CONSTITUIÇÃO DE UM CATÁLOGO FOTOGRÁFICO DIGITAL COMO FERRAMENTA DE PESQUISA EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSTITUIÇÃO DE UM CATÁLOGO FOTOGRÁFICO DIGITAL COMO FERRAMENTA DE PESQUISA EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO"

Transcrição

1 CONSTITUIÇÃO DE UM CATÁLOGO FOTOGRÁFICO DIGITAL COMO FERRAMENTA DE PESQUISA EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Andreína de Melo Louveira 1 Maria Eduarda Ferro 2 Palavras-chave: Instrumento de Pesquisa; Catálogo; Fotografia; Criança; Infância. A imagem não fala por si só: é necessário que as perguntas sejam feitas. Ana Maria Mauad, 2005, p Um banco de dados não é um mero ajuntamento de documentos, uma reunião de informações. Há um prévio ajuizamento, uma lógica em sua composição, nas possibilidades de procura de informações, uma certa ação sobre os documentos (...) As operações de concepção e construção de um banco de dados decorrem e, de alguma forma deixam ver, o quadro teórico e as questões de investigação do pesquisador. Flávia Obino Corrêa Werle, 2000, p. 60. Introdução Este artigo apresenta o itinerário, os desafios e as reflexões provenientes do processo de produção de um instrumento de pesquisa nominado Catálogo Fotográfico Digital: Crianças e Infâncias do sul de Mato Grosso ( ). Na terminologia arquivística catálogo é um instrumento de pesquisa organizado segundo critérios temáticos, cronológicos, geográficos, entre outros, reunindo a descrição individualizada de documentos pertencentes a um ou mais fundos, de forma sumária ou analítica. Os fundos são constituídos por um conjunto de documentos de uma mesma proveniência (ARQUIVO NACIONAL, 2005, p.45). A ideia de desenvolver esse instrumento de pesquisa surgiu de necessidades identificadas no processo de classificação, análise e preservação da documentação fotográfica oriunda de investigações realizadas em nível de iniciação científica por integrantes do grupo 1 Aluna do curso de Pedagogia da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS/Dourados). 2 Professora orientadora e docente do curso de Pedagogia da UEMS/Dourados.

2 2 de pesquisa História e Memória (UEMS/CNPq) i. Tais pesquisas resultaram na localização, digitalização e classificação de 176 fotografias de acervos públicos e privados da cidade de Dourados (MS). Os acervos públicos consultados foram o Museu Histórico e Cultural de Dourados e o Centro de Documentação Regional da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Os acervos privados pertencem a famílias que, a convite das pesquisadoras, aceitaram abrir seus álbuns de família para colaborar com a pesquisa. Convêm registrar que essas investigações foram delineadas a partir de estudos vinculados ao projeto Imagens de Crianças e Infâncias no sul de Mato Grosso: final do século XIX até meados do século XX ii, precedido pelo projeto interinstitucional Imagens de Crianças e Infâncias iii. Nas pesquisas de iniciação científica tivemos a oportunidade de proceder a análises do material coletado que resultaram na produção de trabalhos publicados em eventos científicos iv. Percebíamos, contudo, que estávamos de posse de uma massa documental acumulada, termo empregado na arquivística para documentos que, pela ausência ou precária organização, têm sua consulta comprometida. Intencionávamos fazer a triangulação de informações que, dispersas em fichas de papel, demandavam um moroso trabalho. Constatamos a urgência em produzir um sistema que permitisse o arquivamento organizado e a recuperação ágil e precisa das fotografias por meio de buscas por critérios distintos como cronológico, geográfico, temáticos, por procedência (fundos/coleções) e por palavras-chave. Este era nosso grande desafio: como organizar as fotografias de modo a facilitar o uso do acervo? Também éramos movidas pelo objetivo de encontrar meios de socialização do acervo com professores e pesquisadores que poderiam utilizá-las para fins pedagógicos, científicos e culturais. Nossas preocupações com a produção da ferramenta de pesquisa iam ao encontro de discussões realizadas no meio acadêmico, sobretudo nas duas últimas décadas, sobre a constituição e preservação de acervos na área da História e da História da Educação. Inicialmente procuramos por sistemas que tivessem sido criados com a mesma finalidade, mas com o aprofundamento da pesquisa constatamos a necessidade do desenvolvimento de um sistema próprio, que atendesse as especificidades de nossas análises. Isso se explica porque as diretrizes de classificação, descrição e arranjo de acervos possui relações estreitas com os tipos de perguntas que nossas pesquisas pretendem responder. A produção do sistema colocou-se como urgente quando constatamos que as instituições públicas responsáveis pela guarda das fotografias digitalizadas, ainda que

3 3 empenhadas na preservação da memória local, não possuíam seus acervos organizados segundo os princípios da arquivística, o que implica na dificuldade dos consulentes realizarem suas pesquisas e, o mais agravante, na possibilidade de deterioração, perda ou extravio dos documentos sob sua custódia. Diante do exposto assumimos riscos ao nos empenharmos na constituição de uma ferramenta de preservação de acervo imagético e de acessibilidade a fontes primárias, cuja operacionalização dependia de um trabalho interdisciplinar. Nesse processo foram de grande serventia conhecimentos prévios no campo da arquivística e experiências adquiridas com as pesquisas que temos realizado com documentos fotográficos. Ademais, foi fundamental a parceria com o programador Douglas Held Pacito que, de modo voluntário, responsabilizouse pela criação do sistema que abriga o banco de dados. Reconhecemos que existem limitações a serem superadas na ferramenta que hoje se apresenta, ainda há etapas a serem percorridas para atingirmos algumas das metas vislumbradas, como o refinamento de algumas funções do programa e, até mesmo, o procedimento a ser adotado para compartilhamento do catálogo com outros pesquisadores guardadas as devidas precauções com relação à autoria de criação do sistema FotoMemo v. Contudo, podemos afirmar que caminhamos em direção aos objetivos propostos e é sobre este percurso que o presente artigo discorre. Para exposição dos desafios enfrentados e dos avanços teórico-metodológicos alcançados no percurso de produção do Catálogo Fotográfico Digital o artigo foi redigido com a seguinte estrutura: 1. Manejo das fotografias antes do catálogo. 2. Itinerário de produção e apresentação do catálogo. 3. Considerações finais. 1. Manejo das fotografias antes do catálogo A princípio mantínhamos as fotografias coletadas por ocasião dos projetos anteriores armazenadas de forma precárias do ponto de vista da recuperação de informações. Acertadamente foi observado desde as primeiras investigações o princípio básico da arquivística nominado integridade do fundo, que consiste em resguardar um fundo de misturas com outros, de parcelamentos e de eliminações indiscriminadas. Ou seja, foram assegurados os cuidados de manutenção das fotografias em seus agrupamentos de origem, de acordo com a procedência. Nominamos esses agrupamentos de Coleções vi que, quando

4 4 provenientes de acervos públicos, foram identificadas pelo nome da instituição de guarda e, quando provenientes de acervos privados, foram nominadas pelo sobrenome da família proprietária. As coleções encontravam-se arquivadas nos computadores pessoais das pesquisadoras em pastas individuais, para cada coleção uma pasta. As pastas armazenavam arquivos em programa Power Point nos quais as fotografias estavam dispostas em slides com suas respectivas fichas catalográficas. Essa era a forma encontrada para o manejo das imagens em conjunto com o documento textual produzido para sua descrição. O ordenamento das imagens dentro da coleção era aleatório, correspondendo à sequência do processo de digitalização. A produção da ficha catalográfica para descrição das fotografias aconteceu em duas etapas, primeiro foi produzida uma versão piloto posteriormente substituída pela versão definitiva (Figura 1). As pesquisas realizadas por Kossoy (2009) e Mauad (1996) nos forneceram pistas para a definição do formato final desse instrumento descritivo. A ficha foi produzida como suporte para a realização da análise técnica e de conteúdo das imagens com adaptações para as especificidades de nossas investigações. Figura 1 Apresentação do catálogo quando armazenado em arquivo Power point

5 5 Figura 2 CATEGORIAS 1 AMBIENTES DE TRABALHO: CAMPO E COMÉRCIO 2 AMBIENTES DE CONVÍVIO: RURAL E URBANO 3 AÇÕES DE ASSISTÊNCIA: SOCIAL E SAÚDE 4 BRINQUEDOS, JOGOS E BRINCADEIRAS 5 COTIDIANO FAMILIAR 6 EDUCAÇÃO: FORMAL E INFORMAL 7 FESTAS: PÚBLICAS E PRIVADAS 8 MIGRAÇÃO: ESTRANGEIRA E NACIONAL 9 MILITARIZAÇÃO 10 MOVIMENTOS POLÍTICOS 11 MORAL E CIVISMO 12 POVOS INDÍGENAS 13 POLÍTICA AGRÁRIA 14 RELIGIOSIDADE Categorias de análise visualizadas A ficha era composta por campos que interrogavam sobre aspectos de natureza distinta, da identificação da fotografia, dos recursos técnicos empregados para a produção material da imagem e dos elementos nela retratados (conteúdo). É possível observar (Figura 1) que no campo destinado à descrição do conteúdo da imagem produzíamos uma espécie de síntese dos elementos ali expressos. Por último havia um campo nominado demais observações no qual eram registradas informações que não cabiam em nenhum dos descritores acima e que, de certo modo acabava por configurar-se, muitas vezes, em uma análise prévia do documento. Esse modo de produzir e dispor conhecimentos sobre as fotografias nos colocava diante de limitações como a dificuldade de fazer uma leitura panorâmica do acervo, a impossibilidade de quantificar fotografias com elementos de conteúdo semelhantes, a inexistência de um sistema de recuperação do conteúdo das fichas por palavras-chave, entre outras. Mesmo em condições precárias de acesso às informações geradas, a descrição de elementos de conteúdo das imagens resultou na visualização de 14 potenciais categorias de análise das fotografias (Figura 2). Tais categorias eram, a nosso ver, provisórias, pois sabíamos da possibilidade de surgirem outras mediante os olhares e as intencionalidades de outros pesquisadores. Ademais, era provável que outras categorias fossem observadas na medida em que o acervo se ampliasse.

6 6 Realizamos análises que resultaram na apresentação de trabalhos sobre algumas das categorias elencadas inicialmente (vestuário, mundo do trabalho, visibilidades e invisibilidades da criança nos documentos fotográficos). Mas ainda havia o impasse em relação à produção de uma ferramenta mais eficiente de armazenamento e consulta das imagens. 2. Produção e apresentação do catálogo A produção do FotoMemo exigiu que entrássemos em contato com um profissional da área e a partir de então se iniciou um longo processo de construção coletiva do sistema. Descrevemos ao programador as necessidades que tínhamos, ouvimos as possibilidades por ele apresentadas e passamos a discutir qual o melhor modo de constituir o sistema de busca. Paralelamente à produção do sistema demos início ao processo de revisão da ficha catalográfica a fim de definir por um modelo composto por descritores mais objetivos. Uma questão nos preocupava: ao preencher o campo destinado ao conteúdo da imagem acabávamos por realizar uma análise da fotografia e esse não era nosso objetivo. Nosso interesse consistia em encontrar um meio adequado de organização das imagens e de disposição das informações referentes aos seus aspectos técnicos e de conteúdo. A opção por descritores mais objetivos se deu em virtude da possibilidade de outras análises serem feitas das imagens, disponibilizar as imagens com nossas impressões não era nossa contribuição no momento. A eficiência da busca dependia do estabelecimento de um vocabulário controlado, objetivo este que nos impôs o levantamento de palavras e termos usados com frequência na descrição dos elementos de conteúdo das imagens e o estabelecimento de padrões de sinonímia (ex.: brinquedo ao invés de boneca, brinquedo ao invés de carrinho). A escolha dos descritores foi outro desafio, embora pudéssemos nos respaldar em alguns bancos de imagens existentes, no caso de uma ferramenta de pesquisa para fins de análises acadêmicas, precisávamos nos cercar de descritores pertinentes às questões que futuramente seriam feitas às imagens (ex.: incidência de fotografias com crianças em espaços públicos e em espaços privados, para tanto precisávamos garantir a presença de um descritor referente ao ambiente fotografado). Realizamos testes e após inserções e exclusões chegamos a 29 descritores (Figura 3), sendo os sete primeiros destinados a identificação da fotografia (SMIT; KOBASHI, 2003).

7 7 Figura 3 IDENTIFICAÇÃO DA FOTOGRAFIA COLEÇÃO ACERVO PROCEDÊNCIA REGISTRO DE ENTRADA REFERÊNCIA CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO ESTADO DE CONSERVAÇÃO DESCRITORES DAS FOTOGRAFIAS LOCAL RETRATADO TEMA RETRATADO PESSOAS RETRATADAS TIPOS DE OBJETOS ATRIBUTOS DAS PESSOAS GESTO ANIMAIS RETRATADOS ATRIBUTOS DA PAISSAGEM TEMPO FORMATO DO SUPORTE TONALIDADE ACABAMENTO TIPO DE FOTO SENTIDO DA FOTO DIREÇÃO DA FOTO DISTRIBUIÇÃO DOS PLANOS PLANO CENTRAL ARRANJO E EQUILÍBRIO FOCO IMPRESSÃO VISUAL ILUMINAÇÃO PRODUTOR Relação dos descritores Para atender as necessidades de organização do acervo (arquivamento das imagens) e de disponibilização do sistema para outros usuários, optamos pelo desenvolvimento de dois sistemas, sendo ambos contemplados pelo mesmo banco de imagens. O primeiro sistema é destinado ao usuário administrador, autorizado a arquivar as imagens e editar os campos correspondentes aos descritores da ficha. Já o segundo sistema destina-se a disponibilização do banco de imagens e de suas respectivas informações, para acesso público do usuário consulente. O sistema do usuário administrador é formado por uma janela inicial que possui quatro botões (Figura 4). O primeiro, ÍNDICE REMISSÍVO, permite acesso ao vocabulário controlado, no qual as palavras empregadas na descrição das fotografias aparecem em ordem alfabética com seus respectivos termos relacionados. O segundo botão, ARQUIVAR, encaminha à opção de cadastro da fotografia e edição dos descritores correspondentes. O botão PESQUISAR conduz a abertura da janela para busca das imagens e o último, CONFIGURAÇÕES, contempla opções de configuração da aparência do sistema.

8 8 Figura 4 Janela Inicial O procedimento de alimentação do programa com fotografias tem início no botão ADICIONAR. Este aciona uma janela para localização do arquivo da fotografia no computador do usuário administrador, após adicioná-la inicia-se a alimentação do sistema com a edição das informações da fotografia clicando no botão de EDIÇÃO. Todos esses procedimentos são restritos ao usuário administrador. Ao lado da fotografia inserida no sistema existe uma área com duas abas. A primeira, IDENTIFICAÇÃO DA FOTOGRAFIA, reúne informações referentes à coleção a qual a fotografia pertence, a procedência do acervo, o responsável por sua digitalização, a data de incorporação da imagem ao acervo, as condições de armazenamento do documento original e o estado de conservação (Figura 5). A segunda aba, DESCRITORES, contém campos para o preenchimento dos 23 descritores da fotografia, como por exemplo, local retratado, pessoas retratadas, tipos de objeto, atributo da paisagem, tonalidade, acabamento, sentido da foto, distribuição dos planos entre outros. Quando a fotografia possui algum tipo de marcação em seu verso (dedicatória, descrição das pessoas retratadas, data e local do evento, entre outras) temos a opção do botão VERSO que o exibe assim que acionado (Figura 6).

9 9 Figura 5 Aba de identificação da fotografia Figura 6 Aba dos descritores da fotografia O terceiro botão da janela inicial, PESQUISAR (Figura 7), destina-se ao procedimento de busca das fotografias. Nesta área existe um campo para digitar a palavra que deseja encontrar nas fotografias. Depois de digitar a palavra clica-se no botão que aciona a pesquisa. O retorno dessa busca consiste em uma relação de fotografias cuja palavra pesquisada encontra-se vinculada.

10 10 Figura 7 Aba para o procedimento de pesquisa Por exemplo, ao digitar a palavra brinquedo todas as fotografias que estão relacionadas ao termo serão listadas. O desenvolvimento do índice remissivo permite que uma palavra remeta a outra a ela relacionada. Por exemplo, se o usuário consulente procurar por bonecas, as fotografias que possuem a palavra brinquedo serão exibidas. Essa é uma das estratégias de refinamento dos resultados de busca, porém o sistema ainda não a contempla, já que a estruturação do vocabulário controlado não foi finalizada. O índice remissivo está em construção para que as ligações temáticas sejam viabilizadas. Até o momento, se digitarmos a palavra brinquedo, já incorporada no índice, todas as fotografias que abrangem a temática brinquedo serão localizadas no banco de dados do sistema. Para além desta possibilidade estamos construindo as bases que possibilitarão o sistema de busca avançada que contemplará a correlação de termos e descritores. Ao digitarmos as palavras brinquedo e casa será possível obter um relatório com todas as fotografias que apresentam ambos os elementos concomitantemente. No momento o que ocorre é a localização de fotografias que possuem tanto brinquedo quanto casa como conteúdo, sem que ambos constem na mesma fotografia. O quarto botão da janela inicial, CONFIGURAR, contempla opções para personalizar a aparência do sistema, como a troca dos temas de apresentação e a escolha da tonalidade de fundo. Essa opção está disponível tanto para o usuário administrador como também para o usuário consulente. Esta ferramenta de configuração oferece um design agradável e um

11 11 sistema de uso interativo que poderá ser escolhido pelos usuários de acordo com suas preferências pessoais. O sistema foi produzido com vistas a contemplar opções inexistentes em outras bases de dados. Primamos por garantir que houvesse a possibilidade da imagem acessada ser salva no computador do usuário consulente e para que fosse possível a impressão da fotografia e do conteúdo textual das abas que trazem a sua descrição. Para a disponibilização do sistema ao usuário consulente foram observadas algumas precauções quanto ao armazenamento do banco de dados. Quando o usuário consulente inserir o CD-R ou DVD-R no computador de uso pessoal será indagado quanto ao interesse em sua instalação. Ao aceitar que o sistema seja instalado, será criada automaticamente uma pasta de armazenamento das imagens no seu computador, mas isso não o impedirá de salvar as imagens onde achar mais conveniente. Este procedimento de criação da pasta é um caminho que poucas pessoas adotam por salvar a pasta de arquivos do programa em um local pouco acessado no computador. Essas precauções foram adotadas porque quando trabalhamos com imagens não é recomendado que estas sejam salvas no banco de dados do sistema. Caso não sejam observadas essas recomendações a extensão do banco de dados poderá ocasionar lentidão ou interrupção na realização das busca de imagens. Este aspecto ocorre porque quando salva-se a imagem no banco de dados ela transforma-se em um modo código, e quando solicitada sua visualização é feito um processo contrário, de conversão de código para imagem. Esse procedimento que pode causar prejuízo à execução do sistema e consequentemente dificultar a pesquisa. Por esta razão, optamos por outro meio de arquivamento, o banco de dados será salvo em uma pasta do programa, que será composta por um caminho, com as imagens e suas informações, garantindo o melhor desempenho do sistema em tempo de processamento. Há fotografias cujos campos de descritores não são preenchidos por completo. Isso ocorre por desconhecermos informações tanto em relação a aspectos técnicos (ex.: autoria da imagem, localização geográfica, data aproximada do registro fotográfico) como em relação aos aspectos de conteúdo (ex.: identificação das pessoas retratadas, relação de parentesco ou amizade entre elas, evento retratado). No momento estamos nos cercando de cuidados que visam minimizar essas lacunas como a realização de entrevistas com os proprietários dos acervos particulares nos momentos em que as fotografias nos são franqueadas. Outra medida adotada refere-se ao registro de informações acerca da história dos documentos fotográficos.

12 12 Inserimos um campo na ficha descritora para nele sejam registradas atualizações de informações (ex.: o uso de uma imagem em uma publicação). Figura 8 NÚMERO DE FOTOGRAFIAS POR COLEÇÃO ARQUIVOS PÚBLICOS CDR/UFGD 161 Museu 18 ARQUIVOS PRIVADOS Coleção Flores 11 Coleção Gamarra 11 Coleção Pereira 10 Coleção Silva 13 Coleção Willher 25 Número de fotografias por coleção Até o presente momento o banco de dados possui 7 coleções organizadas (Figura 8). Dispomos de descritores que nos permitem fazer levantamentos que respondem às questões de interesse cientifico. Uma base que abarca fotografias que podem ser utilizadas para fins pedagógicos no ensino de história. Pode-se afirmar que com isto contribuímos para a preservação da memória regional. Ainda temos novos desafios a serem enfrentados, como o estabelecimento de um protocolo de recebimento dos acervos. Outra questão que impõe uma solução é o registro de criação do FotoMemo para que ao disponibilizá-lo a terceiros não haja riscos de apropriação indébita. Considerações finais Organizar acervos materiais ou eletrônicos é um trabalho minucioso que requer conhecimentos multidisciplinares. Apostamos nesses esforços, pois eles dão visibilidade à importância dos acervos, contribuem para a democratização do acesso a fontes e, consequentemente, para a produção do conhecimento histórico.

13 13 A produção do Catálogo Fotográfico Digital parecia, inicialmente, uma realidade distante. Com o aprofundar dos estudos nos tornamos ainda mais conscientes da importância desse trabalho e intensificamos as pesquisas em busca de subsídios para sua construção. Como fruto desses esforços temos mais duas pesquisas de iniciação científica em andamento que darão continuidade ao projeto de constituição do acervo, pois preveem dentre suas de ações o trabalho com documentos fotográficos privados da região sul de Mato Grosso (atual MS), que serão incorporados futuramente ao Catálogo. O sistema desenvolvido encontra-se em condições de uso, porém coloca-se para nós como uma ferramenta em processo de constante melhoramento. Outras necessidades de reorganização poderão surgir mediante a sua utilização e à soma de novas coleções. O FotoMemo estará em constante processo de aperfeiçoamento e não será considerado um trabalho pronto e acabado. Referências ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, BENCOSTTA, M. L. A.; MEIRA, A. Fotografias e culturas escolares: universo digital e preservação da memória. In: III Congresso Brasileiro de História da Educação, 2004, Curitiba. III Congresso Brasileiro de História da Educação. Educação Escolar em perspectiva histórica. Curitiba : PUC-PR, v. 1. p KOSSOY, B. Fotografia e História. Cotia, SP: Ateliê Editorial, MAUAD, A. M. Na Mira do olhar: um exercício de análise da fotografia nas revistas ilustradas cariocas, na primeira metade do século XX. In. Anais do Museu Paulista. São Paulo. N. Sér. V. 13, n. 1, p , jan. jun MAUAD, A. M. Através da Imagem: Fotografia e História Interfaces. Tempo, Rio de Janeiro, v.1, n.2, 1996, p MAUAD, A. M. Sob o signo da imagem: a produção da fotografia e os controles do código de representação social da classe dominante, no Rio de Janeiro, na primeira metade do século XX f. Dissertação (Mestrado em História) Centro de Estudos Gerais Instituto de Ciências Humanas e Filosofia. Universidade Federal Fluminense, Niterói RJ, SMIT, J. W. KOBASHI, N. Y. Como elaborar vocabulário controlado para aplicação em arquivos. São Paulo: Arquivo do Estado Imprensa Oficial Vol. 10, (Projeto Como Fazer).

14 14 WERLE, O. F. C. As novas tecnologias e a pesquisa em história da educação. In: FARIA FILHO, L. M. (org.). Arquivos, fontes e novas tecnologias: questões para a história da educação. Campinas, SP: Autores Associados; Bragança Paulista, SP: Universidade São Francisco, i Edital PIBIC/UEMS/ 2009: Documentos fotográficos e imagens de crianças e infâncias do sul de Mato Grosso ( ). Edital PIBIC/UEMS/ 2010: Documentos Fotográficos e Representações do Mundo do Trabalho: Dourados ( ). Ambos executados por Andreína de Melo Louveira, sob orientação de Maria Eduarda Ferro. ii Edital FUNDECT / Chamada Universal Nº 07/2007. Coordenação: Profa. Dra. Débora de Barros Silveira (UEMS). iii Edital CNPq / Chamada Universal de Coordenação: Profa. Dra. Anete Abramowicz. Esse projeto contou com a participação de pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Universidade Estadual de Santa Catarina (UDESC), Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) e Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). iv FERRO, M. E. & LOUVEIRA, A. de M. Produção do Catálogo Fotográfico Digital: crianças e infâncias do sul de Mato Grosso ( ). In: I Seminário Internacional sobre História do Ensino de Leitura e Escrita (08 a 10/ 09/2010, UNESP/Marília). LOUVEIRA, A. de M. & FERRO, M. E. Retratos do Vivido: documentos fotográficos e representações de infâncias do sul de Mato Grosso do Sul ( ). In: VII Seminário em educação e II Colóquio de Pesquisa Escola e Família: Implicações Sociais (08 a 12/06/2010, UEMS/Paranaíba). FERRO, M. E. & LOUVEIRA, A. de M. Anônimos, marginais, invisíveis e esquecidos: o projeto de ampliação do acervo de um catálogo fotográfico digital. FERRO, M. E. & LOUVEIRA, A. de M. Documentos fotográficos e representações do mundo do trabalho em Dourados/MT ( ). In: VI Congresso Brasileiro de História da Educação (16 a 19/05, UFES, Vitória). FERRO, M. E. & LOUVEIRA, A. de M. Imagens de ordem e progresso na região sul de Mato Grosso ( ). FERRO, M. E.; LOUVEIRA, A. de M; SOUZA, M. dos S.. Imagens do cotidiano de crianças e infâncias em álbuns de família do sul de Mato Grosso ( ). In: III Encontro Nacional de Estudos da Imagem (03 a 06/05/2011, UEL/Londrina). v FotoMemo é o nome atribuído ao sistema criado para abrigar o catálogo fotográfico. vi Em arquivística Coleção corresponde a um conjunto de documentos com características comuns, reunidos intencionalmente (ARQUIVO NACIONAL, 2005).

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno 1 MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno Acessando o sistema 1- Para acessar a Faculdade Interação Americana Virtual digite o seguinte endereço: http://ead.fia.edu.br/

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA Autora: Regina Coelli Gomes Nascimento - Professora do curso de História

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA CONVERSÃO DE IMAGENS DIGITALIZADAS EM DOCUMENTO PDF ÚNICO UTILIZANDO A IMPRESSORA FREEPDF XP.

PROCEDIMENTOS PARA CONVERSÃO DE IMAGENS DIGITALIZADAS EM DOCUMENTO PDF ÚNICO UTILIZANDO A IMPRESSORA FREEPDF XP. PROCEDIMENTOS PARA CONVERSÃO DE IMAGENS DIGITALIZADAS EM DOCUMENTO PDF ÚNICO UTILIZANDO A IMPRESSORA FREEPDF XP. O objetivo deste manual é orientar os usuários do sistema de Processo Eletrônico a transformar

Leia mais

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos O objetivo deste Manual é permitir a reunião de informações dispostas de forma sistematizada, criteriosa e segmentada

Leia mais

Microsoft Office PowerPoint 2007

Microsoft Office PowerPoint 2007 INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007 O Microsoft Office PowerPoint 2007 é um programa destinado à criação de apresentação através de Slides. A apresentação é um conjunto de Sides que são exibidos em

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

cartilha noções básicas de arquivo

cartilha noções básicas de arquivo cartilha noções básicas de arquivo 1 cartilha noções básicas de arquivo Organização: Ana Lúcia da Silva do Carmo Júnia Terezinha Morais Ramos 2015 Você sabia que a Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT

ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT O PowerPoint é uma poderosa ferramenta que faz parte do pacote Office da Microsoft. O principal uso desse programa é a criação de apresentação de slides, para mostrar

Leia mais

A área de trabalho é o espaço reservado para as telas de preenchimento do Sistema e contém os seguintes elementos:

A área de trabalho é o espaço reservado para as telas de preenchimento do Sistema e contém os seguintes elementos: Mudanças do Currículo Lattes Conheça a interface A área de trabalho é o espaço reservado para as telas de preenchimento do Sistema e contém os seguintes elementos: 1.Barra de Ferramentas: Contém utilidades

Leia mais

RELATÓRIO DO ESTÁGIO NO NÚCLEO DE PESQUISA EM HISTÓRIA

RELATÓRIO DO ESTÁGIO NO NÚCLEO DE PESQUISA EM HISTÓRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA ESTÁGIO PRELIMINAR NÚCLEO DE PESQUISA EM HISTÓRIA ALEXANDRA CODA HELENA CANCELA CATTANI RAFAEL

Leia mais

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE ÍNDICE ÍNDICE... 1 CAPÍTULO 01 PREPARAÇÃO DO AMBIENTE... 2 1.1 IMPORTAÇÃO DO DICIONÁRIO DE DADOS... 2 CAPÍTULO 02 CADASTRO E CONFIGURAÇÃO DE RELATÓRIOS... 4 2.1 CADASTRO DE RELATÓRIOS... 4 2.2 SELEÇÃO

Leia mais

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior.

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. Curso II Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. KRÜGER, M.H. MAIO/2014. Portaria nº 1.224, 18.12.2013.

Leia mais

Manual do usuário. Acesso ao GEFAU

Manual do usuário. Acesso ao GEFAU Manual do usuário Acesso ao GEFAU Fev/2015 GEFAU PORTAL DO EMPREENDEDOR Conteúdo Introdução... 2 1. Acesso ao GEFAU... 3 2. Cadastro de empreendimentos... 5 2.1. Consulta aos empreendimentos do usuário...

Leia mais

Módulo de Extensão SIGAA. Cadastro de Cursos

Módulo de Extensão SIGAA. Cadastro de Cursos Módulo de Extensão SIGAA Cadastro de Cursos ÍNDICE Instruções gerais Pg. 04 Recomendações Pg. 04 Acessibilidade ao sistema Pg. 04 Acesso ao SIGAA Pg. 04 Acesso ao módulo Pg. 05 Acesso ao tipo de extensão

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

SISTEMA UNIFICADO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SUAP

SISTEMA UNIFICADO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SUAP INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA UNIFICADO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SUAP MANUAL DO

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft Word 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Barra de Ferramentas de Acesso Rápido

Leia mais

Índice. Brasil Profissionalizado SIMEC/DTI/MEC 2

Índice. Brasil Profissionalizado SIMEC/DTI/MEC 2 Índice 1. Prefácio... 2 2. Requisitos Mínimos... 3 3. Como acessar o SIMEC... 4 4. Solicitando cadastro... 5 5. A Estrutura do Módulo... 7 6. Instruções Gerais... 8 6.1. Diagnóstico/BRASIL PROFISSIONALIZADO...9

Leia mais

SGD - Sistema de Gestão de Documentos

SGD - Sistema de Gestão de Documentos Agosto/2012 SGD - Sistema de Gestão de Documentos Manual do Módulo Documentos Características Orientações de utilização do Módulo Documentos. Apresentação das funcionalidades. Telas explicativas e passo

Leia mais

Usuários. Manual. Pergamum

Usuários. Manual. Pergamum Usuários Manual Pergamum Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 1-2 2 CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO/OPERADOR... 2-1 3 UTILIZANDO O MÓDULO DE USUÁRIOS... 3-2 3.1 CONFIGURAÇÃO DE GUIAS NO EXPLORER... 3-3 4 CADASTRO...

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS ACERVO - Documentos de uma entidade produtora ou de uma entidade que possui sua guarda. ACESSIBILIDADE - Condição ou possibilidade de acesso a serviços de referência,

Leia mais

Curso básico de LibreOffice/Impress

Curso básico de LibreOffice/Impress Curso básico de LibreOffice/Impress O Impress é o aplicativo de criação e edição de apresentações da família BrOffice.org que possibilita realizar as seguintes tarefas: Criação de gráficos vetoriais (imagens);

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

Anote aqui as informações necessárias:

Anote aqui as informações necessárias: banco de mídias Anote aqui as informações necessárias: URL E-mail Senha Sumário Instruções de uso Cadastro Login Página principal Abrir arquivos Área de trabalho Refine sua pesquisa Menu superior Fazer

Leia mais

TUTORIAL PARA O MÉDICO PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014

TUTORIAL PARA O MÉDICO PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014 PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA TUTORIAL PARA O MÉDICO PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014 Brasília/DF, 17 de setembro de 2014. 1 APRESENTAÇÃO Senhor (a) Médico (a) participante

Leia mais

Tutorial de animação quadro a quadro

Tutorial de animação quadro a quadro Tutorial de animação quadro a quadro quadro a quadro é uma técnica que consiste em utilizar imagens ou fotografias diferentes de um mesmo objeto para simular o seu movimento. Nesse caso, trata-se de relatar

Leia mais

Cuestionesentorno a latransferencia de lacustodia de documentos publicos

Cuestionesentorno a latransferencia de lacustodia de documentos publicos Cuestionesentorno a latransferencia de lacustodia de documentos publicos Profa. Dra. Sonia Troitiño Depto. de Ciência da Informação UNESP-Marília, Brasil Objetivos: 1. Discutir formas e condições de incorporação

Leia mais

ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007

ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007 ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007 CURITIBA 2015 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007... 3 JANELA PRINCIPAL... 3 1 - BOTÃO OFFICE... 4 2 - FERRAMENTAS DE ACESSO

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DO SIE-SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O ENSINO

MANUAL DO USUÁRIO DO SIE-SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O ENSINO MANUAL DO USUÁRIO DO SIE-SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O ENSINO INTRODUÇÃO Esse manual destina-se a usuários do Sistema de Informação para o Ensino -SIE Módulo Protocolo e tem por finalidade apresentar as

Leia mais

Tutorial 5 Questionários

Tutorial 5 Questionários Tutorial 5 Questionários A atividade Questionário no Moodle pode ter várias aplicações, tais como: atividades de autoavaliação, lista de exercícios para verificação de aprendizagem, teste rápido ou ainda

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR 1 Índice: 01- Acesso ao WEBMAIL 02- Enviar uma mensagem 03- Anexar um arquivo em uma mensagem 04- Ler/Abrir uma mensagem 05- Responder uma mensagem

Leia mais

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações Página 144 VIII/11. Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações A Conferência das Partes, Informando-se sobre o relatório do Secretário Executivo sobre as atividades do

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 79 Memória Institucional - Documentação 17 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR Resumo FRANZÃO, Thiago Albieri UEPG/GEPEA thiagofranzao@hotmail.com RAMOS, Cinthia Borges de UEPG/GEPEA cinthiaramos88@yahoo.com.br

Leia mais

Treinamento GVcollege Módulo Acadêmico - Pedagógico

Treinamento GVcollege Módulo Acadêmico - Pedagógico Treinamento GVcollege Módulo Acadêmico - Pedagógico 2015 GVDASA Sistemas Pedagógico 2 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações

Leia mais

Portal do Servidor Publico. Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL

Portal do Servidor Publico. Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL Portal do Servidor Publico Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL 1 Indice Apresentação do Portal... 03 Acesso ao Portal do Servidor Publico... 04 Solicitar Senha... 04 Disponibilidade do Portal... 06

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Power Point. Autor: Paula Pedone

Power Point. Autor: Paula Pedone Power Point Autor: Paula Pedone INTRODUÇÃO O POWER POINT é um editor de apresentações, pertencente ao Pacote Office da Microsoft. Suas principais características são: criação de apresentações através da

Leia mais

Gestores e Provedores

Gestores e Provedores PORTAL 2010 Manual do Portal 15 Gestores e Provedores Publicação descentralizada As informações, produtos e serviços disponibilizados no Portal são publicados e atualizados pelas próprias unidades do

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO DO PROJETO: Programa História e Memória Regional 1.2. CURSO: Interdisciplinar 1.3. IDENTIFICAÇÃO DO(A) PROFESSOR(A) /PROPONENTE 1.3.1.

Leia mais

ESCRITÓRIO DIGITAL. Guia do Sistema. Conselho Nacional de Justiça - Brasília, maio de 2015 http://wwwh.cnj.jus.br/escritoriodigital

ESCRITÓRIO DIGITAL. Guia do Sistema. Conselho Nacional de Justiça - Brasília, maio de 2015 http://wwwh.cnj.jus.br/escritoriodigital ESCRITÓRIO DIGITAL Guia do Sistema Conselho Nacional de Justiça - Brasília, maio de 2015 http://wwwh.cnj.jus.br/escritoriodigital Introdução sobre a nova ferramenta digital Com as diversas soluções tecnológicas

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE SEÇÃO I DO OBJETIVO Art. 1º O presente Regulamento tem por

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Como funciona? SUMÁRIO

Como funciona? SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Benefícios e Vantagens... 2 3. Como utilizar?... 2 3.1. Criar Chave / Senha de Usuário... 2 3.2. Recursos da Barra Superior... 2 3.2.1. Opções... 3 3.2.1.1. Mover Para...

Leia mais

Editor de Questões E24H

Editor de Questões E24H Editor de Questões E24H Conteúdo: Apresentação O que é o Editor de Questões Objetivos Potencialidades Vantagens adicionais Visualização no site (Quem acessa o Editor de Questões) (não Para quem o Editor

Leia mais

O que há de novo. Audaces Idea

O que há de novo. Audaces Idea O que há de novo Audaces Idea Com o propósito de produzir tecnologia de ponta, o principal requisito da Política de Qualidade da Audaces é buscar a melhoria contínua de seus produtos e serviços. Inovadora

Leia mais

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos.

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos. Idade dos arquivos Fabrício Mariano A classificação das idades dos arquivos varia de autor para autor, pois cada uma tem origem em um país diferente ou é influenciada em maior ou menor grau por uma cultura

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO PROGRAMA PRO-ÍRIS (Controle Clínico e Irisdiagnose)

MANUAL DE UTILIZAÇÃO PROGRAMA PRO-ÍRIS (Controle Clínico e Irisdiagnose) MANUAL DE UTILIZAÇÃO PROGRAMA PRO-ÍRIS (Controle Clínico e Irisdiagnose) O Programa Pró Íris foi desenvolvido pela Castells, visando tornar-se uma valiosa ferramenta auxiliar de ajuda ao profissional da

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP

MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP Pouso Alegre MG 2013 SUMÁRIO 1. Introdução.... 6 2. Efetuar Entrada de Material.... 8 2.1. Entrada de Material por Compra.... 8 2.1.1. Cadastro de Empenho...

Leia mais

Tela Inicial: O Banco de Dados e seus objetos:

Tela Inicial: O Banco de Dados e seus objetos: Access 1 Tela Inicial: 2 ÁREA DE TRABALHO. Nosso primeiro passo consiste em criar o arquivo do Access (Banco de Dados), para isto utilizaremos o painel de tarefas clicando na opção Banco de Dados em Branco.

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE INDAIATUBA - IESI INDAIATUBA/SP 2 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO RM Agilis Manual do Usuário Ouvidoria, Correspondência Interna, Controle de Processos, Protocolo Eletrônico, Solicitação de Manutenção Interna, Solicitação de Obras em Lojas,

Leia mais

Manual de Utilização ZENDESK. Instruções Básicas

Manual de Utilização ZENDESK. Instruções Básicas Manual de Utilização ZENDESK Instruções Básicas Novembro/2013 SUMÁRIO 1 Acesso à ferramenta... 3 2 A Ferramenta... 4 3 Tickets... 8 3.1 Novo Ticket... 8 3.2 Acompanhamentos de Tickets já existentes...

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF.

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. RODRIGO BARBATI ARQUIVOLOGIA 21- São gêneros documentais encontrados nos arquivos,exceto:

Leia mais

Administração da disciplina

Administração da disciplina Administração da disciplina Agrupamento Vertical de Escolas de Tarouca Documento disponível em: http://avetar.no-ip.org 1.Acesso e utilização da plataforma:. Seleccione a opção Entrar, que se encontra

Leia mais

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft.

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Introdução ao Microsoft Windows 7 O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Visualmente o Windows 7 possui uma interface muito intuitiva, facilitando a experiência individual do

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI PERFIL TÉCNICO Versão 2.0 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E TELECOMUNICAÇÕES PREFEITURA DE GUARULHOS SP 1 Objetivo: Esse manual tem como objetivo principal instruir os

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA SIGPLAN - ELABORAÇÃO DA FASE QUALITATIVA DO PPA 2008-2011

MANUAL DO SISTEMA SIGPLAN - ELABORAÇÃO DA FASE QUALITATIVA DO PPA 2008-2011 MANUAL DO SISTEMA SIGPLAN - ELABORAÇÃO DA FASE QUALITATIVA DO PPA 2008-2011 O trabalho faz a diferença. Manaus, maio de 2007. Manual de Operação do Sistema de Informações Gerenciais e de Planejamento -

Leia mais

COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO. Versão 1.0

COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO. Versão 1.0 COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2015 SUMÁRIO 1. O MOODLE 3 2. Acesso à Plataforma 3 2.1. Cadastrar-se em uma disciplina 4 2.2. Página Inicial do Curso 5 3.

Leia mais

Portal de Periódicos Capes

Portal de Periódicos Capes Portal de Periódicos Capes www.periodicos.capes.gov.br/ O que é o Portal de Periódicos? A maior biblioteca virtual de informação científica do mundo: Mais de 36.000 títulos de revistas acadêmicas (periódicos)

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos 1 SUMÁRIO 1. Definições 3 1.1 Apresentação 3 1.2 Disposição do Sistema 3 2. Acessando o Sistema 4 2.1 Procedimento para regularizar o primeiro acesso 4 2.2 Procedimento

Leia mais

Manual de uso do e-mail institucional FMB e HC. Manual de uso do e-mail institucional FMB e HC

Manual de uso do e-mail institucional FMB e HC. Manual de uso do e-mail institucional FMB e HC Manual de uso do e-mail institucional FMB e HC 1 FICHA CATALOGRÁFICA ELABORADA PELA SEÇÃO TÉC. AQUIS. E TRAT. DA INFORMAÇÃO DIVISÃO TÉCNICA DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO - CAMPUS DE BOTUCATU - UNESP BIBLIOTECÁRIA

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Introdução Aula 03: Pacote Microsoft Office 2007 O Pacote Microsoft Office é um conjunto de aplicativos composto, principalmente, pelos

Leia mais

SILVA MATTOS & Cia. Ltda. BANCO DE IMAGENS. Manual de Utilização. Banco de Imagens. 2009 Silva Mattos & Cia. Ltda.

SILVA MATTOS & Cia. Ltda. BANCO DE IMAGENS. Manual de Utilização. Banco de Imagens. 2009 Silva Mattos & Cia. Ltda. Manual de Utilização Banco de Imagens Introdução O que é o Banco de Imagens? Uma biblioteca completa de logotipos, fotos de imagens e produtos em alta resolução - prontas para download instantâneo. Este

Leia mais

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Atuação do COEP frente às mudanças climáticas Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Mudanças Climáticas e pobreza As populações mais pobres tendem a ficar mais vulneráveis diante

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO. 3 1. ACESSO AO SISTEMA. 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO.6 3. PREENCHIMENTO DO MÓDULO DE MONITORAMENTO. 8 4.

SUMÁRIO INTRODUÇÃO. 3 1. ACESSO AO SISTEMA. 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO.6 3. PREENCHIMENTO DO MÓDULO DE MONITORAMENTO. 8 4. MANUAL TÉCNICO-OPERACIONAL DO MÓDULO DE MONITORAMENTO DO PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS - PAR Brasília/DF, 23 julho de 2009 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. ACESSO AO SISTEMA... 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO...6

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE IMAGENS MANUAL DE USO

SISTEMA DE BANCO DE IMAGENS MANUAL DE USO SISTEMA DE BANCO DE IMAGENS MANUAL DE USO Versão: BETA Última atualização: 24/06/2012 Índice O sistema de banco de imagens 03 Pesquisa de fotos 04 Pautas e eventos 08 Cadastro de fotos 09 Edição e indexação

Leia mais

Manual de Utilização do Zimbra

Manual de Utilização do Zimbra Manual de Utilização do Zimbra Compatível com os principais navegadores web (Firefox, Chrome e Internet Explorer) o Zimbra Webmail é uma suíte completa de ferramentas para gerir e-mails, calendário, tarefas

Leia mais

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Desenvolvido por Fábrica de Software Coordenação de Tecnologia da Informação Pág 1/22 Módulo: 1 Responsável: Desenvolvimento Ti Data: 01/11/2012 Versão: 1.0 Empresa:

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA

NOTA FISCAL ELETRÔNICA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Í n d i c e Julho, 2010 Introdução... 2 1. Acerto dos cadastros de Clientes e de Produtos... 4 1.1. Cadastros Básicos - Cadastro de Clientes... 4 1.2. Cadastros Básicos Cadastro

Leia mais

Sistema de Chamados Protega

Sistema de Chamados Protega SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZANDO ACESSO AO SISTEMA DE CHAMADOS... 4 2.1 DETALHES DA PÁGINA INICIAL... 5 3. ABERTURA DE CHAMADO... 6 3.1 DESTACANDO CAMPOS DO FORMULÁRIO... 6 3.2 CAMPOS OBRIGATÓRIOS:...

Leia mais

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial 1 1. DOTPROJECT O dotproject é um software livre de gerenciamento de projetos, que com um conjunto simples de funcionalidades e características, o tornam um software indicado para implementação da Gestão

Leia mais

CIUCA Manual de Operação Versão 2.02 (Módulos I Cadastro e II - Credenciamento)

CIUCA Manual de Operação Versão 2.02 (Módulos I Cadastro e II - Credenciamento) Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Cadastro das Instituições e Comissões de Ética no Uso de Animais CIUCA Versão 2.02 (Módulos I Cadastro e II - Credenciamento) Versão 1.01 (Módulo I Cadastro)

Leia mais

Manual Documentação de Arquivos. Tela Classificação de Arquivo

Manual Documentação de Arquivos. Tela Classificação de Arquivo Manual Documentação de Arquivos Tela Classificação de Arquivo Objetivo e orientações iniciais Registro das classificações dos arquivos: título e unidade organizacional responsável. Menu: Documentação Classificação

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais

Curso de Navegadores e Internet

Curso de Navegadores e Internet Universidade Estadual do Oeste do Paraná Pró Reitoria de Extensão Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Colegiado de Licenciatura em Matemática Colegiado da Ciência da Computação Projeto de Extensão:

Leia mais

Navegando no produto e utilizando esse material de apoio, você descobrirá os benefícios do IOB Online Regulatório, pois só ele é:

Navegando no produto e utilizando esse material de apoio, você descobrirá os benefícios do IOB Online Regulatório, pois só ele é: 1. CONCEITO Completo, prático e rápido. Diante do aumento da complexidade da tributação e do risco fiscal, pelos desafios de conhecimento e capacitação e pela velocidade para acompanhar mudanças na legislação,

Leia mais

Utilização do Webmail da UFS

Utilização do Webmail da UFS Universidade Federal de Sergipe Centro de Processamento de Dados Coordenação de Redes de Computadores Utilização do Webmail da UFS Procedimento Com o intuito de facilitar a execução dos passos, este tutorial

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

CRM MITIS GERAR SMP PELO ASSISTENTE

CRM MITIS GERAR SMP PELO ASSISTENTE CRM MITIS GERAR SMP PELO ASSISTENTE INFORMAÇÕES INICIAIS... 3 PÁGINA INICIAL-CADASTRO DE VISITAS... 3 AGENDA DE VISITAS JANELA PRINCIPAL... 3 CADASTRO DE VISITAS... 3 GERAR SMP PELO ASSISTENTE... 4 PREENCHIMENTO

Leia mais

Curso Básico Sistema EMBI

Curso Básico Sistema EMBI Curso Básico Sistema EMBI Módulo Atendentes e Administradores Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste trabalho pode ser reproduzida em qualquer forma por qualquer meio gráfico, eletrônico ou

Leia mais

Microsoft PowerPoint 2003

Microsoft PowerPoint 2003 Página 1 de 36 Índice Conteúdo Nº de página Introdução 3 Área de Trabalho 5 Criando uma nova apresentação 7 Guardar Apresentação 8 Inserir Diapositivos 10 Fechar Apresentação 12 Abrindo Documentos 13 Configurar

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PARANÁ PROJUDI REFORMULAÇÃO DE CUMPRIMENTOS - MANDADOS

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PARANÁ PROJUDI REFORMULAÇÃO DE CUMPRIMENTOS - MANDADOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PARANÁ PROJUDI REFORMULAÇÃO DE CUMPRIMENTOS - MANDADOS 2 SUMÁRIO SEÇÃO 1 - FLUXO DAS VARAS QUE NÃO POSSUEM CENTRAL DE MANDADOS... 03 1. CUMPRIMENTOS (PERFIS DE ANALISTA E TÉCNICO

Leia mais

Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage...

Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage... Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage... 12 Apresentação O Pitstop foi desenvolvido pela Interact com o objetivo

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft.

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Introdução ao Microsoft Windows 7 O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Visualmente o Windows 7 possui uma interface muito intuitiva, facilitando a experiência individual do

Leia mais

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 2014 Manual Laboratório ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 Sumário Acesso ao Sistema... 2 Menu Cadastros... 4 Cadastro de usuários... 4 Inclusão de Novo Usuário... 5 Alteração de usuários...

Leia mais

Cadastro de Franquias. Cadastro de Tipo. Configuração da Exportação

Cadastro de Franquias. Cadastro de Tipo. Configuração da Exportação Franquias O módulo Franquias permite que o Franqueador envie cadastros de produtos, serviços e preços para seus Franqueados. Sendo possível também, controlar as movimentações de vendas e estoque dos mesmos.

Leia mais

DIRETORIA DE COMUNICAÇÃO Coordenação de Multimeios. MANUAL INTERNO DE CATALOGAÇÃO FOTOGRÁFICA DA DIRETORIA DE COMUNICAÇÃO Versão 1

DIRETORIA DE COMUNICAÇÃO Coordenação de Multimeios. MANUAL INTERNO DE CATALOGAÇÃO FOTOGRÁFICA DA DIRETORIA DE COMUNICAÇÃO Versão 1 DIRETORIA DE COMUNICAÇÃO Coordenação de Multimeios MANUAL INTERNO DE CATALOGAÇÃO FOTOGRÁFICA DA DIRETORIA DE COMUNICAÇÃO Versão 1 Apresentação Este documento tem como objetivo orientar as equipes de Comunicação

Leia mais