da AIfanuega de Lisboo, e os do porto de Belém ; sobre serem conservadoi os segundos na guarda dos Navios, em quan to es tes não sub irem de

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "da AIfanuega de Lisboo, e os do porto de Belém ; sobre serem conservadoi os segundos na guarda dos Navios, em quan to es tes não sub irem de"

Transcrição

1 S ItND()wl\1E presente as ccntecversias, que tem havido entre os Guardas da AIfanuega de Lisboo, e os do porto de Belém ; sobre serem conservadoi os segundos na guarda dos Navios, em quan to es tes não sub irem de luarcofl para cima 1 ou eanveeem de Ma rc08 abaixo ; Sou Servido a rdonar, qua os Na vios, a que se ccuccderem Iranquiae, fi quem assistidos, e vigiados pelos G ueedae, que lhe forem destinados 110 perto de Belém ; conservando-se estes, em quanto 08 mesmos Navios não subire m de.mar COM pa ra cima; abolindo o ocntrario costume de se proverem es tes Navioe com Guard as de L isboa, como cppoeto á dispoeiçãc da verdadeira intelligeacia do Capitule scrimo ÚJfine do Foral da Alfandega : E m tudo o mais Mando se ob..ceve porém o costume peeeen tememc praticad o na mesma A lfarulega, a respclto de huns, e outros Guardas, para que c ésae o ec n tiouado conâ ictc das duas R epartiçisi.'l. O Des embargador C onselheiro da Fazenda, e Administrador da Alfandega, o ten ha aeeím ente ndido: e façn executa r, PaJ;lcio de N OM" Senhora da Ajuda aoii 3 de JHarço de = Com a Rubrica de Sua 1l1agestade. Imprulo '''IUI,O. -_.-...-~ D 01\1 Jost~ por Grll l(8 de Ocos Rei de Portugal, e dos Al garves, d 'aqllem c d 'além M ar, em Africa Senhor de G uiné, e da Con'l uisl.a, Navegeção, Commerc io da Ethiopia, Arabia, Pereia, e da Indie, &.c. Fa('!' saber a lodos 0 $ que eata Carla virem, que havendo Eu considerado que da boa. e regular instrucção da Mocidade he sem pre 1;10 dependente o bem Espiritu al, e a felic idade 'Temporal dos Estados ; ))<lra a I~ro l'a g aç ão da ~~ê, e au g.m~ n to da l$reja C al ho!ica; epar~ o serviço do. l:iu~ran u loi, e utilidade pública doi Povos, que Vivem debaixo do seu Go. veruo r CO\110 nestes Reinos teetificérãc 0 8 Gloriosos, e fecundos progressos, com filie por effcilos dos Estudoa, e da Com panbla, que o memoreve! 10 fun te Dom Henrlque eerabelccco, e fundou na Villa dc Sagres, e nn Crdnde de Lagos, para a Astronomia, G eografia, Nevegecac, e Comlll" rciu man rimo, se formárl0 08 muitos S abias, e famozo s Varões, que, rlcjloi8 de haverem dilatado com OS I C US illustres feitos os Dominios desta CoroA Da Africa Occídcntal, na acbcu o Reinado do Senhor Rei Dom Manoel Mo greduadoe, c tão experimentados ; n ão só naquellae utilissimaa dis ciplinas ; mas ta mbém na mais l>ii, e maie sólida Politica C brislà, com que em poucos annos I>or fil ares até então desconhecidos descubrírào, e Ccn (Juistárào duas tão grandes pceções da Azia, e da A merica : H avendo tambcm consid erado que a Religi ão, o Z elo, e a Providencia do m CMIIlQ Senhor Rei Dom Manoel, seguidas pelo Senhor Hei Dom J oão III., eonhecendc so bre aq uehas decisivas exper iencial, que- 0.<1 referidos Es tudoa ee fariào ma is Ierteis quando fossem cultivados em Collcgice, nos quaes a r~l'ul l lrid a de das horas, e a virtuosa emulação dos Estudantes eoncorressem para e lles se aji..1dtare~ nal.!luas proü.teàeli com JUaiorbrtlvjda-

2 de, rurito convocando com a sua Régia munificeneia muitos S.b:os da Universidade de P'lriz, c de outras Ui. E urope, famosos pelas ~ u as erudiçõee ; e (of,10 prcmovendo, e erigindetãc reccmmendaveis estabcl.cimeutos des te gl;licro, como forão os d ou>! Co llc~ io8 1 de SãQ ftj'!jm:l, e d, ludos (JS Santos, 'lue no arme de mil qui nhentos quarenta e sete se funjárllo na. Cida.lc de Coimbra peru F idalgo;; I e N c bree ; o ootrc 8u mr ~ tucso Coltegic d as Escolas menores da s Lteguee, e das Arte!>, que o mesmo Rei Dom Jonc o JII. fundou naquella Ci dade com Professores t àc disti ncr os, como os l'rinet paes André de Gonvr-a j (JS dous Inn àoe.[\oj ar (ial, c Autonic de Sousa, E dm undo Rcsset, Vicente Fa bri cio, Anton io ( ~ f1b do 1 Pedro l\i argnlho I A) res H..rboeu, Andr é de Resende, P e dro N uuvs, Diogo de 'I'eive, e outros, que com a Instrucção da moeidade Pvrtugucza derúo hu m t50 gra ndt1 cred ito á ~li liào, e tão g ran de lustre.i. Nonrcaa, como foi munitesto pelas heroicaa eccões, e peles pu. Iidos Escrucs, (jlle nnquelle s éculo der àc :í!tiz do M undo ta utoe Capit áes, c tantos Escritores das Familias mais N obres, c mais recommen (j.iv tlis ;.Lo; porque tend o ouvido mu itos )lin islros do l\1t:u Consel ho, _e D esembeego de gra ndes Lerras, expericn cias, c zelo do serviço de D eos, e l\-it!u ( com cujo parecer.me confor mei ) por humn parte sobre a causa COIU que de pois J aq uel/c9 tempos se fo rão redu zindo os sobreditcs E~ t udcs, e Coltegics á grande decadencia, em que cada di.. se precipit á Tão com maia accelemç ão, até chegarclii é ultima rui na, cm (Jue os ac hei ao tempc, cm (Iue s ucccdi na Coroa des tes R einos ; c pd a outru I,artc sobre o rem édio mais pron.pto, c efflcuz, com " ue poderia reljarar hum tào de l" oravd est rago ; se assentou uuiformementu '[u e a causa com quo os t'olll'g ios de instrucçâo da mocidad e não foráo desde e ntão a le agora 1ào fe c undos e lil s ugoitos doutos, e bem mcrigerados, como o ficarao sendo, e S,IO present emente os outros Ccllcgics J e 'I'beclogio, e os d ~ D ireito Civ i!, ti Canonico, que illustrâo a Universidade de Oohubra ç se manifesta va por hum" sed e de factos eucccseivcs, ljue ecnsistic em que 0 1> scguu dos dos referidos Collcgios se ficri r âo govomnndc pelos seus ecspectivos Estatutos deba ixo da.m inha immediata I'rotccçãc, e da d irccçâo do Heitor J a mesma Universidade j quando os primeiros delles forno e ntregues no annc du mil quinhen tos cíncoenra e cinco com obeepucía, e sub rcpricia cxpulsôo do insigne Priucipal Diogo IJC T eivc aos R egu la_ res da t.:ulllp<mh ia cha mada de J esus, os ljuaes il'j;o ncharàc os meios, e modos de cpprimirem com o dito P rincipal todas as outras Pessoas, quo CO/ll cllc rcgiúo uccltegio, de desacrcdita rcrn os anti gos Profcsscree ; e de vexarem o gra nde n úmero de Pcecionis tas das prnuviras Fuunhus da Corte, c lia p ri n e il ~ 1 1 Nobreza do R eino, que entã., se cducavão naqueüa Cid ade; de sorte que l ln u só obrig:irão a lodos os sobrcditcs a que sueecssivamentc fossem dcscrtcndo, e viesse m a desamparar de todo uquel Ic Collcgio ( de (lu C hoje apenas existe a memoria ) até que sendo cm fim t r a n ~ fl r i Jo para u terrenu, cm (Iue presentemente se acha, fui iuimed iatamente uocupado, e abscrbidas as suas acccmmodações pe jos M I breditoa Reg: ular es, c IlOr d lcs converlido e m C asa di: Noviços ; llj a ~ t alll oem se lierviil0 aos tnt'smul> mi" 's lill li dos outros reprov ados lnt'ios de l'ei"llhharchl o Corpo A cauclilicu dos Estu doll m<liores cum alfec Ladas (lut"s lth' S,lu j urisdicçiiu, e do f;jzemja ; de Ilrohtbir llll ao He ilor da ljui l'c rsid ad c fple vi~ i ta sse o refer ido CoJlcg: io l'ar,1 mi o conbeecr as lj SUrp,l(;ot'S, as desordens, e os erros de mc thouo, que Ilellc t illjlào inlrodu ~ ill o ; e de perlemlerem uelilllclllbrar rendas da di la Ullin~r s id a d e ljara cllgruliliarcol as lliuaa ao wesmu lellll)q CUl que ::;c lwhãu ujicrecido a

3 " ensinu dcguça j de 1i\1 sorte que já nos Re inados d Oi Senhores Heis Dom Seba~iào, e Dom H enríque, nio 8Ó c hegarão a cau nguir UI.: l"doll llllcllo Collt-gio, 1n,1I passárâo com os sobrcditus abusos a por eau c'!ii ~ INnaç lio ' a Universidade de Coimbra : E por quanto o eommum scnt unc ntc JO!i refendes l\jinislrus, com fj ue Me conformei, foi que o meio de rejo taurer de Ilflt:lll, e l:io dep!of'aveis r u ir.u hum Estabelecilllt'ntu t ãc uu!, e tão indispt'ns:avel, n:io l.oo i;l ler ou tro ~u c n50 fosse o de cscitae 0lII EstÓltul(4 I c 3 fórma do g o \'~ rno do sobreditc Colle!io de Esco/u ruenorei de L ingual, c de Ar( e~l e de 08 fazer obsers ar come :11'(1'11 se pra.. (ica"~o em ludo o que fosse a ppl i~vt! 1 ao tempo presente : Havendo r... peito ao referido I e desejando quanto cm, l iro he restituir 3 M J\t I,'U S ColHI, e amudos \' 01$ as irrer.uave ia perdas, que ror ma is de dou! Scculos tiver. o na (alt~ daquelles utcis, II! (rud uos~ Eetudce, que a nle. ba"il e âoreeidc com tanto credito da Naçllo, e com tanto a ug mento d.'\ Igreja, 6 ut ilidade púb lica do Heino : H ei por bem rest a belecer na M lilb,'\ Coete, c C ida de de Lisboa bum C(ll! t'giu ('U III o l i\olo de Collel/;Q Htfll dos I'ilJbru, para nclle 6C educarem cem l'cr cionistas : O qunl qul'ro'l u8 IiC con ee. evu Iit'mprc no I\lt u inteiro Dominic, e na.min hn pri\'ath:l f C illl" Incdi<lt'l Prvtecçào, para..ieljc, ou dd la não poder ma is sahir de baixu de qu.alqut'f ('lor l pret extu, ou motive r or ma i, apparen te, ou t' sl'~ci () Il IHIUtf k 'Ja, dadd~lhtl logu para o "eu governo 011 Esllllulus seguintt:., I. Da, obri,arlht dos Cotlt!J;acs em ordem 6 &1;g;&o. I Por q ua nt o o principio de toda a sabedoria he o...mor de 0 "01, e II. oh.ervancia d... ' ''UII: prece itcs, e da sua Jgrej a, nác ba.ta nju qu e no CoJwgio âc rcç êc as Ikllas L e tra» se COIU ell:as se não aprenderc m, e c... l ~ t i' ai'cfn 01 boes COSh llm 'S, Ordeno que os sobreditos Collt'gi.u:1 CUIII o \ ' ice-keit...r aliliislào c m todos 0fI dias ao Santo Sacrificio..Id, M iua, ou boro qoe para js'o lhe eeráo determinadas, t Nos Dcm ingcs, e dia! Sanlos ee lhes en li i nar~ a D outrina Ch ril~ 1&0, uun bem nal horas q ue pulo Reitor do Coll~gio lhe (orem atil>i Sna- tias j e depois as Obri g 3ÇÔC8 da vida civil. I Nos S.'\bbados de tarde irão com o mesmo v íce-reítce, e Ca pel Ue. recitar devota mente a Lad. inha de Non a Senhora. CQm a An(iloll" da Ccneei.. ãc, e a (Jrnqâo Pro R t!jt, -1 Em cada a nno antes de começaccm 01 Estudes, 1('r;'(0 trel dlaa di) eaercicioe Espirituae8, e no fi m rlellc.. se ccnfeseoeâ o, e c Olll mun g ar~o f os que tivere m idad e, l'\o principio de cada hum dos outros mt:ztlt! (n." q uentar âo os mc'9 RJos de us SantO$ Sacramentos. b No Ilia de NUSlla Senhora da Ccnee içêc Padroeira do R eino, e debaixo de c uj a Sanlilllima Protecç ão instituo o m esido Collcgio I ae cu- Id,t1mi. au nualrnente na Jgrt'ja dclle huma Yellta com Mi96a c:lo tada. e Sermão, H. qual ass isl irão tuues os.m lnis troe, P~ ufe(fliort:ls I e Collcgiaell C<J ID c:l6mplar devoção. I T IT UL O Do Rcilor. H averá hum R eitor que tenha a leu cargo o governo do CoI legio; sendo PI:s5Qa de Lcuas, e VirtudtlB, em quem conc<a'ra. 1,.'\Olbem a cir- 11.

4 1761 CUD SrfC ~ 5.o neeessaria, para se rerestlr de- huma authoridade 13.1, que lhe concilie I c conserve o respeito de tan tos Colleglacs d'slloctos pd o ' cu nascimen to,!! O m es mo Reitor r esidirá sempre no Collegio. E não poderá perncitnr fura delle, sem negocio grave, e urgente 1 dando prim eiro parlo ao Director Geral dos EetUd08, se for obrigado a separar-se da sua residencia (lor roa is de hum dia. 3 D eve c uidar mu ito..eria rnenle napaz, liocego, boa. ordem dos Porc ioni..laa, c direcção de todo o Collegic ; fazendo obllcrnr e xac tame nte 08 E~ la lu los, assim relo q ue loca á Heligi ão, c bons cost umes t como pelo que perlcllce aos Estudos, e ás Arlea... V i ~ll ar â as Aulm;: com frequencí a, e sem determinada. horas, vendo atõ lições dellae ; para assim animar os Applicad os louvundo-cs publica. mente, e ndraoestando 08 Negligentes para se emendarem. h Fará cm lig.r os e xces sos <lue 08 CoJJegines cumme t terem centra os Ú1latulotl, ou contra o locego do Ccllegio. até 3. pe n... de re: d u ~ à o pelo t em po q ue lhe pa r~ce r j usto. Quando poré m a c ulpa requerer de e&digo ru..llf rorte, in rurmará tld la o D irector Geral, par" este ou dar ali provi- i.knciall qu e lhes parecerem juliw cabendo no seu capediente, ou 1\Ie ie {",rm" r sendo CiUMl que necessite de maior providenc ia. 6 Nenhum ColJc~ia l poderá sahir rôfa sem lieencc do R ei tce, ou do Y icc-il e h or na eua falta. T odos os q ue forem para fér ias, levardo heenlja J u Heitor por escrnc, e seltada com o 8ello do Collcgio E o Culle I)ia l qu e sahir. ou p.ua as mesmas féria., ou por a lguns UI&8 CUIIl urgen 1.e negocio, qu e assim o req ueira ; será obrigado a deixar cutrc Bilhete lias m;los do Heitor, q ue pua esses casos QlI lerá prevenido. nas mãoll dos Ilais l dali Tutores I ou I ~ git i m o s Administradores dos Collegitl.es, que houverem dc aabir, para que deste modo vão sem approuliâo de t~ doi U~ sobredi toa, 7 NlIo poderá o mesmo Reitor aceitar Collegiaes posto que a ellc se deve m dirigir as Pcuçôee dos qu e houve rem do en trar I as qu aea deve expôr ao Director Geral para 1\le serem Cons ultadas, c E u resol ver aobru ~ II.,. o que parecer j ust.o. A &>im nas Pet ições, como nas Consultas, quc se l\1 e fi zerem I se devem declarar (III Pa i., 1'alrias, idad ee, e C06"' tume. do. Pertendentes. 6 H avcr:i sempre bum Iirro de R egisto rubricado, e e nce rrado pelo mesmo Rei tor, no qual se cecreeerâc o dia, mua, e an nc da e ntrada, e s ahidc dos Colfegiaes, com as mesmas de cla raç~s doe Pais I P rias, Idadeli, Prc fieeões I e A ctos que bzerem e m qu anto re ~ ij i rào DO Collegio. fi :'\ào poc.ierâ o m eeme Reitor fazer sem especial. orde m M iuha algllm not o Estalulo, ou Regulação. ou R efcrma, nem tambt-m intcrpre 1;lr o~ f'..statutos por M im estabelecidoe. l\loitran J o poré m e expceiencía ( l lj ~ netles {.:allão algumae cousas neccssanas, ou se fjzeln du vidoeae ou Ir UI que já sejão expressas ; deve informar o D ireclor G eral pilr3 que estu Ma.. cunsuhe ; e Eu determine o que Me parecer ccnvemen te. ro No fim de cad a e nnc Jiterario I depeis de haver conferido com o P erfeilu doiíl Estu dos I c com 01 respecti vos Prcfeeeores, dará huma ccu l a 30 Director Gernl de todoa, e cada hum do! Collcgiaes : Refe eindc secrdilillillla men te os EnudOll I os Prog ressos, e as Com posições, que cada. hum. dellce huuvcr. ou não ho\l ver ftlilo, para. ludo eubr r á ;\tinh3. Hc;1l Prele n ~ 3.,..d~ Secre ta ria de Es tado dos Negocias do H ei nc etn cuniulta igu:tllllt'nt c r~en ada, que o mesmo D iree tor G eraj :lie deve fazer annualmcnle sobre este meteria,

5 , Do Fice-Reitor, r o v lce-r eitoe, que será lambem Pessoa séria, e de exemplar gra.. vidude I l xcilará cm tudo I e por t udo o governo do Co Jlcgio, na falta ausencia ~ ou impedimento do Reitor, e 1l :~O de outra sone : Obscn all~ do (ln quanto servir ludo o que IIU Ti tulo II. deixo de renniuudo. '. t Ao seu officio pertencerá vigiar cuidadosnmente sobre OS IJaS80Sdos Ccllegiaes : T endo cuidado de 01> visitar repelidas vezes incsperadamente p "U lt os ter sempre cu idadosos 1 c applicados; c observando se eet udão, c est ão em socrgo nas!lufou. compete ntes.. S Assistirá com os CoJlegiaes a.missa ; a todos os E xercicios R<;Ipiri.. auaes, é 1\1eaa, aos Dí-eeumentos ordinarios, e ás Recr eações E:llraor.. dinarias para assim aca utela r todo o disturbio que se pcdesse temer de cceccrsc de tanta mocidade. rn. IV. Do Pre/ nto dos Estudo!. t H averá hum P rcfeilo dos Esfudos, no qu al devem concorrer além d oe exempla res cce tumee, l]ue silo Indispcnsavers, as l]lllllidades de ser b, ln ill!>lru jdo nas Bel/ali L etrae, e de escrever com p urt'lc3, e com elegunci... em Lat im. '..l No primeiro dia do An no Literario, recitnr é pubtieamente humn Oraçi.) Latina, da qual Mp dará parte li Di rector G...c;i/, para E u poder honrar aqoelfe A cl o com a Minha Heal Presença quando.!\'ie parect'r. ii Será II mesmo Prefe ito ohrig'ado a exa un nar, l!' rever com os respec üvoe Professores as ccn.pceiçêes, qu e os Collt'giaes hou verem feito no t empodas ferias, para de todo se não es qu"cetf'u1 doa Eetudce ; como tnmbem Iodas as qu e efles hou verem de re citar nos oxereícics, que hão tia ter pelo decurso do An no, como vão ad iante declarados. '" 'I'nmbem aslsi<ilirú a lodos os exercicios, e Actas Literueios, que 05 re feridos Professores são obr igados a fazer nas suas respectivas Aulas 1 cm observeuciu da L ei, c Instrucções 1 que Lenho estabele ci do para a R eforma Gêral dos E studos. o Ue tudo o q ue observar nos re feridos Adas, excreícice, composiçõos, c visitas, IJue nas Aulas. e fóra dcllas fizer, fará huma exacta, c individual lembranç a q ue eommunicará ao Hei tor Das occosiõee, q ue. elle UIC ped ir infõr maç ão para a conta que 110 fim do enno deve dar ao Director Geral : Fazen do hum Extracto da mesma lembrança com individuação dos progressos qu e houverem feito os Ccllegioes que mais se dist inguir elll, o q ual Extracto lerá no uhimu dia do Anue Literatio cm presença de Lodo o Ocüogio, para in centivo dos Collt'giaclI apphcadca l e estimule dos que houverem feito menor upplicaçâo, V. Dos Y iu. Pu/citos. 1 Gomo não he po seivel que o Reitor, e.vict". n ehor. p ossã~ ao mes- mo tempo vieiar em toda a parle do Cc üegio, Ilu,ut:ara u Heitor delle e Ffffi

6 "" 1761 pela SOa authoeidade alguns Vice-Prefcilos de entre os Ccllegiaes : Escolhendo semp re os d e ma is anncs, melhor prccedimentc, e mais estudiosos : Removendo-os ao se u arbltnc qua ndo lhe parecer justo r 1: subsütuiudc na mesma Iórma "li tro no eeu lugar.!l Nns Satlas grandes haverá deus Yicc-Prefe itcs pelo menos ; e hum em cada bcmo das pequen as. 'Todos vigi ar3.0 cuidadosamente os se us Ccmpouheircs r Fueendo-oa c umprir com as suas obrigaliõca: Comp..lindo-os a q ue t's lo:iio sccegadce nos seus rcsfll'cliv08 lugares : E n ão os deixamlo sahir delícesem saberem para onde, e o verdadeiro fim a que vão d irigidos. 3 N ão só darão conta do que tiverem observcdo ao Reitor. Yíce-Rcit or, e Prefe ito, todas as s eaes fj ue por cites fur ped ida ; luas aob revindo algu m caso qu e necessite de providencia, i rão IOKO im meüiatamente d a r- parte ao!l ei tor sobpena d e serem por elle Clltól igatl()ll pdas ommisllôl"i que liv t'rcm DOS ditos rcspeitoll, e de rcspcndervm pe las descnlens resultantes dos fa ct os, 'lue encobrirem. Od referidoa Vice-Prefeitoe te rão sempre o primeiro lugar na~ Iun ÇÕCll pu blica s, preced endo ncllee os seus S ubalkrol.;!i: E serac preferidos JI"ra os l ug a r~s do Conselho que se hu de congrl' l.; <lr em todas as Senranas para o Governe eccnomico do ColJegio, na fór ma a ba i~u de claraua. TIT UL O VI. Da6 OJllt!Jiotl. 1 T odos os (',ollcg iaes que houverem de se r a tl rn iuidos, se de ve m pritpei ro qualificlt com Foro de M oço Fida lgo pelo menos, sem o qu al n ão poderão se r de nenhuma sor te recebidos : l'rcf\'lindo nos casos de Concurso os que houverem lido exercício do sobreditc Foro. 2 QuanJ o hou verem de entrar r equererão pc/r escrito 01 0 Re itor do Collegio; instr uindo o requerimento que fizerem, ce m ao t.iecjar al' i'io dos nomes de se us Pa is ; com o Alvará do li'cu Foro; ecom a certidão do se u B apt ismo. O mesmo Rei tor fará presentes 06 sobreditos Requerimentos ao D irl'clor Gerul p<l r<l este M os CQnsu/(tIr, e faze r executar depois pelo mesmo Rd w r o que por M im for resoluto ao dito respeito.. II 0 11 que houverem de ser edmittidos no dilo Collegio, saberão lêr t e e-crevcr ; não ten de menos de se le annos, nem mais de treze ; e de outtll sorte M e niío serão consu ltados (IS seus Hcqucrimentcs. 4 Nas occaeiões da entrada dos Coüegicee, virá o He itor com o Cor.. pn do Collegio rcccbelloa á porta da R ua com todas ai demonstrações de IIHcn'iào, que pl'rmitle a grav idade em se melhantes actos. " Ól C.,da. hum dos Cctlegiaee, que houver de see recebido, pllgará d e pens i'io 110 Cutlegio cenlo e vin te mil ré ia em cada hum nuno, vencendo- se estes ~em pre ad inntndos e m deus qcertele : ido he sessenta mil r éis JIt.. dia da e ntrada ; e outros sessenu no dia seg uinte <lu cm que se com-! 'lctarem os seis tneaea, e se melhante mente nos mil iii Anocs lieguinlcli : -uzeudo seus Pnie, Tu toree, ou Admin islradores humu e!feclh"a ecnsig llaç:\o cm tal Propriedade, Juro, ou T e nça, q ue scmpre se se gurem 11S r efer idos cento e vin te mil r é!s annuees, e pagus na sobrcdi ta fónna: ]';,ss<mdo-se as Ordens, pondo-se as verbas neccssari.o cm nome do Cul. Jl'gio onde pertencer, PM,"\ elle eobrur pelo se u pr oprio :'Il OIL l c ai sobre. dilas Con~i g: Il 11~S, as quõlt's Q uero flue fiq uem í st'ntllll de todos, t' T\Ultt''' ' quer cmwrgos sup er vcuíem ee, ou penhoras futuras t púf mais pr irilcg ia...

7 das que sejão, em quanto no mesmo CoJlegio residir o Collegial Relia :1. Iueen tado : e sem precederem a 8 refer idas diligencias, não poderá ser receb ido algum Collcgial, posto que aliás 88 ache habilitado para poder entrar. Semelhante mente não poderio ser conservados Iallin do 3 1:l cocei!"i.\;õcs, que»e houverem feito na sobredite fórma ; 1\ m-nos que no termo de quinze dias contínuos, succesai vce, e pcremptcrice não (d. ~ ào affectiva seus Pais, Tutcres, ou Adm inistradores outra igual consignação prcmpta, e livre do todo o embaraço. 6 A inda que os Collcgiaes poderão ir ter as fé rias a casa de 86U, Pais I ou Parentes na forma assima ordenada ; scmprecom tudo serão prec isamente cbr igadce a ent ra r par. o Collegio J1() ultimo dia tlo mez de Setembro para assistirem a a bertura dos Estudos. 7 Porque en tre o, mesmos Collegiaes se deve conservar a mail:l con... tanto, e perfeita ar monia I se reatarão todos com húma reciproca, e Iraterna! igualdade, sem que lhe scja pcrminidc arrogarem-se alguma distinç!o I on preemine ncia com o pretexto do maior nascimento ; e menos moverem peáucae, 0 11 disputas com semelhante motivo : Sal vo somente a cada hum dcllcs os tratamentos, que pelas Minhas Leis se achão estatabeíecldce ; os quaes nun ca se poderão a lterar para ma is, ou para menos de baixo de algum pretexto qualquer que elle seja pelas pessoas q ue no mesmo Collegio residi rem ; scbpe na de lhe ser es tranhado pela primeira vez j de ottc d ias do Carcere pela segunda; de Irremissível es puls ão 1~1a terceira. a A mesma igualdade se observará nos vestidos. Em casa usarão todos ( sem excepção ne m ainda do Reitor ) do vestido 'Tullar, a qu e se chama vulgarmente Granucha, Quando sa hirem fóra do Collegio poder âo os Pruuogenitce usar de casacas, e vestidos de Panno, ou quaesquer outros Estofos que nào sejsc de seda. Os que forem filhos segundos, ou teeeelrce, usartío de vestidos cha mados de Abbatina, T flllarcs, ou de capa cur ta conforme as occesiêes. E lodos usarão de liahito diatineto, pcedente, e un iforme, no qu al haverá de huma parte a I magem de Nos- tia S en hora da Conce ição, e da ootra a Inscr ipção do Collegic. li Attendendo porém a que o vestido de Grataucha não he accommodado Ilara os e xercidos de montar a cavallo, de jogar a espada, e dançar : l'ermit tc que 0 1 Ccllegíaee nas occaslõee, em qu e se exercitar e m naquellas Artl:'!, possão usar do ves tido competente ; com tanto que o lwguem imm cdiatam enle que se findarem as Lições, para vesti rem 8 9 l"efer ij<ls Grunachar. ' l u As co nversõlçopll (,lmi lia re8 serão sempre, ou na L ingua PortagUl:'Z3, ou na Francezn, Haliana,.ou Ingleza I como 0$ Cclleglees acharem qu e he mais confor me aos differentea ganias, e applicaçõee, que cada hum dcllcs fizer a estas L ínguas vivas. Não pcdeeãc porém nunca conversar cm Lotim, por ser o uso familiar deste Iingua morta mais pro )lria p..1.ra os ensinar a barbarisar, do que para lhea fa cilitar o conheci mente.111. mesma lingua. II Nenhum CoJJcg ial poderá e m quanto durarem as horas de Estudo sahir do lugar, qu e lhe for para elle assig nado. E os que ieterrcrnperem o socegn, e o sile ncio, que a e fasem tiro nc cesliarios nestas hor<ilj, serão cesrigudcs a arbilri o do Reitor do CoJlegio. I ~ Nelle serão os ditos Collegiaes alojados pelo mesmo Reitor e m a posentos accommododoa ás differcntes idades de cada hum dos Aposentadoe ; de moda que todos estejão com decencia I asseio, e cuidado. Em ordem a cujqif 1illI> se lb.es dasão FawiJiues, quo Q6 eirvâc de dia J o I'cs- Ffff[

8 1761 &Gal de CIJlI CiJo1lM, e eelc, que de noi te lhes luidão ('m cada hu llta Caluar.., aléb\ da. Vito-PreCeito. que pa,. " II.. furem ti... r~pecl ivall determ inado.. JJ No caso porém que haja alguma falta da parte doe eobeeditce Femili,l'", Dem ainda nesee ceec terjo 01 Collegiael al g uma aulborid.de para 0 1 r..prehender, e liiellql paf. 011 casl igar; mas acbando que 011 ref.., ill... FaflJ ilia,ea merecem reprllben l.to, ou eaat igo, c devem '.pt eufloo 1M' ao Heltcr, qu em e õmeme pen eeee a eerreeçâc do Colh gio. I t E m 1<'/lJu ai o<:cui& q ue 01 ColleJilt'1l se enconln" l" com o Rdtor. Vice-ReiLor, Preff'ilo, ou Profenol'f'l,...iro de n l ro no CoUC'gid, C~ D O ró'. deli., praticari a com ellf" aquella (lb.~quios a a Hf'IlI,:lO. que tif' 1I1 pce he louv avelmente obsr,uda peles Di. d pu/os a respeite doi leui l\1t stre.: Isto he 010 aó para ndo pari 0tI acolllpnba rl!ll, ma. acc mpauband u-oi com t'jtt'ho em q Ulnlo oe aj o dt'lpt'dirf'm. JS Pu a ' l vildtal, e con1' cnlçôe' COftl" Pt l ~al de róra, Ienho estabtoll"cido no Collt'gio huma Salla COOlmua, D' qual reeeberse 01 mesnlla c...u, g ilf'1 ai \'I ~itas I que ee Ibel JiU' re m nu ljorn opport ull' l prec edendo l'ar1\ iuo licen ça do Heitcr, ou do Vicl!!-Rci lor na l ua au_eoei a.!\., horllll ti as AultoS I ou de qualquer exercicic da Cc mmunidede do Coi.i:togio, n,10 putlerão porém receber vi. il. de J J I:ISoa algum. por maia gra.. dui,la que sej Anlt'. pelo conlrario I I: no tempo da visita I I' locar a Cjunlq ut'l dvii E xercicice do CoIlt' gio logo pedir ão licença á,i sita com qui'1ll est iverem rara a delxerem, e logo accdi râo prumptamcnlc a cueprir COIU a obr i g a ~ 3 0 que 01 chamar. J S No pr imt'iro dia. de Oulubro dcyt'l'o t odo. os C()lI rgian a char... lio lã/li esiu : Purque neste dia, n ão só ee abeirâo sempre 01 EatudOI pe Ja Oração l.a tina, q ue t enho determinado no Titu lo do Prefeitc ; Lambem (a rá o Reitor a Malric ula d"l Collegiaes ; di.tr iblli rá (li lug-uea de cada huula da.. Ca marall de lpolutldoria; e noul.t'ará 01 Vice-Pn feitol, fo'31111li arel, e Inail Au illentl"1 para ell'l. J7 A distribuição das hflra s de Ettudo te fad na ma neira eegel e te. 18 N'o Ineeenc, ou desde o peimeisc de O utubro a té á r u coa, se tocará flt' lal eets boras e (rei q uartol: A ' I se te edarllo udidol 01 Colleg iaes : Dai sete a té ál eete, e tree quartoa t'st utiar.'lo : Desde este tempo a té :I II oito e meia ouvirlo.min a I e almoçar I" : Ou oi to I!! Inl!'ia alé á. d..z e ml"ia terão Aula : Dali dez. ebll!!j. a té al enee e hu re tlu arlodnc. nlj aliio : Oahi até o mei", dia janlarão os Collt'giaee com o \ 'ice-heiklr, e Prefe ito, que. starão prc mptoe a eda hora ; fica ndo só livre ao Heitor, c l -ru(f'li'th' E'I janta rem qua ndo lhe. for ma is COllltDvdo : Do meie dia até hljllla hora lt'r So rf' creação: Depoi. dd l. alé á. dual horal Et tudo: o... d il as até á. q ua tro e meia Aula: D ilo, q uatro e mda alé.i, cidco e tnf'ia Il:creaçào: A 'I cinco e Oleia irilo ctim o Prtr..ito, oti Vi c...hei 10f' :í. lgrt' ja tomar a btlnç;'\'o a NOIsa Se!l bora: Da. leil até ás vilo e hum qullto E:studu : Ilt'Jlt' alé ás nol'c, Cea: Ou n o~ e a lé:ls n<l'e e meia, tem~ livre : E!as no ve c meia se dut'm recolher a dormir todo. QlI referida. Colleg la t'1 indilpcnlavelmeote. 19 ~u VerJo, ou desde. Pascoa ::até (I ultimo de Julho, e Ag08tole levan larão da Ca ma pe las cinco OOr,11 e trell qulrlol: D.. seis alé 3,. fp. e hu m quarlo cli tudarilo: D.hi. té ál oilo, Missa, e Almoço : O... oil" a té ás dt'%e mt:ia, Aula : Dai dt'k eult:ia atê ás onu, tempo Ji".e: D as ~ az. a te c. trel quart(ll para o mf'io dia. jantar : D~ lie até.i hum. IlOra e bum q uarto recrl!!açio ou (""ta : Da huma e hum q uarto até áa dc.lu Q Qltti. t Ealudo : Dalti alá u cinco, Aula: Dai 4àa.CQ alá âll am.

9 17&1 781 e nu'ia l'nrciciol de dançe, picli'ia, e.grim. &c. : A'I sete bor.. o rnei. biri o :i Jgrt"j a (ODI ar a beo1flo a Naua Senhor. : Ou cite até á. neve e h U1I1 quarto, Est udo. Oahi até ás dez I Ce.; Ou tlez até a. dez e meia, k-alpo livre : E ás deee mt"ia. te d8'lflll recolhf't in J ilõperu.nehn.en. t e a dormir. to No ultimo dia do Itlez d. J ulho ee (eeh. rllo ali Aul... da LiDgu. Gret ', Rheluricl t " ilosah. e " a da LillgU' L. lida E,ludoll dm QlJlI a :f; L.iDguas " iu s ee secbarao 110 ultimo d. Â ~O l> to : ParOl (tida. 10.brik-m no prifll E'iro de Outu bro, corno allim. ten bo,i..trrmi aado. 11 O ~ dia. fl'r iadow Ou de cu reo do A n DO eeeão 01 qu e seaebão df'l(.l radul fi ai I n.t ru c ~ ~ 8 que tt'o hq eetabelecídc p ara a Kt>fuflua doa Esludoe : Atfrn dequeuee di.s de S uéto, se aceeescenterâc s ómen te 0 1 diaa d e Ga Jr3 q ue vem declarados nl F olhin ha do Armo PUtil OS Baij ama'08 da Corte. E todos serão expu'slios em huma T abella, que o Direclor Geral dos I'.:studot ma nda rá ru or, e t Olisenar semple pendente no Ccllegic p ara a todol se r notcric, VII. DGI Pro/m OTa da L iny!ja LlJ' iim. Gr~la, RAdorW;a 1 Podic. 1 latp Çd, c Hilla1'la. 1 Elia ProfesaOllf!l rf'a:vlaodo-te em ludo o mai. pela, IOluucçõet, que lhel tenbc t"t ta ~ l.cido.aa Lei da Reforma geral ~ Eltullot, ODaer,.rãu pdu que perteeee ao te. po d.. Aul.. O q \le l e aclla ordenada pej.o. prfii t!d les Eetatulol, par" fjlut de nenhuma IIQrte se. here a regularidml., do Col/egio, % A lem do que lenho f'xpoll to n8. obredita Lei 1 será obrigado o Pso Ú't!lial' dn R ile todcl a d.r ao I.eu. Oi.cipu lol qu ando se tratar da Inven 'iào bum CompeodW Hi.lurico, fi Crit ico d.. diffcrentee lleil u do. Filo IIlJfOlli h\lbla lammm coql pt"ndiesa I e l uecio la N04.jão da ulil, e verdedeira Logica s explica ndo 8Ôwe n.tfl 08 prill CipiOl elenr.en lare. della, e u at"~r ~ clmal, pr ecleee, e indilpe avelmeute aocenari.. para qulul dezeja ter bum pe rfeito coahei:üoen!d d a E tcqueeete, e doi meiol de ar.,w.mes1ta r solidament e, de pe uludir com ccnclndencia,. 3 HU f'rá hum Prof. seor de H i.lori., o qual d. rne8 l1la sorte dê he Ula jd ~ i. ger..l da Chronoll'lgia. GeQgrafia I e d. H ialoria an t iga 1 mod.roa i l!' com Ulai. "peciti caç:1o.d a cklleo. R eino.. l!' lie'08 IXIminiol ;. d o ~ o Go.,erDO Eeeleele stíec, Ci. il, l!' M ilitar : Eotigna ndo hi.tmica, ~ Cl*fendluNU1ell'te QI priecipioll, 1! prog reuo. du Art.e8, CI d.. FaouldaJu, a.q».e 01 c..&w ~1 ckpoiaae.bou.eore m,doe ap.plil:.ar. VIl/. Do, Prtifeu orn dai Li"gua. Francef:a 1 ['aual1o 1 t 1"91e%a. 1 N ão sendo conve niente que 08Collegiaf'1 antes de acabarem a Rhet orica I e de se ach arem pre parados com as :Noç:õea que deixo ordenada" ao e mbaracem com difleren tee applicaçõe.; nem que,ejào priudo8 d a g!'nlje ul.ijidade. qoe podem tir. r dqll muilaa. e boll..livrc!8. que seacal!) elcriloll n&8 referid as L ingual: Ordeao q ue o CoIIE'gio pague Irei Pro (" ' Ot e 8 para 3 S e nsigo.re m : E que 0lI Collt'gi a depois de haurem pu udo I I CI... -lia RUt.rto. I lagica..e O.tor...plfadJo.pele lii:eaos

10 Linguaa Franceza, e Italiana; ainda que lerá moito maiautll aoi que forem mais capazes, e estudiosos procurarem poeeuir lambem a Lingua IOGleza. 2 A. Lições serão pele maior parte de viva voz, sem que os dito. I'rcfessores carreguem 01 Diecipotca com multidlo de preceitos deen eeeesarlce em Linguu que são vivas, e que se aprendem muito maia Iaci l, meete, e melhor, lendo, conferindo 1 e exercitando em repetidas }lrálicaso Os livros para estas epplieeçõee eerãc semprtl correctos t uteie, e egradeveis ; e 08 Professores de louvaveis ceetumes, ainda que não devem assistir dentro DO Collegio, ma8 sim virem a efte dar 8S liias Iiç{lu nall horas, que para isso lhe vâo determinadas. TITULO IX. Dos Pro!esSfJrts tk Marherniltica. 1 Porque (I Estudo da l\iathematica, e das differentee partes, que a ecnetlrcem, he nilo só urü, mas indispensavelmente neceesario 3 todos 09 que aspirarem a servir-l\1e na Milicia1 ou por I\hr, ou por Terre : Ordeoo que oocollegio haj!o tree Professores desta prouil08a eciencia. 2 O primeiro deüee ensinará a Aritbmetica ; a Geometria; a Trigo. n omiiria 1 06 Theoremas de Arehimedes, alguos Elementos da Geografia; os prhneirce Sl"is Livros de Euclides ; o undecimc, e ducdecimo dos só JidvI para a Geometrta Elementar. E podendo expedte-ee muito fácil.. mente em oito mexei tudo o r..ferido, empregará o Prcfeesor o restante do AnilO em eneinar aoilcol/f'gilea OUIlO prálico dos peineipiee em que os houver instruido r Eaercitando-oe com as aolluçõel de alguns Problemas, que Ibt'8 proponha1 reepectivce ds Lições que lhes houver dado. a Com os referidos Estudes paeeerãc para 01 d. Archill"clura. Dese.. nho, e mais exerctcics nobres abaixo declarados, aquelles Collegiaee que não tiverem ge~io, voca~ii?, ou objecto de profuod~rem, a ~"r1alhemati ea beetamíc-ihee somente tmcrerem-ee nella na eobredita (orma. 4 Aquelles porém que aepirarem a..bee profundamente a mesma eciencie passarão para o segunde Peofeeecr, O quallhes explicará methodi camente a a sua eppliceção á Geometria; a Annalya do! infinitos ; e o Cálculo Integral. E porque lambem estes Liçõee se expedirão facilmente dentro em oito IDrZe1I, se empregara:o 0 1'quatro que {alta. rem para ee completar este Anno segundo na Meeanica, na Eetetlca, na ldrostetue, e na Hidrauliea. 5 No terceiro AnDo se eneinarâc pelocompetente Peofeseor a Optien; a ljioptrotica ; a Cetroptica ; 0IiI priocipiol da Astronomia; a Geografia. compl~ la ; e a Nautiea, 6 Poeto que o referido do bailará para fazer de cada hum dos Col Iegíeee hum MathemaLico perfeítc, lerá com ludo o neeesearie para hebi.. lilallos de sorte I que por meio das suas proprial applicações poulo Tir a fazer grandes prcgreseoe Delta seíeccia sem o seccorrc alheio. TI T U L O X. D oi Professores de Archiuetura Militar; de.jrchikdura CIvil; e de Ilesenha. 1 Aiod. que o eetadc destas Artel leja pertencente á Mathslllatic.s

11 TI T U L O e nella te nb1jo toda; o seu (undamento; rara maior proveito dos Cclte, gil.t's, e mais faeil expe dição d.. u as a pplica"õl!'8, Or dene que h'nhilo!j.r~ ft' 6 sorc ll disuuctcs, e uníca, e pri,a li vemente destinados a e81ea Exer C IC IO~. I' 2.. O Profe ssor.da Architeclura Militar e ns i n a ~ n. as Rl!'gras ge f &l" da F úrll fica<;lo ; os diversos melbujo8 li'gulares, e Inegul,u:1I de fortificar. as l' raças ; os rnorlus de fazer, e defender hu m silio ; I S Fortiticaç&os doe Campos, e Exerci tos : E para q ue us Cvllegiaf'8 p06llilo ecm prehender com maior fac ilidade l udo o referido 1 os irá costumando ao Desenho ponde-lhes dia n te dos olhos as Lições, (j oe lhes der l'lx'-ellla ijas 111m pe~ Cj lleuos modelos de medeu s, é. ista doi quaes lhes ldoatr.rlí. o UIO e a necessidade de cada hum a dali parles que 08 cons tlt uirem. I 3 O Professor da Architectura C iv il, depois de haver eednadc ai regrns, c 08 principias ma i~ simples, e ":nis t'u enc}ncs deita Arte I pas. sará a expor pelo modo mais claro, c meta pcrceptivel as reeõce daspri.. cípaee med idas, e proporç õee, par a qu Oó'I lia Ccrebineçâc de tu do o rece.. rido tirem os Ccllegteee hum fuddam r:ntal, c sôlidc conheci men to delta Arte. 4 O Prcfeeecr do Desenhe ensinara semelhante mente as principaes medidas e 3' respectivas prcporçôea, que ccuetu uem os fundamentoa d t>lla Arta ; de sorte que della d ôm huma cabal Noção ao, Collegiaes. ~ E pa ra q ue estes a.. appl iquem com cede m a este, uteia exercicios, os eobreditoe Professores da Archilec tur a Militar, ech il, fa rlo IS IUaI lições de manb:l per si sómen t", DOI di ee cc mpe tenree ; e uas tardes dtol" le8 C(lID o concurso do PrOff'S80r, que io llinar, e exercitar a Arle do Desenbo ; para q ui' concorrendo aseun a esp p.culaçlo. e a prát ica, pollsaa formar sobre ambas os dites CtlJle& iacll as ídéee mais claras, e diltinctu di) q ue se lhes ensina. XI. Do Pro/ m ar da FysictJ. ) Dete rmine que haja no mesmo Collogio hum pro(elsor de rysfci t O qual depois de haver dado huma breve, e aubllaocial noticia da Uia.. toria da Fyeica '1Illigll, e modcme, sem a idéa de eetentar, mas sim, e Uo somen te com" d e instru ir, p::iu ará a eueiaar eeta utijissima parle da Filcsctiu, tr atando lió do qu.. netl a ha de sólido. e de proveitoso r Díctendo 8Ó o 'l ue fur demonst rável pela G eometr ia ; e pelo Cálc ulo, ou qualificado por ea peeicnciee cer tas : E m ordem a es te fi m f<irá repelidas coo Ierenctae de expenme mcs, nas qu ites faça ver aos Discipul08 d1!m()slra t wemente as provas do que Ibee ensinar ; usando nes tes exereicíce do. Instrumentos que para eüee tenho mandado fazer prcmptce, XII. 1 Pua 0lI EZI'rcicios df'stas Artes liber3f's, determ ino que hlj ll:otlrll. bem Ires Profeeeores I,JIJ... jk. e bem morigprad"i, 08 q uaell vão l O Culleoo I; ill dor I S IU38 lii; Õt-8 nos dias, I" heras COftl l'l:'tt'li t.._. 2 Porque no In ' erno Dilo h<i te ra pc algum qui" fiqu.. litrf" para utpl exerci cios, pira elles escolh('rá a Heitor do Coll-gic 11 1" tempo doui t.!j all em cada IitllDana; mand.ando fechar aa l~colu de tna o.h.i cdl hu m

12 1761 do.,.(eridol diu:, e no outro de tarde : O que com tu do se entende IÓ Q1 (' n t ~ p:&r& o. Collegiul J que (or em occ upado. em algu m doi Ilh;lI ruoa a eu:l ciol. 3 Ao da Dan ça Sir' 3pplicarl o 01 Collt'giu. s ômente da idade de no Te anool em diante ; ao de montar eavetlc depele que boueerem com J } I ~ l a d o treee eence ; e ao de jogar a Eapada &ó dt pois qce bouverent cump rido idade de quatcrae annwl. " E lltabl!'l"'ço que n OI ultimot dias do A nne Li lf'fario haj a. ('mp,e exeecicios publicee de montar. c"3110, jogar a l~ r a d a. e dançar : DandolU a parle o Director Geral doa d ias 'lue ee determ inarem 1001 oleamos C1 s I" ciciol para E u 01 presenciar quando Me perecer convenien te, fi O meamn Df rect or Gen l poder á convidar para (IS referidos exercieioe as Pessoas dietinc tas da Corte que ~ III lhe parecer. T J T U L O XIII. D o! Coadjuctoru do Reitor, ~ pja-rtitor. I AUpndendo a flue o. Vice-P re(eitos, q UfI t enho determinado pelo T it ulo V. destes Eltatulo. I f'oi lo que cumpsãc com a8 1UaI tlbrigaçõe., como doi leus nn cimenlw ee deee "Iper.u ; eeedc de Idades pouco loaia..dineadal, do que os doi eubaltem oe q ue!' det'em cohibir ; pcdeeâo algu. n al vet e. n30 achar n..j1e!'1 looa aqu"jla l uj t'i çllo, q ue he preciae para a tranquihd. de, e bom Governo do ü'1l':"gio: Determine q ue o Heitor dei le elcolha de en tre os C.pell<lel do mesmo CoJlegio par eu. eoadjulo- J'e'.quelle. que achar que. ão de mail prn,ada capaci dade, e de mais ej.li'mpbrel cost umei, em numere eempeteete para que no topo de cada huna du Sallas de aposen tadori a doi Ccüegieee te nbêo-c seu leite, e n elle fi qu em todas as noitel indispensavelmente, desde a bura e m quo se f,)reonl recc,lh"r 08 ditos Colfegt ecs, ate o. vêr partir para 08 esereicios dai Aulu : Observando. empre se 01 Yice-Prefeitoe cump rem com o q... lh... perte nce como.ao obrigado. ; se OI't'U. subaltemoe oe a u end..m como lhe. det ermine r E dando CODta ao meemc Reitor de qu alquer falta que haj a a03 ditos reepeüce. TI TU L O XIV. D OI F tjmjjjorel do Colltgjo. 1 r.lra que 01 Colleglael. e>j lo sem pre u'nidoll com deceeele, cuidado ~ e asseio; e porque 010 leria coo, pniente qu e para tr a tarem dejles JOnll'm.dmillidos criadol de (ón no Colfeog io : Abolio qce nelle haja viut e FlImitiare., cada hum dos qll.t>s t enha eu ca rgo o c uidadc, e 011' l eio de cinco doe refeei dee Ccllegieee. 2 Para eerem fccpbidol oa ditos F amiliares, (arjo seu eequeeimeutc J'Or escri to ao Heilor, o qual tiraodo eucli'mimaa in(ormaç(les dos seus prcc..ji ill cll lo ~ ; e "..ri nca ndo 'lue são de louveveis CO. lulu"i, d I rá coo 1a -l O Oirpclor Gpral do. 0pp08itOfeo. qup ee lhe c üereeeeem, prepond o l h"s 8P~ lindo a graduaçolo doe ml'leci tllf'n:o. q ue li' Pfll'm, para elle poli':"r ". culb"r 01 que achar q ue. llo mail (lroprio U mesmo 81! praticará no. C, Ç(\' em que hou' er boa razão para Icrt'1Il deepedídce algulli d... di 101 Fllmili.rMl. J COIl.id t raodo que a. occupa'iut-. deste:t ceseãc nu hora. 11<4 Es-

13 íudce: E desejando rngrcê : Permlue que pessão ASsistir nali A ul as, e eproveiter-ee dobcneficio detlee em banco sepa rado ; conforme 08 St'UlI diffeeentes genice, e exerclcíoe, II que se deetmarem : Venceudo além das rarõee, e aloj ament~, 01 crdenadcs, que lhes assignarei na Regulação das despeaas do Coilegic. XV. D e algumas dj.'p ()9~:Úe s gt roes pultncentts á boa ordem das Aula.!, e do Collegio. I As AuJas de Gramuutlca Latina, Grega, e de Hhetorica se abrirão todas na mesma hora, e na (6rma assima declarada : T endo toi.las dous Guardas. que cuidem na limpeza dellas 7 e executem os castigos que noccssa eioe forem. ~ As outras Aulas de Malhemali ca, Fysice, Ar chithcctura MilitRr, e Civil, ee abrirão sempre de manhâ, e no tempo das outras Aulas.,A li de Historia, de Desenho, e das Linguee, Italiana, Feanccee, e logleza, serão sempre de tarde : Tudo na fórma aseima declarada. ;I Nellns n;10 poderá ser admittido Estudante algum, que n ão seja do núm ero dos Coflegiaee, Oa pe üãee, ou Familiares domesticas, ecbpena de pri vação do Professor I que os admittir na sua Auja.. 4 Semelhantemente prohibo que da prim eira Casa da Portaria do Col-' legio para dentro, e muito menos nas Camaras, ou ainda nas Aulas da aposentadoria, e ed ucação dos Collegiaes, entrem Pessoas algumas de fóra ; eubpeua de serem deepedidoa os O üí ciaes do Collcgio, que as,i r em, se logo n:10 informar em o Reitor para as fazer ex pclser ; de hum mcz de cadeia aos que sem licença do mesmo Reitor houverem entrado no Cc llegio ; e das mais penas (jue reservo ao Meu Real arbítrio : Porl'}ue só pennltto que os scbreditoa Collegiaes receb âc na sa lla ii. todos commun as suas visitas na fórmn assima ordenada. ~ Porque a cx pcriencia tem mostrado que da dive rsidade dos methodos, qlle mda Professor inventa, e pertentie es tabelecer conforme o seu genio ; II da eleição tambem vaga, e arbitraria dos Livros, a que os Estudnntcs se de vem applicar ; resultou scmpre huma perplexidede, e confus ão limito perju diciul á mocidade, que se procura instruir ; além dali altcecoções, e discordiaa nocivas aos Eetudos, que se mpre coetumâc sueceder, onde Hão he mcthcdo certo, e L ivros invariaveia para o cnsinc, e a pplieaç ão dos Estudantes; quando pejo contrar io onde concorre a ccnformidade no me tbodc, e na escolha dos Livros se conserva se mpre a paz, e a união, que hc t ão necesearia entre os P rofessores j e se adia n tão sc'mpre os seus Discipulos com regulares, e lie~ uros progressos: De- t erm ino 'lue os Professores da Logiea, da Historia, da Metheneuce, da Arclii tcctura l\l ilitar, e Civil, do Desenho, da Fyeica, e das Artes, da Cavallaria, Esgrima, o Dança formem cada hum dejles na sua diffcrente Profissão huma M inuta na qual ee contenha: Pri meiram ente hum" id éa clara do methodo pelo qu al peetcede ensinar : E m segundo Jugar hu m Cata logo dos Livros por onde intenta que os seus respectivos Discipulos hajão de estudar: Em terceiro I c ultimo Jugar, outro Cat alogo, que sirva de soccorro de estudo áquellea, que entre os sobreditos Discipulos se acharem ca pazes de passar das Lições das Escolas a exercitarale pela sua própria applicaçâc nas Faculdades, que antes houverem a prendido : ccnferíadc-se as referidas Minutas depois de assim l erem for-.gsl;ss

14 17&1 medes com o Reitor, e Profeseores, que ao mesmo Reilor I e Professo J eii, parecer convocar para a ccnferen cre : E sendo ()8 Autos della rem cttidoe ao Director Geral para MoS" cceeuhar, e Eu resolver sobre c l 1e, o que achar que be mais util ao adiae temcmc, c boa ordem dos Es t w.~ doa. T [T U L O XVI. Dos Privilegios, Prerogativa, d<j Collegw. I O~ Profeseores, CoUcgmel, F amiliares l ' e P e ssoas do C oijegio, flue ncllc exercitarem I c asstsürem, ali nehe tiverem occupação de ensinar, gozarão respectivamente de lodos os Privileg ios, Indultos, e Frenquezas, de que gcenc os Leraes, e Estudant.ea da Uni'cnidade de Cúi n.bra, sem ditlere nça alg uma, ain da a respeite dõwtud lall Greçee, II Frunq ueaas, que req uerem espec ifica, e declarada exprces âo, porque ainda estas Q uero que sempre se en tend ãc, e j ulguem cemprehendid as., 'Ter ão se mp re l)qr J~ j'l conaervarmj.f para a s euaa caa eae, ao observaneia dos aeua Privill:lg ioli, o Correg~dor ~ Civel da Corte, o Prcprietanc, ou Seeventusrio, da prillldra Vara. a Havendo já tornado o meemc Celleglo. na M inha i mmecli.1la Pretcc 'llo,.e Doeil njc, para deli., e deije se (~ puder mail separar : Hei por bem t e lu c praz que goze terebc m curoulótlivl\1tlc nle de todca 0 1 Pnvilegios, Isenções, Fra eq eeaae, de que neeeee R eiaos godo as Mi8cricor.. d ias, e Hospitece, que da mesma sorte Ilà de )linha immcd iata P rolet:ção.., Nos principias, e fi ns do Anno L itererio Hei JXlf bem '1uc o Colle~ io cm Corpo ve nha á l\iinha Real Presença, alem das outras occasiõea do Heija-m ão, 9,IWsão geraes pa ra toda a M inba Cor te. ~ Todos os Est udantes do Collegio, que forem para a U n iv f' r s i da u~ tlc Coimbra, levantlo Carla IlStlignada pelo Di rector G eral dos Estu dos, com ~ u c se legi timem. serão admittidoa ás 1\1 a tricula/i, e aos E~ lu tl O ll dai Scicncias maiores, sem a depende neie de outro ar~um cl ame. O que com tudo se e ntenderá no caso de ec ns tar das refe ridas Ca rtas qu e 0 9 sobred ites Ccllcgicce, a cujo favor se expedirem, c umprirão com os seus Elltwtoe de modo que por elles merecerão a appecvação dos se us reepecuvos Meetree. 6 H ei outro sim por be m que a todos aqueiles dos referidos E studant em, 'j ue nos uüliesimos Estudos da E lcqceneia e da l\i alhcmaliea fiecr em prog ressos taee ' Iue mereçãc 9 ue se lhes P'U"1l1:l Car ta lia eob redue fôrma de ha verem sahido, do C Olleg lo com a prove itam ento con hecido, se 'lhl)!l leve em conta na mesma Universidade h U/fI Anno de mercê. 7 Os Cotlcgiaes do mcamo Collcgio, que nellc sc ccnd uaire m regularmento, eerâo por Mim at tcndidoa com especialidade para 09 Emprcgos, c L ugares publicos j e tanto mais quanto maior for ao d istinção com que s e houver em assignaladc nas suas drüercntes Profi ssões. 8 Pura evitar 08 a busos que do contrario se podi âo seg uir: P rohibo 'I'w Collegial algum debaixo do pre texto de Prop ina, Prese nte, Gralific ~H; ão, ou qu alquer ou tro nome por mai!:l especioso, ou pa liado que seja, pussa. dar cousa alguma, desde que entrar 110 mesmo Collcgio, a l e SiI ~ hi r dolre, d ireete, ou ied ircctatncnte, per si, ou por interpo sta PC8!OO., a. q ualquer d Oll 1\'1 inistros dor Peofeescrce, dos Familiares, 0 11 q uaesqucr das Pessoas do Ccllcgic, ou do ser viço dcllc : c isto sohpcna de irrcmeesivel ex pulsão, assi m dcs qec deecrn, ccmo doaque recebercm, e do,mc1t Real desagrado que devem ter por maia sensível.

15 XVIl. Da Junta da Adminiltraçál'l dai Rlll/MI!, t da E conomia da Colltgio. 1 P or qu an to já lenho mandado edificar casas, Das q utlc$ se possa cr,ngregar decentemente a J un ta. que Hei por bem crear P.1r:l" A u m i~ níeua çac das H..ndas, e Economia do ColJegio: Ordeno que esta seja composta do Heitor 'l U'! sempre St'f vir:í. de Presid ente l ' rep~ l uu; do Pre Jeito dos Estudos; do deus Professores annualmente c lamados pelos turnos Ull l:l suas antigu idades ; e de Ires Collegicee dos maill antigos. e mail Lahcis: Para todos servi rem pür tempo de hum Anno, lindo o qual, d.. tá o mes mo Heitor conta ao Hireetor Geraldos Estudos, rara lhe a,,;signar o dia tia nova E le ição de Uonselbeiros, e presidir a elja. 2 N a!> dilas E lciçõt:8 annuaea votarão todos os Cooselbciroe actueee, e todos os Professores!luc residirem doutro nc Colleg io; lendo o DircclQr G eral vete decisivo no caso de e mpate. S O refcr iojo CO/Isd ho deve ter as suas Sessões em todne ee Semana. na tarde do d ia feri;uju ; c nelle se tratarão os negocies con cerne ntes á. conser veç ào da Fa:.cCIllJa do CoJJegio ; se deliberunt li respeite doi.provimentes ecouo.nicoe da (;lujll' e se exam inarão a to despesas qu e se houverem feito da Semana ant ecedente CUIU a8 contas ii dia perte ncentes, " Para tudo toe expedir em lermos compctemee, haverd hum Guarda. Livros, que sir vn de Secretario do Ccnsetn o, CUII I huiii Escr iturario qu", {,:u; J. (I OlJi civ de Escrivão da Heceite, e D espeza: A iubos terao selll llre as contas do CvlJt"gio em d ia escrnunulue nos Livres que s ào ducoslulji", para <Juc po~ s a constar della. cm (000 ti tempo sem ii ur euor dúvida 011 d emora,.j O d inh eiro pertencente á Receita, c Despem do mesmo ColJ"gio~ se g uardará sem pre cm Corre de tres Chaves; das quat"1i I..rá huma Q R eilvr; outra o mais a ntigo entre us Consclbeiroe P rufe ssores j e a tereeira (I que tombem tiver maior antig uidade doi trcs Ccllegiaee. " ti Pa ra recebee, e pagar, se nomeara sem prt: o dia, que fica ordenado Jlnra as Sessões ti t: luilua rias do Cvns..lho, E m elida huma dellas I ~ cxlr.1!j irá 110 Cofre, c cm rcgcr é ao Mordomo do Ccl leg!o o dinheiro necessario a dospeea, que iii:: houver de fazer na l:it:lli< lll<l scgutnre i As pi'"' s íg nilfldo Conhecimen to da sua im portuncia: Parti cipendo <{uolidillnjlwente ao Guarda Livros a dcepcea, que houver feito pua se lanljar no Livro Diario : E dando couta com entrega no fim da Semana do diobeieo, qu. l..uver recebido. I'ara se lhe Iaeer descarga deite j sem a qua l se achar lafl~ l1da, e approvada pelo Ccnse lhc, não pcderá este dar-lhe outra a lgu~ lua quantia por modica que seja. 7 1\v fi m de cada III t:z se fará bum balanço g eral do ('..urre com os Livres na presença de lodos os Vogae.., Nu fi m do Annu, ou na vespet a. ou nu mesmo dia da Elt::iljiio dos novos Ccnsclhetros, se fará outro b lli DI;o gera l na meslua co!,lforlllidade com a assis tencie 110 D irector Gl'" r al: Par" que achan do este as Contas bem cj usrada e, e snldadas, as Il'Os lia ru br,icar para II!:: a SlSiglLarelll, uu dê a. pro\'idel!cia 'lue lhe parc7l"r np. cesssnnu, No caso de encontrar deseaminho daj' i1zcnda dc Cotlcgic, l\je consulta rá o que achar desencaminhado com o sc~ parect'!, ra ra E u sobre ( J1 e n nuar a R escluqào que l\ie parecer couv-r uente. L pllsto que lat::8 descamiahos n ão hajáo J ~ c m p re luc consultará no jjlu do Auoo o e;;lat1o Ggggg ~

16 1761 elas Rendas, e Contas dc Cclleglo, para Ea eer dellas completamente in, furmado. XVIII. D o Cartorario, e Cartono do Collegio. 1 Na mesma Contadoria haverá huma casa separade, que.irva de Arl:hivo para nella se guardare m os T'uulce, e Papeis pertencentes ao Colleg io, c ls C US bens, rendas, e privilegios : Commettendo-se a arrumaçao, e C ustodia dos mesmos 'I'ttuíos, e Papeis a hum Caetorio, quf' sumo r ru os tenha cm boa ordem, e segurança para 011 ministrar á Junta da...'azenda em todas as occesiões, que lhe for por ella ordena do., Para este lugar do Oarlarario ser ão eleita. peja pluralidade doi VO 105 da mesma Jun ta da Fazenda tres Pessoas flue entre as do aerviçc do C oljegi o p..recerem mail! idcneas : P roponde-as e m Primeiro, Segundo, e T erceiro lu ~a r ao D irector Geral, para que este escolha entre 0 5 pro" IIOSt05 o q ue Julgar q ue he ma is apto j fi cando liempre o mesmo Oertorío, [I A echivo debaixo da j uried icçâo, o direcção da sobrcdila Junta da Fus ende j para es te vis itar o Ca rtorio, e examina r o estado delle huma vez pela menos em cada hum do, meses do Anno ; e para o rdenar bulo o que Ine parecer necessário para a boa custodia, a rrumu'ião ) o ordem QQII Lin os, e P apeis. TITULO XIX. Do, Bihliolheçario" L ivraria, e laboralj,)rio do ColIegio. 1 Ordeno que no C ollegio haja huma Livraria propria, e eompeten 1e :los Es tudos qu e nelle tenho estabelecido: Serv indo neila de Bibliothecario a quelle dos Professores do Rhetorica., Logico, ou H istoria, que parecer mais proprio pelo genio, o qua l ser á tambem proposto pela Junt a da F azenda ao D irector Geral, e por e lle nome ado na fôrma que ass ima lenho de terminado sobre a eleição do Cartora rio, II O mesmo llibliolbecario escolherá de entre os F amiliares do CoUegoto01'1 deus em que achar maior preeu mo, c u prope neâo, pa ra c uidarelo no asse io da Livrar ia I c boa c ustodie, c conser vação doi; Livres ddla, os quaea prohibo q ue pcesâo sahir da mesma Livraria para fóra, ou st'ja para o uso do mesmo Collegio, ou para se emprestarem sem pre~ ceder licença imme d iatam c nte l\'jillha. 3 Na con tig uidade da mesma L ivraria haverá huma Cala peopeie pa_ Ta a custodia I para o uso dos Instrumentos l\ililhcm a ticoli j send o encarregado da I nspecção sobre c lles o Professor dest a eciencin mail anti I!."0 para os fazer alimpa r, e conservar sempre ca pazes de eeevirere - E d ando-se-lhe bum Ajudan te qu ~ 100 empregue no uslleio, e COn8t:rva'i!io d os mesmos Instrumentes, TI T U L O XX. Do, J genk do Colleglo, e seu Solicitodor. I Ma ndo que haja hum Agente para arrecadar u Rend as, e peocui'a[ 'odes QIl Negocilnl di) iatercne do Coll~g io i que ae tnlatem da (lot~

17 1761 ta delle para róra : O q ual 81'rá proposto e ecmeadc na fôrma <jue fi ca declarada no T itulo X V111., ou de en tre os ColUlIlt:ll sac8 do Illl' S,I,O (;, 1. Jeg íc I ou das JJ e 8 s0a ~ de fóf<l dl'jle ; e ler a hum Scllchadcr t para eltpttd ir pvf el le as dil igencias, e requerimen tos, <Jue ee bouven- m de fasee 1la8.\odilf'ncias,,, nos c urrcs Ju garel onde Dilo pode r Iral,UllI COIIIJ decôro o sobredito Agt'nlP; Sendo eeeim este come O I('U Solicitador em ludó. e por tudo eubordinadcs 3. Jun i a da. Feaenda : E da ndo lu lia conta em. todal as eemauas de tudo o que obrarem 3 0' di"" re»peiwll. TI T U L O XXI. Do Mordomo do OJlltgio, e fe l' Co t1lprljdor~ I P ata corre r com 05 pre-lmeetes assim miudos CMlO gt0n08, qth".. tit E'rem para o Hefeuonc, Q;lzinha. Disp ensa t ' En{tlrm ana. p8~3m enlo de O rdt' oadoil, e mai s d f'~r,.z a. do ColJegio I se t'leg erá po:-ia Junla da FuenJa d~ lie em calla A0110 bum doe seus Cce neeeeee, C(UU a df'oullli. fl ~~O de M ordemo na fórllla q.ue laulbeul deixo ordoeo. d", 110 Tihllo XVIII.. 2 O quf' f..r escolhido para...te lugar ttorá bum ex u lo eoidade ~fji qu I! Oo:l prceime ntce g ro~~n, se f~ nos terlj)l '8 op ~ >rtunu4 ; ""111 q.lll!'... nlí udo. ndu fa/tt'id Dai horas que 1'H"Ct'u ariu8 ("r" IO: E".minanú", I..do" per.i raesmu.f1t.. ~ de sere m recolhi-tos na Diepene e j ou de pa..llarhd á. lcozinba ; para oe enjod lar It! n ão forem bixls, e de receber dto 8(>rl,. que _l'jlo 011 fil:\is propriol pau o alirnrolo. e cufl sf'n açilo da.aud" doi (01. legiaflfl : T endo debaiao doia "l8s ordeotl hum Comprador el..iro "a eonformidede do loeamo T ílulo XVIII.: E dando cunl. das aus ~t'lltllem na lobf'edita Juota, e Conl~d ori.a da Faze nda como leuhu a:>liiwa oedcüadu. XXII. Du. CG:I'inheiro', t JU".A;iJ.dan.ut. 1 Ordeno qh o CoI1pgio tenba dou, Cozinheiros. e qualro Moços d. cuzínha eeeclbidoe, e nccieados pela pjllnjidat&e dw volull d. JUDIa da Jlazt"odit, a q;uat (110 IIÓ u. (lodl'r1í.a ow t'llf', ma. tembem d espedir qubodo pelo Mordomo ( a q Uf'm t.odoll 08 übl'fllitos Cozínbt'ir08, a MOCj08 H' rio inll'1rllllenle subcrdieedce ] jj,er irdurhl açfio de que f'1it1. llào cumprem com II 8 ua ~ obrigatfôe.; au ild no cuidado do bom temperc, e lho. pen doa guir:a do. ; como do UleiO da cofli o b.; e ~ ideimde ao.en:jço do CoUexio. T J T U 1. O XXIlI. D a DiJptTl'lt iro. I pf'n do(. ollt'giu. hav..r:i ne1je n UIQ.Diepeneeiro _oo~ad(j lia 1I1.. ~ m a ' 0 ' te Jlt'la Junta da Fcaenda : A qual o pode";' defipf'ij ir qu..ndc acl.u tjuil não c um pri! com at (l l~rj g a çõee de zelo ~, et RddUJa..I.c 'jlu: ua... td~wa. benei a se (&Zew J1tIDplt nt'ot'ssliàa. P ara a guarda, e e-recedec ãc de todc o que for jlf'rlpocpnfp á.rn..

18 7561 Do, Porteiros, XXIV. 1 Ordeee que na Porl.ri. da escada principal do Ccllegtc bejãc doue P ottf'iru' que sirvlo as ' ~lda n", ou aos di" de vinte em vinte e quatro hcrae, come paft.'ct'1 melhor, para que a re(t'rija Porlaria se ache sempre assistrda de mcdo, que nella não haja alguma falta. 2 Os sobredu cs Purteiros sendo p ropolltw peja Junta da Fazeml. 1'10 Direetcr Geral, ti por pile escolhidos na fôrma, que 6ca decl arado DO Tlt UJu XVIII. hão de ler ae obrigallõel tit'g uinles. 3 I'rimf' irameote terão o cu idado de tanger lodos cs dias o sine ás horas a que se devt'w levan lar 08 CoIJt'gia~8 d a ndo recado ao F amiliar qu e deve el(jer tallo., ti dar!lu aos quf' a quiserem tomar... Item mais lan gerllo á. horas dali Missas, Aula s, e mais ac tos da economia do Ccllegio, orde nados pelos presentes Es tat utos. r. Item t erão ttt'mpre as port as {..ehadae com a cha ve, não as pod f' n ~ do desamparar nunca por mandad o de P..esoe a l!!: uma rur III.li" gr l.duat.1a quf" seja : E qu;1 Ol! O por nec essidade nalural for alg um con..lr;o ll gido a s"paur-.t' da porta. de iu rá. ubstit uto que nd la a s sl ~ l a até á l ua viode t o q ual IIlH á prf'ciumente o F amili ar abaixe decla rado. 6 Item "Indo elg uem, isit lr qu alquer CoUt'gia l o Portf'iro que se achar f'di exoe rclcio dará recado a hum Fa milia r q ue ordeno qu e I'ID eada semana es teja pelos t urnos da sua anuguldade, ou idade no alto da eec ada, e casa d u vis itas p ara per ücipee ao CoUt'gial a Pessoa quf' o bcsca, e este ha ver lice nç a do Reitor para ~ole r Iellar-lhe. O lueuuo Faflllliar tomará o. recados para es pf'rtar 0 1 CoJlt'giaes pela manhã. 7 h..m na s horas 1.10 almoço, do j antar, e da cêa não deixani entrar P f'u oa alg,;,ma no Colleg io sem liceu 'ia do Reitor, c u do v tce-reitor em l ua ausen cra. 8 II..m sem alg uma du sobrf' di!as licenças ror eeesi to, nso d eiur~ sahir do Collegio algum Collf'gial : E q uando eetee sehire m com as t!ltas licen ça. u'rá obriga do a nolar as horas a que sahirem, e as a que se recol here m ; eeerevendc tudo ao pé das licençee ; c guarda ndu-u para cumrrir com o que vai aheiao declarado. ~ Item eerá ob rigado II trazer ao Reitor ás nove horas da DoiI,. as cha " f's dai por tal do Collf'gio ; e os Bilhe tes dali licença II dos Cvllt'giu s t q ue ho\l v..r..m eahidc : Pera qo.. assim lhe cons te 9 tempo, qoe eeuverão f6ra. e a. hor88 a qu e se recclh êrâo, r e. ltem será obrigado a. ter ba" ida ll cada dia lis f'ntrao ll8 de (óradal portas, a Port ari a, e a pri ncipal escada qo e d..lla s ôbe ao Cc üegic. I I Item não poderá permittir nem q ue na Por tari a se aj untem PeSsoas de fóla II conversar amo q ue tenh âe n..gocio com algulu dos luin istr"". ou Commensa es do Cl,Illegil,l ; n CJD menus pod..r;\ rer vi. ou por ínt"' p" sta Pessoa. comprar livros, escri vani'l!l as, m óv..ie ou tf'stilluii (108 C,ll" glaca j ne m rece ber delies grati6ca«ão alguma, quitlqocr q ue ella 8f'Ja. 11 fi: "f'ndll C IRO q ue nâo cumprão com a q ui.' fica lls~ i ma ordena do serilo multallo, pela primeira eea..m tree dias de salario ; (.Wla segunda cm, eill ; e pt'la tdceir a serão ex pullltl9 i"imissi Vf'hll f'llt e. 1a Ol;'IPr mino q ue na l'ona do Cano haja out ro Porteiro para dar ser "t'li lia por I'lIa á PIcaria, Cozinha, Díspeuse, e m..is Otticillas do Colleglo; e eeue Serventes,

19 tr6! 7!'l1 14 Nlo pod~rá porém J'l8rmittir, que pela dita Porta haj.:l. de enlnr, cu uhir algum Oclleglal, ou qualquer oul ra Peeece d as que 8~ exereitar flllu 110 Coll llgio ; nem qu e rela me.ma Porta entre Pessoa alguma tl e ró.,. li. w cr "f i_iléll. ou ter cogveruq&. com OI liobrl' düqli j IiUbr~ UóoI. 4eu. pulslto irrimiuiwel) e diu luai. que refervo a "100 Rui a,bitrjg. XXV. I 0 '.,)(000 com eepeeial ft'comendaçno ao Reitcr, e C..ont eln.iro. d. Ju nta do Cullc-gio. que poobãc todo c e eeeseeric cuidado em que M OlaQt i41entoe com que te alime Dlarecn 08 ColIl!giaH, 8 maill PpsWlal do RU~ AIO Collf'gio u jlo.empre 0$ de melhor CJu audade I e os IDa;, udavei, eljl eada hun.. du l U" dilferenle l e'peclel. 2 Da re(('1'ido. CoIlegiae4l com I I mail Pen OllI q ue com ellee d.'i'e~ con~orr e, na!\ieji como tenho tlet.rminado pelo Tilulo V I deli t ee Eata tulo,. come rão Da prim,ir. Meu e m Cemmunidade fuendo ent ee de eo trarem, e depoia Ife eahirem oa adol da Religião, que d o de eoetc me e m l emelhan lel eaaol: lhpoi. de haverem almoçado.egundqo "ue perllil itt irem u Estaçlkll do Allno, ao erbitnc do R eitor, Viee Hei 1.01'. e I'refeito doa Estud08, lerao aojaolar, ti á cêe 08 pratos li t'gu intll.f. a l'\o! di.. de Carne terão ao jantll bum pra to de ecpe; ou tro de Vaca ; outro de MUdo; ou gutzado, a lterflativanltmtll; out ro de AnQi j e 'J.ueijo, ou fru l a para eobremeaa con forme o peee tuir o lempo. f Na. cc doi IDel m Oll d i.. Se Carne Ie Ibe. darão doua OVaI 801 maiore. ; hum aol mail peq oe oos ; hu m pra to de aellada, ou de e.pane. g ado ; hum do an aoo. ou gut:r.ado, que Ill"m pre. e ri. de An de pe1ld8; ~ fru(a, ou llut"ijo, conforme a e. tação do AtU10. 5 N o! di.. de Peixe terão para j aota r hum prato de fllp a j oul ro d. I' elle cceidc, ou tro d. Peiae a-.ado, ou guin do; eut rc de eru. "parr cg l" Ja" ou tro aeja de Arroz. OU de u gum.. conforme parecer ao Nl"I. l or ; e afill pre qlll eii.o, ou fru ta pata a aobremeza. li Noa rueaulos dias 'de Peiee lerjo par cê. dou a ovoa cada bu m doe maiores, c hum os mai s pequetl~ j bum pra to de P eixe raiudc I 00 fr ito. ou guiudo õ bum prato de eru. elparregadl8 ; e obremezaa ecmet a ~ oulto. diae, '1 NOII d i.. d.. Fed a. matord do An no ; d. F ta d e N",.a Senho r.la Cooceiç1io; dos AJe us an DOI, e d. Rainha :\linha. obre toda. muito A maoi a, e Preaa,la Mulher ; e o.. outrol di"!pm que hotlrl"r Ot&~. ou I!'xercicios publicol; terão 01 referidos Collegi&e1I ao j adla r mais bu m preto de man a. a E. ltl primeira l\1i!'u sft' á. erapre serv ida pelos Ftl milillr!p1 do Coile ~i o, de entre o. f1uaell nomeará o Reitoe doue cada nree pau lf' relo s eu ca rgo o asseio do Hefeircric, e das rou pas, ti mahl alfaia. de &el..iç,o (l o mesmo ClJlegio ; de sor te q ue t udo Ande se mpre c om a maior lim pen. 9 O mesmo Re itor Ilomt' ar á ta mb ém :l, Semanas 01 Fa milia res que houverem de a ~ si s ti r á eua Mela, ti ã doe Pro(en Or1"8 que comerem 'ep. ~ radoe na fórlna a88i rna declarada. t o F. depois pallar.io todos 01 BObredilol Fa mil iares para a legu nda l\1 t"z8, qu e Ma ndo le Ihel " t&be l~ça e m casa separada, como parecer ao R eitor ) ~ Conselbciroa da J uot.1 da fu edda.

20 Sobre todo mais previ no ao Reitor, que cenâaedc-ee-lbe tan tol CollegiulI da. Familias mail di.tinelll em idadee tão ternas ; deee desempenhee t's l a confiaoç;& que delle fizerem 09 Pai., TutoreI, e Admi.. )l i&tradorci dos mesmojli Collegiaes ; ~ ra lhes uitar q uanto po...inl for tu do o qut' roua prejudicae-lhe na eaude t Ma nda ndo pelo.,eus Coadj utceee I e Yiee-Prefeitoe preeaeer que 01 mesmce Coll..giae. receb ãc pie- sentei de fól a do Cullegio ; que (açlo compr.'. e tenh ãc no. seu. armarias t e qcaesque r outros Jugares reterv.doe 1 alguns comt'lti'li'i. de que poulo (uer abuso l'óra do Refeêtceic, que IhN seja nceiec : E cutigando lo' r ein OU da lu a jurilldiç 30 i q ue lael. bullo.; Iize'rf' ld. ou para clju ccnecrrerees ; e eãc informarem delles logo que lhes ferem presentes, pan ee eohibirem. 11 E rorque a obsl"rvallcia dos scbreditos Estatutos SI"r3 de lanla glg, i.. de Dto" e de tanto. er"iço Meu, e olilidade pública, f' B,.m com JJ1 um dus l\1l"u, Vanallos : Hei por bem, e Me praz que se cuw prão, e ~ u ar d t'1ii em tudo, e por tudo. e valhão como L ei, f' tenbâc {orça de 111, estabeleeendc-c assi m de Molu I'ecpnc, ce rll Sciencia, Poder Rf'al, Pleno, e Supremo. E Ouerc, e determino q ue 0 1 meb UI~ E. talulol Bt! jâc Ilbservadol em tudo, e por tudo se m altl"ração, diminuiçl o, ou e m bargo alg um, que seje l)oslo ao leu comp rim ento em parte I ou em lodo; e se entendâc.empre se rem leiloa na melhor {órma, e no melhor eentido a Calor do dilo Ccllegio, e seus ColI l"giaes, e mais Pessoas dellc : H nv endo por scppeidee todae as cla usulas, e aolemnidadea de feito, e de Difeito, qu ~ neceesariue forem para a ' lia fir me2.a. E dercgo, e Hei deede logo por de rogadae pa ra os sobredi tce fins sómente tcdae, e quaesquer L eis, O rdt'n aç&" Bt'gimentol, Alvará., Di reitol. Doa"l.'lr., ou qual'lquer outra. Di.posições 1 qu e em con lrario doa sobreditcs Estatuto. 1 ou de cad a hutu deli". baja por q ualquer "ia, modo, OlJ maneira, pos to quo I t'j :lo lre., que na /õrma da O rdl"naç ~o, que t am bem dercgc neata part e, ee hcuecese de {aur dejles especial mençâe. Pelo q ue: lullldo á 1\lc:r.a do DIP'.erubargo do Paço ; 1 01 CCJnselho. da Minha Hu i Fazr nda j e dos Meu. Do minios UltramarinOl ; Regedor da Cata da Soppli caçào ; At eu da Con.ci.Deia e O rdena. R eitor da tini. ve-eidade de Coimbra, como Preteetceq ue delia Sou, Direetoe Gf'ral doe E. ludo., Senado da C amara, Cbaeeeller da Relação, e Casa do PúflO; e b em assim a todolj VI DesembargadorlP'a, Corregedor", ProvedorlP". Ju izca 1 J u. liç a., e mai, Pt'l'80a, df'. tel Meul Heince 1 e Domini Ol a q ue m o ccnbecimentc deeta pertencer, que a cumprilo 1 e guardem 1 e ra"jo c ump rir I e guarda r com in tei ra. e in"iolavel obse rvanc ia : E a meam:a pr esente Carta..If'rá como se folj. e punda pela Chaneelle-ía peste quo por ella n ão ha de passar, e ainda que o 81"0 effeito haja de durar mai, de hum, e muitos annol, n.'lo obelantes as Orde naçõt'8 cm cont ra rio. fl ue He i outro Iii m por derogadaa para este effeitc. Dada no Pcleelc de Nou. Senhora da Aj uda a 7 de Março de J7U. = Com a Allign ltura de KJRei, e a do,minislro.

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins:

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: «Diz que quer con tar tu do dos prin cí pios? Dos prin cí pios a gen te nun ca sa be. Quan do é o ca so de se lhe pôr

Leia mais

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13 O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 To dos so mos igua is, ape nas te - mos di fi cul da des di fe ren tes. Le o nar do

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2 His tó ric o O de s e nvolvime nto do S is te ma Voto E le trônico do Ministé rio P úblico do E stado de S ão P aulo te ve s e u início e m 2009 com a fina lidade de automatiza r os proce ssos e le itorais

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

UNICAMP 2012 (2ª Fase)

UNICAMP 2012 (2ª Fase) 1. Re so lu ção (se rá con si de ra do ape nas o que es ti ver den tro des te es pa ço). a)...in te res se do pú bli co (L1): Tra ta-se de um subs tan ti vo pos to que de ter mi na do pe lo ar ti go o,

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

Fabiano Leoni. William Corbo

Fabiano Leoni. William Corbo Fabiano Leoni William Corbo O CURSO Este é um curso pensado especialmente para líderes inquietos e cheios de vontade de mergulhar fundo em PESSOAS. O curso Cultura & Encantamento pretende fornecer importantes

Leia mais

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP White Paper Flexibilidade e economia na era IP Saiba como utilizar as tecnologias mais modernas de comunicação de voz pela internet para conseguir mais economia e rapidez em telefonia para sua empresa

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s.

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s. O r ie n ta ç õ e s In i ci ai s E u, R ic k N e ls o n - P e rs on a l & P rof e s s io n al C o a c h - a c re dito qu e o o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL Carlos Bernardo González Pecotche RAUMSOL A Herança de Si Mesmo Editora Logosófica A HerAnçA de Si Mesmo Ao publicar o presente tra balho, o autor levou em conta a repercussão que ele pode alcançar no

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O A B O R T O : U M A Q U E S T Ã O M O R A L, L E G A L, C U L T U R A L E E C O N Ô M I C A C U R I T I B A

Leia mais

Missa Nossa Senhora do Brasil

Missa Nossa Senhora do Brasil é%0'.m> }JÍU Pe. José Alves Mssa Nossa Senhoa do Basl PARTTURA Paa 3 vozes guas e Assebléa (*) (*) A pate paa Assebléa é edtada sepaadaente " en cha A 10. Publcado pela: Cossão Aqudocesana de Músca Saca

Leia mais

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12 R A M F A R A N D O L E 12 ru e d e R ib e a u v illé 6 7 7 3 0 C H A T E N O IS R e s p o n s a b le s d u R e la is : B ie g e l H. - R o e s c h C. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : * * * * * * * * *

Leia mais

Boa Pro va! INSTRUÇÕES

Boa Pro va! INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES Escreva um texto argumentativo. Seu texto deve apresentar introdução, desenvolvimento e conclusão. Cer ti fi que-se de ha ver es co lhi do um dos te mas pro pos tos e dê um tí tu lo a seu tex

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II)

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II) Órg. 6 11 q = 60 me mf ortas a ris to! Não te mais, não te nhais do: 'scanca rai o vosso cora ção ao mor de Deus. RI POR RIO (Hino ao eato João Paulo II) ortas a ris to! Não te mais não te nhais me do;

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

SÊNECA Sobre os enganos do mundo

SÊNECA Sobre os enganos do mundo coleção idealizada e coordenada por Gustavo Piqueira SÊNECA Sobre os enganos do mundo fotos Olegario Schmitt 3 são paulo 2011 Quem se la men ta de que al guém te nha mor ri do se la men ta de ter nas

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o PORTARIA Nº 1 6 4 -D G P, D E 4 D E NOV E M B RO D E 2 0 1 1. Alte ra a d is trib u iç ã o d e e fe tiv o d e m ilita re s te m p o rá rio s, p a ra o a n o d e 2 0 1 1. O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1

ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1 ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1 Eládio Torret Rocha Ju iz de Direito do TJSC SUMÁRIO: 1. Intro du ção; 2. A im pren sa e a li mi ta

Leia mais

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DMNSTRÇÃ FNNCER Uma bordagem Prática 5a. Edição Editora tlas Masakazu Hoji NTRDUÇÃ À Capítulo 1 DMNSTRÇÃ FNNCER 1.1 dministração financeira nas empresas 1.2 ntegração dos conceitos contábeis com os conceitos

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA

UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA Pedro Diniz de Sousa Resumo Parte-se de uma definição do conceito de dramatização e da identificação das funções que o discurso dramático pode desempenhar

Leia mais

IN S A In s titu t N a tio n a l

IN S A In s titu t N a tio n a l IN S A : U m a re d e d e 5 e s c o la s s u p e rio re s d e e n g e n h a ria O INS A de Rennes existe desde 1966 R ouen O INS A de Rouen existe desde 1985 O INS A de S trasbourg existe desde 2003 R

Leia mais

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil.

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil. Outubro de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Sexta-feira 31 34351 ares, me diante a exibição de ofí cio ou mandado em forma regular. 1º So men te se ex pe di rá pre ca tó ria, quando, por essa for ma, for

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

Prefeitura Municipal de Gavião-BA

Prefeitura Municipal de Gavião-BA Edição Nº Nº 024/2012 030/2012 Segunda-Feira Quinta-Feira 08 26 de Março Junho de 2012 Rua Irmã Dulce, nº 370 Gavião Bahia CEP: 44650-000. Tel/Fax: 75.3682 2271 CNPJ: 13.233.036/0001-67 www.gaviao.ba.gov.br

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00034 Sexta-Feira Quit-Feira 22 08 de de Fevereiro Março de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Leia mais

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024 E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E M A J O R V I E I R A S E C R E T A R I A M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O, C U L T U R A E D E S P O R T O C N

Leia mais

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Informativo mensal da unidade Contagem da PUC Minas nº 78 Agosto de 2008 Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Com três li nhas de pro du tos bá si ca, es cri tó rio e es por ti va, a

Leia mais

EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO

EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO A Co o r d e n a ç ã o d e E s t á g i o d a P r o c u r a d o r i a d a R e p ú b l i c a

Leia mais

. D A D O S I N I C I A I S 1.1 N a t u r e z a e fi n a l i d a d e d a e d i f i c a ç ã o : i n d i ca r o ti p o d e e d ifi ca ç ã o ( e x : e s c o l a r u r a l co m 0 2 s a l a s, e sc o la u r

Leia mais

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C iclo de vida : Do pneu novo ao pneu us ado FABRICAÇÃO IMPORTAÇÃO MERCADO Pneus Novos EXPORTADOS Pneus novos Fora do

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 1 a Começa assim Este jogo começa com todos os participantes procurando as PA LAVRAS SEMENTES. E isso não é nada difícil! Basta as pessoas que vão jogar o jogo saírem conversando

Leia mais

REGULA M E N T O DO PROGRA M A SUPER PONTO S

REGULA M E N T O DO PROGRA M A SUPER PONTO S REGULA M E N T O DO PROGRA M A SUPER PONTO S SORO C R E D 1. DEFINIÇÕE S 1.1. AD M I N I S T R A D O R A S O R O C R E D AD M I N I S T R A D O R A DE CA R T Õ E S DE CR É D I T O LT D A. 1.2. AFILI A

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL

CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL Miguel Correia Pinto e Manuel Mira Godinho Resumo Com os avanços nos domínios da biotecnologia registados nas décadas mais recentes, os conhecimentos

Leia mais

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Reconhecido Pela Portaria Nº 1.705 De 18 de Outubro de 2010,

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H Plano de Ação 1 C O N T E X TO (R es ulta do s R E H U F) D es de s ua c o nc epç ã o o R E H U F tem a tua do : N a fo rm a de Fina nc ia m ento

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto

FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto Primórdios Afir mar que a so ci o lo gia por tu gue sa só co me çou ver da de i ra men te

Leia mais

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia José Manuel Leite Viegas Introdução Na úl ti ma dé ca da do sé cu lo pas sa do as sis tiu-se

Leia mais

Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná.

Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná. Advo ga dos Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná. Man da do de Se gu ran ça 768.003-5 Jul ga men to: Órgão Espe ci al. Rel.:

Leia mais

$% & '( )& & & $ *+ & % & ''( & & & & & $

$% & '( )& & & $ *+ & % & ''( & & & & & $ "#!!"# $% & '( )& & & $ *+ & % & ''( & & & & & $ $, &-. & */0$ & 1 &#&2& &2# &* &##&* 889$ 1# &0 ' 1 &:1 && 8$;:$!& 𕬸 '( & '( ' $ &# 1 &1 & $ $ % P a í s Em pre s a Té c nic a R e s po nde nte s

Leia mais

botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22

botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22 botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22 sumário Introdução... 17 Gua ra ná Porrada... 25 Muletas... 39 Exó ti cas gan gues... 47 Um mons tro e um pinguim... 55 Si ga o cão... 61 Dia de campeão...

Leia mais

M. J. Ryan. O poder da autoconfiança

M. J. Ryan. O poder da autoconfiança M. J. Ryan O poder da autoconfiança Para a verdade, a beleza e a sabedoria que existem em cada um de nós. E, em particular, para Dawna Markova, que me ensinou a cultivar essas qualidades. Confie em si

Leia mais

6º C O N G R E S S O EX O D U S BR A S I L Goiânia, 5 a 7 de Setembro de 2008 Sexualidade, Verdade e Graça

6º C O N G R E S S O EX O D U S BR A S I L Goiânia, 5 a 7 de Setembro de 2008 Sexualidade, Verdade e Graça 6º C O N G R E S S O EX O D U S BR A S I L Goiânia, 5 a 7 de Setembro de 2008 Sexualidade, Verdade e Graça Vive m o s um mo m e n t o cruci al para a Igreja Cristã, onde mais do que nunca é imp ort a n

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 016/11.

ORDEM DE SERVIÇO Nº 016/11. ORDEM DE SERVIÇO Nº 016/11. Porto Alegre, 6 de julho de 2011. AOS SENHORES SECRETÁRIOS MUNI- CIPAIS, PROCURADO R-GER AL DO MU- NICÍPIO, D IRETORES-GERAIS DE AU- TARQUIAS, COORDENADORES-GERAIS DE G ABIN

Leia mais

INVENTÁRIO DE FONTES DA IRMANDADE DE SÃO JOÃO EVANGELISTA TIRADENTES-MG XVIII XX

INVENTÁRIO DE FONTES DA IRMANDADE DE SÃO JOÃO EVANGELISTA TIRADENTES-MG XVIII XX ARQUIVO ECLESIÁSTICO DA DIOCESE DE SÃO JOÃO DEL-REI INVENTÁRIO DE FONTES DA IRMANDADE DE SÃO JOÃO EVANGELISTA TIRADENTES-MG XVIII XX BISPO DIOCESANO Revmo. Dom Waldemar Chaves de Araújo DIREÇÃO Monsenhor

Leia mais

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011 Oferta Significado 2011 Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão Setembro 2011 Data para submissão das Candidaturas: Até 10 de Outubro 2011 Financiamento Formação Geral Micro

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M N Ú C L E O D E C O M P R A S E L I C I T A Ç Ã O A U T O R I Z A Ç Ã O P A R A R E A L I Z A Ç Ã O D E C E R T A M E L I C I T A T Ó R I O M O D A L I D A D E P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 027/ 2

Leia mais

A history of child's rights in Portuguese speaking countries.

A history of child's rights in Portuguese speaking countries. Estudos Históricos (Rio de Janeiro), vol. 25, núm. 50, 2012, pp. 475-478. A history of child's rights in Portuguese speaking countries. Arend, Silvia Maria Favero. Cita: Arend, Silvia Maria Favero (2012).

Leia mais

O PODER DAS REDES OU AS REDES DO PODER Análise estratégica numa organização com intranet

O PODER DAS REDES OU AS REDES DO PODER Análise estratégica numa organização com intranet O PODER DAS REDES OU AS REDES DO PODER Análise estratégica numa organização com intranet Sandra Pereira Introdução O po der é um pro ble ma cen tral nas or ga ni za ções en quan to es pa ços de con fli

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007 REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL JUNHO/27 VOLUME II ANEXOS ANEXO I DESENHOS... 1 Revisão do Plano de Controle Ambiental PCH Piedade Junho/27 ANEXO I DESENHOS Sigla PIE-CAN-2 PIE-ACE-2 PIE-RESG-1

Leia mais