Análise do Risco Sistemático Multiescalar no Mercado Financeiro do Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise do Risco Sistemático Multiescalar no Mercado Financeiro do Brasil"

Transcrição

1 Análise do Risco Sistemático Multiescalar no Mercado Financeiro do Brasil Adriana Bruscato Bortoluzzo 1, Andrea Minardi 2, Bruno Passos 3 Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Rua Quatá 300, Vila Olímpia CEP: São Paulo/ SP, Brasil Resumo No mercado acionário é de extrema importância o estudo da relação entre risco sistemático e retorno de ativos. Esta relação tem duas principais utilidades: a primeira é fornecer um benchmark como taxa de retorno para avaliar possíveis investimentos e a segunda é apresentar uma estimativa fundamentada sobre a taxa de retorno esperada de ativos os quais ainda não são negociados no mercado, tal como em Initial Public Offerings (IPOs). Este trabalho apresenta a análise do risco sistemático para o mercado brasileiro de ações, em diferentes escalas, baseado no uso da decomposição discreta de ondaletas e no Capital Assets Pricing Model (CAPM). Os resultados apontam que entre os anos de 2004 a 2007, para o Brasil, há uma relação negativa ou nula entre risco sistemático e retorno, além de um excesso de retorno de mercado positivo. Com base nestas evidências, conclui-se que a relação positiva entre risco e retorno esperada pelo CAPM não foi satisfeita no mercado brasileiro para o período avaliado, ou seja, o mercado não apreçou o risco sistemático de acordo com a previsão do CAPM neste período para nenhum dos horizontes de tempo (curto, médio ou longo prazos). Palavras Chave: Capital Assets Pricing Model. CAPM. Risco Sistemático. Ondaletas. Wavelets. Brasil. 1. Introdução e Objetivos Um dos modelos mais utilizados em finanças modernas, o Capital Assets Pricing Model (CAPM), desenvolvido por Sharpe (1964) e Lintner (1965), fornece uma previsão da relação entre risco e retorno esperado de um ativo com relação ao equilíbrio das expectativas dos retornos de ativos com risco. A relação de proporção entre risco e retorno é conhecida por beta ou risco sistemático de uma ação. Em Bodie, Kane e Marcus (2005), esta relação é utilizada para duas funções principais: a primeira é fornecer um benchmark como taxa de retorno para avaliar possíveis investimentos e a segunda é apresentar uma estimativa 1 Doutora em Estatística pela Universidade de São Paulo (2006), 2 Doutorado em Administração de Empresas pela Fundação Getulio Vargas (2002), 3 Graduando em Economia pelo Insper Instituto de Pesquisa e ensino (2010), 1

2 fundamentada sobre a taxa de retorno esperada de ativos os quais ainda não são negociados no mercado, tal como em Initial Public Offerings (IPOs). Bodie et al. (2005) define algumas premissas a partir das quais o modelo é construído: existem muitos investidores, os quais são tomadores de preços e suas ações não são suficientes para alterar os preços dos ativos; todos os investidores têm o mesmo horizonte de tempo; os investimentos são limitados aos ativos negociados publicamente; não há custos de transação; todos os investidores são racionais e utilizam o modelo de Markowitz para selecionar seu portfólio; todos os investidores compartilham a mesma visão econômica e analisam as ações do mesmo modo, ou seja, apresentam expectativas homogêneas. O CAPM é fundamentado a partir de premissas fortes, podendo-se inferir delas algumas idéias principais. Dentre elas, nota-se que os agentes podem eliminar alguns riscos diversificando seus investimentos, porém, existem riscos que não podem ser eliminados pela diversificação. Uma implicação importante do modelo é que os agentes devem ser recompensados por investir numa cesta com risco, obtendo retornos maiores do que cestas mais seguras. Em outras palavras, espera-se uma relação positiva entre risco e retorno, sendo que o excesso de retorno de uma ação (retorno acima da taxa livre de risco) deve ser proporcional ao prêmio de mercado (retorno da carteira de mercado acima da taxa livre de risco. O fator de proporção que determina o retorno de um ativo é o quanto ele afeta o risco da carteira de mercado. Esta contribuição no risco da carteira de mercado é capturada pelo beta, que expressa a relação entre o risco do investimento e o risco do mercado (STEIN 1996). Apesar de ignorar muitas complexidades do mundo real, além do fato de o equilíbrio no mercado de ações implicar em que todos os investidores devem manter a mesma carteira de mercado, alguns trabalhos mostram que, ainda assim, a relação esperada entre risco e retorno permanece em formas modificadas do CAPM. Por exemplo, Brennan (1973) investigou o impacto de diferenças nas taxas de retornos individuais para o equilíbrio do mercado e Meyers (1972) examinou o impacto de ativos não transacionados pelo mercado, tais como capital humano. Ambos constataram que a carteira de mercado não divergia do portfólio ótimo com risco do investidor (BODIE et al., 2005). No entanto, estudos têm questionado empiricamente as implicações do CAPM. Em Fernandez (2006), Fama e French (2002), anunciaram o fim do CAPM quando encontraram em seu trabalho, utilizando uma amostra de 1963 a 1990, que o beta apresentava resultados insuficientes ao tentar explicar as variações nos retornos médios em dados cross-section quando comparado com a classificação book-to-market e a capitalização no mercado (tamanho da empresa). No entanto, Kothari e Shanken (1998) contestaram os resultados obtidos por Fama e French (2002), uma vez que o emprego de retornos mensais em vez de anuais para a estimação do beta leva a problemas de mensuração, tais como os causados por negociações não sincronizadas, fricções e sazonalidade dos retornos. Ao utilizar retornos anuais entre 1927 e 1990, obtiveram betas estatisticamente significantes e concluíram que para explicar as diferenças nos retornos o incremento marginal devido ao tamanho da empresa, além do beta, era insignificante. Um ramo da literatura empírica do CAPM busca testar modelos de precificação de ativos que permitam um beta ou prêmio de risco variante no tempo, ou ambos. Uma maneira de fazer o beta variar no tempo é usando a decomposição de ondaletas do mesmo, introduzido em economia e finanças por J. B. Ramsey e seus co-autores. A decomposição discreta de ondaletas decompõe a série temporal em componentes ortogonais com diferentes freqüências, possibilitando quantificar as correlações entre mercados em diferentes horizontes de tempo. Desta forma, a análise do beta de um ativo se torna mais robusta ao passo que a decomposição multiescalar da série de retornos desses ativos permite observar, de diferentes pontos de vista, a relação risco versus retorno de acordo com a escala ao longo do tempo. 2

3 Gençay et al. (2005) apresentaram em seu trabalho uma abordagem utilizando ondaletas, o qual decompõe uma dada série temporal em uma base multiescalar para estimar o beta de um ativo. Em seguida, aplicaram a metodologia proposta aos mercados de ações dos Estados Unidos, Alemanha e Reino Unido a fim de encontrar a melhor escala de tempo para a obtenção do risco sistemático. Para analisar a economia norte-americana, utilizaram uma base de dados com todas as ações listadas no índice S&P 500 entre janeiro de 1973 e novembro de 2000, tomando o próprio índice como carteira de mercado e os retornos diários da Treasury Bill com vencimento em 10 anos como ativo livre de risco. Ao realizar uma análise dos resultados, observaram que apresentavam uma relação positiva entre beta e retorno médios em todos os níveis e que a inclinação crescia ao passo que a escala aumentava. Logo, concluíram que a relação não linear entre risco e retorno é, aparentemente, um fenômeno específico de escala e que as predições do CAPM são mais relevantes para um investidor com horizontes de médio a longo-prazo. No estudo do mercado de ações na Alemanha, foi constituída uma base de dados com ações contidas no índice Xetra DAX (DAX30) entre janeiro de 2000 e dezembro de 2008, tomando-se como retorno de mercado o índice DAX30 e o Euro Interbank Offered Rate (EURIBOR) diário como taxa livre de risco. Observaram que a terceira escala (que compreende o período de 8-16 dias) é a que melhor aproxima o prêmio médio de mercado estimado com o realizado, porém o apreçamento do risco sistemático pelo CAPM não funcionou. A base de dados do Reino Unido foi formada por uma amostra aleatória de trinta ações listadas no Financial Time Stock Index (FTSE100) entre janeiro de 2000 e dezembro de A carteira de mercado foi tomada como o FTSE100 e a taxa livre de risco sendo os retornos diários das UK Treasury Bills com vencimento para um mês. Mais uma vez a relação entre risco e retorno foi capturada com maior precisão nos níveis mais altos de decomposição e o CAPM não funcionou. Vale ressaltar que, para o mercado de ações alemão, o excesso de retorno do mercado (prêmio realizado) foi negativo e, portanto, seria esperado que quanto maior o beta menor o retorno em excesso das carteiras, o que foi verificado. O prêmio de mercado estimado na Alemanha pela melhor escala no período foi 18,5% (3º nível) e o realizado 16% ao ano. Fernandez (2006) analisou o mercado de ações do Chile, com uma amostra formada por vinte e quatro ações ativamente negociadas na bolsa de valores de Santiago de 1997 a Como proxy da carteira de mercado utilizou o Índice de Precios Selectivo de Acciones (IPSA) e tomou como ativo livre de risco as taxas de retorno pagas por depósitos bancários em 30 dias. Para a amostra analisada, o prêmio médio realizado de mercado foi de 9,06% ao ano. Fernandez concluiu que, para o mercado de ações do Chile, o modelo tende a ser estatisticamente mais significante para investidores com horizontes de 4 a 16 dias, ou seja, curto-médio prazo (níveis 2 e 3) e que a relação entre risco e retorno pelo CAPM não se verifica. Em Raeim et al. (2007) foram estudadas vinte e seis ações de alta liquidez do mercado de ações na França entre 2002 e O CAC 40 foi utilizado como portfólio de mercado e o EURIBOR diário como taxa livre de risco. Concluíram que, diferentemente dos mercados de ações nos Estados Unidos, Alemanha e Reino unido, para a França as predições do CAPM são mais relevante no curto e longo prazo. Aktan et al. (2009) utilizaram uma base de dados composta por 98 ações escolhidas aleatoriamente dentre as listadas na bolsa de valores de Istambul (ISE) durante o período de 2003 a O índice ISE-National 100 foi tomado como carteira de mercado e taxas de retorno pagas por depósitos bancários diariamente como taxa livre de risco. Ao concluir seu estudo, encontraram uma relação positiva entre risco e retorno, que se torna mais significante 3

4 no 3º nível (8 a 16 dias), concluindo que o CAPM é mais relevante em horizontes de médio prazo quando comparado com outras escalas escalas e que a relação prevista pelo modelo foi verificada no mercado turco. Assim como nos trabalhos de Fernandez (2006), Rhaeim et al. (2007) e Aktan et al. (2009), publicados internacionalmente, este artigo utiliza o método proposto por Gençay et al. (2005), que consiste no uso de ondaletas como ferramenta para estimar o risco sistemático de um ativo segundo o CAPM. Para isto, a relação entre risco e retorno dos ativos listados na bolsa de valores de São Paulo (Bovespa), no período de 2004 a 2007, foi analisada em diferentes níveis em busca da escala que melhor determina o beta de um ativo para o mercado de ações no Brasil. O estudo do fenômeno escalar entre risco sistemático e retorno no mercado brasileiro oferece ao investidor uma metodologia mais eficiente para a precificação dos ativos, ou até mesmo mensurar de forma mais precisa o custo de capital de uma empresa para a análise de um investimento segundo os padrões nacionais, além de permitir a comparação dos investimentos entre mercados internacionais de ativos com relação à escala no tempo. O artigo está organizado na seguinte ordem: a Seção 2 apresenta a fundamentação teórica do CAPM enquanto que a Seção 3 apresenta a de ondaletas, seguida da metodologia de estimação do risco sistemático dos ativos utilizando a decomposição multiescalar na Seção 4; a Seção 5 apresentada a base de dados, assim como as tabelas e resultados da análise e a comparação com a literatura internacional; a Seção 6 apresenta as conclusões do trabalho e um breve resumo do que foi realizado; por fim, a seção 7 apresenta as referências do trabalho e o apêndice A e B as tabelas e os gráficos, respectivamente. 2. Capital Assets Pricing Model (CAPM) O modelo de precificação de ativos (CAPM), proposto por Sharpe (1964) e Lintner (1965), surge do problema de maximização de um agente em um ambiente de incerteza. Segundo Blanchard (1989) um agente com horizonte de T períodos maximiza a função max 1 0, (1) onde E representa a expectativa condicional da função utilidade do consumo ( ) no tempo 0 e é a taxa de desconto no tempo. Assumindo que no tempo um agente escolha alocar sua riqueza entre qualquer ativo com risco, a uma taxa de retorno (líquida) estocástica ( 1, 2,, ), e em um ativo livre de risco, com taxa de retorno. O resultado da maximização implica em 1 condições de primeira ordem 1 1, 1, 2,,, (2) 1 1. (3) O agente deve escolher consumir de forma que a utilidade marginal seja igual à utilidade marginal descontada no próximo período. Esta condição deve ser mantida independentemente do ativo, sendo este livre de risco ou não. Para os ativos com risco, a utilidade marginal em depende do valor esperado do produto entre a utilidade marginal em 4

5 +1 e sua taxa de retorno (2). Como taxa de retorno ativo livre de risco é conhecida no instante t, ela pode ser tirado da expectativa condicional, resultando na equação (3). As equações (2) e (3) resultam em um conjunto de restrições para o retorno dos ativos e o processo de consumo. Desta forma elas fornecem a condição de equilíbrio entre seus retornos, dado o processo de consumo. Substituindo (2) em (3), obtém-se 0, 1, 2,,. (4) Equivalentemente e simplificando a notação, substituindo-se por,, 0, 1, 2,,. (5) Desta forma, o retorno esperado do ativo no equilíbrio satisfaz a equação, 0, 1, 2,,. (6) Quanto menor a covariância do retorno do ativo com a utilidade marginal do consumo, maior será o retorno esperado do ativo no equilíbrio. Dado que, no equilíbrio, o ativo fornece um hedge para o consumo, quando a utilidade marginal do consumo diminui os agentes estarão dispostos a obter um retorno menor. De outra forma, os agentes irão demandar uma taxa de retorno maior quando a utilidade marginal do consumo aumenta. Tomando um ativo negativamente correlacionado com, para qualquer ativo com risco (ex.:, para qualquer positivo),,. Ainda, para o ativo, a equação (6) implica que, Substituindo (7) e (8) em (6), obtém-se (7). (8),. (9) Por definição, é conhecido como,. O resultado empírico em finanças para a estimação do é obtido pelo método dos mínimos quadrados ordinários (MQO) a partir da regressão, (10) onde é um choque aleatório (ruído branco). 5

6 Um método alternativo com o uso de ondaletas proposto por Gençay, Whitcher e Selçuk (2003) será utilizado para estimar o risco sistemático, ou de um ativo. 3. Ondaletas As ondaletas, também conhecidas como wavelets, são funções não-senoidais de duração limitada com média igual a zero, utilizadas para decompor séries temporais em tempo e escala, simultaneamente. Diferentemente da análise de Fourier, a decomposição multiescalar divide o plano tempo-freqüência em um conjunto de componentes de alta e baixa freqüência. Desta forma, enquanto que a análise de Fourier caracteriza o comportamento global de uma série temporal, as ondaletas caracterizam o comportamento local da série. Primeiramente, deve-se considerar a formação de um espaço de todas as funções integráveis de módulo ao quadrado, ou seja,, com base em dilatações e translações de ordem,, respectivamente, de uma função. As ondaletas, são formadas a partir da função, também chamadas ondaleta-mãe, por meio de suas translações e dilatações, formando uma base ortogonal de. Estas são dadas por, 2 2,,. Cada função base depende de dois parâmetros, um de escala j e outro de localização k. Para obter uma representação devem-se considerar dilatações binárias 2 e translações diáicas k2 de. As propriedades básicas que caracterizam uma ondaletas são 0 (1) 1. (2) Dessa forma, a função deve decair rapidamente para zero quando t 4. Se a segunda condição for válida, então para qualquer, 0 1, existe um intervalo de comprimento finito T, T, tal que 1. Assim, a função deve ser praticamente nula fora do intervalo T, T para próximo de zero. A função também tem as seguintes propriedades:, onde é uma transformada de Fourier de (3) 4 O nome ondaletas deriva do fato de que, pela função ψ apresentar valores positivos e negativos, seu comportamento deve ter a forma de ondas decaindo rapidamente para zero. 6

7 Os primeiros M 1 momentos de são nulos, ou seja, t 0, 1,, 1, para algum 1 e, t. 0, (4) A propriedade (3) é conhecida como condição de admissibilidade, garantindo que a função de interesse possa ser reconstruída a partir da transformada de ondaletas 5. O valor de M está relacionado ao grau de suavidade da ondaleta, quanto maior o valor de M, mais regular será. Supondo, a partir da primeira consideração feita acerca da formação de um espaço, que as funções, formem uma base ortogonal gerada por, então,, onde,,, são os coeficientes de ondaletas. A função de escala, conhecida como ondaleta-pai 6, é solução da equação 2 2. Uma família ortonormal em L é formada pelas dilatações e translações de, 2 2,,. As ondaletas podem ser obtidas a partir da ondaleta-pai, da seguinte forma 2 2, em que 1 e e são coeficientes dos filtros de passagem alta e baixa, respectivamente, dados por Algumas ondaletas têm suporte compacto, uma propriedade desejável e relacionada ao fato das ondaletas serem localizadas no tempo. Porém, nem todas as ondaletas geram sistemas ortogonais. A vantagem de trabalhar com bases ortogonais é permitir a reconstrução perfeita do sinal original a partir dos coeficientes da transformada de ondaletas. 6 Os componentes detalhados, de alta freqüência, de um sinal são capturados pelas ondaletas-mãe enquanto que os componentes suaves, de baixa freqüência, são capturados pela ondaleta-pai. 7

8 Assim como neste trabalho, muitas das aplicações em análise de ondaletas usam a decomposição discreta de ondaletas (DWT) para calcular os coeficientes aproximados de um sinal discreto. Para mais detalhes sobre ondaletas, vide Bruscato (2006), Chui (1992), Ogden (1997), Morettin (1999), Percival e Walden (2000) e Fernandez (2006). 4. Variância e Covariância Multiescalar Gençay et al. (2005) introduziram o método de estimação do risco sistemático a partir do uso das ondaletas para decompor uma série temporal, utilizando a transformação de ondaletas para produzir os coeficientes em uma base multiescalar. Assumindo que a estrutura do retorno de mercado é independente ao longo do tempo (o que é observado em séries temporais estacionárias), então é possível definir uma variância multiescalar independente no tempo, simplesmente chamada de variância de ondaletas, para o retorno de mercado associado ao nível como. A variância de ondaletas no nível é a variância dos coeficientes de ondaletas no nível. Tomando e, respectivamente, como retornos de mercado e de um ativo qualquer e aplicando a transformação de ondaletas a eles, obtêm-se através da decomposição os vetores de coeficientes de ondaletas e. A covariância de ondaletas entre e no nível é dada por,. Note que a covariância e a variância podem ser significantemente diferentes em certos níveis, resultando em diferentes betas para cada escala. Desta forma, o estimador para o risco sistemático de um ativo na escala é dado por,,. 5. Resultados Esta seção apresenta a análise multiescalar do risco sistemático de ativos listados na bolsa de valores de São Paulo entre os anos de 2004 a Devido à necessidade de um número de observações à potência de dois, condição imposta pela a decomposição discreta de ondaletas, os dados faltantes foram completados com as cotações do período seguinte, adentrando brevemente no ano consecutivo, constituindo uma amostra com 256 observações a cada ano. Para a realização deste trabalho foi formada uma base de dados (coletada com o auxílio do software da Bloomberg) composta pelas cotações dos preços diários dos ativos no período de 5 de janeiro de 2004 a 17 de janeiro de 2008, excluindo-se os dias em que não houve pregões. Adotou-se como critério de seleção utilizar ativos com mais de 60% de liquidez ao ano e os dados ausentes foram estimados com o filtro de Kalman, a fim de evitar um maior viés na análise dos resultados. A Selic acumulada e o índice Bovespa (IBOV) diário foram tomados, respectivamente, como taxa livre de risco e benchmark para o portfólio de mercado. A amostra contém 1000 dias de pregões, ou, a grosso modo, 4 anos. 8

9 Os retornos dos ativos foram calculados de modo que,,,, 1, onde, e, representam o retorno da cotação do preço de fechamento do ativo na data, respectivamente. Os betas dos ativos foram estimados segundo apresentado na fórmula (1) da seção 2, onde, representa o risco sistemático estimado para o ativo na escala,, é a covariância entre o excesso de retorno 7 do mercado ( e do ativo no -ésimo nível de decomposição e como a variância do índice de prêmio de risco do mercado na escala. As séries de retorno foram decompostas em 6 níveis pelo método da transformação discreta de ondaletas utilizando a ondaleta D(8), de tal forma que a primeira escala está associada no tempo a 2-4 dias, a segunda 4-8 dias, a terceira 8-16 dias, a quarta dias, a quinta dias e a sexta dias. Seguindo o método proposto por Gençay et al. (2005), para cada ano foram formadas 10 carteiras, todas com o mesmo número de ativos igualmente ponderados, ordenando os betas estimados, com os respectivos retornos, do menor para o maior e então foi calculado o beta médio representativo de cada portfólio. Após o calculo das carteiras para os anos de 2004 a 2007, formou-se uma carteira com as médias dos retornos e betas durante o período a ser analisado. A figura abaixo mostra os gráficos entre os excessos de retorno anualizados e os betas médios de 2004 a As escalas mais baixas representam um horizonte de curto-prazo, enquanto que as mais altas representam horizontes de longo-prazo. Observa-se que, para o mercado brasileiro, a relação entre risco e retorno se apresenta negativamente correlacionada. Além disso, os pontos ficam mais dispersos à medida que escala aumenta. Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5 Nível 6 Figura 1 Decomposição discreta de ondaletas dos retornos e betas médios entre 2004 e As escalas de 1 a 6 correspondem, respectivamente, aos períodos de: (1) 2-4 dias, (2) 4-8 dias, (3) 8-16 dias, (4) dias, (5) dias e (6) dias. Fonte: Elaborado pelos autores com base em dados coletados na BLOOMBERG, Define-se excesso de retorno como a diferença entre o retorno do ativo e da taxa livre de risco (,, ), neste caso, para cada nível de decomposição na data. 9

10 A tabela a seguir apresenta os resultados estimados pela regressão linear utilizando o método dos mínimos quadrados ordinários (MQO) para o período analisado. Para fins de demonstração, as constantes e inclinações foram multiplicados por 100. Tabela 1 Regressão entre excesso de retorno e risco sistemático de 2004 a 2007 em diferentes escalas de decomposição pelo método da transformação discreta de ondaletas. Constante Inclinação R² Escala 1 0,0807* -0,0629* 0,6772 Escala 2 0,0693* -0,0459** 0,4903 Escala 3 0,0592* -0,0294*** 0,3648 Escala 4 0,0491*** -0,0144 0,0375 Escala 5 0,0444** -0,0054 0,0180 Escala 6 0,0432* -0,0074 0,1715 Fonte: Elaborado pelos autores com base em dados coletados em BLOOMBERG, * significante 1%, ** significante a 5%, *** significante a 10% No apêndice se encontram os gráficos e tabelas detalhadas das carteiras formadas em todos os anos e da média no período, assim como os resultados das regressões para cada nível de decomposição. A partir da análise dos resultados da tabela acima, observa-se que há um maior coeficiente de determinação ( ) da primeira à terceira escala e que os prêmios de risco estimados em níveis mais baixos (de freqüência mais alta) têm maior significância estatística. Segundo a premissa de aversão ao risco do CAPM, quanto maior o risco incorrido em um investimento, maior deve ser o retorno exigido pelo acionista. No entanto, em oposição ao modelo, as estimativas dos prêmios de mercado apresentam inclinação negativa apesar da média do prêmio de mercado realizado ter sido positiva durante o período (7,68% ao ano). Além disso, observando os coeficientes individualmente, verifica-se que o mercado está subestimando o risco sistemático em todos os níveis de decomposição. Logo, o nível que melhor determina o excesso de retorno estimado no período analisado é aquele em que a estimativa mais se aproxima do excesso de retorno realizado do mercado. Dentre os betas estimados por MQO em diferentes escalas, a partir da decomposição dos retornos pela transformação discreta de ondaletas, os que melhor representam o risco sistemático dos ativos são os obtidos em níveis de decomposição mais altos, dado que os betas estimados se aproximam do realizado quando a escala aumenta e que a declividade diminui. Portanto, apesar da relação entre risco e retorno não corresponder à determinada pelo CAPM, há indícios de que no mercado de ações do Brasil o a relação entre beta e excesso de retorno é estabelecida de melhor forma no médio a longo-prazo. 6. Conclusão Este trabalho apresentou os resultados da decomposição multiescalar dos ativos listados na Bovespa entre os anos de 2004 a 2007, utilizando o método proposto por Gençay et. al. (2005) com a finalidade de estudar a relação entre risco sistemático e retorno em diferentes escalas de tempo. Os resultados empíricos apontam que no Brasil as predições do CAPM não se aplicaram ao mercado de ações durante o período analisado. Apesar do prêmio de risco médio do mercado durante o período analisado ser positiva (7,68% ao ano), as estimativas dos 10

11 coeficientes revelaram um prêmio de mercado negativo em todos os níveis de decomposição. Desta forma, a relação esperada entre risco e retorno segundo o CAPM não foi observada. Deste modo, tendo em vista que as estimativas geradas pelo método da decomposição multiescalar permitem uma análise mais robusta do modelo em diferentes escalas de tempo, existem evidências de que a remuneração pelo risco sistemático no mercado brasileiro de ações foi feita de uma forma não correspondente ao CAPM, podendo-se deduzir que os ativos analisados foram apreçados equivocadamente, não obedecendo às premissas de aversão ao risco e racionalidade dos agentes determinadas pelo modelo. Outra possível inferência é que os ativos do mercado de ações no Brasil sejam precificados de outra forma, que não com o uso do CAPM. Logo, conclui-se de que o modelo não se aplicou ao mercado brasileiro, pois não explica satisfatoriamente a remuneração pelo risco no mercado durante o período analisado. Um dos fatos que ajudam a evidenciar esta hipótese é que o período em questão foi imediatamente anterior à crise financeira no mercado imobiliário, havendo um excesso de otimismo dos agentes, o que resulta num ambiente menos avesso ao risco. 7. Referências AKTAN. B.; MABROUK, A. B.; OZTURK, M.; RHAIEM N. Wavelet-Based systematic risk estimation an application on Istanbul Stock Exchange. International Research Journal of Finance and Economics. n.23, BLANCHARD, O.J., FISCHER, S. Lectures on Macroeconomics. Cambridge: The MIT Press, BODIE, Z., KANE, A., MARCUS, A.J. The capital assets pricing model. In: Investments. 6. ed p BRENNAN, M. J. Taxes, Market Valuation and Corporate Finance Policy. National Tax Journal, Dez., BRUSCATO, A. Modelo auto-regressivo de duração condicional com coeficientes variando no tempo. São Paulo, f. Tese (Doutorado em estatística) Instituto de Matemática e Estatística, Universidade de São Paulo, São Paulo, CHUI, C. K. An introduction to wavelets, wavelet analysis and its applications, v. 1. San Diego : Academic Press, FAMA, E; FRENCH, K. The cross-section of expected returns. Journal of Finance, v. 47, n. 2, p , FERNANDEZ, V. The CAPM and value at risk at different time-scales. International Review of Financial Analysis, v.15, n.3, p GENÇAY R., WHITCHER B.; F. SELÇUK. Systematic risk and time scales. Quantitative Finance, v.3, n.2, p

12 KOTHARI, S.; J. SHANKEN. In defense of beta. Journal of Applied Corporate Finance, v. 8, n. 1, p LINTNER, J. The valuation of risky assets and the selection of risky investments in stock portfolios and capital budgets. The Review of Economics and Statistics, v. 47, n. 1, p MAYERS D. Nonmarketable assets and the determination of capital asset prices in the absence of a riskless asset. The Journal of Business, v. 46, n. 2, p MORETTIN, P. A. Ondas e ondaletas: análise de Fourier à analise de ondaletas. São Paulo, Universidade de São Paulo, OGDEN, R. T. Essential wavelets for statistical applications and data analysis. Boston: Birkhäuser, PERCIVAL, D. B. e WALDEN, A. T. Cambridge series in statistical and probabilistic mathematics: wavelet methods for time series analysis. Cambridge: Cambridge University Press, RAMSEY, J. B.; LAMPART, C. Decomposition of economic relationships by time scale using wavelets. Macroeconomic Dynamics, v. 2, n. 1, p RAMSEY, J. B., ZHANG, Z. The analysis of foreign exchange data using waveform dictionaries. Journal of Empirical Finance, v. 4. p RHAEIM, N.; AMMOU, S.B.; MABROUK, A. B. Wavelet estimation of systematic risk at different time scales: application to French stock market. The international journal of applied economics and finance. v.1, n.2, p , SHARPE, W. Capital asset prices: a theory of market equilibrium under conditions of risk. Journal of Finance, v. 19, n.3, p STEIN, Jeremy. Tales from the FAR Side, The Economist, v. 341, n.7992, p

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Tânia Cristina Simões de Matos dos Santos Instituto Politécnico de Leiria 2012 Working paper nº 83/2012 globadvantage Center

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Faculdade de Economia e Administração Gilson Takaasi Gil Aplicação de ondaletas para estimação do CAPM São Paulo 2010 Gilson Takaasi Gil Aplicação de ondaletas para

Leia mais

OTIMIZAÇÃO MULTICRITÉRIO DE CARTEIRA DE INVESTIMENTOS

OTIMIZAÇÃO MULTICRITÉRIO DE CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. OTIMIZAÇÃO MULTICRITÉRIO

Leia mais

CAPM: TESTES EMPÍRICOS PARA O MERCADO BRASILEIRO DE AÇÕES

CAPM: TESTES EMPÍRICOS PARA O MERCADO BRASILEIRO DE AÇÕES CAPM: TESTES EMPÍRICOS PARA O MERCADO BRASILEIRO DE AÇÕES André Assis de Salles Depto. de Engenharia Industrial Escola Politécnica / UFRJ e-mail: asalles@ind.ufrj.br The Brazilian stock market has experienced

Leia mais

capm - retorno justo x retorno de mercado

capm - retorno justo x retorno de mercado capm - retorno justo x retorno de mercado RESUMO Brener Elias da Costa Raquel Leonor da Cunha Kárem Cristina de Sousa Ribeiro Universidade Federal de Uberlândia - UFU Os modelos CAPM e APT são modelos

Leia mais

CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO

CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO Mário Henrique da F. Oliveira

Leia mais

ANÁLISE DA ADERÊNCIA DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS PELO MÉTODO CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM) PARA O MERCADO DE EDUCAÇÃO NO BRASIL

ANÁLISE DA ADERÊNCIA DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS PELO MÉTODO CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM) PARA O MERCADO DE EDUCAÇÃO NO BRASIL ANÁLISE DA ADERÊNCIA DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS PELO MÉTODO CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM) PARA O MERCADO DE EDUCAÇÃO NO BRASIL Leonardo Henrique Zamariola Curso de Pós-Graduação em Gestão

Leia mais

2. Otimização de Portfolio

2. Otimização de Portfolio 2. Otimização de Portfolio 2.1. Análise de Média-Variância Portfolio (carteira, em português) é uma combinação de ativos, tais como investimentos, ações, obrigações, commodities, imóveis, entre outros.

Leia mais

Adriano Leal Bruni (*) Rubens Famá (**)

Adriano Leal Bruni (*) Rubens Famá (**) III SEMEAD LIQUIDEZ E AVALIAÇÃO DE ATIVOS FINANCEIROS Adriano Leal Bruni (*) Rubens Famá (**) RESUMO Liquidez e custos de transação são alguns dos principais atributos da análise de investimentos e de

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Engenharia Campus de Ilha Solteira

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Engenharia Campus de Ilha Solteira unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Engenharia Campus de Ilha Solteira ESTUDO DE CONCEITOS DO MERCADO FINANCEIRO USANDO CONCEITOS ESTATÍSTICOS SIBELI AP. DE SOUZA

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA PÓS-GRADUAÇÃO TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº01/2010 ESTRATÉGIAS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ARROZ A PARTIR

Leia mais

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão Gestão Financeira O custo do capital MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão A criação de valor para os accionistas/sócios pressupõe a remuneração do capital investido a uma taxa superior à do custo desse

Leia mais

Artigo Técnico. ROBERTO CARLINE + 55.11.235.9809 5900.analise@bradesco.com.br APRESENTAÇÃO

Artigo Técnico. ROBERTO CARLINE + 55.11.235.9809 5900.analise@bradesco.com.br APRESENTAÇÃO i ROBERTO CARLINE + 55.11.235.9809 5900.analise@bradesco.com.br APRESENTAÇÃO A moderna teoria de administração de portfolios vem procurando apresentar mecanismos para a obtenção da uma relação ótima entre

Leia mais

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido 2. A Teoria Clássica 2. A Teoria Clássica 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido Os mercados financeiros desempenham o papel de permitir que indivíduos e corporações transfiram dinheiro intertemporalmente.

Leia mais

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes O Modelo CAPM por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes Em um mercado perfeito, caracterizado pela ausência de impostos e outros custos de transações, onde haja perfeita simetria de informações

Leia mais

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03 FINANÇAS ANALISTA ÁREA 02 BACEN 2009 PROVA RESOLVIDA 38 Quando um investidor faz uma venda de um título a descoberto, isso significa que (A) comprou anteriormente a descoberto. (B) comprou e depois vendeu

Leia mais

COMO CALCULAR O COEFICIENTE BETA DE UMA EMPRESA DE CAPITAL FECHADO

COMO CALCULAR O COEFICIENTE BETA DE UMA EMPRESA DE CAPITAL FECHADO COMO CALCULAR O COEFICIENTE BETA DE UMA Como dimensionar o Custo de Capital de uma empresa de capital fechado? Como solucionar a apuração de custo de capital no Brasil? A determinação do coeficiente Beta

Leia mais

Turma BNDES Básica Exercícios

Turma BNDES Básica Exercícios Turma BNDES Básica Exercícios Banca: CESGRANRIO Edital de referência: 01/2012 (data da publicação: 17/12/2012) Carga horária (aulas presenciais): 92,0 horas EMENTA DA PROVA 1 OBJETIVA Carga Horária e Pré-Requisitos.

Leia mais

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM) E SUA UTILIZAÇÃO NOS DIAS ATUAIS

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM) E SUA UTILIZAÇÃO NOS DIAS ATUAIS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM) E SUA UTILIZAÇÃO NOS DIAS ATUAIS Bruno Hartmut Kopittke, Dr. Universidade Federal de Santa Catarina bruno@eps.ufsc.br Sheizi Calheira de Freitas

Leia mais

Manual de Risco Yield Capital

Manual de Risco Yield Capital Manual de Risco Yield Capital Introdução: O objetivo deste manual é apresentar a metodologia utilizada no sistema de risco da Yield Capital. Os fundos tem seu risco de mercado monitorado diariamente utilizando,

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado

Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado O Gerenciamento de Risco de Mercado das Carteiras geridas pela Rio Verde Investimentos é efetuado pela Administradora dos Fundos, no caso BNY Mellon Serviços

Leia mais

4 Tentativas de se Modelar Alterações no Prêmio de Risco

4 Tentativas de se Modelar Alterações no Prêmio de Risco 4 Tentativas de se Modelar Alterações no Prêmio de Risco Antes de partirmos para considerações sobre as diversas tentativas já realizadas de se modelar alterações no prêmio de risco, existe um ponto conceitual

Leia mais

SELEÇÃO DE PORTFÓLIOS COM FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADOS

SELEÇÃO DE PORTFÓLIOS COM FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADOS V I I S E M E A D T R A B A L H O C I E N T Í F I C O F I N A N Ç A S SELEÇÃO DE PORTFÓLIOS COM FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADOS Roerto Frota Decourt Mestrando em Administração UNIFECAP Rua Taapuã,

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

2. Avaliação de Ativos

2. Avaliação de Ativos 15 2. Avaliação de Ativos 2.1. O método tradicional Fluxo de Caixa Descontado (FCD) O método de fluxo de caixa descontado (FCD) é atualmente o mais utilizado por profissionais de finanças na avaliação

Leia mais

As inter-relações de ativos financeiros: Um estudo sob a ótica dos diferentes intervalos de tempo das séries históricas.

As inter-relações de ativos financeiros: Um estudo sob a ótica dos diferentes intervalos de tempo das séries históricas. As inter-relações de ativos financeiros: Um estudo sob a ótica dos diferentes intervalos de tempo das séries históricas. Darks Fabiano Universidade Federal de Uberlândia (UFU-MG) darksfabiano@hotmail.com

Leia mais

Felipe Lopes Meira Alves Matrícula nº: 121003

Felipe Lopes Meira Alves Matrícula nº: 121003 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA MBA EM FINANÇAS EMPRESARIAIS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Fronteira eficiente: Uma aplicação ao mercado brasileiro em 2012 Felipe Lopes Meira

Leia mais

O CAPM na Bolsa de São Paulo: um modelo condicional

O CAPM na Bolsa de São Paulo: um modelo condicional O CAPM na Bolsa de São Paulo: um modelo condicional MARCELO SCHERER PERLIN UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA -RS PAULO SERGIO CERETTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Resumo: Nos anos 60 foi desenvolvido

Leia mais

Comparação entre Diferentes Modelos de Precificação de Ativos com Risco: CAPM e Variantes

Comparação entre Diferentes Modelos de Precificação de Ativos com Risco: CAPM e Variantes Comparação entre Diferentes Modelos de Precificação de Ativos com Risco: CAPM e Variantes Sabrina Soares da SILVA UFLA German Torres SALAZAR UFLA Cristina Lélis Leal CALEGÁRIO UFLA Resumo Os modelos de

Leia mais

Estudo de correlações não lineares entre variações do Índice da Bolsa de Valores de São Paulo (IBOVESPA) e variações de preço de ações

Estudo de correlações não lineares entre variações do Índice da Bolsa de Valores de São Paulo (IBOVESPA) e variações de preço de ações UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTROLADORIA E CONTABILIDADE JOSÉ RAFAEL PEREIRA

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira e Estatística para APOFP/SEFAZ-SP/FCC/2010 realizada no último final de semana. A prova foi enviada por um aluno e o tipo é 005. Os

Leia mais

MATHEUS MORENO DE FIGUEIREDO TESTE EMPÍRICO DO MODELO CAPM CONDICIONAL DE RETORNOS ESPERADOS NO ESTADO BRASILEIRO. Ribeirão Preto

MATHEUS MORENO DE FIGUEIREDO TESTE EMPÍRICO DO MODELO CAPM CONDICIONAL DE RETORNOS ESPERADOS NO ESTADO BRASILEIRO. Ribeirão Preto UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO MATHEUS MORENO DE FIGUEIREDO TESTE EMPÍRICO

Leia mais

CUSTO DE CAPITAL AUDIÊNCIA PÚBLICA 123/2013

CUSTO DE CAPITAL AUDIÊNCIA PÚBLICA 123/2013 Sumário Modelo CAPM... 2 Risco Cambial... 3 Risco Regulatório... 4 Tamanho das Séries Históricas... 5 Modelo CAPM Embora exista certa diversidade de metodologias para o cálculo do risco de capital, o modelo

Leia mais

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Pro. Alexandre Assaf Neto Este trabalho tem por objetivo básico apresentar as bases conceituais do processo de avaliação econômica de empresas. Avaliação

Leia mais

I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O

I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O Sumário Prefácio, xiii Parte I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O que são Finanças Corporativas?, 3 1 Introdução, 3 2 Objetivos empresariais, 4 3 Estratégias operacionais, 5 4 Estrutura

Leia mais

Estudo de evento: o método e as formas de cálculo do retorno anormal.

Estudo de evento: o método e as formas de cálculo do retorno anormal. Estudo de evento: o método e as formas de cálculo do retorno anormal. Autoria: Rodrigo Oliveira Soares, Luciano Martin Rostagno, Karina Talamini Costa Soares Resumo: Este artigo apresenta uma breve revisão

Leia mais

Risco sistemático das commodities agropecuárias brasileiras e internacionais

Risco sistemático das commodities agropecuárias brasileiras e internacionais 345 Risco sistemático das commodities agropecuárias brasileiras e internacionais Recebimento dos originais: 27/07/2014 Aceitação para publicação: 28/11/2015 Janaina Ottonelli Doutoranda em Administração

Leia mais

ANÁLISE DO CAPM PARA O CASO BRASILEIRO: HOUVE MUDANÇA DE RISCO COM A CRISE DO SUBPRIME?

ANÁLISE DO CAPM PARA O CASO BRASILEIRO: HOUVE MUDANÇA DE RISCO COM A CRISE DO SUBPRIME? UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE CIÊNCIAS ECONÔMICAS JÉSSICA PORTAL MAIA ANÁLISE DO CAPM PARA O CASO BRASILEIRO: HOUVE MUDANÇA DE RISCO COM A CRISE DO SUBPRIME?

Leia mais

Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de

Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de 30 3. Metodologia Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de dados utilizada, identificando a origem das fontes de informação, apresentando de forma detalhada as informações

Leia mais

SELEÇÃO DE CARTEIRAS ATRAVÉS DO MODELO DE MARKOWITZ PARA PEQUENOS INVESTIDORES (COM O USO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS).

SELEÇÃO DE CARTEIRAS ATRAVÉS DO MODELO DE MARKOWITZ PARA PEQUENOS INVESTIDORES (COM O USO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS). SELEÇÃO DE CARTEIRAS ATRAVÉS DO MODELO DE MARKOWITZ PARA PEQUENOS INVESTIDORES (COM O USO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS). Cleber Gonçalves Junior Mestrando Engenharia de Produção EFEI clebergoncalves@hotmail.com

Leia mais

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder Comentário Geral: Prova muito difícil, muito fora dos padrões das provas do TCE administração e Economia, praticamente só caiu teoria. Existem três questões (4, 45 e 47) que devem ser anuladas, por tratarem

Leia mais

Estimativa do custo de capital próprio de pequenas empresas através do CAPM

Estimativa do custo de capital próprio de pequenas empresas através do CAPM Estimativa do custo de capital próprio de pequenas empresas através do CAPM Márcio da Paixão Rodrigues 1 Marcelo Machado 2 Joseph Lacey 3 Newton C. A. da Costa Jr. 4 ISSN 1518-4342 REFERÊNCIA deste traballho:

Leia mais

Autora: Maria Izabel unes (izabeln@uol.com.br) UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 35 CAVALCANTE ASSOCIADOS

Autora: Maria Izabel unes (izabeln@uol.com.br) UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 35 CAVALCANTE ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 35 Í DICE BETA E SUA IMPORTÂ CIA PARA A DETERMI AÇÃO DE RISCO DOS ATIVOS Beta ajustado, contábil, alavancado e desalavancado Sua utilização como medida de risco dos ativos Autora:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA A GEOMETRIA DO VaR: (Value at risk) Aplicações computacionais AUTOR: RODOLFO VENDRASCO TACIN PROFESSOR

Leia mais

Aplicação de Wavelets na Identificação de Mudanças Significativas em Tendências Gráficas

Aplicação de Wavelets na Identificação de Mudanças Significativas em Tendências Gráficas Aplicação de Wavelets na Identificação de Mudanças Significativas em Tendências Gráficas Relatório Final Departamento de Engenharia Elétrica Orientador: Prof. Dr. Aldo Artur Belardi Aluno: Gustavo Bobrow

Leia mais

Relação entre o capital estrangeiro e o valor da empresa

Relação entre o capital estrangeiro e o valor da empresa Relação entre o capital estrangeiro e o valor da empresa Caio César Buck Fonseca * Introdução Devido aos baixos índices de poupança interna apresentados pelo Brasil, concomitantemente com o atual panorama

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

APLICAÇÃO DO MODELO DE MARKOWITZ NA SELEÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE RISCO E RETORNO

APLICAÇÃO DO MODELO DE MARKOWITZ NA SELEÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE RISCO E RETORNO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MBA EM FINANÇAS E GESTÃO DE RISCO APLICAÇÃO DO MODELO DE MARKOWITZ NA SELEÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES: UMA ANÁLISE

Leia mais

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno dos Investimentos Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno Esperados Linha Característica Linha do Mercado de Títulos Linha de Combinação Realidade Brasileira genda Risco e Retorno

Leia mais

Gestão Financeira de Empresas

Gestão Financeira de Empresas Gestão Financeira de Empresas Módulo 5: Risco, custo de capital e avaliação de investimento Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail:luiz.campagnac@gmail.com Livro - Texto Administração Financeira: princ princípios,

Leia mais

Slides de Estatística Descritiva na HP-12C 01/10/2009 ESTATÍSTICAS. Na HP-12C. 01/10/2009 Bertolo 2. O que é Estatística?

Slides de Estatística Descritiva na HP-12C 01/10/2009 ESTATÍSTICAS. Na HP-12C. 01/10/2009 Bertolo 2. O que é Estatística? ESTATÍSTICAS Na HP-12C 01/10/2009 Bertolo 1 O que é Estatística? A estatística pode ser entendida como um conjunto de ferramentas envolvidas no estudo de métodos e procedimentos usados para 1. colecionar,

Leia mais

Alocação de Carteiras de Ações Através da Utilização de Modelos de Lógica Fuzzy

Alocação de Carteiras de Ações Através da Utilização de Modelos de Lógica Fuzzy Alocação de Carteiras de Ações Através da Utilização de Modelos de Lógica Fuzzy Resumo Autoria: Silas Roberto Trigo de Castro, Afonso de Campos Pinto Este trabalho tem por objetivo propor uma carteira

Leia mais

ANOMALIAS EM MERCADOS DE CAPITAIS: UMA ANÁLISE DO EFEITO TAMANHO NA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO COM O USO DO CAPM E DO MODELO DE MERCADO.

ANOMALIAS EM MERCADOS DE CAPITAIS: UMA ANÁLISE DO EFEITO TAMANHO NA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO COM O USO DO CAPM E DO MODELO DE MERCADO. ANOMALIAS EM MERCADOS DE CAPITAIS: UMA ANÁLISE DO EFEITO TAMANHO NA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO COM O USO DO CAPM E DO MODELO DE MERCADO. FLAVIO RODRIGO DA SILVA LIMA Fundação Visconde de Cairu MARCIO

Leia mais

ESTUDO SOBRE A EFICIÊNCIA DE MERCADO NA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO E NO CÂMBIO DÓLAR/REAL

ESTUDO SOBRE A EFICIÊNCIA DE MERCADO NA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO E NO CÂMBIO DÓLAR/REAL XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Cálculo do Custo de Capital Próprio (Utilizando o CAPM)

Cálculo do Custo de Capital Próprio (Utilizando o CAPM) Cálculo do Custo de Capital Próprio (Utilizando o CAPM)! Petroquímica Brasil (nome de fantasia)! Guia para elaboração de um relatório do trabalho Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor

Leia mais

Módulo 13. Regulação em reprodutores contínuos: a eq. logística

Módulo 13. Regulação em reprodutores contínuos: a eq. logística Módulo 13. Regulação em reprodutores contínuos: a eq. logística Objectivos Suponhamos que se dispõe de observações da densidade populacional ( 1, 2, 3,...) duma população de reprodutores contínuos, na

Leia mais

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este artigo tem por objetivo analisar as taxas de aversão ao risco em alguns ramos do mercado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA-CAEN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA-CAEN UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA-CAEN HELDER SOARES LOPES ANÁLISES DE MODELOS DE APREÇAMENTO PARA ÍNDICES SETORIAIS

Leia mais

Contribuição AES BRASIL 1

Contribuição AES BRASIL 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL Nº 002/2014 Contribuição da AES Brasil à Audiência Pública ANEEL n⁰ 002/2014, a qual tem o objetivo obter subsídios para o aprimoramento da metodologia de cálculo de custo de capital

Leia mais

I INTRODUÇÃO... 7 II - MODELO DE SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS MACROECONÔMICOS... 12 III - MODELO DE SIMULAÇÃO DA DÍVIDA PÚBLICA... 23

I INTRODUÇÃO... 7 II - MODELO DE SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS MACROECONÔMICOS... 12 III - MODELO DE SIMULAÇÃO DA DÍVIDA PÚBLICA... 23 4 ÍNDICE ANALÍTICO I INTRODUÇÃO... 7 I.1 MOTIVAÇÃO E OBJETIVOS...7 I.2 METODOLOGIA...9 I.3 EM PERSPECTIVA...10 II - MODELO DE SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS MACROECONÔMICOS... 12 II.1 - MODELO MONTE CARLO ESTRUTURADO...12

Leia mais

Estudo da aplicação do modelo Fama French no mercado acionário brasileiro An application of the Fama French model to the Brazilian stock market

Estudo da aplicação do modelo Fama French no mercado acionário brasileiro An application of the Fama French model to the Brazilian stock market Estudo da aplicação do modelo Fama French no mercado acionário brasileiro An application of the Fama French model to the Brazilian stock market Gustavo Soares Zuquim Nunes 1 Frank Magalhães de Pinho 2

Leia mais

4 Gráficos de controle

4 Gráficos de controle 4 Gráficos de controle O gráfico de controle é uma ferramenta poderosa do Controle Estatístico de Processo (CEP) para examinar a variabilidade em dados orientados no tempo. O CEP é composto por um conjunto

Leia mais

O COMPORTAMENTO DAS AÇÕES NA DATA EX-DIVIDENDOS E O EFEITO CLIENTELA NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO

O COMPORTAMENTO DAS AÇÕES NA DATA EX-DIVIDENDOS E O EFEITO CLIENTELA NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO O COMPORTAMENTO DAS AÇÕES NA DATA EX-DIVIDENDOS E O EFEITO CLIENTELA NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO Autoria: Julia Vassalo Maia da Costa, José Santiago Fajardo Barbachan RESUMO Este estudo procurou avaliar

Leia mais

O IMPACTO DA CRISE FINANCEIRA DE 2008: UMA ANÁLISE DOS BETAS DAS AÇÕES DO ÍNDICE S&P500. Rodrigo Lima Rangel

O IMPACTO DA CRISE FINANCEIRA DE 2008: UMA ANÁLISE DOS BETAS DAS AÇÕES DO ÍNDICE S&P500. Rodrigo Lima Rangel Universidade de Brasília (UnB) Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação (FACE) Centro de Estudos em Regulação de Mercados (CERME) Mestrado Profissional

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Análise de Dados e Data Mining

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Análise de Dados e Data Mining Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Análise de Dados e Data Mining Inscrições Abertas Início das Aulas: 24/03/2015 Dias e horários das aulas: Terça-Feira 19h00 às 22h45 Semanal Quinta-Feira 19h00

Leia mais

O CAPM e futuros de setores selecionados

O CAPM e futuros de setores selecionados Introdução O Modelo de Precificação de Ativos Financeiros (Capital Asset Pricing Model - CAPM) determina a taxa de retorno teórica que o investidor espera extrair do investimento em um ativo financeiro.

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Pedro de Albuquerque Seidenthal TAXA DE JUROS FUTURA: SIMULAÇÃO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS São Paulo 2012 Pedro de Albuquerque

Leia mais

O QUE É CUSTO DE CAPITAL PARTE ll

O QUE É CUSTO DE CAPITAL PARTE ll O QUE É CUSTO DE CAPITAL PARTE ll! REMUNERAÇÃO PELA ESPERA! REMUNERAÇÃO PELO RISCO! COEFICIENTE BETA! A EQUAÇÃO Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS SOBRE O EMPREENDEDORISMO DO BRASIL

INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS SOBRE O EMPREENDEDORISMO DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CURSO DE ESTATÍSTICA Adriano Luiz Antunes Denis Antoniazzi INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS SOBRE O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

PPS PORTFOLIO PERFORMANCE MSDPREV

PPS PORTFOLIO PERFORMANCE MSDPREV 1 MSDPREV ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS OUT.14 RENDA FIXA MSDPREV RF (WESTERN) CLASSIFICAÇÃO: CLUSTER RENDA FIXA ÍNDICES - MODERADO Novembro/13 a Outubro/14 Nos últimos doze meses,

Leia mais

TTT-PLOT E TESTE DE HIPÓTESES BOOTSTRAP PARA O MODELO BI-WEIBULL. Cleber Giugioli Carrasco 1 ; Francisco Louzada-Neto 2 RESUMO

TTT-PLOT E TESTE DE HIPÓTESES BOOTSTRAP PARA O MODELO BI-WEIBULL. Cleber Giugioli Carrasco 1 ; Francisco Louzada-Neto 2 RESUMO TTT-PLOT E TESTE DE HIPÓTESES BOOTSTRAP PARA O MODELO BI-WEIBULL Cleber Giugioli Carrasco ; Francisco Louzada-Neto Curso de Matemática, Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas, UEG. Departamento

Leia mais

As variáveis fundamentalistas e seus impactos na taxa de retorno de ações no Brasil

As variáveis fundamentalistas e seus impactos na taxa de retorno de ações no Brasil Revista da FAE As variáveis fundamentalistas e seus impactos na taxa de retorno de ações no Brasil Marcelo Seido Nagano* Edgard Monforte Merlo** Maristela Cardoso da Silva*** Resumo O modelo de precificação

Leia mais

Correlação Canônica. Outubro / 1998. Versão preliminar. Fabio Vessoni. fabio@mv2.com.br (011) 30642254. MV2 Sistemas de Informação

Correlação Canônica. Outubro / 1998. Versão preliminar. Fabio Vessoni. fabio@mv2.com.br (011) 30642254. MV2 Sistemas de Informação Correlação Canônica Outubro / 998 Versão preliminar Fabio Vessoni fabio@mv.com.br (0) 306454 MV Sistemas de Informação Introdução Existem várias formas de analisar dois conjuntos de dados. Um dos modelos

Leia mais

A utilização do CAPM e APT na análise de investimento: Um estudo de caso.

A utilização do CAPM e APT na análise de investimento: Um estudo de caso. 1 A utilização do CAPM e APT na análise de investimento: Um estudo de caso. Vinicius Amorim Sobreiro 1 Mariana Rodrigues de Wilson Kendy Tachibana 1 Daisy A. N. Rebelatto 1 Almeida 1 sobreiro@sc.usp.br

Leia mais

PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO

PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO José Gilberto S. Rinaldi (UNESP/Presidente Prudente) Randal Farago (Faculdades Integradas FAFIBE) Resumo: Este trabalho aborda técnicas

Leia mais

Mercado Futuro de Índice de Ações

Mercado Futuro de Índice de Ações Derivativos de Índice de Ações A apresentação resumida dos principais índices de ações, mostrando como eles representam um conjunto de ações de companhias listadas para negociação em Bolsa, dá inicio ao

Leia mais

TAXA DE DESCONTO, ANÁLISE DE RISCO, MODELOS DE PREDIÇÃO

TAXA DE DESCONTO, ANÁLISE DE RISCO, MODELOS DE PREDIÇÃO TAXA DE DESCONTO, ANÁLISE DE RISCO, MODELOS DE PREDIÇÃO AGNALDO CALVI BENVENHO, IBAPE, MRICS Eng. Mecânico, Especialista em Engenharia de Avaliações e Perícias TAXA DE DESCONTO NBR 14.653-4: Taxa de desconto:

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS Disciplina: Economia 30 h/a Mercado e seu equilíbrio: teoria do consumidor e a curva de demanda; Teoria da produção, custos, e a curva de

Leia mais

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital 34 CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS 1. Custo de Capital Custo de capital é a taxa de retorno que a empresa precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de

Leia mais

6 Análise dos resultados

6 Análise dos resultados 6 Análise dos resultados Os cálculos para análise econômica de um projeto E&P, devem considerar que os dados empregados são imprecisos e sem certeza da ocorrência dos resultados esperados, apesar de estarem

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Curso de Especialização e Atualização em Financial Economics - CEAFE. Master in Financial Economics

Curso de Especialização e Atualização em Financial Economics - CEAFE. Master in Financial Economics Curso de Especialização e Atualização em Financial Economics - CEAFE Master in Financial Economics A ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO FGV/EESP Tendo sempre em vista a missão maior orientadora de suas atividades,

Leia mais

Retorno e risco de carteiras de investimento

Retorno e risco de carteiras de investimento Retorno e risco de carteiras de investimento 1 OBJETIVOS DA UNIDADE DE ESTUDO Compreender o processo de avaliação do risco de uma carteira. Definir e mensurar a covariancia entre duas variáveis Definir

Leia mais

Análise de causalidade dentro e entre os mercados BRIC e G8

Análise de causalidade dentro e entre os mercados BRIC e G8 Análise de causalidade dentro e entre os mercados BRIC e G8 Felipe Franco Mendes 1 Hiron Pereira Farias² 1 Introdução Em consequência da globalização financeira, inúmeras são as oportunidades de novos

Leia mais

Gestão do risco de mercado em organizações do agronegócio

Gestão do risco de mercado em organizações do agronegócio Gestão do risco de mercado em organizações do agronegócio Edson Costa Bignotto Milton Barossi-Filho Rudini Sampaio As organizações produtivas, por estarem inseridas em ambiente no qual a incerteza está

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. Adriano Mussa

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. Adriano Mussa PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Adriano Mussa A adição do fator de risco momento ao modelo dos três fatores de Fama & French, aplicado ao mercado acionário brasileiro MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Outubro de 2014 Esse documento apresenta as hipóteses, premissas e resultados do estudo de macro-alocação de ativos, conduzido pela ADITUS Consultoria

Leia mais

Revista Pensamento & Realidade

Revista Pensamento & Realidade MAXIMIZAÇÃO DE VALOR PELAS COOPERATIVAS DE CRÉDITO BRASILEIRAS RESUMO: Fabio Gallo Garcia 1 Priscilla Maria Villa Lhacer 2 O presente artigo visa entender como as cooperativas de crédito brasileiras maximizam

Leia mais

Fundos de Investimento Ativos e Passivos no Brasil: Comparando e Determinando os seus Desempenhos. Autoria: Ricardo Ratner Rochman, William Eid Jr

Fundos de Investimento Ativos e Passivos no Brasil: Comparando e Determinando os seus Desempenhos. Autoria: Ricardo Ratner Rochman, William Eid Jr Fundos de Investimento Ativos e assivos no Brasil: Comparando e Determinando os seus Desempenhos Autoria: Ricardo Ratner Rochman, William Eid Jr Resumo: Neste trabalho é investigada a questão se é melhor

Leia mais

Determinação do Portfolio de Investimentos através de Programação Linear. Tema: Aplicaciones Matemáticas a la Contabilidad de Gestión

Determinação do Portfolio de Investimentos através de Programação Linear. Tema: Aplicaciones Matemáticas a la Contabilidad de Gestión Determinação do Portfolio de Investimentos através de Programação Linear Edilson Paulo Carlos Pedrosa Júnior Marcelo A. Moret José Roberto A. Fontoura Brasil Fundacao Visconde de Cairu Salvador Bahia e-mail:

Leia mais

A MODERNA TEORIA DE FINANÇAS

A MODERNA TEORIA DE FINANÇAS A MODERNA TEORIA DE FINANÇAS E A CONTROVÉRSIA SOBRE A HIPÓTESE DE MERCADO EFICIENTE E OS MODELOS DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS FINANCEIROS Cristiano Gimenes* Rubens Famá** Resumo Atualmente, a teoria financeira

Leia mais

Palavras-chave: risco e retorno; precificação de ativos; beta; CAPM; mercado de ações.

Palavras-chave: risco e retorno; precificação de ativos; beta; CAPM; mercado de ações. APLICAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DO CAPM EM DIVERSOS CENÁRIOS NO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO APPLICATION OF ALTERNATIVE CAPM METHODOLOGIES IN VARIOUS BRAZILIAN CAPITAL MARKET SCENARIOS JOSÉ MATIAS

Leia mais

Adilson Celestino de Lima (PROPAD/UFPE) celestelima@uol.com.br Antonio André Cunha Callado (PROPAD/UFPE) andrecallado@yahoo.com.br

Adilson Celestino de Lima (PROPAD/UFPE) celestelima@uol.com.br Antonio André Cunha Callado (PROPAD/UFPE) andrecallado@yahoo.com.br Existem discrepâncias no valor econômico das empresas de energia elétrica comparando os valores de mercado e os valores pelo método do fluxo de caixa descontado? Adilson Celestino de Lima (PROPAD/UFPE)

Leia mais

A Estrutura a Termo das Taxas de Juros (ETTJ)

A Estrutura a Termo das Taxas de Juros (ETTJ) Conteúdo A Estrutura a Termo das Taxas de Juros (ETTJ) Mônica Barros, D.Sc. Março o de 2008 Definições Básicas Representação Gráfica da ETTJ Como construir a ETTJ no Brasil? O que explica as diferentes

Leia mais

ANOMALIAS NO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO: UM ESTUDO SOBRE OS EFEITOS TAMANHO E BOOK-TO-MARKET SOB A PERSPECTIVA DA ABORDAGEM FUNDAMENTALISTA

ANOMALIAS NO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO: UM ESTUDO SOBRE OS EFEITOS TAMANHO E BOOK-TO-MARKET SOB A PERSPECTIVA DA ABORDAGEM FUNDAMENTALISTA VIII Congresso Anpcont, Rio de Janeiro, 17 a 20 de agosto de 2014. ANOMALIAS NO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO: UM ESTUDO SOBRE OS EFEITOS TAMANHO E BOOK-TO-MARKET SOB A PERSPECTIVA DA ABORDAGEM FUNDAMENTALISTA

Leia mais

Sorte ou Habilidade: Uma Avaliação dos Fundos de Investimento no Brasil

Sorte ou Habilidade: Uma Avaliação dos Fundos de Investimento no Brasil Sorte ou Habilidade: Uma Avaliação dos Fundos de Investimento no Brasil Autoria: Elaine Cristina Borges, Roy Materlanc Este estudo verifica se os retornos dos fundos de investimento no Brasil decorrem

Leia mais

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Esse documento apresenta as hipóteses, premissas e resultados do estudo de macro-alocação de ativos, conduzido pela ADITUS Consultoria Financeira, com

Leia mais