REPRESENTANTE DE TURMA: DESENVOLVENDO A CIDADANIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPRESENTANTE DE TURMA: DESENVOLVENDO A CIDADANIA"

Transcrição

1 REPRESENTANTE DE TURMA: DESENVOLVENDO A CIDADANIA "A participação em uma sociedade democrática como membro responsável exige que se produzam mudanças e renovações na organização da escola." Juan Deval 2016

2 Identificação da escola: Colégio Nossa Senhora de Fátima Av. Presidente Vargas, 1449 Santa Maria - RS Diretora: Irmã Cleusa Maria Casarin Coordenadora Pedagógica: Alexandra Brasil dos Anjos Orientadora Educacional: Joseane da Silva dos Santos Setor: Ensino Fundamental Anos Finais Ano: APRESENTAÇÃO Uma escola que busca a participação efetiva de todos os que estão envolvidos na construção de suas ações educacionais e da aprendizagem, é aquela que se baseia em princípios democráticos, em especial na democracia participativa, dando direitos de participação iguais para estudantes, professores e funcionários. Possibilitando assim que gradativamente se estabeleça ambientes de ensino que valorizam e colocam as vozes das crianças/adolescentes como os atores centrais do processo educacional, ao engajar estudantes em cada aspecto das operações da escola, incluindo ensino, aprendizagem e liderança. Nessa perspectiva surge a importância do representante de turma, um aluno da classe escolhido para representá-la nas atividades da escola. É recomendável que seja alguém com capacidade de se expressar e com uma reputação razoável. Além disso, é importante que o representante seja capaz de relatar aos professores (se for o caso) ou mesmo à equipe gestora sobre problemas que estejam ocorrendo na turma. Assim sendo o projeto Representantes de turma: desenvolvendo a cidadania, pretende possibilitar a formação da consciência política dos alunos para

3 que se comprometam com a cidadania enquanto sujeitos da construção de uma sociedade mais justa e solidária. 2 JUSTIFICATIVA A escola é um local privilegiado para despertar o espírito de solidariedade e desenvolver a criatividade. Portanto, cabe a ela conduzir de forma democrática o envolvimento dos seus alunos em ações que promovam a cidadania baseada em valores morais e étnicos, na liberdade de expressão e respeito ao próximo. Ao perceber que podem contribuir com a escola, expressando opiniões, sugerindo melhoras e efetivamente participando do cotidiano escolar e tomadas de decisão, os representantes de turma e os demais alunos, passarão a se reconhecer no ambiente escolar e a valorizar sua condição de sujeito participativo no processo de construção da aprendizagem. E é nesse processo de participação, de reconhecimento de papeis e de respeito às diferenças, que surge a solidariedade e a preocupação social que se faz tão necessária no mundo contemporâneo em que a sociedade sofre cada vez mais com as diferenças sociais. Portanto, cremos que este projeto contribuirá para ampliar o entendimento e a atuação dos alunos nas diversas ações promovidas pela a escola e garantir a efetivação de uma cidadania ativa e participante na complexa construção de uma escola democrática. 3 OBJETIVO GERAL Fortalecer a participação dos representantes de turmas e consequentemente resgatar nos alunos atitudes de cooperação, participação, responsabilidade, tolerância, sensibilidade e comprometimento, mostrando que é possível construir uma escola democrática. 3.1 Objetivos Específicos Sensibilizar sobre a importância da liderança, praticando a responsabilidade na construção da cidadania; Adquirir noções de cidadania, participação política e controle social;

4 Criar mecanismos e procedimentos que viabilizem o contato com aspectos relativos à liderança; Estabelecer um clima de confiança junto ao educando, a fim de se sentirem seguros quanto à orientação dos professores; Levar os alunos a entender os objetivos da educação e normas da escola; Auxiliar na preparação e realização de eventos culturais e esportivos; Despertar o interesse pelo funcionamento da escola; Apoiar professores no desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem; Colaborar em eventos da escola. 5 DESENVOLVIMENTO Após a formação das turmas no inicio do ano letivo iniciar-se-á também o processo para escolha de dois representantes para cada turma, um líder e um vice líder, que contará também com um professor (a) Conselheiro (a). Será organizado um cronograma de atividades, especificando onde, quando e como se dará as ações dos representantes dentro da instituição escolar. É importante ressaltar que as atividades escolares regulares não devem ser em hipótese alguma prejudicadas, mas sim fortalecidas com a participação dos alunos que contribuirão representando sua turma de forma participativa nas mais diversas atribuições juntamente com a Direção, Equipe Pedagógica, Equipe Administrativa e Corpo Docente. 1º Etapa: Trabalhar com os educandos textos sobre a liderança. 2ª Etapa: A equipe pedagógica deverá apresentar aos alunos as atribuições do representante de turma, os critérios para a candidatura e solicitar dos interessados um texto justificando o que o motivou a colocar seu nome a disposição.

5 3º Etapa: Os interessados deverão inscrever-se, apresentar sua justificativa e no decorrer da semana expor aos colegas. 4º Etapa: A partir deste trabalho de conscientização e reflexão, é realizada, em cada turma, a eleição dos Representantes de Turma, na qual são eleitos o líder e o vice líder.

6 QUALIDADES DE UM REPRESENTANTE: 1. RESPONSABILIDADE - pessoa capaz de cumprir os compromissos, de inspirar confiança, de levar a sério o que deve fazer, assíduo e pontual, organizado. 2. ESPÍRITO DE INICIATIVA - saber tomar decisão, ser realizador, saber imprimir dinamismo ao grupo. 3. ESPÍRITO DEMOCRÁTICO - saber acolher; respeitar as idéias dos outros; estimular as idéias do grupo; sentir-se igual em direitos e deveres. 4. PARTICIPATIVO e envolvido com a escola. 5. DISPONIBILIDADE - ter tempo e disposição para o grupo e para com os compromissos de um representante. 6. FACILIDADE DE COMUNICAÇÃO E DE RELACIONAMENTO. 7. ESPÍRITO DE EQUIPE. ATRIBUIÇÕES DE UM REPRESENTANTE: O representante de turma é um elo entre a turma e a comunidade escolar. É o porta-voz da turma, isto é, o elemento que transmite as sugestões, reivindicações e problemas do grupo. Incentiva a turma a participar de eventos, solenidades, visitas etc. Além dessas tarefas o representante deve: 1. Incentivar a turma a ser um grupo coeso e unido. 2. Auxiliar o grupo a determinar seus objetivos e a utilizar os meios adequados para atingi-los. 3. Ajudar a turma a colaborar com os objetivos básicos e projetos da escola. 4. Comparecer e participar das reuniões e eventos para os quais for convocado. 5. Exercer uma liderança positiva. 6. Solicitar a intervenção da Equipe de Direção da quanto a assuntos específicos da sua turma.

7

PROJETO PROFESSOR(A) CONSELHEIRO(A)

PROJETO PROFESSOR(A) CONSELHEIRO(A) PROJETO PROFESSOR(A) CONSELHEIRO(A) Responsável: Setor de Coordenação Pedagógica São Luís 2010 PROJETO PROFESSOR(A) CONSELHEIRO(A) 1. APRESENTAÇÃO: A escola é espaço de construção, sistematização, apropriação

Leia mais

MANUAL REPRESENTANTES E VICE- REPRESENTANTES DE TURMAS

MANUAL REPRESENTANTES E VICE- REPRESENTANTES DE TURMAS MANUAL REPRESENTANTES E VICE- REPRESENTANTES DE TURMAS Introdução Parabéns! Você foi eleito representante de sua turma. Isso demonstra o seu interesse em contribuir com os seus colegas e a Etec Arnaldo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Justificativa. Considerando a necessidade da organização, coordenação e implementação de uma melhor qualidade no processo ensino e aprendizagem se faz necessário o trabalho

Leia mais

Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando

Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando a improvisação e a rotina. Explicitar princípios, diretrizes

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: 03.117.139/0001-08 FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA - FAISA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: 03.117.139/0001-08 FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA - FAISA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: 03.117.139/0001-08 FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA - FAISA ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA GESTÃO ESCOLAR Ilha Solteira SP 2014

Leia mais

GERÊNCIA DE ENSINO Coordenação do Curso de Licenciatura em Letras Português/Inglês CONCURSO DO PROJETO DE INTERVENÇÃO PPP III CIRCUITO 9

GERÊNCIA DE ENSINO Coordenação do Curso de Licenciatura em Letras Português/Inglês CONCURSO DO PROJETO DE INTERVENÇÃO PPP III CIRCUITO 9 GERÊNCIA DE ENSINO Coordenação do Curso de Licenciatura em Letras Português/Inglês CONCURSO DO PROJETO DE INTERVENÇÃO PPP III CIRCUITO 9 SALVADOR - BAHIA - BRASIL 2009 CONCURSO PARA ESCOLHA DO MELHOR PROJETO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - EQUIPE PEDAGÓGICA

PLANO DE AÇÃO - EQUIPE PEDAGÓGICA PLANO DE AÇÃO - EQUIPE PEDAGÓGICA JUSTIFICATIVA O ato de planejar faz parte da história do ser humano, pois o desejo de transformar sonhos em realidade objetiva é uma preocupação marcante de toda pessoa.

Leia mais

Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019

Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019 Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019 Introdução O Plano de Melhoria do Agrupamento de Escola Gaia Nascente para o quadriénio 2015 2019 tem como objetivo a consolidação e/ou mudança de algumas práticas.

Leia mais

REGULAMENTO DA POLÍTICA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MINEIROS UNIFIMES

REGULAMENTO DA POLÍTICA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MINEIROS UNIFIMES CENTRO UNIVERSITARIO DE MINEIROS (UNIFIMES) PRÓ-REITORIA DE ENSINO, DE PESQUISA E DE EXTENSÃO DIRETORIA DE EXTENSÃO, ASSUNTOS COMUNITÁRIOS, ESTUDANTIS E CULTURAIS REGULAMENTO DA POLÍTICA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS

Leia mais

Preâmbulo. Objetivos. Metodologia

Preâmbulo. Objetivos. Metodologia Preâmbulo Numa sociedade democrática é fundamental que existam mecanismos de participação que permitam aos jovens o desenvolvimento de competências de cidadania que lhes possibilitem a formulação de ideias

Leia mais

PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE LIVRO VIAJANTE

PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE LIVRO VIAJANTE PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE LIVRO VIAJANTE "Viajar pela leitura sem rumo sem direção só para viver aventura que é ter um livro nas mãos" 1. 1. APRESENTAÇÃO O Projeto de Incentivo

Leia mais

Normas do Laboratório de Práticas de Enfermagem

Normas do Laboratório de Práticas de Enfermagem UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Escola de Enfermagem Laboratório de Práticas de Enfermagem Telefone: (31) 3409-9873 Endereço: Av. Professor Alfredo Balena, nº 190 sala 321 - Centro - Belo Horizonte/MG

Leia mais

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2012

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2012 Pedagogia: Aut. Dec. nº 93110 de 13/08/86 / Reconhecido Port. Nº 717 de 21/12/89/ Renovação Rec. Port. nº 3.648 de 17/10/2005 Educação Física: Aut. Port. nº 766 de 31/05/00 / Rec. Port. nº 3.755 de 24/10/05

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO Participação Política e Cidadania Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir O Que é participação política? O conceito de participação política tem seu significado fortemente

Leia mais

SETORIAL DE EXTENSÃO DO CE/UFPE Plano de Trabalho (2015-2017)

SETORIAL DE EXTENSÃO DO CE/UFPE Plano de Trabalho (2015-2017) SETORIAL DE EXTENSÃO DO CE/UFPE Plano de Trabalho (2015-2017) Coordenadoras: Maria da Conceição dos Reis Auxiliadora Maria Martins da Silva APRESENTAÇÃO O presente documento: PLANO DE TRABALHO DA SETORIAL

Leia mais

Família e escola : encontro de saberes e vivências Oficina de colares Tecendo olhares

Família e escola : encontro de saberes e vivências Oficina de colares Tecendo olhares Família e escola : encontro de saberes e vivências Oficina de colares Tecendo olhares E.M.E.F. anexa ao EDUCANCÁRIO DOM DUARTE Sala 6 / 1ª. Sessão Professor(es) Apresentador(es): Gislaine Rosa dos Santos

Leia mais

Resultado Geral 02/02/2016 17:30:46. Etec Profª. Drª. Doroti Quiomi K. Toyohara - São Paulo. Resultado Geral

Resultado Geral 02/02/2016 17:30:46. Etec Profª. Drª. Doroti Quiomi K. Toyohara - São Paulo. Resultado Geral 2/2/16 17:3:46 Resultado Geral 4 86,67 75,27 75,71 Parecer da Supervisão Regional A figura do observador no momento da visita de consenso do Observatório Escolar, deve ter o olhar externo que o leve ao

Leia mais

GRUPO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIENCIAS CAMPUS DE MARILIA

GRUPO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIENCIAS CAMPUS DE MARILIA GRUPO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIENCIAS CAMPUS DE MARILIA 1. INTRODUÇÃO RELATORIO FINAL DE ATIVIDADES DO EXERCÍCIO DE 2014 De acordo com o Programa

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA DA AEMS FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS - AEMS

REGULAMENTO DE MONITORIA DA AEMS FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS - AEMS REGULAMENTO DE MONITORIA DA AEMS - AEMS A Faculdades Integradas de Três Lagoas - AEMS, mantida pela Associação de Ensino e Cultura de Mato Grosso do Sul, em respeito aos seus projetos pedagógicos, oferece

Leia mais

Apoio Pedagógico à Casa da Mãe Abigail

Apoio Pedagógico à Casa da Mãe Abigail ÁREA TEMÁTICA: DIRETOS HUMANOS E JUSTIÇA GEPES - Grupo de Estudos em Políticas Educacionais e Sociais UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E COMUNIDADE COORDENADORIA

Leia mais

Iª GINCANA INTERNA DO IFSudeste MG CÂMPUS SÃO JOÃO DEL-REI. 2.3- Toda a decisão da organização é irrevogável e inquestionável.

Iª GINCANA INTERNA DO IFSudeste MG CÂMPUS SÃO JOÃO DEL-REI. 2.3- Toda a decisão da organização é irrevogável e inquestionável. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS - CAMPUS SÃO JOÃO DEL-REI DIREÇÃO DE EXTENSÃO COORDENAÇÃO GERAL DE EXTENSÃO Iª GINCANA INTERNA DO IFSudeste MG CÂMPUS SÃO

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM DE BOTICAS. Preâmbulo. O Orçamento Participativo Jovem vem introduzir mais um meio

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM DE BOTICAS. Preâmbulo. O Orçamento Participativo Jovem vem introduzir mais um meio NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM DE BOTICAS Preâmbulo O Orçamento Participativo Jovem vem introduzir mais um meio de atuação, para além dos existentes, junto da população juvenil

Leia mais

DESAFIO DA SOLIDARIEDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. 08 a 29 de maio de 2012

DESAFIO DA SOLIDARIEDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. 08 a 29 de maio de 2012 DESAFIO DA SOLIDARIEDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL 08 a 29 de maio de 2012 TOLEDO PR 2012 APRESENTAÇÃO O Desafio da Solidariedade e Responsabilidade Social da FASUL é um projeto cuja ideia central é incentivar

Leia mais

PROJETO CULTURA DIGITAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL

PROJETO CULTURA DIGITAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL PROJETO CULTURA DIGITAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL Apresentação Objetivo Geral e Justificativa Objetivos Específicos Resultados Metodologia Operacionalização Formas de investimento Orçamento Contrapartidas Apresentação

Leia mais

Prêmio Viva Leitura. Categoria Escola Pública. Projeto: Leitura como fonte de conhecimento e prazer

Prêmio Viva Leitura. Categoria Escola Pública. Projeto: Leitura como fonte de conhecimento e prazer COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DE LAGOA ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PR 281 KM 20 - LAGOA FONE: 41-3674-1053 e-mail : colegioestadualdelagoa@gmail.com Prêmio Viva Leitura Categoria Escola Pública Projeto: Leitura

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO DE ADESÃO VOLUNTÁRIA À PARTICIPAÇÃO NO PROJETO DE CONSULTORIA PARA CERTIFICAÇÃO ISSO 9001 NA APAC DE NOVA LIMA

EDITAL DO PROCESSO DE ADESÃO VOLUNTÁRIA À PARTICIPAÇÃO NO PROJETO DE CONSULTORIA PARA CERTIFICAÇÃO ISSO 9001 NA APAC DE NOVA LIMA EDITAL DO PROCESSO DE ADESÃO VOLUNTÁRIA À PARTICIPAÇÃO NO PROJETO DE CONSULTORIA PARA CERTIFICAÇÃO ISSO 9001 NA APAC DE NOVA LIMA De ordem do Professor Paulo Henrique Sousa Leite, Diretor da Faculdade

Leia mais

Regimento de Atividades Complementares do Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina.

Regimento de Atividades Complementares do Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina. Regimento de Atividades Complementares do Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina. CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art.1º - Observando o disposto no Artigo 08º da Resolução

Leia mais

CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE

CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE Planificação Anual - 2015-2016 Ensino Básico 9º Ano 2º Ano - Atividade Vocacional FOTOGRAFIA DIGITAL MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS Conteúdos Procedimentos

Leia mais

PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA

PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA MANUAL DO PROJETO PEDAGÓGICO PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA LICENCIATURA Ribeirão Pires Missão da FIRP Alcançar a oferta e a prática de uma educação solidária, possibilitando

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CRS

REGIMENTO DO COMITÊ DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CRS REGIMENTO DO COMITÊ DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CRS TÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O Comitê de Responsabilidade Social da FURJ/UNIVILLE foi instituído pela resolução 05/05, de 28 de abril de 2005, vinculado

Leia mais

Sequência Didática: A Ditadura Civil Militar

Sequência Didática: A Ditadura Civil Militar Sequência Didática: A Ditadura Civil Militar Professor, abaixo segue uma Sequência Didática para trabalhar os conteúdos da Ditadura Civil-Militar brasileira com o Ensino Médio. É um conjunto de 3 atividades

Leia mais

CARACTERISTICAS DOS BONS PROFESSORES

CARACTERISTICAS DOS BONS PROFESSORES CARACTERISTICAS DOS BONS PROFESSORES ATIVIDADE 1:30 H DIVIDIR OS ALUNOS EM GRUPOS 5 min; LEVANTAR PROFESSORES QUE MARCARAM SUA VIDA ACADÊMICA POSITIVAMENTE 10 min; DEFINIR AS CARACTERÍTICAS QUE FIZERAM

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A universalização da inclusão digital, através do desenvolvimento de uma Política Pública de Inclusão Digital, que contemple a criação de um Sistema Municipal de Inclusão Digital,

Leia mais

Trabalho de Conclusão do Ensino Médio

Trabalho de Conclusão do Ensino Médio Trabalho de Conclusão do Ensino Médio Funcionamento da Disciplina 1. A Disciplina é Obrigatória. A. Pertence ao Núcleo Básico. 2. Carga Horária de 80 horas (40 + 40 = 2ºano + 3ºano) A. Encontros entre

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE RONDÔNIA CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DA INFÂNCIA E JUVENTUDE E DA DEFESA DOS USUÁRIOS DOS SERVIÇOS DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE RONDÔNIA CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DA INFÂNCIA E JUVENTUDE E DA DEFESA DOS USUÁRIOS DOS SERVIÇOS DE EDUCAÇÃO "A educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. Se a nossa opção é progressista, se estamos a favor da vida e não da morte, da equidade e não da injustiça, do direito

Leia mais

Jimboê. História. Avaliação. Projeto. 5 o ano. 3 o bimestre

Jimboê. História. Avaliação. Projeto. 5 o ano. 3 o bimestre Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao terceiro bimestre escolar ou à Unidade 3 do Livro do Aluno. Projeto Jimboê 5 o ano Avaliação 3 o bimestre 1 Avaliação NOME: ESCOLA: PROFESSOR: TURMA:

Leia mais

CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Versão final MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA UNOESC CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Art. 1º O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA-PROPESQ. Edital 08/2016

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA-PROPESQ. Edital 08/2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA-PROPESQ Edital 08/2016 1. Sobre o Programa A Pró-Reitoria de Pesquisa (PROPESQ) lança a 8ª edição do Programa Ciência na Sociedade

Leia mais

Treinamento Auditores 5S 2ª fase fevereiro/08

Treinamento Auditores 5S 2ª fase fevereiro/08 Treinamento Auditores 5S 2ª fase fevereiro/08 REGRAS DE TRÂNSITO Para maior êxito e qualidade no resultado dos nossos trabalhos, precisamos colaborar no sentido de: Sermos pontuais Sermos objetivos Sermos

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Tramitação 1988 Promulgação da Constituição Federal 1988 a 1991 Início de discussão do projeto Jorge Hage na Câmara

Leia mais

Programa Competências Transversais

Programa Competências Transversais Programa Competências Transversais o Consumo Consciente de Energia o Desenho Arquitetônico o Educação Ambiental o Empreendedorismo o Fundamentos de Logística o Finanças Pessoais o Legislação Trabalhista

Leia mais

Relacionamento Interpessoal LIDERANÇA E ESTILO DE LIDERANÇA. Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura

Relacionamento Interpessoal LIDERANÇA E ESTILO DE LIDERANÇA. Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura Relacionamento Interpessoal LIDERANÇA E ESTILO DE LIDERANÇA Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura Maior complexidade nas relações Novos modelos de gestão Parcerias estratégicas Globalização Rápidas mudanças

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 2014 / 2015. PORTUGUÊS 5.º e 6.º Anos

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 2014 / 2015. PORTUGUÊS 5.º e 6.º Anos Disciplina: PORTUGUÊS 5.º e 6.º Anos - Responsabilidade: (6%) assiduidade/pontualidade (2%) material (2%) organização do caderno diário (2%) - Comportamento: (5%) cumpre as regras estabelecidas - Empenho/Participação:

Leia mais

Interdisciplinar II Módulo CST: GESCOM

Interdisciplinar II Módulo CST: GESCOM UniãoMetropolitana deeducaçãoecultura Interdisciplinar II Módulo CST: GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação do projeto interdisciplinar

Leia mais

Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP

Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP Universidade de São Paulo Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP Qual a USP que queremos: A USP hoje e daqui a 20 anos Estela Damato NUSP 7693618 São Paulo 2014 Introdução Pensar no futuro de uma universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º Este Regulamento estabelece a normatização das disciplinas de

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSA DE APOIO À PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DO INOVA SENAI-PE

PROGRAMA DE BOLSA DE APOIO À PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DO INOVA SENAI-PE PROGRAMA DE BOLSA DE APOIO À PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DO INOVA SENAI-PE PROGRAMA INSTITUCIONAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INOVA

Leia mais

REGULAMENTO DA RÁDIO/TV ESCOLA

REGULAMENTO DA RÁDIO/TV ESCOLA REGULAMENTO DA RÁDIO/TV ESCOLA 2015/2016 1. INTRODUÇÃO Este regulamento tem como objetivo assegurar o bom funcionamento das emissões produzidas na Rádio/TV Escola, na Escola Secundária do Agrupamento de

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO Chaves, Janeiro 2010 REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO Secção I Disposições Gerais Artigo 1º 1. Em cumprimento no disposto no Artigo 106º da Lei nº 62/2007 de 10 de

Leia mais

Marcio E. S. Corpes Nicole Dominique Oliva Vanessa Lermen Corpes

Marcio E. S. Corpes Nicole Dominique Oliva Vanessa Lermen Corpes UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL Marcio E. S. Corpes Nicole Dominique Oliva

Leia mais

Nome do Projeto: Livro: Porta de Entrada para a Cidadania.

Nome do Projeto: Livro: Porta de Entrada para a Cidadania. Programa: Cidadania Educação Incentivo à Leitura. Nome do Projeto: Livro: Porta de Entrada para a Cidadania. 1. Apresentação: O artigo 205 da Constituição Federal insere a educação como um direito de todos

Leia mais

Manual do Processo de Planejamento da UFSC. Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC

Manual do Processo de Planejamento da UFSC. Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC Manual do Processo de Planejamento da UFSC 2010 Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC Apresentação Este documento descreve o processo de planejamento que vem sendo implantado na Universidade Federal

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO: ADMINISTRAÇÃO MANUAL DO ALUNO. APS - ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS (8º/7º semestres)

INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO: ADMINISTRAÇÃO MANUAL DO ALUNO. APS - ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS (8º/7º semestres) INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO: MANUAL DO ALUNO APS - ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS (8º/7º semestres) SDE SIMULAÇÃO DE ESTRATÉGIA DISCIPLINA-ÂNCORA GESTÃO MERCADOLÓGICA SÃO PAULO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO VOLEIBOL ATC

REGULAMENTO INTERNO VOLEIBOL ATC REGULAMENTO INTERNO VOLEIBOL ATC DAS FINALIDADES I- O presente regulamento disciplina todas as atividades desenvolvidas pelo Departamento de Vôlei do clube. DA COMPOSIÇÃO II- O Clube disponibiliza equipes

Leia mais

REUNIÃO PAIS. COLÉGIO VALPARAISO REDE PITÁGORAS Adolfo Eduardo Marini e Souza

REUNIÃO PAIS. COLÉGIO VALPARAISO REDE PITÁGORAS Adolfo Eduardo Marini e Souza REUNIÃO PAIS COLÉGIO VALPARAISO REDE PITÁGORAS Adolfo Eduardo Marini e Souza adolfo@colegvalparaiso.com.br Conversando O QUE ESPERAMOS DA ESCOLA DE NOSSOS FILHOS? EM QUE NOS BASEAMOS PARA ESTABELECERMOS

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL 2014/01 a 2014/02 APRESENTAÇÃO O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES,

Leia mais

Artigo 1º. (Objeto) Incentivar a participação conjunta e organizada de toda a comunidade escolar na construção de uma escola verde;

Artigo 1º. (Objeto) Incentivar a participação conjunta e organizada de toda a comunidade escolar na construção de uma escola verde; ANEXO VI REGULAMENTO DO CONCURSO ESCOLAS VERDES - 2013 DISPOSIÇÕES GERAIS O Concurso Escolas Verdes destina-se a reconhecer e distinguir a participação das Escolas em projetos de índole ambiental promovidos

Leia mais

CENTRO DE REABILITAÇÃO DE PONTE DE LIMA

CENTRO DE REABILITAÇÃO DE PONTE DE LIMA Município de Ponte de Lima Associação Cultural CAL Comunidade Artística Limiana Associação dos Amigos de Arte Inclusiva Dançando com a Diferença (AAIDD) Associação Nacional de Arte e Criatividade de e

Leia mais

PLANO DE AÇÃO. Equipe Pedagógica

PLANO DE AÇÃO. Equipe Pedagógica PLANO DE AÇÃO Equipe Pedagógica I DADOS Estabelecimento: Escola Estadual José Ribas Vidal Ensino Fundamental Município: Campo Largo Núcleo: Área Metropolitana - Sul Pedagogas: Cristiane Rodrigues de Jesus

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Componente Curricular: ÉTICA E CIDADANIA ORGANIZACIONAL

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Componente Curricular: ÉTICA E CIDADANIA ORGANIZACIONAL Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM FARMÁCIA QualificaçãoTécnica

Leia mais

ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO DEPARTAMENTO CURRICULAR DA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR

ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO DEPARTAMENTO CURRICULAR DA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO DEPARTAMENTO CURRICULAR DA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR 1 Preâmbulo O presente regimento interno, adiante designado por regimento, é o documento que define o regime de funcionamento

Leia mais

Bases fundamentais. Convenção Relativa à Luta contra a Discriminação no Campo do Ensino

Bases fundamentais. Convenção Relativa à Luta contra a Discriminação no Campo do Ensino Bases fundamentais Lei 10.639/2003 Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana O sucesso das políticas

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2014

PLANEJAMENTO ANUAL 2014 PLANEJAMENTO ANUAL 2014 Disciplina: ENSINO RELIGIOSO Período: Anual Professor: MARIA LÚCIA DA SILVA Série e segmento: 7º ANO 1º TRIMESTRE 2º TRIMESTRE 3º TRIMESTRE * conhecer os elementos básicos que compõe

Leia mais

Cascais com Rugby Projeto para escolas do 1ºCiclo Ano Letivo 2013/2014. Projeto Cascais com Rugby, nas escolas do 1º Ciclo

Cascais com Rugby Projeto para escolas do 1ºCiclo Ano Letivo 2013/2014. Projeto Cascais com Rugby, nas escolas do 1º Ciclo Cascais com Rugby Projeto para escolas do 1ºCiclo Ano Letivo 2013/2014 Introdução A Federação Portuguesa de Rugby (FPR) acordou com o Gabinete Coordenador do Desporto Escolar dar inicio ao Programa Nestum,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE-FESURV FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MANUAL DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE-FESURV FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MANUAL DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE DE RIO VERDE-FESURV FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MANUAL DE ESTÁGIO Os Estágios Curriculares Obrigatórios do Curso de Ciências Biológicas- Licenciatura e Bacharelado, visam à capacitação

Leia mais

Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo. Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira. (1º ciclo)

Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo. Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira. (1º ciclo) Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira (1º ciclo) Departamento de Línguas Estrangeiras Ano Letivo 2015/2016 1 Considerações Gerais 1. Pretende-se que a

Leia mais

CAPÍTULO II DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO II DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente instrumento dispõe sobre as normas e procedimentos a serem observados

Leia mais

MOBILIZAÇÃO DOS CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO DE RIO LARGO/AL: O PROJECTU DA PARTICIPAÇÃO NA PROMOÇÃO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA

MOBILIZAÇÃO DOS CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO DE RIO LARGO/AL: O PROJECTU DA PARTICIPAÇÃO NA PROMOÇÃO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA MOBILIZAÇÃO DOS CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO DE RIO LARGO/AL: O PROJECTU DA PARTICIPAÇÃO NA PROMOÇÃO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA Javan Sami Araújo dos Santos Secretaria Municipal de Educação de Rio Largo/AL

Leia mais

REGIMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGIMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES FACULDADE MARECHAL RONDON REGIMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ENFERMAGEM São Manuel 2016 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DA FMR As Atividades Complementares, conforme

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMBORIÚ SECRETARIA DA EDUCAÇÃO

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMBORIÚ SECRETARIA DA EDUCAÇÃO EDITAL N 019/2015 Dispõe sobre os procedimentos de matrícula e rematrícula para atualização de dados dos alunos e abre as inscrições para as novas matrículas na rede pública municipal de ensino para o

Leia mais

SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO

SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO Ministério do Meio Ambiente O Projeto de Elaboração do Plano de Desenvolvimento Territorial Sustentável Socioambientais Prioritários/Vale do

Leia mais

CONCURSO de PARÓDIAS - 2011

CONCURSO de PARÓDIAS - 2011 CONCURSO de PARÓDIAS - 2011 OBJETIVOS Inovar o trabalho com os alunos. Trabalhar a interdisciplinaridade com todo o Ensino Médio. Resgatar as virtudes da nossa sociedade como: carisma, espiritualidade,

Leia mais

FACULDADE SÃO MIGUEL

FACULDADE SÃO MIGUEL FACULDADE SÃO MIGUEL 1. Regulamentação para eleição dos representantes das turmas da Faculdade São Miguel. Em reconhecimento a Lei nº 7.395, de 31 de outubro de 1985, a direção da Faculdade São Miguel,

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente Mallet PR. Mallet Pr. Incentivo Fiscal

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente Mallet PR. Mallet Pr. Incentivo Fiscal Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente Mallet PR Av. Barão do Rio Branco, 649 Cep: 84570-000 Fone/Fax: (42) 3542-1439 Mallet Pr. E-mail: assistencia.mallet@yahoo.com.br Incentivo Fiscal

Leia mais

vamos cuidar do planeta

vamos cuidar do planeta REGULAMENTO Conferência Internacional Infanto-Juvenil - Vamos cuidar do Planeta Brasília, 5 a 10 de junho de 2010 A Conferência Internacional Infanto-Juvenil Vamos cuidar do Planeta (Confint) é uma ação

Leia mais

Curso Vigilância em Saúde

Curso Vigilância em Saúde Diretrizes para a Seleção de Especializandos para o curso de especialização 2015-2016: Curso Vigilância em Saúde Fortaleza, setembro de 2015 Prezado Gestor Municipal, Fortaleza, 09 de outubro de 2015.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRO-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA COLÉGIO DE APLICAÇÃO DA UFAC POLO ARTE NA ESCOLA EDITAL 01/2016

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRO-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA COLÉGIO DE APLICAÇÃO DA UFAC POLO ARTE NA ESCOLA EDITAL 01/2016 EDITAL 01/2016 A Coordenação do Polo Arte na Escola Colégio de Aplicação da UFAC, torna pública a abertura de inscrições às vagas remanescentes ao Curso de Formação Continuada em Artes, para ingresso no

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÂO CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÂO CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO - DAGA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Telefone: (41) 3360-4360 Fax: (41) 3360-4360 REGULAMENTO DE

Leia mais

PROJETO DE SOLICITAÇÃO DE DISCIPLINA NO PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2015

PROJETO DE SOLICITAÇÃO DE DISCIPLINA NO PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2015 PROJETO DE SOLICITAÇÃO DE DISCIPLINA NO PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2015 I. Professor orientador: Leonardo Santos Bordoni. II. Disciplina de atuação: Anatomia do Aparelho Locomotor. III. Justificativa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO EM INSTITUIÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA O LIVRO DIDÁTICO NO CONTEXTO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 09 ANOS maio de 2009. Ministério da Educação Ensino fundamental de 09 anos Lei nº 11.274, de 06/02/2006:

Leia mais

Aula Ensino: planejamento e avaliação. Profª. Ms. Cláudia Benedetti

Aula Ensino: planejamento e avaliação. Profª. Ms. Cláudia Benedetti Aula Ensino: planejamento e avaliação Profª. Ms. Cláudia Benedetti Profa. M.a. Cláudia Benedetti Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1998). Mestre

Leia mais

CIDADANIA: será esse o futuro do desenvolvimento do País?

CIDADANIA: será esse o futuro do desenvolvimento do País? THATIANA SOUZA CIDADANIA: será esse o futuro do desenvolvimento do País? Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização em Legislação

Leia mais

Concurso de Livro de Contos Infantis Histórias da Ajudaris: Pequenos Gestos Grandes Corações. Regulamento. Artigo 1º Apresentação

Concurso de Livro de Contos Infantis Histórias da Ajudaris: Pequenos Gestos Grandes Corações. Regulamento. Artigo 1º Apresentação Concurso de Livro de Contos Infantis Histórias da Ajudaris: Pequenos Gestos Grandes Corações Regulamento Artigo 1º Apresentação A Ajudaris, a Rede de Bibliotecas Escolares (RBE) e o Plano Nacional de Leitura

Leia mais

O direito à participação juvenil

O direito à participação juvenil O direito à participação juvenil Quem nunca ouviu dizer que os jovens são o futuro do país? Quase todo mundo, não é verdade? Porém a afirmativa merece uma reflexão: se os jovens são o futuro do país, qual

Leia mais

Edital 2011 AABB Porto Alegre Grupo Bem Me Quer. OBJETIVO Seleção de Projetos das Instituições parceiras da AABB Grupo Bem Me Quer

Edital 2011 AABB Porto Alegre Grupo Bem Me Quer. OBJETIVO Seleção de Projetos das Instituições parceiras da AABB Grupo Bem Me Quer Edital 2011 AABB Porto Alegre Grupo Bem Me Quer OBJETIVO Seleção de Projetos das Instituições parceiras da AABB Grupo Bem Me Quer Período de inscrição 15/02/2011 a 30/03/2011 ENVIO DAS PROPOSTAS As instituições

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA SELEÇÃO DE BOLSISTA N 16/2016. Bolsa de Desenvolvimento para Inovação Tecnológica

TERMO DE REFERÊNCIA PARA SELEÇÃO DE BOLSISTA N 16/2016. Bolsa de Desenvolvimento para Inovação Tecnológica TERMO DE REFERÊNCIA PARA SELEÇÃO DE BOLSISTA N 16/2016 Bolsa de Desenvolvimento para Inovação Tecnológica Área de Concentração em Desenvolvimento Estrutural de CTI Linha de Desenvolvimento de CTI Popularização

Leia mais

REGULAMENTO DO ESPAÇO SANTA CASA DA DIREÇÃO DE AÇÃO SOCIAL E SAUDE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. (Fins do Espaço Santa Casa) Artigo 2.

REGULAMENTO DO ESPAÇO SANTA CASA DA DIREÇÃO DE AÇÃO SOCIAL E SAUDE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. (Fins do Espaço Santa Casa) Artigo 2. REGULAMENTO DO ESPAÇO SANTA CASA DA DIREÇÃO DE AÇÃO SOCIAL E SAUDE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Fins do Espaço Santa Casa) Enquadrado pelos fins estatutários da Santa Casa da Misericórdia

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO FÓRUM GOIANO DE ENFRENTAMENTO AO USO DE CRACK E OUTRAS DROGAS

ESTATUTO SOCIAL DO FÓRUM GOIANO DE ENFRENTAMENTO AO USO DE CRACK E OUTRAS DROGAS ESTATUTO SOCIAL DO FÓRUM GOIANO DE ENFRENTAMENTO AO USO DE CRACK E OUTRAS DROGAS TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E COMPOSIÇÃO Artigo 1º - O FÓRUM GOIANO DE ENFRENTAMENTO AO USO DO CRACK E OUTRAS

Leia mais

Professores Regentes: Angela Aparecida Bernegozze Marlei Aparecida Lazarin Asoni Marlene Antonia de Araujo

Professores Regentes: Angela Aparecida Bernegozze Marlei Aparecida Lazarin Asoni Marlene Antonia de Araujo 4 1. IDENTIFICAÇÃO Título do Projeto: Trabalhando a tabuada através de jogos on-line Público Alvo: Alunos do 3º e 5º do Ensino Fundamental Turno: Matutino Disciplinas Envolvidas: Matemática Professores

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EM CONSONÂNCIA AO EDITAL Nº 01/2015

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EM CONSONÂNCIA AO EDITAL Nº 01/2015 ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EM CONSONÂNCIA AO EDITAL Nº 01/2015 NOME DO PROJETO: ORGANIZAÇÃO PROPONENTE: DATA : / / ÍNDICE DO PROJETO ASSUNTO PÁG. I - CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO - TÍTULO

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA RELEITURA

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA RELEITURA REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA RELEITURA FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL CARLA JAMILLE C. DE ARAÚJO Mestranda em Educação, UFBA, jamillecarla@hotmail.com REFERENCIAL CURRICULAR

Leia mais

EDITAL DE EXTENSÃO Nº 02/2016 PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA IDIOMAS APLICADOS A SERVIÇO DE TURISMO

EDITAL DE EXTENSÃO Nº 02/2016 PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA IDIOMAS APLICADOS A SERVIÇO DE TURISMO EDITAL DE EXTENSÃO Nº 02/2016 PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA IDIOMAS APLICADOS A SERVIÇO DE TURISMO A Pró-Reitora de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONHECIMENTO CORPORAL ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO FÍSICA A educação escolar tem como objetivo transmitir o conhecimento acumulado pela humanidade que o leve a compreender e a

Leia mais

ABNT NBR 16001:2012 Sistema de gestão em responsabilidade social

ABNT NBR 16001:2012 Sistema de gestão em responsabilidade social ABNT NBR 16001:2012 Sistema de gestão em responsabilidade social III Seminário sobre o Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social José Salvador da Silva Filho Curso de Auditor Líder

Leia mais

Orientações sobre o Conselho de Classe

Orientações sobre o Conselho de Classe Orientações sobre o Conselho de Classe A Secretaria da Educação do Estado da Bahia com o propósito de contribuir com a melhor estruturação do Conselho de Classe propõe refletir a temática na Agenda de

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD-UENP. EDITAL PROGRAD/PIBID nº 09/2013

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD-UENP. EDITAL PROGRAD/PIBID nº 09/2013 EDITAL PROGRAD/PIBID nº 09/2013 SELEÇÃO DE BOLSISTAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) - PIBID/UENP A Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP),

Leia mais

ANEXO D. Guião de entrevista à Directora da Escola Formulário de questões

ANEXO D. Guião de entrevista à Directora da Escola Formulário de questões ANEXO D Guião de entrevista à Directora da Escola Formulário de questões Tema Auto-avaliação numa escola secundária Objectivos gerais Recolher informação relevante que contribua para caracterizar a implementação

Leia mais

CURSO FORMAÇÃO CIDADÃ DEMOCRACIA REPRESENTATIVA. Victor Barau

CURSO FORMAÇÃO CIDADÃ DEMOCRACIA REPRESENTATIVA. Victor Barau CURSO FORMAÇÃO CIDADÃ DEMOCRACIA REPRESENTATIVA Victor Barau 1- O Conceito da palavra Democracia Democracia demos = povo, e kratos = autoridade Origem Conceito Moderno: Revoluções Francesa e Americana.

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Institui as normas para a realização do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e as condições de aproveitamento, para

Leia mais