Estoques Uma abordagem geral e seus efeitos contábeis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estoques Uma abordagem geral e seus efeitos contábeis"

Transcrição

1 Estoques Uma abordagem geral e seus efeitos contábeis Isabela Camila Andrade Gabrich Bacharel em Ciências Contábeis pela FACSAL Faculdade da Cidade de Santa Luzia Livingston Marlison Siqueira Bacharel em Ciências Contábeis pela FACSAL Faculdade da Cidade de Santa Luzia Recebido em 15/12/2012. Aprovado em 28/12/2012 Resumo Esta pesquisa apresenta como tema central os estoques com foco nos reflexos contábeis que a gestão deste ativo pode trazer para as empresas. Os objetivos são analisar a importância da gestão dos estoques e os reflexos contábeis que esta gestão pode trazer para as demonstrações financeiras. Quanto a metodologia utilizada, trata-se de uma pesquisa bibliográfica e de campo realizada por meio de uma entrevista ao supervisor do setor de produtos acabados da empresa Roca Brasil. Esta pesquisa permitiu entender melhor o funcionamento do estoque de produtos acabados e alguns problemas enfrentados pelo gestor, que no caso foram a escassez de espaço físico e a divergência entre o estoque físico e o contábil. Constatou-se também que os principais reflexos contábeis gerados através da gestão dos estoques são os custos de armazenamento e manutenção dos estoques e o custo das mercadorias vendidas que podem afetar diretamente no resultado do exercício. Palavras-chave: Estoques, reflexos contábeis, gestão. Abstract This research has as its central theme the stockpiles with a focus on accounting effects that the management of this asset can bring to businesses. The objectives are to analyze the importance of inventory management and accounting effects that this management can bring to the financial statements. Regarding the methodology used, it is a literature search and field performed through an interview with the supervisor of the finished goods sector company Roca Brazil. This research allowed us to better understand the functioning of finished goods inventory and some problems faced by the manager, which in the case were the lack of physical space and the divergence between the physical inventory and accounting. It was also found that the main accounting effects generated through inventory management are storage costs and maintenance of inventory and cost of goods sold that can directly affect the income statement. Key words: stockpiles, reflexes accounting, management jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 67

2 Introdução O tema do presente trabalho são os Estoques, em uma abordagem geral e seus efeitos contábeis. No contexto empresarial os estoques sempre foram um fator relevante para a gestão estratégica eficiente devido a seus efeitos, os quais refletem nos valores contábeis e principalmente nas demonstrações financeiras. Tendo em vista que são diversas as formas de gestão, avaliação e mensuração dos estoques é importante atentar para a veracidade e uso correto das informações obtidas através dos processos citados acima, para que a empresa possa reduzir os custos e consequentemente aumentar os lucros, através da eliminação dos desperdícios e da redução do espaço físico destinado aos estoques. Tais medidas permitem o controle de toda parte funcional e prática o que influencia diretamente nos resultados e processos contábeis da empresa. O objetivo geral do presente trabalho é analisar a importância dos estoques para uma gestão empresarial competitiva e lucrativa e os seus reflexos nas demonstrações contábeis das empresas. Os objetivos específicos são: Apresentar os métodos e as ferramentas usadas para o controle e avaliação dos estoques; Analisar os reflexos contábeis sobre a gestão de estoques; Identificar as técnicas mais empregadas para a gestão de resultados. O trabalho foi baseado em uma pesquisa bibliográfica e também uma pesquisa de campo que consistiu em um estudo de caso, que foi realizado através de uma entrevista sobre o funcionamento do estoque de produtos acabados, usando como fonte de pesquisa os dados do estoque da Expedição da empresa Roca Brasil Ltda, que fabrica louças sanitárias. O Sr. Haroldo Mantini supervisor deste setor participou da entrevista, auxiliando na compreensão do assunto. Referencial teórico Estoques Os estoques são constituídos por materiais e suprimentos que estão disponíveis seja para venda ou processo produtivo e é parte do processo de planejamento e de jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 68

3 grande importância para apresentar diferenças nas taxas de demandas de produção (Arnold, 2010; Lemes & Carvalho, 2010). Os estoques podem ser comparados a um amortecedor das questões que envolvem o processo produtivo e seus vários estágios e é impossível uma empresa manter suas atividades sem um estoque. É importante um alto investimento nos vários tipos de estoques, visando o aumento da capacidade e responsabilidade setorial da empresa (Dias, 1993). Esta importância pode ser confirmada pela seguinte afirmação: Normalmente, o estoque é um dos maiores itens do ativo do balanço e, caso constituído de grande variedade de itens, diversificados segundo a sua natureza e tamanho exigirá certamente, muito trabalho, demandando boa organização e grande atenção para o bom êxito do serviço (Franco & Marra, 2001, p. 400). Ainda sob uma visão contábil, destaca-se que a classificação do estoque faz parte do ativo circulante, porém, quando há a presença de bens com prazo de realização que ultrapassam um ano, ele tem a obrigatoriedade de ser registrado no ativo realizável a longo prazo (Almeida, 1996). Este autor determina a disposição da classificação dos ativos, ficando da seguinte forma: Em primeiro lugar são classificados os produtos acabados; Em segundo lugar os produtos em processo; E em terceiro as matérias primas. Com base na Lei das Sociedades por Ações (Lei 6.404/76) é exigido que os ativos devessem ser classificados no balanço por ordem decrescente de liquidez o que fundamenta a classificação exposta anteriormente (Almeida, 1996). Segundo Severo Filho (2006) a classificação dos estoques varia de acordo com as atividades da empresa, porte e natureza dos produtos fabricados. O autor usou como exemplo uma indústria: Estoques de matéria-prima e materiais auxiliares: Formados por materiais brutos destinados a transformação. Constituídos também por materiais secundários que servem como componentes ou subconjuntos que integrarão o produto final jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 69

4 Estoque de produto em processo: são todos os itens registrados utilizados para montagem ou fabricação do produto final ou que se encontram nos diversos estágios de produção. Estoques de produtos acabados; Esses estoques possuem matérias ou produtos prontos para a venda. Normalmente são alojados em depósitos próprios para expedição. Estoque operacional: é formado por peças sobressalentes ou componentes e qualquer material de manutenção reparos ou substituições com o objetivo de evitar possíveis interrupções no processo produtivo por quebra ou defeito nos equipamentos. Estoques de materiais administrativos: Formados pelos materiais usados nas áreas administrativas (papel, impressos, formulários etc.) destinados ao desenvolvimento e das atividades da empresa. Observa-se também que toda empresa industrial possui algum tipo de estoque de matérias-primas que são os materiais que serão agregados aos produtos acabados desta empresa. Enquanto que os estoques de produtos acabados referem-se aos itens que já foram produzidos, mas ainda não foram vendidos (Dias, 1993; Severo Filho, 2006). Dias (1993) afirma ainda que o nível do estoque de produtos acabados deve estar diretamente relacionado à liquidez dos itens que o constitui. Quanto maior a liquidez, maior poderá ser o nível do estoque de produtos acabados da empresa. No caso de empresas que trabalham com produtos de menor liquidez, como por exemplo, a indústria naval, o nível de estoque de produtos acabado é reduzido. O autor ainda destaca que os estoques de produtos em processo que são todos aqueles produtos parcialmente acabados, ou seja, itens que já foram de alguma forma processados, mas que até o final do processo produtivo recebem outras características. Em um parecer mais técnico a Ernest & Young, Fipecafi (2010, p. 61), deixam mais claro: Em 8 de maio de 2009, o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) emitiu o Pronunciamento Técnico CPC 16 Estoques, o qual foi elaborado a partir do IAS Inventories (IASB) e sua aplicação no julgamento do Comitê, produz reflexos contábeis que estão em conformidade com o documento editado pelo IASB. O CPC 16 foi aprovado pela Comissão de jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 70

5 Avaliação dos Estoques Valores (CVM) e pelo Conselho Federal de Contabilidade [...] Estoques são ativos: a) mantidos para venda no decurso normal dos negócios (produtos acabados); b) em processo de produção para posterior venda (produto em elaboração); ou c) Na forma de materiais ou suprimentos a serem consumidos no processo de produção ou na prestação de serviços (matéria-prima e materiais de consumo). Em uma análise geral dos sistemas de estoques pode-se afirmar que a determinação dos custos individuais das mercadorias, por itens, deve obrigatoriamente passar por algum método de avaliação de estoques. No caso do sistema permanente deve ser fixado o custo para itens vendidos; já pelo sistema periódico, o custo a ser mensurado é o dos itens remanescentes no final do período, que são iguais ao preço de venda subtraído da margem de lucro - somente quando o estoque se tratar de mercadoria para revenda (Salazar & Benedicto, 2004). Estes mesmos autores frisam que a avaliação do estoque pode ser feita por vários métodos distintos. E, que se não houvesse flutuação dos preços, todos os esses métodos levariam aos mesmos resultados, porém, isso não acontece em razão da mudança dos preços para cima ou para baixo que alteram no mesmo sentido o resultado relativo ao custo das mercadorias vendidas, afetando o custo do estoque (medição do ativo) e o CMV - Custo da Mercadoria Vendida (medição do lucro). Segundo Dias (1993) todas as formas de registro visam controlar a quantidade de materiais em estoque fisicamente e financeiramente. Contudo, a avaliação anual deverá ser feita a termos de preço incluindo o valor dos estoques de matériasprimas, produtos em processo e produtos acabados. Podendo ser feita pelo preço de custo ou de mercado preferindo-se o menor entre os dois. O preço de mercado é o preço pelo qual a matéria prima foi comprada e consta na nota fiscal do fornecedor. Já, segundo Ernest & Young, Fipecafi (2010, p. 68): [...] os custos dos estoques, exceto os que não sejam geralmente intercambiáveis e de bens ou serviços produzidos e segregados para projetos específicos, devem ser atribuídos pelos métodos PEPS ou custo médio. Dias (1993) afirma que a avaliação feita através do custo médio é a mais utilizada tomando por base o preço das retiradas, ao preço médio. Age como um jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 71

6 estabilizador equilibrando as flutuações de preços e a longo prazo reflete os custos reais das compras de materiais. O cálculo do custo médio pode ser feito no final do período mensal ou a cada produto que entrar no estoque. Sendo feita através de um critério de ponderação média dos custos e quantidades dos estoques iniciais e as entradas (FIPECAFI & Ernst & Young, 2010). Almeida (1996) descreve e caracteriza os quatro métodos mais utilizados para avaliação dos estoques, sendo eles os seguintes: Identificação específica Almeida cita que esse método é usado para identificar o custo individual de cada unidade do produto. É bastante utilizado em empresas que trabalham sob o regime de encomenda; UEPS ou LIFO (Last-in- first-out) - De acordo com o autor é nesse método que se valorizam os primeiros custos unitários das quantidades que ficam em estoque, porém acontece o inverso com as quantidades que saem, elas são valorizadas pelos últimos custos unitários, o mesmo autor ressalta ainda que esse método não é aceito pelo Pronunciamento Técnico CPC-16; PEPS ou FIFO (First-in-first-out) O autor diz que por este método a valorização das quantidades que ficam em estoques é feita pelos últimos custos unitários, e as que saem tem sua valorização baseada pelos primeiros custos unitários; Custo médio - Neste método a valorização das quantidades que ficam em estoques e das que saem é feita através do custo unitário de aquisição ou fabricação. Ernest & Youg, Fipecafi (2010) explicam que o CPC-16 não permite a avaliação através do método UEPS por ser pouco usado pelas empresas brasileiras, devido à decorrência de seus efeitos de subavaliação dos estoques principalmente em época de alta inflação, confirmando assim o que já foi exposto por Almeida (1996). Franco & Marra (2001) baseiam-se nos princípios contábeis derivados da prudência administrativa e do conservadorismo para dar fundamento ao principio contábil que determina que a avaliação dos estoques tem a obrigação de ser feita pelos preços de custo ou mercado, dos dois, o menor jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 72

7 Auditoria de Estoques Franco & Marra (2001, p. 399) afirmam que os principais objetivos da auditoria na área de estoques são: Assegurar-se da existência física dos estoques e se estes são de propriedade da empresa; Verificar se os estoques atendem a sua finalidade, se estão em boas condições e se não existem obsolescência, desperdícios etc. Examinar se os critérios de avaliação estão de acordo com os princípios fundamentais de contabilidade. Estes mesmos autores complementam que cabe ao auditor observar o desenvolvimento do inventário físico e inteirar-se antecipadamente do programa de realização do inventário e assim verificar se o programa é satisfatório e ao mesmo tempo sugerir procedimentos que julgar necessário. O inventário físico deve ser interpretado como um procedimento de controle que visa apurar as responsabilidades daqueles que tomam conta dos bens da empresa. É executado pela contagem física dos itens e a confrontação com os relatórios dos registros dos estoques visando uma adequação desses registros com a real situação dos estoques da empresa (Almeida, 1996). Em uma visão compartilhada Franco & Marra (2001) e Almeida (1996) ressaltam que para assegurar-se da real existência e propriedade do estoque devem-se adotar procedimentos básicos e o auditor deve verificar através de testes, os cálculos usados nas folhas de inventário, evitando assim erros que podem distorcer o valor que está sendo calculado. Já as folhas de inventário devem ser somadas novamente e integralmente. É comum a realização do inventário com antecipação a data do balanço, para que o auditor tenha tempo suficiente para realizar o maior número possível de procedimentos antes que ocorra o fechamento do balanço (Franco & Marra, 2001) Estes autores relatam que após a conclusão do inventário deve ser feito o confronto com os registros existentes, na mesma data fazendo-se os ajustes quando for possível e necessário. Na data do balanço é feito o exame das entradas e saídas referentes ao período intermediário para que seja determinada a razoabilidade dos valores dos estoques que irão figurar no balanço jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 73

8 Denomina-se corte o momento em que os registros contábeis e os documentos relacionados a eles, refletirem o levantamento do inventário, dessa forma o que estiver registrado até este momento deverá ser incluído no inventário, e o que for registrado posteriormente, será excluído (Franco & Marra, 2001) Os autores definem os lançamentos posteriores como materiais não registrados até o momento do corte, que consequentemente não farão parte do inventário. Já as mercadorias faturadas e não embarcadas (no caso das saídas ou faturamento) deve-se uma atenção especial para que a mercadoria seja inventariada e logo após ser excluída. Elimina-se assim a possibilidade de duplicidade de apropriação: uma pelo estoque e outra pelo faturamento. Estes mesmos autores também citam que o caso acima pode ocorrer com as entradas: mercadorias entregues parcialmente cuja fatura não foi registrada, e no caso de mercadorias em trânsito cuja fatura já foi registrada. É preciso uma investigação cuidadosa evitando assim uma influência duplicada e equivocada nas demonstrações contábeis. Para Franco & Marra (2001) no decorrer dos exames e testes o auditor poderá verificar: A capacidade que a empresa tem de cumprir com os compromissos firmados de compra ou venda futura a preços previamente estabelecidos; Analisar os efeitos desses compromissos sobre os resultados do exercício posterior; No caso de determinar prejuízo, desde que relevante, o auditor deve ponderar a conveniência de formar provisão para atender esse prejuízo em expectativa. Mensuração e Inventários Existem dois sistemas de inventário para que a empresa possa calcular o custo das mercadorias que podem variar de acordo com a sistemática de trabalho e o método avaliação aplicados (Marques, 2010). São eles: Inventário Permanente: Neste sistema o estoque é controlado de forma contínua dando-lhe baixa, em cada venda, pelo custo das mercadorias vendidas (CMV), esse controle é efetuado sobre todas as mercadorias que estiverem à disposição para venda. Pela soma dos custos de todas as vendas, teremos o CMV total do período jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 74

9 Inventário Periódico: Quando as vendas são efetuadas sem que haja um controle do estoque, ou seja, sem controlar o CMV, é necessário um levantamento físico para avaliação do estoque de mercadorias disponíveis para a venda. Nesse sistema, com o saldo de estoque final podemos encontrar o CMV com a Equação 1. (1) Como regra geral, os estoques devem ser mensurados tendo como condicionante mínimo os custos e o valor realizável líquido. Nesta regra devem-se excluir os produtos agrícolas, pois segundo a IAS 41 1, devem ser mensurados tendo como base o valor justo no momento da colheita, subtraído o custo de venda esperado. Ganhos e perdas decorrentes de tais ajustes devem ser incluídos no resultado do período e o uso do valor justo é interrompido após a colheita (Lemes & Carvalho, 2010) Quando os estoques são considerados não recuperáveis seja por avaria, obsoletismo ou por outros motivos, eles devem ser baixados pelo seu valor realizável líquido que ó preço de venda estimado menos os custos projetados para finalizar o produto e realizar a venda. Tal procedimento consiste no conceito de que os ativos não podem ser registrados por montantes maiores que o valor esperado de realização pela venda ou uso. O valor realizável líquido deve ser revisto a cada período e caso haja evidências claras a baixa efetuada no período anterior pode ser revertida. O valor contábil após a reversão é o menor entre o custo anterior à baixa e o novo valor realizável líquido (Lemes & Carvalho, 2010). Reflexos Contábeis da Gestão dos Estoques A administração de materiais pode fazer muito para melhorar os lucros de uma empresa. (ARNOLD, 1999, p. 26). Assim a contabilização dos estoques e os vários procedimentos de controle não ficam a cargo da administração financeira, mas esta deve exercer, mesmo que de forma indireta um forte controle sobre os níveis de estoques já que tais mercadorias 1 International Accounting Standard 41 Em tradução livre feita pelos autores corresponde às Normas internacionais de Contabilidade 41. São padrões de como ativos biológicos devem ser mensurados sobre os aspectos financeiros e apresentados em demonstrativos contábeis. No Brasil corresponde ao CPC jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 75

10 podem representar valores bem mais elevados do que as demais contas do ativo circulante. Os autores ainda destacam que numa empresa varejista os estoques podem representar mais de 25% do valor total dos seus ativos, por isto, os recursos despendidos em estoques é um assunto que requer muita atenção não apenas por incluir grandes somas, mas também por ser muito difícil se identificar um montante ideal de produtos que devem permanecer estocados (Autran & Coelho, 2003). Uma medida conveniente para se saber qual é o nível suficiente de estoques e saber se estes estão sendo utilizados com eficiência é o cálculo da taxa de giro de estoque pode ser encontrado com base na Fórmula 2 (Arnold, 2010). (2) As mercadorias em estoque devem ser registradas no Balanço Patrimonial como ativo circulante. Quando são vendidas, o custo dessas mercadorias é registrado na DRE como uma despesa, chamada Custo das Mercadorias Vendidas (CMV) ou Custo dos Produtos Vendidos (CPV). Essa despesa é deduzida das Vendas Líquidas e a partir deste ponto determina-se o Lucro Bruto, que corresponde ao resultado obtido com as vendas das mercadorias. Nesse nível de lucro ainda são deduzidas todas as outras despesas, operacionais e não operacionais para, assim, apurar o Lucro Líquido (Salazar & Benedicto, 2004). Ressalta-se ainda que é de grande importância tentar estabelecer um ponto de equilíbrio dos níveis de estoques, ou seja, se a empresa tiver muitas mercadorias estocadas isso pode representar muitos recursos investidos nessas mercadorias e o retorno virá apenas quando elas forem vendidas e estes recursos poderiam ser direcionados para aplicações mais vantajosas. Mas, por outro lado um estoque deficiente pode acabar por prejudicar as vendas e, com isso, trazer prejuízos (Autran & Coelho, 2003). Apresentação dos resultados Baseados em todo referencial teórico exposto neste trabalho e para melhor esclarecimento do assunto realizou-se um estudo de campo com base em uma entrevista sobre o funcionamento do estoque de produtos acabados. Usando como fonte os dados do estoque da Expedição da empresa Roca Brasil Ltda que fabrica louças sanitárias. O Sr. Haroldo Mantini supervisor do setor foi o jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 76

11 entrevistado, descrevendo temas relacionados ao processo de estocagem que permitiu identificar os problemas mais comuns e as medidas tomadas para sanar estes problemas. Dados da empresa Pesquisada Situada na cidade de Santa Luzia a ROCA BRASIL Louças Sanitárias é uma das unidades fabris do grupo Roca que foi fundada na Espanha em Iniciou sua história produzindo radiadores de ferro fundido sob o nome de Compañia Roca Radiadores S.A. O domínio tecnológico dos processos de fundição, aliado à determinação em ampliar a gama de produtos, rapidamente colocou a empresa entre um dos maiores grupos empresariais do mundo em produtos para banheiro e atualmente possui 68 fábricas situadas em 18 países e presença comercial em mais de 115. A Roca cria e produz louças sanitárias, metais para cozinhas e banheiros, banheiras e colunas de hidromassagem, pisos e revestimentos cerâmicos. A empresa possui em seu quadro de pessoal, 802 funcionários diretos e grande parte do seu quadro é de pessoas que atuam na área operacional. A pesquisa A entrevista realizada com o Sr Haroldo Mantini, supervisor do setor de Expedição da empresa Roca Brasil Louças Sanitárias Ltda no dia 10 de outubro de 2012 e nos proporcionou os seguintes resultados: 1- Quais os principais problemas relacionados ao estoque de louças sanitárias? (Sr. Haroldo) Os principais problemas são os estoques em pátio aberto, o que gera rápida deterioração da proteção (plástico) gerando acumulo de água e sujeira nas peças, divergência entre o estoque físico e o contábil e a falta de espaço físico. Para Severo Filho (2006) os estoques citados pelo entrevistado, são classificados na categoria de estoque de produtos acabados que são constituídos por produtos prontos para a venda e normalmente alojados em depósitos próprios para expedição. Quanto à divergência entre o estoque físico e o contábil, Dias (1993) afirma que todas as formas de registro visam controlar a quantidade de materiais em estoque jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 77

12 fisicamente e financeiramente, mas para evitar os erros nos estoques deverá ser feita uma avaliação anual em termos de preço. Ainda para eliminar as divergências entre o estoque físico e contábil, Almeida (1996) descreve o inventário físico como um procedimento de controle que visa apurar as responsabilidades daqueles que tomam conta dos bens da empresa. É executado pela contagem física dos itens e a confrontação com os relatórios dos registros dos estoques visando uma adequação desses registros com a real situação dos estoques da empresa. 2 O que pode ser feito para solucionar os problemas citados acima? (Sr. Haroldo) Apesar de saber do custo elevado o entrevistado sugere a cobertura da área de estocagem e a aquisição de um sistema informatizado que permita melhor controle sobre entradas e saídas das peças. Os autores Franco e Marra (2001) relataram que por ser um dos maiores itens do ativo e quando constituído de grande quantidade de itens, diversificados por natureza e tamanho que é o caso da empresa em questão, estes estoques exigem muito trabalho, demandando boa organização e grande atenção para o bom êxito do serviço. 3 Como é feita a estocagem desse tipo de material? (Sr. Haroldo) Os produtos são estocados em pallets distribuídos em locais específicos e demarcados para armazenagem correta. A maior parte é alojada em pátio a céu aberto. Produtos embalados em caixas de papelão são estocados em galpão coberto e fechado. Sob o ponto de vista dos autores Franco e Marra (2001) é importante que haja planejamento para que os estoques possam ser utilizados de maneira eficiente, indicando uma coerência com o posicionamento da empresa. 4 Qual o sistema informatizado utilizado pela empresa? Ele é eficaz no fornecimento de informações que estão diretamente ligadas ao estoque? (Sr. Haroldo) É utilizado o sistema SAP (Systems Applications and Products) que não é um sistema exclusivo para o controle do estoque. Para as entradas de produção, é utilizado um sistema de etiquetas e as entradas são feitas através de leitor óptico. Para as saídas, o controle é manual realizado por conferentes. Porém, jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 78

13 de acordo com o entrevistado esses sistemas não são eficazes no controle dos estoques da empresa devido ao grande número de itens. Para Almeida (1996) o uso de um sistema informatizado eficiente é de grande relevância, pois através dele serão gerados os relatórios que serão confrontados com o estoque físico no momento do inventário. 5- O estoque acompanha a demanda de pedidos de clientes, e prazos de entrega de mercadorias? (Sr. Haroldo) Quase sempre sim, mas devido a grande demanda que a empresa vem apresentando atualmente alguns itens apresentam um prazo longo, afirma o entrevistado. De acordo com Franco & Marra (2001) a capacidade que a empresa tem de cumprir com os compromissos firmados de compra ou venda futura a preços previamente estabelecidos são testes que devem ser realizados anualmente pela auditoria. 6 - No estoque dessa empresa existe prioridade para estocagem de produtos com maior saída, e um controle desses produtos visando melhor uso do espaço físico e maior agilidade no processo de separação? (Sr. Haroldo) Os espaços são ocupados da melhor forma possível, direcionando os itens de pouco volume para áreas pequenas e colocando os itens de maior volume nas áreas próximas às saídas. Consoando com as ideias do entrevistado, Franco & Marra (2001) deixa claro que no caso de estoque constituídos de grande variedade de itens, diversificados segundo a sua natureza e tamanho exigirá certamente, muito trabalho, demandando boa organização e grande atenção para o bom êxito do serviço. 7 Qual método de avaliação de estoques é utilizado? (Sr. Haroldo) Ele afirma que são utilizados sempre os estoques mais antigos e que a empresa adota o método PEPS (Primeiro que Entra, Primeiro que Sai). Almeida (1996) descreve este método no qual a valorização das quantidades que ficam em estoques é feita pelos últimos custos unitários e as que saem tem sua valorização baseada pelos primeiros custos unitários jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 79

14 Análise dos resultados Com base na entrevista ao Supervisor do setor de expedição da empresa Roca Brasil, Sr. Haroldo Mantini, pode-se entender melhor o funcionamento e os principais problemas apresentados no estoque de produtos acabados desta empresa. O estoque de produtos acabados da empresa, ou seja, as peças que já foram produzidas e ainda não foram vendidas é volumoso, frágil e não pode ficar exposto à umidade em virtude de sua proteção que é plástica. Por isso, há dificuldade no armazenamento devido à escassez de espaço físico adequado ao correto armazenamento que deve ser em locais cobertos. Outro problema enfrentado é a divergência entre o estoque físico e o contábil. Analisou-se também que, para reduzir o efeito destes problemas e agilizar o giro do seu estoque a empresa segue procedimentos de conferência e adota estratégias de gestão, além de contar com a ajuda da tecnologia. As entradas dos produtos acabados são feitas através de etiquetas com código de barra e leitor óptico já as saídas são conferidas manualmente, o que pode ser a causa das divergências entre o estoque físico e o contábil. Além do sistema utilizado não ser específico para o controle de estoque. Mesmo com a escassez de espaço nota-se uma estratégia que facilita a mobilidade dos estoques de forma que os produtos são estocados em locais específicos e demarcados, além dos itens de maior volume, serem estocados nas áreas próximas as saídas. Devido às estratégias adotadas, percebe-se que o funcionamento do estoque atende à demanda da empresa e de seus clientes. Porém, sugere-se: i) A adoção de um sistema específico para o seu controle; ii) Aumentar a cobertura da área de estocagem para evitar a deterioração da proteção das peças; iii) Aumentar ou automatizar o controle sobre as saídas, o que seria uma forma para reduzir a divergência entre o estoque físico e o contábil já que atualmente este procedimento é feito de forma manual; iv) Aumentar a frequência dos inventários periódicos. Considerações finais No atual contexto empresarial, que visa ao máximo à obtenção de lucro e a redução dos custos, os estoques são fator de grande relevância para a gestão estratégica por apresentarem reflexos que afetam tanto a parte física das empresas (ocupação jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 80

15 de espaços) quanto às demonstrações financeiras por ser um dos maiores itens do ativo circulante. Tal situação consoa com as ideias de Franco e Marra (2001), que afirmaram que o estoque é um dos maiores itens do ativo no balanço, por isso é necessário muito trabalho, demandando boa organização e grande atenção para o bom êxito do serviço. Este trabalho mostrou as diversas formas de gestão, avaliação e mensuração dos estoques alertando sobre a importância do uso correto das informações obtidas através destes processos. Tais informações podem auxiliar na redução dos custos com desperdícios, redução de espaço físico destinado ao armazenamento dos estoques, além de otimizar o processo de movimentação destes materiais e consequentemente aumentando os lucros da empresa. Para Dias (1993) os estoques podem ser comparados a um amortecedor das questões que envolvem o processo produtivo e seus vários estágios. Este mesmo autor também afirma que é impossível uma empresa manter suas atividades sem um estoque e prioriza a importância de um alto investimento nos vários tipos de estoques, visando o aumento da capacidade e responsabilidade setorial da empresa. Através dos resultados da entrevista aplicada ao responsável do setor de produtos acabados da empresa Roca Brasil pode-se constatar quais são os principais problemas enfrentados pelo gestor deste estoque, com destaque para a escassez de espaço físico e as divergências entre o estoque físico e o contábil. Observou-se também que tais dificuldades podem ser minimizadas utilizando algumas ferramentas que foram apresentadas ao longo deste trabalho como o aumento da frequência de execução de inventários periódicos e utilizando a fórmula para o cálculo do giro do estoque para que apenas a quantidade necessária permaneça armazenada, reduzindo-se assim o espaço físico utilizado. Constou-se que os principais reflexos contábeis gerados pelos estoques e sua gestão são os custos de estocagem e CMV ou CPV que são deduzidos das vendas líquidas na DRE e afetam diretamente no resultado do exercício. Pois segundo os autores Salazar & Benedicto (2004) quando existem vendas, o custo das mercadorias é registrado na DRE como uma despesa, chamada Custo jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 81

16 das Mercadorias Vendidas (CMV) ou Custo dos Produtos Vendidos (CPV). Essa despesa é deduzida das Vendas Líquidas e em seguida é determinado o Lucro Bruto. Outro ponto a destacar é relativo às ideias de Autran e Coelho (2003) que afirmaram que numa empresa varejista os estoques podem representar mais de 25% do valor total dos seus ativos, por isto, os recursos despendidos em estoques é um assunto que requer muita atenção. Pode-se assim comprovar que a gestão estratégica destes ativos de extrema importância e que a complexidade dos estoques é capaz de afetar as demonstrações contábeis das empresas podendo inclusive, alterar significativamente o resultado do exercício. Permeia-se assim a ideia de Arnold (2010, p. 26), o qual afirma que A administração de materiais pode fazer muito para melhorar os lucros de uma empresa. Referências Almeida, M. C. (1996). Auditoria: um curso moderno e completo. São Paulo: Atlas. Arnold, J. R. T. (2010). Administração de materiais: uma indrodução (7 o ed.). São Paulo: Atlas. Autran, M., & Coelho, C. U. F. (2003). Basico de Contabilidade + Financas. Rio de Janeiro: Senac. Dias, M. A. P. (1993). Administração de materiais: uma abordagem logistica (4 o ed.). São Paulo: Atlas. FIPECAFI, & Ernst & Young. (2010). Manual de normas internacionais de contabilidade: IFRS versus normas brasileiras (2 o ed.). São Paulo: Atlas. Franco, H., & Marra, E. (2001). Auditoria contábil (4 o ed.). São Paulo: Atlas jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 82

17 Lemes, S., & Carvalho, L. N. G. de. (2010). Contabilidade internacional para graduaçao - texto: estudos de casos e questoes de multipla escolha. São Paulo: ATLAS. Marques, W. L. (2010). Contabilidade Geral. Cianorte: Vera Cruz. ROCA BRASIL. Disponível em: < Acesso em: 20 out Salazar, J. N. A., & Benedicto, G. C. de. (2004). Contabilidade Financeira. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. Severo Filho, J. (2006). Administração de logística integrada: materiais, PCP e marketing (2 o ed.). Rio de Janeiro: Editora E-papers jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 83

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Contabilidade Avançada

Contabilidade Avançada Contabilidade Avançada Estoques Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis sobre Estoques: No IASB: IAS 2 Inventories No CPC: CPC 16 (R1) Estoques Fundamentação no Brasil: Quem já aprovou o CPC 16 (R1)?

Leia mais

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6 Bacharelado em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Parte 6 1 NBC TG 16 - ESTOQUES 6.1 Objetivo da NBC TG 16 (Estoques) O objetivo da NBC TG 16 é estabelecer o tratamento contábil para os estoques, tendo como questão fundamental

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Operações com Mercadorias Sem Impostos

Operações com Mercadorias Sem Impostos Contabilidade Empresarial Operações com Mercadorias Sem Impostos Profa. Vanda Aparecida Oliveira Dalfior Vanda.oliveira@pitagoras.com.br Curso de Ciências Contábeis - 2º. Período (2º. Semestre/2012) Operações

Leia mais

AUTOR(ES): CRISTIANE LEONCIO DE MELO, GISLAINE APARECIDA PAULINO ADRIANO, NATALIA ANGUINONI DA SILVA

AUTOR(ES): CRISTIANE LEONCIO DE MELO, GISLAINE APARECIDA PAULINO ADRIANO, NATALIA ANGUINONI DA SILVA TÍTULO: SISTEMA DE INVENTARIO NA AREA DE TRABALHO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): CRISTIANE LEONCIO DE MELO,

Leia mais

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo

Leia mais

Oficina Técnica. Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais) Fevereiro 2013. Elaborado por: Walter Luiz Quaglio

Oficina Técnica. Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais) Fevereiro 2013. Elaborado por: Walter Luiz Quaglio Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por:

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por: NBC TSP 12 Estoques Objetivo 1. O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento contábil para os estoques. Uma questão fundamental na contabilização dos estoques é quanto ao valor do custo a

Leia mais

ESTOQUE: O CAPITAL INVESTIDO

ESTOQUE: O CAPITAL INVESTIDO ESTOQUE: O CAPITAL INVESTIDO GLEICE LUANA CARDOSO DE FARIAS Graduanda do Curso de Ciências Contábeis da UFPA Luana733@hotmail.com Héber Lavor Moreira Professor Orientador heber@peritocontador.com.br Trabalho

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Harmonização contábil internacional. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Harmonização contábil internacional. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Harmonização contábil internacional Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo tem por objetivo abordar o conceito e os aspectos formais e legais das Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS AS EMPRESAS COMERCIAIS SÃO AQUELAS CUJO OBJETO SOCIAL É A COMPRA E A REVENDA DE COM OBJETIVO DE LUCRO. O LUCRO OU PREJUÍZO OBTIDO NESSAS OPERAÇÕES É DENOMINADO RESULTADO COM. 21/11/2009 PROF. PAULO VICECONTI

Leia mais

Helena Isidro e Isabel Lourenço Professoras Associadas ISCTE-IUL Aula Teórica nº 10

Helena Isidro e Isabel Lourenço Professoras Associadas ISCTE-IUL Aula Teórica nº 10 Helena Isidro e Isabel Lourenço Professoras Associadas ISCTE-IUL 1 Aula Teórica nº 10 Capítulo 6 Reporte e interpretação do custo das vendas e inventários Financial Accounting, Cap. 4 Short, Short, Libby,

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 1 de Setembro, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS COMPRADAS NAS OPERAÇÕES COMERCIAIS 1 - Introdução Nas relações comerciais as operações de devolução e retorno

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

CURSO: CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PROF.ESP.JOÃO EDSON F. DE QUEIROZ DILHO

CURSO: CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PROF.ESP.JOÃO EDSON F. DE QUEIROZ DILHO Composição e Mecanismos de Determinação do Custo do Produto O Custo de cada produto lançado no estoque é composto de matéria-prima consumida (MPC), mão-de-obra diretamente relacionada com a produção (MOD)

Leia mais

AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES

AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES 1.0 - CONCEITO A auditoria de Avaliação de Estoques consiste na conferência e análise da avaliação monetária dos estoques de mercadorias destinadas à comercialização

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS GERÊNCIAIS E ECONÔMICAS Ciências Contábeis Contabilidade em moeda constante e conversão de demonstrações contábeis para moeda estrangeira

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

AVALIAÇÃO DO METODO DE MENSURAÇÃO DOS ESTOQUES EM UMA EMPRESA S.A. UM ESTUDO DE CASO

AVALIAÇÃO DO METODO DE MENSURAÇÃO DOS ESTOQUES EM UMA EMPRESA S.A. UM ESTUDO DE CASO AVALIAÇÃO DO METODO DE MENSURAÇÃO DOS ESTOQUES EM UMA EMPRESA S.A. UM ESTUDO DE CASO GILMAR LIMA RODRIGUES a219563318@fumec.edu.br Fumec Carlos Alberto de Souza carlosprofs@gmail.com Fumec e Una Vanda

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONCEITO É uma técnica contábil que consiste na unificação das

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura).

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura). NCRF 18 Inventários Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 2 - Inventários, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

Aula 3 Contextualização

Aula 3 Contextualização Custos Industriais Aula 3 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Custos Industriais Uma vez compreendida a terminologia de custos e suas fases durante o processo produtivo, iremos delimitar os

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Exercício/período findo em 31 de dezembro Receita líquida (Nota 14) 13.913 Custo

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS.

CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS. CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS. AVALIAÇÃO DE ESTOQUES Matérias-Primas e Mercadorias 1. CUSTO DE AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção)

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção) Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação MBA em Engenharia de Produção Custos Industriais Aplicação de Custos Diretos e Indiretos Luizete Fabris Introdução tema. Assista à videoaula do professor

Leia mais

Prezado(a) Concurseiro(a),

Prezado(a) Concurseiro(a), Prezado(a) Concurseiro(a), A prova do TCM/RJ foi realizada no último final de semana e vou aproveitar para resolver as questões de Contabilidade Geral de forma simplificada e objetiva (nos cursos online,

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Visando a redução de riscos nos investimentos internacionais, além de ter mais facilidade de comunicação internacional no mundo dos negócios, com o uso de

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias

CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias Professora M. Sc. (Mestre) Crísley do Carmo Dalto Mestre em Ciências Contábeis- Contabilidade Gerencial Especialista em Contabilidade Gerencial Resultado

Leia mais

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil 1.0 - Introdução à Lei 11.638/07 Países com pouca tradição em mercados de capitais têm a tendência de sofrer, mais do que os demais, influências exógenas (externas) nos seus processos de desenvolvimento

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012, de 2011 e de 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012, de 2011 e de 2010 ABCD Gonçalves & Tortola S.A. Demonstrações financeiras em Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 7 Demonstrações

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos

Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos Neste Roteiro trataremos sobre a contabilização das mercadorias recebidas em devolução. O texto encontra-se atualizado à Resolução

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente. COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC CPC 12 Ajuste a Valor Presente. Estabelece a obrigatoriedade do ajuste a valor presente nos realizáveis e exigíveis a longo prazo e, no caso de efeito relevante,

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

expert PDF Trial Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais)

expert PDF Trial Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais) Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CONTEÚDO

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

DECIFRANDO O CASH FLOW

DECIFRANDO O CASH FLOW Por: Theodoro Versolato Junior DECIFRANDO O CASH FLOW Para entender melhor o Cash Flow precisamos entender a sua origem: Demonstração do Resultado e Balanço Patrimonial. O Cash Flow é a Demonstração da

Leia mais

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE CRITÉRIO PEPS ENTRADA SAÍDA SALDO DATA Quanti Valor Total. Total ade Unitário

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE CRITÉRIO PEPS ENTRADA SAÍDA SALDO DATA Quanti Valor Total. Total ade Unitário CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: JÚLIO CÉSAR PEREIRA MARTINS 1. AVALIAÇÃO DE ESTOQUES 1.1 INVENTÁRIO PERMANENTE É um sistema de controle de estoque onde controlamos

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 12 para ITG 12 e de outras normas citadas: de NBC T 19.1 para NBC TG 27; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011;

No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011; Créditos sobre ativo imobilizado novas regras: A MP 540 artigo 4, de 2 de agosto de 2011 introduz novas regras para a tomada de crédito sobre itens do ativo imobilizado, conforme destacamos a seguir: O

Leia mais

Tópicos Contemp. de Contabilidade ( Contabilidade Internacional) 16-08-2013 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 3º CONTAB Aula - 4

Tópicos Contemp. de Contabilidade ( Contabilidade Internacional) 16-08-2013 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 3º CONTAB Aula - 4 AULA 4 Princípios e Convenções Além dos princípios éticos no exercício de sua profissão, o contador, deverá observar e aplicar os princípios e convenções contábeis, porque são eles que norteiam e direcionam

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 ATIVO CIRCULANTE Compreende contas que estão constantemente em giro, sua conversão em moeda corrente ocorrerá, no máximo, até o próximo exercício social. As contas devem

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis Introdução l 1. l Um breve histórico l l.2 Definição do termo Contabilidade 2 1.3 O processo contábil 3 1.3.1 Posicionamento do contador em relação à empresa 4 l.4 Ramos de atuação da Contabilidade 5 l.4.

Leia mais

SOFOLHA SOLUÇÕES CORPORATIVAS CONSULTORIA TRIBUTÁRIA. SFAutomatus X Controle de Estoque X SFContábil. Obrigação de Avaliar os Estoques

SOFOLHA SOLUÇÕES CORPORATIVAS CONSULTORIA TRIBUTÁRIA. SFAutomatus X Controle de Estoque X SFContábil. Obrigação de Avaliar os Estoques SFAutomatus X Controle de Estoque X SFContábil Legislação Aplicada Obrigação de Avaliar os Estoques Empresas Tributadas com Base no Lucro Real As pessoas jurídicas submetidas à tributação com base no lucro

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO 1 Informar o lucro líquido do exercício - O montante do lucro líquido do exercício é de R$ 8.511.185,59 (oito

Leia mais

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Posicionamento em relação à Produção e Interação com outras áreas CQ FO ORNECEDORES Matéria Prima Material de Consumo

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL I

CONTABILIDADE GERAL I CONTABILIDADE GERAL I Operações com Mercadorias Prof. Martin Airton Wissmann P r o f. M a r t i n A i r t o n W i s s m a n n Página 1 SUMÁRIO 1. CONTABILIDADE GERAL I OPERAÇÕES COM MERCADORIAS... 3 1.1

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015 Escrituração Contábil Fiscal - ECF Me. Fábio Luiz de Carvalho Varginha-MG, 31.julho.2015 Causa & Efeito A Lei n. 11.638/07 combinada com os Pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment

Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 36 Impairment of Assets No CPC: CPC 01 (R1) Redução ao valor recuperável

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO MATRIZ E FILIAL A empresa Comércio Vai Bem Ltda, optante

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos (SP) Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Auxiliar

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras demonstrações financeiras 1 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Ao Conselho de Administração e aos Acionistas da Ultrapar Participações S.A. São Paulo SP Examinamos

Leia mais