IPECON/ PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS MBA EM GESTÃO E ANÁLISE ORGANIZACIONAL LORRAINE ARAÚJO CARVALHO ANDRAGOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IPECON/ PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS MBA EM GESTÃO E ANÁLISE ORGANIZACIONAL LORRAINE ARAÚJO CARVALHO ANDRAGOGIA"

Transcrição

1 IPECON/ PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS MBA EM GESTÃO E ANÁLISE ORGANIZACIONAL LORRAINE ARAÚJO CARVALHO ANDRAGOGIA GOIÂNIA 2013

2 LORRAINE ARAÚJO CARVALHO ANDRAGOGIA Artigo de conclusão de curso de MBA em Gestão e Análise Organizacional do IPECON/ Pontifícia Universidade Católica de Goiás, como requisito à obtenção do título de Especialista. Orientadora: Profª. Msc. Ivone Félix de Sousa. GOIÂNIA 2013

3 LORRAINE ARAÚJO CARVALHO ANDRAGOGIA Artigo de conclusão de curso de MBA em Gestão e Análise Organizacional do IPECON/ PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE DE GOIÁS, como requisito à obtenção do título de Especialista. COMISSÃO EXAMINADORA Profa. Msc. Ivone Félix de Sousa IPECON/ PUC-GO Jussara, 01 de Junho de 2013.

4 Andragogia Andragogy Lorraine Araújo Carvalho 1 Resumo: O artigo propõe a discussão da importância da andragogia dentro das empresas de qualquer ramo ou atividade, pública ou privada, das mais diferentes características. O artigo apresenta três vertentes: uma em que a andragogia se apresenta como modelo da educação de adultos, relacionando assim com o que leva os colaboradores a aprender; outra que levanta as características e o modo como enxergam os cursos e palestras oferecidos pelas empresas e outra que propõe um diagnóstico geral que investiga uma série de variáveis como, educar e aprender, o conhecimento de cada um em relação ao termo andragogia. A partir daí a andragogia envolvida em nosso cotidiano. Palavras-chave: andragogia, ensino, aprendizagem, organização. Abstract: The paper presents a discussion of the importance of andragogy within companies of any industry or activity, public or private, of many different characteristics. The article has three parts: one in which andragogy is presented as a model of adult education, linking well with what leads employees to learn, one that raises the features and how they see the courses and lectures offered by other companies and that proposes a general diagnosis that investigates a number of variables such as education and learning, the knowledge of each in relation to the term andragogy. Thereafter andragogy involved in our daily lives. Keywords: andragogy, teaching, learning, organization. 1 Acadêmica do MBA em Gestão e Análise Organizacional, IPECON/ PUC-GO; Graduada em Administração pela FAJ Faculdade de Jussara.

5 1. Introdução Quando crianças temos uma disposição diferente em aprender, alguns podem até dizer que está disposição se nomeia curiosidade, sem esquecer que é quando somos crianças que passamos pela a fase dos pôr ques, mas nesta fase somos inexperientes, somos conduzidos por meio da experiência de nossos professores e pais, o aprendizado então passa a ser através de temas os quais denominamos matérias e é neste momento que tudo se segue através de uma lógica e o ensino as crianças toma sua face se denominando Pedagogia. Ouve-se falar em Pedagogia, na educação das crianças e adolescentes, na melhor forma de ensinar os jovens, mas como ensinar adultos? Qual a forma ideal de ensinar pessoas com uma certa experiência (vivência)? Como mostrar a eles a importancia da teoria? Como fazer com que entendam? Como tudo se aplica na prática nas empresas? É comum colaboradores de diversas empresas passarem por cursos, palestras, entre outros, mas qual a visão de cada colaborador em relação a isso? Como fazer com que queiram sempre participar das mesmas? São inúmeras as perguntas quando se trata de aprendizagem e do modo como o ensino se aplica a vida de cada um, mas tudo é por etapas. O adulto aprende se ver que isso é útil ou mesmo aplicável a vida dele, ele quer experimentar, vivenciar o que foi aprendido e o que o estimula é ver este paralelo entre satisfação, auto-estima e qualidade de vida, ver a resolução de seus problemas rotineiros, o indivíduo passa a aprender com seus próprios erros, analisa criticamente cada informação recebida. È preciso trazer as empresas e ao nosso sistema acadêmico a andragogia, pois lidar com seres pensantes, capazes de criticar e analisar, não são mais aquelas esponjas que absorvem a tudo, é necessário quebrar esse paradigma do ensino tradicional, onde manda quem pode e obedece quem tem juízo, o processo de ensino nas organizações é um caminho de mão dupla onde líder e liderados poderão aprender uns com os outros de forma andragógica, dividindo experiências e assumindo-se, construindo assim sua estrada rumo ao inacabado.

6 Andragogia (Pedagogia) Em seu livro Pedagogia do Oprimido, Paulo Freire diz que: Ninguém educa ninguém, nem ninguém aprende sozinho, nós homens (mulheres) aprendemos através do mundo. Partindo deste pressuposto, como tratar as crianças? Como educar os adolescentes? Como reagem ao que aprendem? Quando crianças (1º fase), indefesos, os pais protegem, impõe autoridade, seres dependentes (precisamos ser alimentados, vestidos, auxiliados nos primeiros passos), na escola passa-se a ser dependente dos professores, fazendo parte do efeito esponja, onde absorve-se todas as informações que são passadas, aceitando sua autoridade, sendo inquestionáveis. Na adolescência (2º fase) rompe-se o cordão umbilical, questiona-se, querem a independência, são rebeldes sem causa, e os pais e professores passam a ser questionados e já não obtem a verdade absoluta (somos detentores do por quê). Já na fase adulta (3º fase maturidade ), independentes, seres capazes de criticar, analisar situações e o que chega até nós, se aceitamos ou não, compara-se situações vividas, aprende-se com o próprio erro, queremos experimentar, viver, aprende-se fazendo, transformamos o saber e aplicamos. A melhor maneira para educar adultos é de forma andragógica apesar que muitas universidades e empresas insistem em usar a pedagogia (do grego paidós = criança, a origem da palavra se refere a educação e ensino das crianças), a palavra Andragogia deriva das palavras gregas andros (homem) + agein (conduzir) + logos (tratado, ciência), ou seja, ciência que ensina os adultos. Nós aprendemos aquilo que nós fazemos. A experiência é o livro-texto vivo do adulto aprendiz. (LINDERMAN, 1926, apud CAVALCANTI, 1999, p.01) Segundo Knowles (1976, p. 17), andragogia é a arte e a ciência destinada a auxiliar os adultos a aprender e a compreender o processo de aprendizagem de adultos. A andragogia está no cotidiano, lidamos diariamente com pessoas mais experientes, que nos ensinam diversas lições através das situações vividas ou até mesmo presenciadas. Andragogia é basicamente isso, ensinar adultos através das situações e aplicar essas situações a pratica, para que assim possa haver melhor compreensão. Em seu livro Pedagogia da Autonomia, Freire diz: Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua produção ou a sua construção, Eduard Lindeman, em The Meaning of Adult Education (1926), identificou, pelo menos, cinco

7 pressupostos-chave para a educação de adultos e que mais tarde transformaram-se em suporte de pesquisas. Hoje fazem parte dos fundamentos da moderna teoria de aprendizagem de adultos (andragogia): 1. Adultos são motivados a aprender na medida em que experimentam que suas necessidades e interesses serão satisfeitos. Por isto estes são os pontos mais apropriados para se iniciar a organização das atividades de aprendizagem do adulto. 2. A orientação de aprendizagem do adulto está centrada na vida; por isto as unidades apropriadas para se organizar seu programa de aprendizagem são as situações de vida e não disciplinas. 3. A experiência é a mais rica fonte para o adulto aprender; por isto, o centro da metodologia da educação do adulto é a análise das experiências. 4. Adultos têm uma profunda necessidade de serem auto dirigidos; por isto, o papel do professor é engajar-se no processo de mútua investigação com os alunos e não apenas transmitir-lhes seu conhecimento e depois avaliá-los. 5. As diferenças individuais entre pessoas crescem com a idade; por isto, a educação de adultos deve considerar as diferenças de estilo, tempo, lugar e ritmo de aprendizagem. Comparações Papel da Experiência Vontade de Aprender Modelo Pedagógico A experiência daquele que aprende é considerada de pouca utilidade. O que é importante, pelo contrário, é a experiência do professor. A disposição para aprender aquilo que o professor ensina tem como fundamento critérios e objetivos internos à lógica escolar, ou seja, a Modelo Andragógico Os adultos são portadores de uma experiência que os distingue das crianças e dos jovens. Em numerosas situações de formação, são os próprios adultos com a sua experiência que constituem o recurso mais rico para as suas próprias aprendizagens. Os adultos estão dispostos a iniciar um processo de aprendizagem desde que compreendam a sua utilidade para melhor afrontar

8 Orientação da Aprendizagem Motivação finalidade de obter êxito e progredir em termos escolares. A aprendizagem é encarada como um processo de conhecimento sobre um determinado tema. Isto significa que é dominante a lógica centrada nos conteúdos, e não nos problemas. A motivação para a aprendizagem é fundamentalmente resultado de estímulos externos ao sujeito, como é o caso das classificações escolares e das apreciações do professor. problemas reais da sua vida pessoal e profissional. Nos adultos a aprendizagem é orientada para a resolução de problemas e tarefas com que se confrontam na sua vida cotidiana (o que desaconselha uma lógica centrada nos conteúdos) Os adultos são sensíveis a estímulos da natureza externa (notas, etc), mas são os fatores de ordem interna que motivam o adulto para a aprendizagem (satisfação, auto-estima, qualidade de vida, etc) Algumas pesquisas afirmam que estudantes adultos aprendem apenas 10% do que ouvem, após 72 horas. Entretanto são capazes de lembrar 85% do que ouvem, vêem e fazem, após as mesmas 72 horas, portanto, o envolvimento do ser humano na esfera do pensar (através de estímulos lógicos e racionais), na esfera do sentir (proporcionando estímulos interiores e emocionais), desta forma, o sentir estimula o querer, transformando em vontade e ação. 2. Método A pesquisa se constitui em um estudo de caráter descritivo e exploratório, que visa saber o quanto se conhece sobre andragogia. A pesquisa foi realizada em empresa da cidade de Jussara - GO, privada e de pequeno porte. Trata-se de um posto de combustível com 20 funcionários organizados em atividades

9 diversas (gerente geral, gerente financeiro/ departamento de pessoal, operadores de caixa e frentista), a venda de combustível. Participantes Participaram desta pesquisa 20 trabalhadores, sendo quatro mulheres e 16 homens, entre 20 e 40 anos. A escolaridade dos participantes variou de semianalfabetos até ensino superior completo. Grande parte dos participantes está a menos de um ano na empresa, todos da empresa participaram da pesquisa, mesmo alguns não vendo a importância da mesma. Instrumento O instrumento para coleta e levantamento de dados foi composto de um questionário com perguntas de investigação sócio-demográfico e outro questionário em formato de uma escala Likert, com questões que investigam o comprometimento dos funcionários, envolvimento com o trabalho, identificação, sentimento de retaliação, motivação, satisfação, QVT (Qualidade de Vida no Trabalho) e o conhecimento de cada um com o termo andragogia; já o questionário de diagnóstico geral foi elaborado a partir de escalas já validadas. Procedimentos Inicialmente foi realizada uma reunião da pesquisadora com o proprietário do posto para explicar o propósito do trabalho para que em seguida fosse repassada aos colaboradores da empresa, em uma de suas reuniões mensais. O questionário é autoexplicativo, mas mesmo assim foram feitas orientações quanto ao preenchimento, dúvidas foram sanadas e o questionário foi entregue a cada colaborador, sob orientação de preencherem em casa e depositarem em uma urna lacrada no dia seguinte.

10 3. Resultados Os resultados dos questionários aplicados são apresentados por meio de gráficos que indicaram o nível satisfação dos colaboradores para cada variável avaliada. A partir da leitura dos gráficos foi possível realizar um diagnóstico e discuti-lo posteriormente. Processo de Ensinagem nas Organizações 95% Nunca ouviram falar em Andragogia Ouviram falar em Andragogia 5% Comprometimento 1% Indiferente 7% Descomprometido 14% Comprometido 19% 59% Muito Descomprometido Totalmente Comprometido

11 Envolvimento com o Trabalho 7% 8% 6% Sem Envolvimento Envolvido 21% 58% Indiferente Totalmente sem Envolvimento Totalmente Envolvido Identificação com a Empresa 3% 10% Indiferente Identifica-se 35% 52% Totalmente sem Identificação Identifica-se Totalmente

12 Motivação 1% 3% 10% Motivado 29% 57% Totalmente Motivado Desmotivado Totalmente Desmotivado Neutro Satisfação 21% Satisfeito 2% 10% 10% 57% Totalmente Satisfeito Insatisfeito Totalmente Insatisfeito Neutro

13 Relacionamento com a Liderança 2% 8% 12% Bom Ótimo Regular 15% 63% Ruim Péssimo Relacionamento com a Gerência 10% 6% 2% 16% Bom Ótimo Regular Ruim Péssimo 66%

14 Relacionamento com os Colegas de Trabalho 5% 3% 26% 11% 55% Regular Bom Ótimo Ruim Péssimo Sabe os critérios de Promoção da sua Empresa? 9% Não Sim 91%

15 Sente-se valorizado como Profissional? 33% Não Sim 67% Gosta de trabalhar nessa Empresa? 32% Sim Não 68%

16 4. Discussão Através da leitura primária dos resultados apresentados pelo diagnóstico, é possível entender que de modo geral, os funcionários apresentaram uma boa avaliação a respeito da empresa e de todas as variáveis que a compõem, pois 53% dos respondentes se sentem comprometidos com a empresa, outros 67% percebem-se envolvidos com o trabalho. O que chama atenção é o nível de insatisfação com a gerência, pois a grande maioria sentisse muito pressionada em relação à gerência e em relação à liderança (ao dono) o quadro muda, e por fim, 73% dos funcionários que responderam o questionário, estão satisfeitos com a empresa e com o trabalho. Leitão (1996), diz que é necessário visualizar o indivíduo em sua integralidade, para melhor compreender como ele pensa, sente e age nas organizações. Portanto, é necessário além de discorrer sobre as evidências positivas, analisar os pontos de atenção. Neste diagnóstico todos os funcionários foram convidados a responder o questionário, nenhum se manifestou contrário ao convite, mas apenas alguns funcionários devolveram o questionário totalmente respondido, muitas vezes isso acontece, pois ficam com medo de retaliação. Estes indícios levam a refletir sobre o que pode ter influenciado esse comportamento e que só podem ser mais bem entendidas, se investigados através de outras ferramentas de análise. Outros pontos de atenção foram evidenciados, como o fato de 71% dos respondentes não conhece os critérios para promoção na empresa e 73% não se sentirem valorizados como profissional. Estes índices representam uma zona de risco para o dono da empresa, pois a motivação e a satisfação estão muito afetadas. O diagnóstico organizacional nesta empresa, não serviu apenas para dar respostas a determinadas variáveis investigadas, mas nos levantou á ver o quanto é importante que se implante métodos andragógicos no cotidiano desta empresa, pois o adulto é mais motivado a aprender por valores intrínsecos como: autoestima, qualidade de vida, desenvolvimento, fatores estes que apresentaram níveis baixissemos comparado ao todo. A percepção dos adultos sobre a aprendizagem como resolução de problemas é incrível, sem falar da motivação para aprender que é maior se for interna (necessidade individual), e se o conteúdo a ser aprendido ser de aplicação imediata os resultados serão

17 ainda melhores (como a expectativa que temos no período de experiência dentro das empresas). Os adultos trazem uma bagagem de experiências que podem contribuir para sua própria aprendizagem e de quem está ao seu redor.

18 5. Considerações Finais A geração agora, à busca desmedida pelo conhecimento e aprimoramento (qualificação), são características deste novo mundo que está ao nosso redor. E quanto mais mudanças, maior o seu impacto sobre os acadêmicos, porque eles têm que se adaptar rapidamente à nova situação, a essa nova era a Era do Conhecimento. E o impacto maior, vem sobre os acadêmicos e as universidades que estão inseridos, pois as empresas buscam cada vez mais colaboradores qualificados. Está pressão sobre os acadêmicos e aos novos colaboradores (colaboradores da Era do Conhecimento) deve-se a sua capacidade de decidir, de mudar, de aprender e de reaprender a aprender. A convivência com o excesso de informações impostas pelo mundo atual não lhes deixa alternativa que não seja a adaptação, e uma busca constante no aprendizado (contínua). Assim as universidades e as empresas encontram-se trabalhando com o meio termo, onde devemos preservar características pedagógicas e introduzir a andragogia, estimulando a capacidade de autoavaliação e autocrítica, dando ênfase na responsabilidade pelo próprio aprendizado e ao aprendizado ao longo da vida. Temos necessidade de saber e percebemos isso no processo e no que ganhamos nele, adultos são responsáveis por suas decisões (por sua vida), portanto querem ser vistos e reconhecidos por suas experiências, para o adulto suas experiências são à base de seu aprendizado. O adulto sempre está de prontidão para aprender, é disposto a aprender ainda mais se o aprendizado for relacionado a situações reais de seu cotidiano, pois se contextualizados para alguma aplicação e utilidade ele se empenha em aprender. O essencial da vida não é saber a resposta certa, pois as mesmas amanhã poderão ser inválidas, mas sim saber a pergunta correta, ter sempre a sede do algo mais, do inesperado, a curiosidade no crescimento e nos mistérios da vida, o conhecimento para está nova geração nunca será demais.

19 6. Referências Bibliográficas ADIGO (2001) Programa de Desenvolvimento de Líderes e Facilitadores. São Paulo. ALCALÁ, Adolfo (1999) Es la Andragogía una Ciencia? Ponencia. Caracas. ARANTES, N. Sistemas de gestão empresarial. São Paulo: Atlas, p. CANARIO, Rui (1999) Educação de Adultos, um campo e uma problemática. Lisboa: Educa. CAVALCANTI, Roberto de Albuquerque (1999) Andragogia: A aprendizagem nos adultos. Revista de Clínica Cirúrgica da Paraíba. CHIAVENATTO, Idalberto. Gestão de Pessoas, 2ª ed., Rio de Janeiro, Editora Campus, DESSLER, Gary. Administração de Recursos Humanos, 2º Ed., Pearson Prentice Hall, FERNÁNDEZ, S. Néstor (2001) - Andragogía. su ubicación en la educación continua. Universidad Nacional Autónoma de México. FREIRE, Paulo (1987) Pedagogia do Oprimido. Paz e Terra. Rio de Janeiro. FREIRE, Paulo (1996) Pedagogia da Autonomia. Paz e Terra. Rio de Janeiro. LEITÃO, S.P. O poder no contexto da decisão organizacional. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v.30, n.2, p Mar./abr LINDEMAN, E. C. The Meaning of Adult Education. New York: New Republic.1926 MARQUES, Francisca Maria Mendes. Andragogia: sonho e realidade. UNAR, Araras (SP), v.1, n.1, p.76-78, 2007.

20 MARQUEZ, Adriana (1998) Andragogía: Propuesta Política para una Cultura Democrática en Educación Superior. Santo Domingo, República Dominicana NOGUEIRA, Sônia Mairos. A andragogia: que contributos para a prática educativa? Linhas: Revista do Programa de Mestrado em Educação e Cultura. Florianópolis. V. 5, n. 2, p , dez., 2004 PAZ, M.G. T e MENDES, A.M.B. Medidas do Comportamento Organizacional. Porto Alegre: Artmed, p. STEINER, Rudolf (1988) A Arte da Educação I e II Antroposófica. São Paulo UNESCO (1997), La Declaración de Hamburgo. Memórias de la Conferencia Mundial de Educacion de Adultos. Bogotá

21 ANEXO Questionário Prezado Colaborador, Este é um questionário elaborado pela administradora Lorraine Araújo Carvalho, pós graduando em Gestão e Análise Organizacional pelo IPECON/ PUC em Goiânia. O objetivo deste trabalho é colher informações das empresas da cidade de Jussara, analisando a qualidade de vida dos funcionários e seu conhecimento em relação ao processo de ensinagem dentro das organizações, para compor o trabalho de conclusão do curso de pós graduação. O resultado desse questionário poderá auxiliar as empresas Jussarenses na gestão de seus processos e das pessoas que compõe as mesmas. É muito simples responder ao questionário, basta seguir as orientações. Peço que responda o mais sincero e espontaneamente possível, pois sua opinião é muito importante para nós. Não há resposta certa ou errada, o que nos interessa é sua opinião, reforço que todas as respostas serão tratadas de forma confidencial, preservando a identidade de cada um. Obrigada por participar. Lorraine Araújo Carvalho Esse questionário fala sobre um conjunto de temas que representa o modo como você se vê dentro da empresa. NOME: IDADE: CARGO: EMPRESA: SEXO: ( ) Masculino ( ) Feminino ESCOLARIDADE: ( ) Ensino Fundamental Incompleto ( ) Ensino Fundamental Completo ( ) Ensino Médio Incompleto ( ) Ensino Médio Completo ( ) Ensino Superior Incompleto ( ) Ensino Superior Completo ( ) Pós Graduação ESTADO CIVIL: ( ) Solteiro(a) ( ) Casado(a) ( ) Divorciado(a) ( ) Viúvo(a) ( ) União Estável HÁ QUANTO TEMPO TRABALHA NA EMPRESA:

22 ( ) Menos de um ano ( ) De um a três anos ( ) Mais de três anos QUAL MEIO VOCÊ USA PARA CHEGAR AO TRABALHO: ( ) A pé ( ) Bicicleta ( ) Moto ( ) Carro QUANTO TEMPO VOCÊ GASTA PARA CHEGAR AO TRABALHO? ( ) Menos que 15 minutos ( ) De 16 a 30 minutos ( ) Mais de 30 minutos VOCÊ TEM UMA RELIGIÃO? ( ) Sim ( ) Não É PRATICANTE? ( ) Sim ( ) Não QUAL SEU SALÁRIO? Instruções Analise cada questão proposta abaixo, assinalando com um X o número que melhor se identifica com a empresa que você trabalha. Faça apenas uma marcação por número. Marque todas as questões apresentadas. Os números da escala significam o seguinte: Concordo Totalmente Concordo Parcialmente Discordo Totalmente Discordo Parcialmente Nem concordo e nem discordo AFIRMAÇÕES A empresa em que trabalho capacita seus funcionário para melhor executarem suas tarefas. A empresa em que trabalho busca desenvolver em seus funcionários competências para que eles se tornem mais produtivos, criativos e inovadores. A empresa em que trabalho incentiva e colabora para que os funcionários participem de curso, palestras, etc. A empresa oferece benefícios complementares ao salário, como cestas básicas, vale transporte, plano de saúde, etc. A empresa oferece os materiais adequados para a execução do

23 meu trabalho. A empresa oferece uma remuneração adequada, em relação ao mercado de trabalho. A empresa na qual trabalho da feedbacks uteis relacionados com as decisões que dizem respeito ao meu trabalho. A empresa oferece oportunidades de crescimento dentro dela. A empresa na qual trabalho capacita os funcionários para a utilização de novas tecnologias ou de novos equipamentos. A empresa oferece prêmios pela proporção e qualidade do meu trabalho. A empresa trabalha com um sistema fidedigno de avaliação de seus funcionários. Existe boa luminosidade no meu ambiente de trabalho. Existe um odor que me incomoda no meu ambiente de trabalho. Existe cooperação entre os funcionários. Existe muito ruído no meu ambiente de trabalho. Existe ventilação adequada. Meu chefe se preocupa com os meus direitos. Meu chefe é coerente em suas decisões. Meu chefe consegue perceber as necessidades da equipe. Meu chefe respeita a equipe perante a clientela. Meus valores são respeitados por meus colegas de trabalho. Meu ponto de vista é respeitado pela empresa. Meu salário é coerente com o trabalho que realizo e ao nível de estresse que estou exposto. Meu trabalho é meu sustento. Já notei resultados com os testes e cursos aplicados pela empresa. Tenho confiança nas intenções da empresa comigo. As pessoas se orgulham em fazer parte da empresa. Sou feliz com o cargo que ocupo dentro da empresa. Pensando no trabalho no qual você desenvolve dentro da empresa, leia atentamente e marque um x em cada questão identificando o número que mais se aproxima da realidade do seu trabalho, conforme a escala abaixo: PÉSSIMO RUIM REGULAR BOM ÓTIMO QUESTÕES Como é seu relacionamento com seus colegas de trabalho? Como é seu relacionamento com seu chefe? Como é seu relacionamento com seu supervisor? Como é seu horário de trabalho? Pensando no trabalho no qual você desenvolve dentro da empresa, leia

24 atentamente e marque um x em cada questão identificando o número que mais se aproxima da realidade do seu trabalho, conforme a escala abaixo: NUNCA RARAMENTE ÁS VEZES COTIDIANAMENTE SEMPRE QUESTÕES Você tem autonomia para decidir sobre como fazer o serviço? Para desenvolver o seu trabalho você precisou aprender alguma coisa específica? Recebeu treinamento específico para sua função? Seu trabalho é supervisionado (Alguém confere o seu trabalho)? Marque um x em sim se concordarem, ou em não se não concordarem: QUESTÕES SIM NÃO Você estuda? Você já foi promovido? Você sabe quais os critérios de promoção? Você se sente valorizado como profissional? Você acha que seus direitos trabalhistas sem respeitados? Você conhece alguma atividade desenvolvida na empresa que é voltada em benefício da comunidade? Você gosta de trabalhar nesta empresa? CRÍTICAS, SUGESTÕES E COMENTÁRIOS: Obrigada por sua participação!

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

O ABC da gestão do desempenho

O ABC da gestão do desempenho Por Peter Barth O ABC da gestão do desempenho Uma ferramenta útil e prática para aprimorar o desempenho de pessoas e organizações 32 T&D INTELIGÊNCIA CORPORATIVA ED. 170 / 2011 Peter Barth é psicólogo

Leia mais

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível.

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível. MODELO DE PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 1 FICHA DE INSTRUÇÕES A proposta deste questionário é conhecer as pessoas que trabalham na empresa, analisar suas necessidades e insatisfações, e tornar a organização

Leia mais

FORMAÇÃO DE NOVAS LIDERANÇAS

FORMAÇÃO DE NOVAS LIDERANÇAS FORMAÇÃO DE NOVAS LIDERANÇAS 28 de novembro de 2013 ABORDAGEM FORMAÇÃO DE NOVAS LIDERANÇAS Contexto! Mundo! Organizações Ser Humano! Quem é? Liderança! Que liderança precisamos?! Como desenvolvê-la? CONTEXTO:

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2012 DGC/SPRH/DVRH

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2012 DGC/SPRH/DVRH Pesquisa de Clima Organizacional PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2012 DGC/SPRH/DVRH Pesquisa de Clima Organizacional Objetivo da Pesquisa de Clima Organizacional: Conhecer de forma sistematizada o clima

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO COM OS COLABORADORES DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO COM OS COLABORADORES DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO COM OS COLABORADORES DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO Bruno Samways dos Santos (UTFPR) bruno.samways@gmail.com Thais Distefano Wiltenburg (PUC) thais_distefano@hotmail.com

Leia mais

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT.

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. 1 NATÁLIA SALVADEGO, 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel em Engenheira Florestal (UNEMAT) e Estudante

Leia mais

Pesquisa de Clima Organizacional

Pesquisa de Clima Organizacional Pesquisa de Clima Organizacional Que CLIMA é esse? Clima Organizacional: Atmosfera psicológica característica que existe em cada organização, podendo referirse ao ambiente humano dentro de um departamento,

Leia mais

ANDRAGOGIA. A arte e ciência de auxiliar o adulto a aprender (Malcolm Knowles) Grandes Mestres dos tempos antigos. Acreditavam que a aprendizagem era

ANDRAGOGIA. A arte e ciência de auxiliar o adulto a aprender (Malcolm Knowles) Grandes Mestres dos tempos antigos. Acreditavam que a aprendizagem era ANDRAGOGIA do grego: andros adulto e gogos educar A construção do conhecimento como processo de aprendizagem ANDRAGOGIA A arte e ciência de auxiliar o adulto a aprender (Malcolm Knowles) Pressupostos da

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Como contratar staff de Projetos...

Como contratar staff de Projetos... Como contratar staff de Projetos... Que qualidades estou buscando no profissional de Projetos, e como identificá-las...? Alguns exemplos do que podemos buscar..! 1. Visão 2. Orientação estratégica 3. Inovação

Leia mais

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE MUITOS DOS PROBLEMAS MAIS CRÍTICOS NÃO ESTÃO NO MUNDO DAS COISAS, MAS NO MUNDO DAS PESSOAS. DESENVOLVIMENTO: APTIDÕES TÉCNICAS >>> HABILIDADES SOCIAIS CIÊNCIAS BEM SUCEDIDAS X CIÊNCIAS MAL SUCEDIDAS. -

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

Como é o RH nas Empresas?

Como é o RH nas Empresas? Como é o RH nas Empresas? Informações gerais da pesquisa Objetivo: entender a percepção dos profissionais de RH sobre clima organizacional Pesquisa realizada entre 24/06 e 12/07 Parceria entre Hay Group

Leia mais

PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES?

PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES? PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES? Engajamento/comprometimento do colaborador: estado em que esse se encontra de genuíno envolvimento,

Leia mais

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional Ao investir em pessoas o seu resultado é garantido! Tenha ganhos significativos em sua gestão pessoal e profissional com o treinamento

Leia mais

Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo SERVIDORES RESPONDENTES

Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo SERVIDORES RESPONDENTES Tribunal de Justiça Militar do Estado SERVIDORES 100,0% RESPONDENTES Percentual de respostas positivas dos de tribunais/conselhos Concordância 95,4% 99,2% 76,5% Estão felizes com a escolha profissional

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SKYLACK

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SKYLACK QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SKYLACK Jéssica Fernanda Torres 1 Larissa Custódio Grosseli 2 Solange Suffi Barbosa 3 Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO A qualidade de vida no

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL

ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL Antonia Maria Gimenes 1, Renato Nogueira Perez Avila 2 Cleiton Riz Aleixo 3, Jakeline da Silva 4 Thayane C. Anjos Afonso 5 RESUMO Este estudo

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - "QDO" 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO

QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - QDO 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - "QDO" 1. FOLHA DE RESULTADOS DO QDO 2. PERFIL E INTERPRETAÇÃO DO D.O. 3. FUNDAMENTAÇÃO 4. INTERPRETAÇÃO DO DIAGNÓSTICO 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO 6.

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

Qual a Melhor Empresa para se Trabalhar?

Qual a Melhor Empresa para se Trabalhar? Qual a Melhor Empresa para se Trabalhar? Angélica Adriani Nunes de Moraes 1 Denise Aparecida Ferreira Patrícia Karla Barbosa Pereira Maria Eliza Zandarim 2 Palavras-chave: Empresa, motivação, equipe. Resumo

Leia mais

Você é comprometido?

Você é comprometido? Você é comprometido? Não, isso não é uma cantada. O que o seu chefe quer saber é se você veste a camisa da organização. Você adora seu trabalho e desempenha suas funções com eficiência, mas não aposta

Leia mais

Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG

Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG Kamyla Espíndola Gibram REIS 1 ; Estefânia Paula da SILVA 2 ;

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ.

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. Alessandra da Costa Marques; Najara Siva; Lúcia Maria Assunção

Leia mais

ESCOLAS E FACULDADES QI ALINE VARGAS MEDEIROS

ESCOLAS E FACULDADES QI ALINE VARGAS MEDEIROS ESCOLAS E FACULDADES QI ALINE VARGAS MEDEIROS LIDERANÇA DEMOCRÁTICA E AUTOCRÁTICA GRAVATAÍ 2011 ALINE VARGAS MEDEIROS LIDERANÇA DEMOCRÁTICA E AUTOCRÁTICA Avaliação de disciplinado MBA- Gestão de Pessoas

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Tribunal Superior do Trabalho SERVIDORES RESPONDENTES

Tribunal Superior do Trabalho SERVIDORES RESPONDENTES Tribunal Superior SERVIDORES 34,2% RESPONDENTES Percentual de respostas positivas dos de tribunais/conselhos Concordância 85,9% 98,4% 70,7% Estão felizes com a escolha profissional de trabalhar no Poder

Leia mais

METODOLOGIA & PERFIL

METODOLOGIA & PERFIL Maio2010 JOB 100283 METODOLOGIA & PERFIL Metodologia e Amostra Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas pessoais. Objetivo Geral Levantar um conjunto de informações

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

Gestão de iniciativas sociais

Gestão de iniciativas sociais Gestão de iniciativas sociais Leia o texto a seguir e entenda o conceito do Trevo e as suas relações com a gestão organizacional. Caso queira ir direto para os textos, clique aqui. http://www.promenino.org.br/ferramentas/trevo/tabid/115/default.aspx

Leia mais

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF.

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline

Leia mais

Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor

Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. A maioria absoluta das avaliações obtêm excelentes resultados,

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Recursos Humanos Coordenação de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Introdução No dia 04 de Agosto de 2011, durante a reunião de Planejamento, todos os

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES

MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES 1 Paulo Sertek Mestre em Tecnologia e Desenvolvimento email: psertek@xmail.com.br www.ief.org.br Nas organizações mecanicistas, o homem é visto apenas por fora, em suas ações,

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Saúde e Qualidade de Vida no Trabalho Relatório Enquete Virtual IFRS Câmpus Bento Gonçalves

Saúde e Qualidade de Vida no Trabalho Relatório Enquete Virtual IFRS Câmpus Bento Gonçalves Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Diretoria de Gestão de Pessoas Seção de Atenção ao Servidor Saúde e Qualidade de Vida no Trabalho Relatório Enquete Virtual IFRS

Leia mais

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA Ana Priscila da Silva Vieira 1 Elizabete Rodrigues de Oliveira 2 Tatiana Nogueira Dias 3 Élcio Aloisio Fragoso 4 Edson Leite Gimenez 5 RESUMO

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS www.tecnologiadeprojetos.com.br Diretoria de Acompanhamento e Avaliação de Projetos da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais DAPE/SEE-MG RELATÓRIO DE PESQUISA 1 : CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO COLABORADOR www.simplessolucoes.com.br

MATERIAL DE APOIO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO COLABORADOR www.simplessolucoes.com.br Folha 1 de 6 O que é uma avaliação de desempenho? Avaliação de desempenho é um processo contínuo de análise da atuação do colaborador frente às tarefas, responsabilidades e comportamentos da função, contribuindo

Leia mais

Aspectos Metodológicos dos Relatórios por tribunal do Censo do Poder Judiciário

Aspectos Metodológicos dos Relatórios por tribunal do Censo do Poder Judiciário Aspectos Metodológicos dos Relatórios por tribunal do Censo do Poder Judiciário Os relatórios por tribunal apresentam as principais informações disponíveis no Censo do Poder Judiciário. Cada relatório

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

AVALIAÇÃO UNIFICADA PRODUÇÃO TEXTUAL 2º Semestre - 2015/2

AVALIAÇÃO UNIFICADA PRODUÇÃO TEXTUAL 2º Semestre - 2015/2 AVALIAÇÃO UNIFICADA PRODUÇÃO TEXTUAL 2º Semestre - 2015/2 Você está recebendo um caderno de produção textual com uma coletânea de textos e com uma proposta de redação ao final. Seu texto deve ser escrito

Leia mais

Questionário Sociodemográfico e Clínico

Questionário Sociodemográfico e Clínico Questionário Sociodemográfico e Clínico dados pessoais do sujeito: data: local: contacto telef.: nome: idade: naturalidade: estado civil: S C UF D V outros: escolaridade (nº anos c/ sucesso): habilitações

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho IBMEC Jr. Consultoria A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho O mercado de trabalho que nos espera não é o mesmo dos nossos pais... ... ele mudou! As mudanças Certeza Incerteza Real Virtual

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO PLANALTO CENTRAL Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº. 368/08 (DOU 20/05/2008) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA

Leia mais

Síntese do Relatório. Avaliados Gerente Parceiro Colaborador Cliente Você Mesmo Subtotal

Síntese do Relatório. Avaliados Gerente Parceiro Colaborador Cliente Você Mesmo Subtotal Síntese do Relatório Avaliados Parceiro Colaborador Cliente Subtotal Respondido 1 3 2 1 1 8 Convidado 1 4 4 4 1 14 Escala de Classificação Escala Discordo Plenamente 1 Discordo 2 Neutro 3 Concordo 4 Concordo

Leia mais

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO 2014 APRESENTAÇÃO Já faz tempo que as empresas estão trabalhando com o desafio

Leia mais

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização Carta pedagógica Ao escrever esta carta pedagógica, veio-me a questão do erro que acontece a todo o momento em minha turma na sala de aula. Lendo textos de autores como Morais, fiquei ciente da sua fala

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE

ATENDIMENTO AO CLIENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE Tópicos a serem apresentados: O que é? Para que serve? Objetivos do Curso. Conteúdo Programático. Empresa As Pessoas O Produto O serviço Atendimento Competitividade Tipos de Clientes

Leia mais

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S Marcos Henrique Pazini (Pós-Graduado da UNICENTRO), Sílvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

SEMANA DA SAÚDE INTRODUÇÃO

SEMANA DA SAÚDE INTRODUÇÃO SEMANA DA SAÚDE Sandra Rosabel Pereira 1 ; Maria Angelica de Moraes Assumpção Pimenta 2 ; Maria Goreti Aléssio Crispim 3 ; Nelza de Moura 4 ; Neusa Denise Marques de Oliveira 5 ; Eliana Maria Fabiano de

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

Uma empresa especializada em empresas.

Uma empresa especializada em empresas. Sua equipe tem colaborado para que a empresa seja uma das mais competitivas i no mercado? Para avaliar quanto a sua equipe atual está dimensionada, preparada e motivada para os desafios do mercado, você

Leia mais

Empreendedorismo, Identidade e Educaçao SEBRAE, Sao Paulo, 11 de novembro de 2014

Empreendedorismo, Identidade e Educaçao SEBRAE, Sao Paulo, 11 de novembro de 2014 Empreendedorismo, Identidade e Educaçao SEBRAE, Sao Paulo, 11 de novembro de 2014 L. J. Filion Rogers - J. A. Bombardier Chair of Entrepreneurship HEC Montreal Parte 1 Uma breve introdução ao empreendedorismo

Leia mais

Ruben Alexandre Santos Rodrigues, Estudo da Motivação e Produtividade laboral

Ruben Alexandre Santos Rodrigues, Estudo da Motivação e Produtividade laboral APÊNDICES i Apêndice 1: Consentimento informado O presente estudo faz parte de um estudo empírico que está a ser realizado no âmbito do Programa de Dissertação de Mestrado da Faculdade de Psicologia da

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

DESAFIOS EDUCACIONAIS - RUMO À LIBERTAÇÃO PESSOAL -

DESAFIOS EDUCACIONAIS - RUMO À LIBERTAÇÃO PESSOAL - SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA, COOPERATIVISTA E FINANCEIRA DESAFIOS EDUCACIONAIS - RUMO À LIBERTAÇÃO PESSOAL - Palestrante Inocêncio Magela de Oliveira 2014 ESTAMOS FALANDO DE EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

C A R R E I R A H O G A N D E S E N V O L V E R DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA. Relatório para: Tal Fulano ID: HC748264

C A R R E I R A H O G A N D E S E N V O L V E R DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA. Relatório para: Tal Fulano ID: HC748264 S E L E C I O N A R D E S E N V O L V E R L I D E R A R H O G A N D E S E N V O L V E R C A R R E I R A DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA Relatório para: Tal Fulano ID: HC748264 Data: 12,

Leia mais

O PAPEL DO LÍDER. Vejamos no quadro abaixo algumas diferenças básicas entre um líder e um chefe: SITUAÇÃO CHEFE LÍDER

O PAPEL DO LÍDER. Vejamos no quadro abaixo algumas diferenças básicas entre um líder e um chefe: SITUAÇÃO CHEFE LÍDER O PAPEL DO LÍDER O Que é Um Líder? Atualmente, e cada vez mais, as empresas investem nos funcionários, pois acreditam que essa é a melhor forma para a obtenção de bons resultados. Equipes são treinadas,

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes Aula 9 Liderança e Gestão de Equipes Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Trabalho em Equipe Nenhum homem é uma ilha, sozinho em si mesmo; Cada homem é parte do continente, parte do

Leia mais

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs Vendas - Cursos Curso Completo de Treinamento em Vendas com - 15 DVDs O DA VENDA Esta palestra mostra de maneira simples e direta como planejar o seu trabalho e, também, os seus objetivos pessoais. Através

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline de Oliveira Rocha 4

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL E DE LIDERANÇA. Estilos de comportamento no ambiente de trabalho Diagnóstico

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL E DE LIDERANÇA. Estilos de comportamento no ambiente de trabalho Diagnóstico PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL E DE LIDERANÇA Estilos de comportamento no ambiente de trabalho Foco do programa O desenvolvimento de habilidades gerenciais e capacidades de liderança passa pelo

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

Administração e Planejamento em Serviço Social. Administração em Serviço Social Conceitos e contextualizações

Administração e Planejamento em Serviço Social. Administração em Serviço Social Conceitos e contextualizações Administração e Planejamento em Serviço Social Profa. Edilene Maria de Oliveira Administração em Serviço Social Conceitos e contextualizações Palavras chave: Administração, planejamento, organização 1

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA DISCIPLINA: MOTIVACAO E ETICA LIDERAR PESSOAS ATRAVÉS DA MOTIVAÇÃO Por que as pessoas se comportam de certos modos? Liderar - é o processo de dirigir e influenciar as

Leia mais

P R O P O S TA C O M E R C I A L

P R O P O S TA C O M E R C I A L P R O P O S TA C O M E R C I A L Joinville, 03 de setembro de 2014. Proposta para: treinamento líder coach Prezado, Temos o prazer de enviar a proposta do Treinamento Líder Coach, para sua análise e apreciação.

Leia mais

CLIMA ORGANIZACIONAL: FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO DA EMPRESA

CLIMA ORGANIZACIONAL: FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO DA EMPRESA CLIMA ORGANIZACIONAL: FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO DA EMPRESA O QUE É CLIMA ORGANIZACIONAL? É a percepção coletiva que as pessoas têm da empresa, através da experimentação de práticas, políticas,

Leia mais

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES.

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. Eder Gomes da Silva 1 Resumo: O presente artigo trazer um estudo teórico buscando adquirir

Leia mais

PLANO DE CARREIRA: UM ESTUDO SOBRE AS EXPECTATIVAS DE CRESCIMENTO PROFISSIONAL EM DUAS EMPRESAS EM PRESIDENTE PRUDENTE

PLANO DE CARREIRA: UM ESTUDO SOBRE AS EXPECTATIVAS DE CRESCIMENTO PROFISSIONAL EM DUAS EMPRESAS EM PRESIDENTE PRUDENTE 191 PLANO DE CARREIRA: UM ESTUDO SOBRE AS EXPECTATIVAS DE CRESCIMENTO PROFISSIONAL EM DUAS EMPRESAS EM PRESIDENTE PRUDENTE RIBEIRO, Aicha 1 FERNANDES, Lílian Barros 2 RAMALHO, Gabriel Pimentel 3 MAGALHÃES

Leia mais

Por que ouvir a sua voz é tão importante?

Por que ouvir a sua voz é tão importante? RESULTADOS Por que ouvir a sua voz é tão importante? Visão Tokio Marine Ser escolhida pelos Corretores e Assessorias como a melhor Seguradora pela transparência, simplicidade e excelência em oferecer soluções,

Leia mais