CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2010 FEDERAÇÃO NACIONAL DE ASSOCIAÇÕES ATLÉTICAS BANCO DO BRASIL RECURSOS HÍDRICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2010 FEDERAÇÃO NACIONAL DE ASSOCIAÇÕES ATLÉTICAS BANCO DO BRASIL RECURSOS HÍDRICOS"

Transcrição

1 CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2010 FEDERAÇÃO NACIONAL DE ASSOCIAÇÕES ATLÉTICAS BANCO DO BRASIL RECURSOS HÍDRICOS

2 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS ABRANGÊNCIA AÇÕES CAPTAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS CRONOGRAMA RESULTADOS OU EXPECTATIVAS AGRADECIMENTOS ANEXOS DOCUMENTOS 106

3 1 IDENTIFICAÇÃO NOME : AABB ASSOCIAÅÇO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL CNPJ : / ENDEREÅO: RODOVIA BR 277, KM 668 BAIRRO : ZONA RURAL CIDADE : MEDIANEIRA ESTADO : PARANÑ (PR) CEP : TELEFONE : (45) SÖTIO :

4 PROJETO RIO OCOY: AGIR... PORÉM SEM PERDER A TERNURA. RESPONSÁVEL MARCIEL LUIZ WOISKI

5 2 JUSTIFICATIVA Nos Ültimos 37 (trinta e sete anos) - portanto desde a sua fundaáào (1973) -, os dirigentes da AABB Associaáào Atlâtica Banco do Brasil, Medianeira (PR), demonstraram a preocupaáào de ocupar o espaáo que lhe foi conferida de uma forma responsävel e adequada aos parãmetros socioambientais, muito tempo antes do discurso que comove a Humanidade na atualidade sobre o paradigma de desenvolvimento sustentävel. FOTO 1 - EUCALIPTOS ÄS MARGENS DO RIO OCOY (06/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) Ano apås ano, a interaáào e integraáào Homem-Meioambiente sempre este em voga no discurso abebeano, cujas atitudes sempre primavam na recuperaáào de äreas degradadas ou adequaáào daqueles locais onde as espâcies plantas, ärvores, insetos, borboletas, peixes e animais silvestres - e micro sistemas demandavam um cuidado e atenáçes especéficas, seja plantando ärvores nativas ou exåticas ou mudas de flores, em vista dos demais animais que se utilizam destas

6 plantas para construir o seu micro-meio-ambiente, interferindo em toda cadeia do ecossistema, seja cuidando de seus verdes gramados e jardins. FOTO 2 QUADRA DE TÇNIS - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) Assim, a AABB Medianeira PR cresceu, integrou-se è Comunidade Medianeirense que, de forma agradävel e positiva, respondeu ao chamado de parceria e troca de experiências no campo do lazer, cultura, esportes e meio ambiente. Porâm, paralelamente ao nümero de såcios participantes de nossa AABB, algumas ärvores tambâm cresceram e em demasia fazendo com que fosse chegada a hora de um gerenciamento mais efetivo, profundo, evitando colocar em riscos o patrimënio da associaáào, os såcios e seus bens, as propriedades vizinhas e o ecossistema estabelecido no local e adjacências, alâm da pråpria sobrevivência do

7 Rio OCOY cujas imagens desfrutamos neste projeto que, com suas äguas caudalosas, lémpidas e brilhantes, serpenteia centenas de propriedades rurais por onde passa, trazendo vida, beleza, alegria, conforto e desenvolvimento. FOTO 3 PÉSSARO EM ÉRVORE ÄS MARGENS DO RIO OCOY (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) O EUCALÍPTO (Eucalyptus globulus) foi uma destas espâcies exåticas plantadas farta abundantemente na propriedade da AABB e que, ao longo dos anos, tiveram um desenvolvimento excepcional algumas arvores com mais de 20 (vinte) metros de altura cumprindo o seu papel inicialmente, mas que, agora, tornaram-se um problema para o meio ambiente, colocando em risco a pråpria sobrevivência do rio, motivando ação transformadora de reconstrução do

8 microssistema ecolägico no local, em parceria com os moradores vizinhos, sócios, empresas interessadas, Viveiro Municipal, ASSAMA AssociaÇÉo dos Agentes do meio Ambiente de Medianeira e IAP INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÑ, cuja assessoria tem sido de muita valia para o sucesso e a perenidade deste projeto, como veremos. FOTO 4 - ABELHA EM FLÔR DE CEREJEIRA - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

9 2.1 EUCALIPTO DICIONÁRIO AURÉLIO - Significado de Eucalipto S.M. Grande árvore da família das mirtáceas, originária da Austrália, freqüentemente plantada nas regiões quentes. De valor incomparável pela rapidez do crescimento, qualidade da madeira e facilidade de aclimação, serve para reflorestamento, secagem de pântanos, construções em geral, além de ser balsâmico e terapêutico. (Alt.: até 150 m; no Brasil, onde existem as plantações mais vastas do globo, cultivam-se dezenas de espécies.) (Fonte: acesso em 05/09/2010) FOTO 5 - EUCALIPTO ÄS MARGENS DO RIO OCOY (06/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

10 2.1.2 ORIGEM Wikipâdia, a enciclopâdia livre. - Eucalipto (do grego, eu + καλύπτω = "verdadeira cobertura") â a designaáào vulgar das värias espâcies vegetais do gânero Eucalyptus, ainda que o nome se aplique ainda a outros gâneros de mirtäceas, nomeadamente dos gâneros Corymbia e Angophora. Sào, em termos gerais, ärvores e, em alguns raros casos, arbustos, nativas da Oceania, onde constituem, de longe o gânero dominante da flora. O gânero inclui mais de 700 espâcies, quase todas originärias da Austrälia, existindo apenas um pequeno nümero de espâcies pråprias dos territårios vizinhos da Nova Guinâ e Indonâsia, e mais uma espâcie (a mais setentrional) no sul das Filipinas. Adaptados a praticamente a todas as condiáçes climäticas, os eucaliptos caracterizam a paisagem da Oceania de uma forma que nào â comparävel a qualquer outra espâcie, noutro continente. FOTO 6 - EUCALIPTOS DIVIDEM A PROPRIEDADE DA AABB COM PROPRIEDADE RURAL (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

11 2.1.3 EUCALIPTO NO BRASIL Foi implantado no Brasil em 1909 pelo engenheiro agronômo Edmundo Navarro de Andrade, então funcionário da Cia. Paulista. No Brasil existem extensas áreas plantadas, sobretudo, no Estado de Minas Gerais, que possue cerca de 2% do seu território ocupados com Eucaliptos. Um dos grandes municípios produtores do país, que há mais de trinta anos desenvolve a silvicultura, é o município mineiro de Itamarandiba. Atualmente esta cidade é um dentre os diversos pólos da produção de mudas clonais de Minas Gerais e do Brasil (Fonte: acesso em 05/09/2010) FOTO 7 - EUCALIPTOS PRÓXIMO AO CAMPO E ÁS MARGENS DO RIO OCOY - (05/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

12 2.1.4 EUCALIPTO NA AABB MEDIANEIRA (PR) Servindo os propåsitos de respeito ao meioambiente e recomposiáào de äreas sem a devida cobertura vegetal, os eucaliptos cumpriram o seu papel ao longo das Ültimas 04 (quatro) dâcadas de proteger o patrimënio da AABB e seus såcios com sua capacidade de segurar os ventos fortes e oferecer sombra aos que do local se utilizavam para prätica de esportes e lazer, mas que, agora (2010) tornaram-se um problema que precisa ser solucionado, como mostram as fotos 01 e 02, JUSTIFICANDO as aáçes desencadeadas para perenidade e sobrevivência ao Rio OCOY que desliza, suavemente, a pouco mais de 20 (vinte) metros nos fundos - das imagens citadas e replantio de ärvores nativas do local. FOTO 8 - EUCALIPTOS ÀS MARGENS DO RIO OCOY E ACAMPAMENTO DE FINAL DE ANO DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL - (12/2009) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

13 2.1.5 EUCALIPTO FAZ MAL AO MEIO AMBIENTE? Muito se tem discutido em Fåruns, Congressos e Seminärios sobre a viabilidade ou nào do cultivo do Eucalipto e sua aplicaáào em qualquer ärea, solo ou regiào, abrindo acalorados debates entre Governos, Ambientalistas e produtores sobre esta questào, porâm, nào hä consenso e o assunto, a cada momento, surge na média falada, escrita ou televisionada, agregando novos conhecimentos ou contribuindo com mais polêmica. FOTO 9 - EUCALIPTOS ÄS MARGENS DO RIO OCOY (04/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) Porâm, este projeto nào tem a intenáào de se posicionar por conceitos a ou b, mas sim, Ünica e exclusivamente promover o manejo e gerenciamento de nossa floresta com o apoio dos årgàos ambientais competentes -, desejo desta Diretoria, a preocupaáào no bem estar das pessoas que se utilizam da estrutura da AABB em consonãncia com a legislaáào ambiental do Municépio, Estado e Paés.

14 3 OBJETIVOS O projeto de manejo e gerenciamento dos recursos florestais da AABB Medianeira (PR), especificamente da espâcie exåtica tratada neste documento Eucalipto iniciado no corrente ano e com duraáào aproximada de, pelo menos 03 (três) anos, sem prejuözo aos passos descritos tambüm no item CRONOGRAMA, tem os seguintes objetivos: FOTO 10 - EUCALIPTOS PRÓXIMOS AO CAMPO DE FUTEBOL SUÍÇO - (04/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

15 1) ATENDER A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL, O INTERESSE INDIVIDUAL DA AABB, DOS ÓRGÃOS PÚBLICOS E DA COMUNIDADE LOCAL Diante do digamos, perigo representado pelo crescimento exagerado das ärvores de eucalipto dentro dos limites da propriedade da AABB Parte do Lote Rural 25, com Ñrea de ,10 m2, situado no 5õ Polégono do Municépio de Medianeira (PR), com as confrontaáçes: ao Norte com 182 metros, divisa com a BR 277; ao Sul, com 142 metros, divisa com o restante do mesmo Lote Rural 25 de propriedade de Sylvio Rosso; a Leste, com 185 metros, divisa com o restante do mesmo Lote 25, de propriedade de Sylvio Rosso e, a Oeste, com o Rio Ocohy, devidamente registrado no Cartårio de Registro de Imåveis de Vitor Hugo Della Pasqua sob a Matricula de nõ 3631, do mesmo municépio surge a necessidade de proceder a retirada destas ärvores e substitué-las por plantas adequadas ao bom desenvolvimento e recuperaáào do mesmo local. FOTO 11 A VIDA ÄS MARGENS DO RIO OCOY (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) Porâm, o que pensävamos ser apenas um problema localizado, ou seja, retirar as ärvores das margens do Rio Ocoy, replantar e pronto, tornou-se para nossa surpresa um compromisso muito mais abrangente: readequar atravâs de

16 levantamentos especéficos (Mapeamento) onde seriam, verdadeiramente, os locais que deveriam ser preservados (reservas) dentro da propriedade da AABB. Assim, - vide mapa anexo e com o apoio e incentivo do IAP Instituto Ambiental do Paranâ fomos orientados a procurar empresa e profissionais especializados para a elaboraáào de um projeto que pudesse indicar e/ou responder as seguintes questçes: a) - Quais mâtodos e equipamentos seriam necessärios e utilizados para a intervenáào na ärea afetada e o posterior reflorestamento, provocando o menor dano possével? FOTO 12 ÉREA A SER RECUPERADA (REPLANTIO DE MUDAS) - (08/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

17 FOTO 13 ÉGUAS LÑMPIDAS DO RIO OCOY EM ESPAÖO JÉ RECUPERADO - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) Quais seriam os impactos ambientais causados à fauna e à flora pela manipulação da floresta de eucaliptos na área demarcada e qual tecnologia seria utilizada para a reconstrução e reavivamento do local? FOTO 14 PLANTAS NATIVAS CRESCEM ÄS MARGENS DO RIO OCOY - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

18 FOTO 15 A FLORA ÄS MARGENS DO RIO OCOY - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 16 A FLORA ÄS MARGENS DO RIO OCOY - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

19 FOTO 17 PÉSSARO AO ANOITECER ÄS MARGENS DO RIO OCOY - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 18 A FLORA ÄS MARGENS DO RIO OCOY - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

20 FOTO 19 BORBOLETA DESCANÖA, DESCONFIADA, ÄS MARGENS DO RIO OCOY - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) b) Quais as espâcies mais adequadas para o replantio canela, angico, cereja, pitanga, corticeira, frutéferas e outras -, a sua procedência e as präticas culturais a serem realizadas (sulcamento, adubaáào, acompanhamento periådico, etc.)? FOTO 20 A FLORA ÄS MARGENS DO RIO OCOY - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

21 Partindo destes questionamentos a AABB Medianeira (PR) contratou a Empresa ISOPLAN Planejamentos Tâcnicos Ltda, Medianeira (PR), especializada em prestaáào de serviáos de demarcaáçes, estudos, planejamentos, projetos, especificaáçes e engenharia rural que elaborou, atravâs do Engenheiro Agrënomo Dimer Isotton, CREA/PR /D, 7ú Regiào, em meados abril/2009, o PROJETO TÉCNICO FLORESTAL DE SUBSTITUIÇÃO DA FLORESTA HOMOGÊNEA COM FLORESTAS EXÓTICAS POR FLORESTA HETEROGÊNEA COM ESPÉCIES NATIVAS vide anexo detalhando de forma objetiva, as aáçes a serem tomadas para o gerenciamento e substituiáào das ärvores a serem suprimidas, bem como, demarcando vide mapa anterior - as seguintes äreas: I) - APP Ñrea de Preservaáào Permanente; II) - RFL Reserva Florestal Legal; III) - PP Preservaáào Permanente; IV) - Ñrea de Pastagens e demais. FOTO 21 ÄREA A SER RECUPERADA (PARTE) ÄS MARGENS DO RIO OCOY - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

22 O Projeto foi apresentado ao órgão ambiental responsável, no caso o IAP Instituto Ambiental do Paranâ, protocolado sob n Requerimento e Cadastro de imävel com Reserva Legal e PreservaÇÉo Permanente (19/10/2009) anexo -, bem como o de n InformaÇÉo de Corte com DeclaraÇÉo de origem (14/12/2009) vide anexo -, solicitando análise e deferimento dos pedidos, para as ações cabíveis. FOTO 22 AS ÉGUAS CALMAS DO RIO OCOY EM ESPAÖO PRESERVADO - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

23 ANÁLISE E PARECER DO ÓRGÃO AMBIENTAL Apås os devidos trãmites e apresentaáào de documentos e requerimentos suplementares e o comprometimento da AABB em dar sequência ao trabalho de retirada e replantio das ärvores, o IAP Instituto ambiental do Paranä assim se manifestou: Trata-se de solicitaáào de corte de 65 ärvores exåticas, ou seja, eucaliptus. Em vistoria, constatou-se que o reflorestamento encontra-se localizado em sua totalidade em ärea de preservaáào permanente. O interessado apresentou projeto tâcnico florestal que depois de analisado o mesmo foi APROVADO por este årgào ambiental. O povoamento em questào â homogêneo o que tecnicamente nào constitui vegetaáào apropriada para melhor desempenhar o papel de mata ciliar. A substituiáào por espâcies nativas trarä benefécios para a conservaáào da biodiversidade. FOTO 23 NATUREZA SE RECUPERA AS MARGENS DO RIO OCOY - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

24 Salientamos que a substituiáào dos eucaliptus por nativas diversas deverä ser feita de modo a evitar a ocorrência de posséveis danos ambientais, como erosào do solo, assoreamento dos cursos d ägua, preservando a vegetaáào nativa remanescente. FOTO 24 FRUTO DA CEREJEIRA ÄS MARGENS DO RIO OCOY - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 25 ÉREA VAZIA AGUARDANDO PLANTIO DAS MUDAS - NA PROPRIEDADE DA AABB APÜS O CORTE DAS ÉRVORES ÄS MARGENS DO RIO OCOY - (06/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

25 A retirada do material lenhoso deverä ser executada manualmente, evitando a entrada no local com mäquinas, com o objetivo de minimizar os danos ès espâcies nativas de pequeno porte existentes, diminuindo o impacto ambiental na ärea FOTO 26 ÉREA VAZIA AGUARDANDO O PLANTIO DAS MUDAS - NA PROPRIEDADE DA AABB APÜS O CORTE DAS ÉRVORES ÄS MARGENS DO RIO OCOY - (06/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) O proprietärio (no caso a AABB grifo nosso) deverä atender o TERMO DE COMPROMISSO, em anexo, visando è recomposiáào da mata ciliar. A constataáào, em qualquer tempo, de ocorrência de dano ambiental, durante a execuáào de substituiáào da vegetaáào, implicarä na imediata interdiáào do corte e embargo das atividades na ärea, ficando os infratores sujeito as sanáçes administrativas previstas na legislaáào ambiental. Informaáào de corte conforme Resoluáào SEMA 028/98. Diante do exposto SOMOS DE PARECER FAVORÁVEL a substituiáào das exåticas pelas espâcies nativas. IAP INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÑ (cåpia do parecer em anexo).

26 FOTO 27 RIO OCOY EM ESPAÖO PRESERVADO - (08/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) Em virtude do parecer favorävel ao projeto apresentado pela AABB, restaram a submissào e comprometimento com os seguintes documentos: - TERMO DE COMPROMISSO PARA RESTAURAÇÃO DE FLORESTA (anexo) onde a Associaáào farä a retirada de 65 (sessenta e cinco) ärvores da espâcie eucaliptus por espâcies nativas diversas em ärea de preservaáào permanente, nào podendo ser objeto de qualquer tipo de exploraáào, obrigando-se a zelar e aplicar os tratos culturais adequados e ao fiel cumprimento deste termo, por si,

27 seus herdeiros e sucessores, alâm de realizar o plantio de 650 (seiscentos e cincoenta) mudas de ärvores nativas. FOTO 28 MUDA PLANTADA COMPROMISSO COM A NATUREZA - ÄS MARGENS DO RIO OCOY - (08/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) - TERMO DE COMPROMISSO DE PROTEÇÃO DE RESERVA LEGAL, Sisleg , no qual o proprietärio e/ou representante se compromete, på si, seus herdeiros e sucessores, a fazer o presente gravame sempre bom, firme e valioso, bem como averbä-lo è margem do registro imobiliärio respectivo, no prazo de 90 (noventa) dias da assinatura deste termo perante o Cartårio de Registro de

28 Imåveis competente, nele depositando o mapa que faz parte integrante do presente Termo de Compromisso de Proteáào de Reserva Legal, demarcando as caracterésticas e confrontaáçes do imåvel objeto desta averbaáào e os limites da äreas a serem conservadas. FOTO 29 MARGENS PRESERVADAS DO RIO OCOY - (06/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) Em 27 de julho do ano corrente, protocolamos o documento (conforme anexo) respondendo ès aáçes pedidas daquele årgào ambiental e efetuadas -, alâm de solicitar a autorizaáào para o plantio adicional de 150 (cento e cincoenta) mudas de ärvores frutéferas, apelo do qual aguardamos resposta.

29 2) PROTEGER AS MARGENS, NASCENTES E O LEITO DO RIO OCOY O caudaloso RIO OCOY nasce nas entranhas do Municépio de Medianeira e segue seu curso de sul para o norte -, entre bosques, florestas e pastagens, dividindo milhares de propriedades na zona rural, em värios municépios, recebendo ägua de värias nascentes e cårregos minüsculos atâ desaguar, solenemente no Lago de Itaipu cujas äguas contribuem para a geraáào de energia elâtrica na Usina Hidrelâtrica Itaipu Binacional (Brasil e Paraguai), alâm de banhar dezenas de praias artificiais formadas com o mesmo lago e que servem de lazer e diversào aos moradores locais e a milhares de turistas que se deslocam para a chamada COSTA OESTE em busca de descanso e diversào. FOTO 30 APÜS O CORTE DAS ÉRVORES PREOCUPAÖáO COM A LIMPEZA DO RIO OCOY - (08/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

30 As aáçes do presente documento visam contribuir, de forma simples, mas atraente, com a perenidade, vida e recuperaáào de suas äguas importante para a fauna e a flora de suas margens - preservando-o para as geraáçes futuras; FOTO 31 MARGENS DO RIO OCOY - (06/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 32 ÉREA VAZIA AGUARDANDO ETAPA DA LIMPEZA E PLANTIO DE MUDAS - APÜS O CORTE DAS ÉRVORES ÄS MARGENS DO RIO OCOY - (06/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

31 FOTO 33 ÉGUAS LÑMPIDAS E CRISTALINAS DO RIO OCOY - (06/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 34 PRÜXIMA ETAPA: LIMPEZA E REPLANTIO DE MUDAS DE ÉRVORES ÄS MARGENS DO RIO OCOY - (06/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

32 FOTO 35 ÉREA VAZIA AGUARDA ETAPA DE LIMPEZA E PLANTIO DE MUDAS - APÜS O CORTE DAS ÉRVORES ÄS MARGENS DO RIO OCOY - (06/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 36 ÉREA VAZIA AGUARDA A LIMPEZA E PLANTIO DE MUDAS - APÜS O CORTE DAS ÉRVORES ÄS MARGENS DO RIO OCOY - (06/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

33 FOTO 37 ÉREA VAZIA AGUARDANDO ETAPA LIMPEZA E PLANTIO DE MUDAS - APÜS O CORTE DAS ÉRVORES ÄS MARGENS DO RIO OCOY (AO FUNDO CANCHA DE BOCHA SENDO DESMANCHADA) - (06/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 38 ÉREA AGUARDA ETAPA LIMPEZA E O REPLANTIO DAS MUDAS - (06/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

34 3) REPLANTAR 750 (Setecentas e cinqüenta) mudas de árvores nativas das mais variadas espécies a fim de recuperar e reflorestar a área atingida em ambas margens; FOTO 39 ALGUMAS MUDAS JÉ PLANTADAS SE DESENVOLVEM ÄS MARGENS DO RIO OCOY - (07/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

35 4) CONTRIBUIR para o desenvolvimento de novas espécies e a beleza da área atingida; FOTO 40 A FLORA EXUBERANTE ÉS MARGENS DO RIO OCOY - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 41 REPLANTIO: CUIDADO COM O DESENVOLVIMENTO DAS MUDAS - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

36 5) PROMOVER O ESPAÇO DA BIODIVERSIDADE e a preservaáào de espâcies nativas de PLANTAS, PEIXES, ÑRVORES FRUTÖFERAS, PÑSSAROS, INSETOS e outros animais silvestres no espaáo a ser RESTAURADO ; FOTO 42 PÉSSAROS EM ARBUSTOS ÄS MARGENS DO RIO - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 43 ESPàCIE DE FLOR ENCONTRADA ÄS MARGENS DO RIO OCOY: LABORATÜRIO DE PESQUISA - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

37 FOTO 44 FRUTOS DE AMEIXEIRA: GERENCIAMENTO - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 45 A NATUREZA EXUBERANTE NA ÉREA DE RESERVA FLORESTAL - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

38 FOTO 46 ESPàCIE DE BORBOLETA SE ALIMENTA EM FLOR NA RESERVA PERMANENTE - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 47 FRUTO MAMáO NA ÉREA DE RESERVA FLORESTAL - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

39 FOTO 48 PÉSSARO DESCANSA AO SOL NA ÉREA DE RESERVA FLORESTAL - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 49 A PRESENÖA DAS FLORES NA ÉREA DE PROTEÖáO AMBIENTAL - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

40 FOTO 50 ESPàCIE DE FLOR (ORQUÑDEA) NA ÉREA DE RESERVA FLORESTAL - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 51 A NATUREZA E AS FLORES: SINAL DE VIDA NO RIO OCOY - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

41 6) CONSCIENTIZAR nosso corpo social da necessidade de tal gerenciamento, solicitando apoio, cuidado e zelo ao espaço natural; FOTO 52 SEDE DA AABB/PISCINA: PREOCUPAÖáO COM VERDE E PRESERVAÖáO - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 53 QUIOSQUES HARMONIA COM A NATUREZA - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

42 7) READEQUAR o espaço outrora utilizado pelos sócios como CANCHA DE BOCHA, DEVOLVENDO-O a ÁREA USURPADA à natureza com o devido rearranjo ambiental (retirada de entulhos, lixo, restos de material de construção e madeiras) com replantio de mudas; FOTO 54 RESTOS DE MATERIAL DE CONSTRUÖáO APÜS DESMANCHE CANCHA DE BOCHA PRÜXIMO AO RIO OCOY - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 55 RESTOS DE MATERIAL DE CONSTRUÖáO APÜS DESMANCHE CANCHA DE BOCHA E CRURRRASQUEIRAS PRÜXIMO AO RIO OCOY - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

43 As imagens mostram ações de readequação da estrutura da AABB que, ao longo dos anos foi construída muito próxima do Rio Ocoy e que, agora (2009 e seguintes) repara o dano causado ao meio ambiente com a desconstrução de suas instalações, redirecionando seus espaços e investimentos atuais e futuros a fim de minimizar o impacto ambiental negativo, devolvendo á natureza o que da natureza é. FOTO 56 RESTOS DE MATERIAL DE CONSTRUÖáO APÜS DESMANCHE DE CHURRASQUEIRAS E CANCHA DE BOCHA PRÜXIMO AO RIO OCOY - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 57 READEQUAR A ÉREA INVADIDA: DEVOLVER Ä NATUREZA. ENTULHOS SERáO RETIRADOS - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

44 FOTO 58 READEQUAR A ÉREA INVADIDA: DEVOLVER Ä NATUREZA - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 59 READEQUAR E LIMPAR: DEVOLVER Ä NATUREZA - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

45 FOTO 60 ÉREA LIMPA E PRONTA PARA O PLANTIO DE MUDAS: COMPROMISSO COM A NATUREZA - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 61 CONSTRUÖáO INADEQUADA DE CHURRASQUEIRA PRÜXIMA AO RIO OCOY: DESMANCHAR E DEVOLVER Ä NATUREZA - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

46 FOTO 62 CONSTRUÖáO IRREGULAR: READEQUAR A ÉREA INVADIDA E DEVOLVÇ-LA Ä NATUREZA - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

47 FOTO 63 MATERIAL DE CONSTRUÖáO (RESTOS): RECOLHER (AO FUNDO O RIO OCOY) - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 64 LIMPAR E REPLANTAR: EXIGÇNCIA DA NATUREZA - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

48 FOTO 65 DESMANCHE DA CANCHA DE BOCHA E CHURRASQUEIRA: READEQUAR A ÉREA INVADIDA E DEVOLVÇ-LA Ä NATUREZA - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 66 ÉREA ESTÉ LIMPA E PRONTA PARA O PLANTIO DAS MUDAS - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

49 FOTO 67 MÉQUINA RECOLHE ENTULHO - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 68 ENTULHO à REMOVIDO PARA LOCAL ADEQUADO - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

50 FOTO 69 LIMPAR SEM POLUIR O RIO: COMPROMISSO COM O MEIO AMBIENTE E AS ÉGUAS - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) Para evitar que o lixo produzido pelos nossos associados se acumule próximo ao rio, dentro dele, próximo de suas nascentes, demais instalações ou, ainda, seja descartado ou queimado dentro da propriedade, foi firmado o TERMO DE DOAäãO COM ENCARGO, (vide anexos), em 27/09/2009, entre a AABB Medianeira (PR) e a ASSAMA AssociaÇÉo dos Agentes do meio Ambiente, cujo objeto é a reciclagem do lixo produzido na associação e o correto direcionamento, através daquela entidade que, além de dar destino certo ao lixo ainda emprega cerca de 36 (trinta e seis) agentes recicladores, beneficiando mais de uma centena e meia de pessoas com este reaproveitamento. FOTO 70 LIXO DENTRO DO RIO OCOY: MAU EXEMPLO - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

51 8) ISOLAR a ärea afetada apås o repovoamento com mudas de ärvores nativas diversas - fazendo com que a natureza protegida recupere seu estado original. FOTO 71 APÜS A LIMPEZA: ÉREA PRONTA PARA PLANTIO DE MUDAS - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) FOTO 72 ENTULHOS SáO RETIRADOS: ÉREA PRONTA PARA RECEBER NOVAS MUDAS - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

52 FOTO 73 LIMPAR SEM POLUIR: PLANTIO DE MUDAS MUDARÉ VISUAL DA ÉREA EM POUCOS ANOS- (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR)

53 9) FORTALECER a imagem da AABB Associaáào Atlâtica Banco do Brasil como Entidade amiga da Natureza e praticante de atos de Responsabilidade Såcio Ambiental;

54 FOTO 74 RIO OCOY: PLANTIO RECUPERARÉ E POVOARÉ AS MARGENS COM VÉRIAS ESPàCIES DE ÉRVORES NATIVAS E FRUTÑFERAS - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) 4 ABRANGÊNCIA Este Projeto tem como ärea de abrangência a propriedade da AABB Associaáào Atlâtica Banco do Brasil, localizada ès margens da BR 277, KM 668, Zona Rural, Medianeira (PR), Imåvel Parte do Lote Rural n. 25, Registrada no Cartårio de Registro de Imåveis Matrécula sob n. 3631, com ,10 m2, em conformidade com o Memorial Descritivo (anexos).

55 FOTO 75 CAMPO DE FUTEBOL CERCADO POR ÉRVORES: SOMBRA E BELEZA - (09/2010) - ARQUIVO AABB MEDIANEIRA (PR) 5 AÇÕES a) Contrataáào de Empresa especializada para mediáçes e apuraáào de dados (trabalho de campo); b) - Elaboraáào do projeto de gerenciamento dos recursos florestais e äreas a serem preservadas; c) - Encaminhamento ao IAP Instituto Ambiental do Paranä para anälise, providências ou nào e parecer (Aprovaáào); d) - Contrataáào de Equipe com experiência e tecnologia apropriada em derrubada, preparaáào, precificaáào, carregamento e destinaáào da madeira/lenha produzida; e) Retirada e limpeza de galhos e sobras de madeiras; f) Desmantelamento/desmanche das estruturas (Cancha de Bocha / Churrasqueiras / Telhados) conforme Mapa/Acordo com IAP Instituto Ambiental do Paranä; g) Preparaáào do local para plantio de mudas; h) Contato com Viveiro Municipal para alocaáào de mudas; i) Plantio das mudas, observando-se o Mapa da Reserva Florestal e Permanente, bem como o Programa Mata Ciliar; j) Cuidados especéficos/gerenciamento e, se necessärio, replantio de mudas; k) Zelar e limpar a ärea, evitando rebrota das ärvores exåticas; l) Zelar para que as mudas tenham bom desenvolvimento; m) Assinatura de Convênio com Assama Associaáào de Agentes do meio Ambiente de Medianeira (PR); n) Plantio de mudas frutéferas; o) Limpeza de galhos, folhas e materiais poluidores (lixo), no interior do Rio Ocoy; p) Levantamento Fotogräfico (Histåria); q) Comunicaáào ao IAP Instituto Ambiental do Paranä sobre o cumprimento das aáçes solicitadas.

56 r) Gerenciamento regular da ärea em recuperaáào; 6 CAPTAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS projeto sào os seguintes: Os recursos financeiros e/ou custos envolvidos no desenvolvimento do a) Receita aproximada prevista na venda da madeira (Toras / Lenha) dos eucaliptos derrubados no valor de R$ ,00 (Dez mil reais), que serào revertidos em obras na pråpria associaáào (Reforma da cozinha e outros); b) Assinatura de Termo de Doação com Encargo com a ASSAMA Associaáào de Agentes do meio Ambiente de Medianeira (PR), sem custo ou ônus para a AABB; c) Pagamento da Empresa contratada para elaboraáào de projetos e Mapas no total de R$ 1.500,00 (Hum mil e quinhentos reais); d) Taxas e guias junto ao IAP Instituto Ambiental do Paranä no valor de R$ 500,00 (Quinhentos reais); e) Mudas: nào haverä qualquer tipo de cobranáa por parte do Viveiro Municipal (IAP) Medianeira (PR); f) - Empresa contratada para a derrubada e venda da madeira jä prevê (descontada a parte da mesma) o pagamento do valor léquido conforme item a ; g) Despesas Operacionais e administrativas (Combustével, telefone) em torno de R$ 400,00 (Quatrocentos reais). h) Receitas: R$ ,00 Custos R$ 2.400,00 = R$ 7.600,00 (saldo léquido).

57 7 CRONOGRAMA AÇÕES E PROCEDIMENTOS A B C D E F G H I J K L M N O P DIAGNÓSTICO CONTRATAÇÃO EMPRESA TÉCNICA PROJETO FLORESTAL APROVAÇÃO DIRETORIA DA PROTOCOLO (IAP) ANÁLISE APROVAÇÃO (IAP) E CONVÊNIO COM ASSAMA (LIXO) CONTRATAÇÃO EQUIPE (RETIRADA ÁRVORES) DESMANCHE ESTRUTURAS DE LIMPEZA (ENTULHOS)

58 AäåES E PROCEDIMENTOS A B C D E F G H I J K L M N O P PLANTIO DE MUDAS FEED BACK (IAP) GERENCIAMENTO A) - 1ç TRIM/2009 E) 1ç TRIM/2010 I) 1ç TRIM/2011 M) 1ç TRIM/2012 B) - 2ç TRIM/2009 F) 2ç TRIM/2010 J) 2ç TRIM/2011 N) 2ç TRIM/2012 C) 3ç TRIM/2009 G) 3ç TRIM/2010 K) 3ç TRIM/2011 O) 3ç TRIM/2012 D) 4ç TRIM/2009 H) 4ç TRIM/2010 L) 4ç TRIM/2011 P) 4ç TRIM/ RESULTADOS OU EXPECTATIVAS No distante ano de 1973 (ano da Fundaáào da AABB Medianeira PR), um grupo de funcionärios escolhia a ärea (distante hoje, 08 km da sede do municépio) onde seria implantada toda estrutura da sede social e demais instalaáçes (Barracào de festas, vestiärios, quadras de esportes, etc) para atendimento de seu corpo social. Atualmente, reconhecendo publicamente o excelente trabalho desenvolvido - com o brio e perseveranáa pelos Presidentes e Diretores ao longo dos Ültimos anos, temos o compromisso de voluntäria e incansavelmente continuar com as aáçes que levem a Entidade de encontro ao futuro, atendendo aos anseios dos såcios, da comunidade em geral, autoridades, årgàos e entidades dos poderes constituédos, trabalhando de forma serena, coerente, com âtica e entusiasmo. Desta forma, o presente projeto busca atualizar o espaáo ambiental da AABB, gerenciando seus recursos naturais Nascentes, cårrego (Rio Ocoy), flora, fauna, animais silvestres, insetos, pässaros e demais adequando-o - de forma responsävel e com apoio tâcnico e tecnologia apropriada è legislaáào atual, num esforáo que envolve nào så os Diretores da Associaáào e seu quadro de associados,

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2012 RECURSOS SOLÍDOS SER SUSTENTÁVEL É FÁCIL E RENTOSO

CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2012 RECURSOS SOLÍDOS SER SUSTENTÁVEL É FÁCIL E RENTOSO CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2012 RECURSOS SOLÍDOS SER SUSTENTÁVEL É FÁCIL E RENTOSO Foz do Iguaçu - PR 2012 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1. NOME DA AABB: ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL FOZ DO IGUAÇU 1.2.

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS. Política Ambiental para o Setor Florestal

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS. Política Ambiental para o Setor Florestal LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS Principais Objetivos da Política Ambiental de MS para o Setor Florestal Reduzir a pressão sobre a vegetação nativa, especialmente aquela

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

Semeando o Verde. Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente)

Semeando o Verde. Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Semeando o Verde Mostra Local de: Maringá PR Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Usina de Açúcar Santa Terezinha Ltda. Cidade: Maringá

Leia mais

LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL

LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL PREFEITURA DO MUNICIPIO DE VALINHOS Estado de São Paulo Secretaria de Planejamento e Meio Ambiente LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MOINHO DE VENTO Condomínio residencial Moinho de Vento

Leia mais

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL POLÍTICA E LEGISLAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL EM MS Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL Política e Legislação até

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS 1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS O Programa de Preservação e Recuperação de Ecossistemas visa o aumento da biodiversidade e a recuperação da paisagem. É composto por um conjunto

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS CONDIÇÃO OBRIGATÓRIA EXECUÇÃO DE PROJETO DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS CONSIDERADAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ATINGIDAS COM PLANTIOS E MANUTENÇÃO DE ÁRVORES NATIVAS DA REGIÃO E/OU CONDUÇÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL,

Leia mais

Novo Decreto regulamenta a Reserva Legal Florestal no Estado de São Paulo Marcelo Augusto Santana de Melo*

Novo Decreto regulamenta a Reserva Legal Florestal no Estado de São Paulo Marcelo Augusto Santana de Melo* Novo Decreto regulamenta a Reserva Legal Florestal no Estado de São Paulo Marcelo Augusto Santana de Melo* O autor é Registrador imobiliário em Araçatuba-São Paulo. No dia 07 de janeiro do corrente ano

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

PORTARIA INTERSETORIAL SDM/FATMA Nº 01, de 05/11/2002

PORTARIA INTERSETORIAL SDM/FATMA Nº 01, de 05/11/2002 PORTARIA INTERSETORIAL SDM/FATMA Nº 01, de 05/11/2002 "Estabelece que a exploração e a supressão de produtos florestais nativos em qualquer modalidade, no Estado de Santa Catarina, dependem da emissão,

Leia mais

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Novo Código Florestal (Lei 12651) Eng Agrônomo Ricardo Moraes Witzel, Msc Concepção de Propriedade Sustentável A discussão do novo código florestal

Leia mais

PLANTIO DE ARAUCÁRIAS EM DIVISAS ENTRE PROPRIEDADES E ESTRADAS

PLANTIO DE ARAUCÁRIAS EM DIVISAS ENTRE PROPRIEDADES E ESTRADAS Estradas com araucárias 2012 Projeto Estradas com Araucárias PLANTIO DE ARAUCÁRIAS EM DIVISAS ENTRE PROPRIEDADES E ESTRADAS Introdução 2 Uma estrada de rodagem pode causar graves impactos ambientais, com

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO [16] TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO Florestas Naturais são ecossistemas dominados por árvores ou arbustos, em forma original ou quase original, através de regeneração natural.

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS

REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS Dr. Sergius Gandolfi www.lerf.esalq. 22/03/2012 19:30 20:30h - São Carlos-SP Escola Paulista da Magistratura Laboratório de Ecologia

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 8 a A Engenharia e o Meio Ambiente Parte I Edgar Aberto de Brito PRIMEIRA PARTE As questões ambientais e os problemas para a engenharia. ENGENHARIA

Leia mais

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Regulamenta dispositivos da Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica.

Leia mais

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA Coordenador do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica GITE da Embrapa TULIO BARBOSA Mineiro de Guidoval TULIO BARBOSA

Leia mais

Cooperativas do Agronegócio

Cooperativas do Agronegócio Cooperativas do Agronegócio Brasília (DF), Novembro de 2009 Diretoria de Agronegócios Posicionamento Estratégico BB Atuar em cadeias de valor, apoiar o cooperativismo e o associativismo Diversificar a

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA DENOMINAÇÃO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Segundo a Lei Federal 12.651/2012 e Decreto Federal 7.830/2012 ESALQ Março/Abril de 2014 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento e Avaliação

Leia mais

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

Projeto - óleo + vida

Projeto - óleo + vida FENABB FederaÅÇo Nacional das AABBs Concurso Socioambiental 2010 Recursos HÉdricos AABB SumarÑ (SP) PROJETO MENOS ÜLEO, MAIS VIDA Novembro/2010 1 IdentificaÅÇo AABB SumarÑ (SP) Projeto: Menos Üleo, Mais

Leia mais

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Daniel Schull Brandão 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2, Anderson Rhoden 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave:

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI Manutenção e recuperação da capacidade produtiva da região do Médio e Baixo Apoiar o desenvolvimento de atividades produtivas com espécies adaptadas a região (fauna e flora) Identificar as potencialidades

Leia mais

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA Por meio do Projeto de Georreferenciamento e Diagnóstico das Nascentes de Sorocaba, a equipe da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMA) selecionou a Nascente

Leia mais

MANEJO FLORESTAL E FLUXO LICENCIATÓRIO

MANEJO FLORESTAL E FLUXO LICENCIATÓRIO 04/10/2010 MANEJO FLORESTAL E FLUXO LICENCIATÓRIO CÓDIGO FLORESTAL ESTADUAL LEI 9.519/92 Art. 1º - As florestas nativas e as Art. demais formas de vegetação natural existente no território estadual, reconhecidas

Leia mais

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo INTRODUÇÃO Aline Kuramoto Gonçalves aline587@gmail.com Graduada

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO

1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO 1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO Mobilização inicial até 30 de janeiro 2009 CAÇU E SÃO SIMÃO JANEIRO DE 2009 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO... 3 2.1. EMPREENDEDOR...

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA Londrina, 19 de janeiro de 2012 INTRODUÇÃO A proposta de trabalho desenvolvida em 2011 voltada a realização de compensação de emissões de CO 2 por meio do plantio

Leia mais

22o. Prêmio Expressão de Ecologia

22o. Prêmio Expressão de Ecologia 22o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Vista do corte raso da vegetação sob a rede anterior ao Projeto. Unidade de Conservação e formação dos corredores vegetados após implantação do Projeto. Área

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2012 RECURSOS SOLÍDOS

CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2012 RECURSOS SOLÍDOS CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2012 RECURSOS SOLÍDOS DESCARTAR E RECICLAR PARA UM MUNDO MELHOR SANTO ÂNGELO - RS 1. IDENTIFICAÇÉO: 1.1. NOME DA AABB: AABB DE SANTO ÑNGELO - RS 1.2.TÖTULO: DESCARTAR E RECICLAR

Leia mais

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental BR 116/RS Gestão Ambiental Programa de Apoio às Prefeituras Municipais Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental Novo Código Florestal Inovações e aspectos práticos STE Serviços Técnicos de Engenharia

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES Este modelo foi desenvolvido visando à recuperação de Áreas de Preservação Permanente de Nascentes

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

ÓRGÃO: 14000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO-AMBIENTE PROGRAMA DE TRABALHO

ÓRGÃO: 14000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO-AMBIENTE PROGRAMA DE TRABALHO PLANO PLURIANUAL 2010-2013 CÓDIGO ESPECIFICAÇÃO - FUNCIONAL PROGRAMÁTICA 18000000 GESTÃO AMBIENTAL 18542000 CONTROLE AMBIENTAL 18542010 PROGRAMA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 185420102.074 COORDENAÇÃO DOS

Leia mais

Sensoriamento remoto e SIG

Sensoriamento remoto e SIG Multidisciplinar Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao novo Código Florestal Allan Arnesen Frederico Genofre Marcelo Curtarelli Matheus Ferreira CAPÍTULO 3 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos

Leia mais

Licenciamento Ambiental de Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária do MS

Licenciamento Ambiental de Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária do MS Licenciamento Ambiental de Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária do MS Osvaldo A. Riedlinger. dos Santos Engenheiro Florestal UNIFENAS/1987 IMAP:Gerente de Recursos Florestais GERÊNCIA DE RECURSOS

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Decreto Federal 23793/34: Institui o Código Florestal Brasileiro (Getúlio Vargas) Art. 1º As florestas existentes no territorio nacional, consideradas em conjuncto, constituem

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS LEGISLAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA COMPENSAÇÃO DE RESERVA LEGAL. De acordo com o Art. 1.º da Lei 4.771/1965, As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM.

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 30 DE MAIO DE 2011 Normatiza a atividade de silvicultura econômica com espécies nativas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS DE REFERÊNCIA 1.1. NÚMERO: 02/ 2010 1.2. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

Como recuperar nascentes

Como recuperar nascentes Como recuperar nascentes O passo a passo para que a água brote limpa e em quantidade na propriedade rural. O Código Florestal Brasileiro - Lei na 4.771, de 15/09/65 - determina no artigo 2 0 como Áreas

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

Águas do Planeta. Nascente Curso Superior Margem Direita Meandro Curso Médio Margem Esquerda Afluente Curso Inferior Foz Em Delta Foz Em Estuário

Águas do Planeta. Nascente Curso Superior Margem Direita Meandro Curso Médio Margem Esquerda Afluente Curso Inferior Foz Em Delta Foz Em Estuário PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= Águas do Planeta

Leia mais

LEI Nº 11.476 DE 01 DE JULHO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 11.476 DE 01 DE JULHO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Salvador, Bahia Quarta-feira 2 de julho de 2009 Ano XCIII N o 20.022 LEI Nº 11.476 DE 01 DE JULHO DE 2009 Dispõe sobre a criação da Política de Desenvolvimento do Turismo Sustentável nas Áreas de Proteção

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

APRESENTACAO SUB-PROJETOS CONTEXTO SÓCIO-AMBIENTAL DO PROJETO SUB-PROJETO REFLORESTAMENTO SUB-PROJETO EDUCACAO SOCIO-MBIENTAL

APRESENTACAO SUB-PROJETOS CONTEXTO SÓCIO-AMBIENTAL DO PROJETO SUB-PROJETO REFLORESTAMENTO SUB-PROJETO EDUCACAO SOCIO-MBIENTAL "Palestra apresentada no Seminário Nacional Restauração de APPs, Brasilia DF, julho de 2006 Mauricio Lobo, M.Sc engª ambiental - UERJ, presidente do IEF/RJ e da Câmara Técnica de UCs e Demais Áreas Protegidas

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO PRAD Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PRAD O Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD), deverá

Leia mais

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes POLÍTICAS PÚBLICAS ATRAVÉS DA VALORAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO PARANÁ / MATA CILIAR Juiz de Fora 2008 3 Érika

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Na área dos municípios de Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália, existem as seguintes unidades de conservação (Anexo II): Parque Nacional de Monte Pascoal Parque Nacional

Leia mais

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO (Lei Federal n. 12.651/12) PROF. DR. RAFAEL COSTA FREIRIA E-MAIL: RAFAELFREIRIA@COM4.COM.BR DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL Fundamentos e Temas de Trabalho na Questão Florestal

Leia mais

GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF

GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF José Bento da Rocha Farmacêutico graduado pela Universidade Estadual de Goiás UEG,

Leia mais

LEI Nº 1226, DE 12 DE SETEMBRO DE 2003.

LEI Nº 1226, DE 12 DE SETEMBRO DE 2003. LEI Nº 1226, DE 12 DE SETEMBRO DE 2003. DISPÕE SOBRE O MANEJO, A PODA E O CORTE DE VEGETAÇÃO DE PORTE ARBÓREO E ARBUSTIVO EXISTENTE OU QUE VENHA A EXISTIR NO MUNICÍPIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOAQUIM

Leia mais

PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP

PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP Simone Neiva Rodella (1) Bióloga especializada em administração e educação ambiental é atualmente, diretora da divisão de meio

Leia mais

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e Mata Atlântica A Mata Atlântica (floresta pluvial costeira) está situada entre o R.N e o R.S. É um dos hotspots (O conceito dos Hotspots, criado em 1988 pelo Dr. Norman Myers, estabeleceu 10 áreas críticas

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

SISLEG SISTEMA ESTADUAL DE MANUTENÇÃO, RECUPERAÇÃO E PROTEÇÃO DA RESERVA LEGAL E DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE

SISLEG SISTEMA ESTADUAL DE MANUTENÇÃO, RECUPERAÇÃO E PROTEÇÃO DA RESERVA LEGAL E DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE SISLEG SISTEMA ESTADUAL DE MANUTENÇÃO, RECUPERAÇÃO E PROTEÇÃO DA RESERVA LEGAL E DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ÍNDICE DE CAPÍTULOS CAPÍTULO I GESTÃO DO SISLEG CAPÍTULO II OPERACIONALIZAÇÃO DO SISLEG

Leia mais

LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965

LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965 LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965 Institui o Novo Código Florestal.... Art. 3º Consideram-se, ainda, de preservação permanentes, quando assim declaradas por ato do Poder Público, as florestas e demais

Leia mais

WORKSHOP PARA ORIENTAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO SETOR

WORKSHOP PARA ORIENTAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO SETOR SISTEMA WORKSHOP PARA ORIENTAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO SETOR Associação Brasileira de Criadores de Zebu Uberaba/MG, 02 de maio de 2012 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS DO ENCONTRO:... 4 PROGRAMAÇÃO DO

Leia mais

Mais informações e a lista completa de signatários estão disponíveis no site da iniciativa, em www.dialogoflorestal.org.br.

Mais informações e a lista completa de signatários estão disponíveis no site da iniciativa, em www.dialogoflorestal.org.br. APRESENTAÇÃO Este documento apresenta em detalhes as propostas consolidadas pelo Diálogo Florestal como contribuição ao debate sobre a revisão do Código Florestal Brasileiro, em curso no Congresso Nacional.

Leia mais

Produzindo com Sustentabilidade

Produzindo com Sustentabilidade Produzindo com Sustentabilidade NOSSA VISÃO Melhorar a vida, aprimorando a cadeia global de alimentos e o agronegócio. BR ASIL NOSSOS PRINCÍPIOS DE SUSTENTABILIDADE Desempenho Econômico A parceria com

Leia mais

PROJETO MICROBACIAS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS MICROBACIAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE TIMÓTEO

PROJETO MICROBACIAS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS MICROBACIAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE TIMÓTEO PROJETO MICROBACIAS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS MICROBACIAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE TIMÓTEO Timóteo MG Janeiro/2004 RESPONSÁBILIDADE TÉCNICA UNIVERSALIS - Consultoria, Projetos e Serviços Ltda - CREA/MG

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE LEI Nº 506, DE 2008: A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA:

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE LEI Nº 506, DE 2008: A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA: ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE LEI Nº 506, DE 2008: Estabelece mecanismos de participação no produto da arrecadação do ICMS gerado pela cadeia produtiva no município onde se localiza

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL. USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO -

III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL. USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO - III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL Vitória (ES), 06 de novembro de 2014 USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO - Adonias de Castro Virgens

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Decreto nº 53.939, de 6 de janeiro de 2009 Dispõe sobre a manutenção, recomposição, condução da regeneração natural, compensação e composição da área de Reserva Legal de

Leia mais

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas?

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? 13-05-2015 Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? Através de florestas plantadas de Eucalipto e Pinus. Cada 1ha destas preservam 10ha de nativas. EUCALIPTO O plantio de Eucalipto

Leia mais

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ 1. INTRODUÇÃO Otacílio Lopes de Souza da Paz Acadêmico de Geografia UFPR otacílio.paz@gmail.com

Leia mais

Laudo de Vistoria Ambiental ÁREA DE ESTUDO

Laudo de Vistoria Ambiental ÁREA DE ESTUDO Laudo de Vistoria Ambiental I Identificação da Propriedade: Associação Condomínio Parque Primavera CNPJ 60.549.656/0001-90 Rua Eurico Gaspar Dutra 255 - Carapicuíba CEP 06342-200 ÁREA DE ESTUDO II Característica

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 3.320, DE 12 DE JULHO DE 2004 (D.O.E.PR. Nº 6769 DE 12/07/2004)

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 3.320, DE 12 DE JULHO DE 2004 (D.O.E.PR. Nº 6769 DE 12/07/2004) GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 3.320, DE 12 DE JULHO DE 2004 (D.O.E.PR. Nº 6769 DE 12/07/2004) Aprova os critérios, normas, procedimentos e conceitos aplicáveis ao SISLEG Sistema

Leia mais

Projeto Sementes Categoria

Projeto Sementes Categoria Banrisul S/A Porto Alegre (RS) Projeto Sementes Categoria Conservação de Recursos Naturais 1. Sobre a organização participante: Razão social: - BANCO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Nome fantasia: - BANRISUL

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROGRAMA Nº - 034 Recuperação Geológica de Áreas de Risco Contenção de Encostas SUB-FUNÇÃO: 543 RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADAS Identificar áreas de risco; desenvolver projetos

Leia mais

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB.

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Itallo Harlan Reinaldo Alves Gomes (1) ; Jessily Medeiros Quaresma (2) ; Francisco José (3) ; Laedy Cecília

Leia mais

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

Federação das Associações de Recuperação Florestal do Estado de São Paulo

Federação das Associações de Recuperação Florestal do Estado de São Paulo Federação das Associações de Recuperação Florestal do Estado de São Paulo Reposição Florestal Modelo FARESP / São Paulo / Brasil Cenário Florestal Brasileiro: Biomas AMAZÔNIA 419,6 milhões ha. = 49,30%

Leia mais

Centro Universitário de Belo Horizonte- UNIBH EDUCAÇÃO AMBIENTAL: BIODIVERSIDADE E URBANIZAÇÃO DO PARQUE AGGEO PIO SOBRINHO/BURITIS, BELO HORIZONTE/MG

Centro Universitário de Belo Horizonte- UNIBH EDUCAÇÃO AMBIENTAL: BIODIVERSIDADE E URBANIZAÇÃO DO PARQUE AGGEO PIO SOBRINHO/BURITIS, BELO HORIZONTE/MG Centro Universitário de Belo Horizonte- UNIBH EDUCAÇÃO AMBIENTAL: BIODIVERSIDADE E URBANIZAÇÃO DO PARQUE AGGEO PIO SOBRINHO/BURITIS, BELO HORIZONTE/MG Cleane Fernandes Britis¹; Denílson Martins Sabino

Leia mais