Campus de São Carlos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Campus de São Carlos"

Transcrição

1 Campus de São Carlos COMPACTAÇÃO E COMPRESSIBILIDADE DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS VOL. I AUTOR: AFONSO CELSO MORUZZI MARQUES ORIENTADOR: PROF. DR. ORENCIO MONJE VILAR UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS

2 COMPACTAÇÃO E COMPRESSIBILIDADE DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS VOLUME 1 AFONSO CELSO MORUZZI MARQUES Tese apresentada à Escola de Engenharia de São Carlos, da Universidade de São Paulo, como parte dos requisitos para obtenção do Título de Doutor em Geotecnia. ORIENTADOR: Prof. Dr. Orencio Monje Vilar São Carlos 2001

3

4

5 iii À Suzy, Mariana e Juliana pelo apoio, compreensão e incentivo

6 iv AGRADECIMENTOS Meus agradecimentos a todas as pessoas e instituições que contribuíram para a elaboração desta pesquisa e de maneira especial, Aos professores, funcionários e amigos do Departamento de Geotecnia pelo apoio e ensinamentos recebidos. Aos professores e amigos do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da Virginia Polytechnic Institute and State University, pela hospitalidade, ensinamentos, e experiência proporcionada. Ao corpo técnico, funcionários e amigos da ENGECORPS Corpo de Engenheiros Consultores S/C Ltda. pela ajuda e apoio na realização do trabalho. Ao LIMPURB Departamento de Limpeza Urbana da Prefeitura do Município de São Paulo e às empresas CEPOLLINA Engenheiros Consultores S/C Ltda., Construtora Heleno & Fonseca, Lyon/Caterpillar, Sansuy S.A. - Indústria de Plásticos e Nortene Plásticos Ltda., pelo apoio financeiro e operacional para viabilização do experimento. À CAPES Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior do Ministério da Educação, pelo auxílio e oportunidade de intercâmbio técnico-científico com instituição estrangeira. Aos engenheiros Luís Sergio Kaimoto, Ricardo Coelho de Abreu, Eduardo Ferreira Leite e Silvio Luis E. de Andrade, pela ajuda e viabilização da coleta dos dados de campo. Aos engenheiros Cláudio Michel Nahas, Alberto Lang Filho e Luis Antônio Villaça Garcia pelas discussões e contribuições técnicas durante o experimento. Ao engenheiro Nino Carlos Teixeira Françoso pelo grande incentivo e apoio ao longo de todo o programa de pesquisa. Aos colegas Miriam de Fátima Carvalho, Miguel Pando, Jeremy Britton e Youngji Park pelo auxílio e amizade demonstrados em momentos importantes do trabalho. Ao professor e co-orientador George Filz, pelos ensinamentos e valiosas orientações, que em muito contribuíram para o alcance dos objetivos do trabalho. Ao professor e orientador Orencio Monje Vilar, pelo constante apoio e estímulo e pelas determinantes e criteriosas orientações durante a pesquisa.

7 v SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... LISTA DE TABELAS... LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS... LISTA DE SÍMBOLOS... RESUMO... ABSTRACT... ix xviii xxii xxiii xxix xxx VOLUME 1 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Articulação Organizacional para Viabilização do Experimento Estruturação do Trabalho... CAPÍTULO 2 - REVISÃO DE TRABALHOS ANTERIORES Biodegradação dos Resíduos Sólidos Urbanos Geração e Características do Biogás Geração e Características dos Líquidos Percolados Caracterização dos Resíduos Sólidos Urbanos Amostragem e Investigações In Situ Propriedades Físicas Propriedades Mecânicas Estudos e Modelos propostos para Avaliação de Recalques de Aterros Sanitários Modelo de SOWERS (1973) Modelo de YEN & SCANLON (1975) Estudo de EDIL et al. (1989, 1990) baseado no Modelo de GIBSON & LO (1961) Modelo de EDIL et al. baseado em Função de Potência (1990) Modelo de BJARNGARD & EDGERS (1990) Modelo de EDGERS et al. baseado na Rate Process Theory (1992) Estudo de COUMOULOS & KORYALOS (1997, 1999) Estudo de LING et al. baseada em Função Logarítmica e Hiperbólica (1998) Outros Modelos e Propostas Melhoria e Recuperação de Aterros Sanitários Técnicas de Minimização Prévia Técnicas de Melhoria das Propriedades dos Resíduos Recuperação e Mineração de Aterros Sanitários

8 vi CAPÍTULO 3 - DESCRIÇÃO E EXECUÇÃO DE ATERRO EXPERIMENTAL Arranjo Geral do Experimento Zoneamento do Aterro Definição da Sequência Construtiva Preparação da Área Relocação dos Dispositivos de Drenagem Existentes Execução de Aterro de Regularização Tratamento e Impermeabilização da Fundação Execução do Sistema de Drenagem de Gases e Líquidos Percolados Instalação da Instrumentação Execução do Recobrimento Final e Sistema de Drenagem Superficial Execução de Acessos e Obras Complementares Descrição dos Equipamentos Treinamento de Equipes para Trabalhos de Campo Execução do Aterro Lançamento e Espalhamento dos Resíduos Compactação dos Resíduos Cronograma de Execução Ensaios Laboratoriais e In Situ Composição Gravimétrica Peso Específico dos Resíduos Teor de Umidade Controle Topográfico e Instrumentação de Campo Controle das Espessuras das Camadas Controle da Instrumentação de Campo Controle Pluviométrico e Caracterização dos Líquidos Percolados Controle Pluviométrico e Dados Climatológicos Caracterização Físico-Química dos Líquidos Percolados Medição de Vazões dos Líquidos Percolados Serviços Complementares... CAPÍTULO 4 - ESTUDO DE COMPACTAÇÃO APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Composição Gravimétrica dos Resíduos Teor de Umidade Peso Específico Total e Seco Espessuras Lançadas e Compactadas Avaliação da Influência dos Parâmetros Construtivos sobre o Peso Específico Análise e Modelagem Estatística dos Dados

9 vii Relação Teor de Umidade vs. Peso Específico Relação Energia de Compactação vs. Peso Específico Avaliação da Evolução do Peso Específico com a Profundidade Relação Espessura Controlada x Peso Específico Análise e Modelagem Estatística dos Dados Relação Peso Específico vs. Profundidade vs. Equipamento de Compactação Avaliação da Compressibilidade dos Resíduos Sólidos Urbanos face ao Efeito da Compactação Compressão Mecânica Primária Compressão Secundária Avaliação do Efeito da Compactação na Geração dos Líquidos Percolados Análise da Qualidade dos Líquidos Percolados Geração de Líquidos Percolados Síntese do Estudo de Compactação VOLUME 2 CAPÍTULO 5 - ESTUDO DE COMPRESSIBILIDADE APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Avaliação de Modelos de Compressibilidade existentes na Literatura Hipóteses e Análises Efetuadas Resultados da Aplicação das Propostas Análise Crítica do Desempenho dos Modelos Concepção de Modelo Reológico Compósito para Compressão de Resíduos Sólidos Urbanos Programa Computacional MSWSET Estruturação do Programa Geração de Resultados pelo Programa MSWSET Aplicação do Programa MSWSET e Estudo para Avaliação dos Parâmetros Reológicos do Modelo Compósito Seleção dos Pontos de Controle e Preparação dos Dados de Entrada Avaliação dos Parâmetros Reológicos do Modelo Compósito Interface RNLIN - MSWSET Apresentação e Discussão dos Resultados do Programa MSWSET Estudo Paramétrico a partir do Programa MSWSET Influência dos Parâmetros Reológicos do Modelo Compósito Efeito da Sobrecarga Fator de Influência de Tensões I Z Influência da Seqüência Construtiva do Aterro Sanitário Influência da Idade do Resíduo Aterrado

10 viii 5.6 Recomendações para Aplicação do Programa MSWSET a outros Aterros Sanitários Síntese do Estudo de Compressibilidade... CAPÍTULO 6 - CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Estudo de Compactação Influência das Técnicas Construtivas Evolução do Peso Específico com a Profundidade Efeito da Compactação na Compressibilidade dos Resíduos Sólidos Urbanos Efeito da Compactação na Geração dos Líquidos Percolados Estudo de Compressibilidade Modelos de Compressibilidade existentes na Literatura Modelo Reológico Compósito e Programa MSWSET Recomendações e Sugestões para Trabalhos Futuros... REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... APÊNDICES... Apêndice I - Aterro Experimental: Desenhos de Projeto... Apêndice II - Aterro Experimental: Fichas de Controle e Ensaios In Situ... Apêndice III - Aterro Experimental: Dados Hidroclimatológicos Precipitação, Insolação, Temperatura, Evapotranspiração, Umidade Relativa e Velocidade dos Ventos... Apêndice IV - Programa MSWSET Programa Fonte

11 ix LISTA DE FIGURAS VOLUME 1 Figura Fases de geração de gases em aterros sanitários (FARQUHAR & ROVERS, 1973)... Figura Esquema típico adotado pelo programa HELP (SCHROEDER et al., 1994)... Figura Variação do peso específico de resíduos sólidos urbanos com a profundidade (KNOCHENMUS et al., 1998)... Figura Variação do peso específico com a profundidade (OWEIS & KHERA, 1986)... Figura Variação do peso específico seco com a profundidade (OWEIS & KHERA, 1986)... Figura Perfis de umidade de resíduos sólidos urbanos (KNOCHENMUS et al., 1998)... Figura Curvas de compactação para diferentes tipos de resíduos (KONIG & JESSBERGER, 1997)... Figura Distribuição das dimensões de partículas para resíduos sólidos urbanos (JESSBERGER, 1994)... Figura Relação entre coesão e ângulo de atrito de resíduos sólidos urbanos (WOJNAROWICZ et al., 1998)... Figura Relação tensão vs. deformação para diferentes tipos de resíduos sólidos urbanos, obtidos a partir de ensaios triaxiais (KONIG & JESSBERGER, 1997)... Figura Parâmetros de resistência mobilizados em função do nível de deformações (KOCKEL & JESSBERGER, 1995)... Figura Mobilização dos parâmetros de resistência para distintas configurações de amostras (KOCKEL & JESSEBERGER, 1995)... Figura Variação da resistência ao cisalhamento dos resíduos com a profundidade (SINGH & SUN, 1995)... Figura inter-relação dos fatores que afetam a compressibilidade dos resíduos sólidos urbanos (GRISOLIA et al., 1993)... Figura Representação do processo de adensamento dos resíduos sólidos urbanos (GRISOLIA et al., 1992)... Figura Variação do módulo de rigidez E s com a tensão vertical (adaptado por WOJNAROWICZ et al., 1998)

12 x Figura Curva recalque vs. tempo em células experimentais (RAO et al., 1977)... Figura Recalque total ao longo da profundidade observado após 47 dias de aplicação de carga (WATTS & CHARLES, 1990)... Figura Definição da idade média do aterro, t 1 (YEN & SCANLON, 1975)... Figura Variação da taxa de recalque com a altura e a idade média do aterro, t 1 (SOHN & LEE, 1994)... Figura Modelo de compressão unidimensional proposto por BJARNGARD & EDGERS (1990)... Figura Modelo hiperbólico aplicado ao aterro sanitário Meruelo (LING et al., 1998)... Figura Aplicação do método observacional (MANASSERO & PASQUALINE, 1993)... Figura Efeito da densificação dos resíduos na vida útil de aterros sanitários e no custo unitário de disposição (adaptada de BELFIORE et al., 1990)... Figura Efeito da compactação nos recalques de aterros sanitários (DE VITO, apud OWEIS & KHERA, 1986)... Figura Relação entre o peso específico dos resíduos e o número de passadas do equipamento e espessura das camadas (adaptada de SCHOMAKER, 1972)... Figura Pesos específicos em função dos equipamentos de compactação (adaptado de BRATLEY, 1974)... Figura Relação teor de umidade vs. peso específico seco sob efeito de diferentes técnicas de compactação (BENOIT et al, 1999)... Figura Relação entre densidades finais de resíduos e espessura de camadas e número de passadas de equipamento de compactação (MATTHEWS et al., 1997)... Figura Curvas recalque vs. tempo para a seção submetida a carregamento externo no aterro de Morgantown (RAO et al., 1977)... Figura Efeito de sobrecarga nas taxas de recalque secundário e curvas para estimativa de recalques no tempo sob efeito do pré-carregamento... Figura 3.1 Vista aérea do Aterro Sanitário Bandeirantes com a localização do aterro experimental... Figura Aterro experimental Arranjo geral... Figura Aterro experimental Identificação dos quadrantes na praça de trabalho em plano horizontal... Figura Aterro experimental Seqüência construtiva na praça de trabalho em planos horizontais... Figura Aterro experimental Seqüência construtiva na praça de trabalho em planos inclinados

13 xi Figura Aterro experimental Sistema complementar de drenagem de gás... Figura Sistema complementar de drenagem de gás - Dreno horizontal de transferência... Figura Aterro experimental Tratamento e impermeabilização da fundação... Figura Detalhes e vista do tratamento de fundação do aterro experimental... Figura Aterro experimental Sistema de drenagem de líquidos percolados e gases... Figura Detalhes do sistema de drenagem do aterro experimental... Figura Caixa de captação e amostragem de líquidos percolados... Figura Detalhe do sistema de drenagem de gases e líquidos percolados... Figura Aterro experimental Marco superficial instalado... Figura Localização da monitoração de 2 a. fase nas praças de trabalho em planos horizontal e inclinado... Figura Trator de esteiras tipo Bulldozer D6D Dimensões principais... Figura Rolo compactador 816F Dimensões principais... Figura Trajetórias e faixas de movimentação dos equipamentos nos quadrantes... Figura Treinamento operacional previamente à execução do aterro... Figura Lançamento dos resíduos nas praças de trabalho em plano horizontal e inclinado... Figura Distribuição dos volumes lançados de resíduos por etapa construtiva... Figura Compactação dos resíduos nas praças de trabalho em planos horizontais e inclinados... Figura Aterro experimental: Cronograma simplificado das atividades principais... Figura Seqüência de execução dos ensaios para determinação do peso específico in situ dos resíduos... Figura Detalhes da execução dos ensaios para determinação do peso específico in situ dos resíduos... Figura Procedimento para determinação dos volumes adicionais das cavas de ensaio... Figura Locação das cavas para os ensaios de determinação do peso específico in situ... Figura Procedimento de controle das placas de recalque após as operações de compactação dos resíduos... Figura Composição média dos resíduos sólidos urbanos empregados no aterro experimental... Figura Relação peso específico total vs. teor de umidade para diferentes equipamentos operando em planos horizontais

14 xii Figura Relação peso específico seco vs. teor de umidade para diferentes equipamentos operando em planos horizontais... Figura Curva de compactação para ambos os equipamentos, admitindo 4 passadas do equipamento e espessuras lançadas de 0,30m... Figura Distribuição das espessuras das camadas lançadas na praça de trabalho em planos horizontais do aterro experimental... Figura Relação peso específico seco vs. teor de umidade vs. espessura das camadas para o trator de esteiras tipo D6D (a); para o compactador 816F (b); e para ambos equipamentos de teste operando em 6 passadas... Figura Relação peso específico seco vs. teor de umidade vs. número de passadas para o trator de esteiras tipo D6D (a); para o compactador 816F (b); e para ambos equipamentos de teste (c), assumindo espessura lançada de resíduos igual a 0,5m... Figura Relação peso específico seco vs. teor de umidade vs. número de passadas para o trator de esteiras tipo D6D operando em plano inclinado (a); em plano horizontal (b); e em ambos planos de compactação (c), admitindo espessura lançada de resíduos igual a 0,5m... Figura Curvas peso específico seco vs. teor de umidade obtidas pelo modelo para distintos equipamentos de compactação... Figura Relação entre as tensões verticais calculadas com base nos valores compactados (σ vc ) e nos valores lançados (σ vsp )... Figura Relação peso específico vs. profundidade vs. espessura das camadas para o trator de esteiras tipo D6D (a); para o compactador 816F (b); e para ambos equipamentos de teste (c) operando em 6 passadas... Figura Relação peso específico vs. profundidade vs. número de passadas do trator de esteiras tipo D6D (a); do compactador 816F (b); e de ambos equipamentos de teste (c) para espessuras lançadas de 0,5m... Figura Relação peso específico vs. profundidade a partir da extrapolação do modelo estatístico desenvolvido... Figura Relação tensão vertical vs. deformação para o trator de esteiras tipo D6D, assumindo distintas espessuras lançadas (a); número de passadas (b); e fatores de energia E *.(c)... Figura Relação tensão vertical vs. deformação para o compactador 816F, assumindo distintas espessuras lançadas (a); número de passadas (b); e fatores de energia E *.(c)... Figura Distribuição das tensões verticais em profundidade devido aos equipamentos de compactação e às pressões sobrejacentes... Figura Relação fator de energia (E * ) vs. deformação imediata (ε im )

15 xiii Figura Relação entre o coeficiente de compressão (CR * ), coeficiente de compressibilidade volumétrica (m * v ) e tensões verticais (σ v ), para distintos fatores de energia (E * ) aplicados pelo trator de esteiras tipo D6D... Figura Relação entre o coeficiente de compressão (CR * ), coeficiente de compressibilidade volumétrica (m * v ) e tensões verticais (σ v ), para distintos fatores de energia (E * ) aplicados pelo compactador 816F... Figura Avaliação da compressão secundária do aterro experimental. Recalques totais em escala linear (a); logarítmica (b); e recalques relativos (período entre 03/98 e 09/98). Quadrantes 23 e 30 (trator de esteiras)... Figura Avaliação da compressão secundária do aterro experimental. Recalques totais em escala linear (a); logarítmica (b); e recalques relativos (período entre 03/98 e 09/98).Quadrante 16 (compactador)... Figura Relação entre o coeficiente de compressão secundária (C α ) e o fator de energia (E * )... Figura Análises físico-químicas dos líquidos percolados. DBO, DQO e ph.. Figura Caracterização dos líquidos percolados DBO, DQO, DBO/DQO e ph... Figura Caracterização dos líquidos percolados Condutância específica, nitrogênio amoniacal, nitrogênio nitrato e cloretos... Figura Caracterização dos líquidos percolados Zinco, Arsênio, Cádmio e Chumbo... Figura Caracterização dos líquidos percolados Mercúrio, Cromo, fenóis e sólidos suspensos totais (SST)... Figura Distribuição da precipitação (P), líquidos percolados (L) e relação L/P ao longo do tempo... Figura Produção de líquidos percolados no aterro experimental. Valores observados e calculados pelo método do balanço hídrico (período Out/97 a Jul/99)... Figura Líquidos percolados no aterro experimental (Simulações 1 e 2). Valores observados e calculados pelo programa HELP (período Out/97 a Jul/99)... Figura Líquidos percolados no aterro experimental (Simulações 3 e 4). Valores observados e calculados pelo programa HELP (período Out/97 a Jul/99)... Figura Líquidos percolados no aterro experimental (Simulação 5 e global). Valores observados e calculados pelo programa HELP (período Out/97 a Jul/99)... Figura Relação entre o tipo e número de passadas do equipamento de compactação e a vida útil do aterro sanitário, para distintas demandas de resíduos... Figura Relação entre o tipo e número de passadas do equipamento de compactação e o custo unitário do resíduo aterrado

16 xiv VOLUME 2 Figura Seção simplificada e níveis internos de líquidos percolados para efeito do cálculo das tensões verticais atuantes... Figura Distribuição de tensões verticais, devido ao aterro experimental, por uma seção longitudinal central... Figura Relação taxa de recalque vs. tempo para distintas definições do tempo zero (t 0 )... Figura Relação taxa de recalques vs. tempo para o marco superficial MSE7... Figura Relação recalque observado e previsto vs. tempo, com base em funções logarítmicas integradas da solução de YEN & SCANLON. Marco superficial MSE7... Figura Relação recalque observado e previsto vs. tempo, com base em funções logarítmicas simples. Marco superficial MSE7... Figura Relação recalque observado e previsto vs. tempo, com base em funções logarítmicas simples, eliminando o período construtivo do experimento. Marco superficial MSE7... Figura Marco superficial MSE4. Curvas recalque vs. tempo para valores observados e previstos com o modelo hiperbólico... Figura Relação entre a taxa de deformação inicial (ρ 0 ), a deformação última esperada (ε ult ) e a altura do maciço (H) a partir do modelo hiperbólico... Figura Marco superficial MSE4. Curvas recalque vs. tempo para valores observados e previstos com o modelo de GIBSON & LO (1961)... Figura Relação entre os parâmetros de compressibilidade do modelo de GIBSON & LO (1961) e a altura do maciço (H)... Figura Marco superficial MSE4. Curvas recalque vs. tempo para valores observados e previstos a partir de modelos baseados em funções de potência... Figura Relação entre os parâmetros de compressibilidade do modelo baseado em funções de potência e a altura do maciço (H)... Figura Marco superficial MSE4. Curvas recalque vs. tempo para valores observados e previstos a partir do modelo de EDGERS et al. (1992)... Figura Relação entre os parâmetros de compressibilidade do modelo de EDGERS et al. (1992) e a altura do maciço (H)... Figura Marco superficial MSE4. Curvas recalque vs. tempo para valores observados e previstos a partir do modelo de BJARNGARD & EDGERS (1990)... Figura Relação entre os parâmetros de compressibilidade do modelo de BJARNGARD & EDGERS (1990) e a altura do maciço (H)... Figura Marco superficial MSE4. Curvas recalque vs. tempo para valores observados e previstos a partir do modelo de COUMOULOS & KORYALOS (1997)

17 xv Figura Definição do parâmetro tempo para aplicação do modelo adaptado de SOWERS (1973)... Figura Marco superficial MSE4. Curvas recalque vs. tempo para valores observados e previstos a partir do modelo adaptado de SOWERS (1973) (casos b e d)... Figura Aplicação dos modelos existentes. Desvios médios de recalques para os marcos superficiais... Figura Aplicação dos modelos existentes. Desvios médios de recalques para as placas de recalque... Figura Curva recalque vs. tempo assumindo distintos tempos de início (t 0 ). Marco superficial MSE4... Figura Curvas recalque vs tempo observadas e previstas para distintas séries de tempo, a partir do modelo de GIBSON & LO (1961). Marco superficial MSE4... Figura Curvas recalque vs tempo observadas e previstas para distintas séries de tempo, a partir do modelo de BJARNGARD & EDGERS (1990). Marco superficial MSE4... Figura Modelo reológico compósito para compressão dos resíduos sólidos urbanos... Figura Esquema conceitual para definição dos eventos, materiais e histórico de construção... Figura Esquema para consideração dos mecanismos de compressão através do conceito de superposição de efeitos... Figura Esquema para consideração dos mecanismos de compressão mecânica secundária... Figura Esquema para consideração dos mecanismos de compressão biológica secundária... Figura Matriz de estado definida pelo programa MSWSET baseada no exemplo da Figura Figura Evolução das alturas e recalques do maciço ao longo do tempo... Figura Esquema conceitual para reprodução de curvas de recalque relativo pelo programa MSWSET... Figura Histórico de construção do Aterro Sanitário Bandeirantes (sub-aterro AS1)... Figura Modelado do terreno de fundação do aterro existente sob o aterro experimental... Figura Aterro experimental: arranjo geométrico e sistema de coordenadas utilizado para consideração de sobrecarga (representação em corte relativa ao quadrante 39)

18 xvi Figura Esquema para avaliação dos parâmetros do modelo através do programa MSWSET e da sub-rotina RNLIN... Figura Fluxograma simplificado para a interface RNLIN MSWSET... Figura Curvas recalque vs. tempo (placas de recalque PR1, PR2 e PR3)... Figura Curvas recalque vs. tempo (placas de recalque PR4, PR5 e PR6)... Figura Curvas recalque vs. tempo (placa de recalque PR8 e marcos superficiais MSE5 e MSE6)... Figura Curvas recalque vs. tempo (marcos superficiais MSE7, MSE24 e MSE25)... Figura Curvas recalque vs. tempo (marcos superficiais MSE28, MSE29 e MSE30)... Figura Curvas recalque vs. tempo (marcos superficiais MSE31, MSE32 e MSE33)... Figura Curvas recalque vs. tempo (marcos superficiais MSE35 e MSE36)... Figura Evolução dos recalques e alturas do maciço ao longo do histórico de vida do Aterro Sanitário Bandeirantes. Placa de recalque PR5... Figura Desvios de altura inicial (H i ) para as análises individualizada e global... Figura Desvios de recalque final (S f ) para as análises individualizada e global... Figura Desvios de altura inicial (H i ) obtidos para o modelo original e para a sua variante, a partir de análise global (parâmetros médios)... Figura Desvios de recalque final (S f ) obtidos para o modelo original e para a sua variante, a partir de análise global (parâmetros médios)... Figura Curvas recalque vs. tempo e alturas iniciais calculadas pelo programa MSWSET para distintos valores do coeficiente de compressão primária C c (placa de recalque PR5)... Figura Curvas recalque vs. tempo e alturas iniciais calculadas pelo programa MSWSET para distintos valores do coeficiente de compressão mecânica secundária b (placa de recalque PR5)... Figura Curvas recalque vs. tempo e alturas iniciais calculadas pelo programa MSWSET para distintos valores da taxa de compressão mecânica secundária c (placa de recalque PR5)... Figura Curvas recalque vs. tempo e alturas iniciais calculadas pelo programa MSWSET para distintos valores do coeficiente de compressão biológica secundária E DG (placa de recalque PR5)

19 xvii Figura Curvas recalque vs. tempo e alturas iniciais calculadas pelo programa MSWSET para distintos valores da taxa de compressão biológica secundária d (placa de recalque PR5)... Figura Curvas recalque vs. tempo e alturas iniciais calculadas pelo programa MSWSET para distintos valores do coeficiente de compressão primária C c (marco superficial MSE31)... Figura Curvas recalque vs. tempo e alturas iniciais calculadas pelo programa MSWSET para distintos valores do coeficiente de compressão mecânica secundária b (marco superficial MSE31)... Figura Curvas recalque vs. tempo e alturas iniciais calculadas pelo programa MSWSET para distintos valores da taxa de compressão mecânica secundária c (marco superficial MSE31)... Figura Curvas recalque vs. tempo e alturas iniciais calculadas pelo programa MSWSET para distintos valores do coeficiente de compressão biológica secundária E DG (marco superficial MSE31)... Figura Curvas recalque vs. tempo e alturas iniciais calculadas pelo programa MSWSET para distintos valores da taxa de compressão biológica secundária d (marco superficial MSE31)... Figura Curvas recalque vs. tempo e alturas iniciais calculadas pelo programa MSWSET para distintas representações de carregamento do aterro experimental (placa de recalque PR5)... Figura Curvas recalque vs. tempo e alturas iniciais calculadas pelo programa MSWSET para distintas representações de carregamento do aterro experimental (marco superficial MSE6)... Figura Curvas recalque vs. tempo e alturas iniciais calculadas pelo programa MSWSET para distintas representações de carregamento do aterro experimental (marco superficial MSE31)... Figura Curvas recalque vs. tempo e alturas iniciais calculadas pelo programa MSWSET para distintas seqüências construtivas do aterro existente (placa de recalque PR5)... Figura Curvas recalque vs. tempo e alturas iniciais calculadas pelo programa MSWSET considerando distintos parâmetros para os resíduos antigos e novos (marco superficial MSE31)

20 xviii LISTA DE TABELAS VOLUME 1 Tabela Constituição típica do biogás de aterros sanitários (PARKER, 1983)... Tabela Precipitação e produção de líquidos percolados em aterros sanitários na Alemanha (EHRIG, 1983)... Tabela Composição típica dos líquidos percolados em aterros sanitários novos e antigos (adaptado de TCHOBANOGLOUS et al., 1993)... Tabela Caracterização dos Líquidos Percolados parâmetros com diferenças entre as fases acética e metanogênica (EHRIG, 1983)... Tabela Caracterização dos Líquidos Percolados parâmetros sem diferenças entre as fases acética e metanogênica (EHRIG, 1983)... Tabela Ensaios de resistência tipo SPT... Tabela Ensaios de resistência à penetração tipo CPT... Tabela Peso específico de resíduos sólidos urbanos (RSU)... Tabela Valores de peso específico em função do grau de compactação (GACHET et al., 1998)... Tabela Pesos específicos das partículas sólidas de resíduos sólidos urbanos... Tabela Valores para o teor de umidade de resíduos sólidos urbanos (RSU)... Tabela Composição média dos resíduos para diferentes localidades (adaptada de BOUAZZA et al., 1996)... Tabela Coeficientes de permeabilidade de resíduos sólidos urbanos (adaptada de WOJNAROWICZ et al., 1998)... Tabela Ensaios de resistência - resultados obtidos... Tabela Parâmetros de resistência estimados por retro-análise (KAVAZANJIAN et al., 1995)... Tabela Parâmetros de compressibilidade primária e secundária (LANDVA & CLARK, 1984,1986,1990)... Tabela Pesos específicos para distintos equipamentos obtidos em aterros experimentais (CATERPILLAR, 1994, 1995, 1998, 1999, 2000)... Tabela Compactação dinâmica de aterros sanitários (SAGASETA, 1993; VAN IMPE & BOUAZZA, 1996)... Tabela Recalques observados por diferentes técnicas de melhoria (ONITSUKA et al., 1996)... Tabela Aspectos básicos considerados na concepção do aterro experimental

Geomecânica dos resíduos sólidos

Geomecânica dos resíduos sólidos III Conferência Internacional de Gestão de Resíduos da América Latina Geomecânica dos resíduos sólidos urbanos: uma introdução Miriam Gonçalves Miguel Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

ESTUDO DOS RECALQUES DO ATERRO SANITÁRIO DA CENTRAL DE RESÍDUOS DO RECREIO MINAS DO LEÃO/RS

ESTUDO DOS RECALQUES DO ATERRO SANITÁRIO DA CENTRAL DE RESÍDUOS DO RECREIO MINAS DO LEÃO/RS 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDO DOS RECALQUES DO ATERRO SANITÁRIO DA CENTRAL DE RESÍDUOS DO RECREIO MINAS DO LEÃO/RS DISSERTAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES CLIENTE: FOLHA 1 de 17 PROGRAMA: FUNDAÇÕES AREA: ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ RESP: SILIO LIMA CREA: 2146/D-RJ Nº GEOINFRA ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E / OU FOLHAS ATINGIDAS Emissão inicial DATA

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco.

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Campos, L. E. P. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, ledmundo@ufba.br Fonseca, E. C. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, evan@ufba.br

Leia mais

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação É o processo mecânico de aplicação de forças externas, destinadas a reduzir o volume dos vazios do solo, até atingir a massa específica

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Gerson Cunha Eng. Maria Francisca

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso CURSO DE CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS E DE GESTORES PÚBLICOS PARA ESTUDO DE VIABILIDADE E PROJETO DE TRATAMENTO MECANICO-BIOLOGICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Contexto Desde a promulgação da Lei nº 11.445/2007

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Chorume. Conteúdo. Controle de Lixiviado (Chorume) & Tecnologias de Controle

Chorume. Conteúdo. Controle de Lixiviado (Chorume) & Tecnologias de Controle Controle de Lixiviado (Chorume) & Tecnologias de Controle 2 Conteúdo Chorume Características Fontes Coleta Tratamento 3 Gerado por líquidos: -Precipitados, inseridos -Misturados aos resíduos Sólidos suspensos

Leia mais

III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA

III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA Vera Lúcia A. de Melo (1) Mestre em Engenharia Civil (Geotecnia) pela UFPE. Aperfeiçoamento em pesquisa no

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

Tecnologia para tratamento e disposição final de resíduos sólidos Aterro Sanitário

Tecnologia para tratamento e disposição final de resíduos sólidos Aterro Sanitário Tecnologia para tratamento e disposição final de resíduos sólidos Aterro Sanitário Engª MSc. Thelma Sumie Kamiji Junho/2014 GERAÇÃO DE RESÍDUOS NO BRASIL EOLUÇÃO DO IDH BRASILEIRO DESTINAÇÃO FINAL ATERRO

Leia mais

Reservatório de controle de enchentes na Praça da Bandeira: projeto e execução

Reservatório de controle de enchentes na Praça da Bandeira: projeto e execução Reservatório de controle de enchentes na Praça da Bandeira: projeto e execução Francisco Marques Terratek, Rio de Janeiro, Brasil, francisco.marques@terratek.com.br Alberto Ortigão Terratek, Rio de Janeiro,

Leia mais

Estimativa de Parâmetros de Argilas Moles a partir dos Conceitos de Energia do Ensaio SPT

Estimativa de Parâmetros de Argilas Moles a partir dos Conceitos de Energia do Ensaio SPT Estimativa de Parâmetros de Argilas Moles a partir dos Conceitos de Energia do Ensaio SPT Bianca de Oliveira Lobo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, UFRGS, Porto Alegre/RS, Brasil. Julia Luiza

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins BASE LEGAL Lei Federal 11.445/2007 e Decreto 7.217/2010 Lei Federal

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

Aterros sobre solos moles: metodologias construtivas

Aterros sobre solos moles: metodologias construtivas Aterros sobre solos moles: metodologias construtivas Márcio de Souza Soares de Almeida Prof. Titular COPPE UFRJ almeida@coc.ufrj.br www.marcioalmeida.eng.br 1 Metodologias construtivas Fatores determinantes:

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

PAVIMENTOS INTERTRAVADO PERMEÁVEL COM JUNTAS ALARGADAS

PAVIMENTOS INTERTRAVADO PERMEÁVEL COM JUNTAS ALARGADAS PAVIMENTOS INTERTRAVADO PERMEÁVEL COM JUNTAS ALARGADAS Introdução Pavimentos permeáveis são definidos como aqueles que possuem espaços livres na sua estrutura onde a água pode atravessar. (FERGUSON, 2005).

Leia mais

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015.

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. CONTEÚDO 1. Políticas e Planos de Saneamento Básico e de Resíduos

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

5 Método de Olson (2001)

5 Método de Olson (2001) 6 5 Método de Olson (200) Na literatura existem várias técnicas empíricas para análise da liquefação de solos, como as de Campanella (985), Seed e Harder (990) e Olson (200). Neste capítulo é brevemente

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Alexandre Gil Batista Medeiros e Renato Pinto da Cunha Departamento de Engenharia

Leia mais

Investigações geotécnicas aplicadas ao projeto de fundações

Investigações geotécnicas aplicadas ao projeto de fundações Investigações geotécnicas aplicadas ao projeto de fundações Universidade Federal de Sergipe Laboratório de Geotecnia e Pavimentação Prof. Erinaldo Hilário Cavalcante Novembro de 2013 Sumário Contextualização

Leia mais

GERAÇÃO DE LIXIVIADOS NA CÉLULA EXPERIMENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA MURIBECA-PE

GERAÇÃO DE LIXIVIADOS NA CÉLULA EXPERIMENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA MURIBECA-PE GERAÇÃO DE LIXIVIADOS NA CÉLULA EXPERIMENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA MURIBECA-PE Laís Roberta Galdino de Oliveira (1) Graduada em Engenharia Agrícola e Ambiental pela Universidade Federal Rural

Leia mais

III-150 - ESCOAMENTO SUPERFICIAL E A INFILTRAÇÃO EM SOLOS DE COBERTURA (ARENO SILTOSO E ARENOSO) USADOS EM ATERROS SANITÁRIOS

III-150 - ESCOAMENTO SUPERFICIAL E A INFILTRAÇÃO EM SOLOS DE COBERTURA (ARENO SILTOSO E ARENOSO) USADOS EM ATERROS SANITÁRIOS III-150 - ESCOAMENTO SUPERFICIAL E A INFILTRAÇÃO EM SOLOS DE COBERTURA (ARENO SILTOSO E ARENOSO) USADOS EM ATERROS SANITÁRIOS Ioana Nicoleta Firta (1) Engenheira Hidráulica, pela Universidade Técnica de

Leia mais

Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica.

Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica. Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica. A seguir explicitam-se todas as etapas do trabalho de engenharia geotécnica recomendáveis para parecer técnico e ou projeto deste tipo, a fim de: - Orientar

Leia mais

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS.

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. Sueli Farias de Souza (1) Graduanda do Curso de Química Industrial da UEPB. Bolsista de Iniciação Cientifica do CNPq/PIBIC/UEPB.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

Estudo da Viabilidade do Uso do Penetrômetro Dinâmico Leve (DPL) para Projetos de Fundações de Linhas de Transmissão em Solos do Estado do Paraná

Estudo da Viabilidade do Uso do Penetrômetro Dinâmico Leve (DPL) para Projetos de Fundações de Linhas de Transmissão em Solos do Estado do Paraná COBRAMSEG 21: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. 21 ABMS. Estudo da Viabilidade do Uso do Penetrômetro Dinâmico Leve (DPL) para Projetos de Fundações de Linhas de

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Primário Coagulação/Floculação

Leia mais

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 O núcleo central de inércia é o lugar geométrico da seção transversal

Leia mais

Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos

Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos WNTI W O R L D N U C L E A R T R A N S P O RT I N S T I T U T E FICHA DESCRITIVA Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos Dedicado ao transporte seguro, eficiente e confiável

Leia mais

Caracterização geomecânica do maciço de resíduos, dos taludes e dos cortes PROPOSTA COMERCIAL Nº 065/2014. Revisão 00 Página 2 de 5

Caracterização geomecânica do maciço de resíduos, dos taludes e dos cortes PROPOSTA COMERCIAL Nº 065/2014. Revisão 00 Página 2 de 5 Página 1 de 5 DADOS DO CONTRATANTE Cliente: Contato: Prefeitura Municipal de Jerônimo Monteiro Daniela Fosse Valbão Venancio Endereço: Avenida Lourival Lougon Moulin Nº 300 Bairro: Centro Cidade: Jerônimo

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-101 - FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO DE ATERRO SANITÁRIO E ESTIMATIVA

Leia mais

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada Sérgio Barreto

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Estrutura Permeabilidade Compressibilidade

Leia mais

MONITORAMENTO DE CHORUME NO ANTIGO LIXÃO DO ROGER EM JOÃO PESSOA PARAÍBA - BRASIL

MONITORAMENTO DE CHORUME NO ANTIGO LIXÃO DO ROGER EM JOÃO PESSOA PARAÍBA - BRASIL Castellón, 23-24 de julio de 28. MONITORAMENTO DE CHORUME NO ANTIGO LIXÃO DO ROGER EM JOÃO PESSOA PARAÍBA - BRASIL Resumo Nóbrega, C. C. * ; Ferreira, J. W. O.; Athayde Jr., G. B.; Gadelha, C. L.; Costa,

Leia mais

Figura 1-1. Entrada de ar tipo NACA. 1

Figura 1-1. Entrada de ar tipo NACA. 1 1 Introdução Diversos sistemas de uma aeronave, tais como motor, ar-condicionado, ventilação e turbinas auxiliares, necessitam captar ar externo para operar. Esta captura é feita através da instalação

Leia mais

Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos

Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos Prof. Dr. Paulo S. Hemsi Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Ponta Grossa, 24 de Agosto de 2011 Aterro de Resíduos Sistema de engenharia projetado, construído,

Leia mais

5 Modelos Estruturais

5 Modelos Estruturais 5 Modelos Estruturais 5.1 Introdução Neste capítulo, os modelos estruturais utilizados para avaliação do conforto humano serão descritos segundo suas características geométricas e físicas referentes aos

Leia mais

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo)

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo) Os métodos de estimativa da evapotranspiração estão divididos em métodos diretos, por meio do balanço de água no solo e pelos métodos indiretos, por meio do uso de dados meteorológicos. Os métodos diretos

Leia mais

Monitoramento da Biodegradação e dos Recalques de Resíduos Sólidos Orgânicos em um Lisímetro em Escala de Laboratório

Monitoramento da Biodegradação e dos Recalques de Resíduos Sólidos Orgânicos em um Lisímetro em Escala de Laboratório Monitoramento da Biodegradação e dos Recalques de Resíduos Sólidos Orgânicos em um Lisímetro em Escala de Laboratório Valter Caetano dos Santos Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, Brasil, icosantos_@hotmail.com

Leia mais

BETUME BORRACHA. Pedro Seixas, PROBIGALP. Luís Gomes, MOTA-ENGIL. Susana Maricato, GALP ENERGIA

BETUME BORRACHA. Pedro Seixas, PROBIGALP. Luís Gomes, MOTA-ENGIL. Susana Maricato, GALP ENERGIA BETUME BORRACHA Pedro Seixas, PROBIGALP Luís Gomes, MOTA-ENGIL Susana Maricato, GALP ENERGIA Princípios gerais Construir Estradas de altas prestações; Colaborar na protecção do meio ambiente. Ecoeficácia

Leia mais

Trasix Soluções Ambientais

Trasix Soluções Ambientais A Empresa A Empresa A Trasix Soluções Ambientais surge da união de grandes expertises das empresas Trimap Business Management, especializada em representação de marcas estrangeiras para a comercialização

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL

EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL K. F. O. Alves 1 ; M. A. R. Carvalho 2 ; L. C. C. Carvalho 3 ; M. L. M. Sales 4 RESUMO:

Leia mais

III-147 CONTROLE AMBIENTAL DO ATERRO SANITÁRIO METROPOLITANO DE JOÃO PESSOA/PB

III-147 CONTROLE AMBIENTAL DO ATERRO SANITÁRIO METROPOLITANO DE JOÃO PESSOA/PB III-147 CONTROLE AMBIENTAL DO ATERRO SANITÁRIO METROPOLITANO DE JOÃO PESSOA/PB José Dantas de Lima (1) Engenheiro Civil pela UFPB (1987), Mestre em Engenharia Sanitária pela UFPB(2001), Diretor Operacional

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 04

FÍSICA. Questões de 01 a 04 GRUPO 1 TIPO A FÍS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 04 01. Considere uma partícula presa a uma mola ideal de constante elástica k = 420 N / m e mergulhada em um reservatório térmico, isolado termicamente, com

Leia mais

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas...24 Capítulo 2... 25 Resumo geral da teoria... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...25

Leia mais

SUMÁRIO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO

SUMÁRIO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE SERVIÇOS GEOTÉCNICOS ADICIONAIS SUMÁRIO 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO 2.1 - CORTES 2.2 - ATERROS 2.3 - OBRAS DE

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

Fechamento e Sistema de Monitoramento do Aterro. Gersina N. da R. Carmo Junior

Fechamento e Sistema de Monitoramento do Aterro. Gersina N. da R. Carmo Junior Fechamento e Sistema de Monitoramento do Aterro Gersina N. da R. Carmo Junior Objetivo: avaliar as conseqüências da presença dos efluentes do aterro no meio ambiente. Sistema de Monitoramento do Aterro

Leia mais

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 1 MENEGAZZO Projeto e Consultoria Ltda / carlos.menegazzo@gmail.com 2 IFSC

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima. FEAGRI/UNICAMP - Prof. Roberto Testezlaf

Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima. FEAGRI/UNICAMP - Prof. Roberto Testezlaf Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima Relações água e solo Fases do solo Sólida Líquida (Água/Solução) Ar Fase sólida Densidades do solo e de partícula Densidade de partícula (real) Relação

Leia mais

Plano Básico Ambiental

Plano Básico Ambiental Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e Plano Básico Ambiental SEÇÃO VI - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO RADIOLÓGICO Projeto 4 Monitoramento Meteorológico 0 Emissão inicial 14/06/2010

Leia mais

Medição da resistividade do solo

Medição da resistividade do solo 30 Apoio Aterramentos elétricos Capítulo XI Medição da resistividade do solo Jobson Modena e Hélio Sueta* O projeto da norma ABNT NBR 7117, atualmente em revisão, estabelece os requisitos para a medição

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático.

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Aline D. Pinheiro e Paulo César A. Maia Laboratório de Engenharia Civil, Universidade Estadual do Norte Fluminense,

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada

Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada Módulo de Elasticidade do Concreto Normalização, fatores de influência e interface com o pré-moldado Enga. Inês Laranjeira

Leia mais

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal ÁGUA NO SOLO Geografia das Águas Continentais Profª Rosângela Leal A ÁGUA E O SOLO Os solos são constituídos de elementos figurados, água e ar. Os elementos figurados são contituídos partículas minerais

Leia mais

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem 1) COMO FUNCIONA? O PROBLEMA OU SITUAÇÃO ANTERIOR Anteriormente, todos os resíduos recicláveis ou não (com exceção do papelão), ou seja, papel, plásticos, vidros,

Leia mais

Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água

Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água Prof. Fernando A. M. Marinho 2010 Teor de Umidade nos Vazios (adensamento) Índice de Vazios 3 2.5 2 1.5 1 S = 100% e = wg s Tensão

Leia mais

1. Noção de tensão e de deformação

1. Noção de tensão e de deformação Capítulo 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MECÂNIC 1. Noção de tensão e de deformação Tensão: = F - Tensão (N/m 2 ou Pa) F força (N) Área (m 2 ) Estado interno gerado num corpo para equilibrar a força F aplicada

Leia mais

Taxa de ocupação e. no consumo per capita. As cidades representam demandas. Conexão

Taxa de ocupação e. no consumo per capita. As cidades representam demandas. Conexão 46 Hydro Janeiro 2013 Conexão Taxa de ocupação e o consumo per capita O crescimento da população urbana, o aumento do consumo per capita e a perspectiva de redução da oferta de água impõem a necessidade

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

Engenharia Diagnóstica

Engenharia Diagnóstica Engenharia Diagnóstica Ensaios Não Destrutivos - END Concreto Armado e Instalações PATOLOGIAS, DANOS E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL ENG. LEONARDO MEDINA ROSARIO,ESP,MBA Engenharia Diagnóstica

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO

INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO BILOTTA, Patrícia*; DANIEL, Luiz Antonio*. *Laboratório de Tratamento Avançado e

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU copyright A criatividade com visão de longo prazo Planejamento da Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos 27/08/2015 1 SUMÁRIO 1 ENQUADRAMENTO LEGAL 2 PLANO DE GESTÃO INTEGRADA

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SONDAGENS Em virtude da dificuldade de se prever

Leia mais

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA 225 Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA Marcos Antônio Lopes do Nascimento¹; Maria Verônica

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

RECUPERAÇÃO TÉRMICA DE AREIA DESCARTADA DE FUNDIÇÃO (ADF)

RECUPERAÇÃO TÉRMICA DE AREIA DESCARTADA DE FUNDIÇÃO (ADF) RECUPERAÇÃO TÉRMICA DE AREIA DESCARTADA DE FUNDIÇÃO (ADF) Luís Renato de Souza Resumo Este documento tem como principal objetivo apresentar e detalhar aos leitores uma solução para o reaproveitamento da

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

Primeiros Resultados com o Piezocone-Torpedo em Terra: Os Ensaios em Sarapuí II

Primeiros Resultados com o Piezocone-Torpedo em Terra: Os Ensaios em Sarapuí II COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Primeiros Resultados com o Piezocone-Torpedo em Terra: Os Ensaios em Sarapuí II Graziella Maria Faquim Jannuzzi

Leia mais

Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Evolução e Tendências Futuras

Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Evolução e Tendências Futuras Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Ivan Grandis IGR Engenharia Ltda. Jaime Domingos Marzionna ENGEOS Engenharia e Geotecnia S/S Ltda. Escola Politécnica da USP Twin Cities 1 Evolução das

Leia mais

a) 290mm; 250mm; 200mm b) 400mm; 475mm; 350mm c) 250mm; 200mm; 330mm d) 250mm; 350mm; 200mm

a) 290mm; 250mm; 200mm b) 400mm; 475mm; 350mm c) 250mm; 200mm; 330mm d) 250mm; 350mm; 200mm Engenheiro Civil 11) O quadroabaixo mostra o volume de precipitação de água da chuva no município, nos últimos sete meses. Com base nos valores apresentados, marque a opção que corresponde aos valores

Leia mais

QUESTÕES TÉCNICAS PARA SUSTENTABILIDADE DE ATERROS SANITÁRIOS QUESTÕES TÉCNICAS PARA SUSTENTABILIDADE DE ATERROS SANITÁRIOS

QUESTÕES TÉCNICAS PARA SUSTENTABILIDADE DE ATERROS SANITÁRIOS QUESTÕES TÉCNICAS PARA SUSTENTABILIDADE DE ATERROS SANITÁRIOS *HyORJR0V& *,/)(51$1'2%8(1232/,'252 -XQKR SUSTENTABILIDADE SUSTENTADO = EQUILIBRADO SUSTENTÁVEL Capacidade de satisfazer as nossas necessidades hoje, sem comprometer a capacidade das pessoas satisfazerem

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL SEDIMENT YIELD MODELING USING AN ALTERNATIVE ENVIRONMENTAL SCENARIO IN NORTHWESTERN

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB NA ROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE DO EDIFICIO BANCO SULAMÉRICA SEGUROS SP

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB NA ROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE DO EDIFICIO BANCO SULAMÉRICA SEGUROS SP UTILIZAÇÃO DE GEOWEB NA ROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE DO EDIFICIO BANCO SULAMÉRICA SEGUROS SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Hérsio Antonio Ranzani Júnior JULHO 1998 Revisado

Leia mais

ESTUDO DA RESISTÊNCIA À PENETRAÇÃO DINÂMICA (SPT) EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

ESTUDO DA RESISTÊNCIA À PENETRAÇÃO DINÂMICA (SPT) EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS ESTUDO DA RESISTÊNCIA À PENETRAÇÃO DINÂMICA (SPT) EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Stela Paulino Fucale (*) Doutoranda em Engenharia Civil (Geotecnia) pela Universidade Federal de Pernambuco; Membro

Leia mais