TATIANA SANTANA MATIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TATIANA SANTANA MATIAS"

Transcrição

1 TATIANA SANTANA MATIAS COMPETÊNCIAS E HABILIDADES ESSENCIAIS AO PROFISSIONAL DA INFORMAÇÃO PARA ATUAR NA GESTÃO DO FLUXO INFORMACIONAL DE EMPRESA AGRÍCOLA CAMPINAS 2008

2 TATIANA SANTANA MATIAS COMPETÊNCIAS E HABILIDADES ESSENCIAIS AO PROFISSIONAL DA INFORMAÇÃO PARA ATUAR NA GESTÃO DO FLUXO INFORMACIONAL DE EMPRESA AGRÍCOLA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel, no curso de Biblioteconomia na Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Orientadora: Profa. Vera Silvia Marão Beraquet, PhD. CAMPINAS 2008

3 Ficha catalográfica elaborada pela autora. M427c Matias, Tatiana Santana Competências e Habilidades essenciais ao Profissional da Informação para atuar na gestão do fluxo informacional de empresa agrícola. - - Campinas, SP: [s.n.], f. Orientadora: Vera Silvia Marão Beraquet. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Faculdade de Biblioteconomia. 1. Competências. 2. Habilidades. 3. Profissional da Informação. 4. Fluxo informacional. 5. Gestão da Informação. 6. Gestão do Conhecimento. 7. Inteligência Competitiva. 8. Empresa Agrícola. I. Beraquet, Vera Silvia Marão. II. Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Centro de Ciências Sociais Aplicadas. Faculdade de Biblioteconomia. III. Título.

4 TATIANA SANTANA MATIAS COMPETÊNCIAS E HABILIDADES ESSENCIAIS AO PROFISSIONAL DA INFORMAÇÃO PARA ATUAR NA GESTÃO DO FLUXO INFORMACIONAL DE EMPRESA AGRÍCOLA. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel, no curso de Biblioteconomia na Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Orientadora: Profa. Vera Silvia Marão Beraquet, PhD. BANCA EXAMINADORA: Profa. Dra. Vera Silvia Marão Beraquet (Orientadora) Pontifícia Universidade Católica de Campinas Profa. MS. Simone Lucas Gonçalves de Oliveira Pontifícia Universidade Católica de Campinas Vanessa Pavani Bacharel em Ciência da Informação com Habilitação em Biblioteconomia Campinas, 4 de Dezembro de 2008.

5 Ao meu Soberano Deus que me deu a existência, à minha mãe Nair, meu irmão Diego e meu esposo Marcos que me inspiram a continuar existindo.

6 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente à Deus pelo amor incondicional e pela força que me proporcionou durante a graduação, sem Ele nada seria possível; À minha preciosa mãe Nair, mulher guerreira que sempre acreditou em mim, uma das minhas inspirações para concluir esse sonho; Ao meu querido irmão Diego, meu artista predileto, que sempre esteve ao me lado me encorajando a prosseguir; Ao meu amado esposo Marcos, pela compreensão, pelo cuidado e pelo amor que me impulsionaram a continuar; Às riquezas mais lindas do planeta: Bob Augusto, Nina e Pretex; À Profa. Dra. Vera Beraquet, pelas oportunidades, incentivos e orientações ao longo desses dois últimos anos; À Profa. Simone Lucas pelas importantes sugestões a esse trabalho; Às minhas cunhadas Vanessa, Viviane e ao meu sobrinho João Pedro pela disposição em me ajudar e pelo afeto; À minha sogra Lenísia, pelo carinho e constantes orações; Aos meus queridos Pastores e Líderes pela compreensão quando estive ausente e pelo incentivo; Aos abençoados amigos Juliana e Fábio, Carol e Rodrigo, Vanessa e Fernando, Michele e Rodrigo Moreira, Eduardo e Adria, Andreza e Fábio, Ana Paula e Douglas, Kilza e Alex, Patrícia e Leandro, Bruna e Juninho, Jessyka, Elesandra, Larissa, Michele Rovaris, Paulinha, Mary Jane e em especial aos meus paistores Vilela e Sandra. Muito obrigada pela amizade e incentivo, vocês são verdadeiros presentes de Deus em minha vida;

7 Aos amigos da Faculdade, em especial: Adriana, Alexandre, Claudinéia, Clayton, Daniela, Dircy, Irene, Karina e Tássia. Amigos, muito obrigada pelo carinho e pela amizade que sem dúvida guardarei para todo o sempre; Aos inseparáveis amigos de trabalhos acadêmicos: Carlitos, Pri e Vaniec, sem dúvida o valor maior adquirido nesses anos de graduação materializa-se em pessoas como vocês, que souberam marcar a minha vida com um toque mais que especial; Aos amigos da Iniciação Científica, em especial ao prof. Raimundo Nonato Macedo dos Santos pelo convite em participar desse grupo tão rico em informação e conhecimento; Aos amigos da Dupont do Brasil que me apoiaram e me incentivaram na realização deste trabalho, em especial: Vanessa, pela amizade e colaboração no desenvolvimento dessa pesquisa e ao amigo Rodrigo Fiorati que se tornou um exemplo para a minha vida, muito obrigada pela dedicação e incentivo; A todos os Profissionais da Informação que me supervisionaram nos estágios realizados durante a graduação (Dulce Barata, Oscar Eliel, Odete Dalben, Cristina Matoso, Valquíria, Barbosa, André Moraes e Fábio Silva). Muito obrigada pela oportunidade, pelos ensinamentos e principalmente por terem me ensinado a ser a profissional que sou hoje; Aos novos amigos da Anhanguera Educacional, em especial: Dircy, Daniela, Fernanda, Flávio, João, Janet, Eduardo e Cristiano. A todos os professores e funcionários da Faculdade de Biblioteconomia da PUC-Campinas. Por fim, a todos que participaram dessa tão almejada conquista!

8 A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original. Albert Einstein

9 RESUMO MATIAS, Tatiana Santana. Competências e habilidades necessárias ao Profissional da Informação para atuar na gestão do fluxo informacional de empresa agrícola. Campinas, SP [s.n.], f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Biblioteconomia) Faculdade de Biblioteconomia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Atualmente o cenário agrícola competitivo tem levado muitas empresas a preocuparemse e a investir na gestão do fluxo informacional gerado pelo ambiente interno e externo à organização. Partindo dessa análise, o presente estudo tratou de uma pesquisa exploratória com foco qualitativo cujos objetivos foram: identificar as competências e habilidades essenciais ao profissional da informação para atuar na gestão do fluxo informacional de uma empresa agrícola, identificar a estrutura organizacional, bem como os fluxos formais e informais e os principais veículos desses fluxos, analisar a compatibilidade do fluxo informacional e da atuação da Bibliotecária com relação aos princípios de gestão da informação, gestão do conhecimento e inteligência competitiva preconizados na literatura. Buscou-se através da literatura identificar conceitos de estrutura organizacional, fluxos informacionais, gestão da informação, gestão do conhecimento, inteligência competitiva e competências e habilidades do profissional da informação. O universo da pesquisa foi formado pela bibliotecária responsável pelo arquivo da empresa agrícola e por dez profissionais da informação de cinco diferentes áreas do conhecimento que atuam na gestão do fluxo informacional. A bibliotecária através de uma entrevista respondeu questões referentes às dinâmicas das atividades nos setores do segmento agrícola, enquanto que os profissionais da informação responderam um questionário com perguntas fechadas e abertas, a fim de verificar os principais veículos da informação e as principais competências e habilidades para atuar na gestão do fluxo informacional. Conclui-se, no alcance satisfatório dos objetivos propostos, proporcionando uma visão da estrutura organizacional composta pela Matriz dos EUA, equipe de Marketing, Pesquisa & Desenvolvimento e Registro no Brasil, bem como suas principais atividades para o desenvolvimento do novo produto, estrutura essa que deu suporte para identificar os fluxos formais (conhecimento explícito) e informais (conhecimento tácito) e os principais veículos de informação desse fluxo, sendo 65% composto por veículos formais (impressos e eletrônicos) e 35% composto pelos veículos informais de comunicação (reuniões, treinamentos, telefone), dados esses que subsidiaram o alcance das práticas de gestão da informação, gestão do conhecimento e inteligência competitiva que são estabelecidas e organizadas de maneiras diferentes para atender as várias necessidades organizacionais, para ter significado e gerar conhecimento estratégico para as tomadas de decisão, por fim, após a identificação das práticas de gestão, pode-se analisar a atuação do profissional da informação e as competências e habilidades para atuar com êxito na gestão do fluxo informacional. Palavras-chave: Competências; Habilidades; Profissional da Informação; Fluxo Informacional; Gestão da Informação; Gestão do Conhecimento; Inteligência Competitiva.

10 ABSTRACT MATIAS, Tatiana Santana. Necessary abilities for the information professional of the Information to act in the management of the informacional flow of a agricultural company. Campinas, SP [s.n.], f. Final Monograph (Undergraduate Course on Librarianship) Faculdade de Biblioteconomia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Nowadays the competitive agricultural scenery has been carrying many companies to worry and to invest in the flow informational administration generated by the internal and external environment to the organization. Leaving of this analysis, the present study, was an exploratory research with qualitative focus, whose goals were: identify the competences and essential abilities to the information professional to act in the flow informational administration of an agricultural company, identify the structure organizational, as well as the formal and informal flows and the main vehicles of these flows, analyze the flow informational compatibility and of the Librarian performance with regard to the information administration principles, knowledge administration and competitive intelligence praised in the literature. It sought through the literature identify structure organizational concepts, flows informationais, information administration, knowledge administration, competitive intelligence and competences and professional's information abilities. The research universe was formed by the responsible librarian for the File of the agricultural company and for 10 professional of the information of five knowledge different areas that act in the flow informational administration. The librarian through an interview answered referring matters to the activities dynamicses in the sectors of the agricultural segment, while the information professionals answered a questionnaire with closed and opened questions, in order to verify the information main vehicles and the main competences and abilities to act in the flow informational administration. It concludes, in the satisfactory reach of the proposed goals, providing a structure organizational vision composed by the USA Head office, marketing Team, Research & Development and Record in Brazil, as well as her main activities for the new product development, structure this that gave support to identify the formal flows (explicit knowledge) and informal (tacit knowledge) and the information main vehicles of this flow, being 65% composite for formal vehicles (printed and electronic) and 35% composite by the informal vehicles of communication (meetings, training, phone), data these that subsidized the reach of information administration practices, knowledge administration and competitive intelligence that are established and organized of different ways to attend the several needs organizationais, to have meaning and to generate strategic knowledge for the decision outlets, finally, after the administration practices identification, it can analyze professional's information performance and the competences and abilities to act with success in the flow informational administration. Words-key: Competences; Abilities; Information professional; Flow Informational; Information administration; Knowledge administration; Competitive intelligence.

11 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1. Ambientes Organizacionais...20 FIGURA 2. Fluxos formais e informais...21 FIGURA 3. Gestão da Informação nas Organizações...26 FIGURA 4. Gestão do Conhecimento nas Organizações...36 FIGURA 5. Ciclo da Inteligência Competitiva nas organizações...41 QUADRO 1. Competências e habilidades do profissional da informação...51 QUADRO 2. Busca de referente a informação...62 QUADRO 3. Papéis e funções da equipe de inteligência...76 FIGURA 6. Estrutura Organizacional: Setores, Recursos humanos e Fluxo Informacional...89 FIGURA 7. Ciclo da Inteligência Competitiva na empresa...93 FIGURA 8. Gestão do Conhecimento na Organização...96 FIGURA 9. Gestão da Informação na Organização...99 QUADRO 4. Atuação, competências e habilidades essenciais para a prática de gestão da informação...101

12 QUADRO 5. Atuação, competências e habilidades essenciais para a prática de gestão do conhecimento QUADRO 6. Atuação, competências e habilidades essenciais para a prática de inteligência competitiva FIGURA 10. Veículos formais da informação FIGURA 11. Veículos informais da informação QUADRO 7. Competências e habilidades consideradas essenciais pelos Profissionais da Informação para atuar com Gestão da informação QUADRO 8. Competências e habilidades consideradas essenciais pelos Profissionais da Informação para atuar com Gestão do Conhecimento QUADRO 9. Competências e habilidades consideradas essenciais pelos Profissionais da Informação para atuar com Inteligência Competitiva...113

13 LISTA DE TABELAS TABELA 1. Formação Acadêmica dos Profissionais da Informação...83 TABELA 2. Tempo de empresa...84 TABELA 3. Setor de atuação...84 TABELA 4. Cargo ou função...85 TABELA 5. Fluxo da informação no setor de atuação TABELA 6. Inserção no fluxo informacional TABELA 7. Atividades em Gestão da Informação TABELA 8. Atividades em Gestão do Conhecimento TABELA 9. Atividades em Inteligência Competitiva...110

14 LISTA DE ABREVEATURAS E SIGLAS ABRAIC = Associação Brasileira dos Analistas de Inteligência Competitiva. ANVISA = Agência Nacional de Vigilância Sanitária. CBO = Classificação Brasileira de Classificações. GC = Gestão do Conhecimento. GI = Gestão da Informação. IBAMA = Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. IC = Inteligência Competitiva. MAPA = Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. P & D = Pesquisa e Desenvolvimento PI = Profissional da Informação. SARE = Sistema de Acompanhamento de Registro.

15 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Mercado Agrícola Estruturas Organizacionais: Fluxos Formais e Informais Gestão da Informação nas Organizações Gestão do Conhecimento nas Organizações Inteligência Competitiva nas Organizações Profissional da Informação: Competências e Habilidades REVISÃO DE LITERATURA Atuação do Profissional da informação Práticas de gestão nas organizações: GI, GC e IC MÉTODO Caracterização da Instituição Centro de Tecnologia de Paulínia Caracterização dos sujeitos da pesquisa Instrumentos de coleta de dados Procedimentos de coleta de dados RESULTADOS E DISCUSSÃO DOS DADOS Bibliotecária Profissionais da Informação CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS

16 14 1 INTRODUÇÃO No contexto agrícola, a empresa vive da constante tomada de decisão sobre como agir referente ao ambiente, pelo que têm uma necessidade permanente de recorrer à informação. Conforme Castro Neto e Queiroz (2003), a função da informação no agronegócio se consolida no entendimento do processo de evolução e manutenção dos níveis de competitividade e lucratividade das empresas. A competição a que estão expostas as empresas exige constante evolução e aprimoramento dos seus conhecimentos. Novas tecnologias, novos produtos e componentes, novos fornecedores, novos métodos de gestão e controle, enfim, todo o vasto conhecimento utilizado por uma empresa deve ser reciclado e expandido. Quanto maior o grau de competição, maior o ritmo de evolução a que a empresa está sujeita. É importante que a empresa utilize apenas as informações que lhe são úteis e que certamente conduzam ao seu desenvolvimento. A informação tem um papel crucial na tomada de decisões acertadas e em tempo útil. Castro Neto e Queiroz (2003) definem que a tomada de decisão pode ser considerada como um conjunto de etapas que passam pelo reconhecimento da necessidade de uma decisão, seguido de uma análise do problema, de uma pesquisa de alternativas para resolver o problema, da escolha de uma alternativa (decisão) e, por fim, da aplicação da alternativa selecionada para solucionar o problema. Segundo Witschning (1997), este processo é, essencialmente, acompanhado pela necessidade de informação em cada uma das suas etapas. Primeiro, é indispensável a informação para definir o problema, depois, é necessário a informação para encontrar e avaliar as alternativas e, por último, após a decisão, é importante a informação adicional para controlar a aplicação da alternativa selecionada. Mas para tornar a informação apropriada para as tomadas de decisões é necessário que ela seja gerenciada e o papel da gestão da informação, gestão do conhecimento e da inteligência competitiva no ambiente organizacional propicia esse gerenciamento, qualidade e acessibilidade à informação.

17 15 Segundo Valentim (2002) para que sejam executadas as práticas de gestão, inicialmente é necessário identificarmos os fluxos formais e informais, pois é através deles que a gestão da informação se inicia. A estrutura organizacional, entretanto, influencia grandemente os fluxos informacionais, uma vez que está relacionada aos sistemas de responsabilidade, de autoridade e de comunicação. O sistema de responsabilidades refere-se à alocação de atividades inerentes de um determinado setor; o sistema de autoridade refere-se ao direito de fazer algo e pode ser formal ou informal (OLIVEIRA, 2006); e, finalmente, o sistema de comunicação é o processo pelo qual uma determinada mensagem é enviada por um emissor e recebida por um receptor. Nesse cenário, a gestão se dedica a assegurar o sucesso de um empreendimento coletivo. Ou seja, uma vez reunido um grupo e definida uma missão a cumprir, o gestor trabalhará para que os demais sejam bem-sucedidos e o grupo consiga cumprir a missão que se propôs. A gestão, enquanto processo, envolve não só materiais, capitais e pessoas, mas, também, informação. A informação como fator de produção tem vindo a tornar-se de interesse vital na agricultura. Para gerenciar a informação, é necessária a formação de profissionais capazes, não somente de contribuir para organizar e transmitir os conhecimentos gerados, mas ter a competência de criá-los é uma das condições essenciais para a estruturação e o sucesso das propostas de qualquer tipo de organização. Segundo Bufrem (2004), o termo competência, em sua ampla possibilidade de expansão pragmática, relaciona-se com outras tais como aptidão, qualidade legítima ou legitimidade para realização de determinado ato, poder, atribuição ou capacidade objetiva de alguém para agir em determinado campo do conhecimento ou atuação. O profissional da informação deve ter as habilidades e competências, levantadas como necessárias principalmente para o profissional bibliotecário. Tarapanoff (1999, p. 29) destaca as seguintes habilidades necessárias: [...] ser inovador, criativo, líder, comunicador, negociador, empresário, especialista na busca (seletiva) informacional,

18 16 diante da explosão da informação, e especialista em redes (para participar no processo de globalização). Segundo Wah 1 (2000 apud Ferreira 2003), na era da informação, os profissionais da informação são essenciais ao efetivo funcionamento das organizações do conhecimento, ressaltando que esses profissionais ao atenderem prontamente às necessidades de informações críticas, possibilitam que a informação atue como uma vantagem competitiva para essas organizações. Por ter atuado como estagiária na gestão do fluxo informacional de uma empresa agrícola, surgiu o interesse em estudar as competências e habilidades essenciais para ao Profissional da Informação executar suas tarefas com êxito. Portanto, foi necessário conhecer a estrutura organizacional, os fluxos formais e informais para identificar as práticas da gestão da informação, gestão do conhecimento e da inteligência competitiva, que deram suporte para a identificação das competências e habilidades ao Profissional da Informação na execução de suas atividades. O estudo teve como objetivo identificar as competências e habilidades essenciais ao profissional da informação para atuar na gestão do fluxo informacional de uma empresa agrícola, identificar a estrutura organizacional, bem como os fluxos formais e informais e seus principais veículos de informação, analisar a compatibilidade do fluxo informacional e da atuação da Bibliotecária com relação aos princípios de gestão da informação, gestão do conhecimento e inteligência competitiva preconizados na literatura.. A realização desse estudo justificou-se, a partir da observação da Biblioteconomia no que tange à seleção, análise, processo, organização e disseminação (características também, das práticas de Gestão da Informação, Gestão do Conhecimento e Inteligência Competitiva), que estão atreladas ao fluxo informacional da empresa. É possível atentar a preocupação que a Empresa tem em proporcionar práticas de gestão com qualidade para as tomadas de decisão favorecendo na competitividade em relação ao mercado e como conseqüência 1 WAH, L. Muito além de um modismo. HSM Management, São Paulo, n.22, p set./out

19 17 observar a preocupação que os profissionais da informação têm em facilitar a gestão do fluxo informacional para o sucesso corporativo. Dessa forma, o trabalho divide-se em cinco seções: a primeira iniciada por esta parte introdutória e seguida por conceituações que dizem respeito ao tema, como: Empresa agrícola no cenário Brasileiro, Estrutura Organizacional: Fluxos formais e informais, Gestão da Informação nas Organizações, Gestão do Conhecimento, Inteligência Competitiva e Profissional da Informação: Competências e Habilidades. A segunda seção traz uma revisão de literatura que aborda os estudos sobre a aplicabilidade da Gestão no fluxo informacional das Organizações e o papel do profissional da informação nesse fluxo. Na terceira seção foi feita uma apresentação da metodologia utilizada e as razões de sua escolha, caracterização da Instituição e sujeitos da pesquisa, explicando o instrumento para coleta de dados, além de incluir um detalhamento maior das fontes de informação utilizadas na pesquisa. A quarta seção apresenta os resultados da pesquisa realizada e discussão dos dados obtidos. Por fim, na quinta seção, as principais conclusões são apresentadas. 1.1 Mercado Agrícola Segundo Castro Neto e Queiroz (2003, p. 42) uma empresa agrícola é: [...] uma entidade de caráter econômico que tem por finalidade utilizar a capacidade produtiva da superfície do solo, através de um conjunto de meios apropriados que lhe permitam obter com maior abundância e mais economicamente, os produtos da natureza. Porém, a atividade agrícola não se limita somente ao cultivo, colheita e criação, envolve também, o processamento dos produtos, a fim de obter melhor preço. A empresa agrícola pode ser classificada em três categorias diferentes:

20 18 Atividade cultivadora; Atividade zootécnica e Atividade agroindustrial. Portanto, dentre essas categorias, focar-se-á uma empresa agrícola na fabricação de defensivos agrícolas, mais especificamente uma empresa fornecedora de insumos, que segundo Castro Neto e Queiroz (2003) se referem às empresas que têm por finalidade ofertar produtos tais como: sementes, calcário, adubos, herbicidas, fungicidas, máquinas, implementos agrícolas e tecnologias. Dentre os produtos citados por Castro Neto e Queiroz (2003), a empresa em questão fornece os defensivos agrícolas que segundo Alonso (1998, p.298): [...] são produtos e agentes de processos físicos, químicos ou biológicos, destinados ao uso nos setores de produção, no armazenamento e beneficiamento de produtos agrícolas, nas pastagens, na proteção de florestas, nativas ou plantadas, e de outros ecossistemas e de ambientes urbanos, hídricos e indústrias, cuja finalidade seja alterar a composição da fauna ou da flora, a fim de preservá-las da ação danosa de seres vivos considerados nocivos, bem como as substâncias de produtos empregados como desfolhamento, dessecantes, estimuladores e inibidores do crescimento. são: De acordo com Alonso (1998, p.301), as classificações desses defensivos Alvos preferenciais: Inseticidas, herbicidas, fungicidas, acaricidas, rodentinidas. Classe química: Organoclorados, organofosforados, carbamatos, piretróides, triazinas, etc. Toxicidade: Recomendada pela Organização Mundial de Saúde. Baseia-se na dose letal aguda (oral ou dérmica) para ratos. A classificação dos alvos preferências conforme Alonso (1998, p.302) especialidades da empresa em questão são: Herbicidas: são substâncias ou misturas de substâncias destinadas a destruir ou impedir o desenvolvimento de vegetais indesejados, denominados ervas daninhas. Inseticidas: são compostos químicos ou biológicos letais aos insetos e ácaros, em baixas concentrações e podem ser classificados em

21 19 inorgânicos, orgânicos sintéticos, orgânicos naturais e biológicos. Fungicidas: são agentes controladores das doenças causadas por infestações de fungos nos tecidos vegetais. Usualmente o termo fungicida é também empregado para denominação dos agentes usados no controle de patógenos bacterianos e viróticos. Para que seja realizado o desenvolvimento desses defensivos no mercado agrícola, é necessário que o fluxo informacional da empresa caracterizada nesta pesquisa, assim como as práticas de gestão da Informação, gestão do conhecimento e inteligência competitiva, estejam estruturadas e de fácil acesso para que essas informações possam agregar valor à empresa nas tomadas de decisão, gerando lucros e reduzindo despesa. 1.2 Estruturas Organizacionais: Fluxos Formais e Informais Segundo Oliveira (2006), a estrutura organizacional pode ser formal ou informal, sendo a estrutura formal planejada e formalmente representada por meio do organograma institucional. A estrutura informal é constituída pela rede de relacionamentos existentes no espaço corporativo e, neste caso, as lideranças têm papel fundamental, por isso, ela se desenvolve espontaneamente e são dinâmicas. Na mesma linha de pensamento, Valentim (2002) considera que as organizações são formadas por três diferentes ambientes: O primeiro está ligado ao próprio organograma, isto é, as interrelações entre as diferentes unidades de trabalho como diretorias, gerências, divisões, departamentos, setores, seções etc.; o segundo está relacionado a estrutura de recursos humanos, isto é, as relações entre pessoas das diferentes unidades de trabalho e, o terceiro e último, é composto pela estrutura informacional, ou seja, geração de dados, informação e conhecimento pelos dois ambientes anteriores.

22 20 A partir do reconhecimento desses três ambientes pode-se mapear os fluxos informais de informação existentes na organização, assim como pode-se estabelecer fluxos formais de informação para consumo da própria organização. Figura 1. Ambientes organizacionais. Segundo Valentim (2002), na estrutura organizacional existe dois tipos de fluxos informacionais: fluxos formais e fluxos informais. O primeiro refere-se à informação que perpassa formalmente as diferentes unidades de trabalho como diretorias, gerências, divisões, departamentos, setores e seções, por meio de memorandos, atas, relatórios, planilhas e s; o segundo está relacionado à informação gerada e/ou comunicada entre as pessoas, por meio das relações humanas construídas nas diferentes unidades de trabalho.

23 21 Monteiro e Valentim (2007) complementam que: Os fluxos formais podem ocorrer de forma horizontal, transversal e vertical. Os fluxos informacionais horizontais são constituídos por diferentes unidades organizacionais do mesmo nível hierárquico, os fluxos informacionais transversais ocorrem por meio de diferentes unidades organizacionais de diferentes níveis hierárquicos e os fluxos informacionais verticais são construídos por meio de diferentes níveis hierárquicos de uma mesma área organizacional. Ressalta-se que os fluxos ocorrem por meio de interações formalizadas e sistematizadas no ambiente organizacional. Os fluxos informais ocorrem tanto no nível estratégico e tático, quanto no nível operacional e, geralmente, ocorrem em forma de rede de relacionamento, visto que os líderes têm papel fundamental na constituição deste tipo de fluxo, pois são os responsáveis pela dinâmica do fluxo. Destaca-se que este tipo de fluxo é extremamente importante para as organizações voltadas à aprendizagem, portanto deve ser foco do trabalho realizado pela gestão do conhecimento. Contudo, os fluxos tanto formais quanto informais tecem as informações e os conhecimentos no âmbito organizacional. Figura 2. Fluxos formais e informais, adaptado de Monteiro e Valentim (2007).

24 22 A qualidade da informação e do conhecimento gerado na empresa depende da gestão aplicada ao fluxo informacional, mas para isso é necessário entender o que são dados, informação e conhecimento gerados pela empresa. Segundo Gonçalves (2000), no processo decisório, o volume de informações e dados colocados à disposição do decisor deve ser na medida certa. Se este volume for excessivo, os dados e informações pertinentes à solução do problema ficarão inutilizados. Para resolver este problema, é necessário conjugar a informação em uma hierarquia composta por dados, informação, conhecimento e inteligência. Dados compreendem a classe mais baixa de informação e incluem os itens que representam fatos, textos, gráficos, imagens estáticas, sons e vídeos, são sinais que não foram processados, correlacionados, avaliados ou interpretados de qualquer forma. Segundo Moresi (2000), dados representam a matéria-prima a ser utilizada na produção de informações. Segundo Gonçalves (2000), informação, num contexto geral, é a ação ou efeito de informar ou instruir; é o processo de redução de incerteza sobre determinado assunto. Gonçalves (2000) também observa que o valor da informação se deve a características consideradas essenciais na utilização de informações, conforme Davenport (2000, p. 115) as características são as seguintes: Exatidão: a informação deve ser exata; exatidão significa ausência de erros simples na transcrição, coleta e agregação de dados; Oportunidade: na maioria dos casos, a informação só é útil de for atualizada; a definição de oportunidade envolve sempre uma situação específica; Acessibilidade: o acesso envolve não apenas a capacidade de abarcar a informação com as mãos e a mente, mas também estruturar um sistema de informação compreensível e que permita extrair dele o que interessa, sem ter de lidar com montanhas de arquivos indesejáveis; Envolvimento: é o impacto da informação através do formato, meio usado, apresentação e outros métodos; Aplicabilidade: a informação é aplicável quando pode ser diretamente utilizada para solucionar problemas ou apoiar decisões de negócios, sem que isso envolva mais análises e rearranjo de dados;

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 Heide Miranda da SILVA 2 RESUMO As exigências do mercado atual somadas aos avanços das tecnologias de informação

Leia mais

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Gestão de TI Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Aula passada... CRM BI - Introdução Sistemas Interorganizacionais 17:08 2 Aula de hoje... Gestão do Conhecimento 17:08 3 85% dos ativos de conhecimento

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Recursos Humanos 2011-1 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO LIDERANÇA AUTOCRÁTICA: O RELACIONAMENTO

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Dado Informação Conhecimento Sistemas de Informação DADO O DADO consiste

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial

SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial Rosângela de Fátima Stankowitz Penteado-(UTFPR) zanza2007@gmail.com João Luiz Kovaleski - (UTFPR) kovaleski@utfpr.edu.br Resumo: O presente trabalho

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

O conceito de organizações de aprendizagem em uma empresa de telefonia móvel

O conceito de organizações de aprendizagem em uma empresa de telefonia móvel Andre dos Santos Souza O conceito de organizações de aprendizagem em uma empresa de telefonia móvel Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Administração de Empresas

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Prof.ª Giselle Reis Brandão IEC - PUC Minas ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES: ADM. DE RECURSOS HUMANOS: As pessoas vistas como recursos, no sentido de instrumentos, meios para

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações.

Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações. Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações. Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira Salvador, 2013 Conhecimento Organizacional 2 A Produção

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Pós-Graduação Gestão Estratégica de Empresas e Negócios Gestão do Conhecimento Trabalho desenvolvido pelos alunos da turma GEEN 0535, do curso de Gestão Estratégica de Empresas e Negócios, para a disciplina

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD GESTÃO DA INFORMAÇÃO ALINHADA À INOVAÇÃO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE EMPRESAS RESIDENTES E GRADUADAS NA INCUBADORA ITFETEP Liandra Pereira

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

VANTAGEM ESTRATÉGICA. Assunto: Administração do Conhecimento

VANTAGEM ESTRATÉGICA. Assunto: Administração do Conhecimento 1 VANTAGEM ESTRATÉGICA Assunto: Administração do Conhecimento Objetivos do capítulo: 1. Explicar como os sistemas de administração do conhecimento podem ajudar na iniciativa de construir uma empresa geradora

Leia mais

Gestão do Conhecimento Case Documentar

Gestão do Conhecimento Case Documentar Gestão do Conhecimento Case Documentar GESTÃO DO CONHECIMENTO CASE DOCUMENTAR Empresa: Documentar Tecnologia e Informação Localização: R. Barão de Macaúbas 460 20º Andar Santo Antônio BH/MG Segmento: Tecnologia,

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO OconceitodeGestãodoConhecimentosurgiunoinício da década de 90 e, segundo SVEIBY (1998, p. 3), a Gestão do Conhecimento não é mais uma moda de eficiência operacional. Faz parte da

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Viviane Maravieski Pereira (UTFPR) vivimaravieski@hotmail.com Isaura Alberton de Lima (UTFPR) alberton@cefetpr.br Resumo: Este artigo

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO SUPORTE À GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO NA PEQUENA EMPRESA

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO SUPORTE À GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO NA PEQUENA EMPRESA A tecnologia da informação como suporte à gestão estratégica da informação na pequena empresa 1 Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação Journal of Information Systems and Technology Management

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

1: FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

1: FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES 1: FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES 1 Os sistemas de informação (SI) utilizam hardware, software, redes de telecomunicações, técnicas de administração de dados computadorizadas e outras formas de

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social.

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social. PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA UNICENTRO, PROVARS: COMPARTILHANDO CONHECIMENTOS PARA A EFETIVAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. RESUMO: O presente trabalho pretendeu verificar

Leia mais

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO)

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) Curso de MBA Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) 1 2 SUMÁRIO 4. FORMATO. 5. CONCEPÇÃO. 7. OBJETIVO. 7. PÚBLICO ALVO. 8. DIFERENCIAIS INOVADORES

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências Apresentação Gestão de Pessoas por Competências POR QUE GESTÃO POR COMPETÊNCIAS? Empresas e Organizações Gestão das Finanças Gestão de Marketing Gestão de Produção Gestão de Distribuição Gestão de Controle

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social Não há dúvidas de que as tecnologias sociais têm um impacto substancial no modo como as empresas funcionam atualmente.

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS - GRADUAÇÃO NPGA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL AVANÇADA - CPA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM CRISTIANE MORATTO FÉLIX DE FREITAS Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas

Leia mais

O PROCESSO DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA ORGANIZACIONAL E AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNI- CAÇÃO

O PROCESSO DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA ORGANIZACIONAL E AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNI- CAÇÃO Revista de Ciências Gerenciais Vol. XII, Nº. 14, Ano 2008 O PROCESSO DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA ORGANIZACIONAL E AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNI- CAÇÃO Rodrigo Rodrigues Faculdade Anhanguera de

Leia mais

Ontologia para Gestão de Competências dos Profissionais em Tecnologia da Informação

Ontologia para Gestão de Competências dos Profissionais em Tecnologia da Informação Ontologia para Gestão de Competências dos Profissionais em Tecnologia da Informação Paulo Roberto Corrêa Leão; Káthia M. Oliveira; Eduardo A. D. Moresi Universidade Católica de Brasília (UCB) SGAN 916

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: PMBAIE*08/00 Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA As grandes questões emergentes que permeiam o cenário organizacional exigem

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Gestão

Leia mais

GESTÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO, SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E NORMALIZAÇÃO: diferentes perspectivas para unidades de informação 1

GESTÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO, SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E NORMALIZAÇÃO: diferentes perspectivas para unidades de informação 1 1 GESTÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO, SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E NORMALIZAÇÃO: diferentes perspectivas para unidades de informação 1 Gianfrancesco Ranieri D. A. Freire* Krishna Lima** Leandro Allan

Leia mais

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS)

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Fundação Dom Cabral Ritual de Passagem: A Educação de Lideranças para a Sustentabilidade INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO ALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Prof. Raimundo Soares

Leia mais

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS PROFESSOR Edmundo Tork APOSTILA 3 TURMA: EMPRESA E SISTEMA 5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 2 EMPRESA COMO SISTEMA E SEUS SUBSISTEMAS

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Módulo V. Conhecimento

Módulo V. Conhecimento Módulo V Conhecimento "Não confunda jamais conhecimento com sabedoria. Um o ajuda a ganhar a vida; o outro a construir uma vida. Sandra Carey MÓDULO 5 CONHECIMENTO 5.1 Gestão do Conhecimento A Gestão do

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

INFORMAÇÃO ORGÂNICA COMO INSUMO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL

INFORMAÇÃO ORGÂNICA COMO INSUMO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL INFORMAÇÃO ORGÂNICA COMO INSUMO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL 1 LOUSADA, Mariana marianalousada@hotmail.com 2 VALENTIM, Marta Lígia Pomim valentim@marilia.unesp.br Resumo: O foco desta pesquisa

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Modelo de Questionário de Desligamento

Modelo de Questionário de Desligamento RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Planejamento Recrutamento Seleção Integração 1ª Etapa Surgimento de uma vaga - Dispensas do empregador (demissões); - Pedidos de demissão (saídas voluntárias demissionários); - Mortes;

Leia mais

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES Ednilson Zanini 1 O serviço logístico tornou-se uma ferramenta importante para o desenvolvimento de relacionamentos

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO.

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO THE COMPUTING IN ADMINISTRATION Heber Ridão Silva * Leônidas da Silva JosuéAmaral Fabio Ferreira Paula Sergio Peter Albertini Aparecida Vanif.Gaion

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

A importância da estratégia para mapear mercados e concorrentes. Inteligência competitiva como uma alternativa

A importância da estratégia para mapear mercados e concorrentes. Inteligência competitiva como uma alternativa A importância da estratégia para mapear mercados e concorrentes. Inteligência competitiva como uma alternativa Luiz Rogério S. Santos Empreendedor de Negócios e Marketing Corporativo Sábia Experience www.sabiax.com.br

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO DE ARQUIVO: O ARQUIVISTA FRENTE AOS DESAFIOS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO DE ARQUIVO: O ARQUIVISTA FRENTE AOS DESAFIOS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO DE ARQUIVO: O ARQUIVISTA FRENTE AOS DESAFIOS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Andresa Léia de Andrade 1 e Daniela Pereira dos Reis de Almeida 2 1 Aluna do Curso de Arquivologia

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PRODUTO CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM SERVIÇOS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PROCESSOS ÍNDICE INTRODUÇÃO 03 PARA PREENCHIMENTO

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação IFTI1402 T25 A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS Marcelo Eustáquio dos Santos

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

APLICAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO AUMENTO DA COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

APLICAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO AUMENTO DA COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL APLICAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO AUMENTO DA COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL Fábio Augusto Aquino Gonçalves 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo Cesar Ribeiro Quintairos 3, Edson Aparecida de Araújo Querido

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)?

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Divulgação Portal - METROCAMP Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Torne se um Trabalhador de Conhecimento (Kowledge Worker) de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br

Leia mais

Inteligência Competitiva II

Inteligência Competitiva II Inteligência Competitiva II P R O F A L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Contexto de Surgimento Tomada de

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO. Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior

A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO. Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior Resumo: Diante da sociedade do conhecimento na qual vive, torna-se

Leia mais