal, cm vistas à aquisiçã de cnheciments científics, técnics, tecnlógics e éticplítics, prpícis a desenvlviment integral d sujeit. A partir da década de nventa, cm a publicaçã da atual Lei de Diretrizes e Bases da Educaçã (Lei nº 9.394/96), a educaçã prfissinal passu pr diversas mudanças ns seus direcinaments filsófics e pedagógics, passa a ter um espaç delimitad na própria lei, cnfigurand-se em uma mdalidade da educaçã nacinal. Mais recentemente, em 2008, as instituições federais de educaçã prfissinal, fram reestruturadas para se cnfigurarem em uma rede nacinal de instituições públicas de EPT, denminand-se de Instituts Federais de Educaçã, Ciência e Tecnlgia. Prtant, tem sid pauta da agenda de gvern cm uma plítica pública dentr de um ampl prjet de expansã e interirizaçã dessas instituições educativas. Nesse sentid, IFRN ampliu sua atuaçã em diferentes municípis d Estad d Ri Grande d Nrte, cm a ferta de curss em diferentes áreas prfissinais, cnfrme as necessidades lcais. N âmbit d estad de Ri Grande d Nrte, a ferta d Curs FIC em Auxiliar em Web Designer, na mdalidade presencial, a necessidade de prfissinais na área de desenvlviment de sistemas web é um fat cnstante e em cntínu cresciment à medida que um mair númer de 6

8 sistemas migra em direçã a grande rede. Diante diss, estar devidamente qualificad e dminar cnheciments cm autria web, ediçã de imagens, nções de webdesign, usabilidade e marketing digital trna-se uma exigência desses prfissinais n mercad de trabalh, principalmente para aqueles que buscam seu primeir empreg u desej de trabalhar cm autônms. Prtant, curs de Auxiliar em Web Designer vem de encntr a essa necessidade vltada principalmente para aluns d ensin médi da rede pública estadual. Nessa perspectiva, IFRN prpõe-se a ferecer curs de frmaçã inicial e cntinuada em Auxiliar em Web Designer, na mdalidade presencial, pr entender que estará cntribuind para a elevaçã da qualidade ds serviçs prestads à sciedade, frmand Auxiliar Técnic em Auxiliar em Web Designer, através de um prcess de aprpriaçã e de prduçã de cnheciments científics e tecnlógics, capaz de cntribuir cm a frmaçã humana integral e cm desenvlviment sciecnômic da regiã articulad as prcesss de demcratizaçã e justiça scial. 3. OBJETIVOS O curs de Frmaçã Inicial e Cntinuada em Auxiliar em Web Designer, na mdalidade presencial, tem cm bjetiv geral prprcinar a atuaçã ds egresss cm Auxiliar em Web Designer, pririzand-se a elevaçã da esclaridade. Os bjetivs específics d curs cmpreendem: Desenvlver layuts de websites utilizand tecnlgias HTML, CSS e JavaScript Apresentar cnceits Intrdutóris sbre Design, Usabilidade e Arquitetura da Infrmaçã Ediçã de Imagem utilizand Phtshp, FireWrks Cnceits Intrdutóris de WebMarketing e Cmérci Eletrônic Cnceits Intrdutóris de Otimizaçã para Mecanisms de Busca Intrduçã a Direit aplicad à Web 4. REQUISITOS E FORMAS DE ACESSO O curs FIC em Auxiliar em Web Designer, na mdalidade presencial, é destinad a estudantes e/u trabalhadres que estejam cursand u tenham cncluíd ensin fundamental/médi, de acrd cm Guia/Catálg Nacinal de Curss FIC. O acess a curs deve ser realizad pr mei de prcess de seleçã, cnveniad u abert a públic, para primeir módul d curs. 7

9 5. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DO CURSO O estudante egress d curs FIC em Auxiliar em Web Designer, na mdalidade presencial, deve ter demnstrad avançs na aquisiçã de seus cnheciments básics, estand preparad para dar cntinuidade as seus estuds. D pnt de vista da qualificaçã prfissinal, deve estar qualificad para atuar nas atividades relativas à área d curs para que pssa desempenhar, cm autnmia, suas atribuições, cm pssibilidades de (re)inserçã psitiva n mund trabalh. Dessa frma, a cncluir a sua qualificaçã prfissinal, egress d curs de Auxiliar em Web Designer deverá demnstrar um perfil que lhe pssibilite: Utilizar ferramentas para prduçã de web sites Cnceber, prjetar e implantar web sites Entender e aplicar s cnceits teórics de usabilidade, arquitetura da infrmaçã e design em web sites Realizar Edições de Imagens e Animações Cnceber Plans de Marketing vltad para Web Otimizar sites n tcante as mecanisms de busca Cmpreender a Legislaçã que rege a Web e s direits autrias Psicinar-se criticamente frente às invações tecnlógicas na área de Infrmática Além das habilidades específicas da qualificaçã prfissinal, estes estudantes devem estar apts a: adtar atitude ética n trabalh e n cnvívi scial, cmpreendend s prcesss de scializaçã humana em âmbit cletiv e percebend-se cm agente scial que intervém na realidade; saber trabalhar em equipe; e ter iniciativa, criatividade e respnsabilidade. 6. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR A rganizaçã curricular deste curs cnsidera a necessidade de prprcinar qualificaçã prfissinal em Auxiliar em Web Designer. Essa frmaçã está cmprmetida cm a frmaçã humana integral uma vez que prpicia, a educand, uma qualificaçã labral relacinand currícul, trabalh e sciedade. Dessa frma, cm base ns referenciais que estabelecem a rganizaçã pr eixs tecnlógics, s curss FIC d IFRN estã estruturads em núcles plitécnics segund a seguinte cncepçã: 8

10 Núcle fundamental: cmpreende cnheciments de base científica d ensin fundamental u d ensin médi, indispensáveis a bm desempenh acadêmic ds ingressantes, em funçã ds requisits d curs FIC; Núcle articuladr: cmpreende cnheciments d ensin fundamental e da educaçã prfissinal, traduzids em cnteúds de estreita articulaçã cm curs, pr eix tecnlógic, representand elements expressivs para a integraçã curricular. Pde cntemplar bases científicas gerais que alicerçam suprtes de us geral tais cm tecnlgias de infrmaçã e cmunicaçã, tecnlgias de rganizaçã, higiene e segurança n trabalh, nções básicas sbre sistema da prduçã scial e relações entre tecnlgia, natureza, cultura, sciedade e trabalh. Núcle tecnlógic: cmpreende cnheciments de frmaçã específica, de acrd cm camp de cnheciments d eix tecnlógic, cm a atuaçã prfissinal e as regulamentações d exercíci da prfissã. Deve cntemplar utras disciplinas de qualificaçã prfissinal nã cntempladas n núcle articuladr. A Figura 2 apresenta a representaçã gráfica d desenh e da rganizaçã curricular ds curss FIC de qualificaçã prfissinal, estruturads numa matriz curricular cnstituída pr núcles plitécnics, cm fundaments ns princípis da plitécnica, da interdisciplinaridade e ns demais pressupsts d currícul integrad. 9

11 CURSO FIC DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NÚCLEO FUNDAMENTAL Leitura e Prduçã de Text Matemática Aplicada Inglês aplicad à Internet NÚCLEO ARTICULADOR Infrmática Básica Ética e Cidadania NÚCLEO TECNOLÓGICO Autria Web I Cmunicaçã Visual e Usabilidade de Páginas Web Autria Web II Figura 1 Representaçã gráfica d desenh e da rganizaçã curricular ds curss FIC de qualificaçã prfissinal Cnvém esclarecer que temp mínim de duraçã previst, legalmente, para s curss FIC é estabelecida n Catálg Nacinal de Curss FIC u equivalente ESTRUTURA CURRICULAR A matriz curricular d curs FIC em Auxiliar em Web Designer, na mdalidade presencial, está rganizada pr disciplinas em regime mdular, cm uma carga-hrária ttal de 160 hras, e cm duraçã de 10 móduls, na prprçã de 03 meses para td curs. O Quadr 1 descreve a matriz curricular d curs e s Anexs I a III apresentam as ementas e s prgramas das disciplinas. As disciplinas que cmpõem a matriz curricular estã articuladas, fundamentadas na integraçã curricular numa perspectiva interdisciplinar e rientadas pels perfis prfissinais de cnclusã, ensejand a educand a frmaçã de uma base de cnheciments científics e tecnlógics, bem cm a aplicaçã de cnheciments teóric-prátics específics de uma área prfissinal, cntribuind para uma frmaçã técnic-humanística. 10

12 Quadr 1 Matriz curricular d Curs FIC em Auxiliar em Web Designer, na mdalidade presencial. DISCIPLINAS Númer de aulas pr semana, pr períd/mês 1º 2º 3º 4º Carga-hrária ttal Hra/ Hra Aula Núcle Fundamental Leitura e Prduçã de Text 2 15 Matemática Aplicada 2 15 Inglês aplicad à Internet 1 10 Subttal de carga-hrária d núcle fundamental 5 40 Núcle Articuladr Infrmática Básica 2 15 Ética e Cidadania * 1 10 Subttal de carga-hrária d núcle articuladr 3 25 Núcle Tecnlógic Autria Web I 4 30 Cmunicaçã Visual e Usabilidade de Páginas Web 2 15 Autria Web II 2 15 Ediçã de Imagens 4 20 Prjet Final 2 15 Subttal de carga-hrária d núcle tecnlógic 4 95 Ttal de carga-hrária de disciplinas TOTAL DE CARGA-HORÁRIA DO CURSO Observaçã: A hra-aula cnsiderada pssui 45 minuts DIRETRIZES PEDAGÓGICAS Este prjet pedagógic de curs deve ser nrteadr d currícul n Curs FIC em Auxiliar em Web Designer, na mdalidade presencial. Caracteriza-se, prtant, cm expressã cletiva, devend ser avaliad periódica e sistematicamente pela cmunidade esclar, apiads pr uma cmissã avaliadra cm cmpetência para a referida prática pedagógica. Qualquer alteraçã deve ser vista sempre que se verificar, mediante avaliações sistemáticas anuais, defasagem entre perfil de cnclusã d curs, bjetivs e rganizaçã curricular frente às exigências decrrentes das transfrmações científicas, tecnlógicas, sciais e culturais. Entretant, as pssíveis alterações pderã ser efetivadas mediante slicitaçã as cnselhs cmpetentes. Cnsidera-se a aprendizagem cm aprendizagem um prcess de cnstruçã de cnheciment, em que, partind ds cnheciments prévis ds aluns, s prfessres frmatam estratégias de ensin de maneira a articular cnheciment d sens cmum e cnheciment acadêmic, permitind as aluns desenvlver suas percepções e cnvicções acerca ds prcesss sciais e s d trabalh, cnstruind-se cm cidadãs e prfissinais respnsáveis. 11

13 Assim, a avaliaçã da aprendizagem assume dimensões mais amplas, ultrapassand a perspectiva da mera aplicaçã de prvas e testes para assumir uma prática diagnóstica e prcessual cm ênfase ns aspects qualitativs. Nesse sentid, a gestã ds prcesss pedagógics deste curs rienta-se pels seguintes princípis: 7. da aprendizagem e ds cnheciments significativs; 8. d respeit a ser e as saberes ds estudantes; 9. da cnstruçã cletiva d cnheciment; 10. da vinculaçã entre educaçã e trabalh; 11. da interdisciplinaridade; e 12. da avaliaçã cm prcess INDICADORES METODOLÓGICOS A metdlgia é um cnjunt de prcediments empregads para atingir s bjetivs prpsts. Respeitand-se a autnmia ds dcentes na transpsiçã didática ds cnheciments selecinads ns cmpnentes curriculares, as metdlgias de ensin pressupõem prcediments didátic-pedagógics que auxiliem s aluns nas suas cnstruções intelectuais, prcedimentais e atitudinais, tais cm: 7. elabrar e implementar planejament, registr e a análise das aulas e das atividades realizadas; 8. prblematizar cnheciment, sem esquecer de cnsiderar s diferentes ritms de aprendizagens e a subjetividade d alun, incentivand- a pesquisar em diferentes fntes; 9. cntextualizar s cnheciments, valrizand as experiências ds aluns, sem perder de vista a (re)cnstruçã ds saberes; 10. elabrar materiais didátics adequads a serem trabalhads em aulas expsitivas dialgadas e atividades em grup; 11. utilizar recurss tecnlógics adequads a públic envlvid para subsidiar as atividades pedagógicas; 12. dispnibilizar api pedagógic para aluns que apresentarem dificuldades, visand à melhria cntínua da aprendizagem; 13. diversificar as atividades acadêmicas, utilizand aulas expsitivas dialgadas e interativas, desenvlviment de prjets, aulas experimentais (em labratóris), visitas técnicas, semináris, debates, atividades individuais e em grup, expsiçã de filmes, grups de estuds e utrs,. 12

14 14. rganizar ambiente educativ de md a articular múltiplas atividades vltadas às diversas dimensões de frmaçã ds jvens e adults, favrecend a transfrmaçã das infrmações em cnheciments diante das situações reais de vida; 7. CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM Na avaliaçã da aprendizagem, cm um prcess cntínu e cumulativ, sã assumidas as funções diagnóstica, frmativa e smativa, de frma integrada a prcess ensin e aprendizagem. Essas funções devem ser bservadas cm princípis rientadres para a tmada de cnsciência das dificuldades, cnquistas e pssibilidades ds estudantes. Nessa perspectiva, a avaliaçã deve funcinar cm instrument clabradr na verificaçã da aprendizagem, levand em cnsideraçã predmíni ds aspects qualitativs sbre s quantitativs. A avaliaçã é cncebida, prtant, cm um diagnóstic que rienta (re)planejament das atividades, que indica s caminhs para s avançs, cm também que busca prmver a interaçã scial e desenvlviment cgnitiv, cultural e sciafetiv ds estudantes. N desenvlviment deste curs, a avaliaçã d desempenh esclar será feita pr cmpnente curricular (pdend integrar mais de um cmpnente), cnsiderand aspects de assiduidade e aprveitament. A assiduidade diz respeit à frequência diária às aulas teóricas e práticas, as trabalhs esclares, as exercícis de aplicaçã e à realizaçã das atividades. O aprveitament esclar é avaliad através de acmpanhament cntínu e prcessual d estudante, cm vista as resultads alcançads pr ele nas atividades avaliativas. Para efeits da média exigida para a btençã da cnclusã d curs, serã acatadas as nrmas vigentes das esclas envlvidas. Em atençã à diversidade, apresentam-se, cm sugestã, s seguintes instruments de acmpanhament e avaliaçã da aprendizagem esclar: bservaçã prcessual e registr das atividades; avaliações escritas em grup e individual; prduçã de prtifólis; relats escrits e rais; relatóris de trabalhs e prjets desenvlvids; e instruments específics que pssibilitem a autavaliaçã (d dcente e d estudante) 13

15 Os critéris de verificaçã d desempenh acadêmic ds estudantes sã tratads pela Organizaçã Didática d IFRN. 8. CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS E DE CERTIFICAÇÃO DE CONHECIMENTOS N âmbit deste prjet pedagógic de curs, cmpreende-se aprveitament de estuds cm a pssibilidade de aprveitament de disciplinas estudadas em utr curs de educaçã prfissinal técnica de nível médi; e a certificaçã de cnheciments cm a pssibilidade de certificaçã de saberes adquirids através de experiências previamente vivenciadas, inclusive fra d ambiente esclar, cm fim de alcançar a dispensa de disciplinas integrantes da matriz curricular d curs, pr mei de uma avaliaçã teórica u teórica-prática, cnfrme as características da disciplina. Os aspects peracinais d aprveitament de estuds e da certificaçã de cnheciments, adquirids através de experiências vivenciadas previamente a iníci d curs, sã tratads pela Organizaçã Didática d IFRN. 9. INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS As instalações dispníveis para curs deverã cnter: salas de aula, bibliteca, labratóri de infrmática, sala ds prfessres e banheirs. A bibliteca deverá prpiciar cndições necessárias para que s educands dminem a leitura, refletind-a em sua escrita. Os dcentes e aluns matriculads n curs também pderã slicitar, pr empréstim, títuls cadastrads na Bibliteca. Nessa situaçã, s usuáris estarã submetids às regras d Sistema de Bibliteca d IFRN. 10. PERFIL DO PESSOAL DOCENTE E TÉCNICO-ADMINISTRATIVO Os Quadrs 2 e 3 descrevem, respectivamente, pessal dcente e técnic-administrativ necessáris a funcinament d Curs, tmand pr base desenvlviment simultâne de uma turma para cada períd d curs, crrespndente a Quadr 1. 14

16 Quadr 2 Pessal dcente necessári a funcinament d curs. Descriçã Qtde. Prfessr cm graduaçã na área de Infrmática 04 Prfessr cm graduaçã em Matemática 01 Prfessr cm graduaçã em Letras - Língua Inglesa 01 Prfessr cm graduaçã em Letras - Língua Prtuguesa 01 Ttal de prfessres necessáris 7 Quadr 3 Pessal técnic-administrativ necessári a funcinament d curs. Descriçã Qtde. Api Técnic Prfissinal de nível superir na área de Pedaggia, para assessria técnic-pedagógica a crdenadr de curs e as prfessres, n que diz respeit a implementaçã das plíticas 01 educacinais da Instituiçã e acmpanhament pedagógic d prcess de ensin e aprendizagem. Prfissinal técnic de nível médi/intermediári na área de Infrmática para manter, rganizar 01 e definir demandas ds labratóris de api a Curs. Prfissinal técnic de nível médi/intermediári na área de Infrmática para manter, rganizar 01 e definir demandas ds labratóris de api a Curs. Api Administrativ Prfissinal de nível médi para prver a rganizaçã e api administrativ da secretaria d 01 Curs. Ttal de técnics-administrativs necessáris CERTIFICADOS Após a integralizaçã ds cmpnentes curriculares d curs de frmaçã inicial e cntinuada u qualificaçã prfissinal em Auxiliar em Web Designer, na mdalidade presencial, e bservada a btençã da esclaridade requerida cnstante n Guia/Catálg Nacinal de Curss FIC, será cnferid a egress Certificad de Auxiliar em Web Designer. 15

17 REFERÊNCIAS BRASIL. Lei n de 20 de dezembr de Institui as Diretrizes e Base para a Educaçã Nacinal. <http://www4.planalt.gv.br/legislaca/legislaca-1/leis-rdinarias/legislaca-1/leis-rdinarias/1996> acess em 15 de març de Lei nº de 29 de dezembr de Institui a Rede Federal de Educaçã Prfissinal, Científica e Tecnlógica, cria s Instituts Federais de Educaçã, Ciência e Tecnlgia e dá utras prvidências. Brasília/DF: Decret Nº 5.154, de 23 de julh de Regulamenta 2º d art. 36 e s arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembr de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educaçã nacinal, e dá utras prvidências. Brasília/DF: Presidência da Republica. Decret Federal n de 13 de julh de Institui PROEJA n Territóri Nacinal. Brasilia: <http://www4.planalt.gv.br/legislaca/legislaca- 1/decrets1/decrets1/2006> acess em 15 de març de Presidência da Republica. Regulamentaçã da Educaçã à Distância. Decret Federal n de 19 de dezembr de <http://www4.planalt.gv.br/legislaca/legislaca- 1/decrets1/decrets1/2005> acess em 15 de març de IFRN/Institut Federal d Ri Grande d Nrte. Prjet Plític-Pedagógic d IFRN: uma cnstruçã cletiva. Dispnível em: <http://www.ifrn.edu.br/>. Natal/RN: IFRN, Organizaçã Didática d IFRN. Dispnível em: <http://www.ifrn.edu.br/>. Natal/RN: IFRN, MTE/Ministéri d Trabalh e Empreg. Classificaçã Brasileira de Ocupações. Dispnível em: <http://www.mtecb.gv.br/cbsite/pages/hme.jsf>. Acess em: 22 fev SETEC/Secretaria de Educaçã Prfissinal e Tecnlógica. PROEJA Frmaçã Inicial e Cntinuada/ Ensin Fundamental - Dcument Base - Brasília: SETEC/MEC, agst de Dcument Orientadr para PROEJAFIC em Prisões Federais. Ofíci Circular n 115/ DPEPT/SETEC/MEC. Brasilia, 24 de agst de Guia de Curss FIC. Dispnível em: <http://prnatecprtal.mec.gv.br/arquivs/guia.pdf>. Acess em: 22 fev

18 ANEXO I PROGRAMAS DAS DISCIPLINAS DO NÚCLEO FUNDAMENTAL Curs: Auxiliar de Web Designer Disciplina: Leitura e Prduçã de Text Carga-Hrária: 15h Tópics de gramática, leitura e prduçã de texts. Quant à gramática: EMENTA PROGRAMA Objetivs Aperfeiçar cnheciment cnheciment (teóric e prátic) sbre as cnvenções relacinadas a registr padrã escrit. Quant à leitura de texts escrits: Recuperar tema e a intençã cmunicativa dminante; Recnhecer, a partir de traçs caracterizadres manifests, a(s) seqüência(s) textual(is) presente(s) e gêner textual cnfigurad; Descrever a prgressã discursiva; Identificar s elements cesivs e recnhecer se assinalam a retmada u acréscim de infrmações; e Avaliar text, cnsiderand a articulaçã cerente ds elements lingüístics, ds parágrafs e demais partes d text; a pertinência das infrmações e ds juízs de valr; e a eficácia cmunicativa. Quant à prduçã de texts escrits: Prduzir texts (representativs das seqüências descritiva, narrativa e argumentativa e, respectivamente, ds 1. Tópics de gramática gêners verbete, relat de atividade acadêmica e artig de piniã), cnsiderand a articulaçã cerente ds elements lingüístics, ds parágrafs e das demais partes d text; a pertinência das infrmações e ds juízs de valr; e a eficácia cmunicativa Padrões frasais escrits 1.2. Cnvenções rtgráficas 1.3. Pntuaçã 1.4. Cncrdância 1.5. Regência 2. Tópics de leitura e prduçã de text Bases Científic-Tecnlógicas (Cnteúds) 2.1. Cmpetências necessárias à leitura e à prduçã de texts: cmpetência lingüística, enciclpédica e cmunicativa 2.2. Tema e intençã cmunicativa 2.3. Prgressã discursiva 2.4. Paragrafaçã: rganizaçã e articulaçã de parágrafs (descritivs, narrativs, argumentativs); 2.5. Seqüências textuais (descritiva, narrativa, argumentativa e injuntiva): marcadres lingüístics e elements macrestruturais básics 2.6. Gêners textuais (especificamente jrnalístics, técnics e científics): elements cmpsicinais, temátics, estilístics e prgramátics 2.7. Cesã: mecanisms principais 2.8. Cerência: tips de cerência (interna e externa) e requisits de cerência interna (cntinuidade, prgressã, nãcntradiçã e articulaçã) Prcediments Metdlógics Aula dialgada, leitura dirigida, discussã e exercícis cm auxíli das diversas tecnlgias da cmunicaçã e da infrmaçã. 17

19 Prjetr multimídia; DVDs; Televisr; Quadr branc. Recurss Didátics Avaliaçã Cntínua pr mei de atividades rais e escritas, individuais e em grup. Bibligrafia Básica 1. Apstilas elabradas pels prfessres 2. BECHARA, E. Gramática Esclar da Língua Prtuguesa. Ri de Janeir: Lucerna, SAVIOLI, F.P.; FIORIN, J.L. Lições de text: leitura e redaçã. Sã Paul: Ática, Bibligrafia Cmplementar 1. CAMARGO, T. N. de. Us de Vírgula. Barueri: Mnle, (Entender prtuguês; 1). 2. FARACO, C.A.; TEZZA, C. Oficina de Text. Petróplis, RJ: Vzes, FIGUEIREDO, L. C. A redaçã pel parágraf. Brasília: Universidade de Brasília, GARCEZ, L. H. d C. Técnica de redaçã: que é precis saber para bem escrever. Sã Paul: Martins Fntes, Sftware(s) de Api: 18

20 Curs: Auxiliar em Web Designer Disciplina: Língua Inglesa Carga-Hrária: 10h EMENTA Intrduçã e prática das estratégias de cmpreensã escrita que favreçam uma leitura mais eficiente de texts vltad à internet em língua inglesa. PROGRAMA Objetivs Desenvlver habilidades de leitura e escrita na língua inglesa e us cmpetente dessa n ctidian; Cnstruir texts básics, em inglês, usand as estruturas gramaticais adequadas; Praticar a traduçã de texts d inglês para prtuguês; Cmpreender texts em inglês, através de estratégias cgnitivas e estruturas básicas da língua; Utilizar vcabulári da língua inglesa nas áreas de frmaçã prfissinal; Desenvlver prjets multidisciplinares, interdisciplinares utilizand a língua inglesa cm fnte de pesquisa. Bases Científic-Tecnlógicas (Cnteúds) 1. Cnsiderações gerais sbre a leitura 1.1. Cnceituaçã 1.2. Relaçã entre técnicas de leitura e s níveis de cmpreensã d text. 2. Intrduçã as estratégias de leitura 2.1. Lay-ut 2.2. Skimming/scanning 2.3. Utilizaçã de infrmacã nã-linear Cnvencões gráficas Indicações de referências Infrmações nã-verbal 2.4. Key wrds 2.5. Cgnates 2.6. Wrd frmatin 2.7. Linking wrds 2.8. Nte-taking 2.9. Cesã/cerência Referência Substituiçã Elipse Cesã léxica 2.10 Interpretaçã ds marcadres de discurs Sinais de sequência entre events Sinais de rganizaçã d discurs Sinais de pnt de vista d autr Utilizaçã d significad ds temps verbais Utilizaçã d significad ds temps mdais Prcediments Metdlógics Aulas expsitivas cm discussã; semináris temátics; aulas práticas em labratóri; discussões presenciais de estuds de cass e de texts previamente selecinads. Recurss Didátics Recurss didátics: internet; prjetr de multimídia, retr-prjetr, dvds, cmputadr, televisr, e cd-rms. Avaliaçã Instruments: prvas cm questões subjetivas e bjetivas; trabalhs intermediáris; traduçã de texts; trabalhs de pesquisa. Critéris: nas avaliações serã aferidas a capacidade de leitura e cmpreensã de texts e dcuments; cm clareza, precisã e prpriedade utilizaçã d racicíni lógic e reflexã crítica; julgament e tmada de decisões; utilizaçã técnic instrumental de cnheciment de língua inglesa. A participaçã será também em cnta na avaliaçã. Bibligrafia Básica OLIVEIRA, Sara. Estratégias de leitura para inglês instrumental. Brasília: ed. UNB.,

21 Bibligrafia Cmplementar ALLIANDRO, H. Dicinári esclar inglês prtuguês. A livr técnic, rj Revista e jrnais de interesse geral especializads u de divulgaca científica, manuais e livrs-texts editads em língua inglesa. SILVA, Jã Antenr de C., GARRIDO, Maria Lina, BARRETO, Tânia Pedrsa. Inglês instrumental: leitura e cmpreensã de texts. Salvadr: Centr editrial e didátic, UFBA p. Sftware(s) de Api: 20

22 Curs: Auxiliar em Web Designer Disciplina: Matemática aplicada à Infrmática Carga-Hrária: 15h EMENTA Nções de cnjunts. Operações ns cnjunts numérics. Razã e prprçã. Equações e sistemas de equações de 1º e 2º grau. Relações. Funções. PROGRAMA Objetivs Cmpreender elements da matemática fundamentais para a infrmática; Estudar a teria ds cnjunts; as relações, funções e suas variáveis; Estuds de matrizes, determinantes e sistemas de equações lineares. 1. Nções de cnjunts 2. Operações ns cnjunts numérics 2.1. Naturais 2.2. Inteirs 2.3. Racinais 2.4. Reais 2.5. Valr Abslut 2.6. Interval 2.7. Fatraçã e prdut ntável 3. Razã e Prprçã Bases Científic-Tecnlógicas (Cnteúds) 3.1. Grandezas diretamente e inversamente prprcinais Regra de três simples. 4. Equações e sistemas de equações de 1º e 2º grau. Prblemas de aplicaçã 5. Funções 5.1. Cnceit de relações 5.2. Prdut cartesian 5.3. Definiçã de funçã 5.4. Dmíni, cntradmíni e imagem 5.5. Funçã plinmial 5.6. Funçã quadrática Prcediments Metdlógics Aulas teóricas expsitivas dialgadas e atividades em grup; Resluçã de listas de exercícis; Estud dirigid. Quadr branc; Prjetr multimídia; Retrprjetr. Avaliações escritas individual e em grup; Recurss Didátics Avaliaçã Resluçã de lista de exercícis, estud dirigid, pesquisas; Apresentaçã de semináris. 21

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmi de Incentiv à Educaçã é uma iniciativa das empresas d Pl Industrial, através d Cmitê de Fment Industrial de Camaçari - COFIC. Tem pr bjetiv estimular,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Critéris de Avaliaçã Direçã Reginal de Educaçã d Nrte Agrupament de Esclas AMADEO DE SOUZA-CARDOSO Telões - Amarante EDUCAÇÃO MUSICAL 2ºCICLO An Letiv 2014/2015 Dmíni Cgnitiv

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Auxiliar em Web Designer

Auxiliar em Web Designer Projeto Pedagógico do Curso de Formação Inicial e Continuada ou Qualificação Profissional em Auxiliar em Web Designer na modalidade presencial Projeto Pedagógico do Curso de Formação Inicial e Continuada

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º an Subdmíni Cmunicaçã e clabraçã CC8 Cnheciment e utilizaçã adequada e segura de diferentes tips de ferramentas de cmunicaçã,

Leia mais

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos Prpsta de Frmaçã para us pedagógic e integrad d Tablet Educacinal Estuds Autônms Objetiv geral: OBJETIVOS Prmver a Frmaçã Cntinuada ds Prfessres, Crdenadres Pedagógics e Gestres Esclares, na mdalidade

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

DISCIPLINA: LINGUA ESTRANGEIRA MODERNA

DISCIPLINA: LINGUA ESTRANGEIRA MODERNA DISCIPLINA: LINGUA ESTRANGEIRA MODERNA EMENTA: O ensin de língua estrangeira cm um códig de diferentes estruturas lingüísticas, cm ênfase na ralidade, leitura e escrita cm veículs de cmpreensã d mund.

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensin Técnic Códig: 0262 ETEC ANHANGUERA Municípi: Santana de Parnaíba Cmpnente Curricular: Cntabilidade Cmercial Eix Tecnlógic: Gestã e Negócis Módul: II C.

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 27/10/2014 a 21/11/2014 Carg: Auxiliar de Sala: Educaçã Infantil Taxa de Inscriçã: R$ 48,00 Salári/Remuneraçã: R$ 1.146,27 Nº Vagas: Cadastr de

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médi PLANO DE ENSINO 2009 Médi Prfissinalizante ( ) Prfissinalizante ( ) Graduaçã ( x ) Pós-graduaçã ( ) I. Dads Identificadres Curs Superir de Tecnlgia em Gestã Ambiental

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Faculdade Independente d Nrdeste Credenciada pela Prtaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada n D.O.U. de 09/07/2001. CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

Colégio Integrado EXATO

Colégio Integrado EXATO Clégi Integrad EXATO Rua: Ri de Janeir, 47 Jardim Bela Vista Mgi Guaçu SP CEP 13840-210 Telefne (19) Prpsta Plític-pedagógica d Clégi Integrad EXATO S/S Ltda. O Clégi Integrad EXATO cntextualiza sua açã

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE PROJETO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO OPERADOR DE COMPUTADORES

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO OPERADOR DE COMPUTADORES Ministéri da Educaçã - MEC Secretaria de Educaçã Prfissinal e Tecnlógica (SETEC) Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Ceará PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO OPERADOR DE COMPUTADORES Ministéri da

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas

Escola Básica e Secundária de Velas Escla Básica e Secundária de Velas Dcument Orientadr para a Implementaçã das TIC na Educaçã Pré-Esclar e Ensin Básic 1 As TIC na Educaçã Pré-Esclar e n Ensin Básic O presente Dcument de Orientações Metdlógicas

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 Inserir data e Hra 08/10/2012 N.º PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnic De Turism 2010/2013 DISCIPLINA: Operações Técnicas em Empresas Turísticas An: 3º N.º TOTAL

Leia mais

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aprximadamente 84 hras - aulas de 2 hras Primeira Parte Lógica de Prgramaçã 5 aulas 10 hras AULA 1 OBJETIVO 1. Cnceits básics: Algritm, Tips de Variáveis, Tips e Expressões

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seçã 1. Pág. 20 Cmpnente Curricular: ENFERMAGEM NO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Códig: ENF-219 Pré-requisit: Nenhum

Leia mais

TERAPIA MANUAL DESPORTIVA

TERAPIA MANUAL DESPORTIVA TERAPIA MANUAL DESPORTIVA 14, 15 e 16 de Nvembr de 2014 - LISBOA Resum A Terapia Manual é indiscutivelmente uma área incntrnável na intervençã d fisiterapeuta. N entant, este é um cnceit lat, cm diversas

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

Reconhecer as ferramentas de sistemas de informação e seu uso na gestão empresarial;

Reconhecer as ferramentas de sistemas de informação e seu uso na gestão empresarial; CURSO: ADMINISTRAÇÃO SEMESTRE: 5 DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DE CARGA HORARIA: 80 HORAS / AULAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Ementári: Nções de sistemas de infrmaçã e seus cmpnentes, seus tips e principais aplicações

Leia mais

PASTORAL DA JUVENTUDE ARQUIDIOCESE DE LONDRINA PROJETO ESCOLA DE COORDENADORES PASSO A PASSO

PASTORAL DA JUVENTUDE ARQUIDIOCESE DE LONDRINA PROJETO ESCOLA DE COORDENADORES PASSO A PASSO PROJETO ESCOLA DE COORDENADORES PASSO A PASSO 1) Justificativa: A lharms para a realidade ds nsss grups de Pastral de Juventude, percebems a necessidade de reafirmaçã metdlógica d pnt de vista da açã eclesial.

Leia mais

FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB

FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB SOBRE A FRAMEWORK A Framewrk (www.frwtc.cm) atua diretamente cm prfissinais d segment de tecnlgia em busca de capacitaçã, atualizaçã e certificaçã, curss

Leia mais

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS Julh 2007 INTRODUÇÃO As amplas, prfundas e rápidas transfrmações pr que passa a nssa sciedade prvcaram, frçsamente,

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO OPERADOR DE COMPUTADORES

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO OPERADOR DE COMPUTADORES Ministéri da Educaçã - MEC Secretaria de Educaçã Prfissinal e Tecnlógica (SETEC) Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Ceará PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO OPERADOR DE COMPUTADORES 1 Ministéri

Leia mais

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE ARTIGO I DEFINIÇÃO E NATUREZA O Prêmi Cidadania, categria Estudante, premia trabalhs de caráter técnic u científic, referente a implementaçã

Leia mais

A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS O Prgrama Ciência sem Frnteiras, lançad n dia 26 de julh de 2011, é um prgrama d Gvern Federal que busca prmver a cnslidaçã, a expansã e a internacinalizaçã

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 10/11/2014 a 07/12/2014 Carg: Auxiliar de Secretaria Taxa de Inscriçã: R$ 50,00 Salári/Remuneraçã: R$ 800,85 Nº Vagas: 29 + 40 Cadastr de Reserva

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitria de Graduaçã Rua Gabriel Mnteir da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fne: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE

FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE SOBRE A FRAMEWORK A Framewrk (www.frwtc.cm) atua diretamente cm prfissinais d segment de tecnlgia em busca de capacitaçã, atualizaçã e certificaçã, curss IN-COMPANY persnalizads

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Ri de Janeir Edital Simplificad de Seleçã de Mnitria 2015.1 A Direçã Geral d IFRJ/, cmunica, pel presente Edital, que estarã abertas as inscrições para

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

ESCOLA MONDRIAN FUNDAMENTAL SÃO GABRIEL - RS. Tema da proposta: O ensino de Ciências através da literatura infantil: Tudo por causa do pum?

ESCOLA MONDRIAN FUNDAMENTAL SÃO GABRIEL - RS. Tema da proposta: O ensino de Ciências através da literatura infantil: Tudo por causa do pum? ESCOLA MONDRIAN FUNDAMENTAL SÃO GABRIEL - RS PROFESSORA LIA HEBERLÊ DE ALMEIDA TURMAS KANDINSKY Tema da prpsta: O ensin de Ciências através da literatura infantil: Tud pr causa d pum? Objetiv Geral: Estimular

Leia mais

Plano de Recuperação - Inglês

Plano de Recuperação - Inglês Escla: 9º 2005/2006 Prf. I- APOIO PEDAGÓGICO ACRESCIDO Plan de Recuperaçã - Inglês Existência de dis níveis diferenciads: Nível I aluns cm graves deficiências de base. N.º Nme Nível II aluns cm algumas

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS An 2-B Frmulári de preenchiment brigatóri,

Leia mais

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul A Estratégia d Tribunal de Justiça d Ri Grande D Sul PODER JUDICIÁRIO Missã: De acrd cm fundament d Estad, Pder Judiciári tem a Missã de, perante a sciedade, prestar a tutela jurisdicinal, a tds e a cada

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

GUIA RÁPIDO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

GUIA RÁPIDO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO BAARELADO EM BAARELADO EM UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Fundada em 1970 cm intuit de ferecer primeir curs superir de Turism d Brasil, a Universidade Anhembi Mrumbi ampliu sua ferta de curss em diferentes

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Faculdade Independente d Nrdeste Credenciada pela Prtaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada n D.O.U. de 09/07/2001. CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curs Técnic de Nível Médi em Turism Curs Técnic de Nível Médi Subseqüente em Turism Plan de Curs Aprvad através da Resluçã 05/2007-CD, de 12/03/2007 DAGESC Curs Técnic de Nível Médi em Turism Francisc

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Carg: Técnic d Segur Scial Vagas: 2 mil vagas slicitadas Nível de esclaridade: médi Remuneraçã inicial: R$ 4.027,87 PREPARE-SE Prepare-se para Cncurs INSS - Institut Nacinal d Segur

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu MBA em Gestã de Prjets A Faculdade de Tecnlgia SENAI/SC em Flrianóplis

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 20/10/2014 a 20/11/2014 Carg: Auxiliar Administrativ Taxa de Inscriçã: R$ 45,00 Salári/Remuneraçã: R$ 1.100,00 Nº Vagas: 50 Data da Prva: 07/12/2014

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

LETRAMENTOS ACADÊMICOS

LETRAMENTOS ACADÊMICOS 110. CONEX Apresentaçã Oral Resum Expandid ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das pções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 08/09/2014 a 16/10/2014 Carg: Prfessr I Taxa de Inscriçã: R$ 60,00 Salári/Remuneraçã: R$ 15,13/h Nº Vagas: 10 Data da Prva: 16/11/2014 Nível: Superir

Leia mais

COLÉGIO MILITAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

COLÉGIO MILITAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COLÉGIO MILITAR INGLÊS 1º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2015 2016 Grup Disciplinar de Inglês/Alemã 08.09.2015 Preâmbul 1. Pretende-se que a avaliaçã em Língua Estrangeira valrize td percurs esclar d alun,

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: CONTROLADORIA PLANO DE CURSO

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: CONTROLADORIA PLANO DE CURSO Faculdade Independente d Nrdeste Credenciada pela Prtaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada n D.O.U. de 09/07/2001. CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autrizad pela Prtaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

FICHA INFORMATIVA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GRANDES PROJETOS KNX: OPC, BMS e SCADAS

FICHA INFORMATIVA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GRANDES PROJETOS KNX: OPC, BMS e SCADAS INFORMAÇÕES SOBRE O CURSO Títul: OPC, BMS E SCADAS Mdalidade: X Presencial A Distância Mista PRESENCIAL: TOTAL 19,5 Teóricas 9 Práticas 10,5 A DISTÂNCIA: TOTAL Aulas Presenciais Aulas a distância MISTA:

Leia mais

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional. Integralização Curricular

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional. Integralização Curricular ANO ANO Missã d Curs É missã d Curs de Arquitetura e Urbanism da UFC frmar prfissinais capacitads a pesquisar, cnceber e cnstruir, cm visã crítica da realidade sci-ecnômica e cnheciment aprfundad d cntext

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais