SELEÇÃO DE ARTIGOS DO PROFESSOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SELEÇÃO DE ARTIGOS DO PROFESSOR"

Transcrição

1 SELEÇÃO DE ARTIGOS DO PROFESSOR

2 Página 1 ARTIGOS DO PROFESSOR Artigo 1 Língua Culta O que existe e o que não existe em Língua Portuguesa... Artigo 2 Normas Gerais da Língua Culta... Artigo 3 Problemas Gerais da Língua Culta... Artigo 4 Que língua! Tantos quês... por quê?... Artigo 5 O resgate do pronome cujo... Artigo 6 Onde o onde não é correto... Artigo 7 Remição ou Remissão? Eis a questão.... Artigo 8 Hífen e o Acordo... Artigo 9 As encruzilhadas do Acordo Ortográfico... Artigo 10 A queda do circunflexo em creem, deem, leem e veem... Artigo 11 As Dez Estranhezas do Acordo Ortográfico... Artigo 12 Reforma Ortográfica: o que parece ter mudado, mas não mudou.... Página 01 Página 02 Página 03 Página 05 Página 07 Página 09 Página 11 Página 13 Página 14 Página 16 Página 18 Página 21 Artigo 1 Língua culta O que existe e o que não existe em Língua Portuguesa Há erros que se cristalizam no dia a dia da comunicação oral. Isso se evidencia em coletividades que utilizam idiomas complexos, como o nosso, a par das demais nações lusófonas. O eminente lexicógrafo Houaiss define Barbarismo como o uso sistemático de formas vocabulares inexistentes na norma culta da língua, por parte de falantes que não a dominam inteiramente. Os exemplos abaixo citados enquadram-se no conceito descrito. É comum a indicação da ocorrência de festas beneficientes. Trata-se de um evento inexistente. A razão? A festa só poderá ser beneficente. A beneficência ou filantropia é a atividade criativa ou que traz benefício. A pronúncia equivocada beneficiente -, por certo, não trará nenhum. É de todo recomendável ajudar quem necessita...e por que não fazer com gramaticalidade? Em outro giro, quando se quer dar um tratamento vago e indeterminado, referindo-se a outrem, usa-se a forma estereotipada, fulano, beltrano e.... As reticências indicam que faltou a terceira referência, não é mesmo? Digamos que o suspense é propositado. A razão? Fala-se e grafa-se com imprecisão o termo omitido. Assimilemos: fulano, beltrano e sicrano esta última com s e sílaba cra (não -cla ). Não há dúvida que a sonoridade da forma correta é estranha. Todavia, não se trata de boa ou má sonoridade, mas de correção ortográfica, e dela não podemos prescindir. É sabido que as palavras têm força demasiada. Assemelham-se ao pássaro que foge da gaiola, não mais retornando ao local de onde partiu. Há de haver cautela na anunciação dos termos. Nesse passo, tem-se ouvido a expressão no que pertine.... Muita calma! Trata-se de menção a verbo inexistente em nosso léxico. Encontram-se, sim, dicionarizados os termos pertinente e pertinência, porém o verbo não foi previsto. Assim, seu uso deriva da imaginação. Deve-se evitar a forma, substituindo-a por no que concerne..., no que tange... ou, ainda, no que se refere.... Se as palavras são como pássaros que fogem da gaiola, certamente, muitos deles encontram-se soltos por aí.... Note mais um barbarismo: os gramáticos e os dicionaristas não registram o uso vernáculo da locução a teor de, ocupando o lugar das corriqueiras conjunções conformativas conforme, como, consoante, nos termos de, de conformidade com. Estas expressões

3 Página 2 são válidas; aquela, não. Portanto, há erronia quando se diz a extinção do feito se deu a teor do art. 267 do CPC. Prefira a extinção do feito se deu conforme o art. 267 do CPC (ou com as outras locuções sugeridas). De fato, os equívocos mencionados são deveras curiosos. Não menos intrigante é a disseminação deles no falar diário. Situações há em que a forma correta - por ser tão rara diante do uso interativo da expressão condenável -, pode causar estranheza e ser tida como a inválida, a incorreta. Note o caso de aficionado. O adjetivo deve ser assim grafado e pronunciado. Não existe a forma aficcionado, com dois cês. Assim, memorize: quem é entusiasta ou nutre simpatia por algo é um aficionado e ponto final. Talvez o dislate derive da falsa correlação com o termo ficção, porém não deve haver similitude entre as formas. Os ingleses têm uma emblemática máxima: A imaginação é a inteligência se divertindo. De fato, não há nada mais fértil que nosso poder de criar, de imaginar. Entretanto, a comunicação deve se dar com o rigor das normas cultas. A inteligência pode se divertir, porém a diversão não deve provocar irritabilidade a quem se dirige tornando o ouvinte irascível aliás, um termo normal pronunciado por aí. Deve-se falar assim, e não como dois erres irrascível um vocábulo inexistente. Nosso dia a dia apresenta-se repleto de encruzilhadas linguísticas. Entre o que existe e o que não existe em Língua portuguesa está a chave do uso escorreito do idioma. Talvez a chave da gaiola daqueles pássaros que voam por aí... Artigo 2 Normas gerais da língua culta Há poucos dias, chegou ao meu conhecimento que, em um concurso da área jurídica, teria sido solicitada, como questão de língua portuguesa, a elaboração de uma dissertação sobre o verbo haver. Não me causou estranheza, haja vista se tratar de verbo corriqueiro em nossa linguagem cotidiana. Com efeito, uma olhadela no parágrafo anterior indicará a presença do verbo em dois momentos: há poucos dias..., logo no início;...haja vista se tratar de..., ao término do articulado. O verbo haver possui inúmeras acepções: seu significado vai de um simples existir (Houve um incêndio) até um curioso sentido de conseguir (Houve do poder público a comutação da pena). Nesse multifacetado contexto significativo, requer-se cautela. A propósito, o sentido mais usual, designativo de existir, mostra a forma impessoal do verbo haver. Assim, não se podem pluralizar as formas, como se nota nos exemplos a seguir: Há cinema na cidade Há cinemas na cidade; Houve briga no estádio Houve brigas no estádio. Nesse passo, diga-se que as locuções verbais manter-se-ão, igualmente, inalteradas. Observe: Deve haver cinema na cidade Deve haver cinemas na cidade; Há de haver disputa violenta Há de haver disputas violentas. Não menos usual, com ênfase na redação forense, desponta a locução haja vista, na acepção de tendo em vista. Trata-se de expressão fossilizada, isto é, grafa-se haja vista, e não haja visto um produto da mirabolante imaginação humana. A ressalva existe para caso distinto: haja visto como locução verbal indicativa de tenha visto. Exemplo: Espero que haja visto a comédia. Nesse caso, não há problemas... há de haver tolerância! Tolerância deve-se ter com outras locuções compostas pelo verbo em análise: bem haja, na acepção de seja feliz (Exemplo: Bom hajam os que veem hoje como o amanhã de ontem); haver mister, no sentido de necessitar (Exemplo: Haver mister de comprovar o dolo; Todos os envolvidos haviam mister de defesa nos autos). Não perca de vista que em tais locuções o verbo se torna pessoal, podendo variar.

4 Página 3 Ademais, não é raro encontrar em petições e sentenças a locução Haver por bem, no sentido de vir a propósito uma bemsonante expressão, também variável, no plural Exemplo: Os desembargadores houveram por bem em acolher o pedido da parte. Nesse ínterim, insta mencionar que o verbo pode assumir a forma pronominal: haver-se - uma formação com mais de um sentido: como sinônimo de portar-se : Os alunos não se houveram bem na festa: foi um deus nos acuda! ; ainda, no sentido de acertar contas : Ele vai se haver comigo quando chegar em casa. Quantos significados! - poderá desabafar o leitor. Entretanto, não se pode desesperar recomendo. Há de haver cautela! Cautela em abundância, principalmente, para a compreensão de sentidos estranhos, como: conseguir, na frase: Eles houveram do governo as verbas pleiteadas ; e, julgar ou entender, na oração: Ele é tido e havido por negligente. Por fim, mencione-se que o verbo haver pode vir seguido de infinitivo, com a partícula não anteposta, nos seguintes casos: como o sentido de não ser possível : Não há (que) discutir o ocorrido; não há beijar sem ser beijado. - Ufa! De fato, hei de ter cautela! poderia exclamar, com razão, o nobre leitor. Aliás, a expressão utilizada no desabafo hei de indica o futuro promissivo (de promessa) do verbo. Observe os magistrais verbos da canção Eu te amo (1980), de Tom Jobim e Chico Buarque: Ah, se já perdemos a noção da hora / Se juntos já jogamos tudo fora / Me conta agora como hei de partir (...) Não, acho que estás só fazendo de conta / Te dei meus olhos para tomares conta / Agora conta como hei de partir. Tom e Chico revelaram nos versos acima compostos em 1980 a radical experiência de fusão com a pessoa amada e perplexidade diante do fim da relação. O curioso é perceber que, em 1984, Caetano Veloso, valendo-se do verbo em análise, na bela canção Quereres, pareceu explicar a celeuma da relação amorosa: O quereres e o estares sempre a fim / do que em mim é de mim tão desigual (...) E, querendo-te, aprender o total / do querer que há e do que não há em mim. Talvez o amor seja assim: complexo e intrigantemente convidativo, como o verbo haver. Houve por bem Gilberto Gil, nos magistrais versos da canção Estrela, quando nos remeteu a essa estranha e convidativa complexidade : Há de surgir / uma estrela no céu cada vez que ocê sorrir / Há de apagar / uma estrela no céu cada vez que ocê chorar (...). De fato, o verbo haver e o amor podem nos ensinar: há de haver compreensão... Artigo 3 Problemas gerais da língua culta Em certa ocasião, um Aluno me procurou e fez o seguinte pedido: - Professor Sabbag, poderia me dar algumas dicas de português? É que vou fazer uma prova dissertativa, em concurso da área jurídica, e não poderei cometer erros. Estou desesperado... Recordo-me de ter respondido ao aflito Aluno: - Meu caro amigo, nossa língua não se resume a meras dicas, porém anote aí algumas observações...e não se desespere...

5 Página 4 Naquela ocasião, dei-lhe conceitos mais objetivos, pensando nas situações de dúvida que ele poderia encontrar no momento da confecção da peça dissertativa. Neste instante, rememoro alguns pontos lá enunciados, transmitindo-lhe, caro Leitor, nas linhas a seguir: 1. Evite a expressão através de usada sem adequação. Essa locução preposicional significa de um para o outro lado, na acepção de transpor obstáculo. Portanto, é erronia usar a expressão como indicadora de meio. Em português, as preposições que indicam relações de meio são: por meio de, por intermédio de, mediante, entre outras. Note o uso correto: Irei ao outro lado do rio através da ponte; A bala passou através da parede; Laços que se prolongam através das eras. (Alexandre Herculano). Observe o uso inadequado nas situações a seguir discriminadas: O Autor vem aos autos através do advogado abaixo assinado. Chegaram a um bom termo através do acordo. 2. Cuidado com a ortografia, evitando erros que podem comprometer a estética do texto. Não titubeie em vocábulos corriqueiros, como exceção, excesso ou excessivo. A grafia de tais palavras é demasiado problemática. Caso pretenda se referir, eventualmente, a um inciso inserido em um artigo, use a forma inserto, com s. Grafa-se com c (incerto), se a intenção for mostrar aquilo que não está certo. 3. Muito cuidado com o uso de expressões latinas, que devem ser grafadas com aspas, dando-lhes o destaque necessário. É oportuno lembrar que não se acentuam as palavras latinas. Portanto, grafe data venia, sem acento circunflexo, ao indicar a forma polida de manifestar seu pensamento. Entretanto, saiba que pertence a nosso idioma o termo vênia, com acento circunflexo uma paroxítona terminada em ditongo, na acepção de licença que, por deferência, pode-se a outrem. Exemplo: Com a devida vênia dos senhores, vou me retirar. 4. Tome cautela com o uso da crase. Entre as inúmeras regras, procure se lembrar de que não se usa o sinal grave (`) antes do verbo. Portanto, escreva a locução a partir de..., sem crase. Exemplo: O Direito Civil foi construído a partir da legalidade constitucional. Nesse passo, não omita o sinal nas locuções compostas de palavras femininas: à custa de, à medida que, à toa, às pressas, entre outras. Exemplo: Ele procede à feitura do projeto, à medida que se orienta melhor. 5. Outro defeito da redação forense, prejudicial à precisão do texto, consiste no abusivo emprego da locução sendo que, com valor conjuncional. Esta expressão pode ser bem empregada, quando for sinônima de uma vez que, pois etc., haja vista representar uma locução conjuntiva casual. Observe o uso inadequado, nas situações a seguir discriminadas, acompanhadas da ulterior correção: I O homem disparou quatro tiros, sendo que duas balas atingiram a vítima. Corrigindo: O homem disparou contra a vítima quatro tiros, dos quais dois a atingiram. II As duplicatas estavam em seu poder, sendo que a quitação foi dada posteriormente. Corrigindo: As duplicatas, cuja quitação foi dada posteriormente, estavam ao seu poder. III Os réus foram citados, sendo que apenas um deles contestou. Corrigindo: Os réus foram citados, mas apenas um deles confessou. 6. Não esqueça a acentuação adequada. É mister salientar que o termos Júri recebe o acento agudo - trata-se de uma paroxítona terminada em i, à semelhança de biquíni, safári, táxi, beribéri etc.

6 Página 5 Por outro lado, o vocábulo item não é acentuado, uma vez que não se acentuam as paroxítonas com terminação em. Por derradeiro, o termo juiz não recebe o acento agudo, enquanto o plural juízes leva o acento, por se tratar de regra afeta a hiato. 7. É importante o conhecimento do vocabulário, a fim de que se utilizem os termos com precisão, oriundos de nosso rico léxico. Nesse contexto, deve-se escrever eminente, na acepção daquilo que é nobre ou elevado, e iminente, para o que está prestes a acontecer ; é necessário, outrossim, grafar seção (para departamento : seção eletrônicos), sessão (para apresentação : sessão Júri) e cessão (para o ato de ceder : cessão de direitos). 8.A concordância adequada é fundamental. Se utilizar a forma dado o ou dado a, saiba que tais termos são regidos pelo nome a que se referem. Exemplo: Dado o documento, decidi agir. Com o substantivo no plural, ter-se-á: Dados os documentos, decidi agir. A mesma regra vale para o vocábulo feminino. Exemplo: Dada a circunstância, tomei a providência. Veja com o plural no substantivo: Dadas as circunstâncias, tomei a providência. Evite, portanto, o erro não pouco comum: Dado as circunstâncias, tomei a providência. Essas foram as ficas ofertadas àquele eminente Aluno. A você, nobre Leitor, reitero-as. Boa sorte! Artigo 4 Que língua! Tantos quês... por quê? Que língua! Tantos quês... por quê? O aluno estava ofegante. Havia subido as escadas, que levam à sala de aula, à minha procura, com uma dúvida que parecia o afligir. Tratava-se da frase que intitula o presente artigo e que fora solicitada em prova de língua portuguesa em concurso a que ele se submetera: Que língua! Tantos quês...por quê? Algo o perturbava: os acentos circunflexos (quês / quê). Além disso, não se conformava com o plural quês e desconhecia a razão da separação na forma por quê. Ao ouvir a frase, adiantei-lhe, de pronto: - Meu caro aluno, a frase está correta. Seu olhar demonstrou certa dose de espanto e decepção. Talvez tivesse, por qualquer motivo, acreditando na incorreção da frase... - Sim, há precisão na forma insisti. O tema, todavia, é bastante complexo. A palavra que, meu amigo, é uma das mais difíceis de se analisar no português. Essa palavrinha, aparentemente singela, provoca celeumas diversas, em virtude de suas múltiplas funções sintáticas. Passei, portanto, a esclarecer: - Na frase inicial Que língua!, o termo sublinhado apresenta-se como pronome indefinido, ao se ligar a um substantivo em frase exclamativa. Exemplo: Que frio terrível! Quanto à frase seguinte Tanto quês...por quê? -, é prudente lembrar a letra da canção Meu Bem Querer, do Djavan: Meu bem querer / Tem um quê de pecado... O termo aparece acentuado, pois se trada de substantivo. Nesse caso, como monossílabo tônico, receberá o acento circunflexo.

7 Página 6 A forma quê complementei ocorrerá em diversas hipóteses: (I) com a letra Q, que deve ser escrita com acento quê ; (II) quando se exprime sentimento ou emoção, por meio de uma interjeição: Quê! Você de novo! ; (III) quando se tratar de pronome indefinido pronunciado tonicamente, em frases interrogativas: A produto é feito de quê? ou Isso tem gosto de quê? ; (IV) com a expressão um não sei de quê : Em seu semblante, havia um não sei de quê irônico. O aluno ouvia atentamente, esperando sanar todas as dúvidas. Assim, dispus-me a elucidá-las, com paciência: - Note bem: a forma por que, separada, ocorre em virtude da junção da preposição por com o pronome interrogativo que, equivalendo a por qual motivo ou por qual razão. Nesse passo, diga-se que o fato de surgir no final da frase, imediatamente antes de um sinal de pontuação ponto de interrogação, no caso torna o termo tônico, avocando-se-lhe o acento circunflexo (quê). E perguntei ao aluno: - Você não se lembra da emblemática canção Carinhoso, de Pixinguinha e João Barro? Meu coração, não sei por quê, bate feliz quando te vê. O aluno acenou afirmativamente, demonstrando captar a explicação. Estava certo de que o tema era complexo. Resolvi, então, provocá-lo com uma indagação: - Como compreendeu algumas funções do que, deixe-me ver se supera este teste: qual a função da palavra que na frase Que vida boa que você tem!? O aluno pensou e não conseguiu responder ao teste. De fato, a pergunta era capciosa. Dei-lhe a resposta: - Partícula de Realce ou Expletiva, isto é, o termo pode ser retirado da frase sem prejuízo ao sentido. Poder-se-ia dizer, omitindose a palavra: Vida boa você tem! Aparece quase sempre na locução é que. Observe a frase elucidativa de Machado de Assis : Que suplício que foi o jantar!. O primeiro que é pronome indefinido; o segundo, por sua vez, é partícula expletiva. Na ocasião, aproveitei para enriquecer o diálogo com outro exemplo: - Veja os versos de Casimiro de Abreu, para os quais têm as mesmas classificações supramencionadas pronome indefinido e, depois, partícula expletiva: Oh! Que saudades que eu tenho / Da aurora da minha vida, / Da minha infância querida (...) O aluno, que ouvia com atenção, anunciou sua partida: - Professor, muito obrigado. Foram providenciais as explicações. Tenho que ir... Enquanto o aluno se afastava, despedi-me, sem perder a chance do complemento: - A propósito, nesta frase tenho que ir o termo que é preposição, sabia? Pode ser substituído por de, vindo ao lado dos verbos ter e haver. O aluno acolheu a regra derradeira e, valendo-se de emblemático verso da MPB, sugeriu, com pontualidade, Gilberto Gil: Se eu quiser falar com Deus, tenho que ficar a sós. Elogiei a argúcia e rebati, ratificando-o com Chico Buarque: Alguém vai ter que me ouvir / Enquanto eu puder cantar. Sorrindo, ambos exclamamos: Que língua!

8 Página 7 Artigo 5 O RESGATE DO PRONOME CUJO Há poucos dias, um aluno me perguntou: - Professor, o pronome cujo deixou de existir? Categoricamente, respondi: - Claro que não! A indagação, por ser bastante pertinente, merece uma reflexão, o que me levou a elaborar este artigo. O uso do pronome relativo cujo tem se tornado bastante raro na escrita. Qual seria o motivo de tal isolamento? Talvez seja a sua engenhosa aplicação, que demanda certa desenvoltura no tema gramatical afeto ao uso dos pronomes relativos. Por outro lado, há os que o condenam por ser ele pouco eufônico. Existem, ainda, muitos que afirmam viver muito bem sem ele... De uma maneira ou de outra, é possível resgatá-lo do ostracismo com bons argumentos. Em primeiro lugar, devemos entender que o pronome relativo cumpre importante função nas orações: designa uma relação de posse entre o termo que ele antecede e o outro a que sucede. Verifique: Homem cujo terno (...) A frase indica que o terno pertence ao homem, e o pronome cujo veio intermediar o elemento possuidor (homem) e o elemento possuído (terno). Por essa razão, meus alunos têm assimilado em sala de aula um recurso mnemônico importante para a aplicação desse pronome: Possuidor CUJO Possuído Vamos treinar com outro exemplo: Com os termos árvore e frutos, pode-se dizer árvore cujos frutos, pois se destacam o elemento possuidor (árvore) e o elemento possuído (frutos). Portanto: ÁRVORE CUJOS FRUTOS = POSSUIDOR CUJO POSSUÍDO No exemplo acima, aliás, foi possível notar algo importante: o pronome relativo cujo deverá concordar em gênero e número com o termo que a ele sucede, ou seja, com o termo seguinte. Note que se disse árvore cujos frutos. Da mesma forma, teremos que estabelecer a concordância em homens cujas esposas ; pássaros cujos cantos ; leis cujos artigos ; Constituição cujo preâmbulo etc. Evidencia-se, desse modo, que o formato da estrutura pronominal acima demonstrado não tende a ofertar grandes problemas ao estudioso da gramática. Aliás, as Bancas de concurso preferem apimentar os testes sobre o tema, trazendo situações em que o pronome relativo cujo aparece ao lado de preposições, como nas formas para cujo, de cujo, ante cujo, sobre cujo, a cujo, entre outras. Como isso ocorre?

9 Página 8 Vou demonstrar a situação por meio da seguinte frase: Esta é a árvore DE cujos frutos DEPENDO. Note que o período trouxe a preposição de, própria do verbo transitivo indireto depender ( quem depende, depende de algo ou de alguém ), tendo sido inserida antes do pronome ( de cujos ). Daí se falar que, nos casos de verbos transitivos indiretos, que trazem a reboque a preposição, passaremos a ter uma fórmula mnemônica um pouco mais sofisticada: Possuidor PREP. CUJO Possuído * PREP.: significa preposição, ocorrendo a abreviatura na fórmula para facilitar a pronunciação do macete. Vamos reforçar com outro exemplo: Com os termos pessoas e palavras, no contexto do verbo acreditar, pode-se dizer pessoas EM CUJAS palavras eu ACREDITO, destacando-se o elemento possuidor (pessoas), o elemento possuído (palavras), o pronome relativo em adequada concordância (cujas) e, finalmente, a preposição (em), inserida antes do pronome relativo. Portanto: PESSOAS EM CUJAS PALAVRAS (...) = POSSUIDOR PREP. CUJO POSSUÍDO Vamos, agora, apreciar algumas elucidativas frases, com o formato acima destacado: 1. CONTRA CUJA: Foi o paciente absolvido em revisão criminal do crime contra cuja condenação é impetrado o "writ. 2. SOBRE CUJO: Apreciei muito o discurso sobre cujo estilo vou escrever. 3. A CUJA: O concurso a cuja premiação eu me referi aceita inscrições até amanhã. 4. COM CUJO: A Renascença, com cujo advento a nossa civilização começou, teve origem em diversos elementos. 5. DE CUJAS: Comprei o disco do compositor de cujas músicas você sempre fala. 6. PARA CUJAS: A instituição de caridade para cujas obras você contribuiu espontaneamente fez bom uso da doação. 7. POR CUJO: O jogo por cujo resultado ansiamos está na iminência de acabar. Diante do exposto, é indubitável admitir que o bom uso do pronome relativo traz elegância ao texto, além de exprimir a precisão da ideia a ser transmitida. Sua relevância no plano gramatical, a propósito, pôde ser ratificada, no último dia 22, quando o maior vestibular do Brasil o da FUVEST exigiu dos candidatos a uma vaga na USP o bom uso do pronome relativo cujo, em uma das duas questões de gramática, formuladas na prova. Observe a frase considerada correta no indigitado teste: A janela propiciava uma vista para cuja beleza muito contribuía a mata no alto do morro. Com os termos vista e beleza, no contexto do verbo contribuir, diz-se vista PARA CUJA beleza muito CONTRIBUÍA, destacando-se o elemento possuidor (vista), o elemento possuído (beleza), o pronome relativo em adequada concordância (cuja) e, finalmente, a preposição (para), inserida antes do pronome relativo.

10 Página 9 Assim, para aquele aluno que me questionou, disse algo mais: - Meu caro amigo, não há nenhuma dúvida que o pronome relativo cujo continua existindo. E, complementei, em trocadilho, afirmando: - Na batalha dos pronomes relativos, já é hora de fazermos o resgate do pronome cujo... Artigo 6 Onde o onde não é correto... É muito comum, na formação de períodos sintáticos, o uso inadequado do termo onde. Costumo dizer que se coloca o onde onde não se deve.... Daí a utilização das palavras em trocadilho, no título deste artigo (Onde o onde não é correto...), que, à primeira vista, pode não soar tão bem, entretanto serve propositadamente para chamar a atenção do leitor a um problema crônico na sintaxe. Como classe morfológica, onde pode ser um advérbio interrogativo ( Onde está o homem? ) e pronome relativo ( Esta é a cidade onde nasci. ) o que nos interessa diretamente neste artigo, equivalente a em que, no qual, na qual, nos quais, nas quais ( Esta é a cidade EM QUE / NA QUAL nasci. ). ` O pronome relativo retoma um termo expresso anteriormente (antecedente) e introduz uma oração dependente, adjetiva. Assim, na análise sintática, o termo onde será identificado como um adjunto adverbial de lugar. A propósito, deve referir-se sempre a lugar físico, espacial ou geográfico, sendo inadequado seu uso quando atrelado a situações diversas. Os exemplos são esclarecedores: 1. A estrada onde ocorreu o acidente. 2. O prédio onde ele trabalha. Nas duas frases acima, nota-se que o pronome se liga a referentes que designam um lugar determinado, a saber, a estrada e o prédio. Nessa medida, houve adequação na construção dos períodos, que poderiam ser também escritos: 1. A estrada EM QUE / NA QUAL ocorreu o acidente. 2. O prédio EM QUE / NO QUAL ele trabalha. Como recurso mnemônico, pode-se tirar a prova do bom uso em dois passos simples: 1º. Substitua o pronome pela expressão o lugar em que ; e 2º. Elimine o elemento antecedente. Exemplo: Situação: A estrada onde ocorreu o acidente. 1º. A estrada [O LUGAR EM QUE] ocorreu o acidente. 2º. A estrada [O LUGAR EM QUE] ocorreu o acidente. Resultado: O lugar em que ocorreu o acidente. Gonçalves Dias, na clássica Canção do Exílio, deixou-nos a lição no verso Minha terra tem palmeiras onde canta o sabiá. É fácil perceber que as palmeiras indicam o lugar em que o sabiá vai fazer a sua cantoria. Por outro lado, existe um costume condenável de se usar a forma onde em excesso nos textos escritos. Costumamos denominar o fenômeno de ondismo, no qual se associa o pronome a situações que não indicam valor circunstancial de lugar. Observe as situações abaixo, em que o erro se torna patente: 1. Nos autos, foram colhidos depoimentos onde ficou evidente a culpa do réu.

11 Página 10 Ora, o referente depoimentos indica um domínio não geográfico. A frase deve ser assim corrigida: Nos autos, foram colhidos depoimentos EM QUE / NOS QUAIS ficou evidente a culpa do réu. Daí se dizer que onde sempre equivalerá a EM QUE, mas a recíproca pode não ser verdadeira, motivo por que se têm construído, a torto e a direito, muitos períodos de forma errônea. Observe mais exemplos de incorreção: 2. O candidato prestou o concurso onde questões de provas foram anuladas. Correção: O candidato prestou o concurso EM QUE / NO QUAL questões de provas foram anuladas. 3. Esta é a família onde há violência doméstica. Correção: Esta é a família EM QUE / NA QUAL há violência doméstica. Da mesma forma, tem sido muito comum o errôneo emprego de onde como antecedente de tempo. Observe o problema: 1. Este é o ano onde tudo melhorará. O antecedente ano designa uma referência temporal, devendo afastar o pronome onde. Substitua-o, assim: Este é o ano EM QUE / NO QUAL tudo melhorará. De modo semelhante, outras frases podem ilustrar a aplicação imprópria do pronome quando os referentes forem temporais: 2. Esta é a época onde as flores nascem. Correção: Esta é a época EM QUE / NA QUAL as flores nascem. 3. O dia onde a guerra começou. Correção: O dia EM QUE / NO QUAL a guerra começou. 4. O século onde tudo se explica. Correção: O século EM QUE / NO QUAL tudo se explica. A propósito, em junho de 2011, a Fundação Getúlio Vargas elaborou importante questão no vestibular para os candidatos pretendentes ao curso de Administração de Empresas. No caso, o candidato teve que identificar a inadequação do uso de onde na frase Uma noite onde ninguém é o que parece ser. Com efeito, o referente noite não designa lugar, mas tempo. Assim, poderíamos corrigir a frase por: Uma noite EM QUE / NA QUAL ninguém é o que parece ser. Por tudo isso, devemos evitar o uso indiscriminado do pronome relativo onde. A cautela, aqui, não será algo excessivo, mas imprescindível. Aliás, o cauteloso terá o domínio da boa aplicação do pronome relativo e... a chave dos lugares onde o onde é adequado. É só entrar e bem aplicar!

12 Página 11 ARTIGO 7 REMIÇÃO OU REMISSÃO? EIS A QUESTÃO. A dúvida é frequente: escreve-se o substantivo com ss ou com cê-cedilha? E mais: o verbo remir está para remição ou para remissão?. Há tempos venho verificando que o uso (ou mau uso ) dos substantivos REMIÇÃO E REMISSÃO não chega a ser caótico, mas, certamente, aproxima-se da desordem e da incoerência. O Código Civil, por exemplo, na redação anterior (Lei 3.071/1916), estampava quase uma dezena de equívocos, trazendo remissão nos lugares que avocavam o termo REMIÇÃO. Com a Lei /2002, o legislador se redimiu, ou melhor, nem tanto... Corrigiu a maioria dos dispositivos, mas esqueceu de retificar alguns (veja os arts. 1436, V, e 1481, 2º, que permaneceram ainda com o atrapalhado termo remissão ). Isso sem contar o fato de que convivemos com idêntica gafe, até hoje, na Lei de Falências (DL 7.661/45), em seu art. 120, 2º. É evidente que faltou cautela ao legislador. Passemos, então, à análise dos verbos: O verbo REMIR, indicando o ato de REMIÇÃO (com cê-cedilha), possui inúmeras acepções resgatar, pagar, liberar, livrar, todas elas nos levando à ideia de redenção. No âmbito jurídico, o verbo transita com frequência no dia a dia: 1. O ato de depositar em juízo o valor do débito, extinguindo a execução indica que alguém irá REMIR A EXECUÇÃO. Daí, teremos EXECUÇÃO REMIDA (quitada) e REMIÇÃO DA EXECUÇÃO; 2. O ato de desoneração do bem constritado da penhora mediante o depósito do valor da avaliação indica que alguém irá REMIR O BEM DO EXECUTADO. Assim, teremos BEM REMIDO (desobrigado) e REMIÇÃO DO BEM. Aliás, em oportuna aproximação, temos aqui a figura do sócio remido, ou seja, desobrigado do compromisso de arcar com as mensalidades. No plano da conjugação verbal, REMIR oferece alguns desafios. O verbo é defectivo, isto é, não comporta flexões em certas formas. Não obstante, há registros na gramática e até na literatura do abono da conjugação regular do verbo. Nessa linha minoritária, entende-se que se digo eu agrido (para agredir), direi eu rimo (para remir). Observe a conjugação, por exemplo, no presente do indicativo: Eu ; Tu ; Ele ; Nós remimos; Vós remis; Eles. Caso se adote uma distinta solução na linha daqueles que consideram o verbo como sendo de conjugação regular poderá evidenciar, exoticamente, flexões que não pertencem ao verbo REMIR, mas, sim, ao verbo rimar : eu rimo, tu rimas, ele rima, nós rimamos, vós rimais, eles rimam. Frise-se, todavia, que tem prevalecido o entendimento favorável à sua defectividade. Sendo assim, só se admitem as formas verbais em que ao m do radical se segue a vogal i. O que faltar no conjunto de flexões poderá ser suprido com o verbo sinônimo redimir, que, aliás, é conjugado em todas as formas. Tanto REMIR quanto REMITIR derivam da mesma base latina redimere. Observe nossa sugestão de conjugação completa: Eu REDIMO; Tu REDIMES; Ele REDIME; Nós REMIMOS; Vós REMIS; Eles REDIMEM. (redimir) (redimir) (redimir) (remir) (remir) (redimir) No confronto do verbo REMIR e os adjetivos, teremos REMÍVEL ( aquilo que pode ser remido ) e REMIDOR ( aquele que irá remir ou redimir ; o resgatador, o redentor). Por fim, é importante realçar que, em visão mais abrangente, o verbo REMIR pode ainda estar ligado ao sentido de:

13 Página reaquisição a título oneroso: Remiu a vítima do cativeiro com um vultoso resgate. (vítima remida, ou seja, libertada com ônus) 2. libertar da condenação (do inferno); salvar dos pecados pela expiação: Cristo remiu os pecadores da culpa. (pecadores remidos, ou seja, libertados ou salvos); 3. indenizar; ressarcir: Pretendo remir o desfalque que lhe causei. (desfalque remido, ou seja, indenizado); 4. reparar a falta; expiar: O homem irá remir sua infidelidade com grande dedicação. (infidelidade remida, ou seja, reparada); 5. recuperar-se, reabilitar-se (forma pronominal remir-se ): Eu me remi ontem de um erro cometido há alguns anos. (erro do qual me remi, ou seja, do qual me recuperei). Vamos, agora, ao verbo REMITIR: O verbo REMITIR, indicando o ato de REMISSÃO (com ss ), também possui inúmeras acepções, ligadas, em princípio, à ideia de perdão, renúncia, desistência, absolvição. Na órbita jurídica, aparece frequentemente com o sentido de perdão ou liberação graciosa de uma dívida. Exemplo: O credor irá remitir a dívida do cidadão. (dívida remitida, ou seja, perdoada) A propósito, em Direito Processual Penal, diz-se remissão da pena (pena remitida, ou seja, perdoada), ao se estudarem os institutos jurídicos da graça e do indulto. Em tempo, lembre-se que remissão pode ser a fórmula com que se remete o leitor a outro ponto. Exemplo: Vamos fazer remissões aos vocábulos do dicionário. (vocábulos remitidos, ou seja, apontados). O verbo REMITIR comporta outras acepções menos conhecidas, podendo estar ligado ao sentido de: 1. entregar algo ou fazer a cessão de : O diretor remitiu o cargo de chefia a outro funcionário. (cargo remitido, ou seja, entregue a,,,) 2. devolver, restituir: O Estado deve remitir o valor que foi confiscado. (valor remitido, ou seja, restituído); 3. perder a intensidade, afrouxar(-se), enfraquecer: A falta de vitaminas remite o corpo. (corpo remitido, ou seja, enfraquecido); 4. aliviar, consolar: Houve a remissão da saudade que sentia. (saudade remitida, ou seja, aliviada). Quanto à conjugação verbal, o verbo REMITIR não apresenta problemas, pois se flexiona em todas as pessoas, tempos e modos. No confronto do verbo REMITIR e os adjetivos, temos REMISSÍVEL, na acepção daquilo que pode ser remitido, perdoado. Despontam, ainda, como adjetivos: REMISSÓRIO, REMISSOR e REMITENTE. Este último, aliás, também indicando um substantivo. Portanto, aquele que remite será considerado O/A REMITENTE, formando o substantivo REMITÊNCIA. A propósito, o art. 262 do Novo Código Civil (Lei /2002) chancelou as formas em epígrafe, ao dispor: Se um dos credores REMITIR a dívida, a obrigação não ficará extinta para com os outros; mas estes só a poderão exigir, descontada a quota do credor REMITENTE. (grifos nossos) De modo oposto, o art. 131, I, do Código Tributário Nacional veicula um equívoco quando prevê: São pessoalmente responsáveis: I o adquirente ou REMITENTE, pelos tributos relativos aos bens adquiridos ou REMIDOS. (grifos nossos)

14 Página 13 Ora, o dispositivo do CTN se refere à REMIÇÃO, na acepção de resgate do bem mediante pagamento da dívida, a ser feito por aquele que irá REMIR O BEM. Não é à toa que, na parte final do inciso, desponta a expressão (...) bens adquiridos ou remidos. Desse modo, concluímos que o substantivo correlato não poderia ser remitente, como entendeu o legislador porquanto este designa o que remite algo ou alguém, mas REMIDOR, como o resgatador do bem. Há que se refletir, nesse aspecto, sobre uma necessária alteração legislativa do CTN. Diante de todo o exposto, já temos condições de enfrentar as encruzilhadas semânticas dos termos ora estudados. Eu diria que podemos até mesmo nos desafiar: REMIÇÃO OU REMISSÃO? CADA QUAL, UMA SOLUÇÃO. ARTIGO 8 O HÍFEN E O ACORDO Desde o dia 1 de janeiro deste ano, estão valendo as novas regras de acentuação e ortografia impostas pelo Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Sabe-se que o período de transição para o uso das mudanças em nosso dia-a-dia é longo quatro anos, porém se faz necessário, desde já, enfrentar os pontos mais delicados das novas regras. Um deles refere-se ao uso do hífen, considerado um dos vilões do Acordo. O motivo é simples: antes das mudanças, o uso do hífen já se mostrava deveras complicado. Após o acordo, espera-se que o usuário da língua se mostre mais disposto a assimilálo. Sendo assim, antes que este sinalzinho venha recriar problemas entre nós, vamos tratar dele com a merecida atenção: Com boa parte dos prefixos (proto-, extra-, pseudo-, semi-, infra-, e outros), o hífen sempre foi utilizado antes de palavras que se iniciavam por H, R, S e vogal. Agora a regra mudou. Após o Acordo, o hífen só será utilizado se o segundo elemento iniciar-se por H ou por vogal idêntica àquela do final de certos prefixos. Traduzindo: 1. Se antes o hífen era obrigatório em auto-escola, agora se escreve autoescola, pois escola se inicia pela vogal e, que não é idêntica à vogal final o do prefixo auto ; 2. Se antes o hífen era obrigatório em contra-indicação, agora se escreve contraindicação, pois indicação se inicia pela vogal i, que não é idêntica à vogal final a do prefixo contra. Em sala de aula, tenho usado um lúdico recurso para que os alunos memorizem a regra, principalmente para concursos públicos. Refere-se à analogia da regra com a canção de roda, de nossa infância, Atirei o Pau no Gato. Observe o quadro comparativo e tente entoar a canção, aplicando-a à regra do hífen: Cantiga de Roda Atirei o pau no gato (tô tô) Mas o gato (tô tô) Não morreu (reu reu) Dona Chica (cá) Admirou-se (se) Do berro, do berrô que o gato deu Miau!!! Regra do Hífen PROTO, EXTRA, PSEUDO, SEMI, (mi) INFRA, SUPRA, (prá) INTRA, NEO, ULTRA CONTRA, AUTO, (tô) Levam hífen, (fén) Antes de H E idêntica vogal!!!

15 Página 14 Nota-se que o recurso musical é meramente subsidiário, em homenagem à melhor didática. Isso porque, como se pôde notar, a adaptação não é de todo simétrica, todavia é mais uma forma de se assimilar uma regra pouco convidativa, ainda mais em razão do extenso rol de prefixos a ela associados. Buscando-se, ainda, auxiliar a memorização, demonstramos abaixo algumas palavras que sofreram modificações com o Acordo, a fim de que o leitor possa visualizar a mudança e ratificar a grafia à luz do recurso musical acima sugerido: Grafia anterior ao Acordo Extra-escolar Contra-oferta Contra-indicação Intra-ocular Auto-estima Auto-ajuda Extra-oficial Semi-aberto Como ficou... Extraescolar Contraoferta Contraindicação Intraocular Autoestima Autoajuda Extraoficial Semiaberto Por fim, registre-se que o hífen deverá ocorrer nas palavras em que o segundo elemento iniciar-se por idêntica vogal, o que se dava, normalmente, antes do Acordo. Note os exemplos: Anti-ibérico Arqui-irmandade Semi-interno Contra-almirante Auto-observação Supra-auricular Da mesma forma, o hífen aparecerá nas palavras em que o segundo elemento iniciar-se pela consoante h, o que também ocorria, antes do Acordo. Observe os exemplos: Extra-humano Ultra-hiperbólico Semi-hospitalar Semi-histórico Essas são algumas regrinhas para o hífen. Tenho dito que o tempo será o responsável pela nossa adequada assimilação do Acordo. Enquanto isso, não devemos adotar a postura comodista de dar tempo ao tempo. É hoje o tempo da assimilação, do estudo, da aprendizagem. Que venha o Acordo! Ele é bem-vindo! Aliás, mais uma palavra que continua hifenizada após o Acordo... Boa sorte a todos nós! ARTIGO 9 As encruzilhadas do Acordo Ortográfico (Autópsia / Necrópsia ou Autopsia / Necropsia? Tão-somente ou Tão somente? Dia-a-dia ou dia a dia? À-toa ou À toa?) A 5ª edição do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (VOLP), lançado pela Academia Brasileira de Letras (ABL), em março deste ano, provocou importantes modificações na grafia de certos termos. Neste artigo, serão expostas as alterações nos vocábulos e expressões que constam do título em epígrafe. Vamos a elas: 1. Qual a forma correta: autópsia ou autopsia? E quanto à outra: necrópsia ou necropsia? A acentuação do substantivo feminino autópsia sempre gerou grande polêmica: seria autópsia, com acento agudo e sílaba tônica em -tóp (au-tóp-sia: paroxítona acentuada, com terminação por ditongo) ou autopsia, sem acento agudo, na forma polissílaba (au-top-si-a: paroxítona, não acentuada graficamente)?

16 Página 15 A par da discussão, a propósito, outro termo designativo do exame cadavérico necropsia (ou seria necropsia?) sempre se mostrou propenso a gerar dúvidas nos falantes. Já tive oportunidade de escrever aos amigos leitores sobre este tema. Entendo pertinente retomá-lo, uma vez que a nova edição do VOLP trouxe interessante possibilidade. Vamos recordar: A trilha da lexicografia do Aurélio registrava, antes do Acordo, autopsia ou autópsia. Para o Houaiss, entretanto, a única forma aceitável seria autópsia, com acento agudo. O VOLP (4ª edição, de 2004) abonava este último entendimento. Não é demasiado ressaltar que, à luz da etimologia, são eles termos insuficientes e inadequados para exprimirem o exame médico-legal, pois indicam o ato de ver a si próprio, o que não ocorre de fato. Essa é a razão pela qual sempre recomendei a forma necropsia (ne-crop-si-a: sem acento, para o VOLP/2004 e dicionários em geral). O outro termo necrópsia não era vernáculo. Diante desse quadro, seguindo a recomendação da Academia Brasileira de Letras, recomendava em sala de aula que se adotasse a grafia oficial: autópsia ou necropsia, com preferência para esta última. Ocorre que a 5ª edição do VOLP, lançada em março deste ano, chancelou também as formas que até então não eram aceitas pela ABL: autopsia e necrópsia. Dessa forma, os substantivos femininos passaram a ser de dupla prosódia : autópsia ou autopsia e necropsia ou necropsia. Portanto, ao se fazer menção ao exame médico-legal, que implica a visão pormenorizada do morto, podem ser utilizadas, na dupla prosódia, autópsia e autopsia * ou necrópsia e necropsia ** * LETRAS, Academia Brasileira de Letras. Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. 5. ed., São Paulo: Global, 2009, p. 93.** LETRAS, Academia Brasileira de Letras. Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. 5. ed., São Paulo: Global, 2009, p Qual a forma correta: tão-somente ou tão somente? Até o Acordo Ortográfico, admitia-se a forma hifenizada, para indicar o advérbio: tão-somente. Como sinônima, aparecia a outra expressão, igualmente com hífen, tão-só. Com a 5ª edição, as duas formas adverbializadas perderam o hífen, passando a ser tão somente e tão só*. * LETRAS, Academia Brasileira de Letras. Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. 5. ed., São Paulo: Global, 2009, p Qual a forma correta: dia-a-dia ou dia a dia? Antes do Acordo, as duas formas eram vernáculas. A primeira ( dia-a-dia ), com hífen, indicava o substantivo masculino ( O dia-a-dia do atleta é disciplinado ). A outra expressão dia a dia (sem hífen) representava a locução adverbial, sinônima de diariamente ( O atleta se esforça dia a dia ). Aliás, não raras vezes, o uso inadequado das expressões se dava, aqui e acolá, exteriorizando o pouco cuidado do escritor com a ortografia. Com o Acordo Ortográfico, passamos a ter, com exclusivismo, a expressão dia a dia*, sem hífen e válida para as duas possibilidades morfológicas (substantivo e locução adverbial). * LETRAS, Academia Brasileira de Letras. Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. 5. ed., São Paulo: Global, 2009, p Qual a forma correta: à-toa ou à toa? À semelhança do confronto dia-a-dia versus dia a dia, as expressões à-toa e à toa eram plenamente aceitas e dicionarizadas, antes do Acordo. A primeira ( à-toa ), com hífen e acento grave, indicava a locução adjetiva ( O homem foi tachado de à-toa ). A outra expressão à toa (sem hífen e com acento grave) representava a locução adverbial ( O homem, tachado de à-toa, não se ofendeu à toa ). Com o Acordo Ortográfico, passamos a ter, com exclusivismo, a expressão à toa*, sem hífen e válida para as duas possibilidades morfológicas (locução adjetiva e locução adverbial). * LETRAS, Academia Brasileira de Letras. Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. 5. ed., São Paulo: Global, 2009, p. 89.

17 Página 16 Essas são algumas das encruzilhadas com as quais deparamos quando nos inteiramos das novidades do Acordo Ortográfico. A título de revisão, memorize as novidades: 1. Autópsia ou Autopsia (palavras de dupla prosódia); e Necrópsia ou Necropsia (palavras de dupla prosódia); 2. Tão somente e Tão só (sem hífen); 3. Dia a dia (sem hífen); 4. À toa (sem hífen). Em sala de aula, tenho dito a seguinte frase mnemônica para reforço das palavras que perderam o hífen: Não erre à toa: agora escreva, tão somente, dia a dia! ARTIGO 10 A queda do circunflexo em CREEM, DEEM, LEEM E VEEM O Acordo Ortográfico determinou a supressão do acento circunflexo nas formas verbais dissílabas terminadas por "-eem". Antes da medida unificadora, convivíamos com as formas acentuadas crêem, dêem, lêem e vêem. Tais palavras, ditas paroxítonas, isto é, aquelas cuja sílaba tônica é a penúltima, circulavam por aí com o acento circunflexo um sinal gráfico dispensável, até certo ponto, em tais palavras. Após o Acordo, tudo mudou: passamos a escrever as formas verbais sem o acento gráfico ( creem, deem, leem e veem ). No estudo dos verbos, quando conjugávamos os verbos "crer", "ler" e "ver" na terceira pessoa do plural do presente do indicativo, obtínhamos as formas acentuadas: Após o acordo, passamos a ter: Eu creio, tu crês, ele crê, nos cremos, vós credes, eles crêem. Eu leio, tu lês, ele lê, nos lemos, vós ledes, eles lêem. Eu vejo, tu vês, ele vê, nos vemos, vós vedes, eles vêem. Eu creio, tu crês, ele crê, nos cremos, vós credes, eles creem (sem acento). Eu leio, tu lês, ele lê, nos lemos, vós ledes, eles leem (sem acento). Eu vejo, tu vês, ele vê, nos vemos, vós vedes, eles veem (sem acento). Nesse passo, quando conjugávamos o verbo "dar" na terceira pessoa do plural do presente do subjuntivo, obtínhamos a forma acentuada: Após o acordo, passamos a ter: (Que) eu dê, (que) tu dês, (que) ele dê, (que) nós demos, (que) vós deis, (que) eles dêem. (Que) eu dê, (que) tu dês, (que) ele dê, (que) nós demos, (que) vós deis, (que) eles deem (sem acento). Curiosamente, deve-se notar que tal regra, após o Acordo Ortográfico, será estendida aos verbos derivados dos acima destacados. Observe: Se agora escrevemos creem, deve-se grafar descreem, ambas sem o acento gráfico; Se agora escrevemos leem, deve-se grafar releem, ambas sem o acento gráfico; Se agora escrevemos veem, deve-se grafar reveem, ambas sem o acento gráfico.

18 Página 17 Aliás, por analogia ao verbo ver, sobressai o verbo prover, na acepção de suprir, abastecer, avocando a mesma regra: Ele provê a casa de alimentos. Eles proveem a casa de alimentos (sem acento) Recomenda-se, todavia, muita cautela com um verbo similar a ver, mas que com este não se confunde: o verbo vir. Trata-se de verbo que, ao lado dos seus derivados (convir, provir etc.), permaneceu com o chamado acento diferencial. Assim, vamos continuar usando "ele vem" / eles vêm". Da mesma forma, o acento diferencial permanece incólume nas oxítonas "ele intervém" / "eles intervêm" e ele convém / eles convêm. Como forma de memorização, sugiro alguns trechos colhidos da literatura e da música popular brasileira, demonstrando-se a forma que assumiriam se fossem hoje escritos em consonância com a nova regra de acentuação: Antes do Acordo Ortográfico Tudo isto é enredo grande, / e, por todos os lados, / falsidades se vêem. (Excerto de Romance 52 ou Do Carcereiro Romanceiro da Inconfidência, Cecília Meireles). Antes do Acordo Ortográfico Via o que é visível, via o que não via / O que a poesia e a profecia não vêem mas vêem, vêem, vêem, vêem, vêem... ( Eu sou neguinha? Caetano Veloso) Antes do Acordo Ortográfico Eles têm certeza do bem e do mal / Falam com franqueza do bem e do mal / Crêem na existência do bem e do mal / O florão da América, o bem e o mal. ( Eles Gilberto Gil) Antes do Acordo Ortográfico Uns, com os olhos postos no passado, / Vêem o que não vêem: outros, fitos / Os mesmos olhos no futuro, vêem / O que não pode ver-se. ( Uns Ricardo Reis - Fernando Pessoa) Antes do Acordo Ortográfico Dêem-lhe uma espada, constrói um reino; dêemlhe uma agulha, faz um crochê / Dêem-lhe um teclado, faz uma aurora, dêem-lhe razão, faz uma briga...! (Trecho de Elegia Lírica, retirado de Antologia Poética, Vinicius de Moraes) Após o Acordo Ortográfico Tudo isto é enredo grande, / e, por todos os lados, / falsidades se veem. Após o Acordo Ortográfico Via o que é visível, via o que não via / O que a poesia e a profecia não veem mas veem, veem, veem, veem, veem... Após o Acordo Ortográfico Eles têm certeza do bem e do mal / Falam com franqueza do bem e do mal / Creem na existência do bem e do mal / O florão da América, o bem e o mal. Após o Acordo Ortográfico Uns, com os olhos postos no passado, / Veem o que não veem: outros, fitos / Os mesmos olhos no futuro, veem / O que não pode ver-se. Após o Acordo Ortográfico Deem-lhe uma espada, constrói um reino; deemlhe uma agulha, faz um crochê / Deem-lhe um teclado, faz uma aurora, deem-lhe razão, faz uma briga...! Da mesma forma, seguem alguns testes de concursos e vestibulares, demonstrando-se a forma que assumiriam se fossem hoje solicitados em consonância com a nova regra de acentuação: Correto, antes do Acordo Ortográfico (Notário Registro Civil MG/2005) Os cidadãos vêm procurar o Notário e o Registrador porque crêem na prestância deles e mantêm a certeza de Correto, após o Acordo Ortográfico (Notário Registro Civil MG/2005) Os cidadãos vêm procurar o Notário e o Registrador porque creem na prestância deles e mantêm a certeza de

19 Página 18 receber orientação de profissionais qualificados. Correto, antes do Acordo Ortográfico (CESGRANRIO) Ele vê / eles vêem / Que ele dê / Que eles dêem Correto, antes do Acordo Ortográfico (ESAF) Por favor, dêem-lhe uma nova chance. Correto, antes do Acordo Ortográfico (FGV-RJ) Nestes momentos os teóricos revêem os conceitos. / Eles provêem a casa do necessário. Correto, antes do Acordo Ortográfico (OSEC) O plural de tem, dê, vê; é, respectivamente, têm, dêem, vêem. receber orientação de profissionais qualificados. Correto, após o Acordo Ortográfico (CESGRANRIO) Ele vê / eles veem / Que ele dê / Que eles deem Correto, após o Acordo Ortográfico Por favor, deem-lhe uma nova chance. Correto, após o Acordo Ortográfico Nestes momentos os teóricos reveem os conceitos. / Eles proveem a casa do necessário. Correto, após o Acordo Ortográfico O plural de tem, dê, vê; é, respectivamente, têm, deem, veem. Diante do exposto, tem-se notado que os falantes veem as novidades trazidas pelo Acordo Ortográfico, leem as manchetes escritas de acordo com o Acordo, mas não creem no alcance delas. É vital que deem atenção à nova regra. Por essa razão, tenho dito, valendo-me de trocadilho: Se apenas creem quando veem, espera-se que deem atenção ao que ora leem. Boa sorte a todos! ARTIGO 11 As Dez Estranhezas do Acordo Ortográfico As aulas de ortografia e acentuação não são as mesmas. Antes do Acordo Ortográfico, todos professores e alunos entravam em acordo. Agora, estes últimos, diante das regras que são expostas em sala de aula, mostram-se apreensivos, desconfiados e, o que é pior, mais resistentes à aprendizagem da última flor do Lácio. Diante desse cenário desafiador, cabe a nós, professores, convencê-los de que as estranhezas do Acordo Ortográfico podem se tornar algo corriqueiro. A bem da verdade, deverão assim se tornar, uma vez que não nos restaram alternativas: a partir de 1 de janeiro de 2013, o estranho passará a ser oficial. Em razão disso tudo, tenho sugerido em sala de aula uma espécie de gincana : a escolha pelos alunos das dez mais do Acordo. A expressão dez mais significa aquele rol de palavras modificadas que têm provocado maior grau de espanto; que tem levado o usuário a questionar será mesmo? ; que o tem instado, em suma, a duvidar de que tudo aquilo possa ser verdade... Deixei os alunos opinarem, o que para nós, professores, é muito importante. É claro que o recurso pedagógico tem um bom propósito: tornar mais leve, com a dose certa de comicidade, o que tem se mostrado duro... de roer : a nova ortografia imposta pela Academia Brasileira de Letras (ABL). Aproveito este momento para revelar o resultado que obtive, na última semana, em uma sala de aula de concursandos. Segue adiante a curiosa classificação, em ordem decrescente, conforme consegui apurar: 10 lugar O QUE ERA... O QUE PASSA A SER... MICROONDAS MICRO-ONDAS COMENTÁRIO: antes do Acordo, escrevia-se microondas, sem o hífen. Este sinalzinho apareceu para evitar a briga das duas vogais, separando-as, mas tem provocado maior confusão em sala de aula. Agora se escreve com hífen (MICRO-ONDAS)(1). O mesmo fenômeno ocorreu com o ultrapassado

20 Página 19 microônibus, que agora cede passo à forma hifenizada micro-ônibus (2). REFERÊNCIA: (1) LETRAS, Academia Brasileira de Letras. Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. 5. ed., São Paulo: Global, 2009, p (2) LETRAS, Academia Brasileira de Letras. Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. 5. ed., São Paulo: Global, 2009, p lugar O QUE ERA... O QUE PASSA A SER... ELE PÁRA PARA VER. ELE PARA PARA VER. COMENTÁRIO: no campo do acento diferencial, não mais se distingue a forma verbal PARA antes, com o acento agudo da preposição PARA. Agora ambas as formas são grafadas da mesma forma, sem o acento agudo que as diferenciava. Cabe ao usuário perceber, por conta própria, a função sintática dos termos e distingui-los. Que desafio! Perceba o exotismo da forma ele para para ver! Será que vai pegar? Preferimos pagar pra ver... 8 lugar O QUE ERA... O QUE PASSA A SER... AUTO-ESCOLA AUTOESCOLA COMENTÁRIO: quem quer aprender a dirigir veículos, deve agora se guiar bem... Não mais há hífen para AUTOESCOLA (1). Tenho recomendado: tire a carteira na autoescola e aproveite para também tirar o hífen... O mesmo raciocínio se estende para INFRAESTRUTURA (2): antes, grafada com hífen, mas agora grafada dessa forma. REFERÊNCIA: (1) LETRAS, Academia Brasileira de Letras. Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. 5. ed., São Paulo: Global, 2009, p. 92. (2) LETRAS, Academia Brasileira de Letras. Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. 5. ed., São Paulo: Global, 2009, p lugar O QUE ERA... O QUE PASSA A SER... PÁRA-QUEDAS PARAQUEDAS COMENTÁRIO: a curiosidade mostra sua força em PARAQUEDAS. Antes do Acordo, escrevia-se com o acento agudo no primeiro elemento ( pára- ) e com hífen ( pára-quedas ). Agora devemos suprimir o acento e unir tudo em PARAQUEDAS (1). O problema é que isso não vale para outras situações análogas, o que seria razoável: o pára-lama, o pára-choque e o pára-brisa de ontem perderam o acento no primeiro elemento, mas mantiveram o hífen em PARA-LAMA (2), PARA-CHOQUE (3) e PARA-BRISA (4). Quanta uniformidade, hein? REFERÊNCIA: (1) LETRAS, Academia Brasileira de Letras. Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. 5. ed., São Paulo: Global, 2009, p (2) LETRAS, Academia Brasileira de Letras. Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. 5. ed., São Paulo: Global, 2009, p (3) LETRAS, Academia Brasileira de Letras. Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. 5. ed., São Paulo: Global, 2009, p (4) LETRAS, Academia Brasileira de Letras. Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. 5. ed., São Paulo: Global, 2009, p lugar O QUE ERA... O QUE PASSA A SER... ANTI-SOCIAL ANTISSOCIAL COMENTÁRIO: o hífen existia antes do Acordo no prefixo anti- quando a palavra posterior iniciava-se por -h, -r ou -s. Assim, escrevia-se anti-social, para indicar os seres arredios de contatos sociais. A

As Dez Estranhezas do Acordo Ortográfico

As Dez Estranhezas do Acordo Ortográfico As Dez Estranhezas do Acordo Ortográfico As aulas de ortografia e acentuação não são as mesmas. Antes do Acordo Ortográfico, todos professores e alunos entravam em acordo. Agora, estes últimos, diante

Leia mais

ARTIGOS DO PROFESSOR

ARTIGOS DO PROFESSOR ARTIGOS DO PROFESSOR Artigo 1 (página 1): Reforma ortográfica: o que parece ter mudado, mas não mudou Artigo 2 (página 3): A queda do circunflexo em CREEM, DEEM, LEEM E VEEM Artigo 3 (página 5): As encruzilhadas

Leia mais

CURSO REVISÃO GRAMATICAL ARTIGOS DO PROFESSOR

CURSO REVISÃO GRAMATICAL ARTIGOS DO PROFESSOR CURSO REVISÃO GRAMATICAL ARTIGOS DO PROFESSOR Artigo 1: Remição ou Remissão? Eis a questão. Artigo 2: O Hífen e o Acordo Artigo 3: As encruzilhadas do Acordo Ortográfico Artigo 4: A queda do circunflexo

Leia mais

Autor Eduardo de Moraes Sabbag

Autor Eduardo de Moraes Sabbag Matérias > Carta Forense LÍNGUA PORTUGUESA As Dez Estranhezas do Acordo Ortográfico Autor Eduardo de Moraes Sabbag Advogado; Doutorando em Direito Tributário na PUC/SP; Mestre em Direito Público e Evolução

Leia mais

ARTIGOS DO PROFESSOR

ARTIGOS DO PROFESSOR Página 1 ARTIGOS DO PROFESSOR 1. Pra onde foi o acento circunflexo em desproveem? Página 1 2. Curiosidades gramaticais da terra dos Macuxi Página 3 Artigo 1 Pra onde foi o acento circunflexo em desproveem?

Leia mais

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso.

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. COMENTÁRIO QUESTÕES DE PORTUGUÊS PROFESSORA: FABYANA MUNIZ As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. 1. (FCC)...estima-se que sejam 20 línguas. (2º parágrafo) O verbo flexionado nos mesmos

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

Português- Prof. Verônica Ferreira

Português- Prof. Verônica Ferreira Português- Prof. Verônica Ferreira 1 Com relação a aspectos linguísticos e aos sentidos do texto acima, julgue os itens a seguir. No trecho que podemos chamar de silenciosa (l.15-16), o termo de silenciosa

Leia mais

Questão 01 Interpretação de texto. Questão 02 Acentuação gráfica

Questão 01 Interpretação de texto. Questão 02 Acentuação gráfica COMENTÁRIOS E RESPOSTAS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DE NÍVEL MÉDIO PARA AGENTE ADMINSITRATIVO AUXILIAR PORTO ALEGRE DO CONCURSO DA FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTEÇÃO E PESQUISA EM SAÚDE FEPS PROVA REALIZADA

Leia mais

CRASE. Entregue o documento à advogada.

CRASE. Entregue o documento à advogada. CRASE A crase é a fusão de duas vogais da mesma natureza. Sua representação se dá por meio do chamado acento grave sobre a letra a, tornando acentual esta vogal. Assim, o acento grave é o sinal que indica

Leia mais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE Comunicação Oral e Escrita Unidade 11 Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 2 Aviso importante! Este material foi produzido

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Modo: indicativo O modo indicativo expressa um fato de maneira definida, real, no presente, passado ou futuro, na frase afirmativa, negativa ou interrogativa. Presente Presente Passado (=Pretérito) Pretérito

Leia mais

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos Pessoais Do caso reto Oblíquo Possessivos Demonstrativos Relativos Indefinidos Interrogativos Os pronomes is indicam diretamente as s do discurso. Quem fala ou escreve, assume os pronomes eu ou nós, emprega

Leia mais

Aula 05. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo.

Aula 05. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo. RESUMÃO 2º SIMULADO DE PORTUGUÊS Aula 05 Adjetivo e suas flexões Adjetivo = palavra que qualifica o substantivo. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo. Os adjetivos

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul NÚMERO DA VAGA: 22 venho por meio deste pedir a anulação

Leia mais

Uma chaminé esfumaçante em forma de arma apontada contra a cabeça só pode colocar a poluição como uma arma letal.

Uma chaminé esfumaçante em forma de arma apontada contra a cabeça só pode colocar a poluição como uma arma letal. 1. A legenda mais apropriada para a charge é: A poluição é uma arma que pode matar. Uma chaminé esfumaçante em forma de arma apontada contra a cabeça só pode colocar a poluição como uma arma letal. 02.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012) No caso específico da disciplina de PORTUGUÊS, do 3.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

ACORDO ORTOGRÁFICO: TRANSIÇÃO DA IMPLANTAÇÃO VIDEOCONFERÊNCIA DO PROFESSOR RUY BERGER RESUMO

ACORDO ORTOGRÁFICO: TRANSIÇÃO DA IMPLANTAÇÃO VIDEOCONFERÊNCIA DO PROFESSOR RUY BERGER RESUMO ACORDO ORTOGRÁFICO: TRANSIÇÃO DA IMPLANTAÇÃO VIDEOCONFERÊNCIA DO PROFESSOR RUY BERGER RESUMO (*) A revisão deste texto já considera as novas normas do Acordo Ortográfico. O Acordo Ortográfico da Língua

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa 01. Alternativa (E) Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa Alternativa que contém palavras grafadas de acordo com o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa - VOLP 02. Alternativa

Leia mais

Sumário. Apresentação - 1. a edição /13 Apresentação - 2 edição /14

Sumário. Apresentação - 1. a edição /13 Apresentação - 2 edição /14 Sumário Apresentação - 1. a edição /13 Apresentação - 2 edição /14 1 Variação lingüística / 15 1.1 Os níveis de linguagem / 17 1.1.1 O nível informal /17 1.1.2 O nível semiformal /1 7 1.1.3 O nível formal/18

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA...

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... Sumário PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... 3 1.1. Fonema...3 1.2. Classificação dos fonemas...4 1.3. Encontros vocálicos...5 1.4. Encontros consonantais...5 1.5. Dígrafos...6 1.6. Dífono...7 1.7.

Leia mais

Problemas Notacionais da Língua

Problemas Notacionais da Língua Problemas Notacionais da Língua Problemas Notacionais da Língua Neste encontro, analisaremos algumas particularidades que nossa língua apresenta e, muitas vezes, devem ter deixado você com dúvidas. É muito

Leia mais

Curso Grandes temas da atualidade: o 10º tema é a Reforma Ortográfica O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa não será exigido nos vestibulares de

Curso Grandes temas da atualidade: o 10º tema é a Reforma Ortográfica O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa não será exigido nos vestibulares de Curso Grandes temas da atualidade: o 10º tema é a Reforma Ortográfica O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa não será exigido nos vestibulares de 2009, pelo menos quanto às mudanças na escrita. No entanto,

Leia mais

Questões de Português da Cesgranrio: prepara-se para o BNDES

Questões de Português da Cesgranrio: prepara-se para o BNDES Questões de Português da Cesgranrio: prepara-se para o BNDES 1. Indique o período em que o sinal de dois-pontos está sendo usado com a mesma finalidade da que ocorre em: Ademilton praticou uma atividade

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Língua Portuguesa

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Língua Portuguesa Vestibular UFRGS 2015 Resolução da Prova de Língua Portuguesa COMENTÁRIO GERAL: a prova compôs-se de três textos dois breves ensaios (artigo cuja temática é universal) e uma crônica. O conhecimento solicitado

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Módulo Geral

LÍNGUA PORTUGUESA Módulo Geral Módulo Geral CONCURSO: Ministério do Trabalho e Emprego CARGO: Auditor-Fiscal do Trabalho PROFESSOR: Pablo Jamilk Este curso é protegido por direitos autorais (copyright), nos termos da Lei n.º 9.610/1998,

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 4º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 4º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 4º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL LÍNGUA PORTUGUESA (Unidades 1, 2, 3 e 4) Gêneros Poema Crônica História em quadrinhos Conto de fadas Conto maravilhoso História de

Leia mais

5 Sintaxe dos verbos haver e existir

5 Sintaxe dos verbos haver e existir 5 Sintaxe dos verbos haver e existir Há aspectos envolvidos em construções com haver e existir que são muito importantes, para encontrar as raízes das dificuldades que se apresentam no uso desses dois

Leia mais

Biblioteca Escolar. O Dicionário

Biblioteca Escolar. O Dicionário O Dicionário O que é um dicionário? Livro de referência onde se encontram palavras e expressões de uma língua, por ordem alfabética, com a respetiva significação ou tradução para outra língua e ainda,

Leia mais

PORTUGUÊS PARA CONCURSOS

PORTUGUÊS PARA CONCURSOS PORTUGUÊS PARA CONCURSOS Sumário Capítulo 1 - Noções de fonética Fonema Letra Sílaba Número de sílabas Tonicidade Posição da sílaba tônica Dígrafos Encontros consonantais Encontros vocálicos Capítulo 2

Leia mais

Análise Sintática AMOSTRA DA OBRA. Português é simples. 2ª edição. Eliane Vieira. www.editoraferreira.com.br

Análise Sintática AMOSTRA DA OBRA. Português é simples. 2ª edição. Eliane Vieira. www.editoraferreira.com.br AMOSTRA DA OBRA www.editoraferreira.com.br O sumário aqui apresentado é reprodução fiel do livro 2ª edição. Eliane Vieira Análise Sintática Português é simples 2ª edição Nota sobre a autora Sumário III

Leia mais

Período composto por subordinação

Período composto por subordinação Período composto por subordinação GRAMÁTICA MAIO 2015 Na aula anterior Período composto por coordenação: conjunto de orações independentes Período composto por subordinação: conjunto no qual um oração

Leia mais

NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO 1

NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO 1 NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO 1 Sheyla Carvalho 1 Nota: As fontes de consulta desta apresentação estão citada no OBJETIVOS da palestra Informar Esclarecer Comentar Trocar ideias DEFINIÇÃO - Motivação 1 O Acordo

Leia mais

Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio

Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio 1. Substitua as palavras destacadas e copie as frases, tornando os fragmentos abaixo mais elegantes, além de mais próximos à língua padrão e à proposta

Leia mais

Como elaborar um recurso prova discursiva/susep

Como elaborar um recurso prova discursiva/susep Como elaborar um recurso prova discursiva/susep Profa. Júnia Andrade Elaborar recursos é tarefa bastante simples. E você pode cumprir com perfeição esta tarefa sozinho (a). Primeiramente, ao receber o

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação Produção textual COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Língua Portuguesa Trimestre: 1º Tipologia textual Narração Estruturação de um texto narrativo: margens e parágrafos; Estruturação de parágrafos: início,

Leia mais

Avaliação 1 o Bimestre

Avaliação 1 o Bimestre Avaliação 1 o Bimestre NOME: N º : CLASSE: Na primeira unidade você leu uma letra de música do grupo Skank sobre a grande emoção que o futebol desperta na maioria dos brasileiros. Na segunda, você leu

Leia mais

Língua Portuguesa. O texto abaixo serve de base para as questões de 16 a 20. Leia-o atentamente. Depois, responda às perguntas.

Língua Portuguesa. O texto abaixo serve de base para as questões de 16 a 20. Leia-o atentamente. Depois, responda às perguntas. Língua Portuguesa O texto abaixo serve de base para as questões de 16 a 20. Leia-o atentamente. Depois, responda às perguntas. O rápido e grande avanço observado no ambiente da produção, por meio do surgimento

Leia mais

CURSO: TRIBUNAL REGULAR ASSUNTO: CRASE SUMÁRIO DE AULA DÉCIO SENA. 1. O que é crase? 2. Casos de crase obrigatória. 3. Casos de crase facultativa

CURSO: TRIBUNAL REGULAR ASSUNTO: CRASE SUMÁRIO DE AULA DÉCIO SENA. 1. O que é crase? 2. Casos de crase obrigatória. 3. Casos de crase facultativa CURSO: TRIBUNAL REGULAR ASSUNTO: CRASE SUMÁRIO DE AULA DÉCIO SENA 1. O que é crase? 2. Casos de crase obrigatória 3. Casos de crase facultativa 4. Casos de crase proibida 5. Exercícios 1. O que é crase?

Leia mais

Em toda palavra de duas ou mais sílabas, sempre há uma sílaba, pronunciada com maior intensidade: sílaba tônica. As outras são as sílabas átonas.

Em toda palavra de duas ou mais sílabas, sempre há uma sílaba, pronunciada com maior intensidade: sílaba tônica. As outras são as sílabas átonas. Acentuação Em toda palavra de duas ou mais sílabas, sempre há uma sílaba, pronunciada com maior intensidade: sílaba tônica. As outras são as sílabas átonas. sílaba tônica - pronunciada com maior intensidade.

Leia mais

Língua Portuguesa 9º ano

Língua Portuguesa 9º ano Língua Portuguesa 9º ano Conteúdos por unidade didática 1º Período A - Comunicação Oral.. Intencionalidade comunicativa. Adequação comunicativa: Ideia geral. Ideias principais. Ideias secundárias. Informação

Leia mais

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das Um pouco de teoria... Observe: Estudo das classes de palavras Conjunções A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das I- João saiu, Maria chegou. II- João saiu, quando

Leia mais

O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua

O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA EM MARKETING E PROCESSOS GERENCIAIS UC: COMUNICAÇÃO

Leia mais

Caro aluno! O CURSO AVANÇADO DE PORTUGUÊS (FGV) está voltado para o concursando que se destina a realizar as provas da banca FGV. Nossa estratégia é

Caro aluno! O CURSO AVANÇADO DE PORTUGUÊS (FGV) está voltado para o concursando que se destina a realizar as provas da banca FGV. Nossa estratégia é Caro aluno! O CURSO AVANÇADO DE PORTUGUÊS (FGV) está voltado para o concursando que se destina a realizar as provas da banca FGV. Nossa estratégia é que o aluno NÃO DECORE NADA em Língua Portuguesa. Se

Leia mais

COMBINADOS PARA O SEMESTRE:

COMBINADOS PARA O SEMESTRE: COMBINADOS PARA O SEMESTRE: Temas de redação serão dados durantes as aulas. É importante pesquisá-los e estudá-los, pois alguns deles serão utilizados para as produções em sala ou em simulados; Toda a

Leia mais

Comentários e respostas às questões da prova de Língua Portuguesa do concurso do DETRAN RS pela FUNDATEC Concurso ocorrido no dia 25 de agosto de 2013

Comentários e respostas às questões da prova de Língua Portuguesa do concurso do DETRAN RS pela FUNDATEC Concurso ocorrido no dia 25 de agosto de 2013 Comentários e respostas às questões da prova de Língua Portuguesa do concurso do DETRAN RS pela FUNDATEC Concurso ocorrido no dia 25 de agosto de 2013 QUESTÃO 1 Crase. No trecho... não existem referências

Leia mais

PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Rotina de Sala de Aula TEMA GERADOR: Bicharada

PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Rotina de Sala de Aula TEMA GERADOR: Bicharada PREFEITURA MUNICIPAL DE ARARIPE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA DO PROGRAMA LUZ DO SABER INFANTIL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Rotina de Sala de Aula TEMA GERADOR:

Leia mais

RESPOSTAS DOS RECURSOS CONTRA O GABARITO PRELIMINAR DAS PROVAS OBJETIVAS

RESPOSTAS DOS RECURSOS CONTRA O GABARITO PRELIMINAR DAS PROVAS OBJETIVAS INSTITUTO MACHADO DE ASSIS CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCISCO SANTOS RESULTADO DOS RECURSOS CONTRA GABARITO PRELIMINAR DAS PROVAS OBJETIVAS RESPOSTAS DOS RECURSOS CONTRA O GABARITO PRELIMINAR

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALGARVE Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO METAS Domínios/ Conteúdos

Leia mais

AS NOVAS REGRAS ORTOGRÁFICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA

AS NOVAS REGRAS ORTOGRÁFICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA AS NOVAS REGRAS ORTOGRÁFICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA Rénan Kfuri Lopes Sumário: I- AS MUDANÇAS SÃO SIMPLES E DE FÁCIL COMPREENSÃO II- PERÍODO DE TRANSIÇÃO DAS REGRAS ORTOGRÁFICAS III- ALFABETO IV- SOMEM DA

Leia mais

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número e invariáveis [isto, isso, aquilo]. Eles assinalam a posição

Leia mais

ACENTO GRÁFICO E ACENTO TÔNICO

ACENTO GRÁFICO E ACENTO TÔNICO ACENTO GRÁFICO E ACENTO TÔNICO O acento gráfico é um mero sinal de escrita, que não deve ser confundido com o acento tônico, que é a maior intensidade de voz apresentada por uma sílaba quando pronunciamos

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Questões Objetivas

LÍNGUA PORTUGUESA Questões Objetivas LÍNGUA PORTUGUESA Questões Objetivas As questões 1 a 7 referem-se ao texto 1. Texto 1 NÃO HÁ ESTRANHOS, APENAS AMIGOS. Susan Andrews Revista Época, 17 de setembro de 2007. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13

Leia mais

c) O verbo ficará no singular ou no plural se o sujeito coletivo for especificado com substantivo no plural.

c) O verbo ficará no singular ou no plural se o sujeito coletivo for especificado com substantivo no plural. Concordância Verbal a) O verbo vai para a 3ª pessoa do plural caso o sujeito seja composto e anteposto ao verbo. Se o sujeito composto é posposto ao verbo, este irá para o plural ou concordará com o substantivo

Leia mais

Deve-se analisar a frase e sublinhar todas as formas verbais nelas existentes. Assim sendo, a frase fica:

Deve-se analisar a frase e sublinhar todas as formas verbais nelas existentes. Assim sendo, a frase fica: Revisão sobre: - Orações complexas: coordenação e subordinação. - Análise morfológica e análise sintáctica. - Conjugação verbal: pronominal, reflexa, recíproca, perifrástica. - Relação entre palavras.

Leia mais

7 Tal pai, tal filho. Acabada a assembléia da comunidade de. Cenatexto

7 Tal pai, tal filho. Acabada a assembléia da comunidade de. Cenatexto JANELA A U L A 7 Tal pai, tal filho Cenatexto Acabada a assembléia da comunidade de Júpiter da Serra, em que se discutiu a expansão da mineradora, dona Ana volta para casa com o Samuel, seu garotinho.

Leia mais

Orientações de Como Estudar Segmento II

Orientações de Como Estudar Segmento II Orientações de Como Estudar Segmento II Aprender é uma tarefa árdua que exige esforço e método e por isso organizamos algumas dicas para ajudá-lo(la) a aprender Como Estudar! Você verá que as orientações

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

RESENHA: O QUE É E COMO SE FAZ

RESENHA: O QUE É E COMO SE FAZ 1 Resenha: o que é e como se faz RESENHA: O QUE É E COMO SE FAZ Ronaldo Martins Você já deve saber que o que nós chamamos "texto" corresponde a um conjunto de coisas bastante diversas. Sua certidão de

Leia mais

Na Internet Gramática: atividades

Na Internet Gramática: atividades Na Internet Gramática: atividades Dica: Antes de fazer as atividades abaixo, leia os documentos Modo subjuntivo geral e Presente do subjuntivo, no Banco de Gramática. 1. No trecho a seguir, extraído da

Leia mais

Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor

Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor Curso: Nome do (a) Aluno (a): Ano: 3º Componente Curricular: Língua Portuguesa Professor

Leia mais

QUESTÃO 1 Ortografia e parônimos. QUESTÃO 2 Semântica e interpretação de texto.

QUESTÃO 1 Ortografia e parônimos. QUESTÃO 2 Semântica e interpretação de texto. Comentários e respostas às questões da prova de Língua Portuguesa do concurso da Polícia Civil para Escrivão e Inspetor de Polícia pela FDRH Concurso ocorrido no dia 18 de agosto de 2013 QUESTÃO 1 Ortografia

Leia mais

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf 1 Sumário Introdução...04 Passo 1...04 Passo 2...05 Passo 3...05 É possível Aprender Inglês Rápido?...07 O Sonho da Fórmula Mágica...07 Como Posso Aprender Inglês Rápido?...09 Porque isto Acontece?...11

Leia mais

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. [2] Luciano Portela, 2015 Todos os direitos reservados. Não há nenhum empecilho caso queira compartilhar ou reproduzir frases do livro sem permissão, através de qualquer veículo impresso ou eletrônico,

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA. para o Exame de Suficiência do CFC. Bacharel em Ciências Contábeis

LÍNGUA PORTUGUESA. para o Exame de Suficiência do CFC. Bacharel em Ciências Contábeis LÍNGUA PORTUGUESA para o Exame de Suficiência do CFC Bacharel em Ciências Contábeis O livro é a porta que se abre para a realização do homem. Jair Lot Vieira con cursos con cursos LÍNGUA PORTUGUESA para

Leia mais

Escrita Eficiente sem Plágio

Escrita Eficiente sem Plágio Escrita Eficiente sem Plágio Produza textos originais com qualidade e em tempo recorde Ana Lopes Revisão Rosana Rogeri Segunda Edição 2013 Direitos de cópia O conteúdo deste livro eletrônico tem direitos

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): 1 Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE LÍNGUA

Leia mais

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número: este, esse, aquele. Existem três invariáveis:

Leia mais

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e escritos à maneira adequada do padrão da língua materna;

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

GUIA PARA ESCREVER MELHOR. Saiba que erros evitar para ter um bom desempenho na prova de redação

GUIA PARA ESCREVER MELHOR. Saiba que erros evitar para ter um bom desempenho na prova de redação GUIA PARA ESCREVER MELHOR Saiba que erros evitar para ter um bom desempenho na prova de redação Í N D I C E Capítulo 1 Não exagere nos adjetivos Capítulo 2 Evite o queísmo Capítulo 3 Não seja intrometido(a)

Leia mais

RESPOSTAS AOS RECURSOS IMPRETADOS POR CANDIDATOS DO VESTIBULAR 2012

RESPOSTAS AOS RECURSOS IMPRETADOS POR CANDIDATOS DO VESTIBULAR 2012 RESPOSTAS AOS RECURSOS IMPRETADOS POR CANDIDATOS DO VESTIBULAR 2012 1º DIA Prova de Língua Portuguesa Questão 2 Na questão 2, o enunciado diz claramente que o que se está avaliando é o significado que

Leia mais

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1 CELIORHEIS Página 1 A Abduzida um romance que pretende trazer algumas mensagens Mensagens estas que estarão ora explícitas ora implícitas, dependendo da ótica do leitor e do contexto em que ela se apresentar.

Leia mais

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS Prezado aluno, O maior diferencial deste projeto pedagógico é o desenvolvimento da autonomia do estudante durante sua formação. O currículo acadêmico do seu

Leia mais

AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA REGÊNCIA VERBAL CURSO ÁREA TRABALHISTA CALVET PROF. EDUARDO SABBAG 2011

AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA REGÊNCIA VERBAL CURSO ÁREA TRABALHISTA CALVET PROF. EDUARDO SABBAG 2011 AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA REGÊNCIA VERBAL CURSO ÁREA TRABALHISTA CALVET PROF. EDUARDO SABBAG 2011 CONCEITO. A Regência refere-se ao estudo da relação de dependência ou subordinação que se estabelece entre

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA PROF. ALBERTO MENEGOTTO

LÍNGUA PORTUGUESA PROF. ALBERTO MENEGOTTO COMENTÁRIOS À PROVA DO TJRS OFICIAL DE JUSTIÇA Questão 01 Crase As três lacunas devem ser preenchidas exclusivamente com artigos definidos femininos. Observe-se cada caso: na primeira lacuna, o verbo contemplar

Leia mais

Gramática Eletrônica

Gramática Eletrônica Lição 7 Verbos Outra classe de palavras que merece atenção especial é o verbo, já que apresenta muitas dificuldades. Verbo significa palavra, portanto é essencial à nossa comunicação. Verbo é a palavra

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

ORAÇÕES SUBORDINADAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS

ORAÇÕES SUBORDINADAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS ORAÇÕES SUBORDINADAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS As orações subordinadas substantivas são as palavras

Leia mais

3º BIMESTRE 2ª Avaliação de Linguagens Aula 145 Revisão e avaliação de Linguagens

3º BIMESTRE 2ª Avaliação de Linguagens Aula 145 Revisão e avaliação de Linguagens 2 3º BIMESTRE 2ª Avaliação de Linguagens Aula 145 Revisão e avaliação de Linguagens 3 Brincadeiras tradicionais Numa sociedade cada vez mais industrializada os jogos de computador e brinquedos eletrônicos

Leia mais

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola http://luizsoaresdecassia.blogspot.com.br APRENDER A ESCREVER Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola Todos os anos, milhares de meninos e meninas do ensino fundamental de todo

Leia mais

Língua Portuguesa VERBO Parte I

Língua Portuguesa VERBO Parte I Língua Portuguesa VERBO Parte I Conceito geral: Verbo é a palavra que expressa ação, estado, mudança de estado ou indica fenômeno da natureza. Verbo Quando se pratica uma ação, a palavra que representa

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

4.6 Argumento ab exemplo... 4.7 Argumento sistemático... 4.8 Argumentação naturalista...

4.6 Argumento ab exemplo... 4.7 Argumento sistemático... 4.8 Argumentação naturalista... SUMÁRIO Capítulo I Teoria da comunicação jurídica 1. Introdução 2. Aspectos gerais sobre a comunicação 3. Elementos da comunicação jurídica 4. A linguagem forense 5. A língua e a fala 6. As funções da

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

Enem. Dicas para você se dar bem na prova. A prova do ENEM está ai e você precisa de uma boa nota, certo? Verdade!

Enem. Dicas para você se dar bem na prova. A prova do ENEM está ai e você precisa de uma boa nota, certo? Verdade! Enem Dicas para você se dar bem na prova. A prova do ENEM está ai e você precisa de uma boa nota, certo? Verdade! Não tem mais para onde correr: O resto dos seus dias depende disso. Ou pelo menos é assim

Leia mais

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo Letras Prof a. Dr a. Leda Szabo Aspectos das Conexões Sintáticas Objetivo Diferenciar o objeto de estudo da análise de base sintática do objeto de estudo da análise do discurso. Compreender a diferença

Leia mais

H) Final: funciona como adjunto adverbial de finalidade. Conjunções: a fim de que, para que, porque.

H) Final: funciona como adjunto adverbial de finalidade. Conjunções: a fim de que, para que, porque. H) Final: funciona como adjunto adverbial de finalidade. Conjunções: a fim de que, para que, porque. Ex. Ele não precisa do microfone, para que todos o ouçam. I) Proporcional: funciona como adjunto adverbial

Leia mais

03. Resposta: E. Página 552 02.

03. Resposta: E. Página 552 02. Orações coordenadas Página 550 a) O aquecimento excessivo do planeta é um fato incontestável [1], por isso muitos países já implantaram programas de redução de poluentes [2], mas / porém / no entanto o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV PARECER

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV PARECER Língua Portuguesa Questão 02 A questão dois aborda o item 2.1. do Programa: referência. É correta a alternativa (E). Tanto o termo holandês (linha 21) como o termo primatólogo (linha 31) se referem a Frans

Leia mais

Turma Regular Semanal Manhã

Turma Regular Semanal Manhã A) ARTIGOS CORRELATOS CONCORDÂNCIA NOMINAL Introdução Leia a frase abaixo e observe as inadequações: Aquele dois meninos estudioso leram livros antigo. Note que as inadequações referem-se aos desajustes

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

DISCIPLINA: LINGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA: LINGUA PORTUGUESA DISCIPLINA: LINGUA PORTUGUESA EMENTA: A Língua Portuguesa priorizará os conteúdos estruturantes (ouvir, falar, ler e escrever) tendo como fundamentação teórica o sociointeracionismo. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

Leia mais

Professor Jailton www.professorjailton.com.br

Professor Jailton www.professorjailton.com.br Professor Jailton www.professorjailton.com.br Palavras terminadas em: a, e, o (seguidas ou não de s): atrás, xará, freguês, bisavós, está, já, és, só*. em, ens: também, parabéns. ditongos abertos tônicos

Leia mais

Professor Jailton. www.professorjailton.com.br

Professor Jailton. www.professorjailton.com.br Professor Jailton www.professorjailton.com.br Regra Geral O artigo, a adjetivo, o pronome adjetivo e o numeral concordam em gênero e número com o nome a que se referem: Aqueles dois meninos estudiosos

Leia mais

CRASE TEORIA. REGRA GERAL A crase ocorrerá sempre que o termo anterior exigir a preposição a e o termo posterior admitir o artigo a ou as.

CRASE TEORIA. REGRA GERAL A crase ocorrerá sempre que o termo anterior exigir a preposição a e o termo posterior admitir o artigo a ou as. CRASE TEORIA (Aluna do Curso de Secretariado Executivo Trilíngüe da Universidade Estácio de Sá) Crase é a fusão da preposição a com o artigo a ou com o a inicial dos pronomes demonstrativos aquele, aquela,

Leia mais