FACULDADE UNA DE CONTAGEM MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE LOGÍSTICA LOGÍSTICA MILITAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE UNA DE CONTAGEM MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE LOGÍSTICA LOGÍSTICA MILITAR"

Transcrição

1 FACULDADE UNA DE CONTAGEM MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE LOGÍSTICA LOGÍSTICA MILITAR A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA NAS FORÇAS ARMADAS BRASILEIRAS: AERONÁUTICA ALUNO: Rondecarlos Teles Francisco PROFESSOR ORIENTADOR: Paulo Renato Sousa Contagem /MG 1ºsemestre / 2012

2 RESUMO A logística trata-se da engrenagem do mundo desde a antiguidade, sem ela o mundo não funciona, ele entra em estado vegetativo, sabemos que ela é essencial, porém, muitos desconhecem sua origem, quando o termo começou a ser usado, onde, porque, e quais meios contribuíram para sua evolução, pois bem, o presente artigo compromete-se a apresentar um breve relato sobre a origem da logística e principalmente sobre o principal colaborador para sua evolução, hoje toda organização seja ela de pequeno ou grande porte depende de uma forma ou de outra da logística, porém, pouquíssimas dessas organizações sabem que os confrontos armados foram de suma importância para o desenvolvimento e evolução da logística, que tem como o objetivo, prover os recursos no local certo, na quantidade certa e na hora certa, temos muito artigos que retratam como a logística funciona nas organizações, porém, hoje vamos falar da logística empregada dentro do seu principal colaborador as forças armadas, a seguir um estudo científico que propõe apresentar a importância da logística dentro da Força Aérea Brasileira. Palavras chaves: Força Aérea Brasileira, Logística, Origem e Evolução. 1.0 INTRODUÇÃO As guerras tiveram uma contribuição de suma importância para os avanços logísticos, mas antes vamos conhecer um pouco da origem e história da logística. A origem do nome logística vem do grego logos, que significa discurso, razão, racionalidade, linguagem, frase, mais especificamente da palavra grega logistiki, significando contabilidade e organização financeira, na Grécia antiga, império Romano e império Bizantino, os oficiais militares com o título Logistikas eram responsáveis pelos assuntos financeiros, obtenção de recursos e pela distribuição de suprimentos na guerra. A 2

3 palavra logística tem a sua origem no verbo francês loger alojar ou acolher. Inicialmente considera-se que a logística nasceu para sanar as necessidades dos militares com o abastecimento das tropas com armamento munições e rações. Segundo Souza (2002) a logística originou-se no século XVIII, no reinado de Luiz XIV, onde existia o posto de Marechal General de Lógis responsável pelo suprimento e pelo transporte do material bélico nas batalhas. Segundo Gallo (1998), o primeiro general a utilizar esse termo, foi o general Von Claussen de Frederico da Prússia, e mais tarde foi desenvolvida mais adiante pela Inteligência Americana CIA, juntamente com os professores de Harvard, para a Segunda Guerra Mundial. No Brasil, de acordo com o Centro de Comunicação Social do Exército Brasileiro, as primeiras atividades logísticas desenvolvidas pelos militares brasileiros remontam a época imperial. Em 1821, durante a regência de D. Pedro I, foram efetuadas as primeiras incumbências referentes ao rancho da tropa, ao fardamento, ao equipamento, ao material de acampamento, ao arreamento e aos utensílios usados no Exército. A Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR) define logística como: "conjunto de atividades relativas à previsão e à provisão dos recursos de toda natureza necessários aos componentes da Expressão Militar do Poder Nacional, na paz e na guerra". Depois desta breve apresentação venha a pergunta a ser respondida no decorrer do artigo: Qual a importância da logística dentro da aeronáutica? 2.0 OBJETIVO GERAL Mostrar qual a importância da logística dentro da Aeronáutica. 3

4 3.0 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Expor os conceitos, princípios e fases logísticas da Aeronáutica; Mostrar as funções logísticas na Aeronáutica; Apresentar o planejamento logístico da Aeronáutica. 4.0 FUNDAMENTAÇÃO TEORICA 4.1 Detalhamentos do Comando Logístico da Aeronáutica Brasileira Nas Forças Armadas do Brasil, a logística é parte integrante do Serviço de Intendência criado em 1920 com a vinda da Missão Militar Francesa. Em 1969 foi criado a COMGAP (Comando-Geral de Apoio) com a finalidade de planeja, gerenciar, e controlar as atividades relacionadas ao apoio logístico e serviços que visam atender as necessidades aeronáuticas, bélicas, de infraestrutura, de transportes, de recursos humanos entre outros, sua estrutura organizacional é dividida entre as seguintes diretorias: Diretoria de Material Aeronáutico e Bélico (DIRMAB): cuja finalidade é tratar de assuntos relativos ao apoio logístico do Sistema de Material Aeronáutico (SISMA) e do Sistema de Material Bélico (SISMAB), no que concerne às funções de suprimento e manutenção; Diretoria de Engenharia da Aeronáutica (DIRENG) tem como objetivo orientar executar, coordenar e controlar as atividades relacionadas com Engenharia de Infraestrutura Aeroportuária, Engenharia de Edificações, Engenharia de Campanha, Patrimônio, Transporte de Superfície e Contra-incêndio afetas ao COMAER; Instituto de Logística da Aeronáutica (ILA) que possui a finalidade de desenvolver as capacidades técnicas e gerenciais dos profissionais dos Sistemas Logísticos da Força Aérea Brasileira, por intermédio das atividades de Ensino e Pesquisa; 4

5 Diretoria de Tecnologia da Informação da Aeronáutica (DTI) responsável pelo emprego da TI, a fim de garantir a efetividade do Sistema de Tecnologia da Informação do COMAER (Comando da Aeronáutica). A seguir organograma das diretorias citadas acima. Fonte: Força Aérea Brasileira Hoje a Aeronáutica conta com um efetivo total de colaboradores sendo que são homens, 9927 mulheres. Seu efetivo total militar apresenta os seguintes dados, Oficiais 9279 colaboradores; Suboficiais e Sargentos colaboradores; Cabos, Soldados e Taifeiros colaboradores. Cadetes e Alunos 3496, e um efetivo civil de 6547 pessoas. 4.2 Conceitos Logísticos da Aeronáutica A seguir alguns conceitos logísticos utilizados na Aeronáutica: 5

6 Apoio Logístico: É o conjunto de atividades relativas à previsão e à provisão dos recursos de toda a natureza, que visam a assegurar a satisfação das necessidades da Aeronáutica na quantidade, momento e local adequados. Desenvolvimento: É o processo de especificação, projeto, teste e produção dirigida ao atendimento de uma necessidade específica. Fator de Consumo: Índice utilizado para estimar a quantidade de um item de suprimento a ser consumido em um determinado período. Fator de reposição: Índice que fornece a quantidade necessária para reposição de suprimentos durante certo período; Função Logística: É a reunião, sob uma única designação, de um conjunto de atividades logísticas afins, correlatas ou de mesma natureza; Logística Aeroespacial: É o conjunto de atividades relativas à previsão e à provisão dos recursos e dos serviços de toda natureza, necessários ao emprego do Poder Aeroespacial; Logística Militar: É o conjunto de atividades relativas à previsão e à provisão dos recursos essenciais para o desenvolvimento das missões das Forças Armadas; Material Capturado: Material utilizado pela força inimiga, que venha a ser capturado ou encontrado pelas Forças Armadas; Material Salvado: Todo material aliado encontrado em situação de abandono, cujo o reparo pode ser feito para utilização em ocasiões futuras; Mobilização Aeroespacial: Atividades planejadas e orientadas pelo Comando da Aeronáutica, com finalidade de capacitar o Poder Aeroespacial em situações de emergência; Padronização: E a utilização mais eficiente possível dos recursos disponíveis, de modo de assegurar sua compatibilidade com equipamentos, armamentos, suprimentos entre outros; Planejamento Militar: É o conjunto de atividades, metodicamente desenvolvidas, com maior ou menor grau de detalhes, para esquematizar a solução de um problema e ou para atingir objetivos estabelecidos. 4.3 Princípios Logísticos 6

7 Trata-se de princípios que devem ser observados no planejamento e na execução das atividades logísticas, dentre destes princípios estão relacionados: Objetivos: Esforços necessários para a realização de metas traçadas, caso o objetivo não for bem traçado os demais princípios podem ser prejudicados; Continuidade: E o processo de manter as ações sem interrupção, assegurando o sequenciamento do trabalho: Controle: Acompanhamento das atividades planejadas, com assim evitando erros e caso apareçam corrigir a tempo, para evitar interferência no propósito estabelecido; Coordenação: Trata-se de esforços de partes semelhantes e distintas dentro da organização com o objetivo comum de atingir o propósito estabelecido; Economia de Meios: Alcançar o máximo rendimento através do emprego eficiente dos meios disponíveis, distribuindo de forma correta; Flexibilidade: Fator de se adaptar rapidamente a mudanças inesperadas; Interdependência: Sinergia necessária entre planejamento logístico e operacional para obtenção dos resultados planejados; Objetividade: Identificar as ações necessárias para atingir o objetivo estabelecido e utilizar os meios necessários de forma coordenada; Oportunidade: Significa prever e prover os meios necessários no momento adequado; Prioridade: Manter claro os objetivos claros e secundários; Segurança: Trata-se da certeza que o plano estabelecido está dentro do conformes, evitando assim surpresas desagradáveis; Simplicidade: Uso das ações mais simples e adequadas para a realização das atividades logísticas, de forma a assimilação e execução serem fáceis de serem compreendidas; Unidade de Comando: Comando único para operações de mesmas finalidades necessita ter uma cadeia de comando bem definida, com responsabilidades bem divididas, comunicação de fácil compreensão, adequados e uma doutrina logística da Aeronáutica de fácil assimilação. 4.4 Fases de Logística 7

8 Segundo a doutrina da aeronáutica, a logística da Aeronáutica se divide em três fases, intimamente relacionadas entre si e devem ser sempre consideradas em conjunto quanto à sua aplicabilidade nas suas funções, atividades e tarefas, tratam-se das fases de determinação das necessidades; obtenção; e distribuição Determinação das Necessidades Para se realizar com sucesso uma determinada ação, é de suma importância a identificação das necessidades, para auxiliar na criação de bases para obtenção e distribuição das mesmas, para a criação destas bases tende a ser considerados todos os recursos que deverão estar disponibilizados para suportar as outras fases da logística. Para determinar essas necessidades compreende-se: Iniciais: Destinadas a suprir os diferentes níveis de suprimentos, necessários ao início de uma operação; Recompletamento e Manutenção: Destinadas a reposição de pessoas, níveis de estoque e materiais necessários para manutenção e execução das missões atribuídas a Aeronáutica; Reserva: Necessárias para atendimento em situações como, emergência, fins específicos com abastecimento de tropas com equipamentos, além, evitar deterioração devido ao longo tempo de armazenagem, todos os suprimentos devem ser periodicamente consumidos e substituídos em estoque por mais novos; Fins Especiais: São necessidades imprescindíveis para obtenção de sucesso em determinadas missões especiais como: apoio a população civil, trânsito, forças armadas entre outras forças aliadas de apoio Fase de Obtenção 8

9 Trata-se da fase onde são identificados as fontes e os meios de aquisição de recursos necessários para uma determinada ação logística, divide-se em obtenção de RH e obtenção de materiais e animais de serviços Obtenção de RH Essa obtenção de suma importância é feita através dos seguintes métodos: Movimentação de pessoal; Treinamento; Concurso; Formação; Convocação de reservistas; Mobilização; e Recrutamento Obtenção de Recursos de Materiais e Animais Na obtenção de recursos materiais para as Forças Armadas devem ser consideradas as exigências de padronização. Essa obtenção é feita através das seguintes modalidades abaixo: Doação: Concessão de forma gratuita, sem fins lucrativos ou interesses; Compra: Aquisição do bem necessário mediante ao meio mais aconselhável, o pagamento do fornecedor, seja a prazo ou à vista; Contratação: Processo de pagamento a um determinado prestador de serviço especializado; Confisco: Apropriação de bens ou serviços, com o caráter punitivo, sem pagamento; 9

10 Contribuição: Trata-se de um pagamento de tributo periódico ou sazonal, visando um determinado fim militar, podendo haver ou não ressarcimento; Pedido: Solicitação formal ao órgão responsável pela compra ou fornecimento, de um determinado bem necessário para o desenvolvimento de uma atividade; Requisição: Imposição escrita da necessidade de fornecimento de materiais e animais; Desenvolvimento: Processo de projetar e ou produzir bens ou serviços para o atendimento de uma necessidade específica; Troca: Aquisição de bens o serviços mediante o ressarcimento em forma de outros bens ou serviços; Empréstimos: Bens cedidos gratuitamente, que deverão ser devolvidos a origem depois do uso e consequentemente obtenção do objetivo planejado, no estado em que foram cedidos; Arrendamento Mercantil: Processo em que um bem é cedido mediante o pagamento de prestações periódicas, onde no final do pagamento o usuário disponha da opção de compra: Transferências: Processo de remanejar materiais e ou animais entre organizações militares; Convênio: Cooperação de serviços de partes que possuem interesses recíprocos, com organizações públicas, federais ou particulares; Utilização de Salvados de Guerra: Aproveitamento de bens já utilizados pela própria Forças armadas ou aliadas; Utilização de Material Capturado: Utilização de materiais capturados das forças inimigas Distribuição Consiste em prover o material requerido, no momento certo, na quantidade certa na hora certa de acordo com as necessidades. Compreende os serviços de recebimento, armazenamento e transportes. 10

11 Recebimento: Estabelece o estabelecimento do destino inicial e a priorização para o transporte, armazenamento e entrega do bem ou serviço; Armazenamento: Auxilia na escolha do local de armazenagem, as formas de alocação, o controle e preservação do material em trânsito, elo de ligação entre compra e envio do material; Transportes: Trata-se do deslocamento do material desde o ponto de armazenagem até o local de consumo; Entrega: Transferência do material do armazém para o usuário. 4.5 Principais Funções da Logística na Aeronáutica Segundo Bowersox (2001), a logística integrada não se restringe a empresas com, fins lucrativos, nem é exclusiva de empresas industriais. A urgência de integrar necessidades e operações ocorre em todas as empresas, assim como em organizações do setor público (...) As Funções Logísticas consistem na integração de atividades e tarefas específicas, com o propósito de atender a Aeronáutica, a seguir as principais funções logísticas na Aeronáutica: Recursos Humanos; Saúde; Suprimento; Manutenção; Engenharia e Transporte Recursos Humanos Tem como objetivo gerenciar os recursos humanos dentro da aeronáutica, entre suas atividades pode-se destacar: Levantamento das necessidades do RH: Definem quais as necessidades, quando, quantidade, qualificações e disposição dos RH a partir de uma determinada operação e/ou ação prevista pela Aeronáutica; A procura e admissão de recursos humanos: Atividades que se desenvolve por meio de alistamento, voluntariado, concursos entre outros meios, seguido por seleção e contratação; Preparação: Consiste em transformar os RH contratados em efetivos prontos para exercer o serviço militar através de treinamentos, formação e recursos técnicos; 11

12 Administração: Visa incorporar os RH dentro da Organização Militar, na quantidade e qualificação necessária para o cumprimento das missões aos mesmos destinados; estabelecendo perfis e cargos, substituições e avaliações do desempenho; Bem-estar e manutenção do moral: Tem como finalidade proporcional um ambiente agradável aos RH tanto físico quanto mental, além, de prover motivação para os RH Saúde Consiste em realizar atividades necessárias para a conservação dos recursos humanos, nas condições adequadas física e psíquica, por intermédio de medidas sanitárias de prevenção e de recuperação, dentro desta função podemos citar: Levantamento das necessidades: Averiguas as necessidades das instalações, de corpo técnico e de material para apoio de saúde em uma determinada situação; Determinação de padrões psicofísicos: Estabelece critérios para desenvolvimento de atividades através de seleção médica; Seleção médica: Avalia os RH comparando os mesmos com padrões preestabelecidos para admissão e ou continuação de uma determinada atividade; Medicina preventiva: Tem a função de preservar a saúde física e mental dos RH; Medicina curativa: Destinada a tratamento de doentes e feridos, com a finalidade de devolver ao homem e seus animais as suas condições físicas e psíquicas normais. Medicina aeroespacial: Estuda a reação do organismo humano em variações ambientais próprias de atividades aéreas e espaciais Logística de Suprimentos, Controle de Estoque e Distribuição. Conjunto de atividades com o objetivo de prover a diferentes organizações todos os recursos materiais necessários destaca-se dentro desta função: 12

13 Inspeção: Necessária para determinar os suprimentos que devem estar disponível para o uso da força aérea; Requisição: E a formalização da necessidade de algo; Procura: consiste em localizar um item ou serviço necessário para suprir as necessidades da aeronáutica; Compra: Aquisição do bem requerido mediante a pagamento; Recebimento: Conjunto de procedimentos administrativos necessários para liberação da entrada de um item; Catalogação: Processo que ocorre a identificado e classificado do suprimento; Armazenagem: Consiste em alocar os suprimentos de forma ideal, organizada garantindo assim sua segurança e fácil localização; Fornecimento: Tem a finalidade de fornecer o suprimento certo, na hora certa, na quantidade certa para a unidade solicitante; Expedição: Como o próprio nome já conceitua tem a função de remeter um suprimento a uma unidade solicitadora; Transferência: Ações administrativas tomadas para que um determinado suprimento saia de uma unidade (armazenamento) para outra; Descarga: Consiste em retirar o objeto anteriormente incluído do serviço aeronáutico, ou seja, inutilizando o mesmo; Alienação: Ato de transferir a propriedade seja remunerado ou gratuito, exemplo, venda ou concessão de domínio; Controle de Estoque Ações gerenciais, com o intuito de manter o controle do nível de estoque sempre dentro das normas estabelecidas pela política da aeronáutica. Dentro do controle existem duas classificações a Militar e Catalogação. A classificação militar agrupa todos os itens de suprimento, classificando os mesmos em 10 classes de acordo com o planejamento logístico que são as seguintes: 13

14 Classe I - Material de Subsistência, (necessários para a sobrevivência); Classe II - Material de Intendência, (uniformes, equipamentos individuais, etc) Classe III - Combustíveis e Lubrificantes; Classe IV - Material de Construção; Classe V - Armamento e Munição; Classe VI - Material de Engenharia e de Cartografia; Classe VII - Material de Comunicações, Eletrônica e de Informática; Classe VIII - Material de Saúde; Classe IX - Material Naval, de Motomecanização e de Aviação; Classe X - Materiais não incluídos nas demais classes. A classificação por catalogação reuni todos os suprimentos em grupos e classes, classificando-os por meios de símbolos, desenvolvendo uma linguagem única entre eles, disseminada mediante a publicação Distribuição de Suprimentos na Aeronáutica Para a distribuição de suprimentos na aeronáutica são utilizados três processos, que respectivamente: Distribuição em Instalação de Suprimentos: Trata-se do processo em que a Organização de Apoio vai de encontro ao Escalão de Apoio para receber seus suprimentos, porém, com seus próprios meios de transportes; A distribuição na Unidade: Processo contrário da Distribuição em Instalação de Suprimentos, neste processo o Escalão de Apoio realiza a entrega na Organização de Apoio, com seus meios de transportes; Processos Especiais: Organizados pelo Escalão de Apoio de acordo com a necessidade das operações Níveis de Estoque e Classificação. 14

15 Visa manter a quantidade limite de itens dentro do estoque nos diversos órgãos de suprimentos e organizações militares sempre atendendo a demanda e previsões, pode ser expresso em dias, quantidade de itens ou unidades de medidas de suprimentos. A seguir as classificações no nível de estoque: Operacional: Trata-se da quantidade estimada de suprimentos, avaliados como necessários a ser mantido dentro do estoque; Estoque de Segurança (Mínimo): Quantidade mínima de estoque necessária para atender possíveis atrasos, aumento na demanda, apresenta como limite no qual o estoque de cada item deve abaixar. Estoque de Reserva: Suprimentos cuja sua retenção está autorizada, para atender possíveis planos de emergências ou novos equipamentos; Estoque Máximo: Soma dos estoques mínimos e operacionais. 4.6 Manutenção Conjunto de atividades executadas com o objetivo de manter os materiais de acordo com sua condição ideal de uso, visando prever avarias e quando ocorrer restabelecer suas condições ideais de uso, lembrando que manutenção e suprimentos são interdependentes. Podemos destacar as seguintes atividades: Inspeção: Tem a finalidade de exercer o controle de qualidade e verificar se o material ou matéria-prima está dentro das especificações ideias; Teste: Verificação do desempenho e funcionamento de equipamento, sistema ou componente, dentro requisitos estabelecidos; Conservação: Consiste em realizar a manutenção do suprimento visando mantê-lo em condições ideais para uso; 15

16 Reparo: Tem o objetivo de concertar determinadas partes dos itens de suprimentos recolhidos na oficina, com o objetivo de coloca-los novamente em atividade; Recuperação: Visa voltar um item ou equipamento a seu estado de uso original, assim, consequentemente reestabelecer seu nível de eficiência; Modificação: Alteração em equipamentos ou componentes, mediante a especificação técnica e autorização; Fabricação: Transformação da matéria prima em produto final, através de uma série de processos; Neutralização: Processo de retirar o perigo de materiais com efeitos explosivos; Depanagem: Desmanche de material obsoleto, visando aproveitar seus componentes e peças que estejam em bom estado; Salvamento: Ações necessárias para o resgate de recursos materiais, cargas ou itens acidentados, como por exemplo, meio de transporte desde o local da ocorrência para a manutenção; Planejamento e Controle de Manutenção: Conjunto de atividades que visa prever e controlar as manutenções de determinados equipamentos Tipos de Manutenção A Aeronáutica possui três tipos de manutenção que são denominadas como: Preventiva: Realizada com o intuito de evitar a queda de desempenho de um determinado material, reduzindo avarias por meio de manutenção periódica do mesmo e se necessário tomar as medidas necessárias para o restabelecimento de suas funções operacionais; Preditiva: Baseada em parâmetros de confiabilidade, que acompanham e analisam a evolução de estado de um determinado equipamento e ou sistema, assim realizando o planejamento de manutenções quando forem necessárias; Modificadora: Tem a finalidade de adequar o equipamento a uma determinada atividade operacional, ou melhorar seu desempenho. 16

17 Corretiva: Consiste em reparar ou recuperar materiais danificados e coloca-los em condições de uso; Escala de Manutenção: Refere-se ao grau de trabalho necessário nas atividades de manutenção, em função da dificuldade do serviço e a necessidade de homens hora para realização do mesmo. 4.7 Engenharia Conjunto de atividades executadas que visa a obter, adequar, manter e recuperar a infra-estrutura física e as instalações existentes, como aeródromos, terminais de transportes, bases aéreas, abrigos e instalações diversas. Desde o planejamento até a execução das atividades, a engenharia deve prover a máxima utilização da infra-estrutura. A seguir algumas funções: Construção: Trabalho isolado ou em conjunto para obtenção de um novo recurso físico; Ampliação: Tem a finalidade de aumentar a capacidade de utilização de um recurso físico já existente; Reforma: Tem objetivo de melhorar a eficiência de um recurso físico, sem aumentar sua capacidade; Adequação: Consiste em alterar a destinação de um recurso físico já existente; Demolição: Processo de destruir ou desfazer um recurso físico; Remoção: Ato de transferir um recurso físico para outro lugar; Desobstrução: Tem como objetivo retirar barreiras artificiais ou naturais que possa dificultar a utilização do espaço físico; Montagem: Reunião de peças que juntas possam funcionar e atender as necessidades da organização, em forma de equipamentos; 17

18 Avaliação: Levantamento de informações técnicas, com intuito de verificar se a infraestrutura é adequada para determinados fins; Serviços Especiais de Obstrução: Tem como objetivo anular a possível utilização da infra-estrutura pelo inimigo; Camuflagem: Visa enganar o inimigo sobre a existência, seja de aeronaves, aeródromos, instalações, equipamentos e atividades. 4.8 Transportes É o conjunto de atividades que visam o realizar o deslocamento de recursos humanos, materiais e animais, para os locais predeterminados, no momento oportuno, a fim de atender às necessidades da Aeronáutica. Considera-se transporte militar aquele realizado sob a direção militar, para atender às necessidades das Forças Armadas. A principio são utilizados os meios de transporte orgânicos para o atendimento das suas necessidades, para o apoio a outras Forças ou para o auxílio às instituições civis, a cooperação entre as forças é essencial para a obtenção de um custo menor da logística, aumentando assim a eficiência do transporte, os meios civis podem ser utilizados mediante a contratação de seus serviços. Está mobilização dos transportes permitirá a utilização de meios que serão postos à disposição das Forças Armadas, bem como da infra-estrutura necessária para a utilização dos mesmos. Lembrando que a deficiência de transportes é um fator que limita a execuções e consequentemente o sucesso das operações. Abaixo as funções do transporte dentro da Aeronáutica: O levantamento das necessidades: Os usuários de transporte apresentam, periodicamente, aos órgãos de apoio, o planejamento de suas necessidades para o período subseqüente. 18

19 Seleção: Consiste na escolha da modalidade de transportes a ser utilizada em determinada operação, podendo ser, aéreo, aquaviário, cabotagem, terrestre ou dutoviário; Gerência de Transportes: Tem a finalidade de coordenar todos os processos relacionados a transportes dentro da Aeronáutica. 5.0 Planejamento Logístico Trata-se da base para o planejamento logístico da Aeronáutica, pois, integra o planejamento militar e aeroespacial, que coordenado com planejamentos estratégicos, operacionais e táticos, consiste em formular ações para solucionar problemas existentes. A seguir algumas características do planejamento logístico: Deve ser realizado em tempo hábil e sempre ser atualizado, para futuras reformulações; Deve atender as necessidades da Aeronáutica, no momento certo, na qualidade certa, na quantidade certa, garantindo sempre a disponibilidade futura; Deve ser fundamentada na existência de meios reais ou passíveis de mobilização dentro das condições de tempo e espaço de acordo com o planejamento; Deve ser integrada e flexível, provendo sempre alternativas quando se comprova a impossibilidade de atender algo solicitado; 6.0 METODOLOGIA Segundo parâmetros de Gil (2010), está pesquisa pode ser classificada com descritiva. 19

20 De acordo com Gil (2010) pesquisas descritivas tem como objetivo a descrição de características de determinada população. Podem ser elaboradas também com a finalidade de identificar possíveis relações entre variáveis Para o desenvolvimento deste trabalho de pesquisa, foram levantados dados através de pesquisas bibliográficas. Segundo Gil (2010) a pesquisa bibliográfica é elaborada com base em material já publicado com livros, revistas, jornais, teses, dissertações e anais eventos científicos. Todavia em virtude da disseminação dos novos formatos de informação, estas pesquisas passaram a incluir outros tipos de fontes como discos, fitas magnéticas, CDs, bem como o material disponibilizado pela internet. Nesta pesquisa foram utilizados basicamente dados colhidos de meios digitais, uma vez, que o assunto em destaque não tem abordagem nos principais livros de logística que conhecemos hoje. 6.0 RESULTADOS De fato, podemos analisar como o planejamento logístico empregado dentro da Aeronáutica através da integração das operações internas e externa, possibilitou a criação de diretrizes que dão um norte para seus colaboradores de forma simples e objetiva desde o mais baixo nível hierárquico da organização ao mais alto comando, sempre evidenciando e relacionando atividades chaves e complementares de suma importância para a manutenção e cumprimento de todos os objetivos estratégicos da Aeronáutica, não é de se admirar que os conceitos logísticos provenientes das organizações militares são copiados pelas organizações empresarias e com os avanços tecnológicos as organizações procuram meios de aperfeiçoalos, pois, necessitam vencer batalhas diárias contra um mercado cada vez mais competitivo, e sabem que hoje tem como um trunfo a logística, que se tornou uma arma fundamental e um diferencial competitivo para enfrentar e ganhar estas batalhas. 20

21 REFERÊNCIAS BOWERSOX, Donald J.; CLOSS, David J. Logística empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimento. São Paulo: Atlas, COMANDO DA AERONÀUTICA DOUTRINA MILITAR DOUTRINA DA LOGÍSTICA DA AERONÁUTICA. Disponível em: Acesso em: 14 jul FAB, Força Aérea Brasileira, COMPAG - Comando Geral de Apoio. Disponível em: <http://www.fab.mil.br/portal/capa/index.php?page=comgap#>. Acesso em: 11 jul GALLO, Ítalo Amauri. O Papel da Logística na Globalização. São Paulo, Disponível em: <http://www.guialog.com.br/artigo56a.html>. Acesso em: 14 jul ILA, Instituto Logístico da Aeronáutica, Divisão de Pesquisa Definição do termo Logística. Disponível em: < d=68>. Acesso em: 14 jul SEVERIANO, Antônio Joaquim, Metodologia do Trabalho Científico, 23ª Ed, Editora CORTEZ, SOUZA, Paulo Teixeira de. Logística Interna Para Empresas Prestadoras de Serviço Disponível em: <http://guialog.com.br/artigo350.htm>. Acesso em: 14 jul

Doutrina e Estratégia Militar. Ações de Caráter Sigiloso. Emprego da Força Terrestre em Operações. Logística de Material de Aviação

Doutrina e Estratégia Militar. Ações de Caráter Sigiloso. Emprego da Força Terrestre em Operações. Logística de Material de Aviação Programa 0620 Preparo e Emprego da Força Terrestre Ações Orçamentárias Número de Ações 16 24490000 Doutrina e Estratégia Militar Produto: Evento realizado Unidade de Medida: unidade UO: 52121 Comando do

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA DOUTRINA DE LOGÍSTICA MILITAR

MINISTÉRIO DA DEFESA DOUTRINA DE LOGÍSTICA MILITAR MINISTÉRIO DA DEFESA MD42-M-02 DOUTRINA DE LOGÍSTICA MILITAR 2002 MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE LOGÍSTICA E MOBILIZAÇÃO DOUTRINA DE LOGÍSTICA MILITAR 2 a Edição 2002 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Com a globalização da economia, a busca da

Com a globalização da economia, a busca da A U A UL LA Introdução à manutenção Com a globalização da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas. O que a manutenção

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Logística Empresarial e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Como enfrentar os desafios de um ambiente empresarial em constante mudança

Logística Empresarial e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Como enfrentar os desafios de um ambiente empresarial em constante mudança Logística Empresarial e a Gestão da Cadeia de Suprimentos Como enfrentar os desafios de um ambiente empresarial em constante mudança Produção e Distribuição Plantação de Ferro Produção em massa Just in

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA

Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA A Logística, ciência de origem militar que despontou das necessidades de preparação, movimentação e colocação de

Leia mais

Visando facilitar as consultas sobre os CFOP, elaboramos quadro prático contendo os códigos vigentes e respectivas datas de aplicação.

Visando facilitar as consultas sobre os CFOP, elaboramos quadro prático contendo os códigos vigentes e respectivas datas de aplicação. 1. Introdução Os Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) visam aglutinar em grupos homogêneos nos documentos e livros fiscais, nas guias de informação e em todas as análises de dados, as operações

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento Completem o DHF Melhoria Continua e Teste As Organizações como Sistemas Abertos As organizações estão em um constante estado de fluxo. AMBIENTE Estagio de

Leia mais

CÓDIGO DE GUIAS CFOP DE SAÍDAS DE MERCADORIAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇO CFOP. Descrição da operação ou prestação. Interna Interestadual Importação

CÓDIGO DE GUIAS CFOP DE SAÍDAS DE MERCADORIAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇO CFOP. Descrição da operação ou prestação. Interna Interestadual Importação CÓDIGO DE GUIAS CFOP DE SAÍDAS DE MERCADORIAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇO CFOP Interna Interestadual Importação 5.100 6.100 7.100 5.101 6.101 7.101 5.102 6.102 7.102 5.103 6.103 5.104 6.104 Descrição da operação

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional Subfunção: 128 - Formação de Recursos Humanos UO: 52201 - Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC

Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional Subfunção: 128 - Formação de Recursos Humanos UO: 52201 - Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC Programa 0630 Desenvolvimento da Aviação Civil Numero de Ações 14 Ações Orçamentárias 0B09 Apoio a Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Produto: Entidade apoiada Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional

Leia mais

Anexo I - Plano de Classificação de Documentos 33.01.01.01

Anexo I - Plano de Classificação de Documentos 33.01.01.01 Anexo I - Plano de Classificação de Documentos Secretaria de Estado de Segurança - SESEG Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro - PMERJ 33 - Competência: Exercer a polícia ostensiva e a preservação

Leia mais

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. A) ENTRADAS: N=Novo

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. A) ENTRADAS: N=Novo CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL Entradas Saídas A) ENTRADAS: Novos Antigos N=Novo GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPO 3 GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPO 3 1100 2100 3100 110 210 310 * COMPRAS

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Tabelas práticas. TABELA DE CFOP E CST è CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP

Tabelas práticas. TABELA DE CFOP E CST è CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP Tabelas práticas TABELA DE CFOP E CST è CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP TABELA I Das entradas de mercadorias, bens ou aquisições de serviços As operações praticadas pelos contribuintes do

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT MBA EM GERÊNCIA DE SISTEMAS LOGÍSTICOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Eduardo Pécora, Ph.D. Reflexão: Como chegar lá? Desenvolvimento Pessoal Rertorno Financeiro Título? Maior eficiência e eficácia? Avaliação

Leia mais

Manutenção preventiva

Manutenção preventiva A UU L AL A Manutenção preventiva Consideremos o motor de um automóvel. De tempos em tempos o usuário deverá trocar o óleo do cárter. Não realizando essa operação periódica, estaria correndo o risco de

Leia mais

VOCÊ está satisfeito com a

VOCÊ está satisfeito com a O Que é Logística? Logística e Distribuição A importância da Logística nas empresas 1 Logistica e Distribuição 2 Logistica e Distribuição Necessidade... Todos os dias milhões de produtos são fabricados

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS

NORMAS E PROCEDIMENTOS 1. DESCRIÇÃO DO SERVIÇO Instruções para preenchimento da Declaração de Operações Tributáveis - DOT que deverá ser entregue pela internet, com transmissão pelo programa Transmissão Eletrônica de Documentos

Leia mais

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2 3

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2 3 KARIN CRISTINA IKOMA Consultora/Impostos CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL A) ENTRADAS: NOVOS ANTIGOS GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2 3 1.100 2.100

Leia mais

Prof. Gustavo Boudoux

Prof. Gustavo Boudoux ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Recursos à disposição das Empresas Recursos Materiais Patrimoniais Capital Humanos Tecnológicos Martins, (2005.p.4) O que é Administração de Materiais?

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Administração de Recursos e Administração de Recursos e Objetivo Discutir o conceito da administração de recursos materiais e sua relação

Leia mais

CFOP - CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES

CFOP - CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP - CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES A presente relação de códigos fiscais é baseada no Convênio SINIEF s/nº, de 15.12.1970, com suas respectivas alterações. A relação encontra-se devidamente

Leia mais

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS 1 INTRODUÇÃO MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS O homem constrói máquinas, equipamentos, veículos, edificações, com o intuito de melhorar conforto e a segurança da sociedade. Entretanto, sabe-se que nada é

Leia mais

1 de 33 2/3/2011 13:47

1 de 33 2/3/2011 13:47 1 de 33 2/3/2011 13:47 RICMS 2000 - Atualizado até o Decreto 56.692, de 27-01-2011. ANEXO V - CLASSIFICAÇÃO DAS OPERAÇÕES, PRESTAÇÕES E SITUAÇÕES TRIBUTÁRIAS (a que se refere o artigo 597 deste regulamento)

Leia mais

TABELA DE CFOP E CST CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP. TABELA I Das entradas de mercadorias, bens ou aquisições de serviços

TABELA DE CFOP E CST CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP. TABELA I Das entradas de mercadorias, bens ou aquisições de serviços quarta-feira, 13 de maio de 2009 nmlkj Web nmlkji Site Pesquisa Home Institucional Produtos/Serviços Notícias Utilidades Classificados Contato Registre-se Entrar Utilidades» Tabela de CFOP CFOP E CST TABELA

Leia mais

AUDITORIA LOGÍSTICA PARA GERENCIAMENTO DE ESTOQUES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

AUDITORIA LOGÍSTICA PARA GERENCIAMENTO DE ESTOQUES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS AUDITORIA LOGÍSTICA PARA GERENCIAMENTO DE ESTOQUES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Maria Rita de Oliveira Ferreira (IFRN) ritaoliveira05@icloud.com Laura de Souza Matos (IFRN) lauramatosdesouza@hotmail.com

Leia mais

1. Introdução 2. Grupos 3. CFOP Das Saídas de Mercadorias, Bens ou Prestações de Serviços

1. Introdução 2. Grupos 3. CFOP Das Saídas de Mercadorias, Bens ou Prestações de Serviços CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP - SAÍDA Sumário 1. Introdução 2. Grupos 3. CFOP Das Saídas de Mercadorias, Bens ou Prestações de Serviços 1. INTRODUÇÃO Neste trabalho, dando continuidade

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu.

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PREVISÃO DE ESTOQUES NO CONTROLE E PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA EM UMA INDÚSTRIA PRODUTORA DE FRANGOS DE CORTE: UM ESTUDO DE CASO BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES A Biblioteca da Faculdade do Guarujá tem por objetivos: - Colaborar em pesquisas e projetos desenvolvidos pelo corpo docente e discente da Faculdade do Guarujá;

Leia mais

Código Fiscal De Operações E Prestações CFOP

Código Fiscal De Operações E Prestações CFOP Código Fiscal De Operações E Prestações CFOP! Última alteração: Ajuste Sinief nº 004, de 2010, DOU de 13/7/2010 1. As operações praticadas pelos contribuintes do ICMS e/ou IPI estão relacionadas e codificadas

Leia mais

Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica

Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica 1 Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica Alexandre Valentim 1 Dário Pinto Júnior 2 Fausto Kunioshi 2 Heloisa Nogueira 1 alexandrevalentim@uol.com.br dariompj@yahoo.com.br fausto.kunioshi@csn.com.br

Leia mais

Raphael Pereira de Morais

Raphael Pereira de Morais Raphael Pereira de Morais Cidade: Brasilia - DF Data de Nascimento: 20/07/1987 Estado Civil: Solteiro Telefone: (61) 3465-1047 (61) 8176-5855 E-mail: rp.morais2013@bol.com.br FORMAÇÃO ACADÊMICA Superior

Leia mais

Gestão Laboratorial GESTÃO DE. Prof. Archangelo P. Fernandes

Gestão Laboratorial GESTÃO DE. Prof. Archangelo P. Fernandes Gestão Laboratorial GESTÃO DE EQUIPAMENTOS II Prof. Archangelo P. Fernandes GESTÃO DE EQUIPAMENTOS II Manutenção: conjunto de medidas necessárias, que permitam manter ou restabelecer um sistema no estado

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Subordinação: Finalidade: ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR - ADMINISTRAÇÃO DIRETA AO PREFEITO

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

Sistema licenciado para CONTAX ORGANIZACAO CONTABIL S/C LTDA

Sistema licenciado para CONTAX ORGANIZACAO CONTABIL S/C LTDA Página: 01 1-000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1-100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1-101 Compra para industrialização 1-102 Compra para comercialização

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE COMANDO EM OPERAÇÕES NA GESTÃO DE DESASTRES

A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE COMANDO EM OPERAÇÕES NA GESTÃO DE DESASTRES A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE COMANDO EM OPERAÇÕES NA GESTÃO DE DESASTRES GESTÃO DE DESASTRES A expressão gestão de desastres foi recentemente conceituada pela Estratégia Internacional para a Redução de Desastres,

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Coordenadoria de Manutenção Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FUNCIONAL 3 3. ORGANOGRAMA: 3 4. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

3.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO OU PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS.

3.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO OU PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO OU PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU 2.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO OU PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU 3.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO OU PRODUÇÃO RURAL,

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Recursos Materiais e Patrimoniais

Recursos Materiais e Patrimoniais Recursos Materiais e Patrimoniais Professor conteudista: Jean Carlos Cavaleiro Sumário Recursos Materiais e Patrimoniais Unidade I 1 OS RECURSOS...2 1.1 Administração de materiais...6 1.1.1 Medida de desempenho...6

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

AJUSTE SINIEF 07/2001 DAS ENTRADAS DE MERCADORIAS E BENS E DA AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS. Compra para industrialização ou produção p

AJUSTE SINIEF 07/2001 DAS ENTRADAS DE MERCADORIAS E BENS E DA AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS. Compra para industrialização ou produção p TABELA CFOP - CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES AJUSTE SINIEF 07/2001 DAS ENTRADAS DE MERCADORIAS E BENS E DA AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS Grupo 1 CFOPs Grupo 2 Grupo 3 DESCRIÇÃO DA OPERAÇÃO OU PRESTAÇÃO

Leia mais

Sistemas de Informação: tipos e características

Sistemas de Informação: tipos e características Sistemas de Informação: tipos e características Tipos de sistemas de informação. Os quatro tipos principais de sistemas de informação. Sistemas do ponto de vista de pessoal Sistemas de processamento de

Leia mais

TABELA DE CFOP E CST CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP. TABELA II Das saídas de mercadorias, bens ou aquisições de serviços

TABELA DE CFOP E CST CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP. TABELA II Das saídas de mercadorias, bens ou aquisições de serviços Av. Visconde de Jequitinhonha, nº 279 Sala 205 Empresarial Tancredo Neves Boa Viagem Recife PE CEP: 51.021-190 Tel/Fax: (0**81) 3465.3055 E-mail: axiss@oi.com.br TABELA DE CFOP E CST CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

ICMS - Tabela - Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP)

ICMS - Tabela - Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) ICMS - Tabela - Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) Este procedimento apresenta todos os Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) a serem utilizados nas operações de entrada e saída

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

GERENCIAR ATENDIMENTO A EQUIPAMENTOS DE TI 1 OBJETIVO

GERENCIAR ATENDIMENTO A EQUIPAMENTOS DE TI 1 OBJETIVO Proposto por: Equipe da Divisão de Equipamentos de TI (DIETI) Analisado por: Departamento de Suporte e Atendimento (DEATE) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria-Geral de Tecnologia da Informação (DGTEC)

Leia mais

10 Para ganhar a guerra

10 Para ganhar a guerra Prefácio Ao longo da história, líderes militares enfrentaram o dilema de formular o plano tático correto para conseguir a vitória no campo de batalha. Muito depende da preparação para esse momento: ter

Leia mais

Alkym Militar. Sistema Integral de Logística e Gestão de Manutenção de Aeronaves. Mais missões. Custos mais baixos. 1 Alkym Militar by Volartec

Alkym Militar. Sistema Integral de Logística e Gestão de Manutenção de Aeronaves. Mais missões. Custos mais baixos. 1 Alkym Militar by Volartec Alkym Militar Sistema Integral de Logística e Gestão de Manutenção de Aeronaves Mais missões. Custos mais baixos 1 Alkym Militar by Volartec Apresentação Geral VOLARTEC VOLARTEC e uma empresa de tecnologia

Leia mais

SISTEMAS DE GERENCIAMENTO LOGÍSTICO NAS OPERAÇÕES DE ADESTRAMENTO CONJUNTO

SISTEMAS DE GERENCIAMENTO LOGÍSTICO NAS OPERAÇÕES DE ADESTRAMENTO CONJUNTO SISTEMAS DE GERENCIAMENTO LOGÍSTICO NAS OPERAÇÕES DE ADESTRAMENTO CONJUNTO OBJETIVOS - Conhecer as peculiaridades do SISMC², que devem condicionar o desenvolvimento do futuro Sistema Logístico de Defesa;

Leia mais

Ver artigo sobre as Especializações em Contabilidade e as Considerações sobre a Especialização em Contabilidade. Ver ainda a Resolução CFC 560.

Ver artigo sobre as Especializações em Contabilidade e as Considerações sobre a Especialização em Contabilidade. Ver ainda a Resolução CFC 560. - IMPRESSÃO DE PÁGINA - http://www.cosif.com... Page 1 of 6 Cosif Eletrônico - http://www.cosif.com.br/ Documento impresso a partir de http://www.cosif.com.br/mostra.asp?arquivo=especializ2, em 12:34:42

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por:

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por: NBC TSP 12 Estoques Objetivo 1. O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento contábil para os estoques. Uma questão fundamental na contabilização dos estoques é quanto ao valor do custo a

Leia mais

DAS ENTRADAS DE MERCADORIAS E BENS E DA AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS

DAS ENTRADAS DE MERCADORIAS E BENS E DA AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS A partir de 01 de janeiro de 2003 os contribuintes do ICMS passaram a adotar os novos Códigos Fiscais de Operações e Prestações com 4 (quatro) algarismos, o que tem gerado inúmeras dificuldades aos nossos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Tabela de CFOP - Código Fiscal de Operações e Prestação

Tabela de CFOP - Código Fiscal de Operações e Prestação Tabela de CFOP - Código Fiscal de Operações e Prestação 1.000 - ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 - COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1.101 - Compra

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

Tabela de CFOP - Código Fiscal de Operações e Prestação

Tabela de CFOP - Código Fiscal de Operações e Prestação Tabela de CFOP - Código Fiscal de Operações e Prestação 1.000 - ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 - COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1.101 - Compra

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

Tabela CFOP - RICMS-ES Anexo XXVII, art.651

Tabela CFOP - RICMS-ES Anexo XXVII, art.651 CFOP Descrição da Operação ou Prestação 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1.101 Compra para

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão I

Sistema Integrado de Gestão I Sistema Binário Faculdades Integradas Campos Salles Sistema Integrado de Gestão I Aulas 3 e 4 Administração da Empresa Digital Parte I Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 Objetivos Qual é o papel

Leia mais

OS DADOS GERALMENTE OU SÃO INSUFICIENTES OU ABUNDANTES. PARA PROCESSAR O GRANDE VOLUME DE DADOS GERADOS E TRANSFORMÁ-LOS EM INFORMAÇÕES VÁLIDAS

OS DADOS GERALMENTE OU SÃO INSUFICIENTES OU ABUNDANTES. PARA PROCESSAR O GRANDE VOLUME DE DADOS GERADOS E TRANSFORMÁ-LOS EM INFORMAÇÕES VÁLIDAS O ADMINISTRADOR EM SUAS TAREFAS DIÁRIAS AJUSTA DADOS OS DADOS GERALMENTE OU SÃO INSUFICIENTES OU ABUNDANTES. 1.EXCESSO DE DADOS DISPENSÁVEIS 2. ESCASSEZ DE DADOS RELEVANTES NECESSITA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

Leia mais

1. Lista de CFOP s... 3 1.000 - ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO... 3 2.000 - ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DE OUTROS ESTADOS...

1. Lista de CFOP s... 3 1.000 - ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO... 3 2.000 - ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DE OUTROS ESTADOS... Lista de CFOP's Sumário: 1. Lista de CFOP s... 3 1.000 - ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO... 3 2.000 - ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DE OUTROS ESTADOS... 7 3.000 - ENTRADAS OU AQUISIÇÕES

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

decorrentes de prestações de serviços de comunicação. 1.206 2.206 3.206 Anulação de valor relativo à prestação de serviço de transporte

decorrentes de prestações de serviços de comunicação. 1.206 2.206 3.206 Anulação de valor relativo à prestação de serviço de transporte CFOP DE ENTRADA DE MERCADORIA/UTILIZAÇÃO DE SERVIÇO CFOP IMPORTAÇÃO DESCRIÇÃO DA OPERAÇÃO OU PRESTAÇÃO 1.100 2.100 3.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZA- ÇÃO OU PRESTAÇÃO DE

Leia mais