PROCEDIMENTO OPERACIONAL NORMATIVO. Preparação dos dispositivos de dispensação semanal da medicação Venalink de selagem a frio

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO OPERACIONAL NORMATIVO. Preparação dos dispositivos de dispensação semanal da medicação Venalink de selagem a frio"

Transcrição

1 PON N O : Página 1 de 5 Objetivo: Definir os procedimentos necessários para preparar a medicação semanal da medicação através dos dispositivos Venalink de selagem a frio. Substitui o Procedimento Operacional Normalizado: Motivo da alteração: Âmbito: Farmácia comunitária e hospitalar Distribuição: Manual Pharmcare Anexos: ANEXO 1 Impresso do perfil farmacoterapêutico Elaborado por/data: Verificado por/data: Aprovado por/data: Lucas Okumura/ Lucas Okumura/

2 PON N O : Página 2 de 5 A. INTRODUÇÃO A Dispensação Semanal da Medicação (DSM) é um serviço farmacêutico disponibilizado aos doentes com o propósito de facilitar o uso racional do medicamento. Destina-se a doentes em ambulatório ou institucionalizados. B. CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA REALIZAR A DISPENSAÇÃO SEMANAL DE MEDICAMENTOS Consideram-se adequadas ao uso da DSM: a) Doentes polimedicados; b) Doentes com posologias complexas; c) Quando o médico indicar o serviço. Para garantir a eficácia e a segurança dos medicamentos fracionados, os farmacêuticos responsáveis pela dispensação semanal deverão avaliar as características físico-químicas e galénicas, de forma a garantir que esses produtos se mantenham estáveis e em plenas condições de uso durante o tempo previsto para a respectiva utilização. Os medicamentos elegíveis para este serviço são as formas farmacêuticas sólidas de uso oral e com posologia predeterminada. Não são elegíveis os medicamentos que: a) Forem citotóxicos, fotossensíveis ou com prazo de validade inferior a 28 dias; b) Exijam refrigeração; c) Medicamentos de uso esporádico; d) Formas farmacêuticas de administração complexa (óvulos, supositórios, etc.).

3 PON N O : Página 3 de 5 C. RESPONSABILIDADE a) Os trabalhos necessários às operações da DSM são efetuados por farmacêuticos devidamente treinados; b) A reconciliação entre a medicação prescrita e a medicação dispensada deve ser sujeita à dupla verificação por outro farmacêutico; c) O processo de preparação e verificação deve estar documentado. D. MATERIAL a) Blisters e cartões impressos disponibilizados pelo fabricante do produto; b) Molde disponibilizado pelo fabricante do produto; c) Cilindro para selar a frio os blisters; d) Álcool 70% e papel para limpeza; e) Divisor de comprimidos; f) Pinças para manipular os medicamentos; g) Luvas, máscaras e toucas para proteção individual; h) Rótulos para identificar os medicamentos fracionados e o utente; i) Suporte físico ou informático para arquivar a informação dos pacientes; j) A caixa com os medicamentos do doente, devidamente rotulada. E. PROCEDIMENTOS Os processos referentes à dispensação semanal da medicação seguem as seguintes etapas:

4 PON N O : Página 4 de 5 1. Oferta do serviço Explicar ao doente, familiar ou cuidador quaisquer dúvidas referentes às vantagens do uso deste sistema de dispensação. A aceitação do serviço implica na assinatura de um contrato de prestação de serviços pelo paciente. 2. Avaliação da farmacoterapia e resolução dos PRM Avaliar as prescrições e a farmacoterapia do paciente. Os Problemas Relacionados com a Medicação (PRM) detetados deverão ser devidamente resolvidos através da comunicação com o prescritor e/ou doente. Todas as ações referentes à resolução dos PRM deverão ser documentadas, bem como os resultados dessa intervenção. 3. Preparação da medicação e rotulagem a) Higienizar as mãos; b) Colocar luvas, touca e máscara; c) Higienizar a bancada de trabalho e o material de apoio com álcool 70%; d) Colocar os medicamentos os quais se encontram previamente separados em caixas individuais para cada doente; e) Colocar o molde na bancada, conferir o perfil farmacoterapêutico do paciente e encaixar a superfície plastificada no suporte; f) Acondicionar cada cápsula ou comprimido no dispensador semanal de medicamentos; g) Selar a frio fazendo o uso do cilindro para vedar o plástico ao blister; h) Registar e rotular devidamente o dispensador semanal de medicamentos.

5 PON N O : Página 5 de 5 Obs.: Todos os medicamentos acondicionados no dispensador deverão ser sujeitos a dupla verificação de modo a minimizar os riscos do processo. 4. Entrega do DSM preparado O dispensador semanal de medicamentos será disponibilizado ao doente de forma a garantir que o mesmo saiba fazer o uso adequado do dispensador, das tomas diárias e de outras informações pertinentes. 5. Registos e seguimento O utente é responsável em comunicar quaisquer mudanças ocorridas nas alterações dos medicamentos, de forma a se corresponsabilizar com o farmacêutico sobre as reais necessidades terapêuticas. O perfil farmacoterapêutico deverá estar permanentemente atualizado. 6. Gestão de resíduos A eliminação dos materiais utilizados ou sobras de medicamentos deverá ser realizado através do sistema Valormed.

Organização dos Serviços Farmacêuticos

Organização dos Serviços Farmacêuticos Organização dos Serviços Farmacêuticos Uma vez planificados os S.F. deve partir-se para a organização do serviço que compreende Estruturar as diferentes secções Definir as funções de cada secção e estabelecer

Leia mais

POP 08 DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS

POP 08 DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS 1 Objetivos Definir as normas a serem aplicadas na dispensação de medicamentos em Farmácia. 2 Alcance Auxiliares de farmácia que receberam o treinamento. 3 Responsabilidades: Farmacêutico Responsável.

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL Melhoria contínua

PROCEDIMENTO GERAL Melhoria contínua Página 1 de 6 I ÂMBITO Aplicável em toda a estrutura funcional da ESEP. II OBJETIVOS Definir a metodologia, as responsabilidades e a documentação necessárias à implementação do controlo de não conformidades

Leia mais

REGISTRO DE CONSULTA - RETORNO PROBLEMAS DE SAÚDE

REGISTRO DE CONSULTA - RETORNO PROBLEMAS DE SAÚDE REGISTRO DE CONSULTA - RETORNO Paciente: Data: Hora Início: Condições de saúde do paciente 1. PROBLEMAS DE SAÚDE Registrar exames, sinais e sintomas do pacientes relativos a cada doença Fazer HDA quando

Leia mais

Colégio de Especialidade de Farmácia Hospitalar

Colégio de Especialidade de Farmácia Hospitalar Colégio de Especialidade de Farmácia Hospitalar Normas para Atribuição do Título de Especialista de Farmácia Hospitalar 9 de Março de 2015 Ref.: DF/DN/2015/HV/006-1 / 6 - T-DF-01 1. É da competência da

Leia mais

INFARMED Gabinete Jurídico e Contencioso

INFARMED Gabinete Jurídico e Contencioso Aprova o regulamento sobre os aspectos da publicidade de medicamentos previstos nos artigos 154., 162., n.º 2, 164.º e 202., n.º 1, j), do Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de Agosto, que constitui o anexo

Leia mais

PLANO ANUAL AUDITORIA. Serviço de. Auditoria Interna. Aprovado na reunião n.º 54/2015 do Conselho de Administração, realizada a 30 de dezembro

PLANO ANUAL AUDITORIA. Serviço de. Auditoria Interna. Aprovado na reunião n.º 54/2015 do Conselho de Administração, realizada a 30 de dezembro PLANO ANUAL DE AUDITORIA Serviço de Auditoria Interna Aprovado na reunião n.º 54/2015 do Conselho de Administração, realizada a 30 de dezembro PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA Introdução O presente Plano

Leia mais

ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES

ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES 1 OBJETIVO O objetivo do Gerenciamento de Modificações consiste em prover um procedimento ordenado e sistemático de análise dos possíveis riscos introduzidos por modificações,

Leia mais

Tecnologia de computadores. Alexandre Pontes nº27340 Wilson Roque nº27636

Tecnologia de computadores. Alexandre Pontes nº27340 Wilson Roque nº27636 Tecnologia de computadores Alexandre Pontes nº27340 Wilson Roque nº27636 Objectivos A implementação de sistemas de informação na saúde tem os seguintes objectivos: Administrativos e financeiros dados de

Leia mais

QUESTÕES FREQUENTES PRESCRIÇÃO DESMATERIALIZADA RECEITA SEM PAPEL. E-medicar Versão 3.0

QUESTÕES FREQUENTES PRESCRIÇÃO DESMATERIALIZADA RECEITA SEM PAPEL. E-medicar Versão 3.0 QUESTÕES FREQUENTES PRESCRIÇÃO DESMATERIALIZADA RECEITA SEM PAPEL E-medicar Versão 3.0 JULHO 2016 CARACTERÍSTICAS DO DOCUMENTO Referência: E-MEDICAR 3.0 RECEITA SEM PAPEL Data: JULHO 2016 Versão do documento:

Leia mais

GUIA PARA A REALIZAÇÃO DE ESTUDOS DE ESTABILIDADE DE PRODUTOS SANEANTES

GUIA PARA A REALIZAÇÃO DE ESTUDOS DE ESTABILIDADE DE PRODUTOS SANEANTES GUIA PARA A REALIZAÇÃO DE ESTUDOS DE ESTABILIDADE DE PRODUTOS SANEANTES A estabilidade de produtos saneantes depende de fatores ambientais como temperatura, umidade e luz, e de outros inerentes ao produto

Leia mais

BOLETIM DE CUIDADOS NO DOMICÍLIO

BOLETIM DE CUIDADOS NO DOMICÍLIO PESSOAS EM SITUAÇÃO DE DEPENDÊNCIA BOLETIM DE CUIDADOS NO DOMICÍLIO Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde ESTE BOLETIM CONTÉM INFORMAÇÕES IMPORTANTES PARA A SAÚDE DA PESSOA A QUEM DIZ RESPEITO Conserve-o

Leia mais

TERMOS DE TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS MEO WALLET

TERMOS DE TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS MEO WALLET TERMOS DE TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS MEO WALLET Estes Termos de Tratamento de Dados Pessoais regulam o tratamento dos dados pessoais, recolhidos no âmbito da abertura e gestão da Conta MEO Wallet, pela

Leia mais

Estrutura e Montagem dos Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas

Estrutura e Montagem dos Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas Estrutura e Montagem dos Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas Equipe Técnica Os protocolos foram estruturados em seis módulos interrelacionados abordando aspectos médicos, farmacêuticos e de gerenciamento.

Leia mais

SICLOM Mapa Mensal. 1 Mapa Mensal. Versão: 2012. Manual de preenchimento do mapa mensal no SICLOM Gerencial

SICLOM Mapa Mensal. 1 Mapa Mensal. Versão: 2012. Manual de preenchimento do mapa mensal no SICLOM Gerencial 1 Mapa Mensal SICLOM Mapa Mensal Manual de preenchimento do mapa mensal no SICLOM Gerencial Versão: 2012 2 Mapa Mensal 3 Mapa Mensal Índice.. Introdução. 5 Como Acessar o SICLOM Gerencial. 5 Menu Geral.

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE INFLUENZA A(H1N1)

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE INFLUENZA A(H1N1) PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE INFLUENZA A(H1N1) P1 QUAIS OS CUIDADOS DE BIOSSEGURANÇA NA RECEPÇÃO / ATENÇÃO AO PACIENTE COM QUEIXA E SINTOMATOLOGIA DE INFLUENZA A(H1N1), NO DOMICÍLIO, NA UNIDADE BÁSICA DE

Leia mais

Medicamentos Fracionados

Medicamentos Fracionados Medicamentos Fracionados [Guia para Laboratórios Farmacêuticos] Laboratórios Farmacêuticos 1 2Laboratórios Farmacêuticos Laboratórios Farmacêuticos Medicamentos Fracionados [Guia para Laboratórios Farmacêuticos]

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO APOIO A IDOSOS

REGULAMENTO DO CONCURSO APOIO A IDOSOS REGULAMENTO DO CONCURSO APOIO A IDOSOS Artigo 1º Objecto O presente Regulamento estabelece as normas de acesso ao concurso Apoio a Idosos. Artigo 2º Beneficiários Podem candidatar-se a este concurso instituições

Leia mais

A ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NO TRATAMENTO DO PACIENTE ONCOLÓGICO 1

A ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NO TRATAMENTO DO PACIENTE ONCOLÓGICO 1 A ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NO TRATAMENTO DO PACIENTE ONCOLÓGICO 1 Ana Caroline Fengler 2, Stella Spanevello 3, Angélica Cristiane Moreira 4. 1 Trabalho apresentado na disciplina Estágio VIII: Opção Profissional

Leia mais

A importância da assistência Farmacêutica no hospital e na Farmácia comercial. Prof. Msc Gustavo Alves Andrade dos Santos

A importância da assistência Farmacêutica no hospital e na Farmácia comercial. Prof. Msc Gustavo Alves Andrade dos Santos A importância da assistência Farmacêutica no hospital e na Farmácia comercial Prof. Msc Gustavo Alves Andrade dos Santos 1 Dispensação - Conceito Dispensação: É o ato profissional farmacêutico de proporcionar

Leia mais

APROVADO EM 11-12-2014 INFARMED

APROVADO EM 11-12-2014 INFARMED Folheto informativo: Informação para o doente Arcalion 200 mg comprimido revestido Sulbutiamina Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento pois contém informação importante

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI GUAÇU/SP Secretaria da Fazenda - Divisão de Arrecadação Setor de Cadastro Mobiliário CHECKLIST

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI GUAÇU/SP Secretaria da Fazenda - Divisão de Arrecadação Setor de Cadastro Mobiliário CHECKLIST PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI GUAÇU/SP Secretaria da Fazenda - Divisão de Arrecadação Setor de Cadastro Mobiliário CHECKLIST OBSERVAÇÃO: POR PROPOSTA DESTE SETOR SUGERIMOS ANTES DE EFETUAR OS PROCEDIMENTOS

Leia mais

ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União

ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO Nº 1, DE 13 DE JANEIRO DE 2010 Dispõe sobre os critérios

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA DEPARTAMENTO DA POLÍCIA CIVIL INSTITUTO DE IDENTIFICAÇÃO SETOR DE ESTATÍSTICAS

SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA DEPARTAMENTO DA POLÍCIA CIVIL INSTITUTO DE IDENTIFICAÇÃO SETOR DE ESTATÍSTICAS NOTA TÉCNICA N 002/13-SE A presente Nota Técnica corresponde ao ANEXO II da Ordem de Serviço n 041/13, concernente à necessidade de atualização do modelo de Relatório Mensal de Estatística dos Setores

Leia mais

FAQs PEM - Receita sem papel

FAQs PEM - Receita sem papel FAQs PEM - Receita sem papel A Receita sem Papel, ou Desmaterialização Eletrónica da Receita, é um novo modelo eletrónico que inclui todo o ciclo da receita, desde da prescrição no médico, da dispensa

Leia mais

Tratamento Fitossanitário - Fumigação

Tratamento Fitossanitário - Fumigação 1 Objetivo Este documento visa descrever os procedimentos globais para realização das operações fumigação (expurgo). 2 Abrangência O presente documento se aplica às empresas requerentes e prestadoras de

Leia mais

Medicamentos Fracionados. [Guia para Vigilâncias Sanitárias]

Medicamentos Fracionados. [Guia para Vigilâncias Sanitárias] Medicamentos Fracionados [Guia para Vigilâncias Sanitárias] Apresentação Temos a satisfação de apresentar o Guia sobre Medicamentos Fracionados. Seu objetivo é esclarecer dúvidas sobre os principais aspectos

Leia mais

Ficha de segurança para resíduos químicos FDSR

Ficha de segurança para resíduos químicos FDSR Ficha de segurança para resíduos químicos FDSR O que é a FDSR? É a ficha com dados de segurança de resíduos químicos (FDSR) com o seu respectivo rótulo. Foi criada pela ABNT NBR 16725: Resíduo químico

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR SANTO ANDRÉ

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR SANTO ANDRÉ PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS. 1. INTRODUÇÃO O Instituto de Ensino Superior Santo André dispõe atualmente de infraestrutura de Tecnologia

Leia mais

EXERCICIOS LEI 5991/73

EXERCICIOS LEI 5991/73 EXERCICIOS LEI 5991/73 1-A Lei Federal no 5991 de 17 de dezembro de 1973: (A) Trata da profissão do Farmacêutico Hospitalar. (B) Trata da ética farmacêutica. (C) Dispõe sobre o controle sanitário do comércio

Leia mais

MANIPULAÇÃO DE QUIMIOTERÁPICOS

MANIPULAÇÃO DE QUIMIOTERÁPICOS MANIPULAÇÃO DE QUIMIOTERÁPICOS ANTINEOPLÁSICOS SÃO POTENCIALMENTE: Mutagênicos Carcinogênicos Teratogênicos Fetotóxicos Esterilizantes RISCOS OCUPACIONAIS Exposição aguda: Retirada de solução do frasco-ampola

Leia mais

Aspectos Comparativos da. Gestão de Resíduos Químico. no Brasil e na Alemanha

Aspectos Comparativos da. Gestão de Resíduos Químico. no Brasil e na Alemanha Aspectos Comparativos da Gestão de Resíduos Químico no Brasil e na Alemanha Dr. Roswitha Meyer maio 2011 Motivação Motivação Alemanha Uni Tübingen Brasil Conclusão Quando trata-se de lixo os conceitos

Leia mais

Telefone laboratório Fax Email. Telefone (Chefe laboratório) Pessoal? Trabalho? Contacto Coordenador Regional o Distrital

Telefone laboratório Fax Email. Telefone (Chefe laboratório) Pessoal? Trabalho? Contacto Coordenador Regional o Distrital - Checklist Pré-Instalação Xpert Parte 1:Perfil laboratório Data da Avaliação/Auditoria Nome(s) e Afiliação do Assessor (es) Nome (s) contacto laboratório Telefone/email Nome laboratório Distrito Região

Leia mais

Concurso de 2015 REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS

Concurso de 2015 REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS Concurso de 2015 REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento estabelece os procedimentos e documentos necessários à verificação das despesas elegíveis necessárias

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033 / 03

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033 / 03 1/5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1. Nome: Agregado leve artificial obtido por processamento de materiais naturais para 1.2. Aplicações: utilização em betão, prefabricação, argamassas, caldas

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 307, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 307, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 307, DE 2014 Altera a Lei nº 9.787, de 10 de fevereiro de 1999, para determinar que a aquisição ou a dispensação de medicamento realizada no âmbito do Sistema Único de Saúde

Leia mais

Sistema de Recuperação da Senha nos Sistemas Informáticos da FEUP

Sistema de Recuperação da Senha nos Sistemas Informáticos da FEUP Sistema de Recuperação da Senha nos Sistemas Informáticos da FEUP Unidade de Sistemas de Informação Centro de Informática Prof. Correia de Araújo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Índice

Leia mais

MÓDULO V. Pré-requisitos do Sistema HACCP. Formador: Vera Madeira. Data:11/02/15

MÓDULO V. Pré-requisitos do Sistema HACCP. Formador: Vera Madeira. Data:11/02/15 MÓDULO V Pré-requisitos do Sistema Formador: Vera Madeira Data:11/02/15 Objectivos Objectivo Geral do Módulo Pretende-se que os formandos conheçam quais os prérequisitos a ter em conta, numa implementação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE INJETÁVEIS EM FARMÁCIAS E DROGARIAS: ASPECTOS LEGAIS ADMINISTRATION OF INJECTABLES IN PHARMACIES AND DRUGSTORES: LEGAL ASPECTS

ADMINISTRAÇÃO DE INJETÁVEIS EM FARMÁCIAS E DROGARIAS: ASPECTOS LEGAIS ADMINISTRATION OF INJECTABLES IN PHARMACIES AND DRUGSTORES: LEGAL ASPECTS 40 ADMINISTRAÇÃO DE INJETÁVEIS EM FARMÁCIAS E DROGARIAS: ASPECTOS LEGAIS ADMINISTRATION OF INJECTABLES IN PHARMACIES AND DRUGSTORES: LEGAL ASPECTS 1 2 2 PAULA, Cristiane da Silva. *, MIGUEL, Obdúlio Gomes,

Leia mais

ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. - Erros mais Comuns. Meios Complementares de Diagnóstico e Terapêutica.

ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. - Erros mais Comuns. Meios Complementares de Diagnóstico e Terapêutica. ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. - Erros mais Comuns Meios Complementares de Diagnóstico e Terapêutica Maio de 2012 1/13 ÍNDICE ÍNDICE... 2 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ERROS COMUNS... 4 3.

Leia mais

REGULAMENTO DA RÁDIO/TV ESCOLA

REGULAMENTO DA RÁDIO/TV ESCOLA REGULAMENTO DA RÁDIO/TV ESCOLA 2015/2016 1. INTRODUÇÃO Este regulamento tem como objetivo assegurar o bom funcionamento das emissões produzidas na Rádio/TV Escola, na Escola Secundária do Agrupamento de

Leia mais

Eixo VI _ Assistência Técnica. VI.1. Gestão Operacional e Monitorização Estratégica

Eixo VI _ Assistência Técnica. VI.1. Gestão Operacional e Monitorização Estratégica _ Assistência Técnica CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data Descrição N. de Página 1ª 2008.05.15 5 Pág. 1 de 5 Objectivo Assegurar as condições adequadas para a gestão, acompanhamento, avaliação, monitorização

Leia mais

CURSO 101 CONTABILIDADE FINANCEIRA PLANO TEMÁTICO

CURSO 101 CONTABILIDADE FINANCEIRA PLANO TEMÁTICO A ponte para o SEU sucesso CURSO 101 CONTABILIDADE FINANCEIRA PLANO TEMÁTICO Este Material foi elaborado pela CAT CONSULTORES. Não deverá ser distribuida nenhuma cópia do mesmo, sem nenhuma permissão expressa.

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MP - 07/2011

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MP - 07/2011 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MP - 07/2011 TELEFONE CELULAR COMPUTADOR PORTÁTIL E MINI MODEM Macro Processo: Processo: Subprocesso Origem: 1ª Publicação: Suporte Gestão de Tecnologia da Informação Telefone Celular

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para o atendimento às solicitações de alterações de layout.

Estabelecer critérios e procedimentos para o atendimento às solicitações de alterações de layout. Proposto por: Divisão de Planejamento e Arquitetura (DIPLA) Analisado por: Departamento de Planejamento de Obras (DEPLA) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria-Geral de Engenharia (DGENG) 1 OBJETIVO

Leia mais

Fluxo para pacientes internados:

Fluxo para pacientes internados: Orientações para fornecimento de Palivizumabe 2016 a hospitais, prescritores e polos de aplicação Encaminhamos o INFORMATIVO DMEST/SAF/SES Nº 02/2016 com informações e relação de documentos necessários

Leia mais

Governo do Estado da Paraíba Secretaria de Saúde do Estado Agência Estadual de Vigilância Sanitária - AGEVISA-PB

Governo do Estado da Paraíba Secretaria de Saúde do Estado Agência Estadual de Vigilância Sanitária - AGEVISA-PB Governo do Estado da Paraíba Secretaria de Saúde do Estado Agência Estadual de Vigilância Sanitária - AGEVISA-PB Consulta Pública nº 004 de 26 de fevereiro de 2004. A Diretoria Colegiada da Agência Estadual

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 7 Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

PAC 08. Procedimento Padrão de Higiene Operacional - PPHO Derivados Cárneos

PAC 08. Procedimento Padrão de Higiene Operacional - PPHO Derivados Cárneos Página 1 de 7 Procedimento Padrão de Higiene Operacional - PPHO Derivados Cárneos Página 2 de 7 1. Objetivo-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Biológicas Curso de Fisioterapia

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Biológicas Curso de Fisioterapia REGULAMENTO E MANUAL PARA USO DO LABORATÓRIO DO CURSO DE FISIOTERAPIA Aprovado pelo Colegiado do em 23/02/2016 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º- O laboratório de ensino do destina-se prioritariamente

Leia mais

CONTRATO DE PARCERIA

CONTRATO DE PARCERIA CONTRATO DE PARCERIA Entre:, legalmente representada por na qualidade de., legalmente representada por na qualidade de., legalmente representada por na qualidade de., legalmente representada por na qualidade

Leia mais

Procedimento de Gestão

Procedimento de Gestão Índice 1.0. Objectivo... 2 2.0. Campo de aplicação.. 2 3.0. Referências e definições......... 2 4.0. Responsabilidades. 3 5.0. Procedimento. 3 5.1. Auditorias ao Sistema da Qualidade. 3 5.1.1. Preparação.

Leia mais

Acesso às Consultas Externas do Serviço de Estomatologia do Hospital de Santa Maria do Centro Hospitalar Lisboa Norte

Acesso às Consultas Externas do Serviço de Estomatologia do Hospital de Santa Maria do Centro Hospitalar Lisboa Norte Acesso às Consultas Externas do Serviço de Estomatologia do Hospital de Santa Maria do Centro Hospitalar Lisboa Norte O Serviço de Estomatologia do Hospital de Santa Maria (SE do HSM) do Centro Hospitalar

Leia mais

APOIO À INSTALAÇÃO + QUESTÕES FREQUENTES

APOIO À INSTALAÇÃO + QUESTÕES FREQUENTES APOIO À INSTALAÇÃO + QUESTÕES FREQUENTES PRESCRIÇÃO DESMATERIALIZADA RECEITA SEM PAPEL E-medicar Versão 3.0 Junho 2016 CARACTERÍSTICAS DO DOCUMENTO Referência: E-MEDICAR 3.0 RECEITA SEM PAPEL Data: Junho

Leia mais

SIDC. Nota técnica nº 4/2013

SIDC. Nota técnica nº 4/2013 SIDC Nota técnica nº 4/2013 Abril 2013 Versão 1,0 Os direitos de autor deste trabalho pertencem à SPMS e a informação nele contida é confidencial. Este trabalho não pode ser reproduzido ou divulgado, na

Leia mais

Descrever o processo de certificação de Vinhos de Talha com direito a DO Alentejo.

Descrever o processo de certificação de Vinhos de Talha com direito a DO Alentejo. Versão: 1 Data: 30-09-12 Pág: 1/7 1. OBJECTIVO Descrever o processo de certificação de Vinhos de Talha com direito a DO Alentejo. 2. ÂMBITO Certificação de Vinhos de Talha com direito a DO Alentejo. 3.

Leia mais

MANUAL DE Gestão da. Qualidade

MANUAL DE Gestão da. Qualidade MANUAL DE Gestão da Qualidade Resposta Social: Estrutura Residencial para Idosos Prestamos Serviços de Qualidade Aldeia de S. Sebastião ADCS Aldeia de S. Sebastião, Largo da Igreja nº6 6355-041 Aldeia

Leia mais

Condições preferenciais sobre os serviços de Medicina Chinesa das CLÍNICAS PEDRO CHOY. Para. Os Funcionários e Colaboradores/Associados de

Condições preferenciais sobre os serviços de Medicina Chinesa das CLÍNICAS PEDRO CHOY. Para. Os Funcionários e Colaboradores/Associados de Refª: CPC/DGA/. Edição Nº 2 Revisão Nº 1 Data:...de 2010 Página 1 de 5 Condições preferenciais sobre os serviços de Medicina Chinesa das CLÍNICAS PEDRO CHOY Para Os Funcionários e Colaboradores/Associados

Leia mais

REGULAMENTO DO CHAVEIRO DA CASA DO ESTUDANTE DA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

REGULAMENTO DO CHAVEIRO DA CASA DO ESTUDANTE DA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Regulamento do Chaveiro da Casa do Estudante 2012 REGULAMENTO DO CHAVEIRO DA CASA DO ESTUDANTE DA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Preâmbulo A Casa do Estudante, Loja e Arrumos, bem como

Leia mais

LP EMPREENDIMENTOS CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO LTDA.

LP EMPREENDIMENTOS CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO LTDA. CONTROLE DE DOCUMENTOS Procedimento Geral Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados à Gerência de Operações, indicando o item a ser revisado, a proposta e a justificativa.

Leia mais

Relato de Experiência Uma andorinha faz verão

Relato de Experiência Uma andorinha faz verão Relato de Experiência Uma andorinha faz verão Há uma cultura de que prescrições eletrônicas não falham, devido à segurança proporcionada por suas características gerais. No entanto, a observação de que

Leia mais

Seminário Anual 2013 A NP ISO/IEC 27001:2013 e a certificação de Sistemas de Gestão da Segurança de Informação

Seminário Anual 2013 A NP ISO/IEC 27001:2013 e a certificação de Sistemas de Gestão da Segurança de Informação Seminário Anual 2013 A NP ISO/IEC 27001:2013 e a certificação de Sistemas de Gestão da Segurança de Informação Sub-título da Apresentação Data Seminário Anual 2013 A NP ISO/IEC 27001:2013 e a certificação

Leia mais

28 de abril - Dia Nacional de Prevenção e Segurança no Trabalho Jorge Maia Alves Subdiretor

28 de abril - Dia Nacional de Prevenção e Segurança no Trabalho Jorge Maia Alves Subdiretor 28 de abril - Dia Nacional de Prevenção e Segurança no Trabalho Jorge Maia Alves Subdiretor 1 Ações em curso no âmbito da segurança e saúde do Trabalho em Ciências ext. 24126 sht@ciencias.ulisboa.pt 4

Leia mais

LUFTAL GEL CAPS BULA DO PACIENTE

LUFTAL GEL CAPS BULA DO PACIENTE LUFTAL GEL CAPS BULA DO PACIENTE Takeda Pharma Ltda. Cápsula gelatinosa 125mg/cápsula (simeticona) LUFTAL GEL CAPS simeticona APRESENTAÇÕES Cápsulas gelatinosas de 125 mg em embalagem com 10 cápsulas.

Leia mais

INFARMED - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P. Parque de Saúde de Lisboa - Av. do Brasil, 53 1749-004 Lisboa

INFARMED - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P. Parque de Saúde de Lisboa - Av. do Brasil, 53 1749-004 Lisboa PLATAFORMA DE COMUNICAÇÕES TRANSPARÊNCIA E PUBLICIDADE PERGUNTAS FREQUENTES* 1. O artigo 159.º do Decreto-Lei n.º20/2013, de 14 de fevereiro destina-se apenas a médicos? Não. As obrigações previstas pelo

Leia mais

PROCEDIMENTO INTERNO

PROCEDIMENTO INTERNO 1. Objectivo Regulamentar a actividade do Gabinete de Auditoria Interna do Centro Hospitalar Cova da Beira, EPE. 2. Aplicação Gabinete de Auditoria Interna do Centro Hospitalar Cova da Beira, EPE. 3. Definições

Leia mais

ANEXO V MINUTA TERMO ADITIVO AO CONTRATO DE TRABALHO

ANEXO V MINUTA TERMO ADITIVO AO CONTRATO DE TRABALHO ANEXO V MINUTA TERMO ADITIVO AO CONTRATO DE TRABALHO TERMO ADITIVO AO CONTRATO DE TRABALHO Por intermédio do presente termo aditivo ao contrato de trabalho firmado entre a EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMÁTICA

Leia mais

NORMA DE TRANSMISSÃO UNIFICADA NTU-013 INSPEÇÃO E AVALIAÇÃO TÉCNICA DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS

NORMA DE TRANSMISSÃO UNIFICADA NTU-013 INSPEÇÃO E AVALIAÇÃO TÉCNICA DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS NORMA DE TRANSMISSÃO UNIFICADA NTU-013 INSPEÇÃO E AVALIAÇÃO TÉCNICA DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS APROVAÇÃO Júlio Cesar Ragone Lopes Diretor Corporativo de Engenharia e Construção Grupo Energisa

Leia mais

Conclusões científicas

Conclusões científicas Anexo II Conclusões científicas e fundamentos do parecer positivo sujeito à condição da Autorização de Introdução no Mercado e para a alteração do Resumo das Características do Medicamento e do Folheto

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA. MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA. MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I Este manual atende todos os cursos de gestão 1º semestre, turmas ingressantes em fevereiro

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) Procedimento CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS PR.01 Página 1 de 3 14001: 4.4.5, 4.5.4 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para o processo de elaboração,

Leia mais

Ficha de dados de segurança Em conformidade com 1907/2006/CE, Artigo 31.º

Ficha de dados de segurança Em conformidade com 1907/2006/CE, Artigo 31.º página :1/5 1 Identificação da substância/preparação e da sociedade/empresa Identificação da preparação: Nome comercial: MEGAOL S695 Código do produto: 72695 Utilização do material / da preparação: Tinta

Leia mais

Lomytrat Cloridrato de amorolfina

Lomytrat Cloridrato de amorolfina Lomytrat Cloridrato de amorolfina Legrand Pharma Indústria Farmacêutica Ltda. esmalte 50 mg/ ml Lomytrat Cloridrato de amorolfina Esmalte Terapêutico para Unhas FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES A embalagem

Leia mais

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do 5. PROCEDIMENTOS 5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do Manual Brasileiro de Acreditação das

Leia mais

PLANO FORMAÇÃO. Neste sentido, a Alzheimer Portugal tem vindo a realizar cursos de formação para cuidadores profissionais e cuidadores informais.

PLANO FORMAÇÃO. Neste sentido, a Alzheimer Portugal tem vindo a realizar cursos de formação para cuidadores profissionais e cuidadores informais. PLANO FORMAÇÃO 2014 Um dos objetivos primordiais da Alzheimer Portugal consiste em promover a preparação de todos os que prestam cuidados às Pessoas com Demência. Pretende-se, assim, contribuir para que

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL. Dr Alexandre de Araújo Pereira

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL. Dr Alexandre de Araújo Pereira SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL Dr Alexandre de Araújo Pereira Atenção primária no Brasil e no Mundo 1978 - Conferência de Alma Ata (priorização da atenção primária como eixo de organização

Leia mais

AUDITORIA INTERNA Secretaria de Educação

AUDITORIA INTERNA Secretaria de Educação 1. Objetivo Esta norma estabelece o procedimento, requisitos básicos e a metodologia a ser obedecida para o planejamento, a execução e o registro de auditorias internas do Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Regulamento BAT Banco de Ajudas Técnicas

Regulamento BAT Banco de Ajudas Técnicas SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTO ANTÓNIO DE S. PEDRO DO SUL Regulamento BAT Banco de Ajudas Técnicas 1ª Versão Outubro/2014 Mod. MSPS-PG 016-01 2 Índice CAPÍTULO I Das Disposições Gerais e Funcionamento...

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS DE MARCAÇÃO A MERCADO

PRINCÍPIOS GERAIS DE MARCAÇÃO A MERCADO PRINCÍPIOS GERAIS DE MARCAÇÃO A MERCADO O processo de Marcação a Mercado tem como principal objetivo evitar a transferência de riqueza entre os diversos cotistas dos fundos e, também dá maior transparência

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-121 R00 CONTROLE DAS ATIVIDADES DE OBRAS E DE MANUTENÇÃO

DECISÃO TÉCNICA DT-121 R00 CONTROLE DAS ATIVIDADES DE OBRAS E DE MANUTENÇÃO R OBRAS E DE MANUTENÇÃO DOCUMENTO NORMATIVO I Í N D I C E 1 OBJETIVO... 1 2 DISPOSIÇÕES GERAIS... 1 2.1 IMPLANTAR EM JANEIRO DE 25 O SUB-MÓDULO DE OBRAS DO SISTEMA GOM.... 1 3 PROCEDIMENTOS... 1 3.1 CONTROLE

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL PROFIJ II T2 Ano letivo 2015 / 2016

PLANIFICAÇÃO ANUAL PROFIJ II T2 Ano letivo 2015 / 2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL PROFIJ II T2 Ano letivo 2015 / 2016 CURSO: INSTALAÇÃO e Operação de Sistemas Informáticos ANO: 1.º DISCIPLINA: APLICAÇÕES INFORMÁTICAS DE ESCRITÓRIO DOCENTE: MARIANA VIEIRA COMPETÊNCIAS

Leia mais

MODELO FORMATIVO Curso. Manhã - 9:00-13:00 Tarde - 14:00-18:00. #Outras Saúde, #Fisioterapeuta, #Médico, #Enfermeiro, #Terapeuta Ocupacional

MODELO FORMATIVO Curso. Manhã - 9:00-13:00 Tarde - 14:00-18:00. #Outras Saúde, #Fisioterapeuta, #Médico, #Enfermeiro, #Terapeuta Ocupacional PREPARAçãO PARA O NASCIMENTO: PóS PARTO (MAR 2016) - PORTO O Curso de Preparação para o Nascimento: Pós Parto tem como objectivo principal formar o profissional de saúde para acompanhar os casais durante

Leia mais

O SNGPC. O Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC será um conjunto de

O SNGPC. O Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC será um conjunto de O SNGPC O Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC será um conjunto de instrumentos informatizados utilizado para realizar o monitoramento da movimentação de medicamentos e substâncias

Leia mais

Política de Risco Socioambiental

Política de Risco Socioambiental Política de Gestão de Risco Política de Risco Socioambiental Controle de Versões Dono / Emitido por Revisada por Aprovado por PL-003.7-GR V1 Gestão de Riscos Compliance Alta Administração Vigência Exercício

Leia mais

A comprovação será feita mediante formulário, na forma estabelecida pelo INSS, que deverá ser preenchido pela empresa ou seu preposto.

A comprovação será feita mediante formulário, na forma estabelecida pelo INSS, que deverá ser preenchido pela empresa ou seu preposto. Laudo Técnico Ambiental De acordo com art. 58 e seus, da Lei nº 8.213, de 24/07/91, com alterações introduzidas pela Lei nº 9.528, de 10/12/97, DOU de 11/12/97, as empresas estão obrigadas a manter laudo

Leia mais

GLYCOPHOS. Fresenius Kabi Solução injetável 216 mg/ml. Glycophos_BU_05

GLYCOPHOS. Fresenius Kabi Solução injetável 216 mg/ml. Glycophos_BU_05 GLYCOPHOS Fresenius Kabi Solução injetável 216 mg/ml GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável. GLYCOPHOS (glicerofosfato de sódio 216 mg/ml): Caixa contendo

Leia mais

1º Auxiliar Responsabilidades: pré-operatório imediato do paciente, como sondagens e dissecção de veias providenciar a chegada do prontuário e dos exa

1º Auxiliar Responsabilidades: pré-operatório imediato do paciente, como sondagens e dissecção de veias providenciar a chegada do prontuário e dos exa Cirurgião Responsável por: Fazer anamnese e exame físico bem feitos tudo o que acontece no interior da sala de cirurgia, pelo paciente, pela cirurgia e seu resultado conduzir a cirurgia, desde sua abertura

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº.: S-DGE/2016/1421 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Para:

CIRCULAR. Circular nº.: S-DGE/2016/1421 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Para: CIRCULAR Data: 2016/04/ Circular nº.: S-DGE/2016/1421 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Assunto: Adoção de manuais escolares com efeitos no ano letivo de 2016/2017 Para: Secretaria Regional Ed. dos Açores Secretaria

Leia mais

Higiene e Segurança Alimentar

Higiene e Segurança Alimentar Higiene e Segurança Alimentar Romana Neves Médica Veterinária Direcção de Serviços de Qualidade e Segurança Alimentar Direcção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural Santa Cruz, 10 de Maio de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA SELEÇÃO DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

A IMPORTÂNCIA DA SELEÇÃO DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A IMPORTÂNCIA DA SELEÇÃO DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PROJETO ACT/APSEI/IPQ GUIAS DE APOIO À SELEÇÃO DE EPI 26 e 27 de Novembro Fonte: APSEI Diretiva do Conselho 89/391/CEE de 12.06 Aplicação

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Medicamentos. Assistência Farmacêutica. Qualidade do serviço prestado.

PALAVRAS-CHAVE Medicamentos. Assistência Farmacêutica. Qualidade do serviço prestado. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ASPECTOS PRÁTICOS

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO XI

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO XI REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO XI ASSISTÊNCIA TÉCNICA FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM MATÉRIA DE AMBIENTE, SEGURANÇA E HIGIENE

BOAS PRÁTICAS EM MATÉRIA DE AMBIENTE, SEGURANÇA E HIGIENE BOAS PRÁTICAS EM MATÉRIA DE AMBIENTE, SEGURANÇA E HIGIENE A Imprensa Nacional Casa da Moeda, S. A. (INCM) pretende que as regras sobre ambiente, segurança e higiene sejam observadas no desenvolvimento

Leia mais

Resumo da Lei nº8080

Resumo da Lei nº8080 Resumo da Lei nº8080 Lei n. 8.080, 19 de setembro de 1990 Sancionada pelo Presidente da República, Sr. Fernando Collor, e decretada pelo Congresso Nacional, foi publicada no Diário Oficial da União em

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS FISPQ. Data da revisão: 12/09/2006. ALUMAX 200

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS FISPQ. Data da revisão: 12/09/2006. ALUMAX 200 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS FISPQ. Data da revisão: 12/09/2006. ALUMAX 200 1. Identificação do produto e da empresa - Produto: Limpeza de alumínio - Código Produto: ALUMAX 200

Leia mais

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO E APOIO AO CONTRIBUINTE

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO E APOIO AO CONTRIBUINTE DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO E APOIO AO CONTRIBUINTE A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), que resulta da fusão da Direção-Geral dos Impostos (DGCI), da Direção-Geral das Alfândegas e dos Impostos

Leia mais

Projecto de Lei n.º 463/XI/2ª

Projecto de Lei n.º 463/XI/2ª Projecto de Lei n.º 463/XI/2ª Revê o regime legal da prescrição de medicamentos, no sentido de generalizar as regras aplicáveis à prescrição por Denominação Comum Internacional no âmbito do Serviço Nacional

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS.

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS. PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS. 1. INTRODUÇÃO O Instituto de Educação Superior de Boituva dispõe atualmente de infraestrutura de Tecnologia da Informação com rede de computadores que

Leia mais

MÓDULO IV SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

MÓDULO IV SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Programa de formação sobre a aplicação de MÓDULO IV SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS TEMA 1 ASPECTOS TOXICOLÓGICOS DA APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊTICOS TENDO EM CONSIDERAÇÃO A

Leia mais

Dispensação: dispensar e entregar não são sinônimos

Dispensação: dispensar e entregar não são sinônimos ISBN: 978-85-7967-108-1 Vol. 1, Nº 16 Brasília, setembro de 2016 Dispensação: dispensar e entregar não são sinônimos Resumo Uso Racional de Medicamentos: fundamentação em condutas terapêuticas e nos macroprocessos

Leia mais