VALUATION: UM ESTUDO DE CASO VOLTADO PARA A ABERTURA DE CAPITAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VALUATION: UM ESTUDO DE CASO VOLTADO PARA A ABERTURA DE CAPITAL"

Transcrição

1 UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DACEC DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS, CONTÁBEIS, ECONÔMICAS E DA COMUNICAÇÃO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATU SENSU EM FINANÇAS E MERCADO DE CAPITAIS VALUATION: UM ESTUDO DE CASO VOLTADO PARA A ABERTURA DE CAPITAL RAFAEL KAPP IJUÍ / RS

2 UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DACEC DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS, CONTÁBEIS, ECONÔMICAS E DA COMUNICAÇÃO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATU SENSU EM FINANÇAS E MERCADO DE CAPITAIS VALUATION: UM ESTUDO DE CASO VOLTADO PARA A ABERTURA DE CAPITAL Trabalho de Conclusão de Curso na modalidade de monografia, apresentado no Curso de Pós-Graduação em Finanças e Mercado de Capitais. RAFAEL KAPP ORIENTADOR: PROF. DR. DANIEL KNEBEL BAGGIO IJUÍ / RS FEVEREIRO DE

3 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESTUDO Apresentação do tema Problematização Objetivos Objetivos gerais Objetivos específicos Justificativa REFERENCIAL TEÓRICO O sistema financeiro nacional Comissão de valores mobiliários Bolsa de valores do Brasil Mercado primário e secundário Quando as empresas resolvem abrir o seu capital Os processos necessários para abertura do capital Oferta pública inicial - IPO Análises de investimentos Análise técnica Análise fundamentalista Indicadores contábeis ou financeiros Índice de liquidez corrente Índice de liquidez geral Índice de liquidez imediata Índice de liquidez seca Índice de endividamento geral Grau de imobilização do patrimônio liquido Retorno sobre o capital próprio Retorno e giro do ativo total Giro e retenção dos estoques Prazo médio dos recebimentos Prazo médio dos pagamentos EBITDA ou LAGIDA Índice de cobertura de juros Índice de cobertura da divida

4 2.6 Indicadores fundamentalistas Fluxo de caixa livre para a firma FCFF ou Free cash flow to the firm Capital de giro Lucro por ação LPA Valor patrimonial por ação VPA Índice valor de mercado/valor patrimonial por ação VM/VPA Geração de caixa operacional por ação Preço x Lucro P/L Preço x Geração de caixa operacional da ação Custo médio ponderado de capital CMPC ou WACC Valor residual do fluxo de caixa livre VR ou valor da perpetuidade Enterprise value EV ou Valuation EV/EBITDA Pay out Rendimentos do dividendo - Dividend yield DY METODOLOGIA Classificação da pesquisa Coleta de dados Análise e interpretação dos dados ELABORAÇÃO, ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS Apresentação das demonstrações contábeis Análise e interpretação dos indicadores contábeis/financeiros Análise e interpretação dos indicadores fundamentalistas Análise do valuation Considerações importantes sobre o valuation...56 CONCLUSÃO...58 REFERÊNCIAS

5 INTRODUÇÃO Um dos principais desafios de todo o investidor do mercado de capitais é saber qual é o momento correto para investir, ou então, saber qual a empresa correta em que fazê-lo. Ha quem diga que é simples: basta comprar na baixa e vender na alta, contudo a questão é saber quando o mercado interpreta que o valor de uma ação, ou o valor de uma empresa, está alto ou baixo. Neste sentido aproveita-se justamente o momento em que a empresa objeto de estudo está fazendo a abertura de seu capital, para determinar o valor justo de venda de suas ações, na ocasião de sua oferta inicial pública. Para isto se baseará na análise fundamentalista. Para a empresa em pauta é chegado o momento de ampliar seus investimentos e seguir seu ciclo de expansão e consequentemente mostrar-se diante do cenário nacional, ou até mesmo internacional, mesmo que para tal feito necessite de aportes de financiamento maiores que os de costume. Logo, para dar tal passo rumo à expansão, mais uma vez se faz necessária a captação de recursos para investimento em suas atividades produtivas, e desta vez a alternativa pela qual a empresa optou não foi tomar financiamento de instituições financeiras e nem utilizar de aportes de capital dos sócios atuais, mas sim, efetuar a abertura de seu capital e consequentemente negociar suas ações na bolsa de valores. Evidente que a decisão por abrir seu capital não é simples, pois, necessita passar por vários procedimentos e adequações, os quais também serão abordados no decorrer deste estudo. Face ao exposto, e tendo por base a contabilidade que é a linguagem dos negócios, a presente obra demonstra, através da análise fundamentalista, o valor justo de venda das ações na ocasião de oferta pública inicial e consequentemente o valor de mercado da entidade, sendo que todas as informações e dados são extraídos das demonstrações contábeis. Nesse sentido aborda-se desde os principais indicadores contábeis, até os indicadores considerados mais aprofundados perante a análise fundamentalista, justamente para evidenciar se a entidade possui bons fundamentos voltados para o crescimento econômico, e consequentemente atrair os olhares dos investidores, fazendo, dessa forma, que sua oferta pública inicial seja um sucesso. Pode-se dizer que ao final do estudo, fica evidenciada a real situação da saúde financeira da empresa, determinando dessa forma o valor justo para a comercialização inicial de suas ações no mercado. Em poucas palavras a análise fundamentalista desenvolvida, traz 5

6 um retrato da real situação econômica e financeira da empresa em um determinado ponto do tempo, além de evidenciar o valor de mercado justo da companhia, sendo que o modelo trabalhado poderá ser aplicado a qualquer momento pelo leitor em empresas de sua preferencia, ou seja, a presente obra poderá servir como um guia para avaliações com propósitos similares. Neste contexto, no primeiro capitulo apresenta a definição do tema, o problema, os objetivos gerais e específicos, bem como a justificativa. No segundo capitulo evidencia-se o referencial teórico de forma simples, porém bastante clara, proporcionando o entendimento até mesmo para iniciantes nesta área de atuação. Dessa forma ficam contemplados os aspectos introdutórios que levarão o leitor à compreensão de toda a forma de análise apresentada na sequencia da obra, podendo então aplicá-la a qualquer outra entidade de sua preferência. Após, chega-se a metodologia da pesquisa utilizada e na sequência a verificação prática dos indicadores propostos para a empresa objeto de estudo. Por fim, conclusões e bibliografia utilizada para o desenvolvimento da obra. É de profundo interesse por parte do autor que esse material seja divulgado em todos os meio possíveis de fazê-lo, pois, encontra-se pouco material de autoria nacional disponível sobre esse tema, podendo assim servir de base e inspiração para futuras obras. 6

7 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESTUDO Como se acredita, a contabilidade é um dos instrumentos mais importantes no mundo dos negócios, produzindo as informações mais úteis e decisivas para as tomadas de decisões sendo ela considerada a linguagem do controle dos negócios. Partindo deste principio, iniciase o presente trabalho apresentando a contextualização do estudo, contendo a apresentação do tema, problematização, objetivos gerais, específicos e justificativa, para posteriormente aprofundar a análise dos indicadores propostos. 1.1 Apresentação do tema O principal objetivo de um sistema de distribuição de valores mobiliários é proporcionar liquidez a cada uma das pequenas partes das empresas que ali são negociadas e por sua vez facilitar o seu processo de financiamento. Dito isso, entende-se que o mercado de capitais é de suma importância para a movimentação da economia global. Logo, existem as bolsas de valores, que estão inseridas nas entranhas do mercado de capitais. Em suas atividades primarias dispõem dos valores negociados ao público em geral, possibilitando assim a captação de recursos para as companhias interessadas. As empresas podem utilizar deste mercado como alternativa estratégica para financiar o seu crescimento em um período menor de tempo e, também, com um custo relativamente menor. A pessoa jurídica de direto privado, objeto deste estudo, tem seu marco inicial no inicio da década de oitenta, quando adquiriu seus primeiros equipamentos, iniciando assim sua história de inovação e expansão. Com o passar dos anos e o desenvolvimento do mercado a empresa mudou seu padrão de estrutura para um modelo internacional, o que lhe proporcionam mais agilidade e rentabilidade, passando dessa forma ao atendimento de clientes em toda América do Sul. Ao longo de sua existência, tornou-se uma empresa sólida e moderna que acompanha o desenvolvimento do setor, investindo fortemente em inovação e tecnologia, consolidando-se no mercado entre as maiores do seu segmento, sendo atualmente a firma que em seu campo possui a estrutura mais nova e moderna de toda a América Latina e entre as entidades que mais investiram em equipamentos em seu setor em toda América. 7

8 Com muitas filiais alocadas em pontos estratégicos em todos os países de atuação, dispõe de uma estrutura completa para garantir a eficiência e eficácia no cumprimento de sua missão, que é ser a maior empresa da América em seu segmento nos próximos cinco anos. Tomando-se em conta o que foi dito acima define-se como tema deste trabalho: análise fundamentalista de investimentos. 1.2 Problematização Como se sabe existem inúmeras formas de captação de recursos para ampliar a capacidade de produção de uma empresa, buscar recursos no sistema financeiro ou então efetuar uma integralização de capital por parte dos sócios, são alternativas validas. Contudo, a empresa apresentada julga que é o momento de transformar a empresa de sociedade limitada para uma sociedade por ações, abrindo dessa forma o seu capital para terceiros e captando os recursos necessários para seus investimentos. Ao abrir seu capital a empresa passa por uma série de transformações e adequações, para que possa ser aprovada pela Comissão de Valores Mobiliários CVM, para somente após ser listada junto à bolsa de valores, que no Brasil conhecemos por Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros BM&FBOVESPA, criada em 2008 pela união da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) e a Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), Juntas atualmente constituem a terceira maior bolsa do mundo em valor de mercado. As transformações societárias que a empresa deverá passar serão abordadas no referencial teórico, destacando de antemão, que uma das maiores dificuldades que a empresa enfrentará nesse processo de convergência é a governança corporativa, pois, atualmente não possui politicas e práticas nesta área. Ter uma boa proposta de governança aumenta a confiabilidade e credibilidade da empresa dentro da bolsa e aos olhos dos investidores. Nesse sentido o problema para o qual se busca solução é: Qual o preço justo da ação da empresa objeto deste estudo na ocasião de sua oferta pública inicial? 1.3 Objetivos Os objetivos do presente estudo se fazem presentes nas definições a seguir elencadas. 8

9 1.3.1 Objetivos gerais seu capital. Identificar o preço justo das ações de determinada empresa em razão da abertura de Objetivos específicos Efetuar um referencial teórico simples e de fácil entendimento sobre análise fundamentalista; Demonstrar os passos básicos a serem seguidos para abertura de capital; Calcular e analisar os principais indicadores da análise fundamentalista; 1.4 Justificativa Existem duas grandes estratégias que todo o investidor (ou trader como também são chamados), observa e aplica, sendo elas a análise técnica e a análise fundamentalista, sendo que a primeira de grande modo preocupa-se com gráficos e seus comportamentos, e a segunda com os fundamentos econômicos de longo prazo e nos indicadores extraídos das demonstrações contábeis das empresas; não tendo qualquer associação uma com a outra. Frisa-se aqui que ambas as análises acima mencionadas são pilares independentes, não tendo como informar ou garantir qual a melhor, sendo que esse autor tem respeito igualitário pelas duas formas. Partindo dessa premissa, e tendo por consciência de que o mercado de capitais tem ganhado força e forma nos últimos anos, embora apenas agora se recuperando de uma grande crise financeira, surge por parte do autor da presente obra o interesse de aprofundar os estudos na analise fundamentalista de investimentos, principalmente por ser uma área pouco explorada em nosso país e encontrar nela um grande campo de atuação profissional. Outro ponto que motiva o autor deste trabalho é produzir mais material em língua portuguesa, pois, a maioria é de autoria de estrangeiros, ficando assim mais difícil para iniciantes inserirem-se e compreenderem o tema em questão. 9

10 Outro ponto relevante que contribui de forma significativa para o desenvolvimento do presente trabalho é o fato da área de formação do autor ser em ciências contábeis, o que facilita na ocasião da interpretação das demonstrações contábeis e consequentemente na elaboração e análise dos indicares. Fica ainda o intuito de o presente trabalho, servir de base para outras pessoas interessadas, ou então estimular outros trabalhos na área, compartilhando dessa forma o conhecimento e aumentando a quantidade de material sobre o tema. Já para a empresa objeto de estudo, fica a dica do valor justo para venda das ações na ocasião da oferta ao mercado, o extrato da saúde financeira na data dos cálculos e ainda os passos básicos a serem percorridos para sua listagem junto à bolsa de valores. Por fim, para os leitores, ficam os passos básicos a serem seguidos e que podem ser adaptados para efetuar uma análise aprofundada em qualquer outra empresa de interesse mesmo não sendo ela de capital aberto. 10

11 2 REFERENCIAL TEÓRICO Este capítulo contém o referencial teórico, bem como descreve os passos que levarão ao desfecho da avaliação da empresa e consequentemente da obra. Aborda-se desde a situação pela qual passa uma empresa que estaria disposta a abrir o seu capital, os conceitos básicos do sistema financeiro Brasileiro, os órgãos que são relevantes para o assunto, e ainda os principais indicadores envolvidos na análise fundamentalista, bem como suas formas de cálculo. 2.1 O sistema financeiro nacional Para chegar ao alvo da presente obra tem-se como ponto relevante e imprescindível compreender, mesmo que brevemente, o funcionamento e a estrutura do sistema financeiro nacional. O Sistema financeiro Brasileiro, embora muitas vezes criticado em sua existência, é um dos melhores e mais desenvolvidos do mundo, seja pela rigidez no cumprimento das metas e leis ou pela sua evolução e funcionamento perfeito ao longo dos anos, garantindo a sustentabilidade e o equilíbrio monetário do Brasil. Atualmente o sistema financeiro nacional está dividido em quatro grandes grupos, sendo eles: o mercado monetário, mercado de crédito, mercado cambial e por fim o mercado de capitais, que mais interessa ao presente trabalho. No Brasil, o sistema financeiro é formado por um conjunto de instituições financeiras voltadas para a gestão da política monetária do governo federal, responsável por formar as estratégias econômicas do país. Para Fortuna (2005, p. 12) o sistema financeiro é conceituado, como um conjunto de instituições que se dedicam, de alguma forma, ao trabalho de propiciar condições satisfatórias para a manutenção de um fluxo de recursos entre poupadores e investidores. A formação do Sistema Financeiro Brasileiro começou em 1808, através da fundação da primeira instituição financeira do país, o Banco do Brasil na época, uma das poucas instituições da espécie no mundo, ao lado do Ricks Banck, da Suécia (1694) e do Banco da França (1800). 11

12 Segundo Gitman (2004, p.18) as instituições financeiras atuam como intermediárias, promovendo a canalização de poupanças de indivíduos, empresas e órgãos de governo para empréstimos e aplicações. Segundo Andrezo e Lima (2001) o sistema financeiro nacional foi reestruturado por intermédio da Lei 4.595, de 31 de dezembro de 1964, denominada lei da reforma bancária. Esta passou a ter grande importância devido à enumeração dos componentes do sistema financeiro nacional e a definição da área de competência de cada um. Dentro desse contexto e com a evolução do sistema, os órgãos que compõem o sistema financeiro nacional atualmente são: Conselho Monetário Nacional CMN, Conselho Nacional de Seguros Privados CNSP, Conselho de Gestão da Previdência Complementar CGPC, Banco Central do Brasil BACEN, Comissão de Valores Mobiliários CVM, Superintendência de Seguros Privados SUSEP, Secretaria da Previdência Complementar SPC, e demais instituições financeiras, bolsa de valores e outros intermediários financeiros. Entretanto o ponto mais interessante para a obra; a comissão de valores mobiliários CVM será abordado individualmente Comissão de valores mobiliários Diante do exposto anteriormente, torna-se fundamental conhecer um pouco sobre esse órgão chamado Comissão de Valores Mobiliários CVM, ao qual está inserida no sistema financeiro nacional e tem o seu papel principal quando o assunto é o próprio mercado de capitais, sendo responsável por regular e selecionar as empresas que serão listadas junto à bolsa de valores do Brasil. A Comissão de Valores Mobiliários é mais bem descrita nos seguintes termos: A Comissão de Valores Mobiliários CVM é uma autarquia vinculada ao Ministério da Fazenda, instituída pela Lei 6.385, de sete de dezembro de É responsável por regulamentar, desenvolver, controlar e fiscalizar o mercado de valores mobiliários do país. Para este fim, exerce as funções de: assegurar o funcionamento eficiente e regular dos mercados de bolsa e de balcão; proteger os titulares de valores mobiliários; evitar ou coibir modalidades de fraude ou manipulação no mercado; assegurar o acesso do público a informações sobre valores mobiliários negociados e sobre as companhias que os tenham emitido; assegurar a observância de práticas comerciais equitativas no mercado de valores mobiliários; estimular a formação de poupança e sua aplicação em valores mobiliários; promover a expansão e o funcionamento eficiente e regular do mercado de ações e estimular as aplicações permanentes em ações do capital social das companhias abertas (COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM). 12

13 Logo, evidencia-se que para uma empresa estar listada na bolsa de valores e consequentemente operar no mercado de capitais, deverá prioritariamente, estar registrada junto à Comissão de Valores Mobiliários CVM, que por sua vez tem como obrigação assegurar a funcionalidade eficiente deste mercado, proteger os titulares dos valores mobiliários contra irregularidades ou fraudes e assegurar o acesso público a todas as informações das companhias ali inseridas. Os passos para que a empresa opere no mercado de capitais serão dispostos na sequência do trabalho, entretanto aqui deve ficar claro que o órgão regulador e máximo do mercado de capitais é a Comissão de Valores Mobiliários CVM, tendo os mais amplos poderes neste mercado e guardando todas as informações das companhias listadas Bolsa de valores do Brasil Como já mencionado anteriormente, a BM&FBovespa S.A. Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros, está entre as maiores bolsas do mundo em valor de mercado e é líder na América Latina. É o principal mecanismo de intermediação para as operações de mercado de capitais no Brasil. Por meio de sua atuação, disponibiliza e facilita as operações das companhias, além de garantir a liquidez de todos os ativos e valores mobiliários ali negociados, garantindo sua legitimidade e eliminando os riscos e fraudes. Neste sentido: A BM&FBOVESPA (BVMF) foi criada em maio de 2008 com a integração da BM&F (bolsa de derivativos) e da Bovespa (bolsa de ações). Atualmente, é a única bolsa de valores mobiliários do Brasil. É também provedora tanto de serviços de contraparte central, como de custódia de títulos. Além disso, a BM&FBOVESPA ocupa posição destacada entre as maiores bolsas do mundo em valor de mercado e a segunda colocação no ranking das Américas (BM&FBovespa). Entretanto para chegar a essa união e tornar-se uma das maiores, muitos anos se passaram desde suas criações, pois a BM&F nasceu em Janeiro de 1986, já a Bovespa teve seu marco inicial em 1890, quando na oportunidade chama-se Bolsa Livre que perdurou até 1960, onde naquela oportunidade assumiu a característica de bolsa, passando a se chamar Bovespa. 13

14 Logo, pode ser dito de forma simples e direta que a BM&FBovespa, tem como função primordial, possibilitar que as companhias ali listadas possam captar recursos diretamente do público com o intuito de viabilizar o financiamento de suas atividades, assegurando que as operações sejam de fato realizadas, seja por meio de obtenção de garantias ou depósitos antecipados. Para melhor entender a forma como a bolsa opera se faz necessário conhecer o mercado primário e o mercado secundário dos quais se trata a seguir Mercado primário e secundário Como dito, as operações dentro do mercado de capitais podem ocorrer no chamado mercado primário ou no mercado secundário. Sendo assim, pode-se dizer que no mercado primário é onde os valores mobiliários, ou as ações propriamente ditas de uma determinada companhia, que acaba de abrir seu capital, são negociadas, ou seja, a operação se dá entre a companhia e os investidores. Os recursos obtidos são destinados para os projetos de investimento da empresa ou para o seu caixa. Já o mercado secundário é o local onde os investidores apenas transferem entre si a propriedade de parcelas (ações) de uma empresa anteriormente adquirida, ou seja, é a venda das partes das companhias a outros interessados, sendo que a empresa emissora desses títulos não participa mais deste processo. O mercado secundário subdivide-se em mercado de pregão e mercado de balcão a seguir evidenciado. Seguindo Jaffe (2008, p. 36) tem-se que o mercado primário é utilizado quando o governo e as empresas fazem a venda inicial de títulos. As empresas fazem dois tipos de vendas no mercado primário: oferta pública e colocações fechadas. Já Pinheiro (2001, p. 99) complementa dizendo que o mercado primário cumpre seu papel de obter novos sócios e canalizar seus recursos para execução de projetos de investimentos. Sobre o mercado secundário destaca-se: A função do mercado secundário, onde atuam as bolsas de valores, é dar liquidez ao investidor possibilitando que, no momento que realizar uma operação de venda, exista o comprador e vice-versa o que viabilizará o crescimento do mercado primário, e a consequente capitalização das empresas via mercado de ações (PINHEIRO, 2001, p.126) 14

15 Neste contexto fica visível que ambos os mercados explanados são importantes, entretanto para a empresa objeto de estudo da presente obra, é fundamental saber que após a emissão das ações no mercado primário, elas serão consequentemente negociadas no mercado secundário e quanto mais negociações, maior a visibilidade da empresa e sua possibilidade de uma segunda remessa de títulos ao mercado ser um sucesso. Quanto aos mercados de pregão e balcão evidencia-se que o mercado de pregão é o usual e mais conhecido, onde atuam as bolsas de valores, transferindo entre pessoas físicas e jurídicas os bens negociados, destacando-se a livre concorrência e a facilidade de aquisição e transferência imediata das ações ao público por meio de computadores ou outros mecanismos eletrônicos. Já no mercado de balcão, as transações ocorrem sempre por intermédio de um agente financeiro e é realizado fora da bolsa de valores, ou seja, não se tem um local especifico para a negociação acontecer. Segundo a CVM: [...] o mercado de balcão é um mercado de títulos sem local físico definido para a realização das transações que são feitas por telefone entre as instituições financeiras. O mercado de balcão é chamado de organizado quando se estrutura como um sistema de negociação de títulos e valores mobiliários podendo estar organizado como um sistema eletrônico de negociação por terminais, que interliga as instituições credenciadas em todo o Brasil, processando suas ordens de compra e venda e fechando os negócios eletronicamente (COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS CVM). Face ao exposto, fica claro que o mercado de balcão não é muito usual e conhecido, e que a empresa ao lançar suas ações na bolsa estará incorrendo em uma participação no mercado primário, mas que as movimentações de seus títulos no mercado secundário dependerão do crescimento e evolução própria, ou seja, fazer com que outros investidores venham a adquirir a renegociar entre eles ações já lançadas no mercado só acontecerá, se a empresa demostrar boas práticas mercadológicas com vistas à continuidade e rentabilidade futura de seus negócios. 2.2 Quando as empresas resolvem abrir o seu capital Tomar a decisão de abrir o capital de sua empresa é uma das decisões mais difíceis de tomar, pois o principal impacto de tal atitude é o compartilhamento com terceiros da empresa que sempre foi sua, de sua família ou então de alguns poucos sócios, ou seja, abrir o capital 15

16 significa que você está disposto a dividir em pequenas partes um percentual de sua empresa e disponibiliza-la no mercado para que qualquer pessoa possa adquirir; e lembre-se; você não tem o poder de escolher quem são as pessoas que irão se tornar donos de seu negocio juntamente com você. Entretanto, é chegado um momento em que a empresa por definição e pelo seu tamanho, julga que é necessário crescer mais, e realizar investimentos maiores ainda para continuar seu ciclo de expansão, e tendo por base, não mais fazer da forma convencional e recorrer a instituições financeiras pagando altos encargos para obtenção dos recursos, mas sim disponibilizando parte de seu capital para outros indivíduos através da oferta pública inicial de ações ao mercado (IPO), ganhando assim em diversificação de suas fontes de financiamento, aumento instantâneo em seu caixa, visibilidade no mercado, possibilidade de seus próprios colaboradores fazerem parte desse processo, possibilitando a eles melhor remuneração, aumento da liquidez do patrimônio atual dos sócios, e o principal, baixo custo de captação de recurso. Mas acima de tudo uma empresa abre o seu capital, porque considera e acredita que seu negocio é rentável o suficiente, estando disposta a investir o valor arrecadado em novos projetos buscando dessa forma imortalizar-se ficando visível e acessível a todo o resto do mercado Os processos necessários para abertura do capital Como citado anteriormente, uma oferta pública inicial de ações ao mercado é chamada de OPA, (ou em inglês, IPO Initial Public Offeringe). Segundo a comissão de valores mobiliários, tal oferta, para que seja bem sucedida deve ser muito bem estruturada e planejada, pois, as exigências deste mercado são mais elevadas que as usualmente praticadas pelas companhias de capital fechado. O primeiro passo é sem duvida elaborar a alteração contratual ou estatutária nos moldes da Lei 6.404/76, atualizada pela /07, e observando ainda a instrução CVM nº 202, para assim transformar-se de sociedade limitada para sociedade por ações. Após o ato deve ser arquivado junto ao órgão de registro. Normalmente a Junta Comercial. O processo de abertura de capitais de uma empresa irá envolver diversos agentes externos, tais como, auditoria, bancos e consultoria, além de todos os controles internos da 16

17 companhia. Neste sentido a Comissão de Valores Mobiliários destaca como sendo obrigatórios os seguintes órgãos, com as funções conforme segue: Os auditores: têm a função de auditar e revisar as demonstrações financeiras, bem como avaliar se as informações financeiras apresentadas no documento de oferta são apropriadas e consistentes, reduzindo o risco de divulgação de informações divergentes dos registros contábeis que possam ocasionar interpretações incorretas sobre dados financeiros contidos no documento de oferta. Os advogados: pela elaboração do prospecto, além de estruturações societárias, como transformação de uma sociedade limitada (Ltda.) em uma sociedade por ações (S.A.), alterações na estrutura societária da empresa, bem como estruturar e organizar seu estatuto social. Os bancos: definem, com a Companhia, as características do IPO, como volume de recursos a ser captado, composição entre primária e secundária, definição da faixa de preço (valor de oferta da ação), marketing da oferta, roadshow e bookbuilding ( precificação e alocação das ações da oferta). A consultoria: especializada é capaz não só de assessorar a Companhia na preparação adequada para um processo de abertura de capital, mas também na obtenção do pleno entendimento desse processo, suas respectivas etapas e implicações (COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS CVM). Além das entidades mencionadas, é minimamente necessário que a estrutura interna da companhia esteja alinhada e preparada para suportar tal feito, de modo à demostrar ao investidos interessado seu comprometimento com a continuidade do processo de expansão. Neste aspecto como pontos internos a observar na ocasião da abertura de capitais tem-se: No que tange à análise e adequação da estrutura interna da companhia, é de relevante importância à revisão e o aprimoramento de processos e estruturas internas, sistemas e controles, formação de comitês e conselhos, aspectos de Governança Corporativa, avaliação dos aspectos tributários e contingências e preparação da companhia para atender às exigências da bolsa de valores, entre outros. Para que a transição nos procedimentos internos ocorra da melhor forma. O ideal é ter parceiros que possam aconselhar, diagnosticar e mapear a gestão antes de se candidatar a oferta pública inicial (COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS CVM). Diante disso, e se observadas as necessidades internas e externas citadas, a empresa estaria diminuindo as chances de sua oferta inicial ser um fracasso, além de cumprir com os requisitos impostos, pois, ter definido as politicas que nortearão a companhia, bem como a proposta de governança corporativa, são pontos que todos os investidores que se baseiam-se na técnica da analise fundamentalista irão observar. Outro ponto que merece destaque são os custos envolvidos neste processo de captação de recursos através da abertura do capital. Nesse aspecto destacam-se como relevante os custos com taxas, anuidades para o atendimento das exigências legais, custos de publicação, publicidade e marketing, custos de intermediação financeira, custos com advogados e 17

18 auditores, custos internos da empresa para implementação de canais de atendimento ao investidos, melhora nos controles internos e custo com consultores. Face ao exposto e tendo concluído as exigências internas das empresas; melhorado e aprimorado seus controles, instituído a governança corporativa, a auditoria independente e o canal de relacionamento com o investidor, o próximo passo é solicitar o registro de companhia aberta junto à Comissão de Valores Mobiliários, que normalmente tem os prazos indicados na figura a seguir. Quadro demonstrativo do fluxograma de processos com respectivos prazos. No momento de solicitação do registro como companhia aberta a empresa já deverá solicitar a autorização para a Comissão de Valores Mobiliários para realizar uma venda de ações e consequentemente sua listagem junto a BM&FBovespa, definindo neste momento o seu nível de governança corporativa. Tal venda de ações é chamada de oferta pública inicial ou simplesmente OPA. 18

19 2.3 Oferta pública inicial - IPO Concluídas as estruturações na empresa, tais como, implementações dos programas de governança corporativa, auditoria interna e externa, canal de relacionamento com os investidores, adoção das normas contábeis evidenciando as informações financeiras, treinamento do pessoal da contabilidade e finanças para lidar com os investidores, elaboração e montagem de divulgações ao mercado, implementação do conselho de administração, contratação dos intermediários financeiros e assessores externos, e estando de posse do registro junto à Comissão de Valores Mobiliários a da autorização para oferta inicial de ações bem como a listagem na bolsa de valores é chegado o momento de lançar as ações no mercado de capitais. Logo, após efetuar a comunicação ao mercado da quantidade disponibilizada e sua expectativa inicial de preço, através de comunicado oficial aprovado pela Comissão de Valores Mobiliários, é só aguardar para arrecadar os recursos necessários para ampliação nas atividades produtivas da empresa. Diante do exposto, é minimamente necessário conhecer os tipos de ações que podem existir e chegar ao público em geral. Dito isso, têm-se as ações ordinárias e as preferenciais, sendo: As ações ordinárias são as que comandam a assembleia de acionistas das empresas, conferindo assim ao titular o direito a voto, tendo poderes de eleger e destituir os membros do conselho fiscal das entidades, bem como decidir sobre o destino dos lucros, reforma nos estatutos, autorizar emissão de mais debentures, entre outras. Cada ação ordinária da direito a um voto. As ações preferenciais, por outro lado, não atribuem aos seus detentores direito a voto, porem conferem-lhes diretos preferenciais a: recebimento de dividendos (normalmente a um percentual mais elevado que as outras), prioridade no reembolso do capital na hipótese de dissolução da empresa, sendo que para este, o lucro é mais importante que o controle da companhia (ASSAF NETTO, 2008, p. 49). Logo fica notável a diferença entre ambas, ou seja, basicamente uma prioriza o controle da companhia com participação menor nos lucros e a outra o inverso desta afirmação, cabendo dessa forma ao investidor avaliar qual se encaixa no seu perfil. 19

20 2.4 Análises de investimentos Dentro do grande campo da análise de investimentos figuram a analise técnica e a analise fundamentalista Análise técnica A análise técnica basicamente observa o comportamento dos gráficos, como principal fator para a tomada de decisões, sendo que na grande maioria das vezes as decisões são tomadas para curto prazo, diferentemente da análise fundamentalista. Neste sentido, segundo John J. Murphy, (1991): análise técnica é o estudo dos preços, volumes e contratos em aberto do mercado, principalmente através do uso de gráficos, visando prever as tendências futuras de preços. Logo, a análise técnica é o estudo dos movimentos do mercado, principalmente pelo uso de gráficos, com o propósito de prever futuras tendências no preço, partindo da ideia principal de que a história se repete. Dito isso, essa forma de análise tenta encontrar o comportamento das linhas do gráfico, visando antever quedas ou altas, identificando assim o melhor momento de compra ou venda. Logo, a análise técnica é muitas vezes chamada de análise grafista, justamente por ser voltada exclusivamente para o comportamento destes instrumentos gráficos. Tal análise embora muito interessante não é o objeto de estudo da presente obra, embora o autor há considere importante e aprecie seus usuários e suas técnicas de aplicação Análise fundamentalista Diferentemente da análise técnica a análise fundamentalista é um instrumento utilizado para verificação quantitativa da empresa, sendo que o analista vai desmembrar todos os indicadores possíveis, no tocante a parte financeira/contábil e econômica, observando ainda o contexto internacional, politico, social e o segmento organizacional. O principal objetivo dessa forma de análise está na verificação dos indicadores para chegar ao chamado preço justo da empresa ou simplesmente valuation, sendo possível, 20

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES Prof Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

Avaliação de Investimentos em Participações Societárias Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA I 7º Termo de Ciências Contábeis Profª MSc. Maria Cecilia Palácio Soares Regulamentação do Método da Equivalência Patrimonial

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br MERCADO DE CAPITAIS É um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

Mercado de Ações O que são ações? Ação é um pedacinho de uma empresa Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela Sendo mais formal, podemos definir ações como títulos nominativos negociáveis

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas

Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas O Bovespa Mais, um dos segmentos especiais de listagem administrados pela BM&FBOVESPA, foi idealizado para tornar o mercado acionário brasileiro

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Julho/2008 Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Principal instrumento de captação de recursos de médio e longo prazos, a debênture representa para muitas companhias a porta de entrada no mercado

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1

PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1 PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1 1.1 - Aspectos Introdutórios 1.1.1 - Objetivos Básicos Tais operações tratam de modalidades de reorganização de sociedades, previstas em lei, que permitem às empresas,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

CVM COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS e BM&F BOVESPA BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS 28/03/2014. Prezados Senhores.

CVM COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS e BM&F BOVESPA BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS 28/03/2014. Prezados Senhores. À CVM COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS e BM&F BOVESPA BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS 28/03/2014 Prezados Senhores. Em atendimento ao art.21 inciso VIII da Instrução CVM 480/09, segue abaixo as

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o objetivo de proporcionar liquidez

Leia mais

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015 Guia dos Emitentes Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria Data: 17/12/2015 Agenda Objectivos do Guia dos Emitentes Admissão de Valores Mobiliários nos Mercados Regulamentados Alternativas

Leia mais

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários Mercado de capitais Mercado de capitais Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br www.marcoarbex.wordpress.com O mercado de capitais está estruturado para suprir as necessidades de investimento

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Bertolo CAPÍTULO 3 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONCEITOS PARA REVISÃO Devido aos investidores basearem as suas decisões de compra e venda em suas expectativas sobre a performance futura da empresa,

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

Direcional Engenharia S.A.

Direcional Engenharia S.A. 1 Direcional Engenharia S.A. Relatório da Administração Exercício encerrado em 31 / 12 / 2007 Para a Direcional Engenharia S.A., o ano de 2007 foi marcado por recordes e fortes mudanças: registramos marcas

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS. Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I.

COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS. Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I. UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 3 COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS Autor: Francisco Cavalcante Circular para: CAVALCANTE& ASSOCIADOS AOS NOSSOS LEITORES Up-To-Date

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO

O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO Antônio Emygdio Circuito Universitário CVM 2ª Semana Nacional de Educação Financeira http://www.semanaenef.gov.br http://www.vidaedinheiro.gov.br Agenda 1. Mercado de Capitais

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015 - 2015 Prova de Análise das Demonstrações Comentada Pessoal, a seguir comentamos as questões de Análise das Demonstrações Contábeis aplicada na prova do TCU para Auditor de Controle Externo (2015). Foi

Leia mais

Mercado de Capitais. Análise Fundamentalista. Professor: Roberto César

Mercado de Capitais. Análise Fundamentalista. Professor: Roberto César Mercado de Capitais Análise Fundamentalista Professor: Roberto César Análise Fundamentalista A análise fundamentalista é um importante instrumento utilizado para a análise de investimento em ações. O princípio

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS

COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS! Qual o preço de lançamento de cada nova ação?! Qual a participação do novo investidor no capital social?! Por que o mercado

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO

BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESSE PROSPECTO ESTÃO EM CONSONÂNCIA COM O REGULAMENTO DO FUNDO, PORÉM NÃO O SUBSTITUI.

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Critérios e vantagens para as empresas que optam pela abertura de capital 1

Critérios e vantagens para as empresas que optam pela abertura de capital 1 245 Critérios e vantagens para as empresas que optam pela abertura de capital 1 UMINO, Cássia Akiko 2 ALCANTARA NETTO, Dimas de Barros 3 Introdução O presente texto tem como objetivo tratar do trabalho

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO

ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO A interpretação introdutória ao estudo da riqueza patrimonial Anderson Souza 1 Na última quarta-feira (dia 14/03/2013), ao ministrar o conteúdo programático relativo ao

Leia mais

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto *

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * O mercado de capitais brasileiro vai fechar o ano de 2007 consolidando a tendência estrutural

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE

COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE! Como calcular o fluxo de caixa! Qual a fórmula para determinar a capacidade de pagamento! Como analisar a liquidez Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA! Os custos! As vantagens! Os obstáculos! Os procedimentos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo.

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo. MERCADO DE CAPITAIS 01/12/2015 CVM ALTERA INSTRUÇÃO QUE DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO, A ADMINISTRAÇÃO, O FUNCIONAMENTO, A OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO E A DIVULGAÇÃO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

Leia mais

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Prezados(as), para fins de revisão de alguns pontos da disciplina de Análise das Demonstrações Contábeis, exigida no concurso para Auditor Federal de

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Visando a redução de riscos nos investimentos internacionais, além de ter mais facilidade de comunicação internacional no mundo dos negócios, com o uso de

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 7 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Análise da Viabilidade Econômica O que é Economia? É a ciência que se preocupa em administrar escassos recursos disponíveis

Leia mais

Curso Introdução ao Mercado de Ações

Curso Introdução ao Mercado de Ações Curso Introdução ao Mercado de Ações Módulo 1 www.tradernauta.com.br I - Sistema Financeiro Nacional CMN Conselho Monetário Nacional Min. Fazenda, Min. Planej., Pres. BaCen Banco Central Mercado Cambial,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.)

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2013 e Relatório dos Auditores

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 25. Circular para: CAVALCANTE ASSOCIADOS

Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 25. Circular para: CAVALCANTE ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 25 INDICADOR DE COBERTURA DO SERVIÇO DA DÍVIDA E O EBITDA (Earnings Before Interests, Taxes, Depreciation and Amortization) Indicador de cobertura e análise de cenários EBITDA

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures

OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 Oi S.A. (atual denominação de BRASIL TELECOM S.A.) 8ª Emissão

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais