ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE"

Transcrição

1 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA REGULAMENTOS E DIREITO MARÍTIMO Controlo pelo Estado do Porto Port State Control Apontamentos compilados por: João Emílio

2 Controlo pelo Estado do Porto Port State Control Índice 1. CONVENÇÕES BASE OBJECTIVO E MISSÃO MEMORANDO DE PARIS ESTADOS MEMBROS: PRINCÍPIO DO TRATAMENTO NÃO MAIS FAVORÁVEL SELECÇÃO DE NAVIOS PARA INSPECÇÃO NAVIOS CONSIDERADOS PARA INSPECÇÃO PRIORITÁRIA MOTIVOS CONSIDERADOS PARA INSPECÇÃO APROFUNDADA INSPECÇÃO APROFUNDADA CASCO MÁQUINAS E ELECTRICIDADE MEIOS DE SALVAÇÃO EQUIPAMENTO DE COMBATE A INCÊNDIOS EQUIPAMENTO DE NAVEGAÇÃO INSPECÇÕES ADICIONAIS PARA NAVIOS-TANQUE NO CONVÉS NA CASA DAS BOMBAS SISTEMA DE GÁS INERTE INSPECÇÕES ADICIONAIS PARA NAVIOS-TANQUE QUÍMICOS EQUIPAMENTO DE PROTECÇÃO PESSOAL MOTIVOS DE DETENÇÃO POR VIOLAÇÃO DA SOLAS MOTIVOS DE DETENÇÃO POR VIOLAÇÃO DO CÓDIGO IBC MOTIVOS DE DETENÇÃO POR VIOLAÇÃO DO CÓDIGO IGC MOTIVOS DE DETENÇÃO POR VIOLAÇÃO DO CÓDIGO ISM MOTIVOS DE DETENÇÃO POR VIOLAÇÃO DA MARPOL BIBLIOGRAFIA: Pág. 2

3 Controlo pelo Estado do Porto Port State Control 1. Convenções base Pág. 3 SOLAS STCW 78/95 MARPOL ILO Nº147 LOAD LINES 66/88 TONNAGE 69 COLREG Objectivo e missão Inspecção dos navios estrangeiros em portos nacionais com o propósito de verificar se a condição do navio, equipamentos e tripulação estão de acordo com as convenções internacionais. O PSC tem por missão eliminar os navios sub-standard através de um sistema de inspecções harmonizado adicional aos restantes sistemas de inspecção existentes. 3. Memorando de Paris 3.1. Estados Membros: Bélgica França Holanda Espanha Canadá Alemanha Noruega Suécia Croácia Grécia Polónia Reino Unido Dinamarca Irlanda Portugal Finlândia Itália Federação Russa Os países membros acordaram em inspeccionar 25% do número de navios de bandeira estrangeira que entram nos seus portos. Em regra, os navios não sujeitos a inspecção dentro do período de 6 meses após uma inspecção num porto do memorando, a menos que existam motivos evidentes para inspecção, denúncias feitas por pilotos ou autoridades portuárias, denúncias de tripulantes, navios envolvidos em abalroamentos e encalhes, etc.

4 Pág Princípio do tratamento não mais favorável Aplicado a navios que arvorem pavilhões de Estados que não sejam parte da convenção ou navios não SOLAS (menos de 500 GRT). Estes navios devem possuir certificados representativos, evidenciar condições satisfatórias e os tripulantes devem possuir os certificados STCW válidos. Caso contrário são alvo de inspecção aprofundadas ou alargada idêntica à aplicável aos navios do Paris MOU. 5. Selecção de navios para inspecção Diariamente são seleccionados, através da base de dados SIRENAC, os navios a serem inspeccionados. Através desta base de dados os inspectores têm acesso aos dados particulares dos navios bem como aos relatórios das inspecções anteriores efectuadas dentro da região do memorando. Os navios que tenham sido inspeccionados no período de 6 meses após a última inspecção, só serão inspeccionados se houver motivos que o justifiquem, pertençam à lista negra ou tenham mais que 13 anos.

5 6. Navios considerados para inspecção prioritária Navios sob os quais recaiam denúncias feitas por pilotos de barra e autoridades portuárias alegando deficiências que afectem a segurança; Navios transportando cargas perigosas e poluentes sobre as quais as autoridades do país não tenham sido informadas; Pág. 5 Navios objeto de denúncia por parte do comandante, tripulante ou outra pessoa com interesse legítimo na operação do navio, vida a bordo e condições de trabalho ou prevenção da poluição; Navios objecto de denúncia ou notificação por outra autoridade Navios que tenham sido autorizados a deixar o porto de um Estado membro sob determinadas condições; Navios aos quais tenha sido suspensa a classificação por razões de segurança, no decurso dos últimos 6 meses; Navios que visitem pela primeira vez um porto do memorando ou após uma ausência igual ou superior a 12 meses; Navios com bandeira de um Estado que pertença à lista negra ; Navios com elevado Target Factor TF Factor Global de Selecção. O TF é um valor numérico atribuído de acordo com as disposições constantes do Anexo I da Directiva 98/42 CE que figura no SIRENAC. Não classifica o navio em termos de qualidade; Navios alvo de detenção anterior; Navios que tenham estado envolvidos em colisão ou encalhe na viagem até ao porto; Navios acusados de violação de normas durante descarga de substâncias perigosas; Navios manobrados de forma insegura ou errada não seguindo as práticas adoptadas pela IMO; Navios que operem pondo em risco as pessoas, o navio ou o meio ambiente A autoridade do PSC obriga-se a não divulgar as fontes de informação sempre que existam denúncias de forma a evitar represálias sobre os denunciantes.

6 7. Motivos considerados para inspecção aprofundada Navios cujos certificados estatutários de construção ou de equipamento, tenham sido emitidos por organização não reconhecida pela Autoridade; Navio com bandeira de um Estado que surja 3 anos consecutivos na lista de detenções acima da média publicada anualmente pelo MOU; Pág. 6 Navios com deficiências a serem rectificadas nos próximos 14 dias; Navios que arvorem pavilhão de um Estado que não seja parte do MOU; Navios de uma categoria para a qual foi decidida uma inspecção alargada, p.ex: navios-tanque petroleiros com mais de 20 anos, navios de granéis sólidos com mais de 12 anos, navios-tanque químicos e LPG s com mais de 10 anos, navios de passageiros; Navios que durante a inspecção se verifique que os certificados e outra documentação não estão em dia; Navios em que haja indícios de que os membros da tripulação são incapazes de comunicar uns com os outros ou com as autoridades de terra; Navios em que haja a evidência das operações da carga e outras não estarem a ser conduzidas com os padrões de segurança adequados; Navios petroleiros que não tenham o registo do sistema de controlo e monitorização da descarga de óleos, da última viagem em lastro; Navios em que se verifique a inexistência de rol de chamada (plano de emergência) actualizado com a tripulação actual ou cuja tripulação não esteja segura das respectivas funções em caso de emergência; Navios que tenham emitido falsos alertas de socorro e não tenham efectuado os procedimentos correctos de cancelamento; Navios em que se verifique a ausência de equipamento principal ou falhas nos arranjos, requeridos pelas convenções; Navios que, da impressão geral colhida pelo inspector, indiciem a possibilidade de existência de deterioração do casco ou estrutura que possam colocar em risco a integridade do navio; Navios com evidência de condições de insalubridade excessiva; Navios sobre os quais exista informação ou evidência de que o comandante ou outro membro da tripulação não esteja devidamente familiarizado com as

7 operações essenciais a bordo no que respeita à segurança e à prevenção da poluição ou que estas operações não estejam a ser levadas a efeito. 8. Inspecção aprofundada 8.1. CASCO Pág. 7 Exame geral do casco e sistemas de isolamento (manutenção, corrosão, etc.) Exame ao equipamento de fundear e atracar; Exame de portas estanques e sistemas de accionamento locais e remotos; Estado de varandins, balaústres e borda falsa MÁQUINAS E ELECTRICIDADE Exame geral dos espaços de máquinas e caldeiras, com particular incidência nas máquinas propulsoras, auxiliares, riscos de incêndio e explosão e alagamento. Confirmar se as saídas de emergência estão desimpedidas e respectiva iluminação; Exame e teste de operação das máquinas do leme e sistemas associados; Teste dos meios de comunicação entre a ponte e as casas da máquina e do leme; Exame, quando possível dos sistemas de esgoto e alarmes de nível das cavernas; Exame externo às caldeiras, encanamentos de pressão, sistemas de segurança, fundações, controlos, isolamento e manómetros; Operação e teste, se possível, das fontes de energia eléctrica de emergência, em manual e em automático; Inspecção dos quadros eléctricos principal e de emergênccia. Teste dos sistemas de protecção (inversão, corrente mínima, não essenciais, etc.) e protecções diferencial); Inspecção dos sistemas automáticos de fecho dos tubos de sonda MEIOS DE SALVAÇÃO Exame de todas as embarcações de sobrevivência e salvamento, turcos, sistemas de embarque e mecanismos de içar e arriar. Se possível e se houver

8 desconfiança acerca do estado, as baleeiras serão arriadas até à linha de água. Verificar se existem instruções na língua da tripulação e se estas se encontram afixadas junto dos dispositivos respectivos. Verificação do equipamento e palamenta; Testar o arranque, funcionamento e inversão de marcha dos motores; Pág. 8 Verificar se as jangadas pneumáticas forma alvo de vistoria nos últimos 12 meses e verificar se os disparadpores hidrostáticos estão correctamente montados e dentro da validade; Verificar coletes salva-vidas e sua localização; Verificar o estado das bóias salva-vidas e respectivos dispositivos de ajuda à localização; Verificar balsas e a sua estiva; Verificar pirotécnicos e dispositivos lança-cabos e se a sua quantidade está de acordo com as exigências da SOLAS para o tipo de navio; Testar a iluminação de emergência e sistema de alarme geral EQUIPAMENTO DE COMBATE A INCÊNDIOS Confirmar se os planos de combate a incêndios estão afixados nos locais próprios incluindo à entrada dos portalós; Examinar a rede geral de combate a incêndios, confirmando que, cada bomba de incêndio, incluindo a de emergência, podem ser operadas separadamente de forma a que 2 jactos de água possam ser produzidos simultaneamente de diferentes bocas de incêndio; Confirmar que as mangueiras, agulhetas, acessórios e chaves estão em boas condições e situados nos seus lugares; Verificar os sistemas de fecho dos ventiladores, chaminés, albóis, túneis, etc.; Confirmar se os fatos de bombeiro estão completos e em boas condições; Confirmar que todos os extintores portáteis e móveis estão nas suas posições comprovando a manutenção e serviços de vistoria; Testar os controlos remotos para paragem de ventiladores, máquinas e válvulas de fecho rápido dos tanques de combustível;

9 Examinar os controlos do sistema fixo de combate a incêndios, encanamentos, instruções, manutenção e vistorias, incluindo a última data do teste ao sistema; Testar os sistemas de detecção de fumos, chama e calor EQUIPAMENTO DE NAVEGAÇÃO Pág. 9 Teste das luzes de navegação; Verificar se o desvio da agulha está conforme e se a mesma está iluminada; Testar o(s) radar(es), eco-sonda e piloto automático; Verificar se a escada do piloto está em boas condições e operacional; Verificar se as cartas náuticas e publicações necessárias para a viagem estão a bordo, em data e corrigidas. 9. Inspecções adicionais para Navios-Tanque 9.1. NO CONVÉS Examinar as aberturas dos tanques de carga, incluindo juntas, tampas, braçolas e grelhas; Exame das válvulas PV dos tanques de carga e écrans de chama (flame arrester s) Exame dos écrans de chama dos respiradores de todos os tanques de combustível, lubrifcantes, slops, espaços vazios, etc. ; Inspecção da carga, do sistema COW, das bancas, do lastro e sistemas de respiro incluindo as cabeças dos respiradores; Confirmação que todo o equipamente eléctrico em zonas de perigo se encontra em boas condições e que tem sido convenientemente mantido NA CASA DAS BOMBAS Confirmação que as fontes potenciais de ignição na casa das bombas ou perto dela, estão eliminadas (tais como excesso de produto nas cavernas, excesso de vapores, materiais combustíveis, etc.) e que as escadas de acesso estão em boas condições; Atenção aos sinais de fuga ou fractura nas antepares da casa das bombas, especialmente aos bucins de penetração;

10 Exame geral aos encanamentos dos diversos circuitos. Atenção à excessiva fuga pelos bucins das bombas de carga, lastro, esgoto e raspagem, verificação da correcta operação eléctrica/mecânica dos sistemas de paragem de emergência e verificação do estado intacto dos fixes das diversas bombas. Verificar o sistema de esgoto da casa das bombas. Pág. 10 Verificar a operacionalidade do sistema de ventilação da casa das bombas e seus registos de ar, estado das condutas e limpeza das grelhas; Verificar a operacionalidade dos manómetros instalados nas linhas de descarga e dos sistemas indicadores de nível; Verificar o sistema de control e monitorização da descarga de hidrocarbonetos (ODM) SISTEMA DE GÁS INERTE Exame externo da rede de encanamento e seus componentes quanto a sinais de corrosão, fugas de gás ou de líquidos; Confirmação da operacionalidade de ambos os ventiladores de gás inerte; Observação do sistema de ventilação da torre de lavagem; Comprovar o enchimento e esgoto automático do selo hidráulico do convés assim como a possível presença de água acumulada e o estado da válvula de retenção; Examinar o funcionamento de todas as válvulas telecomandadas ou automáticas e em particular as válvulas isoladoras de gases da combustão; Observar um teste de bloqueio dos sopradores de fuligem; Observação de que a válvula reguladora de pressão de gás fecha automáticamente quando os ventiladores de gás inerte param; Testar os seguintes alarmes e sistemas de segurança do sistema de gás inerte, recorrendo a condições simuladas quando necessário: Teor excessivo de oxigénio no colector de gás inerte; Pressão insuficiente de gás no colector de gás inerte; Pressão insuficiente no abastecimento do selo hidráulico; Temperatura excessiva do gás inerte no colector;

11 Pressão ou caudal de água insuficiente para a torre de lavagem; Nível de água excessivo na torre de lavagem; Falha dos ventiladores; Falha de alimentação dos sistemas de controlo automático da válvula reguladora de GI e dos instrumentos de medição e registo. Pág Inspecções adicionais para Navios-Tanque Químicos Equipamento de protecção pessoal Confirmar se as vestes de protecção apropriadas estão disponíveis para os tripulantes encarregados da carga/descarga e se estão devidamente acondicionadas; Confirmar se o equipamento de segurança adequado incluindo os aparelhos de respiração autónomos e respectivas garrafas de ar, se encontram disponíveis e devidamente acondicionados; Confirmar se o equipamento de primeiros socorros médicos, incluindo a maca e o equipamento de oxigénio (reanimação) bem como antídotos para a carga actualmente transportada, se encontram a bordo e estão bem acondicionadas; Confirmar se os dispositivos de descontamínação e lavagem de olhos estão operacionais; Confirmar se os instrumentos de detecção de gases requeridos, se encontram a bordo; Verificar se existem a bordo as Safety Data actualizadas dos produtos transportados. 11. Motivos de detenção por violação da SOLAS Defeitos de funcionamento da máquina propulsora, instalações eléctricas e outra maquinaria essencial; Casa da máquina: limpeza insuficiente, excesso de mistura oleosa nas cavernas, funcionamento defeituoso de bombas, etc; Defeitos de funcionamento do gerador de emergência, da iluminação, das baterias, etc; Defeitos de funcionamento do aparelho de governo principal e seus auxiliares;

12 Ausência, capacidade insuficiente ou deterioração grave dos dispositivos de salvamento e dos meios de os pôr a flutuar; Ausência ou deterioração grave do sistema de prevenção, detecção e combate a incêndios assim como do sistema de ventilação; Ausência, deterioração grave ou defeitos de funcionamento do sistema de prevenção de incêndios no convés dos navios-tanque; Pág. 12 Ausência, deterioração grave ou defeitos de funcionamento da aparelhagem de navegação; Ausência ou defeito de funcionamento do equipamento radioeléctrico para comunicações de socorro e segurança; Ausência ou defeito de funcionamento do equipamento náutico; Ausência de cartas náuticas corrigidas e as respectivas publicações náuticas; Ausência de extractores eléctricos de segurança nas casas de bombas dos navios tanques; Graves deficiências no cumprimento das prescrições operacionais (comunição entre a tripulação, exercícios de combate a incêndios, exercícios de abandono do navio, plano de acção de emergência, plano de combate a incêndios, operações relacionadas com a carga, manuais e instruções, cargas perigosas, lixos domésticos, etc.); O número, a composição ou a certificação da tripulação não está de acordo com o certificado de lotação. 12. Motivos de detenção por violação do código IBC Transporte duma substância não mencionada no certificado de aptidão ou informação incompleta sobre a carga. Ausência ou deterioração dos dispositivos de segurança de alta pressão. Instalações eléctricas não ajustadas às prescrições do código. Fontes de ignição potencialmente perigosas Infracção das prescrições especiais estabelecidas no código Excesso de carga por tanque Isolamento térmico insuficiente nos locais prescritos pelo código.

13 13. Motivos de detenção por violação do código IGC Transporte duma substância não mencionada no certificado de aptidão ou informação incompleta sobre a carga; Ausência de dispositivos de fecho nos alojamentos ou espaços de serviço; Pág. 13 Ausência ou defeitos nas válvulas de segurança; Instalações eléctricas não ajustadas às prescrições do código; Funcionamento defeituoso dos ventiladores na zona da carga; Funcionamento defeituoso nos dispositivos de alarme contra pressões elevadas nos tanques de carga; Defeito no equipamento detector de gás, no equipamento detector de gases tóxicos; Transporte de substâncias que requerem um composto inibidor, sem certificado correspondente. 14. Motivos de detenção por violação do código ISM Inexistência a bordo dos certificados do código ISM; O empresa referida no DOC não corresponde à do SMS; Inexistência a bordo da documentação do SMS; Informação relevante de segurança, numa língua não entendida pela tripulação; Os oficiais ao nível da gestão são incapazes de identificar o operador e a pessoa designada; Não existem instruções para o contacto com a companhia, em situações de emergência; Os exercícios não têm sido efectuados de acordo com o programa; Os novos tripulantes não estão familiarizados com as suas funções dentro do SMS; Autoridade do comandante não documentada e/ou comandante desconhecedor da sua autoridade;

14 Inexistência de registos de manutenção ou evidência das rotinas de manutenção não corresponderem ao que que consta dos registos. 15. Motivos de detenção por violação da MARPOL Ausência, séria deterioração ou falha de operação do equipamento de separação água/óleo, do sistema de controlo e monitorização da descarga de óleo ou do sistema de alarme dos 15 ppm; Pág. 14 Capacidade insuficiente do tanque de lamas (sludge tq.) ou do tanque despejos (slop tq.) para a viagem a empreender; Livro de registo de óleos não disponível; By-pass não autorizado montado no separador ou na bomba de lamas/bomba de resíduos; Ausência do manual de procedimentos e arranjos (onde exigível); Carga não categorizada (onde exigível); Livro de registo de carga (cargo record book) não disponível (se aplicável); Transporte de substâncias semelhantes a hidrocarbonetos, sem satisfazer os requisitos do Anexo I para navio-tanque e sem certificado apropriado para estas substâncias; Não conhecimento pela tripulação do manuseamento do equipamento instalado; Perda de produto no convés ou casa das bombas; Inexistência do manual de bordo de emergência para a prevenção da poluição por hidrocarbonetos (SOPEP); Evidência da dificuldade de comunicação entre os oficiais ao nível da gestão; Perante um exercício de luta contra a poluição, a tripulação denota não estar familiarizada com o equipamento que possui para o seu combate e que se encontra mencionado no manual SOPEP. BIBLIOGRAFIA: SILVA, António Manuel, Controlo pelo Estado do Porto (Port State Control), Maio de 2000

ANEXOS DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ANEXOS DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.6.2016 COM(2016) 371 final ANNEXES 1 to 4 ANEXOS da DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa a um sistema de inspeções para a segurança da exploração de ferries

Leia mais

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO 946 Diário da República, 1.ª série N.º 47 6 de março de 2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Decreto-Lei n.º 51/2012 de 6 de março A segurança do transporte

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS. Pág.1/12

CADERNO DE ENCARGOS. Pág.1/12 Manutenção do Sistema de climatização dos edifícios escolares da responsabilidade do Município, manutenção do Sistema de AVAC do Arquivo Municipal Alfredo Pimenta e manutenção do sistema de AVAC da Divisão

Leia mais

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS Página 1/5 INSTALAÇÃO ELETRICA CONTADOR ENERGIA / ACE Verificação da não violação do selo do contador Verificação da existência de limitador de potência do distribuidor / Fatura QUADRO ELECTRICO Verificação

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico.

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Página : 1 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Atenção 1 Identificação da substância/ preparação e da sociedade/ empresa Identificador do produto Designação Comercial : AR Reconstituido K/AR Comprimido/

Leia mais

EMENDAS DE 1995 AO ANEXO À CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE NORMAS DE FORMAÇÃO, DE CERTIFICAÇÃO E DE SERVIÇO DE QUARTOS PARA OS MARÍTIMOS, 1978.

EMENDAS DE 1995 AO ANEXO À CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE NORMAS DE FORMAÇÃO, DE CERTIFICAÇÃO E DE SERVIÇO DE QUARTOS PARA OS MARÍTIMOS, 1978. Resolução da Assembleia da República n.º 45/98 Emendas ao anexo à Convenção Internacional sobre Normas de Formação, de Certificação e de Serviço de Quartos para os Marítimos, 1978, e o Código de Formação,

Leia mais

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro O artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 410/98, de 23 de Dezembro, que aprovou o Regulamento de Segurança contra Incêndio em Edifícios de Tipo Administrativo, determina

Leia mais

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto Com a publicação do Decreto-Lei n.º 96/89, de 28 de Março, foi instituído, na Zona Franca da Região Autónoma da Madeira, o Registo Internacional de Navios da Madeira

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

1 - O novo capítulo IX que se segue é adicionado ao anexo: «CAPÍTULO IX Gestão para a exploração segura dos navios. Regra 1 Definições

1 - O novo capítulo IX que se segue é adicionado ao anexo: «CAPÍTULO IX Gestão para a exploração segura dos navios. Regra 1 Definições Decreto n.º 21/98 Emendas ao anexo da Convenção Internacional para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS 74), adoptadas pela Conferência SOLAS 1994, que se referem à introdução dos novos capítulos

Leia mais

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código.

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código. PREÂMBULO 1 O propósito deste Código é estabelecer um padrão internacional para a operação e gerenciamento seguros de navios e para a prevenção da poluição. 2 A Assembleia adotou a Resolução A.443(XI),

Leia mais

NR - 13 Caldeiras e Vasos de Pressão

NR - 13 Caldeiras e Vasos de Pressão 1. Introdução 2. Tipos a. Aquotubular b. Flamotubular c. Mistas 3. Partes internas a. Economizadores b. Paredes dágua c. Superaquecedores d. Feixes tubulares e. Válvulas 4. Partes Externas a. Desaeradores

Leia mais

EXAME DE RECICLAGEM PARA OFICIAIS DE MÁQUINAS PERGUNTAS TIPO SOBRE SEGURANÇA MARÍTIMA

EXAME DE RECICLAGEM PARA OFICIAIS DE MÁQUINAS PERGUNTAS TIPO SOBRE SEGURANÇA MARÍTIMA EXAME DE RECICLAGEM PARA OFICIAIS DE MÁQUINAS PERGUNTAS TIPO SOBRE SEGURANÇA MARÍTIMA 2H 2 + ½ O 2 H 2 O + H 2 Estas duas reacções são: C + ½ O 2 CO Endotérmicas Catalíticas Exotérmicas e incompletas Endotérmicas

Leia mais

A SEGURANÇA EM TRABALHOS DE MANUTENÇÃO 1 1/35

A SEGURANÇA EM TRABALHOS DE MANUTENÇÃO 1 1/35 A SEGURANÇA EM TRABALHOS DE MANUTENÇÃO 1 1/35 1. Análise de riscos 2. Ferramentas de uso comum 3. Máquinas e ferramentas pneumáticas 4. Pedras de esmeril 5. Máquinas ferramenta 6. Escadas portáteis 7.

Leia mais

Instrução de Trabalho IT 021. Verificação de Segurança de Equipamentos

Instrução de Trabalho IT 021. Verificação de Segurança de Equipamentos Verificação de Segurança de Equipamentos Na Presença do técnico de SHT e do Gestor da Qualidade e/ou um representante da Gerência serão verificados os equipamentos anualmente conforme o DL50/05 e deverá

Leia mais

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA ILUMINAÇÃO DE CIRCULAÇÃO OU DE EVACUAÇÃO Tem como objectivo permitir a evacuação das pessoas em segurança, garantindo ao longo dos caminhos de evacuação condições de visão e de evacuação adequadas e possibilitar

Leia mais

Segurança Marítima: Busca e Salvamento

Segurança Marítima: Busca e Salvamento Segurança, condição essencial para a segurança marítima Escola Naval, 30 de Abril de 2014 : Busca e João 05-05-2014 Frade 2 1989 Introdução EXXON VALDEZ 1912 TITANIC CATÁSTROFE 2012 COSTA CONCORDIA 3 Gestão

Leia mais

CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA. Prospecto do curso 2013/14

CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA. Prospecto do curso 2013/14 CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA Prospecto do curso 2013/14 Patrocinado pela: Índice STCW Primeiros Socorros Básicos... 4 STCW Prevenção de Incêndios e Combate a Incêndios... 5 STCW Segurança

Leia mais

Equipamento: Chiller

Equipamento: Chiller Equipamento: Chiller Limpeza/lavagem de condensadores Medições e registos de temperatura e pressões de água Medição e registo de consumos dos compressores, reajustes dos térmicos, medições e registos de

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto executivo nº. 80/04 de 27 de Julho Havendo necessidade de estabelecer as condições a que devem obedecer os meios de transporte aéreo de produtos petrolíferos; Sendo necessário

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

Incêndio em Navios INCÊNDIO 1ª ANALÍTICO. Seção POP

Incêndio em Navios INCÊNDIO 1ª ANALÍTICO. Seção POP 1/5 1. FINALIDADE A presente norma de procedimento operacional tem por finalidade padronizar a conduta das guarnições das Unidades do CBMERJ que operam com embarcações de combate a incêndio, dando subsídios

Leia mais

CELSIUSNEXT WTD 24 AM E23 WTD 24 AM E31. Manual de instalação e utilização

CELSIUSNEXT WTD 24 AM E23 WTD 24 AM E31. Manual de instalação e utilização Manual de instalação e utilização CELSIUSNEXT 6720608913-00.1AL WTD 24 AM E23 WTD 24 AM E31 Ler as instruções de instalação antes de instalar o aparelho! Antes de colocar o aparelho em funcionamento, ler

Leia mais

S A D I José Rui Ferreira

S A D I José Rui Ferreira Concepção de Instalações Eléctricas S A D I José Rui Ferreira Setembro 2000 SADI - Sistema Automático de Detecção de Incêndios Índice - Introdução - Equipamento - Concepção da instalação - Instalação eléctrica

Leia mais

Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS)

Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS) Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS) Prof. Manuel Ventura Projecto de Navios I Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval SOLAS História e Documentos Convenção, 1974 Protocolo, 1978 Emendas,

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

Fossas Sépticas, TIPO ECODEPUR De acordo com a Norma EN12566-1

Fossas Sépticas, TIPO ECODEPUR De acordo com a Norma EN12566-1 v1.4-300312 -281011 Fossas Sépticas, TIPO ECODEPUR De acordo com a Norma EN12566-1 APRESENTAÇÃO As Fossa Séptica, tipo ECODEPUR, são recipientes estanques, destinados ao armazenamento de águas residuais

Leia mais

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados:

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados: Nota Técnica ARMAZENAGEM DE ÓLEOS USADOS Para efeitos do presente documento, considera-se a definição de óleos usados constante na alínea b) do artigo 2.º do Decreto-lei n.º 153/2003. Define-se reservatório

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7 Directivas Técnicas 01-02/2007 Prevenção de incêndios em hospitais Ficha técnica Número 01-02/2007 Data de publicação MAI 2007 Data última revisão MAI 2008 Revisão obrigatória MAI 2009 Autoria e edição

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

O Código INF e navios construídos com um propósito

O Código INF e navios construídos com um propósito WNTI W O R L D N U C L E A R T R A N S P O RT I N S T I T U T E FICHA DESCRITIVA O Código INF e navios construídos com um propósito Dedicado ao transporte seguro, eficiente e confiável de materiais radioativoss

Leia mais

EQUIPAMENTOS DAS EMBARCAÇÕES DE RECREIO

EQUIPAMENTOS DAS EMBARCAÇÕES DE RECREIO EQUIPAMENTOS DAS EMBARCAÇÕES DE RECREIO Portaria n.º 1464/2002 de 14 de Novembro Os equipamentos das embarcações de recreio (ER) respeitantes aos meios de salvação, aparelhos, meios de segurança, meios

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE,

Leia mais

EMPRESA GERENCIAL DE PROJETOS NAVAIS - EMGEPRON CARGO: VISTORIADOR NAVAL

EMPRESA GERENCIAL DE PROJETOS NAVAIS - EMGEPRON CARGO: VISTORIADOR NAVAL EMPRESA GERENCIAL DE PROJETOS NAVAIS - EMGEPRON CONCURSO PÚBLICO - EDITAL N 0 03/2008 CARGO: VISTORIADOR NAVAL INSTRUÇÕES GERAIS I. Nesta prova, você encontrará 5 (cinco) páginas numeradas seqüencialmente,

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO GERAL DAS EMPRESAS E DA ÍNDUSTRIA. EudraLex Normas que regulam os Medicamentos na União Europeia.

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO GERAL DAS EMPRESAS E DA ÍNDUSTRIA. EudraLex Normas que regulam os Medicamentos na União Europeia. COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO GERAL DAS EMPRESAS E DA ÍNDUSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 03 de Fevereiro de 2010 ENTR/F/2/AM/an D(2010) 3374 EudraLex Normas que regulam os Medicamentos

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio INTRODUÇÃO Ambos a experiência e o bom senso nos dizem que as ações tomadas durante uma emergência são mais eficazes

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO - APP UNIDADE DE REGASEIFICAÇÃO

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO - APP UNIDADE DE REGASEIFICAÇÃO ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO - APP UNIDADE DE REGASEIFICAÇÃO Sub-subsistema: Navio de Transporte de GNL ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO APP Vazamentos Danos aos tanques de Formação de Visual Seguir rigorosamente

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA Na sequência da Circular nº04/cd/03, de 17 de Janeiro, vimos por este meio solicitar a colaboração dos Responsáveis pelos Laboratórios

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 RESUMO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE. Navios-Tanque

ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE. Navios-Tanque ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA Navios-Tanque Crude Oil Washing Maio 2010 Índice 1 Introdução 1 2 Lavagem com crude 2 3 Vantagens e desvantagens do COW 4

Leia mais

6/2006 1978 1973 (MARPOL

6/2006 1978 1973 (MARPOL Decreto n.º 6/2006 Aprova as emendas ao Protocolo de 1978 da Convenção Internacional para a Prevenção da Poluição por Navios, 1973 (MARPOL 73/78), adoptadas pela Resolução MEPC 115(51) da Organização Marítima

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno

Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno Descrição Geral A Central da Calheta de Inverno foi construída em 1992, com o objectivo de aproveitar os caudais excedentários ao abastecimento público e garantidos

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte de papel ou em suporte digital, conforme a legislação

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO TÍTULO DA APRESENTAÇÃO DEVERES GERAIS DO EMPREGADOR DEVERES GERAIS DO TÍTULO EMPREGADOR DA APRESENTAÇÃO Admissão de trabalhadores

Leia mais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais 1-Introdução As inspecções ambientais são o garante da implementação e cumprimento da legislação ambiental por parte das empresas que exercem actividades

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

Purgador Termostático Bimetálico Manual de Instalação e Manutenção

Purgador Termostático Bimetálico Manual de Instalação e Manutenção Purgador Termostático Bimetálico Manual de Instalação e Manutenção ÍNDICE Termo de Garantia 1.Descrição 2.Instalação 3.Manutenção 4.Peças de reposição 5.Informações Técnicas 1 TERMO DE GARANTIA A Spirax

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) TÍTULO: Atmosferas explosivas risco de explosão AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) INTRODUÇÃO A protecção contra

Leia mais

Convenção Internacional para a Prevenção da Poluição por Navios (MARPOL 73/78)

Convenção Internacional para a Prevenção da Poluição por Navios (MARPOL 73/78) Convenção Internacional para a Prevenção da Poluição por Navios (MARPOL 73/78) PROTOCOLO DE 1978 RELATIVO À CONVENÇÃO INTERNACIONAL PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR NAVIOS, 1973 As Partes no presente Protocolo:

Leia mais

Certificados de Capacidade dos Pescadores

Certificados de Capacidade dos Pescadores 1 CONVENÇÃO N. 125 Certificados de Capacidade dos Pescadores I Aprovada na 50ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1966), entrou em vigor no plano internacional em 15.7.69. II Dados

Leia mais

VÁLVULAS DE RETENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R

VÁLVULAS DE RETENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R 22/04/2013 MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R cmo@cmo.es http://www.cmo.es pág. 1 MONTAGEM DESCRIÇÃO Directiva sobre máquinas: DIR 2006/42/CE (MÁQUINAS). Directiva sobre equipamentos sob pressão:

Leia mais

Ficha Dados de Segurança (FDS)

Ficha Dados de Segurança (FDS) Páginas: 1/6 Etiqueta 2.2: Gás não Inflamável e não tóxico 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE / EMPRESA Designação Comercial: N Ficha de Segurança: Fórmula Química: Identificação

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 348, DE 2007 (MENSAGEM N o 437, de 2006) Aprova o texto consolidado da Convenção Internacional para a Prevenção

Leia mais

-Membros deverão controlar estritamente o cumprimento Europeu de 24 de Setembro de 2008 (ainda não publicada no Jornal

-Membros deverão controlar estritamente o cumprimento Europeu de 24 de Setembro de 2008 (ainda não publicada no Jornal 28.5.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 131/57 DIRECTIVA 2009/16/CE do Parlamento Europeu e do Conselho de 23 de Abril de 2009 relativa à inspecção de navios pelo Estado do porto (reformulação) (Texto

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos 2009 1 INTRODUÇÃO Numerosas empresas, entidades, instituições

Leia mais

Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR)

Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR) WORKSHOP FIOVDE (24.10.2011) Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR) José Alberto Franco José Silva Carvalho Aspectos que vamos passar em revista

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Considerações gerais...2 1.1 - Introdução...2 2 - Actuação em caso de emergência...2 2.1 - Esquema geral de actuação...2 2.2 - Procedimento gerais de actuação...3 2.2.1 - Em caso de incêndio

Leia mais

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança.

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança. OBJETIVO De acordo com o Artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 220/2008 (Regime Jurídico de SCIE), descrever e detalhar como devem ser instruídos e apresentados os Projetos de SCIE (com o conteúdo descrito no

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVI Armazenamento de Produtos Químicos Perigosos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido

Leia mais

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Características Quatro zonas com capacidade de teste/isolamento. Dois circuitos de alarme com possibilidade de isolamento. Fonte de alimentação

Leia mais

5412 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 229 3 de Outubro de 2000 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO EQUIPAMENTO SOCIAL

5412 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 229 3 de Outubro de 2000 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO EQUIPAMENTO SOCIAL 5412 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 229 3 de Outubro de 2000 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto do Presidente da República n. o 40/2000 de 3 de Outubro O Presidente da República decreta, nos termos dos

Leia mais

Código do exame Teste de preparação

Código do exame Teste de preparação Nome do candidato: Este teste de preparação de VCA trata-se apenas de um exercício e tem como finalidade a familiarização do candidato com os métodos de exame. As questões são revistas anualmente no que

Leia mais

O PAPEL DA NORMALIZAÇÃO NA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Jornada de Engenharia SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS 26-03-2015

O PAPEL DA NORMALIZAÇÃO NA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Jornada de Engenharia SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS 26-03-2015 O PAPEL DA NORMALIZAÇÃO NA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO Jornada de Engenharia SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS 26-03-2015 CONTEÚDOS 1. APSEI e a normalização 2. O que são normas? 3. Legislação de SCI

Leia mais

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A STANDARD LME-12:001905 Upt Rev A Índice 1 Introdução... 3 2 Requisitos... 3 3 Normas de Operação Segura... 4 3.1 Procedimentos de Evacuação em Incêndio... 4 3.2 Caminhos de Escape Designados... 4 3.3 Pontos

Leia mais

DIRECTIVA SOBRE LIMPEZA DE AERONAVES

DIRECTIVA SOBRE LIMPEZA DE AERONAVES DIRECTIVA SOBRE LIMPEZA DE AERONAVES Instrução sobre Página 1 de 19 1. OBJECTIVO A presente directiva visa definir as medidas e os procedimentos a serem adoptados pelos operadores aéreos e pelas empresas

Leia mais

Filtro de partículas diesel

Filtro de partículas diesel Filtro de partículas diesel 12.07 - anual de instruções P 51145778 DFG 316-320 08.10 DFG 316s-320s DFG 425-435 DFG 425s-435s Prefácio Para obter o melhor e mais seguro rendimento do veículo industrial,

Leia mais

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Conferência Interamericana de Transportes de Produtos Perigosos CITRANSPPE São Paulo Setembro de 2004 11 Set/2001 Torres

Leia mais

SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/MISTURA REDEX FICHA CIRCUITO DE SEGURANÇA E FECHADO DA SOCIEDADE/EMPRESA 5L AZUL 1.1. Denominação/designação Identificador do produto comercialredex CIRCUITO FECHADO

Leia mais

Sistemas de Supressão de Fogo em Veículos Especiais Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios

Sistemas de Supressão de Fogo em Veículos Especiais Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios Sistemas de Supressão de Fogo em Veículos Especiais Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios Antes da introdução de sistemas de supressão de fogo em veículos especiais na indústria de mineração,

Leia mais

CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Caldeiras a Vapor São equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior á atmosférica,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO 1172 Diário da República, 1.ª série N.º 53 14 de março de 2012 Europeu e do Conselho, de 15 de janeiro, relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição, alterada pela Diretiva n.º 2009/31/CE do

Leia mais

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen pagina 1 van 26 Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen A Evonik Degussa Antwerpen é uma empresa de químicos e parte de um grupo global. A sua segurança, assim como a nossa, é muito importante, pelo que existem

Leia mais

ANEXO II.7-1 - ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS - APP

ANEXO II.7-1 - ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS - APP ANEXO II.7-1 - ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS Pág. 1/19 ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS CLIENTE PETROBRAS REV. 00 DATA Out/2010 FOLHA 1/19 INSTALAÇÃO Unidade Marítima de Perfuração NS-21 (Ocean Clipper)

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/12 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora 2010 Pág.2/12 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade:

Leia mais

2.4.0 TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E SERVIÇOS RELACIONADOS

2.4.0 TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E SERVIÇOS RELACIONADOS Listagem Categorias Criticas Portugal Esta é a listagem de categorias de produto/serviço consideradas criticas pelas empresas que compõem a omunidade RePro em Portugal. Caso tenha inscrito ou pretenda

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho

Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho 1 1. A campanha MET 2. Aquisição de máquinas seguras 3. Utilização de equipamentos de trabalho bem adaptados 4. Locais de trabalho

Leia mais

Empresa: MS/Vigilância em Saúde Ambiental. Contribuinte: Eric Fischer. CAPÍTULO I - Do Objeto. Descrição da Contribuição:

Empresa: MS/Vigilância em Saúde Ambiental. Contribuinte: Eric Fischer. CAPÍTULO I - Do Objeto. Descrição da Contribuição: Empresa: MS/Vigilância em Saúde Ambiental Contribuinte: Eric Fischer CAPÍTULO I - Do Objeto Recomendação: Esta norma legal não deve ser aprovada antes da promulgação do decreto que regulamentará a PNRS,

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo ACIDENTES E INCÊNDIOS DOMÉSTICOS ADULTOS Acidentes Os acidentes domésticos são muito comuns. Mesmo com todo o cuidado, há objetos e situações que podem tornar todas as divisões

Leia mais

MARPOL 73/78 ANEXO II REGRAS PARA O CONTROLE DA POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS LÍQUIDAS NOCIVAS A GRANEL. Capítulo 1 Generalidades

MARPOL 73/78 ANEXO II REGRAS PARA O CONTROLE DA POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS LÍQUIDAS NOCIVAS A GRANEL. Capítulo 1 Generalidades MARPOL 73/78 ANEXO II REGRAS PARA O CONTROLE DA POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS LÍQUIDAS NOCIVAS A GRANEL Capítulo 1 Generalidades Para os efeitos deste Anexo: Regra 1 Definições 1 Data de aniversário significa

Leia mais

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A.

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A. FÓRUM PARLAMENTAR SOBRE ARMAS LIGEIRAS E DE PEQUENO PORTE Declaração da política sobre a gestão de estoque de munições convencionais O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de

Leia mais

Departamento de Máquinas Marítimas. João Emílio C. Silva. Abril 2002

Departamento de Máquinas Marítimas. João Emílio C. Silva. Abril 2002 ESCOLA A NÁUTIICA IINFANTE D.. HENRIIQUE Departamento de Máquinas Marítimas João Emílio C. Silva Abril 2002 ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS SEGURANÇA MARÍTIMA E QUALIDADE Os apontamentos que a seguir

Leia mais

SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais de equipamentos sob pressão. TEXTO INTEGRAL

SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais de equipamentos sob pressão. TEXTO INTEGRAL DATA: 12 de Junho de 2007 NÚMERO: 112 SÉRIE II EMISSOR: Ministério da Economia e Inovação DIPLOMA / ACTO: Despacho nº 11 551/2007 SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais

Leia mais

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS PERFIL PROFISSIONAL MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS ÁREA DE ACTIVIDADE - ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Executar a instalação, a conversão e a reparação de aparelhos de queima de gás e executar soldaduras

Leia mais

Avis juridique important 31991L0412

Avis juridique important 31991L0412 Avis juridique important 31991L0412 Directiva 91/412/CEE da Comissão, de 23 de Julho de 1991, que estabelece os princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos veterinários Jornal

Leia mais

3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas

3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas 3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas Segurança Contra Incêndios em Edifícios Decreto-Lei 220/2008 Portaria 1532/2008 ISEP- Porto - 2010 ISEP - Abril 2010 Cap Eng Luís Bispo 1 Sumário

Leia mais

A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares

A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares Luis Filipe Baptista 1 No artigo apresentado no número anterior da revista, com o título A Engenharia de Máquinas Marítimas na

Leia mais

Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC

Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC Qualidade do Ar Interior Novas Problemáticas Novas Politicas Novas Práticas Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC José Luís Alexandre jla@fe.up.pt DEMEGI FEUP Expornor Porto,

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 18 Mercadorias Perigosas Página 1/23 Índice Parte A: Generalidades.4 18.001 Aplicabilidade...4 18.003 Definições.4

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Padronizar os diversos tipos de sistemas de bomba de incêndio das edificações, seus requisitos técnicos, componentes, esquemas elétricos-hidráulicos e memória de cálculo, de acordo com os parâmetros

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA A IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA A IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS SUBSTÂNCIAS PERIGOSAS: Inflamáveis A substância está catalogada como facilmente inflamável. Ponto de inflamação: 10ºC. Tóxicas O metanol está considerado como tóxico por ingestão e inalação Perigosa para

Leia mais

ACIDENTES A BORDO DAS EMBARCAÇÕES

ACIDENTES A BORDO DAS EMBARCAÇÕES José Marreiros Gonçalves Pequena nota biográfica Perito naval, Diretor Geral da Navaltik - empresa portuguesa de consultores de engenharia fundada em 1981 Filho, neto, sobrinho e por aí abaixo de Pescadores

Leia mais

Equipamentos de queima em caldeiras

Equipamentos de queima em caldeiras Equipamentos de queima em caldeiras Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS 1 Objectivo do sistema de queima 1. Transportar o combustível até ao local de queima 2. Proporcionar maior

Leia mais

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários O sistema de garantia da qualidade dos medicamentos, quer sejam de uso humano, quer sejam veterinários, abarca não

Leia mais