UMA APLICAÇÃO DO MODELO ADJUSTED PRESENT VALUE (APV) INTEGRADO A SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO NA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA APLICAÇÃO DO MODELO ADJUSTED PRESENT VALUE (APV) INTEGRADO A SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO NA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS."

Transcrição

1 UMA APLICAÇÃO DO MODELO ADJUSTED PRESENT VALUE (APV) INTEGRADO A SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO NA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS. Prof. Cleber Gonçalves Junior, Msc. Departamento de Engenharia de Produção da Universidade Federal de Itajubá Av. BPS, 1030, Pinheirinho, CEP: , Itajubá MG Prof. Edson de Oliveira Pamplona, Dr. Departamento de Engenharia de Produção da Universidade Federal de Itajubá Av. BPS, 1030, Pinheirinho, CEP: , Itajubá MG RESUMO O processo de avaliação de negócios através do fluxo de caixa descontado é atualmente o método mais utilizado de avaliação econômica de negócios. Contudo, novos métodos de avaliação baseados no fluxo de caixa descontado têm sido constantemente desenvolvidos com o objetivo de otimização do processo de avaliação de negócios. Esse trabalho irá apresentar um modelo de avaliação chamado de Valor Presente Ajustado (APV). Esse modelo têm se mostrado eficiente porque divide o fluxo de caixa de um projeto em componentes que possuam diferentes sentidos gerenciais. O fluxo de caixa do projeto pode ser subdividido em pelo menos dois: o fluxo de caixa das operações normais da empresa e o fluxo de caixa dos benefícios fiscais. Essa separação pode ser útil para uma melhor interpretação dos resultados da avaliação. Outro ponto importante do processo de avaliação de negócios é a consideração de cenários esperados para as mais importantes variáveis do modelo. Nesse sentido, a simulação de Monte Carlo pode contribuir com o objetivo de se encontrar uma distribuição de probabilidades do valor presente esperado do projeto, apresentado aos investidores a probabilidade de inviabilidade. A integração do modelo APV e da simulação de Monte Carlo se mostrou simples de implementar quando o investidor já conhece o modelo do custo de capital médio ponderado (WACC). A integração torna possível ao investidor observar como cada elemento que compões o fluxo de caixa contribui com o valor presente ajustado da empresa. Copyright

2 Palavras Chave: Valor Presente Ajustado; APV; Simulação de Monte Carlo; Custo de Capital; Avaliação de Investimentos. AN APPLICATION OF THE ADJUSTED PRESENT VALUE (APV) MODEL AND MONTE CARLO SIMULATION ON INVESTMENTS VALUATION. ABSTRACT The business valuation process trough the discounted cash flow method is actually the most used method of economic valuation. Therefore, new valuation methods using the idea of discounted cash flow have been developed constantly looking for the improvement of valuation processes. This work is related to a valuation model called Adjusted Present Value (APV). This model has been proved effective because it divides the cash flow in components that have different managerial sense. The main cash flow here can be separated in two ways: the cash flow of firm s common operations and the cash flow of taxes savings. This cash flow division can be useful to a better understanding of the valuation results. Another point on investment valuation process is the consideration of expected scenarios for the model most important variables. At this way, the monte carlo simulation has been contributing with the objective to calculate a probability distribution of the project expected present value, showing to the investors the probability of the project be unfeasible. The union of APV model and monte carlo simulation is showed simple and easy to implement when the investors already know the weighted average cost of capital (WACC). It makes possible to the investor a general look at how each element of the cash flow contribute with the adjusted present value of the firm. Key Words: Adjusted Present Value; APV; Monte Carlo Simulation; Cost of Capital; Investment Valuation. JEL: G30; G31 Copyright

3 1 INTRODUÇÃO Segundo Bernstein (1997), a capacidade de definir o que poderá acontecer no futuro e de optar entre várias alternativas é central às sociedades contemporâneas. Escolher corretamente o melhor investimento entre diversas alternativas é essencial para se garantir o sucesso financeiro de uma empresa. Damodaran (2002) comenta que os analistas da área financeira utilizam diversos modelos de avaliação de investimentos, dos mais simples aos mais sofisticados. Embora os conceitos e considerações em que se baseiam os modelos de avaliação sejam diferentes, uma grande parte deles trabalha com pelo menos três variáveis essenciais: O fluxo de caixa; o risco e o tempo. A chave para se obter sucesso em um investimento está em compreender não somente o que são os valores associados a esse investimento, mas sim a fonte desse valores (Damodaran, 2002). Decifrar o comportamento do fluxo de caixa de uma empresa significa conhecer o funcionamento das fontes que geram o fluxo de caixa. Mais importante que saber o comportamento do valor presente de um projeto é saber o comportamento individual dos elementos que compõe o fluxo de caixa desse projeto. Nesse sentido, Myers (1974) apresentou um modelo de avaliação de investimentos através do fluxo de caixa descontado, chamado de valor presente ajustado (Adjusted Present Value - APV). Nesse modelo, o fluxo de caixa resultante de investimento é subdivido em fluxo de caixa proveniente das operações normais e fluxo de caixa dos benefícios/malefícios fiscais. Luehrman (1997a), ampliou o modelo subdividindo o fluxo de caixa em outros fluxos além dos dois originais. Outra preocupação comum no processo de avaliação de investimentos diz respeito a possíveis variações nas estimações das variáveis que influenciam o cálculo do valor presente. Dificilmente se pode garantir que o preço de venda e a demanda por um certo produto sejam exatos. Para ajudar no tratamento desse problema, pode-se utilizar a chamada simulação de monte carlo para auxiliar no tratamento da variabilidade de cada variável do modelo de avaliação. Esse trabalho se preocupa em apresentar a integração do método de avaliação de investimentos chamado APV com o método de simulação de monte carlo, na avaliação de um projeto do setor de energia elétrica. Copyright

4 1.1 Objetivo O objetivo desse trabalho e apresentar e aplicar o modelo do valor presente ajustado (APV Adjusted Present Value) na avaliação de um investimento no setor de energia elétrica. Embora a aplicação seja na avaliação de um projeto em tal setor, o processo de aplicação do modelo apresentado nesse trabalho pode ser utilizado para avaliar projetos nos diferentes setores econômicos O Modelo CAPM O modelo CAPM (Capital Asset Pricing Model), desenvolvido inicialmente por William Sharpe (1964) e John Lintner (1965), tem se mostrado até os dias de hoje um dos modelos de precificação de ativos mais utilizado (Pettit e Stewart, 1999). O modelo se baseia na mensuração de três variáveis essenciais, a taxa de retorno do ativo livre de risco, a taxa média de retorno da carteira de mercado e o risco, esse último medido através do índice beta. O índice beta do modelo CAPM é definido por Weston e Brigham (2000) como sendo uma medida da extensão pela qual os retornos de uma determinada ação se movem em relação ao mercado de ações, é a tendência de uma ação mover-se com o mercado e mede a volatilidade da ação em relação a uma ação média. Uma rápida pesquisa nas principais bases de dados científicos mostra que o modelo tem sido bastante aplicado e discutido desde que foi desenvolvido. A equação 1.01 é a representação do modelo CAPM, é através da aplicação dessa equação que se pode determinar o retorno mínimo exigido de um ativo em função de risco medido pelo índice beta. R i f i ( R R ) = R +β Eq. (1.01) m f Onde: Ri: Retorno exigido do ativo ( i ) Rf: Risk free rate Taxa livre de risco Rm: Retorno médio do mercado βi: Beta do ativo ( i ). Segundo Elton e Gruber (1995), a equação (1.01) é uma das mais importantes descobertas da área financeira, chamada equação da linha de mercado de títulos (SML ou LMT). Copyright

5 1.3 Custo de Capital Próprio Helfert (2000) comenta que vários métodos já foram desenvolvidos para expressar o conceito de prêmio pelo risco, que no modelo CAPM é o termo entre parênteses da equação 1.01, (R m R f ). Esse prêmio por risco reflete o custo de capital próprio da empresa. O autor continua dizendo que como nenhum método específico pode satisfazer totalmente as condições reais necessárias, o modelo CAPM é o mais amplamente aceito no cálculo do custo de capital próprio. Para o cálculo do custo de capital próprio através do modelo CAPM, é necessário conhecer primeiro qual é a taxa de retorno do ativo livre de risco (R f ) e o retorno médio da carteira de mercado (R m ), definido aqui como sendo o IBOVESPA. Gonçalves (2003) utilizou como taxa de retorno do ativo livre de risco para o Brasil, o retorno das aplicações em CDI, segundo o autor essa taxa fica em torno de 7,33% já descontada a inflação. O retorno da carteira de mercado (IBOVESPA) a ser utilizado nesse trabalho será de 11,43%, também descontada a inflação. Esse valor foi calculado em Gonçalves (2003). Com os dados anteriores, torna-se possível determinar a equação que representa o custo de capital próprio para diferentes níveis de risco beta. R i = 7,33% + 4,10% β i Eq. (1.02) 1.4 Cálculo do índice beta O índice beta do modelo CAPM pode ser calculado através da equação 1.03, ele representa o coeficiente angular da reta formada pela linha de tendência do gráfico obtido através do confronto dos retornos históricos do índice de mercado pelos retornos históricos de uma ativo qualquer. Co var βi = Var ( R i,r m ) ( R ) m Eq. (1.03) Onde: R i : Retorno histórico do ativo (i); R m : Retorno histórico do índice de mercado (IBOVESPA); Covar: Covariância e Copyright

6 Var: Variância. Devido ao fato de poder haver certa defasagem na resposta dada pelos diferentes ativos às notícias de mercado, Scholes e Willians (1977) propuseram a utilização de um estimador de variáveis instrumentais no cálculo do índice beta. De acordo com esse estimador, devem ser encontrados três índices beta, um deles é obtido através da sincronização perfeita entre os retornos do ativo e do índice, e os outros dois são obtidos pela pelo recuo e avanço de um período dos dados do índice de mercado. A equação 1.04 representa a estimação do índice beta. 1 βk k= 1 β = 1+ 2ρ Eq. (1.04) Onde: Para k = -1, beta estimado pela regressão linear entre Ri,t e Rm,t-1; Para k = 0, beta estimado pela regressão linear entre Ri,t e Rm,t; Para k = 1, beta estimado pela regressão linear entre Ri,t e Rm,t+1; ρ: coeficiente de correlação entre Rm,t e Rm,t-1; Rm,t: retorno do mercado no período ( t ); ( t-1 ) e ( t +1 ); Ri,t: retorno do ativo ( i ) no período ( t ). 1.5 Simulação de Monte Carlo Nome inspirado no jogo de roleta do cassino de Monte Carlo, um dos primeiros estudos envolvendo a simulação de monte carlo na avaliação de investimentos data de 1964 com a publicação do artigo Risk Analysis in Capital Investments por David B. Hertz (1964). Resumidamente, a simulação de monte carlo é baseada na geração de números aleatórios, os quais são utilizados como parâmetros de entrada para se extrair valores de uma distribuição acumulada de uma variável qualquer, como receitas, custos ou investimentos. A figura 1.02 resume o funcionamento da simulação de monte carlo. A simulação de monte carlo é uma técnica de análise de risco onde se utiliza um software para simular prováveis eventos futuros (Brigham, Gapenski e Ehrhardt, 2001). Inicialmente deve-se criar uma tabela de distribuição de probabilidades das variáveis que serão simuladas. Em seguida o software de simulação gera um número aleatório para cada variável simulada, buscando na tabela feita inicialmente qual valor da variável corresponde ao Copyright

7 número aleatório gerado. Dessa forma obtém-se um primeiro cenário de variáveis que é utilizado para encontrar um primeiro valor presente esperado do investimento. São feitas várias simulações e no final são obtidos: o valor presente esperado médio e o desvio padrão do valor presente. Lewellen e Long (1972), concordam que a simulação de monte carlo só deve ser utilizada quando não se tem a menor idéia de como as variáveis se comportam ao longo do tempo e entre si. Observa-se que não é tão simples incluir no modelo de simulação as correlações que existem entre as variáveis e ao longo do tempo. 2 MODELO DA PESQUISA Será realizada uma aplicação prática utilizando conceitos de avaliação de investimentos com o objetivo de apresentar um link entre simulação de monte carlo e o método do valor presente ajustado. A figura 1 resume o modelo da pesquisa que será abordada. Investimento / Projeto Divisão do fluxo de caixa em componentes que tenham sentido gerencial Elaboração da distribuição de probabilidade dos componentes do fluxo de caixa Aplicação da simulação de monte carlo. Aplicação do modelo Adjusted Present Value (APV) Valor Presente Ajustado do projeto com a variabilidade do valor presente de cada elemento do fluxo de caixa Figura 1 Modelo da pesquisa Copyright

8 Definido o investimento a ser avaliado, será proposta a divisão do fluxo de caixa gerado pelo investimento em componentes que sejam gerencialmente importantes. Com isso, será elaborada a tabela de distribuição de probabilidades das variáveis que influenciam o modelo. Serão feitas 1000 simulações para cada variável e então será aplicado o modelo APV para encontrar o valor presente do investimento. 3 O MODELO ADJUSTED PRESENT VALUE (APV) O modelo APV (Valor Presente Ajustado) foi apresentado e nomeado por Stewart Myers (1974). Em seu artigo, Myers apresenta uma equação (3.01) que tem a função de maximizar o valor da empresa, em função da aceitação de um projeto (j). O valor presente da empresa é encontrado através da avaliação de dois fluxos de caixa, um proveniente das operações normais referentes a aceitação do projeto (j) e outro fluxo de caixa proveniente dos benefícios ou malefícios fiscais gerados pela aceitação do projeto. Esses benefícios/malefícios fiscais seriam resultantes principalmente da política de financiamento da empresa. APV = A j + T t= 0 Z jt F t Eq.(3.01) Onde: A j = T E(CF) k) t= 0 (1 + t t Eq. (3.02) Z F t jt : Capacidade de dívida no período (t) referente ao projeto (j). : Variação do valor de mercado da empresa em função das dívidas em circulação no período (t). Nota-se que a equação 3.02 é a equação utilizada para cálculo do VPL simples, onde temse o fluxo de caixa esperado, E(CF), e a taxa de desconto (k). A segunda parte da equação 3.01, computa o total dos benefícios/malefícios fiscais provenientes das decisões de financiamento da empresa. O modelo APV tem como característica o fato de considerar, no cálculo do valor presente (A j ) um fluxo de caixa esperado, E(CF), considerando que a empresa não tenha dívidas. Dessa maneira, a taxa de desconto (k) também deve ser calculada considerando uma empresa sem dívidas. Assim sendo, a equação que resume o modelo APV pode ser dada por: Copyright

9 APV = VP(empresa sem dívidas) + VPTS(valor presente dos efeitos do financiamento) Brealey e Myers (2001) e Damodaran (2002) apresentam essa mesma equação para o modelo APV. Os autores ainda consideram que no caso do cálculo do valor presente da empresa considerando que não haja dividas, deve-se levar em conta, no cálculo da taxa de desconto, o nível de alavancagem da empresa. O que os autores querem dizer é que no caso de se utilizar o modelo CAPM para cálculo do custo de capital próprio, o valor encontrado será referente aos dados da empresa com seu nível de alavancagem de mercado. Sendo assim, torna-se necessário encontrar um custo de capital teórico que seria a taxa de desconto do capital próprio da empresa sem dividas. Para se conseguir encontrar essa taxa de desconto ou custo de capital próprio, Hamada (1972), Booth (2002) e Damodaran (2002) apresentam uma equação que relaciona o índice beta de uma empresa com dívidas com o índice beta da empresa considerando que não houvessem dívidas. Simplificando a equação desconsiderando o risco das dívidas, a equação que relaciona o índice beta da empresa alavancada (β L ) com o índice beta da empresa não-alavancada (β U ) é: β L = β U 1+ D ( 1 T) E Eq. (3.03) Onde: β L (Levered Beta) Beta da empresa alavancada ou com dívidas; β U (Unlevered Beta) Beta da empresa sem dívidas; T (Tax Rate) Alíquota de imposto de renda; E (Equity) Total de capital próprio; D (Debt) Total das dívidas ou capital de terceiros. Dessa forma, para o caso de se utilizar o modelo CAPM para o cálculo do custo de capital próprio da empresa, para utilização no modelo APV, deve-se utilizar um índice beta nãoalavancado ou (Unlevered Beta). Luehrman (1997a) propôs que os fluxos de caixa fossem divididos em diversos fluxos que tenham sentido financeiro para a empresa, dessa forma a empresa dividiria seu fluxo de caixa em vários fluxos individuais e somaria esses fluxos no valor presente. Esse modelo Copyright

10 apresentado por Luehrman e resumido na figura 2 é um modelo mais completo do APV, e a partir dessa publicação o modelo se tornou mais difundido. Segundo Gonçalves (2003) o modelo APV, mesmo quando gera resultados iguais a aplicação do custo médio ponderado de capital (WACC), para efeito gerencial é mais completo que os outros modelos de avaliação de investimentos através do fluxo de caixa descontado. Isso porque o modelo APV mostra como cada componente do fluxo de caixa contribui com o valor presente da empresa ou projeto. De acordo com Luehrman (1997b), a utilização do WACC como taxa de desconto para avaliação de negócios só é viável para a mais simples e estática estrutura de capital. Como na maioria dos casos reais a estrutura de capital é complexa e dinâmica, o custo de capital calculado através do WACC deve ser corrigido não somente a cada projeto mas também a cada período. A aplicação do modelo APV na avaliação de negócios deve, segundo Luehrman (1997a) seguir basicamente os seguintes cinco passos: 1. Definir os diferentes fluxos de caixa, diferentes fontes de recursos e despesas. 2. Encontrar as taxas de desconto apropriadas a cada fluxos de caixa. 3. Avaliar os efeitos marginais provenientes de empréstimos, etc 4. Somar os valores presentes dos diferentes fluxos para encontrar o APV. 5. Ajustar a analise dos resultados as necessidades dos investidores. i3 Receitas i2 i1 i4 ij Investimento Períodos ( n Custos/Despesa APV k n Re tornos = ( j = 1 n = 1 (1 + i ) j j n n ) Investimen to Figura 2 Modelo APV com separação dos diferentes fluxos de caixa. Fonte: Gonçalves (2003) Copyright

11 4 APLICAÇÃO A aplicação do modelo APV na análise de investimentos pode ser facilmente compreendida por aqueles que já conhecem o modelo WACC, Luehrman (1997a). A diferença básica está na utilização de diferentes fluxos de caixa representando o fluxo total da empresa. A principio, o fluxo de caixa será dividido em fluxo de caixa das operações normais da empresa e fluxo de caixa dos benefícios/malefícios fiscais. Posteriormente, esses fluxos serão subdivididos em outros fluxos que tenham sentido gerencial. Paralelamente, será utilizada a simulação de monte carlo para determinar os valores de entrada dos fluxos de caixa. Será considerado que o projeto tenha vida infinita sem necessidade de re-investimento. O investimento a ser analisado neste trabalho é um investimento no setor de energético, desse modo serão utilizados dados do mercado de capitais referente ao setor energético O Custo de Capital Segundo Pettit e Stewart (1999), o modelo CAPM continua sendo o modelo disponível mais prático para se determinar o custo de capital próprio de um investimento. O modelo CAPM (Capital Asset Pricing Model) será utilizado nesse trabalho. Assim sendo, o custo de capital próprio será calculado levando-se em consideração o índice bovespa (IBOVESPA) como representante do mercado e o índice de energia elétrica (IEE) como sendo o representante do setor energético. O custo de capital próprio pode ser encontrado através do modelo CAPM de acordo com a equação 1.01 da qual foi extraída a equação Nessa última equação basta que se encontre o valor do índice beta para que se tenha o custo de capital próprio. Utilizando dados extraídos do software ECONOMÁTICA para um período de 60 meses cobertos de abril de 1998 a março de 2003 para variações diárias, tem-se, segundo o estimador de variáveis proposto por Scholes e Willians (1977) e apresentado na equação 1.04 os seguintes valores apresentados na tabela 1: Copyright

12 Beta 60 meses 04/ /2003 Índice Beta K = K = K = Tabela 1 - Índice beta (60 meses) utilizando o estimador de parâmetros proposto por Scholes e Willians (1977) O cálculo do coeficiente de correlação (ρ) da equação 1.04 encontrou o valor 0,021, dessa forma, o índice beta do IEE em relação ao IBOVESPA nos últimos 60 meses é: β 0, , ,0520 = * 0,021 IEE = 0,5344 Assim, o custo de capital próprio encontrado através da modelo CAPM será: R IEE = 7,33% + 0,5344 * 4,10% = 9,52% Esse custo de capital próprio é considerado descontando-se a inflação, além de ser uma média para o setor de energia elétrica pois foi utilizado o índice IEE para seu cálculo. Como o índice IEE é calculado de acordo com as variações nas cotações das empresas do setor energético, esse índice sofre influência da estrutura de capital das empresas que o compõem. Isso quer dizer que o índice IEE representa um índice para a alavancagem média do setor. Dessa forma é necessário, devido as definições do modelo APV, encontrar um custo de capital próprio chamado de não alavancado (Damodaran,2002), para isso deve-se utilizar a equação 3.03 apresentada anteriormente. Antes de se aplicar a equação 3.03, é preciso conhecer o índice de endividamento médio do setor (D/E). Através do site da Bovespa (www.bovespa.com.br) foi possível levantar o composição do índice IEE para o quadrisemestre maio a agosto de O software ECONOMÁTICA informou os dados referentes ao endividamento da empresa (D/E), ou seja, o total do exigível a longo prazo (ET) dividido pelo patrimônio líquido (PL). A tabela 2 resume os dados levantados. Copyright

13 Composição do IEE, Maio a Agosto de 2003 Código Ação Tipo Qtde. Teórica Part. (%) PL ET/PL (%) CLSC6 CELESC PNB 24 9,837 R$637, CMIG4 CEMIG PN * 400 9,698 R$5,680, CESP4 CESP PN * ,621 R$6,478, COCE5 COELCE PNA* ,168 R$1,170, CPLE6 COPEL PNB* ,154 R$4,726, ELET6 ELETROBRAS PNB* 500 9,393 R$66,550, ELPL4 ELETROPAULO PN * 390 8,594 R$2,106, EMAE4 EMAE PN * ,927 R$900, LIGH3 LIGHT ON * 380 9,040 R$1,007, TBLE3 TRACTEBEL ON * ,209 R$2,760, TRPL4 TRAN PAULIST PN * ,359 R$3,349, QUANTIDADE TEÓRICA TOTAL ,000 REDUTOR 3,751,776,044 Tabela 2 Endividamento médio das empresas componentes do IEE entre maio e agosto de 2003 Utilizando a participação (%) de cada ativo na composição do índice, e a relação (ET/PL), foi possível encontrar o endividamento médio das empresas que compõe o índice. Esse endividamento médio é de 232,73%. Com essa informação, torna-se possível utilizar a equação 3.03 para se encontrar o beta não alavancado: ( 1 + ( 1 0,34)( 2,3273) ) β 0, ,5344 = β U U = Note que foi utilizada uma alíquota de imposto de renda e contribuição social (T) igual a 34%. Com o novo beta calculado, chamado de beta não alavancado, pode-se calcular o custo de capital próprio não alavancado do setor de energia elétrica de acordo com o índice IEE. R IEE = 7,33% + 0,2107 * 4,10% = 8,20% Assim, o custo de capital próprio não alavancado para o setor elétrico, calculado com base no índice IEE, descontando-se a inflação, é de 8,20% ao ano. Copyright

14 4.2 O fluxo de caixa De acordo com Luerhman (1997a) o ideal é separar os fluxos de caixa da empresa em diversos fluxos individuais que possuam sentido gerencial. Com o objetivo de se avaliar investimentos, será utilizada uma divisão de fluxos de caixa semelhante a utilizada em Gonçalves (2003), onde o fluxo de caixa resultante de um novo investimento foi subdivido em: Receita Líquida; Custos Variáveis; Custos Fixos; Imposto de Renda e Contribuição Social; Benefício da Depreciação; Benefício dos Juros e Juros Pagos. Cada item citado acima será tratado como um fluxo de caixa independente, será descontado ao valor presente e então serão somados. 4.3 A simulação de monte carlo A simulação de monte carlo será utilizada para se gerar uma distribuição de probabilidades do valor presente dos fluxos de caixa. Serão simulados: Demanda; Preço de Venda; Custos Variáveis Unitário; Custos Fixos Unitário e Investimento Inicial. A seguir, encontra-se a tabela 3 com a distribuição acumulada de probabilidade dos elementos que serão simulados, os dados foram levantados de um projeto de geração de energia elétrica em uma pequena central na região do sul de Minas Gerais. Investimento Prob Demanda Prob Preço de Venda Prob C.V. Unitário Prob C.F. Unitário Prob R$100, % % R$ % R$ % R$ % R$120, % % R$ % R$ % R$ % R$140, % % R$ % R$ % R$ % R$160, % % R$ % R$ % R$ % R$180, % % R$ % R$ % R$ % % R$ % R$ % Tabela 3 Probabilidade acumulada das entradas de dados da simulação de monte carlo 4.4 A avaliação Para avaliar o projeto foi considerada a possibilidade de financiamento de parte do investimento total, dessa forma foi adotado um custo de capital de terceiros de acordo com a tabela 4 extraída de Damodaran (2002). Nessa tabela encontra-se o chamado spread em função da cobertura de juros, que é definido pela divisão do lucro antes de juros e impostos (LAJI) pelo total de juros pagos. Esse spread deve ser somado a uma taxa base de juros de financiamento. Copyright

15 Nesse trabalho, o spread foi somado ao retorno do ativo livre de risco, resultando num custo de capital de terceiros em função da cobertura de juros. Cobertura de Juros Rating Spread > 12,50 AAA 0,75% 9,50 12,50 AA 1,00% 7,50 9,50 A+ 1,50% 6,00 7,50 A 1,80% 4,50 6,00 A- 2,00% 3,50 4,50 BBB 2,25% 3,00 3,50 BB 3,50% 2,50 3,00 B+ 4,75% 2,00 2,50 B 6,50% 1,50 2,00 B- 8,00% 1,25 1,50 CCC 10,00% 0,80 1,25 CC 11,50% 0,50 0,80 C 12,70% < 0,50 D 14,00% Tabela 4 Cobertura de Juros, Rating e Spread Extraído de Damodaran 2002 Foram considerados diferentes possíveis níveis de financiamento, para cada nível de financiamento foi calculada a cobertura de juros e o spread, esse spread foi somado ao R f (7,33%) para se encontrar o custo de capital de terceiros. A tabela 5 apresenta os níveis de financiamento e o spread referente a cada nível. Valor Financiado Taxa de Juros LAJI/Juros Spread Relação D/E R$10, % % 7.87% R$20, % % 17.08% R$30, % % 28.02% R$40, % % 41.20% R$50, % % 57.42% R$60, % % 77.84% R$70, % % % R$80, % % % R$90, % % % R$100, % % % Tabela 5 Taxa de juros para os diferentes níveis de financiamento Copyright

16 A tabela 5 foi montada considerando um nível médio de investimento inicial, receitas e custos, calculados pela média aritmética das 1000 simulações realizadas. Utilizando os dados da tabela 3, foi realizada a simulação de monte carlo. Foram feitas 1000 simulações e então calculado o valor presente esperado de cada fluxo de caixa individual (Receita Líquida; Custos Variáveis; Custos Fixos; Imposto de Renda; Benefício da Depreciação, Benefício de Juros e Juros Pagos). Os valores são mostrados na tabela 6. Fluxo de Caixa Valor Presente Receita Líquida (+) R$ ,00 Custos Variáveis (-) R$ ,00 Custos Fixos (-) R$ ,00 Imposto de Renda (-) R$ ,00 Benefício da Depreciação (+) R$ ,00 Benefício de Juros (+) R$ 9.000,00 Juros a Pagar (-) R$ ,00 Tabela 6 Valor presente esperado dos diferentes fluxos de caixa do modelo APV Para se encontrar os valores apresentados na tabela 6, foi considerado um financiamento de R$ ,00 que de acordo com a tabela 5 resulta num custo de capital de terceiros de 8,83% sem descontar o efeito dos impostos. O investimento foi simulado para um período de 25 anos. No cenário apresentado na tabela 6, o valor presente ajustado do projeto seria R$ menos o investimento inicial. Calculando uma média aritmética dos investimentos (desembolsos) iniciais simulados, tem-se que o investimento médio é de R$ para as 1000 simulações. Lembrando que foi considerado um financiamento de R$ ,00, tem-se que o capital próprio seria de R$ ,00 o que resultaria na viabilidade do projeto. Todos os dados da explicação acima foram tomados considerando um cenário estático de uma foto tirada da planilha de simulações. Uma das vantagens da simulação de monte carlo é propiciar um resultado mais dinâmico, mostrando média, desvio-padrão e probabilidade do valor presente ser menor que zero (Bratley, 1987). Dessa forma, a tabela 7 mostra, para um financiamento de R$ ,00, o valor presente ajustado médio, o desvio-padrão deste APV e a probabilidade do APV ser menor que zero, inviabilizando o projeto. Copyright

17 APV Médio R$ ,00 Desvio Padrão R$ ,00 Probabilidade de APV < 0 25,00% Tabela 7 Valores médios da simulação de monte carlo O modelo APV, possibilita, no mínimo, uma melhor visualização dos resultados, mostrando como cada elemento do fluxo de caixa influencia o valor presente do investimento, o que para efeito gerencial já supera a utilização do WACC (Luehrman, 1997a). Uma consideração que ainda pode ser feita é: que nível de financiamento minimiza a probabilidade do valor presente ajustado ser menor que zero? Para se encontrar esse valor, foi feita uma otimização do resultado utilizando a ferramenta SOLVER do MS-Excel. Dessa forma, pode-se determinar que para um nível de financiamento de R$ ,00, a probabilidade do investimento ser menor que zero cai para 21,00% em média, apresentando um ponto ótimo de financiamento, onde o valor (Dívidas / Capital Próprio) é de aproximadamente 57%. O gráfico 1 mostra a variação da probabilidade do APV ser menor que zero em função do nível de financiamento. Copyright

18 Probabilidade de APV menor que zero em função do endividamento APV Médio Prob. APV < 0 APV R$60, R$50, R$40, R$30, R$20, R$10, R$ % 40.00% 35.00% 30.00% 25.00% 20.00% 15.00% 10.00% 5.00% 0.00% Probabilidade de APV < % 17.15% 28.13% 41.39% 57.71% 78.29% % % % % Nível de Endividamento Gráfico 1 Variação da probabilidade do APV ser menor que zero em função do nível de endividamento. O gráfico 2 mostra a participação de cada elemento do fluxo de caixa na composição do valor presente dos desembolsos do projeto avaliado, para o nível ótimo de financiamento. Composição dos Desembolsos Pagamento de Juros 11% Imposto de Renda 19% Custos Variáveis 37% Custos Fixos 33% Gráfico 2 Participação de cada elemento do fluxo de caixa no total dos desembolsos Copyright

19 Com a divisão do fluxo de caixa e a utilização da simulação de monte carlo, torna-se possível a visualização da variabilidade de cada elemento componente do fluxo de caixa. A tabela 8 mostra a probabilidade de que o valor presente de cada elemento seja maior ou menor que certos níveis padrões pré-determinados, mostrando quais elementos estão mais dispersos em relação ao padrão. Valor Presente Médio Desvio Padrão Probabilidade de Receita Líquida R$561, R$138, < R$ , % Custos Variáveis R$166, R$50, > R$ , % Custos Fixos R$152, R$42, > R$ , % Imposto de Renda R$81, R$35, > R$ , % Benefício da Depreciação R$17, R$3, < R$ , % Benefício dos Juros R$15, R$0.00 Juros Pagos R$48, R$0.00 Tabela 8 Probabilidades dos elementos do fluxo de caixa Nota-se que o valor presente dos pagamentos dos custos variáveis e do imposto de renda e contribuição social são os que tem maior probabilidade de estarem fora dos padrões préestabelecidos. Pouco se pode fazer com relação ao imposto de renda, porém os custos variáveis poderiam ser tratados com maior atenção para que se reduza a probabilidade de estarem fora dos limites. A aplicação do WACC deve chegar a um resultado muito próximo ao da aplicação do APV no caso anterior. Uma consideração que deve ser feita é a utilização de um custo médio ponderado de capital (WACC) diferente para cada período da análise. Como foi considerado que o nível de endividamento (em moeda) não vai ser alterado ao longo do tempo, com a geração de lucros provenientes das operações do investimento, a relação entre dívida e capital próprio irá se modificar ao longo do tempo, resultando num WACC diferente para cada período. Observe que integrar esse cálculo de diferentes WACC para cada período com a simulação de monte carlo não é tão simples como a junção da simulação com o APV. Copyright

20 5 CONCLUSÕES Esse trabalho apresentou a aplicação do modelo APV juntamente com a simulação de monte carlo na avaliação de um investimento no setor de geração de energia elétrica. Observouse que o modelo APV pode facilmente ser compreendido e aplicado por aqueles que já conheçam o método de cálculo do WACC. Embora os resultados na aplicação dos dois métodos (APV e VPL utilizando o WACC) sejam praticamente iguais, o modelo APV apresenta a vantagem de mostrar os resultados de uma forma mais útil para tomada de decisão, mostrando como cada elemento do fluxo de caixa contribui com valor presente do projeto, tornando possível focar a atuação naqueles elementos mais importantes. Outro ponto forte do modelo APV é sua fácil integração com a simulação de monte carlo, como foi dito anteriormente, a utilização do WACC integrado a simulação de monte carlo num caso onde não haja re-balanceamento de dívidas não é tão simples como a utilização do APV. Finalmente, pode-se considerar, concordando com Luehrman(1997a, 1997b), que o modelo APV pode vir a substituir a utilização do WACC, pois funciona mesmo quando esse último gera problemas. Brealey e Myers (2000) comentam que o custo médio ponderado de capital (WACC) necessita de uma relação constante (Dívidas / Capital Próprio) para ser implementado corretamente. Essa necessidade não é verificada na utilização do modelo APV. BIBLIOGRAFIA BERNSTEIN, Peter L. Desafio aos Deuses: A Fascinante História do Risco. Editora Campus, 2ª Edição, BOOTH, Laurence. Finding Value Where None Exits: Pitfalls in Using Adjusted Present Value. Journal of Applied Corporate Finance, Vol 15, Num 1, BRATLEY, Paul; FOX, Bennett L.; SCHRAGE, Linus E. A Guide to Simulation. Segunda Edição, New York, Springer, 1987 BREALEY, Richard A.; MYERS, Stewart C. Principles of Corporate Finance. Editora McGraw-Hill, 6ª Edição, Copyright

Uma comparação prática entre a aplicação dos modelos VPL-WACC e APV na avaliação de investimentos.

Uma comparação prática entre a aplicação dos modelos VPL-WACC e APV na avaliação de investimentos. Uma comparação prática entre a aplicação dos modelos VPL-WACC e APV na avaliação de investimentos. Cleber Gonçalves Junior (cgj@unifei.edu.br) Universidade Federal de Itajubá Edson de Oliveira Pamplona

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

Ponderação do custo de capital próprio para o setor elétrico brasileiro

Ponderação do custo de capital próprio para o setor elétrico brasileiro Ponderação do custo de capital próprio para o setor elétrico brasileiro Cremilton Silva Junior (UNIFEI) Junior_efei@yahoo.com.br Diogo José Frias Steola (UNIFEI) diogoste@yahoo.com.br Prof. MSc. Cleber

Leia mais

SELEÇÃO DE CARTEIRAS ATRAVÉS DO MODELO DE MARKOWITZ PARA PEQUENOS INVESTIDORES (COM O USO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS).

SELEÇÃO DE CARTEIRAS ATRAVÉS DO MODELO DE MARKOWITZ PARA PEQUENOS INVESTIDORES (COM O USO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS). SELEÇÃO DE CARTEIRAS ATRAVÉS DO MODELO DE MARKOWITZ PARA PEQUENOS INVESTIDORES (COM O USO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS). Cleber Gonçalves Junior Mestrando Engenharia de Produção EFEI clebergoncalves@hotmail.com

Leia mais

Adilson Celestino de Lima (PROPAD/UFPE) celestelima@uol.com.br Antonio André Cunha Callado (PROPAD/UFPE) andrecallado@yahoo.com.br

Adilson Celestino de Lima (PROPAD/UFPE) celestelima@uol.com.br Antonio André Cunha Callado (PROPAD/UFPE) andrecallado@yahoo.com.br Existem discrepâncias no valor econômico das empresas de energia elétrica comparando os valores de mercado e os valores pelo método do fluxo de caixa descontado? Adilson Celestino de Lima (PROPAD/UFPE)

Leia mais

2. Otimização de Portfolio

2. Otimização de Portfolio 2. Otimização de Portfolio 2.1. Análise de Média-Variância Portfolio (carteira, em português) é uma combinação de ativos, tais como investimentos, ações, obrigações, commodities, imóveis, entre outros.

Leia mais

A utilização do CAPM e APT na análise de investimento: Um estudo de caso.

A utilização do CAPM e APT na análise de investimento: Um estudo de caso. 1 A utilização do CAPM e APT na análise de investimento: Um estudo de caso. Vinicius Amorim Sobreiro 1 Mariana Rodrigues de Wilson Kendy Tachibana 1 Daisy A. N. Rebelatto 1 Almeida 1 sobreiro@sc.usp.br

Leia mais

Capm e Regulaçãono Segmento de Distribuição do Setor Elétrico Brasileiro

Capm e Regulaçãono Segmento de Distribuição do Setor Elétrico Brasileiro Energia 2030: Desafios para uma nova Matriz Energética 08 a 10 de setembro de 2010 São Paulo - SP Capm e Regulaçãono Segmento de Distribuição do Setor Elétrico Brasileiro Rinaldo Caldeira Pinto 1 Virginia

Leia mais

ORÇAMENTO DE CAPITAL INTRODUÇÃO. Andrea Maria Accioly Fonseca Minardi Professora do IBMEC - SP Email: minardi@isp.edu.br

ORÇAMENTO DE CAPITAL INTRODUÇÃO. Andrea Maria Accioly Fonseca Minardi Professora do IBMEC - SP Email: minardi@isp.edu.br ORÇAMENTO DE CAPITAL RAE-CLÁSSICOS ORÇAMENTO DE CAPITAL Andrea Maria Accioly Fonseca Minardi Professora do IBMEC - SP Email: minardi@isp.edu.br Richard Saito Professor da FGV-EAESP E-mail: richard.saito@fgv.br

Leia mais

Bibliografia referente ao artigo Gestão baseada no valor, Isabel Ribeiro de Carvalho, Revista TOC, Fevereiro 2008

Bibliografia referente ao artigo Gestão baseada no valor, Isabel Ribeiro de Carvalho, Revista TOC, Fevereiro 2008 Bibliografia referente ao artigo Gestão baseada no valor, Isabel Ribeiro de Carvalho, Revista TOC, Fevereiro 2008 Bibliografía BREALEY, Richard A.; MYERS, Stewart C. - Princípios de Finanças Empresariais.

Leia mais

capm - retorno justo x retorno de mercado

capm - retorno justo x retorno de mercado capm - retorno justo x retorno de mercado RESUMO Brener Elias da Costa Raquel Leonor da Cunha Kárem Cristina de Sousa Ribeiro Universidade Federal de Uberlândia - UFU Os modelos CAPM e APT são modelos

Leia mais

Estimativa do custo de capital próprio de pequenas empresas através do CAPM

Estimativa do custo de capital próprio de pequenas empresas através do CAPM Estimativa do custo de capital próprio de pequenas empresas através do CAPM Márcio da Paixão Rodrigues 1 Marcelo Machado 2 Joseph Lacey 3 Newton C. A. da Costa Jr. 4 ISSN 1518-4342 REFERÊNCIA deste traballho:

Leia mais

Parte 1 Risco e Retorno

Parte 1 Risco e Retorno TÓPICOSESPECIAIS EM FINANÇAS: AVALIAÇÃO DE PROJETOS E OPÇÕES REAIS. AGENDA 1. RISCO E RETORNO 2. CUSTO DE CAPITAL PROF. LUIZ E. BRANDÃO 3. CUSTO MÉDIO PONDERADO DE CAPITAL (WACC) RAFAEL IGREJAS Parte 1

Leia mais

Comparação entre Diferentes Modelos de Precificação de Ativos com Risco: CAPM e Variantes

Comparação entre Diferentes Modelos de Precificação de Ativos com Risco: CAPM e Variantes Comparação entre Diferentes Modelos de Precificação de Ativos com Risco: CAPM e Variantes Sabrina Soares da SILVA UFLA German Torres SALAZAR UFLA Cristina Lélis Leal CALEGÁRIO UFLA Resumo Os modelos de

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado

Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado O Gerenciamento de Risco de Mercado das Carteiras geridas pela Rio Verde Investimentos é efetuado pela Administradora dos Fundos, no caso BNY Mellon Serviços

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA. RCC5132 Finanças Corporativas SEMESTRE: 02/2015. Segunda-feira: 14:00-18:00 HORAS

PROGRAMA DA DISCIPLINA. RCC5132 Finanças Corporativas SEMESTRE: 02/2015. Segunda-feira: 14:00-18:00 HORAS PROGRAMA DA DISCIPLINA RCC5132 Finanças Corporativas SEMESTRE: 02/2015 Segunda-feira: 14:00-18:00 HORAS Marcelo Augusto Ambrozini marceloambrozini@usp.br Mestrado em Controladoria e contabilidade JUSTIFICATIVA

Leia mais

CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO

CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO Mário Henrique da F. Oliveira

Leia mais

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Pro. Alexandre Assaf Neto Este trabalho tem por objetivo básico apresentar as bases conceituais do processo de avaliação econômica de empresas. Avaliação

Leia mais

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Tânia Cristina Simões de Matos dos Santos Instituto Politécnico de Leiria 2012 Working paper nº 83/2012 globadvantage Center

Leia mais

A MODERNA TEORIA DE FINANÇAS

A MODERNA TEORIA DE FINANÇAS A MODERNA TEORIA DE FINANÇAS E A CONTROVÉRSIA SOBRE A HIPÓTESE DE MERCADO EFICIENTE E OS MODELOS DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS FINANCEIROS Cristiano Gimenes* Rubens Famá** Resumo Atualmente, a teoria financeira

Leia mais

Artigo Técnico. ROBERTO CARLINE + 55.11.235.9809 5900.analise@bradesco.com.br APRESENTAÇÃO

Artigo Técnico. ROBERTO CARLINE + 55.11.235.9809 5900.analise@bradesco.com.br APRESENTAÇÃO i ROBERTO CARLINE + 55.11.235.9809 5900.analise@bradesco.com.br APRESENTAÇÃO A moderna teoria de administração de portfolios vem procurando apresentar mecanismos para a obtenção da uma relação ótima entre

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas CUSTO DAS DIVERSAS FONTES DE CAPITAL Aula 4 Da aula passada: Vimos a relação entre risco e retorno; Os benefícios da diversificação (eliminação do risco não-sistemático); O que importa

Leia mais

RAM Revista de Administração Mackenzie, v. 10, n. 1

RAM Revista de Administração Mackenzie, v. 10, n. 1 RAM Revista de Administração Mackenzie, v. 10, n. 1 JAN./FEV. 2009 ISSN 1678-6971 COMPARAÇÃO DOS MODELOS DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS COM BASE NO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO E NO LUCRO RESIDUAL: ESTUDO DE CASO

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

OTIMIZAÇÃO MULTICRITÉRIO DE CARTEIRA DE INVESTIMENTOS

OTIMIZAÇÃO MULTICRITÉRIO DE CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. OTIMIZAÇÃO MULTICRITÉRIO

Leia mais

Modigliani e Miller (MM) Estrutura de Capital. MM - Proposição I. Efeito das imperfeições do mercado. Custo de Capital. Premissas do Modelo de MM

Modigliani e Miller (MM) Estrutura de Capital. MM - Proposição I. Efeito das imperfeições do mercado. Custo de Capital. Premissas do Modelo de MM Modigliani e Miller (MM) Estrutura de Capital Premissas do Modelo de MM Não existem impostos. O endividamento da empresa não afeta o seu custo de capital A divisão do lucro entre Dividendos e Lucros Retidos

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL Marcelo Maciel Monteiro Universidade Federal Fluminense, Engenharia de Produção Rua Martins Torres 296, Santa Rosa, Niterói, RJ, Cep 24240-700

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE OPÇÕES COBERTAS UTILIZANDO A TEORIA DE MARKOWITZ

OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE OPÇÕES COBERTAS UTILIZANDO A TEORIA DE MARKOWITZ OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE OPÇÕES COBERTAS UTILIZANDO A TEORIA DE MARKOWITZ LUIZ FERNANDO DE ALMEIDA PEREIRA - FATEC BP REGINALDO DIAS GRUNWALD NETO - FATEC BP GUILHERME CAMARGO DE ANDRADE - FATEC BP RESUMO

Leia mais

A ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM PROJETO DE E- COMMERCE DO TIPO CONSUMER-TO- CONSUMER (C2C) COM ÊNFASE NA ANÁLISE DE RISCOS

A ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM PROJETO DE E- COMMERCE DO TIPO CONSUMER-TO- CONSUMER (C2C) COM ÊNFASE NA ANÁLISE DE RISCOS A ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM PROJETO DE E- COMMERCE DO TIPO CONSUMER-TO- CONSUMER (C2C) COM ÊNFASE NA ANÁLISE DE RISCOS Rodrigo de Moares Gaudard (UnB) gaudard.rodrigo@gmail.com Iana Giesbrecht

Leia mais

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM) E SUA UTILIZAÇÃO NOS DIAS ATUAIS

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM) E SUA UTILIZAÇÃO NOS DIAS ATUAIS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM) E SUA UTILIZAÇÃO NOS DIAS ATUAIS Bruno Hartmut Kopittke, Dr. Universidade Federal de Santa Catarina bruno@eps.ufsc.br Sheizi Calheira de Freitas

Leia mais

Autora: Maria Izabel unes (izabeln@uol.com.br) UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 35 CAVALCANTE ASSOCIADOS

Autora: Maria Izabel unes (izabeln@uol.com.br) UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 35 CAVALCANTE ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 35 Í DICE BETA E SUA IMPORTÂ CIA PARA A DETERMI AÇÃO DE RISCO DOS ATIVOS Beta ajustado, contábil, alavancado e desalavancado Sua utilização como medida de risco dos ativos Autora:

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA PÓS-GRADUAÇÃO TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº01/2010 ESTRATÉGIAS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ARROZ A PARTIR

Leia mais

Felipe Lopes Meira Alves Matrícula nº: 121003

Felipe Lopes Meira Alves Matrícula nº: 121003 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA MBA EM FINANÇAS EMPRESARIAIS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Fronteira eficiente: Uma aplicação ao mercado brasileiro em 2012 Felipe Lopes Meira

Leia mais

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique.

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique. Prova Parcial Malvessi Questão 1 (15%) 1. A teoria moderna de administração financeira consagra 3 decisões estratégicas básicas para a tomada de decisão do administrador financeiro. Conceitue-as claramente.

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira e Estatística para APOFP/SEFAZ-SP/FCC/2010 realizada no último final de semana. A prova foi enviada por um aluno e o tipo é 005. Os

Leia mais

Sumário. Prefácio Introdução. Análise das Demonstrações Financeiras 1

Sumário. Prefácio Introdução. Análise das Demonstrações Financeiras 1 Sumário Prefácio Introdução xi xix CAPÍTULO 1 Análise das Demonstrações Financeiras 1 1. Revisão Teórica 2 1.1. Balanço Patrimonial (BP) 2 1.2. Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) 3 1.3. índices

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Custo de oportunidade do capital próprio, modelo CAPM.

Resumo. Palavras-chave: Custo de oportunidade do capital próprio, modelo CAPM. Modelo de Precificação de Ativos CAPM: Um Estudo Sobre a Apuração do Custo de Oportunidade do Capital Próprio Gilmar Forster 1 gilmarforster@yahoo.com.br Resumo A apuração do custo de oportunidade do capital

Leia mais

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Aula expositiva Ementa: Estudo da Moderna Teoria de Finanças e dos métodos que os administradores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA A GEOMETRIA DO VaR: (Value at risk) Aplicações computacionais AUTOR: RODOLFO VENDRASCO TACIN PROFESSOR

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

Tabela 1- Taxa de Retorno de Títulos da Dívida Brasileira Negociados em Nova York

Tabela 1- Taxa de Retorno de Títulos da Dívida Brasileira Negociados em Nova York Problemas de Estimação do Custo de Capital no Brasil Antônio Zoratto Sanvicente Andrea Maria Accioly Fonseca Minardi Ibmec Business School Junho de 1999 I. Introdução O intuito deste trabalho é discutir

Leia mais

8 Referências bibliográficas

8 Referências bibliográficas 8 Referências bibliográficas ALVES, M. Carro Flex Fuel: Uma Avaliação por Opções Reais. Dissertação (Mestrado em Administração). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

Leia mais

2. Avaliação de Ativos

2. Avaliação de Ativos 15 2. Avaliação de Ativos 2.1. O método tradicional Fluxo de Caixa Descontado (FCD) O método de fluxo de caixa descontado (FCD) é atualmente o mais utilizado por profissionais de finanças na avaliação

Leia mais

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão Gestão Financeira O custo do capital MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão A criação de valor para os accionistas/sócios pressupõe a remuneração do capital investido a uma taxa superior à do custo desse

Leia mais

Palavras-chave: Avaliação de Investimentos; Valor Presente Líquido; Taxa Interna de Retorno; Payback Descontado.

Palavras-chave: Avaliação de Investimentos; Valor Presente Líquido; Taxa Interna de Retorno; Payback Descontado. ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Autor: Luiz Henrique Figueira Marquezan 1 Orientador: Gilberto Brondani 2 RESUMO O presente trabalho objetiva evidenciar três métodos de avaliação de investimentos através das

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE L.P. E ESTRUTURA DE CAPITAIS E CUSTO DO CAPITAL ESTV-IPV

FONTES DE FINANCIAMENTO DE L.P. E ESTRUTURA DE CAPITAIS E CUSTO DO CAPITAL ESTV-IPV FONTE DE FINANCIAMENTO DE L.P. E ETRUTURA DE CAPITAI E CUTO DO CAPITAL ETV-IPV Questões importantes Quais os investimentos a longo prazo é que as empresas devem realizar. Que uso se deve fazer da dívida,

Leia mais

Risco das ações de instituições financeiras estatais e privadas do segmento bancário brasileiro

Risco das ações de instituições financeiras estatais e privadas do segmento bancário brasileiro Marinês Taffarel, Vicente Pacheco, Ademir Clemente & Willson Gerigk Risco das ações de instituições financeiras estatais e privadas do segmento bancário brasileiro Ma r i n ê s Ta f f a r e l UFPR, UNICENTRO

Leia mais

Determinação do Portfolio de Investimentos através de Programação Linear. Tema: Aplicaciones Matemáticas a la Contabilidad de Gestión

Determinação do Portfolio de Investimentos através de Programação Linear. Tema: Aplicaciones Matemáticas a la Contabilidad de Gestión Determinação do Portfolio de Investimentos através de Programação Linear Edilson Paulo Carlos Pedrosa Júnior Marcelo A. Moret José Roberto A. Fontoura Brasil Fundacao Visconde de Cairu Salvador Bahia e-mail:

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA REVISÃO DA TEORIA MODERNA DE MODIGLIANI E MILLER

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA REVISÃO DA TEORIA MODERNA DE MODIGLIANI E MILLER ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA REVISÃO DA TEORIA MODERNA DE MODIGLIANI E MILLER Ana Lúcia Pegetti 1 1 USP Universidade de São Paulo PNV Programa de Pós-Graduação do Departamento de Engenharia Naval Av. Prof.

Leia mais

Palavras-chave: risco e retorno; precificação de ativos; beta; CAPM; mercado de ações.

Palavras-chave: risco e retorno; precificação de ativos; beta; CAPM; mercado de ações. APLICAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DO CAPM EM DIVERSOS CENÁRIOS NO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO APPLICATION OF ALTERNATIVE CAPM METHODOLOGIES IN VARIOUS BRAZILIAN CAPITAL MARKET SCENARIOS JOSÉ MATIAS

Leia mais

As inter-relações de ativos financeiros: Um estudo sob a ótica dos diferentes intervalos de tempo das séries históricas.

As inter-relações de ativos financeiros: Um estudo sob a ótica dos diferentes intervalos de tempo das séries históricas. As inter-relações de ativos financeiros: Um estudo sob a ótica dos diferentes intervalos de tempo das séries históricas. Darks Fabiano Universidade Federal de Uberlândia (UFU-MG) darksfabiano@hotmail.com

Leia mais

Efeitos de Alavancagem e Oportunidades de Crescimento sobre o Investimento das Empresas Brasileiras

Efeitos de Alavancagem e Oportunidades de Crescimento sobre o Investimento das Empresas Brasileiras Efeitos de Alavancagem e Oportunidades de Crescimento sobre o Investimento das Empresas Brasileiras Autoria: Estefania Falqueto Milanez Resumo Este artigo tem como objetivo analisar a relação da alavancagem

Leia mais

AVALIAÇÃO de INVESTIMENTOS

AVALIAÇÃO de INVESTIMENTOS SÉRIE FINANÇAS NA PRÁTICA AVALIAÇÃO de INVESTIMENTOS ADRIANO LEAL BRUNI Respostas dos Exercícios Extras Respostas dos exercícios extras 1 Adriano Leal Bruni SÉRIE FINANÇAS NA PRÁTICA Avaliação de investimentos

Leia mais

DISCUSSÃO SOBRE OS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA: VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL), VALOR ANUAL EQUIVALENTE (VAE) E VALOR ESPERADO DA TERRA (VET) 1

DISCUSSÃO SOBRE OS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA: VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL), VALOR ANUAL EQUIVALENTE (VAE) E VALOR ESPERADO DA TERRA (VET) 1 931 DISCUSSÃO SOBRE OS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA: VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL), VALOR ANUAL EQUIVALENTE (VAE) E VALOR ESPERADO DA TERRA (VET) 1 Márcio Lopes da Silva 2 e Alessandro Albino Fontes

Leia mais

Cálculo do Custo de Capital Próprio (Utilizando o CAPM)

Cálculo do Custo de Capital Próprio (Utilizando o CAPM) Cálculo do Custo de Capital Próprio (Utilizando o CAPM)! Petroquímica Brasil (nome de fantasia)! Guia para elaboração de um relatório do trabalho Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Elaboração e Avaliação de Projectos de Investimento

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Elaboração e Avaliação de Projectos de Investimento INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 5/11/2014 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 23/2/2015 Ficha de Unidade

Leia mais

Aspectos básicos do modelo de avaliação de opções reais

Aspectos básicos do modelo de avaliação de opções reais Aspectos básicos do modelo de avaliação de opções reais Valter Saurin* Resumo No desenvolvimento do texto, apresentam-se os aspectos básicos e exemplos do emprego do Modelo de Avaliação de Opções (Option

Leia mais

A DETERMINAÇÃO DO CUSTO MÉDIO PONDERADO DO CAPITAL EM MERCADOS RECESSIVOS E INSTÁVEIS

A DETERMINAÇÃO DO CUSTO MÉDIO PONDERADO DO CAPITAL EM MERCADOS RECESSIVOS E INSTÁVEIS TÍTULO: A DETERMINAÇÃO DO CUSTO MÉDIO PONDERADO DO CAPITAL EM MERCADOS RECESSIVOS E INSTÁVEIS AUTOR: LUCIANO DE CASTRO GARCIA LEAO Contador, Economista, Mestre e Doutorando em Contabilidade e Controladoria

Leia mais

Programa de Mestrado Profissional em Economia Área de Especialização: Finanças [mestradoprofissional@fgv.br]

Programa de Mestrado Profissional em Economia Área de Especialização: Finanças [mestradoprofissional@fgv.br] Programa de Mestrado Profissional em Economia Área de Especialização: Finanças [mestradoprofissional@fgv.br] Disciplina: ESTRATÉGIA FINANCEIRA Professores: RAFAEL SCHIOZER; 1 Semestre de 2008 EMENTA Esse

Leia mais

2010 Incapital Finance - 3

2010 Incapital Finance - 3 METODOLOGIAS PARA AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BELO HORIZONTE - MG Apresentação: Palestra Fusões e Aquisições Cenários e Perspectivas Valuation Metodologias e Aplicações Desenvolvimento: Índice: 1. Introdução

Leia mais

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido 2. A Teoria Clássica 2. A Teoria Clássica 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido Os mercados financeiros desempenham o papel de permitir que indivíduos e corporações transfiram dinheiro intertemporalmente.

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes O Modelo CAPM por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes Em um mercado perfeito, caracterizado pela ausência de impostos e outros custos de transações, onde haja perfeita simetria de informações

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DO GOVERNO MODELOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO NO ESTADO

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DO GOVERNO MODELOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO NO ESTADO GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DO GOVERNO MODELOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO NO ESTADO FASE 2: MODELAGEM ECONÔMICO-FINANCEIRA (TERESINA) RELATÓRIO 10 - DEFINIÇÃO DO WACC REGULATÓRIO

Leia mais

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Luiz Fernando Rolla Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Nossa base de acionistas assegura liquidez América do Norte Canadá Estados Unidos México Europa Luxemburgo

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS Disciplina: Economia 30 h/a Mercado e seu equilíbrio: teoria do consumidor e a curva de demanda; Teoria da produção, custos, e a curva de

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO EMPRESARIAL E DOS PREÇOS DE AÇÕES

INDICADORES DE DESEMPENHO EMPRESARIAL E DOS PREÇOS DE AÇÕES recebido em 12/2006 - aprovado em 03/2008 UM ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE OS COMPORTAMENTOS DE INDICADORES DE DESEMPENHO EMPRESARIAL E DOS PREÇOS DE AÇÕES A STUDY ON THE RELATION BETWEEN THE BEHAVIORS OF CORPORATE

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CARTEIRAS NA FRONTEIRA EFICIENTE UTILIZANDO MULTIPLICADORES DE LAGRANGE

COMPARAÇÃO DE CARTEIRAS NA FRONTEIRA EFICIENTE UTILIZANDO MULTIPLICADORES DE LAGRANGE COMPARAÇÃO DE CARTEIRAS NA FRONTEIRA EFICIENTE UTILIZANDO MULTIPLICADORES DE LAGRANGE CATHARINA PIRES MINOZZO EMILIO ARAUJO MENEZES JAILON ROGÉRIO GIACOMELLI Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC

Leia mais

Preço Médio Ponderado das Ações 39. Fluxo de Caixa Descontado 42. Valor do Patrimônio Líquido Contábil 56

Preço Médio Ponderado das Ações 39. Fluxo de Caixa Descontado 42. Valor do Patrimônio Líquido Contábil 56 Preço Médio Ponderado das Ações 39 Fluxo de Caixa Descontado 42 Valor do Patrimônio Líquido Contábil 56 1. A Ceres Inteligência Financeira Ltda. Participações em Ativos de Energia Elétrica - 2. A CERES

Leia mais

Trabalho de Conclusão do Curso AVALIAÇÃO FINANCEIRA DA GERDAU S.A. Alessandro Tommasini Mady

Trabalho de Conclusão do Curso AVALIAÇÃO FINANCEIRA DA GERDAU S.A. Alessandro Tommasini Mady INSPER INSTITUTO DE EDUCAÇÂO E PESQUISA PROGRAMAS CERTIFICATES Trabalho de Conclusão do Curso AVALIAÇÃO FINANCEIRA DA GERDAU S.A Alessandro Tommasini Mady 2 ÍNDICE 1. RESUMO... 3 2. INTRODUÇÃO... 4 3.

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Engenharia Campus de Ilha Solteira

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Engenharia Campus de Ilha Solteira unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Engenharia Campus de Ilha Solteira ESTUDO DE CONCEITOS DO MERCADO FINANCEIRO USANDO CONCEITOS ESTATÍSTICOS SIBELI AP. DE SOUZA

Leia mais

Uma Proposta de Cálculo do Custo de Capital no Brasil

Uma Proposta de Cálculo do Custo de Capital no Brasil Uma Proposta de Cálculo do Custo de Capital no Brasil Alexandre Assaf Neto - Professor Livre-Docente da FEA-RP/USP - Consultor de Empresas Fabiano Guasti Lima - Doutor em Administração FEA-SP/USP - Vice-Reitor

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO José Carlos Franco de Abreu Neto Quantificação do Risco de Crédito: Uma abordagem utilizando o modelo estrutural de Merton Dissertação de Mestrado Dissertação

Leia mais

ESTIMATIVA DE VENDAS EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS UTILIZANDO SIMULAÇÃO

ESTIMATIVA DE VENDAS EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS UTILIZANDO SIMULAÇÃO ESTIMATIVA DE VENDAS EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS UTILIZANDO SIMULAÇÃO Pedro Beck Di Bernardi Mestre do Programa de Pós Graduação PPGEC/UFSC. Campus Universitário.Cx Postal 479 Florianópolis - SC CEP

Leia mais

SELEÇÃO DE PORTFÓLIOS COM FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADOS

SELEÇÃO DE PORTFÓLIOS COM FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADOS V I I S E M E A D T R A B A L H O C I E N T Í F I C O F I N A N Ç A S SELEÇÃO DE PORTFÓLIOS COM FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADOS Roerto Frota Decourt Mestrando em Administração UNIFECAP Rua Taapuã,

Leia mais

ANÁLISE DA GERAÇÃO DE VALOR MEDIDA PELO EVA E POR VETORES DE DESEMPENHO DE NATUREZA CONTÁBIL UM ESTUDO DE CASO ABORDANDO A COMPANHIA VALE DO RIO DOCE

ANÁLISE DA GERAÇÃO DE VALOR MEDIDA PELO EVA E POR VETORES DE DESEMPENHO DE NATUREZA CONTÁBIL UM ESTUDO DE CASO ABORDANDO A COMPANHIA VALE DO RIO DOCE ANÁLISE DA GERAÇÃO DE VALOR MEDIDA PELO EVA E POR VETORES DE DESEMPENHO DE NATUREZA CONTÁBIL UM ESTUDO DE CASO ABORDANDO A COMPANHIA VALE DO RIO DOCE Autoria: José Odálio dos Santos, Adriano Mussa, Wilson

Leia mais

A Teoria de Opções Reais: Uma Abordagem para Avaliar Investimentos da Indústria de Venture Capital

A Teoria de Opções Reais: Uma Abordagem para Avaliar Investimentos da Indústria de Venture Capital Rafael Campos Laskier A Teoria de Opções Reais: Uma Abordagem para Avaliar Investimentos da Indústria de Venture Capital Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

Veja na figura 1 o fluxo de caixa (em $1.000) que pode exprimir as entradas e saídas de caixa de um desenvolvimento de um novo produto:

Veja na figura 1 o fluxo de caixa (em $1.000) que pode exprimir as entradas e saídas de caixa de um desenvolvimento de um novo produto: CAPÍTULO 8 OPÇÕES REAIS 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Segundo Copeland, Koller e Murrin Os métodos de precificação de opções são superiores às abordagens DCF (Discounted Cash Flow) tradicionais porque captam

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO

GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO VAL- 1 GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO FINANÇAS EMPRESARIAIS VAL- 2! Objectivos do curso! Programa! Material de estudo / Grupos! Avaliação! Bibliografia! Contactos OBJECTIVOS VAL- 3 " Fornecer aos alunos

Leia mais

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63 Sumário Capítulo 1 Conceitos de matemática financeira 1 1.1 Introdução 1 1.2 Taxa de juro nominal e taxa de juro real 3 1.2.1 Fórmula 3 1.3 Capitalização simples 4 1.3.1 Fórmulas 4 1.4 Capitalização composta

Leia mais

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03 FINANÇAS ANALISTA ÁREA 02 BACEN 2009 PROVA RESOLVIDA 38 Quando um investidor faz uma venda de um título a descoberto, isso significa que (A) comprou anteriormente a descoberto. (B) comprou e depois vendeu

Leia mais

Retorno e risco de carteiras de investimento

Retorno e risco de carteiras de investimento Retorno e risco de carteiras de investimento 1 OBJETIVOS DA UNIDADE DE ESTUDO Compreender o processo de avaliação do risco de uma carteira. Definir e mensurar a covariancia entre duas variáveis Definir

Leia mais

6 Bibliografia. ALLADI, Venkatesh. Postmodernism, Consumer Culture and the Society of the Spectacle. Advances in Consumer Research, 1992.

6 Bibliografia. ALLADI, Venkatesh. Postmodernism, Consumer Culture and the Society of the Spectacle. Advances in Consumer Research, 1992. 6 Bibliografia ALLADI, Venkatesh. Postmodernism, Consumer Culture and the Society of the Spectacle. Advances in Consumer Research, 1992. ALLÉRÈS, Danielle. Luxo: Estratégia de Marketing. Rio de Janeiro:

Leia mais

Março/2012 - Parte3. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto

Março/2012 - Parte3. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto Pag.1 Pag.2 Pag.3 Métodos de Análise Valor Presente Líquido (VPL): Fácil de entender, fácil de calcular. Depende do conhecimento prévio de uma taxa de desconto. Taxa Interna de Retorno (TIR): Difícil de

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO EM INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS: CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS E SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO

ANÁLISE DE RISCO EM INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS: CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS E SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO ANÁLISE DE RISCO EM INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS: CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS E SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO Pedro Beck Di Bernardi (1); Norberto Hochheim (2) (1) Departamento de Engenharia Civil Centro Tecnológico

Leia mais

Avaliação de empresas pelo método de fluxo de caixa descontado e os desvios causados pela utilização de taxas de desconto inadequadas

Avaliação de empresas pelo método de fluxo de caixa descontado e os desvios causados pela utilização de taxas de desconto inadequadas Avaliação de empresas pelo método de fluxo de caixa descontado e os desvios causados pela utilização de taxas de desconto inadequadas Luciana Endler * Sinopse: Este artigo objetiva apresentar as principais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA APLICADA LARISSA DE OLIVEIRA RESENDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA APLICADA LARISSA DE OLIVEIRA RESENDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA APLICADA LARISSA DE OLIVEIRA RESENDE AVALIAÇÃO DE ATIVOS ALAVANCADOS SOB RISCO Juiz de Fora 2015 LARISSA

Leia mais

Finanças Corporativas

Finanças Corporativas 1-1 Finanças Corporativas Prof. Edson de Oliveira Pamplona www.iepg.unifei.edu.br/edson 1 1-2 Finanças Corporativas Sumário 1. Conceitos e objetivos de Finanças Corporativas. Modalidades de organização.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO EM ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA A INSTALAÇÃO DE UM CONJUNTO DE REBENEFICIAMENTO DE CAFÉ NA COCARIVE

UTILIZAÇÃO DA SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO EM ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA A INSTALAÇÃO DE UM CONJUNTO DE REBENEFICIAMENTO DE CAFÉ NA COCARIVE UTILIZAÇÃO DA SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO EM ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA A INSTALAÇÃO DE UM CONJUNTO DE REBENEFICIAMENTO DE CAFÉ NA COCARIVE Kleber de Castro Junqueira Escola Federal de Engenharia

Leia mais

A ANÁLISE DE RISCO COMO FERRAMENTA PARA TOMADA DE DECISÕES DE INVESTIMENTOS

A ANÁLISE DE RISCO COMO FERRAMENTA PARA TOMADA DE DECISÕES DE INVESTIMENTOS A ANÁLISE DE RISCO COMO FERRAMENTA PARA TOMADA DE DECISÕES DE INVESTIMENTOS RESUMO Toda empresa tem seu risco financeiro. A adoção de determinada estrutura em seu ativo, cria expectativas e metas ligadas

Leia mais

2 Revisão da Literatura

2 Revisão da Literatura 12 2 Revisão da Literatura 2.1. Avaliações de Projetos de Investimentos 2.1.1. Avaliações pelo Método do Fluxo de Caixa Descontado O método do fluxo de caixa descontado diz respeito ao conceito do valor

Leia mais

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL FINANÇAS CORPORATIVAS

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL FINANÇAS CORPORATIVAS MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL FINANÇAS CORPORATIVAS O QUE É A DISCIPLINA? OBJETIVO: 1. Fornecer ao aluno conhecimento de algumas estratégias financeiras utilizadas nas organizações para tomadas de decisões

Leia mais

Revisão Copel (CPLE6) Preço Teórico R$ 35,00 (COMPRA) 28.01.2009

Revisão Copel (CPLE6) Preço Teórico R$ 35,00 (COMPRA) 28.01.2009 Revisão Copel (CPLE6) Preço Teórico R$ 35,00 (COMPRA) 28.01.2009 Empresa Código Recomendação Fechamento* Preço-Teórico* Upside Risco Lote Copel PNB CPLE6 Compra 21,85 35,00 60,2% Elevado 1 EV/EBITDA (atual)

Leia mais

Os fundos de ações e a alocação ótima de ativos proposta por Markowitz

Os fundos de ações e a alocação ótima de ativos proposta por Markowitz Os fundos de ações e a alocação ótima de ativos proposta por Markowitz Luiz Carlos Pereira Antonio Carlos Magalhães da Silva Universidade Estácio de Sá - UESA Octavio Manuel Bessada Lion Alfredo Maciel

Leia mais

I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O

I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O Sumário Prefácio, xiii Parte I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O que são Finanças Corporativas?, 3 1 Introdução, 3 2 Objetivos empresariais, 4 3 Estratégias operacionais, 5 4 Estrutura

Leia mais

Análise de Sensibilidade

Análise de Sensibilidade Análise de Risco de Projetos Análise de Risco Prof. Luiz Brandão Métodos de Avaliação de Risco Análise de Cenário Esta metodologia amplia os horizontes do FCD obrigando o analista a pensar em diversos

Leia mais

A AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO PELO MÉTODO FCD NA MAXIMIZAÇÃO DO VALOR DA EMPRESA Silvano Santiago Malta 1

A AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO PELO MÉTODO FCD NA MAXIMIZAÇÃO DO VALOR DA EMPRESA Silvano Santiago Malta 1 A AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO PELO MÉTODO FCD NA MAXIMIZAÇÃO DO VALOR DA EMPRESA Silvano Santiago Malta 1 Resumo: Diante das inúmeras oportunidades de negócios as decisões de investimentos são

Leia mais

Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos. ITABIRAPREV - Instituto de Previdência de Itabira - MG

Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos. ITABIRAPREV - Instituto de Previdência de Itabira - MG Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos ITABIRAPREV - Instituto de Previdência de Itabira - MG Milhares (R$) Milhões 1. Introdução O presente relatório possui o objetivo de demonstrar

Leia mais

Título: GOVERNANÇA CORPORATIVA E O DESEMPENHO DAS AÇÕES DE EMPRESAS DO SETOR ELÉTRICO

Título: GOVERNANÇA CORPORATIVA E O DESEMPENHO DAS AÇÕES DE EMPRESAS DO SETOR ELÉTRICO Título: GOVERNANÇA CORPORATIVA E O DESEMPENHO DAS AÇÕES DE EMPRESAS DO SETOR ELÉTRICO AUTORES DENIS LIMA E ALVES Universidade Federal de Uberlândia alves.denis@yahoo.com.br KÁREM CRISTINA DE SOUSA RIBEIRO

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais