Julieta Freitas Ramalho da Silva 1, Patrícia Gazire 2, Latife Yazigi 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Julieta Freitas Ramalho da Silva 1, Patrícia Gazire 2, Latife Yazigi 3"

Transcrição

1 1 ALICE QUEBRA-VIDROS: EXPERIÊNCIA PSICANALÍTICA NA UNIVERSIDADE. Julieta Freitas Ramalho da Silva 1, Patrícia Gazire 2, Latife Yazigi 3 RESUMO: Alice é uma paciente com diagnóstico de Transtorno da Personalidade Borderline (DSM-IV, APA, 1994), há 18 meses em tratamento psicanalítico, três sessões semanais, com psicanalista docente da Disciplina de Psicoterapia, Departamento de Psiquiatria (UNIFESP/EPM). A partir desta experiência clínica as autoras refletem sobre: (a) questões da sala de análise:o manejo da técnica psicanalítica com pacientes graves, com idéias e tentativas de suicídio; (b) questões da instituição - integração e articulação terapêutica entre sala de atendimento, enfermaria psiquiátrica em hospital geral, hospital-dia, pronto-socorro em uma instituição pública - ambientes continentes de pacientes graves; (c) questões do lugar da Psicanálise na Universidade e na Psiquiatria atual demanda de pesquisa específica sem perder a identidade psicanalítica e sem descaracterizar a Psicanálise. 1 Psiquiatra, Psicanalista pela SBPSP, Chefe da Disciplina de Psicoterapia e Psicodinâmica, UNIFESP/EPM. 2 Psicóloga, Mestre em Saúde Mental, Departamento de Psiquiatria, UNIFESP/EPM. 3 Psicóloga Professora Titular do Departamento de Psiquiatria, UNIFESP/EPM.

2 2 MATERIAL CLÍNICO Alice é uma jovem de 21 anos com episódios de Bulimia desde os 15 anos de idade e uma complicada relação familiar desde criança. Aos 19 anos, sua mãe morre subitamente de infarto do miocárdio. Esse episódio a deixa muito culpada, pois acreditava que poderia ter salvado a mãe. Três meses após essa perda, começa a beber todas as noites e busca tratamento psiquiátrico medicamentoso. Uma semana depois tenta suicídio de forma grave, ingerindo 200 comprimidos de medicação analgésica. Permanece em coma neurológico por três dias e é então internada na unidade psiquiátrica (HSP/UNIFESP/EPM) por quatro meses. Nesse período de internação, oscilava entre depressão e irritação, com reações impulsivas, quebrando os vidros das janelas a fim de se cortar ou provocar as outras pacientes e a equipe assistencial, médico, psicóloga e enfermeira. Sua família, pai e irmãs, era assistida simultaneamente em reuniões grupais coordenadas por duas psicólogas. Após alta hospitalar, foi encaminhada para psicoterapia psicanalítica. Assim, a psicanalista recebe Alice propondo trabalho, inicialmente com duas sessões semanais, que logo se mostram insuficientes para tarefa terapêutica, passando-se a três sessões. O local de atendimento, sala de análise, é o próprio ambiente físico do Departamento de Psiquiatria, na Universidade. NA SALA DE ANÁLISE O percurso analítico inicia-se em agosto de Alice nunca faltou às sessões, mesmo quando internada, quando alguém da equipe psiquiátrica a trazia à sala de atendimento, preservando-se assim horário e local. As idéias de suicídio continuam presentes, o que leva de início a um contrato, como sugere Kernberg (1992,1993), em que se prontifica a comunicar suas idéias e planos suicidas, caso ocorressem, à psicanalista e à psiquiatra, repartindo responsabilidades.

3 3 Durante os 18 meses de psicanálise, Alice procura o pronto-socorro por duas vezes, em finais de semana, e necessita de três períodos breves de internação por causa do receio de se matar. Somente uma vez, deixa de comunicar seus planos, mas a família percebe e a traz ao hospital. Alice apresenta uma estrutura narcísica de personalidade, onipotente, em que se sente controlando toda a família. Responsabilizava-se pela harmonia entre os pais, que tinham freqüentes brigas violentas. A mãe era uma pessoa muito amargurada, com depressão e que recusava tratamentos. O pai bebia com freqüência e Alice chegou a esconder facas e outros objetos temendo a violência da mãe em relação a ele. Comportava-se como filha obediente para não decepcionar a mãe e para evitar desentendimentos familiares. Mesmo assim era agredida verbalmente e sentia-se não amada. Quando a mãe, sentida como má e cruel, morre, ocorre a catástrofe: quebra-se a estrutura de defesa narcísica e Alice vive episódio depressivo com manifestações psicóticas, explosão da agressividade e idéias suicidas. Segue um relato de sonho de Alice, que ilustra essa compreensão: Eu estava com minha mãe, ela estava deprimida, nós fomos procurar aulas de tênis. Quando chegamos ao campo, não me deixaram jogar, fiquei catando bolinhas. Pedi, mas falaram que eu não conseguiria. Aí depois de um tempão, deixaram. Quando bati na bola que era verde, de vidro esfumaçado, quebrou-se e se desfez a maldição do lugar, uns prédios caíram, outros cresceram (...) Este sonho mostra como Alice fica à margem borderline do campo no jogo da vida. Quando, enfim pode jogar, a bola é de vidro e quebra-se, como sua estrutura psicológica, espalhando pedaços e desfazendo uma crença ou organização patológica, que lidava com aspectos mortíferos, remetendo-nos a pensar em narcisismo destrutivo ( Rosenfeld, 1988) e também em organizações patológicas de personalidade (Steiner,1993). Algumas questões técnicas surgiram durante as sessões, tais como:

4 4 1.O contrato sobre as idéias e tentativas de suicídio Em uma segunda-feira, dia em que não é atendida, deixa um recado na secretária eletrônica da analista, fora da instituição, despedindo-se e agradecendo por tudo que tinha feito por ela, eram 20:30 horas e por pouco não encontra a analista. Com Alice parece que se está sempre no limite, por um fio. A analista retorna a ligação e pede que ela avise sua psiquiatra sobre essas idéias e afirma que também faria isso. Essa atitude intervencionista pensamos ser necessária, já que é continente e a favor da vida, que em muitos momentos fica ameaçada em pacientes borderlines. Nas sessões seguintes, a analista retoma o caminho analítico dos comportamentos de ambas, interpretando os atos destrutivos em relação à si mesma e à análise e os esforços de se preservar a vida, ou seja, trazendo as vivencias de volta à sala de análise. 2. Cuidado para não ser capturada por sentimentos contra-transferenciais de medo e intimidação Alice, durante muito tempo, ao entrar na sala, olhava para janelas e vidros. Observava se a analista as deixava abertas ou se ficava intimidada com seus olhares. Conversavam sobre isso, porém Alice perscrutava na analista a verdade dos seus sentimentos e a capacidade de se arriscar junto com ela na empreitada analítica. É importante e necessário arriscar e permitir que Alice se sente próxima à janela e não se deixar ficar submetida a uma organização intimidadora, como muitas vezes parece acontecer com Alice.Segue trecho de sessão que ilustra tal situação: Alice-- Ontem comecei as aulas na faculdade, foi só apresentação, depois fizeram brincadeiras, fiquei até bem. Quando cheguei em casa, fiquei deprimida, não tenho vontade de fazer nada, fico na cama. Quero desistir Analista (Comentários sobre des-existir).você reparou no seu movimento contrário?

5 5 Alice Essa noite sonhei que estava internada e meu pai veio me visitar. Acho que tenho medo que a doença volte (...) Queria tanto voltar às aulas, antes (...) Tive uma paixão por um artista, me pai deu um pôster dele, mas meu irmão não permitiu, queria rasgar, então resolvi esconder, e está tão bem escondido que nunca mais achei. Engraçado, meu irmão sempre me protegia nas festas, saia para bater se alguém mexesse comigo. Analista--Comenta sobre o medo, também presente, os sentimentos que se pode tirar do esconderijo e assim quem sabe juntas poderão enfrentar as gangues violentas. Estas são questões semelhantes àquelas propostas por Rosenfeld (1987), acerca do narcisismo destrutivo e pulsão de morte. 1. Co-produção de associações, quando ficamos diante do nada, vazio. Em algumas sessões ocorrem situações em que a associação livre do pensamento parece cair no vazio, em um buraco negro, em que se sente necessidade de ajudar Alice a pensar seus pensamentos, como num processo de alfabetização mental proposto por Bion (1962,1963) e Ferro (1999).Segue trecho de sessão: Alice (chega à sala, senta-se e diz imediatamente) Sonhei com a você(analista).eu estava nesta mesma sala, só que era uma sala de jantar, com cristaleira e mesa de vidro. Começei a mexer em tudo. Aí ouvi você analista chegar e fui para um canto. Você me pediu para fazer um desenho do que estava vendo. Desenhei uma nave com ETs. Aí você me perguntou,mas você vê isso mesmo? Eu vejo... Analista (penso na imagem do vidro, da cristaleira e pergunto o que Alice pensa sobre isso). Alice-- Nada, é um sonho. Telefonei para a enfermaria, para o doutor Y, queria permissão para ir visitar, ai a outra atendeu disse que não. Você não disse para eu usar a inteligência para coisas criativas?

6 6 Analista (sorrio e confirmo que Alice está me mostrando algo criativo, o sonho. Depois de um longo silêncio... Alice--: Mas o sonho não quer dizer nada e faz gestos com as mãos. Analista-- começo então a repetir lentamente: Esta sala, uma sala de jantar, espaço íntimo da casa, como se... Alice-- interrompe e diz: Onde só entram pessoas queridas. Analista--: Ah! Como a mente também, talvez..... Lugar que recebe alimentos, pessoas queridas, mas parece que eu não te deixei à vontade Alice-- Quando acordei contei o sonho para minha irmã e ela disse, você lembra que quando pequena você dizia que um ET ia te seqüestrar?. A partir daí, ambas continuam a falar mais claramente sobre sentimentos de desconfiança, medos, mundo da fantasia e fantasia de seqüestro. 4.Agressividade e Interpretações não-saturadas Explicitar a agressividade, sempre que possível, mas de forma a que tais pacientes possam perceber e receber interpretações, sem violência, já que estão à mercê de muita violência interna. O exemplo acima mostra, também, como interpretações não saturadas (Ferro,1997), podem ser eficientes e permitir aflorar material rico. 5. Manejo de situações de separação como férias e feriados prolongados Em nosso primeiro período de férias, em fim de dezembro de 2000 até fim de janeiro de 2001, Alice quis viajar para seu país de origem, país europeu, a fim de se encontrar com o irmão mais velho e ir buscar de suas origens, como dizia, pois nasceu lá e veio para o Brasil com um ano de idade, junto com a mãe brasileira e este irmão, época da primeira separação dos pais. A psiquiatra tinha dúvidas sobre a viagem, principalmente porque teria que levar uma quantidade razoável de medicação, o que representava um risco. Essa situação foi contornada enviando-se a medicação via consulado aos cuidados do irmão. Na última sessão de análise, a analista trazia livros, compras de Natal, e conforme a situação se desenrolou sente vontade de deixar concretamente algo seu com Alice, algo que pudesse fazê-la

7 7 presente concretamente nessa busca. Com dúvida e mesmo receio de estar se distanciando da postura analítica, a analista empresta um dos livros: Harry Potter e a Pedra Filosofal. De retorno às sessões em fevereiro, com certa expectativa, Alice conta que o livro foi muito importante durante sua viagem, principalmente quando se sentia triste, e retribuiu com o segundo volume da coleção. Ao senti-la frágil e com uma tarefa difícil pela frente, a analista se autoriza a lhe oferecer um objeto concreto que pudesse simbolizar o vínculo e que, como com uma criança, tivesse a função de ligação, como um objeto transicional. Durante esse percurso, vários feriados ocorreram em que a instituição esteve fechada e somente os plantonistas do Pronto-Socorro trabalharam, porém era mantida a possibilidade de contato telefônico com a psiquiatra. Em uma terça-feira, a analista esquece de mencionar o próximo feriado, que tomaria as sessões de 5ª e 6ª feiras. Somente na despedida, já na porta, se dá conta. A analista fica chateada com a falta e com a impossibilidade de trabalhar essa questão. Imediatamente se lembra da morte repentina da mãe e associa à falta repentina da mãe-analista e propõe que ela telefonaria à Alice em sua residência, na 5ª feira no horário da sessão. Alice concorda, mas não estava em casa quando lhe telefona. A analista deixa então um recado com seu pai. Oito dias depois, quando retornam, Alice conta que está sem comer desde a ultima sessão, e se come, vomita. Foi um longo trabalho até que voltasse a se alimentar e a aceitar o alimento-análise sem rejeição. As falhas de continência afetiva para esses pacientes são vividas catastroficamente e por isso a analista decide deixar de lado a posição neutra. Era assim que Alice reagia, intensa e severamente; e a analista se percebeu correndo o risco de não poder aceitar suas próprias falhas. NA INSTITUIÇÃO a) função continente Desde o início do trabalho terapêutico com Alice, tem-se a impressão de que a instituição desempenha função de continente. Mostra ser um continente seguro ao qual recorre inúmeras vezes: procura o pronto-socorro nos fins de

8 8 semana, busca internação na enfermaria quando não suporta ficar à mercê de seus pensamentos suicidas ou o hospital-dia quando a psiquiatra ou a psicanalista está de férias. Além de acolher, a Instituição é também um espaço de projeções e atuações de Alice, como é esperado dentro da compreensão psicodinâmica. Alice freqüenta os diversos serviços, cria uma rede de comunicação e articulação entre eles, integrando-os. Por isso, a Instituição desempenha também a função terapêutica psicanalítica. Pacientes como Alice, borderlines no senso amplo da designação, pacientes que estão na fronteira entre psicose e neurose; ou ainda, instáveis entre funcionamento psicótico e não psicótico, usufruem da organização da Instituição. A divisão da Instituição em serviços independentes leva ao risco de intensificar os mecanismos de cisão destes pacientes. Porém, o manejo adequado da equipe institucional promove a integração, uma vez que no caso de Alice, seu transito entre os vários setores é monitorado pela equipe, o que permite que ela vá se integrando e se articulando durante esses trajetos. Neste sentido, o casamento sincero e harmonioso da psicanalista com a psiquiatra é fundamental para o bom andamento do trabalho. Muitas vezes durante os encontros, Alice tenta criar desavenças e rivalidade entre posturas ou falas de cada uma. Os contatos entre psiquiatra e psicanalista são em sua maioria por telefone, somente duas vezes foi possível se reunirem por meia hora. A troca de idéias, por vezes difícil, era permeada por encontros e desencontros, lutou-se muito nos moldes de um jovem casal que busca um objetivo comum criativo, no caso a assistência à Alice. Assim, o cuidado constante na relação dos cuidadores permite evitar armadilhas destrutivas a que se está exposto nas instituições. Por isso decidiu-se que o trabalho de comunicação entre a psicanalista e a psiquiatra fosse realizado pela terapeuta familiar. Esse recurso de comunicação institucional permite que a psicanalista e a psiquiatra não saiam de sua função, permitindo à Alice a experiência de par, de casal. A experiência do casal terapêutico pode remeter às questões edipianas, proporcionando a Alice uma nova versão da relação entre os pais, facilitando a internalização do triângulo edípico. Britton (1992)assinala as dificuldades de pacientes com distúrbios graves para o

9 9 desenvolvimento da situação edípica, já que sofreram anteriormente falhas de contenção materna. b) individualidade preservada O lugar da sala de análise na instituição é de importância, por causa da oposição entre atendimento ambulatorial em que as salas são de todos e de ninguém e atendimento individual, sempre na mesma sala, garantindo-se a privacidade e disponibilidade para intimidade. Foi necessário mudar o atendimento de uma sala indiscriminada do ambulatório para a sala da própria psicanalista, docente e por isso com seu nome escrito na porta. Alice comenta essa mudança: Você me deixou entrar no seu espaço. A mudança de sala foi decidida pela analista, quando notou que fatores externos como barulhos da rua, tentativas de invasão da sala por outros pacientes, corredores lotados de pacientes em fila de espera, tornavam o ambiente por demais vulnerável e contrario a proposta de um encontro íntimo,privado e estável, característico e almejado no encontro analítico, o setting analítico. Entrar em nosso espaço significa também, entrar no espaçoanalítico da analista, que se deixou conduzir pelas necessidades introjetadas do setting e busca configurá-lo na instituição. c) função social Finalmente, lembramos a questão sobre a função social de um trabalho em uma instituição pública, tendo em vista estarmos no Brasil, país em vias de desenvolvimento. Isto porque esses pacientes não têm lugar em instituições de assistência gratuita, visto que não são tão graves que justifiquem internações constantes, nem tão fáceis que a família ou o atendimento ambulatorial público mensal possam ser continentes. Cabe ainda uma ressalva quanto às questões econômicas, caso esse atendimento fosse custeado pelo próprio paciente ou seus familiares, na medida que muito poucos teriam condições de arcar com seus altos custos. Freud (1919 a), em Linhas de Progresso da Terapia Psicanalítica, refere-se as dificuldades e importância de sua terapia atingir a comunidade, sendo útil a um

10 10 número maior de pessoas. Ressalta, ainda, que talvez tenhamos que fundir o ouro puro da análise ao cobre da sugestão. Podemos entender, com isso, que alguma liberdade técnica pode ser necessária quando nos propomos a levar a psicanálise para a comunidade. PSICANÁLISE, PSIQUIATRIA E UNIVERSIDADE. Advogamos um lugar para a Psicanálise, dentro da Universidade e em constante e fértil relação com a psiquiatria e a medicina. Pensamo-la como terapia, principalmente para pacientes graves, como os com Transtornos da Personalidade que necessitam integração de vários vértices terapêuticos. Com isso não queremos defender que esse seja seu único espaço, mas somente um espaço possível. A Universidade deveria ser um lugar de livre pensamento e desenvolvimento do saber, das várias formas de apreensão do conhecimento. Ela contém problemas políticos e hierárquicos que na maioria das vezes a enrijece, o que de forma alguma combina com a atitude psicanalítica. Porém é um desafio poder estar nela e manter-se em busca constante de liberdade. Penso que um psicanalista na Universidade deve ter vigilância constante para não perder sua identidade e um compromisso com seus pares de não despersonalizá-la. A psicanálise, por sua vez, pode precisar da Universidade nos dias atuais, diferentemente do que pensava Freud (1919 b), no sentido de sua expansão extramuros. Seu corpo teórico parece-nos estar bem estabelecido, apesar das várias teorias que tentam, na verdade, expandi-la. Seu método está solidificado. Seus ditames básicos foram incorporados na nossa cultura. Portanto, talvez seja o momento de sair de seus mundos societários e dar caminhos e respostas a comunidade científica. Quanto à Psiquiatria atual, vinda de uma década extremamente biológica,em nosso país, parece-nos ainda preservar algum espaço para a psicanálise. Nos anos 60 e 70 estavamos mais presentes através da Psiquiatria

11 11 Dinâmica e da Psicologia Médica.Porém a pressão da industria farmacêutica em todo o ocidente e a medicina baseada em evidências, foi nos colocando num lugar muito delicado, para não dizer desconfortável e anti-progressista. Portanto, nadamos contra a maré. Freud já nos alertava que nossa disciplina incomoda, encontra resistências principalmente no meio médico, mas acreditamos que possa se firmar na Universidade. Nossa experiência de quase 40 anos de psicanalistas na Escola Paulista de Medicina pode ser testemunho de sua permanência e um interessante material para discussão e avaliação.tivemos fases áureas e fases ruins, mas o desafio permanece. CONSIDERAÇÕES FINAIS Assim como Alice que passou a quebrar os vidros dos ambientes em que permanecia, num direcionamento de sua agressividade para o mundo exterior, o que nos pareceu um comportamento mais saudável do que sua auto-agressão silenciosa, própria da pulsão de morte, nós analistas podemos quebrar barreiras também, como se quebrássemos os vidros narcísicos de nossas instituições psicanalíticas ao nos lançarmos para além de seus domínios societários assim como também os da própria Universidade, muitas vezes ambiente rígido, narcísico. Acreditamos que do encontro entre diferentes saberes teremos condições de fertilidade para a Psicanálise, para a Universidade e para a Comunidade. O atendimento de Alice gerou também uma Pesquisa Psicanalítica, continuação deste trabalho, ampliado para oito pacientes borderlines que serão atendidos por oito terapeutas experientes, todos com formação ou em treinamento psicanalítico, portanto com escuta analítica e internalização do método analítico.está, neste momento, sendo avaliada por órgãos fomentadares de Pesquisa no Brasil.

12 12 Por fim, atendendo à proposta deste Congresso: Permanências e Mudanças,consideramos;a) as mudanças ou variações da técnica psicanalítica quando tratamos de pacientes graves, tornando-nos mais ativos, porém com posterior retomada da neutralidade e abstinência,permitindo que haja pensamento; b) a permanência da Psicanálise nas instituições de ensino e assistência, sem perder sua identidade e oferecendo compreensão da dinâmica mental e institucional; c) a permanência da Psicanálise na Universidade, uma mudança em relação às idéias de Freud, como uma disciplina do conhecimento da intersubjetividade e para a intersubjetividade. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION(1994): Diagnostic Statistical Manual of Mental Disorders, fourth edicion,washington D.C., Am Psychiatric Ass. BION, W.R.(1962) Aprendendo de la Experiencia; Ed. Paidos, Buenos Aires. BION, W.R. (1963) Elementos de Psicoanalisis; Ed. Horme, Buenos Aires,1966. BRITTON, R. (1992) O Elo Perdido: a sexualidade parental no Complexo de Édipo. In O Complexo de Édipo Hoje implicações clínicas, org. J. Steiner, Artes Medicas, Porto Alegre. FERRO,A.(1997) Na Sala de Análise- Emoções,Relatos e Transformações;Imago Editora, Rio de Janeiro,1998. FERRO, A. (1999) A Psicanálise como Literatura e Terapia ; Imago Editora, Rio de Janeiro,2000.

13 13 FREUD, S. (1919 a) Linhas de Progresso da Terapia Psicanalítica, In Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud,vol XVII, Imago Editora, Rio de Janeiro, FREUD, S. (1919 b) Sobre o Ensino da Psicanálise nas Universidades, In Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud, vol XVII, Imago Editora, Rio de Janeiro, KERNBERG, O. F.(1992) Agressão nos Transtornos de Personalidade e nas Perversões; Artmed, São Paulo, KERNBERG, O.F. (1993) Suicidal Behavior in Borderline Patients: Diagnosis and Psychotherapeutic Considerations;American Journal of Pssychotherapy, Vol.2,spring. ROSENFELD, H.(1987) Narcisismo Destrutivo e a Pulsão de Morte, In Impasse e Interpretação, cap 6;Imago Editora, Rio de Janeiro, STEINER, J. (1993) Refúgios Psíquicos- Organizações Patológicas em Pacientes Psicóticos, Neuróticos e Fronteiriços; Imago Editora, Rio de Janeiro, 1997.

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

Psicoterapia psicanalítica em ambientes prisionais: da mentalização à vida em liberdade

Psicoterapia psicanalítica em ambientes prisionais: da mentalização à vida em liberdade Psicoterapia psicanalítica em ambientes prisionais: da mentalização à vida em liberdade Eva Maria Migliavacca* Fábio Serrão Franco** Resumo: Este trabalho possui como tema o tratamento psicoterápico de

Leia mais

Os pacientes que se enquadram no diagnóstico de Transtorno de. Personalidade pelo DSM-IV (APA, 1994), de baixo nível sócio-econômico, não

Os pacientes que se enquadram no diagnóstico de Transtorno de. Personalidade pelo DSM-IV (APA, 1994), de baixo nível sócio-econômico, não ESTUDO PSICOTERÁPICO E PSICANALÍTICO DE PACIENTES COM DIAGNÓSTICO DE TRANSTORNO DA PERSONALIDADE (DSM-IV) MARIA LUIZA M. FIORE 1, LATIFE YAZIGI 2, JULIETA F. RAMALHO DA SILVA 3, PATRÍCIA GAZIRE 4 E SALVADOR

Leia mais

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA Donald Woods Winnicott, pediatra e psicanalista, foi uma das figuras de grande expressão no cenário psicanalítico. Ele nos trouxe contribuições valiosas e

Leia mais

Seminários Psicanalíticos 2014

Seminários Psicanalíticos 2014 Seminários Psicanalíticos 2014 CONSIDERAÇÕES SOBRE O MUNDO MENTAL BODERLINE: Teoria e manejo técnico Mara Guimarães Pereira Lima Degani Breve histórico Borderline = Limítrofe = Fronteiriço Conhecidos também

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

Para que serve a terapia?

Para que serve a terapia? Para que serve a terapia? Por Matias José Ribeiro Para um número cada vez maior de pessoas, fazer terapia tem sido uma maneira de superar suas angústias existenciais e conquistar um pouco mais de felicidade.

Leia mais

A PSICOTERAPIA BREVE PSICANALÍTICA NA REABILITAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

A PSICOTERAPIA BREVE PSICANALÍTICA NA REABILITAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA A PSICOTERAPIA BREVE PSICANALÍTICA NA REABILITAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Cláudia Nabarro Munhoz 1 Há muita polêmica na área da saúde em relação à utilização da Psicanálise em contextos institucionais.

Leia mais

Grupo de Pais de Crianças Autistas na Instituição AMA (Associação dos Amigos do Autismo) Ribeirão Preto, São Paulo. Resumo

Grupo de Pais de Crianças Autistas na Instituição AMA (Associação dos Amigos do Autismo) Ribeirão Preto, São Paulo. Resumo Grupo de Pais de Crianças Autistas na Instituição AMA (Associação dos Amigos do Autismo) Ribeirão Preto, São Paulo Juliana DUARTE Resumo O presente trabalho tem o objetivo de mostrar o trabalho realizado

Leia mais

A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais.

A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais. A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais. Cristianne Spirandeli Marques 1 Iralva Moreira Soares Milagre 2 Introdução Alguns autores

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

REVISITANDO A TEORIA DO SETTING TERAPÊUTICO

REVISITANDO A TEORIA DO SETTING TERAPÊUTICO REVISITANDO A TEORIA DO SETTING TERAPÊUTICO 2012 Letícia Machado Moreira Psicóloga, em formação psicanalítica pelo IEPP leticiamachadomoreira@gmail.com Cristiane Silva Esteves Psicóloga. Especialista em

Leia mais

DOENÇA SOMÁTICA E NEUROSE: SACRIFÍCIO DE UM CORPO, SACRIFÍCIO DE UMA VIDA...

DOENÇA SOMÁTICA E NEUROSE: SACRIFÍCIO DE UM CORPO, SACRIFÍCIO DE UMA VIDA... DOENÇA SOMÁTICA E NEUROSE: SACRIFÍCIO DE UM CORPO, SACRIFÍCIO DE UMA VIDA... Autora: Cristiana Rodrigues Rua O objetivo deste trabalho é formular algumas hipóteses a partir do relato de uma psicoterapia

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Violência e Sustentabilidade *

Violência e Sustentabilidade * 1 Violência e Sustentabilidade * Uma menina reclamou sentida e veementemente com a avó quando a viu arrancando uma planta. Ela lhe disse que ela não podia fazer isso, porque estaria matando a natureza.

Leia mais

A triagem como instrumento de comunicação entre Psicanálise e Psiquiatria

A triagem como instrumento de comunicação entre Psicanálise e Psiquiatria A triagem como instrumento de comunicação entre Psicanálise e Psiquiatria Thaís Augusto Gonçales Zanoni thaisagz.psi@gmail.com Psicóloga. Especialista em Saúde Mental, Psicopatologia e Psicanálise pela

Leia mais

PSICOTERAPIA INFANTIL

PSICOTERAPIA INFANTIL PSICOTERAPIA INFANTIL Claudia Ribeiro Boneberg 1 Demarcina K. Weinheimer 2 Ricardo Luis V. de Souza 3 Ramão Costa 4 Me. Luiz Felipe Bastos Duarte 5 1 TEMA Psicoterapia psicanalítica infantil 1.1 DELIMITAÇÃO

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Psicologia: Teoria e Prática 2007, 9(2):149-154 Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Iraní Tomiatto de Oliveira Universidade Presbiteriana Mackenzie Nessa

Leia mais

DA INTERPRETAÇÃO À CONSTRUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA PSICANÁLISE INFANTIL

DA INTERPRETAÇÃO À CONSTRUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA PSICANÁLISE INFANTIL DA INTERPRETAÇÃO À CONSTRUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA PSICANÁLISE INFANTIL Guiomar Papa de Morais 1 Breve histórico da técnica de Psicanálise Infantil: Freud desenvolveu um importante corpo teórico a partir

Leia mais

Entrevista com Dr. Alcides de Souza

Entrevista com Dr. Alcides de Souza Entrevista com Dr. Alcides de Souza sexta-feira, fevereiro 04, 2011 http://nucleotavola.com.br/revista/entrevista-com-dr-alcides-de-souza/ por Lucas Arantes e Luis Fernando S. Souza-Pinto A entrevista

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS

PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS Marien Abou Chahine 1 Resumo Este artigo é resultado da mesa do IV Congresso de Psicologia da Unifil, cujo objetivo foi explanar sobre a prática da Psicanálise com

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO Sandra C. Tschirner 1 Winnicott compreende que as técnicas psicanalíticas clássicas atenderiam a um grupo específico de pacientes, aos neuróticos, que

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

A ARTE E O IMAGINAR: Um dispositivo para a recriação da realidade

A ARTE E O IMAGINAR: Um dispositivo para a recriação da realidade A ARTE E O IMAGINAR: Um dispositivo para a recriação da realidade Ana Paula Pimentel 1 (paulinha_pimentel@yahoo.com.br) Andreia dos Santos Silva² (psiuerj@yahoo.com.br) Ademir Pacelli Ferreira³ (ademirpacelli@uol.com.br)

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Coletiva Relatório Referente à experiência de Estágio Eletivo

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS

PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS Daniel Kauffmann 1 Tereza Marques de Oliveira 2 Resumo O objetivo deste trabalho é relatar nossa experiência na clínica do social, junto

Leia mais

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito interessantes a respeito do acting out, entre elas, que ele é uma mensagem... sempre dirigido

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

ABRINDO AS PORTAS: RECLUSÃO E LIBERTAÇÃO DE UM ADOLESCENTE AUTISTA

ABRINDO AS PORTAS: RECLUSÃO E LIBERTAÇÃO DE UM ADOLESCENTE AUTISTA ABRINDO AS PORTAS: RECLUSÃO E LIBERTAÇÃO DE UM ADOLESCENTE AUTISTA Mariana de Silvério Arantes O presente trabalho se refere ao estudo do caso de Lucas, um adolescente de 19 anos com diagnóstico de Autismo

Leia mais

OS RELACIONAMENTOS AFETIVOS DE MULHERES COM TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE

OS RELACIONAMENTOS AFETIVOS DE MULHERES COM TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE OS RELACIONAMENTOS AFETIVOS DE MULHERES COM TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE Élide Dezoti Valdanha, Fernanda Kimie Tavares Mishima e Valéria Barbieri. INTRODUÇÃO De acordo com o DSM-IV-TR - Manual

Leia mais

1 Nesta dissertação, será utilizada a sigla CDA para situar o local onde o trabalho foi desenvolvido.

1 Nesta dissertação, será utilizada a sigla CDA para situar o local onde o trabalho foi desenvolvido. 1 Introdução As demências, principalmente a do tipo Alzheimer, vêm despertando interesse no meio acadêmico. Os diferentes saberes como a Medicina, a Psicologia, a Antropologia, a Sociologia entre outros,

Leia mais

INSTITUTO DE TREINAMENTO E PESQUISA EM GESTALT TERAPIA DE GOIÂNIA-ITGT

INSTITUTO DE TREINAMENTO E PESQUISA EM GESTALT TERAPIA DE GOIÂNIA-ITGT Disciplina: Psicopatologia Grupo de Especialização: XXIII Período: 2013/1 Carga horária: 30 hs/a Dia: 4ª feira Horário: 18:30 às 20:10 Professora: Sandra Albernaz L. M. Saddi Monitor: Raphael Basílio Ementa

Leia mais

ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO. Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três

ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO. Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO Sandra Chiabi Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três namoradas. Contou que estava envolvido com as três, e uma delas pedira que

Leia mais

Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido?

Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido? Saudações concurseiro, Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido? É muito importante estabelecer uma frequência no estudo,

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Contrato: AS.DS.PV.024/2010 Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

Stephen Grosz. A vida em análise. Histórias de amor, mentiras, sofrimento e transformação. Tradução: Maria Luiza X. de A. Borges

Stephen Grosz. A vida em análise. Histórias de amor, mentiras, sofrimento e transformação. Tradução: Maria Luiza X. de A. Borges Stephen Grosz A vida em análise Histórias de amor, mentiras, sofrimento e transformação Tradução: Maria Luiza X. de A. Borges Como podemos ser possuídos por uma história que não pode ser contada Quero

Leia mais

Aspectos Psicológicos do Câncer na MULHER. O que é preciso saber para acolher? Maria Estelita Gil Psicóloga Clínica 2012

Aspectos Psicológicos do Câncer na MULHER. O que é preciso saber para acolher? Maria Estelita Gil Psicóloga Clínica 2012 Aspectos Psicológicos do Câncer na MULHER. O que é preciso saber para acolher? Maria Estelita Gil Psicóloga Clínica 2012 1 Repercussões emocionais frente ao Diagnóstico de Câncer A comunicação de um diagnóstico

Leia mais

Restaurante Top 5. 10 passos para deixar seus convidados mais felizes sem gastar um centavo a mais

Restaurante Top 5. 10 passos para deixar seus convidados mais felizes sem gastar um centavo a mais Restaurante Top 5 10 passos para deixar seus convidados mais felizes sem gastar um centavo a mais Mensagem do Restaurante Olá, Sabemos que é momento de comemorar. E se não fosse uma data ou momento especial,

Leia mais

Maria Cecília Schiller Sampaio Fonseca. Ao pensar sobre o tema dentro desse Encontro surgiram em minha mente vários

Maria Cecília Schiller Sampaio Fonseca. Ao pensar sobre o tema dentro desse Encontro surgiram em minha mente vários PARENTALIDADE : TORNAR-SE PAIS Maria Cecília Schiller Sampaio Fonseca (SBPSP - SBPRJ) Ao pensar sobre o tema dentro desse Encontro surgiram em minha mente vários pontos de partida e várias reflexões. É

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

Apresentação do Serviço de Psicologia. Roberta de Siqueira Meloso (coordenadora Psicologia CRI-Norte) Mário Amore Cecchini (Psicólogo CRI-Norte)

Apresentação do Serviço de Psicologia. Roberta de Siqueira Meloso (coordenadora Psicologia CRI-Norte) Mário Amore Cecchini (Psicólogo CRI-Norte) Sejam bem vindos no Apresentação do Serviço de Psicologia Roberta de Siqueira Meloso (coordenadora Psicologia CRI-Norte) Mário Amore Cecchini (Psicólogo CRI-Norte) CRI Norte C.R.I. - Centro de Referencia

Leia mais

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às transformações. Eixo temático 3 A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com intensidade pela dupla, seja

Leia mais

UMA EXPERIENCIA PROFILATICA A PREPARAÇÃO DE CRIANÇAS PARA ADOÇÃO*

UMA EXPERIENCIA PROFILATICA A PREPARAÇÃO DE CRIANÇAS PARA ADOÇÃO* UMA EXPERIENCIA PROFILATICA A PREPARAÇÃO DE CRIANÇAS PARA ADOÇÃO* Betina Tabajaski** Verônica Petersen Chaves*** Porto Alegre e Canela, Rio Grande do Sul, Brazil, 1997. RESUMO A adoção é uma das alternativas

Leia mais

O ACOMPANHAMENTO TERAPÊUTICO DE UMA CRIANÇA AUTISTA DE QUATRO ANOS DE IDADE: ANGÚSTIAS E DESAFIOS. Resumo

O ACOMPANHAMENTO TERAPÊUTICO DE UMA CRIANÇA AUTISTA DE QUATRO ANOS DE IDADE: ANGÚSTIAS E DESAFIOS. Resumo O ACOMPANHAMENTO TERAPÊUTICO DE UMA CRIANÇA AUTISTA DE QUATRO ANOS DE IDADE: ANGÚSTIAS E DESAFIOS Carlos Frederico de Macedo Coelho [*] Resumo O presente trabalho tem como objetivo discutir o Acompanhamento

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL. Declaração de cessão de direitos autorais:

Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL. Declaração de cessão de direitos autorais: Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL Declaração de cessão de direitos autorais: Eu Luciano Bregalanti Gomes, autor do trabalho intitulado O amor de transferência no trabalho

Leia mais

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico * Ana Carolina Diethelm Kley Introdução O objetivo do tratamento em terapia cognitiva no caso dos transtornos afetivos, grupo que engloba

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE Laís Rosiak 1 Rebeca Bueno dos Santos ¹ Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente artigo apresenta o estudo realizado sobre o Transtorno Obsessivo

Leia mais

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas 9 1. PSICANÁLISE DE CRIANÇAS 1.1 Freud: uma criança é abordada Embora a pesquisa original de Freud tenha se desenvolvido a partir da análise de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

O Centro de Convivência do NEPAD: Um Espaço Transicional. Sônia Izecksohn

O Centro de Convivência do NEPAD: Um Espaço Transicional. Sônia Izecksohn O Centro de Convivência do NEPAD: Um Espaço Transicional Sônia Izecksohn Resumo: O Centro de Convivência do NEPAD/UERJ visa a inclusão social do usuário de drogas. Por tratar-se de um espaço compartilhado,

Leia mais

Como falar com uma pessoa poderá me ajudar?

Como falar com uma pessoa poderá me ajudar? Como falar com uma pessoa poderá me ajudar? Aline Cerdoura Garjaka Encontrei, no seminário de 1976-77, Como viver junto, de Roland Barthes, a seguinte passagem (cito): Portanto, eu dizia É com essas palavras

Leia mais

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2 A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1 Selma Correia da Silva 2 Neste trabalho pretendemos discutir a articulação do discurso da Psicanálise com o discurso da Medicina, destacando

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson Jaderson é um garoto de 11 anos, portador de insuficiência renal crônica, paciente do Serviço de Hemodiálise Pediátrica do Hospital Roberto Santos em Salvador-BA. É uma criança muito inteligente e talentosa,

Leia mais

CONSULTAS TERAPÊUTICAS COM PAIS E BEBÊS 1. Ana Maria Rocca Rivarola 2

CONSULTAS TERAPÊUTICAS COM PAIS E BEBÊS 1. Ana Maria Rocca Rivarola 2 1 CONSULTAS TERAPÊUTICAS COM PAIS E BEBÊS 1 Ana Maria Rocca Rivarola 2 RESUMO A autora apresenta um trabalho terapêutico com pais e bebês, usando as idéias de Winnicott como referencial teórico. Este tipo

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

A PSICOTERAPIA ANALÍTICO FUNCIONAL (FAP)

A PSICOTERAPIA ANALÍTICO FUNCIONAL (FAP) A PSICOTERAPIA ANALÍTICO FUNCIONAL (FAP) Casos Maringá 2011 Instituto de Psicoterapia e Análise do Comportamento tel/fax: (43) 3324-4740 fconte@sercomtel.com.br Erros podem ajudar. Ex. T atendia sempre

Leia mais

PSICÓLOGIA. 03. Levando-se em consideração o Código de Ética Profissional do Psicólogo está correto assinalar que:

PSICÓLOGIA. 03. Levando-se em consideração o Código de Ética Profissional do Psicólogo está correto assinalar que: PSICÓLOGIA 01. Sobre o que determina o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), Lei n 0 8.069, sancionada em 13 de julho de 1990, é correto afirmar: A A falta ou a carência de recursos materiais por

Leia mais

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Ludmila Stalleikem Sebba 1 e Ademir Pacelli Ferreira 2 Resumo A partir do referencial da psicanálise procura-se apontar elementos

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

Analista Didata da Sociedade Brasileira de Psicanálise de Ribeirão Preto - Brasil. Coordenadora da Comissão de Convidados Estrangeiros da SBPRP

Analista Didata da Sociedade Brasileira de Psicanálise de Ribeirão Preto - Brasil. Coordenadora da Comissão de Convidados Estrangeiros da SBPRP Eixo temático: Temporalidades en análisis A comunicação inconsciente interpsíquica (paciente/analista) segundo o modelo Bluetooth na psicanálise Descritores: Comunicação, Inconsciente, Intersubjetividade,

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

Videoconferência ABPS com Rojas- Bermudez / 26 de outubro de 2013

Videoconferência ABPS com Rojas- Bermudez / 26 de outubro de 2013 Videoconferência ABPS com Rojas- Bermudez / 26 de outubro de 2013 1. Como entrou em contato com o Psicodrama? Na verdade, eu conheci o psicodrama antes de Moreno. Aconteceu por acaso, através de algumas

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso Psicologia Disciplina TEORIAS E TÉCNICAS PSICOTERÁPICAS PSICODINÂMICAS Professor(es) e DRTs Fernando Genaro Junior 114071-3 Maria

Leia mais

PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA

PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA Ferreira CLB¹ 1 *, Gabarra LM². Hospital Universitário Profº Polydoro Ernani de São Thiago,

Leia mais

Quando o medo transborda

Quando o medo transborda Quando o medo transborda (Síndrome do Pânico) Texto traduzido e adaptado por Lucas Machado Mantovani, mediante prévia autorização do National Institute of Mental Health, responsável pelo conteúdo original

Leia mais

DEIXA VIR... ASSOCIAÇÃO LIVRE E RESISTÊNCIA NA PSICOTERAPIA CORPORAL

DEIXA VIR... ASSOCIAÇÃO LIVRE E RESISTÊNCIA NA PSICOTERAPIA CORPORAL DEIXA VIR... ASSOCIAÇÃO LIVRE E RESISTÊNCIA NA PSICOTERAPIA CORPORAL Ricardo Rego RESUMO Apresento aqui uma proposta em que a postura do psicoterapeuta corporal varia conforme o grau de resistência. Nos

Leia mais

Questionário de Admissão à Clínica de Saúde Mental

Questionário de Admissão à Clínica de Saúde Mental Tribunal de Família de Rhode Island Questionário de Admissão à Clínica de Saúde Mental *OBSERVE QUE TODAS AS PERGUNTAS SE REFEREM AO SEU FILHO * 1. Dados demográficos: Nome do Adolescente: Data de Nascimento:

Leia mais

Janaina: muitas flores, uma estória. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Fernanda de Sousa Vieira 2. Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3

Janaina: muitas flores, uma estória. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Fernanda de Sousa Vieira 2. Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3 Janaina: muitas flores, uma estória Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1 Fernanda de Sousa Vieira 2 Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3 Resumo O presente trabalho traz contribuições acerca do atendimento

Leia mais

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA SEGURANÇA PÚBLICA Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 Ser humano x Humor VARIAÇÕES : SIM( X) NÃO( ) EXTREMOS: SIM( ) NÃO( X) CONTROLE Sensações normais Saúde mental x doença mental

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO.

VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO. VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO. Qualquer hora é hora de falar sobre doação de órgãos. Pode ser à mesa do jantar, no caminho para o trabalho ou até mesmo ao receber este folheto.

Leia mais

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado?

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Pesquisa Instituto Avon / Data Popular Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Com quem falamos? Jovens brasileiros Mulheres Homens Pesquisa online Autopreenchimento Amostra nacional de 16 a 24

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA Adriana Grosman Pretendo tratar de um caso clinico que coloca em evidencia que não é só a questão fálica que está em jogo na maternidade se não o resto do desejo, algo que escapa

Leia mais

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado?

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Pesquisa Instituto Avon / Data Popular Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Com quem falamos? Jovens brasileiros Mulheres Homens Pesquisa online Autopreenchimento Amostra nacional de 16 a 24

Leia mais

FENÔMENOS E PROCESSOS PSICOLÓGICOS ENFOQUE PSICODINÂMICO II

FENÔMENOS E PROCESSOS PSICOLÓGICOS ENFOQUE PSICODINÂMICO II FENÔMENOS E PROCESSOS PSICOLÓGICOS ENFOQUE PSICODINÂMICO II SILVIA MARIA BONASSI - DE Adjunto I Psicologia Clínica /UFMS/CPAR FONE: 67-81903430 silviabonassi@gmail.com ORIGEM HISTÓRICA DAS PSICOTERAPIAS

Leia mais

Depressão Algumas considerações sobre seu entendimento e seu tratamento

Depressão Algumas considerações sobre seu entendimento e seu tratamento Depressão Algumas considerações sobre seu entendimento e seu tratamento Carmem Dametto Depressão Algumas considerações sobre seu entendimento e seu tratamento 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2014 Revisão

Leia mais

Reflexões sobre a demanda na clínica da toxicomania

Reflexões sobre a demanda na clínica da toxicomania Reflexões sobre a demanda na clínica da toxicomania Mariana Fernandes Muniz de Souza Este trabalho refere-se a minha experiência como aprimoranda do Programa de Saúde Mental da UNICAMP que se desenvolveu

Leia mais

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam.

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam. Introdução O objetivo deste trabalho é compreender a possível especificidade das famílias nas quais um ou mais de seus membros apresentam comportamento adictivo a drogas. Para isto analisaremos que tipos

Leia mais

Estágio em Clínica Comportamental Profa Ms Cristina Di Benedetto Questionário de história de Vida*

Estágio em Clínica Comportamental Profa Ms Cristina Di Benedetto Questionário de história de Vida* Estágio em Clínica Comportamental Profa Ms Cristina Di Benedetto Questionário de história de Vida* O objetivo deste questionário é obter um quadro abrangente de seus antecedentes. No trabalho cientifico,

Leia mais

Construindo uma comunicação com uma adolescente com atitudes interpretativas. Ernesto René Sang 1

Construindo uma comunicação com uma adolescente com atitudes interpretativas. Ernesto René Sang 1 Construindo uma comunicação com uma adolescente com atitudes interpretativas. Ernesto René Sang 1 O propósito desta comunicação é contribuir com alguns elementos do material clínico do atendimento terapêutico

Leia mais

Psicologia USP versão impressa ISSN 0103-6564. Psicol. USP v.12 n.2 São Paulo 2001. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-65642001000200019

Psicologia USP versão impressa ISSN 0103-6564. Psicol. USP v.12 n.2 São Paulo 2001. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-65642001000200019 Psicologia USP versão impressa ISSN 0103-6564 Psicol. USP v.12 n.2 São Paulo 2001 http://dx.doi.org/10.1590/s0103-65642001000200019 PSICANÁLISE E UNIVERSIDADE: PESQUISA Cláudio Laks Eizirik 1 Universidade

Leia mais

Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br]

Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br] FONTE: CRP-RJ DEZEMBRO DE 2006 Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br] Como funciona a terapia junguiana? A Análise junguiana está dentro da

Leia mais

CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA CONTRATRANSFERÊNCIA NA PSICOTERAPIA ANALÍTICA

CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA CONTRATRANSFERÊNCIA NA PSICOTERAPIA ANALÍTICA CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA CONTRATRANSFERÊNCIA NA PSICOTERAPIA ANALÍTICA Greice Cristina Scatambulo¹; Maria Goreti Manchini da Costa¹; Maria Neuza Zambonato Parente¹; Sandra Alves de Oliveira Herek¹;

Leia mais

Você, sua família e a doença crônica

Você, sua família e a doença crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - VOCÊ, SUA FAMÍLIA E A DOENÇA CRÔNICA - EDIÇÃO REVISADA 01/2006 Você, sua família e a doença crônica Estamos

Leia mais

Adoecer psíquico na infância: Um olhar sobre os pais

Adoecer psíquico na infância: Um olhar sobre os pais Adoecer psíquico na infância: Um olhar sobre os pais Janari da Silva Pedroso 1 Letícia Noal 2 SUMÁRIO As dificuldades experimentadas desde cedo na infância e a forma com que a criança irá lidar com tais

Leia mais

O que é psicanálise?

O que é psicanálise? 1 O que é psicanálise? Bem, se você está buscando por cursos de psicanálise, já tem uma ideia básica a seu respeito. Portanto, não vou me alongar aqui na definição da psicanálise, das técnicas e das teorias.

Leia mais

1 Hospital Universitário Lauro Wanderley, UFPB.

1 Hospital Universitário Lauro Wanderley, UFPB. TÍTULO:TRABALHO CRIATIVO NUMA EXPERIÊNCIA EM UM AMBULATÓRIO PSIQUIÁTRICo AUTORES: Margarida Maria Elia Assad 1 Cleide Pereira Monteiro 2 João Mendes de Lima Júnior 3 Alzira Edjane da Nóbrega Xavier, Elizabeth

Leia mais

Caros alunos de Psicologia que irão cursar estágios específicos no 1º semestre de 2013:

Caros alunos de Psicologia que irão cursar estágios específicos no 1º semestre de 2013: 1 EDITAL II - Atribuições de Estágio em Psicologia Educacional, Psicologia do Trabalho, Psicologia Clínica e Psicologia Institucional/Social para o 1º semestre de 2013 Caros alunos de Psicologia que irão

Leia mais