LEVANTAMENTO PARTICIPATIVO DE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS PARA ESTUDOS DE VALORAÇÃO EM RESERVAS EXTRATIVISTAS EM ÁREAS DE MANGUEZAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEVANTAMENTO PARTICIPATIVO DE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS PARA ESTUDOS DE VALORAÇÃO EM RESERVAS EXTRATIVISTAS EM ÁREAS DE MANGUEZAIS"

Transcrição

1 IX ENCONTRO NACIONAL DA ECOECO Outubro de 2011 Brasília - DF - Brasil LEVANTAMENTO PARTICIPATIVO DE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS PARA ESTUDOS DE VALORAÇÃO EM RESERVAS EXTRATIVISTAS EM ÁREAS DE MANGUEZAIS Bruno de Brito Gueiros Souza (CNPT/ICMBio) - Dr. em Geoquímica Ambiental pela UFF, Analista Ambiental/Pesquisador do CNPT/ICMBio; Professor Colaborador do Mestrado em Sustentabilidade de Ecossistemas na UFMA, Trabalho há 20 anos com ecossistemas manguezais, atualmente com economia ecológica

2 LEVANTAMENTO PARTICIPATIVO DE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS PARA ESTUDOS DE VALORAÇÃO EM RESERVAS EXTRATIVISTAS EM ÁREAS DE MANGUEZAIS EIXO TEMÁTICO: Sustentabilidade dos Biomas Brasileiros e as Políticas Públicas: Metodologias, aplicações e políticas de valoração e de outros instrumentos econômicos, tais como pagamentos por serviços ambientais e ecossistêmicos relativos aos biomas, impostos, subsídios, etc. RESUMO Foi realizado um levantamento participativo de bens e serviços ambientais, como subsídio para estudos de valoração, através da aplicação de técnica de Grupo Focal, tendo como alvo lideranças extrativistas e gestores de duas Reservas Extrativistas em áreas de manguezais, no litoral da Bahia. Foram levantados atributos, hierarquizados em relação ao grau de importância e classificados como de uso direto, uso indireto e não uso. Os resultados foram satisfatórios no sentido de elencar os múltiplos usos por parte das populações tradicionais, bem como, no sentido de apresentar especificidades locais nas duas áreas onde foram aplicados. Entretanto, não foi capaz de apontar importantes serviços ambientais prestados pelos manguezais em escalas regionais, ou globais. Desta forma, é apontada a necessidade de conjugar entrevistas individuais à especialistas técnicos em adição ao emprego da técnica de Grupo Focal, da maneira como foi aplicada neste trabalho. ABSTRACT We conducted a survey of participatory environmental goods and services, such as contribution to studies of valuation, by applying the technique of Focus Group, targeting leaders and managers of extractive Extractive Reserves in two mangrove areas near the coast of Bahia. Were collected attributes, ranked according to the degree of importance and rated for direct use, indirect use and nonuse. The results were satisfactory in the sense of listing by the multiple uses of traditional populations and, in order to present specific local areas where the two were applied. However, it was not able to point out important environmental services provided by mangroves to regional or global scales. Thus, we can argue about the need to combine individual interviews with technical experts in addition to the use of Focus Group, as it has been applied in this work. Palavras-Chave: Reservas Extrativistas; Ecossistemas Manguezais; Bens e Serviços Ambientais; Levantamento participativo; Valoração Ambiental

3 INTRODUÇÃO A valoração ambiental vem se consolidando, nas últimas décadas como uma importante ferramenta de gestão ambiental. Apesar de todas as críticas que existem, em relação à tentativa em se precificar bens e serviços prestados pelos ecossistemas, em muitos casos, o valor econômico destes ecossistemas pode ser considerado fator determinante no processo de tomada de decisão, através de análises de custos e benefícios associados à implantação de empreendimentos econômicos em áreas naturais, sobretudo em países em desenvolvimento. Além disso, a valoração ambiental pode apoiar esforços de conservação. Em uma publicação recente, MEDEIROS et al. (2011) demonstraram através de estudos de valoração, a importância das Unidades de Conservação para a economia nacional, com capacidade de gerar impactos positivos diretos e indiretos em diversos setores da economia. A receita gerada por Unidades de Conservação no Brasil pode chegar à ordem de grandeza de dezenas de bilhões de reais, anualmente. A valoração ambiental, também pode servir como instrumento de empoderamento para comunidades tradicionais, na defesa de seus territórios, e em alguns casos, pode auxiliar até mesmo no controle social, e fundamentar reivindicações por parte de movimentos sociais. Assim, captar o valor econômico de ecossistemas que prestam uma série de bens e serviços, por muitas vezes gratuitamente, à sociedade em geral, pode ser determinante para sua perpetuação num mundo dominado pela racionalidade econômica. Talvez esse seja o caso dos ecossistemas manguezais. Apesar da crescente conscientização em relação aos importantes serviços prestados por este ecossistema, sendo comumente associado a berçário e criatório para diversas espécies de importância marinha e costeira, não tem sido suficiente para evitar sua substituição para outros fins. Em outras palavras, apesar de aparentemente notória a importância dos manguezais, a carência de dados quantitativos, e mesmo de valoração não conseguem fundamentar análises de custos e benefícios para subsidiar tomadas de decisão a seu favor, frente a outras atividades econômicas. Um exemplo clássico deste fato foi a expansão vertiginosa da carcinicultura no nordeste brasileiro na última década. Provavelmente, uma simples comparação, levando

4 em conta as devidas taxas de desconto ao longo do tempo, entre os valores econômicos gerados pelos manguezais no nordeste, considerando o grande número de pessoas que se beneficiam e dependem deste ecossistema, com a receita de uma fazenda de camarão, que emprega pouca mão-de-obra, e tem um ciclo de investimento curto, da ordem de 4 a 5 anos, e tem deixado um histórico de destruição por onde tem se desenvolvido ao longo do mundo, poderia tornar insustentável do ponto de vista político e social a anuência e os investimentos destinados a esta atividade, por parte do poder público. Outro acontecimento recente que se pode tomar como exemplo, é a pouca importância que a sociedade vem dando à situação fragilizada em que se encontram os ecossistemas manguezais na proposta de modificação do Código Florestal (Lei Nº 4771/65) apresentada, e aprovada, pelos Deputados Federais. O grande foco das discussões, em geral, se concentra no desmatamento da Amazônia, nas Reservas Legais e na diminuição das matas ciliares. Manifestações em favor dos manguezais, que praticamente deixariam de ser áreas de Preservação Permanente (APP), na proposta apresentada, quase não foram observadas, provavelmente, em função do desconhecimento de seu verdadeiro valor, inclusive econômico, para o bem-estar da sociedade. Grande parte dos trabalhos de valoração ambiental em ecossistema manguezais tem como referencia metodologias que vinham sendo desenvolvidas por Edwar B. Barbier desde o final dos anos 80, que culminaram com a publicação de um guia para valoração de zonas úmidas, pela Convenção Ramsar (BARBIER et al., 1997). Apesar de ser uma importante publicação onde se apresentam o passo-a-passo da valoração ambiental, algumas questões precisam ser consideradas para que possamos aplicar esta metodologia à realidade do trabalho em questão, isto é, em áreas de manguezais usadas por comunidades tradicionais, sob forma de Reservas Extrativistas, ao longo do litoral brasileiro: A alta diversidade de espécies e elevado grau de interdependência entre ecossistemas adjacentes O alto grau de dependências das populações tradicionais em relação a estes recursos, para perpetuação de seu modo de vida Os múltiplos usos e o profundo conhecimento sobre este ecossistema, transmitido de geração-a-geração (etnoconhecimento)

5 As características socioeconômicas e culturais destas populações, em geral, com baixo grau de escolaridade, baixa renda familiar, baixa noção de cidadania, que levam a uma situação de vulnerabilidade social O amparo legal do uso destes recursos pelas populações tradicionais alvo das Reservas Extrativistas, tendo como pré-condição a sustentabilidade e a conservação O crescente emprego de instrumentos econômicos de incentivos à conservação, como Pagamentos por Serviços Ambientais, sobretudo em Unidades de Conservação, que podem trazer melhorias à qualidade de vida para as populações tradicionais mantenedoras destes serviços DIEGUES, et al. (1994), também destacaram a necessidade em se fazerem adaptações à metodologia de valoração de zonas úmidas utilizada por BARBIER (1989) na América Central, para aplicação à realidade caiçara do litoral paulista. Parte dos argumentos apontados pelos autores para justificar adaptações, foram semelhantes aos descritos por este trabalho, no texto acima. Desta forma, o presente trabalho surgiu da demanda em se realizar estudos de valoração ambiental em Reservas Extrativistas (RESEX) em áreas de Manguezais. Tendo o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Sociobiodiversidade Associada a Povos e Comunidades Tradicionais (CNPT/ICMBio) a atribuição de desenvolver pesquisas que busquem entender as relações entre as populações tradicionais e o ambiente em que vivem e dependem para a manutenção de seu modo de vida, de modo a gerar subsídios para o processo de gestão, percebeu-se a necessidade de adaptações às metodologias de valoração existentes, que atendam às especificidades de modelos de Unidades de Conservação com presença de populações tradicionais, sendo neste caso a Reserva Extrativistas o foco do trabalho. Na metodologia proposta por BARBIER, et al. (1997), a valoração é feita em três etapas. Consideramos a etapa crítica desta metodologia a segunda etapa, onde são determinados e hierarquizados os bens e serviços prestados pelos ecossistemas passíveis de valoração, de acordo com o grau de importância, suas relações com valores de uso e não-uso e, por fim, são levantadas que informações serão necessárias para realização desta valoração. Conforme discutido anteriormente, entendeu-se que a principal

6 adaptação para a aplicação em Reservas Extrativistas em ecossistemas manguezais, deveria se concentrar nesta etapa da metodologia. Assim, a proposta apresentada no presente trabalho sugere que esta etapa, de levantamento de bens e serviços prestados pelos manguezais, deva ser realizada de forma participativa, tendo como Grupo Focal, as populações tradicionais que compõe as Reservas Extrativistas. Desta forma, o levantamento foi realizado tendo como objeto de estudo duas Reservas Extrativistas do litoral da Bahia, a RESEX Canavieiras e a RESEX Baía do Iguape. METODOLOGIA O trabalho foi desenvolvido em duas Reservas Extrativistas no litoral sul da Bahia, uma na Costa do Cacau (RESEX de Canavieiras), e outra no Recôncavo Baiano (RESEX Baía do Iguape). Segundo a Lei Nº 9985/2000 (SNUC), que define as categorias de Unidades de Conservação (UC), as Reservas Extrativistas, tem como objetivo básico proteger os meios de vida e a cultura das populações tradicionais extrativistas, e assegurar o uso sustentável dos recursos naturais da unidade. Além disso, esta categoria de UC apresenta um modelo de gestão compartilhada, onde as decisões são tomadas através do Conselho Deliberativo, que tem em sua composição a representação majoritária de povos e comunidades tradicionais alvo da unidade, garantida por força de Lei. RESEX de Canavieiras: A Reserva Extrativista de Canavieiras (Figura 1) localiza-se no litoral sul do Estado da Bahia, foi criada pelo Decreto Presidencial em 05 de Junho de 2006, abrangendo uma área de aproximadamente ,85 ha. Está inserida na região costeira e marítima dos municípios de Canavieiras, Una e Belmonte, na chamada Costa do Cacau. O acesso à sede municipal se dá pela rodovia BA 001, a partir de Ilhéus BA, ou pela BR 101, passando pelo município de Santa Luzia. A RESEX de Canavieiras possui aproximadamente famílias de extrativistas beneficiários diretos, distribuídos em 12 comunidades e nas sedes dos municípios de Canavieiras e Belmonte. Essas famílias realizam a pesca artesanal, mariscagem (extrativismo de mariscos: moluscos e crustáceos) e a agricultura de subsistência, como atividades tradicionais responsáveis pela sua sobrevivência.

7 A RESEX Canavieiras apresenta áreas de terra firme (4,8 %), manguezais e rios (12,2 %) e mar (83 %). Os manguezais e os rios da RESEX, que totalizam cerca de hectares, são os principais responsáveis pela sobrevivência da maior parte da população extrativista, sendo o ecossistema onde 80% dos pescadores praticam suas atividades. Na área marítima, é realizada a pesca do camarão e peixes. Até o início dos anos 80, a principal atividade econômica na região estava atrelada a produção de cacau. Atualmente, as principais atividades econômicas são a pesca artesanal, o turismo e a criação de camarão em cativeiro (carcinicultura). O avanço da carcinicultura em áreas de manguezais na região foi uma das principais motivações para a criação da Reserva Extrativista, através da mobilização e luta das comunidades tradicionais em defesa de seus territórios ancestrais e da perpetuação de seu modo de vida. O município de Canavieiras é conhecido regionalmente como a Capital do Caranguejo, tendo o caranguejo-uçá como espécie símbolo da cidade com monumentos e suvenires associando o nome da cidade a caranguejos e outros elementos ligados aos manguezais. Além disso, a cidade promove anualmente o um Festival do Caranguejo, que leva um grande número de turistas à cidade, sendo um importante incentivo à economia local. RESEX da Baía do Iguape: A Reserva Extrativista da Baía do Iguape (Figura 1) foi criada por decreto presidencial em 11 de agosto de 2000, tendo 8.117,53 ha de área total, sendo 2.831,24 ha de manguezal e 5.286,29 ha de águas internas, abrangendo os municípios de Maragojipe, Cachoeira e São Felix. A Baía do Iguape é formada pelo deságüe dos rios Paraguaçu e Iguaí na Baía de Todos os Santos, se situando cerca de 100 km a leste de Salvador, na região do Recôncavo Baiano. A RESEX tem aproximadamente pescadores e marisqueiras. Uma parcela significativa destes extrativistas mora no perímetro urbano de Maragojipe. Assim, no período de baixa-mar é comum se observar mulheres e crianças mariscando nos bancos de lama expostos, bem próximos à cidade. O declínio de atividades econômicas, como a indústria de charutos que chegou a empregar até funcionários no município de Maragojipe e a crescente concentração

8 fundiária nas mãos de grandes fazendeiros, confere grande importância social à pesca artesanal e maricagem, na região da RESEX (PROST, 2007). Outro aspecto que merece destaque é questão de gênero na RESEX. Há uma clara divisão de trabalho no extrativismo, onde mulheres se dedicam a coleta de moluscos: Ostras, sururus, mapés e vôngoles; e os homens são responsáveis pelos crustáceos e peixes. Além disso, segundo OLIVEIRA (2009), as mulheres também participam na produção caseira da massa ou filé de caranguejos, siris e aratús, capturados pelos homens. Segundo o mesmo autor, as mulheres são mais organizadas, reunidas em associações de marisqueiras, e estão em maior número entre os extrativistas da RESEX. Outra questão abordada pelo autor foi a importância social dos manguezais depois do fechamento de uma grande indústria de charuto, em Maragojipe, que empregava quase que exclusivamente mulheres na confecção dos charutos. Este enorme contingente de mulheres desempregadas passou a ter o manguezal como sua nova fábrica, que contribui para o sustento de suas famílias. Figura 1 Localização das RESEX de Canavieiras e da Baía do Iguape. Maragojipe, também é conhecida por muitos como a Capital dos manguezais, tendo sediado importantes eventos acadêmicos, científicos e culturais, desde os anos 90, voltados à temática dos manguezais. Ainda sobre este tema, já foram desenvolvidos

9 muitos projetos socioambientais e educativos em Maragojipe, tendo inclusive trabalhos pioneiros em recuperação de manguezais degradados envolvendo comunidades tradicionais. A formação étnica da população desta região, também confere aos manguezais importância religiosa, sendo considerado local sagrado, usado em rituais afro-brasileiros. A expansão recente da indústria naval na Bahia, tendo como área prioritária para instalação à região do Recôncavo Baiano, sendo considerado um potencial vetor de pressão sobre os manguezais e o modo de vida das populações que dependem deste ecossistema. Apesar da semelhança pelo fato de serem no litoral da Bahia, bem como, em relação à importância do ecossistema manguezal para estas Reservas Extrativistas, as duas unidades apresentam diferenças sociais, culturais, econômicas e ambientais bastante significativas. Este foi um fator determinante na escolha destas Reservas Extrativista para aplicação da metodologia, onde se espera que estas diferenças e especificidades locais sejam percebidas e elencadas ao final do trabalho. Assim, o fato de ser possível apontar especificidades locais, poderá permitir que esta metodologia seja aplicada em qualquer RESEX ao longo do litoral brasileiro. Este trabalho se baseou na metodologia apresentada no guia para valoração de zonas úmidas, publicado pela Convenção Ramsar (BARBIER et al., 1997). Esta metodologia se desenvolve em sete passos, divididos em três etapas, da seguinte forma: Primeira Etapa Passo 1 Se elege o método de avaliação apropriado (análises de impactos, valoração parcial ou valoração total) Segunda Etapa Passo 2 Se determina a superfícies das zonas úmidas (delimitação da área de estudo) e se especificam os limites sistêmico ente estes e a zona adjacente. Passo 3 Se determinam os componentes, funções e propriedades dos ecossistemas de zonas úmidas e se hierarquizam (ex. muito importante, importante e pouco importante).

10 Passo 4 Os componentes, funções e propriedades são relacionadas com os distintos valores de uso (diretor e indiretos) e não-uso. Passo 5 Se determinam as informações necessárias para avaliar cada classe de uso, ou não-uso objeto do estudo, e como consegui-las. Terceira Etapa Passo 6 Avalia-se a possibilidade de emprego das informações disponíveis serem empregadas para valorar. Passo 7 Se aplica o método de avaliação apropriado, como por exemplo, a análise custo-benefício (ACB). Desta forma, entendemos que a etapa crítica que determinará o sucesso da valoração ambiental é a segunda etapa. No caso da aplicação em RESEX, esta etapa onde deverão ser levantadas as especificidades de cada estudo de caso, é fortemente influenciada pelas características sociais, econômicas e culturais das populações tradicionais extrativistas, que irão determinar os múltiplos usos, e não usos, dos recursos passíveis de valoração. Assim, sugerimos que as informações que compõe a segunda etapa devam ser levantadas de maneira participativa, usando a técnica de Grupo Focal, incluindo no grupo lideranças de extrativistas e gestores das Reservas Extrativistas. Entende-se por gestores, analistas ambientais lotados nas respectivas RESEX e chefes das mesmas, sendo assim, funcionários do ICMBio. O chamado Grupo Focal (Focus Group) é uma técnica de pesquisa que utiliza sessões grupais de discussões, centralizando um tópico específico a ser debatido entre os participantes, com o propósito de se obter informações de caráter qualitativo em profundidade (KITZINGER e BARBOUR, 1999). Essa técnica distingue-se por suas características próprias, principalmente pelo processo de interação grupal, que é uma resultante da procura de dados. Segundo KIND (2004), os grupos focais utilizam a interação grupal para produzir dados e insights que dificilmente seriam conseguidos fora do grupo. Assim, os dados obtidos, levam em conta o processo do grupo, tomados como maior do que a soma das opiniões, sentimentos e pontos de vista individuais. Ainda segundo autor, o Grupo Focal conserva o caráter de técnica de coleta de dados, adequada para investigações qualitativas.

11 Dentre as principais vantagens na utilização da técnica de Grupo Focal, esta o fato de fornecer um resultado rápido, de baixo custo, de formato flexível, permitindo que o moderador explore perguntas não previstas e incentive a interação entre os participantes. Além disso, esta técnica permite que sejam esclarecidas questões consideradas complexas pelo grupo no decorrer do levantamento. O levantamento foi realizado em de junho de 2010 em uma oficina realizada pelo CNPT/ICMBio na sede da RESEX da Baía do Iguape, em Maragojipe BA. A oficina teve como objetivos principais explicar e sensibilizar gestores e lideranças extrativistas em relação à importância da realização de estudos de valoração ambiental e, aplicar a técnica de Grupo Focal para levantar as informações referentes à etapa dois da metodologia aplicada por BARBIER et al. (1997), de forma participativa. Na ocasião, foram reunidos lideranças extrativistas e gestores, incluindo analistas ambientais e chefes das Reservas Extrativistas de Baía do Iguape e de Canavieiras. A oficina foi dividida em três momentos. No primeiro momento foi apresentada uma palestra explicativa sobre metodologia de valoração de zonas úmidas (BARBIER et al., 1997), sua aplicação prática e a necessidade de adaptações. Neste primeiro momento foram reunidos extrativistas e gestores de ambas as RESEX, no mesmo ambiente, e teve como objetivo explicar os fundamentos de valoração, apresentar a metodologia e a proposta de adaptação, sensibilizá-los em relação à importância da valoração ambiental e preparar o grupo para etapa seguinte do levantamento. Nos dois momentos seguintes, foram realizados os levantamentos das informações referentes à segunda etapa da metodologia aplicado por BARBIER et al. (1997), através da técnica de Grupo Focal, para representantes das duas RESEX em separado. Assim, um grupo não influenciou o outro. As informações levantadas foram sendo anotadas sob a forma de quadro pelo moderador, em cartolina na parede durante as discussões, em comum acordo com o grupo. Detalhes, informações sobre os dados necessários à valoração, e outras informações consideradas importantes, foram sendo anotadas por um relator à parte. As discordâncias entre os participantes, quando houveram, foram resolvidas através do consenso entre o grupo, sendo mediadas pelo moderador, que procurou manter imparcialidade de opiniões. Ao final do levantamento, foram cruzadas e sistematizadas

12 as informações do quadro construído pelo grupo com as informações anotadas pelo relator, e os resultados serão apresentados logo abaixo. RESULTADOS Os resultados serão apresentados no formato em que foram concebidos durante a aplicação da técnica de Grupo Focal durante as oficinas, isto é, na forma de quadros. O Quadro 1 apresenta os resultados do Grupo Focal da RESEX da Baía do Iguape e o Quadro 2 da RESEX de Canavieiras. Além dos resultados apresentados nos Quadros 1 e 2, foram levantadas informações pertinentes sobre que tipo de dados necessitam ser obtidos para valoração, como e onde consegui-los. Por fim, foram elencadas as técnicas de valoração a serem empregadas, entretanto, estas informações não serão apresentadas, não sendo este o objetivo deste artigo. Quadro 1 Resultado do levantamento participativo de bens e serviços na RESEX da Baía do Iguape. Valor Econômico Uso Direto Uso Indireto Não Uso BENS: Recursos Pesqueiros Comercialização Consumo Recursos Florestais Lenha Carvão Construção (Casas, cercas, etc) Casca (tanino) Petrecho de Pesca Apicultura (Mel) Conchas (adubo) Artesanato SERVIÇOS: Reflorestamento Educação Ambiental Turismo Maricultura (Ostra) Questão de Gênero (Marisqueiras) Identidade da Cidade com Manguezal Dia do Manguezal Pesquisa Educação Cultura Grupo Musical Cantarolama Religião Etnoconhecimento Geração de Emprego e Renda Existência Muito importante; Importante; Pouco importante

13 Algumas especificidades levantadas no Quadro 1 merecem destaque, sendo abordados no texto abaixo. A pesca para consumo apresentou um alto grau de importância de uso direto. Segundo relatado na oficina, na maioria das vezes, o melhor peixe pescado é destinado para consumo próprio dos pescadores. Este fato merece destaque, uma vez que o que se observa, em geral, em outras regiões do litoral brasileiro é exatamente o contrário. Os peixes mais valiosos são comercializados, e os de menor valor comercial são consumidos pelos próprios pescadores. Em relação ao reflorestamento, apontado no Quando 1, foi desenvolvido um projeto pioneiro de produção de mudas de espécies de manguezais e recuperação de áreas de manguezais degradadas. O objetivo inicial do projeto era voltado para ações de educação ambiental. Como conseqüência desta iniciativa, houve o financiamento do projeto, por uma empresa no ramos de petróleo que cobriu as despesas com logística e manutenção do viveiro, bolsas para participantes do projeto, e por fim, a empresa encomendou milhares mudas para recuperar áreas de seu interesse. A questão de gênero apresentou grande importância, em virtude do fechamento de uma grande indústria local, que empregava majoritariamente mulheres, que tiveram como alternativa ao desemprego, o trabalho como marisqueiras, conforme apontado na caracterização da RESEX da Baía do Iguape. Da mesma forma, a geração de emprego e renda foi apontada como de grande importância em todos os níveis, isto é, valores de uso direto, indireto e não uso. Provavelmente este fato possa ser explicado em função dos baixos índices de desenvolvimento humano (IDH), nesta região onde grande parte dos empregos está direta ou indiretamente relacionado aos recursos ambientais associados aos ecossistemas manguezais. A identificação do município de Maragojipe com os manguezais, sendo reconhecida como Capital dos manguezais, conforme descrito anteriormente na caracterização da área de estudo, também apresentou uma importâncias relacionada a valores de existência, isto é valores de não uso. A promoção de festividades associadas ao Dia do Manguezal, que acontece anualmente na data de 26 de julho, foi destacada associando a valores de uso indireto e

14 não uso, embora tenha sido atribuída baixa importância. Esta data está relacionada à questão da religiosidade associada aos manguezais, sendo a data de Nossa Senhora de Santana, que no sincretismo religioso é reconhecida como a orixá Nanã, que tem forte popularidade na região. Foram apontados valores de uso direto, em função do uso dos manguezais em rituais, embora classificado como pouco importante, e valores existências, considerados muito importante pelo grupo. Outro ponto apontado pelo grupo foi a existência de um grupo musical, o Cantarolama, que ganhou projeção regional, nacional e até mesmo internacional, com diversas apresentações e álbuns gravados. Suas músicas são usadas como veículo de educação ambiental, trazendo como tema, a importância ecológica, social e cultural dos ecossistemas manguezais. Quadro 2 - Resultado do levantamento participativo de bens e serviços na RESEX de Canavieiras. Valor Econômico Uso Direto Uso Indireto Não Uso BENS: Recursos Pesqueiros Comercialização Consumo Recursos Florestais Lenha Carvão Construção (Casas, cercas, etc) Casca (tanino) Petrecho de Pesca Apicultura (própolis) Usos Medicinais Conchas (Adubo) Artesanato SERVIÇOS: Turismo Lama Negra Turismo - população local Passeio de Barco Pesca Amadora Pesca Esportiva Maricultura (Ostra, Sururu) Proteção da Linha da Costa Espécie Símbolo da Cidade (caranguejo) Festival do Caranguejo Festival da Moqueca Pesquisa Educação Cultura Etnoconhecimento Conservação (RESEX) Muito importante; Importante; Pouco importante

15 Nos resultados apresentados no Quadro 2, algumas especificidades foram elencadas. Assim, podemos notar a aparição do uso medicinal dos manguezais, embora tenha pouca importância associada ao uso direto. Outra questão que merece destaque é a importância do Turismo para a RESEX de Canavieiras, que apresentou diversas modalidades de turismo. No turismo chamado de lama negra, por exemplo, os visitantes são levados de barco para cobrir seus corpos com a lama de manguezais. Comumente são atribuídas funções terapêuticas a esta atividade, considerada importante e associada ao uso direto. Os manguezais também foram considerados, através do uso indireto como muito importante para o laser da população local. A pescaria associada ao laser, tanto amadora, quanto esportiva, também foi apontada pelo grupo, embora a primeira mereça destaque como muito importante, e a segunda com pouca importância. O grupo também relatou um acontecimento, onde uma área de manguezal foi suprimida, trazendo como conseqüência a erosão provocada pelas marés. Foi preciso que a prefeitura realizasse uma obra com a construção de um enrocamento, para minimizar os efeitos da erosão, substituindo assim, a função de proteção da linha da costa desempenhada originalmente pelos manguezais suprimidos. Este uso indireto dos manguezais foi considerado muito importante pelo grupo de trabalho. Uma grande importância associada ao uso indireto dos manguezais foi atribuída em função da identificação do município de Canavieiras como Capital do Caranguejo, conforme descrito na caracterização da RESEX de Canavieiras. Da mesma forma, o Festival do Caranguejo, que acontece há mais de anos neste município, foi apontado como muito importante, e vinculado ao uso indireto, uma vez que os caranguejos são obtidos nos manguezais. Seguindo o mesmo raciocínio, o Festival da Moqueca também foi destacado, embora possua um menos grau de importância, se comparado ao Festival do Caranguejo. Por fim, a conservação associada à criação da RESEX, também foi elencada pelo grupo com um valor de existência, ou não uso, considerado muito importante, em função do histórico de luta, durante o processo de criação, onde foram relatados fortes

16 conflitos, inclusive com casos de violência, entre os grupos favoráveis e contra a criação da UC. Como foi possível observar, a metodologia proposta foi capaz de captar valores relacionados a questões específicas para cada RESEX estudada, embora alguns aspectos tenham apresentado resultados semelhantes, como comercialização de conchas para fabricação de adubo e a produção de artesanatos. Outros aspectos levantados, apesar de parecidos apresentam importância, ou até mesmo usos distintos, como por exemplo, a apicultura, que na Baía do Iguape tem como principal fim a produção de mel, ao passo que em Canavieiras a produção está fortemente associada ao própolis. O uso de recursos florestais para construção também apresentaram diferentes graus de importância nas RESEX estudadas. Desta forma, o levantamento dos bens e serviços passíveis de serem valorados através da aplicação da técnica de Grupo Focal, composto por lideranças de extrativistas e gestores das RESEX, pode ser considerado eficiente para levantar os múltiplos usos, bem como, características específicas de cada RESEX estudada. Apesar de ser considerada eficiente a adaptação metodológica proposta neste trabalho, no sentido de levantar informações mais detalhadas a cerca de bens e serviços prestados pelos ecossistemas manguezais, alguns serviços considerados na literatura científica como muito importantes, não foram apontados pelo Grupo Focal. É o caso, por exemplo, do seqüestro e fixação de carbono pelos manguezais. Nos dia atuais em que o aquecimento global tem preocupado a sociedade como um todo e os manguezais tem sido comumente apontados por cientistas como um importante ecossistema nos seqüestro e estocagem de carbono. DONATO et al. (2011), estudando manguezais do Pacífico, demonstraram que os manguezais armazenam quatro vezes mais carbono que qualquer outra floresta no mundo. Outros serviços ambientais prestados pelos manguezais como ciclagem de nutrientes, fertilização das águas costeiras adjacentes, imobilização de poluentes, abrigo para aves migratórias, berçário para espécies de pescados, entre outros, também são relatados nas mais diversas publicações técnicas relacionadas a este ecossistema. Estes aspectos merecem a devida atenção, sobretudo, considerando emprego crescente de instrumentos econômicos de apoio a conservação, como por exemplo, o

17 REDD e PSA, que tem movimentado anualmente bilhões de dólares em transações voluntárias. Desta forma, a metodologia aplicada neste trabalho não foi capaz de levantar estes importantes serviços ambientais prestado pelos manguezais. Provavelmente, esta lacuna possa ser preenchida com entrevistas junto a cientistas especialistas no assunto. Segundo MORGAN (1997), é possível conciliar distintas escolhas metodológicas, em que uma pode suprir a deficiência da outra e, ainda, se beneficiar de suas virtudes. Assim, este autor sugere que é perfeitamente possível combinar o emprego da técnica de Grupo Focal em adição às entrevistas individuais. As entrevistas individuais permitem um maior controle por parte do investigador, enquanto que o Grupo Focal permite o acesso a um volume maior de informações de um número maior de sujeitos. KAPLOWITS (2000) adotou a técnica de Grupo Focal e entrevistas individuais para identificar os serviços ambientais prestado por manguezais em Yucatan, no México, embora os dois métodos tenham sido aplicados junto a moradores de duas comunidades costeiras. O autor considerou que a coleta de dados usando estes dois métodos tornou o entendimento mais robusto, em relação ao valor atribuído pelas pessoas ao ecossistema manguezais. Desta forma, é provável que uso da técnica de grupo focal, composto por extrativistas e gestores das RESEX, associado às entrevistas individuais com especialistas locais, sejam estes cientistas ou acadêmicos, apresente um resultado mais satisfatório, onde sejam levantados os múltiplos usos e especificidades locais, em adição aos serviços ecossistêmicos, que não são tão facilmente percebidos a uma escala local, por aqueles que estão diretamente em contato com o ecossistema manguezal. CONCLUSÕES A adoção da técnica de Grupo Focal, tendo como alvo lideranças de extrativistas e gestores de Reservas Extrativistas se mostrou eficiente no levantamento de bens e serviços ambientais para RESEX em áreas de manguezais, sobretudo para atributos com valores de uso direto. Por outro lado, o método não foi capaz de levantar importantes serviços ambientais, não tão facilmente percebidos à escala local, como seqüestro e fixação de carbono. Desta forma, é provável que a conjugação da técnica de

18 Grupo Focal, como foi empregada neste trabalho, com entrevistas individuais junto à especialistas em ecossistemas manguezais, apresente resultados mais satisfatórios no levantamento de bens e serviços ambientais, voltados para estudos de valoração em Reservas Extrativistas em áreas de manguezais. AGRADECIMENTOS Ao Projeto Manguezais do Brasil (BRA/07/G32) do PNUD/ICMBio que possibilitou a realização deste estudo e, ao amigo e companheiro de trabalho no CNPT/ICMBio Oscar Borreani, que muito contribuiu ao longo do desenvolvimento deste trabalho. BIBLIOGRAFIA BARBIER, E.B. (1989) Economic evaluation of tropical wetland resources: application in Central América. London Environmental Economics Centre. London: 24p. BARBIER, E.B.; ACREMAN, M.; KNOWLER, D. (1997) Economic valuation of wetlands: A guide for policy makers and planners. valuation of wetlands: A guide for policy makers and planners. Ramsar Convention Bureau. Gland, Switzerland: 127p. DIEGUES, A.C.; MOREIRA, A.C.C.; SEKIGUCHI, C. (1994) Avaliação Ecológico- Econômica dos Recursos e das Funções do Ecossistema Estuarino-Lagunar de Iguape-Cananéia: uma proposta metodológica. NUPAUB SÉRIE: DOCUMENTOS E RELATÓRIOS DE PESQUISA Nº 18. São Paulo: IUCN/NUPAUB Universidade de São Paulo. 105p. DONATO, D.C. ; KAUFFMAN, J.B.; MURDIYARSO, D.; KURNIANTO, S.; STIDHAM, M.; (2011) Mangroves among the most carbon-rich Forests in the tropics. Nature Geoscience 4, p doi: /ngeo1123. KIND, L. (2004) Notas para o trabalho com a técnica de grupos focais. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 10, n. 15, p

19 KITZINGER, J.; BARBOUR, R.S. (1999) Introduction: the challenge and promise of focus groups. In: Kitzinger J,Barbour RS, organizadores. Developing focus group research: politics, theory and practice. London (UK): Sage. p KAPLOWITS, M.D. (2000) Identifying ecosystem services using multiple methods: Lessons from the mangrove wetlands of Yucatan, Mexico. Agriculture and Human Values 17: MEDEIROS, R.; YOUNG, C.E.F.; PAVESE, H.B.; ARAUJO, F.F.S. (2011) Contribuições das Unidades de Conservação brasileiras para a economia nacional: Sumário Executivo. Brasília: UNEP-WCMC, 44p. MORGAN, D.L. (1997) Focus Group as Qualitative Research. London. SAGE Publications. OLIVEIRA, A.C.S (2009) Conhecimentos tradicionais em áreas de manguezal: Lama, Mariscos e Conversas de Marisqueiras. Dissertação Mestrado em Educação, Desenvolvimento e Políticas Educativas. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Lisboa. 237p. PROST, C., (2007) Efeitos da barragem Pedra do Cavalo sobre a pesca artesanal na baía do Iguape. In: Anais do IIº Encontro brasileiro de ciências sociais sobre barragens, 18-22/11/2007. Salvador: UFBA. CD-Room.

RESERVA EXTRATIVISTA DE CANAVIEIRAS

RESERVA EXTRATIVISTA DE CANAVIEIRAS RESERVA EXTRATIVISTA DE CANAVIEIRAS Colônia de Pesca Z-20 Associação de Pescadores de Atalaia Associação de Pescadores de Puxim do Sul Associação de Pescadores dos Campinhos Associação de Pescadores de

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CENÁRIO: GESTÃO COLABORATIVA DE PESCAS Este caso de estudo é largamente fictício e foi baseado em Horrill, J.C., n.d. Collaborative Fisheries Management

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte de São Paulo;

Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte de São Paulo; CENTRO CULTURAL SÃO SEBASTIÃO TEM ALMA DESDE 1989 VALORIZANDO A CULTURA CAIÇARA E O MEIO AMBIENTE Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte

Leia mais

Reserva da Biosfera da Amazônia Central

Reserva da Biosfera da Amazônia Central Reserva da Biosfera da Amazônia Central Estudo de caso da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã Seminário Internacional sobre Mineração e Sustentabilidade Socioambiental em Reservas da Biosfera

Leia mais

ATIVIDADES DE PESCA ARTESANAL MARINHA DA REGIÃO NORTE FLUMINENSE

ATIVIDADES DE PESCA ARTESANAL MARINHA DA REGIÃO NORTE FLUMINENSE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL MODALIDADE PROFISSIONAL AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS CAUSADOS PELO COMPLEXO PORTUÁRIO RIO DO AÇU A U SOBRE AS ATIVIDADES DE

Leia mais

EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas

EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas 1 OBJETIVOS DA OFICINA 1. Apresentar a Estrutura da Agenda Regionais e das Agendas Municipais 2. Apresentar o Objetivo geral do Eixo 3. Apresentar as Diretrizes

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

DECRETO Nº 53.526, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008: Cria a Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Centro, e dá providências correlatas.

DECRETO Nº 53.526, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008: Cria a Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Centro, e dá providências correlatas. DECRETO Nº 53.526, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008: Cria a Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Centro, e dá providências correlatas. JOSÉ SERRA, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE.

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE. PROJETO DE LEI N o, DE 2011 (Do Sr. Wellington Fagundes) Institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBASAE, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP e-mail: vi.unicamp2010@gmail.com ANÁLISE DOS CONFLITOS ENTRE ÁREAS DE USO E OCUPAÇÃO DOS SOLOS E ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA (SP). Viviane

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituído pelo Poder Público com objetivo

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

Unidades de Conservação da Natureza

Unidades de Conservação da Natureza Unidades de Conservação da Natureza Emerson A. de Oliveira, MSc., Doutorando em Ciências Florestais/Conservação da Natureza - UFPR Técnico Especializado - DAP/SBF/MMA Rio do Sul - SC Julho, 2009 DEFINIÇÕES

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

MESA REDONDA. Gestão de Recursos de Uso Comuns: Rumo à co-gestãoadaptativa para o desenvolvimento territorial sustentável

MESA REDONDA. Gestão de Recursos de Uso Comuns: Rumo à co-gestãoadaptativa para o desenvolvimento territorial sustentável IX Simpósio Brasileiro de Etnobiologia e Etnoecologia Florianópolis, 28 de novembro de 2012 MESA REDONDA Gestão de Recursos de Uso Comuns: Rumo à co-gestãoadaptativa para o desenvolvimento territorial

Leia mais

Projeto Quintais Amazônicos

Projeto Quintais Amazônicos Projeto Quintais Amazônicos BOLETIM INFORMATIVO DO PROJETO QUINTAIS AMAZÔNICOS - MAIO - Nº.01 CONHEÇA 0 PROJETO QUE IRÁ GERAR NOVAS OPORTUNIDADES ECONÔMICAS, INCLUSÃO SOCIAL E CONSERVAÇÃO AMBIENTAL PARA

Leia mais

Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá

Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá Projeto de criação do Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá Flora Fauna Comunidade Movimento Pró-Restinga Está totalmente equivocada a classificação daque-la área como uma APA. O conceito principal

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO O Programa de Prospecção e Resgate Arqueológico da CSP visa atender aos requisitos legais de licenciamento ambiental, identificar e preservar o patrimônio

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

Conflitos socioambientais pela apropriação e uso dos recursos naturais da RESEX do Litoral Sul de Sergipe

Conflitos socioambientais pela apropriação e uso dos recursos naturais da RESEX do Litoral Sul de Sergipe Conflitos socioambientais pela apropriação e uso dos recursos naturais da RESEX do Litoral Sul de Sergipe LUÍS RICARDO RODRIGUES DE ARAÚJO Especialista em Gestão Ambiental pela Faculdade Pio X Graduando

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA

CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental COBESA CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA Augusto César da Silva Machado Copque Geógrafo

Leia mais

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS BRASIL - BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS Erika do Carmo Cerqueira

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

OFICINA DE MONITORAMENTO

OFICINA DE MONITORAMENTO OFICINA DE MONITORAMENTO Instituto Pólis CARAGUATATUB A 11 de junho de 2015 OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL Implementação da Agenda de Desenvolvimento Sustentável OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL MONITORAMENTO

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática

1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática ANEXO TEMÁTICO 5: Tema Prioritário V - Projetos Comunitários Linha de Ação Temática 5.1 Projetos Comunitários (comunidades tradicionais e povos indígenas) 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Atuação do COEP frente às mudanças climáticas Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Mudanças Climáticas e pobreza As populações mais pobres tendem a ficar mais vulneráveis diante

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Histórico Quilombo era o local de refúgio dos escravos evadidos dos engenhos, os quilombolas, em sua maioria,

Leia mais

2 - Proponente: Ministério Público: 3ª. (terceira) Promotoria de Justiça de Valença -BA

2 - Proponente: Ministério Público: 3ª. (terceira) Promotoria de Justiça de Valença -BA 1 - Projeto: Conhecendo e Protegendo os nossos Manguezais 2 - Proponente: Ministério Público: 3ª. (terceira) Promotoria de Justiça de Valença -BA 3 - Órgão Executor: Nome: IDEIA Instituto de Defesa, Estudo

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

LEI Nº 3.739, DE 07/11/2013.

LEI Nº 3.739, DE 07/11/2013. LEI Nº 3.739, DE 07/11/2013. ALTERA A CATEGORIA DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO RESERVA ECOLÓGICA DOS MANGUEZAIS PIRAQUÊ-AÇU E PIRAQUÊ- MIRIM PARA RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MUNICIPAL PIRAQUÊ-AÇU

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

A árvore das árvores

A árvore das árvores A árvore das árvores Resumo O documentário apresenta os múltiplos usos do carvalho para as sociedades, desde tempos remotos até os dias de hoje; além de retratar lendas e histórias sobre essas árvores

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Estimativa do Custo Econômico do Desmatamento na Amazônia. Ronaldo Seroa da Motta Rio, julho 2002

Estimativa do Custo Econômico do Desmatamento na Amazônia. Ronaldo Seroa da Motta Rio, julho 2002 Estimativa do Custo Econômico do Desmatamento na Amazônia Ronaldo Seroa da Motta Rio, julho 2002 QUADRO 1 Exemplos de Valores Econômicos dos Recursos Florestais Valor de uso Valor passivo ou de não-uso

Leia mais

Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil

Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil 1º Seminário Paulista de PSA- Novembro de 2009 - Clayton F. Lino A natureza

Leia mais

O que é a Convenção de Ramsar? Convenção de Zonas Úmidas de Importância Internacional

O que é a Convenção de Ramsar? Convenção de Zonas Úmidas de Importância Internacional O que é a Convenção de Ramsar? Convenção de Zonas Úmidas de Importância Internacional (Ramsar, Irã, 1971) Missão: a conservação e o uso racional de todas as zonas úmidas por meio de ação local, regional

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 Programa Áreas Protegidas da Amazônia Departamento de Áreas Protegidas Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 APOIO FINANCEIRO AO PROCESSO DE

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA. Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA. Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais COMUNICAÇÃO TÉCNICA 170786 Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais Caroline Almeida Souza Maria Lucia Solera Trabalho apresentado no Workshop

Leia mais

1. Fundamentos da Economia do Meio Ambiente. 2. Política Ambiental e Instrumentos Econômicos. 3. Economia dos Recursos Naturais

1. Fundamentos da Economia do Meio Ambiente. 2. Política Ambiental e Instrumentos Econômicos. 3. Economia dos Recursos Naturais 1. Fundamentos da Economia do Meio Ambiente 2. Política Ambiental e Instrumentos Econômicos 3. Economia dos Recursos Naturais 4. Métodos de Valoração Econômica Ambiental 5. Indicadores e Contabilidade

Leia mais

REGIÃO NORDESTE. As sub-regiões do Nordeste 2ª unidade

REGIÃO NORDESTE. As sub-regiões do Nordeste 2ª unidade REGIÃO NORDESTE As sub-regiões do Nordeste 2ª unidade NORDESTE Características gerais 9 Estados / 18, 25% do território do Brasil; 2ª maior população regional; Área de colonização mais antiga; A maior

Leia mais

Caatinga - Serra do Tombador Zig Koch

Caatinga - Serra do Tombador Zig Koch Caatinga - Serra do Tombador Zig Koch Valoração de Unidades de Conservação: benefícios econômicos e sociais gerados pelas Reservas Particulares de Patrimônio Natural da Fundação Grupo Boticário de Proteção

Leia mais

WORKSHOP PARA ORIENTAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO SETOR

WORKSHOP PARA ORIENTAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO SETOR SISTEMA WORKSHOP PARA ORIENTAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO SETOR Associação Brasileira de Criadores de Zebu Uberaba/MG, 02 de maio de 2012 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS DO ENCONTRO:... 4 PROGRAMAÇÃO DO

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio

projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio Introdução A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) tem por finalidade colocar em prática ações efetivas de conservação do meio ambiente,

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

IV. Fomentar a solidariedade e a união, dos praticantes da atividade em Joinville e região;

IV. Fomentar a solidariedade e a união, dos praticantes da atividade em Joinville e região; CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE A CRIAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL MONTE CRISTA Este documento tem por objetivo fornecer informações que possam contribuir com a discussão sobre a criação do Parque

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.3 Programa de Compensação Ambiental

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.3 Programa de Compensação Ambiental - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.3 Programa de Compensação Ambiental Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.3 Programa de Compensação Ambiental

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará Capítulo do Livro: Série Integração, Transformação e Desenvolvimento: Áreas Protegidas e Biodiversidade Fundo Vale para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro. 2012. Planejamento Turístico para

Leia mais

ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADAS NA COMUNIDADE ILHA DE DEUS, RECIFE-PE

ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADAS NA COMUNIDADE ILHA DE DEUS, RECIFE-PE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADAS NA COMUNIDADE ILHA DE DEUS, RECIFE-PE Juliana dos Santos Silva 1, Anália Carmem Silva de Almeida 2, Arlindo de Paula Machado Neto 3 e Carlos Augusto Sampaio

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli)

REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) 1 REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo sugerindo à Agência Nacional de Águas que determine às empresas concessionárias deste serviço a divulgação em suas

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa Grupo Temático: Áreas de Proteção Coordenador: Walter Koch Facilitador: Karla Ass.: Ass.: Ass.: Relator:Eloísa Porto Alegre, 06 e 07 de maio de 2006. No. Grupo Temático 58 Áreas de Proteção Rejeitado Proposta

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Reserva Extrativista Chico Mendes Termo de Referência nº 2013.0930.00022-3 1 - Identificação Contratação de Serviço de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG RECICLAGEM E CIDADANIA: UMA VISÃO SOCIO AMBIENTAL DOS CATADORES DE RESIDUOS SOLIDOS NO MUNICIPIO DE GARANHUNS

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente

Ministério do Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais: uma proposta em discussão. Shigeo Shiki Mata Atlântica e Serviços

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

Anderson Silva de Aguilar; Joel Dias da Silva

Anderson Silva de Aguilar; Joel Dias da Silva PAP017410 Valoração Econômica dos Serviços Ambientais em Unidade de Proteção Integral. Estudo de Caso do Monumento Natural da Mãe D água, Serra da Moeda, Brumadinho/ MG: Enfoque Recursos Hídricos. Anderson

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo AVISO DE SESSÃO PÚBLICA Nº 001/2015 Processo Administrativo nº 5199/2014 Recebimento de Propostas e Orçamentos para Produção de Pesquisa decorrente da Concorrência Pública nº 001/2012 Serviços de Publicidade

Leia mais

PESCA ARTESANAL E PETRÓLEO NO RECÔNCAVO BAIANO: GESTÃO AMBIENTAL FEDERAL COMO MEDIADORA DE CONFLITOS

PESCA ARTESANAL E PETRÓLEO NO RECÔNCAVO BAIANO: GESTÃO AMBIENTAL FEDERAL COMO MEDIADORA DE CONFLITOS PESCA ARTESANAL E PETRÓLEO NO RECÔNCAVO BAIANO: GESTÃO AMBIENTAL FEDERAL COMO MEDIADORA DE CONFLITOS Lívia Gomes de Vasconcellos Mestranda em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social, Universidade

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

Paisagens Socioambientais em Bacias Hidrográficas

Paisagens Socioambientais em Bacias Hidrográficas Paisagens Socioambientais em Bacias Hidrográficas Yanina Micaela Sammarco Bióloga, Ms em Engenharia Ambiental Dtnda pela Universidade Autonoma de Madrid-Espanha Consultora do Instituto Pró-Terra Educadora,

Leia mais

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS.

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. Tainã Fernandes Doro¹, Profª Drª Célia Maria Grandini Albiero². 1 Aluna do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012

Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012 A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA AS LICENCIATURAS NA AMAZÔNIA: NÃO HÁ ENSINO SEM PESQUISA E PESQUISA SEM ENSINO Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

www.institutocarijos.org.br Leonildo Lepre Filho nidolepre@gmail.com Eduardo Paulo Pires Pereira dudu_p3@hotmail.com

www.institutocarijos.org.br Leonildo Lepre Filho nidolepre@gmail.com Eduardo Paulo Pires Pereira dudu_p3@hotmail.com www.institutocarijos.org.br Leonildo Lepre Filho nidolepre@gmail.com Eduardo Paulo Pires Pereira dudu_p3@hotmail.com O Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC) foi instituído, no

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais