"As fronteiras nacionacs llf1(j se comprehendc1l1 cntre,is terras devolutas que (J rt. (;4 du COIlStituiç;l() c!,itou pcrtencercm 3.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""As fronteiras nacionacs llf1(j se comprehendc1l1 cntre,is terras devolutas que (J rt. (;4 du COIlStituiç;l() c!,itou pcrtencercm 3."

Transcrição

1 JOSÉ MARIA M4G-DOWfLL Do,utitulo,lus A ávogados DraÛ/ei,os "As fronteiras nacionacs llf1(j se comprehendc1l1 cntre,is terras devolutas que (J rt. (;4 du COIlStituiç;l() Fedem/ du BRAZIL de. c!,itou pcrtencercm OS Es (;/(/o!" '. 3.' EDIÇAO (Estudo cie direito civil, constitucional e administrativo) RIO DE.r A SmRO 1922

2 CR ';D1TO~ PR1VILEGIAIlO~, Privilcgios Mnritimos" - Belém no Pará, CASAMENTO :\'0 BRAZIL!lO EXTRAXGEIRO IlIVORCIADO" - Belém do Pará, 1916.,\GUAS F!lERAES" - Belém do Pará, CO:>lCORllATAPR~;VEN1'IVA " - Belém do Pará, 1918, FRONTEIRAS NACIONAES", - Belt-m do Pará, " PRESClllPÇ,i.o UA CUMI'L1CIDA!lE" - Belém do Pará, 1918, "FRONTEIRAS l\aclonaes", 2." edição - Belém do Pará, DA PARTlClPAÇ.\O NOS LUCROS" - Rio, "FRONTEIRAS :\'ACJO:\,AES", 3." edição - Rio, 1922, " DA ORGANIZAÇ,i.ODO ORÇA!\H:NTO E SUA V~:llIFICAÇ.\O" - Rio, DA PARTICIPAÇÃO NO~ LUCROS" 2," edição - Rio,I922,

3 FRONTEIRAS NACIONAES

4 JOSÉ MARIA MAC-DOWELL Do [n.tilulo d, s A llogados Drazi/tiras "As fronteiras nacionacs Juin se eomprehcndem entre ;l~ terras devolutas que () ; rt, r;4 ri;' Cmlstituiç;i() Fè:dern/ do BRAZIL dc- ('lu roll pertenccrem,'los Es(;u/os' '. 3.' EDIÇAO (Estudo de oirei\o civil, constitucional e administrativo) RIO DE.JANEIRO "['ypourhphia J ~pn~ill~~r J922

5 1()O ]VIE$]VIO filj ~T'Ol\ ':REllITOS PRIVILEGIA!lOS. Privilcgios Maritimos" - Relém do Pará, CASAMENTO :'\0 BRAZIL!lO ~:XTRAXGEIROlllVORCIAlJO" - Belém do Pará, \C;UAS. F~IJERAES" - Belém do Pará, COI\CORllATA PR~;VENTIVA" - Belém do Pará, "FRONTEIRAS NACIONAES ", - Belém do Pará "?J.:ESCRIPÇ,io!lA CUMI'LICIDAIlE" - Belém do Pará, FRO:-lTEIRAS NACIONAES ", 2." edição - Belém do Pará, u :),\ PARTlCIPAÇ,io!-;OS LUCROS" - Rio, FRO!-;TEIRAS ~ACIO:-lAES ", 3." edição - Rio, DA ORGANIZAÇÃODO ORÇA;\H:NTO E SliA VERIFICAÇ.io" - Rio, "DA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS" 2." edição - Rio,1922.

6 POR C SIAO DO CENTENARIO DA SUA INDEPENDENCIA Hu AUCTO}{ - J. M. M. D.!lin dp.l,n,ira. Selemhro, 1922.

7 Em nossa litteratura juridica este livro é J. unica exposição systematica sobre o importante assul11ptlldas fronteiras nacionaes. I)l!hlic~ndo-(), out 1'0 fim nüo,,'isol! () seu auctor.; não hel11sen'ir o seu paiz, :-;rio foi, por isso. sem grande contentamento qtle, al) apparecer a stla segunda edição, receheu () auctl.)r do dr, ROIJIUCO ()CTA\'lO, então Sub-Secretari(, das Rela(/)('s Exteriores, o seguinte e honroso documellto: "Cabinete do Sub-Secretario das I~elaçlíes Extl'riorel'l, Rio, 7 de Julho de :\ r eu distincto collega, Snr. Dr. J. 1\'1, :\1AC- Dowl,;r,r.. Recehi hontem e jú li seu mag-nifico e, deixe dizer, patriotico trabalho sobre Fronteiras N acionae s. ]il da primeira ediç;w eu ha\'ia feitl) uma referencia na 110va edição de meu livro /)0 dominio da {l.iüo c dos Estados, em via de publicação.

8 8 Seu trabalho de agora é muito mais completo e me presta um real serviço justamente agora que nos ocupamos da venda feita pelo Estado de Matta Grosso de uma enorme zona na fronteira do Para.guay e da Bolivia a um syndicato extrangeiro. Agradecendo-lhe a amavel remessa de seu livro e as generosas referencias ao meu nome, subscrevo-me com estima sem- pre seu collega e amigo RODRIGO OCTAVIO." ;\lc1hor successo não poderia alcançar o livro do q-1c o de já ter prcstado real serviço ao Governo do Brazil e podcr ainda servir de algum auxilio ao Congresso 0Jacional no decurso da discussão e votação da Ici sohre as fronteiras nacionaes, como sc pode ainda entrever deste outro valioso documento: "Rio, 29 de agosto de Exm. o Dr. ;\IAC-DoWI :r,r,. Recebi seu precioso livro. Elle é complcto. ~\rrinhamagua é de não o tcr lido antcs do meu parecer. Elle fere a qucstão das zonas f ronteiriças como ncnhum outro.

9 9 Ka mesma occasião remetti, pelo mesmo portador, o avubo com o meu parecer. Como vejo que não lhe desagradam essas qucstões vou mandar-lhe em breve um dos meus livros sohre limites de Pernambuco com a Bahia. Queira dispor deste seu admirador e anllgo GO~ÇALVf:S l'viala." A terceira edição, agora publicada, foi revista e melhorada pclo auctor, comprehendendo para, mais él po~tcrior M ejtsayem do Scnhor Presidente da Repuhlica. c o parecer e o projecto de lei sobre as fronteiras nacionaes, apresentados á Commissâo de CO!1stituiç;io e Justiça da Cama,ra dos Deputados pd) dr. GO~(:ALVES MAlA, relator. Nrlla se encontram, portanto, reunidos todos os clemcntos nccessarios ao estudo juridico, administrativo c g-cographico das fronteiras nacionaes. Rio, Setembro, J. M. M. D.

10 _ 'BOITEIIAS RAtIOIAES ~ < o _ CA PITULO - INTI\Ot)lJCCAO. ') J. Recehi, ao nasccr, um dom infeliz, o de desagradar, quando entro em acção, não somente ao meus ir in:igos, mas tambem aos meus amigos, f>orqhc Clt sac. fieo mesmo as opiniões dos!ileus amig('s, qltando sc traia do interesse superior da pai;;" CLEMENCEAt:, discltrso em dcfeza do TRATADO DE V:ER- S.~II.LES, pronunciado, entre applausos, na Camara dos Deputados ele França. JOHGI'; WASIl [~CTO~ deixou gravadas, 110 scn Farewell /lddrcss. as seguintes palavras que valem pela mais salutar elas advertencias qne um estadista dc raça pode lcgar ao scn povo, como o f ructo sazonado da experiencia de uma vida vivida no trato diario dos ncgocios publicos: "There can be no,r rcatcr ('l'l'al' than to cxpect ay calctllate upon real j m'ours from nation to nation." E' pois, jnsto que, meditando na cvolução do nosso naciolla1is/jw, ele quc seremos os ar;clltes prinril'acs, nós hrazilciros comeccmo~, ainda qnc isso cause a outros ~ksgost(l e sem por isso desprezar, 1!aquillo em que elle se pode exercer, o concurso do e~\forço cxtra/1,fjciro, tão necessario nos paizes novos, a encarar o refli111cn federativo, em qne vive-

11 12 mos, por uma feição mais pratica, para que se não diga qlle mal entendclljos, em desproveito nosso, as insttuiçõcs que actualmente nos regem (James BRYCE, South /lmerica ImpressioHs and Obser'vafions, 1915, pago 413). Acontece, com effeito, que, no Brazil, por uma excessiva comprehel1s:lo do federalismo, os Estados têm praticado, se'm que a Uniãa a isso se apponha. actos que, si não comprometteram ainda, poderão comprometter a defeza do paiz. Em um systema politico, como o do Brazil, ao Caverna Federal incumbe acompanhar dc perto o traball/() das sil1f)ulas lcuislai uras csiaduacs. afim de intervir opportunamcntc (art. (i, n. 2 da Constituição Federal), por maneira a evitar que certos ex.ccssos revistam a forma de lei, Peccamos sempre pclo exaggero e nesta materia mais do que em qualquer outra, esquecidos de quc a~ constituições são fcitas para os povos e não os povos para as constituições. Entretanto nos Estados Unidos da America, cuja constituição federal pertence ao typo das constituições chamadas rigidas, do primitivo federalismo, philosophia p'ulitica que ()~ seus autores foram buscar no Espírito das leis de },'TON'rF:SQUIF,U, muito pouco resta hoje, transformada como foi 'Successivamcnte a Constituição americana ao ponto de se poder escrever della com acc~to: "O federalismo de 1921 já é muito differente do federalismo de 1789 e as reformas de 1919 e 1920 deixam prever que o federalismo de amanhã delle se afastará

12 13 ainda mais." (EDOUARD LAMllF.RT, te gouvernement dl's Juycs, pags. 11 e 12). :\1. R. L y;. :- BATES, citado pelo douta profl:ssor (Ia Universidade de Lyon, em um estudo publicado sob o titulo sug-gestivo de The JlCW culls/itu/ion of the U. S., no Am.!Jar Ass. Journal, :;~4-Ó01, diz que o mais saliente dos traços caracteristicos do qnc clle chama a 11O'ua collstit ltiçlio ~ a nacionalisação dó g-ovcrno e a limitação du v)der dos Estados como unidades administrativas. [Ia muito, ohserva, com effeito. EO()UAIW LAM n:w:, que o systema da ahsoluta separação dos poderes. adoptado pela convenção de Philadelphia, revclou um equilibrio instavel e fragil e, por isso, foi definitivamente derruhado, sem prejui7.0 do equilibri(, entre os Estados c a Federa.çào, modificadu, m3.:-;não destruido, subsistindo apenas a separação cnt re o podcr executivo e () poder legislativu qul:,- apezar dos caminhos qne abre ao executivo subre o legislativo pelo direito de 'l/cto, e ao legislativo sobre o cxecutivo pclo concurso do Senado na ratificação dus tratados e pela sua influencia sobre as nomeações feitas pelo presidente, - pretende impedir us represcntantes do executivo de cooperar seguidamente no trahalho legislativo e os orgãos do poeler legislativo de fiscalisar officialmentc a aclministra\~lo interior ou exterior do chefe do Estado, estahelecendo lima dissociaçüu systematica entre a acção elo executivo e a do legislador, de lamcntaveis conscquctjcias praticas.

13 14 Particularmente, convem estudar-se o caso das frontciras naciollaes, encravadas no territorio de diversos Estados. ljesconhecidas nos Estados fictícías soberanias locaes, cm que pequenos 11lonarclws pretcndam impor a sua politica Olt os seus interesses pessoaes, OpPŒldo-os a aspirações mais elevadas, força é conv:r que muitas cousas c actos d("vem encontrar-:lc naturalmente sob o regimen l1acivlzal (R. RIVAROLA, Del Neyimen Federativo al Unitario, pags ). Isso se accentúa quando se reflecte CJueum dos príncipaes ensillaj1l('ntos do terrível conflicto qne ensangucntou o mundo, aconselha os povos a buscarem estabelecer. antes de tudo, um poder central, como a melhor garantia da sua existencia. Uma vcz que, entre nós, para uma certa corrente dc opinião, nada ohstante em franca Jninoria no paiz, nào sào convincentes sinão os argumentos provindos de determinada fonte, vem a proposito lembrar. a respeito, as palavras de Al;GGS'1'O CO;\I'!'E: "Supérieur él tout soupçon de rétrograda-. tion et de servilit(~, les philosophes qui, l'énonçant à toute posifirm politique. se vouent alljollrdhui à la réorg-anisation spirituelle, ne craindront pas de réco:nmander Q7lce éncryic la prépondérance dn pm z'oir central et la réduction du pouvoir local à ses attributions illdüpensablcs". O ahandono das,fronteiras do Brazil, notadamentf' da fronteira norte, o que devéras contrista o patriota que se detem no exame da situação, em

14 15 que ellas ainda se encontram, não data de hoje, nem mesmo da Republica. lit no Parlamento Imperial, em sc!,são da Camara dos Deputados de 28 de jnlho de 1883, men pae. Cuns.o SA1IL'EL WALLACE ~.lac-dowei,l (*), chamára a attenção do Governo do Imperador para esse tristissimo bcto, appellando pat 'ioticamente para os poderes constituidos da ~ ação, no sentidu de que fosse dado prompto remedio a esse insustentavel estado de coisas (Discursos, 1883, pags ), Ainda que mais afortunada, mit tambem é a situaç lil da nossa fronteira do sul: "Quem percorre essa hellissima zona c compara a organização dos serviços dos visinhos confinantes com a nossa desorganização geral. não pode deixar de sentir a mais intensa dor, uma verdadeira revolta intima. uma prdfunda humilhação, pois do con f ronto se convence do estado de abandollo em que. cio nosso lado, tudo se encontra" (J. IÜ:zEKDC SrrxA., A Fronteira du Sul, 1922, pag-. (54). o que se pode dizer, imparcialmente, cm bem da propria Republica, é quc a Republica que veiu para corrigir os erros da ~VTonarchia. não somente não os corrigiu. como praticou outros peiores que devem, quanto antes, ser reparados, C ) Dada a grande importancia do d iscllrso, a que me refiro, eu o faço reproduzir no AppclldiCt' deste livro. - ]. M. M. D.

15 16 o assumpto das frontâras naciona-es isso demonstra sem contestação possivel. Abandonadas no tempo da :\Ionarchia, continuam abandonadas no tempo da Republica e, o quf~ é mai~, compromettidas. Ninguem ignora que são hoje propriedade extrangeim, illegalmente adquirida, doe muito dizel-o, enormes areas das nossas fronteiras do oeste e do sudoeste, como recentemente o revelou () illustre dr. EURICO DE GOES, no Rio de Janeiro. ao regressar da longa excursão que fez por essas regiões, commissionado pelo Instituto Historico e Ceographico Brazileiro., Quanto it do norte. ha, no Pará, uma vontade 'occulta, deliberada a negociar com as terras que demoram nella. No governo do sr. dr. JOÃo COELHO,outorgou se a um subdito inglez, de accordo com a illegitima legislação, contida na lei estadual n de 6 de novembro de 1911 que, sem restricção. autorizou a concessão de ten'as na região elo rio Oyapock, extrema fronteira norte do Brazil, uma concessão de uma area de terras, situada precisamente na emboccadura desse rio, proximo ao lugar, onde se encontra o posto militar. Tal concessão veiu depois a ser annullada, sob o governo do sr. dr, ENí~AS MARTINS, por sen.- tença judicial. de 30 de septembro de 1915, do honrado Juiz de Direito de Belém, sr, dr. Francisco Severino Duarte, em virtude, talvez, do tclegramma official de 15 de abril de 1914, em qúe o sr. dr. JosÉ

16 1'1 BARBOSA GONÇALVES, então Ministro da Viação, reclamava ao Governo do Estado, em nome do Governo da União, contra a coustrucção de estradas de ferro naquella região, sem a prévia concessão federal. Nessa occasião, consultado pelo Consul de Sua ~!fagestade Britannica, dei o parecer que formou a primeira edição deste livro, concluindo pela íncollstiiucionalidade da citada lei estadual e, em conse- <.)l1encia,pela nullidadc de qualquer concessão ou contracta, nella fundado, por isso que - "as fronteiras nacionaes não se comprehendem entre as terras de'volutas que o art. 64 da Constituição Fede;-al declarou pertencerem aos Estados". Posteriormente, sob o governo do sr. dr. LAURO SOJJRÍ':, foi promulgada pelo Presidente do Senado, sr-. dr. Cypriano José dos Santos, a lei estadual Il. Lïï3, de 5 de dezembro de 1918, pela qual é o Covernador do Estado autorizado a conceder a All1onio Amorim do Amaral, au a cmpre:::a que ur!jani:::ar par.a esse fim, a col1strucção uso e gasa de lt1l1a estrada de.ferro, no municipio de l\1acapá, Estado do Pará, que partindo da margem esquerda do rio Amazonas, de um porto mais proximo da cidade de MacapÚ, accessivc/ em qualquer tempo aos ll11'l'ios de grande calado. Vil terminar lia 1nm'gem direita do rio Oyapoá. nas immediaçõcs do lagar c!tamado Sauto Antonio, com os favores e obrigações consignados na lei estadual Il , de 6 de novembro de 1011, tendo o concessionario preferencia para a acquisição de terras devolutas com 3

17 18 so ï~ de abatimento nos prcços da lei, dentro de uma :;OJla pn',,'ilcyiada de [5 lúlometros para cada lado do rixe' da estrada. Pareceu-mc, como ~inda me parece, que essa nova concessào é tào illcgal como a primeira. Dizendo rcspeito a uma t2strada de ferro. que de si jú era da c'ompetencia do Cm'crllo Fcderal. cortando, con1\) corta, a :::o a da Iremteira. interess3. tai1lbcm ás terras que nesta sc comprehendc111, pois qtlc o concessionario, entre outros favores, tcm o direito a uma zona privilegiada de IS kilometros para cada.ado do eixo da estrada, dentro na qnal tem preferellcia para a acquüição de terras. Contra essa concessào protestei energicamcnte e nutro a convicção de que o Governo Fcderal nãu consentirú que ella vá por deante. E. de facto, si, como diz o i!lustrado dr. :\MAjW CA\'AI,CANTI,-"muito i1ll/,roj riame te merecerá o J titulo de Govcrno da [ 'iio aquclle que desconhcce quanto se passa Has silas partes componentes " (Hegimen Federativo. pago 333),-de certo. sensatamente o affir1110t, perante a Constituinte o sr. JULIO ne C"~'I'lr.,HOS, - "o Estado r uc viola loi preceito constitucional, ostensivamente, é um Estado que se colloca em, rebeldia, c. quando um Estado se torna dy~colo e rehelde, o remedio é a il/tc'1'7.jc'i1c;ãu dficaz d,) Governo da Cnião". Até hoje, creio eu, (J bi!} business não foi por deante c tenho real orgulho em tcr para isso effici~ntemente concorri,do.

18 19 /-'or ahí se vê quanta verdade encerram as palavras do VT~CO"T>I': BRYCE no mais n'cente dos seus livros: "Big- business began to be bitted and bridled, and thoug-h it still shows fight, can hardly recover Ihe dominance it cnjoyed thirty years ago, for public opinion has grown more sensitive and vigilant" (Modern Democracies. 1921, vo!. Il, pag. 532). Os grandes negocias podem c devem existir, porque são o elemento indispcnsavel do progresso nacional, nunca, porém, cm prejuizo do intere~se collect vo. Xús brazileiros. c.rclusi'7:a11lcntc, é que nus havcmus de intcressar, para, que, em beneficiu da patria querida, uma tal situação das nossas fronteiras se corrija. Traçadas, como estão, g-raças a DCllS. c a cllsta de que sacrificios, as fronteiras da patria com os l-laizes cxtrangciros. não devemos tolerar discutir t: resoh'cr CISse assumpto, no que toca a determina~ão da respectiva :::ojla lcqal de defcza. sinào com os nossos patricios c o nosso Governo Federal, él quem cabe o dever de. pela segurança das fronteiras do Brazil, zelar.

19 CAPITULO II BENS DO nominiopriv ADO NACIONAL Em relaç~o aos seus proprietarios, ensinam os civilistas, os bens se dividem em publicas e particula res, segundo os seus titulares ~ão pessoas de direit.o publico ou de direito privado. As pessoas de direito publico, tambem ditas juridicas, de existencia necessaria, como as chama S \vicny, são collectividades políticas ou administrativas permanentes, cuja constituição se prende á ordem social e ao fim do Estado que comprehende a nação, os estados e os municipios, razão pçla qual os hens publicos, no scntido lato, se dividem em nacionaes, estaduacs c municipaes. C:lda uma destas entidades possue bens de duas ordens: uns se ligam aos sells fins, como collecti- \,idades politicas ou administrativas, e nesta quali- (bde são por ellas geridos, outros lhes pertencem, na qualidade ùe meras pessoas jurídicas. Os primeiros constituem o seu domillio publico, no scntido restricto, os segundos o seu dominio pri'l'ado.

20 22 O dominio publico da nação, dos estados e dos municipios comprehendc os bens destinados ao uso commum dos cidadãos, destino absolutamente incompativel com o da apropriação particular, pelo que são inalienaveis e imprescriptiveis. Taes bens são chamados dominiaes. O dominio privado das pessoas de direito publico comprehende os bclts que constituem o seu. patrimonio e que, salvos alguns privilegias, são equiparados aos do patrimonio das pessoas de direito privado, juriqicas ou naturaes; pelo que são aliena veis e prescriptiveis. Estesbens são denominados patrimoniaes. As 'erras devolutas enquadram-se nesta ultima cathegoria dos benspublicos (RlBA&, Curso de Direito Ci'iJil Bra:::íleiro. 1889, vol. II, pags ). Essa é a licção dus civilistas, entre os quaes um dos mais autorizados é precisamente o sr. Conselheiro IÜBAS. Ahí está, portanto, a doutrina. Examine-se agora a lei. O art. 65 do Codigo Civil Brazileiro di7: que: "São phblicos os bens do dominio nacional. pertencentes ;'l União, ao~ Estados e aos municipios," O Projecto da Camara, nos arts , fazia il discrimïftação dos hens que a cada qual dessas tres entidades pertenciam. Entendeu, porém, o Senado, diz o dr. Jo.:\.o LUIZ ALVES (Codigo Civil Annotado, 1917,

21 23 pago 6(j). supprllntr css~ discriminação por conter doutrina susceptivel de disc1lssão. sob o aspecto constitucional; e escreve textualmente: "Leis especial's, de accordo com os principios constitucionaes. llc1n setnpre bem interpretados. deverão regular a materia". Affirma, entretanto, o illustre commentador n.o nosso Codigo Civil, ahi mesmo, conter o art. ó~ citado a me snza lloçlïo cie bens publicas do direito anterior, citando a respeito CARLOSDF. CARVALHO. Este douto civilistc: (Nova Consolidação das Leis Civis, art. 21 S), mostra él posição da materia no direito anterior ;\ promulgação do Codigo Civil Hrazileiro: "Pertencem á União: a). b) as terras publicas. applicadas a serviço federal ao tempo da promulgação da Collstituir;ão, emquanto por lei não passarem aos Estados; c) a porção de terras devolutas que for indispensanl para a dcfeza das fronteiras, fortificações, construcções militares c estradas de ferro fcderaes, ficando submettidos á legislação especial esses pontos do territorio nacional". Claro está, portanto, que, segundo o direito civil hra,:;ileiro. além da porção de terras de'uolutas. de <lue. para os seus serviços. ou antes, mais proprhmente, para uso publico necessite a União, tem dia

22 24 ainda direito às terras jjublicas que, ao tempo- da promulgação da Constituição, estavam applicadas a um uso publice nacional. O grande civilista CAHI,OSDE CARVALHOusa apenas de linguagcm impropria. Elle mcsmo, em nota ao itcm b do citado art. 215 da sua Nova Consolidação das Leis Civis, cita a lei n. 601 de 1850, art. 3., 1. Ora, essa lei fala em uso publico e não cm serviço publico. o que não é precisamente a mesma COIsa. Faltou-lhe, pois, somente a technica. O douta civilista,patrio dr. ADOLPIIO TACIO na COS'!'ACIRI\J~, em um parecer dado ao subdito ing'lcz, a principio mencionado, reconheceu que as terras das fronteiras são de propriedade da Cnião. \!ê-se, assün, que, entre a.s opiniões. nem sempre muito seguras, do illustrado sr. dr. CLOVI~ BEvILAQUA, cstú aquella, em que esse civilista, fazendo uma incursão pelos dominios do direito l.onstitucional, assim se expressa: "As terras devolutas somente a titulo oneroso podem ser tran9feridas aos particulares, excepto nas fronteiras, numa zona de de:; leguas. onde podem ser concedidas gratuitamente. l, Este direito que pertencia outrora á nação, cabe!oje aos Estados (o grypho é meu). aos quaes foram transferidas as terras. devolutas. Nas fronteiras, a Cnião

23 25 terá apenas as porções de territorio, de que já se apropriou para a dcfeza do paiz, ou de que vier (1 necessitar para o mesmo fim." (Thcoria Ceml do Direito Civil, 1908, pag. 271). Dos fundamentos desta opinião pode-se avaliar pelo que antes icou exposto. :\Ias, o proprio dr. CLOVISB ;;VII,AQUA, no seu tnbalho citado, á pag. 254, escreve: "Não compfte certamente ao direito civil fazer a distribuição dos bens publicas entre (1 União, os Estados e os Municipios. fl'.materia da C01Jlpctencia do direito constitucional e administrativo (o gtypho é meu) ". Com especial razão isso se verifica relativamente Ús terras das f rontei ras: "Sem contar as COI1- ùicções physica,s e sociaes que emprestam sempre Ús fronteiras uma existencia real e um aspecto particular sui generis, o Direito Publico Interno e o Direito Internacional Publico reconhecem sempre 1tí'Ha facha com uma certa largura consideravel, constituindo fronteira" (F. A. RAJA GABAGLIA, As fronteiras do fjra:::il, 1916, pago 9). Nem outra coisa ensina o eminente Conselheiro LAFAYI~'f'rg: "Chamam-se fronteiras as extremidldes do territorio nacional que confinão com territorio extrangeiro. "A contiguidade com territorio extrangeiro determina certas relações de direito especiaes, com relação it lei criminal, á segurança e defeza, Ú administração fis-

24 26 cal, á propriedade lim troplzc) ás serventias e passagens. " A constituição das fronteiras cntende particularmente com o Direito publico intcrno" (Principias de Direito Internacional) Si). Si assim <'>, mostrarei agora como é falsa, em íace do direito constitucional brazileiro. a these de que, l'cio 1110tl710 de fcrc111 passado a frrfclic{'r aus Estados. con.formc (l disposto 110 art. 64 da Constituição da Rcpuhlica, as ten"as dc<.'olutas. adquiriram tambem clles u d0111inio pri'l'ado das ten"as que ficam na :::O'llQ das j roi/feiras.

25 CAPITULO III EMBUYOGENIA Selll colltestaçào alguma, disse o eminente C()nse1heiru Ruy DA){BOSA, perante a Constituinte, teh'nl os constituintes um sc'ntimento (omnwm qm' a todos dominava: "() alllor aos Estados. diri- Uidu (" slihordinudo pelo amo'- â g}'(mde patria bra- :ilcira". llavia de ser assim, porque, como ainda () declarou, n:j.quella asscmbléa, o deputado AUGUSTO DE FR1WrAS, os constituintes não podiam ter o intuito dc chegar - "ao extrcmo de sacnjicar a /J/(IC/,C'lld{,llcia (' a soberania da nação por uma iillsa home11agc'm it autonomia dos Estados que :l (Impõem." ='Jo Projecto de Constituição do Governo Pro- \ isorio, baixado com o Decreto n, 510 de 22 de jcmh,) de lh90, lei ljra:::ilcira. como todos os actos, não revugados, clesse governo, rézava o art. 64: "U ma lei do Congresso distribuirá aos Estados certa, extcnsflo de terras devoh/tas, demarcadas a custa delles) fóra da

26 28.:ona da fronte ra da Republica. sob a clausula de as povoa,rem e colonizarem, dentro em determinado prazo, deyolvendose, quando essa resalva não se cumprir, Ù União a propriedade cedida". Pelo Decreto elo Governo Provisorio n. 914-A de 23 de outubro de 1890, mandou. o governo substituir no citado artigo elo Projecto de Constituição, a; expressões - fóra da ~Ol1a- por - aquem do :::ona, mais claras ainda. Na Constituinte, de accorelo com o I'arccer da C SS.io dos 2. esse art. 64 ficou assim redigido: "Pertencem aos Estados as terras dc'volutas, situadas nos seus respectivos territorios, cabendo sómente á União as que existem nas fronteiras nacionae.'i, comprehendidas dentro ele uma Dona de cinco le[ uas, e as que forem nccessarias para as estradas de ferro federaes". Reduzia apenas, portanto, a Commissão dos 21 a ext<.:nsão da zon;1 elas fronteiras, determinada na legislação monarchica. Nem ha opposição entre a c~llcnda da Commissão dos 21 e os decretos do Governo Provisorio, a não ser quanto ao dominio das terras dc'volutas. Estes mantinham, como na 1\10narcbia, para a nação o dominio das terras publicas, ao passo que aquella passou-o para os Estados. Iss.) não se veriíica, porém, quanto á zona das terras das fronteiras, na largura de dez leguas, não

27 29 mais devollttas na.i\fonarchia, (lefoe a legislação de 1850 e 1R54. A este respeito a cmcllda da Commissáo oos 21 (~perfeitamente harmonica com os decretos do Governo Provisorio, no sentido de manter para o oominio oa União a zona das terra~ das fronteiras, reduzindo apenas â nzetade a respectiva extensão. Querer do facto dessa reducção tirar a conclmáo oe que, assim agindo, reconheceu aquella Cornmissão a illsltbsistc1lcia da lcg:slação de 1850, é argumento respondido pela propria inconsistencia da <1ifficuldade arguida. Insistem mitros em affirmar que, na Constituinte, se discutiu a questão da propriedade dos Estados sobre os seus territorios. ci!:ando a emenda, apresentada pelo sr. :11lJ!\' IZ FRj~J1U:, a re present açt'ío do Centro Positivista. e ainda as emendas dos srs. AMERICO LOBO e CIL GOlJI,ART. A representação do Centro Positivista, declarando pertencerem aos Estados as terras devolutas, exceptuava expressamente as que fossem necessaria~; para os serviços federa'2s. As emendas de Al\ll~jUCO LORO e de Gn, GOCI,AR'r, que se Icem Ús pags. 491 e 519 respectivamente do volume segundo dos Annacs, reproduziam a idéa' contida no Projecto de Constituiçi"to do Governo Provisorio, clïm:nando apenas a ultima a rcsalva nelle expressa. Da emenda 'do sr. 1\1UNIZ FIU~IRE, por este congressista e pelo sr. ;\1\"'1'.:\0 1lT~ FARIA apresentada, dir-se-á em seguida.

28 30 :L\ão dellas, mas das considerações que se vão expor, ao que se vê clos A l1naes. resultou a redacção do art. 64 da Constituição Federal, C01110 nella se encontra (scripta. Diz-s(~ que os constituintes abandonaram a idéa da limitação determinada do que pudesse ser necessario {ts necessiclades da União, a respeito das ten-as publicas, para os serviços que lhe são proprios. Isso é verdade. O espiritu que se empresta a essa delib(tação dos constituintes é que se não justifica.. Não é exacto que, redigindo, como redigiram, o art. 64, tivessem os constituintes a intenção de dar á Uniiio das ten-as publicas sómente a porção que lhe fo::.se indis/,ensavcl aos seus serviços. A prova disso está em que a Constituição Sé refere exl,ressamente a terras devo/ufos. e das terras dc\'olutas, cxclusî'vomcnte, é que reserva para a Cnião él porção indispensélvel para os seus serviços. No art. 64 da Constituição não se occupa o leg-islador dos territorios que, por força de qualquer legislação, pertencem á nação. O art. 64 do Projecto de Constituição do Governo Provisorio que passou, durante a discussão, a ser (l art. 63,; pela suppressão do art. 11, proposta pela Commissão dos 21, como está hoje redig-idn na CO:lstituiçào, foi originado de uma emenda. apresentada pelo sr. Jn,IO DE CA~TILHOSe outros. como se vê dos Annacs (vol. 2, pags. 563 e 464),

29 31 emenda essa que. reueifada na sessão de 9, foi at/'rovada na de tr de fevereiro de lr91. Os signatarios dessa emenda, votada pela Cnnstituinte, C0l110 é facil ele verificar-se são os 111es111os que haviam proposto ao Projecto de Constituição do Governo Provisorio a emenda acceita, em seu tarecer, pela Commissão dos 21. a~,autores de ambas essas cmendas foram os constituintes que compunham a retreselltação do Rio (;rallde do Sul. a actual e illustre \[ inistrn da Fazenda. dr. f TOl\l1': w H:\I'TlS'l'A, foi quem, lia Constituinte, se rjccupoll de esclarecer o pellsamcnto dos signatarios da cmeneia acccita pela Commissão elos 21. Quc diz elle? Diz, em resumo. quc él determinação de uma.:,rlna precisamcnte determinada, las frollleiras, ('0f110 pertencente ao dominio da União. é ncces-.wria - "para não ficar illleiramente destro'vida. de mcios Jarel sci",-'iços quc llie siïo protrios c quc terá de attender para assegurar a Ùnpertttrbabi-!iJadr da paz e da ordcm". [\ão se diga que do facto da rc!leù;ão pela Constituinte da primeira cmcnda. offcrecida pela ballcada gaúcha ao Projecto de Constituição do Go- V('!"nO Pro\,isorio c acceita ')eia C01l1missão dos 21. e do da attrovação pcla Constituinte da nova e1l1cnda, que hoje é o art. 64 da Constituiç~tO, sc' tira a conclusão de que CI. Constituinte restringiu o dominio da Cnião sobre a ':'ona das fronteiras.

30 32 A crit'ca, feita no seio da Constituinte, pela re/,resentação /,arael1se. de que fazia parte o actual Senador pelo Pará, sr. dr. LAURO SODRÉ, á emenda acccita pela COnlmissão dos 21, fundava-se precisamente, como se vê do discurso do deputado NINA RIBCIRO (A111zaes. vol. 2, pago 162), em que - "essl emenda resf1-ùtge por demais o direito da União, pois só lhe concede cinco leguas de terras nas frontei-as e as que forem necessarias para a construcção de estradas de ferro federaes". Foi es~,a critica necessariamente que determinou a redacção da nova emenda da representação g-aúcha, qut~ hoje constitue o art. 64 da Constituição. E' exa,:to que o substitutivo dos srs. ANTÃO FARIA e ~I-JNIZ FREIRE. fundado, principalmente, como o primeiro clelles (. disse na Constituinte, na conveniencia da reducção de dcs/,ezas, visava não deixar zona alguma de terras devolutas para a União nas,:ronteiras. Mas, primeiro que tudo, essa mesma emenda resalvava, como se vê dos Annacs (vol. 2, pago 218), o direito da União a toda porção de território que precisar para a dcfeza das fronteiras; e depois, appro\'ado esse substitutivo em primeira discussão, na sessão de 12 de Janeiro de 1891, veiu a ser prejudicado na segunda discussão pela approvação, em sessão de tg de fevereiro, da segunda emenda da representaç50 gaúcha, que hoje forma o art. 64 da Constituição Federal do Brazil, e da emenda dos

Lei de 11 de Agosto de 1827 - Crêa dous Cursos de sciencias Juridicas e Sociaes, um na cidade de S. Paulo e outro na de Olinda.

Lei de 11 de Agosto de 1827 - Crêa dous Cursos de sciencias Juridicas e Sociaes, um na cidade de S. Paulo e outro na de Olinda. Lei de 11 de Agosto de 1827 - Crêa dous Cursos de sciencias Juridicas e Sociaes, um na cidade de S. Paulo e outro na de Olinda. Decreto de 9 de Janeiro de 1825 - Crêa provisoriamente um Curso Jurídico

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL 1891

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL 1891 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL 1891 Nós, os Representantes do Povo Brazileiro, reunidos em Congresso Constituinte, para organizar um regimen livre e democratico, estabelecemos,

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0831/11 Data do Acordão: 16-11-2011 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS IRS IRC HIPOTECA PRIVILÉGIO

Leia mais

TRATADO anmra O SFASIL E A COLJ3MBIA

TRATADO anmra O SFASIL E A COLJ3MBIA TRATADO anmra O SFASIL E A COLJ3MBIA A Republica dos Estados Unidos do Brasil e a Republica da Colombia, desejosas de consolidar en bases firmes e duradouras suas antigas relaçóes de paz e amizade, de

Leia mais

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Josely Trevisan Massuquetto Procuradora do INCRA no Paraná. Francisco José Rezende dos Santos Oficial do 4º Reg. Imóveis de Bhte e Presidente

Leia mais

Controle da constitucionalidade: França e Brasil

Controle da constitucionalidade: França e Brasil Fonte: Dr. Carlos Roberto Siqueira Castro Seção: Artigo Versão: Online Controle da constitucionalidade: França e Brasil Publicado 3 horas atrás Crédito @fotolia/jotajornalismo Por Maria Augusta Carvalho

Leia mais

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores 10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns relativas

Leia mais

Bernardino Duarte e Associados SOCIEDADE DE ADVOGADOS, RL

Bernardino Duarte e Associados SOCIEDADE DE ADVOGADOS, RL Exmos Senhores Juizes do Tribunal Administrativo e Fiscal de Proc. Nº 747/13.1BELLE LOULÉ Associação dos Investidores do Hotel Apartamento Neptuno, pessoa colectiva nº 507788648, com sede no Centro de

Leia mais

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas 18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar o reconhecimento de divórcios e separações de pessoas obtidos

Leia mais

@ D @ LI Fei* Sub-director da Comissão da Lei Básica da RAEM do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional, RP da China

@ D @ LI Fei* Sub-director da Comissão da Lei Básica da RAEM do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional, RP da China Estudar a Fundo o Sistema da Região Administrativa Especial e Promover a Grande Prática de Um País, Dois Sistemas : Discurso no Fórum de Alto Nível sobre Um País, Dois Sistemas de 6 de Dezembro de 2011

Leia mais

PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 843, DE 11 DE OUTUBRO DE 1890

PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 843, DE 11 DE OUTUBRO DE 1890 PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 843, DE 11 DE OUTUBRO DE 1890 Concede ao Banco dos Operarios diversos favores relativamente aos edificios que construir para habitação de operarios e classes pobres. O Generalissimo

Leia mais

O BRASIL E A VENEZUELA

O BRASIL E A VENEZUELA NACIONAL IMPRENSA MINISTERIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Collecção do Actos Intenacionaes N. 25 ACCÔRDO ENTRE O BRASIL E A VENEZUELA Para a demarcação da fronteira brasileirovenezuelana Concluído em Caracas,

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Pará A C Ó R D Ã O Nº. 41.716 (Processo nº. 2005/53596-3) PREJULGADO Nº. 14

Tribunal de Contas do Estado do Pará A C Ó R D Ã O Nº. 41.716 (Processo nº. 2005/53596-3) PREJULGADO Nº. 14 1 A C Ó R D Ã O Nº. 41.716 (Processo nº. 2005/53596-3) PREJULGADO Nº. 14 EMENTA: Não será aplicada multa regimental pela intempestividade na remessa das prestações de contas aos responsáveis por entidades

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS!

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! FINISPORTUGAL! PRIVATIZAÇÕES. (Publicado em 20 Dezembro 2012) 1- Conceito Estratégico de Defesa Naciona

Leia mais

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso A respeito da idade de ingresso das crianças, no ensino fundamental de 9 anos de duração, ocorreram acaloradas discussões na esfera educacional

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente Diário da Sessão n.º 070 de 18/03/03 Presidente: Passamos ao ponto seguinte da nossa ordem de trabalhos Proposta de Decreto Legislativo Regional que aplica à Região Autónoma dos Açores o Decreto-Lei nº

Leia mais

Artigo 1.º Âmbito de aplicação

Artigo 1.º Âmbito de aplicação Resolução da Assembleia da República n.º 54/2004 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong, da República Popular da China, Relativo ao Auxílio

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Da Comissão de Legislação Participativa) SUG nº 84/2004 Regulamenta o art. 14 da Constituição Federal, em matéria de plebiscito, referendo e iniciativa

Leia mais

Regulamento do Stud-Book Nacional do Cavallo de Puro Sangue, a que se refere o decreto n. 13.038, desta data CAPITULO I

Regulamento do Stud-Book Nacional do Cavallo de Puro Sangue, a que se refere o decreto n. 13.038, desta data CAPITULO I Regulamento do Stud-Book Nacional do Cavallo de Puro Sangue, a que se refere o decreto n. 13.038, desta data CAPITULO I DO STUD-BOOK NACIONAL DO CAVALLO DE PURO SANGUE Art. 1º O Stud-Book Nacional do Cavallo

Leia mais

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011 Reginaldo Minaré Diferente do Estado unitário, que se caracteriza pela existência de um poder central que é o núcleo do poder político, o Estado federal é

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato *

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato * A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL Fábio Konder Comparato * Dispõe a Constituição em vigor, segundo o modelo por nós copiado dos Estados Unidos, competir

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO O presente estudo tem o intuito de analisar e diferenciar brevemente os institutos da cessão de uso, concessão de uso e concessão de direito real de

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei Da Nacionalidade Lei N.º 01/05 De 01 de Julho Tornando se necessário proceder a alterações das principais regras sobre a atribuição, aquisição e perda da

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg na CARTA ROGATÓRIA Nº 3.198 - US (2008/0069036-9) RELATÓRIO MINISTRO HUMBERTO GOMES DE BARROS: Agravo interno contra exequatur concedido pelo eminente Ministro Marco Aurélio do STF. Em suma, a decisão

Leia mais

Processo n.º 753/2014

Processo n.º 753/2014 Processo n.º 753/2014 (Recurso Laboral) Data : 5/Março/2015 ASSUNTOS: - Acidente de trabalho - Duplicação de indemnização SUMÁ RIO : Se a entidade patronal pagou uma indemnização pela morte de um seu trabalhador,

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

CAPITULO I DA INCIDENCIA

CAPITULO I DA INCIDENCIA Regulamento a que se refere o decreto n. 13.051, de 5 de junho de 1918, para execução do art. 1º, n. 35, e art. 60 da lei n. 3.446, de 31 de dezembro de 1917. CAPITULO I DA INCIDENCIA Art. 1º O imposto

Leia mais

ALTERA O CÓDIGO CIVIL, PERMITINDO O CASAMENTO ENTRE PESSOAS DO MESMO SEXO

ALTERA O CÓDIGO CIVIL, PERMITINDO O CASAMENTO ENTRE PESSOAS DO MESMO SEXO Grupo Parlamentar Projecto de lei n.º 14/XI ALTERA O CÓDIGO CIVIL, PERMITINDO O CASAMENTO ENTRE PESSOAS DO MESMO SEXO Exposição de Motivos: O significado histórico do reconhecimento da igualdade A alteração

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 200, DE 2015 (Do Sr. Pompeo de Mattos)

PROJETO DE LEI N.º 200, DE 2015 (Do Sr. Pompeo de Mattos) *C0051224A* C0051224A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 200, DE 2015 (Do Sr. Pompeo de Mattos) Altera o Parágrafo único do art. 66 da Lei nº 6.815, de 19 de agosto de 1980. DESPACHO: ÀS COMISSÕES

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador CRISTOVAM BUARQUE I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador CRISTOVAM BUARQUE I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 157, de 2002, do Senador Carlos Bezerra, que acrescenta art. 392-B à Consolidação das Leis

Leia mais

Ministério do Interior

Ministério do Interior Ministério do Interior DECRETO LEI Nº /97 O Ministério do Interior é o órgão do Governo a que incumbe, dentre outras, as tarefas de garantia da segurança e da ordem internas, bem como da defesa dos direitos

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição,

ATOS DO PODER EXECUTIVO. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N o 4.520, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002 Dispõe sobre a publicação do Diário Oficial da União e do Diário da Justiça pela Imprensa Nacional da Casa Civil da Presidência da República,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2004

PROJETO DE LEI N.º, DE 2004 PROJETO DE LEI N.º, DE 2004 (Do Sr. Roberto Magalhães) Dispõe sobre o domínio e posse de monumento religioso constituído da Igreja de N. S. do Carmo de Olinda e respectivo terreno. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

Código de Contratos Públicos. Dois anos de vigência. Ordem dos Engenheiros, 3 de Fevereiro de 2011

Código de Contratos Públicos. Dois anos de vigência. Ordem dos Engenheiros, 3 de Fevereiro de 2011 BASTONÁRIO Código de Contratos Públicos. Dois anos de vigência Ordem dos Engenheiros, 3 de Fevereiro de 2011 Exmo Sr. Presidente da Região Sul, Engº. Carlos Mineiro Aires Exmo. Senhor. Presidente do InCI,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2012.0000122121 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9074862-42.2007.8.26.0000, da Comarca de São José do Rio Preto, em que são apelantes PREFEITURA MUNICIPAL DE

Leia mais

DECRETO N. 1637 DE 5 DE JANEIRO DE 1907 CAPITULO I DOS SYNDICATOS PROFISSIONAES

DECRETO N. 1637 DE 5 DE JANEIRO DE 1907 CAPITULO I DOS SYNDICATOS PROFISSIONAES ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas deste sítio são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, "textos oficiais". São reproduções digitais de textos originais, publicados sem atualização

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 9. INTEGRAÇÃO DA AMAZÔNIA RIO BRANCO,

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

Pronunciamento do Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado Chefe da Casa Civil da Presidência da República, Antonio Palocci Filho

Pronunciamento do Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado Chefe da Casa Civil da Presidência da República, Antonio Palocci Filho Pronunciamento do Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado Chefe da Casa Civil da Presidência da República, Antonio Palocci Filho Brasília, 02/01/2011 (Saudações e agradecimentos)... Senhoras e senhores,

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *024022V:* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO

Leia mais

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES.

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES. Resolução da Assembleia da República n.º 30/98 Acordo sobre Privilégios e Imunidades Celebrado entre o Governo da República Portuguesa e a Organização Internacional para as Migrações, assinado em Lisboa

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.682, DE 24 DE JANEIRO DE 1923. Crea, em cada uma das emprezas de estradas de ferro existentes no paiz, uma caixa de aposentadoria

Leia mais

Decreto-Lei n.º 45942 Convenção para a cobrança de alimentos no estrangeiro, concluída em Nova Iorque em 20 de Junho de 1956

Decreto-Lei n.º 45942 Convenção para a cobrança de alimentos no estrangeiro, concluída em Nova Iorque em 20 de Junho de 1956 Decreto-Lei n.º 45942 Convenção para a cobrança de alimentos no estrangeiro, concluída em Nova Iorque em 20 de Junho de 1956 Usando da faculdade conferida pela 2.ª parte do n.º 2.º do artigo 109.º da Constituição,

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

Saúde, vida e patrimônio. A convicção de que o direito à vida é superior ao direito patrimonial é lógica. Mais

Saúde, vida e patrimônio. A convicção de que o direito à vida é superior ao direito patrimonial é lógica. Mais Saúde, vida e patrimônio. Marcelo Moscogliato. (Artigo publicado pelo Ministério da Saúde no Boletim de Direitos Humanos nº 01, de Maio de 1997, em Brasília DF.) A convicção de que o direito à vida é superior

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral Abril 2013 TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Presidente Desembargadora Letícia De Faria Sardas Corregedor

Leia mais

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS Ives Gandra da Silva Martins Marilene Talarico Martins Rodrigues SUMÁRIO: Considerações Iniciais. Imunidades como Limitação ao Poder de Tributar. Imunidade das Instituições - Educacionais

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

Decreto n.º 24/95 Acordo Internacional sobre Cumprimento de Medidas de Conservação e Gestão de Recursos no Alto Mar

Decreto n.º 24/95 Acordo Internacional sobre Cumprimento de Medidas de Conservação e Gestão de Recursos no Alto Mar Decreto n.º 24/95 Acordo Internacional sobre Cumprimento de Medidas de Conservação e Gestão de Recursos no Alto Mar Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 479, DE 2008 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Tratado de Extradição entre a República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO MANUAL DO JOVEM DEPUTADO Edição 2014-2015 Este manual procura expor, de forma simplificada, as regras do programa Parlamento dos Jovens que estão detalhadas no Regimento. Se tiveres dúvidas ou quiseres

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno

Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno Aprova, para ratificação, a Convenção n.º 171 da Organização Internacional

Leia mais

BR REHEG PH AT.LE.1835/06:1835. A 1º Lei Goiana sobre Instrução Pública Lei nº 13 de 23 de junho de 1835.

BR REHEG PH AT.LE.1835/06:1835. A 1º Lei Goiana sobre Instrução Pública Lei nº 13 de 23 de junho de 1835. A 1º Lei Goiana sobre Instrução Pública Lei nº 13 de 23 de junho de 1835. BR REHEG PH AT.LE.1835/06:1835 Jose Rodrigues Jardim, Presidente da Provincia de Goyas: Faço saber a todos os seos Habitantes,

Leia mais

21. Convenção sobre a Administração Internacional de Heranças

21. Convenção sobre a Administração Internacional de Heranças 21. Convenção sobre a Administração Internacional de Heranças Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns a fim de facilitar a administração internacional de

Leia mais

FI CHA DOUTRINÁRIA. Diploma: Código do Imposto Municipal sobre Transmissões Onerosas de Imóveis/Estatuto dos Benefícios Fiscais

FI CHA DOUTRINÁRIA. Diploma: Código do Imposto Municipal sobre Transmissões Onerosas de Imóveis/Estatuto dos Benefícios Fiscais FI CHA DOUTRINÁRIA Diploma: Código do Imposto Municipal sobre Transmissões Onerosas de Imóveis/Estatuto dos Benefícios Fiscais Artigo: Assunto: 49.º EBF Fundos de Investimento Imobiliário e Isenção de

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Paulo Ricardo Schier As teorias do direito internacional e constitucional,

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores MOREIRA VIEGAS (Presidente) e JAMES SIANO. São Paulo, 6 de março de 2013.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores MOREIRA VIEGAS (Presidente) e JAMES SIANO. São Paulo, 6 de março de 2013. Registro: 2013.0000126203 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0029997-39.2011.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante ANNA SPALLICCI, é apelado MARIO RENATO

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Processo: 0252/14 Data do Acordão: 23-04-2014 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Sumário: GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS IRS HIPOTECA

Leia mais

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos Convenção nº 146 Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho: Convocada para Genebra pelo conselho administração da Repartição Internacional

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 170/2012 TCE/TO Pleno

RESOLUÇÃO Nº 170/2012 TCE/TO Pleno RESOLUÇÃO Nº 170/2012 TCE/TO Pleno 1. Processo nº: 12505/2011 (1 vol.) 2. Classe/Assunto: 3. Consulta / 5. Consulta acerca da legalidade do pagamento de despesas com internação de urgência do senhor João

Leia mais

PROCESSO ADMINISTRATIVO RJ-2015-6282. Reg. Col. 9818/2015

PROCESSO ADMINISTRATIVO RJ-2015-6282. Reg. Col. 9818/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO RJ-2015-6282 Reg. Col. 9818/2015 Interessado: Oi S.A. Assunto: Pedido de Autorização da Oi S.A. para negociação privada de opções e de ações de sua própria emissão, conforme aditivo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Discurso na cerimónia de assinatura

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, ao Projeto de Lei do Senado nº 238, de 2007, que transfere ao domínio do Estado do Amapá terras pertencentes

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

ASSEMBLEIA DO POVO. Lei n.º 19/91 De 25 de Maio

ASSEMBLEIA DO POVO. Lei n.º 19/91 De 25 de Maio ASSEMBLEIA DO POVO Lei n.º 19/91 De 25 de Maio A grande maioria dos imóveis existentes no país constitui propriedade estatal, quer por reversão, ao abrigo do artigo 1.º, n.º 1 da Lei n.º 43/76, de 19 de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 6 Comunidade Global Tema Direitos fundamentais do : Declaração Universal dos Direitos do OBJECTIVO: Participa consciente e sustentadamente na comunidade global 1. Leia, com atenção, a Declaração Universal

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 77 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE FAIXA DE DOMÍNIO POR CONCESSÕES DISTINTAS E O INTERESSE PÚBLICO

A EXPLORAÇÃO DE FAIXA DE DOMÍNIO POR CONCESSÕES DISTINTAS E O INTERESSE PÚBLICO A EPLORAÇÃO DE FAIA DE DOMÍNIO POR CONCESSÕES DISTINTAS E O INTERESSE PÚBLICO Luiz Antonio Sanches Diretor Adjunto da ABCE II Simpósio Jurídico-Tributário da ABCE 13 de novembro de 2006 Problema: Com amparo

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE 1. OBJETIVO Este Anexo ao Contrato de Prestação de Serviço TRANS-MUX

Leia mais

PARECER/CONSULTA TC-001/2006 PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA

PARECER/CONSULTA TC-001/2006 PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA DISPENSA DE LICITAÇÃO ARTIGO 24, INCISO VIII, DA LEI Nº 8.666/93 NÃO INCIDÊNCIA EM RELAÇÃO A ÓRGÃO OU ENTIDADE INTEGRANTE DA

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I

EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I Olá pessoal, com o intuito de auxiliá-los para a prova de AUDITOR do ICMS-SP/2006, seguem abaixo algumas questões que selecionei dos últimos concursos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 18. ENTREVISTAS FORTALEZA, CE, 30

Leia mais

Procriação Medicamente Assistida: Presente e Futuro Questões emergentes nos contextos científico, ético, social e legal

Procriação Medicamente Assistida: Presente e Futuro Questões emergentes nos contextos científico, ético, social e legal Procriação Medicamente Assistida: Presente e Futuro Questões emergentes nos contextos científico, ético, social e legal Senhor Secretário de Estado da Saúde, Dr. Leal da Costa, Senhora Secretária de Estado

Leia mais

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central A autonomia do Banco Central Amanutenção da política de elevadas taxas de juros reais conduzida pelo Copom - Comitê de Política Monetária - reacendeu

Leia mais

PARECER N.º 26/CITE/2007

PARECER N.º 26/CITE/2007 PARECER N.º 26/CITE/2007 Assunto: Direito ao gozo de férias após licença por maternidade Processo n.º 147 QX/2006 I OBJECTO 1.1. Em 20 de Novembro de 2006, a CITE recebeu da funcionária do, com a categoria

Leia mais

CCV Correios de Cabo Verde, SA. Decreto Lei nº 9-A/95:

CCV Correios de Cabo Verde, SA. Decreto Lei nº 9-A/95: CCV Correios de Cabo Verde, SA Decreto Lei nº 9-A/95: Transforma a empresa Pública dos Correios e Telecomunicações CTT, em duas sociedades anónimas de capitais públicos. ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação,

Leia mais

Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário.

Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário. Processo n.º 14/2012. Recurso jurisdicional em matéria cível. Recorrente: B. Recorrido: A. Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário. Coisa. Venda. Dação em cumprimento.

Leia mais

Com base na proposição P: Precisando de ajuda, o filho recorre ao. pai, julgue os próximos itens, relativos a lógica proposicional.

Com base na proposição P: Precisando de ajuda, o filho recorre ao. pai, julgue os próximos itens, relativos a lógica proposicional. De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com o

Leia mais

CONCORDATA ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A SANTA SÉ

CONCORDATA ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A SANTA SÉ Resolução da Assembleia da República n.º 74/2004 Concordata entre a República Portuguesa e a Santa Sé, assinada em 18 de Maio de 2004 na cidade do Vaticano Aprova, para ratificação, a Concordata entre

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças 28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças Os Estados signatários da presente Convenção, Firmemente convictos de que os interesses da criança são de primordial importância

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 180, DE

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 180, DE SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 180, DE 2011 Acrescenta alínea n ao art. 20 do Decreto-Lei nº 73, de 21 de novembro de 1966, para tornar obrigatório o seguro de danos pessoais a empregado de

Leia mais

Competência dos Entes Federativos na Legislação Ambiental

Competência dos Entes Federativos na Legislação Ambiental Competência dos Entes Federativos na Legislação Ambiental Abril 2009 Prof. Dr. Roger Stiefelmann Leal nas Constituições Anteriores Constituição de 1946 Art 5º - Compete à União: XV - legislar sobre: l)

Leia mais

Matheus Tarocchi da Silveira, Jackson Vicente Macedo, Murilo Luis Monzani Tomazin

Matheus Tarocchi da Silveira, Jackson Vicente Macedo, Murilo Luis Monzani Tomazin Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 432 LICITAÇÃO Matheus Tarocchi da Silveira, Jackson Vicente Macedo, Murilo Luis Monzani Tomazin Discente do Curso

Leia mais

SUMÁRIO. - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código. de Processo Civil, o pedido de apensação só pode ser

SUMÁRIO. - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código. de Processo Civil, o pedido de apensação só pode ser Processo nº 646/2014 (Autos de recurso civil) Data: 14/Maio/2015 Assuntos: Apensação de acções SUMÁRIO - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código de Processo Civil, o pedido de apensação só pode

Leia mais

CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social

CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social ESTATUTOS DA PARPÚBLICA PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (SGPS), S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social Artigo 1.º (Denominação) A sociedade adota a denominação PARPÚBLICA Participações Públicas

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL

Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, convocada em S. Francisco pelo conselho de administração

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas:

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas: . ' ESTADO DA PARAÍBA t-n " PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação Civel n 200.2004.038313-1/001 Relator: Des. Luiz Silvio Ramalho Júnior Apelante: Executivos Administração e Promoção de Seguros

Leia mais

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' Lewandowski critica voto secreto no Congresso Para ministro do Supremo, "esse modo de pensar é incompatível com a Constituição" 'Sessão secreta não é compatível

Leia mais

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada:

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada: EMB.DECL.NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 571.572-8 BAHIA RELATORA EMBARGANTE(S) ADVOGADO(A/S) EMBARGADO(A/S) ADVOGADO(A/S) : MIN. ELLEN GRACIE : TELEMAR NORTE LESTE S/A : BÁRBARA GONDIM DA ROCHA E OUTRO(A/S)

Leia mais

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Os Estados contratantes, TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Desejosos de contribuir para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia, Desejosos de aperfeiçoar a proteção legal das invenções,

Leia mais