KANBAN Gestão de Estoques Por Vitor Hugo De Castro Cunha

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "KANBAN Gestão de Estoques Por Vitor Hugo De Castro Cunha"

Transcrição

1 KANBAN Gestão de Estoques Por Vitor Hugo De Castro Cunha DefiniçãodisponívelnaWikipédia: Kanbanéumapalavradeorigemjaponesaquesignificaregistroouplacavisível. EmAdministraçãodaproduçãoissosetraduzporumcartãodesinalizaçãoquecontrolaosfluxosde produçãoemumaindústria.ocartãopodesersubstituídoporoutrosistemadesinalização,comoluzes, caixasvaziaseatélocaisvaziosdemarcados. Coloca seumkanbanempeçasoupartesespecíficasdeumalinhadeprodução,paraindicaraentrega deumadeterminadaquantidade.quandoseesgotaremtodasaspeças,omesmoavisoélevadoaoseu pontodepartida,ondeseconvertenumnovopedidoparamaispeças.quandoforrecebidoocartãoou quandonãohánenhumapeçanacaixaounolocaldefinido,entãodeve semovimentar,produzirou solicitaraproduçãodapeça. OKanbanpermiteagilizaraentregaeaproduçãodepeças.Podeserempregadoemindústrias montadoras,desdequeoníveldeproduçãonãooscileemdemasia.oskanbansfísicos(cartõesou caixas)transitamentreoslocaisdearmazenagemeproduçãosubstituindoformulárioseoutrasformas desolicitarpeças,permitindoenfimqueaproduçãoserealizejustintime metodologiadesenvolvidae aperfeiçoadaportaiichiohnoetoyotasakichiconhecidacomosistematoyotadeprodução. Completandooconceito AdefiniçãoacimageneralizaadefiniçãoerestringeaaplicaçãoquandoescrevequeoKanban pode seraplicadoemindustriasmontadorasdesdequeoníveldeproduçãonãooscileemdemasia. NaverdadeoKanbanpodeseraplicadoemquaisqueratividadesdemovimentaçãoouestocagemde materiais,sejaemaplicaçõesindustriaisoucomerciais. Alémdissopodemosaplicá lotambémemsituaçõesemqueoconsumooscila,porémtemosque controlaressavariaçãoassimcomoasvariaçõesdostemposdereposição. TalvezessapraticatãoeficientesejapoucodifundidanoBrasiljustamentepelafaltadeconhecimentoe literaturasobreoassunto. NesseartigoaVH2Ciraprocurardefinircommaisprecisãoaforma,conceitoeaplicaçãodetécnicas KanBandecontroledeestoques. MRPXKANBAN ComumaabordagemdiferentedoMRP(MaterialRequirementPlanning)oKANBANgerenciaitempor item,enquantoomrpgerenciatodoosistemadeaprovisionamentodesdeaprevisãodevendas, documentação(billofmaterial),estoques,programaçãodefornecedoreserecursoscomoumsóbloco.

2 Olhandoporesseprismaficasimplesimaginarasvantagensedeficiênciasdosdoismétodos. KANBAN VANTAGENS INCONVENIENTES Tratadeumitemisoladamente,nãorepassaerrosde parâmetrosoudecadastrosparaoutrositens Nãointegrainformaçõesdofuturo Quandooconsumoforiguala«zero»okanbané Utilizacoberturavertical,ouseja,quandooconsumofor alimentadoedepoisbloqueiaaproduçãoeascompras, "zero"oestoqueseráreabastecidoatéazonaverde. evitandoaconstituiçãodeestoquenãoplanejado Porsetratardeumsistemadecartões,sebaseianoestoque físico.menossuscetíveladiferençasdeinventario. Flexibilidadelimitadaaodimensionamentodoestoque Repõeaquantidadeconsumida,nãohariscodecompra exageradademateriais Simplicidade:Necessitaanaliseeacompanhamentode somente2parâmetros(consumoeleadtime) MRP VANTAGENS Integraasinformaçõesdofuturo(variaçõesdevolumes, alteraçõesdadocumentação) Utilizacoberturavertical(estoquemínimodeXXXpeças), maspodetambémutilizarcoberturashorizontais(estoque mínimodexxdias),quetentamconsumirosestoques residuaisquandoumitemédescontinuado. Flexibilidadelimitadaacapacidade INCONVENIENTES Qualquererroqueocorranosprocessosdeprevisãode vendas,documentação(billofmaterial)ouestoquesira geraracomprademateriaisemexcessoouemfalta. Acumulaeamplificaoserrosemcascata Porsetratardeumsistemaintegrado,sebaseianas posiçõesdeestoque teóricas.qualquerdivergênciaentre oestoquefísicoeoteóricopodecolocarsuaempresaem situaçõesdesobreestoqueouderuptura. Compraasquantidadesnecessáriasparaatenderaprevisão devendas.seessaprevisãoforimprecisa,aadequaçãodo estoquetambémserá. Porémosdoismétodospodemserintegradosnomesmosistema.AliasquasetodososMRPsmodernos jádispõemdecontrolesdeestoquekanban.oproblemadessesmóduloséqueelessãoconcebidos comamesmalógicadoserpsmodernos,acomplexidade.oquedificultaoentendimentoeaplicação dessametodologia. AVH2CdesenvolveuecomercializaumsistemadeKanbanEletrônicoqueintegrametodologiasde programação,rastreabilidadeesimplificaçãochamadonetjit(www.netjit.com.br). Valeapenavisitarosite!

3 Comofunciona OsistemadegestãoKanbanfuncionadentrodeumalógicadereposiçãodemateriais,ondedevemos controlarcomatençãodoisparâmetros:oconsumo(ousaída)eotempodereposição,também conhecidocomoleadtime. Ebastantesimples.Imaginequevocêtemumestoquedecanetasequesuavendadiáriadecanetasé de50unidades,comonafiguraabaixo.seoseuestoqueinicialerade500peçasnodia0,vocêvai consumir50unidadespordia,atéqueseuestoquechegueàzeronodia10. Figura01 Agoraimaginequeseufornecedordecanetasdemora2diasúteisparaentregaropedidodereposição, acontardadatadeemissãodasuaordemdecompra,esuaempresafazumpedidoporsemana. Figura02 Conformedemonstradonafigura02,opedidoéemitidonodia05eomaterialérecebidonodia07. Essemovimentodeconsumoereposiçãoéconhecidoentreosprofissionaisdelogísticacomo dente deserra doitem.atravésdaanalisedodentedeserra,podemostirardiversasconclusõesque veremosaseguir.

4 Figura03 Nafiguraacimatemosumconsumoregularde50peçaspordiaetambémum reaprovisionamentoregularde150peçasacada3dias,osquaisrepõemperfeitamenteas quantidadesconsumidasnesseperíodo. Comovistonoiniciodessetópico,asbasesdokanbansãooCONSUMOeoTEMPODE REAPROVISIONAMENTOassociadosaosistemadecartões,quetrazemoselementosde gestãovisual. Osistemakanbanseparaasposiçõesdeestoqueemtrêszonasasaber: 1.ZONAVERDE Nazonaverdedefinimosotamanhodolotemínimo,permitindoque possamosotimizarnossaprodução,transporteouestocagem.cadavezquedisparamos umaordemdecompraoudefabricação,ofornecedordeveráentregar,nomínimo,a quantidadedefinidanazonaverde. 2.ZONAAMARELA ConhecidanagestãoclássicademateriaiscomoPONTOdePEDIDO, azonaamarelacontemplaaquantidadedepecasquevamosconsumirdesdeomomento emquefazemosumpedidoaofornecedorouaproduçãoateomomentodorecebimento dessasmercadoriasnonossoestoque; 3.ZONAVERMELHA Definiremosazonavermelhademaneiradiretamenteproporcional aosriscosquecorremosdehaverumavariaçãonoconsumooudehaverumatrasona entregadofornecedor. Devemoslevaremconsideraçãotambémseoitemforimprescindívelemnossoprocesso, ouseja,umprodutocujafaltapodecomprometerseriamenteaperformancedaempresa. Nessecaso,mesmoquetenhamosconfiançanaregularidadedoconsumoedaentrega,a prudênciarogapelodimensionamentodeumazonadesegurança. Muitasvezespodeserumaboaidéiadimensionarmosnossasegurançaemcoerênciacom otempodereaprovisionamento,dessaforma,mesmoqueoestoqueatinjaazonacritica aindanosrestarátempoparaevitarmosumaruptura.

5 Transferindoosconceitosdescritosanteriormenteaonossoexemplodispostonafigura03, teremosaseguinterepresentaçãográfica: Figura04 Afigura04 Comportamentodeumitemsobaóticadokanban. Identificação Opontochavedokanbanéaidentificaçãovisualdoestoqueeosistemamaisusadopara issoéosistemaporcartões. Aodimensionarokanbandefine seonumerodecartõeskanban.noexemploacima teríamos400cartões,umparacadapeça.namedidaqueumapeçaentranoestoque,ela ganhaumcartão.nomomentodasaída,ocartãovoltaparaoquadro,ondeestão identificadasaszonasverde,amarelaevermelha.nafigura05exemplificamoscomoseria ofuncionamentocomessesistemadeidentificação. Oscartõessãocolocadosnoquadrodecimaparabaixo,dessaformatodosositenscujos cartõesestãoatingindoazonavermelha,sãocríticos. Oscartõespodemtambémserenviadosdiretamenteaosetordeproduçãodoitem,que providenciaafabricaçãoparareposiçãodascaixasconsumidas. Figura05 Autilizaçãodessemétodorequerumaatençãoespecialnaquantidadedecartões,que precisamsercontadosregularmenteafimdeidentificarmospossíveisperdasouextravios.

6 Outrométododeidentificaçãoquepodeserutilizadoéa marcaçãonolocaldeestocagem,conformefigura06.esse métodonecessitadealgunscuidadosparaquepermitao redimensionamentoconformevariaçõesdeconsumooude leadtimequecertamentevãoocorrer. Figura06 AnalisedasCapacidades Muitosautoresacreditamqueaoscilaçãodoconsumoeirregularidadedasentregas inviabilizamaaplicaçãodagestãokanban.avh2cacreditaqueémuitomaissimples controlaressasduasvariáveisafimdeobtersegurançaeperformancenagestãodos estoquesdoquecontrolarasinfinitaspossibilidadeserecursosdisponíveisnosmrps modernoscujopoderpodesercomparadoaumcarrodecorridas:excelenteferramentase vocêdispusertambémdeumexcelentepilotoeumaequipedemecânicoseengenheiros bemtreinadaededicada.casocontrario...bemvindoaomuro. Parapodermoscontrolarasduasvariáveis,devemosanalisarascapacidadesdeconsumoe defornecimento. Nafigura07exemplificamosumconsumosuperioraoprevistoquenoslevaaumasituação derupturadodia05aodia07.oconsumofoialteradode50para150peçaspordia. Figura07 Emumasituaçãodeproduçãonormalmentetemosumamaquinaoucélulaconsumindo nossoitem.dessaformatemosqueanalisaresserecursopoismuitasvezeseletambém temumalimitaçãoemfunçãodeseutempodeciclo.casooconsumomaximosejade150 peçaspordia,bastacompatibilizarazonavermelhadokanbancomesseconsumomaximo. Dessaformachegaremosazonavermelhaemtempoderepormosasquantidades consumidas.azonavermelhaestarádimensionadaagoracom225peças,quantidade suficienteparareaprovisionarosistemaemcasodeaceleraçãodoconsumo.

7 Casoacadênciamáximasejamuitosuperior,devemosanalisarosriscosparatomarmosas melhoresdecisõesdedimensionamento,conformevistoaseguir. Aanalisedofornecimentooucapacidadedereabastecimentodeveserrealizadade maneiraanáloga. MelhorandoaPerformance Aanalisedo dentedeserra nospossibilitaverificardeumamaneiraisoladaoqueestá acontecendocomumdeterminadoitem,facilitandoodiagnostico. Podemosmelhoraraperformancedenossagestãodeduasformas,asaber: 1. Quantomaioraconfiançanoconsumoenasentregas,menoranecessidadede estoquesdesegurança.nafigura08vemosqueoestoquemínimonuncafoiinferior a100peças,indicandoumapossívelfontedemelhoradeperformance.porémpara reduzirmosefetivamenteesseestoquedesegurança,devemosnoscertificarquea amostragemérepresentativa,queofuturoindicaosmesmosníveisdeconsumo,de reabastecimentoequeafaltadesseitemnãocomprometeaproduçãodemaneira severa. 2. Quantomaiorafreqüênciadeentregas,menoraamplitudedodentedeserra,logo menoranecessidadedeestoquedesegurança(figura08) Figura08 Ebomlembrarqueasegurançasódeveexistirparanosprevenirdeumrisco.Quanto menororisco,menoranecessidadedeprecaução.seapoiandonosconceitosqueforam explicadosnesseartigoenotópicoacima,vocêjápodedimensionarseukanban.avh2c deixaumamensagemparasuareflexão:quantomaispeçasnoestoquemaispeças suscetíveisàperdaeobsolescência.

8 OutrasAplicações Muitosadeptosdosistemakanbantemutilizadosualógicadecartões,queofereceuma excelenteanalisevisual,paraaplicaçõesemgestãodeprojetos. Alógicaésemelhanteaocontroledeestoque,porémavariáveldotempodereposiçãonão existe. Porexemplo,suaempresadesenvolveprodutoseasdiversasfasesdedesenvolvimento temumacertacapacidade.umengenheiropodecuidardeatétrêsprojetossimultâneos, umprojetistarealiza15digitalizaçõespormês,aferramentariaconsegueproduziratécinco moldespormês,eassimpordiante.nessecaso,oquadrokanbanserveparaorientaros operadoresegestoresquantoacargadetrabalhoecapacidadededesenvolvimento.

Business Plan Uma forma simples Por Vitor Hugo De Castro Cunha

Business Plan Uma forma simples Por Vitor Hugo De Castro Cunha Business Plan Uma forma simples Por Vitor Hugo De Castro Cunha Muitosempreendedoresfracassamnaimplementaçãodeseusprojetosounemmesmo conseguemrealizá lospelasimplesfaltadeorganizaçãodasinformações chaveparase

Leia mais

MRPs ELES FUNCIONAM? Por Vitor Hugo De Castro Cunha

MRPs ELES FUNCIONAM? Por Vitor Hugo De Castro Cunha MRPs ELES FUNCIONAM? Por Vitor Hugo De Castro Cunha Você encontrará nesse artigo uma análise dos sistemas de gestão integrada na área de supply chain (MRPs) e uma visão diagnóstica sobre os motivos pelos

Leia mais

MRP x JIT/Lean? MRP x JIT? Prof. João C. E. Ferreira - UFSC

MRP x JIT/Lean? MRP x JIT? Prof. João C. E. Ferreira - UFSC MRP: Movido pelo MPS Lead-time fixo Elevado uso do computador, para calcular quantas peças, e em qual momento tais peças devem ser fabricadas. Peças são fabricadas em resposta a instruções centralizadas,

Leia mais

Total de horas: 8 horas. Lorena, 19 de Junho de 2013. Ricardo Mendonça N. dos Santos Coordenador do Curso de Licenciatura em Biologia

Total de horas: 8 horas. Lorena, 19 de Junho de 2013. Ricardo Mendonça N. dos Santos Coordenador do Curso de Licenciatura em Biologia (a) Senhor (a) ANDRE LUIS BARBOSA MARCONDES participou em 19 de Junho de 2013 da Visita técnica ao Parque Estadual da Serra do Mar - Núcleo Cunha, sob responsabilidade pedagógica do Prof. Dr. (a) Senhor

Leia mais

Evolução da Disciplina. Programação e Controle. Conteúdo da Aula. Contextualização. Sinergia. Prof. Me. John Jackson Buettgen Aula 6.

Evolução da Disciplina. Programação e Controle. Conteúdo da Aula. Contextualização. Sinergia. Prof. Me. John Jackson Buettgen Aula 6. Programação e Controle da Produção Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 Conceitos gerais de planejamento Aula 2 Planejamento de produção Aula 3 Planejamento de recursos Prof. Me. John Jackson Buettgen

Leia mais

Universidade do Sagrado Coração

Universidade do Sagrado Coração Universidade do Sagrado Coração Questões Administração da Produção II 1. DEFINA QUALIDADE Qualidade é a conformidade com os padrões estabelecidos pela organização para um determinado produto, mas também

Leia mais

KANBAN. Kanban. Just in Time. Desperdícios. A Simplicidade no Controle das Operações

KANBAN. Kanban. Just in Time. Desperdícios. A Simplicidade no Controle das Operações KANBAN Kanban A Simplicidade no Controle das Operações Desmistificando JIT e Kanban; O Problema dos altos estoques; O Sistema MRP Os desperdícios 1 2 Just in Time Desperdícios A Filosofia Just in Time

Leia mais

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo.

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CCJE Departamento de Administração Prof. Marcos Paulo Valadares de Oliveira marcos.p.oliveira@ufes.br ADM 2179 - Administração de Materiais - Programa 1 Semestre

Leia mais

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg)

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg) Os parametros para o cálculo são : Demanda diária (D) Qtde. de peças por KANBAN (Q) Lead time de produção (LT_Prod) Lead time de entrega (LT_entr) Segurança (margem) definida (Seg) Sendo: N= D. LT_prod.

Leia mais

A filosofia do MRP

A filosofia do MRP http://www.administradores.com.br/artigos/ A FILOSOFIA DO MRP DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração (FAE), Especialista em Gestão de Negócios (ULBRA) e pós graduando

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Gestão da Produção Industrial 4ª Série Gerenciamento da Produção A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM CONTABILIDADE NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2010/1

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM CONTABILIDADE NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2010/1 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM CONTABILIDADE NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2010/1 DC 5080 25/03/2010 Rev. 00 1. Dados Legais Autorizado pelo Parecer 470 do Conselho Estadual de Educação de 24 de novembro

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 COMPONENTE CURRICULAR: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS CÓDIGO: ADM 350 PRÉ-REQUISITO: ----- PERÍODO LETIVO: 2013.1

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Curso: Planejamento, Programação e Controle da Produção (PPCP)

Curso: Planejamento, Programação e Controle da Produção (PPCP) Curso: Planejamento, Programação e Controle da Produção (PPCP) INTRODUÇÃO Um plano é a formalização de o que se pretende que aconteça em determinado momento no futuro. Todavia, um plano não garante que

Leia mais

DEFINIÇÃO DA FUNÇÃO COMPRAS

DEFINIÇÃO DA FUNÇÃO COMPRAS GESTÃO DE COMPRAS DEFINIÇÃO DA FUNÇÃO COMPRAS Obtenção no mercado o abastecimento de produtos e serviços necessários a operação da empresa. Fornecedor extensão da empresa COMPRAS DENTRO DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Curso de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP.

Leia mais

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Petrópolis 2012 Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Gestão de Estoque

Leia mais

04/09/2013. Sistemas de Informação. Markoni Heringer. Módulo 7. ERP Sistemas Integrados de Gestão

04/09/2013. Sistemas de Informação. Markoni Heringer. Módulo 7. ERP Sistemas Integrados de Gestão Sistemas de Informação Markoni Heringer 2013 Módulo 7 ERP Sistemas Integrados de Gestão 1 Algumas considerações iniciais Estoque e Gerenciamento de Materiais O gerenciamento de estoques torna-se cada vez

Leia mais

MRP / MRP II MRP / MRP II

MRP / MRP II MRP / MRP II MRP = Material Requirement Planning (planejamento das necessidades de materiais) Surgiu da necessidade de se planejar o atendimento da demanda dependente (que decorre da independente) Lista de material

Leia mais

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Jean Cunningham Quando eu era CFO (Chief Financial Officer) da Lantech (Louisville, KY), ajudei a adaptar o sistema de tecnologia de informação

Leia mais

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Ciências da Computação FURB Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Alzir Wagner Orientador: Wilson Pedro Carli Fevereiro de 2008 Roteiro de apresentação

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Universidade Federal do Rio Grande FURG Universidade Aberta do Brasil UAB Curso - Administração Administração da Produção I Prof.ª MSc. Luciane Schmitt Semana 7 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO 1 PLANEJAMENTO

Leia mais

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios.

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios. Fascículo 6 Planejamento e controle Just In Time Entendendo o Just In Time Just In Time, cuja tradução para o português resulta em algo não muito claro Apenas a Tempo, corresponde a atividade de produzir

Leia mais

Sistemas de Informação na Produção

Sistemas de Informação na Produção Sistemas de Informação na Produção ERP. Principais ERPs do mercado. Mitos sobre ERPs. Aula 6 - Questões para Refletir 2/26 Enterprise Resource Planning - ERP Sistemas de gerência que integram todos os

Leia mais

ACADEMIA DE PP ( PLANEJAMENTO E PRODUÇÃO)

ACADEMIA DE PP ( PLANEJAMENTO E PRODUÇÃO) A Academia é o melhor caminho para especialização dentro de um tema no ERP da SAP. Para quem busca uma formação com certificação em Planejamento e Produção, o mais indicado é participar da Academia de

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

Mapeamento do Fluxo de Valor

Mapeamento do Fluxo de Valor Mapeamento do Fluxo de Valor O que é Fluxo de Valor É um conjunto de ações as que agregam valor, bem como as que não agregam valor necessárias para viabilizar o produto: da concepção ao lançamento do produto

Leia mais

Gerenciando um Sistema de Operações e Logística

Gerenciando um Sistema de Operações e Logística Imagine usar peças de um jogo de montagem para simular sistemas de gerenciamento. O que parece brincadeira de criança serve para colocar na prática o que os acadêmicos do curso de Administração da Faculdade

Leia mais

Características das etiquetas Kanban

Características das etiquetas Kanban Etiqueta Kanban A etiqueta kanban é um tipo de kanban de produção usado quando a quantidade de produção é tão grande e a velocidade tão rápida que somente a etiqueta é utilizada para controle. Características

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

Treinamento ERPCFC. Sidnei Florencio. Facilitador / Suporte Técnico

Treinamento ERPCFC. Sidnei Florencio. Facilitador / Suporte Técnico Treinamento ERPCFC Sidnei Florencio Facilitador / Suporte Técnico ERP - Enterprise Resources Planning Planejamento de Recursos Empresariais O ERP é uma ferramenta tecnológica de gestão empresarial, utilizada

Leia mais

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Exercícios de Consolidação Gabarito 1 º Exercício Defina os diferentes

Leia mais

Treinamento ERPCFC. Sidnei Florencio. Facilitador / Suporte Técnico

Treinamento ERPCFC. Sidnei Florencio. Facilitador / Suporte Técnico Treinamento ERPCFC Sidnei Florencio Facilitador / Suporte Técnico ERP - Enterprise Resources Planning Planejamento de Recursos Empresariais O ERP é uma ferramenta tecnológica de gestão empresarial, utilizada

Leia mais

Treinamento ERPCFC. Sidnei Florencio. Facilitador / Suporte Técnico

Treinamento ERPCFC. Sidnei Florencio. Facilitador / Suporte Técnico Treinamento ERPCFC Sidnei Florencio Facilitador / Suporte Técnico ERP - Enterprise Resources Planning Planejamento de Recursos Empresariais O ERP é uma ferramenta tecnológica de gestão empresarial, utilizada

Leia mais

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS EM SAÚDE

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS EM SAÚDE AHSEB LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS EM SAÚDE Cadeias de Abastecimento e Distribuição Paulo Gadas JUNHO-14 1 Administrador de Empresas Pós Graduado em Marketing Estratégico Mestrado em Gestão de Empresas (em

Leia mais

Alexandre Cunha Ribeiro

Alexandre Cunha Ribeiro Alexandre Cunha Ribeiro Ana Rita Areias de Sousa Pinto Ana Sofia Pereira da Fonseca Andrea Carolina Freitas Correia António Duarte Ribeiro Eusébio Armindo Pereira Magalhães Carlos Filipe Alves Reis da

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Centro Paula Souza ETEC João Belarmino Rua: 7 de Setembro, 299 - Centro, Amparo-SP CEP: 13903-010 - Telefone: (19) 3807-2288

Centro Paula Souza ETEC João Belarmino Rua: 7 de Setembro, 299 - Centro, Amparo-SP CEP: 13903-010 - Telefone: (19) 3807-2288 1º LOG INVENTARIO Alunos simulam um Inventário Físico Geral, realizando a contagem dos produtos, auditoria, 2ª contagem, controle de fichas e apuração da acuracidade dos estoques 1º LOG ROTEIRIZAÇÃO Os

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS. Eng. Liane Freitas, MsC.

GESTÃO DE MATERIAIS. Eng. Liane Freitas, MsC. GESTÃO DE MATERIAIS Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 A natureza e a função dos estoques 2 Métodos de gestão dos estoques Método LEC Método ABC Método de revisão contínua e periódica

Leia mais

VISÕES 2004 Engenharia de Produção

VISÕES 2004 Engenharia de Produção Diony José de Almeida Organizador VISÕES 2004 Engenharia de Produção Editora Humanitas Vivens Ltda O conhecimento a serviço da Vida! Maringá-PR 2011 3 Copyright 2011 by Humanitas Vivens Ltda EDITOR: José

Leia mais

Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS. Prof. Gilberto Porto

Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS. Prof. Gilberto Porto Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS Prof. Gilberto Porto Recursos Materiais Prova: CESPE - 2013 - MPU - Técnico AdministraMvo Na figura, a curva ABC representa uma situação

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES George Paulus Pereira Dias Agenda 1. Apresentação MRP 2. Estudo de Caso 3. Apresentação da Planilha 4. Primeira rodada de tomada de decisões 5. Próximos passos MRP - Planejamento

Leia mais

O que é uma Empresa Líder em Logística?

O que é uma Empresa Líder em Logística? 133 O que é uma Empresa Líder em Logística? É aquela que oferece maior agregação de valor aos seus clientes em relação aos seus concorrentes a partir de uma combinação harmônica de práticas logísticas

Leia mais

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15 Sumário Apresentação, xiii 1 Definições e Conceitos Fundamentais, l 1.1 Sistemas de produção: conceituação, evolução e algumas importantes classificações, l 1.2 O Planejamento e Controle da Produção (PCP),

Leia mais

A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha

A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha Diversos fatores influenciam na percepção de valor para o cliente ou mercado, dependendo do tipo de produto. Para alguns produtos a confiabilidade

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

07/07/2014, 2ª feira. 04/08/2014, 2ª feira (Kung Fu e Dança de Salão para adultos, desde que haja o número mínimo de alunos inscritos).

07/07/2014, 2ª feira. 04/08/2014, 2ª feira (Kung Fu e Dança de Salão para adultos, desde que haja o número mínimo de alunos inscritos). HORÁRIO EXTENSO Ensino Fundamental 1 Gávea UNIFORME: - O uso da camisa da Escola é obrigatório. MATERIAL (para alunos que almoçam na escola): - Estojo com escova e pasta de dente; - Pente ou escova de

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

RELAÇÃO DOS COORDENADORES REGIONAIS DE SAÚDE MENTAL Telefone Institucional: 41-3420-6600/6605

RELAÇÃO DOS COORDENADORES REGIONAIS DE SAÚDE MENTAL Telefone Institucional: 41-3420-6600/6605 Secretaria de Estado da SESA Superintendência de Atenção em SAS Divisão de Mental - DVSAM Marcia Silvana Fernandes 41-3420-6600/6605 marciafernandes@sesa.pr.gov.br 1ª RS Paranaguá Deserre Araujo Nobre

Leia mais

Atendimento ao cliente

Atendimento ao cliente Outros Atendimento ao cliente Calculadora HP Economia doméstica Excel Avançado Frentista Informática Liderança PCP Planejamento e Controle da Produção Motivação Vendas Atendimento ao cliente Ética profissional

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

SKAM: Um Processo usando Scrum e Kanban para Customização de Software em Dispositivos Móveis

SKAM: Um Processo usando Scrum e Kanban para Customização de Software em Dispositivos Móveis SKAM: Um Processo usando Scrum e Kanban para Customização de Software em Dispositivos Móveis Jonh Sousa (GREat/UFC) Analista de Sistemas Rossana Andrade, Alberto Hugo, Andrea Oliveira, Frederico Silva,

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

KANBAN (capítulo 13)

KANBAN (capítulo 13) KANBAN (capítulo 13) O sistema kanban foi desenvolvido na Toyota Motor Company por Taiichi Ohno e Sakichi Toyoda e ficou conhecido dentro do Sistema Toyota de Produção, como um sistema de combate ao desperdício.

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Gestão Financeira. São Mateus. Dia: Horário: Palestra Encontro 1: 12/03/2013 09/04/2013 10/04/2013 11/04/2013. 12/04/2013 15/4 a 07/05/2013

Gestão Financeira. São Mateus. Dia: Horário: Palestra Encontro 1: 12/03/2013 09/04/2013 10/04/2013 11/04/2013. 12/04/2013 15/4 a 07/05/2013 São Mateus Palestra 12/03/2013 09/04/2013 10/04/2013 11/04/2013 12/04/2013 15/4 a 07/05/2013 08/05/2013 09/05/2013 10/05/2013 11/05 a 10/06/2013 11/06/2013 12/06/2013 13/06/2013 14/06 a 08/07/2013 09/07/2013

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Controle do resenho e da revisão do projeto de produção de cada produto acabado;

FICHA TÉCNICA. Controle do resenho e da revisão do projeto de produção de cada produto acabado; Fenícia PCP Introdução O FENICIA PCP oferece um panorama e controle geral de todo o processo produtivo integrando estoque, compras, custos e produção. Capaz de determinar com precisão a situação do estoque

Leia mais

Sistemas de Empurrar. Sistemas de Empurrar. Sistemas de empurrar dificilmente vão produzir no tempo necessário (Just-on-time)

Sistemas de Empurrar. Sistemas de Empurrar. Sistemas de empurrar dificilmente vão produzir no tempo necessário (Just-on-time) Sistemas de Empurrar Os componentes são fabricados em resposta a um programa, independentemente do próximo estágio poder absorver ou de fato necessitar peças naquele momento ada estágio envia os componentes

Leia mais

Implantes dentários. A solução mais natural, estética e segura

Implantes dentários. A solução mais natural, estética e segura Implantes dentários A solução mais natural, estética e segura Sorria naturalmente Os implantes dentários são tão reais como um dente: fiáveis, duradouros, estéticos e funcionais Os implantes: Em que consistem?

Leia mais

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas:

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas: e-ppcp / e-kanban 1 O que é e-ppcp? O e-ppcp é um aplicativo desenvolvido em ABAP/4 pela IntegrationSys para adicionar ao ERP SAP funcionalidades para suportar efetivamente o planejamento e operação de

Leia mais

Análise dos Estoques Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Martins & Alt Editora Saraiva

Análise dos Estoques Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Martins & Alt Editora Saraiva CAPÍTULO Análise dos Estoques 1 Gestão de Estoques Série de ações que permitem ao administrador verificar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados em relação aos setores que deles se

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO. Eng. Liane Freitas

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO. Eng. Liane Freitas PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Eng. Liane Freitas O que será visto hoje? PCP: definição e objetivos Funções do PCP Programação da Produção Plano Mestre de Produção Programação para Volumes Intermediários

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC SANTA ISABEL Código: 219 Município: SANTA ISABEL Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Auxiliar de Processos Operacionais Qualificação:

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

M B A P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M G E S T Ã O D A P R O D U Ç Ã O E Q U A L I D A D E * Programa sujeito a alterações

M B A P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M G E S T Ã O D A P R O D U Ç Ã O E Q U A L I D A D E * Programa sujeito a alterações depto. mkt. IBE FGV * Programa sujeito a alterações RESOLUÇÃO DO MEC Os cursos MBA Pós-Graduação Especialização da Fundação Getulio Vargas atendem aos requisitos da Resolução CNE / CES nº 01, de 08/06/07.

Leia mais

Negociação Comercial

Negociação Comercial Negociação Comercial Aula 7-02/03/09 1 Negociação Comercial CONCEITOS ERP - ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 2 -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

Produção Enxuta. Kanban

Produção Enxuta. Kanban Produção Enxuta Kanban Relembrando Supermercado O Supermercado é onde o cliente pode obter: O que é necessário; No momento em que é necessário; Na quantidade necessária. O supermercado é um lugar onde

Leia mais

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque:

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque: ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS A logística e a administração de materiais Logística é uma operação integrada para cuidar de suprimentos e distribuição de produtos de forma racionalizada, o que significa planejar,

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT (SCM) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT (SCM) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira SUPPLY CHAIN MANAGEMENT (SCM) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira 8º semestre DEFINIÇÃO DE CADEIA DE SUPRIMENTOS Conjunto de atividades que objetivam fornecer produtos

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira Universidade Estadual de Maringá Departamento de Engenharia Agrícola Campus do Arenito MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos Eng. Agríc. Luciano Vieira CLASSIFICAÇÃO Classificação dos motores de

Leia mais

Escalonamento de Ordens de Produção Utilizando Algoritmos Genéticos

Escalonamento de Ordens de Produção Utilizando Algoritmos Genéticos Universidade Regional de Blumenau Centro de Ciências Exatas e Naturais Bacharelado em Ciências da Computação Estágio Supervisionado Escalonamento de Ordens de Produção Utilizando Algoritmos Genéticos Acadêmico:

Leia mais

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15 O que é a Ciência da Fábrica? 1 0.1 Uma resposta simples (A resposta curta) 1 0.2 Uma resposta mais elaborada (A resposta longa) 1 0.2.1 Foco: a gestão da produção 1 0.2.2 O escopo: as operações 3 0.2.3

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento 3: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado e Nivelado de todos os Estágios de Produção e Distribuição JOGO DA CERVEJA Experimento e 3: Integrando

Leia mais

Validação e Proteção de dados no Excel

Validação e Proteção de dados no Excel Validação e Proteção de dados no Excel 1 2 Introdução O Excel tem um conjunto de ferramentas que permitem a restrição do erro e a proteção dos trabalhos e ficheiros. A validação de dados pode ser configurada

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO

ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5F)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4)2*OHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& ANÁLIS CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO

Leia mais

PPCP. Sistemas de PCP no Chão de Fábrica. Prof. Nilton Ferruzzi. Prof. Nilton Ferruzzi 1

PPCP. Sistemas de PCP no Chão de Fábrica. Prof. Nilton Ferruzzi. Prof. Nilton Ferruzzi 1 PPCP Sistemas de PCP no Chão de Fábrica Prof. Nilton Ferruzzi Prof. Nilton Ferruzzi 1 Sistemas que podem ser utilizados simultaneamente (ou não) * Just in time * MRP * OPT (Optimized Product Technology)

Leia mais

Cobertura de Estoques-Antigiro (Prazo médio de Rotação)

Cobertura de Estoques-Antigiro (Prazo médio de Rotação) Aula 3 Adm. de Materiais-TRE- ALEX DINIZ INDICADORES Giro de estoques Rotação de Estoques GIRO é a média de entrada e saída de um item em estoque, A unidade que este vem expresso é o inverso da unidade

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

MBA em Logística e Operações

MBA em Logística e Operações MBA em Logística e Operações Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições em Breve Turma 07 --> - *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas, em outras turmas que

Leia mais

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Ricardo Vilarim Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças Corporativas pela UFPE, Especialização em Gestão de Projetos pelo PMI-RJ/FIRJAN. Conceito

Leia mais

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA Julgamento de Processos

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA Julgamento de Processos 1 I - PROCESSOS DE VISTAS I. I - PROCESSOS QUE RETORNAM À CÂMARA APÓS "VISTA" CONCEDIDA 1 : AMILTON AMORIM /// Vistor: C-214/2015 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PIRACICABA - FATEP II - PROCESSOS DE ORDEM A

Leia mais

:: FERRAMENTAS MRP APLICADAS PDF ::

:: FERRAMENTAS MRP APLICADAS PDF :: :: FERRAMENTAS MRP APLICADAS PDF :: [Download] FERRAMENTAS MRP APLICADAS PDF FERRAMENTAS MRP APLICADAS PDF - Looking for Ferramentas Mrp Aplicadas Books? Now, you will be thankful that at this time Ferramentas

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

17/08/2010 PORQUE EXISTE ESTOQUE? se o fornecimento ocorresse exatamente quando fosse demandado, um item nunca seria estocado.

17/08/2010 PORQUE EXISTE ESTOQUE? se o fornecimento ocorresse exatamente quando fosse demandado, um item nunca seria estocado. Administração de Materiais: Estoques PORQUE EXISTE ESTOQUE? AULA 05 Gestão de Estoques se o fornecimento ocorresse exatamente quando fosse demandado, um item nunca seria estocado. 2 DEFINIÇÃO DE ESTOQUE

Leia mais

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios.

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios. TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO 2016 CURSOS Formação prática em ferramentas essenciais para a melhoria dos processos e redução de desperdícios. Desenvolvimento de 1 Pessoas Propósito é o

Leia mais

Certificado de Presença em Evento no ISEP

Certificado de Presença em Evento no ISEP *** Adam Silva *** ***c527078fe56b04280dcae9cc3541593d73d82015c12f65f060135ed5*** *** Adulcínio Adulcínio Duarte Rodrigues *** ***09d09b00214962ffdfefa4e2473001b55ffba6c7bbdc74ef3063ec95*** *** Alberto

Leia mais

amostragem, especialmente aqueles envolvidos diretamente com a produção de bens e serviços, como por

amostragem, especialmente aqueles envolvidos diretamente com a produção de bens e serviços, como por Programa sobre Planos de Amostragem Curso sobre Planos de Amostragem por Atributos - NBR 5426 (MIL STD 105) A Norma brasileira NBR 5426 correspondente à MIL STD 105, americana é a mais conhecida e utilizada

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO

ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Materiais e estoques ORÇAMENTO DE MATERIAIS E ESTOQUES É a segunda etapa do processo Orçamentário, é orçamentação dos gastos determinados pelos volume de produção pretendidos e os

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais