FACULDADE UNA DE CONTAGEM MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE LOGÍSTICA LOGÍSTICA MILITAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE UNA DE CONTAGEM MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE LOGÍSTICA LOGÍSTICA MILITAR"

Transcrição

1 FACULDADE UNA DE CONTAGEM MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE LOGÍSTICA LOGÍSTICA MILITAR A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA NAS FORÇAS ARMADAS BRASILEIRAS: AERONÁUTICA ALUNO: Rondecarlos Teles Francisco PROFESSOR ORIENTADOR: Paulo Renato Sousa Contagem /MG 1ºsemestre / 2012

2 RESUMO A logística trata-se da engrenagem do mundo desde a antiguidade, sem ela o mundo não funciona, ele entra em estado vegetativo, sabemos que ela é essencial, porém, muitos desconhecem sua origem, quando o termo começou a ser usado, onde, porque, e quais meios contribuíram para sua evolução, pois bem, o presente artigo compromete-se a apresentar um breve relato sobre a origem da logística e principalmente sobre o principal colaborador para sua evolução, hoje toda organização seja ela de pequeno ou grande porte depende de uma forma ou de outra da logística, porém, pouquíssimas dessas organizações sabem que os confrontos armados foram de suma importância para o desenvolvimento e evolução da logística, que tem como o objetivo, prover os recursos no local certo, na quantidade certa e na hora certa, temos muito artigos que retratam como a logística funciona nas organizações, porém, hoje vamos falar da logística empregada dentro do seu principal colaborador as forças armadas, a seguir um estudo científico que propõe apresentar a importância da logística dentro da Força Aérea Brasileira. Palavras chaves: Força Aérea Brasileira, Logística, Origem e Evolução. 1.0 INTRODUÇÃO As guerras tiveram uma contribuição de suma importância para os avanços logísticos, mas antes vamos conhecer um pouco da origem e história da logística. A origem do nome logística vem do grego logos, que significa discurso, razão, racionalidade, linguagem, frase, mais especificamente da palavra grega logistiki, significando contabilidade e organização financeira, na Grécia antiga, império Romano e império Bizantino, os oficiais militares com o título Logistikas eram responsáveis pelos assuntos financeiros, obtenção de recursos e pela distribuição de suprimentos na guerra. A 2

3 palavra logística tem a sua origem no verbo francês loger alojar ou acolher. Inicialmente considera-se que a logística nasceu para sanar as necessidades dos militares com o abastecimento das tropas com armamento munições e rações. Segundo Souza (2002) a logística originou-se no século XVIII, no reinado de Luiz XIV, onde existia o posto de Marechal General de Lógis responsável pelo suprimento e pelo transporte do material bélico nas batalhas. Segundo Gallo (1998), o primeiro general a utilizar esse termo, foi o general Von Claussen de Frederico da Prússia, e mais tarde foi desenvolvida mais adiante pela Inteligência Americana CIA, juntamente com os professores de Harvard, para a Segunda Guerra Mundial. No Brasil, de acordo com o Centro de Comunicação Social do Exército Brasileiro, as primeiras atividades logísticas desenvolvidas pelos militares brasileiros remontam a época imperial. Em 1821, durante a regência de D. Pedro I, foram efetuadas as primeiras incumbências referentes ao rancho da tropa, ao fardamento, ao equipamento, ao material de acampamento, ao arreamento e aos utensílios usados no Exército. A Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR) define logística como: "conjunto de atividades relativas à previsão e à provisão dos recursos de toda natureza necessários aos componentes da Expressão Militar do Poder Nacional, na paz e na guerra". Depois desta breve apresentação venha a pergunta a ser respondida no decorrer do artigo: Qual a importância da logística dentro da aeronáutica? 2.0 OBJETIVO GERAL Mostrar qual a importância da logística dentro da Aeronáutica. 3

4 3.0 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Expor os conceitos, princípios e fases logísticas da Aeronáutica; Mostrar as funções logísticas na Aeronáutica; Apresentar o planejamento logístico da Aeronáutica. 4.0 FUNDAMENTAÇÃO TEORICA 4.1 Detalhamentos do Comando Logístico da Aeronáutica Brasileira Nas Forças Armadas do Brasil, a logística é parte integrante do Serviço de Intendência criado em 1920 com a vinda da Missão Militar Francesa. Em 1969 foi criado a COMGAP (Comando-Geral de Apoio) com a finalidade de planeja, gerenciar, e controlar as atividades relacionadas ao apoio logístico e serviços que visam atender as necessidades aeronáuticas, bélicas, de infraestrutura, de transportes, de recursos humanos entre outros, sua estrutura organizacional é dividida entre as seguintes diretorias: Diretoria de Material Aeronáutico e Bélico (DIRMAB): cuja finalidade é tratar de assuntos relativos ao apoio logístico do Sistema de Material Aeronáutico (SISMA) e do Sistema de Material Bélico (SISMAB), no que concerne às funções de suprimento e manutenção; Diretoria de Engenharia da Aeronáutica (DIRENG) tem como objetivo orientar executar, coordenar e controlar as atividades relacionadas com Engenharia de Infraestrutura Aeroportuária, Engenharia de Edificações, Engenharia de Campanha, Patrimônio, Transporte de Superfície e Contra-incêndio afetas ao COMAER; Instituto de Logística da Aeronáutica (ILA) que possui a finalidade de desenvolver as capacidades técnicas e gerenciais dos profissionais dos Sistemas Logísticos da Força Aérea Brasileira, por intermédio das atividades de Ensino e Pesquisa; 4

5 Diretoria de Tecnologia da Informação da Aeronáutica (DTI) responsável pelo emprego da TI, a fim de garantir a efetividade do Sistema de Tecnologia da Informação do COMAER (Comando da Aeronáutica). A seguir organograma das diretorias citadas acima. Fonte: Força Aérea Brasileira Hoje a Aeronáutica conta com um efetivo total de colaboradores sendo que são homens, 9927 mulheres. Seu efetivo total militar apresenta os seguintes dados, Oficiais 9279 colaboradores; Suboficiais e Sargentos colaboradores; Cabos, Soldados e Taifeiros colaboradores. Cadetes e Alunos 3496, e um efetivo civil de 6547 pessoas. 4.2 Conceitos Logísticos da Aeronáutica A seguir alguns conceitos logísticos utilizados na Aeronáutica: 5

6 Apoio Logístico: É o conjunto de atividades relativas à previsão e à provisão dos recursos de toda a natureza, que visam a assegurar a satisfação das necessidades da Aeronáutica na quantidade, momento e local adequados. Desenvolvimento: É o processo de especificação, projeto, teste e produção dirigida ao atendimento de uma necessidade específica. Fator de Consumo: Índice utilizado para estimar a quantidade de um item de suprimento a ser consumido em um determinado período. Fator de reposição: Índice que fornece a quantidade necessária para reposição de suprimentos durante certo período; Função Logística: É a reunião, sob uma única designação, de um conjunto de atividades logísticas afins, correlatas ou de mesma natureza; Logística Aeroespacial: É o conjunto de atividades relativas à previsão e à provisão dos recursos e dos serviços de toda natureza, necessários ao emprego do Poder Aeroespacial; Logística Militar: É o conjunto de atividades relativas à previsão e à provisão dos recursos essenciais para o desenvolvimento das missões das Forças Armadas; Material Capturado: Material utilizado pela força inimiga, que venha a ser capturado ou encontrado pelas Forças Armadas; Material Salvado: Todo material aliado encontrado em situação de abandono, cujo o reparo pode ser feito para utilização em ocasiões futuras; Mobilização Aeroespacial: Atividades planejadas e orientadas pelo Comando da Aeronáutica, com finalidade de capacitar o Poder Aeroespacial em situações de emergência; Padronização: E a utilização mais eficiente possível dos recursos disponíveis, de modo de assegurar sua compatibilidade com equipamentos, armamentos, suprimentos entre outros; Planejamento Militar: É o conjunto de atividades, metodicamente desenvolvidas, com maior ou menor grau de detalhes, para esquematizar a solução de um problema e ou para atingir objetivos estabelecidos. 4.3 Princípios Logísticos 6

7 Trata-se de princípios que devem ser observados no planejamento e na execução das atividades logísticas, dentre destes princípios estão relacionados: Objetivos: Esforços necessários para a realização de metas traçadas, caso o objetivo não for bem traçado os demais princípios podem ser prejudicados; Continuidade: E o processo de manter as ações sem interrupção, assegurando o sequenciamento do trabalho: Controle: Acompanhamento das atividades planejadas, com assim evitando erros e caso apareçam corrigir a tempo, para evitar interferência no propósito estabelecido; Coordenação: Trata-se de esforços de partes semelhantes e distintas dentro da organização com o objetivo comum de atingir o propósito estabelecido; Economia de Meios: Alcançar o máximo rendimento através do emprego eficiente dos meios disponíveis, distribuindo de forma correta; Flexibilidade: Fator de se adaptar rapidamente a mudanças inesperadas; Interdependência: Sinergia necessária entre planejamento logístico e operacional para obtenção dos resultados planejados; Objetividade: Identificar as ações necessárias para atingir o objetivo estabelecido e utilizar os meios necessários de forma coordenada; Oportunidade: Significa prever e prover os meios necessários no momento adequado; Prioridade: Manter claro os objetivos claros e secundários; Segurança: Trata-se da certeza que o plano estabelecido está dentro do conformes, evitando assim surpresas desagradáveis; Simplicidade: Uso das ações mais simples e adequadas para a realização das atividades logísticas, de forma a assimilação e execução serem fáceis de serem compreendidas; Unidade de Comando: Comando único para operações de mesmas finalidades necessita ter uma cadeia de comando bem definida, com responsabilidades bem divididas, comunicação de fácil compreensão, adequados e uma doutrina logística da Aeronáutica de fácil assimilação. 4.4 Fases de Logística 7

8 Segundo a doutrina da aeronáutica, a logística da Aeronáutica se divide em três fases, intimamente relacionadas entre si e devem ser sempre consideradas em conjunto quanto à sua aplicabilidade nas suas funções, atividades e tarefas, tratam-se das fases de determinação das necessidades; obtenção; e distribuição Determinação das Necessidades Para se realizar com sucesso uma determinada ação, é de suma importância a identificação das necessidades, para auxiliar na criação de bases para obtenção e distribuição das mesmas, para a criação destas bases tende a ser considerados todos os recursos que deverão estar disponibilizados para suportar as outras fases da logística. Para determinar essas necessidades compreende-se: Iniciais: Destinadas a suprir os diferentes níveis de suprimentos, necessários ao início de uma operação; Recompletamento e Manutenção: Destinadas a reposição de pessoas, níveis de estoque e materiais necessários para manutenção e execução das missões atribuídas a Aeronáutica; Reserva: Necessárias para atendimento em situações como, emergência, fins específicos com abastecimento de tropas com equipamentos, além, evitar deterioração devido ao longo tempo de armazenagem, todos os suprimentos devem ser periodicamente consumidos e substituídos em estoque por mais novos; Fins Especiais: São necessidades imprescindíveis para obtenção de sucesso em determinadas missões especiais como: apoio a população civil, trânsito, forças armadas entre outras forças aliadas de apoio Fase de Obtenção 8

9 Trata-se da fase onde são identificados as fontes e os meios de aquisição de recursos necessários para uma determinada ação logística, divide-se em obtenção de RH e obtenção de materiais e animais de serviços Obtenção de RH Essa obtenção de suma importância é feita através dos seguintes métodos: Movimentação de pessoal; Treinamento; Concurso; Formação; Convocação de reservistas; Mobilização; e Recrutamento Obtenção de Recursos de Materiais e Animais Na obtenção de recursos materiais para as Forças Armadas devem ser consideradas as exigências de padronização. Essa obtenção é feita através das seguintes modalidades abaixo: Doação: Concessão de forma gratuita, sem fins lucrativos ou interesses; Compra: Aquisição do bem necessário mediante ao meio mais aconselhável, o pagamento do fornecedor, seja a prazo ou à vista; Contratação: Processo de pagamento a um determinado prestador de serviço especializado; Confisco: Apropriação de bens ou serviços, com o caráter punitivo, sem pagamento; 9

10 Contribuição: Trata-se de um pagamento de tributo periódico ou sazonal, visando um determinado fim militar, podendo haver ou não ressarcimento; Pedido: Solicitação formal ao órgão responsável pela compra ou fornecimento, de um determinado bem necessário para o desenvolvimento de uma atividade; Requisição: Imposição escrita da necessidade de fornecimento de materiais e animais; Desenvolvimento: Processo de projetar e ou produzir bens ou serviços para o atendimento de uma necessidade específica; Troca: Aquisição de bens o serviços mediante o ressarcimento em forma de outros bens ou serviços; Empréstimos: Bens cedidos gratuitamente, que deverão ser devolvidos a origem depois do uso e consequentemente obtenção do objetivo planejado, no estado em que foram cedidos; Arrendamento Mercantil: Processo em que um bem é cedido mediante o pagamento de prestações periódicas, onde no final do pagamento o usuário disponha da opção de compra: Transferências: Processo de remanejar materiais e ou animais entre organizações militares; Convênio: Cooperação de serviços de partes que possuem interesses recíprocos, com organizações públicas, federais ou particulares; Utilização de Salvados de Guerra: Aproveitamento de bens já utilizados pela própria Forças armadas ou aliadas; Utilização de Material Capturado: Utilização de materiais capturados das forças inimigas Distribuição Consiste em prover o material requerido, no momento certo, na quantidade certa na hora certa de acordo com as necessidades. Compreende os serviços de recebimento, armazenamento e transportes. 10

11 Recebimento: Estabelece o estabelecimento do destino inicial e a priorização para o transporte, armazenamento e entrega do bem ou serviço; Armazenamento: Auxilia na escolha do local de armazenagem, as formas de alocação, o controle e preservação do material em trânsito, elo de ligação entre compra e envio do material; Transportes: Trata-se do deslocamento do material desde o ponto de armazenagem até o local de consumo; Entrega: Transferência do material do armazém para o usuário. 4.5 Principais Funções da Logística na Aeronáutica Segundo Bowersox (2001), a logística integrada não se restringe a empresas com, fins lucrativos, nem é exclusiva de empresas industriais. A urgência de integrar necessidades e operações ocorre em todas as empresas, assim como em organizações do setor público (...) As Funções Logísticas consistem na integração de atividades e tarefas específicas, com o propósito de atender a Aeronáutica, a seguir as principais funções logísticas na Aeronáutica: Recursos Humanos; Saúde; Suprimento; Manutenção; Engenharia e Transporte Recursos Humanos Tem como objetivo gerenciar os recursos humanos dentro da aeronáutica, entre suas atividades pode-se destacar: Levantamento das necessidades do RH: Definem quais as necessidades, quando, quantidade, qualificações e disposição dos RH a partir de uma determinada operação e/ou ação prevista pela Aeronáutica; A procura e admissão de recursos humanos: Atividades que se desenvolve por meio de alistamento, voluntariado, concursos entre outros meios, seguido por seleção e contratação; Preparação: Consiste em transformar os RH contratados em efetivos prontos para exercer o serviço militar através de treinamentos, formação e recursos técnicos; 11

12 Administração: Visa incorporar os RH dentro da Organização Militar, na quantidade e qualificação necessária para o cumprimento das missões aos mesmos destinados; estabelecendo perfis e cargos, substituições e avaliações do desempenho; Bem-estar e manutenção do moral: Tem como finalidade proporcional um ambiente agradável aos RH tanto físico quanto mental, além, de prover motivação para os RH Saúde Consiste em realizar atividades necessárias para a conservação dos recursos humanos, nas condições adequadas física e psíquica, por intermédio de medidas sanitárias de prevenção e de recuperação, dentro desta função podemos citar: Levantamento das necessidades: Averiguas as necessidades das instalações, de corpo técnico e de material para apoio de saúde em uma determinada situação; Determinação de padrões psicofísicos: Estabelece critérios para desenvolvimento de atividades através de seleção médica; Seleção médica: Avalia os RH comparando os mesmos com padrões preestabelecidos para admissão e ou continuação de uma determinada atividade; Medicina preventiva: Tem a função de preservar a saúde física e mental dos RH; Medicina curativa: Destinada a tratamento de doentes e feridos, com a finalidade de devolver ao homem e seus animais as suas condições físicas e psíquicas normais. Medicina aeroespacial: Estuda a reação do organismo humano em variações ambientais próprias de atividades aéreas e espaciais Logística de Suprimentos, Controle de Estoque e Distribuição. Conjunto de atividades com o objetivo de prover a diferentes organizações todos os recursos materiais necessários destaca-se dentro desta função: 12

13 Inspeção: Necessária para determinar os suprimentos que devem estar disponível para o uso da força aérea; Requisição: E a formalização da necessidade de algo; Procura: consiste em localizar um item ou serviço necessário para suprir as necessidades da aeronáutica; Compra: Aquisição do bem requerido mediante a pagamento; Recebimento: Conjunto de procedimentos administrativos necessários para liberação da entrada de um item; Catalogação: Processo que ocorre a identificado e classificado do suprimento; Armazenagem: Consiste em alocar os suprimentos de forma ideal, organizada garantindo assim sua segurança e fácil localização; Fornecimento: Tem a finalidade de fornecer o suprimento certo, na hora certa, na quantidade certa para a unidade solicitante; Expedição: Como o próprio nome já conceitua tem a função de remeter um suprimento a uma unidade solicitadora; Transferência: Ações administrativas tomadas para que um determinado suprimento saia de uma unidade (armazenamento) para outra; Descarga: Consiste em retirar o objeto anteriormente incluído do serviço aeronáutico, ou seja, inutilizando o mesmo; Alienação: Ato de transferir a propriedade seja remunerado ou gratuito, exemplo, venda ou concessão de domínio; Controle de Estoque Ações gerenciais, com o intuito de manter o controle do nível de estoque sempre dentro das normas estabelecidas pela política da aeronáutica. Dentro do controle existem duas classificações a Militar e Catalogação. A classificação militar agrupa todos os itens de suprimento, classificando os mesmos em 10 classes de acordo com o planejamento logístico que são as seguintes: 13

14 Classe I - Material de Subsistência, (necessários para a sobrevivência); Classe II - Material de Intendência, (uniformes, equipamentos individuais, etc) Classe III - Combustíveis e Lubrificantes; Classe IV - Material de Construção; Classe V - Armamento e Munição; Classe VI - Material de Engenharia e de Cartografia; Classe VII - Material de Comunicações, Eletrônica e de Informática; Classe VIII - Material de Saúde; Classe IX - Material Naval, de Motomecanização e de Aviação; Classe X - Materiais não incluídos nas demais classes. A classificação por catalogação reuni todos os suprimentos em grupos e classes, classificando-os por meios de símbolos, desenvolvendo uma linguagem única entre eles, disseminada mediante a publicação Distribuição de Suprimentos na Aeronáutica Para a distribuição de suprimentos na aeronáutica são utilizados três processos, que respectivamente: Distribuição em Instalação de Suprimentos: Trata-se do processo em que a Organização de Apoio vai de encontro ao Escalão de Apoio para receber seus suprimentos, porém, com seus próprios meios de transportes; A distribuição na Unidade: Processo contrário da Distribuição em Instalação de Suprimentos, neste processo o Escalão de Apoio realiza a entrega na Organização de Apoio, com seus meios de transportes; Processos Especiais: Organizados pelo Escalão de Apoio de acordo com a necessidade das operações Níveis de Estoque e Classificação. 14

15 Visa manter a quantidade limite de itens dentro do estoque nos diversos órgãos de suprimentos e organizações militares sempre atendendo a demanda e previsões, pode ser expresso em dias, quantidade de itens ou unidades de medidas de suprimentos. A seguir as classificações no nível de estoque: Operacional: Trata-se da quantidade estimada de suprimentos, avaliados como necessários a ser mantido dentro do estoque; Estoque de Segurança (Mínimo): Quantidade mínima de estoque necessária para atender possíveis atrasos, aumento na demanda, apresenta como limite no qual o estoque de cada item deve abaixar. Estoque de Reserva: Suprimentos cuja sua retenção está autorizada, para atender possíveis planos de emergências ou novos equipamentos; Estoque Máximo: Soma dos estoques mínimos e operacionais. 4.6 Manutenção Conjunto de atividades executadas com o objetivo de manter os materiais de acordo com sua condição ideal de uso, visando prever avarias e quando ocorrer restabelecer suas condições ideais de uso, lembrando que manutenção e suprimentos são interdependentes. Podemos destacar as seguintes atividades: Inspeção: Tem a finalidade de exercer o controle de qualidade e verificar se o material ou matéria-prima está dentro das especificações ideias; Teste: Verificação do desempenho e funcionamento de equipamento, sistema ou componente, dentro requisitos estabelecidos; Conservação: Consiste em realizar a manutenção do suprimento visando mantê-lo em condições ideais para uso; 15

16 Reparo: Tem o objetivo de concertar determinadas partes dos itens de suprimentos recolhidos na oficina, com o objetivo de coloca-los novamente em atividade; Recuperação: Visa voltar um item ou equipamento a seu estado de uso original, assim, consequentemente reestabelecer seu nível de eficiência; Modificação: Alteração em equipamentos ou componentes, mediante a especificação técnica e autorização; Fabricação: Transformação da matéria prima em produto final, através de uma série de processos; Neutralização: Processo de retirar o perigo de materiais com efeitos explosivos; Depanagem: Desmanche de material obsoleto, visando aproveitar seus componentes e peças que estejam em bom estado; Salvamento: Ações necessárias para o resgate de recursos materiais, cargas ou itens acidentados, como por exemplo, meio de transporte desde o local da ocorrência para a manutenção; Planejamento e Controle de Manutenção: Conjunto de atividades que visa prever e controlar as manutenções de determinados equipamentos Tipos de Manutenção A Aeronáutica possui três tipos de manutenção que são denominadas como: Preventiva: Realizada com o intuito de evitar a queda de desempenho de um determinado material, reduzindo avarias por meio de manutenção periódica do mesmo e se necessário tomar as medidas necessárias para o restabelecimento de suas funções operacionais; Preditiva: Baseada em parâmetros de confiabilidade, que acompanham e analisam a evolução de estado de um determinado equipamento e ou sistema, assim realizando o planejamento de manutenções quando forem necessárias; Modificadora: Tem a finalidade de adequar o equipamento a uma determinada atividade operacional, ou melhorar seu desempenho. 16

17 Corretiva: Consiste em reparar ou recuperar materiais danificados e coloca-los em condições de uso; Escala de Manutenção: Refere-se ao grau de trabalho necessário nas atividades de manutenção, em função da dificuldade do serviço e a necessidade de homens hora para realização do mesmo. 4.7 Engenharia Conjunto de atividades executadas que visa a obter, adequar, manter e recuperar a infra-estrutura física e as instalações existentes, como aeródromos, terminais de transportes, bases aéreas, abrigos e instalações diversas. Desde o planejamento até a execução das atividades, a engenharia deve prover a máxima utilização da infra-estrutura. A seguir algumas funções: Construção: Trabalho isolado ou em conjunto para obtenção de um novo recurso físico; Ampliação: Tem a finalidade de aumentar a capacidade de utilização de um recurso físico já existente; Reforma: Tem objetivo de melhorar a eficiência de um recurso físico, sem aumentar sua capacidade; Adequação: Consiste em alterar a destinação de um recurso físico já existente; Demolição: Processo de destruir ou desfazer um recurso físico; Remoção: Ato de transferir um recurso físico para outro lugar; Desobstrução: Tem como objetivo retirar barreiras artificiais ou naturais que possa dificultar a utilização do espaço físico; Montagem: Reunião de peças que juntas possam funcionar e atender as necessidades da organização, em forma de equipamentos; 17

18 Avaliação: Levantamento de informações técnicas, com intuito de verificar se a infraestrutura é adequada para determinados fins; Serviços Especiais de Obstrução: Tem como objetivo anular a possível utilização da infra-estrutura pelo inimigo; Camuflagem: Visa enganar o inimigo sobre a existência, seja de aeronaves, aeródromos, instalações, equipamentos e atividades. 4.8 Transportes É o conjunto de atividades que visam o realizar o deslocamento de recursos humanos, materiais e animais, para os locais predeterminados, no momento oportuno, a fim de atender às necessidades da Aeronáutica. Considera-se transporte militar aquele realizado sob a direção militar, para atender às necessidades das Forças Armadas. A principio são utilizados os meios de transporte orgânicos para o atendimento das suas necessidades, para o apoio a outras Forças ou para o auxílio às instituições civis, a cooperação entre as forças é essencial para a obtenção de um custo menor da logística, aumentando assim a eficiência do transporte, os meios civis podem ser utilizados mediante a contratação de seus serviços. Está mobilização dos transportes permitirá a utilização de meios que serão postos à disposição das Forças Armadas, bem como da infra-estrutura necessária para a utilização dos mesmos. Lembrando que a deficiência de transportes é um fator que limita a execuções e consequentemente o sucesso das operações. Abaixo as funções do transporte dentro da Aeronáutica: O levantamento das necessidades: Os usuários de transporte apresentam, periodicamente, aos órgãos de apoio, o planejamento de suas necessidades para o período subseqüente. 18

19 Seleção: Consiste na escolha da modalidade de transportes a ser utilizada em determinada operação, podendo ser, aéreo, aquaviário, cabotagem, terrestre ou dutoviário; Gerência de Transportes: Tem a finalidade de coordenar todos os processos relacionados a transportes dentro da Aeronáutica. 5.0 Planejamento Logístico Trata-se da base para o planejamento logístico da Aeronáutica, pois, integra o planejamento militar e aeroespacial, que coordenado com planejamentos estratégicos, operacionais e táticos, consiste em formular ações para solucionar problemas existentes. A seguir algumas características do planejamento logístico: Deve ser realizado em tempo hábil e sempre ser atualizado, para futuras reformulações; Deve atender as necessidades da Aeronáutica, no momento certo, na qualidade certa, na quantidade certa, garantindo sempre a disponibilidade futura; Deve ser fundamentada na existência de meios reais ou passíveis de mobilização dentro das condições de tempo e espaço de acordo com o planejamento; Deve ser integrada e flexível, provendo sempre alternativas quando se comprova a impossibilidade de atender algo solicitado; 6.0 METODOLOGIA Segundo parâmetros de Gil (2010), está pesquisa pode ser classificada com descritiva. 19

20 De acordo com Gil (2010) pesquisas descritivas tem como objetivo a descrição de características de determinada população. Podem ser elaboradas também com a finalidade de identificar possíveis relações entre variáveis Para o desenvolvimento deste trabalho de pesquisa, foram levantados dados através de pesquisas bibliográficas. Segundo Gil (2010) a pesquisa bibliográfica é elaborada com base em material já publicado com livros, revistas, jornais, teses, dissertações e anais eventos científicos. Todavia em virtude da disseminação dos novos formatos de informação, estas pesquisas passaram a incluir outros tipos de fontes como discos, fitas magnéticas, CDs, bem como o material disponibilizado pela internet. Nesta pesquisa foram utilizados basicamente dados colhidos de meios digitais, uma vez, que o assunto em destaque não tem abordagem nos principais livros de logística que conhecemos hoje. 6.0 RESULTADOS De fato, podemos analisar como o planejamento logístico empregado dentro da Aeronáutica através da integração das operações internas e externa, possibilitou a criação de diretrizes que dão um norte para seus colaboradores de forma simples e objetiva desde o mais baixo nível hierárquico da organização ao mais alto comando, sempre evidenciando e relacionando atividades chaves e complementares de suma importância para a manutenção e cumprimento de todos os objetivos estratégicos da Aeronáutica, não é de se admirar que os conceitos logísticos provenientes das organizações militares são copiados pelas organizações empresarias e com os avanços tecnológicos as organizações procuram meios de aperfeiçoalos, pois, necessitam vencer batalhas diárias contra um mercado cada vez mais competitivo, e sabem que hoje tem como um trunfo a logística, que se tornou uma arma fundamental e um diferencial competitivo para enfrentar e ganhar estas batalhas. 20

21 REFERÊNCIAS BOWERSOX, Donald J.; CLOSS, David J. Logística empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimento. São Paulo: Atlas, COMANDO DA AERONÀUTICA DOUTRINA MILITAR DOUTRINA DA LOGÍSTICA DA AERONÁUTICA. Disponível em: Acesso em: 14 jul FAB, Força Aérea Brasileira, COMPAG - Comando Geral de Apoio. Disponível em: <http://www.fab.mil.br/portal/capa/index.php?page=comgap#>. Acesso em: 11 jul GALLO, Ítalo Amauri. O Papel da Logística na Globalização. São Paulo, Disponível em: <http://www.guialog.com.br/artigo56a.html>. Acesso em: 14 jul ILA, Instituto Logístico da Aeronáutica, Divisão de Pesquisa Definição do termo Logística. Disponível em: < d=68>. Acesso em: 14 jul SEVERIANO, Antônio Joaquim, Metodologia do Trabalho Científico, 23ª Ed, Editora CORTEZ, SOUZA, Paulo Teixeira de. Logística Interna Para Empresas Prestadoras de Serviço Disponível em: <http://guialog.com.br/artigo350.htm>. Acesso em: 14 jul

Doutrina e Estratégia Militar. Ações de Caráter Sigiloso. Emprego da Força Terrestre em Operações. Logística de Material de Aviação

Doutrina e Estratégia Militar. Ações de Caráter Sigiloso. Emprego da Força Terrestre em Operações. Logística de Material de Aviação Programa 0620 Preparo e Emprego da Força Terrestre Ações Orçamentárias Número de Ações 16 24490000 Doutrina e Estratégia Militar Produto: Evento realizado Unidade de Medida: unidade UO: 52121 Comando do

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA DOUTRINA DE LOGÍSTICA MILITAR

MINISTÉRIO DA DEFESA DOUTRINA DE LOGÍSTICA MILITAR MINISTÉRIO DA DEFESA MD42-M-02 DOUTRINA DE LOGÍSTICA MILITAR 2002 MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE LOGÍSTICA E MOBILIZAÇÃO DOUTRINA DE LOGÍSTICA MILITAR 2 a Edição 2002 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Logística Empresarial e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Como enfrentar os desafios de um ambiente empresarial em constante mudança

Logística Empresarial e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Como enfrentar os desafios de um ambiente empresarial em constante mudança Logística Empresarial e a Gestão da Cadeia de Suprimentos Como enfrentar os desafios de um ambiente empresarial em constante mudança Produção e Distribuição Plantação de Ferro Produção em massa Just in

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional Subfunção: 128 - Formação de Recursos Humanos UO: 52201 - Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC

Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional Subfunção: 128 - Formação de Recursos Humanos UO: 52201 - Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC Programa 0630 Desenvolvimento da Aviação Civil Numero de Ações 14 Ações Orçamentárias 0B09 Apoio a Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Produto: Entidade apoiada Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional

Leia mais

Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA

Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA A Logística, ciência de origem militar que despontou das necessidades de preparação, movimentação e colocação de

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Com a globalização da economia, a busca da

Com a globalização da economia, a busca da A U A UL LA Introdução à manutenção Com a globalização da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas. O que a manutenção

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos (SP) Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Auxiliar

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 Capítulo I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Art. 1º - O presente regulamento tem por finalidade

Leia mais

TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SINTESE DAS ATIVIDADES TOTAL DE VAGAS REQUISITO

TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SINTESE DAS ATIVIDADES TOTAL DE VAGAS REQUISITO TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO CARGO Assistente Operacional Assistente Administrativo PRÉ- REQUISITO completo completo TOTAL DE VAGAS VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA 01 R$ 1.813,45 40 horas 02 R$

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA LOGÍSTICA NSCA 400-2 NORMA DO SISTEMA DE INTENDÊNCIA OPERACIONAL 2008 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA COMANDO-GERAL DO PESSOAL LOGÍSTICA NSCA 400-2

Leia mais

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Capitulo I - Objetivo. Artigo 1º - O presente regulamento

Leia mais

PORTARIA Nº 1145/1999. O Desembargador Lúcio Urbano, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de suas atribuições legais e,

PORTARIA Nº 1145/1999. O Desembargador Lúcio Urbano, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de suas atribuições legais e, Publicação: 22/09/99 PORTARIA Nº 1145/1999 Dispõe sobre aquisição, controles e formas de desfazimento de bens móveis permanentes no âmbito da Secretaria do Tribunal de Justiça e Comarcas do Estado de Minas

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Gestão Laboratorial GESTÃO DE. Prof. Archangelo P. Fernandes

Gestão Laboratorial GESTÃO DE. Prof. Archangelo P. Fernandes Gestão Laboratorial GESTÃO DE EQUIPAMENTOS II Prof. Archangelo P. Fernandes GESTÃO DE EQUIPAMENTOS II Manutenção: conjunto de medidas necessárias, que permitam manter ou restabelecer um sistema no estado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS

REGULAMENTO DE COMPRAS REGULAMENTO DE COMPRAS A SPDM /PAIS Associação Paulista Para O Desenvolvimento da Medicina, vem por meio deste dar publicidade ao Regulamento Próprio utilizado contendo os procedimentos que adotará para

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

VOCÊ está satisfeito com a

VOCÊ está satisfeito com a O Que é Logística? Logística e Distribuição A importância da Logística nas empresas 1 Logistica e Distribuição 2 Logistica e Distribuição Necessidade... Todos os dias milhões de produtos são fabricados

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Anexo I - Plano de Classificação de Documentos 33.01.01.01

Anexo I - Plano de Classificação de Documentos 33.01.01.01 Anexo I - Plano de Classificação de Documentos Secretaria de Estado de Segurança - SESEG Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro - PMERJ 33 - Competência: Exercer a polícia ostensiva e a preservação

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Parte A - DISPOSIÇÕES GERAIS.

Parte A - DISPOSIÇÕES GERAIS. SETEMBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 1-2004 A aquisição de equipamentos médico-hospitalares tem ocasionado vários problemas técnicos ou mesmo econômicos por não obedecer a determinados parâmetros.

Leia mais

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 51 Pagamento da participação da patrocinadora

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Raphael Pereira de Morais

Raphael Pereira de Morais Raphael Pereira de Morais Cidade: Brasilia - DF Data de Nascimento: 20/07/1987 Estado Civil: Solteiro Telefone: (61) 3465-1047 (61) 8176-5855 E-mail: rp.morais2013@bol.com.br FORMAÇÃO ACADÊMICA Superior

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Scania Serviços. Serviços Scania.

Scania Serviços. Serviços Scania. Serviços Scania Scania Serviços. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar Tudo bem do o que seu o Scania, você precisa em um para só lugar. cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE INDAIATUBA - IESI INDAIATUBA/SP 2 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENFICENTE ESPÍRITO-SANTENSE HOSPITAL ESTADUAL JAYME SANTOS NEVES CNPJ:28.127.

REGULAMENTO DE COMPRAS ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENFICENTE ESPÍRITO-SANTENSE HOSPITAL ESTADUAL JAYME SANTOS NEVES CNPJ:28.127. REGULAMENTO DE COMPRAS ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENFICENTE ESPÍRITO-SANTENSE HOSPITAL ESTADUAL JAYME SANTOS NEVES CNPJ:28.127.926/0002-42 DATA DA IMPLANTAÇÃO 26/01/2013 Nº DE REVISÃO DATA DA ÚLTIMA REVISÃO

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CAMPUS TIMÓTEO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CAMPUS TIMÓTEO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CAMPUS TIMÓTEO 1 - INTRODUÇÃO O Setor de Patrimônio do Campus Timóteo é uma extensão da Divisão de

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT MBA EM GERÊNCIA DE SISTEMAS LOGÍSTICOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Eduardo Pécora, Ph.D. Reflexão: Como chegar lá? Desenvolvimento Pessoal Rertorno Financeiro Título? Maior eficiência e eficácia? Avaliação

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Cadastramento dos doadores de sangue - Decreto-Lei 95721 de 11/2/1988

Cadastramento dos doadores de sangue - Decreto-Lei 95721 de 11/2/1988 Cadastramento dos doadores de sangue - Decreto-Lei 95721 de 11/2/1988 Ementa: Regulamenta a Lei n.º 7.649, de 25 de janeiro de 1988, que estabelece a obrigatoriedade do cadastramento dos doadores de sangue

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

1 de 33 2/3/2011 13:47

1 de 33 2/3/2011 13:47 1 de 33 2/3/2011 13:47 RICMS 2000 - Atualizado até o Decreto 56.692, de 27-01-2011. ANEXO V - CLASSIFICAÇÃO DAS OPERAÇÕES, PRESTAÇÕES E SITUAÇÕES TRIBUTÁRIAS (a que se refere o artigo 597 deste regulamento)

Leia mais

Serviços Scania. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar.

Serviços Scania. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. Serviços Scania Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS SCANIA Serviços Scania. Máxima disponibilidade do seu veículo para o melhor desempenho

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com Estoque é capital investido, com liquidez duvidosa e altos custos de manutenção. Por isso, quanto menor for o investimento em estoque, melhor. Para as empresas, o ideal seria efetuar as aquisições de estoques

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL COMANDO GERAL PORTARIA Nº 019 /2014 GAB CMDO CBMRN. (BGCB Nº 019, de 04 de fevereiro de 2014) Aprova

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Sistemas de Informação: tipos e características

Sistemas de Informação: tipos e características Sistemas de Informação: tipos e características Tipos de sistemas de informação. Os quatro tipos principais de sistemas de informação. Sistemas do ponto de vista de pessoal Sistemas de processamento de

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

1. AS PESSOAS SÃO IGUAIS NO DESEMPENHO DE TAREFAS?

1. AS PESSOAS SÃO IGUAIS NO DESEMPENHO DE TAREFAS? CARTILHA DO CANDIDATO APRESENTAÇÃO Uma seleção criteriosa e bem fundamentada premia tanto a organização que necessita incluir profissionais em seus quadros, quanto o candidato que anseia por nela ingressar.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Respeitar a vida animal, conscientizando e informando pessoas para a mudança dos índices de abandono no Brasil.

REGIMENTO INTERNO. Respeitar a vida animal, conscientizando e informando pessoas para a mudança dos índices de abandono no Brasil. REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - Das finalidades ARTIGO 1º - As atividades desenvolvidas pelo SOUL ANIMAL, Organização da Sociedade Civil de Direito Privado sem fins de lucro reger-se-ão pelas diretrizes

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 1/SETIN, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 1/SETIN, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 1/SETIN, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, no

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 Estabelece normas e procedimentos para aquisição de serviços e recebimento, controle, guarda e distribuição de materiais permanentes e de consumo no âmbito do Poder Legislativo

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. A) ENTRADAS: N=Novo

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. A) ENTRADAS: N=Novo CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL Entradas Saídas A) ENTRADAS: Novos Antigos N=Novo GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPO 3 GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPO 3 1100 2100 3100 110 210 310 * COMPRAS

Leia mais