Política de Direitos Humanos (GLOBAL)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Política de Direitos Humanos (GLOBAL)"

Transcrição

1 Política de Direitos Humanos (GLOBAL) DCA0069/2014 Rev.: 01-29/05/2014 Nº: POL-0005-G PÚBLICO Objetivo: Estabelecer diretrizes e princípios para atuação da Vale no que se refere ao respeito aos direitos humanos em seus projetos e operações, nas suas atividades e em sua cadeia produtiva, nas regiões onde está presente. Aplicação: Esta Política se aplica à Vale. Para as demais entidades que a Vale detenha participação, recomenda-se a sua reprodução de acordo com a Instrução para Reprodução de Documentos Normativos (INS-0002-G). Referências: POL-0001-G - Código de Ética e Conduta POL-0003-G - Política de Desenvolvimento Sustentável Código de Conduta dos Fornecedores Nota: Ver Anexo 01 sobre Compromissos e Referências Internacionais. Princípio: Respeitar, proteger, conscientizar e promover os direitos humanos em nossas atividades e ao longo de nossa cadeia produtiva, em conformidade com os princípios da Carta Internacional de Direitos Humanos da ONU. Diretrizes de Atuação: Monitoramento e Gestão dos riscos de direitos humanos: Atuar para identificar, prevenir e mitigar de forma voluntária os impactos negativos de nossas atividades sobre os direitos humanos, realizando avaliações de impacto sobre os direitos humanos e medidas de prevenção ou mitigação para as operações de alto risco, de forma coordenada, reportando internamente e externamente ao longo do tempo e integrando os direitos humanos em nossas práticas cotidianas. Esferas de Influência: Reconhecemos que nossa capacidade de interferir em políticas, procedimentos e práticas varia em função do grau de influência que exercemos junto aos nossos stakeholders. Mesmo quando nossa capacidade de influência for limitada, nos comprometemos a colaborar com as partes interessadas junto aos empregados, fornecedores (contratados), parceiros, clientes, comunidades, governos e sociedade para contribuirmos com ações de conscientização e promoção dos direitos humanos. Empregados: Proporcionamos condições dignas de trabalho e buscamos promover ações educacionais que viabilizem o crescimento profissional e pessoal dos empregados. Mantemos um ambiente de trabalho seguro e saudável. Respeitamos e valorizamos a diversidade e promovemos a inclusão, não tolerando a discriminação ou assédio de qualquer natureza, inclusive moral ou sexual. Respeitamos e praticamos a liberdade de associação e a negociação coletiva em todas as áreas de atuação, em conformidade com as legislações locais aplicáveis. Proibimos o uso de trabalho infantil ou quaisquer tipos de prática de emprego que possam ser interpretados como equivalente ao trabalho forçado ou obrigatório. Equipes de segurança (empregados e contratados): Nossas avaliações de risco para os requisitos de segurança incluem os riscos relacionados a violações de direitos humanos. Selecionamos empregados e contratados e acompanhamos, de forma rigorosa, considerando a experiência anterior, a capacidade técnica e a estabilidade emocional. Comprometemo-nos em colaborar com os provedores de segurança pública e comunicamos a nossa política para demonstrar nosso compromisso com o respeito aos direitos civis de nossos - 1 de 3 -

2 Política de Direitos Humanos (GLOBAL) DCA0069/2014 Rev.: 01-29/05/2014 Nº: POL-0005-G PÚBLICO empregados e de quaisquer membros das comunidades em que atuamos. Treinamos os profissionais de segurança constantemente para que desempenhem as suas atividades com observância aos princípios dos direitos humanos, repudiando o abuso de poder e o tratamento degradante ou desumano e de forma a assegurar a não-discriminação e a privacidade dos cidadãos. Buscamos soluções pacíficas, que assegurem a integridade física das pessoas, bem como a preservação do patrimônio e das informações e a manutenção do processo produtivo. Fornecedores (contratados), parceiros e clientes: procuramos estabelecer relações com entidades que compartilhem dos mesmos princípios e valores que a Vale. Buscamos disseminar o respeito aos direitos humanos em nossa cadeia de valor, incluindo a adoção de cláusulas contratuais e documentação comprobatória de conformidade legal. Em caso de desrespeito aos direitos humanos, este devidamente comprovado por autoridades governamentais e por instrumentos previstos na legislação, notificamos o fornecedor/parceiro ou cliente para a adoção de medidas corretivas e, caso não sejam adotadas tais medidas, podemos rescindir a respectiva relação comercial. Os fornecedores também deverão zelar pela seleção de parceiros comerciais que operem dentro da legislação trabalhista e dos padrões éticos compatíveis com as premissas do Código de Conduta do Fornecedor. Comunidades locais, indígenas e tradicionais: procuramos conhecer detalhadamente os territórios onde atuamos ou pretendemos atuar. Buscamos estabelecer um processo contínuo de engajamento com as comunidades e de gestão de impactos socioculturais, econômicos e ambientais. Buscamos também contribuir para o desenvolvimento local sustentável promovendo iniciativas nas áreas de educação, patrimônio cultural, desenvolvimento urbano e esportes. Promovemos ações de conscientização dos direitos humanos, com especial atenção à erradicação do trabalho forçado e infantil e à promoção dos direitos das crianças e adolescentes - com esforços específicos de combate à exploração sexual de menores na proximidade de nossos projetos em fase de implantação e operação. Governos e a sociedade: observamos a legislação e a regulamentação das localidades onde atuamos e cooperamos com as autoridades para o respeito e a promoção dos direitos humanos internacionalmente reconhecidos. Também cooperamos com a apuração de quaisquer incidentes envolvendo desrespeito a esses direitos ao longo da nossa cadeia produtiva. Questões Relevantes do Setor de Mineração: apoiamos iniciativas reconhecidas que busquem melhorar as condições sociais, econômicas e ambientais relacionadas às atividades de mineração, dentre elas aquelas referentes à saúde e segurança, remoção involuntária, assim como, mineração artesanal e de pequena escala. Caso seja inevitável o processo de remoção involuntária como resultado de implantações ou operações de projetos, trabalhamos de acordo com os padrões internacionalmente reconhecidos como melhores práticas para minimizar os impactos negativos sobre as comunidades afetadas. Nos casos de mineração de pequena escala e/ou artesanal em áreas internas ou adjacentes às nossas operações, a empresa pode contribuir com a disseminação de boas práticas em meio ambiente, saúde e segurança. Mecanismos de Comunicação e Reclamação: A Diretoria de Ouvidoria da Vale dispõe de um canal de denúncias em nosso endereço eletrônico (www.vale.com) para recebimento de possíveis infrações a esta e outras políticas. Oferecemos também em nosso website um canal de comunicação, o Fale Conosco para sugestões, informações e o esclarecimento de dúvidas. Anexos: Anexo 01 Compromissos e Referências Internacionais - 2 de 3 -

3 Política de Direitos Humanos (GLOBAL) DCA0069/2014 Rev.: 01-29/05/2014 Nº: POL-0005-G PÚBLICO Anexo 01: Compromissos e Referências Internacionais A Política de Direitos Humanos da Vale, bem como sua atuação, são pautadas em compromissos e referências internacionais relacionadas a questões de direitos humanos, das quais destacamos: Compromissos Institucionais: Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU) GBC Global Business Coalition on HIV/AIDS, Tuberculosis and Malaria (Coalizão Global Empresarial contra HIV /Aids, Tuberculose e Malária) Padrões Internacionais de Referência: Carta Internacional de Direitos Humanos da ONU - Declaração Universal dos Direitos Humanos - Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos - Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais ONU Guiding Principles on Business and Human Rights Princípios Voluntários para Direitos Humanos e Segurança OIT - Convenções Fundamentais da Organização Internacional do Trabalho (Convenções 29, 87, 98, 100, 105, 111, 138 e 182) Padrões de Desempenho da IFC (International Finance Corporation) GRI Global Reporting Initiative (Diretrizes G4) ICMM International Council on Mining and Metals (Conselho Internacional de Mineração e Metais) - 3 de 3 -

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL 8000

RESPONSABILIDADE SOCIAL 8000 PADRÃO INTERNACIONAL SAI SA8000 : 2008 RESPONSABILIDADE SOCIAL 8000 SA8000 é uma marca registrada da Social Accountability International CÓPIA NÃO AUTORIZADA SEM PERMISSÃO DA SAI, EXCETO QUANDO PERMITIDO

Leia mais

#$%&'()%*)+,&-. !"!#$%&'$()*)+,--'!"!

#$%&'()%*)+,&-. !!#$%&'$()*)+,--'!! Apresentar este Código de Ética das Empresas Eletrobras é, para nós e para todos e todas que participaram do seu processo de elaboração, motivo de grande orgulho. Trata-se de um feito histórico. Pela primeira

Leia mais

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Os Estados Partes da presente Convenção, Preâmbulo a. Relembrando os princípios consagrados na Carta das Nações Unidas, que reconhecem a dignidade

Leia mais

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Preâmbulo Os Estados Partes da presente Convenção, a. Relembrando os princípios consagrados na Carta das Nações Unidas, que reconhecem a dignidade

Leia mais

Guia de Sustentabilidade para Fornecedores

Guia de Sustentabilidade para Fornecedores Guia de Sustentabilidade para Fornecedores Guia de Sustentabilidade para Fornecedores índice SUSTENTABILIDADE NO GRUPO BOTICÁRIO MENSAGEM AO FORNECEDOR REQUISITOS FUNDAMENTAIS 04 05 06 ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência Convenção sobre os

Leia mais

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Dilma Rousseff Presidenta da República Federativa do Brasil Michel Temer Vice-presidente

Leia mais

Código de Ética e Princípios de Negócios

Código de Ética e Princípios de Negócios Código de Ética e rincípios de Negócios Garantindo o desempenho com integridade Sumário Declaração do residente do Conselho de Administração e do Chefe Executivo Nossos Valores rincípios Básicos Administração

Leia mais

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Presidência da República Secretaria Especial dos Direitos Humanos Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Protocolo

Leia mais

Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas

Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas A Assembléia Geral, Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas Tomando nota da recomendação que figura na resolução 1/2 do Conselho dos Direitos Humanos, de 29 de junho de 2006,

Leia mais

Responsabilidade Social 8000

Responsabilidade Social 8000 NORMA INTERNACIONAL SAI SA8000 : 2001 Responsabilidade Social 8000 SA8000 é uma marca registrada da Social Accountability International CÓPIA NÃO AUTORIZADA SEM PERMISSÃO DA SAI, EXCETO QUANDO PERMITIDO

Leia mais

Análise das vantagens da implementação da norma SA 8000 em uma empresa do setor de autopeças

Análise das vantagens da implementação da norma SA 8000 em uma empresa do setor de autopeças 1 Análise das vantagens da implementação da norma SA 8000 em uma empresa do setor de autopeças RESUMO A responsabilidade social é uma maneira de conduzir os negócios de forma a atender as necessidades

Leia mais

Um mundo para as crianças

Um mundo para as crianças Um mundo para as crianças Relatório da Sessão Especial da Assembléia Geral das Nações Unidas sobre a Criança As metas das Nações Unidas para o Milênio Nações Unidas Relatório do Comitê Ad Hoc Pleno da

Leia mais

O que Fazer e Não Fazer em um Banco Sustentável. Um manual da rede BankTrack. BANKTrack

O que Fazer e Não Fazer em um Banco Sustentável. Um manual da rede BankTrack. BANKTrack O que Fazer e Não Fazer em um Banco Sustentável Um manual da rede BankTrack BANKTrack O que Fazer e Não Fazer em um Banco Sustentável Um manual da rede BankTrack Autor: Jan Willem van Gelder (Profundo)

Leia mais

PRINCÍPIOS DE YOGYAKARTA

PRINCÍPIOS DE YOGYAKARTA Princípios sobre a aplicação da legislação internacional de direitos humanos em relação à orientação sexual e identidade de gênero ÍNDICE Introdução... 7 Preâmbulo... 10 1. Direito ao Gozo Universal dos

Leia mais

PRINCÍPIOS DE YOGYAKARTA

PRINCÍPIOS DE YOGYAKARTA S DE YOGYAKARTA S SOBRE A APLICAÇÃO DA LEGISLAÇÃO INTERNACIONAL DE DIREITOS HUMANOS EM RELAÇÃO À ORIENTAÇÃO SEXUAL E IDENTIDADE DE GÊNERO O texto original em inglês é a versão autorizada. Também estão

Leia mais

COMBATENDO A CORRUPÇÃO NO PATROCÍNIO ESPORTIVO E NAS AÇÕES DE HOSPITALIDADE

COMBATENDO A CORRUPÇÃO NO PATROCÍNIO ESPORTIVO E NAS AÇÕES DE HOSPITALIDADE COMBATENDO A CORRUPÇÃO NO PATROCÍNIO ESPORTIVO E NAS AÇÕES DE HOSPITALIDADE (FIGHTING CORRUPTION IN SPORT SPONSORSHIP AND HOSPITALITY) Um Guia Prático para Empresas Agradecimentos O Grupo de Trabalho do

Leia mais

A responsabilidade social e o Serviço Social nas organizações empresariais

A responsabilidade social e o Serviço Social nas organizações empresariais A responsabilidade social e o Serviço Social nas organizações empresariais Maria José de Oliveira Lima SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LIMA, MJO. As empresas familiares da cidade de Franca:

Leia mais

ARQUITETOS DE UM MUNDO MELHOR CONSTRUINDO A ARQUITETURA PARA O ENGAJAMENTO EMPRESARIAL PÓS-2015

ARQUITETOS DE UM MUNDO MELHOR CONSTRUINDO A ARQUITETURA PARA O ENGAJAMENTO EMPRESARIAL PÓS-2015 ARQUITETOS DE UM MUNDO MELHOR CONSTRUINDO A ARQUITETURA PARA O ENGAJAMENTO EMPRESARIAL PÓS-2015 1 A Arquitetura para o Engajamento Empresarial Pós-2015 é o culminar de mais de uma década de experiência

Leia mais

Empresas e Direitos Humanos na Perspectiva do Trabalho Decente. Marco de Referência

Empresas e Direitos Humanos na Perspectiva do Trabalho Decente. Marco de Referência Empresas e Direitos Humanos na Perspectiva do Trabalho Decente Marco de Referência Expediente Empresas e Direitos Humanos na Perspectiva do Trabalho Decente Marco de Referência é uma publicação do Instituto

Leia mais

Legislação e Políticas Públicas sobre Drogas no. B r a s i l

Legislação e Políticas Públicas sobre Drogas no. B r a s i l Legislação e Políticas Públicas sobre Drogas no B r a s i l Brasília - 2010 Legislação e Políticas Públicas sobre Drogas no Brasil Brasília-2010 Presidência da República Vice-Presidência da República Gabinete

Leia mais

O FUTURO QUE QUEREMOS

O FUTURO QUE QUEREMOS Rio +20 Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, Brasil 20 a 22 de Junho de 2012 Texto em português (12 de agosto de 2012) A partir de originais em inglês e francês

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Preâmbulo Os Estados Partes na presente Convenção: a) Relembrando os princípios proclamados na Carta das Nações Unidas, que reconhecem a dignidade

Leia mais

Manual de. compras. Sustentáveis

Manual de. compras. Sustentáveis Manual de compras Sustentáveis Manual de Compras Sustentáveis Maio 2014 CEBDS Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável Manual de Compras Sustentáveis Índice O que é o CEBDS 8

Leia mais

PADRÕES INTERNACIONAIS DE COMBATE À LAVAGEM DE DINHEIRO E AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO E DA PROLIFERAÇÃO AS RECOMENDAÇÕES DO GAFI

PADRÕES INTERNACIONAIS DE COMBATE À LAVAGEM DE DINHEIRO E AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO E DA PROLIFERAÇÃO AS RECOMENDAÇÕES DO GAFI PADRÕES INTERNACIONAIS DE COMBATE À LAVAGEM DE DINHEIRO E AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO E DA PROLIFERAÇÃO AS RECOMENDAÇÕES DO GAFI FEVEREIRO DE 2012 Tradução feita por Deborah Salles e revisada por Aline

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA 5ª EDIÇÃO

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA 5ª EDIÇÃO Legislação Câmara dos Deputados Legislação Brasileira sobre Pessoas Portadoras de Deficiência 5 a edição Brasília 2009 Legislação Legislação Brasileira sobre Pessoas Portadoras de Deficiência 5ª edição

Leia mais

BALANÇO SOCIAL: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS ENTRE OS MODELOS DO IBASE, GRI E INSTITUTO ETHOS

BALANÇO SOCIAL: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS ENTRE OS MODELOS DO IBASE, GRI E INSTITUTO ETHOS BALANÇO SOCIAL: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS ENTRE OS MODELOS DO IBASE, GRI E INSTITUTO ETHOS RESUMO A Responsabilidade Social vem sendo amplamente discutida e exigida pela sociedade, e a partir dela o

Leia mais