Roteiro de Inspeção para Terapia de Nutrição Enteral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Roteiro de Inspeção para Terapia de Nutrição Enteral"

Transcrição

1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE EQUIPE DE VIGILÂNCIA DE SERVIÇOS E PRODUTOS DE INTERESSE À SAÚDE Roteiro de Inspeção para Terapia de Nutrição Enteral A) IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E INSPEÇÃO DAS ATIVIDADES DA EMTN 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 1.1 RAZÃO SOCIAL: 1.2 C.G.C.: 1.3 NOME FANTASIA: 1.4 ENDEREÇO: CEP: BAIRRO: FONE: FAX: E.MAIL: 1.5 A empresa é uma : ( ) Unidade Hospitalar (UH) ; ( ) Empresa Prestadora de Bens e Serviços (EPBS) 1.6 A utilização da TNE é: ( ) Sistemática ( ) Eventual Se eventual, descreva a alternativa de atuação: 1.7 O sistema de TNE utilizado é: ( ) aberto ( ) fechado ( ) ambos Observações: 2. INSPECÃO DAS ATIVIDADES DA EMTN Roteiro de Inspeção Itens avaliados na inspeção (características do serviço) Classificação de risco Avaliação do Risco:Imprescindí vel, Necessário ou Recomendável Respostas possíveis. A adequação do estabelecimento deve ser Sim, o estabelecimento cumpriu o item, atendeu ao que era desejado compatível com as respostas Não, o estabelecimento não cumpriu o item, não atendeu ao que era esperado 2.1 A UH/EPBS conta com área para preparação de NE? INF 2.2 A UH/EPBS conta com uma EMTN, formalmente constituída? I 2.3 Qual a composição da EMTN? (indique o número de cada categoria) ( ) Coordenador Clinico ( ) Coordenador Técnico INF Administrativo ( )Médico ( ) Nutricionista ( ) Enfermeiro ( ) Farmacêutico ( ) Outros, especificar. 2.4 Os membros da EMTN possuem título de especialista relacionado à TN, mestrado, doutorado ou treinamento específico? INF 2.5 Qual a periodicidade com que se reune a EMTN? INF 2.6 Existem registros formais das reuniões da EMTN? I

2 2.7 A UH contrata EPBS? (Se negativo, passar para o item 2.9) INF 2.8 Qual(is) a(s) EPBS contratada(s) pela UH? A ATIVIDADES DA EMTN NOME: ENDEREÇO: B ATIVIDADES DE PREPARO DA NE : NOME: ENDEREÇO: 2.9 Responsáveis na Unidade Hospitalar/EPBS: INF Diretor Clínico: Diretor Técnico: Coord.Tec.Adm. da EMTN : Coord.Clinico da EMTN: Nutricionista Responsável: Enfermeiro Responsável: Farmacêutico Responsável: 2.10 Existem protocolos para: I Procedimentos Médicos? Procedimentos dos Nutricionistas? Procedimentos dos Enfermeiros? Procedimentos dos Farmacêuticos? Outros? 2.11 A EMTN oferece programa de Educação Continuada para os profissionais envolvidos na TNE? N 2.12 Existem registros dos programas realizados? N 2.13 O Coordenador Técnico Administrativo padroniza os indicadores de qualidade para a TNE? N Quais os indicadores de Qualidade padronizados? INF 2.14 Os desvios de qualidade são devidamente investigados e documentados pelo Coordenador Clínico? I 2.15 São estabelecidas ações corretivas para os desvios de qualidade? I Existem registros? I 2.16 O Coordenador Clínico assegura a atualização técnico-cientifica da EMTN? N Como? INF Com que frequência? INF 2.17 Existem outros médicos, que não da EMTN, que prescrevem TNE? INF 2.18 Existem registros das prescrições médicas? I 2.19 Existe protocolo estabelecido para acesso ao trato gastrointestinal para a TNE? I Existem registros da realização deste procedimento e de suas complicações? I 2.10 Existem registros da evolução médica dos pacientes submetidos à TNE? N 2.21 Existem registros dos resultados de exames complementares realizados para o acompanhamento dos pacientes em TNE? N 2.22 Existem registros da avaliação nutricional dos pacientes em TN? I B) ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA A PREPARAÇÃO DE NUTRIÇÃO ENTERAL 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 1.1 RAZÃO SOCIAL: 1.2 C.G.C.: 1.3 NOME FANTASIA:

3 1.4 ENDEREÇO: CEP: BAIRRO: FONE: FAX: E.MAIL: 1.5 LICENÇA DE FUNCIONAMENTO Nº: Encontra-se afixado em local vísível? ( ) SIM ( ) NÃO 1.6 RESPONSÁVEL TÉCNICO: CR Nº: ( ) PRESENTE ( ) AUSENTE 1.7 FILIAL (FILIAIS) COM A MESMA ATIVIDADE? ( ) Sim ( ) Não 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2.1 Os arredores da área de preparação da N.E estão limpos e apresentam boa conservação? R 2.2 Há ausência de fontes de poluição ou contaminação ambiental (lixo, objetos em desuso), próximos a esta área? R 2.3 Existe proteção (portas com molas e proteção inferior, janelas com telas milimétricas) contra a entrada de roedores, insetos, N aves e outros animais? 2.4 Existe programa formal de sanitização, desratização e desinsetização? R Qual a periodicidade? INF Existem registros da realização da sanitização, desratização e desintetização? N 2.5 Os esgotos e encanamentos estão em bom estado? N 2.6 Existem sanitários em quantidade suficiente? R Estão limpos? R 2.7 Nº de funcionários: (M) (F) INF Qual a formação profissional dos funcionários? INF 2.8 São realizados treinamentos dos funcionários? N Existem registros? N 2.9 As atribuições e responsabilidades estão formalmente descritas e são entendidas pelos envolvidos? N 2.10 Os funcionários são submetidos a exames médicos periódicos? N Qual a periodicidade? INF Existem registros? N 2.11 Há ausência de enfermidades ou feridas expostas? I 2.12 Os funcionários estão com uniformes fechados, sapato fechado e gorro que proteja todo o cabelo? N Os uniformes estão rigorosamente limpos e em boas condições de conservação? N 2.13 As instalações elétricas estão em bom estado de conservação, segurança e uso? R 2.14 Existem equipamentos de segurança para combater incêndios? R Os extintores estão dentro do prazo de validade? R O acesso aos extintores e mangueiras está livre? R 2.15 Observações: 3. RECEBIMENTO DA PRESCRIÇÃO DIETÉTICA 3.1 A preparação da NE é feita somente sob prescrição dietética? I Quais os mecanismos de recebimento das prescrições? INF 3.2 Existe um sistema de Registro Geral das prescrições médicas? I Todas as prescrições estão devidamente registradas? I Observações 4. ARMAZENAMENTO 4.1 A área de armazenamento tem capacidade suficiente para assegurar a estocagem ordenada e racional das diversas categorias R de materiais? 4.2 A área oferece condições de temperatura adequada para o armazenamento de materiais? N Existe controle de temperatura e umidade? N Existem registros? R 4.3 O piso é liso, resistente e de fácil limpeza? R O estado de higiene e conservação do piso é bom, sem buracos e rachaduras? R

4 4.4 As paredes estão bem conservadas? R 4.5 O teto está em boas condições? R 4.6 O setor está limpo? R 4.7 A ventilação é suficiente e adequada? R 4.8 A iluminação do local é suficiente (sem reflexos fortes, ofuscamento, sombras) e as luminárias estão limpas e com proteção? R 4.9 Há necessidade de câmara frigorífica e/ ou geladeira? INF A câmara frigorífica e/ou geladeira é mantida limpa, sem acúmulo de gelo? R Existe controle e registro de temperatura? N Qual a frequencia? INF 4.10 Os materiais estão armazenados afastados do piso e paredes, facilitando a limpeza? R 4.11 Existe local segregado para estocagem dos materiais reprovados, recolhidos para posterior devolução ou inutilização? N Os materiais reprovados na inspeção de recebimento são rejeitados e inutilizados? N Existem registros? N 4.12 Existem recipientes com tampa para lixo? R Estão devidamente identificados? R 4.13 A procedência dos materiais provem de fornecedores que atendem os critérios de qualidade? N Os materiais são inspecionados quando do seu recebimento? N Os materiais estão devidamente identificados? N Os materiais estão dentro do prazo de validade? I 4.14 Os materiais são acompanhados dos respectivos laudos de análises dos fornecedores, devidamente assinados pelos seus I responsáveis? 4.15 O uso dos materiais obedecem a ordem PEPS (primeiro a entrar, primeiro a sair)? R 4.16 O nutricionista e/ou o farmacêutico participa(m) do processo de padronização de materiais de embalagem? R 4.17 O nutricionista e/ou o farmacêutico participa do processo de licitação e aquisição de materiais? R 4.18 Existem procedimentos operacionais escritos para as atividades do setor? R Existem registros? R Observações: 5. ÁGUA 5.1. A instalação de água potável é construida de material que facilite a limpeza e evite infiltrações? N 5.2. É procedida limpeza do reservatório de água potável? N Qual a periodicidade? INF Existem procedimentos escritos para limpeza do reservatório de água potável? R Existem registros das limpezas efetuadas? N 5.3. São realizados controles bacteriológicos da água potável? N Qual a periodicidade? INF Existem registros? N 5.4. Observações: 6.PREPARAÇÃO 6.1 As áreas destinadas à preparação da NE são adequadas e suficientes ao desenvolvimento das operações, dispondo de todos os INF equipamentos de forma organizada e racional? 6.2 A circulação de pessoal nestas áreas é restrita? N 6.3 A área destinada à preparação da NE possui: ( )Área de limpeza e higienização de materiais ( )Vestiário (ante-sala) ( )Área de manipulação ( )Área de rotulagem I 6.4 As janelas e ou visores existentes nos diversos setores da área de preparação estão perfeitamente vedados? N

5 6.5 Observações: 7. LIMPEZA E HIGIENIZAÇÃO 7.1 Existe local próprio para limpeza e higienização de materiais? N Está localizado anexo à área de manipulação? N 7.2 O piso é liso, resistente e de fácil limpeza? R O estado de higiene e conservação do piso é bom, sem buracos e rachaduras? R 7.3 As paredes e o teto são de cor clara, lisas e estão em bom estado de conservação? R 7.4 A iluminação é suficiente (sem reflexos fortes, ofuscamento, sombras) e com luminárias limpas e protegidas? N 7.5 A ventilação é suficiente e adequada garantindo o conforto térmico? N 7.6 Existem ralos? INF São sifonados? N 7.7 Dispõe de meios e equipamentos para limpeza prévia das embalagens dos materiais? N 7.8 Os produtos utilizados para assepsia dos materiais obedecem às especificações do Ministério da Saúde? N 7.9 Existem procedimentos escritos para higienização dos materiais? R 7.10 Os procedimentos de higienização garantem a assepsia e mantém a qualidade dos materiais? N 7.11 Existe sistema de inspeção visual para revisão dos materiais? N 7.12 A transferência dos materiais para a área de manipulação da NE se realiza em condições de segurança, atendendo às N especificações da RDC 63? 7.13 Existe recipiente para lixo? R Os recipientes estão limpos e dotados de tampa? R 7.14 Observações 8. VESTIÁRIO (ANTE SALA) 8.1 As áreas destinadas a vestiário são adequadas e suficientes para a troca dos uniformes? INF 8.2 O piso é liso, resistente e de fácil limpeza? N O estado de higiene e conservação do piso é bom, sem buracos e rachaduras? N 8.3 As paredes e o teto são de cor clara, lisas e estão em bom estado de conservação? N 8.4 A ventilação é suficiente e adequada? N 8.5 A iluminação é suficiente e adequada? N 8.6 Existem procedimentos escritos para a paramentação e higienização das mãos? R 8.7 Equipamentos Existentes: a.( )Pia e torneira INF ( )Sem pedal ( )Com pedal ( )Com alavanca para cotovelo ( )Com célula foto elétrica b.( ) Dispensadores para degermantes c.( ) Toalhas descartáveis d. ( )Secador a ar e.( ) Armários para guardar uniformes limpos/esterilizados f. ( )Cesto para despejo de roupas usadas g.( ) Outro: Especificar: 8.8 Observações: 9. MANIPULAÇÃO E ACONDICIONAMENTO 9.1 As condições da área são condizentes com o volume das operações realizadas por turno de trabalho? INF 9.2 O piso é liso, resistente e de fácil limpeza? R Existem ralos? INF São sifonados? INF O estado de higiene e conservação do piso é bom, sem buracos e rachaduras? R

6 9.4 As paredes e teto são de cor clara, lisas, impermeáveis e resistentes aos agentes sanitizantes e possuem ângulos abaulados? R 9.5 A iluminação é suficiente (sem reflexos fortes, ofuscamento, sombras) e com luminárias limpas e protegidas? N 9.6 A ventilação do local é suficiente e adequada garantindo o conforto térmico? N O local é utilizado para manipulação e/ ou fracionamento de outras preparações? INF Quais? INF 9.7 O manipulador confere cuidadosamente a identificação do paciente e sua correspondência com a prescrição antes e após a sua I manipulação? 9.8 Existe programa de controle ambiental (ar, superfície e pessoas)? N Com que frequência é realizado este controle? INF Existem registros? N 9.9 Os manipuladores estão devidamente uniformizados? N Os uniformes são confeccionados de tecido que não liberam partículas? N Qual a frequência de troca dos uniformes? INF Os funcionários apresentam-se com unhas aparadas, sem esmalte e adornos? N 9.10 Existem procedimentos escritos para garantir que a entrada dos materiais na sala de manipulação seja realizada de forma N segura? 9.11 Existem procedimentos escritos para a limpeza da área? N Existem registros? N 9.12 Os recipientes utilizados para acondicionamento da NE atendem às especificações da legislação? I 9.13 Os rótulos apresentam todas as informações exigidas pela legislação? I 9.14 Existem procedimentos escritos que garantam o acondicionamento da NE de maneira segura? N 9.15 O acondicionamento da NE já rotulada atende às especificações da legislação? N 9.16 São realizados controles para verificar se a NE foi preparada conforme prescrição? INF Quais os controles realizados? I 9.17 Observações: 10.CONSERVAÇÃO E TRANSPORTE 10.1 Existem procedimentos operacionais escritos para conservação e transporte da NE? N 10.2 Existe refrigerador, exclusivo com termômetro para conservação da NE até o momento do seu transporte? I Existem registros do controle sistemático da temperatura? N 10.3 As condições de acondicionamento para o transporte da NE estão validadas? I Existem registros? N 10.4 Os recipientes utilizados para o transporte da NE garantem a manutenção da temperatura dentro da faixa pré estabelecida (2 a I 8 ºC)? 10.5 A NE durante o transporte se mantém protegida das intempéries e da incidência direta da luz solar? I 10.6 Observações: 11. GARANTIA DA QUALIDADE 11.1 A UND da UH ou EPBS possui um sistema de Garantia da Qualidade implantado, com base nas diretrizes das BPPNE? N 11.2 Os procedimentos operacionais para todas as operações críticas da preparação e de controle de qualidade da NE estão N padronizados? 11.3 São realizadas auditorias internas? N Com que frequência? INF Existem registros? N 11.4 Existe um programa de treinamento para todos os funcionários? N Existem registros? N 11.5 Os pontos críticos do processo são periodicamente validados? N Existem registros? N 11.6 A documentação referente à preparação da NE são arquivadas ordenadamente durante 5 anos? N

7 11.7 A documentação existente possibilita o rastreamento para investigação de qualquer suspeita de desvio de qualidade da NE? N 11.8 Existem registros de reclamações referentes a desvios de qualidade da NE? N Existem registros das investigações bem como das ações corretivas? N As conclusões das investigações são transmitidas por escrito ao reclamante? INF 11.9 Observações: 12. CONTROLE DE QUALIDADE 12.1 Existe laboratório de Controle de Qualidade no estabelecimento? INF 12.2 A empresa realiza ensaios específicos com terceiros? INF Quais? INF Com quem? INF Existem registros? N 12.3 O Controle de Qualidade possui pessoal técnico qualificado para exercer a função? N 12.4 Existem procedimentos operacionais escritos para o setor? N 12.5 O Controle de Qualidade está equipado com aparelhos adequados para executar as análises necessárias? N 12.6 Existe programa de limpeza e manutenção periódica de equipamentos e aparelhos? N 12.7 Existem especificações escritas para a aquisição dos insumos e materiais de embalagem? N A especificação exige o fornecimento do certificado de análise dos insumos e materiais de embalagem? N 12.8 O controle de Qualidade monitora o cumprimento dos procedimentos de limpeza, higienização e sanitização da preparação da N NE? 12.9 São realizadas análises nas NEs preparadas? N Qual a metodologia adotada? INF Existem registros? N Amostras de contra-prova de cada NE manipulada são conservadas sob refrigeração à temperatura de até 4º C por 72 horas N após o seu prazo de validade? Existem procedimentos operacionais escritos? R Observações: C ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA ATIVIDADES DE ADMINISTRAÇÃO DE NUTRIÇÃO ENTERAL 1. IDENTIFICAÇÃO DO LOCAL DAS ATIVIDADES DE ADMINISTRAÇÃO DA NUTRIÇÃO ENTERAL Quais setores do hospital possuem pacientes em terapia de nutrição enteral? N de leitos : N.º de enfermeiros : N de técnicos de enfermagem: N de auxiliares de enfermagem : RESPONSÁVEL TÉCNICO: Registro profissional_ Nº 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2.1 A NE é administrada sob a responsabilidade do Enfermeiro? I 2.2 Se não é administrada por Enfermeiro, indique quem administra: INF 2.3 Tem Enfermeiro de plantão quando da administração da NE? I

8 2.3.1 Em período: ( ) PARCIAL ( ) TOTAL INF 2.4 Existe disponibilidade do Enfermeiro Responsável pelo atendimento ao paciente em NE domiciliar? I De que forma? ( ) Visitas ( ) Telefone ( ) BIP INF 2.5 O Enfermeiro participa do processo de seleção, padronização, licitação e aquisição de equipamentos e materiais para a administração e controle da NE? N 2.6 Há treinamento inicial e contínuo voltado para a administração da NE e utilização de bombas infusoras? N Qual a periodicidade do treinamento? INF O treinamento segue uma programação preestabelecida? R Há registros do treinamento? R 2.7 Existe manual de procedimentos para a administração da NE atualizado? N O manual de procedimentos está disponível para consulta imediata por todos os funcionários? N 2.8 Na admissão dos funcionários são realizados exames médicos e laboratoriais? N Esses exames são repetidos com que periodicidade? INF Existem registros desses exames? N 2.9 Os funcionários estão uniformizados? N Os uniformes estão limpos e em boas condições? N 2.10 Há lavatórios em número suficiente? INF Existe sabão, papel toalha ou aparelho de ar para secagem das mãos disponíveis e em quantidade suficiente? N Existe folheto ilustrativo ou recomendação para lavagem das mãos próximo às pias? R 2.11 Ausência de jóias ou relógio nos funcionários? N 2.12 Os funcionários usam gorro e máscara no manuseio da NE? N 2.13 São utilizadas bombas de infusão na administração da NE? R As bombas de infusão são adequadas à administração da NE? R Existe procedimento escrito de limpeza e desinfecção das bombas de infusão? N Há registros dessas operações? N As bombas de infusão apresentam etiqueta indicando as datas da última e da próxima calibração? N Existe um programa por escrito de manutenção das bombas de infusão de forma: ( ) Preventiva ( ) Corretiva R As bombas de infusão são submetidas à manutenção períodica? N Quem realiza a manutenção das bombas de infusão? ( )HOSPITAL ( )FORNECEDOR ( )TERCEIRIZADO INF Há registros da manutenção? N Existem procedimentos escritos da operacionalização das bombas de infusão? N Há fornecimento constante e em número suficiente de equipos adequados para as bombas de infusão? 2.14 É realizada orientação ao paciente, família ou responsável legal? R A orientação é realizada de forma: ( ) Verbal ( ) Escrita INF 2.15 Local de realização do acesso do trato gastrointestinal? ( )CENTRO CIRÚRGICO ( )ENFERMARIA ( )UTI ( )OUTRO. QUAL? INF Existe material de reanimação para caso de emergência? I O material encontra-se em local de fácil acesso? N O material está limpo e em condições de uso? I 2.17 A unidade de radiologia é de fácil acesso? R 2.18 Existe horário estabelecido para a entrega das prescrições na UND? R

9 2.19 Quando do recebimento da NE da UND, são observados: ( )INTEGRIDADE DA EMBALAGEM ( )PRESENÇA DE PARTÍCULAS ESTRANHAS À NE ( )NOME DO PACIENTE/Nº DO LEITO ( )COMPOSIÇÃO E VOLUME TOTAL DA NE ( )PRAZO DE VALIDADE DA NE ( )RECOMENDAÇÕES ESPECÍFICAS ( )OUTRO. QUAL? I Quando observada qualquer anormalidade, no recebimento da NE, qual o procedimento adotado? INF 2.20 Quando não usada imediatamente, a NE é conservada em geladeira exclusiva para medicamentos? I Existe controle e registro sistemático de temperatura da geladeira? I A geladeira encontra-se limpa, sem acúmulo de gelo e em boas condições de conservação? N Existe procedimento escrito de limpeza e desinfecção da geladeira? R 2.21 O local de manuseio da NE está em boas condições de conservação, organização e limpeza? N Há procedimento escrito para limpeza e desinfecção da área e do local de manuseio da NE? N 2.22 Quando da administração da NE, são observados: ( )INTEGRIDADE DA EMBALAGEM ( )PRESENÇA DE PARTÍCULAS ESTRANHAS À NE ( )NOME DO PACIENTE/Nº DO LEITO ( )COMPOSIÇÃO E VOLUME TOTAL DA NE ( )PRAZO DE VALIDADE DA NE ( )RECOMENDAÇÕES ESPECÍFICAS ( )OUTRO. QUAL? I 2.23 A NE está protegida da incidência direta de luz? N 2.24 A NE é protegida das fontes geradoras de calor durante a sua administração? N 2.25 A via de acesso é exclusiva para administração da NE? N Em casos excepcionais, a autorização para utilização da via de acesso da NE é: ( )VERBAL ( )ESCRITA INF 2.26 A NE é administrada diretamente do seu recipiente de origem? I 2.27 É realizada desinfecção nas conexões da sonda na troca do equipo? I 2.28 A desinfecção é realizada com que solução? INF 2.29 Há registros de todo o processo de administração da NE? N 2.30 É realizado o controle clínico e laboratorial no paciente em NE? I Quais? ( ) Peso ( ) Sinais vitais ( )Pressão arterial ( ) Glicemia capilar ( ) Glicosúria ( )Balanço hídrico INF 2.31 Os exames clínicos e laboratoriais são realizados em tempo hábil? N 2.32 Há registros de todo o processo de administração da NE? N Quais os impressos utilizados? ( ) Ficha de Evolução de Enfermagem ( ) Livro de Relatório de Enfermagem ( ) Ficha de Balanço Hídrico ( ) Outros. Quais? INF

10 2.33 Há registros dos exames clínicos e laboratoriais? I 2.34 É realizada avaliação do paciente antes da interrupção/suspensão da TN? N 2.35 Há registros da avaliação realizada? N 4. OBSERVAÇÕES: 5. CONCLUSÕES: Local e Data: Identidificação e Assinatura :

11 adequação do estabelecimento deve ser atível com as respostas NA (Não se aplica) - esse item não é avaliado no estabelecimento em questão.

12

13

14

15

16

17

18

19

20

FARMÁCIAS E DROGARIAS

FARMÁCIAS E DROGARIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE FARMÁCIAS E DROGARIAS Nome Fantasia: Razão Social: Endereço: Responsável Técnico: CRF: Telefone: CNPJ: Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana - Av. João Durval

Leia mais

O Secretário Municipal de Saúde e Gestor do Sistema Único de Saúde de Belo Horizonte SUS/BH, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

O Secretário Municipal de Saúde e Gestor do Sistema Único de Saúde de Belo Horizonte SUS/BH, no uso de suas atribuições legais, e considerando: Portaria SMSA-SUS/BH nº 066/99 Dispõe sobre os requisitos mínimos a serem exigidos dos Estabelecimentos de Assistência à Saúde/Unidades Hospitalares e Empresas Prestadoras de Bens e/ou Serviços sediados

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO A - IDENTIFICAÇÃO DA OM 1-NOME 2- TELEFONE: 3- ENDEREÇO : 4- E- MAIL: 5- BAIRRO : 6- CIDADE

Leia mais

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ANEXO II REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS PECUÁRIOS ROTEIRO DE INSPEÇÃO DAS BOAS

Leia mais

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária Secretária Nutricionista Gerente Nutricionista Planejamento

Leia mais

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional GOVERO DO ETADO DO RIO DE JAEIRO ECRETARIA DE ETADO DE AÚDE COORDEAÇÃO DE FICALIZAÇÃO AITÁRIA CARACTERIZAÇÃO Roteiro de Inspeção LACTÁRIO úmero de funcionários úmero de nutricionistas Responsável técnico:

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Responsável Legal: CPF: Responsável Técnico: CPF: CR : 2. Inspeção Data: Objetivo:

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA FARMÁCIA HOSPITALAR

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA FARMÁCIA HOSPITALAR GOVERO DO ETADO DO RIO DE JAEIRO ECRETARIA DE ETADO DE AÚDE COORDEAÇÃO DE FICALIZAÇÃO AITÁRIA ROTEIRO DE IPEÇÃO PARA FARMÁCIA HOPITALAR ome do estabelecimento: ome dos Inspetores / Matrícula / Carimbo:

Leia mais

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Neste formulário estão as exigências mínimas para a instalação e funcionamento de uma Cozinha Industrial. Devem ser observados demais critérios

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO FÁBRICA DE PALMITO EM CONSERVA Resolução RDC 18/99, RDCn 81/03, Res. 07/00. Port.n 04/99 Res. 326/99

ROTEIRO DE INSPEÇÃO FÁBRICA DE PALMITO EM CONSERVA Resolução RDC 18/99, RDCn 81/03, Res. 07/00. Port.n 04/99 Res. 326/99 SECETAA MUCPAL SAUDE Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de nteresse da Saúde Subgerência de Alimentos OTEO DE SPEÇÃO FÁBCA DE PALMTO EM COSEVA esolução DC 18/99, DCn 81/03,

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

FUMSSAR - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTA ROSA DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

FUMSSAR - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTA ROSA DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA QUIMIOTERAPIA R E N O V A Ç Ã O PARA SOLICITAR A RENOVAÇÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO: Juntar os seguintes documentos: 1. Requerimento com os dados do estabelecimento (razão social, endereço, CNPJ,) dirigido

Leia mais

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Produtos Para a Saúde, Saneantes Domissanitários e Cosméticos Roteiro

Leia mais

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Saúde Ambiental Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS Razão Social: CGC/CNPJ/CPF:

Leia mais

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal RELATÓRIO DE INSPEÇÃO VERIFICAÇÃO DO ATENDIMENTO ÀS DISPOSIÇÕES DA RDC n 67/07 2ª ETAPA DO CURSO DE CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA INSPEÇÃO EM FARMÁCIAS 1. IDENTIFICAÇÃO DA FARMÁCIA: 1.1. Razão Social:

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI

AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI Sylvia Elisabeth Sanner - Nutricionista PMSP SMS - CRSSul STS Santo Amaro/Cidade Ademar SUVIS Santo Amaro/Cidade Ademar Vigilância Sanitária VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divide-se

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

ROTEIRO DE AUTO-INSPEÇÃO E INSPEÇÃO Clínicas e/ou Consultórios

ROTEIRO DE AUTO-INSPEÇÃO E INSPEÇÃO Clínicas e/ou Consultórios SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA, FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA E CONTROLE DE ZOONOSES ROTEIRO DE AUTO-INSPEÇÃO E INSPEÇÃO Clínicas e/ou Consultórios 1 IDENTIFICAÇÃO 1.1

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Endereço: AP: Nome Fantasia: Inscrição Municipal: Nº do Processo: CNPJ: Tipo de Serviço: ( ) Municipal ( ) Filantrópico ( ) Conveniado SUS RJ ( ) Privado ( ) Estadual

Leia mais

ANEXO V ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE INTERNAÇÃO E HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DIA

ANEXO V ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE INTERNAÇÃO E HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DIA ANEXO V ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE INTERNAÇÃO E HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DIA 1. IDENTIFIICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Razão Social: 1.2 Nome Fantasia: 1.3 Endereço: (Rua/Av.) Nº: Compl:

Leia mais

Art. 3º Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogada a Portaria SVS/MS nº 337, de 14 de abril de 1999.

Art. 3º Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogada a Portaria SVS/MS nº 337, de 14 de abril de 1999. RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RCD N 63, DE 6 DE JULHO DE 2000. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do Regulamento

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999

BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999 RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999 Dispõe sobre requisitos exigidos para a dispensação de produtos de interesse à saúde em farmácias e drogarias. BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA

Leia mais

Art. 3º Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogada a Portaria SVS/MS nº 337, de 14 de abril de 1999.

Art. 3º Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogada a Portaria SVS/MS nº 337, de 14 de abril de 1999. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC n 63 de 06/07/00 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do Regulamento da ANVISA

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES.

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

1 Documentação 1.1 S N NA

1 Documentação 1.1 S N NA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDEDORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE CONTROLE E VIGILÂNCIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE versão Maio/2011 ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 Resolução Nº 329, de 22 de julho de 1999 Institui o Roteiro de Inspeção para transportadoras

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Ref.: MBPF-001/09-0 Revisão: 00 Emissão: Setembro Qtde. Pág.: 12 Introdução Cabe ao fornecedor elaborar e implementar

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA À ABERTURA DE PROCESSO PARA SOLICITAÇÃO LICENÇA SANITÁRIA DE FARMÁCIAS

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA À ABERTURA DE PROCESSO PARA SOLICITAÇÃO LICENÇA SANITÁRIA DE FARMÁCIAS ANEXO I DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA À ABERTURA DE PROCESSO PARA SOLICITAÇÃO LICENÇA SANITÁRIA DE FARMÁCIAS atividade, endereço, CEP, telefone, assinado pelo Representante Legal e Responsável Técnico do estabelecimento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM LAVANDERIA ESTABELECIMENTO: DATA DA INSPEÇÃO:

Leia mais

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 O Secretário de Estado da Saúde e do Bem-Estar Social, no uso de suas atribuições conferidas pelos artigos 45, letras A e P da Lei Estadual nº 6636/74,

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO ROTERO PARA CLASSFCAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 DETFCAÇÃO DO ESTABELECMETO Razão Social: ome Fantasia: Endereço Completo (Rua, º, Bairro): CPJ: Licença de Localização: nscrição Municipal: Alvará Sanitário: Proprietário(s)

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

ROTEIRO COMÉRCIO VAREJISTA - LANCHONETE E SIMILARES Portaria SMS-G N 1210/06

ROTEIRO COMÉRCIO VAREJISTA - LANCHONETE E SIMILARES Portaria SMS-G N 1210/06 SECRETARIA MUICIPAL SAUDE Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Alimentos ROTEIRO COMÉRCIO VAREJISTA - LACHOETE E SIMILARES Portaria SMS-G

Leia mais

ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SANITÁRIA EM COMUNIDADES TERAPÊUTICAS PARA DEPENDENTES DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS

ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SANITÁRIA EM COMUNIDADES TERAPÊUTICAS PARA DEPENDENTES DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS ESPECIFICIDADES DO SERVIÇO Data de início das atividades: Cadastro em entidades associativas e/ou federativas Não Sim Especificar: Prestação de serviço Contrato Convênio Especificar: Outros financiamentos

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES.

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS

ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS ROTEIRO DE INSPEÇÃO PRESTADORA DE SERVIÇOS / DEDETIZADORAS Data: A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1-Razão Social: 2-Nome de Fantasia: 3-Alvará/Licença Sanitária:

Leia mais

Anvisa - Legislação - Portarias

Anvisa - Legislação - Portarias Page 1 of 18 Legislação Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. Portaria nº 327/SNVS/MS, de 30 de julho de 1997 (DOU de 07/08/97) A Secretária de Vigilância

Leia mais

considerando que a Lista de Verificação restringe-se especificamente às Boas Práticas de Fabricação de Alimentos;

considerando que a Lista de Verificação restringe-se especificamente às Boas Práticas de Fabricação de Alimentos; RESOLUÇÃO - RDC Nº 275, DE 21 DE OUTUBRO DE 2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos

Leia mais

ROTEIRO FARMÁCIA HOSPITALAR QUIMIOTERÁPICA

ROTEIRO FARMÁCIA HOSPITALAR QUIMIOTERÁPICA IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO: RAZÃO SOCIAL: NOME FANTASIA: IDENTIFICAÇÃO CADASTRAL (C.N.P.J.): ENDEREÇO: N.º CEP: TELEFONE: FAX: E-MAIL: LICENÇA SANITÁRIA: ( )MUNICIPAL NÚMERO: ( ) NÃO POSSUI EMISSÃO:

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

ANVISA Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002

ANVISA Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002 http://wwwanvisagovbr/legis/resol/2002/275_02rdchtm ANVISA Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002 DOU de 23/10/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados

Leia mais

Tatuagem e Colocação de Adornos

Tatuagem e Colocação de Adornos ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde Tatuagem e Colocação de Adornos Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista

Leia mais

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 Aprova a Lista de Verificação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação, aprova Normas para Cursos de Capacitação em Boas Práticas para

Leia mais

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária objetivo Este manual estabelece os critérios de higiene e de boas práticas operacionais para o controle

Leia mais

ROTEIRO INSPEÇÃO EM DROGARIAS

ROTEIRO INSPEÇÃO EM DROGARIAS 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO: ROTEIRO INSPEÇÃO EM DROGARIAS 1.1 Razão Social: N Processo ou Protocolo: Validade Alvará de Bombeiros: 1.2 C.N.P.J.: 1.3.Nome Fantasia: 1.4 N.º. da Autorização de Funcionamento:

Leia mais

NUTRIÇÃO CLÍNICA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS. Nutricionista Entrevistado(a)

NUTRIÇÃO CLÍNICA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS. Nutricionista Entrevistado(a) CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA ITA NUTRIÇÃO CLÍNICA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS Nº DA VISITA

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA FARMÁCIA

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA FARMÁCIA ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA FARMÁCIA 1. IDENTIFICAÇÃO DA FARMÁCIA: 1.1. Razão Social: 1.2. C.N.P.J. (C.G.C): 1.3. Nome Fantasia: 1.4. N.º da Autorização de Funcionamento: Data de publicação: 1.5. N. da Autorização

Leia mais

INSTRUMENTO DE AUDITORIA DAS UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO UAN

INSTRUMENTO DE AUDITORIA DAS UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO UAN INSTRUMENTO DE AUDITORIA DAS UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO UAN DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Razão Social: Nome Fantasia: Endereço: Município: Telefax: Diretor Geral: CNPJ: BAIRRO: CEP: E-mail 1 - ESTRUTURA

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO - COMÉRCIO VAREJISTA PADARIA E SIMILARES

ROTEIRO DE INSPEÇÃO - COMÉRCIO VAREJISTA PADARIA E SIMILARES PREFETURA DE SÃO PAULO SECRETARA MUCPAL DA SAÚDE COORDEAÇÃO DE VGLÂCA EM SAÚDE GERÊCA DE PRODUTOS E SERVÇOS DE TERESSE DA SAÚDE SUBGERÊCA DE ALMETOS ROTERO DE SPEÇÃO - COMÉRCO VAREJSTA PADARA E SMLARES

Leia mais

ROTEIRO DE AUTO-INSPEÇÃO E INSPEÇÃO Embelezamento e Esteticismo

ROTEIRO DE AUTO-INSPEÇÃO E INSPEÇÃO Embelezamento e Esteticismo SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE DE ZOONOZES VIGILÂNCIA E FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA ROTEIRO DE AUTO-INSPEÇÃO E INSPEÇÃO Embelezamento e Esteticismo 1 IDENTIFICAÇÃO 1.1 1.2 Razão

Leia mais

Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002

Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no DOU de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

SGT Nº 11 SALUD / Comisión de Productos para la Salud / Grupo Ad Hoc Domisanitarios/ Acta Nº 01/09. UNIDO IV Documentos de Trabajo

SGT Nº 11 SALUD / Comisión de Productos para la Salud / Grupo Ad Hoc Domisanitarios/ Acta Nº 01/09. UNIDO IV Documentos de Trabajo SGT Nº 11 SALUD / Comisión de Productos para la Salud / Grupo Ad Hoc Domisanitarios/ Acta Nº 01/09 UNIDO IV Documentos de Trabajo Montevideo, 5 al 7 de octubre de 2009 ATUALIZAÇÃO DE BPF (RES. GMC Nº 56/96)

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária. A Secretária de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais, resolve:

Legislação em Vigilância Sanitária. A Secretária de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais, resolve: http://e-legisbvsbr/leisref/public/showactphp?mode=print_version&id=22580 Página 1 de 48 Legislação em Vigilância Sanitária PORTARIA N 272/MS/SNVS, DE 8 DE ABRIL DE 1998 A Secretária de Vigilância Sanitária,

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. Legislação Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre

Leia mais

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA Dr. Alessandro Vieira De Martino Farmacêutico Bioquímico CRF 33754 Formado no curso de Farmácia e Bioquímica pela Universidade Bandeirante de São Paulo UNIBAN Pós-Graduado

Leia mais

Anvisa - Legislação - Resolução

Anvisa - Legislação - Resolução Page 1 of 85 Legislação Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. Portaria nº 272/MS/SNVS, de 8 de abril de 1998 (D.O.U. 23/04/98) A Secretária de Vigilância

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - 6 ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA NUTRIÇÃO CLÍNICA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS Nº DA VISITA

Leia mais

atos relacionados: Lei nº 6437, de 20 de agosto de 1977 revoga: item 7.1 da Portaria nº 379, de 26 de abril de 1999

atos relacionados: Lei nº 6437, de 20 de agosto de 1977 revoga: item 7.1 da Portaria nº 379, de 26 de abril de 1999 título: Resolução RDC nº 267, de 25 de setembro de 2003 ementa: Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Industrializadores de Gelados Comestíveis e a Lista

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ A Vigilância Sanitária Municipal é responsável pela fiscalização de todos os stands, espaços, barracas, postos e/ou pontos de venda da área

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS Instruções de preenchimento - Somente itens cumpridos integralmente pelo serviço devem ser considerados SIM ; - Nos casos em que o serviço realize apenas parte do disposto no item avaliado, este deve ser

Leia mais

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 OBJETIVO: ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Este Roteiro estabelece a sistemática para a avaliação do cumprimento das ações do Programa de Controle de Infecção

Leia mais

Resolução RDC nº 103 (08/05/03) ANEXO II

Resolução RDC nº 103 (08/05/03) ANEXO II Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Insumos, Medicamentos e Produtos Coordenação de Inspeção em Centros de Bioequivalência Resolução RDC nº 103 (08/05/03)

Leia mais

ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA. Unidade de diálise

ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA. Unidade de diálise ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA Unidade de diálise PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANEXO XIII LISTA DE VERIFICAÇÃO DE AUTO-INSPEÇÃO 1.1. Nome da embarcação: 1.2. IMO: 1.3. Nome e assinatura do

Leia mais

ROTEIRO PARA ESTABELECIMENTOS DE ENDOSCOPIA GÁSTRICA

ROTEIRO PARA ESTABELECIMENTOS DE ENDOSCOPIA GÁSTRICA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE VIGILANCIA DE SERVIÇOS E PRODUTOS DE INTERESSE À SAÚDE Módulo I - Informações Gerais

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO SIM NÃO NA(*) 4.1 EDIFICAÇÃO, INSTALAÇÕES,

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Orientações

SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Orientações SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Orientações 2014 Vigilância Sanitária Lei Federal 8.080 de 19 de setembro de 1990 1º Entende-se

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS PRODUTOS/INDUSTRIALIZADORES DE FRUTAS E OU HORTALIÇAS EM CONSERVAS

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS PRODUTOS/INDUSTRIALIZADORES DE FRUTAS E OU HORTALIÇAS EM CONSERVAS ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS PRODUTOS/INDUSTRIALIZADORES DE FRUTAS E OU HORTALIÇAS EM CONSERVAS NUMERO: /ANO A- IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 1- RAZÃO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista em Saúde Portaria

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Página 1 de 16 Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 275, DE 21 DE OUTUBRO DE 2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos

Leia mais

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC AEXO ROTERO PARA FSCALZAÇÃO/SPEÇÃO SATÁRA, E AUTOSPEÇÃO EM MMERCADOS, MERCADOS, SUPERMERCADOS, HPERMERCADOS E AFS. 1. DADOS DO ESTABELECMETO. RAZÃO SOCAL: OME FATASA: CPJ: EDEREÇO: TELEFOE: REPRESETATE

Leia mais

DIRETRIZES PARA IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA - SAE

DIRETRIZES PARA IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA - SAE DIRETRIZES PARA IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA - SAE 1. Conceito O Serviço de Assistência Especializada SAE é um serviço responsável pela assistência ambulatorial às pessoas vivendo

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO/PADRÃO SANITÁRIO RESTAURANTE 2014

CLASSIFICAÇÃO/PADRÃO SANITÁRIO RESTAURANTE 2014 CLASSFCAÇÃO/PADRÃO SATÁRO RESTAURATE 2014 Razão social: ome Fantasia: Endereço Completo (Rua, º.): Bairro: Referência: CPJ: nscrição municipal: Licença de localização: Alvará Sanitário: Classificação/Padrão

Leia mais

Telefone: Fax: E-mail:

Telefone: Fax: E-mail: PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE CONTROLE E VIGILANCIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE versão 06/03/2007 ROTEIRO PARA LABORATÓRIO

Leia mais

PROTOCOLO DE POP- NUTRIÇÃO PARENTERAL FARMÁCIA HOSPITALAR Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional

PROTOCOLO DE POP- NUTRIÇÃO PARENTERAL FARMÁCIA HOSPITALAR Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional Página: 1/17 Emissor: Fabiano de Oliveira Bueno Emitido em: 13/11/2012 Aprovação: Equipe Multidiscliplinar de Terapia Nutricional Aprovado em: 11/12/2012 PROTOCOLO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP)

Leia mais

Aspectos de Arquitetura em Projetos de Estabelecimentos Assistenciais de Saúde

Aspectos de Arquitetura em Projetos de Estabelecimentos Assistenciais de Saúde NR 15 NR 24 NR 26 NR 07 PCMSO CENEN PPR NR 09 PPRA ANVISA SERVIÇOS DE SAÚDE NR 32 2 Local de Trabalho para aplicação da NR 32: SERVIÇOS DE SAÚDE Definição: Qualquer edificação destinada à prestação de

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

Como estudos de fase I podem transferir tecnologia para o Brasil. Experiência Brasileira. João Massud Filho

Como estudos de fase I podem transferir tecnologia para o Brasil. Experiência Brasileira. João Massud Filho Como estudos de fase I podem transferir tecnologia para o Brasil. Experiência Brasileira João Massud Filho Declaração de Conflito de Interesse Médico Professor e Coordenador do Curso de Especialização

Leia mais

ROTEIRO DE AUTO-INSPEÇÃO E INSPEÇÃO Ótica

ROTEIRO DE AUTO-INSPEÇÃO E INSPEÇÃO Ótica SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA, FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA E CONTROLE DE ZOONOSES ROTEIRO DE AUTO-INSPEÇÃO E INSPEÇÃO Ótica 1 IDENTIFICAÇÃO 1.1 1.2 Razão Social: Nome

Leia mais

Roteiro para Inspeção de Indústria Farmoquímica Sistema de Avaliação do Roteiro para Inspeção de Indústria Farmoquímica

Roteiro para Inspeção de Indústria Farmoquímica Sistema de Avaliação do Roteiro para Inspeção de Indústria Farmoquímica Roteiro para Inspeção de Indústria Farmoquímica Sistema de Avaliação do Roteiro para Inspeção de Indústria Farmoquímica INTRODUÇÃO O sistema de avaliação dos resultados obtidos após inspeção de uma indústria

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA

PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA O PRESIDENTE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO NO DOMP Nº 578 DE: 1º/08/2012 PÁG: 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 293, DE 31 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre as normas sanitárias para o funcionamento das lavanderias em geral, de

Leia mais

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AMBULATÓRIO DE ESPECIALIDADES MUNICÍPIO: DATA: / / IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE: Nome: CGC: Endereço: Bairro: Telefone: Responsável pela unidade (formação): TURNO

Leia mais

PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE

PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE 1997 A Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando: a necessidade do constante aperfeiçoamento

Leia mais

1.1. Nutricionista Entrevistado(a) CRN- Estatutário [ ] Celetista [ ] Contratado [ ] Concursado Celetista [ ] Outro [ ] CRN- RT / QT

1.1. Nutricionista Entrevistado(a) CRN- Estatutário [ ] Celetista [ ] Contratado [ ] Concursado Celetista [ ] Outro [ ] CRN- RT / QT CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA ALIMENTAÇÃO COLETIVA REFEIÇÃO CONVENIO / CESTA DE ALIMENTOS REFEIÇÃO CONVENIO

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE AS CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS E DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS FABRICANTES DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. OBJETIVO Definir os

Leia mais