SRI Communications Uma estratégia para captar investidores de longo prazo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SRI Communications Uma estratégia para captar investidores de longo prazo"

Transcrição

1 SRI Communications Uma estratégia para captar investidores de longo prazo Documento de apresentação Maio 2015 Gustavo Pimentel

2 Índice 3 A. Por que atrair investidores responsáveis? 10 B. O que buscam e como funcionam? 22 C. Como as empresas se posicionam nesse mercado? 27 D. Como a SITAWI pode ajudar? 2

3 A. Por que atrair investidores responsáveis (SRI)?

4 A Por que atrair investidores responsáveis? O Mercado SRI (Sustainable & Responsible Investment) apresenta grandes oportunidades Investimento Responsável (SRI) é um mercado crescente de USD 21 trilhões Investidores de longo prazo, como fundos de pensão europeus e norte-americanos, estão entre os principais investidores SRI ~50% de todos os ativos sob gestão europeus já empregam alguma abordagem SRI Somente nos EUA, os investimentos SRI crescem mais de 20% ao ano Fatores Ambientais, Sociais e de Governança (ASG) tem crescente relevância para a estratégia e gestão das empresas Investidores SRI são pontos de referência valiosos (atraem novos investidores) O apoio de investidores SRI fortalece o mandato de uma empresa para a ação progressiva Uma atuação proativa das empresas é sempre melhor que a reativa Fonte: SRI Connect; SITAWI Finanças do Bem 4

5 A Por que atrair investidores responsáveis? O mercado apresenta forte crescimento e totaliza USD 21 trilhões, concentrados na Europa e Estados Unidos Mercado de SRI TOTAL DO MERCADO EM 2014 POR REGIÃO CRESCIMENTO [%] Europa Estados Unidos Canadá Austrália Ásia Total 55% 76% 60% 34% 32% 61% Fonte: 2014 Global Sustainable Investment Review; SITAWI Finanças do Bem 5

6 A Por que atrair investidores responsáveis? Equity e bonds são as classes de ativo mais comuns alta participação de investidores institucionais Mercado de SRI DISTRIBUIÇÃO POR MODALIDADE DE INVESTIMENTO Europa e Canada RELAÇÃO ENTRE VAREJO E INSTITUCIONAL Fonte: 2014 Global Sustainable Investment Review; SITAWI Finanças do Bem 6

7 A Por que atrair investidores responsáveis? 49% dos ativos dos fundos de pensão no Brasil estão sujeitos a práticas SRI intermediárias ou avançadas... Sofisticação das práticas SRI descritas na política de investimentos [%] ND política de investimento não disponível Inexistente não menciona critérios ASG Aspiracional intenção de utilizar ASG no futuro Básica declara uso de critérios ASG mas não dá detalhes Intermediária menciona os critérios ASG usados e em quais fases do processo de investimentos Alta descreve critérios ASG utilizados, explica em detalhes como se dá a integração em diferentes classes de ativos; também descreve atividades de engajamento com investidas Fonte: SITAWI Finanças do Bem 7

8 A Por que atrair investidores responsáveis? o que representa ~$ 133 bilhões em ativos totais e ~$ 55 bilhões apenas em renda variável Sophistication of RI practices described in investment policies ($) US$ Million ,825 52, ,306 Fonte: SITAWI Finanças do Bem 26,599 27,206 11,101 54,602 19,169 6,150 66, ,406 4,847 5,923 $ 25 largest (NAV) $ 25 largest (NAV equities) $ 50 largest (NAV) 11,530 54,608 1,098 $ 50 largest (NAV) equities ND política de investimento não disponível Inexistente não menciona critérios ASG N/A Aspiracional intenção de utilizar ASG no futuro None Básica declara uso de critérios ASG mas não dá Aspirationa detalhes l Intermediária menciona os critérios ASG usados e Basic em quais fases do processo de investimentos Alta descreve critérios ASG utilizados, explica em detalhes como se dá a integração em diferentes classes de ativos; também descreve atividades de engajamento com investidas 8

9 A Por que atrair investidores responsáveis? Grandes assets nacionais também possuem práticas de investimento responsável Práticas SRI das assets nacionais Fonte: CEBDS; SITAWI Finanças do Bem 9

10 B. Quem são e o que buscam investidores SRI?

11 A Quem são e o que buscam os investidores responsáveis O que são investidores responsáveis? Investidores que incorporam aspectos ambientais, sociais e de governança (ASG) em seus processos de gestão de investimentos. UK Social Investment Forum define como: "investimento que combina os objetivos financeiros dos investidores com seu compromisso com a justiça social, o desenvolvimento econômico, a paz ou a um ambiente saudável O EuroSIF refere-se ao "investimento que" combina os objetivos financeiros dos investidores com as suas preocupações sobre questões sociais, ambientais e éticas. Há aproximadamente 21 estratégias de investimento responsável, sendo 7 as principais São 2 as motivações que levam os investidores a adotar práticas de SRI Econômica aspectos ASG afetam o desempenho econômico dos ativos e isso pode impactar o perfil de risco/retorno das carteiras Ética - incorporar seus valores pessoais nas decisões de investimento (preocupações com o social e o ambiental, motivos afetivos, ideológicos e religiosos podem interferir no comportamento do investidor) Fonte: SRI-Connect; UK Social Investment Forum; EuroSIF; ; SITAWI Finanças do Bem 11

12 B Quem são e o que buscam os investidores responsáveis Há diferentes abordagens de Investimento Responsável Incorporação ASG x Complexidade de Análise Incorporação ASG Produtos Engajamento / Ativismo Best in Class Temas Sustentáveis / Impacto Integração ASG Quantitativa Estratégia Anos 60/70 Anos 80 Anos 90/00 Hoje e amanhã Integração ASG Fundamentalista Filtro positivo Filtro negativo (normas) Filtro negativo (setorial) Fonte: SITAWI Finanças do Bem Complexidade de Análise 12

13 B Quem são e o que buscam os investidores responsáveis Filtro negativo e integração ASG são as estratégias que apresentam maior crescimento Mercado de SRI Fonte: 2014 Global Sustainable Investment Review; SITAWI Finanças do Bem 13

14 B Quem são e o que buscam os investidores responsáveis Os investidores podem apresentar diferentes perfis Perfis de investidores SRI 1. A maioria dos fundos SRI são geridos de forma ativa e baseados em premissas que a análise ASG é um fator que pode melhorar a performance do fundo 1. Ativo 2. Fundos que acompanham índices SRI largamente disponíveis internacionalmente tanto por região quanto temáticos 3. Quantitativo 2. Passivo 3. Poucos fundos são geridos a partir de análises ASG quantitativas (mesmo com o atual embasamento acadêmico e a existência de agências de rating ASG)! Estratégias de engajamento e ativismo podem ser incorporadas a qualquer uma das estratégias apresentadas Fonte: SRI Connect; SITAWI Finanças do Bem 14

15 B Quem são e o que buscam os investidores responsáveis Cada abordagem de investimento visa um objetivo e informações distintas Principais questionamentos por abordagem de investimento O QUE INVESTIGAM O QUE BUSCAM Filtro Negativo A empresa está envolvida em atividades não éticas? Informações claras e concisas se a empresa está exposta a negócios e atividades não éticas Best in Class Engajamento Como as práticas de sustentabilidade da empresa são comparadas as de seus competidores/peers? A abordagem de sustentabilidade da empresa tem o potencial de criar ou destruir valor? Devemos ter como objetivo influenciar essas práticas? Analisam informações completes sobre todos os aspectos da performance de sustentabilidade da empresa e sua interação com todos os seus stakeholders Buscam informações de como a empresa está gerindo esses temas e práticas em áreas de maior risco/impacto Análise Integrada Fonte: SRI Connect; SITAWI Finanças do Bem O que a abordagem ASG diz sobre o real valor da companhia? Há uma diferença entre o valor de Mercado e o valorado por esses critérios? Revisão dos relatórios financeiros em conjunto com os de sustentabilidade, análise dos statements recentes da empresa, apresentações de estratégia a fim de identificar temas ASG que têm uma influência sobre o valor das ações

16 B Quem são e o que buscam os investidores responsáveis Há seis grandes temas que os SRI buscam trabalhar ÉTICO Usualmente questões como direitos de minorias, bem-estar animal / testes, jogos e pornografia, drogas Relacionados a questões morais, religiosas e outros... ECONÔMICO Interessados em como as empresas contribuem para as economias nacionais e locais Métricas como impacto no nível de emprego, competitividade internacional, sensibilidade a tributação, inflação... Fonte: SRI Connect; SITAWI Finanças do Bem SOCIAL Considera questões sociais relacionadas aos seus stakeholders Olham as empresas que efetivamente gerenciam suas relações com os empregados, comunidades locais, fornecedores, reguladores, clientes e sociedade civil... SETORIAIS Analisam temas específicos de cada setor e.g. companhia petrolífera será questionada sobre suas políticas ambientais e de risco de acidente Enquanto um varejista terá que responder a perguntas sobre as tendências em consumo ético e/ou sustentável AMBIENTAL Buscam empresas que gerem seus recursos de forma eficiente e minimizam a poluição Empresas que fazem a gestão de todas as etapas da cadeia de valor: cadeia de suprimentos, processos de produção, uso dos produtos, descarte e outros... ESPECÍFICOS Alguns fundos possuem temas específicos, usualmente relacionados a sua lista de exclusão e.g. Fabricação de minas terrestres ou bombas de fragmentação; envolvimento com testes em animais; exploração do trabalho de baixa remuneração, atuação em países com regimes ditatoriais... 16

17 B Quem são e o que buscam os investidores responsáveis Há também uma grande preocupação quanto a fatores de governança e gestão Investidores SRI geralmente têm um forte interesse no processo de gestão que as empresas utilizam para lidar com questões de sustentabilidade e buscam empresas que: A equipe sênior apresenta forte engajamento com questões ASG Possuem visão estratégica sobre desenvolvimento sustentável e o core business da empresa Questões ASG são integradas em processos de negócios através de sistemas de gestão São capazes de gerir e mitigar riscos ASG Sabem promover e capturar oportunidades sustentáveis Estão em linhas com boas práticas financeiras (e apresentam bons indicadores) Possuem comunicação transparente, estruturada e periódica com seus investidores Fonte: SRI Connect; SITAWI Finanças do Bem 17

18 B Quem são e o que buscam os investidores responsáveis Diversos agentes atuam no mercado SRI Investment consultants SRI Research Institutional pension consultants Wealth managers Retail financial advisors Sell brokers side SRI agencies Social invest/fora Investors coalition Independent research Financial News and data ASSET OWNERS ASSET MANAGERS COMPANIES Finance media NGOs Governments IR consultants Sust develop/ CSR consultants Industry bodies Sust develop/ CSR media Trade unions Policy & research organizations Mgmt/ strat consultants PR & comms consultants Professional associations SRI Media Conference organisers Universities SRI consultants Headhunters Stock exchanges Other research, advice and advocacy Fonte: SRI Connect; SITAWI Finanças do Bem 18

19 B Quem são e o que buscam os investidores responsáveis Diferentes atores podem ser intermediários dos investidores responsáveis Provedores de métricas Agências de Pesquisa ASG Provedores de Infos Financeiras Plataformas de Distribuição Frameworks de comunicação 19

20 B Quem são e o que buscam os investidores responsáveis Agências ASG e Bloomberg são as principais fontes de informações dos investidores SRI Exemplos de reporte 20

21 B Quem são e o que buscam os investidores responsáveis Muitos investidores utilizam os ratings ASG das agências para reduzir o universo de empresas a analisar Exemplo de processo empregado por um investidor SRI Fonte: SITAWI Finanças do Bem 21

22 C. Como as empresas se posicionam nesse mercado?

23 C Como as empresas se posicionam neste mercado O Mercado SRI traz novos desafios às empresas DESAFIOS EXEMPLOS DE QUESTIONAMENTO Como se comunicar de forma eficiente para um novo grupo de investidores que as empresas normalmente não conhecem e cujas prioridades não compreendem Distanciamento entre as áreas de Relação com Investidores e Sustentabilidade (responsabilidade compartilhada entre as áreas) Identificação de quais investidores SRI são relevantes (tamanho, origem, objetivos...) Identificação dos gestores e analistas com mandato SRI ou sensíveis ao tema dentro de grandes casas de investimento Fonte: SRI Connect; SITAWI Finanças do Bem Esses investidores requerem que os relatórios sejam auditados? Qual o formato e modo de comunicação que eu devo adotar? Como transmitir as principais mensagens ASG de forma sucinta e objetiva? Que tipo de informação, relatórios esses investidores buscam? Quais são os investidores que eu devo abordar? Devo abordá-los diretamente ou via intermediários? 23

24 C Quem são e o que buscam os investidores responsáveis Soma-se a atual demanda de relatórios das empresas no Brasil e no exterior Exemplos de documentos requeridos a empresas abertas BRASIL Formulário de Referência Demonstrações Financeiras Padronizadas Relatório de Administração Informações Trimestrais (ITR) Atos Societários Editais de convocação de Assembleias Gerais Proposta da Administração para Assembleias Atas de Assembleias Gerais e reuniões do Conselho de Administração Fato relevante e informações eventuais ESTADOS UNIDOS Formulário 20F, equivalente ao Formulário de Referência Formulário 10K, exigido apenas das empresas norte-americanas, equivale às Demonstrações Financeiras Padronizadas Formulário 6K, equivalente a comunicados ao mercado Earnings e press releases, equivalente às Informações Trimestrais Fonte: CEBDS; SITAWI Finanças do Bem 24

25 C Quem são e o que buscam os investidores responsáveis Alguns players buscam aperfeiçoar a comunicação a partir do Relatório Integrado Comissão Brasileira de Acompanhamento do Relatório Integrado EMPRESAS PARTICIPANTES Constituída de diversas empresas e indivíduos interessados na conversa sobre o relato integrado e acompanha os trabalhos do IIRC pelo mundo. O relato integrado tem como objetivo reunir na mesma plataforma informações contábeis, financeiras e socioambientais ESPECIALISTAS 25

26 C Quem são e o que buscam os investidores responsáveis Entretanto, as empresas apresentam lacunas na forma de comunicar com investidores SRI O QUE AS EMPRESAS FAZEM Buscam provar que são "empresas responsáveis Tratam a comunicação com o investidor como uma simples transferência de dados Ignoram os principais motores do preço da ação em relação às questões ASG Ignoram cobertura de agências e analistas ASG dedicados Inexistência de uma estratégia robusta para comunicação com investidores SRI: O nosso relatório de sustentabilidade está na web, se alguém quiser vê-lo Iremos responder aos questionários que achamos que são importantes Fonte: UNEP-FI; SRI Connect; CEBDS; SITAWI Finanças do Bem O QUE DEVERIAM FAZER Mostrar como sendo responsável (ou não) vai fazer com que resultado melhore (ou piore) Ponto de partida para a comunicação corporativa com os investidores tem de ser o que impulsiona os meus negócios Mapear principais investidores e agências que as analisam Identificar quais as perguntas (logo as respostas) são relevantes para os investidores Identificar o interesse dos investidores se é margem explicitar como os fatores sociais e ambientais afetam a sua expansão Se os investidores estão interessados nos valores dos ativos - enquadrar suas argumentos ASG nestes termos 26

27 D. Como a SITAWI pode ajudar?

28 D Como a SITAWI pode ajudar A SITAWI atua de três formas distintas com as empresas no tema SRI Communications CONTEÚDO Entendimento dos ativos e questões ASG da empresa Avaliação da performance e valuation ASG Construção da mensagem na linguagem dos investidores Resposta a questionários de agências de rating ASG Treinamento de executivos de RI na linguagem ASG e de executivos de sustentabilidade na linguagem financeira SEGMENTAÇÃO Mapeamento dos investidores alvo, incluindo segmentação e priorização Identificação de analistas e agências ASG com interesse setorial / geográfico Curadoria de eventos e conferências, bem como tipo adequado de participação (ouvinte x speaker x patrocínio) EXECUÇÃO O que comunicar e como? Para quem comunicar e como? Colocando em prática Cadastramento e atualização em plataformas de contato com investidores SRI Preparação de videoconferências com analistas buyside, sell-side e agências ASG Nomeação como speaker em conferências (inter)nacionais Acompanhamento de Roadshows e participação em conferências Fonte: SITAWI Finanças do Bem 28

29 D Como a SITAWI pode ajudar Temos grande know-how em análises para investidores responsáveis... Análise fundamentalista integrada Análise econômica Análise setorial Estratégia da empresa Relatórios financeiros Ferramentas de valuation Entender como as questões ASG afetam o crescimento econômico e temas macro, como escassez de recursos Entender como as questões ASG influenciam as mudanças regulatórias, como a legislação ambiental, e a preferência dos consumidores Entender como a empresa gerencia os riscos e oportunidades socioambientais, por exemplo, na cadeia de fornecedores Entender como as questões ASG impactam no aumento da receita, eficiência operacional, intangíveis e geração de caixa Integrar questões ASG nas ferramentas de valuation, como taxa de desconto e EVA 29 Fonte: PRI, SITAWI Finanças do Bem

30 Ética Regulação Transparência Trabalhadores Estratégia Fornecedores Empresa Água, energia e materiais Comunidades Biodiversidade e uso do solo Resíduos, emissões e efluentes Mudanças climáticas Clientes D Como a SITAWI pode ajudar...e publicações temáticas sobre questões ASG, comunicação SRI e materialidade Exemplos de publicações ESG REPORTS Dimensão governança Análise quali e quanti de variáveis gerenciáveis e Dimensão social não-gerenciáveis pelas empresas Estudos setoriais e por empresa Valuation de questões ASG, rankeamento e rating de empresas, setores e outros Dimensão ambiental CONTROVÉRSIAS ASG Analise de fatos controversos em temas sociais, ambientais e de governança Apresentação dos resultados do monitoramento de 77 empresas brasileiras (2014) Considera 5 temas ASG: Clientes, Comunidades, Governança, Meio Ambiente e Trabalhadores. MATERIALIDADE ASG Apresentação de KPIs para materialidade ASG Publicação em conjunto com o PRI Segundo estudo 70% dos indicadores utilizados EFFAS apresentam alta a moderada materialidade Fonte: SITAWI Finanças do Bem 30

31 D Como a SITAWI pode ajudar Sugestão de utilização do framework ESG Value Driver do PRI / Pacto Global Novos Mercados e Regiões Conseguir acesso a novos mercados e regiões através da exposição por programas ESG Crescimento Retorno do Capital Novos Clientes e Market Share Inovação de Produtos e Serviços Estratégia de Longo Prazo Eficiência Operacional Gestão do Capital Humano Reputação na Precificação Usar programas ESG para engajar clientes e desenvolver conhecimento a respeito de expectativas e comportamento Desenvolver tecnologia de ponta, além de produtos e serviços inovadores para necessidades sociais ou ambientais não atendidas Desenvolver estratégia de longo prazo englobando todas as questões ESG e dar forma à comunicação ESG com materialidade e baseada no framework de direcionadores de valor. Permitir a redução de custos finais por meio de operações e práticas ambientais (tais como eficiência em energia, água e resíduos, e redução no uso de matérias-primas.) Atrair e reter funcionários melhores e mais motivados por posicionamento e gestão da companhia como líder em questões ESG Desenvolver lealdade à marca e reputação por meio de esforços em ESG que aumentem a disposição de consumidores a pagar preços maiores Gestão de Riscos Risco Operacional e Regulatório Risco Reputacional Risco da Cadeia de Suprimentos Liderança e Adaptabilidade Fonte: Global Compact; PRI; SITAWI Finanças do Bem Mitigar riscos através do cumprimento de exigências regulatórias e padrões da indústria e garantir operações ininterruptas, abordando as questões de ESG em políticas, sistemas e normas, além de engajamento com os empregados Permitir operações ininterruptas e entrada em novos mercados, utilizando esforços ESG locais e dialogando com a comunidade para envolver cidadãos e reduzir a resistência local; evitar a publicidade negativa e boicotes de ONGs, abordando questões ESG Assegurar acesso consistente e de longo prazo a matérias-primas e produtos de alta qualidade ao engajar-se no bem-estar e desenvolvimento da comunidade na cadeia de suprimentos Desenvolver habilidades e cultura de liderança para adaptar-se a situações de rápida mudança política, social e ambiental 31

32 Obrigado Gustavo Pimentel Diretor de Finanças Sustentáveis

Seminário Ação 2020 Painel 1 Redefinindo o Valor da Sustentabilidade para os Negócios. Agosto 2014 Gustavo Pimentel gpimentel@sitawi.

Seminário Ação 2020 Painel 1 Redefinindo o Valor da Sustentabilidade para os Negócios. Agosto 2014 Gustavo Pimentel gpimentel@sitawi. Seminário Ação 2020 Painel 1 Redefinindo o Valor da Sustentabilidade para os Negócios Agosto 2014 Gustavo Pimentel gpimentel@sitawi.net Sobre a SITAWI FINANÇAS DO BEM = Finanças Sustentáveis Assessoria

Leia mais

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros 15 de Agosto 2013 Agenda Conceitos e Evolução Atuação do Setor Financeiro O Mercado

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

O Papel do RI na Criação e Preservação de Valor. Seminário / Workshop Novembro de 2015

O Papel do RI na Criação e Preservação de Valor. Seminário / Workshop Novembro de 2015 O Papel do RI na Criação e Preservação de Valor Seminário / Workshop Novembro de 2015 PROGRAMA Abertura e boas vindas 9:00 Painel 1: Introdução ao conceitos de value 9:10 Coffee Break 10:30 Painel 2: As

Leia mais

Investimentos Sustentáveis. Potenciais ganhos com a sustentabilidade

Investimentos Sustentáveis. Potenciais ganhos com a sustentabilidade Investimentos Sustentáveis Potenciais ganhos com a sustentabilidade 22 de setembro de 2011 O Ambiente dos Investimentos Socialmente Responsáveis (SRI) Na ótica da sustentabilidade, e de como ela pode ser

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012.

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012. CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRAPP ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD ANEFAC APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro

Leia mais

Investment Research Contest. Como preparar um relatório

Investment Research Contest. Como preparar um relatório Investment Research Contest Como preparar um relatório Agenda Buscando Informações Estruturando o Raciocínio A Importância do Valuation Tese de Investimento Comparáveis e Múltiplos As Etapas do Relatório

Leia mais

FCLCapital. Junho 2015. www.fclcapital.com

FCLCapital. Junho 2015. www.fclcapital.com Junho 2015 www.fclcapital.com FCL Equities FIA Filosofia de Investimentos - Pág. 4 Estratégia Long-Biased - Pág. 5 Processo de Investimentos - Pág. 6 Gestão de Riscos - Pág. 10 1 Plano de Crescimento Plano

Leia mais

Relações com Investidores. Thiago Almeida Ribeiro da Rocha

Relações com Investidores. Thiago Almeida Ribeiro da Rocha Relações com Investidores Thiago Almeida Ribeiro da Rocha I IBRI - Instituto Brasileiro de Relações com Investidores "...é uma associação sem fins econômicos,... criada em junho de 1997 com o objetivo

Leia mais

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Conteúdo da apresentação Breve contexto Indutores da Gestão da Sustentabilidade Gestão

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

Responsabilidade socioambiental: caminhos para uma política empresarial

Responsabilidade socioambiental: caminhos para uma política empresarial Responsabilidade socioambiental: caminhos para uma política empresarial Referência mundial em sustentabilidade, com Bolsa de Johanesburgo, pelo Relatório Bolsas de Valores Sustentáveis Relatório de Progresso,

Leia mais

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NORMA INTERNA TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NÚMERO VERSÃO DATA DA PUBLICAÇÃO SINOPSE Dispõe sobre

Leia mais

Informações Integradas

Informações Integradas Informações Integradas IMPLANTAÇÃO DO RELATO INTEGRADO: O CASE DA SANASA REUNIÃO TÉCNICA DE NORMAS INTERNACIONAIS Tatiana Gama Ricci São Paulo, 22 de maio de 2015 Evolução das Informações não financeiras

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Construindo Pontes: Comunicando o Business Case de Sustentabilidade para o Mercado Financeiro

Construindo Pontes: Comunicando o Business Case de Sustentabilidade para o Mercado Financeiro Comissão Brasileira de Acompanhamento do Relato Integrado White Paper do GT Empresa Pioneiras em Relatórios de Sustentabilidade Construindo Pontes: Comunicando o Business Case de Sustentabilidade para

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Principais estudos e a perspectiva dos investidores. Roberta Simonetti GVces

Principais estudos e a perspectiva dos investidores. Roberta Simonetti GVces O VALOR DO ISE Principais estudos e a perspectiva dos investidores Roberta Simonetti GVces Conteúdo Principais tendências: investidores e executivos Risco vs. Retorno Ganhos de valor Valores tangíveis

Leia mais

Declaração do Capital Natural

Declaração do Capital Natural Declaração do Capital Natural Uma declaração do setor financeiro demonstrando nosso compromisso durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável [Rio +20 Earth Summit] em trabalhar

Leia mais

ENGAJAMENTO COM STAKEHOLDERS. III Seminário do Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social 11/06/13 Tarcila Reis Ursini

ENGAJAMENTO COM STAKEHOLDERS. III Seminário do Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social 11/06/13 Tarcila Reis Ursini ENGAJAMENTO COM STAKEHOLDERS III Seminário do Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social 11/06/13 Tarcila Reis Ursini Sustentabilidade: por amor, por dor ou por inteligência? PROPÓSITO

Leia mais

A Importância do Mercado Secundário

A Importância do Mercado Secundário A Importância do Mercado Secundário Apresentação ao Conselho Superior de Estudos Avançados CONSEA da FIESP Agosto / 2015 Agosto/2015 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno X Público 1 Sobre a BM&FBOVESPA

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações

O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações Webinar O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações Juliana Scalon 4 de Setembro de 2013 Aprimore o desempenho dos fornecedores Para se sobressair no mercado atual

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

SUSTENTABILIDADE DIRETRIZES G4 DA GRI UM NOVO CAMINHO PARA A SUSTENTABILIDADE

SUSTENTABILIDADE DIRETRIZES G4 DA GRI UM NOVO CAMINHO PARA A SUSTENTABILIDADE DIRETRIZES G4 DA GRI UM NOVO CAMINHO PARA A SUSTENTABILIDADE 48 REVISTA RI Junho Julho 2013 Entre os dias 22 e 24 de maio, em Amsterdã (Holanda), a Global Reporting Initiative (GRI) realizou sua Conferência

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1/9 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Princípios... 4 4. Diretrizes... 4 4.1. Estrutura de Governança... 4 4.2. Relação com as partes interessadas...

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 9115 Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 20 de Outubro, 2011 2011 Accenture. Todos os direitos reservados. Accenture, seu logo e High performance. Delivered. são marcas

Leia mais

Solução Accenture RiskControl

Solução Accenture RiskControl Solução Accenture RiskControl As rápidas transformações econômicas e sociais que marcaram a primeira década do século XXI trouxeram novos paradigmas para a gestão empresarial. As organizações ficaram frente

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança Favor indicar o departamento no qual opera: 16% 5% Relações externas, Comunicação N=19 79% Estratégia e inovação Gestão de Risco Outros Meio Ambiente, saúde e segurança Outros: Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

Pecuária Sustentável Walmart Brasil. Camila Valverde Diretora de Sustentabilidade

Pecuária Sustentável Walmart Brasil. Camila Valverde Diretora de Sustentabilidade Pecuária Sustentável Walmart Brasil Camila Valverde Diretora de Sustentabilidade Walmart no mundo Presente em 27 países 10.800 lojas 2,2 milhões de funcionários Faturamento global: US$ 466,7 bi (2012)

Leia mais

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance O Compliance e as metodologias para monitorar riscos de não conformidade 14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance 11 de novembro 2014 14 horas Agenda Os principais objetivos do nosso encontro 1.

Leia mais

Responsabilidade do Setor Privado na Prevenção e no Combate à Corrupção. 23º encontro Comitê de especialistas MESICIC/ OEA

Responsabilidade do Setor Privado na Prevenção e no Combate à Corrupção. 23º encontro Comitê de especialistas MESICIC/ OEA Responsabilidade do Setor Privado na Prevenção e no Combate à Corrupção 23º encontro Comitê de especialistas MESICIC/ OEA O Instituto Ethos Fundado em 1998 por um grupo de empresários Conselho Deliberativo

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

Reputação e Competitividade: A importância dos ativos intangíveis

Reputação e Competitividade: A importância dos ativos intangíveis Reputação e Competitividade: A importância dos ativos intangíveis Profa. Dra. Ana Luisa de Castro Almeida Novembro/2013 Reputation Institute, pioneiro e líder mundial em consultoria para gestão da reputação

Leia mais

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa Análise XP Fundamentos Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa A Empresa A Senior Solution está presente, há mais de 17 anos, no segmento de Tecnologia da Informação no mercado brasileiro, sendo uma

Leia mais

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Edina Biava Abrasca; Marco Antonio Muzilli IBRACON;

Leia mais

GT de Empresas Pioneiras em Relatórios de Sustentabilidade

GT de Empresas Pioneiras em Relatórios de Sustentabilidade GT de Empresas Pioneiras em Relatórios de Sustentabilidade Comissão Brasileira de Acompanhamento do Relato Integrado Tendências e Desafios da Integração de Informações Financeiras e de Sustentabilidade:

Leia mais

GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE

GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE Comissão Técnica Nacional de Sustentabilidade novembro/2014 Sumário Desenvolver e aplicar análises ESG - ambiental,

Leia mais

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 I. Histórico O Clube Internacional de Financiamento ao Desenvolvimento (IDFC) é um grupo de 19 instituições de financiamento ao desenvolvimento

Leia mais

GT de Empresas Pioneiras em Relatórios de Sustentabilidade

GT de Empresas Pioneiras em Relatórios de Sustentabilidade GT de Empresas Pioneiras em Relatórios de Sustentabilidade Comissão Brasileira de Acompanhamento do Relato Integrado Tendências e Desafios da Integração de Informações Financeiras e de Sustentabilidade:

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013.

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. ------------------------------------------- DUKE UNIVERSITY NEWS e FGV Notícias Duke University Office of News & Communications http://www.dukenews.duke.edu

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA O INVESTIMENTO RESPONSÁVEL (PRI)

PRINCÍPIOS PARA O INVESTIMENTO RESPONSÁVEL (PRI) PRINCÍPIOS PARA O INVESTIMENTO RESPONSÁVEL (PRI) Uma iniciativa de investidores em parceria com a Iniciativa Financeira do Programa da ONU para o Meio-Ambiente (UNEP FI) e o Pacto Global da ONU O PRI trabalha

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

Agenda. O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014

Agenda. O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014 www.cdp.net @CDP Agenda O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014 O que é Organização internacional que trabalha com as principais forças do mercado para motivar as empresas e cidades

Leia mais

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social Características essenciais de Responsabilidade Social Incorporação por parte da organização de considerações sociais e ambientais nas suas decisões tornando-se

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Maximize o desempenho das suas instalações Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Sua empresa oferece um ambiente de trabalho com instalações eficientes e de qualidade? Como você consegue otimizar

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Indicadores para Auditoria Contínua

Indicadores para Auditoria Contínua Indicadores para Auditoria Contínua Ronaldo Fragoso Sócio. Deloitte. Agenda Objetivo da auditoria contínua Contexto e evolução da auditoria interna Tendências em auditoria contínua Implementação metodologia

Leia mais

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS Novas Tendências de Certificação de Sustentabilidade Vanda Nunes - SGS A HISTÓRIA DA SGS Maior empresa do mundo na área de testes, auditorias, inspeções e certificações. Fundada em 1878, na cidade de Rouen,

Leia mais

Interdependência da Produção Globalizada. Aon Global Risk Consulting - AGRC Alexandre Botelho Outubro 2013

Interdependência da Produção Globalizada. Aon Global Risk Consulting - AGRC Alexandre Botelho Outubro 2013 Interdependência da Produção Globalizada Aon Global Risk Consulting - AGRC Alexandre Botelho Outubro 2013 Cenário atual Mundo globalizado Altíssima velocidade de difusão da informação Grande integração

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

MEETING DO MARKETING

MEETING DO MARKETING MEETING DO MARKETING Reputação Corporativa Ativo com Resultados Tangíveis Cristina Panella Cristina Panella Setembro Pág1 2007 Toda empresa funciona num meio ambiente de públicos Philip Kotler Pág2 Tipos

Leia mais

ibri Os Investimentos Responsáveis e os desafios para o RI

ibri Os Investimentos Responsáveis e os desafios para o RI ibri _série sustentabilidade Os Investimentos Responsáveis e os desafios para o RI 2 Instituto sem fins econômicos, criado em 1997, está presente em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Sul e Nordeste,

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental, Negócios e Sustentabilidade

Responsabilidade Socioambiental, Negócios e Sustentabilidade Responsabilidade Socioambiental, Negócios e Sustentabilidade SUSTENTABILIDADE Fonte figura: Projeto Sigma Paula Chies Schommer CIAGS/UFBA Novembro 2007 O que define uma empresa como sustentável? 2 Objetivos

Leia mais

Projeto Corporativo Relacionamento Externo. Apresentação RIALIDE

Projeto Corporativo Relacionamento Externo. Apresentação RIALIDE Projeto Corporativo Relacionamento Externo // 1 Apresentação RIALIDE 25 de novembro de 2014 1 Agenda // 2 Contextualização e Objetivos do Projeto Abordagem Metodológica Etapas do Projeto Benchmarking Segmentação

Leia mais

Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos. Junho, 2013

Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos. Junho, 2013 Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos Junho, 2013 1 Contexto Concentração espacial, econômica e técnica; Indústria é de capital intensivo e business to business

Leia mais

Por que ouvir é fundamental.

Por que ouvir é fundamental. Por que ouvir é fundamental. Apresentação GRUPO ATTITUDE SA Líder na América Latina em comunicação de negócios e construção de relacionamentos para incremento da reputação Atuação no âmbito estratégico

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões. novembro 2012. apoio

Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões. novembro 2012. apoio Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões novembro 2012 apoio 2 do CEO Carta do CEO A pesquisa levanta questões interessantes relativas à sustentabilidade e à boa

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

Governança Corporativa Profa. Patricia Maria Bortolon

Governança Corporativa Profa. Patricia Maria Bortolon Governança Corporativa Investidores Institucionais e Governança Corporativa Aula 11 Participação Acionária de Investidores Institucionais No Reino Unido: Tipo de Investidor 1963 % 2006 % Indivíduos 54

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS NA RIO + 20

MERCADO DE CAPITAIS NA RIO + 20 MERCADO DE CAPITAIS NA RIO + 20 Um Breve Histórico RIO 92 Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento Humano Meio Ambiente e Desenvolvimento Humano Uma conferência de Chefes de

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Guia Rápido: Gestão de Base Acionária

Guia Rápido: Gestão de Base Acionária Guia Rápido: Gestão de Base Acionária Neste Guia Rápido apresentamos a importância da gestão da base acionária para: Manter um histórico dos acionistas e respectivas posições acionárias; Identificar movimentações

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS

GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS 2015 E m um período de profundas mudanças socioambientais, torna-se ainda mais estratégico incluir a sustentabilidade

Leia mais

Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público 1

Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público 1 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público 1 Sustentabilidade em Bolsas de Valores Estímulo à transparência e ao desempenho socioambiental das empresas listadas Critérios mínimos de listagem.

Leia mais

TRANSPARÊNCIA E VALOR PARA O INVESTIDOR. ISE 2013 São Paulo, 05 de março de 2013

TRANSPARÊNCIA E VALOR PARA O INVESTIDOR. ISE 2013 São Paulo, 05 de março de 2013 TRANSPARÊNCIA E VALOR PARA O INVESTIDOR ISE 2013 São Paulo, 05 de março de 2013 TRANSPARÊNCIA E VALOR PARA O INVESTIDOR TRANSPARÊNCIA É A BASE PARA NOSSO PROCESSO DECISÓRIO E ESTRUTURA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Dimensão Econômico-Financeira

Dimensão Econômico-Financeira Dimensão Econômico-Financeira 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO... 3 INDICADOR 2. ATIVOS INTANGÍVEIS... 5 INDICADOR 3. DEFESA DA CONCORRÊNCIA... 6 CRITÉRIO II GESTÃO...

Leia mais

panorama do mercado brasileiro de Cloud Comput

panorama do mercado brasileiro de Cloud Comput panorama do mercado brasileiro de Cloud Comput Cloud Conf 2012 Agosto de 2012 Sobre a Frost & Sullivan - Consultoria Global com presença nos 4 continentes, em mais de 25 países, totalizando 40 escritórios.

Leia mais

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A RETOMADA DOS INVESTIMENTOS E O MERCADO DE CAPITAIS Sumário I. O MERCADO DE TÍTULOS DE DÍVIDA PRIVADA NO BRASIL II. A AGENDA

Leia mais

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Edição: agosto/2014 1 ÍNDICE Visão, Missão e Valores 6 Fornecedores e prestadores de serviço 14 Objetivos 7 Brindes, presentes e entretenimento 15 Princípios

Leia mais

FUNCEF DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

FUNCEF DIRETORIA DE INVESTIMENTOS FUNCEF DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Brasília 26/03/2015 2 Recebimento de contribuições: R$ 1.746 milhões; Pagamento de benefícios e pensões: R$ 2.086 milhões; Participantes: 137,0 mil ativos e assistidos;

Leia mais

Produto mais sustentável

Produto mais sustentável Produto mais sustentável De maneira geral, um produto pode ser considerado mais sustentável por diversas razões: a) processo de fabricação com baixo impacto: consiste em produtos que eliminaram ingredientes

Leia mais

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Apresentação da Teleconferência 06 de agosto de 2015 Para informações adicionais, favor ler cuidadosamente o aviso ao final desta apresentação. Divulgação

Leia mais

Relações com Investidores

Relações com Investidores Programa ToP Treinando os Professores Comitê de Educação da CVM Relações com Investidores Camila Mation Anker Diretora do IBRI Instituto Brasileiro de Relações com Investidores RI da Eternit 18 janeiro

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Projeto Empreendedores Cívicos

Projeto Empreendedores Cívicos Projeto Empreendedores Cívicos I. Conceito Empreendedores Cívicos são agentes de inovação social que fomentam e promovem transformações positivas em benefício da coletividade rumo a um Brasil Sustentável.

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016. The asset manager for a changing world

12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016. The asset manager for a changing world 12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016 The asset manager for a changing world INVESTIMENTOS ALTERNATIVOS LUIZ FIGUEIREDO HEAD - INVESTIMENTOS ALTERNATIVOS The asset manager for a changing world 1.

Leia mais