Sistema de Informação logístico: um estudo da acuraria das informações de estoque em empresa do ramo varejista da construção civil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Informação logístico: um estudo da acuraria das informações de estoque em empresa do ramo varejista da construção civil"

Transcrição

1 1 Sistema de Informação logístico: um estudo da acuraria das informações de estoque em empresa do ramo varejista da construção civil Mauricio João Atamanczuk (Unicentro) Gilson Plodowski (Unicentro) Julio Soter Vinharski (Unicentro) Cleverson Molinari Mello (Unespar/Fafipar) Resumo: O presente estudo tem por objetivo verificar quais fatores levam a falta de acucária nas informações de inventário de estoque em uma empresa do ramo varejista de construção civil. Empregou-se o estudo de caso como método de condução do estudo e a observação direta intensiva com uso de observação e entrevistas para a coleta de dados. Os principais problemas apontados referem-se a falta de treinamento, a estruturação inadequada do sistema quanto a organização dos procedimentos e ao baixo envolvimento dos colaboradores e gestores com a qualidade da informação oriunda do sistema. Palavras-chave: Sistema de Informação Logístico, acuracidade, gerenciamento de estoques. Abstract: The present study aims to verify faotres which lead to lack of sugar in the inventory information of stock in a company in the retail construction. We used the case study as a method of conducting the study and intensive direct observation using observation and interviews to collect data. The main issues raised relate to the lack of training, inadequate system for structuring the organization of procedures and the low involvement of employees and managers with the quality of information from the system. Key-words: Logistics Information System, accuracy, inventory management.

2 2 1. INTRODUÇÃO Os sistemas de informação gerencial visam proporcionar melhor controle e acesso ágil as informações nas diversas áreas da organização. Para a logística o controle informacional é essencial na busca pela eficiência de suas atividades. O controle da informação é destacado por Ballou (1993) como uma das atividades logísticas de apoio atuando tanto no controle de informações internas como externas à organização. No ramo varejista as informações de estoque são essenciais tendo em vista o grande número de itens comercializados e o alto giro dos mesmos. A acuracidade das informações torna-se essencial para o controle a planejamento eficiente no ramo. Para obtenção de acurácia das informações é necessário considerar a estruturação adequada das atividades de alimentação do sistema de informação adotado pela organização e os componentes envolvidos (softaware, hardware e pessoas). Considerando estes aspectos esta pesquisa buscou identificar quais são os fatores que interferem na acurária da informação do sistema de informação de estoques de uma empresa do ramo varejista de materiais de construção. A estruturação da pesquisa considerou a medição da acurácia em dois momentos distintos para observar a evolução deste problema e, através de entrevistas com os envolvidos no processo, analisou os fatores que interferem nos procedimentos de alimentação destes sistemas. 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Com a evolução dos sistemas informatizados, redução de seus custos, aliado à simplificação de sua utilização, as ferramentas tecnológicas passaram a ser utilizadas com maior freqüência nas organizações. Segundo Beal (2007) as organizações passaram a investir em equipamentos que pudessem, de forma mais completa e ágil, coletar, armazenar, processar, e acessar a qualquer momento os dados e extrair destes as informações necessárias em diferentes locais, conectando entre si e facilitando as atividades de toda equipe de trabalho, independente da sua localização. Esses equipamentos referem-se à tecnologia da informação. Silva; Ribeiro e Rodrigues (2004, p.81), definem tecnologia da informação como o somatório de toda a infra-estrutura tecnológica requerida para suporte aos

3 3 sistemas de informação baseados em computadores. Ainda como conceito, Resende e Abreu (2001, p.76) dizem que a tecnologia da informação é um conjunto de recursos tecnológicos e computacionais para a geração e uso da informação e esta deve ter compatibilidade entre software, hardware e sistema de informação. Silva, Ribeiro e Rodrigues (2004) ainda corrorboram ao afirmarem que a tecnologia refere-se além dos bens tangíveis, aos métodos e procedimentos que utilizam seus recursos. Para Laudon e Laudon (1999) os sistemas de informação referem-se a um conjunto de componentes que interrelacionam com o objetivo de coletar, processar, armazenar e distribuir informações proporcionando suporte a decisão gerencial. Para O Brien (2004) os sistemas de informação classificam-se em função de sua aplicabilidade em sistema de apoio as operações e sistema de apoio gerencial. Batista (2006) explica que os sistemas de informação são classificados em termos conceituais em função da utilização de suas informações. Na atividade logística os sistemas de informação são essenciais como destaca Bowersox e Closs (2007) ao afirmar que informações precisas são levadas em conta por clientes quanto a status de pedido e programação de entrega; proporcionam redução de estoques e recursos humanos e aumentam a flexibilidade das decisões em razão de tempo e localizaçaõ para aplicação dos recursos. Ainda Bowersox e Closs (2007) destacam que o Sistema de Informação Logístico (SIL) proporcionam a integração das atividades logísticas ao abrangerem quatro níveis de funcionalidades: transacional, controle gerencial, análise de decisão e planejamento estratégico. Na concepção de Ballou (1993) e Bowersox e Closs (2007) estas funcionalidades são apresentadas em ordem crescente em formato de pirâmide. O primiero nível, transacional, é responsável pela consulta de estoques, andamento de pedidos, a partir do segundo nível o sistema proporciona controle das atividades e subsídios para tomadas de decisão. Bobsin (2007) explica que existem diferentes níveis de utilização dos sistemas informatizados de acordo com os diferentes níveis hierarquicos. Essencial para que possa ser utilizado de maneira eficiente é que o sistema possua acurária das informações. Acuracidade de estoque segundo Sucupira e Pedreira (2008, p.2) é um indicador da qualidade e confiabilidade da informação existente nos sistemas de controle, contabeis ou não, em relação à existência física dos itens controlados.

4 4 Conforme explica Avila Jr (2008) esta qualidade é medida pela comparação entre o inventário físico e a informação disponivel no sistema informatizado. A qualidade da informação de estoque, segundo Martins e Alt (2006) é medida através da proporção entre o número de itens com registro correto e número total de itens. Sucupira e Pedreira (2008, p. 2) destacam a necessidade de se apurar a divergência para verificar se os erros de estoque têm grande relevância pois a divergência observada pode ser insignificante. Esta divergência é verificada através da proporção entre a diferença da quantidade encontrada para um item e seu registro no sistema pela quantidade registrada no sistema. A medição da acurária da informaçaõ logísitca proporciona atendimento dos princípios básicos da informaçao logistica destacados por Bowersox e Closs (2007): disponibilidade, precisão, atualização, possibilita tomada de decisão, flexibilidade, formato adequado. O correto registro das informações de estoque permite que sejam executadas de maneira eficiente as reposições dos mesmos. Imprecisões destes registros geram erros no planejamento da reposição, vendas perdidas, atraso de entregas comprometendo a eficiência da empresa (ARNOLD, 2006). Wiler (2009) apresentou como principais componentes do sistema de informação o sistema e a infra-estrutura de TI, alinhamento estratégico com os objetivos da empresa e as pessoas. Em seu estudo que abordou a incidência de determinantes da aceitação da tecnologia da informação observou que a aceitação da mesma contribuiu para o sucesso da implantação do sistema. Arnold (2006, p. 362) argumenta que a imprecisão nos registros de estoques deve-se a vários fatores, mas todos eles resultam de sistemas ruins de manutenção de registros e de pessoal mal treinado. Numa perspectiva mais específica para Arnold (2006) os procedimentos podem ser causas também de falta de acurácia dos sistemas de informação como retiradas de materiais sem autorização ou mesmo erros no registro dos procedimentos. Cabral (2008) considera, além da acurácia das informações, a temporalidade, integridade, acessibilidade e facilidade de uso como fatores que devem ser considerados para a qualidade da informação, contemplando os vários níveis quanto à destinação da informação dentro do sistema na abordagem de Bowersox e Closs (2007) e Ballou (1993).

5 5 3. METODOLOGIA A pesquisa tem como objetivo analisar o sistema de informação de controle dos estoques da empresa estudada a partir da compreensão de seu funcionamento e de aspectos operacionais relevantes que influenciam na sua acurácia. Quanto ao seu objetivo pode-se classificar a pesquisa como descritiva, que segundo Vergara (2007, p.47) expõe características de determinada população ou de determinado fenômeno. Roesch (1999, p.137) também contribui quando argumenta que o objetivo da pesquisa descritiva é levantar informação sobre determinada população de modo a obter informação necessária para a ação ou predição. Quanto aos procedimentos utilizados, se caracteriza como estudo de caso que segundo Gil (1996) trata-se do estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos de maneira que permita seu amplo e detalhado conhecimento. A pesquisa busca, em um primeiro momento, medir a acurácia da informação, a partir da contagem dos itens e comparação com os valores registrados no Sistema de Informação da empresa. A medicação foi realizada em dois momentos distintos, com intervalo de um mês entre as mesmas, para verificar se a falta de acurácia da informação é constante ou variável. Para esta fase os pesquisadores utilizaram formulários que registraram a descrição dos itens e as quantidades contadas. Os passos seguintes buscam a compreensão dos erros que ocasionam a falta de acurácia das informações. Esta fase possui abordagem qualitativa que é vista por Richardson (1999) como a tentativa da compreensão detalhada dos significados e características situacionais apresentados pelos entrevistados. A coleta de dados foi realizada a partir da observação direta intensiva. Segundo Lakatos e Marconi (1993, p. 190) a observação direta intensiva é realizada através de duas técnicas: observação e entrevista. Quanto à observação, classificase como não-participante, pois conforme Lakatos e Marconi (1993), o pesquisador não participa dos fatos e assume papel de espectador. Quanto ao tipo de entrevista, é entendida como padronizada, onde o entrevistador segue um roteiro estabelecido, com questões pré-determinadas. (LAKATOS e MARCONI, 1993) A observação não sistemática foi realizada pelos pesquisadores buscando subsídios para descrever os procedimentos operacionais adotados pelos usuários para alimentação do sistema de informações de controle de estoque bem como identificar eventuais ações que provoquem os erros no acurácia do controle.

6 6 Posteriormente, foi realizada a entrevista junto aos usuários do sistema, com o objetivo de levantar as principais dificuldades encontradas na utilização do mesmo. 4. DESCRIÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS O estudo foi realizado em uma loja varejista de materiais de construção localizadas na região Centro-Sul do Estado do Paraná. A estrutura da empresa possui ainda outra loja na mesma cidade e dois depósitos utilizados para guarda de mercadorias de maior volume para ambas as lojas. Com o objetivo de identificar os fatores que interferem na acuracidade das informações de estoque o estudo aborda a identificação dos níveis de acurácia, a descrição do caso e a análise dos fatores que interferem na acurácia Identificação da acuracidade da informação A análise da acuracia da informação se deu através de duas contagens, com intervalo de um mês entre as mesmas, realizadas na loja estudada para 617 itens amostrais de um total de itens cadastrados no sistema informatizado da empresa. A escolha dos itens baseou-se nos critérios de facilidade de localização devido à disposição adequada dentro da loja, facilidade de contagem, rotatividade representativa do item e cadastro no sistema informatizado. A determinação da acuracidade utilizou a proporção de itens corretos em relação ao total de itens (MARTINS; ALT, 2006). Os resultados das contagens são apresentados no gráfico abaixo: Fonte: a pesquisa Gráfico 01: Acurácia da informação de estoques

7 7 Observa-se que a acuracidade manteve-se estável em termos percentuais. Constatou-se que dos 617 itens analisados 50 deles mantiveram a acuradidade. 37 itens que estavam acurados na primeira contagem perderam esta condição, no entanto 30 itens tiveram seus valores corrigidos no sistema antes da segunda contagem gerando os percentuais de acuracidade apresentados. Considerando a acuracidade baixa foram realizados testes, conforme Sucupira e Pedreira (2008) para verificar se as divergências observadas são significativas. Divergências não significativas, segundo os autores podem ser ocasionadas por erros de contagem. Foram estabelecidas como margens de divergências 10% para a primeira análise e 20% para a segunda. Os resultados são observados no gráfico abaixo: Fonte: a pesquisa Gráfico 02: Divergência da acuracidade Considerando os níveis de divergências de 10% observa-se que nas duas contagens obteve-se 18% e 19% de acuracidade e quando se elevou para 20% a divergência tolerada não houve aumento siginificativo da acuracidade ficando em 26% e 22% em ambas as contagens. A partir da análise da acuracidade fica evidente que o sistema não apresenta informações corretas. A partir desta constatação buscaram-se junto aos envolvidos no processo de alimentação e uso dos sitema de informações os motivos da falta de acuracidade Descrição do caso O início do processo de análise foi à identificação dos procedimentos para alimentação e utilização do sistema de informação adotado pela empresa. Foram

8 8 identificadas como atividades de entrada de mercadorias: recebimento de compras, devolução de vendas em função de erros da entrega ou defeitos do produto e recebimento de transferência de outra loja ou depósito. As saídas de mercadorias referem-se às venda, envio de transferência e envio de substituições aos clientes. A atividade de recebimento consiste na conferência das mercadorias recebidas em comparação com a nota fiscal e lançamento destas informações no sistema informatizado. As dificuldades observadas nesta atividade são o recebimento de produtos em que a mensuração é impraticável como pedra brita e areia. Outro fator observado é o recebimento de mercadorias diretamente nos depósitos onde a conferência é realizada, mas o lançamento das informações no sistema atrasa em função do envio tardio da nota fiscal para a loja a qual se destina a mercadoria. Este fato evidencia erros nos procedimentos de controle. O fato de a empresa possuir duas lojas na mesma cidade gera, em alguns casos, necessidade de transferencia de mercadorias entre estas. Os sistemas de controle são independentes, mas os depósitos são de uso comum o que apresenta grande dificuldade de gerenciamento. Outro fator determinante analisado através das observações é a devolução de mercadorias que tem trâmite burocratico demorado para a realização e em função da necessidade de rápido atendimento do cliente as quantidades são lançadas no sistema a posteriore, sendo que em alguns casos não ocorrem. Não foram observadas falhas no processo de recebimento de devolução de mercadorias que apresentam defeitos quando este é trocado por outro item igual. Quanto às saídas de mercadorias, constatou-se que há negligência no lançamento de vendas de pequeno valor. Ainda destaca-se a grande dificuldade de controle de transferências tendo em vista que elas são retiradas do depósito para envio direto ao cliente e não para a outra unidade da empresa. As entrevistas realizadas junto aos colaboradores e gestores da organização ajudaram a evidenciar os principais problemas apresentados pela empresa (aplicadas aos servidores, usuários do sistema e aos gestores da organização). Ficaram evidentes a partir dos dados coletados, algumas dificuldades no processo de alimentação do sistema de informação da empresa. Em relação à atividade de compras de mercadorias, o primeiro entrevistado explica que as compras são realizadas quando observada a falta de mercadoria e

9 9 ainda esclarece que [...] não há confiabilidade nas informações do sistema, principalmente com relação ao estoque. Com relação à transferência de mercadorias, quando questionado sobre o procedimento de transferência de mercadoria o entrevistado fez o seguinte relato: É só no papo, é feito mais ou menos pelo responsável do deposito, o gerente sempre devolve, mais não é eficiente. [...] às vezes é feito às vezes não (E 01). A empresa conta com dois depósitos, sendo cada um de responsabilidade de cada loja. Como os depósitos possuem peculiaridades diferentes, é comum que alguns produtos pertencentes às duas lojas sejam descarregados somente no mais apropriado, e sendo posteriormente transferido para outra loja. Com relação à saída de mercadorias, pode-se afirmar que esta, é a principal responsável pela inacuracidade da informação logística na empresa estudada. Esta atividade é compreendida pela saída de materiais pela realização das vendas, troca de mercadorias realizadas junto aos clientes, saída de materiais para consumo interno, ou como forma de brindes para clientes e eventos sociais. Quando questionados sobre como é feito o registro das vendas no sistema, obteve-se dos entrevistados E2, E3 e E4 relatos de que somente vendas de grandes quantidades são lançadas no sistema informatizado, ficando evidente a falta de comprometimento com a qualidade da informação quando os vendedores não lançam tais informações no sistema. As devoluções de mercadorias é outro fator que compromete a precisão do sistema, pois, com freqüência estas informações não são lançadas no sistema informatizado. Segundo os vendedores da empresa, lançar os produtos como entrada por devolução, o que seria correto, não é realizado pela demora do procedimento. O procedimento de devolução pede algumas informações como numero da nota fiscal, nome do cliente, número do pedido entre outras, o que na opinião deles torna-se uma tarefa muito demorada e complicada que resulta na espera do cliente. Frente a esse situação, para efetuar o cálculo do valor a ser ressarcido pela empresa, os funcionários lançam as devoluções através da opção de venda, o que se torna mais rápido e fácil, porém compromete ainda mais a qualidade da informação. Outra falha de procedimento ocorre no momento da realização do orçamento ao cliente que em alguns casos, pela falta de prática junto ao sistema são lançados

10 10 como vendas sendo baixada do estoque uma quantidade que efetivamente não foi enviada para o cliente. Com relação à gerência, pode-se observar que, além de exercer as principais funções do cargo, o gerente da loja executa diversas atividades operacionais o que compromete parcialmente o tempo dedicado a função gerencial. Entre as atividades verificadas e executadas pelo gerente, que não são de sua responsabilidade elenca-se: atividade de venda de mercadorias, recebimento de mercadoria, lançamento de notas e atividades de cobrança. O lançamento incorreto de informação descaracteriza toda a credibilidade do sistema, tornando-se necessário realizar verificações de estoque quando esta informação é necessária. A falta de informação instantânea prejudica a empesa conforme descreve o primeiro entrevistado o qual destaca que há um alto gasto com telefone para fazer as verificações de disponiilidade de mercadorias. Observa-se ainda falta de treinamentos para operacionalização do sistema, o que muitas vezes gera inacuracidade da informação. Verificou-se que os funcionários culpam geralmente o sistema informatizado da empresa pela falta de confiabilidade da informação. Quando questionado sobre a utilização do sistema informatizado tem-se o seguinte depoimento: [...] o sistema não oferece suporte, e o programa utilizado não oferece assistência. Usamos o sistema principalmente para ver os preços dos produtos (E 01). Observa-se que falta planejamento quanto ao componente de software do sistema de informação. O sistema apresenta facilidade de uso em alguns de seus aspectos como consulta de preços e vendas, mas os erros de informação são atribuídos pelos usuários ao próprio sistema. O que se observa que os erros são provenientes da má utilização destes sistemas ocasionados pela falta de treinamento e má estruturação dos procedimentos de alimentação do mesmo. Outro ponto observado é que o cadastro de mercadoria em alguns casos não apresenta adequada especificação dos itens o que gera dúvidas aos usuários no momento de lançamento das informações. Quanto ao aspecto gerencial observa-se que há pouco envolvimento da gerencia da organização quanto ao uso do sistema de informação, mesmo ignorando a inacuracidade das informações. Em virtude dos erros descritos, o gerenciamento de inventário torna-se impraticável na empresa estudada. Uma vez que as informações deixam de ser

11 11 precisas, o sistema perde sua confiabilidade, ou seja, não há uma certeza em relação à informação. 5. CONCLUSÃO Ao longo do presente trabalho buscou-se analisar o sistema de informação de controle de estoques observando as atividades e procedimentos falhos determinantes para perda da acurácia das informações e de gerenciamento de estoque. A determinação do nível da acurácia foi o primiero passo que demonstrou a ineficiência do sistema. Com a realização das entrevistas, foi possível identificar as falhas apontadas pelos próprios usuários do sistema, tanto por parte dos funcionários do nível operacional, como no nível gerencial, sendo caracterizados como os principais responsáveis e ao mesmo tempo, os mais prejudicados pela inacuracidade da informação. A estrutura do sistema utilizada pela empresa, ou seja, conjunto de atividades e procedimentos é falho principalmente com relação às atividades de entrada, transferência e saída de mercadorias. Dentre as atividades referidas, o erro de registro ou a própria falta de registro é a principal falha encontrada. Nas atividades de entrada de mercadorias em relação às demais (transferência e saída) pode-se concluir que é a atividade que empresa realiza com melhor eficiência. Já com relação ao procedimento de entrada por devolução, conclui-se que é um dos principais causadores da inacuracidade da informação, por ser utilizado incorretamente. Nas atividades de saídas de mercadorias, considerada aqui como a menos eficiente entre as demais, são onde ocorrem as principais falhas apontadas pelo estudo. Pode-se afirmar que a falta de registro de informações de vendas, gera grande parte da divergência das informações constatadas. A atividade de transferência de mercadorias apresenta falhas quanto ao registro da mesma no sistema informatizado. Pode-se observar ainda que a falta de acurácia da informação de estoque gera perca de vendas pela organização em função da demora para confirmação da existência de estoque de determinadas mercadorias, além de não permitir a gerencia o planejamento de seus investimentos tendo em vista que não há controle sobre a disponibildiade de estoque. Em relação ao estágio do modelo de informação

12 12 logística apresentado por Ballou (1993) e Bowersox e Closs (2007) observa-se que a empresa ainda não atingiu o primeiro nível da pirâmide de aspecto transacional, ou seja, destinado a consulta e a controle de atividades. Os principais motivos observados para a falta de acurácia são a falta de treinamento, o pouco comprometimento com a qualidade da informação por parte dos usuários e gestores da organização, o planejamento inadequado das operações de alimentação, a falta de análise adequada do software e a disponibilidade limitada de hardware (computadores para os vendedores). A falta de apoio gerencial é apontada como principal motivador do baixo comprometimento com a qualidade da informação de estoque no caso estudado. Observa-se a inacuracidade da informação de estoque no caso estudado, mas também se constatou a percepção de que a disponibilidade da informação de estoque acurada proporciona melhores condições para planejamento de compra e manutenção dos estoques, execução das atividades de vendas e melhor controle da atividade empresarial. 6. REFERÊNCIAS ARNOLD, J. R. Tony. Administração de materiais: uma introdução. São Paulo: Atlas, AVILA JÚNIOR, Odair Sebastião de. Medição da acuracidade de estoque no setor de absorventes de uma Indústria Papeleira. 2008, 29 f. Trabalho de conclusão de curso (graduação em administração) Faculdade XV de Agosto, Socorro, BAKER, Michael j. Administração de marketing. Rio de Janeiro: Campus, BALLOU, Ronald H. Logística empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas, BATISTA, Emerson de o. Sistemas de informação: o uso consciente da tecnologia para o gerenciamento. São Paulo: Saraiva, 2006.

13 13 BEAL, Adriana. Gestão estratégica da informação: como transformar a informação e a tecnologia da informação em fatores de crescimento e de alto desempenho nas organizações. São Paulo: Atlas, BOBSIN, Debora. A percepção dos diferentes níveis hierárquicos quanto ao uso de um sistema de informação. Santa Maria, 2007, 96 f. Dissertação (Mestrado em Administração) Centro de Ciências Sociais e Humanas, Programa de Pós- Graduação em Administração, Universidade Federal de Santa Maria. BOWERSOX, Donald J; CLOSS, David J. Logística empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimento. São Paulo: Atlas, 2007 CABRAL, Elisabete Azevedo. Análise da qualidade da informação em um sistema de informação educacional: um estudo de caso no Sistema Estadual de Registro Escolar (SERE). Curitiba, Dissertação (mestado em Engenharia de Produção e Sistemas) Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas PPGEPS, Pontifícia Universidade Católica do Paraná. GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Maria de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2007 LAUDON, Kenneth c; LAUDON, Jane Price: Sistemas de informação. Rio de Janeiro: Ltc, MARTINS, Petrônio Garcia; ALT, Paulo Renato Campus. Administração de materiais e recursos patrimoniais. São Paulo: Saraiva, O BRIEN, James. A. Sistemas de informação: e as decisões gerencias na era da internet. São Paulo: Saraiva, RESENDE, Denis Alcides; ABREU Aline França de. Tecnologia da informação aplicada a sistemas de informações empresariais: o papel estratégico da informação e dos sistemas de informação nas empresas. São Paulo: Atlas, RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999.

14 14 ROESCH, Sylvia Azevedo. Projetos de estágio e de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, SILVA, Arídio; RIBEIRO, José Araujo; RODRIGUES, Luiz Alberto. Sistemas de informação na administração pública. Rio de Janeiro: Revan, STONER, James A.F; FREEMAN, R. Edward. Administração. Rio de Janeiro: Jc, SUCUPIRA, Cezar; PEDREIRA, Cristina. Inventários físicos: a importância da acuracidade dos estoques. Disponível em: <http://www.cezarsucupira.com.br/invetariarios%20fisicos.htm>. VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, WEILER, Alexandre Luiz Gotz. A implantação de um sistema de informação, enquanto mudança tecnológica, na perspectiva dos stakeholders: o caso de uma subsidiária da Vale. Curitiba: f. Dissertação (Mestrado em Administração) Programa de Mestrado e Doutorado em Administração, Universidade Positivo.

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados.

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados. 17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo 1 A Missão da R-Dias Colaborar para que o varejo obtenha melhores resultados. 2 Conheça nossas Unidades de Negócios 3 17 Anos Gerando Soluções

Leia mais

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO VILAS BOAS, M. A. A. 1 ; GOMES, E. Y. 2 1- Graduando em Sistemas de Informação na FAP - Faculdade de Apucarana 2- Docente do Curso

Leia mais

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo

Leia mais

ANÁLISE DE PROBLEMAS NO CONTROLE DE ESTOQUE GERADOS POR ERROS NOS REGISTROS DE MOVIMENTAÇÕES

ANÁLISE DE PROBLEMAS NO CONTROLE DE ESTOQUE GERADOS POR ERROS NOS REGISTROS DE MOVIMENTAÇÕES ANÁLISE DE PROBLEMAS NO CONTROLE DE ESTOQUE GERADOS POR ERROS NOS REGISTROS DE MOVIMENTAÇÕES Caroline Peixoto Pedroso (PUCPR) caroppedroso@gmail.com Fabio Favaretto (UNIFEI) professor.favaretto@gmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Processamento de Pedidos na Mira Transportes

Processamento de Pedidos na Mira Transportes Processamento de Pedidos na Mira Transportes Sumário 1 Apresentação da empresa... 3 1.1 Histórico... 3 1.2 Diferenciais... 3 2 Processamento de pedidos: revisão teórica... 4 2.1 Preparação... 4 2.2 Transmissão...

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato ÍNDICE Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato Apresentação do produto O Mobilize é uma solução mobile modular para

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

Faculdade de Tecnologia da Zona Leste Prof. Fumio Ogawa

Faculdade de Tecnologia da Zona Leste Prof. Fumio Ogawa Faculdade de Tecnologia da Zona Leste Prof. Fumio Ogawa Sistemas de Informação 2 1. Fundamentos dos Sistemas de Informação Antes de começar a discutir os sistemas de informação precisamos definir e entender

Leia mais

O IMPACTO DA CONTAGEM CÍCLICA DE MATERIAIS NA ACURACIDADE DE ESTOQUE: ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO EM UM INSTITUTO DE ODONTOLOGIA

O IMPACTO DA CONTAGEM CÍCLICA DE MATERIAIS NA ACURACIDADE DE ESTOQUE: ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO EM UM INSTITUTO DE ODONTOLOGIA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM José Henrique Garrido de Lima 1 Ronaldo Ribeiro de Campos 2 Nas últimas

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Autores Adriana Gimenes Patreze Jose Roberto Soares Ribeiro 1. Introdução Esta pesquisa diagnosticou a gestão de estoques no

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR GESTÃO EM TI

MATRIZ CURRICULAR GESTÃO EM TI MATRIZ CURRICULAR GESTÃO EM TI MODULO: Módulo Básico COMPONENTE CURRICULAR: Pesquisa Científica CÓDIGO: 101001 Os tipos de Conhecimento. A Ciência e sua forma de Evolução. O Processo da Pesquisa Científica,

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

A contribuição das contagens cíclicas para a acurácia em uma empresa do ramo gráfico: um estudo de caso

A contribuição das contagens cíclicas para a acurácia em uma empresa do ramo gráfico: um estudo de caso 63 A contribuição das contagens cíclicas para a acurácia em uma empresa do ramo gráfico: um estudo de caso Marcelo Rodrigues Fernando de Souza Cáceres (fscaceres@yahoo.com.br) Jean Carlos Cavaleiro (ajean@ig.com.br)

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Análise da acuracidade de estoques: um estudo da aplicação do método do inventário rotativo na empresa Alfa

Análise da acuracidade de estoques: um estudo da aplicação do método do inventário rotativo na empresa Alfa Análise da acuracidade de estoques: um estudo da aplicação do método do inventário rotativo na empresa Alfa Izadora Pereira (UNIFEBE) Izadorapereira@unifebe.edu.br André Luís Almeida Bastos (UNIFEBE/FURB/ESNT)

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

A Relevância do Sistema Informatizado para Controle de Estoques na Gestão Empresarial: Um Estudo de Caso

A Relevância do Sistema Informatizado para Controle de Estoques na Gestão Empresarial: Um Estudo de Caso A Relevância do Sistema Informatizado para Controle de Estoques na Gestão Empresarial: Um Estudo de Caso Carla Pereira Chagas UVV /Faculdade de Guaçuí russo2009@hotmail.com Simone de Souza UVV /Faculdade

Leia mais

ANÁLISE DA GESTÃO DE ESTOQUES DA EMPRESA FERRAGENS BRASIL

ANÁLISE DA GESTÃO DE ESTOQUES DA EMPRESA FERRAGENS BRASIL ANÁLISE DA GESTÃO DE ESTOQUES DA EMPRESA FERRAGENS BRASIL GARCIA, Thaiara Camila Chioratto ¹ CONCEIÇÃO, Marluz Aparecida Tavares de ² Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR) Campus Paranavaí. Área: Ciências

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

PREVENÇÃO DE PERDAS NO VAREJO

PREVENÇÃO DE PERDAS NO VAREJO PREVENÇÃO DE PERDAS NO VAREJO Gustavo Carrer I. Azevedo gustavoa@sebraesp.com.br @gustavocarrer /gustavocarrer Prevenção de Perdas O que são perdas no Varejo? Toda e qualquer interferência negativa no

Leia mais

AUDITORIA LOGÍSTICA PARA GERENCIAMENTO DE ESTOQUES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

AUDITORIA LOGÍSTICA PARA GERENCIAMENTO DE ESTOQUES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS AUDITORIA LOGÍSTICA PARA GERENCIAMENTO DE ESTOQUES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Maria Rita de Oliveira Ferreira (IFRN) ritaoliveira05@icloud.com Laura de Souza Matos (IFRN) lauramatosdesouza@hotmail.com

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Diagnóstico organizacional: um estudo tecnológico na cooperativa-escola do IFMG-campus Bambuí.

Diagnóstico organizacional: um estudo tecnológico na cooperativa-escola do IFMG-campus Bambuí. Diagnóstico organizacional: um estudo tecnológico na cooperativa-escola do IFMG-campus Bambuí. RESUMO Andressa Lima da CUNHA ; Aline Martins CHAVES ; Gabriel da SILVA 2 Pós-Graduada em Administração de

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Sistemas, Processos e Informações Ao observarmos o funcionamento de um setor

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

A utilização do sistema de informação como estratégia de produtividade na biblioteca Central da Faculdade Ideal.

A utilização do sistema de informação como estratégia de produtividade na biblioteca Central da Faculdade Ideal. A utilização do sistema de informação como estratégia de produtividade na biblioteca Central da Faculdade Ideal. RESUMO O artigo aborda o processo de utilização do Sistema de Informação adotado pela biblioteca

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

PREVISÃO DE DEMANDA: UM ESTUDO EM LOJAS DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO EM BRASILIA

PREVISÃO DE DEMANDA: UM ESTUDO EM LOJAS DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO EM BRASILIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA LATO SENSU EM DESENVOLVIMENTO GERENCIAL Especialização Previsão de Demanda: Um estudo em lojas de material de construção de Brasília

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 Gillene da Silva Sanses 2 O artigo apresenta a nova realidade em que se inserem, sob a perspectiva de critério para cálculo, deliberação e distribuição aos sócios, dos lucros. O

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

O GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NUM HOTEL LOCALIZADO NO SERTÃO DE PERNAMBUCO

O GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NUM HOTEL LOCALIZADO NO SERTÃO DE PERNAMBUCO ISSN 1984-9354 O GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NUM HOTEL LOCALIZADO NO SERTÃO DE PERNAMBUCO Área temática: Gestão da Produção Jiceli de Souza Silva jiceli.silva2012@hotmail.com Ana Paula da Silva Farias ana_paula2778@hotmail.com

Leia mais

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 GELAIN, Anna Júlia Lorenzzon 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; GODOY, Taís Pentiado 4 ; LOSEKANN, Andresa Girardi

Leia mais

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais.

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. Elaine Raquel Fernandes carlosadm@bol.com.br SENAC Flávia Cristina Pereira

Leia mais

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu.

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PREVISÃO DE ESTOQUES NO CONTROLE E PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA EM UMA INDÚSTRIA PRODUTORA DE FRANGOS DE CORTE: UM ESTUDO DE CASO BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA - ESPECIALISTA EM GESTÃO DA QUALIDADE EDISON MAURICIO NOVINSKI

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA - ESPECIALISTA EM GESTÃO DA QUALIDADE EDISON MAURICIO NOVINSKI 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA - ESPECIALISTA EM GESTÃO DA QUALIDADE EDISON MAURICIO NOVINSKI TERCEIRIZAÇÃO DE INVENTÁRIOS - CONTROLE DE PERDAS DE ESTOQUES ARTIGO Curitiba - PR 2014 2 EDISON

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

A Necessidade de Organização dos Controles Financeiros para uma Melhor Gestão de Empresas de Pequeno Porte

A Necessidade de Organização dos Controles Financeiros para uma Melhor Gestão de Empresas de Pequeno Porte A Necessidade de Organização dos Controles Financeiros para uma Melhor Gestão de Empresas de Pequeno Porte Nilséia Reinert Graduada em Administração pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE.

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo;

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo; Conceitos Comunicação; Formas de escritas; Bacharel Rosélio Marcos Santana Processo de contagem primitivo; roseliomarcos@yahoo.com.br Inicio do primitivo processamento de dados do homem. ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

A GESTÃO DA QUALIDADE ORGANIZACIONAL 1

A GESTÃO DA QUALIDADE ORGANIZACIONAL 1 A GESTÃO DA QUALIDADE ORGANIZACIONAL 1 FRANCESCHI, Franciéli Rosa de 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 2 ; NEUHAUS, Mauricio 3 ; COSTA, Vanessa de Matos da 2 ; ROSSATO, Marivane Vestena 2 ; PEGORARO, Delvan

Leia mais

O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL

O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL 1 O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL CARLOS RUVENS COELHO PONTE 1 CARLOS WAGNER CAVALCANTE GOMES 2 RODRIGO VIANA 3 ALINE PINTO DE MACÊDO DA SILVA 4 Resumo: Todas as empresas vêm

Leia mais

PERSPECTIVA FUNCIONAL DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TIPOS DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO

PERSPECTIVA FUNCIONAL DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TIPOS DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CURSO: GESTÃO AMBIENTAL PROFESSOR: WENES SILVA DOS SANTOS ALUNOS: ANDRÉ VIANA CAVALCANTE, DANILO CARVALHO DE OLIVEIRA, GEISA MOREIRA DE SOUSA, FERNANDA MONTES, LIAMAR MONTES, PRISCILA CASTRO, RAIMUNDINHA

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO NO APOIO A GESTÃO DE SERVIÇOS

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO NO APOIO A GESTÃO DE SERVIÇOS INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO NO APOIO A GESTÃO DE SERVIÇOS Eng. Esp. Elias G. Teixeira Prof. Antônio F. Neto, PhD engelias.teixeira@gmail.com antfarianeto@gmail.com Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT Antonio Evangelino de Carvalho Soares Cintia Silvia Victor dos Santos Claudinei Candido Vieira Érica Natália Martins Silva Kátia Ribeiro dos Santos Marco Túlio

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes AULA PASSADA: GESTÃO DE COMPRAS: PROCESSOS DE FORNECIMENTO UMA REVISÃO

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção

Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção Camila Cristina Prati Passarini (Unioeste) camila10prati@hotmail.com Rayssa Proença Loiola (Unioeste) rayssaproenca@gmail.com Riquianderson

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA

SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA Amanda Acacia Rodrigues (UNIPAM) amandaacacia.r@gmail.com Andressa Moreira Soares

Leia mais

MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES

MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES TÍTULO DO CARGO: Diretor Comercial Garantir as melhores condições de rentabilidade para a empresa, na prospecção, desenvolvimento, contratação de obras e serviços. Superior

Leia mais

Influencia da Tecnologia da Informação no controle de estoques: estudo de caso

Influencia da Tecnologia da Informação no controle de estoques: estudo de caso Influencia da Tecnologia da Informação no controle de estoques: estudo de caso Elaine Cristina Lucas Graduanda em Administração Stefânia Aparecida Belute Queiroz Especialista em Gestão Empresarial e professora

Leia mais

WMS Warehouse Management System

WMS Warehouse Management System WMS Warehouse Management System [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de email] MANUAL MANUAL AVANÇO INFORMÁTICA AVANÇO INFORMÁTICA Material Desenvolvido para a Célula Materiais

Leia mais

Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista.

Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Romão del Cura Lopéz (OPET) romao_dcl@ig.com.br Rodrigo Perez Guerra (OPET) rodrigoguerra@softall.com.br Mari Regina Anastácio (PUCPR)

Leia mais

ANÁLISE DOS IMPACTOS DA CUSTOMIZAÇÃO DE SISTEMAS ERP: O CASO DE UMA EMPRESA DE ARMAZENAGEM FRIGORÍFICA

ANÁLISE DOS IMPACTOS DA CUSTOMIZAÇÃO DE SISTEMAS ERP: O CASO DE UMA EMPRESA DE ARMAZENAGEM FRIGORÍFICA ANÁLISE DOS IMPACTOS DA CUSTOMIZAÇÃO DE SISTEMAS ERP: O CASO DE UMA EMPRESA DE ARMAZENAGEM FRIGORÍFICA André Moraes dos Santos * Bruno Samos Pini ** RESUMO A utilização de novas tecnologias tem sido considerada

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr AULA PASSADA: GESTÃO DE COMPRAS: PROCESSOS DE FORNECIMENTO UMA

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS Maria Vitória Marim Ferraz Pinto da SILVA Eng., Mestranda pela Universidade Federal de São Carlos. Rodovia Washington Luiz,

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO 1 GESTÃO DE ESTOQUE Marcela Maria Eloy Paixão Oliveira Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis email: marcela_eloy_3@hotmail.com Rafaella Machado Rosa da Silva Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

1. Introdução. Saiba mais

1. Introdução. Saiba mais 1. Introdução Gestão de Sistemas de Informação Aula 3 -Planejamento e desenvolvimento de sistemas de informação Prof: Cleber A. de Oliveira Para a adequada compreensão deste conteúdo, é preciso que estejam

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

A TÉCNICA DE ANÁLISE DE PONTO DE FUNÇÃO COMO UMA FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA DA ORGANIZAÇÃO

A TÉCNICA DE ANÁLISE DE PONTO DE FUNÇÃO COMO UMA FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA DA ORGANIZAÇÃO A TÉCNICA DE ANÁLISE DE PONTO DE FUNÇÃO COMO UMA FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA DA ORGANIZAÇÃO Francisco Jovando Rebelo de Albuquerque Prof. Me. da Instituição de Ensino UNIFESO Centro Universitário

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Caso tenha dúvida no preenchimento das informações solicitadas pelo sistema, esclareça cada uma delas com a pessoa responsável.

Caso tenha dúvida no preenchimento das informações solicitadas pelo sistema, esclareça cada uma delas com a pessoa responsável. Manual Estoque Prezado Cliente, Este é o material de apoio aos usuários e implantadores do SOFTLAND COMERCIAL, o seu sistema integrado de gestão empresarial. O bom uso deste manual o habilitará a extrair

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Palavras-chave: Sistemas de Informação. Arquivo de documentos físicos. Biblioteca. ABcetil.

Palavras-chave: Sistemas de Informação. Arquivo de documentos físicos. Biblioteca. ABcetil. ANÁLISE DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO ABCETIL PARA O GERENCIAMENTO DE ARQUIVOS DE DOCUMENTOS FÍSICOS Pietro Carlo Paladini Sobrinho, Esp 1 Tatiana Rafaeli Bez Fontana 2 RESUMO Neste trabalho consta o estudo

Leia mais

Apresentação Análise Essencial Projeto Implantação do Sistema Treinamento Suporte Técnico

Apresentação Análise Essencial Projeto Implantação do Sistema Treinamento Suporte Técnico Apresentação Um projeto de informatização tem como principal função analisar as características da empresa e apontar os pontos onde são necessários controles informatizados, fazendo uma análise junto à

Leia mais

PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO

PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO Alisson Oliveira da Silva (FAHOR) as000699@fahor.com.br Matheus Weizenman (FAHOR) mw000944@fahor.com.br

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES Volume 5

GESTÃO DE ESTOQUES Volume 5 GESTÃO DE ESTOQUES Volume 5 INVENTÁRIO 1 GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Antonio Augusto Junho Anastasia Governador do Estado de Minas Gerais Renata Maria Paes de Vilhena Secretária de Estado de Planejamento

Leia mais

Indicadores de Desempenho Logístico

Indicadores de Desempenho Logístico Indicadores de Desempenho Logístico Lívia B. Ângelo, liviabangelo@hotmail.com 1. Estratégia X Indicadores de Desempenho As estratégias servem como guia para as empresas desenvolverem e utilizarem recursos

Leia mais

Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica

Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica 1 Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica Alexandre Valentim 1 Dário Pinto Júnior 2 Fausto Kunioshi 2 Heloisa Nogueira 1 alexandrevalentim@uol.com.br dariompj@yahoo.com.br fausto.kunioshi@csn.com.br

Leia mais