ANÁLISE DA ADERÊNCIA DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS PELO MÉTODO CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM) PARA O MERCADO DE EDUCAÇÃO NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DA ADERÊNCIA DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS PELO MÉTODO CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM) PARA O MERCADO DE EDUCAÇÃO NO BRASIL"

Transcrição

1 ANÁLISE DA ADERÊNCIA DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS PELO MÉTODO CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM) PARA O MERCADO DE EDUCAÇÃO NO BRASIL Leonardo Henrique Zamariola Curso de Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Negócios Orientador: Prof. Msc. Edilson Antonio Ignácio. Conhecer formas mais assertivas de precificar ativos financeiros é de extrema importância para a liquidez de um sistema financeiro e, por consequência, maior desenvolvimento econômico. O presente estudo tem por objetivo identificar a validade empírica do modelo de precificação de ativos Capital Asset Pricing Model (CAPM) para o mercado de educação no Brasil no período de 2009 a Para a estimação do beta característico de cada empresa utilizou-se de análise de regressão linear múltipla, covariância com dados completos e covariância com dados parciais. Após a estimação do beta, calculou-se os erros entre o que fora estimado e o que fora efetivamente observado e nenhuma das três formas de cálculo do beta foi capaz de produzir um erro menor do que 100%. Assim, pela grande falta de aderência do modelo CAPM para a estimação dos retornos dos ativos em questão descarta-se a possibilidade de utilizá-lo na sua forma original para a avaliação dos ativos em estudo. Pela observação da literatura corrente presume-se que os principais problemas do CAPM neste caso sejam a falta de ponderação no tamanho da empresa, ágio e expectativa dos investidores. Desta forma, apesar do estudo utilizar baixo volume de dados já é possível inferir pelas estatísticas e pela literatura que embora o modelo CAPM possua conceitos teóricos pertinentes da relação risco-retorno, ele necessita de atualizações importantes para que possa ser utilizado com maior nível de confiança pelo mercado educacional. Palavras-chave: Finanças Estratégias, Análise de Ativos, Capital Asset Pricing Model.

2 2 INTRODUÇÃO Uma das questões centrais que permeia as finanças desde os seus primórdios é a forma correta de precificar ativos. Desde o momento em que a moeda passou a existir como uma forma de intermediar temporalmente a troca dos bens, as pessoas se viram diante do dilema de saber exatamente qual o valor mais justo para a transação de um produto por uma quantidade de moeda. O mesmo ocorreu com ativos financeiros os quais tem seu valor de troca atrelado de forma direta ao rendimento previsto para estes ativos. Um dos desafios das finanças estratégicas atuais é compreender e estimar da forma mais precisa possível os rendimentos previstos para ativos financeiros e, por consequência, chegar ao seu valor de troca mais adequado. As teorias mais recentes de precificação, também chamada de avaliação (valuation), consideram que o valor de um ativo financeiro possui relação positiva direta com os retornos previstos para este ativo e relação negativa direta com os riscos envolvidos, isto é, quanto maiores forem os retornos previstos medidos através do fluxo de caixa, mais valoroso é o ativo. Por outro lado, quanto maiores forem os riscos inerentes ao ativo, menor será o seu valor. Ao final da década de 1960, resultado dos trabalhos dos pesquisadores Markowitz (1952), Tobin (1958) e Sharpe (1964), surge o método de Capital Asset Pricing Model (CAPM) com a finalidade de se encontrar o retorno estimado de determinado ativo apenas comparando-o com a carteira de mercado. Isto é, este método diz que quanto mais arriscado for um ativo em relação à carteira de mercado, maior deve ser o prêmio de risco que o agente deve receber. Este método sofreu diversos ajustes ao longo dos anos com surgimento de variantes que vão desde a inserção de variáveis mutáveis ao longo do tempo (modelos de aprendizado) até a colocação de variáveis condicionais. Contudo, embora alguns pesquisadores confirmem o embasamento teórico existente por trás do modelo, como pode ser visto em Fama & French (2006), alguns setores apresentaram distorções na análise quando se testou o modelo com números reais como se vê nos trabalhos de DEMPSEY (2013) e BORNHOLT (2013). Faremos uma análise da validade deste modelo à luz do cenário do mercado de educação no Brasil através das ações das empresas Anhanguera Educacional Participações S.A. (AESA), Kroton Educacional S.A. (KROTON) e Estácio Participações S.A. (ESTACIO) e avaliaremos a aderência de estimação do modelo CAPM ao longo dos cinco anos pós-crise de 2008, isto é, de 2009 a 2013.

3 3 OBJETIVOS O objetivo do presente trabalho consiste em identificar através da literatura já existente qual a abrangência da validade teórica do método de avaliação de ativos financeiros CAPM e validar a utilização deste método através de dados reais do mercado educacional brasileiro. Além disto, o trabalho objetiva identificar quais as alternativas desenvolvidas ao método CAPM e formas de ampliar a precisão e eficácia da ferramenta. Como resultados diretos do trabalho pode-se esperar a identificação de formas mais precisas para se calcular o CAPM através da seleção dos cortes amostrais mais eficientes e dos métodos mais aderentes para a estimação dos coeficientes por meio de dados empíricos. Este trabalho também terá com resultados específicos o possível aperfeiçoamento do ferramental teórico em finanças como auxílio à tomada de decisões dos gestores educacionais. JUSTIFICATIVA Atualmente os sistemas computacionais trouxeram extrema agilidade na realização de ordens de compra e venda de ativos no mercado financeiro. Uma boa parcela destas ordens é realizada através de modelos matemáticos. Contudo, a despeito destes avanços tecnológicos, nada removerá a subjetividade dos analistas de mercado que dirão através de análises fundamentalistas se a empresa se encontra super ou subvalorizada. Desta forma, munir estes analistas de ferramentas que sejam precisas e adequadas à realidade dos mercados empresariais e financeiros é essencial para que a economia opere com maior nível de eficiência e eficácia nas transações. Além disto, adequar e validar as ferramentas aos dados nacionais permite que se tenha muito mais facilidade na execução de transações de compra e venda de ativos contribuindo para ampliação da liquidez dos papéis e geração de valor agregado da economia. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA A análise levará em consideração os dados trimestrais das cotações das três empresas do setor de educação do período de 2009 a 2013 no Brasil. Com isto haverá os dados das três empresas acrescidas dos indicadores Ibovespa como carteira de mercado e Taxa DI (Taxa de

4 4 juros para Certificados de Depósito Interbancário) como índice livre de risco. Cada um destes cinco ativos contará com 60 cotações, isto resultará numa amostra total de 300 observações. HIPÓTESES Com base nos referenciais teóricos apresentados pela literatura corrente acerca do modelo CAPM, espera-se encontrar resultado positivo para a validade do modelo CAPM em seu formato original, isto é, no formato inicialmente concebido pelos estudos de Markowitz (1952), Tobin (1958) e Sharpe (1964). Caso o modelo CAPM original não apresente resultado positivo ou aderência pertinente aos dados apresentados, espera-se identificar na literatura os motivos da falta de aderência e possíveis formas de corrigi-los. 1. REFERENCIAL TEÓRICO 1.1 RISCO E RETORNO Conforme definem Ross; Westerfield e Jaffe (2002), o retorno de um ativo é medido através de dois componentes distintos, o ganho de capital e o fluxo de caixa. Assim, quando avaliamos o retorno de uma ação transacionada na bolsa de valores, por exemplo, devemos considerar o seu retorno como resultado dos dividendos gerados por esta ação e da valorização ao longo do período de análise. Este duplo componente pode ser visto através da equação 1 em que R it representa o retorno relativo do ativo i no período t, P it representa o preço (quotação) do ativo i no período t e DIV it representa o dividendo (fluxo de caixa) gerado pelo ativo ao longo do período t.... Equação 1 Como já fora citado, além do retorno, o risco apresenta papel importantíssimo na definição de valor de um ativo financeiro. Nestes casos o risco pode ser considerado como a possibilidade de não obtenção dos retornos esperados, ou seja, como a possibilidade de flutuação do retorno a ser observado. A forma mais pertinente de se mensurar o risco de um ativo é através da medida dos desvios-padrão dos seus retornos, como pode ser visto na equação 2.

5 5... Equação 2 Contudo, em vez de analisar apenas ativos, podemos considerar carteiras compostas por dois ou mais ativos de forma conjunta. Estas carteiras costumam apresentar riscos menores em função de efeito diversificação. Como afirma Carareto (2004) é possível classificar o risco de um ativo ou de uma carteira em dois tipos distintos: riscos diversificáveis e não diversificáveis (sistêmicos). Os riscos diversificáveis são aqueles passíveis de redução dentro de uma carteira de ativos através da adição de ativos com perfis diferentes de correlação. É possível observar o efeito diversificação numa carteira de forma algébrica a partir da análise do risco de uma carteira demonstrada por Ross; Westerfield e Jaffe (2002) como tendo risco medido pela equação 3, em que X e Y representam a respectiva percentagem dos ativos X e Y na carteira, σ i representa o desvio-padrão do ativo i e ρ xy representa a correlação dos retornos dos ativos X e Y. ( ) ( )...Equação 3 Através da equação 3 é possível observar que se a correlação entre os retornos dos dois ativos for a maior possível, isto é, tiver valor igual a 1 a equação pode ser escrita como: ( ) ( ) ( )...Equação 4 Ou seja, pela equação 4 é possível observar que quando os ativos possuem correlação máxima, o risco da carteira é uma média ponderada do riscos dos ativos. Portanto, qualquer outro valor de correlação, isto é, qualquer outro valor menor do que 1 representa um risco de carteira menor do que a média ponderada. Portanto, a não ser que os ativos possuam retornos perfeitamente correlacionados, a montagem de uma carteira reduzirá o risco não-sistêmico através do efeito diversificação. É exatamente por trás deste conceito de redução de risco que o modelo de Capital Asset Pricing Model (CAPM) está embasado.

6 6 1.2 O CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM) O modelo CAPM foi inicialmente concebido através dos estudos de Markowitz (1952) que propunham uma forma mais eficiente de encontrar a alocação de portfólio através da dicotomia risco e retorno. Contudo, somente com os avanços de Tobin (1958) e Sharpe (1964) que se foi possível chegar ao modelo CAPM na forma com que se é concebido atualmente. Este modelo de estimação dos retornos de um ativo (ou carteira) diz que há uma relação de troca entre o risco de um ativo e o retorno que este ativo deve gerar. Isto é, ativos que apresentam maiores riscos, medidos como desvios-padrão, devem por consequência apresentar retornos maiores para que os investidores (avessos ao risco) motivem-se a adquirilos. Um dos pressupostos básicos do modelo CAPM e também um dos principais subsídios para críticas reside na premissa de eficiência do mercado de capitais. Como o modelo busca encontrar uma relação de troca média entre o prêmio de risco de um ativo e o risco em si, ele considera que os investidores possuem informações perfeitas, são avessos ao risco e tomam decisões racionais. Contudo, na prática as decisões são tomadas com poucas informações e de forma não tão racional. Para encontrar a relação de troca entre o risco e o retorno de um ativo, o modelo se utiliza de dois conceitos importantes, carteira de mercado e ativo livre de risco. Segundo os pressupostos de informações perfeitas e decisões racionais, nenhum investidor aceitaria um ativo com retorno menor do que o ativo livre de risco, ou seja, qualquer ativo que tenha nível de risco (desvio-padrão dos retornos) maior do que zero deve possuir retorno maior do que o retorno do ativo livre de risco. A esta diferença entre o retorno do ativo em análise e o retorno do ativo livre de risco dá-se o nome de prêmio de risco. Além disto, há outro conceito igualmente importante, os investidores não comparam seus portfólios apenas com os ativos livres de risco, eles comparam também com o portfólio diversificado do mercado (carteira de mercado), assim, se um ativo possuir risco maior do que o risco da carteira de mercado ele deve, obrigatoriamente, possuir um retorno também maior. Isto é, se um ativo possui um desvio-padrão com módulo maior que o módulo do desvio-padrão da carteira de mercado, ou seja, se este ativo possui módulo do índice beta ( β ) maior do que 1, então, o seu prêmio de risco deve ser proporcionalmente maior do que o prêmio de risco da carteira de mercado. O modelo CAPM pode ser denotado como na equação 5, onde R i é o retorno do ativo em

7 7 análise, R m é o retorno da carteira de mercado, R l é o retorno do ativo livre de risco e o β i é o índice beta do ativo.... Equação 5 2. METODOLOGIA 2.1 DADOS Para a validação dos testes utilizar-se-á informações históricas mensais das ações obtidas diretamente através do site Bolsa de Valores e Futuros de São Paulo (BMF&BOVESPA) 1 para as cotações das empresas e da Ibovespa. Por outro lado, para cotações da taxa DI os dados foram obtidos através do site da Cetip 2. Os sites disponibilizam informações dos pregões diários, contudo, a utilização de informações diárias pode apresentar pequenas distorções especulativas por movimentos não relacionados à característica de risco do ativo. Portanto, serão utilizados apenas os dados dos primeiros dias de negociação do lote padrão de cada mês no mercado à vista que contenha cotação para as três empresas (primeiro dia de pregão aberto de cada mês). Há no setor de educação apenas três empresas com disponibilidade de informações para o período de 2009 a 2013 e são as empresas escolhidas para a análise, Anhanguera Educacional Participações S.A. (Ticker: AESA3), Kroton Educacional S.A. (Ticker: KROT3) e Estácio Participações S.A. (Ticker: ESTC3). Há de se atentar que embora as empresas AESA e KROTON tenham realizado conversão de ações para entrada em novo mercado nos anos de 2010 e 2012, respectivamente, as cotações absolutas não se alteraram já que as units foram convertidas em blocos de ações ordinárias com mesma participação no capital social. Por outro lado, as três empresas realizaram desdobramentos (splits) durante o ano de Como o desdobramento das ações fora realizado na proporção de 1 para 2 (KROTON) e 1 para 3 (AESA e ESTACIO), a cotação considerada no estudo após o período de desdobramento é o dobro ou o triplo da 1 2

8 8 cotação em pregão de forma a manter o mesmo padrão de comparação durante todo o período de análise. 2.2 MÉTODO DE ANÁLISE Na posse dos dados, o primeiro passo para análise consistirá em identificar o beta característico do modelo CAPM para cada ação utilizando-se para isto de três modelos (formas) distintos. A primeira forma será feita através de Regressão Múltipla entre os dados da empresa como pode ser visto na equação 6b que representa a fórmula do CAPM.... Equação 6a... Equação 6b Desta forma, o beta encontrado pela regressão para o ativo em análise (β i ) com todos os dados da amostra deverá possuir a maior assertividade por incluir valores dos retornos do ativo em todo o período da amostra. A segunda forma será feita através da conceituação teórica do beta, ou seja, pela definição de relação entre risco do ativo e risco da carteira de mercado que pode ser vista pela equação 7. E a terceira forma também utilizará a conceituação teórica do beta, contudo, neste caso os valores utilizados para a obtenção do beta serão apenas os valores de observação temporalmente anterior ao tempo t do beta. O objetivo é impor restrições de informações semelhantes as que os analistas teriam para o cálculo do beta. Neste terceiro caso a amostra perderá informação do primeiro período já que não será possível estimar variância apenas do primeiro período.... Equação 7 Após a identificação do índice beta para cada ativo, estimar-se-á qual seria o retorno deste ativo através do modelo:... Equação 8

9 9 Por fim, em posse dos valores estimados para cada um dos períodos, utilizar-se-á de duas métricas distintas para a identificação da assertividade da estimação, Erro Proporcional Médio (EPM) e Erro Quadrático Relativo Médio (EQRM) representadas pelas equações 9 e Equação 9 ( )... Equação 10 Quanto menores forem os erros, maior a assertividade do modelo. 3. RESULTADOS OBTIDOS 3.1 ESTATÍSTICAS DESCRITIVAS E BETAS ESTIMADOS Após a coleta dos dados, a primeira análise consiste em avaliar as estatísticas descritivas dos retornos que podem ser observadas pela tabela 1. Tabela 1. Estatística Descritiva do Retorno dos Ativos Ativo N Média (μ) Desvio-padrão (σ) AESA 60 2,70% 11,55% KROTON 60 3,24% 11,27% ESTACIO 60 3,05% 11,34% Ibovespa 60 0,88% 6,93% Taxa DI 60 0,77% 0,13% Fonte: Elaborado pelo autor Através da tabela é possível observar que a média dos retornos é maior para os ativos das três empresas em análise se comparados com o retorno da carteira de mercado ou do ativo livre de risco. Enquanto os ativos destas empresas apresentaram a média dos retornos mensais por volta de 3% a.m., a carteira de mercado apresentou média dos retornos igual a 0,88% a.m. e a taxa DI apresentou média igual a 0,77% a.m.. Como era de se esperar, o desvio-padrão mostrou-se muito maior para os ativos das empresas em análise vis-à-vis a carteira de mercado e a taxa livre de risco. Este movimento de análise inicial reforça a ideia de trade-off

10 10 existente entre risco e retorno, ou seja, os ativos com maior taxa de risco apresentaram maior taxa de retorno. Cabe destacar que a taxa livre de risco, que em teoria apresentaria risco igual a zero, apresentou 0,13% de desvio-padrão, contudo, este movimento deve-se a pequenas oscilações na taxa DI que não refletem em riscos relevantes ao investidor. Uma informação importante sobre o comportamento dos retornos dos ativos pode ser obtida através da matriz de correlação (tabela 2). Por meio desta matriz é possível observar que há uma correlação positiva e relativamente alta entre as estatísticas dos retornos dos ativos das empresas em análise. Isto demonstra que embora haja flutuações específicas para cada ativo, na média, eles tendem a seguir o mesmo grande movimento de elevação e redução de preços ao longo do tempo. Uma possível causa para isto é o perfil bastante semelhante de risco e rentabilidade das empresas, assim elas acabam se submetendo à mesma logica de geração de caixa, investimento e fluxo de capital. Tabela 2. Matriz de Correlações Ativo AESA KROTON ESTACIO Ibovespa Taxa DI AESA 1,00 0,62 0,64 0,48-0,22 KROTON 0,62 1,00 0,63 0,47-0,18 ESTACIO 0,64 0,63 1,00 0,37-0,24 Ibovespa 0,48 0,47 0,37 1,00 0,08 Taxa DI -0,22-0,18-0,24 0,08 1,00 Fonte: Elaborado pelo autor. Por outro lado, ao compararmos a correlação dos retornos da carteira de mercado com os retornos dos ativos destas empresas, não é possível verificar os mesmo movimentos. Há correlação positiva entre os ativos das empresas e a carteira de mercado, contudo, uma correlação estatisticamente baixa. A segunda etapa de análise consiste na estimação do valor do beta (β i ) de cada ativo. A regressão para obtenção do beta na Forma 1 apresentou estatística que demonstram baixa aderência do modelo, como pode ser visto pela tabela 3. Tabela 3. Estatística das Regressões Lineares (Forma 1) Estatística AESA KROTON ESTACIO R² Ajustado 21,05% 19,75% 12,21% F-Significação do Modelo (p-valor do modelo) 0,01% 0,02% 0,31% Coeficiente (β estimado) 0,81 0,77 0,62 P-valor do coeficiente 0,01% 0,02% 0,31%

11 11 Fonte: Elaborado pelo autor. Embora os valores de F de Significação para o modelo e para os coeficientes (betas) apresentem valores baixos, ou seja, demonstrem aderência no processo de estimação, o R 2 Ajustado apresentou valor extremamente baixo. Mesmo para um modelo com poucos dados e sem ajuste, apresentar R 2 com aderência de apenas 12,21% (como foi o caso da empresa ESTACIO) é um grande indício de possível inadequação do modelo ou inexistência de relação de causalidade. Estes indícios de inadequação são corroborados pela análise dos betas estimados por qualquer uma das pelas três formas (tabela 4). Tabela 4. Beta Estimado Por Ativo e Modo de Estimação Forma de estimação do Beta AESA KROTON ESTACIO Regressão Linear (Forma 1) 0,81 0,77 0,62 Covariância com dados completos (Forma 2) 0,75 0,75 0,61 Covariância com dados parciais (Forma 3)* 0,86 1,19 0,71 * Como cada período apresenta um valor diferente, apresenta-se aqui a média simples do beta destes períodos Fonte: Elaborado pelo autor. Através da tabela 1 vê-se que os ativos das empresas apresentam desvio-padrão (risco) muito maior do que o desvio-padrão (risco) da carteira de mercado, assim era de se esperar que a estimação do beta do modelo CAPM apresentasse na tabela 4 módulo maior do que 1. Contudo, a estimação do beta feita pelas três formas apresenta valores de módulo menores do que 1, com exceção do caso específico do ativo KROTON na Forma 3. Estes resultados demonstram que independentemente da forma de estimação do beta, o modelo CAPM não foi capaz de capturar com precisão a real existência e intensidade do trade-off entre risco e retorno dos ativos em análise. Assim, ao adotar os valores dos betas obtidos pelos modelos, está-se indiretamente dizendo que o prêmio de risco destes ativos deve ser menor que o prêmio de risco da carteira de mercado. Esta afirmação, por sua vez, contradiz o fato destes ativos serem mais arriscados (maior desvio-padrão) que a carteira de mercado e contradiz o fato deles já apresentarem prêmio de risco maior (média dos retornos maiores) do que o prêmio de risco da carteira de mercado.

12 RETORNOS E ERROS ESTIMADOS Independentemente das incongruências entre os betas observados e os betas que teoricamente o modelo deveria apresentar, o processo de análise prosseguiu. Portanto, estimaram-se quais seriam os valores dos retornos de acordo a forma de estimação do beta utilizando-se para isto da equação 7. Tabela 5. Estatística Descritiva dos Retornos Estimados Ativo Estimativa N Média (μ) Desvio-padrão (σ) Reg. Linear (Forma 1) 60 0,86% 5,61% AESA Cov. Completa (Forma 2) 60 0,86% 5,52% Cov. Parcial (Forma 3) 59 0,93% 6,23% Reg. Linear (Forma 1) 60 0,85% 5,33% KROTON Cov. Completa (Forma 2) 60 0,85% 5,23% Cov. Parcial (Forma 3) 59 1,31% 9,09% Reg. Linear (Forma 1) 60 0,84% 4,33% ESTACIO Cov. Completa (Forma 2) 60 0,84% 4,24% Cov. Parcial (Forma 3) 59 0,95% 5,27% Ibovespa (apenas para comparação) 60 0,88% 6,93% Fonte: Elaborado pelo autor. Através da Tabela 5 é possível observar as estatísticas descritivas dos retornos estimados e fica evidente a grande discrepância entre o que fora observado na prática e os valores estimados. Confrontando a tabela 1 com a tabela 5 é possível observar que no geral tanto a média dos retornos quanto os desvios-padrão foram estimados como sendo muito menores do que efetivamente são na prática. Além disto, os valores dos retornos e dos riscos estimados dos ativos ficaram na grande maioria dos casos erroneamente inferior aos retornos e aos riscos da carteira de mercado. Um analista que observasse apenas os resultados estimados poderia acreditar que estes papéis das empresas são menos arriscados e menos rentáveis que a carteira de mercado, conceito totalmente equivocado. Na prática, um analista que utilizasse o conceito de CAPM tradicional puro para estimar quais seriam os retornos esperados dos ativos poderia cometer um erro de estimação de mais de 100% do retorno observado, como pode ser visto pelas Tabelas 6 e 7.

13 13 Tabela 6. Erro Proporcional Médio por Tipo de Beta Estimado Forma de estimação do Beta AESA KROTON ESTACIO Regressão Linear (Forma 1) 128% 109% 119% Covariância com dados completos (Forma 2) 127% 108% 118% Covariância com dados parciais (Forma 3) 134% 132% 122% Fonte: Elaborado pelo autor. Tabela 7. Erro Quadrático Relativo Médio por Tipo de Beta Estimado Forma de estimação do Beta AESA KROTON ESTACIO Regressão Linear (Forma 1) 180% 139% 167% Covariância com dados completos (Forma 2) 178% 138% 165% Covariância com dados parciais (Forma 3) 199% 180% 187% Fonte: Elaborado pelo autor. Tanto os erros proporcionais médios, quanto os erros quadráticos médios apresentam valores muito altos para qualquer modelo que tenha como fim a utilização para a análise de investimentos. Os erros proporcionais médios ficaram todos acima de 100% sem qualquer grande diferença entre os ativos analisados. Os erros quadráticos também apresentaram valores muito altos, contudo, com maiores erros de estimação para os ativos AESA e ESTACIO o que indica que embora na média das três empresas os erros estavam próximos, os erros destas duas últimas foram menos frequentes, contudo, muito mais distantes das média quando ocorreram. Portanto, independentemente da forma de estimação do beta, da forma de análise de erros ou da empresa em questão, o modelo CAPM não apresentou assertividade significativa para que possa ser minimamente recomendado para a análise específica dos ativos destas três empresas. 3.3 POSSÍVEIS ALTERNATIVAS A análise da literatura existente acrescida da análise do caso em questão sugere três possíveis motivos para esta fragilidade do modelo. A primeira causa é a mais óbvia quando se trata de estimações, isto é, é possível que o volume de dados utilizados não tenha sido suficiente, a segmentação por mês não tenha se mostrado como a mais eficaz para demonstrar os reais movimentos dos papéis e/ou a utilização das taxas DI e Bovespa como proxys para indicador ativo livre de risco e carteira de mercado não seja a mais indicada.

14 14 A segunda causa consiste em falhas teóricas do modelo CAPM. Como defende Fama; French (1996) o retorno de um ativo não está relacionado apenas à sua característica de risco versus a carteira de mercado, os riscos inerentes ao tipo de empresa também possuem um papel importante. Os autores defendem que além da comparação com a carteira de mercado, o retorno de um papel é influenciado por dois outros fatores que justificam as anomalias verificadas pelo CAPM, estes fatores são o tamanho da empresa e o índice valor de mercadovalor contábil. De acordo com os autores, a discrepância de cotações de um portfólio de empresas de pequeno tamanho comparadas com as empresas de grande tamanho (small caps versus large caps) e a discrepância de cotações entre empresas com alto valor de patrimônio líquido comparativamente ao valor de mercado (high-book-to-market versus low-book-tomarket) possuem um papel significativo para definir o retorno de um ativo. Portanto, um dos possíveis problemas do modelo utilizado é que tamanho e o ágio das empresas não foram considerados, ou seja, enquanto a carteira de mercado apresenta um perfil de empresas large caps com baixo ágio, o nosso objeto de estudo se voltou para três empresas small caps com valor relativamente alto de índice valor de mercado-valor contábil. A terceira causa, defendida principalmente por Bornholt (2007) faz referência a incapacidade estatística do modelo CAPM de capturar os verdadeiros mecanismos de tradeoff entre risco e retorno. Para o autor até o modelo de três fatores de Fama e French (1996) é uma verdadeira panaceia, pois busca corrigir um problema criando outros. Para Bornholt (2007) a forma correta dos analistas avaliarem o retorno esperado de um ativo é considerar componentes de risco médio esperado na análise. Para o autor, os investidores não consideram o risco como uma componente de troca instantânea da dicotomia risco médio-variância, mas como uma componente expectacional, assim, uma das componentes de análise deve ser baseada apenas em expectativas futuras e não em médias já observadas. Assim, o modelo de Reward Approach defendido por Bornholt (2007) como uma solução para os erros do CAPM pode ser descrito como a equação 11, em que a componente ( ) busca balizar os valores expectacionais dos investidores. ( )... Equação 11 CONCLUSÃO Embora durante quase todo o artigo o modelo CAPM tenha demonstrado falta de assertividade, os princípios teóricos que carrega são de grande relevância para a demonstração

15 15 empírica da dicotomia risco-retorno. Contudo, através das análises ficou evidente que a abordagem de mercados eficientes não funciona plenamente quando consideramos empresas que apresentem características de tamanho e comportamento de ágio muito diferentes da média do mercado. Além disto, pressupor que os investidores possuem informações perfeitas, são totalmente avessos ao risco e baseiam suas decisões de investimentos apenas como maximização de retorno ou minimização de riscos não é coerente. Cabe ressaltar que os resultados não permitem rejeitar definitivamente e completamente o modelo CAPM ou quaisquer das suas variantes. Trabalhou-se com amostra relativamente pequena e com empresas demasiadamente específicas. Recortes alternativos ou modelos de estimação do Beta diferentes poderiam resultar em análises totalmente discrepantes. Decidir a melhor composição de portfólio sempre será um desafio para as finanças estratégicas, contudo, modelar comportamentos humanos como componentes estritamente financeiras e matemáticas continuará a apresentar-se como um desafio ainda maior. Então, caberá sempre ao analista financeiro compreender os movimentos, projetar os resultados e assumir a responsabilidade pela última palavra na tomada de decisão. REFERÊNCIAS BMF&Bovespa. Informações sobre ações obtidas em http: BORNHOLT, Graham. Extending the capital asset pricing model: the reward beta approach. Journal of Accounting & Finance, nº 47, pg , BORNHOLT, Graham. The Failure of the Capital Asset Pricing Model (CAPM): An Update and Discussion. Abacus Magazine, nº 49, pg , CARARETO, Edson Soares. Estimando e avaliando a estabilidade do beta em cinco empresas brasileiras após o Plano Real ( ). Revista Administra-Ação São Paulo, nº 1, pg 1-62, CETIP. Informações sobre taxas de juros obtidas em DEMPSEY, Mike. The Capital Asset Pricing Model (CAPM): The History of a Failed Revolutionary Idea in Finance?. Abacus Magazine, nº49, pg. 7 23, 2013.

16 16 FAMA, Eugene. F.; FRENCH, Kenneth. R. Multifactor Explanations of Asset Pricing Anomalies. The Journal of Finance, nº 51, pg , FAMA, Eugene. F.; FRENCH, Kenneth. R. The Value Premium and the CAPM. The Journal of Finance, nº 61, pg , MARKOWITZ, Harry. Portfolio Selection. The Journal of Finance Nova Iorque, Vol. 7, No. 1, pg , Mar., 1952 ROSS, Stephen A.; WESTERFIELD, Randolph W.; JAFFE, Jeffrey F.. Administração financeira: corporate finance. São Paulo, Editora Atlas, SHARPE, William F., Capital Asset Prices: A Theory of Market Equilibrium Under Conditions of Risk. The Journal of Finance, nº 19, pg TOBIN, James. Liquidity Preference as Behavior Towards Risk. Review of Economic Studies, nº 25 (2), pg , 1958.

2. Otimização de Portfolio

2. Otimização de Portfolio 2. Otimização de Portfolio 2.1. Análise de Média-Variância Portfolio (carteira, em português) é uma combinação de ativos, tais como investimentos, ações, obrigações, commodities, imóveis, entre outros.

Leia mais

CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO

CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO Mário Henrique da F. Oliveira

Leia mais

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido 2. A Teoria Clássica 2. A Teoria Clássica 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido Os mercados financeiros desempenham o papel de permitir que indivíduos e corporações transfiram dinheiro intertemporalmente.

Leia mais

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Tânia Cristina Simões de Matos dos Santos Instituto Politécnico de Leiria 2012 Working paper nº 83/2012 globadvantage Center

Leia mais

COMO CALCULAR O COEFICIENTE BETA DE UMA EMPRESA DE CAPITAL FECHADO

COMO CALCULAR O COEFICIENTE BETA DE UMA EMPRESA DE CAPITAL FECHADO COMO CALCULAR O COEFICIENTE BETA DE UMA Como dimensionar o Custo de Capital de uma empresa de capital fechado? Como solucionar a apuração de custo de capital no Brasil? A determinação do coeficiente Beta

Leia mais

I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O

I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O Sumário Prefácio, xiii Parte I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O que são Finanças Corporativas?, 3 1 Introdução, 3 2 Objetivos empresariais, 4 3 Estratégias operacionais, 5 4 Estrutura

Leia mais

Felipe Lopes Meira Alves Matrícula nº: 121003

Felipe Lopes Meira Alves Matrícula nº: 121003 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA MBA EM FINANÇAS EMPRESARIAIS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Fronteira eficiente: Uma aplicação ao mercado brasileiro em 2012 Felipe Lopes Meira

Leia mais

Artigo Técnico. ROBERTO CARLINE + 55.11.235.9809 5900.analise@bradesco.com.br APRESENTAÇÃO

Artigo Técnico. ROBERTO CARLINE + 55.11.235.9809 5900.analise@bradesco.com.br APRESENTAÇÃO i ROBERTO CARLINE + 55.11.235.9809 5900.analise@bradesco.com.br APRESENTAÇÃO A moderna teoria de administração de portfolios vem procurando apresentar mecanismos para a obtenção da uma relação ótima entre

Leia mais

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM) E SUA UTILIZAÇÃO NOS DIAS ATUAIS

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM) E SUA UTILIZAÇÃO NOS DIAS ATUAIS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM) E SUA UTILIZAÇÃO NOS DIAS ATUAIS Bruno Hartmut Kopittke, Dr. Universidade Federal de Santa Catarina bruno@eps.ufsc.br Sheizi Calheira de Freitas

Leia mais

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Escolha de Portfólio considerando Risco e Retorno Aula de Fernando Nogueira da Costa Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Relação entre risco e

Leia mais

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL NO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL NO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL NO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES Valdiney Alves de Oliveira (UFU) valdiney_oliveira@zipmail.com.br Sérgio Lemos Duarte (UFU) sergioufu@gmail.com Kárem Cristina de Sousa Ribeiro

Leia mais

OTIMIZAÇÃO MULTICRITÉRIO DE CARTEIRA DE INVESTIMENTOS

OTIMIZAÇÃO MULTICRITÉRIO DE CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. OTIMIZAÇÃO MULTICRITÉRIO

Leia mais

SELEÇÃO DE PORTFÓLIOS COM FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADOS

SELEÇÃO DE PORTFÓLIOS COM FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADOS V I I S E M E A D T R A B A L H O C I E N T Í F I C O F I N A N Ç A S SELEÇÃO DE PORTFÓLIOS COM FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADOS Roerto Frota Decourt Mestrando em Administração UNIFECAP Rua Taapuã,

Leia mais

2. Avaliação de Ativos

2. Avaliação de Ativos 15 2. Avaliação de Ativos 2.1. O método tradicional Fluxo de Caixa Descontado (FCD) O método de fluxo de caixa descontado (FCD) é atualmente o mais utilizado por profissionais de finanças na avaliação

Leia mais

APLICAÇÃO DO MODELO DE MARKOWITZ NA SELEÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE RISCO E RETORNO

APLICAÇÃO DO MODELO DE MARKOWITZ NA SELEÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE RISCO E RETORNO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MBA EM FINANÇAS E GESTÃO DE RISCO APLICAÇÃO DO MODELO DE MARKOWITZ NA SELEÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES: UMA ANÁLISE

Leia mais

SELEÇÃO DE CARTEIRAS ATRAVÉS DO MODELO DE MARKOWITZ PARA PEQUENOS INVESTIDORES (COM O USO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS).

SELEÇÃO DE CARTEIRAS ATRAVÉS DO MODELO DE MARKOWITZ PARA PEQUENOS INVESTIDORES (COM O USO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS). SELEÇÃO DE CARTEIRAS ATRAVÉS DO MODELO DE MARKOWITZ PARA PEQUENOS INVESTIDORES (COM O USO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS). Cleber Gonçalves Junior Mestrando Engenharia de Produção EFEI clebergoncalves@hotmail.com

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes O Modelo CAPM por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes Em um mercado perfeito, caracterizado pela ausência de impostos e outros custos de transações, onde haja perfeita simetria de informações

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado

Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado O Gerenciamento de Risco de Mercado das Carteiras geridas pela Rio Verde Investimentos é efetuado pela Administradora dos Fundos, no caso BNY Mellon Serviços

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Educação Financeira, Mercado Financeiro, Mercado Capitais, BM&FBOVESPA

PALAVRAS-CHAVE: Educação Financeira, Mercado Financeiro, Mercado Capitais, BM&FBOVESPA RESUMO MERCADO DE CAPITAIS: PROCESSOS DE SELEÇÃO DE CARTEIRAS ÓTIMAS NA BM&FBOVESPA MAIA, SinézioFernandes¹; MARTINS, Filipe Witalo de Sousa²; SOARES, Caroline Machado³ Centro de Ciências Sociais Aplicadas/

Leia mais

CUSTO DE CAPITAL AUDIÊNCIA PÚBLICA 123/2013

CUSTO DE CAPITAL AUDIÊNCIA PÚBLICA 123/2013 Sumário Modelo CAPM... 2 Risco Cambial... 3 Risco Regulatório... 4 Tamanho das Séries Históricas... 5 Modelo CAPM Embora exista certa diversidade de metodologias para o cálculo do risco de capital, o modelo

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03 FINANÇAS ANALISTA ÁREA 02 BACEN 2009 PROVA RESOLVIDA 38 Quando um investidor faz uma venda de um título a descoberto, isso significa que (A) comprou anteriormente a descoberto. (B) comprou e depois vendeu

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão Gestão Financeira O custo do capital MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão A criação de valor para os accionistas/sócios pressupõe a remuneração do capital investido a uma taxa superior à do custo desse

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

Autora: Maria Izabel unes (izabeln@uol.com.br) UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 35 CAVALCANTE ASSOCIADOS

Autora: Maria Izabel unes (izabeln@uol.com.br) UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 35 CAVALCANTE ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 35 Í DICE BETA E SUA IMPORTÂ CIA PARA A DETERMI AÇÃO DE RISCO DOS ATIVOS Beta ajustado, contábil, alavancado e desalavancado Sua utilização como medida de risco dos ativos Autora:

Leia mais

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno dos Investimentos Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno Esperados Linha Característica Linha do Mercado de Títulos Linha de Combinação Realidade Brasileira genda Risco e Retorno

Leia mais

capm - retorno justo x retorno de mercado

capm - retorno justo x retorno de mercado capm - retorno justo x retorno de mercado RESUMO Brener Elias da Costa Raquel Leonor da Cunha Kárem Cristina de Sousa Ribeiro Universidade Federal de Uberlândia - UFU Os modelos CAPM e APT são modelos

Leia mais

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Pro. Alexandre Assaf Neto Este trabalho tem por objetivo básico apresentar as bases conceituais do processo de avaliação econômica de empresas. Avaliação

Leia mais

Retorno e risco de carteiras de investimento

Retorno e risco de carteiras de investimento Retorno e risco de carteiras de investimento 1 OBJETIVOS DA UNIDADE DE ESTUDO Compreender o processo de avaliação do risco de uma carteira. Definir e mensurar a covariancia entre duas variáveis Definir

Leia mais

Quais são os ativos que podem fazer parte de uma carteira de investimentos?

Quais são os ativos que podem fazer parte de uma carteira de investimentos? Como administrar a sua carteira de investimentos 1. Tipos de Ativos Quais são os ativos que podem fazer parte de uma carteira de investimentos? Se restringirmos a carteira para ativos financeiros, o investidor

Leia mais

A utilização do CAPM e APT na análise de investimento: Um estudo de caso.

A utilização do CAPM e APT na análise de investimento: Um estudo de caso. 1 A utilização do CAPM e APT na análise de investimento: Um estudo de caso. Vinicius Amorim Sobreiro 1 Mariana Rodrigues de Wilson Kendy Tachibana 1 Daisy A. N. Rebelatto 1 Almeida 1 sobreiro@sc.usp.br

Leia mais

Contribuição AES BRASIL 1

Contribuição AES BRASIL 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL Nº 002/2014 Contribuição da AES Brasil à Audiência Pública ANEEL n⁰ 002/2014, a qual tem o objetivo obter subsídios para o aprimoramento da metodologia de cálculo de custo de capital

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS Como Investir no Mercado a Termo 1 2 Como Investir no Mercado a Termo O que é? uma OPERAÇÃO A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade

Leia mais

Setor de Precificação e Risco de Mercado Última Revisão Maio de 2010 MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS DA MAGLIANO SA CCVM CNPJ 61.723.

Setor de Precificação e Risco de Mercado Última Revisão Maio de 2010 MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS DA MAGLIANO SA CCVM CNPJ 61.723. MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS DA MAGLIANO SA CCVM CNPJ 61.723.847/0001-99 FUNDOS DE INVESTIMENTOS INTRODUÇÃO A Magliano: Buscar a correta precificação dos ativos é parte integrante do controle de risco.

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

As inter-relações de ativos financeiros: Um estudo sob a ótica dos diferentes intervalos de tempo das séries históricas.

As inter-relações de ativos financeiros: Um estudo sob a ótica dos diferentes intervalos de tempo das séries históricas. As inter-relações de ativos financeiros: Um estudo sob a ótica dos diferentes intervalos de tempo das séries históricas. Darks Fabiano Universidade Federal de Uberlândia (UFU-MG) darksfabiano@hotmail.com

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

Parte 1 Risco e Retorno

Parte 1 Risco e Retorno TÓPICOSESPECIAIS EM FINANÇAS: AVALIAÇÃO DE PROJETOS E OPÇÕES REAIS. AGENDA 1. RISCO E RETORNO 2. CUSTO DE CAPITAL PROF. LUIZ E. BRANDÃO 3. CUSTO MÉDIO PONDERADO DE CAPITAL (WACC) RAFAEL IGREJAS Parte 1

Leia mais

Determinação do Portfolio de Investimentos através de Programação Linear. Tema: Aplicaciones Matemáticas a la Contabilidad de Gestión

Determinação do Portfolio de Investimentos através de Programação Linear. Tema: Aplicaciones Matemáticas a la Contabilidad de Gestión Determinação do Portfolio de Investimentos através de Programação Linear Edilson Paulo Carlos Pedrosa Júnior Marcelo A. Moret José Roberto A. Fontoura Brasil Fundacao Visconde de Cairu Salvador Bahia e-mail:

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS: PROCESSOS DE SELEÇÃO DE CARTEIRAS ÓTIMAS NA BM&FBOVESPA

MERCADO DE CAPITAIS: PROCESSOS DE SELEÇÃO DE CARTEIRAS ÓTIMAS NA BM&FBOVESPA MERCADO DE CAPITAIS: PROCESSOS DE SELEÇÃO DE CARTEIRAS ÓTIMAS NA BM&FBOVESPA Fábio Farias da Silva (1) ; Rodrigo Leite Farias de Araújo (1) ; Sinézio Fernandes Maia (3) Centro de Ciências Sociais Aplicadas/Departamento

Leia mais

Gestão Financeira de Empresas

Gestão Financeira de Empresas Gestão Financeira de Empresas Módulo 5: Risco, custo de capital e avaliação de investimento Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail:luiz.campagnac@gmail.com Livro - Texto Administração Financeira: princ princípios,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA A GEOMETRIA DO VaR: (Value at risk) Aplicações computacionais AUTOR: RODOLFO VENDRASCO TACIN PROFESSOR

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND Investimento para quem busca a possibilidade de melhores retornos, através de uma carteira diversificada e com menor custo. Confira porque os fundos de índices são a nova opção

Leia mais

Pequeno investidor tem acesso limitado a ações

Pequeno investidor tem acesso limitado a ações Pequeno investidor tem acesso limitado a ações acima de R$ 50 Altos custos de corretagem para essas aplicações dificultam ganhos O discurso dos especialistas em finanças pessoais é que os investidores

Leia mais

Seleção de um Portfólio Eficiente Através da Diversificação de Ativos Financeiros.

Seleção de um Portfólio Eficiente Através da Diversificação de Ativos Financeiros. Seleção de um Portfólio Eficiente Através da Diversificação de Ativos Financeiros. Vinícius Zago Cantú (UFSC) Emílio Araújo Menezes (UFSC) Resumo O processo de seleção de uma carteira de ativos pode ser

Leia mais

Perfis de Investimento

Perfis de Investimento Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Índice Objetivo... 3 Introdução... 3 Falando sobre sua escolha e seu plano... 3 Perfis de Investimento... 5 Principais

Leia mais

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análise Fundamentalista Origem remonta do final do século XIX e princípio do século XX, quando as corretoras de bolsa tinham seus departamentos de análise

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II O que é o Índice de Treynor? Índice de Treynor x Índice de Sharpe Restrições para as análises de Sharpe e Trynor A utilização do risco

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

Risco de Mercado ESTRUTURA

Risco de Mercado ESTRUTURA Risco de Mercado Em atendimento a Resolução 3.464/2007 do Conselho Monetário Nacional, o Banco Fidis ponderou a natureza das operações e a complexidade dos produtos associados aos seus negócios e implementou

Leia mais

HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64

HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64 HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64 (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo CNPJ nº 01.701.201/0001-89) Demonstrações financeiras

Leia mais

Tópicos Avançados em Estrutura de Capital

Tópicos Avançados em Estrutura de Capital Tópicos Avançados em Estrutura de Capital Aula 10 -Desempenho Acionário e Estrutura de Capital Teoria da Inércia Gerencial (Welch, 2004) Abordagem alternativa para explicação da estrutura de capital: Teoria

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 11: DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO As empresas dispõem de fontes internas e fontes externas de recursos financeiros para o financiamento de suas atividades. Com

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios Revisão Tarifária Escelsa Etapa I Reposicionamento Tarifário Metodologia e Critérios APRESENTAÇÃO A ESCELSA foi privatizada em 11 de julho de 1995, sendo as concessões outorgadas pelo Decreto de 13 de

Leia mais

PPS PORTFOLIO PERFORMANCE MSDPREV

PPS PORTFOLIO PERFORMANCE MSDPREV 1 MSDPREV ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS OUT.14 RENDA FIXA MSDPREV RF (WESTERN) CLASSIFICAÇÃO: CLUSTER RENDA FIXA ÍNDICES - MODERADO Novembro/13 a Outubro/14 Nos últimos doze meses,

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS O que é? uma operação A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado,

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 5: Os investidores

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 5: Os investidores SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 5: Os investidores o Quem são os investidores o Como o investidor decide o Métodos de Avaliação o Relações pós-abertura de capital

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE OPÇÕES COBERTAS UTILIZANDO A TEORIA DE MARKOWITZ

OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE OPÇÕES COBERTAS UTILIZANDO A TEORIA DE MARKOWITZ OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE OPÇÕES COBERTAS UTILIZANDO A TEORIA DE MARKOWITZ LUIZ FERNANDO DE ALMEIDA PEREIRA - FATEC BP REGINALDO DIAS GRUNWALD NETO - FATEC BP GUILHERME CAMARGO DE ANDRADE - FATEC BP RESUMO

Leia mais

Cálculo do Custo de Capital Próprio (Utilizando o CAPM)

Cálculo do Custo de Capital Próprio (Utilizando o CAPM) Cálculo do Custo de Capital Próprio (Utilizando o CAPM)! Petroquímica Brasil (nome de fantasia)! Guia para elaboração de um relatório do trabalho Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor

Leia mais

O CAPM na Bolsa de São Paulo: um modelo condicional

O CAPM na Bolsa de São Paulo: um modelo condicional O CAPM na Bolsa de São Paulo: um modelo condicional MARCELO SCHERER PERLIN UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA -RS PAULO SERGIO CERETTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Resumo: Nos anos 60 foi desenvolvido

Leia mais

E-book de Fundos de Investimento

E-book de Fundos de Investimento E-book de Fundos de Investimento O QUE SÃO FUNDOS DE INVESTIMENTO? Fundo de investimento é uma aplicação financeira que funciona como se fosse um condomínio, onde as pessoas somam recursos para investir

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Empresariais Licenciatura Contabilidade Unidade Curricular Gestão de Carteiras e Mercado de Capitais Semestre: 6 Nº ECTS: 3,0 Regente Prof. Doutor Júlio

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Compro ou Alugo? Um Retrato do Mercado Imobiliário Carioca. Roberto Zentgraf

Compro ou Alugo? Um Retrato do Mercado Imobiliário Carioca. Roberto Zentgraf Compro ou Alugo? Um Retrato do Mercado Imobiliário Carioca Roberto Zentgraf Sonho com a casa própria? A favor: Percepção de segurança Conforto Status Patrimônio, reserva de valor Contra: Custo elevado

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO

GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO VAL- 1 GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO FINANÇAS EMPRESARIAIS VAL- 2! Objectivos do curso! Programa! Material de estudo / Grupos! Avaliação! Bibliografia! Contactos OBJECTIVOS VAL- 3 " Fornecer aos alunos

Leia mais

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU?

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? Toda decisão de aplicação financeira está ligada ao nível de risco que se deseja assumir, frente a uma expectativa de retorno futuro.

Leia mais

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Lucro que não gera caixa é ilusão "Se você tiver o suficiente, então o fluxo de caixa não é importante. Mas se você não tiver, nada é mais importante. É uma

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Mercado Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Mercado do CRÉDIT AGRICOLE BRASIL e descreve as suas principais responsabilidades

Leia mais

6 O Papel do BNDES e o Crédito Externo 6.1. O BNDES

6 O Papel do BNDES e o Crédito Externo 6.1. O BNDES 6 O Papel do BNDES e o Crédito Externo 6.1. O BNDES Uma vez confiantes nos resultados encontrados em relação à influência dos juros sobre o investimento na economia, partimos para uma segunda fase do estudo.

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CARTEIRAS NA FRONTEIRA EFICIENTE UTILIZANDO MULTIPLICADORES DE LAGRANGE

COMPARAÇÃO DE CARTEIRAS NA FRONTEIRA EFICIENTE UTILIZANDO MULTIPLICADORES DE LAGRANGE COMPARAÇÃO DE CARTEIRAS NA FRONTEIRA EFICIENTE UTILIZANDO MULTIPLICADORES DE LAGRANGE CATHARINA PIRES MINOZZO EMILIO ARAUJO MENEZES JAILON ROGÉRIO GIACOMELLI Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO 1 FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO Autor: Jonatam César Gebing Abril de 2015 2 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: O GUIA DEFINITIVO MODULO 02 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: PORQUE INVESTIR Fundos Imobiliários, o Guia Definitivo.

Leia mais

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características Guia de Renda Fixa Os títulos de renda fixa se caracterizam por possuírem regras definidas de remuneração. Isto é, são aqueles títulos cujo rendimento é conhecido previamente (juro prefixado) ou que depende

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS: PROCESSOS DE SELEÇÃO DE CARTEIRAS ÓTIMAS NA BM&FBOVESPA

MERCADO DE CAPITAIS: PROCESSOS DE SELEÇÃO DE CARTEIRAS ÓTIMAS NA BM&FBOVESPA MERCADO DE CAPITAIS: PROCESSOS DE SELEÇÃO DE CARTEIRAS ÓTIMAS NA BM&FBOVESPA MAIA 1, Sinézio Fernandes OLIVEIRA 2, FelipeAraujo de RODRIGUES 3,Luana Vanessa Silveira ROSA 4, André Jaime Dantas de Oliveira

Leia mais

VALORES COORPORATIVOS MISSÃO VISÃO. Oferecer soluções em seguros, atendendo as necessidades das cooperativas e do mercado em geral.

VALORES COORPORATIVOS MISSÃO VISÃO. Oferecer soluções em seguros, atendendo as necessidades das cooperativas e do mercado em geral. EMPRESA MISSÃO Oferecer soluções em seguros, atendendo as necessidades das cooperativas e do mercado em geral. VISÃO Ser reconhecida como uma empresa do sistema cooperativo com excelência em seguros. VALORES

Leia mais

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo.

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo. MERCADO DE CAPITAIS 01/12/2015 CVM ALTERA INSTRUÇÃO QUE DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO, A ADMINISTRAÇÃO, O FUNCIONAMENTO, A OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO E A DIVULGAÇÃO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

Leia mais

Renda fixa versus renda variável: uma análise descritiva entre as rentabilidades dos investimentos

Renda fixa versus renda variável: uma análise descritiva entre as rentabilidades dos investimentos Resumo Renda fixa versus renda variável: uma análise descritiva entre as rentabilidades dos investimentos Marcos Felipe Gomes Martini - marcosmartini@yahoo.com.br MBA Mercado de Capitais Instituto de Pós-Graduação

Leia mais

Turma BNDES Básica Exercícios

Turma BNDES Básica Exercícios Turma BNDES Básica Exercícios Banca: CESGRANRIO Edital de referência: 01/2012 (data da publicação: 17/12/2012) Carga horária (aulas presenciais): 92,0 horas EMENTA DA PROVA 1 OBJETIVA Carga Horária e Pré-Requisitos.

Leia mais

Teoria dos ciclos de investimento

Teoria dos ciclos de investimento Teoria dos ciclos de investimento elaborada por Kalecki KALECKI, Michal. Teoria da dinâmica econômica. São Paulo, Abril Cultural, 1976. (original de 1954). COSTA (2000), Lição 6.3: 241-245. http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Leia mais

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto *

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * O mercado de capitais brasileiro vai fechar o ano de 2007 consolidando a tendência estrutural

Leia mais

Estimativa do custo de capital próprio de pequenas empresas através do CAPM

Estimativa do custo de capital próprio de pequenas empresas através do CAPM Estimativa do custo de capital próprio de pequenas empresas através do CAPM Márcio da Paixão Rodrigues 1 Marcelo Machado 2 Joseph Lacey 3 Newton C. A. da Costa Jr. 4 ISSN 1518-4342 REFERÊNCIA deste traballho:

Leia mais

Manual de Risco Yield Capital

Manual de Risco Yield Capital Manual de Risco Yield Capital Introdução: O objetivo deste manual é apresentar a metodologia utilizada no sistema de risco da Yield Capital. Os fundos tem seu risco de mercado monitorado diariamente utilizando,

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos

Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos Conforme aprovado pelo Conselho Deliberativo em reunião realizada em 4 de abril de 2011 a São Bernardo implementará em 1º de julho de 2011

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Balanço Anual dos Fundos Imobiliários 2010

Balanço Anual dos Fundos Imobiliários 2010 Balanço Anual dos Fundos Imobiliários 2010 Autor: Sérgio D. O. Belleza Filho Colaborou: Henrique P.S. de Carvalho FUNDO IMOBILIÁRIO Consultoria de Investimentos Ltda. 1 APRESENTAÇÃO O Relatório BALANÇO

Leia mais

INVESTINDO EM AÇÕES, REDUZINDO O RISCO E AUMENTANDO O POTENCIAL DE RETORNO COM O AUXÍLIO DA ESTATÍSTICA. RESUMO

INVESTINDO EM AÇÕES, REDUZINDO O RISCO E AUMENTANDO O POTENCIAL DE RETORNO COM O AUXÍLIO DA ESTATÍSTICA. RESUMO INVESTINDO EM AÇÕES, REDUZINDO O RISCO E AUMENTANDO O POTENCIAL DE RETORNO COM O AUXÍLIO DA ESTATÍSTICA. ABREU, Edgar Gomes de UNISINOS RESUMO Com a queda nas taxas de juros, a rentabilidade das aplicações

Leia mais