Centro Regional Sul de Pesquisas Espaciais CRS Campus UFSM S/N, CEP Santa Maria RS, Brasil.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Centro Regional Sul de Pesquisas Espaciais CRS Campus UFSM S/N, CEP 97.105-900 Santa Maria RS, Brasil. jolvani.morgan@crs.inpe.br, sausen@crs.inpe."

Transcrição

1 Banco de dados para o Núcleo de Pesquisa e Aplicação de Geotecnologias em Desastres Naturais e Eventos Extremos do Centro Regional Sul de Pesquisas Espaciais do INPE Jolvani Morgan 1, Tânia Maria Sausen 1 1 Insituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE Centro Regional Sul de Pesquisas Espaciais CRS Campus UFSM S/N, CEP Santa Maria RS, Brasil Abstract. This paper describe the implementation of the database for the group of researchs on Natural Disaster and Extreme Events Geodesastres, the first module operational phase in the South Regional Center INPE. The objective of this database is to store information about natural disasters, in different formats and sources, seeking together occurrence of events that happen in south region Brazil. The database has features allowing the spatial location of the disaster and integration with cadastral data provided for researchers of the group Geodesastres and the partner entities. Resumo. Este artigo descreve a implementação do banco de dados para o grupo de pesquisas de Geotecnologias em Desastre Naturais e Eventos Extremos Geodesastres, sendo o primeiro módulo em fase operacional no Centro Regional Sul do INPE. O objetivo deste banco é armazenar informações referentes a desastres naturais, de diferentes formatos e fontes, buscando reunir a ocorrência de eventos que acontecem na região sul do Brasil. O banco de dados possui características espaciais permitindo a localização geográfica dos desastres e a integração com dados cadastrais fornecidos pelos pesquisadores do grupo Geodesastres e pelas entidades parceiras. 1. Introdução A necessidade de prevenção, acompanhamento, mitigação de desastres representa uma certa urgência, pois à quantidade de eventos vem freqüentemente crescendo e atingindo vários municípios de todas as regiões do Brasil. Uma das causas prováveis da ocorrência de eventos de desastre atribui-se as mudanças climáticas no globo terrestre. Estas trazem estiagens prolongadas, precipitações intensas seguidas de alagamentos ou enchentes, vendavais, tornados, ciclones, entre outros, que causam grande destruição e desordem nos locais afetados. Diferentes órgãos, em esfera municipal, estadual e federal procuram unir forças para atender as ocorrências desses fenômenos. Um dos principais órgãos que executam ações de prevenção e resposta pós-desastre é a Defesa Civil. Por outro lado, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE, implantou em seu Centro Regional Sul CRS, o Núcleo de Pesquisa e Aplicação de Geotecnologias em Desastres Naturais e Eventos Extremos, denominado Geodesastres Sul. Este Grupo de pesquisa busca atuar juntamente com órgãos como a defesa civil, corpo de bombeiros, brigada militar e outros, numa parceria para a prevenção de desastres naturais. A função do grupo é usar a Geotecnologia aliada às atividades na área de

2 Observação da Terra (OBT), identificando as conseqüências das mudanças climáticas sobre a população da região sul do Brasil. Uma das iniciativas do grupo Geodesastres, foi à criação de um banco de dados para acompanhamento da ocorrência de desastres naturais. A implementação deste banco permite construir uma base de dados formada por imagens de satélite, mapas, cartas, documentos, fotos e vídeos relacionados aos eventos de desastres naturais para desenvolver projetos na região sul do Brasil de pesquisa e aplicação de geotecnologias em desastres naturais. Possibilitando assim, o mapeamento de áreas de riscos localizadas na região sul do Brasil e Mercosul, visualização de imagens de satélites, criação de mapas e cartas que possibilitam o monitoramento das regiões em estudo na prevenção de fenômenos naturais. O grupo Geodesastres poderá compartilhar dados com os órgãos que atuam na prevenção e mitigação desses fenômenos e disponibilizar o acesso das informações a pesquisadores e população em geral. Dessa forma, o trabalho é dividido em mais 3 secções, onde na secção 2 é apresentado os trabalhos relacionados, na secção 3 a metodologia materiais e métodos usados no desenvolvimento do banco, na seção 4 é apresentado os resultados e na 5 a conclusão. 2. Trabalhos Relacionados Atualmente são efetuadas muitas pesquisas relacionadas a desastres naturais, entre elas, o Sistema de Monitoramento de Alerta de Desastre Naturais (Sismaden), uma ferramenta de geoprocessamento para controle, recuperação, armazenamento e processamento de dados ambientais com o objetivo de emitir alertas na ocorrência de desastres. Lopes (2007). Este sistema integra dados hidrometeorológicos, plano de riscos, planos de informações adicionais para a análise e definição de alertas, possibilitando a geração de mapas de riscos nas áreas observadas. Dividido em módulos, o sistema é baseado no conceito de serviço SOA (Service Oriented Architecture), onde um serviço é uma funcionalidade independente, sem estado, que aceita uma ou mais requisições e retorna um ou mais resultados. Executado em várias plataformas preferencialmente Linux, usa o gerenciador de banco de dados Postgresql com extensão espacial Postgis, ambiente de desenvolvimento TerraLib (TerraManager, TerraPHP, TerraView) e outras bibliotecas para linux como flex, bison, geos, proj, qt e zlib. O trabalho de Marcelino, Nunes e Kobiyama (2006), teve como objetivo analisar a qualidade dos bancos de dados de desastres naturais em escala global e regional. Em escala global, o banco de dados analisado denomina-se EM-DAT (Emergency Events Database), que contém dados de desastres ocorridos em todo o mundo, contabilizados a partir de A ONU utiliza esse banco como fonte de dados para nortear as ações de prevenção em desastres naturais. Em escala regional, foi analisado o banco de dados do Departamento Estadual de Defesa Civil do Estado de Santa Catarina (DEDC-SC). Os autores verificaram com base no EM-DAT um crescimento na freqüência e intensidade de desastres naturais no mundo a partir da década de 50. Também em seu trabalho, os dados obtidos do EM-DAT para o Brasil (261 registros) apresentam-se bem inferiores aos dados do DEDC-SC para Santa Catarina, que foram de registros no período analisado. Essa diferença foi caracterizada como um erro de omissão no EM- DAT visto que o DEDC-SC obedece a pelo menos um dos critérios requerido pelo

3 banco global. Por outro lado, ambos os bancos apresentam grandes similaridades em relação à porcentagem de cada tipo de desastres. Na avaliação final dos dois bancos, apesar da diferença nas escala de atuação, foram identificados erros similares, como omissão, inserção, tipologia e quantificação, mesmo assim, o banco de dados é um importante instrumento para tomada de decisões. Na literatura encontram-se outros bancos de dados globais para desastres naturais, tais como: NatCat mantido pelo Munich Reinsurance Company, que oferece estatísticas anuais e dados sobre grandes catástrofes naturais. Outro importante banco de dados é mantido pela universidade de Dartmouth, (Darmouth Food Observatory USA), que contém informações sobre as maiores inundações ocorridas no mundo a partir de A proposta do grupo de pesquisas Geodesastres é criar um banco de dados com características geográficas servindo como um repositório de dados de diferentes fontes para estudos em desastres naturais. 3. Metodologia Para prevenir os desastres naturais, primeiro necessita-se de estudos sobres os mesmos, tais como: a freqüência dos acontecimentos, onde ocorrem e quando ocorrem, sua recorrência, de quanto em quanto tempo o mesmo evento acontece, sua intensidade, danos causados (materiais, econômicos e humanos), identificação dos atingidos relacionando a situação econômica e habitacional com o tipo de evento, por exemplo. Diante disso, um banco de dados provê mecanismos para estudos de eventos de desastres naturais servindo como gerenciador de dados de diferentes fontes e formatos. Baseado na análise efetuada, as informações que deverão ser armazenadas no banco de dados identificam três etapas que formam o processo de gerenciamento da informação, são elas: a entrada de dados, o armazenamento e a saída. Para a entrada de dados, o banco deve permitir informações referentes a Desastres Naturais, Imagens de Satélites e Mapas, ou seja, inserção de diferentes formatos de arquivos, além de Dados Ambientais, Dados Sociais e Dados Econômicos. Cada entrada de dados, pode ser fornecida por diferentes órgãos ou instituições parceiras, que deverão trabalhar juntas formando a base de entrada de dados. O armazenamento identifica a adoção de tecnologias de informática como gerenciadores de banco de dados para gerir as informações de entrada e saída. A saída de dados permite gerar diferentes mapas e relatórios que garantam o monitoramento dos desastres naturais e o diagnóstico dos eventos que ocorreram. Tais mapas, como de perigo, de vulnerabilidade, precipitação, entre outros, possibilitam identificar as áreas de risco para prevenção de desastres naturais. Além disso, outros tipos de dados, como: quadros, tabelas, documentos podem ser gerados como informação de saída. Além de dados convencionas o banco de dados possui características geográficas, como é o caso da inserção de imagens de satélite e eventos de desastres. Para estes casos, coordenadas geográficas são inseridas como pontos geográficos no banco de dados, permitindo a localização espacial tanto de imagens de satélite quanto de desastres naturais ocorridos, além de associar diferentes tipos de arquivos a eventos de desastres. Tal coordenada permite a consulta espacial especificando, por exemplo, para o arquivo do tipo imagens qual município ou municípios intersectam aquela imagem, e

4 para o evento qual município ou municípios foram atingidos pelo desastre e o local onde ocorreu o mesmo (ou os locais onde ocorreram desastres dentro do município, na região ou no estado). Para a implementação do banco de dados, desde a conceituação até a fase operacional do primeiro módulo, diferentes etapas foram contempladas. Tais etapas compreendem a análise dos requisitos, modelo conceitual (ER modelo de entidade relacionamento), modelagem lógica, onde são criados as tabelas, com seus atributos, campos, relacionamentos, integridade referencial, regras e funções no banco de dados. Na fase final, é implementada a interface que deve permitir o acesso do grupo de qualquer lugar, possibilitando assim, inserir, atualizar e consultar dados. Para isso, serão usadas tecnologias Web na estruturação de páginas que permitam o acesso ao banco de dados. O acesso ao banco de dados terá níveis de restrições, onde para os pesquisadores do Geodesastres, será permitido inserir, alterar e consultar dados na base de dados. Para os parceiros terá um módulo possibilitando a inserção e consulta dos dados, e os usuários externos terão acesso somente às consultas no banco de dados. O primeiro módulo do banco de dados tem a função de montar uma base de dados que forneça materiais referentes aos fenômenos de desastres naturais. Estes materiais são as imagens de satélites, as fotografias dos desastres os documentos em PDF e DOC, mapas geológicos, de uso do solo, de vegetação, cartas topográficas e todo material relevante que pode ser inserido no banco em forma de arquivos. A primeira etapa foi criar o modelo conceitual, onde foi elaborada a definição das classes de entidades. Na definição das entidades, são atribuídos nomes que representam o tipo de objeto ou dado que será armazenado. Definidas as entidades, as quais correspondem às tabelas que serão armazenadas no banco, são estabelecidos os relacionamentos entre as classes de entidades e a cardinalidade da associação (do relacionamento) das classes, segundo Queiroz et al. (2007). Estas entidades são denominadas o modelo de Entidade Relacionamento (ER). Após definir o modelo ER, são definidos os atributos das classes de entidades e dos relacionamentos, tais atributos são os campos e os tipos de dados que poderão ser armazenados no banco, como caracteres, inteiros e campos geométricos. A partir desse modelo é elaborado o modelo lógico, ou seja, traduzir o modelo ER para o modelo Relacional. A figura 1 ilustra algumas tabelas do modelo lógico do banco de dados. Nela, a tabela mais significativa do banco de dados é a tabela arquivo. Esta possui três especializações, pois alguns atributos dela são iguais às tabelas arq_imagem, arq_mapas e arq_cartas como é o caso de nome, data e path (caminho ou diretório de localização). Portanto, a tabela arquivo, tem a função de armazenar todos os tipos de arquivos que serão inseridos no banco e seu relacionamento com a tabela evento, permite relacionar um evento de desastre natural com os arquivos referentes ao mesmo. Na criação do modelo lógico, também são criadas visões (views), regras (rules) gatilhos (triggers), chaves, integridade referencial e funções, para o correto funcionamento e operações de acesso ao banco.

5 Figura 1 Modelagem lógica do banco de dados O banco de dados criado possui características espaciais. Tais características permitem efetuar consultas espaciais, nas tabelas com o campo de coordenadas espaciais, cujo atributo é definido como GEOMETRY, neste caso, as tabelas arq_imagem e ponto. O tipo de dado GEOMETRY é uma extensão espacial que possibilita armazenar pontos, linhas, polígonos, multipontos, multipolígonos, entre outros, caracterizando o armazenamento de objetos geográficos no banco de dados. Observa-se o mesmo atributo, GEOMETRY, na tabela de municípios. Esta tabela possui a geometria de todos os municípios do Brasil, sendo que este campo armazena os pontos que representam os polígonos de cada município e foi adquirido através de arquivos Shape disponibilizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE (IBGE, 2008). Sendo assim, para realizar consultas espaciais, as tabelas não precisam necessariamente estar relacionada, bastam possuírem campos geométricos que representam objetos geográficos da região de interesse. Dessa forma, a consulta pode ser realizada, por exemplo, através de uma junção, intersecção ou união das mesmas

6 através dos campos geométricos, utilizando funções de consultas espaciais. Tais funções, já estão pré-definidas em banco de dados geográficos como é o caso da PostgreSQL através da extensão espacial PostGis. 4. Resultados Na operação e desenvolvimento do banco de dados, foram utilizadas várias ferramentas: Servidor Web Apache versão , linguagem de programação e acesso a banco de dados PHP 5.2.5, gerenciadores de banco de dados PhpPgAdmin e PgAdmin III, Banco de Dados PostgreSQL e sua extensão espacial PostGis A escolha do banco de dados baseou-se nas necessidades do grupo, que verificando as muitas opções de bancos de dados disponíveis, como os banco de dados proprietários, optou por usar um banco de dados de código aberto, como é o caso do sistema gerenciador de banco de dados PostgreSQL e sua extensão espacial PostGIS. Este gerenciador possui recursos como consultas complexas, triggers, views, rules, stored procedure, chaves estrangeiras, entre outros. Sua extensão espacial permite o armazenamento de dados geográficos com diversas funções implementadas que possibilitam diferentes consultas espaciais. Uma interface Web foi desenvolvida possibilitando efetuar inserções, alterações, exclusões e consultas. Nesta interface, todos os utilizadores do banco de dados deverão ser cadastrados, sendo que cada usuário receberá uma senha e permissão de acesso conforme a categoria definida. Ao acessar o link Geodesastres, uma nova página irá surgir com as opções de login, ao preencher corretamente o nome do usuário e senha, é acessado os dados do banco. A figura 2 apresenta a listagem dos arquivos tipo foto inseridos no banco, representando um evento de desastre natural. Figura 2 Listagem de arquivos tipo foto inseridas no banco de dados. Conforme ilustrado na figura 2, o menu à esquerda permite navegar pelas opções e listar os diferentes tipos de dados inseridos no banco. Assim, ao selecionar uma opção de menu, várias operações podem ser efetuadas, tais como: 1 permite adicionar novos arquivos tipo foto, 2 editar ou alterar um registro no banco de dados, 3 exibir o registro em questão, 4 eliminar um registro ou vários registros selecionados, e em 5 permite efetuar uma consulta avançada. Para cada tipo de entidade ou tabela do banco de dados efetuam-se inserções de dados alfanuméricos, ou seja, dados de tipos convencionais como inteiros, reais e caracteres. Entretanto, em algumas tabelas existem campos com propriedades geométricas, como é o caso das tabelas ponto associado à tabela evento, arq_imagem e município. Essa propriedade geométrica é a coordenada latitude e

7 longitude que indicam pontos para localização geográfica de determinado objeto no espaço. Dessa forma, no momento da inserção dos dados no banco é executado a conversão de graus, minutos e segundos para pontos, nas tabelas citadas. A figura 3 apresenta um exemplo de inserção de parte dos dados na tabela evento. Figura 3 Interface para inserção de desastres na tabela evento Os eventos são inseridos contendo informações da data de ocorrência, tipo, intensidade, descrição e danos causados. Cada evento é associado a arquivos, municípios e à coordenada geográfica que pode ser representada por um ponto ou vários pontos indicando a localização no espaço onde ocorreu o evento. Também existe um relacionamento entre um arquivo e uma coordenada. Isto permite que um arquivo do tipo foto seja associado a uma coordenada geográfica para localização do desastre. A figura 4 apresenta somente a associação da tabela evento com a tabela município. Figura 4 Associação da tabela evento com as tabelas município, ponto e arquivo Ao inserir um arquivo, é necessário associar este a coordenada, caso possua tal identificação. Dessa forma, a figura 5 ilustra a associação do arquivo tipo foto a coordenada geográfica e ao evento correspondente. Figura 5 Relação entre o evento, o arquivo tipo foto e a localização geográfica

8 Esta opção permite a consulta espacial. Além disso, outras consultas podem ser efetuadas de duas maneiras diferentes: consultas simples, efetuadas a um campo da tabela, ou consultas avançadas, que possibilitam a combinação de vários campos da tabela. Na consulta espacial, é necessário armazenar dados geográficos. Como apresentado na figura 4 e 5, onde é possível armazenar coordenadas geográficas que representam os pontos relacionados aos desastres. Utilizando uma ferramenta SIG, como é o exemplo do Quantum GIS, é possível visualizar os dados armazenados no banco. A figura 6 ilustra a localização geográfica com as coordenadas que representa os pontos que correspondem aos arquivos tipo foto onde ocorreram às inundações no município de Maquiné no Rio Grande do Sul. Figura 6 Localização geográfica da ocorrência do evento Na figura 6, a representação geográfica é apresentada carregando dados de duas tabelas, a tabela município com os polígonos que delimitam a divisão política deles e a tabela ponto com as coordenadas dos desastres, identificando a localização geográfica do mesmo. Esta representação geográfica, permite efetuar consultas usando funções do PostGis. Um exemplo é efetuar a consulta usando a função contains do Postgis. Conforme Baptista (2007), esta função verifica se o interior e borda de um objeto está completamente contido no interior de outro objeto. Dessa forma é possível realizar uma consulta unindo as tabelas municípios e evento identificando a ocorrência de desastres em determinado período e a localização geográfica do mesmo, sem que elas tenham algum tipo de relacionamento. As imagens de satélite são inseridas também com coordenadas geográficas. Estas coordenadas representam um ponto central ou dois pontos um para o canto superior e outra para o canto inferior. No caso da imagem inserida tiver informações relevantes para vários municípios, é necessário informar as coordenadas do ponto superior e do ponto inferior. A figura 7 apresenta o armazenamento da imagem de satélite com as coordenadas canto superior e canto inferior da mesma.

9 Figura 7 Inserção de imagens de satélite Esta abordagem permite efetuar consultas espaciais utilizando as funções Box e Intersect do Postgis. A função Box cria uma caixa em torno dos dois pontos e a função Intersect verifica se os polígonos dos municípios intersectam essas coordenadas, identificando quais municípios pertencem àquela imagem. A figura 8 ilustra o exemplo da função Box. Figura 8 Exemplo do uso da função Box do PostGis O exemplo apresentado permite identificar que dois municípios representados por X e Y são intersectados pelo objeto Box dos pontos presentes na imagem. Adicionalmente ao banco de dados outras aplicações serão desenvolvidas, usando um servidor de mapas como o Mapserver aliado a um conjunto de ferramentas para visualização, análise e geração de mapas sob demanda, criando assim, mapas interativos para o grupo de pesquisas Geodesastres Sul. 5. Conclusão Um banco de dados permite armazenar informações de diferentes formatos, sua capacidade de recuperação dos dados através de consultas torna-o uma ferramenta adequada que agiliza muitas tarefas. Sua função de armazenamento, consultas, cruzamento de informações garantem a geração de relatórios e o gerenciamento de grande massa de dados. Os bancos de dados geográficos introduzem a manipulação de dados georeferenciados, cujo tratamento espaço temporal são importantes para os sistemas de

10 informações geográficas. Assim, possibilitam a representação do mundo real no computador. Uma das diferenças entre um banco de dado relacional e um banco de dados geográficos, é que neste último, toda associação pode ser feita pelos campos geométricos das tabelas envolvidas, não existe a necessidade de relacionamento entre as mesmas. Através dessas características a utilização de um banco de dados geográfico serve como uma ferramenta que auxilia os estudos, a prevenção, a mitigação e ações pósdesastre aos pesquisadores do Núcleo de Pesquisas e Aplicação de Geotecnologias em Desastres Naturais e Eventos Extremos do Centro Regional Sul de Pesquisas Espaciais. Utilizar banco de dados geográficos em eventos de desastres naturais traz ganhos antes não alcançados, a localização geográfica o armazenamento e as diferentes maneiras de consultas caracterizam os bancos de dados como importante ferramenta Geotecnológica para o combate a desastres naturais e eventos extremos na região sul do Brasil. 6. Referências Baptista, S. C. Disciplina de Sistemas de Informações Geográficas Unidade 07: Banco de Dados Espaciais. Julho de Disponível em: <http://www.dsc.ufcg.edu.br/~baptista/cursos/sig/>. Acessado em: 21 de nov PostgreSQL Open Source Database. Disponível em: <http://www.postgresql.org/>. Acessado em: 28 de jun PostGIS. Disponível em: <http://postgis.refractions.net/>. Acessado em: 25 de jun Queiroz, G. R.; Ferreira, K. R.; Câmara, G. Banco de Dados Geográficos Introdução SQL usando PostgreSQL. Curso de Banco de Dados Geográficos, Julho de Disponível em: <http://www.dpi.inpe.br/ cursos/ser303>. Acessado em: 15 de out Lopes, E. S. S.; SISMADEN Sistema de Monitoração de Alerta de Desastres Naturais. Disponível em: <http://www.dpi.inpe.br/sismaden/index.php>. Acessado em: 30 dez Marcelino, E. V.; Nunes, L. H.; Kobiyama, M. Banco de Dados de Desastres Naturais: Análise de Dados Globais e Regionais. Revista Caminhos de Geografia V.7 N.19, Instituto de Geografia Universidade Federal de Uberlândia. Disponível em: <http://www.caminhosdegeografia.ig.ufu.br/>. Acessado em: 03 jan EM-DAT. Emergency Events Database. Disponível em: <http://www.emdat.be>. Darmouth Food Observatory. Space-based Measurement of Surface Water. Disponível em: <http://www.dartmouth.edu/~floods/>. Munich Reinsurance Company, NatCat. Disponível em: homepage/default.aspx>.

Plataforma TerraLib. Lúbia Vinhas. EUsISSeR São José dos Campos, Outubro 2010

Plataforma TerraLib. Lúbia Vinhas. EUsISSeR São José dos Campos, Outubro 2010 Plataforma TerraLib Lúbia Vinhas E.F.Castejon, K.R.Ferreira, J.P.Garrido, L.T.Hara, A.M.V.Monteiro, M.Motta, G.Ribeiro EUsISSeR São José dos Campos, Outubro 2010 DPI Divisão de Processamento de Imagens

Leia mais

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS, EM LABORATÓRIO DO UNIFESO José Roberto de C. Andrade Professor do Centro de Ciências e Tecnologia, UNIFESO Sergio Santrovitsch

Leia mais

MAPAS E BASES DE DADOS EM SIG. QUANTUM GIS E POSTGRE SQL Operar e programar em tecnologia SIG com software open source

MAPAS E BASES DE DADOS EM SIG. QUANTUM GIS E POSTGRE SQL Operar e programar em tecnologia SIG com software open source MAPAS E BASES DE DADOS EM SIG QUANTUM GIS E POSTGRE SQL Operar e programar em tecnologia SIG com software open source 1 02 DESTINATÁRIOS Todos os que trabalhando ou que virão a trabalhar com tecnologia

Leia mais

TerraView. O TerraView está estruturado da seguinte forma: - Modelo de dados

TerraView. O TerraView está estruturado da seguinte forma: - Modelo de dados TerraView O TerraView é um aplicativo desenvolvido pelo DPI/INPE e construído sobre a biblioteca de geoprocessamento TerraLib, tendo como principais objetivos: - Apresentar à comunidade um fácil visualizador

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

Geoprocessamento com Software Livre. Anderson Maciel Lima de Medeiros Consultor em Geotecnologias

Geoprocessamento com Software Livre. Anderson Maciel Lima de Medeiros Consultor em Geotecnologias Geoprocessamento com Software Livre Anderson Maciel Lima de Medeiros Consultor em Geotecnologias SUMÁRIO O que é Software Livre? A GLP GNU Geoprocessamento Algumas Geotecnologias Geotecnologias Livres

Leia mais

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN Adeline M. Maciel, Luana D. Chagas, Cláubio L. L. Bandeira Mestrado em Ciência da Computação (MCC) Universidade do Estado do

Leia mais

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências.

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências. TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS Tecnologia Geoprocessamento Sistemas de Informações Geográficas Sensoriamento Remoto Geociências Geofísica www.hexgis.com PIONEIRISMO E INOVAÇÃO Idealizada a partir

Leia mais

SERVIDOR DE MAPAS PARA AUXILIAR O GERENCIAMENTO DAS ÁREAS DE RISCO

SERVIDOR DE MAPAS PARA AUXILIAR O GERENCIAMENTO DAS ÁREAS DE RISCO SERVIDOR DE MAPAS PARA AUXILIAR O GERENCIAMENTO DAS ÁREAS DE RISCO M. de Souza*, A. B. Debastiani*, M. B. Santos e M. F. Botelho* * UTFPR, Dois Vizinhos, Brasil e-mail: dark_mds@hotmail.com Resumo/Abstract

Leia mais

Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA

Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA DPI - INPE Criada em 1984, a Divisão de Processamento de Imagens (DPI) faz parte da Coordenação Geral de Observação da Terra/OBT do Instituto Nacional de Pesquisas

Leia mais

O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos

O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos Prof. Herondino O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos Inserir e integrar, numa única base de dados informações espaciais provenientes de: meio

Leia mais

Mapserver Servidor de Mapas. João Araujo

Mapserver Servidor de Mapas. João Araujo Mapserver Servidor de Mapas João Araujo Por que fazer mapas? Mapas têm tido papel prepoderante nas atividades humanas por milhares de anos. Desde o início, mapas eram usados para mostrar onde as coisas

Leia mais

Integração do SGBD Oracle Spatial e do Google Earth para disponibilizar informações relacionadas ao Inventário Florestal de Minas Gerais

Integração do SGBD Oracle Spatial e do Google Earth para disponibilizar informações relacionadas ao Inventário Florestal de Minas Gerais Integração do SGBD Oracle Spatial e do Google Earth para disponibilizar informações relacionadas ao Inventário Florestal de Minas Gerais Samuel R. de Sales Campos 1, Adriana Z. Martinhago 1, Thomas C.

Leia mais

Software Livre na Implantação do CTM Integrado a um Banco de Dados Geográfico

Software Livre na Implantação do CTM Integrado a um Banco de Dados Geográfico Software Livre na Implantação do CTM Integrado a um Banco de Dados Geográfico Helton Nogueira Uchoa (1) Luiz Carlos Teixeira Coelho Filho (1) Paulo Roberto Ferreira (2) (1) Opengeo Consultoria de Informática

Leia mais

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Jump Qgis Thuban MapServer

Leia mais

Mapserver e Bancos de Dados

Mapserver e Bancos de Dados Mapserver e Bancos de Dados João Araujo O que é um Banco de Dados? É uma ferramenta usada para armazenar e acessar tabelas de informação. O tipo de dados pode variar de acordo com o Banco de Dados, mas

Leia mais

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário Portal Ypadê Montes Claros, 16 de Julho de 2011 Revisão 3 Sumário 1. Apresentação do portal e escopo deste documento... 2 2. Acessando o Portal Ypadê...

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Informatização de farmácias publicas utilizando software livre.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Informatização de farmácias publicas utilizando software livre. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Informatização de farmácias publicas utilizando software livre. MURILO NUNES ELIAS FLORIANÓPOLIS SC 2007/2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

Manual de Instalação e Utilização - Bug Wisard Report

Manual de Instalação e Utilização - Bug Wisard Report FAPEG UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA PAPPE INTEGRAÇÃO Manual de Instalação e Utilização - Bug Wisard Report Goiânia 2013 Esta obra está licenciada sob uma Licença

Leia mais

OpenJUMP. Pontos fracos do OpenJUMP

OpenJUMP. Pontos fracos do OpenJUMP OpenJUMP No início foi chamado apenas de JUMP (JAVA Unified Mapping Platform), e se tornou popular no mundo livre de SIG(Sistema de informação Geográfica), desenhado por Vivid Solutions. Atualmente é desenvolvido

Leia mais

Faturamento Eletrônico - CASSEMS

Faturamento Eletrônico - CASSEMS 1 Conteúdo 1. Informações Iniciais... 3 1.1. Sobre o documento... 3 1.2. Organização deste Documento... 3 2. Orientações Básicas... 3 2.1. Sobre o Faturamento Digital... 3 3. Instalação do Sistema... 4

Leia mais

1. Introdução... 2. 2. Instalação máquinas cliente... 2. 3. Configurações gerais... 3. 4. Cadastro de pessoas... 4

1. Introdução... 2. 2. Instalação máquinas cliente... 2. 3. Configurações gerais... 3. 4. Cadastro de pessoas... 4 MANUAL DE UTILIZAÇÃO Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Instalação máquinas cliente... 2 3. Configurações gerais... 3 4. Cadastro de pessoas... 4 5. Cadastro de usuários para o sistema... 6 6. Cadastro de

Leia mais

AULA 6 - Operações Espaciais

AULA 6 - Operações Espaciais 6.1 AULA 6 - Operações Espaciais Essa aula descreve as operações espaciais disponíveis no TerraView. Antes de iniciar sua descrição é necessário importar alguns dados que serão usados nos exemplos. Exercício:

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Uma Plataforma para Monitoramento, Análise e Alerta de Extremos Ambientais

Uma Plataforma para Monitoramento, Análise e Alerta de Extremos Ambientais Uma Plataforma para Monitoramento, Análise e Alerta de Extremos Ambientais Eymar Silva Sampaio Lopes Pesquisador eymar@dpi.inpe.br - Workshop GEOTECNOLOGIAS DO INPE O que é o TerraMA2? 2 TerraMA2 é um

Leia mais

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Autor/apresentador Eng. José Maria Viillac Pinheiro Currículo Sócio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE ESTUDOS SÓCIOAMBIENTAIS LABORATÓRIO DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS E GEOPROCESSAMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE ESTUDOS SÓCIOAMBIENTAIS LABORATÓRIO DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS E GEOPROCESSAMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE ESTUDOS SÓCIOAMBIENTAIS LABORATÓRIO DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS E GEOPROCESSAMENTO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PÁGINA WEB DO LAPIG WANESSA CAMPOS SILVA Goiânia Junho

Leia mais

TerraLib e Aplicativos. Emiliano F. Castejon INPE Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais DPI Divisão de Processamento de Imagens

TerraLib e Aplicativos. Emiliano F. Castejon INPE Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais DPI Divisão de Processamento de Imagens TerraLib e Aplicativos Emiliano F. Castejon INPE Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais DPI Divisão de Processamento de Imagens Divisão de Processamento de Imagens http://www.dpi.inpe.br/ Competência

Leia mais

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ROGER TORLAY 1 ; OSVALDO T. OSHIRO 2 N 10502 RESUMO O sensoriamento remoto e o geoprocessamento trouxeram importantes avanços

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL Vanessa da Silva Brum Bastos vsbrumb@gmail.com Graduanda do 4º ano do bacharelado em Geografia-

Leia mais

Troubleshooting Versão 1.0

Troubleshooting Versão 1.0 Troubleshooting Versão 1.0 As informações contidas neste documento estão sujeitas a alteração sem notificação prévia. Os dados utilizados nos exemplos contidos neste manual são fictícios. Nenhuma parte

Leia mais

SISTEMA DE SUPORTE A DECISÃO PARA ANÁLISE DE REQUERIMENTOS DE OUTORGA DE ÁGUAS SUPERFICIAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO VERSÃO PRELIMINAR

SISTEMA DE SUPORTE A DECISÃO PARA ANÁLISE DE REQUERIMENTOS DE OUTORGA DE ÁGUAS SUPERFICIAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO VERSÃO PRELIMINAR SISTEMA DE SUPORTE A DECISÃO PARA ANÁLISE DE REQUERIMENTOS DE OUTORGA DE ÁGUAS SUPERFICIAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO VERSÃO PRELIMINAR Silvana Susko Marcellini 1 ; Honório Lisboa Neto 2 ; Francisco Nunes

Leia mais

Serviço de Consulta Versão: outubro/ 2010

Serviço de Consulta Versão: outubro/ 2010 Serviço de Consulta Versão: outubro/ 2010 1 Índice Portal CopaGIS...3 1 - Como se cadastrar...4 2 - Serviços do Portal de Geoprocessamento...8 3 - Serviço de Consulta...9 3.1 - Dados informativos... 10

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLOGIA FEDERAL DO PARANÁ. Owncloud SERVIÇO DE COMPARTILHAMENTO EM NUVEM. Manual

UNIVERSIDADE TECNOLOGIA FEDERAL DO PARANÁ. Owncloud SERVIÇO DE COMPARTILHAMENTO EM NUVEM. Manual UNIVERSIDADE TECNOLOGIA FEDERAL DO PARANÁ Owncloud SERVIÇO DE COMPARTILHAMENTO EM NUVEM Manual DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIRGTI 2015 Sumário 1. Introdução... 3 2. Acessando o serviço...

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

INSTALAÇÃO DE SOFTWARES ÚTEIS EM ENGENHARIA CARTOGRÁFICA

INSTALAÇÃO DE SOFTWARES ÚTEIS EM ENGENHARIA CARTOGRÁFICA INSTALAÇÃO DE SOFTWARES ÚTEIS EM ENGENHARIA CARTOGRÁFICA Primeiramente é importante observar a importância do desenvolvimento de softwares específicos para agilizar o trabalho do Engenheiro Cartógrafo.

Leia mais

Geoprocessamento e Padrões OGC

Geoprocessamento e Padrões OGC Geoprocessamento e Padrões OGC Martin Pereira 36 slides Agenda Geoprocessamento Definição Histórico SIG OGC Definição Importância Histórico Padrões Slide 2 de 36 Geoprocessamento Definição Disciplina do

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO A atuação do homem no meio ambiente, ao longo da história, fornece provas de suas ações em nome do progresso. Esta evolução tem seu lado positivo, pois abre novos horizontes, novas

Leia mais

IMPORTANDO ARQUIVOS SHAPEFILE PARA O POSTGIS VIA PROMPT DO DOS

IMPORTANDO ARQUIVOS SHAPEFILE PARA O POSTGIS VIA PROMPT DO DOS IMPORTANDO ARQUIVOS SHAPEFILE PARA O POSTGIS VIA PROMPT DO DOS INTRODUÇÃO Neste tutorial iremos tratar de uma situação comum durante os trabalhos de geoprocessamento que envolvam banco de dados geográficos,

Leia mais

ArcGIS 1: Introdução ao GIS (10.2)

ArcGIS 1: Introdução ao GIS (10.2) ArcGIS 1: Introdução ao GIS (10.2) Duração: 02 dias (16 horas) Versão do ArcGIS: 10.2 Material didático: Português Descrição Este treinamento ensina o que é o GIS e o que você pode realizar com ele. Trabalhando

Leia mais

Apresentação. Maio de 2014

Apresentação. Maio de 2014 Apresentação Maio de 2014 Desafios para a disponibilização da geoinformação para o Monitoramento Ambiental Moderno Case: Ibama Objeto Auxiliar a promoção de um Monitoramento Ambiental Moderno apoiado por

Leia mais

Elaborado por SIGA-EPT. Projeto SIGA-EPT: Manual do Usuário Almoxarifado

Elaborado por SIGA-EPT. Projeto SIGA-EPT: Manual do Usuário Almoxarifado Elaborado por SIGA-EPT Projeto SIGA-EPT: Manual do Usuário Almoxarifado Versão Dezembro - 2009 Sumário 1 Introdução 5 1.1 Entrando no sistema e repassando as opções................... 5 1.2 Administração......................................

Leia mais

EXPLORANDO TÉCNICAS E RECURSOS DO GERENCIADOR DE DADOS ABERTOS CKAN. TuaneFaria USP tuanefaria@yahoo.com.br

EXPLORANDO TÉCNICAS E RECURSOS DO GERENCIADOR DE DADOS ABERTOS CKAN. TuaneFaria USP tuanefaria@yahoo.com.br EXPLORANDO TÉCNICAS E RECURSOS DO GERENCIADOR DE DADOS ABERTOS CKAN Prof. Dr. José Eduardo Santarem Segundo USP santarem@usp.br TuaneFaria USP tuanefaria@yahoo.com.br Introdução Disponibilizar Dados Disponibilizar

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão 01 Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão Rodrigo G. Trevisan¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (ESALQ-USP); ² Prof. Dr. Associado

Leia mais

SUAP MÓDULO PROTOCOLO SUAP MÓDULO PROTOCOLO MANUAL DO USUÁRIO

SUAP MÓDULO PROTOCOLO SUAP MÓDULO PROTOCOLO MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO Versão 1.0 2010 1 1. INTRODUÇÃO Administradores públicos defrontam-se diariamente com grandes dificuldades para fazer com que processos administrativos, documentos, pareceres e informações

Leia mais

PostgreSQL & PostGIS: Instalação do Banco de Dados Espacial no Windows 7

PostgreSQL & PostGIS: Instalação do Banco de Dados Espacial no Windows 7 PostgreSQL & PostGIS: Instalação do Banco de Dados Espacial no Windows 7 PostgreSQL & PostGIS: Instalação do Banco de Dados Espacial no Windows 7 Sobre o PostGIS PostGIS é um Add-on (complemento, extensão)

Leia mais

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING - I 3 GEO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Apresentação Instalação do i 3 Geo Visão geral do i3geo Características e funcionalidades

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

Introdução ao ArcGIS

Introdução ao ArcGIS Introdução ao ArcGIS Maria Cecilia Brandalize Novembro, 2011 Tópicos O que é um SIG? A estrutura do ArcGIS Dados utilizados no ArcGIS Operações básicas com o ArcGIS Edição de dados Combinação de dados

Leia mais

ALUNES MANUAL DO USUÁRIO. Guia rápido Alunes

ALUNES MANUAL DO USUÁRIO. Guia rápido Alunes ALUNES MANUAL DO USUÁRIO Guia rápido Alunes 1 Manual de Instruções Versão 2.0 Alunes Informática 2 Sumário Introdução... 5 Pré-requisitos... 5 Principal/Home... 6 Como editar texto do home... 7 Desvendando

Leia mais

Documentação da Ferramenta EMap Edimar Manica

Documentação da Ferramenta EMap Edimar Manica Documentação da Ferramenta EMap Edimar Manica 1. Objetivo A ferramenta EMap (Extrai e Mapeia) tem como objetivo permitir o suporte a consultas temporais, escritas na linguagem de consulta temporal TSQL2,

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Instruções. Guia controle com diversos botões que permitem uma livre navegação através do mapa do Estado do Rio de Janeiro, são eles:

Instruções. Guia controle com diversos botões que permitem uma livre navegação através do mapa do Estado do Rio de Janeiro, são eles: Instruções Este tutorial foi desenvolvido para facilitar a realização de consultas no Banco de Dados (BD). Através do mapa do RJ é possível verificar os pontos de coleta dos trabalhos que foram compilados

Leia mais

Uso de Imagens do Satélite MODIS para o estudo Desastres Naturais

Uso de Imagens do Satélite MODIS para o estudo Desastres Naturais Uso de Imagens do Satélite MODIS para o estudo Desastres Naturais 5 Encontro com Usuários de Imagens de Satélites de Sensoriamento Remoto Manoel de Araújo Sousa Jr. manoel.sousa@crs.inpe.br 5 Encontro

Leia mais

Modelagem de Banco de Dados Geográficos

Modelagem de Banco de Dados Geográficos CBG 2013 Modelagem Conceitual de Dados Espaciais Modelagem de Banco de Dados Geográficos Paulo José de Alcantara Gimenez paulo.gimenez@ibge.gov.br Diretoria de Geociências Coordenação de Cartografia 1

Leia mais

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS 5.1 - GEOPROCESSAMENTO E INTERNET...2 5.2 - BIBLIOTECAS DIGITAIS...4 5.2.1 - Introdução...4 5.2.2 - Natureza dos Dados Geográficos...4 5.2.3 - Apresentação dos Dados...5

Leia mais

Introdução Padrões OGC Instalação Configuração Formatos de Saída Aplicação AGENDA

Introdução Padrões OGC Instalação Configuração Formatos de Saída Aplicação AGENDA Introdução ao Introdução Padrões OGC Instalação Configuração Formatos de Saída Aplicação AGENDA INTRODUÇÃO GeoServer GeoTools INTRODUÇÃO GeoServer Servidor de informação geoespacial OGC; Utilizado para

Leia mais

Apostila do curso: Quantum GIS Básico Módulo I

Apostila do curso: Quantum GIS Básico Módulo I Apostila do curso: Quantum GIS Básico Módulo I Helio Larri Vist Geógrafo Mestre em Sensoriamento Remoto Ayr Müller Gonçalves Educador Físico e Graduando em Segurança da Informação Rai Nunes dos Santos

Leia mais

I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada

I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada OS ATLAS ELETRÔNICOS E O DESENVOLVIMENTO DO APLICATIVO PARA A PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL TerraViewWeb

Leia mais

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 Prevenção de Catástrofes...da previsão ao controle Margareth Alheiros UFPE 22/02/2011 O que a sociedade sabe sobre Desastres? O que circula na imprensa: imagens com

Leia mais

SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE

SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE Marcio Jose Mantau,1 Giovane Farias Aita2, Jaison Ademir Savegnani3, Carlos Alberto Barth4 Palavras-chave: Sistemas de

Leia mais

Documento de Requisitos Sistema WEB GEDAI

Documento de Requisitos Sistema WEB GEDAI Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Computação GEDAI-Grupo de Estudo e Desenvolvimento em Automação Industrial Documento de Requisitos Sistema WEB

Leia mais

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs O objetivo deste documento é fazer uma revisão bibliográfica para elucidar as principais diferenças entre os SGBDs, apontando

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br]

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Componentes de um SIG Exemplos de aplicações Conceitos Geoprocessamento

Leia mais

A utilização de Sistema de Informação Geográfica baseada em software livre na área de Segurança Pública

A utilização de Sistema de Informação Geográfica baseada em software livre na área de Segurança Pública A utilização de Sistema de Informação Geográfica baseada em software livre na área de Segurança Pública Alan Peixoto Medeiros Universidade Presidente Antônio Carlos Rodovia MG 368 KM 12 Colônia Rodrigo

Leia mais

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas?

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Thuban Qgis Jump MapServer O Futuro das Tecnologias

Leia mais

WORKSHOP GEOTECNOLOGIAS DO INPE O SIG SPRING CARLOS A FELGUEIRAS DPI - INPE

WORKSHOP GEOTECNOLOGIAS DO INPE O SIG SPRING CARLOS A FELGUEIRAS DPI - INPE WORKSHOP GEOTECNOLOGIAS DO INPE O SIG SPRING 1 CARLOS A FELGUEIRAS DPI - INPE SPRING Sistema de PRocessamento de INformações Georeferenciadas Introdução Processamento de Imagens Manipulação de Mapas Temáticos

Leia mais

CADASTRO NACIONAL DE ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI

CADASTRO NACIONAL DE ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI CADASTRO NACIONAL DE ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI MANUAL DE JUIZ E AUXILIAR DE JUIZ Versão 1.1 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 OBJETIVOS...4 OBSERVAÇÕES...5 USUÁRIOS...5 1. ACESSO AO SISTEMA...6 2. SISTEMA

Leia mais

Importação de arquivos Raster e Vetorial no Terraview

Importação de arquivos Raster e Vetorial no Terraview MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Executiva Diretoria de Desenvolvimento

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Workshop de Lançamento Local : INPE - São José dos Campos SP Dia : 18 de julho 8:30 horas Auditório Fernando de Mendonça - LIT

Workshop de Lançamento Local : INPE - São José dos Campos SP Dia : 18 de julho 8:30 horas Auditório Fernando de Mendonça - LIT Núcleo de Pesquisa e Aplicação de Geotecnologias em Desastres Naturais e Eventos Extremos para a região Sul do Brasil e MERCOSUL GEODESASTRES-SULSUL Tania Maria Sausen Workshop de Lançamento Local : INPE

Leia mais

http://mapas.ipea.gov.br/i3geo/

http://mapas.ipea.gov.br/i3geo/ IPEAMAPAS Disponibilização de forma espacializada dos dados publicados pelo IPEA; Permite interatividade com outros dados disponíveis (infraestrutura, assistência social, saúde, educação, cultura e dados

Leia mais

Manual do usuário. Acesso ao GEFAU

Manual do usuário. Acesso ao GEFAU Manual do usuário Acesso ao GEFAU Fev/2015 GEFAU PORTAL DO EMPREENDEDOR Conteúdo Introdução... 2 1. Acesso ao GEFAU... 3 2. Cadastro de empreendimentos... 5 2.1. Consulta aos empreendimentos do usuário...

Leia mais

Módulo de Extensão SIGAA. Cadastro de Cursos

Módulo de Extensão SIGAA. Cadastro de Cursos Módulo de Extensão SIGAA Cadastro de Cursos ÍNDICE Instruções gerais Pg. 04 Recomendações Pg. 04 Acessibilidade ao sistema Pg. 04 Acesso ao SIGAA Pg. 04 Acesso ao módulo Pg. 05 Acesso ao tipo de extensão

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO ANA PAULA CARVALHO LORENZONI MICHELINE PARIZOTTO PROFESSORA. MILENE SELBACH SILVEIRA ORIENTADORA

Leia mais

Linux. Educacional. Tutorial Buzzword

Linux. Educacional. Tutorial Buzzword Linux Educacional Tutorial Buzzword Para trabalhar com o programa Buzzword online, é necessário que crie uma conta no site. Para isso acesse o endereço - https://buzzword.acrobat.com/ Para criar uma conta

Leia mais

Atualização de um Simulador de Cenários Sísmicos em ambiente WebSIG

Atualização de um Simulador de Cenários Sísmicos em ambiente WebSIG Atualização de um Simulador de Cenários Sísmicos em ambiente WebSIG Nuno AFONSO 1, Alexandra CARVALHO 1 1 Laboratório Nacional de Engenharia Civil (nuno.fnvs.afonso@gmail.com; xana.carvalho@lnec.pt) Palavras-chave:

Leia mais

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem?

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem? UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem de modelagem

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento de Sistemas de Informações Geográficas (SIG) Utilizando QT

Pesquisa e Desenvolvimento de Sistemas de Informações Geográficas (SIG) Utilizando QT Pesquisa e Desenvolvimento de Sistemas de Informações Geográficas (SIG) Utilizando QT SILVA, Nilton Correia da PINHEIRO, Dhiancarlo Macedo Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA CEP: 75083-515

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

TUTORIAL - SERVIDOR DE MAPAS

TUTORIAL - SERVIDOR DE MAPAS TUTORIAL - SERVIDOR DE MAPAS INTRODUÇÃO Os passos descritos nesse tutorial são fruto da experiência obtida na realização de tais procedimentos para instalação de um Servidor de Mapas, sendo que tais procedimentos

Leia mais

FUNDAÇÃO DE MEDICINA TROPICAL DOUTOR HEITOR VIEIRA DOURADO (FMT-HVD) DEPARTAMENTO DE PESQUISA

FUNDAÇÃO DE MEDICINA TROPICAL DOUTOR HEITOR VIEIRA DOURADO (FMT-HVD) DEPARTAMENTO DE PESQUISA 2012 / 2013 FUNDAÇÃO DE MEDICINA TROPICAL DOUTOR HEITOR VIEIRA DOURADO (FMT-HVD) DEPARTAMENTO DE PESQUISA PAIC PROGRAMA DE APOIO A INICIAÇÃO CIENTÍFICA (2015/2016) GUIA DO USUÁRIO Versão web 1.1 Abril

Leia mais

Anderson Maciel Lima de Medeiros Consultor em Geotecnologias 2011

Anderson Maciel Lima de Medeiros Consultor em Geotecnologias 2011 Anderson Maciel Lima de Medeiros Consultor em Geotecnologias 2011 SOBRE O AUTOR Anderson Maciel Lima de Medeiros Tecnólogo em Geoprocessamento; consultor em Geotecnologias; Criador do Portal ClickGeo [www.clickgeo.com.br];

Leia mais

SOFTWARES DE GEOPROCESSAMENTO

SOFTWARES DE GEOPROCESSAMENTO SOFTWARES DE GEOPROCESSAMENTO Ferramentas Proprietário para SIG É um conjunto de aplicativos computacionais de Sistemas de Informações Geográficas (SIGs) desenvolvido pela empresa norte americana Esri

Leia mais

Manual do Usuário BDGEx Versão: 2.3

Manual do Usuário BDGEx Versão: 2.3 Manual do Usuário BDGEx Versão: 2.3 Ministério da Defesa Exército Brasileiro Maio/2012 Sumário 1- Introdução...2 1.1- O que é o BDGEx?...2 1.2- Entrando no Sistema...2 1.3- Apresentando a Área de Trabalho

Leia mais

O uso do gvsig em projetos de geoprocessamento no setor corporativo e na GAUSS Geotecnologia

O uso do gvsig em projetos de geoprocessamento no setor corporativo e na GAUSS Geotecnologia O uso do gvsig em projetos de geoprocessamento no setor corporativo e na GAUSS Geotecnologia Carlos Aluísio Mesquita de Almeida GAUSS Geotecnologia e Engenharia LTDA Tópicos Introdução Aprendizado do gvsig

Leia mais

3 O Geoprocessamento e o Sistema de Informação Geográfico

3 O Geoprocessamento e o Sistema de Informação Geográfico 3 O Geoprocessamento e o Sistema de Informação Geográfico Este capítulo apresenta uma introdução aos conceitos referentes ao Geoprocessamento e o Sistema de Informação Geográfico. Será apresentada a estruturação

Leia mais

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com III Jornada Latinoamericana e do Caribe do gvsig Artigo: Integração do software i3geo com o gvsig Autor: Edmar Moretti Resumo: O i3geo é um software para a criação de mapas interativos para internet qu

Leia mais

Mapas Interativos de Saúde Ambiental: Principais Funções.

Mapas Interativos de Saúde Ambiental: Principais Funções. Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Mapas Interativos de Saúde Ambiental: Principais Funções. 1. Introdução O Mapas

Leia mais

1. ACESSO AO SISTEMA. LOGIN E SENHA Para ter acesso ao painel administrativo de seu site, acesse o link: http://atualiza.urldosite.com.

1. ACESSO AO SISTEMA. LOGIN E SENHA Para ter acesso ao painel administrativo de seu site, acesse o link: http://atualiza.urldosite.com. Manual de uso 1. ACESSO AO SISTEMA LOGIN E SENHA Para ter acesso ao painel administrativo de seu site, acesse o link: http://atualiza.urldosite.com.br Após acessar o link acima, favor digitar seu LOGIN

Leia mais

Por que Geoprocessamento?

Por que Geoprocessamento? Um pouco sobre a NOSSA VISÃO Processamento Digital é um endereço da Web criado pelo geógrafo Jorge Santos com objetivo de compartilhar dicas sobre Geoprocessamento e Software Livre. A idéia surgiu no ano

Leia mais

Associação de dados cartográficos e alfanuméricos no TerraView

Associação de dados cartográficos e alfanuméricos no TerraView MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Executiva Diretoria de Desenvolvimento

Leia mais

Introdução ao Geoprocessamento

Introdução ao Geoprocessamento Sistema de Informação Geográfica SIG Introdução ao Geoprocessamento Professor: Daniel Luis Nithack e Silva O processo de urbanização marcha em um ritmo mais acelerado do que as possibilidades de planejar

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos GEOPROCESSAMENTO INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Prof. Esp. André Aparecido da Silva Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Conceitos básicos Componentes de um SIG Entrada de Dados em Geoprocessamento

Leia mais

INTERFACE VIA WEB PARA BANCO DE DADOS DA DEFESA CIVIL

INTERFACE VIA WEB PARA BANCO DE DADOS DA DEFESA CIVIL INTERFACE VIA WEB PARA BANCO DE DADOS DA DEFESA CIVIL Camila de Oliveira Raupp Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina CEFET/SC. Av. Mauro Ramos, 950 centro, Florianópolis -SC CEP 88020-300

Leia mais