UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO FACULDADE DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE PERNAMBUCO MBA - ESPECIALISTA EM GESTÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO FACULDADE DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE PERNAMBUCO MBA - ESPECIALISTA EM GESTÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO FACULDADE DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE PERNAMBUCO MBA - ESPECIALISTA EM GESTÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO AO PÚBLICO: mudanças de paradigma e estabelecimento de padrões de qualidade na recepção e triagem das promotorias de justiça de Pernambuco. RECIFE

2 ISABEL DE LIZANDRA PENHA ALVES MARIA APARECIDA ALCÂNTARA SIEBRA MARIA DE FÁTIMA DE ARAÚJO FERREIRA EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO AO PÚBLICO: mudanças de paradigma e estabelecimento de padrões de qualidade na recepção e triagem das promotorias de justiça de Pernambuco. Monografia apresentada à Faculdade de Ciência da Administração de Pernambuco, da Universidade Estadual de Pernambuco, como requisito para a obtenção do Título de Especialista em Gestão do Ministério Público, orientada pela Professora Mestra, Derçulina Tavares Novaes. RECIFE

3 ISABEL DE LIZANDRA PENHA ALVES MARIA APARECIDA ALCÂNTARA SIEBRA MARIA DE FÁTIMA DE ARAÚJO FERREIRA EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO AO PÚBLICO: mudanças de paradigma e estabelecimento de padrões de qualidade na recepção e triagem das promotorias de justiça de Pernambuco. Data de aprovação: / / Nota: RECIFE

4 EPÍGRAFE Idealizo a transformação do Ministério Público em Ministério Público Social. Um Ministério Social em ação, ação mesmo, com fins e também meios próprios contra não só as ilegalidades mas, principalmente, contra as injustiças. Os privilégios, os pesos e medidas desiguais são inconstitucionais. Assim, o Ministério Público evoluiria para assumir a responsabilidade daquilo que é mais significativo na ordem jurídica a paz social pela justiça social, tarefa máxima da democracia na atual conjuntura da humanidade. O Ministério Público Social procurará dar a cada um o que é seu, mas sobretudo, acudir a quem nada tem de seu, a quem quer, mas não pode, viver honestamente, a quem, apesar de tudo, não prejudique ninguém. O Procurador Geral será mesmo geral e tornará prática e total a expressão mais profunda de nossa nomenclatura funcional Promotor de Justiça. Um Ministério Público Social promoverá a justiça social, cuidará dela e não só de uma justiça pública, estatal, oficial. A ordem jurídica seria adaptada aos dramas contemporâneos. A primazia nos benefícios pertenceria aos mais necessitados. A tranqüilidade de consciência do Ministério Público depende de avanço que ele mesmo executará. (Roberto Lyra, o príncipe dos Promotores de Justiça, profetizando em 1952, o futuro do Ministério Público). 13

5 DEDICATÓRIA A Deus, nosso Senhor e Salvador, a quem devemos tudo o que somos. Aos nossos pais, pelo amor, dedicação e infindável paciência. Ao amigo, Antônio Fernandes de Oliveira Matos Júnior, mente brilhante, amigos de todas as horas, verdadeiro presente de Deus em nossas vidas, pelo inesquecível convívio que tivemos e por tudo e não foi pouco que com ele aprendemos. Ao amigo Tiago de Oliveira, pelo apoio técnico na confecção dos gráficos e tabelas, bem como o carinho, incentivo e dedicação de todas as horas. 14

6 AGRADECIMENTOS Nosso especial agradecimento a Professora Mestra, Derçulina Tavares Novaes, por sua generosidade, paciência, ensinamentos e conselhos, fundamentais à realização deste trabalho. Ao meu amigo e irmão de alma, Tiago de Oliveira, pelo incentivo, apoio e compreensão, e em especial, pela sua disponibilidade, meus sinceros agradecimentos. Aos amigos, José Raimundo Gonçalves de Carvalho e Maria Lizandra Lira de Carvalho, pelo carinho e estímulo. 15

7 RESUMO Este projeto apresenta uma sugestão funcional na área de excelência no atendimento ao público dentro da Instituição Ministério Público de Pernambuco. Analisando a qualidade do atendimento ao público, a fim de demonstrar a necessidade de estruturar o atendimento ao povo dentro da Instituição de forma a dar mais agilidade e eficiência, a este canal de comunicação entre o Ministério Público e a população mais carente, e encontra-se dividido em seis capítulos. O primeiro é de considerações introdutórias ao tema. O segundo capítulo faz uma breve evolução do Ministério Público inserido no contexto histórico. O terceiro consiste na configuração constitucional do Ministério Público, em que são apresentados as características, princípios, garantias, vedações e rumos funcionais, ressaltando a relevância da instituição para o direito social e a consolidação do Estado Democrático de Direito. O quarto reflete sobre a interação existente entre o promotor de justiça e a população, através do atendimento ao público, em estudo comparativo com a instituição Ministério Público em outros países, sendo tal simbiose singular, não ocorrendo nas demais democracias sociais do mundo. O quinto disserta sobre o atendimento ao público como meio de efetivação do Ministério Público Social e garantia do acesso à justiça. Por derradeiro, utilizando-se da pesquisa de campo, o sexto capítulo mostra o funcionamento do atendimento ao público realizado pelo Ministério Público de Pernambuco, bem como a necessidade de estabelecer padrões de qualidade. Após são apresentadas considerações finais acerca do tema e recomendações que viabilizem o aprimoramento do atendimento ao público realizado nas promotorias de justiças de Pernambuco. Palavras-chave: Atendimento ao Público. Padrões de Qualidade. Acesso a Justiça. Estado Democrático de Direito. Ministério Público. 16

8 ABSTRACT This project presents a functional suggestion in the area of excellence in the service to a public inside the Institution Public prosecution service of Pernambuco. Analysing the quality of the service to a public, in order to demonstrate the necessity of structuring the service to the people inside the Institution of form to give more agility and efficiency, to this channel of communication between the Public prosecution service and the most wanting population, and it is divided in six chapters. The first one is of introductory considerations to the subject. The second chapter does a short evolution of the Public prosecution service inserted in the historical context. The third thing consists of the constitutional configuration of the Public prosecution service, in which there are presented the characteristics, beginnings, guarantees, fences and functional courses, emphasizing to relevance of the institution for the social right and the consolidation of the Democratic State of Right. The room thinks about the existent interaction between the promoter of justice and the population, through the service to a public, about comparative study with the institution Public prosecution service about other countries, being such singular symbiosis, when too many social democracies of the world not are taking place in. The fifth one speaks on the service to a public I eat a bit of efetivação of the Social Public prosecution service and guarantee of the access to the justice. For last, making use of the field work, the sixth chapter shows the functioning of the service to a public carried out by the Public prosecution service of Pernambuco, as well as the necessity of establishing quality standards. After final considerations are presented about the subject and recommendations that viabilizem the aprimoramento of the service to a public carried out in the prosecutor's offices of justices of Pernambuco. Key Words: Service to a Public. Quality standards. I access the Justice. Democratic State of Right. Public prosecution service. 17

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO INSERIDO NO CONTEXTO HISTÓRICO Histórico remoto Origem francesa Histórico brasileiro A CONFIGURAÇÃO CONSTITUCIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO BRASILEIRO Características e rumos funcionais Princípios, garantias e vedações mantenedores A relevância da instituição para o direito social O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E O ATENDIMENTO AO POVO PELO MINISTÉRIO PÚBLICO A simbiose entre o Estado Democrático de Direito e o Ministério Público O Ministério Público em outras democracias sociais O atendimento ao público pelo Ministério Público ATENDIMENTO AO PÚBLICO COMO MEIO DE EFETIVAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO SOCIAL E ACESSO À JUSTIÇA O atendimento ao público como forma de acesso à justiça Ouvidoria social METODOLOGIA Da metodologia da pesquisa Da avaliação da pesquisa aplicada Do contingente e forma de aplicação das pesquisas Da análise dos dados coletados na pesquisa...45 CONSIDERAÇÕES FINAIS...59 RECOMENDAÇÕES...61 REFERÊNCIAS...64 APÊNDICES

10 ANEXOS INTRODUÇÃO Este projeto tem por escopo demonstrar a evolução institucional do Ministério Público brasileiro e seu dever funcional de atender à sociedade, para bem defender os interesses sociais e outros direitos dos cidadãos, dos quais trata a Constituição Federal de Nos termos do art. 127, caput, da Constituição Federal de 1988, o Ministério Público é uma instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbido da defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis. Funcionará, pois, como verdadeiro defensor da sociedade. Assim, uma das principais atribuições desenvolvidas na atividade fim ministerial é o atendimento ao público. O presente projeto visa apresentar uma sugestão funcional na área de excelência no atendimento ao público dentro da Instituição Ministério Público. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica a fim de fomentar o embasamento teórico do tema, bem como a pesquisa de campo para demonstrar como vêm atuando os membros do parquet, para colocar em prática seu dever de defender o regime democrático. A estrutura encontra-se dividida em 6 capítulos, sendo o primeiro introdutório. O segundo capítulo relata a história da figura do promotor, desde seus traços do magiaí egípcio ao berço da instituição, francês. No Brasil, chegou por meio das ordenações portuguesas, crescendo a cada nova Constituição, até libertar-se dos demais poderes e ser consagrado como função essencial à justiça. O terceiro capítulo enfrenta a nova formatação ministerial dada pela Carta Magna de Para que o promotor pudesse atuar como agente político no cenário nacional, defensor das minorias e instrumento de efetivação do direito social, foram traçados princípios, garantias, e ações judiciais dos quais ele deve valer-se. 19

11 O quarto capítulo demonstra a relação de dependência entre estado democrático de direito e Ministério Público, ficando transparente, através de pesquisa no direito comparado, que a amplitude de legitimação do parquet é inversamente proporcional à organização da sociedade. A interação que ocorre entre a população e o promotor, através do atendimento ao público, é singular, não ocorrendo nas demais democracias sociais. O quinto capítulo evidencia como o Ministério Público organiza-se para colocar em prática a função de defensor do povo. Através do atendimento ao público e materializando acordos extraprocessuais, a promotoria de justiça, com atribuição da defesa da cidadania, pela justiça social, tarefa máxima da democracia na atual conjuntura da humanidade, torna efetivo os direitos dos cidadãos. O sexto capítulo tratará sobre a pesquisa de opinião aplicada nas promotorias de justiça para verificar a qualidade no atendimento ao público realizado pelo Ministério Público de Pernambuco. Após, serão apresentadas as considerações finais acerca do tema, sugerindo-se recomendações que viabilizem o aprimoramento do atendimento ao cidadão, no Ministério Público de Pernambuco, os apêndices referentes à metodologia aplicada na pesquisa e o anexo com a legislação infraconstitucional sobre o tema. 2 EVOLUÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO INSERIDO NO CONTEXTO HISTÓRICO 2.1 Histórico remoto Realizar um estudo sobre o que hoje constitui o Ministério Público demonstrará seu aprimoramento de funções e crescente autonomia em relação aos poderes estatais. O promotor de justiça atual há que fazer opção ideológica por interferir positivamente na realidade, de modo que o operador crítico, que assombra a história do direito, transforme-se em protagonista de um novo compromisso social. É necessário levar a sociedade à perceber o novo jeito de operar o 20

12 direito, daí a necessidade de atuar como canal condutor e entregar-se à efetivação dos justos anseios sociais. É preciso lutar para que a história da humanidade não se ligue ao aumento da violência, mas sim à busca da paz social. Várias foram às figuras históricas assemelhadas ao promotor de justiça. No Egito houve a concepção da instituição com o funcionário egípcio chamado magiaí, há cerca de 4000 anos a.c, que segundo MAZZILLI, era:... a língua e os olhos do rei; castigava os rebeldes, reprimia os violentos, protegia os cidadãos pacíficos; acolhia os pedidos do homem justo e verdadeiro, perseguindo o malvado mentiroso; era o marido da viúva e o pai do órfão; fazia ouvir as palavras de acusação, indicando as disposições legais que se aplicam ao caso; tomava parte das instruções para descobrir a verdade. 1 Também se encontram vestígios do promotor público no período da antigüidade clássica, em Roma, porém muito diferente do atual, já que os censores faziam investigações sobre a vida dos indivíduos e não sobre fatos legalmente previstos e levados a juízo como atualmente se faz. Além daqueles, haviam os procuratores caesaris que atuavam na defesa do fisco e não eram titulares da ação penal cuja titularidade pertencia ao povo. Sobre o tema, MOURA ROCHA, procurador de justiça em Recife, historia : Criados por volta do ano de 435 a.c., os censores, tinham por atribuição organizar os cidadãos pelas diversas classes existentes em Roma e as listas de senadores e chevaliers, especialmente, proceder uma verdadeira investigação na vida inteira daqueles que compunham tais listas com o fito de, encontrando algo repreensível apresentar a nota de infâmia, o que embora fosse uma sanção puramente moral, e não propriamente jurídica, possuía uma eficácia social notável(...). 2 Ainda segundo MOURA ROCHA, na Grécia haviam os thesmotetis de grande importância no controle da administração pública, já que sua função era basicamente de denunciar empregados públicos e sustentar a acusação perante a assembléia e o senado onde estavam os representantes do povo. 3 1 MAZZILLI, H. N. Manual do promotor de justiça. 2. ed. ampl. e atual. São Paulo: Saraiva, p MOURA ROCHA, J. E. D. de. Ministério Público no estado democrático de direito. Recife: Procuradoria de Justiça, p Idem ibidem. 21

13 Avançando na linha da história chega-se à Idade Média, na qual o mundo viveu um completo caos social, em razão do poder dividir-se entre o Estado, representado pelo monarca e a igreja católica, que possuía o controle da população por meio da fé monoteísta. Tais circunstâncias impediam que o homem desenvolvesse qualquer manifestação de pensamento que fosse contrário aos ideais desses institutos. Do período da Idade Média, conforme MAZZILLI, foram encontrados alguns traços sensíveis do promotor nos saions germânicos, ou nos bailios e senescais, atuantes como defensores dos senhores feudais em juízo. Na Alemanha havia, ainda, o comum acusador, que só atuava na acusação se houvesse a inércia do particular. 4 É do período medieval o desenvolvimento do procedimento inquisitório do direito canônico, com o qual firmou-se a divisão entre jurisdição civil e penal. À época, o autor levava a acusação de heresia à autoridade pública, oralmente ou por escrito. Meros boatos já proporcionavam a investigação por parte do inquisitor, comparável ao inquérito criminal utilizado atualmente. Vem daí a tendência da perseguição do acusado por parte do estado (na época intimamente ligado à igreja), consubstanciando-se hoje na ação penal pública cuja legitimidade ativa pertence exclusivamente Ministério Público. Tomando-se por base este último período, fica mais fácil compreender o porquê da imagem do promotor acusador, até hoje, superposta às demais funções desempenhadas pelo Ministério Público. Devido a esta passagem histórica marcante criou-se uma crença popular que dificulta o leigo de assimilar a idéia de um Ministério Público democrático, com cheiro de povo, compromissado com a verdade, com a realização plena da criatura humana e defensor dos direitos coletivos. 2.2 Origem francesa Merece destaque a origem mais usualmente comentada pela doutrina. 4 MAZZILLI, H. N. Regime jurídico do Ministério Público. 3. ed. rev. ampl. e atual. São Paulo: Saraiva, p

14 Conforme explana MOURA ROCHA, surgiram ainda na França medieval os procureurs du roi, inspirados no saion germânico. Passou de defensor da lei fiscal à fiscal da lei (em sentido genérico) e defensor dos oprimidos. Durou até o século X, época da decadência do reino francês e simultânea influência da igreja, que utilizou para si tal defensor, denominando-o advocatus. Posteriormente o poder real foi reconstruído apresentando o baillis para defendê-lo. 5 Observa-se nesse defensor real a mais comum indicação de nascimento do Ministério Público, cuja certidão é a Ordenança de 25 de março de 1302, de Felipe IV, o Belo, rei da França, o qual exigia dedicação exclusiva às causas reais. Interessante perceber que a etimologia da palavra ministério se prende ao vocábulo latino manus, querendo significar a mão do rei, hoje, mão da lei. Com a revolução francesa e seus ideais foram trazidas maiores garantias à instituição e seus integrantes. Posteriormente, os textos de Napoleão Bonaparte vieram instituir o que hoje se conhece por corpo de oficiais do Ministério Público na França, ou seja, o parquet. RASSAT 6 lembra que por decreto, em 1790, deu-se vitaliciedade aos membros do Ministério Público, sendo que outro decreto, no mesmo ano, dividiu as funções do Ministério Público em comissário do rei e acusador público. O primeiro era nomeado pelo rei velando pela aplicação da lei e execução dos julgados. O segundo era eleito pelo povo, promovendo apenas a acusação. O homem pós-revolução francesa, ávido de praticar a liberté, egalité et fraternité, deu início a uma tomada de consciência de seus direitos e de seus deveres como membro da sociedade. O século XVIII, para se tomar como ponto de reflexão, foi marcado por grandes transformações no âmbito mundial, principalmente no que diz respeito aos valores atribuídos aos cidadãos, em função de novos ideais trazidos pelo iluminismo, tais como democracia e liberdade. Encerrou-se aí um longo período de escuridão que praticamente suprimiu qualquer manifestação de pensamento. 5 MOURA ROCHA, J. E. D. de. Op. cit., p Apud MAZZILLI, H. N. Op. cit., p

15 Com a projeção individualista da revolução francesa consolidaram-se aquelas conquistas que, assim, caminharam para o pacífico destino de princípios fundamentais e elevaram o Ministério Público como força social. Posteriormente, a revolução industrial, conseqüência do mercantilismo, gerou uma grande concentração populacional buscando comida e emprego. O Estado passou a ser mais exigido por meio de uma atividade político social, devendo zelar pelo desenvolvimento da sociedade. É a passagem do Estado liberal para o Estado social. 2.3 Histórico brasileiro O promotor de justiça chegou em terras brasileiras através de nossos colonizadores: os portugueses. Tanto as ordenações Afonsinas, de 1447, quanto as Manoelinas, de 1514, apresentaram um título dedicado ao procurador de nossos feitos. Com as ordenações Filipinas de 1603 houve uma divisão entre procuradores dos feitos da coroa, da fazenda, da casa do porto e da casa de suplicação. No Brasil colônia e império não se falou em uma instituição própria, eis que os promotores eram completamente atrelados ao Poder Executivo. Este aspecto histórico colaborou para a noção contemporânea equivocada da população menos informada, de um Ministério Público supostamente condescendente, com as questões de desvio de finalidade, realizadas pela administração pública. Segundo RODRIGUES, promotor de justiça no Amazonas, a Constituição Federal de 1824 não falou em instituição e mencionou apenas que ao procurador da coroa e soberania nacional cabia acusar nos crimes em juízo. O Aviso de 16 de janeiro de 1838 foi o precursor do papel de fiscal do promotor. A lei de 03 de dezembro de 1841 unificou a atribuição fiscal com a atribuição de condenar delinqüentes. 7 A previsão das funções e requisitos para nomeação foram dadas pelo código processual criminal do império. Houve uma reforma em 1841, pela qual 7 RODRIGUES, J.G. O Ministério Público e um novo modelo de estado. Manaus: Valer, p

16 direito. 8 A Constituição de 1934 trouxe inovações dedicando um título à ordem passou-se a exigir o requisito de bacharel idôneo na nomeação dos promotores públicos. A Constituição Republicana de 1891 foi responsável por institucionalizar nova ordem. Esta constituição estabeleceu a forma de estado federado, a forma de governo republicano e o sistema de governo presidencial. Já em relação ao Ministério Público, apenas mencionou que o procurador geral de justiça seria indicado pelo Presidente da República. O Decreto nº 1030/1890 serviu de estatuto do Ministério Público. Rezava o art. 164, do referido decreto, transcrito na obra de RODRIGUES: O Ministério Público é, perante as justiças constituídas o advogado da lei, o fiscal de sua execução, o procurador dos interesses gerais do Distrito Federal e o promotor da ação pública contra todas as violações do econômica e social. Criou a justiça do trabalho, o salário mínimo, instituiu o mandado de segurança, recepcionou a ação popular e manteve a justiça eleitoral. Com relação ao Ministério Público traçou normas gerais de organização, representando o primeiro passo à categoria de instituição. Notese que as significativas previsões dos direitos sociais deram-se ao mesmo tempo do avanço da autonomia do Ministério Público. A Constituição de 1937 foi produto de um regime ditatorial, e naturalmente retirou atribuições conquistada pelo órgão defensor da sociedade, subordinando-o totalmente ao executivo. Felizmente a dignidade da instituição foi restituída pela lei fundamental de 1946, que admitiu sua independência em relação aos demais poderes (executivo, legislativo e judiciário), a estrutura federativa, a estabilidade de seus membros e a promoção de carreira, conforme expôs RODRIGUES 9. A instituição passou a ser apêndice do Poder Judiciário em 1967 e do executivo em 1969, ou seja, sem independência funcional, financeira e administrativa. 8 Idem Ibidem., p RODRIGUES, J. G.Op. cit., p

17 Finalmente, após muitos avanços e retrocessos, o Ministério Público chegou à condição de instituição independente e autônoma, por via constitucional, em Muitos textos legais foram projetando a previsão constitucional, afinal alcançada, como por exemplo: a Lei Complementar 40/81, que trazia atribuições, garantias e vedações da instituição; a Lei da ação civil pública, que conferiu legitimidade ativa ao promotor para que viesse a intervir em questões de interesse de todo cidadão; a Carta de Curitiba, resultado da primeira reunião do Ministério Público em nível nacional, em 1986, quando foram traçadas propostas para a nova constituição da República. Reconhecidamente foi o Ministério Público a instituição que mais viu ampliada suas atribuições no texto da nova ordem constitucional. Tal fato, a princípio, foi considerado, por alguns, como resultado de intenso lobby, por parte da Confederação Nacional do Ministério Público nos corredores do Congresso Nacional. Todavia, o que realmente pesou foi a atuação eficiente de promotores e procuradores no desempenho diário de suas funções e o próprio momento político, proporcionador de crescente desigualdade social e econômica. O promotor surgiu pela nova constituição como agente político não partidário. Na seqüência, a partir da nova atuação do Ministério Público, o executivo sentiu a pressão e acusou esses defensores do povo de deslumbramento com o poder alcançado, elaborando leis visando calar a voz ministerial. PACELLI noticiou assim a seqüência de tentativas, em propor leis, do executivo A primeira foi em 1997, quando o governo mandou ao Congresso um projeto que previa multa, perda do cargo e até prisão para os procuradores que divulgassem o conteúdo de processos em tramitação. O projeto apelidado de lei mordaça, foi aprovado na Câmara, mas gerou tanta controvérsia que hoje se encontra num fundo de gaveta no Senado. No início do ano passado, o governo voltou à carga, enfiando a punição no âmbito da reforma do Judiciário, mas a idéia novamente não vingou. Agora, com uma medida provisória, o governo criou multa que chega à até reais contra os procuradores, e outros agentes públicos, que peçam a abertura de ações consideradas infundadas contra autoridades públicas PACELLI, M. Mordaça de novo. Revista Veja. São Paulo: Abril. n. 1500, ano 34, p , jan

18 É inegável que os promotores e procuradores, pela carga de poder recebida, chegam a atuar politicamente sem serem eleitos pelo voto popular. É isso que ocorre quando a instituição atua na defesa de interesses difusos, coletivos e individuais homogêneos, entre outros, ligados à saúde, ao direito a escola, ao consumidor, bem como a proteção ao meio ambiente. A política está se manifestando no meio jurídico e vice-versa. É justamente esse o trabalho desenvolvido pela Promotoria de justiça e demais promotorias especializadas em vários estados do país. Cabe aos membros do Ministério Público buscar o cumprimento de suas atribuições institucionais, estabelecer bom relacionamento e a compreensão de todos os poderes, pois fazem parte de um sistema onde todas as peças precisam estar engrenadas para atingir o objetivo maior do bem estar social, preconizado pelo estado democrático de direito brasileiro. 3 A CONFIGURAÇÃO CONSTITUCIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO BRASILEIRO 3.1 Características e rumos funcionais A Constituição Federal de 1988 alinhou novos rumos funcionais à instituição, e seus artigos 127 e 129 consagraram e tornaram possível o Ministério Público social. 11 O promotor atual só realmente realiza suas funções quando escuta o clamor social, pois, como anota CAMARGO PENTEADO, procurador de justiça de São Paulo: Ser promotor é encontrar na dignidade do trabalho o caminho seguro para o progressivo aperfeiçoamento do profissional que, na plena doação à comunidade, conquista a sua realização integral como pessoa Há também a previsão dessas características nas leis especialmente dedicadas ao Ministério Público: -Lei Orgânica Nacional do Ministério Público (8625/93) que dispõe sobre normas gerais para organização do Ministério Público estadual, entre outras providências; Lei Complementar nº 75/93, que trata da organização, atribuições e estatuto do Ministério Público Federal; Lei Orgânica do Ministério Público estadual, no caso do Estado de Pernambuco, Lei Complementar nº 12/ CAMARGO PENTEADO, J. de. A ética do promotor de justiça. In: Funções institucionais do Ministério Público. ALVES, A. B. et. alii. (Orgs). São Paulo: Saraiva, p

19 Para a garantia efetiva da defesa da ordem jurídica, e do regime democrático, e também por representar uma parcela da soberania do Estado, o Ministério Público não poderia deixar de ser uma instituição permanente. Foi estruturado com independência, autonomia, garantias e prerrogativas destinadas a possibilitar o eficiente desempenho das suas funções. O Ministério Público é instituição permanente justamente por ser essencial à busca da garantia dos princípios fundamentais estatais, que devem ser preservados. Não podia ser um órgão temporário, pois se pretende que a República Federativa do Brasil, enquanto estado democrático de direito, seja eterna. É essencial também à função jurisdicional do Estado. Esta afirmação pode levar à interpretação equivocada de que deverá atuar em todas as lides e todos feitos, contudo, é essencial, mas não em todas as ações, devendo estar obrigatoriamente presente naquelas que digam respeito à defesa da ordem jurídica, do regime democrático, dos interesses sociais e individuais indisponíveis, sob pena de nulidade. O leigo, normalmente, quando pensa no promotor de justiça, não tem noção da amplitude de suas funções. Geralmente tem a idéia do promotor criminal, do acusador, sendo preciso, algumas vezes, que se esclareça aos jurados em um julgamento, por exemplo, que incumbe ao parquet promover a justiça, seja acusando ou pedindo a absolvição do réu. Antes se falava em promotor público, pela imagem acusatória; hoje deve, e é chamado promotor de justiça, pois esta é sua função primordial. Quando se fala em Ministério Público, geralmente vêm à mente as questões processuais mais tradicionais, como a promoção da ação penal pública, do artigo 24 do código de processo penal, bem como as do artigo 82 do código de processo civil. Ignoram-se as numerosas atuações extraprocessuais dos membros do Ministério Público que, quando bem desenvolvidas, evitam a lide judicial e a demora processual. Neste sentido, PORTO afirma: Oportuno destacar, também, que o Ministério Público não é órgão de atuação exclusivamente processual, pois dentre suas missões institucionais encontra-se uma gama infindável de atribuições extraprocessuais, muitas as quais desconhecidas dos demais profissionais do Direito e da própria sociedade. Por exemplo, quando instala e desenvolve inquérito civil, fiscaliza fundações, prisões e delegacias de polícia, como 28

20 também quando procede ao exame das habilitações de casamento ou homologa acordos ou ainda quando estabelece os compromissos de ajustamento. Nesta medida, nota-se que o teatro de operações do Ministério Público se alarga e extrapola a órbita judicial, daí ter dito o legislador constituinte menos do que devia, na medida em que a instituição também é essencial em tarefas não-jurisdicionais a si incumbidas. 13 Quando se trata da defesa da ordem jurídica e do regime democrático podem ser feitas diversas observações. O Ministério Público, sempre, desde o surgimento na França, quando foi previsto como instituição, teve uma posição primordial: a defesa da ordem jurídica pela via da atuação como custos legis. A nossa ordem jurídica tem por base os fundamentos do estado democrático de direito (art. 1º) e os objetivos da República Federativa do Brasil (art. 3º). É sobre esta base, caracterizada principalmente, sob o ponto de vista social, pelo respeito à dignidade da pessoa humana, bem como pela construção de uma sociedade solidária, que o Ministério Público deve fiscalizar e doar-se completamente. Reitera-se a importância de ser instituição independente. Poder-se-ia ter um Ministério Público com poder garantido através do soberano ou do chefe do executivo. Só que, em não sendo independente, acabaria instrumento à disposição do detentor do poder político e não do regime democrático, que é, nos dias de hoje, sua mais relevante incumbência. A Constituição Federal fala em defesa dos interesses sociais 14 e individuais indisponíveis 15 pelo promotor, os quais são compreendidos como integrantes do interesse público. O interesse público é mais amplo e genérico do que parece à primeira vista, não se traduzindo simplesmente em interesse do Estado. O interesse público primário é o interesse de todos, da coletividade, do elemento humano do Estado; e o secundário é o interesse da administração do Estado. Na prática, então, o membro do Ministério Público poderá inclusive acionar o próprio Estado, quando entender que aquilo que o governante imaginar ser interesse público (interesse público secundário) não corresponde ao verdadeiro interesse da coletividade (interesse público primário). 13 PORTO, S. G. Sobre o Ministério Público no processo não criminal. Rio de Janeiro: Aide, p Constituição Federal art. 6º. Exemplo: educação, saúde, trabalho, moradia, lazer, segurança, previdência social, proteção à maternidade, à infância e assistência aos desamparados. 15 Constituição Federal art. 5º. Exemplo: direito à vida, à liberdade à segurança e à propriedade. 29

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

Marcel Brasil F. Capiberibe. Subprocurador do Ministério Público Especial Junto ao Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul

Marcel Brasil F. Capiberibe. Subprocurador do Ministério Público Especial Junto ao Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Critérios institucionais diferençados entre as funções do Ministério Público junto à justiça ordinária e as atribuições funcionais do Ministério Público especial junto ao Tribunal de Contas Marcel Brasil

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TECNICA Nº 017 /2015-MPSP

TERMO DE COOPERAÇÃO TECNICA Nº 017 /2015-MPSP TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA QUE ENTRE SI CELEBRAM O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO E A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA. CONSIDERANDO que a assistência em saúde mental, prestada por meio

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

[FÊNIX ASSOCIAÇÃO PRÓ SAÚDE MENTAL]

[FÊNIX ASSOCIAÇÃO PRÓ SAÚDE MENTAL] A IMPORTÂNCIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA SAÚDE O Ministério Público tem a sua razão de ser na necessidade de ativar o Poder Judiciário, em pontos em que esta remanesceria inerte porque o interesse agredido

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades DIREITO À CIDADE UM EXEMPLO FRANCÊS Por Adriana Vacare Tezine, Promotora de Justiça (MP/SP) e Mestranda em Direito Urbanístico na PUC/SP I Introdução A determinação do governo francês de proibir veículos

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher

Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher A Defensoria Pública do Estado de São Paulo, através de seu Núcleo Especializado de Promoção e Defesa, vem por meio deste, apresentar os projetos apresentados por conta da assinatura do Termo de Cooperação

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES Conselho Tutelar Órgão permanente e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente,

Leia mais

ENUNCIADOS DA ASSESSORIA DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS DE 2009

ENUNCIADOS DA ASSESSORIA DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS DE 2009 O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o procedimento nº 2009.000.30103, da Subprocuradoria-Geral de Justiça de Planejamento Institucional, AVISA aos Membros

Leia mais

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos - Conceito São os meios ou instrumentos através dos quais a Administração Pública exerce a atividade administrativa na gestão dos

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

Objetivo das definições: conferir contornos à RFB, definindo o papel do órgão e a sua inserção na Administração Pública Federal.

Objetivo das definições: conferir contornos à RFB, definindo o papel do órgão e a sua inserção na Administração Pública Federal. LEI ORGÂNICA DA RFB Definição: Trata-se de projeto de lei com a finalidade de regulamentar o disposto no art. 50 da Lei nº 11.457, que criou a Receita Federal do Brasil, englobando as atividades da extinta

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 Dispõe sobre as atribuições da Coordenação de Atendimento ao Preso Provisório da Defensoria Pública da Capital e dá outras providências.

Leia mais

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Os entes políticos, por vezes, encontram-se no pólo passivo de demandas judiciais referentes à entrega

Leia mais

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 003/2013

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 003/2013 RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 003/2013 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, pela Promotoria de Justiça da Comarca de Ortigueira, com fundamento no art. 27, parágrafo único, inc. IV, da Lei 8.625/93;

Leia mais

NOVA AGU versus VELHA AGU

NOVA AGU versus VELHA AGU NOVA AGU versus VELHA AGU Aldemario Araujo Castro Procurador da Fazenda Nacional Professor da Universidade Católica de Brasília - UCB Mestre em Direito pela Universidade Católica de Brasília - UCB Conselheiro

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

NOTIFICAÇÃO Nº 007.2015.59.1.1.930434.2014.56225

NOTIFICAÇÃO Nº 007.2015.59.1.1.930434.2014.56225 NOTIFICAÇÃO Nº 007.2015.59.1.1.930434.2014.56225 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAZONAS, pela Promotora de Justiça Dra. DELISA OLÍVIA VIEIRALVES FERREIRA, no exercício regular de suas atribuições institucionais,

Leia mais

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL 78 QUESTÕES DE PROVAS DA BANCA ORGANIZADORA DO CONCURSO SEFAZ/MS E DE OUTRAS INSTITUIÇÕES DE MS GABARITADAS. Seleção das Questões: Prof. Flávio Alencar Coordenação

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo.

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo. Conforme o Estatuto da Criança e do Adolesecente Art. 98. As medidas de proteção à criança e ao adolescente são aplicáveis sempre que os direitos reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou violados: I -

Leia mais

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL É o ato de intervir (tomar parte), toda vez que a ação de um Estado- Membro perturbe o sistema constitucional federativo ou provoque grave anormalidade

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO PARADIGMA PARA A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA.

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO PARADIGMA PARA A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO PARADIGMA PARA A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. INTRODUÇÃO A democratização da economia, as frequentes mudanças que se processam

Leia mais

200 Questões Fundamentadas do Ministério Público

200 Questões Fundamentadas do Ministério Público 1 Para adquirir a apostila digital de 200 Questões Fundamentadas acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4 Respostas...59 Bibliografia...101 2 APRESENTAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011. (Do Sr. Reinaldo Azambuja)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011. (Do Sr. Reinaldo Azambuja) PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Reinaldo Azambuja) Acrescenta à Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, que Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências., os dispositivos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Competência da Justiça Militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* A Justiça Militar é um dos órgãos do Poder Judiciário, com previsão constitucional e Lei de Organização Judiciária que

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida,

Leia mais

forma que a reserva comandada constitucionalmente já esteja cumprida (...), e, não estando,

forma que a reserva comandada constitucionalmente já esteja cumprida (...), e, não estando, A Constituição da República no art. 37, inciso VIII, estabelece que a lei reservará o percentual dos cargos e empregos públicos para as pessoas com deficiência e definirá os critérios de sua admissão.

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS Prof. Gabriel Dezen Junior (autor das obras CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS e TEORIA CONSTITUCIONAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS, publicadas pela Editora Leya

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades competentes, visando sanar ilegalidades ou abuso de poder

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

CURSO ESTAGIÁRIO DO MP

CURSO ESTAGIÁRIO DO MP CURSO ESTAGIÁRIO DO MP BRUNO PRISINZANO PEREIRA CREADO: Advogado trabalhista e Membro do Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Direito. Mestre em direitos sociais e trabalhistas. Graduado em

Leia mais

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas PL 5196/2013 Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas Medidas Corretivas: natureza jurídica. [redação original do PL] Art. 60-A. Sem prejuízo da sanções

Leia mais

o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública

o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública unifesp, 23.04.2009 tópicos conhecendo o mpf unifesp e administração pública atuação do mpf/sp na unifesp tutela de direitos coletivos defesa do patrimônio

Leia mais

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006 CARLOS CABRAL CABRERA Membro do Ministério Público do Estado de São Paulo. Professor de Direito Constitucional da Faculdade de Direito da Universidade Paulista UNIP. ROBERTO MENDES DE FREITAS JUNIOR Membro

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

EFETIVIDADE DA AUDIÊNCIA PÚBLICA COMO MECANISMO DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL EM PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA

EFETIVIDADE DA AUDIÊNCIA PÚBLICA COMO MECANISMO DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL EM PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA EFETIVIDADE DA AUDIÊNCIA PÚBLICA COMO MECANISMO DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL EM PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA Aline Maia Pastor Willy Gonzales-Taco EFETIVIDADE DA AUDIÊNCIA PÚBLICA COMO MECANISMO DE PARTICIPAÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007.

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. Aprova a Política Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos - PNPDDH, define prazo para a elaboração do Plano Nacional de Proteção aos Defensores

Leia mais

Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI)

Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI) Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI) Processo de sua criação no âmbito do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, com vistas ao estabelecimento de um Código

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA Adoptada pela Resolução No. 44/25 da Assembleia Geral das Nações Unidas em 20 de Novembro de 1989 PREÂMBULO Os Estados Partes da presente Convenção, Considerando

Leia mais

Controle da constitucionalidade: França e Brasil

Controle da constitucionalidade: França e Brasil Fonte: Dr. Carlos Roberto Siqueira Castro Seção: Artigo Versão: Online Controle da constitucionalidade: França e Brasil Publicado 3 horas atrás Crédito @fotolia/jotajornalismo Por Maria Augusta Carvalho

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Dispõe sobre a criação, a organização e as atribuições da Ouvidoria do Ministério Público Federal. O Presidente da República, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. Dispõe sobre a organização sindical no setor público, afastamento de dirigentes sindicais, negociação coletiva, aplicação do direito de greve e sobre o custeio da organização

Leia mais

Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro AASSIJUR Fundada em 13 de maio de 1963 RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS

Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro AASSIJUR Fundada em 13 de maio de 1963 RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS Para incluir no site da ABRAP A Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro -, com sede própria localizada na Travessa do Ouvidor n 8, 3 andar,

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público:

Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público: Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público: Venho à presença de Vossa Excelência, nos termos do Regimento Interno deste Conselho, apresentar

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público.

RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público. RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público. - Resumo e destaques objetivos da Conferência proferida no

Leia mais

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA A 1 CNPJ 04.214.41910001-05 DECRETO N 3.091, DE 05 DE JANEIRO DE 2014. "Dispõe sobre a estrutura organizacional da Procuradoria Geral do Município ". O PREFEITO MUNICIPAL DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES,, no

Leia mais

C- ÁREA PROFISSIONAL DIREITO NA ÁREA DA SAÚDE PÚBLICA

C- ÁREA PROFISSIONAL DIREITO NA ÁREA DA SAÚDE PÚBLICA C- ÁREA PROFISSIONAL DIREITO NA ÁREA DA SAÚDE PÚBLICA DIREITO NA ÁREA DA SAÚDE PÚBLICA Titulação conferida: Aprimoramento Supervisora: Dra. Solange Gonçalves Roja Potecasu Características: (duração 12

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 13 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Lei 9.882/99

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

PRINCÍPIOS INSTITUCIONAIS DA DEFENSORIA PÚBLICA

PRINCÍPIOS INSTITUCIONAIS DA DEFENSORIA PÚBLICA PRINCÍPIOS INSTITUCIONAIS DA Caio Cezar Buin Zumioti 1 A Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 05 de outubro de 1988, em seu art. 5º, inciso LXXIV, diz que o Estado prestará assistência

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo

O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo SEM REVISÃO O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo Ary César Hernandez (*) Promotor de Justiça SP SUMÁRIO: 1 Generalidades. 1.1 O poder disciplinar. 1.2 Requisitos da aplicação de

Leia mais

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes Introdução ao Direito Administrativo NOÇÕES GERAIS O estudo do Direito Administrativo, no Brasil, torna- se um pouco penoso pela falta de um código, uma legislação

Leia mais

Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br

Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br ÉTICA: A RESPONSABILIDADE SOCIAL DO OUVIDOR/OMBUDSMAN Rui Maldonado ABO/RJ aborj_ouvidores@yahoo.com.br Empresa Cidadã:

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a negociação coletiva e o Acordo Coletivo de Trabalho com Propósito Específico. Art. 2º Para os fins desta Lei considera-se:

Leia mais

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12 Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Sumário Jurisdição Competência Ação Partes, Ministério Público e Intervenção

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2012.0000122121 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9074862-42.2007.8.26.0000, da Comarca de São José do Rio Preto, em que são apelantes PREFEITURA MUNICIPAL DE

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO

FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO PRATICA JURIDICA II : FASE DE POSTULAÇÃO AILTON SILVA ANTUNES NILSON DE OLIVEIRA JUNIOR TITO MARÇAL DE OLIVEIRA PEREIRA LINHARES-ES

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso

Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso Fonte: Ministério Público do Rio Grande do Norte Responsável: Dra. Janaína Gomes Claudino Criação do Conselho Municipal do Idoso Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso

Leia mais

DIREITO DE ACESSIBILIDADE NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA

DIREITO DE ACESSIBILIDADE NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA 1 DIREITO DE ACESSIBILIDADE NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA Cezar E. Martinelli 1 RESUMO: O artigo fala sobre o Direito de Acessibilidade e sua importância, ligado aos movimentos sociais que promovem

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 1 9 6 3 1 9 6 3 PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 Lei nº 299/ 2008. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal do Idoso, do Fundo Municipal do Idoso e dá outras

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL AO ILUSTRÍSSIMO SENHOR SÉRGIO FRANKLIN QUINTELLA VICE-PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS RECOMENDAÇÃO 1. Considerando que a Constituição Federal de 1988 atribui ao Ministério Público, nos termos do

Leia mais

FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA

FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA Promover a Defesa do Meio Ambiente Aperfeiçoar e estruturar a atuação do

Leia mais

Institucionalização do Ministério Público

Institucionalização do Ministério Público Institucionalização do Ministério Público Procurador Regional da República / 2ª Região RJ-ES 1. Origem, Histórico e Evolução Controverte-se sobre as origens do M.P.. Alguns a vêem há mais de quatro mil

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUTIVO, MOVIMENTOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS

MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUTIVO, MOVIMENTOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUTIVO, MOVIMENTOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS Área: CÍVEL E ESPECIALIZADAS Autoras: Bettina Estanislau Guedes Maria Ivana Botelho Vieira da Silva I. INTRODUÇÃO Nunca é demais relembrar

Leia mais

Palavras-chaves: Impeachment, Presidente da Republica, Infrações Político- administrativas.

Palavras-chaves: Impeachment, Presidente da Republica, Infrações Político- administrativas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA IMPEACHMENT Fernando França Caron Especialista em Direito Constitucional pela Faculdade Damásio de Jesus Docente do Curso de Direito da UNILAGO RESUMO A Constituição Federal de

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0 CÓDIGO DE ÉTICA Aprovado pelo Conselho Consultivo da Saúde BRB Caixa de Assistência em sua 37ª Reunião Extraordinária, realizada em 10.12.2010. Brasília, 22 de fevereiro de 2011 I - APRESENTAÇÃO CÓDIGO

Leia mais

Poder Judiciário. Tabela 1 Poder Judiciário Primeira Instância Segunda Instância

Poder Judiciário. Tabela 1 Poder Judiciário Primeira Instância Segunda Instância O é a instituição encarregada de administrar justiça por meio dos tribunais. Sua função é assegurar o amparo, proteção ou tutela dos direitos dispostos nas leis. A Suprema Corte de Justiça é a máxima autoridade

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

Buscas e apreensões em escritórios dos advogados à luz do novo CPP Roberto Raposo Janeiro 2011 -o nível do desenvolvimento civilizacional -ser avaliado pelo grau de equilíbrio -poder dever punitivo do

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

UMA DEMOCRACIA FORMAL E UMA ESCOLA SEM FORMA: UMA REFLEXÃO POLÍTICO-CONSTITUCIONAL

UMA DEMOCRACIA FORMAL E UMA ESCOLA SEM FORMA: UMA REFLEXÃO POLÍTICO-CONSTITUCIONAL UMA DEMOCRACIA FORMAL E UMA ESCOLA SEM FORMA: UMA REFLEXÃO POLÍTICO-CONSTITUCIONAL Jairo da Luz Silva Departamento de Filosofia da UFMT jairoluz@brturbo.com.br Resumo: Este trabalho pretende abordar, divulgar,

Leia mais

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social INGRID CATARINA SOLEDADE CALASANS ingridcalasans@gmail.com ARYADNE MARTINS SOARES BOHRER aryadneadv@gmail.com

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

PROCESSO PENAL I 2ª - Par a t r e Pro r f o e f ss s o s r o : r :Ru R b u ens s Co C r o r r e r ia a Jun u ior

PROCESSO PENAL I 2ª - Par a t r e Pro r f o e f ss s o s r o : r :Ru R b u ens s Co C r o r r e r ia a Jun u ior PROCESSO PENAL I 2ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 I HISTÓRIA 2 PROCESSO E PROCEDIMENTO Procedimento: é o conteúdo do processo; Processo: atividade jurisdicional; SUJEITOS PRINCIPAIS E SECUNDÁRIOS

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais