MESTRADO ACADÊMICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MESTRADO ACADÊMICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA"

Transcrição

1 MESTRADO ACADÊMICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO: IMPACTOS DOS VALORES PESSOAIS NO TRABALHO EM EQUIPE EM ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR DENIZE ATHAYDE DUTR A DA COSTA TURMA 2004 ORIENTADORA: Profa. Dra. Sylvia Constant Vergara

2 2 DEDICATÓRIA: A meu Pai, Guy Dutra da Costa, com todo o meu amor e saudade: A vida que tantas alegrias nos permitiu viver em família, nos colocou em 2004 frente a dois grandes desafios: a sua doença e o meu mestrado. Perdemos um deles, mas no nosso íntimo, sabíamos que, para você a vida era muita bela para viver com dor e que sua missão já tinha sido cumprida. Foi duro admitir isso, pela falta que você nos faz! Vencemos o desafio do mestrado, pois eu fui a Mestranda, mas não tenho dúvidas de que não estive só, Você esteve presente dando a força de que, em tantos momentos, precisei para não desistir. Foi a sua presença amiga, alegre, provocadora, irreverente, estimulante, sua atitude imprevisivelmente geminiana, sua transparente expressão de orgulho pelo que sou, pelo que fiz, que me fez chegar até aqui. Você sempre me fez crer que eu era capaz e isto foi a base para uma vida, que hoje olhando para trás, percebo ter sido de grandes conquistas e realizações. Muito obrigada Paizão, pela luz que me inspirou e que sempre estará me iluminando!

3 3 Antes do compromisso, há hesitação, a oportunidade de recuar, a ineficácia permanente. Em todo ato de iniciativa (e de criação), há uma verdade elementar cujo desconhecimento destrói muitas idéias e planos esplêndidos: no momento em que nos comprometemos de fato, a Providência também age. Ocorre toda espécie de coisas para nos ajudar, coisas que de outro modo nunca ocorreriam. Toda uma cadeia de eventos emana da decisão, Fazendo vir em nosso favor todo o tipo de encontro, de incidentes e de apoio material imprevistos que ninguém poderia sonhar que surgiria no caminho. Começa tudo que possas fazer, ou que sonhas poder fazer. A ousadia traz em si o gênio, o poder e a magia. Goethe A crença em Deus e o fato de concordar com as palavras de Goethe, me levam antes de tudo a agradecer pelo dom da minha vida, pela minha saúde, pela minha energia e por todas as Pessoas que Ele permitiu que fizessem parte desta minha trajetória, cujo significado maior é simplesmente, ter feito, ou fazer alguma diferença na vida dessas Pessoas e de tantos Outros que já passaram pelo meu caminho...

4 4 AGRADECIMENTOS: Manifestar gratidão sempre foi uma atitude que valorizei ao longo da minha vida, e se conseguisse resgatar em minha memória todas as pessoas que de forma direta ou indireta colaboraram com este trabalho, certamente a relação seria bem maior talvez do que o próprio trabalho. Por isso, início agradecendo a Todos aqueles, que de alguma forma contribuíram para a conquista deste objetivo. Sem querer incorrer no risco da ingratidão ou da injustiça, não posso deixar de me referir de forma muito especial a algumas pessoas, porque sem elas, certamente não teria sido possível. - A Thiago, melhor Presente que a Vida me deu, pelo que me faz crescer a cada dia por meio de seus questionamentos, suas observações, suas profundas manifestações de amor, por ter sido capaz de entender que apesar da minha ausência física no seu cotidiano, eu sempre estive ao seu lado, e pelo que já demonstra ter aprendido comigo, sobre a importância do trabalho na nossa realização pessoal. - A Randolfo por seu amor, por ter compreendido minha ausência do nosso convívio familiar e por ter sido uma inesgotável fonte de estímulo. - A minha Mãe por sua presença acolhedora, seu apoio inestimável a mim e em especial a meu filho e meu marido, durante minhas inúmeras ausências, tentando suprir a minha presença feminina, e por seu Exemplo de Guerreira!

5 5 - A Wanda, Tia, Madrinha, Amiga, Confidente, Assistente, Revisora, enfim, muito mais do que um braço direito...sem você também não teria chegado até aqui! - Ao Ramon e ao Guto, meus filhos emprestados pela disponibilidade em filmar e fotografar a pesquisa, conforme exigia a própria metodologia e pelo carinho que têm demonstrado em nosso convívio. - A toda a minha família e aos verdadeiros amigos, que muito além do incentivo, souberam compreender a minha falta de tempo para o nosso convívio tão afetivo e enriquecedor. - A minha irmã Simone, em particular, por ter despertado o meu interesse para o Terceiro Setor, ter facilitado o meu acesso a duas das instituições pesquisadas, pelos muitos materiais disponibilizados, e pela troca que sempre tivemos. - A minha turma de Mestrado por seu brilhantismo, por seu senso crítico extremamente desenvolvido, por sua juventude contagiante, pelo respeito e interesse pela minha maior experiência e em especial pelo carinho, colaboração e coleguismo. Eu me sinto eternamente responsável por aquilo que cativei!. - A meus Mestres pelo conhecimento compartilhado, pela inquietação que me fez buscar mais do que novas respostas, muitas novas perguntas... Pela compreensão e incentivo nos momentos difíceis! - A Profa. Deborah Zouain pela oportunidade de provar que a determinação e maturidade poderiam superar a falta de dedicação exclusiva ao mestrado, e pela confiança e outras possibilidades que me abriu.

6 6 - A equipe do CEFAP, da Secretária, da EBAPE e da Biblioteca pela total disponibilidade, profissionalismo e carinho com que sempre fui atendida. - Aos meus parceiros(as) de trabalho pela troca e pelo estímulo constante. - A Ana Paula Zambrotti por suas contribuições e bom humor. - Aos Sujeitos da minha pesquisa, que sem exceção, são Sujeitos na concepção mais profunda do termo, Cidadãos, Pessoas que muito mais do que respostas às questões acadêmicas, me deram uma grande lição de VIDA! - A minha Amada Mestra como eu brincando carinhosamente, a chamava durante o nosso convívio, Profa. Dra. Sylvia Vergara, orientadora com sua competência e rigor acadêmicos, desorientadora com sua mente brilhante, que me levava a desconstruir para reaprender, e amiga, com sua sensibilidade feminina, que soube dar o apoio na medida e nas horas certas, tornando-se para mim uma referência Profissional! A você Sylvia, minha eterna gratidão!

7 7 APRESENTAÇÃO O vertiginoso crescimento do Terceiro Setor, caracterizado tanto pelo surgimento de muitas organizações voltadas para o social, quanto pelo aumento do volume de recursos financeiros disponibilizados para uma gama de diferentes projetos, além da ampliação da abrangência e da visibilidade assumidas pelos mesmos, tem estimulado o interesse da academia. Essa evidência somada à percepção sobre o impacto positivo de algumas Organizações Não- Governamentais (ONGs) cujos indicadores demonstram estarem contribuindo para a inclusão social e a formação da cidadania, foram as principais razões que motivaram a realização deste estudo. Embora, nesta última década, muito se tenha escrito sobre o Terceiro Setor, ainda existem mais perguntas do que respostas no que diz respeito à sua gestão. As evidências, na mídia, e nos estudos acadêmicos mostram a grande necessidade de profissionalização no setor, cujas experiências são recentes e a literatura especializada ainda é escassa. Esse fato associado à natureza do problema desta pesquisa, que trata dos impactos dos valores pessoais sobre o modo como os profissionais desse setor trabalham em equipe, temas que recebem contribuições de várias ciências humanas e da filosofia, atribuem a este estudo um caráter transdisciplinar, abrangente e instigante. O tema permitiu a convergência da psicologia com a administração e com muitos outros saberes, aos quais estive exposta ao longo da minha formação acadêmica e experiência profissional. No primeiro capítulo, defino o problema e apresento a metodologia utilizada na pesquisa, esclarecendo como os dados foram coletados e tratados sob um olhar fenomenológico, já que estamos tratando de aspectos altamente subjetivos, que não permitem a busca de uma verdade definitiva e cujo fenômeno é a própria consciência do indivíduo, de seus valores, de sua interação no grupo, etc. Ainda nesse capítulo argumento

8 8 sobre a relevância deste estudo para o Terceiro Setor e para a ciência da administração em geral. No segundo capítulo, trato da perspectiva individual, abordando a formação do Sujeito e de seus valores, bem como, do impacto que esses valores têm sobre as escolhas e ações dos indivíduos. Utilizo a teoria da complexidade, especialmente Edgar Morin, e enriqueço com outros autores, criando um diálogo entre tais pensadores e os sujeitos da pesquisa, por meio de seus discursos e das fotografias utilizadas como técnica de coleta de dados, conforme descrito no capítulo 1. No terceiro capítulo, trato da perspectiva grupal, ou seja, como se dá a interação do Sujeito no grupo, e quando, e como um grupo pode ser considerado uma equipe. Analiso quais são as condições e características necessárias para a eficácia de uma equipe, por meio da proposição de vários autores contemporâneos que se complementam em relação a esses conceitos. Desenvolvo uma trama entre tais autores e a fala dos Sujeitos da pesquisa, sobre suas percepções e atuações nos grupos ou nas equipes das quais fazem parte. O quarto capítulo é a conclusão desta dissertação. Nele, relacionando os conceitos abordados nos dois capítulos anteriores à pesquisa de campo, respondo ao problema proposto e sugiro outros estudos complementares, uma vez que os resultados alcançados, não são conclusivos, nem podem ser generalizados.

9 9 RESUMO Este estudo teve como principal objetivo responder ao seguinte problema: Em que medida os valores dos profissionais de projetos sociais contribuem para um modo específico de trabalhar em equipe? Em busca desta resposta realizei uma pesquisa bibliográfica e de campo, com entrevistas em profundidade e a técnica de construção com fotografias. A análise dos dados foi feita sob um olhar fenomenológico. Este relatório de pesquisa está estruturado em dois eixos: a compreensão do indivíduo, e de suas relações com o grupo. No primeiro, tratei da formação do Sujeito e de seus valores; no segundo, abordei as relações do Sujeito com o grupo e mais especificamente, do conceito de equipe e das principais características e condições que garantem um trabalho de equipe eficaz. Ambos os capítulos foram desenvolvidos com análise interparticipante, mostrando transcrições das partes mais relevantes das entrevistas e dos trabalhos gerados pelos grupos e dados da pesquisa bibliográfica. Conclui que, no caso da amostra pesquisada os valores pessoais influenciam o modo dos profissionais do Terceiro Setor trabalharem em equipe, e que tais profissionais são cooperativos e comprometidos com seus respectivos projetos.

10 10 ABSTRACT This study had the main purpose to answer to the following issue: How far the social projects experts s values contribute to a specific manner of working as a team? Searching for this answer, bibliography and field researches, with deep interviews and the picture construction technique were accomplieshed. The data analysis was carried out under a phenomenological view. This research report is structured in two pivots: The understanding of the individual, and of his relationship within the group. Firstly, I dealed with the formation of the Individual and his values; secondly, I focused the relations of the Individual with the group and more specifically, the team concept and the main characteristics and conditions that guarantee an efficient teamwork. Both chapters were developed through interpaticipating analysis this is by showing transcriptions of the most relevant parts of the interviews and of the works produced by the groups to as well as data from the bibliographic research. I concluded that, in the case of the researched sample, personal values really act on the way the Third Sector experts work in team, and that these experts are cooperative and committed to their respective projects.

11 11

12 12 Capítulo 1 O problema e a Metodologia Este capítulo tem como objetivo apresentar o problema, sua delimitação e sua relevância para a ciência da Administração, bem como, explica qual a metodologia escolhida para a realização da pesquisa e que norteou a análise de todos os dados coletados. 1. O Problema 1.1 Introdução É inquestionável que a capacidade para trabalhar em equipe tornou- se uma competência crítica para o sucesso dos profissionais e das organizações. Também não existem mais dúvidas de que os valores e crenças pessoais influenciam a forma pela qual as pessoas agem e trabalham, seja individualmente ou em grupos. A maioria da literatura a respeito destes dois temas, valores e trabalho em equipe, aborda o assunto contextualizando-o nas organizações privadas, essencialmente determinadas pela lógica do mercado, e por isso, buscam e estimulam em seus profissionais valores que sejam compatíveis com a primazia do lucro (ANSART (1978), CHANLAT (1996), KATZENBACK(1994), MOSCOVICI (1999), MOTTA (2002), PAGÈS (1987), RAMOS (1989), RITTO (2005), SENGE (197), TAMAYO (2005), VERGARA (2003)). Parecem ser escassos os estudos que tratem especificamente dos valores de profissionais do Terceiro Setor, e da forma como atuam. A lógica dominante de tal Setor, pelo menos teoricamente, não deveria ser a mesma das organizações privadas, já que o propósito destas organizações

13 13 não é gerar lucro, e sim, bem-estar social por meio de projetos em diferentes vertentes. O acentuado crescimento do Terceiro Setor tem levado alguns estudiosos a analisarem em que medida as teorias e práticas de gestão oriundas das organizações privadas e, até mesmo, das públicas são adequadas para o Terceiro Setor, já que este tem características muito distintas dos outros dois setores embora a eles muito se assemelhe, uma vez que todas as organizações são constituídas por pessoas, com toda a complexidade a elas inerentes. Falar desta complexidade implica considerar todas as dimensões (biológica, intelectual, emocional, afetiva, social, espiritual) do ser humano, numa perspectiva holística; sua relação de recíproca influência com o ambiente; seus valores, crenças, ideologia e a interdisciplinaridade de enfoques que podem explicar os diversos fenômenos humanos. É comum perceber nas pessoas que atuam no Terceiro Setor, um discurso permeado de valores sociais, expressos no desejo de servir, de ser útil à sociedade, de fazer alguma diferença, de contribuir para tornar a sociedade mais justa, enfim, um forte sentimento de solidariedade, de justiça, e outros que caracterizam pessoas consideradas politicamente corretas. Imagina-se que tais pessoas seriam mais propensas a uma atitude mais cooperativa, conciliadora e facilitadora do trabalho em equipe, ou seja, mais propensas a gerarem maior sinergia. Será assim? Estas e outras reflexões e questionamentos instigaram esta pesquisa, cujo objetivo final foi responder ao seguinte problema: Em que medida os valores dos profissionais de projetos sociais contribuem para um modo específico de trabalhar em equipe?

14 Objetivos Intermediários Os seguintes objetivos intermediários foram propostos: Identificar as convicções filosóficas, sociais, políticas e éticas que fundamentam as escolhas e ações dos profissionais que atuam em projetos sociais. Investigar como estes profissionais atuam em equipe, quando trabalham em seus respectivos projetos. Identificar se existem diferenças significativas na forma de trabalhar em equipe dos profissionais com vínculos formais com os projetos em relação aos que atuam como voluntários.

15 Delimitação do Estudo Este estudo tratou da relação entre valores pessoais e trabalho em equipe, no contexto de projetos sociais em instituições do Terceiro Setor, por meio (a) da identificação das convicções filosóficas, sociais, políticas e éticas que fundamentam as escolhas e ações dos profissionais que atuam nos projetos objeto da pesquisa; e (b) da investigação do modo como estes trabalham em equipe. Como o tema valores é amplo e multidisciplinar, optei partir da Teoria da Complexidade e buscar contribuições de outros autores que ratificam, complementam estes conceitos, visando criar uma teia de idéias que permita compreender em que medida os valores identificados realmente influenciam o modo de trabalhar em equipe dos profissionais sujeitos da pesquisa, o que exigiu também abordar alguns conceitos sobre trabalho em equipe, conforme descrito adiante. Este estudo não consistiu em uma análise histórica, pois tratei apenas do contexto atual destes projetos, e nem se propôs a fazer prescrições sobre a gestão destas ou outras equipes, especialmente fora do Terceiro Setor, já que esta pesquisa tem caráter descritivo e explicativo.

16 Relevância do estudo A literatura sobre valores é ampla e constitui objeto de estudo de várias áreas do conhecimento humano, da filosofia às ciências, e o tema - trabalho em equipe - também é bastante explorado, especialmente na área da gestão, mas a ênfase destes estudos é quase sempre em empresas orientadas para o mercado, alguns para organizações públicas. São poucos os orientados para o Terceiro Setor. Assim sendo, parecem escassos estudos que contemplem a relação entre estes dois temas valores e trabalho em equipe, e muito menos no contexto do Terceiro Setor. Este Setor apresenta acelerado crescimento, face à falência do modelo do Welfare State, transferindo, pelo menos em parte, para estas organizações o papel que antes era do Estado. Mesmo sem fins lucrativos, tais organizações também precisam prestar contas aos investidores e apresentar resultados ainda que de outra natureza, o que exige uma gestão eficaz. É exatamente este o ponto de uma possível contribuição para as organizações do Terceiro Setor que, compreendendo em que medida os valores pessoais podem influenciar o modo de trabalhar em equipe poderão, a partir deste estudo, repensar suas práticas de gestão, tanto no que diz respeito à escolha de seus profissionais, como quanto ao alinhamento dos valores das pessoas e da organização, no sentido de promover a possibilidade de realização pessoal dos primeiros, e maximizar os resultados da segunda. Para os profissionais ligados à gestão do Terceiro Setor, a pesquisa trará visão mais realista, portanto menos idealizada, sobre esta questão dos valores, porque pode ser que determinados valores só façam diferença

17 17 para o trabalho voluntário e não para aqueles profissionais remunerados para atuar nestes projetos sociais. Para a academia, este estudo poderá ser a base para futuras pesquisas que permitam criar fundamentos para práticas de gestão mais compatíveis com esta realidade e enriquecer a literatura sobre este tema, estabelecendo relações pouco usuais, e contribuindo de uma maneira geral para o alargamento das fronteiras do conhecimento em Administração. Para a área da administração pública, este estudo é relevante, na medida em que o Estado além de investidor, tem trabalhado em parceria com o Terceiro Setor, na busca da inclusão social, da formação da cidadania e do desenvolvimento sustentável, por meio de diferentes projetos sociais. Neste aspecto, fica evidente alguma contribuição que este estudo pode trazer para a sociedade de forma geral.

18 METODOLOGIA Considerando a natureza do problema da pesquisa e o interesse da pesquisadora, a metodologia escolhida está a seguir explicada Tipo de Pesquisa A partir da tipologia sugerida por Vergara (2004), posso classificar a pesquisa proposta em: a) Quanto aos fins: Descritiva e explicativa, devido à natureza do problema de pesquisa que, além de identificar os aspectos ideológicos dos profissionais que atuam em projetos sociais, se propôs a explicar em que medida estes aspectos influem na sua forma de trabalhar em equipe. b) Quanto aos meios: Pesquisa de campo, pois foi realizada uma investigação empírica, com profissionais que atuam em projetos sociais em ONGs. Bibliográfica, já que pesquisei em livros, publicações acadêmicas, jornais, revistas e outros materiais acessíveis ao público em geral.

19 Universo e amostra O universo desta pesquisa foram as Organizações Não- Governamentais (ONGs) do Rio de Janeiro, sendo que a amostra foi constituída de três ONGs, escolhidas por atuarem em diferentes áreas (cultura, inclusão digital, projetos sociais diversificados), por terem em comum o objetivo da inclusão social e da formação da cidadania, além de serem reconhecidas pela sociedade local, do Brasil e do exterior, com projetos bem sucedidos e, por isso, gozam de credibilidade. Outro aspecto que contribuiu para a escolha da amostra foi o fato de saber que os três projetos contavam com a participação de profissionais bem diversificados, em termos de formação acadêmica e experiência. Além disso, importante na escolha foi a acessibilidade às ONG s. A primeira ONG pesquisada foi o Comitê para Democratização da Informática - CDI, uma organização não- governamental, sem fins lucrativos que, desde 1995, desenvolve o trabalho pioneiro de promover a inclusão social, utilizando a tecnologia da informação como um instrumento para a construção e o exercício da cidadania. Por meio de suas Escolas de Informática e Cidadania, o CDI implementa programas educacionais no Brasil e no exterior, com o objetivo de mobilizar os segmentos excluídos da sociedade para a transformação de sua realidade. Além de atuar em comunidades de baixa renda, a organização desenvolve projetos voltados para públicos específicos, como portadores de necessidades especiais (deficiência visual, distúrbios psiquiátricos, etc), jovens em situação de rua, populações carcerárias, aldeias indígenas, entre outros. A instituição acredita que o domínio das novas tecnologias não apenas abre oportunidades de trabalho e de geração de renda, mas possibilita o acesso a fontes de informação e a espaços de sociabilidade, que propiciam a busca coletiva de soluções para os problemas enfrentados pelas comunidades. O fundamental é promover a apropriação social da

20 20 tecnologia por diversos tipos de públicos, estimulando o pensamento crítico e favorecendo a participação de todos segmentos da sociedade no desenvolvimento político, social e econômico de nosso país. Aplicando, em sua metodologia, conceitos e valores fortemente fundamentados na pedagogia de Paulo Freire - de educação para a conscientização e a transformação social - o CDI trabalha em parceria com entidades comunitárias, provendo os equipamentos, softwares e a implementação do modelo educacional, por meio do treinamento e acompanhamento contínuo de coordenadores e educadores. Cada escola é uma unidade autônoma, baseada em um modelo de autogerenciamento e autosustentação, por meio da cobrança de uma mensalidade simbólica, e, ainda de trabalhos voluntários. A matriz possui um papel vital na manutenção da Rede CDI, onde além de formar e acompanhar os CDI s regionais capta recursos, atualiza constantemente o modelo educacional, valida e estimula a troca das melhores práticas. No Brasil, o CDI está representado em 30 cidades, de 19 estados brasileiros. Internacionalmente, já são 11 Comitês Regionais, em oito países. Há um total de 965 Escolas de Informática e Cidadania (EICs), contando com educadores, computadores instalados e voluntários A segunda ONG é conhecida como Grupo Cultural Afro Reggae, GCAR, surgiu em janeiro de 1993, inicialmente em torno do jornal Afro Reggae Notícias - um veículo de informação que visava à valorização e à divulgação da cultura negra, voltado, sobretudo, para jovens apreciadores de ritmos como reggae, soul, hip-hop, etc. O plano inicial era ter um tipo de intervenção mais direta junto à população afrobrasileira, e para isto, inauguraram, em 1993, na favela de Vigário Geral, o primeiro Núcleo Comunitário de Cultura, iniciando assim o desenvolvimento de alguns projetos sociais. Em pouco tempo, esse núcleo se consolidou a partir das primeiras oficinas - que foram dança,

21 21 percussão, reciclagem de lixo, futebol e capoeira - e preparou o terreno para novas empreitadas. Atualmente, o GCAR desenvolve diversos programas e projetos em quatro diferentes comunidades. Em Vigário Geral, o Programa Social envolve, além de diversas oficinas - música, capoeira, teatro, hip hop e dança -, o Criança Legal, que é um programa de apoio às crianças que estão em idade pré-escolar, no qual, durante dois anos elas participam de atividades de socialização e alfabetização, com a garantia de matrícula em escolas da rede pública municipal. Os pais também freqüentam reuniões semanais, nas quais são discutidos temas como: violência doméstica e cuidados com higiene pessoal. Além disto, eles recebem cestas básicas de alimentação, o que tem gerado uma melhora geral nas condições de vida de cada família que integra o programa. Apesar de toda a diversidade de atividades, a música tem sido, em Vigário Geral, o melhor instrumento para atrair os jovens para participarem do GCAR. O sucesso obtido com a Banda Afro Reggae, tanto artístico, quanto modelo de projeto social, fez com que outros jovens quisessem percorrer o mesmo caminho e, hoje, existem em Vigário mais três grupos musicais, que estão em fase de amadurecimento, mas que já fazem apresentações públicas: Banda Makala Música e Dança, Afro Lata e Afro Samba. Além de outros subgrupos: Afro Mangue, Tribo Negra, Akoni e Kitôto. A missão institucional que pauta o GCAR, até hoje, é oferecer uma formação cultural e artística para jovens moradores de favelas, de modo que eles tivessem meios de construir suas cidadanias e, com isto, pudessem escapar do caminho do narcotráfico e do subemprego, transformando-se também em multiplicadores para outros jovens. A terceira ONG é o RIOVOLUNTÁRIO, que desde a sua fundação em 1997, busca mobilizar e engajar os cidadãos em ações voluntárias organizadas, sérias e comprometidas, aproximando voluntários e

22 22 instituições em torno de interesses comuns, e transformando necessidades sociais em oportunidades de participação solidária. Sua atuação baseia- se em dois eixos principais: na coordenação do voluntariado e no programa brasileirinho, que envolve projetos na área de educação, saúde, esporte, artes, qualificação profissional e outros. O Programa Brasileirinho tem como objetivo qualificar o atendimento de crianças, de zero a quatro anos, matriculadas em creches comunitárias, localizadas em comunidades de baixa renda, no município do Rio de Janeiro, desenvolvendo, com as creches selecionadas as seguintes ações básicas, num período de cinco anos: - Reforma do espaço físico;- Aquisição de equipamentos; - Capacitação das educadoras / acompanhamento pedagógico ;- Capacitação dos gestores e assessoria ;- Atividades sócio-educativas com as famílias das crianças. Este projeto também busca mobilizar uma rede de proteção social às crianças, através de parcerias com a comunidade, órgãos e empresas públicas e privadas, organizações da sociedade civil, nacionais e internacionais, e voluntários. Nesta configuração, a Prefeitura responsabiliza- se pelos salários e alimentação; as organizações e instituições financiam reformas do espaço físico, aquisição de equipamentos, doação de bens materiais e ações junto aos educadores, gestores e famílias das crianças. Os voluntários, por sua vez, desenvolvem trabalhos, de acordo com suas especialidades/habilidades, alinhados à proposta pedagógica do Brasileirinho.

23 Seleção dos sujeitos Por acessibilidade foram selecionadas 30 pessoas, sendo em média 10 profissionais de cada uma das três ONGs. Este número foi considerado suficiente para a coleta de dados. A busca de dados foi realizada com cada Diretor (três) e com os três profissionais responsáveis pelas coordenações de projetos e contratações de duas das ONG s pesquisadas. No Afro-reggae como era o próprio Diretor quem fazia as contratações, apenas ele foi entrevistado. Os demais sujeitos da pesquisa, 24 pessoas, foram profissionais de nível técnico, com formações acadêmicas diversificadas, que atuam em diferentes funções nos projetos sociais, sendo 8 voluntários, conforme mostra o quadro a seguir: ONG CDI AFRO- REGGAE RIOVOLUNTARIO Profissionais (1995) (1993) (1997) Diretores Coordenadores ou Responsáveis por contratações Profissionais técnicos Contratados Profissionais técnicos Voluntários Total Quadro 1: Demonstrativo dos Sujeitos da pesquisa A indicação da pesquisadora aos Diretores da três ONG s foi fundamental para facilitar todo o processo da pesquisa de campo e para que eles concordassem em disponibilizar os profissionais em grupo em um mesmo horário para realização do workshop.

24 Coleta de Dados O trabalho de campo foi realizado no período de janeiro e fevereiro de 2006, por meio de duas técnicas: entrevistas e técnica de construção com fotografias. As entrevistas foram semi-estruturadas, conforme pauta no apêndice A, e feitas com os diretores e coordenadores responsáveis pela contratação dos profissionais, para os respectivos projetos, que cada ONG desenvolve. As entrevistas tiveram uma duração de aproximadamente duas horas e permitiram uma maior interação com o sujeito, para obtenção de informações acerca do que eles pensam, sabem, crêem, sentem, desejam, enfim, sobre seu mundo interno. No rapport das entrevistas foi explicado para cada gestor o objetivo e os procedimentos do workshop que seria realizado com os demais sujeitos da pesquisa. Nesse momento, eles apresentaram a pesquisadora às pessoas responsáveis pela convocação desses profissionais para a participação no workshop (Apêndice A). As entrevistas foram gravadas com a autorização prévia do entrevistado, e utilizadas como recurso de análise (Apêndice B).Tendo em vista a característica metodológica da pesquisa, optei pela análise interparticipante (VERGARA, 2005 p.88), mostrando transcrições das partes mais relevantes para minha análise, das entrevistas e dos trabalhos gerados pelos grupos (conforme figura), e mesclando com meus comentários inspirados pelo olhar hermenêutico de todo o processo.

25 25 Diagrama 1:Análise Interparticipante REFERENCIAL TEÓRICO Observações da pesquisadora Fala dos entrevistados Olhar Hermenêutico Depoimentos participantes dos workshops Painéis das Fotos

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas.

Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas. Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas. O ideário ético é um conjunto essencial de valores que deve ser conscientizado por todos na Organização para que se consiga implantar

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2010 FUNK CONSCIENTIZA VAI 1 - música Proponente Nome RG: CPF: Endereço Fone: E-mail: DADOS

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário Organizando Voluntariado na Escola Aula 1 Ser Voluntário Objetivos 1 Entender o que é ser voluntário. 2 Conhecer os benefícios de ajudar. 3 Perceber as oportunidades proporcionadas pelo voluntariado. 4

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

Nossos Valores Quem Somos? Nossa Missão Nossa Visão Nossa Atuação Nossos Resultados Modelos de Ecovilas e Projetos Sustentáveis.

Nossos Valores Quem Somos? Nossa Missão Nossa Visão Nossa Atuação Nossos Resultados Modelos de Ecovilas e Projetos Sustentáveis. Nossos Valores Quem Somos? Nossa Missão Nossa Visão Nossa Atuação Nossos Resultados Modelos de Ecovilas e Projetos Sustentáveis Localização Missão, Valores e Visão Os 5 Pilares Objetivos e estratégias

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas e as representações subjetivas sobre os conceitos estudados.

Leia mais

cidade escola cidadão O projeto trabalha no núcleo destas três esferas promovendo trocas entre elas

cidade escola cidadão O projeto trabalha no núcleo destas três esferas promovendo trocas entre elas cidade escola cidadão O projeto trabalha no núcleo destas três esferas promovendo trocas entre elas escola teoria prática cidadania hierarquia inclusão exclusão social cooperação competição Observamos

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

esta escola é o bicho!

esta escola é o bicho! esta escola é o bicho! PROJETO ESTA ESCOLA É O BICHO! Porto Alegre, Março de 2015. Marina Favarini Tathiana Jaeger apresentação Com este escrito, Gerência de Programas Educacionais da Secretaria Especial

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 15 2. COMUNICAÇÃO E DIÁLOGO ENTRE PAIS E FILHOS 23 2.1 O problema da comunicação entre pais

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social O Projeto Social Luminando O LUMINANDO O Luminando surgiu como uma ferramenta de combate à exclusão social de crianças e adolescentes de comunidades

Leia mais

Por que ouvir a sua voz é tão importante?

Por que ouvir a sua voz é tão importante? RESULTADOS Por que ouvir a sua voz é tão importante? Visão Tokio Marine Ser escolhida pelos Corretores e Assessorias como a melhor Seguradora pela transparência, simplicidade e excelência em oferecer soluções,

Leia mais

Hiperconexão. Micro-Revoluções. Não-dualismo

Hiperconexão. Micro-Revoluções. Não-dualismo ESTUDO SONHO BRASILEIRO APRESENTA 3 DRIVERS DE COMO JOVENS ESTÃO PENSANDO E AGINDO DE FORMA DIFERENTE E EMERGENTE: A HIPERCONEXÃO, O NÃO-DUALISMO E AS MICRO-REVOLUÇÕES. -- Hiperconexão 85% dos jovens brasileiros

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS IV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL RIAL Cláudio Boechat Fundação Dom Cabral 12 DE DEZEMBRO, 2006 F U N D A Ç Ã O

Leia mais

Marketing não Sobrevive sem Endomarketing

Marketing não Sobrevive sem Endomarketing Marketing não Sobrevive sem Endomarketing Um ótimo serviço pode se tornar ruim se os funcionários não confiam em si mesmos. Uma endoentrevista sobre endomarketing. Troquemos de lugar! O título é, sem dúvida,

Leia mais

?- Período em que participavam das aulas.

?- Período em que participavam das aulas. Iniciativa Apoio como foi a campanha HISTÓRIAS EX ALUNOS 1997 2013 as perguntas eram relacionadas ao:?- Período em que participavam das aulas. - Impacto que o esporte teve na vida deles. - Que têm feito

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

O trabalho voluntário é uma atitude, e esta, numa visão transdisciplinar é:

O trabalho voluntário é uma atitude, e esta, numa visão transdisciplinar é: O trabalho voluntário é uma atitude, e esta, numa visão transdisciplinar é: a capacidade individual ou social para manter uma orientação constante, imutável, qualquer que seja a complexidade de uma situação

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

(UNIDADE CEBRAC BOTUCATU)

(UNIDADE CEBRAC BOTUCATU) CAMPANHA MAIS CIDADÃO (UNIDADE CEBRAC BOTUCATU) APRESENTAÇÃO Nossa Missão: Desenvolver o potencial das pessoas e formar o cidadão profissional para atuar com brilhantismo no mercado de trabalho Estar sintonizados

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 71 A Gestão Social no Brasil 13 de Fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM Falar em mobilização e participação de jovens na escola de ensino médio implica em discutir algumas questões iniciais, como o papel e a função da escola

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

Agradeço aos conselheiros que representam todos os Associados do Estado, o que faço na pessoa do Conselheiro Decano, João Álfaro Soto.

Agradeço aos conselheiros que representam todos os Associados do Estado, o que faço na pessoa do Conselheiro Decano, João Álfaro Soto. Agradecimentos: Cumpre-me inicialmente agradecer a toda Diretoria Executiva, especialmente ao Teruo, por confiarem no meu trabalho e me darem toda a autonomia necessária para fazer o melhor que fui capaz

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Recursos Humanos Coordenação de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Introdução No dia 04 de Agosto de 2011, durante a reunião de Planejamento, todos os

Leia mais