MBA em Administração e Logística

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MBA em Administração e Logística"

Transcrição

1 MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2 Prof. Me. John Jackson Buettgen

2 Apresentação Olá, para saber os tópicos que serão abordados nesta aula basta assistir ao vídeo a seguir: Introdução Esta aula tem como objetivo central mostrar a conexão entre a estratégia corporativa e a estratégia funcional de logística. As organizações buscam os melhores resultados possíveis, e, para isso, elaboram um planejamento estratégico meticuloso, que servirá de orientador para a área de Logística. Também faremos uma avaliação da construção da estratégia funcional de logística e seus elementos norteadores: que decisões importantes devem ser tomadas para que a estratégia logística contribua efetivamente para o resultado da empresa. Essas decisões incluem escolhas difíceis, mas necessárias, que são a aplicação do conceito de trade-off. Espero que seu estudo seja proveitoso. Boa leitura! 2 MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2

3 Estratégia e Planejamento da Logística A atuação da logística perpassa diversas funções organizacionais a tal ponto que o moderno conceito de Supply Chain incorpora essas outras funções e, até mesmo, entes externos (fornecedores e clientes). Uma excelente referência para a compreensão e elaboração de um planejamento estratégico é o livro Administração estratégica: conceitos, roteiro prático e casos, dos autores Fernando Serra, Maria Candida Torres, Alexandre Pavan Torres. Nesse sentido, parece lógico fazer uma rápida análise da estratégia corporativa e da sua conexão com a estratégia logística. A estratégia corporativa e sua conexão com a estratégia logística Para que se possa fazer a conexão entre as duas estratégias, é importante relembrar alguns elementos básicos da estratégia corporativa. Para isso, vamos nos apoiar na Erro! Fonte de referência não encontrada.. Andrews (apud WHIPP, 2004, p. 232) traz uma formulação interessante quando define estratégia como sendo uma rivalidade entre companheiros para a conquista de prêmios em um jogo definido e compartilhado. A associação dessa definição com a intencionalidade da atividade de logística parece óbvia. A rivalidade entre companheiros referindo-se à concorrência, o prêmio MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2 3

4 referindo-se à fatia de mercado conquistada e o jogo referindo-se às atividades dos entes da SCM, com o objetivo de vencer os concorrentes. Figura 1: a formulação da estratégia corporativa Missão Visão Para onde queremos ir? O que há no ambiente? Análise ambiental Objetivos organizacionais Análise organizacional O que temos na empresa? Quais as oportunidades e ameaças que existem no ambiente? Quais as forças e fraquezas que temos na organização? Estratégia organizacional O que devemos fazer? Fonte: Chiavenato (2004, p. 72) A intenção da elaboração de um planejamento estratégico é a busca de uma vantagem competitiva sustentável, baseada no uso racional dos recursos para os quais a organização tem disponibilidade ou acesso. 4 MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2

5 Para um aprofundamento maior na temática de competitividade associada ao planejamento estratégico, recomenda-se a leitura do livro Estratégia corporativa: técnicas para análise da indústria e da concorrência, do autor Michael Porter. Outro livro imperdível para o tema é Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras para obter controle do seu setor e criar mercados de amanhã, dos autores Coimbatore Krishnarao Prahalad e Gary Hamel. Para Williams (2010), vantagem competitiva seria a capacidade de gerar maior valor ao cliente, se comparado aos concorrentes. O fato de ser sustentável indica que os concorrentes tentaram copiar sem sucesso, atribuindo uma vantagem momentânea para a organização que criou a estratégia. Mas, voltando à Erro! Fonte de referência não encontrada., apenas relembrando alguns conceitos básicos, que com certeza você já conhece, comecemos pela missão. Missão, na ótica de Bertaglia (2006), tem relação com os esforços feitos pela organização para que todos sigam em uma única direção, com a intenção de obter resultados maximizados. Estabelecer uma missão nada mais é do que dar um objetivo para a existência da organização; é dizer por que a organização existe. O termo visão tem uma conexão com o futuro que se espera para a organização. O que ela será dentro de três, cinco, dez ou MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2 5

6 vinte anos? Oliveira (2007, p. 323) confirma esse olhar para o futuro quando afirma que visão: Identifica os limites que os principais responsáveis pela empresa conseguem enxergar dentro de um período de tempo mais longo em uma abordagem mais ampla. Proporciona o grande delineamento do planejamento estratégico a ser desenvolvido e implementado pela empresa. Explicita o que a empresa quer ser. Uma vez estabelecido os temos missão e visão, são necessárias duas análises básicas para o sucesso de um planejamento estratégico eficaz: uma ambiental e outra organizacional. As duas podem ser associadas à análise SWOT (Strengths, Weaknesses, Opportunities and Threats). A Erro! Fonte de referência não encontrada. mostra que a análise ambiental tenta avaliar os elementos externos que impactam no desempenho da organização, enquanto a análise organizacional avalia a capacidade interna de lidar com esses fatores influenciadores externos. Com base nesses elementos definidos pela organização (missão e visão), ou pelas informações coletadas (análises interna e externa), é possível estabelecer o posicionamento da empresa, o que fica expresso na estratégia organizacional, a qual define o que a empresa deve fazer para desenvolver sua missão, atingir a sua visão e utilizar, da melhor forma, os recursos que tem disponíveis para maximizar oportunidades e minimizar ameaças. 6 MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2

7 Figura 2: a análise SWOT Fonte: Baseado em Serra, Torres, Torres (2004); Fernandes; Berton (2005) É aqui que se estabelece a conexão entre a estratégia organizacional e a estratégia logística. A estratégia organizacional é relativa a toda empresa, e para que ela possa ser efetivamente implementada, cada função organizacional (produção, marketing, finanças, logística etc.) estabelece o seu próprio planejamento. Nele são estabelecidas as ações para que cada função possa contribuir da melhor forma possível para com o sucesso do planejamento estratégico corporativo. Esses planos funcionais não atuam de forma independente. Na verdade, deve existir uma estreita relação entre os diversos planos, buscando a sinergia corporativa. Isso pode ser mais bem compreendido com a análise da Erro! Fonte de referência não encontrada., na qual se percebe como o planejamento estratégico é influenciado, e influencia, na análise SWOT. Uma vez estabelecido o plano, ele servirá como referência para a elaboração MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2 7

8 dos planos funcionais, que por sua vez têm uma relação interfuncional. A principal relação é aquela entre produção e logística, que, a priori, deveriam ser elaboradas de forma consensual. Figura 3: relação entre planejamento corporativo e funcional Fonte: Baseado em Ballou (2006) Assista no vídeo a seguir sobre a análise SWOT no ambiente logístico, além de uma reflexão sobre a utilização dessa ferramenta para o planejamento funcional: Planejamento logístico A elaboração de uma boa estratégia logística tem muita similaridade com a elaboração de uma boa estratégia corporativa. 8 MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2

9 Baseia-se, principalmente, na obtenção e utilização de informações consistentes, na análise coerente dessas informações e no planejamento com um olhar para o longo prazo. Assim, é importante planejar as ações de cada elo da cadeia logística de forma que este seja utilizado eficiente e eficazmente. Por meio da Erro! Fonte de referência não encontrada. é possível avaliar a proposta de Ballou (2006) para um fluxo do planejamento logístico. O autor defende que cada elo do sistema logístico deve ser planejado e comparado com os demais, criando, assim, um planejamento logístico integrado. Completando o fluxo, faz-se o desenho dos sistemas de informação e controle. Figura 4: fluxo do planejamento logístico Objetivos e estratégias da operação Elo individual do sistema logístico: Localização das instalações Estratégia operacional Gestão de estoques Sistemas de informação Manuseio de materiais Tráfego e transporte Métodos de planejamento e controle Organização Necessidades do serviço ao cliente Planejamento da logística integrada Projeto do sistema de gestão da logística integrada Indicadores globais de desempenho Fonte: Baseado em Ballou (2006) Níveis de planejamento Até que nível de planejamento a logística deve ir? Como no planejamento corporativo, também aqui a variável tempo vai orientar a classificação dos níveis. A Erro! Fonte de referência MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2 9

10 não encontrada. mostra uma associação entre horizonte temporal de planejamento e nível da decisão, proposta por Fernandes e Berton (2005). Figura 5: níveis de decisão em planejamento Fonte: Fernandes e Berton (2005) Planejamento estratégico: quando o horizonte de tempo for superior a um ano, portanto, um planejamento de longo prazo. Normalmente está associado às decisões de grande impacto, como investimentos de capital, aquisição de caminhões, construção de um centro de distribuição etc. Geralmente é responsabilidade da direção da organização; Planejamento tático: ações com horizonte de tempo máximo de um ano. São as decisões tomadas, geralmente, pelo nível gerencial, com o intuito de operacionalizar as decisões estratégicas da cúpula organizacional. Assim, se comprar uma frota de caminhões é uma decisão estratégica, escolher o modelo, as especificações técnicas e o fornecedor são decisões táticas; 10 MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2

11 Planejamento operacional: ações de curto prazo, muitas vezes, diárias. São decisões que materializam a atividade definida pelos níveis estratégico e tático, e são tomadas pelos primeiros níveis decisórios da organização, por exemplo, os supervisores. Se nos mantivermos em nosso exemplo, podemos considerar uma decisão operacional a definição da rota em que cada caminhão será usado. Agora veremos no vídeo a seguir o que é sensemaking e também quais são os problemas de interpretação da estratégia: Obviamente a incerteza ronda esses planejamentos. Assim, quanto mais longo o horizonte de tempo, maior o nível de incerteza e maior a possibilidade de erros, afinal, trabalha-se com dados incompletos. A incerteza é elemento integrante do conceito de planejamento, uma vez que este trata de futuro, portanto, absolutamente incerto. O nível de acerto das decisões está diretamente ligado à qualidade das informações obtidas para apoiá-las. Áreas de planejamento Ballou (2006) enriquece este tema quando aponta quais as áreas cujo desempenho é fundamental para a organização e que, portanto, devem ser alvo da atividade de planejamento meticuloso. MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2 11

12 A análise da Erro! Fonte de referência não encontrada. mostra que são três as áreas essenciais à contribuição da Logística para o resultado organizacional: estoques, transportes e localização. O olhar para essas atividades deve ser amplo, considerando as cadeias de fornecimento e distribuição, e consensual. Deve haver também um comprometimento com as outras funções organizacionais, principalmente com a produção. Esse triângulo de decisões tem como elemento central os objetivos de serviço que se deseja ofertar, o que determinará o impacto sobre as atividades logísticas. Para Ballou (2006), um serviço mínimo pode significar menor necessidade de transporte e menos locais de armazenagem, contudo, pode impor riscos de desabastecimento do mercado. Em outras palavras, a definição do nível de serviço desejado impacta diretamente no planejamento dos outros elementos do triângulo. A determinação da localização dos pontos de estoque e dos centros de abastecimento é base para o plano logístico. Dessa forma, dispor os estoques mais próximos aos centros de consumo, por exemplo, pode melhorar consideravelmente o nível de serviço, em contrapartida, pode elevar os custos de manutenção de estoques; manter os estoques na operação produtiva pode reduzir esses custos de estoque, mas também pode piorar a qualidade de serviços e elevar os custos de transporte. Ou seja, identificar a alocação de custos mais adequada ou a de maior lucratividade é a essência do planejamento da localização. 12 MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2

13 Figura 6: o triângulo das decisões logísticas Estratégia de estocagem: Níveis de estoques Disposição dos estoques Métodos de controle Objetivos de serviço ao cliente Estratégia de transporte: Meios de transporte Roteamento e cronograma de envios Tamanho e consolidação de cargas Estratégia de localização: Quantidade, área e localização das instalações Determinação de pontos de estocagem para as fontes de abastecimento Demarcação de demanda a pontos de estocagem ou fontes de abastecimento Armazenamento público ou próprio Fonte: Ballou (2006) Quando se refere aos estoques, Ballou (2006) fala da gestão deles. Assim, alocar (empurrar) estoques aos pontos de armazenagem ou puxá-los com base em regras de reposição, e estabelecer modelos para o controle desses estoques e análise de seu consumo também fazem parte do escopo do planejador logístico. Finalmente, ao abordar o tema transporte, o autor refere-se à escolha de modais, rotas ideais e programação das cargas, para os quais há grande influência da localização. O nível dos estoques também tem relação direta com a capacidade de transporte. A lógica é simples: um nível de serviço elevado pode exigir estoques mais altos e, consequentemente, menores intervalos entre cargas (frequência) ou cargas maiores (volume). Para cada situação, uma atuação diferente pode ser exigida dos responsáveis pelo transporte. MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2 13

14 As diretrizes de planejamento Para que o planejamento tenha coerência, algumas diretrizes podem ser definidas, sendo que uma das mais básicas e importantes é a que traz o conceito de custo total. A ideia que ampara esse conceito é a de que há padrões de compensação entre as diferentes atividades empresariais, gerando conflitos internos nas organizações. A Erro! Fonte de referência não encontrada. esclarece isso. Figura 7: conceito de custo total Fonte: Ballou (2006) Perceba que uma vez escolhido um nível de serviço, ficam claras as necessidades de estoque para que esse nível seja mantido. Partindo dessa definição, é modelado o sistema de transportes, contudo, tanto os transportes quanto os estoques têm custos inerentes, e a lógica central do conceito é que se busque o equilíbrio desses custos, mantendo os menores custos totais 14 MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2

15 possíveis, isto é, nem o ótimo, nem o péssimo, apenas o ideal para a empresa. Com base nisso, Ballou (2006) sugere algumas possibilidades desse conceito, com diferentes variáveis, como mostra a Erro! Fonte de referência não encontrada.. Figura 8: variantes do conceito de custo total Fonte: Ballou (2006) Outra diretriz significativa para o planejamento tem relação com a distribuição física diferenciada dos produtos, nem todos os produtos devem ter o mesmo nível em matéria de serviços aos clientes. Isso acontece porque há exigências diferenciadas por parte dos clientes, assim, os produtos têm características diferentes e o nível de vendas de cada um deles também pode ser diferente. A definição de uma estratégia mista de distribuição terá custos mais baixos que os da estratégia pura, exclusiva. Portanto, MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2 15

16 mais uma diretriz interessante na construção do planejamento logístico. Optar por uma distribuição totalmente própria ou totalmente externa é relevante na composição dos custos logísticos, pois a exclusividade tem seu custo. Percebam que a palavra-chave em tudo o que vimos sobre planejamento é equilíbrio. E finalmente, outra diretriz relevante é a padronização. Como diz Ballou (2006): a variedade cobra o seu preço no canal logístico. O tamanho dos estoques aumenta na medida em que aumenta a variedade de produtos ofertados ao mercado. Dessa forma, o principal dilema enfrentado pelo marketing e pela logística é oferecer ao mercado a variedade que os clientes desejam sem aumentar drasticamente os custos da atividade logística. Uma alternativa para isso seria o estabelecimento de padrões produtivos, com o uso de peças intercambiáveis ou modulares, por exemplo. Um fabricante de cozinhas poderia projetar uma quantidade limitada de componentes (módulos), mas que ao serem combinados das mais diversas formas poderiam customizar o ambiente de cada um de seus clientes. Alguns autores chamam isso de customização de massa. Como segunda alternativa pode-se usar o adiamento da distribuição. Na prática, significa que nem todos os produtos do mix de produção são disponibilizados a todos os clientes simultaneamente. Dessa forma, cria-se a possibilidade de renovar ou alternar as opções nos pontos de venda. 16 MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2

17 Escolha da estratégia de canal Uma coisa é fato: o desenho adequado do canal tem grande impacto sobre a eficiência e a eficácia da cadeia de suprimentos. São duas as estratégias fundamentais, normalmente empregadas pelas organizações: 1. fornecimento sob estoque configura o canal visando eficiência. Ballou (2006) afirma que nesta modalidade busca-se o máximo de eficiência do canal, sendo seu objetivo processar os estoques com o máximo de economia, com uma operação rentável, comprando em grandes quantidades, buscando obter lotes grandes, tanto para produção quanto para transporte. Ser eficiente é obter o máximo que os recursos disponíveis podem oferecer ; 2. fornecimento sob pedido configura o canal visando eficácia ou responsividade. Nesta modalidade, busca-se desenhar o canal para responder de forma rápida à demanda. Portanto, caracteriza-se pelo uso da capacidade máxima, da substituição instantânea, dos prazos de entrega curtos, dos processos flexíveis, dos transportes ágeis e do processamento individualizado dos pedidos. Aqui a organização depara-se com um processo de escolha. Mais adiante apresentaremos o conceito de trade-off, que ajudará a balizar essas escolhas. MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2 17

18 Avaliação do desempenho estratégico Uma vez planejadas e implementadas as estratégias, os gestores precisam saber se os resultados esperados estão sendo obtidos. Esse desempenho estratégico pode ser avaliado mensurando três variáveis conectadas ao resultado financeiro do negócio. Vejamos cada uma dessas variáveis, segundo Ballou (2006): 1. fluxo de caixa quanto dinheiro a escolha estratégica realmente produziu? Esses valores gerados foram utilizados em investimentos ou despesas? Enfim, diversos aspectos sobre origem e destino do dinheiro; 2. economias as estratégias implementadas geraram redução das despesas mantendo a qualidade de serviços ofertados? Os resultados financeiros de uma organização vêm do aumento do faturamento ou da redução das despesas?; 3. retorno sobre o investimento é a relação entre o que foi economizado e o que foi investido em uma estratégia. Na prática, é a eficiência do uso do capital. Boas estratégias maximizam o retorno sobre o investimento, mantendo o interesse dos investidores e assegurando a longevidade da empresa. É importante que o acompanhamento de variáveis mensuráveis seja visto como uma parte de um processo de decisão. O controle tem a finalidade de apontar, com a maior brevidade possível, falhas no processo de planejamento, 18 MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2

19 disparando uma série de ações que visem identificar as causas das falhas, terminando com uma tomada de decisão corretiva. Quer saber mais sobre a avaliação de desempenho como ferramenta de melhoria contínua? Então assista ao vídeo a seguir: Organização da SCM Independentemente do processo que os gestores organizacionais vierem a utilizar para configurar a rede de instalações e definir o seu fluxo, haverá uma grande necessidade de informações bem embasadas (normalmente um sistema informatizado atende a essa demanda) e uma metodologia de análise consistente. Não vamos aprofundar demasiadamente essas ferramentas, pois a intenção é desencadear uma reflexão. Não há mais espaço para organizações amadoras, com planejamentos medíocres ou com simples remendos nas situações, à medida que estas se apresentem. Configuração da rede Trata de especificar as estruturas por meio das quais um produto sai de um ponto de origem e chega a um ponto de demanda. MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2 19

20 Para Ballou (2006), isso significa definir quantas serão as instalações, onde estarão localizadas, o que cada uma fará, os volumes movimentados, o mercado a elas atribuído, os fluxos a serem seguidos, os volumes estocados etc. Enfim, tudo que, de uma forma ou de outra, tenha algum contato ou influencie o caminho de um produto da fábrica até o consumidor. Uma série de dados e informações faz-se necessária para o planejamento da rede. Talvez o mais importante para a qualificação destes seja o inventário de dados, pois um bom planejamento requer uma poderosa e confiável base de dados, oriundos de várias fontes, das quais devem ser extraídas informações, como as sugeridas no Erro! Fonte de referência não encontrada.: Quadro 1: informações relevantes para o planejamento logístico Fonte: Ballou (2006) 20 MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2

21 Essas informações podem ser obtidas por meio de documentos operacionais do negócio 1, relatórios contábeis, pesquisa logística 2, informações publicadas em periódicos da área ou apenas pelo senso crítico dos gestores. Uma excelente fonte de informações, principalmente relativa à legislação e economia, de impacto na atividade logística, pode ser o site da Confederação Nacional do Transporte. Acesse: Desse processo de levantamento de informações surge uma grande massa de dados, a qual requer técnicas para que seja tratada adequadamente e ofereça informações relevantes. Para tanto, a codificação dos dados é uma dessas técnicas de uso comum. Duas formas têm a aplicação mais disseminada: 1. codificação dos produtos visa facilitar a manipulação dos produtos. O meio mais comum são os códigos de barras, que permitem armazenar um grande volume de dados de forma prática e sem erros de apontamento; 2. codificação geográfica para fins logísticos, a codificação geográfica é mais útil do que a baseada em contas. É uma 1 Documentos produzidos pela própria organização para formalizar o processo operacional. Enquadram-se nessa categoria as ordens de produção, de compras e outros similares. 2 Pesquisas realizadas por equipe específica ou consultoria externa, de forma semelhante às pesquisas de mercado. MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2 21

22 informação usada para definições de transporte e localização de estoques. Com isso em mãos, a etapa seguinte é a transformação de dados em informação 3. Aqui continuamos na análise do texto de Ballou (2006). O autor lista alguns aspectos que não podem ser deixados de lado quando se fala dessa transformação: unidades de análise quais as variáveis numéricas usadas no planejamento? Em logística, em função da tarifação de transportes, o peso é uma das mais utilizadas; agrupamento de produtos é uma forma prática de lidar com um grande mix de produtos, agrupando em classes aqueles que têm similaridades; estimativas de tarifas de transporte quanto custa a operação dos modais de transporte da CS; transporte próprio dados extraídos dos veículos utilizados, na maioria das vezes, do modal rodoviário; transporte contratado a cobrança tem certa linearidade e proporcionalidade à distância, o que simplifica as projeções; perfis de pedidos e embarques tamanho dos pedidos e dos embarques; 3 Dado é uma unidade básica de informação, sem um propósito específico, passível de análise. Esses dados são organizados, resumidos, agrupados ou ordenados de forma a dar suporte ao processo de planejamento. O objetivo do tratamento dos dados é conectá-los com um determinado contexto de aplicação, útil ao usuário, transformando-os em informação, que nada mais é do que um dado conectado à situação-problema para a qual foi levantado. 22 MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2

23 agregação de vendas agregar linhas de produtos e um número limitado de centros geográficos, sem perda da qualidade da informação; estimativas de quilometragem informação importante para estimativas de custo e tempo; custo das instalações custos fixos, custos de estocagem e custos de manuseio relativos às instalações da CS; capacidade das instalações os limites da capacidade das instalações têm impacto sobre a configuração da rede; relação estoque-processamento a relação entre o número de localizações e o volume estocado determina o nível de processamentos na CS; estimativa da demanda futura identificação da tendência da demanda para decisões com efeito em prazo mais longo; outros fatores e limitações limitações financeiras, legais ou políticas, da força de trabalho, dos prazos a serem cumpridos, das condições contratuais etc. Pelo que vimos até aqui, gerar informações é uma fase essencial para o planejamento da logística. Mas o que acontece se houver falta de informação? As informações necessárias ao processo de planejamento nem sempre estão disponíveis para a empresa. Isso poderia ser exemplificado com um projeto de um novo centro de distribuição, em uma localização geográfica não explorada pela empresa. Nessa MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2 23

24 situação não existem dados internos, pois simplesmente não existia uma operação anterior que pudesse fornecê-los. Assim, a alternativa é buscar os dados de fontes externas ou fazer estimativas a partir de outras localizações. Isso significa que um maior nível de incerteza apresenta-se, levando a maior possibilidade de erros de planejamento e decisão. Conclusão simples: as informações são imprescindíveis. Trade-Off Não se pode esquecer que o sucesso de uma organização depende de suas escolhas. A organização não pode, nem deve, ser excelente em tudo. Aqui podemos incorporar o conceito de trade-off elaborado por Skinner (apud CORRÊA, CORRÊA, 2006, p. 56), segundo o qual é impossível para a organização aumentar substancialmente o seu desempenho em todos os aspectos. Um exemplo dessa escolha poderia ser a rede Casas Bahia, a qual é reconhecidamente focada em um público de baixa renda, tendo como objetivo de desempenho básico o custo. Contudo, dificilmente ela seria capaz de atender a um público de alto poder aquisitivo e extremamente exigente. Esse conceito de trade-off pressupõe que aumentar o desempenho de um critério poderia prejudicar outro. Para Corrêa e Corrêa (2006), as empresas classificam esses critérios em três grupos: qualificadores dão condições para a empresa participar do mercado que escolheu. Por exemplo, sua empresa deve trabalhar 24 MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2

25 de forma social e ambientalmente aceitável se desejar participar de mercados desenvolvidos, nos quais tais atitudes são avaliadas; ganhadores de pedidos servem como definidores da decisão de compra do cliente; são vantagens competitivas que levam os clientes a optar pela sua empresa e não pelo concorrente. Se você oferecer produtos em consignação para um cliente que não tem certeza de quanto ele poderá revender, você estará oferecendo algo que lhe dá tranquilidade e o leva à decisão de comprar de você; indiferentes esses critérios não afetam a decisão de compra. Se você produz extrato de tomate, não interessa ao cliente se você compra tomates do fornecedor A ou do fornecedor B. Investimentos que levem à melhoria no desempenho dos ganhadores de pedidos tendem a ser recompensados com aumento de faturamento. Os recursos aplicados aos qualificadores trarão retorno até que se consiga chegar àquilo que o mercado busca, após isso, o retorno passa a ser menor. E os indiferentes sempre darão um retorno baixo, pois não são significativos para os clientes. Cordeiro (2004) traz uma concepção ajustada para a área de Logística. Para ele, trata-se de um conceito econômico que ganhou uma interpretação na administração da logística, e que não tem uma tradução adequada para o português. Em suma, o conceito expressa a ideia de que para se obter algo que se deseja seria necessário sacrificar algo que se tem, isto é, fazer escolhas. MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2 25

26 O autor afirma ainda que as empresas devem buscar o equilíbrio do trade-off. No caso da logística, o grande dilema do trade-off é melhorar os serviços logísticos sem que os custos se elevem descontroladamente. Essa negociação e conciliação de diferentes interesses exige grande habilidade dos gestores logísticos, sendo necessário um grande conhecimento do negócio para avaliar as possibilidades de concessão e que impacto teriam sobre o desempenho final da operação. Reconhecer a inter-relação dos elementos da CS logística significa entender que uma decisão que acarrete alteração de custo de algum deles terá impacto sobre os custos de todos. Julgar qual a capacidade de assimilação de cada um e qual a alternativa que maximiza o desempenho global é uma arte. Síntese Para fixar o conteúdo desta aula, basta assistir ao vídeo a seguir: 26 MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2

27 1. Uma das constatações mais relevantes que fizemos ao longo deste estudo é a de que há uma efetiva conexão entre a estratégia corporativa e a estratégia de logística. Considerando tudo o que foi abordado, marque a alternativa que representa a principal justificativa para essa conexão. a. O senso de pertencimento a algo maior, nesse caso a logística como função, sendo parte da organização. b. A compreensão da importância do papel específico de cada função para a composição de um resultado sinérgico e corporativo, com impactos positivos para todos. c. A força da hierarquia. Logística é função, portanto, subordinada aos interesses corporativos. d. É uma questão meramente conceitual. A corporação aponta o caminho a ser seguido pelas funções, mas isso é opcional, pois depende dos interesses do gestor da função logística. 2. Vamos imaginar uma situação hipotética. Você é gestor de uma empresa que apresenta dificuldades. Os clientes fazem muitas reclamações com relação à qualidade dos serviços prestados. A organização tem realizado algumas ações, mas não tem tido sucesso. Das opções abaixo, qual é a que daria maior nível de assertividade às ações corretivas da organização a ponto de inverter o jogo e obter a fidelidade dos clientes/consumidores? MBA em Administração e Logística Logística Empresarial Aula 2 27

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

A Cadeia de Suprimentos

A Cadeia de Suprimentos Tema A Cadeia de Suprimentos Curso Disciplina Tema Professor MBA em Engenharia da Produção Gestão da Produção A Cadeia de Suprimentos John Jackson Buettgen Introdução Quando o assunto é Gestão de Produção,

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Patrícia de Oliveira 1 Angélica Patrícia de Souza 2 Roginéia de Araújo Paula 3 RESUMO Buscou-se apresentar neste artigo, os principais pontos das estratégias empresarias e quais

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES

PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES 1 PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES Angela Brasil (Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas -AEMS) E-mail:angelabrasil@ibest.com.br Cleucimar Aparecida Pereira Prudente

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE Barbara Batista Povoa (UFES ) barbara_povoa@hotmail.com A gestão de estoques vem ganhando cada vez mais espaço

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

CONHEÇA A VALECARD TODA ESSA ESTRUTURA EXISTE PRA VOCÊ: Reduzir custos. Ganhar tempo. Organizar processos.

CONHEÇA A VALECARD TODA ESSA ESTRUTURA EXISTE PRA VOCÊ: Reduzir custos. Ganhar tempo. Organizar processos. CONHEÇA A VALECARD Soluções completas e integradas para a gestão de benefícios, gestão financeira e de frotas. Cartões aceitos em todo território nacional, por meio da Redecard, Cielo e ValeNet, o que

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a utilização da classificação ABC no gerenciamento do estoque

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Tema 1 Estratégias na Organização

Tema 1 Estratégias na Organização Tema 1 Estratégias na Organização Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação MBA em Engenharia da Produção Gestão da Produção Estratégias na Organização John Jackson Buettgen Introdução Olá!

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO Bruna Carolina da Cruz Graduando em administração Unisalesiano Lins bruna-estella@hotmail.com Rafael Victor Ostetti da Silva Graduando

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO Dennis Pessoa da Silva 1 RESUMO Ferramentas administrativas são técnicas utilizadas na gestão de empresas para solucionar problemas. Elas controlam

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

Aula 00 Aula Demonstrativa

Aula 00 Aula Demonstrativa SUMÁRIO 1.1 APRESENTAÇÃO... 1 1.2 CONTEÚDO DO CURSO... 2 1.3 PLANEJAMENTO ADMINISTRATIVO... 4 BALANCED SCORECARD... 4 ANÁLISE SWOT... 7 1.4 Lista de Questões Comentadas... 9 1.5 Referências Bibliográficas...

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL Índice 1. Conceitos do planejamento...3 1.1. Planejamento... 5 1.2. Conceituação de planejamento... 5 1.3.

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000)

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000) de Marketing e Estratégias de Marketing Parte 01 OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO Marcoambiente Ambiente setorial Estratégia Administração Estratégica Estratégico Organização / Direção Estratégia

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 2 Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Análise interna. Adelcio Machado adelcio@redelnet.com.br. Cincinato Lui Cordeiro cincinato@hotmail.com. Gisele Mazon gisele.mazon@unisul.

Análise interna. Adelcio Machado adelcio@redelnet.com.br. Cincinato Lui Cordeiro cincinato@hotmail.com. Gisele Mazon gisele.mazon@unisul. Análise interna Adelcio Machado adelcio@redelnet.com.br Cincinato Lui Cordeiro cincinato@hotmail.com Gisele Mazon gisele.mazon@unisul.br Roberto de Medeiros Junior roberto.medeiros.junior@hotmail.com Fernando

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

CASO HONDA. Em 1975, a situação:

CASO HONDA. Em 1975, a situação: CASO HONDA Em 1975, a situação: O governo britânico contratou o Boston Consulting Group para ajudar a explicar por que as empresas japonesas, em especial a Honda, superavam de forma tão acentuada as britânicas

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Planejando a gestão logística como diferencial no ambiente de negócios: uma discussão

Planejando a gestão logística como diferencial no ambiente de negócios: uma discussão Planejando a gestão logística como diferencial no ambiente de negócios: uma discussão FELIPE FERNANDES DE OLIVEIRA (UFRN) felipefernandesdeoliveira@hotmail.com Resumo: Este artigo caracteriza-se por ser

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response )

Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response ) Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response ) Objetivo da Aula Aprofundar os conhecimentos de ECR, suas vantagens e implicações. Introdução Na aula anterior, estudamos

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12

GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12 GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12 Índice 1. Processo de gestão do conhecimento...3 2. Gestão do capital intelectual...3 3. Sistema de inteligência competitiva...4 2 1. PROCESSO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO

ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO Estratégia e Planejamento Corporativo AULA 4 Abril 2014 Planejamento Estratégico - Ferramentas Cad. Valor Lista Oport. Ameaças Cenários 5 Forças Porter BSC Modelo Estratégico Lista Forças Fraquezas Diagnóstico

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS A LOGÍSTICA COMO FATOR COMPETITIVO NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES ALUNO:

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais