Reestruturação Lógica da Rede do Instituto Federal do Paraná IFPR Campus Paranaguá

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reestruturação Lógica da Rede do Instituto Federal do Paraná IFPR Campus Paranaguá"

Transcrição

1 Reestruturação Lógica da Rede do Instituto Federal do Paraná IFPR Campus Paranaguá Diego Jonathan Hoss Curso de Redes e Segurança de Sistemas Semi-presencial Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Outubro de 2009 Resumo Este trabalho tem como objetivo apresentar alguns conceitos e soluções sobre redes de computadores e servidores. Inicialmente, são apresentados conceitos sobre redes, servidores, serviços e soluções que foram utilizadas para a reestruturação lógica da rede do IFPR Paranaguá. Continuando, é feito uma breve menção sobre: Samba, Firewall, Squid, Apache, RAID, Linux e outros. Em seguida, o ambiente onde se deu o desenvolvimento do estudo de caso é apresentado, sua antiga situação, seu objetivo final e a situação atual, onde existe algumas soluções já implementadas e em pleno funcionamento e a preparação para as demais que virão na sequência do trabalho de reestruturação. E por fim, é feita a analise da relação custo x benefício do estudo percebido no curso com a sua aplicação prática.

2 1 Introdução Ao se falar em redes de computadores, muitos pensamentos nos tomam a mente e inúmeras perguntas nos surgem de modo instantâneo. Questionamentos estes, a respeito de vários aspectos que cercam as redes de computadores atuais, desde o tipo de protocolo usado na comunicação, até a arquitetura total da rede e os serviços fornecidos pela mesma. Antes de falarmos das redes atuais, é preciso relembrar um pouco da sua história e suas classificações. As redes surgiram para compartilhar informações sem que se precisasse ir fisicamente do dispositivo emissor até o receptor. O inicio da criação das redes de computadores se deu na segunda guerra mundial, e foi inicialmente utilizada pelo exército americano. Posteriormente o governo americano decidiu abrir essa rede para interligar algumas universidades, e, a partir daí, é que se iniciou o que conhecemos hoje como Internet [1]. As redes de computadores podem ser classificadas segundo Torres (2001) como: LAN (Local Area Network): Rede Local; MAN (Metropolitan Area Network): Redes metropolitanas; WAN (Wide Area Network): Redes Geograficamente distribuídas. Sob esta ótica, temos que, muitas empresas implantam redes locais para interligar seus computadores e assim poder otimizar o seu uso. A implantação de uma rede local nas empresas, vem de encontro com as necessidades do mundo globalizado e produtivamente dinâmico. Hoje em dia, as redes de computadores já são consideradas fundamentais para qualquer empresa que deseja se manter firme e atuante no seu ramo de negócio. Considerando tais aspectos, estes são rigorosamente válidos para as empresas públicas, como bancos, escolas, órgãos ligados a segurança e saúde pública, entre outros. Nesse sentido, temos que os novos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia devam se adequar a atual realidade do mercado, uma vez que serão responsáveis pela formação dos novos profissionais, e não devem, por essência, pecar no sentido profissional de sua existência. Sob este aspecto, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná IFPR, Campus Paranaguá, assume a responsabilidade de implantar e organizar sua rede interna de computadores visando a otimização dos seus recursos tecnológicos para oferecer as seus clientes um ambiente adequado de estudos e trabalho. Essa implantação e organização da sua rede interna, usa, dentre várias, algumas tecnologias descritas a seguir, na sessão 2. 2 Revisão Bibliográfica 2.1 Redes Ethernet As redes locais (LANs) do mundo todo, em sua grande maioria, usam o padrão Ethernet para se comunicar. O padrão Ethernet de comunicação é baseado em pacotes e atua na camada 2 do modelo OSI [2], e define entre outros, o tipo de cabeamento utilizado, a codificação dos sinais de dados e o formato dos pacotes que serão enviados pela rede [3]. 2.2 Samba Samba é um serviço disponível para os Sistemas Operacionais baseados na plataforma UNIX. Atualmente este serviço roda sob o conjunto de protocolos denominado pela Microsoft de CFIS (Common Internet File System), mais especificadamente sob o SMB (Service Message Block) [4]. O objetivo deste serviço é permitir a comunicação entre os diferentes sistemas operacionais disponíveis no mercado hoje (principalmente Linux x Windows).

3 Quando temos uma máquina servidor na rede rodando o serviço samba, podemos dentre outras, destacar algumas aprimoradas funcionalidades: PDC (Primary Domain Controller): Ou Controlador de Domínio Primário; esta funcionalidade permite que o servidor samba seja o controlador de um domínio na rede, fazendo com que os usuários clientes, tanto windows quanto linux, possam autenticar-se na rede via este servidor, recebendo a partir daí, alguns recursos disponíveis pelo servidor, como: impressoras, diretórios para armazenamento de arquivos, etc. Integração com Proxy: o servidor samba pode fornecer as contas de usuários do seu sistema para alguns sistemas de Proxy (como o Squid) para que este por sua vez, aplique regras de conteúdo para os pacotes que trafegam na rede de acordo com cada usuário. 2.3 Firewall Firewall é um dispositivo na rede capaz de examinar os pacotes que entram e saem da mesma, para que a partir de regras pré-estabelecidas, ele bloqueie ou deixe passar os mesmos [5]. Normalmente este dispositivo é um computador que fica fisicamente posicionado na frente de toda a rede interna, como sugere a figura 1: Figura 1: Demonstração do uso de um Firewall na rede [5]. O Firewall tem por objetivo filtrar pacotes que possam ser maliciosos para a rede, contribuindo para que a mesma seja menos vulnerável. É importante ressaltar que o Firewall não garante a total segurança da rede, uma vez que a segurança da rede e seus dispositivos é determinada por um número bastante grande de variáveis tornando-a praticamente impossível de ser 100% segura. 2.4 DHCP O serviço DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol), ou, protocolo de configuração dinâmica de endereços de rede, é fornecido geralmente por um servidor DHCP [6]. Este serviço permite que todos os dispositivos de rede que possuem um endereço IP [2] possam recebê-lo de forma dinâmica, sem que seja necessário configurá-los um a um, tornando assim o trabalho de configuração e incorporação de dispositivos na rede muito mais prática e rápida.

4 2.4 DNSMASQ O serviço DNSMASQ é um serviço DNS [7] enxuto. O DNSMASQ trabalha apenas com o cache das páginas já acessadas, ele evita que toda vez que uma máquina cliente deseja se conectar ao mesmo site acessado a pouco tempo, ela tenha que fazer uma nova requisição para os servidores de nome (servidores DNS) para encontrar o site, ao invés disso, o próprio servidor DNSMASQ da sua rede local fornece tal informação [8, 9]. A grande vantagem do DNSMASQ em relação a um servidor DNS normal, é que ele não entra na árvore de pesquisa de nomes, (considerando que sua rede não tenha um site disponível para a web). Outra vantagem em se usar um servidor com o DNSMASQ rodando, é que este fornece o serviço de DHCP também, isso contribui para a otimização dos recursos de hardware [8, 9]. 2.5 Proxy (Squid) O proxy é um servidor que repassa o trafego do cliente (usuário da rede interna) para o servidor (servidor de conteúdo na internet) [10]. Ele tem como objetivo analisar o conteúdo dos pacotes e tomar decisões sobre o que fazer com determinados pacotes caso eles se encaixem em alguma regra, seja esta boa ou ruim, a maioria dos proxys disponíveis no mercado hoje, atuam na camada de aplicação do modelo OSI [2]. Outra funcionalidade possível do proxy é o caching proxy, ou seja, ele armazena as páginas acessadas recentemente pelos clientes e quando existe uma nova solicitação de acesso a essas páginas em um espaço curto de tempo, ele próprio disponibiliza as páginas, não precisando perder tempo e trafego indo até o servidor do conteúdo. É claro que existe um mecanismo de controle sobre a versão da página que o servidor proxy possui, caso ela esteja desatualizada, ele vai até o servidor e baixa a nova versão do conteúdo solicitado pelo usuário [10]. O squid é um dos serviços de proxy mais famosos disponível no mercado, ele é software livre protegido pela licença GNU [13, 14]. Além da vantagem de ser software livre, o squid ainda tem uma série de outras vantagens: Alta eficiência de cache para servidores web; Suporta o protocolo FTP; Está preparado para atuar sobre IPv6 [16]; Roda em mais de 90% das plataformas (incluindo windows e BSD); Tem suporte ao Gopher [15]; Entre outros. O squid pode ser uma opção interessante ao se tratar de proxy, uma vez que oferece uma série de vantagens e sobre tudo, tem uma documentação completa em seu site oficial [11, 12] além dos fóruns sobre tal. 2.6 Apache O Servidor HTTP Apache, ou simplesmente Apache, foi criado por Rob McCool em 1995 e serve para disponibilizar websistes. Uma pesquisa realizada em 2007, constatou que ele é utilizado em mais de 47% dos servidores web do mundo, ou seja, esta pesquisa comprova a sua eficiência como servidor de websites [17, 18], tornando sua discussão neste trabalho desnecessária. 2.7 RAID RAID (Redundant Array of Independent Disks), ou, Conjunto Redundante de Discos

5 Independentes é um sistema de gerenciamento de discos rígidos (HD) inicialmente desenvolvido pela IBM em O objetivo inicial do RAID era melhorar o desempenho e a segurança dos dados armazenados nos discos, para isto, seriam necessários dois ou mais discos trabalhando para um mesmo fim [19, 20]. Com o passar do tempo, foram desenvolvidos variantes do RAID, por isso, hoje temos várias arquiteturas, veja (resumidamente): RAID 0: Faz os discos rígidos serem vistos como apenas um pelo Sistema Operacional; RAID 1: É a redundância dos dados, um disco é espelhado em outro, garante confiabilidade dos dados; Existem ainda os RAIDs 2, 3, 4, 5 e 6, veja: [19, 20]. O RAID pode ser feito de duas formas, via hardware, onde existe um controlador de RAID específico para o serviço na própria placa-mãe, ou via software, onde o Sistema Operacional é responsável por abstrair os discos e enxergá-los como algum tipo de RAID (previamente configurado). 2.8 Debian - GNU/Linux O Debian é um Sistema Operacional livre baseado no projeto GNU/ Linux [21, 22, 23, 24]. Ele utiliza o kernel (núcleo) do SO desenvolvido por Linus Torvalds (Linux) [21, 22] e a maioria das ferramentas e ambiente gráfico do projeto GNU [24]. O Debian é muito querido em servidores Linux porque possui uma versão chamada Stable, que onde tudo que é disponível para esta versão foi exaustivamente testado, dando uma maior margem de segurança e estabilidade para o funcionamento do servidor. Além de possuir um repositório com mais de pacotes, o Debian possui a funcionalidade apt-get, tornando a instalação e remoção de programas extremamente prática e rápida. 3 Desenvolvimento O desenvolvimento deste trabalho ocorre em um ambiente escolar, no IFPR Campus Paranaguá, onde temos como clientes: os funcionários técnicos administrativos e de ensino, o corpo docente e os alunos. Neste ambiente, temos três laboratórios de informática com 20 máquinas cada um, que são utilizados para as aulas, um bloco do setor administrativo com 9 computadores, outro da área de ensino e biblioteca com mais 9 máquinas, e a sala dos professores, com um total de 5 máquinas disponíveis para o corpo docente. Vale comentar que 90% dos professores possuem seus próprios notebooks, logo, acabaram por disponibilizar as máquinas das quais teriam direito para outros fins. A abordagem do desenvolvimento é apresentada a seguir em três etapas: a situação antiga, o objetivo a ser alcançado e a situação atual. 3.1 Situação Antiga Antes de iniciar este projeto, a situação do campus era a seguinte: Havia um controlador de domínio, MS Windows 2003 Server que não era utilizado por todos os computadores; Não havia uma política de uso dos computadores em rede, logo, alguns usuários faziam logon em tal servidor e outros direto na máquina com poderes administrativos; O Logon em algumas máquinas demorava 15 minutos (ou mais em alguns casos) para ser concluído; Existia um problema com o domínio, em que horas se podia entrar na rede mas não se

6 podia navegar para o site do instituto (www.ifpr.edu.br) em função da má configuração do server; Todos alunos utilizavam o mesmo usuário (aluno) e a mesma senha Enfim, a lógica da rede do campus estava totalmente desorganizada, sem padrão nenhum, e funcionava de forma inconsistente, gerando dúvidas em relação ao profissionalismo do IFPR Paranaguá. É importante ressaltar que, por ser um órgão público, nem sempre as coisas andam como gostaríamos, temos diversos fatores que agem diretamente sobre os objetivos almejados e por isso os processos decorrem de uma forma um pouco mais cautelosas. 3.2 O Objetivo A área da TI do IFPR Paranaguá, após uma determinação do Diretor Geral do Campus, recebeu a solicitação para a criação de um servidor de arquivos em que no momento de login do usuário, ele já recebesse através de uma unidade mapeada, um diretório particular seu, e tivesse acesso a outros diretórios públicos dos quais houvesse a necessidade, foi a partir disto que a área de TI decidiu por em prática algumas das idéias que haviam surgido durante o período em que a rede apresentava muito problemas. Foi solicitado uma autorização ao diretor, para que além de tal serviço, fosse disponibilizado, de forma gradual, mais alguns, como: Servidor Apache; Squid; LDAP; Firewall; Intranet. Então, como sugere a figura 2, essa é a arquitetura da rede idealizada inicialmente: Figura 2: Arquitetura lógica final da rede do IFPR Paranaguá.

7 Observe que, estes são alguns serviços que devem ser disponibilizados, no entanto, essa arquitetura não é imutável, é lógico que irão ocorres mudanças em função de que o mundo de uma forma geral é dinâmico, e nós da TI não podemos nos dar ao luxo de organizar a rede de forma estática. 3.3 Situação Atual Após a iniciação do processo continuo em que o objetivo apresentado anteriormente pudesse ser alcançado, eis que as melhorias puderam ser percebidas. Como demonstra a figura 3, algumas das funcionalidades idealizadas inicialmente já estão em execução e em perfeito funcionamento (sinalizadas com a cor preta). Figura 3: Arquitetura lógica atual da rede do IFPR Paranaguá. Vamos agora falar rapidamente sobre como está se comportando a nova e atual rede lógica do IFPR-Paranaguá Servidor Samba O servidor samba (sparta) possui a seguinte configuração: Processador Xeon 3.2 com dois núcleos; Motherboard Intel; 1GB de Memória RAM; 2 Hard Disk (seagate) com capacidade de 300GB cada sendo uma a partição /home e o outro o espelho (RAID 1); 1 Hard Disk (maxtor) com 80GB de capacidade sendo este usado para suportar o sistema

8 operacional Debian 5.0 (Lenny); Placa de rede onboard; Unidade CD/DVD; Unidade de FITA DAT 72 para Backup; Serviço Samba O principal objetivo deste servidor é ser um servidor de arquivos. Porém, uma vez que o serviço samba (para UNIX *Like) disponibiliza alguns funcionalidades a mais, configuramos o para atuar também como PDC (Primary Domain Controller), ou seja, é ele quem gerencia o domínio no qual os usuários ingressam ao fazer login. Quando o usuário entra na rede, ele recebe uma unidade mapeada onde ele (e somente ele) tem acesso, é o seu diretório pessoal no servidor samba. Para que isto pudesse ser possível, os usuário da rede, são também usuários reais do sistema Linux. É claro que por questões de segurança algumas modificações foram feitas para evitar que usuários mal intencionados tentassem invadir o servidor (nunca duvide da capacidade de um usuário). No momento em que foi decidido por criar usuário reais do sistema, obtivemos alguns benefícios que superam nossas expectativas. Os usuários do sistema Linux são limitados, porém, não tínhamos certeza de que essa limitação fosse tão rígida quando ocorresse a integração Linux x Windows (via samba), uma vez que os usuários operam com o sistema Windows XP. Ao mesmo tempo que disponibilizamos arquivos e controlamos a rede, ainda limitamos o acesso a máquina por parte dos usuários, isso evita que os mesmos instalem programas indevidos e consigam outras façanhas mais. Alem de tudo isso, ainda conseguimos criar compartilhamentos por setor de interesse, onde os usuários de um determinado departamento tem acesso aos arquivos comuns das atividades exercidas por eles, como exemplo temos o compartilhamento ADMINISTRATIVO. O arquivo de configuração (ainda não finalizado) está disponível como ANEXO I Servidor web O servidor web (athenas) possui a seguinte configuração: Processador Intel Core 2 Duo; Motherboard Intel; 1GB de Memória RAM; 2 Hard Disk (seagate) com capacidade de 40GB cada sendo uma a partição /raiz e o outro o espelho (RAID 1) rodando o Debian 5.0 (Lenny); Placa de rede onboard; Unidade de CD/DVD; Serviço web (Apache+MySQL+PHP). A função principal deste servidor é prover acesso a um sistema web desenvolvido pela área de TI, onde é permitido a direção de ensino registrar as ocorrências dos alunos. O sistema é muito simples: usuários habilitados acessam o sistema e registram a ocorrência, data e hora, isso facilita no momento da avaliação final do aluno e também quando os pais vem até a escola saber como está o desempenho do seu filho. Este sistema só está disponível para a rede interna e de uma forma muito simplista, é acessado via IP ( x/sistema). Além de prover acesso a esse sistema (SOE Serviço de Orientação Educacional), o servidor athenas ainda provê acesso acesso a um wiki (dokuwiki [25]) interno de documentação da área de TI.

9 3.3.3 Firewall O Firewall é um computador comum, igual aos utilizados pelos usuários e tem a seguinte configuração: Processador Celeron 2.8 Ghz; Motherboard Gigabyte; 512MB de memória RAM; Hard Disk (western) com 80GB de capacidade; 3 placas de rede sendo 1 onboard; Atualmente o firewall não está fazendo nenhum tipo de bloqueio, sua função é atuar na camada 3 do modelo OSI, ou seja, é ele quem autentica com a empresa fornecedora do link ADSL, também serve como cache DNS por meio do serviço DNSMASQ. Em relação ao bloqueio de conteúdos, por sermos uma empresa pública, inevitavelmente precisamos de políticas explícitas e documentadas para podermos aplicá-las, pois caso contrário, nós da TI poderíamos ter algumas complicações. Em função disso, estamos aguardando a aprovação da política de segurança do IFPR que foi elaborada pela assessoria de TI da reitoria e será assinada pelo reitor em exercício. Como notificação, é valido comentar que atualmente nossa internet provém de um link ADSL empresarial de 2MB e outro de 1MB. A idéia em relação ao firewall, como demonstra a figura 2, é fazer com que ele separe o tráfego por origem, fazendo sair por um link o tráfego dos funcionários e por outro o dos alunos, no entanto, esse é um dos objetivos que deverão ser atingidos na continuidade do trabalho de reestruturação da rede lógica. 4 Conclusão Considerando todo o benefício trazido pela reestruturação lógica da rede do IFPR Paranaguá, convergimos para a idéia de que o estudo percebido durante todo o curso de especialização vem de encontro com as necessidades apresentadas pela demanda de uma situação real (o IFPR no nosso caso). Diante disso, podemos chegar a algumas conclusões que merecem menção neste trabalho. Inicialmente no curso, estudamos alguns fundamentos sobre redes, o que nos ajudou a analisar com muito cuidado sobre qual tecnologia usaríamos para solucionar nosso problema. Também estudamos algumas tecnologias e ferramentas que influenciaram algumas idéias no sentido de obtermos o melhor custo benefício por parte da nossa solução, vale destacar algumas, como por exemplo, a escolha do sistema operacional para os servidores. Optamos pelo Linux e sua distribuição Debian porque é uma das distribuições disponíveis mais robusta e possui um grande trunfo que é o apt-get, onde podemos manter o sistema sempre atualizado e dentro das possibilidades mais seguro. Este é apenas um exemplo do que foi possível ser utilizado no decorrer de todo esse desenvolvimento, pudemos por em prática efetiva vários assuntos abordados no curso, o que nos trouxe grande satisfação em saber que podemos aproveitar muito o conteúdo estudado. Sendo assim, é valido dizer que o curso de especialização trouxe além conhecimento técnico, uma nova visão sobre as abordagens utilizadas quando se precisa iniciar, manter e administrar os servidores e as redes de computadores.

10 5 Bibliografia [1] Internet Society (ISOC): Histories of the Internet Disponível em: <http://www.isoc.org/internet/history/brief.shtml> Acesso em: 21 de outubro de [2] - Redes, Guia Prático - Uma rápida explicação do modelo OSI Disponível em: <http://www.gdhpress.com.br/redes/leia/index.php?p=intro-5> Acesso em: 11 de outubro de [3] - Ethernet - Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/ethernet> Acesso em: 11 de outubro de [4] - Samba Disponível em: <http://www.samba.org/samba/what_is_samba.html> Acesso em: 11 de outubro de [5] - Redes e Servidores, 2ed, Capítulo 11 - Carlos E. Morimoto Disponível em: <http://www.gdhpress.com.br/redeseservidores/leia/index.php?p=cap11-1> Acesso em: 11 de outubro de [6] - DHCP - Carlos E. Morimoto Disponível em: <http://www.guiadohardware.net/termos/dhcp> Acesso em: 11 de outubro de [7] - DNS - Carlos E. Morimoto Disponível em: <http://www.guiadohardware.net/artigos/dns-registro/> Acesso em: 11 de outubro de [8] - DNSMASQ - Carlos E. Morimoto Disponível em: <http://www.guiadohardware.net/dicas/resolvendo-problemas-acesso-dns-local.html> Acesso em: 11 de outubro de [9] - DNSMASQ Disponível em: <http://www.thekelleys.org.uk/dnsmasq/doc.html> Acesso em: 11 de outubro de [10] - Proxy Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/proxy> Acesso em: 11 de outubro de [11] - squid Disponível em: <http://www.squid-cache.org/intro/> Acesso em: 11 de outubro de [12] - squid - About Disponível em: <http://wiki.squid-cache.org/squidfaq/aboutsquid> Acesso em: 11 de outubro de [13] - Licença GNU Disponível em: <http://lie-br.conectiva.com.br/licenca_gnu.html> Acesso em: 12 de outubro de [14] - Licença de Softwares Livres - Projeto GNU Disponível em: <http://www.gnu.org/licenses/licenses.pt-br.html> Acesso em: 12 de outubro de [15] - Gopher Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/gopher> Acesso em: 12 de outubro de [16] - IPv6 Disponível em: <http://www.ipv6.br/> Acesso em: 12 de outubro de 2009.

11 [17] - The Apache HTTP Server Project Disponível em: <http://httpd.apache.org/> Acesso em: 12 de outubro de [18] - Servidor Apache Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/servidor_apache> Acesso em: 12 de outubro de [19] - Tudo o que você precisa saber sobre RAID Clube do Hardware Disponível em: <http://www.clubedohardware.com.br/artigos/651> Acesso em: 12 de outubro de [20] - RAID Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/raid> Acesso em: 12 de outubro de [21] - The Linux Home Page at Linux Online Disponível em: <http://www.linux.org/> Acesso em: 12 de outubro de [22] - Linux Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/linux> Acesso em: 12 de outubro de [23] - Debian -- O Sistema Operacional Universal Disponível em: <http://www.debian.org/index.pt.html> Acesso em: 12 de outubro de [24] - The GNU Operating System Disponível em: <http://www.gnu.org/> Acesso em: 12 de outubro de [25] - dokuwiki Disponível em: <http://www.dokuwiki.org/dokuwiki> Acesso em: 04 de Novembro de TORRES, Gabriel. Redes de Computadores Curso Completo. Axcel Books, p. ISBN (broch.)

12 ANEXO I # Samba config file created using SWAT # from UNKNOWN () # Date: 2009/08/26 11:58:02 [global] # unix password sync = yes workgroup = paranagua.ifpr netbios name = sparta server string = Samba PDC passdb backend = tdbsam username level = 1 add machine script = /usr/sbin/useradd -d /dev/null -g maquinas -s /bin/false -m %u logon script = netlogon.bat logon path = \\%N\%U\.profileuser #logon home = \\%N\%U domain logons = Yes os level = 200 preferred master = Yes domain master = Yes wins support = Yes ldap ssl = no preserve case = No [netlogon] comment = Servico de Logon path = /var/samba/netlogon browseable = No [homes] path = /home/%u read only = No create mask = 0700 directory mask = 0700 browseable = No [arquivos] comment = Pasta Publica path = /home/arquivos read only = No public = No browseable = No valid users = djhoss [profiles] path = /var/profiles read only = No create mask = 0600 directory mask = 0700 browseable = No [administrativo] path = /home/administrativo read only = No create mask = 0777 directory mask = 0777 valid users = t , t , t , t public = No browseable = No

Arquivo smb.conf comentado

Arquivo smb.conf comentado Arquivo smb.conf comentado ######## Seção global #### Define configurações como nome do servidor, grupo de trabalho, e outras. #### Opções definidas aqui tem efeito em todos compartilhamentos, exceto quando

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers Configuração do Servidor Samba como controlador primário de domínio (PDC). O objetivo desse roteiro é mostrar como configurar um servidor Samba PDC compartilhando o diretório home, impressora e um diretório

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Samba Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br 1 Conhecido também como servidor de arquivos; Consiste em compartilhar diretórios do Linux em uma rede Windows e visualizar compartilhamentos

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Após salvar, execute o comando testparm e ele deverá exibir a mensagem Server role: ROLE_DOMAIN_PDC".

Após salvar, execute o comando testparm e ele deverá exibir a mensagem Server role: ROLE_DOMAIN_PDC. Samba como Servidor de Domínio Ubuntu Server 14.04 1. Passo - Instalação do pacote: #apt-get install samba 2. Passo - Edição do smb.conf Após instalar o samba delete o arquivo padrão smb.conf. #rm /etc/samba/smb.conf

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

Compartilhamento de arquivos e diretórios

Compartilhamento de arquivos e diretórios Compartilhamento de arquivos e diretórios O compartilhamento de arquivos e diretórios foi uma das aplicações que motivou o desenvolvimento inicial da rede de computadores. 19 E xistem dois protocolos de

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Utilizando o SAMBA - Parte I

Utilizando o SAMBA - Parte I Utilizando o SAMBA - Parte I Por: Victor Zucarino ( 28/03/2001 ) Introdução Antes de começar vamos entender o que é o Samba. Em uma rede é necessário compartilhar dados, por isso temos que pensar em obter

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Capítulo 9. SMB (Server Message Block) Serviços de ficheiros em rede Microsoft. Gestão de Redes e Serviços (GRS) Capítulo 9 1/1

Capítulo 9. SMB (Server Message Block) Serviços de ficheiros em rede Microsoft. Gestão de Redes e Serviços (GRS) Capítulo 9 1/1 Capítulo 9 Serviços de ficheiros em rede Microsoft SMB (Server Message Block) Gestão de Redes e Serviços (GRS) Capítulo 9 1/1 Introdução Em 1984 a Microsoft fez uma API (Application Programming Interface)

Leia mais

Sistemas Distribuídos Aula-6

Sistemas Distribuídos Aula-6 6 SAMBA Histórico: O Samba foi criado por Andrew Tridgell. Ele precisava montar um espaço em disco em seu PC para um servidor Unix. Esse PC rodava DOS e, inicialmente, foi utilizado o sistema de arquivos

Leia mais

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba Linux Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 INSTALANDO O SAMBA... 3 Verificando a versão... 3 Criando uma cópia do servidor samba original... 3 COMPARTILHAMENTOS

Leia mais

NBT - é o protocolo que faz o mapeamento entre nomes (de computadores ) e IP s.

NBT - é o protocolo que faz o mapeamento entre nomes (de computadores ) e IP s. Capítulo 9 Serviços de ficheiros em rede Microsoft (SMB) Introdução Em 1984 a Microsoft fez uma API (Application Programming Interface) para que as suas aplicações pudessem partilhar dados numa rede. Esta

Leia mais

O que um Servidor Samba faz?

O que um Servidor Samba faz? O que é o Samba? O Samba é um "software servidor" para Linux (e outros sistemas baseados em Unix) que permite o gerenciamento e compartilhamento de recursos em redes formadas por computadores com o Windows

Leia mais

Samba como PDC de um domínio Windows

Samba como PDC de um domínio Windows Relatório do Trabalho Prático nº 3 Samba como PDC de um domínio Windows Documento elaborado pela equipa: Jorge Miguel Morgado Henriques Ricardo Nuno Mendão da Silva Data de entrega: 22.11.2006 Índice Índice...

Leia mais

Daniel Darlen. daniel.correa@planejamento.gov.br. IV SDSL Brasília DF Dezembro de 2004

Daniel Darlen. daniel.correa@planejamento.gov.br. IV SDSL Brasília DF Dezembro de 2004 Introdução ao Samba Daniel Darlen daniel.correa@planejamento.gov.br IV SDSL Brasília DF Dezembro de 2004 Introdução ao Samba p.1/65 Introdução Introdução ao Samba p.2/65 Introdução SAMBA é um conjunto

Leia mais

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Apresentação Portfólio de Serviços e Produtos da WebMaster Soluções. Com ele colocamos à sua disposição a Tecnologia que podemos implementar em sua empresa.

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores

Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Perguntas iniciais O que você precisa colocar para funcionar? Entender a necessidade Tens servidor específico

Leia mais

Senado Federal Questões 2012

Senado Federal Questões 2012 Senado Federal Questões 2012 Sistemas Operacionais Prova de Analista de Sistemas Prof. Gustavo Van Erven Senado Federal Questões 2012 Rede Social ITnerante http://www.itnerante.com.br/ Vídeo Aulas http://www.provasdeti.com.br/

Leia mais

SERVIDORES REDES E SR1

SERVIDORES REDES E SR1 SERVIDORES REDES E SR1 Rio de Janeiro - RJ HARDWARE Você pode instalar um sistema operacional para servidores em qualquer computador, ao menos na teoria tudo irá funcionar sem grandes dificuldades. Só

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers Samba como compartilhador de arquivos & impressora O Samba surgiu da necessidade de integrar redes mistas (Windows com Linux). No Linux, há duas maneiras de se fazer isso, que é pelo uso do NFS e Samba.

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB ATIVIDADE 1 Redes Windows Falar sobre Samba e redes mistas Windows / Linux, sem antes explicar o conceito básico de uma rede não parece correto e ao mesmo tempo, perder páginas e mais páginas explicando

Leia mais

Instalação e Configuração Servidor Samba

Instalação e Configuração Servidor Samba Instalação e Configuração Servidor Samba Pág - 1 Instalação e Configuração Servidor Samba O Samba é o servidor que permite compartilhar arquivos e acessar compartilhamentos em máquinas Windows. Ele é dividido

Leia mais

CENTRALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE INTRANET EM UMA REDE COM SISTEMAS OPERACIONAIS HETEROGÊNEOS

CENTRALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE INTRANET EM UMA REDE COM SISTEMAS OPERACIONAIS HETEROGÊNEOS UniCEUB Centro Universitário de Brasília FATECS Faculdade de Tecnologia e Ciências Sociais Aplicadas Curso de Engenharia da Computação Projeto Final CENTRALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE INTRANET EM UMA REDE COM

Leia mais

Samba PDC no Debian com Clamwin antivírus

Samba PDC no Debian com Clamwin antivírus Samba PDC no Debian com Clamwin antivírus Artigo extraído do link http://www.guiadohardware.net/artigos/pdc debian clamwin estacoes/ Introdução Esse artigo o guiará passo a passo na montagem de um servidor

Leia mais

Administração de Redes SAMBA

Administração de Redes SAMBA Administração de Redes SAMBA Rafael S. Guimarães IFES - Campus Cachoeiro de Itapemirim Baseado no material de João Paulo de Brito Gonçalves SAMBA SAMBA A finalidade do serviço Samba é permitir que estações

Leia mais

Como padrão o usuário root vem bloqueado por padrão, habilite o usuário root com os seguintes comandos:

Como padrão o usuário root vem bloqueado por padrão, habilite o usuário root com os seguintes comandos: Samba como controlador de domínio no Ubuntu Nesse artigo estaremos configurando o SAMBA, que consiste em um software que faz a comunicação entre Windows e Linux, sendo utilizado para compartilhar arquivos

Leia mais

Capítulo 1 DATAPREV DATAPREV. 1.1 Servidores de arquivos. www.dataprev.gov.br

Capítulo 1 DATAPREV DATAPREV. 1.1 Servidores de arquivos. www.dataprev.gov.br Capítulo 1 DATAPREV Instituição: Sítio: Caso: Responsável: Palavras- Chave: DATAPREV www.dataprev.gov.br Procedimentos adotados pela Dataprev na migração dos servidores Netware (Novell) para servidores

Leia mais

O B B J E E T T I V V O O S

O B B J E E T T I V V O O S OBJ E T I VOS Conhecer as características e possibilidades do SO Linux, como workstation simples ou elemento componente de uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema numa corporação. SU

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Serviços de Rede Prof: Jéferson Mendonça de Limas Ementa Configuração de Serviços de Redes; Servidor Web; Servidor de Arquivos; Domínios; Servidor de Banco de Dados; SSH; SFTP;

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAC-PELOTAS Centro Histórico PRONATEC. Jonathan Silveira Leandro Stein RELATÓRIO TÉCNICO PROJETO INTERDICIPLINAR

Escola de Educação Profissional SENAC-PELOTAS Centro Histórico PRONATEC. Jonathan Silveira Leandro Stein RELATÓRIO TÉCNICO PROJETO INTERDICIPLINAR Escola de Educação Profissional SENAC-PELOTAS Centro Histórico PRONATEC Jonathan Silveira Leandro Stein RELATÓRIO TÉCNICO PROJETO INTERDICIPLINAR PELOTAS/RS 2013 1 Jonathan Silveira, Leandro Stein Relatório

Leia mais

Aula 06 Servidor de Arquivos e Impressora (SaMBa)

Aula 06 Servidor de Arquivos e Impressora (SaMBa) Aula 06 Servidor de Arquivos e Impressora (SaMBa) Prof. Roitier Campos Gonçalves Introdução O servidor de arquivos fornece um ponto centralizado na rede para armazenamento e compartilhamento de arquivos

Leia mais

Servidor, Proxy e Firewall. Professor Victor Sotero

Servidor, Proxy e Firewall. Professor Victor Sotero Servidor, Proxy e Firewall Professor Victor Sotero 1 Servidor: Conceito Um servidor é um sistema de computação centralizada que fornece serviços a uma rede de computadores; Os computadores que acessam

Leia mais

Laboratório I 2012. Prof. Hélder Sato MSc. 2/14/12 Laboratório I 1

Laboratório I 2012. Prof. Hélder Sato MSc. 2/14/12 Laboratório I 1 Laboratório I 2012 Prof. Hélder Sato MSc 2/14/12 Laboratório I 1 Apresentação Prof Hélder Sato MSc Bacharel Informática Universidade Positivo Especialista em Redes PUC-PR Mestrado em Informática Aplicada

Leia mais

Capacitação IPv6.br. Serviços em IPv6. Serviços rev 2012.08.07-01

Capacitação IPv6.br. Serviços em IPv6. Serviços rev 2012.08.07-01 Capacitação IPv6.br Serviços em IPv6 Serviços DHCPv6 Firewall DNS NTP HTTP Proxy Proxy Reverso SMB CIFS SSH... Implementações BIND Squid IPv6 desde Julho/2001 IPv6 nativo desde Outubro/2008 BIND 9.1.3

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Serviços DHCP Server: O DHCP ("Dynamic Host Configuration Protocol" ou "protocolo de configuração

Leia mais

O que é e o que faz o samba?

O que é e o que faz o samba? Tutorial samba como controlador de domínio para Ubuntu ou Debian. Os procedimentos foram testados no ubuntu 10.04, em caso do debian ou outra versão pode mudar alguns detalhes ou algum procedimento como

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 03 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências Instalação do Active Directory e serviços

Leia mais

Live Show Gerenciamento de Ambientes. Danilo Bordini (http://blogs.technet.com/dbordini ) Rodrigo Dias (http://blogs.technet.

Live Show Gerenciamento de Ambientes. Danilo Bordini (http://blogs.technet.com/dbordini ) Rodrigo Dias (http://blogs.technet. Live Show Gerenciamento de Ambientes Danilo Bordini (http://blogs.technet.com/dbordini ) Rodrigo Dias (http://blogs.technet.com/rodias) Live Show! Vocês são do Time! Período do Evento Final de Semana Durante

Leia mais

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 SERVIÇOS BÁSICOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cotec@ifbaiano.edu.br

Leia mais

Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Recursos, Redes e Samba Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo III Módulo III

Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Recursos, Redes e Samba Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo III Módulo III 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Recursos, Redes e Samba 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Porque usar o Servidor Samba Server? Compartilhamento de arquivos; Servidor de arquivos;

Leia mais

Configuração Definitiva do Samba

Configuração Definitiva do Samba Configuração Definitiva do Samba 1 2 Sumário 1. Vantagens... 5 2. Desvantagem... 5 3. Conclusão Final... 5 4. Vamos botar a mão na massa!... 6 5. Instalação... 6 6. Configuração Parte 1 (Criando os diretórios)...

Leia mais

Aula 9 Servidor Samba Linux

Aula 9 Servidor Samba Linux 1 Aula 9 Servidor Samba Linux Samba é o protocolo responsável pela integração de máquinas Linux com Windows, permitindo assim a criação de redes mistas utilizando servidores Linux e clientes Windows. Samba,

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID Saulo Marques FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUIBA Sumário 1 Instalação... 4 2 Configuração inicial... 6 2.1 Scripts e Arquivos Auxiliares... 10 2.2 O Squid e suas configurações...

Leia mais

Instalando o Debian em modo texto

Instalando o Debian em modo texto Instalando o Debian em modo texto Por ser composto por um número absurdamente grande de pacotes, baixar os CDs de instalação do Debian é uma tarefa ingrata. Você pode ver uma lista dos mirrors disponíveis

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS I N F O R M Á T I C A Sistemas Operacionais Campus Itaqui-RS Sistemas Operacionais É o software que gerencia o computador! Entre suas funções temos: inicializa o hardware do computador fornece rotinas

Leia mais

FPROT. Fonte: www.lcad.icmc.usp.br/~jbatista/sce238/samba.ppt. SENAC TI Fernando Costa

FPROT. Fonte: www.lcad.icmc.usp.br/~jbatista/sce238/samba.ppt. SENAC TI Fernando Costa FPROT Fonte: www.lcad.icmc.usp.br/~jbatista/sce238/samba.ppt SENAC TI Fernando Costa Samba Introdução Fundamentos para criação de um domínio e serviços Windows em um servidor Linux. Motivação: O convívio

Leia mais

ActiveInfo. Treinamento GNU/Linux Servidores

ActiveInfo. Treinamento GNU/Linux Servidores ActiveInfo Treinamento GNU/Linux Servidores http://www.samba.org André Luiz andreluizsp@gmail.com 1 Conteúdo programático O que é SAMBA? Instalando o SAMBA Verificando o serviço SWAT - Samba Web Administrator

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 02. Prof. Gabriel Silva

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 02. Prof. Gabriel Silva FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 02 Prof. Gabriel Silva Temas da Aula de Hoje: Revisão da Aula 1. Redes LAN e WAN. Aprofundamento nos Serviços de

Leia mais

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE Documento de Projeto Lógico e Físico Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição Localização 1.0 20/OUT/2010

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

Suporte de Servidores Linux. Ezequiel Mendes Duque

Suporte de Servidores Linux. Ezequiel Mendes Duque Suporte de Servidores Linux Ezequiel Mendes Duque SAMBA Acidente?? O projeto nasceu no final de 1991, de forma acidental. O criador foi: Andrew Tridgell, um australiano que na época era estudante do curso

Leia mais

Líder em Soluções Samba 4 no Brasil

Líder em Soluções Samba 4 no Brasil Apresentação Líder em Soluções Samba 4 no Brasil A Vantage TI conta uma estrutura completa para atender empresas de todos os segmentos e portes, nacionais e internacionais. Nossos profissionais dedicam-se

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre 22:59:36 Introdução à Informática com Software Livre 1 22:59:36 O Debian é uma distribuição GNU/Linux desenvolvida abertamente por um grupo mundial de voluntários, no esforço de se produzir um sistema

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS FUNDAMENTOS DE Visão geral sobre o Active Directory Um diretório é uma estrutura hierárquica que armazena informações sobre objetos na rede. Um serviço de diretório,

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

SMB vs NFS. Técnico Integrado em Telecomunicações turma 6080822

SMB vs NFS. Técnico Integrado em Telecomunicações turma 6080822 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA SMB vs NFS Técnico Integrado em Telecomunicações

Leia mais

DNS DOMAIN NAME SYSTEM

DNS DOMAIN NAME SYSTEM FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 Índice 1 DNS DOMAIN NAME SYSTEM 3 2 PROXY SERVER 6 3 DHCP DYNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL 7 4 FIREWALL 8 4.1 INTRODUÇÃO 8 4.2 O QUE É FIREWALL 9 4.3 RAZÕES PARA UTILIZAR

Leia mais

Solução linux para compartilhamento de arquivos

Solução linux para compartilhamento de arquivos Solução linux para compartilhamento de arquivos Nataniel da Silva Vieira 1, André Moraes 1 1 Tecnologia em Redes de Computadores Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas RS Brasil nataniel@pelotas.com.br,

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep Secure em um

Leia mais

GUIA DE MELHORES PRATICAS NA AREA DE TI

GUIA DE MELHORES PRATICAS NA AREA DE TI GUIA DE MELHORES PRATICAS NA AREA DE TI Ambiente Windows Small Business Rev 10501 DATA : 5 / 07/ 2007 Pag : 1 de7 1) Servidores a) Hardware o Servidor Alocado em Rack Fechado em ambiente reservado e refrigerado

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM WINDOWS. IsmaelSouzaAraujo

ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM WINDOWS. IsmaelSouzaAraujo ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM WINDOWS IsmaelSouzaAraujo INFORMAÇÃOECOMUNICAÇÃO Autor Ismael Souza Araujo Pós-graduado em Gerência de Projetos PMBOK UNICESP, graduado em Tecnologia em Segurança da Informação

Leia mais

1. Considerações...3. 2. Introdução...3. 3. Arquitetura...3. 3.1. Topologia Básica...4. 3.2. Hardware mínimo recomendado...5

1. Considerações...3. 2. Introdução...3. 3. Arquitetura...3. 3.1. Topologia Básica...4. 3.2. Hardware mínimo recomendado...5 ÍNDICE 1. Considerações...3 2. Introdução...3 3. Arquitetura...3 3.1. Topologia Básica...4 3.2. Hardware mínimo recomendado...5 3.3. Sistemas Operacionais...5 4. Configurações Necessárias...6 4.1. Nas

Leia mais

Laboratório de Redes. Professora Marcela Santos marcela@edu.estacio.br

Laboratório de Redes. Professora Marcela Santos marcela@edu.estacio.br Laboratório de Redes Professora Marcela Santos marcela@edu.estacio.br Active Directory (AD) Samba Máquina virtual Criação de uma máquina virtual Instalação do Windows Server O Active Directory (AD) é um

Leia mais

Conhecer as características e possibilidades do SO GNU Linux como servidor em uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema em OM do

Conhecer as características e possibilidades do SO GNU Linux como servidor em uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema em OM do OBJETIVOS Conhecer as características e possibilidades do SO GNU Linux como servidor em uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema em OM do Exército Brasileiro. SUMÁRIO 1. Introdução 2.

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do

Leia mais

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Autor: Alexandre F. Ultrago E-mail: ultrago@hotmail.com 1 Infraestrutura da rede Instalação Ativando o usuário root Instalação do Webmin Acessando o Webmin

Leia mais

Componentes de uma Rede. Aula 2. Prof. Wladimir da Costa

Componentes de uma Rede. Aula 2. Prof. Wladimir da Costa Componentes de uma Rede Aula 2 Prof. Wladimir da Costa Objetos de estudo: - NICs. - Nobreak. - Hub. - Switches - Repetidores. - Bridges (pontes). - Roteadores. - Estações de trabalho. - Servidores - Sistema

Leia mais

Squid autenticado no Active Directory com Winbind

Squid autenticado no Active Directory com Winbind 1 de 5 4/2/2007 14:40 Squid autenticado no Active Directory com Winbind Autor: Anderson Leite Data: 30/08/2006 Introdução Este é um artigo bem resumido, entrando em detalhes somente

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais

Introdução ao Conceito de Redes e Infra estrutura Internet

Introdução ao Conceito de Redes e Infra estrutura Internet Introdução ao Conceito de Redes e Infra estrutura Internet Prof. José Alexandre da Costa Alves (MSc) O que é uma rede de Computadores Conjunto de unidades de processamento com capacidade de trocar informações

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02 Prof. André Lucio Competências da aula 2 Instalação e configuração dos sistemas operacionais proprietários Windows (7 e

Leia mais

Conteúdo do pacote de 05 cursos hands-on Linux

Conteúdo do pacote de 05 cursos hands-on Linux Conteúdo do pacote de 05 cursos hands-on Linux Linux Básico Linux Intermediário Proxy Squid Firewall Netfilter / Iptables Samba 4 C o n t e ú d o d o c u r s o H a n d s - on L i n u x 2 Sumário 1 Linux

Leia mais

Samba - Aspectos Avançados

Samba - Aspectos Avançados Samba - Aspectos Avançados Por Conectiva Informática e Time de Desenvolvimento do Samba Certamente, no momento em que iniciamos a implantação de uma rede, nos deparamos com diversos aspectos não previstos,

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO ACTIVE DIRECTORY DO WINDOWS SERVER 2003

PROGRAMA DE TREINAMENTO ACTIVE DIRECTORY DO WINDOWS SERVER 2003 PROGRAMA DE TREINAMENTO ACTIVE DIRECTORY DO WINDOWS SERVER 2003 CARGA HORÁRIA: 64 horas. O QUE É ESTE TREINAMENTO: O Treinamento Active Ditectory no Windows Server 2003 prepara o aluno a gerenciar domínios,

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 1 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 1 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 1 www.marcelomachado.com Conceito, características e classificação das Redes de Computadores; Topologias; Meios físicos de transmissão; Equipamentos de Rede; Segurança;

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Professora: Sheila Cáceres Computador Dispositivo eletrônico usado para processar guardar e tornar acessível informação. Tópicos de Ambiente

Leia mais

Introdução ao Sistema. Características

Introdução ao Sistema. Características Introdução ao Sistema O sistema Provinha Brasil foi desenvolvido com o intuito de cadastrar as resposta da avaliação que é sugerida pelo MEC e que possui o mesmo nome do sistema. Após a digitação, os dados

Leia mais

Uso de softwares Open Source na autenticação de acesso WEB em controlador de domínio NT

Uso de softwares Open Source na autenticação de acesso WEB em controlador de domínio NT Uso de softwares Open Source na autenticação de acesso WEB em controlador de domínio NT Aluno: Angelo Alberto Delben Filho, Orientador: Elio Lovisi Filho. Departamento de Ciência da Computação Faculdade

Leia mais

Sumário Instalando o Windows 2000 Server... 19

Sumário Instalando o Windows 2000 Server... 19 O autor... 11 Agradecimentos... 12 Apresentação... 13 Introdução... 13 Como funcionam as provas de certificação... 13 Como realizar uma prova de certificação... 13 Microsoft Certified Systems Engineer

Leia mais

Configuração SERVIDOR.

Configuração SERVIDOR. REQUISITOS MINIMOS SISTEMAS FORTES INFORMÁTICA. Versão 2.0 1. PRE-REQUISITOS FUNCIONAIS HARDWARES E SOFTWARES. 1.1 ANALISE DE HARDWARE Configuração SERVIDOR. Componentes Mínimo Recomendado Padrão Adotado

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA 26. Considerando o sistema de numeração Hexadecimal, o resultado da operação 2D + 3F é igual a: a) 5F b) 6D c) 98 d) A8 e) 6C 27. O conjunto

Leia mais

SANTOS, BRUNA VIANA, ISMAEL SPITZER RELATÓRIO FINAL DE PROJETO

SANTOS, BRUNA VIANA, ISMAEL SPITZER RELATÓRIO FINAL DE PROJETO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática ANDRESSA SANTOS, BRUNA VIANA, ISMAEL

Leia mais

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Uma poderosa ferramenta de monitoramento Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Abril de 2008 O que é? Características Requisitos Componentes Visual O que é?

Leia mais