SÉRGIO APARECIDO NABARRO O BANCO DA TERRA EM TAMARANA - PR: O CASO DOS GRUPOS RENASCER II E III

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SÉRGIO APARECIDO NABARRO O BANCO DA TERRA EM TAMARANA - PR: O CASO DOS GRUPOS RENASCER II E III"

Transcrição

1 SÉRGIO APARECIDO NABARRO O BANCO DA TERRA EM TAMARANA - PR: O CASO DOS GRUPOS RENASCER II E III Londrina 2007

2 II SÉRGIO APARECIDO NABARRO O BANCO DA TERRA EM TAMARANA - PR: O CASO DOS GRUPOS RENASCER II E III Monografia apresentada ao Curso de Geografia da Universidade Estadual de Londrina UEL, como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Geografia. Orientador: Profª. Drª Ruth Youko Tsukamoto Londrina 2007

3 Nabarro, Sérgio Aparecido O Banco da Terra em Tamarana Pr: O Caso dos Grupos Renascer II e III / Sérgio Aparecido Nabarro. Londrina: UEL / Departamento de Geociências, xiii, 77 p. : il. ; 31 cm. Orientador: Ruth Youko Tsukamoto Monografia (Bacharelado) Universidade Estadual de Londrina, Departamento de Geociências, Graduação em Geografia, Referências bibliográficas: f Geografia Agrária. 2. Questão Agrária. 3. Concentração Fundiária - Monografia. I. Tsukamoto, Ruth Youko. II. Universidade Estadual de Londrina, Departamento de Geociências, Graduação em Geografia. III.Título. III

4 IV SÉRGIO APARECIDO NABARRO O BANCO DA TERRA EM TAMARANA PR: O CASO DOS GRUPOS RENASCER II E III Monografia apresentada ao Curso de Geografia da Universidade Estadual de Londrina UEL, como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Geografia. COMISSÃO EXAMINADORA Profª Drª Ruth Youko Tsukamoto Universidade Estadual de Londrina Profª Drª Alice Yatiyo Asari Universidade Estadual de Londrina Profª Drª Ideni Terezinha Antonello Universidade Estadual de Londrina Londrina, 12 de dezembro de 2007.

5 V Dedico este trabalho a meus familiares e amigos... companheiros de todas as horas...

6 VI AGRADECIMENTOS À Profª Drª Ruth Youko Tsukamoto, minha orientadora e amiga de todas as horas, que me apresentou a Geografia Agrária e que me acompanhou em mais esta jornada. A minha família, pela confiança e motivação. Aos amigos, pela força e pela vibração em relação a esta jornada. A todos os professores e colegas do Departamento de Geociências da Universidade Estadual de Londrina, pois juntos trilhamos uma etapa importante da minha vida. A todos os entrevistados, pela concessão de informações valiosas para a realização deste estudo. A todos que, com boa intenção, colaboraram para a realização e finalização deste trabalho.

7 VII A terra não é apenas um lugar de produção. É um espaço de vida que inspira o sonho e a luta por uma sociedade nova. Mensagem dos romeiros e romeiras ao final da 20ª Romaria da Terra e da Água de Santa Catarina, 2007.

8 VIII NABARRO, Sérgio Aparecido. O Banco da Terra em Tamarana Pr: O caso dos Grupos Renascer II e III. 77 fls. Monografia (Bacharelado em Geografia) Centro de Ciências Exatas, Departamento de Geociências, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, RESUMO O Fundo de Terras e da Reforma Agrária Banco da Terra, criado pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso (F.H.C.), através da lei complementar nº 93 de 04/02/1998 e regulamentado pelo Decreto nº 3.027/99, que no governo Lula foi transformado em Programa Nacional de Crédito Fundiário, tem como finalidade financiar programas de reordenação fundiária e de assentamento rural. Além da compra da terra, o programa financia obras de infra-estrutura básica na propriedade, e os custos cartorários para o registro dos lotes formados a partir da aquisição da terra. Com o presente, pretendemos analisar o processo de formação e de consolidação de grupos de produtores formados por meio do Banco da Terra, mostrando os resultados da pesquisa realizada nos Grupos Renascer II e III, localizados em Tamarana, região norte do estado do Paraná. Foi escolhido este município em virtude da expressiva quantidade de grupos formados a partir deste programa, também por possuir oito assentamentos rurais, resultado da luta do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), efetivados pelo INCRA. Palavras-chave: Banco da Terra. Tamarana. F.H.C. Formação. Consolidação.

9 IX NABARRO, Sérgio Aparecido. El Banco de la Tierra en el Municipio de Tamarana Pr: El caso de los Grupos Renascer II e III. 77 páginas. Monografia (Geografia) Centro de Ciências Exatas, Departamento de Geociências, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Brasil, RESUMEN El Fondo de Tierras y la Reforma Agrária Banco de la Tierra, que fue creado por el entonces presidente Fernando Henrique Cardoso (F.H.C), a través de la ley 93 de 04/02/98 y reglamentado por el decreto 3.027/99, que en el gobierno del actual presidente Luiz Inácio Lula da Silva fue transformado en Programa Nacional de Crédito Agrário, tiene por finalidad financiar programas de reorganización agrária y de assentamiento rural. Además de la tierra, el programa financia las obras básicas en la propriedad y los costos notoriales para el registro de los lotes creados con la aquisición de la tierra. Con este trabajo, intentamos analizar los procesos de formación y consolidación de los grupos campesinos formados por medio del Banco de la Tierra, exponiendo los resultados de la investigación realizada en los Grupos Renascer II y III, ubicados en el municipio de Tamarana, región norte de la provincia Paraná (Brasil). Fue seleccionado este municipio por su expresiva quantidad de grupos creados a través del Banco de la Tierra y por presentar ocho assentamientos rurales, resultado de la lucha del Movimiento de los Trabajadores Rurales Sin Tierra (MST), creados por el Instituto de Colonización y Reforma Agrária (INCRA). Palavras-clave: Banco de la Tierra. Tamarana. F.H.C. Formación. Consolidación.

10 X SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS...XII LISTA DE FOTOS...Xll LISTA DE GRÁFICOS...Xlll LISTA DE TABELAS...Xlll INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZANDO A CRIAÇÃO E OS OBJETIVOS DO PROGRAMA BANCO DA TERRA O MST e a luta pela reforma agrária A criação do Banco da Terra e seus objetivos Espacialização do Banco da Terra e a Atuação no Sul do Brasil OCUPAÇÃO DO NORTE DO PARANÁ E O ESPAÇO AGRÁRIO DE TAMARANA Ocupação do Norte do Paraná O município de Tamarana e seu espaço agrário O BANCO DA TERRA EM TAMARANA: O CASO RENASCER II E III Perfil dos produtores A criação dos grupos e o financiamento da terra Uso da terra, produção e comercialização Dificuldades enfrentadas e perspectivas para o futuro CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BIBLIOGRAFIA CONSULTADA...53 APÊNDICE...57

11 XI Apêndice A Questionário Aplicado...58 ANEXOS...67 Anexo A Lei de Criação do Programa Banco da Terra...68 Anexo B Contratos com o Banco da Terra no Estado do Paraná...72 Anexo C Plano de Recuperação e Regularização dos Projetos Financiados pelo Fundo de Terras (Programas Banco da Terra e Cédula da Terra)...75

12 XII LISTA DE FIGURAS Figura 1 Tramitação do Programa Banco da Terra...9 Figura 2 Espacialização do Programa Cédula da Terra...14 Figura 3 Espacialização do Programa Banco da Terra...14 Figura 4 Número de Contratos com o Banco da Terra...14 Figura 5 Número de Famílias Beneficiadas...14 Figura 6 Contratos com o Banco da Terra no Estado do Paraná...16 Figura 7 Mapa de Solos, Distribuição dos Assentamentos, Grupos do Banco da Terra e Vilas Rurais...22 Figura 8 Planta dos Grupos Renascer II e III...29 Figura 9 Tramitação do Programa Banco da Terra em Tamarana...32 Figura 10 Uso da Terra...36 Figura 11 Situação Atual dos Lotes...45 LISTA DE FOTOS Foto 1 Lote do Grupo Renascer II...28 Foto 2 Antiga Sede da Estância Quadra...30 Foto 3 Lavoura de Acelga e Repolho...37 Foto 4 Sede da APRONOR...39 Foto 5 Moradia de um lote do Grupo Renascer III...40 Foto 6 Obras na Estrada...42 Foto 7 Estrada de Acesso aos Grupos Renascer II e III...43 Foto 8 Veículo para o Transporte da Produção...43

13 XIII LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Famílias Envolvidas em Ocupações de Terras...8 Gráfico 2 Área Média por Família...17 Gráfico 3 Faixa Etária...27 Gráfico 4 Local de Nascimento...27 Gráfico 5 Nível de Escolaridade...27 Gráfico 6 Moradia Antes do Grupo Renascer...27 Gráfico 7 Última Residência...27 Gráfico 8 Ultima Atividade Exercida...27 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Conflitos de Terras no Brasil...6 Tabela 2 Balanço das Operações do Banco da Terra entre 1999 e Tabela 3 Assentamentos Rurais e Grupos do Banco da Terra do Município de Tamarana...23 Tabela 4 Principais Culturas / Tabela 5 Valores Financiados no Contrato do Grupo Renascer II...33 Tabela 6 Valores Financiados no Contrato do Grupo Renascer III...33 Tabela 7 Parcelas do Financiamento...34 Tabela 8 Uso Atual da Terra, Produção e Comercialização...35 Tabela 9 Nível de Tecnológico...37

14 1 INTRODUÇÃO Mais de oito anos após a formação do primeiro grupo de famílias, os programas de reforma agrária financiados pelo Banco Mundial ainda causam polêmica. De um lado pesquisadores e os movimentos sociais alegando estar havendo uma reforma agrária de mercado, também chamada por alguns de Contra- Reforma Agrária, de outro, o governo, via Ministério do Desenvolvimento Agrário, diz estar tomando medidas que atendam as necessidades do campo. Vale a pena salientar que a partir da década de 1990, principalmente no governo de Fernando Henrique Cardoso novas políticas foram adotadas para o desenvolvimento do campo, bem como para tentar amenizar os conflitos por terras, com destaque aos provenientes de ocupações protagonizadas por militantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST). É preciso destacar que mesmo após oito anos de governo FHC, e início do governo Lula, os programas pautados na ótica neoliberal do Banco Mundial ainda existem, porém com outros nomes e com pequenas modificações. Neste sentido, a luta dos movimentos sociais rurais, sobretudo a do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), ainda continua, mesmo após episódios como o Massacre de Corumbiara, em Rondônia, e de Eldorado de Carajás, no estado do Pará. Com este trabalho, não pretendemos esgotar o assunto, mas analisar o processo de criação, implantação e a consolidação dos grupos formados a partir do Programa Banco da Terra, estudando o caso da Associação dos Produtores Rurais do Grupo Renascer II e a Associação dos Produtores Rurais do Grupo Renascer III, no município de Tamarana, região Norte do estado do Paraná. Além de verificar a viabilidade desse tipo de reforma agrária, através de análises, mapeamentos e dados divulgados por órgãos como Ministério do Desenvolvimento Agrário, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, e Comissão Pastoral da Terra, complementados por pesquisa bibliográfica a respeito do tema. Foram entrevistadas 20 das 35 famílias dos Grupos Renascer II e III, além de entrevistas e levantamento de dados em órgãos como: Secretaria Municipal de Agricultura, Prefeitura, EMATER, Cartório de Imóveis e Sindicato dos Trabalhadores Rurais, todos do município de Tamarana.

15 2 No capítulo 1, Contextualizando a criação e os objetivos do Programa Banco da Terra contém um breve histórico da questão agrária no Brasil, a luta pela terra e crescimento dos conflitos no campo nos anos que antecederam a criação do Programa. Também, analisamos as regras dos programa e sua espacialização no Brasil, enfatizando sua atuação nos estados da região Sul. Ocupação do Norte do Paraná e o espaço agrário de Tamarana, segundo capítulo, realizamos uma breve discussão sobre a ocupação da região Norte do Paraná, visando diferenciar o processo de ocupação pela Companhia de Terras Norte do Paraná, no início da década de 1930, com a dos chamados safristas. Nesse contexto, abordamos sobre os assentamentos rurais, destacando sua importância, e dos grupos de agricultores no desenvolvimento municipal. O terceiro capítulo, O Banco da Terra em Tamarana: o caso Renascer II e III caracterizamos os componentes dos grupos, o processo de formação dos mesmos (a compra da área e detalhes dos contratos), a dinâmica da produção, do transporte e da comercialização, bem como as dificuldades enfrentadas e as perspectivas para o futuro. Cumpre esclarecer que não logramos êxito em alguns levantamentos e entrevistas, tais como: Banco do Brasil, INCRA e Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento. Tais dificuldades foram em virtude da confidencialidade dos documentos relacionados ao Programa Banco da Terra. Uma outra dificuldade enfrentada no desenvolvimento deste trabalho foi o levantamento contábil das famílias entrevistadas que tentamos realizar, mas de 10 cadernetas de anotações de receitas e despesas, retornou apenas uma e preenchida com apenas um mês.

16 3 1 CONTEXTUALIZANDO A CRIAÇÃO E OS OBJETIVOS DO PROGRAMA BANCO DA TERRA O problema da concentração fundiária no Brasil não é recente, pois teve início no processo de colonização do território, durante o século XVI, com capitanias hereditárias. Criadas em 1534, as capitanias eram extensos trechos, de 30 a 150 léguas (de 125 a 625 km), entregues ao seu donatário, com amplas concessões, grandes favores para eles e seus companheiros. (THOMAS, 1964 p.43) Após o declínio do sistema de capitanias hereditárias os processos de ocupação e exploração da porção de terra recém descoberta se intensificaram. A exploração, em primeiro lugar da madeira (pau-brasil) e, posteriormente da cana-deaçúcar criaram a necessidade de mão-de-obra, que no início era a indígena, e posteriormente negra, utilizada até o ano de 1888, com a promulgação da Lei Áurea que aboliu a escravidão no Brasil. Segundo Stédile (2005): Com a invasão dos europeus, a organização da produção e a apropriação dos bens da natureza aqui existentes estiveram sob a égide das leis do capitalismo mercantil que caracteriza o período histórico já dominante na Europa. Tudo era transformado em mercadoria. Todas as atividades produtivas e extrativas visavam lucro. E tudo era enviado à metrópole européia, como forma de realização e de acumulação capital. No século XIX a colônia exportava cerca de 80% do que produzia. Para tal, o modelo de produção adotado era o plantation, definido por Stédile (2005 p. 21) como: a forma de organizar a produção agrícola em grandes fazendas de área contínua, praticando a monocultura, ou seja, especializando-se num único produto, destinando-o à exportação, seja ele a cana-de-açúcar, o cacau, o algodão, gado etc., e utilizando mão-de-obra escrava. Até a primeira metade do século XIX a concessão de uso da terra era hereditária, mas essa concessão não dava o direito a venda das terras, ou mesmo a compra de terras vizinhas. Até esse período não havia a propriedade privada da terra, ou seja, a terra ainda não havia se tornado uma mercadoria. Ainda de acordo com Stédile (2005 p. 22), apenas em 1850 foi publicada a Lei nº 601 chamada até hoje de Lei de Terras, que veio legitimar a concentração fundiária no Brasil, e caracterizar a estrutura fundiária da época, com presença

17 4 maciça de latifúndios. De acordo com a lei ficam proibidas as aquisições de terras devolutas por outro título que não seja a compra. Desta forma, a Lei de Terras de 1850 fechou todas as portas para a aquisição de terras por parte de pessoas que não possuíam grande poder aquisitivo na época, e acabou com a possibilidade de realização de uma reforma agrária. Com a abolição da escravatura, já esperada, principalmente por pressões externas, sobretudo da Inglaterra, haja vista que a Lei de Terras de três décadas antes já acabara com a possibilidade de um ex-escravo ser dono de sua própria terra. Os negros libertos foram impedidos de se tornarem produtores rurais, mesmo pequenos produtores, tiveram também cerceado o seu direito de lutar pela conquista da terra, não tendo outra opção senão trabalhar para os latifundiários. Na década de 1930 a questão agrária brasileira merece destaque, sobretudo pela crise da economia cafeeira, um dos pilares do desenvolvimento econômico brasileiro, ocasionada pela quebra da Bolsa de Nova Iorque, em Após essa crise, a questão agrária ganha importância até o final da década de 1950 com as definições e debates sobre os rumos da industrialização brasileira. Na época acreditava-se que a agricultura seria um complicador para o processo de industrialização, pois nesta fase o campo era encarado como um setor atrasado, pois apenas as atividades ligadas há áreas urbanas eram vistas como modernas. Em março de 1964, após anunciar a realização de uma reforma agrária, João Goulart foi deposto e assim teve início o Regime Militar, que iria até os primeiros anos da década de Nesta fase houve severa repressão a todo e qualquer tipo de manifestação popular. A falta de políticas voltadas para o pequeno produtor, somada à crescente concentração fundiária, fez com que os produtores migrassem para a cidade, em virtude das dificuldades da vida no campo. Foi nesse contexto que, no início da década de 1980, o Regime Militar entra em crise, entre outros motivos pela crescente pressão popular em instaurar um governo democrático, até ser extinto em meados de Com isso as pressões populares, em busca de melhores condições de trabalho, moradia e justiça social, se intensificam, e com elas a questão da terra ressurge.

18 5 1.1 O MST e a luta pela reforma agrária Em virtude da má vontade política no tocante a realização de uma ampla reforma agrária, surgem as lutas dos trabalhadores rurais para a realização de mudanças no campo. Os trabalhadores rurais sem terra, se organizaram para exigir políticas publicas para a realização de uma ampla reforma agrária no Brasil. A história agrária brasileira apresenta um dinamismo originário da pressão daqueles que lutam e morrem pela terra. Em certas conjunturas, o conflito pela posse da terra torna-se tão agudo que o Estado é forçado a sair do marasmo agrário. (BERGAMASCO e NORDER, 1999, p. 35). Atualmente no Brasil existem inúmeros movimentos sociais de luta pela terra. Destacamos o maior e mais atuante deles, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) que segundo OLIVEIRA, [...] é o principal movimento que representa a luta do campesinato brasileiro, por ser uma organização sólida e de caráter nacional; é um movimento jovem, datando seu início na década de 1980 baseado na ação de ocupação acampamento assentamento; possui uma organização democrática, de massa e respeita as decisões tomadas coletivamente e, essas, praticadas por todos. (2001, p. 196). O MST inicia a luta pela terra no final da década de 1970, porém é no ano de 1984, em Cascavel, durante o Encontro Nacional dos Sem Terra, que o movimento se consolida e passa a representar um avanço da mobilização e organização da luta pela terra no Brasil. Realiza seu primeiro congresso em 1985, com o lema sem reforma agrária não há democracia, referindo-se ao final da ditadura militar no Brasil após 20 anos de repressão ( ) e a necessidade do retorno à democracia. Desde o início das suas atividades o MST defende a luta em nome de todos os trabalhadores rurais em favor da criação de assentamentos. Esses que representam uma alternativa para o retorno, ou acesso, dos trabalhadores rurais a terra. No Brasil assentamentos rurais foram implantados, na maioria das vezes, mediante pressões populares, às vezes com ocorrência de conflitos e violência. Segundo Bergamasco e Norder (1996, p. 7 e 8), os assentamentos rurais:

19 6 [...] podem ser definidos como a criação de novas unidades de produção agrícola, Por meio de políticas governamentais visando o reordenamento do uso da terra, em benefício de trabalhadores rurais sem terra ou com pouca terra (...) envolve também a disponibilidade e o incentivo à vida comunitária. (...) os assentamentos rurais representam uma importante iniciativa no sentido de gerar emprego diretos e indiretos a baixo custo e para estabelecer um modelo de desenvolvimento agrícola em bases sociais mais eqüitativas. Mas, o que se percebe é a falta de vontade política para a implantação de assentamentos rurais, ou ainda, os cria mas não fornece condições mínimas para a consolidação e desenvolvimento das famílias, tais como: saúde e educação. Ao criar um assentamento, o Estado assume a responsabilidade de viabilizálo. Queira o Estado (na pessoa daqueles que o fazem existir) ou não, o desempenho de um assentamento é o desempenho do Estado, do mesmo tipo que se coloca para outras partes desse Estado, para definir normas de funcionamento. (LEITE; HEREDIA; MEDEIROS, 2004, p. 65). Com a consolidação do MST é intensificada a luta pela terra e com isso, o número de conflitos no campo aumenta, sobretudo durante o primeiro mandato do presidente Fernando Henrique Cardoso, entre os anos de 1995 e 1998 (tabela 1), pois os militantes alegavam que o então presidente governava de acordo com os interesses das classes dominantes, em detrimento das menos favorecidas. Tabela 1 - Conflitos de Terra no Brasil Ano Nº de Conflitos Assassinatos Pessoas Envolvidas Hectares Conflitivos Fonte: Comissão Pastoral da Terra, É importante destacar o número de assassinatos nos anos de 1995 e O Massacre de Corumbiara, em 1995 no estado de Rondônia que, segundo a Comissão Pastoral da Terra (2003), 9 trabalhadores sem-terra foram sumariamente mortos e 55 torturados por mais de 24 horas, e em Eldorado de Carajás, no Pará, em 1996, foram 19 mortos numa ação desastrosa de 155 policiais influenciados, sobretudo pelas oligarquias locais.

20 7 1.2 A criação do Banco da Terra e seus objetivos Com o aumento significativo do número de conflitos por terras no país, em 1998, foi instituído, através da Lei Complementar nº 93 de 04 de fevereiro de 1998, o Fundo de Terras e da Reforma Agrária Banco da Terra, regulamentado em 1999, início do segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso (1999 a 2002), pelo decreto nº 3.027/99. Dois anos antes, os estados do Ceará, Maranhão, Pernambuco, Bahia e a região Norte de Minas Gerais foram escolhidos para abrigar o programa Cédula da Terra projeto piloto de combate à pobreza no meio rural que deu origem ao Banco da Terra. O Banco da Terra foi a expansão para todo o país, dessa experiência pioneira e bem sucedida de reforma agrária, desenvolvida pelo governo brasileiro em parceria com o Banco Mundial. (BRASIL apud PEREIRA e SAUER, 2006, p.178. grifo nosso). Percebe-se que o Fundo de Terras e da Reforma Agrária Banco da Terra, traz uma visão equivocada do que realmente significa uma reforma agrária. Para o Banco Mundial 1, órgão forneceu o respaldo financeiro ao programa do governo brasileiro, ela ocorre através de programas de desenvolvimento rural, como o Banco da Terra, que pregam a distribuição de terras sem desapropriação e com pagamento à vista para o proprietário, que na maioria das vezes oferece suas terras de baixa qualidade ou desgastadas, quando na realidade: A reforma agrária deve garantir terra de qualidade aos agricultores. Constitui a forma mais viável e democrática de assegurar trabalho e alimentos aos brasileiros. A um só tempo, a reforma agrária é o caminho para redistribuir a renda, eliminar a pobreza de grandes contingentes populacionais e democratizar as relações políticas no meio rural. A reforma agrária contribuirá para o acesso aos direitos de cidadão. (DOMINGOS NETO, 2004 p. 37). Em resposta à regulamentação do programa, que implementa e consolida a reforma agrária de mercado no Brasil, também chamada por Oliveira, 2001 de Contra Reforma Agrária, o MST intensifica ainda mais suas ações em todo o território nacional, chegando a um número de famílias envolvidas em ocupações de 1 Órgão Internacional que concede empréstimos e doações para financiamento de programas inovadores que promovam o desenvolvimento sócio-econômico em vários países. (PEREIRA; SAUER, 2006, p.7).

21 8 terras jamais presenciado na história da luta pela reforma agrária no Brasil. O ápice foi em 1999, ano em que o Banco da Terra foi regulamentado, quando famílias estiveram envolvidas em ocupações (gráfico 1) Gráfico 1 Famílias Envolvidas em Ocupações de Terras Fonte: Comissão Pastoral da Terra, Org. NABARRO, S. A. Em 2000 cai o número de ocupações em virtude da Medida Provisória nº que proibia por dois anos a vistoria em imóveis ocupados. Essa medida ratifica a real intenção do governo ao criar o Banco da Terra, ou seja, desmobilizar e criminalizar as ações dos movimentos sociais de luta pela terra, sobretudo o MST. No Grito da Terra de 1999, promovido pela Confederação dos Trabalhadores na Agricultura (CONTAG), o lema central foi: Contra a Privatização da Reforma Agrária. Na ocasião, foi reiterada a demanda de extinção do Programa Cédula da Terra e do Banco da Terra, ao mesmo tempo em que foram feitas severas críticas ao Programa Novo Mundo Rural. (MEDEIROS, 2003, p.63). A retórica do Ministério do Desenvolvimento Agrário, na divulgação do Programa Banco da Terra é que ele visava respaldar financeiramente programas de assentamento rural e de reordenação fundiária, que além da terra, financiava as obras de infra-estrutura básica no lote e os custos cartorários para o registro das propriedades formadas pelo programa. O financiamento para as obras de infra-estrutura e início da produção é obtido através do PRONAF (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar) grupo A, gerido pelo Banco do Brasil.

22 9 Segundo as normas, para o financiamento da compra da propriedade, na forma do financiamento coletivo, seria necessária a criação de um grupo entre os interessados em participar do programa e adquirir a terra por meio de compra. Após a formação, o próximo passo é eleger um representante que terá a função de fazer a inscrição dos interessados e também de verificar o preço da propriedade escolhida para a instalação do grupo (figura 1).

23 10 De acordo com as normas do programa, o prazo para pagamento da terra é de 20 anos, com juros de 8% ao ano, com carência de 36 meses, ou seja, as famílias têm apenas três anos para se consolidar e iniciar o pagamento da terra. Segundo MEDEIROS (2003, p. 59), o grupo formado pelos interessados em obter as terras através do programa deveria atender simultaneamente a oito requisitos básicos: 1. Todos devem ser produtores rurais sem-terra ou com pouca terra (caracterizada como minifúndio); 2. Ser chefe de família; 3. Maior de idade ou emancipado; 4. Ter experiência de no mínimo cinco anos na atividade agropecuária; 5. Ter interesse em adquirir terra por meio de compra e desenvolver atividades produtivas sustentáveis; 6. Encontrar um proprietário disposto a negociar sua terra; 7. Assumir o compromisso de reembolsar as quantias financiadas; 8. As terras almejadas para a compra não poderiam estar ou ser ocupadas; As regras do Banco da Terra, mais uma vez comprovam as verdadeiras intenções do governo com a sua criação. Além de desmobilizar os movimentos sociais, também objetiva privatizar a reforma agrária no Brasil, tendo o respaldo financeiro do Banco Mundial, como argumenta Alentejano: Diante da incapacidade de derrotar politicamente o MST durante o primeiro mandato, o governo FHC decidiu mudar suas táticas. Se antes as armas eram a propaganda do INCRA e a condenação dos métodos do MST visando convencer de que o governo estava fazendo a sua parte, e o MST atua orientado por uma radicalidade descabida a partir deste momento, o governo muda suas armas, passando a centrar suas ações em duas frentes: (1) intensificação da repressão, através da criminalização das ações do movimento e da perseguição de suas lideranças; (2) alteração das regras da política de obtenção de terras e de financiamento da produção, de modo a minar as duas fontes básicas de oxigenação do movimento, quais sejam a concretização da desapropriação das terras ocupadas e o bom desempenho de alguns assentamentos vinculados ao MST, diante da situação de penúria generalizada da agricultura familiar. (2000 p ). Um grave problema identificado está expresso no artigo 4º da lei de criação do programa (Anexo A). Trata-se da responsabilidade operacional e administrativa

24 11 dos estados e municípios, dando assim maior margem para fraudes e aumento dos índices de irregularidades nas operações, pois, Ao eleger o Banco da Terra como instrumento fundamental de obtenção de terras e propor a descentralização das ações fundiárias, transferindo a maior parte da responsabilidade para o âmbito municipal num país tradicionalmente dominado pelas oligarquias locais o governo não só busca desarticular o movimento, apostando na incapacidade deste de se contrapor ao poder local, como aposta na desmobilização dos sem terra, pois oferece, teoricamente, a possibilidade de obtenção de terra sem necessidade de mobilização, pressão política e tampouco sacrifícios. (ALENTEJANO, 2000, p. 97). Outro problema da nova política de obtenção de terra foi a extinção do Programa de Crédito Especial para a Reforma Agrária PROCERA, mais abrangente que o seu substituto, o PRONAF em 1995, como explica GOMES: As políticas públicas de desenvolvimento rural que serão implantadas ao longo de oito anos de governo F.H.C. reforçarão a todo o momento a orientação mercantil. Até conquistas políticas alcançadas pelos movimentos sociais rurais organizados, como o PROCERA, serão substituídas por programas de ajuda à agricultura familiar como um todo (sem diferenciar o segmento dos assentamentos via reforma agrária), nos quais o produtor se integra mais profundamente na lógica do mercado, com o PRONAF (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar). (2004, p. 44). Com o fim do segundo mandato de F.H.C. e início do primeiro mandato do governo Lula, em novembro de 2003, o Banco da Terra foi substituído pelo Programa Nacional de Crédito Fundiário PNCF. Programa que segue a mesma linha neoliberal, vinculado ao Banco Mundial e com características muito semelhantes aos do governo anterior. As poucas diferenças estão relacionadas à taxa de juros, que no Banco da Terra eram 8% ao ano, e no PNCF é de 6,5%, e nos prazos de carência e pagamento. No Banco da Terra eram 3 anos de carência e 17 para pagamento, já no PNCF os prazos são 2 e 15 anos respectivamente. As linhas de crédito criadas são: Combate à Pobreza Rural, Nossa Primeira Terra e Consolidação da Agricultura Familiar. Para Rezende e Mendonça (2004 p. 77): Os programas Combate à Pobreza Rural e Nossa Primeira Terra são idênticos aos programas Cédula da Terra e Crédito Fundiário de Combate à Pobreza do governo F.H.C. Da mesma forma, o Banco da Terra tem as mesmas características do Consolidação da Agricultura Familiar. Ou seja, são os mesmos programas apenas com pequenas modificações, mas a concepção central da mercantilização da reforma agrária permanece igual.

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico

Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico introdução A Armadilha do Crédito Fundiário do Banco Mundial Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico abrangente sobre os programas do Banco Mundial para o campo no Brasil. O estudo foi realizado pela

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos - Conab

Programa de Aquisição de Alimentos - Conab Programa de Aquisição de Alimentos - Conab Exercício 2004 Sumário Executivo O presente documento procura sintetizar as ações desenvolvidas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) através do Programa

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003 Propostas de luta para tornar nossa vida melhor Maio de 2003 Companheiros e companheiras A s políticas capitalistas neoliberais, aplicadas com mais força no governo FHC, foram muito duras com os trabalhadores

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PROMOVENDO A SUCESSÃO E O COMBATE A POBREZA NO CAMPO PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO 3 O QUE É CRÉDITO FUNDIÁRIO O Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF)

Leia mais

TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO. Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP

TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO. Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP Legislação Os normativos do enquadramento dos agricultores

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural Marcos Santos Figueiredo* Introdução A presença dos sindicatos de trabalhadores

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO Ana Claudia Silva Almeida Universidade Estadual de Maringá - UEM anaclaudia1985@yahoo.com.br Elpídio Serra Universidade Estadual de

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF Crédito Fundiário no combate a pobreza rural: Sustentabilidade e qualidade de vida 2011 PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA Silmara Oliveira Moreira 1 Graduanda em Geografia/UESB, Bolsista da UESB E-mail: silmara.geo@gmail.com Resumo: O objetivo

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Publicada no D.O.U. de 20/12/2001, Seção 1, Página 36 CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Dispõe sobre a aprovação do Programa Jovem Agricultor

Leia mais

Equipe de Geografia GEOGRAFIA

Equipe de Geografia GEOGRAFIA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 7B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA 1. Agricultura no Brasil: Breve histórico - Brasil Colônia: monocultura da cana se destacava como produto principal,

Leia mais

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Brasília, 06/03/2014 Contextualização Em 2008, a Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua apontou que 76,15% da população

Leia mais

Experiência: Sistema de Monitoramento do Mercado de Terras SMMT

Experiência: Sistema de Monitoramento do Mercado de Terras SMMT Experiência: Sistema de Monitoramento do Mercado de Terras SMMT Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Responsável: Marlon Duarte Barbosa Equipe: Marlon Duarte Barbosa, Rafael Henrique Severo, Mariana

Leia mais

A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA

A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA Mercedes Ferreira 1 - mercedita4@hotmail.com Maria Inês Vidal 2 Orientador: Luiz Alexandre Gonçalves Cunha

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS

AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS Jaqueline Freitas dos Santos 692 jaquelineufmg_09@hotmail.com Klécia Gonçalves de Paiva Farias kleciagp@gmail.com

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

Relatório Preliminar

Relatório Preliminar Relatório Preliminar O V Seminário Nacional do Crédito Fundiário, realizado no período de 11 a 14 de dezembro de 2012, em Pirenópolis-Go, teve por objetivos a avaliação de propostas e a construção de estratégias

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

21. Em 7 anos, mais famílias assentadas do que em 3 décadas

21. Em 7 anos, mais famílias assentadas do que em 3 décadas 21. Em 7 anos, mais famílias assentadas do que em 3 décadas O Brasil está realizando a maior reforma agrária do mundo. A pesada herança de séculos de um Brasil latifundiário passou a mudar, em 1995, a

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

Roça agroecológica das mulheres do Assentamento Dandara dos Palmares, Camamu (BA)

Roça agroecológica das mulheres do Assentamento Dandara dos Palmares, Camamu (BA) Produção de alimentos agroecológicos da roça das mulheres Roça agroecológica das mulheres do Assentamento Dandara dos Palmares, Camamu (BA) Ana Celsa Sousa, Carlos Eduardo de Souza Leite e Luciana Rios

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Palavras-chave: Compra direta. Agricultura Familiar. Modelo de checagem

Palavras-chave: Compra direta. Agricultura Familiar. Modelo de checagem Avaliação de desempenho de processos de Compra Direta da Agricultura familiar: proposta metodológica baseada em modelo de checagem Magalhães A. M. Cruz, G. V. O mercado institucional pode ser um excelente

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres O TERRITÓRIO BRASILEIRO 6. Fronteiras Terrestres Até o começo do século XVII, os colonizadores se concentraram em cidades fundadas na região litorânea do Brasil, principalmente no Nordeste. A principal

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 SOUZA, Murilo M. O. 2 ; COSTA, Auristela A. 2 ; SANT ANNA, Thiago S. 3 ; SILVA, Fábio

Leia mais

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA O NOVO INCRA Apresentação Estamos chegando ao final do processo de reestruturação do Incra. Foram alguns meses de árduo trabalho, construindo nosso futuro. Chegamos agora ao termo de uma mudança que foi

Leia mais

Implantação de Sistema Integrado de Gerenciamento da Execução da Reforma Agrária e Agricultura Familiar

Implantação de Sistema Integrado de Gerenciamento da Execução da Reforma Agrária e Agricultura Familiar Programa 0139 Gestão da Política de Desenvolvimento Agrário Objetivo Coordenar o planejamento e a formulação de políticas setoriais e a avaliação e controle dos programas na área de desenvolvimento agrário

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para aprimoramento das estratégias e metodologias

Leia mais

AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA

AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA Espaço Agrário Rússia/China 1 AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA! Ambos os países passaram por uma revolução socialista, ou seja, com a revolução a Terra passa a ser propriedade do Estado (propriedade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

RESGATE DOS ENCONTROS ANTERIORES

RESGATE DOS ENCONTROS ANTERIORES RESGATE DOS ENCONTROS ANTERIORES I ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO ENAFOR, 24 a 28 de outubro de 2005 160 participantes da CONTAG e de 26 Federações (incluindo FETADFE) Mote: Construindo uma Política Nacional

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para realizar ações e organizar atividades

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) IMPLANTAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS: PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA SUSTENTÁVEL- PAIS (HORTA MANDALA), CISTERNA E FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA COMO MEIO DE SUSTENTABILIDADE PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Área

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO

Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO PARAIBANO Silva, Hellosman de Oliveira, Rodrigues, Tárcio

Leia mais

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Meta brasileira de redução das emissões até 2020 36,1% a 38,9% das 3.236 MM de tonco2eq de emissões projetadas

Leia mais

O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis

O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis Hanen Sarkis Kanaan 1 Resumo: Este trabalho discute a implantação e a situação das famílias assentadas pelo programa de assentamento do Banco

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Muita coisa mudou na cabeça dos nordestinos. Ministério do Interior: Banco do Nordeste do Brasil S.A. O lento crescimento, que durante muitas décadas caracterizou

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010 Juliana Paula Ramos 1, Maria das Graças de Lima 2 RESUMO:

Leia mais

0061 - Concessão de Crédito para Aquisição de Imóveis Rurais e Investimentos Básicos - Fundo de Terras

0061 - Concessão de Crédito para Aquisição de Imóveis Rurais e Investimentos Básicos - Fundo de Terras Programa 2066 - Reforma Agrária e Ordenamento da Estrutura Fundiária Número de Ações 11 Tipo: Operações Especiais 0061 - Concessão de Crédito para Aquisição de Imóveis Rurais e Investimentos Básicos -

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

1. Seu município enfrenta problemas com a seca? 44 Sim... 86% 7 Não... 14%

1. Seu município enfrenta problemas com a seca? 44 Sim... 86% 7 Não... 14% O CASO DE SERGIPE O Estado de Sergipe tem uma área territorial de pouco mais de 21 mil de km² e é o menor estado brasileiro em dimensões territoriais, correspondente a 0,26% do tamanho do Brasil, e 1,42%

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária

Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária Congresso Estadual da Agropecuária Umuarama-PR, 27 de agosto de 2015 Contexto Geral Retomada em 2003, por parte do Governo

Leia mais

Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil

Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil Companhia Nacional de Abastecimento Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil Data de referência: 31/03/2007 Relatório final Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da

Leia mais

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG Área Temática: Meio Ambiente Responsável pelo trabalho: Artur Leonardo Andrade Universidade

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos em condições

Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos em condições Programa Fundo Solidário Construído para garantir inclusão socioeconômica Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos

Leia mais

Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil

Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil O Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil é mais uma publicação do Plano Juventude Viva, que reúne ações de prevenção para reduzir a vulnerabilidade de jovens

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria Financeira de conciliação das informações repassadas pelos

Leia mais

Apoio à comercialização da agricultura familiar

Apoio à comercialização da agricultura familiar Apoio à comercialização da agricultura familiar Programa de Aquisição de Alimentos 1. Contexto Liberalização dos mercados de produtos agrícolas (anos 90) Intenso processo de concentração de capitais no

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

EDITAL DE PROJETOS DA CESE

EDITAL DE PROJETOS DA CESE Igreja Católica Apostólica Romana Igreja Episcopal Anglicana do Brasil Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil Igreja Presbiteriana Independente do Brasil Igreja Presbiteriana Unida do Brasil

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

INSTITUIÇÃO EXECUTORA:

INSTITUIÇÃO EXECUTORA: FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NA AGRICULTURA NO ESTADO DE MATO GROSSO 30 ANOS RELATÓRIO DO PROJETO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA CULTURA DO ALGODÃO PARA AGRICULTORES FAMILIARES DE MATO GROSSO Relatório

Leia mais

PGPM A. EGF B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO SOV COV. Aquisições via Preços Mínimos. Via Leilões

PGPM A. EGF B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO SOV COV. Aquisições via Preços Mínimos. Via Leilões PGPM A. EGF SOV COV B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO Aquisições via Preços Mínimos Via Leilões Estados e Municípios Leite Compra Local Compra Direta Compra Especial Formação de Estoque Doação Simultânea EMPODER

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional Desafio Fomentar o Uso do Poder de Compra do Governo Junto aos Pequenos Negócios para Induzir

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

ENTREVISTA COLETIVA. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA. 10 de julho de 2013. Compromisso com o Brasil

ENTREVISTA COLETIVA. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA. 10 de julho de 2013. Compromisso com o Brasil ENTREVISTA COLETIVA Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA 10 de julho de 2013 Compromisso com o Brasil 1 Uso do Solo no Brasil Cidades e Infraestrutura 0,2% Terras Devolutas do Incra 17,6% Outros Usos:

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA

O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA BRUNO DE OLIVEIRA SOUZA 1 e RÚBIA GOMES MORATO 2 brunooliveira_souza@hotmail.com, rubiagm@gmail.com 1 Aluno do curso de Geografia Unifal-MG

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais