FERRAMENTAS DA QUALIDADE BRAINSTORMING

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FERRAMENTAS DA QUALIDADE BRAINSTORMING"

Transcrição

1 FERRAMENTAS DA QUALIDADE BRAINSTORMING Desenvolvido por Fernando Banas 1

2 Ou também denominado de tempestade de idéias mais que uma técnica de dinâmica de grupo é uma atividade desenvolvida para explorar a potencialidade criativa do indivíduo. Quando necessitamos de respostas rápidas a questões relativamente simples, o Brainstorming é uma técnica popular e extremamente eficaz. O Brainstorming possibilita ao grupo criar, com criatividade e eficácia, um alto volume de idéias em qualquer tópico, através de um processo livre de críticas e julgamento. Desenvolvido por Fernando Banas 2

3 Quais são os resultados? Encoraja o pensamento livre quando um grupo está sendo limitado porque só tem as mesmas idéias de sempre. Envolve e entusiasma todos os componentes do grupo, de forma que o grupo não seja dominado por uns poucos membros. Permite que os membros do grupo aproveitem a criatividade uns dos outros, sem deixarem de se concentrar na tarefa comum. Ausência de julgamento ou de autocrítica Todas as idéias, inclusive as absurdas são aceitas Objetivo = incentivar o grupo a liberar sua criatividade e seu conhecimento sem barreiras ou restrições Desenvolvido por Fernando Banas 3

4 Estruturado que é um processo em que cada membro do grupo tem a sua vez de sugerir idéias. A pergunta central para o Brainstorming é apresentada, aprovada e escrita para ficar bem na vista de todos. Certifique-se que todos entendam o que foi exposto. Verifique isto pedindo que alguns membros expliquem a pergunta. Cada membro do grupo por sua vez, dá uma idéia. Importante que nenhuma idéia seja criticada por mais idiota que possa ser ou parecer. Faz-se uma rotação para dar as idéias, e qualquer membro do grupo pode deixar passar o seu turno tantas vez quantas desejar. Esse processo de rotação encoraja a participação de todos aumentando a ansiedade das pessoas tímidas ou sem experiência. Desenvolvido por Fernando Banas 4

5 Estruturado (continuação) À medida que as idéias vão sendo criadas, utilize um flipchart para escrevê-las em letras grandes. Cuide que as idéias sejam registradas com as mesmas palavras de quem as sugeriu. Não interprete nem abrevie a idéia. Para certificar-se disto, a pessoa que esta escrevendo sempre deve perguntar a quem sugeriu a idéia se esta foi registrada corretamente. As idéias são geradas por turnos, até que todas as pessoas deixem passar o seu turno, indicando assim, que as idéias estão terminadas. Mantenha o processo ativo e relativamente curto, até 20 minutos dependendo da complexidade do assunto. Revise a lista de idéias para clarificá-las e descartar quaisquer repetições que sejam idênticas. Muitas vezes é importante preservar diferenças sutis reveladas em enunciados ligeiramente diferentes. Desenvolvido por Fernando Banas 5

6 Não-estruturado É o processo em que os membros do grupo sugerem idéias ao mesmo tempo em que essas lhes ocorrem. Ambos os modelos podem ser feitos em silêncio ou em voz alta. O processo é o mesmo do método estruturado, exceto que as idéias são sugeridas por todos a qualquer momento. Não há necessidade de deixar passar o turno, pois não há rotação para solicitar idéias. Desenvolvido por Fernando Banas 6

7 Visual onde cada indivíduo ou o grupo, produz uma imagem de como vê a situação ou problema. Desenvolvido por Fernando Banas 7

8 Analogias/Associação de palavras onde se fazem conexões pouco comuns comparando problema com objetos, seres, ou palavras aparentemente não relacionadas. Desenvolvido por Fernando Banas 8

9 Método 6-3-5, poderoso método silencioso onde com base em apenas uma questão, cada pessoa do grupo tem cinco minutos para escrever três idéias em uma folha de papel. A seguir cada pessoa passa sua folha para a pessoa mais próxima que terá mais 5 minutos para acrescentar mais três idéias nas primeiras 3 descritas. Esta rotação é repetida tantas vezes quantos membros houver no grupo, ou seja, 6 membros corresponderá a 18 idéias em cada folha porque dará 6 rotações e gerará seis folhas de papel. Desenvolvido por Fernando Banas 9

10 Brainstorming Como aplicar o Brainstorming? A solução mais simples e eficaz é utilizando o Diagrama de Causa e Efeito (espinha de peixe). É a forma visual mais objetiva que junto com o Brainstorming tem ótimos resultados. Para isto organiza-se um quadro similar ao desenhado na explicação do Diagrama de Causa e Efeito (logo no início do capítulo) e assim o grupo levanta quais são as espinhas (fatores) do peixe que levam ao seu objetivo. Desta forma levantam-se parâmetros que influenciam nessas espinhas de forma organizada. No final, usando um quadro branco e alguns post-its, você tem de forma visual todo um diagrama de causa e efeito. Desenvolvido por Fernando Banas 10

11 Desenvolvido por Fernando Banas 11

FERRAMENTAS DA QUALIDADE DIAGRAMA DE AFINIDADES

FERRAMENTAS DA QUALIDADE DIAGRAMA DE AFINIDADES FERRAMENTAS DA QUALIDADE DIAGRAMA DE AFINIDADES 1 O Diagrama de Afinidades permite que um grupo produza criativamente um grande número de idéias/questões e a seguir, as organize e resuma, com base em agrupamentos

Leia mais

Melhorias de Processos segundo o PDCA Parte IV

Melhorias de Processos segundo o PDCA Parte IV Melhorias de Processos segundo o PDCA Parte IV por José Luis S Messias, em qualidadebrasil.com.br Introdução Em prosseguimento aos artigos escritos sobre PDCA, escrevo hoje sobre a terceira fase da etapa

Leia mais

Unidade 10 Análise combinatória. Introdução Princípio Fundamental da contagem Fatorial

Unidade 10 Análise combinatória. Introdução Princípio Fundamental da contagem Fatorial Unidade 10 Análise combinatória Introdução Princípio Fundamental da contagem Fatorial Introdução A escolha do presente que você deseja ganhar em seu aniversário, a decisão de uma grande empresa quando

Leia mais

Inteligência Artificial Redes Neurais Artificiais

Inteligência Artificial Redes Neurais Artificiais Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial Redes Neurais Artificiais João Marques Salomão Rodrigo Varejão Andreão Arquitetura e composição das RNAs Uma rede neural artificial é composta

Leia mais

SOLUÇÕES N2 2015. item a) O maior dos quatro retângulos tem lados de medida 30 4 = 26 cm e 20 7 = 13 cm. Logo, sua área é 26 x 13= 338 cm 2.

SOLUÇÕES N2 2015. item a) O maior dos quatro retângulos tem lados de medida 30 4 = 26 cm e 20 7 = 13 cm. Logo, sua área é 26 x 13= 338 cm 2. Solução da prova da 1 a fase OBMEP 2015 Nível 1 1 SOLUÇÕES N2 2015 N2Q1 Solução O maior dos quatro retângulos tem lados de medida 30 4 = 26 cm e 20 7 = 13 cm. Logo, sua área é 26 x 13= 338 cm 2. Com um

Leia mais

Índice. Para que efeito deve ser usada cada operação de certificação? Qual o período de referência das operações de certificação?

Índice. Para que efeito deve ser usada cada operação de certificação? Qual o período de referência das operações de certificação? Índice As operações de certificação Para que efeito deve ser usada cada operação de certificação? Qual o período de referência das operações de certificação? Qual o prazo para submissão das operações de

Leia mais

Os 18 maiores segredos da Produção de textos que vão ajudar seus artigos a virarem destaque na internet. VIVER DE BLOG Página 1

Os 18 maiores segredos da Produção de textos que vão ajudar seus artigos a virarem destaque na internet. VIVER DE BLOG Página 1 Os 18 maiores segredos da Produção de textos que vão ajudar seus artigos a virarem destaque na internet VIVER DE BLOG Página 1 INTRODUÇÃO Você está preparado para escrever artigos memoráveis? Artigos que

Leia mais

Escrita de Relatórios

Escrita de Relatórios Guia 6 Escrita de Relatórios Auto-estudo Para o Gestor de Projecto Objectivos de aprendizagem Depois de ter lido o material do Guia de Escrita de Relatórios e ter concluído a secção de auto-estudo, será

Leia mais

METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA ETAPA 2. PROJETO de pesquisa

METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA ETAPA 2. PROJETO de pesquisa METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA ETAPA 2 PROJETO de pesquisa 1. Orientações Gerais 1.1. Oferta da disciplina de Metodologia da Pesquisa Científica A disciplina de Metodologia da Pesquisa é oferecida

Leia mais

IDEF é utilizado para criar uma descrição clara e detalhada de um processo ou um sistema.

IDEF é utilizado para criar uma descrição clara e detalhada de um processo ou um sistema. IDEF0 Como fazer O QUE É IDEF é utilizado para criar uma descrição clara e detalhada de um processo ou um sistema. Nota: IEDF0 é um subconjunto da Técnica de Análise e Projeto estruturados (Structured

Leia mais

MATEMÁTICA ENSINO FUNDAMENTAL

MATEMÁTICA ENSINO FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP PARABÉNS!!! VOCÊ JÁ É UM VENCEDOR! Voltar a estudar é uma vitória que poucos podem dizer que conseguiram. É para você, caro aluno, que desenvolvemos esse material.

Leia mais

Lista de Exercícios Critérios de Divisibilidade

Lista de Exercícios Critérios de Divisibilidade Nota: Os exercícios desta aula são referentes ao seguinte vídeo Matemática Zero 2.0 - Aula 10 - Critérios de - (parte 1 de 2) Endereço: https://www.youtube.com/watch?v=1f1qlke27me Gabaritos nas últimas

Leia mais

OBSERVAÇÕES: EXERCÍCIOS

OBSERVAÇÕES: EXERCÍCIOS OBSERVAÇÕES: 1. Esta lista de exercícios poderá ser resolvida individualmente ou em grupos de 2 pessoas. 2. A lista possui 25 exercícios, destes você deve responder os 5 primeiros exercícios e os outros

Leia mais

PASSO A PASSO CÂMBIO PARA INVESTIMENTO EM FOREX ENVIANDO RECURSOS AO EXTERIOR PARA INVESTIMENTO NO MERCADO FOREX

PASSO A PASSO CÂMBIO PARA INVESTIMENTO EM FOREX ENVIANDO RECURSOS AO EXTERIOR PARA INVESTIMENTO NO MERCADO FOREX PASSO A PASSO CÂMBIO PARA INVESTIMENTO EM FOREX ESSE MATERIAL FOI CRIADO PARA ORIENTAR PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS DE COMO ENVIAR RECURSOS AO EXTERIOR COM A FINALIDADE DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS, ESPECIFICAMENTE

Leia mais

Tipos de problemas de programação inteira (PI) Programação Inteira. Abordagem para solução de problemas de PI. Programação inteira

Tipos de problemas de programação inteira (PI) Programação Inteira. Abordagem para solução de problemas de PI. Programação inteira Tipos de problemas de programação inteira (PI) Programação Inteira Pesquisa Operacional I Flávio Fogliatto Puros - todas as variáveis de decisão são inteiras Mistos - algumas variáveis de decisão são inteiras

Leia mais

XEQUE-MATE : A VIDA É UM JOGO DE XADREZ (GARRY KASPAROV) Melhores trechos do livro

XEQUE-MATE : A VIDA É UM JOGO DE XADREZ (GARRY KASPAROV) Melhores trechos do livro XEQUE-MATE : A VIDA É UM JOGO DE XADREZ (GARRY KASPAROV) Melhores trechos do livro Talento não é o suficiente Ter talento não é o suficiente. Não é suficiente dedicar-se com afinco e estudar noite adentro.

Leia mais

METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA

METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA Unidade II METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CIÊNCIAS Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik Recursos para o planejamento das aulas Resolução de problemas. Portadores numéricos. Lúdico: Jogos,

Leia mais

Capítulo VI Circuitos Aritméticos

Capítulo VI Circuitos Aritméticos Capítulo VI Circuitos Aritméticos Introdução No capítulo anterior estudamos a soma e subtração de números binários. Neste capítulo estudaremos como as operações aritméticas de soma e subtração entre números

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Veja nesta aula mais alguns exercícios para você aplicar as dicas das aulas anteriores. (Mateus Machado) EXERCÍCIOS Faça todos estes desenhos em uma folha A4 usando o lápis HB. 1. LINHAS IMAGINÁRIAS

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA BOLSA DE ESTÁGIO SECRETARIA DE AÇÃO SOCIAL E CIDADANIA

CONCURSO PÚBLICO PARA BOLSA DE ESTÁGIO SECRETARIA DE AÇÃO SOCIAL E CIDADANIA CONCURSO PÚBLICO PARA BOLSA DE ESTÁGIO SECRETARIA DE AÇÃO SOCIAL E CIDADANIA NOME COMPLETO: RG: CPF: INSTRUÇÕES Leia atentamente e cumpra rigorosamente as instruções que se seguem: Os telefones celulares

Leia mais

Lista de Exercícios - Subtração

Lista de Exercícios - Subtração Nota: Os exercícios desta aula são referentes ao seguinte vídeo Matemática Zero 2.0 - Aula 5 - Subtração - (parte 1 de 2) Endereço: https://www.youtube.com/watch?v=eedxautqdaa Gabaritos nas últimas páginas!

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software - 2ª Lista de Exercícios - Questões Discursivas Questão 1) O que você entende por processo de software e qual a sua importância para a qualidade dos produtos de software? Qual a

Leia mais

TÍTULO (arial 14, negrito, caixa alta, centralizado)

TÍTULO (arial 14, negrito, caixa alta, centralizado) CAPA ESCOLA ESTADUAL JD. MONTESANO (arial 12, caixa alta, centralizado) NOME DO(AS) ALUNO(AS) (arial 12, caixa alta, centralizado) TÍTULO (arial 14, negrito, caixa alta, centralizado) LOCAL ANO (arial

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático

Raciocínio Lógico Matemático Raciocínio Lógico Matemático Cap. 5 - Equivalência Lógica Equivalência Lógica Caro aluno, no último capítulo estudamos as implicações lógicas e foi enfatizado que o ponto fundamental da implicação lógica

Leia mais

ELAINE TEREZINHA MATTIOLI COVIELLO PIRANGI SÃO PAULO MODELO MATEMÁTICO

ELAINE TEREZINHA MATTIOLI COVIELLO PIRANGI SÃO PAULO MODELO MATEMÁTICO MODELAGEM E MODELAÇÃO MATEMÁTICA: uma nova visão do ensino e da aprendizagem de matemática ELAINE TEREZINHA MATTIOLI COVIELLO PIRANGI SÃO PAULO MODELO MATEMÁTICO Para definir Modelo Matemático Bassanezi

Leia mais

SISTEMAS REALIMENTADOS

SISTEMAS REALIMENTADOS SISTEMAS REALIMENTADOS Prof.: Helder Roberto de O. Rocha Engenheiro Eletricista Doutorado em Computação Sintonia de controladores PID Mais da metade dos controladores industriais em uso emprega sistemas

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático Cap. 8 Sequências Lógicas e Suas Leis de Formação

Raciocínio Lógico Matemático Cap. 8 Sequências Lógicas e Suas Leis de Formação Raciocínio Lógico Matemático Cap. 8 Sequências Lógicas e Suas Leis de Formação Sequências Lógicas e Suas Leis de Formação Estudaremos, neste capítulo, várias sequências lógicas e buscaremos explorar quais

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 6. Curso de Combinatória - Nível 2. Jogos. 1. Simetria. Prof. Bruno Holanda

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 6. Curso de Combinatória - Nível 2. Jogos. 1. Simetria. Prof. Bruno Holanda Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Combinatória - Nível 2 Prof. Bruno Holanda Aula 6 Jogos Quando falamos em jogos, pensamos em vários conhecidos como: xadrez, as damas e os jogos com baralho. Porém,

Leia mais

Métodos Quantitativos Aplicados

Métodos Quantitativos Aplicados Métodos Quantitativos Aplicados Aula 9 http://www.iseg.utl.pt/~vescaria/mqa/ Tópicos apresentação Análise clusters: técnica de agrupamento de observações/ variáveis com base na similaridade das suas característicassters

Leia mais

Procedimento para Restaurar Sistema operacional no VPU desde Acronis.

Procedimento para Restaurar Sistema operacional no VPU desde Acronis. Procedimento para Restaurar Sistema operacional no VPU desde Acronis. Operating Manual MA VPU V 7.81_1 2.4.2 Iniciar Acronis nos VPUs com números de série até # 86 VPUs com números de série abaixo de 86

Leia mais

MINI-HP. Luís Sénica

MINI-HP. Luís Sénica MINI-HP Luís Sénica O QUE É O MINI HP? FILOSOFIA Prazer e benefícios formativos são o principal foco para o MINI-HP. Pretende-se promover valores educacionais e recreativos/competitivos através da prática

Leia mais

Capítulo IX. Carregamento de transformadores

Capítulo IX. Carregamento de transformadores 42 Capítulo IX Carregamento de transformadores Por Manuel Luís Barreira Martinez* A tipificação dos transformadores contempla três agrupamentos distintos, o que em tese significa três diferentes tipos

Leia mais

Capítulo 4 - Medição de rotação, torque e potência

Capítulo 4 - Medição de rotação, torque e potência Capítulo 5 - Medição de rotação, torque e potência 5.1 - Medição de rotação Os instrumentos usados para medir a velocidade angular de eixos rotativos são chamados tacômetros. Existem basicamente três tipos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA-PIBID COORDENADORA: IVANEIDE SOARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA-PIBID COORDENADORA: IVANEIDE SOARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA-PIBID COORDENADORA: IVANEIDE SOARES Grupo de Estudos de Textos Relacionados à Prática Docente CRIANDO

Leia mais

3 cm UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM...

3 cm UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM... 3 cm UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM... Toda capa em letras maiúsculas, tamanho 12, em negrito, alinhamento centralizado NOME DO ACADÊMICO 3 cm TÍTULO DO

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE: ciclo PDCA e Brainstorming. Me. Edvin Kalil Freitas Granville Foz do Iguaçu, Agosto de 2010

FERRAMENTAS DA QUALIDADE: ciclo PDCA e Brainstorming. Me. Edvin Kalil Freitas Granville Foz do Iguaçu, Agosto de 2010 FERRAMENTAS DA QUALIDADE: ciclo PDCA e Brainstorming Me. Edvin Kalil Freitas Granville Foz do Iguaçu, Agosto de 2010 OBJETIVOS Apresentar a definição de Controle de Qualidade; Verificar a aplicação do

Leia mais

COMO VENDER MAIS USANDO FUNIL DE VENDAS. Capítulo III: Etapas do Funil de Vendas

COMO VENDER MAIS USANDO FUNIL DE VENDAS. Capítulo III: Etapas do Funil de Vendas COMO VENDER MAIS USANDO FUNIL DE VENDAS Capítulo III: Etapas do Funil de Vendas Índice Introdução Defina suas etapas de vendas corretamente Como definir suas etapas de vendas 03 05 06 2 Introdução Olá,

Leia mais

Shopper Marketing: A Influência no Momento da Compra MANUAL DO CURSO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP.

Shopper Marketing: A Influência no Momento da Compra MANUAL DO CURSO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP. Shopper Marketing: A Influência no Momento da Compra MANUAL DO CURSO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Relacionamento: (11) 5081-8200 (opção 1) Segunda a

Leia mais

O Empreendedor Corporativo

O Empreendedor Corporativo O Empreendedor Corporativo por Alexandre Cury Como você se sente em relação ao seu trabalho? Você acorda todos os dias bem disposto e cheio de ideias ou levanta da cama com aquela sensação de quem vai

Leia mais

Para que se usa: para apresentação do encadeamento lógico de causas de problemas. Como se monta um Diagrama de Arvore

Para que se usa: para apresentação do encadeamento lógico de causas de problemas. Como se monta um Diagrama de Arvore Mais ferramentas... Diagrama de árvore Outros nomes: diagrama de hierarquia, ou diagrama sistemático Para que se usa: para apresentação do encadeamento lógico de causas de problemas Gerência da Qualidade

Leia mais

Proteção dos seus filhos contra ferimentos por arma de fogo

Proteção dos seus filhos contra ferimentos por arma de fogo Proteção dos seus filhos contra ferimentos por arma de fogo A curiosidade da criança pode levar a ferimento grave ou à morte FATO Nos Estados Unidos, 33 por cento das casas têm pelo menos uma arma de fogo.

Leia mais

Exemplo de Configuração de BGP com Dois Provedores de Serviço Diferentes (Hospedagem Múltipla)

Exemplo de Configuração de BGP com Dois Provedores de Serviço Diferentes (Hospedagem Múltipla) Exemplo de Configuração de BGP com Dois Provedores de Serviço Diferentes (Hospedagem Múltipla) Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Usados Convenções Informações Complementares Configurar

Leia mais

2 Método. 2.1. Tipo de Pesquisa

2 Método. 2.1. Tipo de Pesquisa 2 Método 2.1. Tipo de Pesquisa Segundo Kotler (2000), a natureza da pesquisa pode ser classificada como exploratória, descritiva ou casual. A primeira, busca aprofundar conceitos preliminares. De acordo

Leia mais

Usando potências de 10

Usando potências de 10 Usando potências de 10 A UUL AL A Nesta aula, vamos ver que todo número positivo pode ser escrito como uma potência de base 10. Por exemplo, vamos aprender que o número 15 pode ser escrito como 10 1,176.

Leia mais

Dúvidas frequentes. Quantas etapas podem ter a Avaliação de Desempenho?

Dúvidas frequentes. Quantas etapas podem ter a Avaliação de Desempenho? Dúvidas frequentes Geral O que é Avaliação de Desempenho? A Avaliação de Desempenho é o processo através do qual é possível identificar o nível de contribuição efetiva dos servidores diante da expectativa

Leia mais

Unidade 5. A letra como incógnita equações do segundo grau

Unidade 5. A letra como incógnita equações do segundo grau Unidade 5 A letra como incógnita equações do segundo grau Para início de conversa... Vamos avançar um pouco mais nas resoluções de equações. Desta vez, vamos nos focar nas equações do segundo grau. Esses

Leia mais

Experiência 07: Preparo de Solução a partir de Substâncias sólidas, Liquidas e de Solução Concentrada

Experiência 07: Preparo de Solução a partir de Substâncias sólidas, Liquidas e de Solução Concentrada 1 Experiência 07: Preparo de Solução a partir de Substâncias sólidas, Liquidas e de Solução Concentrada 1. Questões de estudo - Como preparar uma solução aquosa de NaOH 0,1 M? - Como preparar uma solução

Leia mais

Oficina IV Das Mudanças Críticas... ao jogo dos Atores 1

Oficina IV Das Mudanças Críticas... ao jogo dos Atores 1 1 Oficina IV Das Mudanças Críticas... ao jogo dos 1 ❶ Listar os fatores de mudanças de qualquer natureza (regulamentação, econômica, social, cultural, tecnológica, meio ambiente, demográfica, política

Leia mais

Objectivos de Aprendizagem. No final desta lição, você será capaz de: Definir o conceito de solubilidade.

Objectivos de Aprendizagem. No final desta lição, você será capaz de: Definir o conceito de solubilidade. Lição N o 4 Solubilidade Objectivos de Aprendizagem No final desta lição, você será capaz de: Definir o conceito de solubilidade. Material de apoio necessário para completar a lição: 4 copos 1 colherinha

Leia mais

ADIÇÃO, SUBTRAÇÃO E SIGNIFICADOS

ADIÇÃO, SUBTRAÇÃO E SIGNIFICADOS ADIÇÃO, SUBTRAÇÃO E SIGNIFICADOS CÉLIA MARIA CAROLINO PIRES Introdução: Fazendo uma breve retrospectiva O ensino das chamadas quatro operações sempre teve grande destaque no trabalho desenvolvido nas séries

Leia mais

Química - 9º ano. Água Potável. Atividade complementar sobre as misturas e suas técnicas de separação

Química - 9º ano. Água Potável. Atividade complementar sobre as misturas e suas técnicas de separação Química - 9º ano Atividade complementar sobre as misturas e suas técnicas de separação Água Potável A água é o constituinte mais característico da terra. Ingrediente essencial da vida, a água é talvez

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 6ª Série Direito Civil VI Direito A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

TENDÊNCIA TECNICISTA. Denise Cristiane Kelly Mendes Mariane Roque

TENDÊNCIA TECNICISTA. Denise Cristiane Kelly Mendes Mariane Roque TENDÊNCIA TECNICISTA Denise Cristiane Kelly Mendes Mariane Roque O PAPEL DA ESCOLA A tendência tecnicista, na educação, tem como objetivo inserir a escola nos modelos de racionalização do sistema de produção

Leia mais

Termo genérico que se aplica a vários tipos de diagramas que enfatizam interações de objetos.

Termo genérico que se aplica a vários tipos de diagramas que enfatizam interações de objetos. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Seqüência Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

Recursos-chave para Gestores de Projecto Guia 3 Pensamento Crítico Auto-estudo Para o Gestor de Projecto

Recursos-chave para Gestores de Projecto Guia 3 Pensamento Crítico Auto-estudo Para o Gestor de Projecto Guia 3 Pensamento Crítico Auto-estudo Para o Gestor de Projecto Objectivos de aprendizagem Depois de ter lido o material de consulta do Guia de Pensamento Crítico e ter concluído este guia de estudo,

Leia mais

CURSO DE MOLDES EM MÓDULOS OU COMPLETO

CURSO DE MOLDES EM MÓDULOS OU COMPLETO CURSO DE MOLDES EM MÓDULOS OU COMPLETO Com Prof/Artista.: Vinicios Jorge Curso de Moldes Fusion FX e Mundo Mágico arte compartilhada Este curso foi pensado e desenvolvido para que você possa aprender e

Leia mais

QUESTÃO 3 ALTERNATIVA E 24 é o maior número que aparece na figura. Indicamos abaixo a sequência de operações e seu resultado. 24 2 12 6 144.

QUESTÃO 3 ALTERNATIVA E 24 é o maior número que aparece na figura. Indicamos abaixo a sequência de operações e seu resultado. 24 2 12 6 144. OBMEP 009 Nível 1 1 QUESTÃO 1 Na imagem que aparece no espelho do Benjamim, o ponteiro dos minutos aponta para o algarismo, enquanto que o ponteiro das horas está entre o algarismo 6 e o traço correspondente

Leia mais

ÉTICA E MORAL. profa. Karine Pereira Goss

ÉTICA E MORAL. profa. Karine Pereira Goss profa. Karine Pereira Goss Muitas vezes utiliza-se esses termos como sinônimos. Mas há diferenças entre eles, embora se relacionem estreitamente. MORAL é um conjunto de normas que regulam o comportamento

Leia mais

Modelando sistemas em UML - Casos de uso.

Modelando sistemas em UML - Casos de uso. Modelando sistemas em UML - Casos de uso. Neste artigo vou falar um pouco sobre modelagem de sistemas usando UML focando exclusivamente os diagramas de casos de uso. A primeira coisa que devemos ter em

Leia mais

Congruências Lineares

Congruências Lineares Filipe Rodrigues de S Moreira Graduando em Engenharia Mecânica Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) Agosto 006 Congruências Lineares Introdução A idéia de se estudar congruências lineares pode vir

Leia mais

Diário Gráfico. Ficha de Atividade 5. O que é o Diário Gráfico

Diário Gráfico. Ficha de Atividade 5. O que é o Diário Gráfico Diário Gráfico A presente proposta de trabalho integra-se no Projeto Mochila Verde, implementado pela Agência Municipal de Energia e Ambiente - Lisboa E-Nova e a Câmara Municipal de Lisboa, que pretende

Leia mais

PROVAS MAIS PAIC 2016: LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA 2º ANO 3º ANO 4º ANO 5º ANO ORIENTAÇÕES PARA APLICAÇÃO

PROVAS MAIS PAIC 2016: LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA 2º ANO 3º ANO 4º ANO 5º ANO ORIENTAÇÕES PARA APLICAÇÃO COORDENADORIA DE COOPERAÇÃO COM OS MUNICÍPIOS COPEM PROGRAMA APRENDIZAGEM NA IDADE CERTA MAIS PAIC EIXO DE AVALIAÇÃO EXTERNA PROVAS MAIS PAIC 2016: LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA 2º ANO 3º ANO 4º ANO 5º

Leia mais

Resolução de Problemas. Orientador(a): Giselle Costa Alunos: André Parducci Elidiel Dantas

Resolução de Problemas. Orientador(a): Giselle Costa Alunos: André Parducci Elidiel Dantas Resolução de Problemas Orientador(a): Giselle Costa Alunos: André Parducci Elidiel Dantas Introdução Das tendências metodológicas, para o ensino da matemática, entendemos que, por meio da resolução de

Leia mais

Árvores Splay. Mestrado em Ciência da Computaçã. ção Estruturas de Dados Prof. Dr. Paulo Roberto Gomes Luzzardi Aluna: Nelsi Warken

Árvores Splay. Mestrado em Ciência da Computaçã. ção Estruturas de Dados Prof. Dr. Paulo Roberto Gomes Luzzardi Aluna: Nelsi Warken Árvores Splay Mestrado em Ciência da Computaçã ção Estruturas de Dados Prof. Dr. Paulo Roberto Gomes Luzzardi Aluna: Nelsi Warken Características Inventada por Adel' son Vel' skii e Landis - 1962. Estudos

Leia mais

O PROBLEMA DE ESTUDO NA METODOLOGIA DA PROBLEMATIZAÇÃO

O PROBLEMA DE ESTUDO NA METODOLOGIA DA PROBLEMATIZAÇÃO O PROBLEMA DE ESTUDO NA METODOLOGIA DA PROBLEMATIZAÇÃO Neusi Aparecida Navas Berbel Este breve texto tem a finalidade de contribuir com aqueles que se interessam em aplicar a Metodologia da Problematização

Leia mais

Normas para a elaboração de um relatório. para a disciplina de projecto integrado. 3.º ano 2.º semestre. Abril de 2004

Normas para a elaboração de um relatório. para a disciplina de projecto integrado. 3.º ano 2.º semestre. Abril de 2004 Normas para a elaboração de um relatório para a disciplina de projecto integrado 3.º ano 2.º semestre Abril de 2004 Instituto Superior de Tecnologias Avançadas Índice Introdução...3 O que é um relatório...3

Leia mais

Conhecendo Seu Telefone

Conhecendo Seu Telefone Conhecendo Seu Telefone Fone de ouvido Telefone com a função viva-voz Intensidade do Sinal Intensidade da Bateria Porta Celular Anexo Tecla de Ação Y Tecla Enviar N Teclado de Navegação Tecla da Agenda

Leia mais

Prof. Rodrigo Marchesin. Unidade I ECONOMIA E MERCADO

Prof. Rodrigo Marchesin. Unidade I ECONOMIA E MERCADO Prof. Rodrigo Marchesin Unidade I ECONOMIA E MERCADO Apresentação Inúmeras questões econômicas: preços; desemprego; salários; câmbio; taxa de juros; impostos. Conceito de economia oikos (casa) do grego:

Leia mais

Projeção ortográfica e perspectiva isométrica

Projeção ortográfica e perspectiva isométrica Projeção ortográfica e perspectiva isométrica Introdução Para quem vai ler e interpretar desenhos técnicos, é muito importante saber fazer a correspondência entre as vistas ortográficas e o modelo representado

Leia mais

CALCULANDO O PREÇO DO PRODUTO FINAL

CALCULANDO O PREÇO DO PRODUTO FINAL CALCULANDO O PREÇO DO PRODUTO FINAL 1º PASSO RELACIONE O MATERIAL NECESSÁRIO PARA CONFECÇÃO E SEUS RESPECTIVOS PREÇOS Quantidade Material Preço Unit Preço total 35 cm Tecido 13,00 4,55 35 cm Forro 7,00

Leia mais

EXPERIMENTOTECA DE SOLOS COLEÇÃO DE CORES DE SOLOS (COLORTECA)

EXPERIMENTOTECA DE SOLOS COLEÇÃO DE CORES DE SOLOS (COLORTECA) EXPERIMENTOTECA DE SOLOS COLEÇÃO DE CORES DE SOLOS (COLORTECA) Marcelo Ricardo de Lima Professor Doutor (DSEA/UFPR) ATENÇÃO: Copyright 2005 - Departamento de Solos e Engenharia Agrícola. Esta experiência

Leia mais

Identificando Oportunidades

Identificando Oportunidades Identificando Oportunidades Simone S. Souza e Ellen Francine SSC570 Empreendedorismo ICMC/USP Processo Empreendedor Identificar e avaliar a oportunidade Desenvolver o plano de negócios Determinar e captar

Leia mais

CAPÍTULO 4. 4 - O Método Simplex Pesquisa Operacional

CAPÍTULO 4. 4 - O Método Simplex Pesquisa Operacional CAPÍTULO 4 O MÉTODO SIMPLEX 4 O Método Simplex caminha pelos vértices da região viável até encontrar uma solução que não possua soluções vizinhas melhores que ela. Esta é a solução ótima. A solução ótima

Leia mais

O Engenheiro. Introdução à Engenharia Elétrica Prof. Edmar José do Nascimento

O Engenheiro. Introdução à Engenharia Elétrica  Prof. Edmar José do Nascimento O Engenheiro Introdução à Engenharia Elétrica http://www.univasf.edu.br/~edmar.nascimento Prof. Edmar José do Nascimento Introdução à Engenharia Elétrica Carga horária 30 horas (15 encontros) Professores

Leia mais

Avaliação e Desempenho Aula 1 - Simulação

Avaliação e Desempenho Aula 1 - Simulação Avaliação e Desempenho Aula 1 - Simulação Introdução à simulação Geração de números aleatórios Lei dos grandes números Geração de variáveis aleatórias O Ciclo de Modelagem Sistema real Criação do Modelo

Leia mais

DESENHO TÉCNICO ( AULA 03)

DESENHO TÉCNICO ( AULA 03) Sólidos Geométricos DESENHO TÉCNICO ( AULA 03) Você já sabe que todos os pontos de uma figura plana localizam-se no mesmo plano. Quando uma figura geométrica tem pontos situados em diferentes planos, temos

Leia mais

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Exercícios de Consolidação Formulação 1 º Exercício Defina os diferentes

Leia mais

A certificação de Belts do Seis Sigma

A certificação de Belts do Seis Sigma A certificação de Belts do Seis Sigma Muitas vezes, os profissionais treinados no programa Seis Sigma têm dúvidas sobre a forma de certificação dos Green Belts, Black Belts e Master Black Belts. Conheça

Leia mais

Que tal ganhar uma viagem ao estilo Mary Kay? Você já ganhou alguma viagem de presente? Porque você não trabalharia por ela? Você sabe como ganhar?

Que tal ganhar uma viagem ao estilo Mary Kay? Você já ganhou alguma viagem de presente? Porque você não trabalharia por ela? Você sabe como ganhar? Que tal ganhar uma viagem ao estilo Mary Kay? Você já ganhou alguma viagem de presente? Porque você não trabalharia por ela? Você sabe como ganhar? Vamos aos requisitos!! Se formar diretora até 1 de agosto

Leia mais

O conteúdo deste manual é propriedade da editora e dos autores. O manual não poderá ser revendido, nem cedido a terceiros.

O conteúdo deste manual é propriedade da editora e dos autores. O manual não poderá ser revendido, nem cedido a terceiros. Todos os direitos reservados. O conteúdo deste manual é propriedade da editora e dos autores. Não é autorizada a reprodução deste manual sem a autorização expressa e por escrito dos autores. O manual não

Leia mais

Inbound Marketing MANUAL DO CURSO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1.240 Vila Mariana São Paulo SP. Informações

Inbound Marketing MANUAL DO CURSO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1.240 Vila Mariana São Paulo SP. Informações Inbound Marketing MANUAL DO CURSO ESPM Rua Joaquim Távora, 1.240 Vila Mariana São Paulo SP Informações Central de Relacionamento: (11) 5081-8200 (opção 1) De segunda a sexta das 9h às 20h45, e sábado das

Leia mais

Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando

Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando a improvisação e a rotina. Explicitar princípios, diretrizes

Leia mais

AS NARRATIVAS BÍBLICAS FERRAMENTAS ÚTEIS PARA O MINISTÉRIO

AS NARRATIVAS BÍBLICAS FERRAMENTAS ÚTEIS PARA O MINISTÉRIO AS NARRATIVAS BÍBLICAS FERRAMENTAS ÚTEIS PARA O MINISTÉRIO 1- O Que são as Narrativas? A. OS BENEFÍCIOS E AS VANTAGENS Narrativas são histórias. Na narrativa somos introduzidos a um cenário onde pessoas

Leia mais

LIDERANÇA. Prof. Aline Hilsendeger Pereira de Oliveira

LIDERANÇA. Prof. Aline Hilsendeger Pereira de Oliveira Os objetivo deste estudo é conhecer os estilos de liderança. Reconhecer estes estilos nas pessoas dentro da organização de maneira que possamos orientar, treinar e desenvolver adequadamente os indivíduos.

Leia mais

Após anos 70: aumento significativo de recursos para restauração. Não se observa um aumento proporcional de

Após anos 70: aumento significativo de recursos para restauração. Não se observa um aumento proporcional de Aspectos sociais em projetos de restauração de áreas degradadas Maria Castellano CTR Campinas Gestão de recursos naturais Os recursos naturais são passíveis de serem utilizados por muitos indivíduos; É

Leia mais

EN1002 - Engenharia Unificada I. O MÉTODO DE PROJETO EM ENGENHARIA Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas

EN1002 - Engenharia Unificada I. O MÉTODO DE PROJETO EM ENGENHARIA Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas EN1002 - Engenharia Unificada I O MÉTODO DE PROJETO EM ENGENHARIA Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas Conteúdo da Apresentação I: Método de projeto para Habilidades do engenheiro

Leia mais

Ferramentas para a Qualidade

Ferramentas para a Qualidade Diagrama de processo: seu objetivo é a listagem de todas as fases do processo de forma simples e de rápida visualização e entendimento. Quando há decisões envolvidas pode-se representar o diagrama de processo

Leia mais

Lição 2. Instrução Programada

Lição 2. Instrução Programada Lição 2 Na lição anterior falamos da matéria, analisando sua constituição. Verificamos que a natureza da eletricidade poderia ser revelada pelo estudo das partículas constituintes do átomo. Havíamos chegado

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Gestão de Recursos Humanos 3ª Série Relações Sindicais e Negociações Trabalhistas A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

UNIPAC Araguari FACAE - Faculdade de Ciências Administrativas e Exatas SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIPAC Araguari FACAE - Faculdade de Ciências Administrativas e Exatas SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIPAC Araguari FACAE - Faculdade de Ciências Administrativas e Exatas SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SAD Sistemas de Apoio à Decisão 2011/02 Aula Cinco crishamawaki@yahoo.com.br Modelos de decisão Sistemas de

Leia mais

ATIVIDADE DE MATEMÁTICA Data de entrega 12/04/2012

ATIVIDADE DE MATEMÁTICA Data de entrega 12/04/2012 OSASCO, DE DE 2012 NOME: PROF. 6º ANO ATIVIDADE DE MATEMÁTICA Data de entrega 12/04/2012 1. Responda: a) 144 é múltiplo de 9? Por quê? b) 415 é múltiplo de 7? Por quê? 2. O campeonato mundial de Futebol

Leia mais

6 Discussão dos Resultados das Entrevistas

6 Discussão dos Resultados das Entrevistas 85 6 Discussão dos Resultados das Entrevistas Neste capítulo apresentarei a discussão de alguns resultados realizando um contraponto com o que foi especulado ao longo deste trabalho a respeito de infidelidade

Leia mais

Como Criar o Hábito de Estudar a Bíblia?

Como Criar o Hábito de Estudar a Bíblia? Como Criar o Hábito de Estudar a Bíblia? 1. Competência a ser construída: Criar o hábito de estudar a Bíblia. Encontro 06 Aconselhamos que você professor, estude e pratique o método de estudo da Bíblia

Leia mais

Análise e Resolução da prova do ICMS-PE Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova do ICMS-PE Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Análise e Resolução da prova do ICMS-PE Neste artigo, farei a análise das questões de Matemática

Leia mais

Lista de Exercícios MMC e MDC

Lista de Exercícios MMC e MDC Nota: Os exercícios desta aula são referentes ao seguinte vídeo Matemática Zero 2.0 - Aula 11 MMC e MDC (parte 1 de 1) Endereço: https://www.youtube.com/watch?v=l2k66gp-sm4 Gabarito e Resolução nas últimas

Leia mais

Solução da prova da 2a fase OBMEP 2014 Nível 2. Questão 1. item a)

Solução da prova da 2a fase OBMEP 2014 Nível 2. Questão 1. item a) Questão 1 Cada nova pilha tem dois cubinhos a mais em sua base. Assim, como a terceira pilha tem 5 cubinhos em sua base, a quarta pilha tem 5 + 2 = 7 cubinhos e a quinta pilha tem 7 + 2 = 9 cubinhos em

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. 2 a Etapa PERCEPÇÃO VISUAL Vestibular SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Leia atentamente o CARTAZ sobre ELIMINAÇÃO AUTOMÁTICA, afixado na parede da sala, à sua frente, e as

Leia mais

Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/73

Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/73 Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/73 Exposições 2/73 Longa duração maior tempo para pesquisar e conhecer o acervo, pensar a comunicação e as ações, desenvolver estratégias, avaliar

Leia mais

fairport@fairport.com.br O sistema

fairport@fairport.com.br O sistema Scanalyzer e software para uso com Daphnia em testes ecotoxicológicos O sistema O LemnaTec HTS com software Daphnia detecta e quantifica a mobilidade de pequenos organismos em microplacas. As placas são

Leia mais

4.2.2 Filtrando Macro filtro

4.2.2 Filtrando Macro filtro MACRO FILTRO A: A história O exercício de Macro Filtro é um exercício curto, mas constitui um passo muito importante que liga a geração da idéia de projeto à decisão final sobre a idéia de negócio mais

Leia mais