RESUMO. Palavras-chave: Avaliação de empresas. Valor. Fluxo de Caixa Descontado. ABSTRACT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO. Palavras-chave: Avaliação de empresas. Valor. Fluxo de Caixa Descontado. ABSTRACT"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS VALUATION Ileane Raymundo Padovani Jéssica Ariádne Maziero - Lorena Barbosa Vieira Maria Cristiana de Medeiros Irso Tófoli Heloisa Helena Rovery da Silva - RESUMO O termo inglês Valuation - valor estimado ou valor justo é expresso na língua portuguesa como Avaliação de empresas. Este conceito vem se destacando no meio corporativo devido à grande importância que se tem dado ao conhecimento do valor das empresas, seja para aplicá-lo em casos de fusões, aquisições, acompanhamento do desempenho dos administradores ou até mesmo como ferramenta de gestão para tomada de decisões. Este artigo tem por objetivo abordar os métodos de Valuation e trazer conhecimento sobre um tema pouco explorado na Contabilidade, pelo fato de não abordar somente o que se mensura nos demonstrativos contábeis, pois além destes considera também como ponto importante as reações de mercado, sendo necessária aplicação de alguns conceitos financeiros. Com base para elaboração do estudo de caso foi aplicado o método de Fluxo de Caixa Descontado, por ser o mais utilizado entre os avaliadores e definido pelos autores pesquisados como o mais abrangente por contemplar todos os elementos que afetam o valor da empresa. Palavras-chave: Avaliação de empresas. Valor. Fluxo de Caixa Descontado. ABSTRACT The English term Valuation - estimated value or fair value is expressed in the English language as "Business Valuation". This concept has been highlighted in the corporate environment due to the great importance has been given to understanding the value of companies, is to apply it in cases of mergers, acquisitions, performance monitoring of managers or even as a management tool for decision-decisions. This article aims to consider methods of Valuation and bring awareness to a relatively unexplored subject in Accounting, for not only address what is measured in the financial statements, as well as a point of view the reactions of important market, and required application of some financial concepts. Basis for the preparation of the case study method was used Discounted Cash Flow, to be the most used among the evaluators surveyed and defined by the authors as the most comprehensive to contemplate all the elements that affect the value of the company. Keywords: Valuation of companies, Value, Discounted Cash Flow. - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 2, n.4, jul/dez de

2 INTRODUÇÃO Em face ao crescimento da economia e toda sua capacidade informativa, muitos estudiosos vem se dedicando a desenvolver ferramentas que permitam avaliar uma organização. Esta nova tendência vem despertando grandes interesses, sobretudo de empresários e investidores. A Teoria das Finanças e também a Teoria da Contabilidade fornecem conceitos e técnicas de avaliação de empresas, no entanto são as transações ocorridas de fato em um mercado, influenciadas por vários fatores circunstanciais, que determinam verdadeiramente o preço de um ativo. As técnicas de Valuation expressam um fascinante desafio. Tem como objetivo dar valor a uma empresa de forma justa, de maneira a utilizar as informações fornecidas, para que as melhores decisões sejam tomadas. Existem vários modelos de avaliação de empresas. Os mais conhecidos são a Avaliação Patrimonial, Avaliação Patrimonial de Mercado, Avaliação com base no Lucro Econômico, Avaliação com base nos Fluxo de Caixa Descontado, Avaliação por Opções Reais e Avaliação Relativa ou por Múltiplos conforme Costa, Costa e Alvim (2010). Um dos modelos mais utilizado é o Fluxo de Caixa Descontado. Segundo Costa, Costa e Alvim (2010), esse modelo se sobressai dos outros por levar em conta os fluxos de caixa futuros e por apresentar mecanismos indispensáveis para conclusão do resultado como a tempestividade que representa a capacidade, o tempo em que são gerados os fluxos e sua relação com o valor da empresa, a magnitude que faz referência a proporção do fluxo e a relação com o valor da empresa e o risco, que quanto maior, resultará em taxa de desconto maior e consequentemente o valor da empresa será menor. O processo de avaliação de empresas é recente e pouco se discute sobre o assunto, principalmente no que diz respeito às técnicas de Valuation. No entanto, os resultados obtidos deste processo são incontestáveis para tomadas de decisões. Seus resultados podem ser usufruídos por empresários, investidores, credores, acionistas e por qualquer um que demonstre interesse nos resultados da empresa. Por essa novidade decidiu-se desenvolver esse trabalho com o objetivo de - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 2, n.4, jul/dez de

3 conhecer as técnicas de valoração de empresas e os procedimentos para avaliação e análise dos resultados. Os métodos de pesquisa utilizados foram o Método de observação sistemática, o Método histórico e o Método de estudo de caso. 1 CONCEITOS E MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS O processo de avaliação de empresas vem se destacando no meio corporativo devido à necessidade de conhecer adequadamente o valor de um empreendimento. Segundo Copeland, Koller e Murrin (2002), o valor de uma empresa deve ser compreendido claramente por seus CEOs (Chief Executive Officers) e administradores de forma que suas habilidades sejam fundamentais na tomada de decisão. Além disso, essa informação é indispensável para acionistas e investidores que tenham interesses no desempenho de uma organização. Para Falcini (1995), o valor da empresa serve como balizador para a negociação entre compradores e vendedores. Conforme Costa, Costa e Alvim (2010), existem diferentes metodologias para mensurar o valor de uma empresa, porém, nenhuma representa o seu valor exato, pois, apesar de técnicas avançadas, os estudos são realizados com base em premissas e hipóteses comportamentais resultando em um valor aproximado. Entretanto, segundo Perez e Famá (2003), existem métodos de avaliação mais consistentes que se revelam tecnicamente mais adequados em respeito às circunstâncias de avaliação e à qualidade das informações disponíveis. Para Costa, Costa e Alvim (2010) é importante ressaltar que cada processo avaliativo possui características próprias e que a qualidade de uma avaliação é diretamente proporcional à qualidade dos dados, das informações e do tempo destinado à compreensão do objeto avaliado. 2 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Segundo Cornell (1993), existem quatro métodos de avaliação de empresas muito usados na prática: o método do valor contábil ajustado, o método de valor de mercado das dívidas e das ações, o método de comparação direta e o método de fluxo de caixa descontado. Neste artigo será abordado o Método do Fluxo de Caixa Descontado, que - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 2, n.4, jul/dez de

4 projeta os fluxos de caixa futuros e os desconta a valor presente. 3 MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO O fluxo de caixa descontado é um método para avaliar a riqueza econômica de uma empresa dimensionada pelos benefícios de caixa a serem agregados no futuro e descontados por uma taxa de atratividade que reflete o custo de oportunidade dos provedores de capital. O fluxo de caixa descontado (FCD) é a principal metodologia utilizada para se avaliar empresas. A abordagem do FCD é amplamente utilizada por bancos de investimentos, consultorias e empresários quando querem calcular o valor de uma empresa, seja para fins internos, de análise de investimentos ou para fusões e aquisições. Ao avaliar uma empresa, objetivamos alcançar o valor justo de mercado, ou seja, aquele que representa de modo equilibrado, a potencialidade econômica de determinada companhia. Entretanto, o preço do negócio somente será definido com base na interação entre as expectativas dos compradores e vendedores. Não existe um valor correto para um negócio. Pelo contrário, ele é determinado para um propósito específico, considerando as perspectivas dos interessados. (MARTINS, 2001, p.263). Considerando que as empresas não possuem prazo de vida determinado, dado o princípio da continuidade, o cálculo de seu valor é baseado na estimativa de fluxos infinitos. Segundo Damodaram (1997), essa metodologia é a mais fácil de ser utilizada em empresas que apresentam fluxos de caixa positivos, os quais possam ser estimados de maneira confiável para períodos futuros, onde exista um substituto para risco que possa ser utilizado para a obtenção de taxas de desconto. A técnica de avaliação por fluxo de caixa descontado captura todos os elementos que afetam o valor da empresa de maneira abrangente e, sendo uma técnica de natureza econômica, reflete de forma mais consistente o valor da empresa do que o valor obtido a partir de técnicas contábeis, as quais baseiam-se no lucro e não consideram o investimento exigido para gerar os lucros nem o momento em que eles ocorrem. 4 INDICADORES CONTEMPLADOS NO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 2, n.4, jul/dez de

5 Conforme Assaf Neto (2005), os indicadores contemplados no fluxo de caixa descontado (FCD) são: a) Capital Asset Pricing Model (CAPM): modelo de finanças que determina o preço de um Ativo utilizando a relação risco x retorno. Trata-se de um modelo de apreçamento de ativos de capital. Determina o custo do capital próprio. Fórmula: CAPM = Kj = Rf + [βj x (Km Rf)] Onde:Rf = taxa livre de risco do ativo J β = Coeficiente Beta do ativo J Km = retorno do mercado O Coeficiente Beta (β) é o coeficiente de risco da ação de uma empresa com relação a um índice de mercado que represente de maneira adequada o mercado acionário como um todo. b) Taxa Selic (Sistema Especial de Liquidação e de Custódia): índice balizador das taxas de juros cobradas pelo mercado brasileiro. c) Taxa de desconto: Rentabilidade do Patrimônio Líquido do segmento. d) Valor Presente: corresponde ao valor futuro descontado a determinada taxa de juros. Fórmula: VP= [FC 1 / (1+k) 1 ]+[FC 2 / (1+k) 2 ] +[FC 3 / (1+k) 3 ] [FC n / (1+k) n ] e) Free Cash Flow: Fluxo de Caixa Livre, com a fórmula: Vp + VpValor Residual f) Prêmio de Risco de Mercado: Valor pago por um investimento acima de uma taxa livre de risco. Diferença entre a taxa de juros com riscos e outra livre de riscos. 5 ESTUDO DE CASO Para a projeção de valores futuros é necessário considerar dados do mercado e da empresa que darão diretrizes para o processo de avaliação. Todas as informações encontradas fazem parte da resposta do ambiente a que a empresa está inserida e seu mercado de atuação. O presente estudo de caso foi realizado em uma empresa do ramo frigorífico, com capital aberto e ações negociadas na bolsa. - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 2, n.4, jul/dez de

6 Para projeção dos valores é necessário considerar as reações da economia, chamadas premissas, que segundo Assaf Neto (2005), podem influenciar direto ou indiretamente no resultado da empresa. São hipóteses, condições e fatores que para propósitos de planejamento são consideradas certas, reais e seguras. As premissas contempladas para este estudo foram: a) crise imobiliária americana b) inflação c) embargos à carne brasileira d) crise das commodities e) investimentos no mercado chinês f) instabilidade na taxa de câmbio g) avanço do índice IGP-M 6 FLUXO DE CAIXA DESCONTADO PROJETADO Segundo Assaf Neto (2005), para empresas deste porte, sugere-se uma projeção de 15 anos, porém, para efeito acadêmico adotou-se a projeção para 10 anos Quadro 2, haja vista que se pretende apresentar o modelo de avaliação pelo FCD e não necessariamente o valor efetivo da empresa. As projeções previstas assentam-se em: Vendas Líquidas, CMV, Despesas Operacionais, Outras Despesas Variáveis, Despesas Fixas, Depreciação, EBIT, NOPAT, Variação NCG, Capex, Cash Flow, Valor Residual e Free Cash Flow. Ainda no Quadro 2, são contemplados alguns indicadores que Assaf Neto (2005) assim resume: a) Taxa de Desconto Livre de Risco ou Risk Free Return) rendimento pago por um investimento considerado sem risco, exemplo, os títulos públicos. b) Coeficiente Beta medida do risco sistemático (não diversificável), utilizado para se calcular o custo do capital próprio. Constitui-se no elemento de maior dificuldade de ser apurado, pois para sua identificação, busca-se no mercado uma amostra de empresas do mesmo setor e com características, tanto operacionais, como financeiras semelhantes à da empresa avaliada. c) Taxa de Retorno de Mercado rentabilidade oferecida pelo mercado em - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 2, n.4, jul/dez de

7 sua totalidade e representada pela carteira de mercado d) Prêmio pelo Risco de Mercado diferença entre o retorno entre a carteira de mercado e a taxa de juros livre de risco, indicando o quanto o mercado para em excesso à remuneração de títulos considerados sem risco. 7 PROCEDIMENTOS PARA AS PROJEÇÕES DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO Os números apresentados no FCDE (Quadros 2 e 3) foram calculados em conformidade com as perspectivas descritas nos tópicos abaixo. 7.1 Receitas líquidas Em 2011, foram consideradas as informações contábeis do primeiro semestre de 2011 publicadas pela empresa e, por ter apresentado prejuízo no período em função de alterações no seu mercado, projetou-se o segundo semestre correspondente a 70% do primeiro. Além disso, atentou-se para o cenário econômico vivenciado pelas economias européias de retenção de consumo. Em 2012, foi projetado um crescimento de 10% em relação ao exercício anterior, prevendo uma recuperação de mercado da empresa, em conformidade com as premissas levantadas. Em 2013, foi projetado um crescimento de 12%, considerando a maior participação no comércio exterior, mormente a China que prevê elevação no consumo de carne bovina. De 2014 a 2020 projetado crescimento vegetativo na ordem de 5%aa. 7.2 Custo da mercadoria vendida Em 2011 foi respeitada a mesma proporção em relação ao faturamento líquido praticada no primeiro semestre do ano, que superou os exercícios anteriores. Em 2012 e 2013 projetou-se uma recuperação da participação do CMV nas Receitas na ordem de 2 pontos percentuais. De 2014 a 2020 retorno à media praticada em períodos anteriores, ou seja a de 85% do valor das receitas. - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 2, n.4, jul/dez de

8 7.3 Despesas operacionais De 2011 a 2013 foi projetado um crescimento de 20% para ambos os anos, considerando as acomodações naturais advindas das prováveis vendas da empresa. De 2014 a 2020 crescimento vegetativo de 5% ao ano. 7.4 Net operating after taxes NOPAT Calculou-se o lucro operacional da empresa, líquido do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro. Esta prática considera os resultados da empresa estritamente em suas atividades operacionais, sem considerar a incidência de encargos financeiros oriundos da captação de capital exógeno. 7.5 Depreciação Nesta rubrica considerou-se o valor da Depreciação, extraída de cálculo do EBITDA, constante de relatórios da empresa, no ano de Nos demonstrativos contábeis da empresa e/ou daqueles publicados na Bolsa de Valores de São Paulo não há identificação dos valores contábeis correspondentes à Depreciação. Assim, projetou-se sua participação nos estudos, considerando sua repetição em 2011 e reduções sistemáticas nos exercícios seguintes. Esta prática se justifica em virtude de não ser contemplada na análise a expansão da estrutura da empresa (CAPEX). Os valores da depreciação são adicionados ao lucro operacional, em virtude de não corresponderem a saídas efetivas de caixa e sim a uma perda apenas econômica e não financeira. 7.6 Earning before interests, taxes, depreciation and amortization - EBTIDA Trata-se do resultado operacional da empresa, antes dos impostos, taxas, depreciação e amortização, que representa a sua geração operacional de caixa, ou seja, o quanto ela gera de recursos apenas das suas atividades operacionais, sem levar em consideração os efeitos financeiros e de impostos. Equivale ao fluxo operacional de caixa identificando a capacidade financeira que a empresa tem para remunerar os credores acionistas com os dividendos, os terceiros, com juros e principal e o Imposto de Renda. - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 2, n.4, jul/dez de

9 7.7 Variação da necessidade de capital de giro A necessidade de capital de giro, conforme Assaf Neto (2005, p. 481), reflete o volume de recursos demandado pelo ciclo operacional da empresa, determinado em função de suas políticas de compra, vendas e estocagem. Resulta da diferença entre o Ativo Circulante Operacional e o Passivo Circulante Operacional. Os números encontrados nos demonstrativos contábeis indicaram uma necessidade de capital de giro, em 2010, na ordem de R$ ,00, valor que foi repetido durante todo o ciclo projetado, em virtude de não se prever alterações no ciclo operacional da empresa. 7.8 Capital expenditures CAPEX Referem-se aos investimentos incrementais, como máquinas, equipamentos, edificações, logística, novos projetos de investimentos. Para esta análise, não se projetou a expansão. 7.9 Valor residual A empresa existirá após o período projetado, gerando caixa e realizando normalmente suas atividades operacionais, proporcionando assim o crescimento de seus fluxos de caixa. Adotou-se o modelo proposto por Assaf Neto (2005), onde o valor residual é determinado pelo fluxo de caixa projetado para o período contínuo, que se expressa pela média aritmética simples dos resultados econômicos estimados para os três anos precedentes Capital asset pricing model - CAPM O modelo de precificação de ativos (CAPM) permite apurar a taxa de retorno requerida pelos investidores. Esta ferramenta contempla alguns valores como a taxa de juros livre de risco (Rf), que geralmente são utilizadas as taxas médias de juros dos títulos públicos de longo prazo emitidos pelo governo americano; o coeficiente Beta (β) entendido como a medida de risco sistemático da empresa em avaliação risco que não se elimina com a diversificação - e é encontrado no mercado de - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 2, n.4, jul/dez de

10 referência com amostra de empresas do mesmo setor e com características operacionais e financeiras semelhantes às da companhia em avaliação; e o retorno da carteira de mercado (Rm) calculado de acordo com a média das taxas de rentabilidade do mercado de ações publicadas em certo intervalo de tempo. (ASSAF NETO, 2005). Ainda conforme Assaf Neto (2005, p. 257), a carteira de mercado do Brasil pode ser representada pela carteira Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) e, referindo-se ao coeficiente Beta, Assaf Neto (2005, p. 374) assim se manifesta: o coeficiente Beta usado no modelo de CAPM do Brasil será sugestivamente obtido por benchmarking. A prática aplicada neste trabalho foi a de benchmarking. Foi analisado o desempenho das ações da empresa, de 03/01 a 23/09/2011, apontando suas variações no interregno, assim como o desempenho das ações que compõem a Bovespa, no mesmo período. O mesmo processo foi repetido para o ano de 2010, para ambos os desempenhos. Sobre os resultados obtidos foram calculadas as médias correspondentes, suas correlações e covariâncias, encontrando-se assim o seu Beta contemplado nos cálculos de identificação do custo do capital próprio da empresa. Para determinação da taxa de retorno livre de risco (Rf), utilizou-se a taxa Selic, de setembro de 2011, e para o prêmio de risco de mercado, levou-se em consideração a média brasileira de 8% excedente à Rf, conforme Capitalaberto (2011) Weighted average cost of capital WACC Trata-se do custo médio ponderado de capital onde são encontradas as fontes de financiamentos da empresa, ponderadas pelas suas participações no investimento total realizado no período. Na fórmula foram contemplados o valor do capital próprio encontrado no CAPM e o custo do capital de terceiros livre do imposto de renda, obtido pela divisão entre os encargos financeiros e os passivos onerosos, menos os valores correspondentes ao cálculo da alíquota do Imposto de Renda e da Contribuição Social sobre o Lucro. Para elaboração do custo de capital da empresa, utilizou-se a fórmula do WACC, onde são contempladas proporcionalmente as participações dos capitais - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 2, n.4, jul/dez de

11 envolvidos no investimento total, quais sejam o patrimônio líquido e os passivos onerosos, assim como os seus respectivos custos. Para o custo do capital próprio, utilizou-se a técnica do CAPM, encontrando um valor na ordem de 17,6%, com a seguinte composição: Rf de 12%, do Beta de 0,7, Rm de 20% e consequente prêmio pelo risco de mercado de 8%. O custo do passivo oneroso respeitou a relação entre o valor dos encargos financeiros implicados, livres do imposto de renda, e o valor do endividamento da empresa, conforme Quadro 1 a seguir. Fonte: elaborado pelos autores, 2011 Quadro 1 Cálculo do WACC da empresa Fonte: Elaborado pelos autores, 2011 Quadro 2 - Fluxo de Caixa Descontado da Empresa Projetado a 2013 O Quadro 2 apresenta as projeções dos exercícios contábeis de 2011 a 2013, - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 2, n.4, jul/dez de

12 tomando por base os resultados de 2009 e 2010 e as premissas de mercado contempladas trazidos a valor presente de caixa. Fonte: Elaborado pelos autores, 2011 Quadro 3 - Fluxo de Caixa Descontado da Empresa Projetado 2014 a 2020 O Quadro 3 apresenta as projeções dos exercícios contábeis de 2014 a 2020, aplicando crescimento vegetativo de 5% trazidos a valor presente de caixa, incluindo o valor residual, apurando-se o valor da empresa em R$ ,00. Considera-se fundamental reforçar que o valor apurado sustentou-se na avaliação dos momentos passados da empresa, das premissas de mercado, do cenário nacional e internacional. 8 ANÁLISE DE SENSIBILIDADE A 2 PONTOS PERCENTUAIS Conforme Tófoli (2008, p. 130), a análise de sensibilidade é a simulação feita com as variáveis que mais diretamente interferem nos resultados da empresa e, neste caso, utilizou-se a variação do custo de capital da empresa estagiada, oscilando em dois pontos percentuais do custo utilizado para obtenção do custo de capital da empresa, fundamental para o cálculo dos valores presentes das gerações - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 2, n.4, jul/dez de

13 de caixa, no período projetado. O Custo de Capital encontrado como resultante da aplicação das fórmulas do CAPM e WACC foi de 14,36% e, para verificação do valor da empresa em patamares diferente, calculou-se o menor valor esperado na relação de 12,36%, encontrando a cifra de R$ ,00 e o maior valor esperado na relação de 16.36%, com o importe de R$ ,00. Em síntese, o valor da empresa calculado através do método do Fluxo de Caixa Descontado encontra-se entre os valores de R$ ,00 e R$ ,00. Fonte: elaborado pelas autoras Quadro 3 - Análise de sensibilidade a 2 pontos percentuais CONCLUSÃO Durante o estudo, privilegiou-se o método de avaliação de empresas conhecido como Método do Fluxo de Caixa Descontado, por ser o processo mais indicado pela maioria dos autores e pesquisadores, não obstante a farta gama de métodos existentes e disponíveis. Foram levantados os dados contábeis disponíveis, as informações correlatas necessárias, pesquisou-se as premissas no mercado e elaborou-se as planilhas que sintetizam os números calculados e projetados. Não obstante tratar-se de um trabalho de pesquisa voltado ao modus - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 2, n.4, jul/dez de

14 operandi do método de valoração, isto é sua forma de elaboração, e não efetivamente o valor justo da empresa estagiada, buscou-se projetar os dados futuros sustentados em premissas reais, existentes e pesquisáveis, para os primeiros exercícios e estabelecendo uma evolução vegetativa de 5% ao ano. A experiência foi produtiva, pois exigiu do grupo uma pesquisa aprofundada e prolongada, extraindo novos conhecimentos, novos conceitos provocando o interesse da continuidade de evoluir nas pesquisas neste assunto e outros pertinentes à contabilidade. REFERÊNCIAS ASSAF NETO, A.. Finanças Corporativas e Valor. 2 ed. São Paulo: Atlas, CAPITALABERTO, Captações. Revista Capitalaberto Disponível em <http://www.capitalaberto.com.br/secao.php?pag=2&sec=120&i=120> acesso em 25 nov COPELAND, T.; KOLLER, T; MURRIN, J. Avaliação de Empresas Valuation: Calculando e gerenciando o valor das empresas. Tradução Allan Vidigal Hastings. 3. ed. São Paulo: Makron Books, CORNELL, B. Corporate Valuation: Tools for Effective Appraisal and Decision Making. Homewood: Business One Irwin, COSTA, L. G. T. A; COSTA L. R. T. A; ALVIM, M. A, Valuation: manual de avaliação e reestruturação econômica de empresas. São Paulo: Atlas DAMODARAN, A. Avaliação de investimentos: ferramentas e técnicas para determinação do valor de qualquer ativo. Rio de Janeiro: Qualitymark FALCINI, P. Avaliação econômica de empresas: técnica e prática. São Paulo: Atlas, MARTINS, E. Avaliação de Empresas: da mensuração contábil à econômica. São Paulo: Atlas, PEREZ, M. M.; FAMÁ, R. Métodos de Avaliação de Empresas e a Avaliação Judicial de Sociedades: uma Análise Crítica. VI SEMEAD FEA-USP, São Paulo, TOFOLI, I. Administração financeira empresarial, uma tratativa prática. 1 ed. Campinas: Arte Brasil, Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 2, n.4, jul/dez de

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

A AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO PELO MÉTODO FCD NA MAXIMIZAÇÃO DO VALOR DA EMPRESA Silvano Santiago Malta 1

A AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO PELO MÉTODO FCD NA MAXIMIZAÇÃO DO VALOR DA EMPRESA Silvano Santiago Malta 1 A AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO PELO MÉTODO FCD NA MAXIMIZAÇÃO DO VALOR DA EMPRESA Silvano Santiago Malta 1 Resumo: Diante das inúmeras oportunidades de negócios as decisões de investimentos são

Leia mais

2010 Incapital Finance - 3

2010 Incapital Finance - 3 METODOLOGIAS PARA AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BELO HORIZONTE - MG Apresentação: Palestra Fusões e Aquisições Cenários e Perspectivas Valuation Metodologias e Aplicações Desenvolvimento: Índice: 1. Introdução

Leia mais

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008).

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 7 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). A administração

Leia mais

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Pro. Alexandre Assaf Neto Este trabalho tem por objetivo básico apresentar as bases conceituais do processo de avaliação econômica de empresas. Avaliação

Leia mais

Roteiro para elaboração de laudo de avaliação de empresa

Roteiro para elaboração de laudo de avaliação de empresa Roteiro de Laudo de Avaliação A elaboração de um Laudo de Avaliação de qualquer companhia é realizada em no mínimo 5 etapas, descritas sumariamente a seguir: 1ª. Etapa - Conhecimento inicial do negócio

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015 - 2015 Prova de Análise das Demonstrações Comentada Pessoal, a seguir comentamos as questões de Análise das Demonstrações Contábeis aplicada na prova do TCU para Auditor de Controle Externo (2015). Foi

Leia mais

Fluxo de Caixa Livre: Valuation de Uma Empresa do Setor Aéreo Brasileiro

Fluxo de Caixa Livre: Valuation de Uma Empresa do Setor Aéreo Brasileiro 71 Fluxo de Caixa Livre: Valuation de Uma Empresa do Setor Aéreo Brasileiro Free Cash Flow: Valuation of a Company of the Brazilian Travel Industry Neirilane Silva de Almeida Mestranda em Administração

Leia mais

Fluxo de caixa descontado como método de avaliação de empresas: o estudo de caso da Petrobrás Distribuidora S.A.

Fluxo de caixa descontado como método de avaliação de empresas: o estudo de caso da Petrobrás Distribuidora S.A. Fluxo de caixa descontado como método de avaliação de empresas: o estudo de caso da Petrobrás Distribuidora S.A. Pablo Rogers (UFU) pablorogerss@yahoo.com.br Anamélia Borges Tannús Dami (UFU) adami@triang.com.br

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

MÉTODO DE FLUXOS DE CAIXA LIVRES DO PASSADO Uma nova ferramenta para calcular o valor da sua empresa

MÉTODO DE FLUXOS DE CAIXA LIVRES DO PASSADO Uma nova ferramenta para calcular o valor da sua empresa MÉTODO DE FLUXOS DE CAIXA LIVRES DO PASSADO Uma nova ferramenta para calcular o valor da sua empresa O que é o Fluxo de Caixa Livre (FCL)? Qual as semelhanças e diferenças entre o FCL e o FCD (Fluxo de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDIMAR LONGARETTI

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDIMAR LONGARETTI UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDIMAR LONGARETTI VALUATION: MODELAGEM FINANCEIRA PARA EVIDENCIAÇÃO DO VALOR JUSTO DE UMA EMPRESA CRÍCIUMA 2013 EDIMAR LONGARETTI

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

Quanto vale o meu negócio?

Quanto vale o meu negócio? Quanto vale o meu negócio? Apoio: Publicação: Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital (ABVCAP) Edição: Março 2015 Coordenação: Ângela Ximenes Superintendente Executiva Gabriela Sant Anna

Leia mais

COMPARATIVO DE MÉTODOS DE VALUATION: ANÁLISE DO CASO HERING S/A

COMPARATIVO DE MÉTODOS DE VALUATION: ANÁLISE DO CASO HERING S/A COMPARATIVO DE MÉTODOS DE VALUATION: ANÁLISE DO CASO HERING S/A Leandro de Carvalho Alves (UFU ) lca@leandroalves.adm.br Claudio Francisco Rezende (UFU ) Claudichico1@hotmail.com Karem Cristina de Sousa

Leia mais

COMO CALCULAR O COEFICIENTE BETA DE UMA EMPRESA DE CAPITAL FECHADO

COMO CALCULAR O COEFICIENTE BETA DE UMA EMPRESA DE CAPITAL FECHADO COMO CALCULAR O COEFICIENTE BETA DE UMA Como dimensionar o Custo de Capital de uma empresa de capital fechado? Como solucionar a apuração de custo de capital no Brasil? A determinação do coeficiente Beta

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Avaliação da Viabilidade Econômico- Financeira em Projetos Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Elias Pereira Apresentação Professor Alunos Horário 19:00h às 23:00 h com 15 min. Faltas Avaliação

Leia mais

Parte 1 Risco e Retorno

Parte 1 Risco e Retorno TÓPICOSESPECIAIS EM FINANÇAS: AVALIAÇÃO DE PROJETOS E OPÇÕES REAIS. AGENDA 1. RISCO E RETORNO 2. CUSTO DE CAPITAL PROF. LUIZ E. BRANDÃO 3. CUSTO MÉDIO PONDERADO DE CAPITAL (WACC) RAFAEL IGREJAS Parte 1

Leia mais

ANÁLISE DO SETOR DE TRANSPORTES

ANÁLISE DO SETOR DE TRANSPORTES ANÁLISE DO SETOR DE TRANSPORTES Empresas do Setor de Concessionárias de Transportes AGConcessoes BGPar CCR Conc Rio Teresopolis Concepa Econorte Ecosul Ecovias Invepar Localiza OHL Brasil Triunfo Empresas

Leia mais

Avaliação de Empresas: estudo de caso das Lojas Renner

Avaliação de Empresas: estudo de caso das Lojas Renner UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MBA EM FINANÇAS E GESTÃO DE RISCO Avaliação de Empresas: estudo de caso das Lojas Renner DAYANNA CRISTINA MADEIRA

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais

Adilson Celestino de Lima (PROPAD/UFPE) celestelima@uol.com.br Antonio André Cunha Callado (PROPAD/UFPE) andrecallado@yahoo.com.br

Adilson Celestino de Lima (PROPAD/UFPE) celestelima@uol.com.br Antonio André Cunha Callado (PROPAD/UFPE) andrecallado@yahoo.com.br Existem discrepâncias no valor econômico das empresas de energia elétrica comparando os valores de mercado e os valores pelo método do fluxo de caixa descontado? Adilson Celestino de Lima (PROPAD/UFPE)

Leia mais

Preço Médio Ponderado das Ações 39. Fluxo de Caixa Descontado 42. Valor do Patrimônio Líquido Contábil 56

Preço Médio Ponderado das Ações 39. Fluxo de Caixa Descontado 42. Valor do Patrimônio Líquido Contábil 56 Preço Médio Ponderado das Ações 39 Fluxo de Caixa Descontado 42 Valor do Patrimônio Líquido Contábil 56 1. A Ceres Inteligência Financeira Ltda. Participações em Ativos de Energia Elétrica - 2. A CERES

Leia mais

VALUATION. Jaziel Pavine de Lima

VALUATION. Jaziel Pavine de Lima VALUATION 1 MBA em Controladoria e Finanças pela FUNDACE USP, MBA em Gestão Empresarial pela FGV, Valor de Empresas pela FIPECAFI USP, Certificação OCEB (OMG Certified Expert em BPM) pelo consórcio internacional

Leia mais

I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O

I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O Sumário Prefácio, xiii Parte I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O que são Finanças Corporativas?, 3 1 Introdução, 3 2 Objetivos empresariais, 4 3 Estratégias operacionais, 5 4 Estrutura

Leia mais

COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS

COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS! Qual o preço de lançamento de cada nova ação?! Qual a participação do novo investidor no capital social?! Por que o mercado

Leia mais

FCG - FACULDADE CAMPO GRANDE Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Interpretação das Demonstrações Contábeis Semestre: 7º e 8º

FCG - FACULDADE CAMPO GRANDE Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Interpretação das Demonstrações Contábeis Semestre: 7º e 8º FCG - FACULDADE CAMPO GRANDE Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Interpretação das Demonstrações Contábeis Semestre: 7º e 8º Horário: Quinta 19:10 22:00 AULA 02 MODELOS BASEADOS NO BALANÇO PATRIMONIAL,

Leia mais

Avaliações de Empresas: Estudo de Caso com Aplicação de Três Modelos

Avaliações de Empresas: Estudo de Caso com Aplicação de Três Modelos Área temática: Finanças Avaliações de Empresas: Estudo de Caso com Aplicação de Três Modelos AUTORES FELIPE LUIS SANTIAGO PAZZINI Universidade Federal de Viçosa pazzinif@hotmail.com HUMBERTO SANTIAGO PAZZINI

Leia mais

Análise de Viabilidade em Projetos

Análise de Viabilidade em Projetos MBA em Projetos Análise de Viabilidade em Projetos Professor: Milton Juer E-mail: mmjuer@gmail.com ANÁLISE DE VIABILIDADE EM PROJETOS AVALIAÇÃO: TRABALHO Estudo de caso e/ou lista de exercícios individual

Leia mais

Celso José Gonçalves. Avaliação de Empreendimentos e Taxa de Desconto. I Seminário de Avaliações - IBAPE-PR Foz do Iguaçu (PR) set/2014

Celso José Gonçalves. Avaliação de Empreendimentos e Taxa de Desconto. I Seminário de Avaliações - IBAPE-PR Foz do Iguaçu (PR) set/2014 I Seminário de Avaliações - IBAPE-PR Foz do Iguaçu (PR) set/2014 Avaliação de Empreendimentos e Taxa de Desconto Celso José Gonçalves Engº. Civil Especialista em Finanças Executivo em Negócios Financeiros

Leia mais

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO Bertolo Administração Financeira & Análise de Investimentos 6 CAPÍTULO 2 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO No capítulo anterior determinamos que a meta mais

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas O Valor Patrimonial das Empresas Em situações específicas: Utilização Determinar o valor de liquidação de uma empresa em condição de concordata ou falência; Avaliação de ativos não

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5

Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5 Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5 Você e sua equipe são responsáveis por elaborar um relatório de Análise Financeira da Empresa GAMA. Abaixo estão dispostos o DRE e

Leia mais

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique.

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique. Prova Parcial Malvessi Questão 1 (15%) 1. A teoria moderna de administração financeira consagra 3 decisões estratégicas básicas para a tomada de decisão do administrador financeiro. Conceitue-as claramente.

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÓS- GRADUAÇÃO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÓS- GRADUAÇÃO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÓS- GRADUAÇÃO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS AVALIAÇÃO DE EMPRESAS APLICADA EM EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO

Leia mais

2. Avaliação de Ativos

2. Avaliação de Ativos 15 2. Avaliação de Ativos 2.1. O método tradicional Fluxo de Caixa Descontado (FCD) O método de fluxo de caixa descontado (FCD) é atualmente o mais utilizado por profissionais de finanças na avaliação

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROJETOS UTILIZANDO AS MÉTRICAS DE GESTÃO BASEADA EM VALOR (VBM VALUE BASEAD MANAGEMENT )

AVALIAÇÃO DE PROJETOS UTILIZANDO AS MÉTRICAS DE GESTÃO BASEADA EM VALOR (VBM VALUE BASEAD MANAGEMENT ) 1 AVALIAÇÃO DE PROJETOS UTILIZANDO AS MÉTRICAS DE GESTÃO BASEADA EM VALOR (VBM VALUE BASEAD MANAGEMENT ) Clóvis Luiz Padoveze * João Carlos de Oliveira ** Resumo: O presente trabalho consiste numa aplicação

Leia mais

Revista de Administração da Unimep E-ISSN: 1679-5350 gzograzian@unimep.br Universidade Metodista de Piracicaba Brasil

Revista de Administração da Unimep E-ISSN: 1679-5350 gzograzian@unimep.br Universidade Metodista de Piracicaba Brasil Revista de Administração da Unimep E-ISSN: 1679-5350 gzograzian@unimep.br Universidade Metodista de Piracicaba Brasil Ferraz Prado, Mateus; Teixeira, Bruno Ricardo; De Sousa Ribeiro, Kárem Cristina ESTUDO

Leia mais

Metodologias de avaliação de empresas: teoria e prática

Metodologias de avaliação de empresas: teoria e prática JAN. FEV. MAR. l 2009 l ANO XV, Nº 56 l 7-12 INTEGRAÇÃO 7 Metodologias de avaliação de empresas: teoria e prática alexandre cintra do amaral* Resumol O objetivo deste artigo é apresentar e discutir os

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63 Sumário Capítulo 1 Conceitos de matemática financeira 1 1.1 Introdução 1 1.2 Taxa de juro nominal e taxa de juro real 3 1.2.1 Fórmula 3 1.3 Capitalização simples 4 1.3.1 Fórmulas 4 1.4 Capitalização composta

Leia mais

XXIV ENANGRAD. FIN Finanças

XXIV ENANGRAD. FIN Finanças XXIV ENANGRAD FIN Finanças AVALIAÇAO DE EMPRESAS PELO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE COSMÉTICOS DE SANTA CATARINA Luiz Henrique Debei Herling Gabriel Moraes Herling

Leia mais

Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Conteúdo programático Unidade I Avaliação de empresas metodologias simples Unidade II Avaliação de empresas metodologias aplicadas Unidade III Avaliação

Leia mais

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Conteúdo programático Unidade I Avaliação de Empresas Metodologias Simples Unidade II Avaliação de Empresas - Metodologias Complexas

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

VALUATION AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

VALUATION AVALIAÇÃO DE EMPRESAS UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Ciências Contábeis Ileane Raymundo Padovani Jéssica Ariádne Maziero Lorena Barbosa Vieira Maria Cristiana de Medeiros VALUATION AVALIAÇÃO

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA DE COMÉRCIO ÁLVARES PENTEADO - FECAP CENTRO UNIVERSITÁRIO ÁLVARES PENTEADO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

FUNDAÇÃO ESCOLA DE COMÉRCIO ÁLVARES PENTEADO - FECAP CENTRO UNIVERSITÁRIO ÁLVARES PENTEADO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FUNDAÇÃO ESCOLA DE COMÉRCIO ÁLVARES PENTEADO - FECAP CENTRO UNIVERSITÁRIO ÁLVARES PENTEADO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Área de Concentração: Contabilidade Gerencial AVALIAÇÃO DE EMPRESAS: UM ESTUDO PARA

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO RJ-0356/08-01 1/3 VIAS

LAUDO DE AVALIAÇÃO RJ-0356/08-01 1/3 VIAS LAUDO DE AVALIAÇÃO RJ-0356/08-01 1/3 VIAS LAUDO: RJ-0356/08-01 DATA BASE: 30 de junho de 2008 SOLICITANTE: ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A., companhia com sede na Av. Ruy Frazão Soares, nº 80, Barra da Tijuca,

Leia mais

Contribuição AES BRASIL 1

Contribuição AES BRASIL 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL Nº 002/2014 Contribuição da AES Brasil à Audiência Pública ANEEL n⁰ 002/2014, a qual tem o objetivo obter subsídios para o aprimoramento da metodologia de cálculo de custo de capital

Leia mais

Estudo da Revisão Tarifária Ordinária 2015 GESB/AGR

Estudo da Revisão Tarifária Ordinária 2015 GESB/AGR GERÊNCIA DE SANEAMENTO BÁSICO Estudo da Revisão Tarifária Ordinária 2015 GESB/AGR Goiânia, Abril de 2015 Estudo da Revisão Tarifária Ordinária de 2015 GESB/AGR 1 Sumário 1. Introdução 4 2. Da Competência

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

Resumo de Análise de Projetos de Investimento

Resumo de Análise de Projetos de Investimento Agosto/2011 Resumo de Análise de Projetos de Investimento Valor Quanto vale um ativo? Quanto vale uma empresa? Quanto vale um projeto? Valor Contábil É o valor da empresa para a Contabilidade. Ou seja,

Leia mais

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda 19/02/2010 CETIP S.A BALCÃO ORGANIZADO DE ATIVOS E DERIVATIVOS A Companhia A CETIP S.A. - Balcão Organizado de Ativos e Derivativos ( Companhia ou CETIP ) opera o maior Mercado Organizado para Ativos de

Leia mais

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL NO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL NO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL NO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES Valdiney Alves de Oliveira (UFU) valdiney_oliveira@zipmail.com.br Sérgio Lemos Duarte (UFU) sergioufu@gmail.com Kárem Cristina de Sousa Ribeiro

Leia mais

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS! Se as linhas de crédito estão escassas, qual a melhor estratégia para suprir a empresa com recursos?! É possível manter a

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS Disciplina: Economia 30 h/a Mercado e seu equilíbrio: teoria do consumidor e a curva de demanda; Teoria da produção, custos, e a curva de

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 5: Os investidores

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 5: Os investidores SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 5: Os investidores o Quem são os investidores o Como o investidor decide o Métodos de Avaliação o Relações pós-abertura de capital

Leia mais

Laudo de Avaliação da Ferronorte. Data Base: Novembro de 2004

Laudo de Avaliação da Ferronorte. Data Base: Novembro de 2004 Laudo de Avaliação da Ferronorte Data Base: Novembro de 2004 Contexto Os administradores da Brasil Ferrovias nos solicitam a avaliação do preço das ações da Ferronorte a serem emitidas no aumento de capital

Leia mais

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Apresentação da Teleconferência 06 de agosto de 2015 Para informações adicionais, favor ler cuidadosamente o aviso ao final desta apresentação. Divulgação

Leia mais

DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO UM ENFOQUE NO CUSTO DE CAPITAL. Palavras-chave: longo prazo, financiamentos, investimentos, custo, capital.

DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO UM ENFOQUE NO CUSTO DE CAPITAL. Palavras-chave: longo prazo, financiamentos, investimentos, custo, capital. DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO UM ENFOQUE NO CUSTO DE CAPITAL Giselle Damasceno da Silva Graduanda em Ciências Contábeis pela UFPA RESUMO Este trabalho considera os custos de dívidas a longo prazo,

Leia mais

Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas

Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas Por Oscar Malvessi Artigo publicado na revista Mercado de Capitais, ABAMEC-SP, ano IX, nº 81, em 03/2000. Por que, em duas empresas que apresentam lucro

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

REGULAÇÃO PELA TAXA DE RETORNO, CRIAÇÃO DE VALOR E GOVERNANÇA CORPORATIVA

REGULAÇÃO PELA TAXA DE RETORNO, CRIAÇÃO DE VALOR E GOVERNANÇA CORPORATIVA REGULAÇÃO PELA TAXA DE RETORNO, CRIAÇÃO DE VALOR E GOVERNANÇA CORPORATIVA Carlos Henrique Rocha PhD em Economia Professor na Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departamento de Engenharia

Leia mais

APLICABILIDADE E IMPORTÂNCIA DOS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

APLICABILIDADE E IMPORTÂNCIA DOS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Número do ISSN: 1981-2892 APLICABILIDADE E IMPORTÂNCIA DOS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS RESUMO O presente estudo versa sobre a importância dos aspectos relacionados ao desenvolvimento e a conceituação

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o Capital entre 2004 e 03/2006

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o Capital entre 2004 e 03/2006 SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o o A Quantidade do Capital Vendido o O Valor das Empresas no dia do IPO o O Valor das

Leia mais

Avaliação de empresas pelo método de fluxo de caixa descontado e os desvios causados pela utilização de taxas de desconto inadequadas

Avaliação de empresas pelo método de fluxo de caixa descontado e os desvios causados pela utilização de taxas de desconto inadequadas Avaliação de empresas pelo método de fluxo de caixa descontado e os desvios causados pela utilização de taxas de desconto inadequadas Luciana Endler * Sinopse: Este artigo objetiva apresentar as principais

Leia mais

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Camila Pires Cremasco Gabriel 1 Luis Roberto Almeida Gabriel Filho 2 Thiago Ariceto 3 Chádia Priscila Cardoso Gonçalves 4 Matheus Choueri 5 RESUMO: A definição

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

O FOCO DA CONTROLADORIA: Um estudo de caso nas Demonstrações Contábeis da Empresa CEMAT Centrais Elétricas Matogrossenses S.A.

O FOCO DA CONTROLADORIA: Um estudo de caso nas Demonstrações Contábeis da Empresa CEMAT Centrais Elétricas Matogrossenses S.A. O FOCO DA CONTROLADORIA: Um estudo de caso nas Demonstrações Contábeis da Empresa CEMAT Centrais Elétricas Matogrossenses S.A. Rosangela Zimpel1 Heder Bassan2 Geovane Sornberger3 Sergio Guaraci Prado Rodrigues4

Leia mais

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CAPITAL - EXERCICIO 2014 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Política Institucional para Gestão do Risco de Capital; 3. Estrutura,

Leia mais

Apostila de Análise Fundamentalista

Apostila de Análise Fundamentalista Apostila de Análise Fundamentalista Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE ANÁLISE

Leia mais

Unidade III. Avaliação de Empresas

Unidade III. Avaliação de Empresas Avaliação de Empresas Unidade III 3 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS METODOLOGIAS COMPLEXAS Nesta unidade de estudo, pautaremos sobre a forma de avaliar uma empresa tendo as metodologias classificadas como complexas,

Leia mais

CONTROLADORIA: UM ESTUDO DE CASO DE INTEGRAÇÃO ENTRE O CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES E O VALOR ECONÔMICO AGREGADO

CONTROLADORIA: UM ESTUDO DE CASO DE INTEGRAÇÃO ENTRE O CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES E O VALOR ECONÔMICO AGREGADO CONTROLADORIA: UM ESTUDO DE CASO DE INTEGRAÇÃO ENTRE O CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES E O VALOR ECONÔMICO AGREGADO Silvio José MOURA E SILVA Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP)

Leia mais

Revista de Ciências da Administração ISSN: 1516-3865 rca.cse@contato.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Brasil

Revista de Ciências da Administração ISSN: 1516-3865 rca.cse@contato.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Brasil Revista de Ciências da Administração ISSN: 1516-3865 rca.cse@contato.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Brasil Campos, Renato; Vital, Juliana Tatiane; Oliveira Moritz, Gilberto de; Marino Costa,

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

GABRIEL RODRIGUES BRAGA ANÁLISE DO VALOR ECONÔMICO DE UMA STARTUP DO SETOR DE VAREJO ONLINE

GABRIEL RODRIGUES BRAGA ANÁLISE DO VALOR ECONÔMICO DE UMA STARTUP DO SETOR DE VAREJO ONLINE GABRIEL RODRIGUES BRAGA ANÁLISE DO VALOR ECONÔMICO DE UMA STARTUP DO SETOR DE VAREJO ONLINE Trabalho de Formatura apresentado à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para a obtenção do Diploma

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

Métodos de avaliação utilizados pelos profissionais de investimento. Autoria: Dione Olesczuk Soutes, Eliandro Schvirck, Marcia Regina Calvano Machado

Métodos de avaliação utilizados pelos profissionais de investimento. Autoria: Dione Olesczuk Soutes, Eliandro Schvirck, Marcia Regina Calvano Machado Métodos de avaliação utilizados pelos profissionais de investimento Autoria: Dione Olesczuk Soutes, Eliandro Schvirck, Marcia Regina Calvano Machado Resumo: O processo de avaliação de empresas envolve

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T05

Apresentação de Resultados 3T05 Apresentação de Resultados 3T05 Destaques Crescimento do Lucro Líquido foi de 316% no Terceiro Trimestre Crescimento da Receita no 3T05 A receita bruta foi maior em 71% (3T05x3T04) e 63% (9M05x9M04) Base

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

Avaliação de Intangíveis Celso José Gonçalves

Avaliação de Intangíveis Celso José Gonçalves IBAPE-DF II Seminário Nacional de Engenharia de Avaliações Abril 2014 Avaliação de Intangíveis Celso José Gonçalves Engº. Civil Especialista em Finanças Executivo em Negócios Financeiros IBAPE-DF - II

Leia mais

ANALISE DE EMPRESAS. Aluno: Thiago Medeiros Vidal Orientador: Marcelo Medeiros

ANALISE DE EMPRESAS. Aluno: Thiago Medeiros Vidal Orientador: Marcelo Medeiros ANALISE DE EMPRESAS Aluno: Thiago Medeiros Vidal Orientador: Marcelo Medeiros Introdução Foi feito um estudo dos diferentes métodos de avaliação de empresas usados pelos analistas dos mercado financeiro.

Leia mais

Avaliação de empresas fechadas: aspectos da determinação do valor da participação societária em estabelecimento hoteleiro

Avaliação de empresas fechadas: aspectos da determinação do valor da participação societária em estabelecimento hoteleiro Avaliação de empresas fechadas: aspectos da determinação do valor da participação societária em estabelecimento hoteleiro Nivaldo João dos Santos (PPGEP/UFSC) Antonio Cezar Bornia (PPGEP/UFSC) Resumo Este

Leia mais

CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA

CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA! O que é o EBITDA?! Como construir e analisar o EBITDA na prática? EBITDA! Que adaptações devem ser efetuadas nos DRE s para apresentar o cálculo do EBITDA?

Leia mais

DEFINIÇÃO DE PREÇO DE EMISSÃO DE AÇÕES

DEFINIÇÃO DE PREÇO DE EMISSÃO DE AÇÕES DO GRUPO DE ESTUDOS DE DIREITO EMPRESARIAL FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DIREITO SOCIETÁRIO APLICADO DEFINIÇÃO DE PREÇO DE EMISSÃO DE AÇÕES Julio A. N. Queiroz Patrocinadores:

Leia mais