A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA A LOGÍSTICA E FORMAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO EM UMA EMPRESA DE IMPRESSÃO GRÁFICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA A LOGÍSTICA E FORMAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO EM UMA EMPRESA DE IMPRESSÃO GRÁFICA"

Transcrição

1 ISSN A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA A LOGÍSTICA E FORMAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO EM UMA EMPRESA DE IMPRESSÃO GRÁFICA Geraldo Cardoso de Oliveira Neto (UNINOVE) Glauciney Souza da Silva (UNINOVE) Lúcio Tadeu Costabile (UNINOVE) Fábio Ytosho Shibao (UNINOVE) Resumo A concepção de um projeto do sistema logístico envolve principalmente, os investimentos em estoques. As necessidades de estoques de uma empresa dependem do sistema logístico para disponibilizar adequadamente o estoque de matéria-prima, de ccomponentes, de produtos em processo e de produtos acabados no lugar certo, no tempo combinado e na condição acordada ao menor custo possível. Nesse trabalho desenvolveu-se um estudo de caso em uma empresa de impressão metálica. Os dados foram levantados por meio de entrevistas semiestruturada e observação em documentos e participação, que possibilitou identificar as melhorias no controle dos almoxarifados utilizando-se ferramentas de gestão de estoques. Os resultados apontaram melhorias em relação ao retorno de capital, a rotatividade dos estoques, a redução de perdas, a redução de custo de armazenagem, ao ganho de eficiência no processo de impressão metálica e formação de indicadores de desempenho para o controle do processo. Palavras-chaves: Ferramentas para Gestão de Estoque; Falhas na Gestão de Estoques; Indicadores de Desempenho

2 1 Introdução O problema dessa pesquisa consistiu no estudo de caso de uma empresa de impressão metálica no qual a desorganização do seu almoxarifado era a causa do alto custo operacional. Porque os investimentos em estoques representam uma parcela significativa de seus ativos totais, que impactam nos custos de distribuição e no nível de serviço prestado aos clientes. Logo, se por um lado justificou-se o controle de estoques orientado para minimizar custos, por outro lado deve-se garantir suprimento adequado em termos de respostas rápidas para atender as necessidades de demandas (PRIDE; FERREL, 2001). Assim, as razões a favor da manutenção de estoques estão relacionadas com o serviço ao cliente ou com economias de custos (BALLOU, 2001), pois os custos derivam indiretamente do nível de serviço. A formação de estoques de segurança reduzem os impactos na produção, porque diminui as incertezas do canal de distribuição e da demanda. A compra de grande quantidade de mercadorias proporcionam descontos ou ajudam antecipar os aumentos de preços, reduz custos de transportes quando as entregas das cargas são consolidadas, os custos de frete diminuem, compensando dessa forma os custos de manter estoques. Os estoques também podem proteger as empresas contra greves, desastres naturais, atrasos nos suprimentos, oscilações da demanda etc. De modo geral, as variáveis mencionadas justificam a existência de estoques porque facilita a administração principalmente evitando problemas. Contudo, existem vertentes contrá ção de estoques, por exemplo, os estoques podem ser considerados como desperdícios, porque o capital consumido poderia ter destino melhor, tais como a melhoria da produtividade ou da competitividade da empresa, ou quando surgem problemas de qualidade, a tendê desovar estoques para proteger o capital investido, que significa empurrar os produtos para o mercado. - ção de estoques possibilita isolar um membro do canal para obter oportunidades de curto prazo, mas isso normalmente ocorre quando nã ção, isto é, não se estabeleceu um fluxo contínuo por meio dos processos logísticos entre os parceiros da cadeia de suprimentos. 2

3 A empresa pesquisada nesse estudo de caso está no mercado desde 1936, atua na área de embalagens metálicas de aço, produzindo latas, baldes e aerossóis. Possui três unidades de produção e produz mais de 1 bilhão de latas de aço ao ano, um desempenho que se deve a uma associação de atributos como: tecnologia, inovação, pontualidade, competência e preocupação com o meio ambiente. Porém, os seus almoxarifados se encontravam desorganizados e com um custo muito alto e sem nenhum controle, ou seja, a empresa encontrava-se com cenários diferentes de estoques para a produção de impressão gráfica, que conseqüentemente acarretava em perdas de materiais espalhados pelo chão de fábrica. Sem controle de retorno das tintas que sobravam no final da produção, e sem controle das baixas dos materiais, a empresa demonstrava um alto nível de estoque no sistema, tinta deixada nas máquinas após as impressões, falta de abastecimento do insumo no momento o qual o material chega à máquina, máquinas paradas com carga completa de tintas a pelo menos um ano, tintas retornadas para o almoxarifado sem entrada no sistema e máquinas paradas por falta de tintas. O objetivo desse artigo foi de demonstrar um estudo de caso em uma empresa de impressões metálicas que apresentava falhas na gestão do almoxarifado, resultando em desorganização e alto custo em decorrência de perdas de materiais. Para tanto, a o referencial teórico que discorre sobre as falhas e desorganização nos almoxarifados e as ferramentas utilizadas para a análise e gestão dos estoques. A terceira seção apresenta a metodologia de pesquisa destacando o tipo de pesquisa, os instrumentos de coleta e análise dos dados. A quarta seção descreve os resultados da pesquisa e a análise e discussão desses resultados. Na última seção, são apresentadas as principais conclusões e as limitações da pesquisa. 2 Referencial teórico Nesse tópico serão conceituados sobre as falhas e desorganização nos almoxarifados e as ferramentas utilizadas para a análise e gestão dos estoques. 2.1 Falhas e desorganização nos almoxarifados Nessa seção serão conceituados sobre almoxarifados e os resultados das falhas e desorganização dos estoques. 3

4 Os estoques contribuem para as operações da empresa, funcionando como um s várias etapas da produçã a venda final do produto. Bowersox e Closs (2001) explicou que a utilização de estoques pode ser estendida a todos os membros da cadeia de suprimentos. Os fabricantes utilizam estoques de matérias-primas, componentes, produtos em processo e produtos acabados. O comportamento de todas as empresas da cadeia de suprimentos pode ser afetado por aqueles que utilizam a estratégia de formar estoques (PERREAULT; McCARTHY, 2002). Logo, os gestores de estoques devem buscar mecanismos que permitam reduzir os custos de manutenção sem comprometer a cadeia com a falta de mercadorias e produtos. Existem diversas definições para estoque como: composição de materiais (em processamento, os semiacabados e os acabados), que são utilizados em determinado momento na empresa e precisam existir para satisfazer futuras necessidades da empresa. São os materiais que a empresa possui e os utiliza no processo de produção de seus produtos ou serviços, segundo Cesar (2007). Outros como Martins e Alt (2003) entenderam como função de regular o fluxo de negócios, isto é, as entradas e saídas entre as duas etapas dos processos de comercialização e de produção, funcionando como se fosse um amortecedor, diminuindo o efeito dos eventuais erros de planejamento da empresa e das variações de oferta e procura. A classificação de materiais tem como objetivo a catalogação e a padronização de todos os materiais que compõem o estoque da empresa. Classificar um material significa agrupar segundo sua forma, dimensão, peso, tipo, uso, entre outros. Codificar consiste em atribuir uma numeração específica a cada item, segundo Pagotto (2005), e esclareceu que para arrumar os materiais de uma forma mais racional, o almoxarife deve estar sempre atento aos seguintes cuidados: a) Cuidar para manter permanentemente livre o acesso às prateleiras do almoxarifado; b) Manter os materiais estocados em perfeitas condições de uso; c) Arrumar nas prateleiras os materiais mais antigos na frente dos adquiridos mais recentemente; d) Conservar os materiais de acordo com suas característi ção, devem receber proteção de graxa e óleo; e) Não misturar materiais de diferentes tipos; f) Arrumar os materiais e equipamentos nas prateleiras de tal forma que o peso fique bem distribuído; 4

5 g) Estocar os materiais mais pesados em locais de fácil acesso; h) Manter ao alcance do almoxarife os materiais utilizados com mais frequência; i) Arrumar os materiais perecíveis em locais de fácil visualização; j) Guardar materiais miúdos como porcas, presilhas, botões, etc., em caixas, distribuídas ordenadamente nas prateleiras ou gavetas. Por gestão de estoque entende-se o planejamento e controle dos diversos estoques da empresa. O critério bá ção dos custos de ter e/ou não ter estoque. Portanto, ato de gerir, administrar os chamados recursos ociosos, que possuem valor econômico e são destinados ao suprimento das necessidades do sistema produtivo da empresa. Porém, os investimentos em estoques devem manter-se em constante equilíbrio em relação aos demais investimentos da empresa (CESAR, 2007; MARTINS; ALT, 2003; PAGOTTO, 2005; VIANA, 2002). 2.2 Ferramentas utilizadas para a Gestão de Estoques Nessa seção será apresentado as ferramentas que foram utilizadas para a Gestão dos Estoques, como classificação ABC, Retorno de Capital e Giros de Estoques ou Rotatividade, Perdas e Custo de Armazenagem Classificação ABC Uma ferramenta de grande utilidade para análise de estoqu rque permite identificar aqueles itens que necessitam mais atenção e tratamento adequados quanto a sua administração. Segundo Slack, Chambers e Johnston (2002), a lei de Pareto ou o princípio base da curva ABC, estabelece que aproximadamente 20% dos itens totais contidos em estoque representa uma grande proporção cerca de 80% do valor total em estoque. Assim pode-se utilizar esse princípio para a classificação dos diversos materiais estocados de acordo com sua movimentação de valor. Tornando possível aos gestores priorizarem seus esforços de acordo com os produtos mais significativos. Os produtos e/ou itens são alocados em três classes diferentes, (SLACK; CHAMBERS; JOHNSTON, 2002): Classe A: 20% dos itens que possuem um alto valor de demanda ou consumo anual representam cerca de 80 % do valor monetário do estoque. 5

6 : ário de demanda ou consumo anual, usualmente 30% dos itens que representam cerca de 10% do valor monetário total do estoque. Classe C: são itens de baixo valor, representam 50% do total de itens estocados e representam apenas cerca de 10% do valor total dos itens estocados. Os critérios usuais para a classificação de estoque segundo a curva ABC são o uso anual e do valor, mas em alguns casos outros critérios podem contribuir, como por exemplo, efeitos da falta de estoque, fornecimento incerto e risco de deterioração ou obsolescência (SLACK; CHAMBERS; JOHNSTON, 2002) Retorno de Capital e Giros de Estoques ou Rotatividade No passado, acreditava-se que um bom gerenciamento de estoques era aquele em que os itens eram alocados em volume muito superior ao utilizado, favorecendo a segurança de não faltar peças / componentes e matérias-primas para o perfeito fluxo de produção. Atualmente, sabe-se que os estoques são parte do ativo circulante da empresa e representam recursos que estão aguardando para se transformar em caixa, ou seja, risco de dinheiro com baixa liquidez correndo risco de se tornar obsoleto. Portanto, para gerir eficientemente os estoques de uma empresa ário conhecer o capital investido, a disponibilidade do estoque existente e o custo incorrido (MOURA, 2004), o lead-time, e a demanda / consumo. Somente com base no conhecimento destas informaçõ ível que seja desenvolvido um planejamento consistente com e consciente das necessidades da organização, evitando assim desperdícios de recursos financeiros e reduzindo o risco de não atendimento da demanda. Para ilustrar o impacto dos estoques sobre o lucro da companhia, deve-se avaliar o retorno de capital investido em estoques com base no lucro das vendas anuais sobre o capital investido em estoques, segundo Pozo (2010), como segue: Retorno de capital = Lucro / Capital em Estoque Enquanto, Giros de Estoques ou Rotatividade é a avaliação do capital investido em estoques comparado com o custo das vendas anuais, ou da quantidade média de materiais em estoque dividido pelo custo anual das vendas. Para se calcular a rotatividade, é necessário o valor dos estoques e dividir pelo custo anual das vendas. O valor de estoque pode ser utilizado em quantidades monetárias ou quantidades de peças. 6

7 O custo anual das vendas representa o valor anual das vendas deduzido do custo da mão-de-obra e as despesas gerais, que se resume nos custos dos matérias comprados durante o ano (POZO, 2010) e representado pelo modelo a seguir: Rotatividade ou Giros de Estoques = Custo das vendas anuais / Estoque Perdas O preço da ineficiência passa a ser mais gritante quando se chega a considerar o q ê produtivos da ordem de 85% a 95%. O parque industrial brasileiro deixa de produzir em torno de 50% da sua capacidade produtiva mesmo operando a plena carga, o que traduz em alto custo que são repassados para o preço final, comprometendo a competitividade, segundo Cortez (2013). A causa das falhas nas indústrias brasileiras são devido a diversos fatores que vão desde deficiências na organização do chão de fábrica passando pela falta de padronização, de procedimentos, capacitação dos recursos humanos e o pouco envolvimento do principal executivo na produção (CORTEZ, 2013). O primeiro passo para redução das perdas e atingir o nível ideal de produção é identificar onde está ocorrendo a perda, e para isso deve- q q q í de eficiência. Vale salientar que após descobrir as perdas, se deve organizar em ordem de prioridade, considerando a que demanda menor esforço e gera maior retorno. Além de avaliar se a metodologia para eliminar a perda não gera mais custos do que a própria perda, porque existem casos em que é mais barato atuar com perdas do que deter tecnologias que as evitem, geralmente são equipamentos não vitais à empresa. Cortez (2013) ainda apontou que se a empresa não dispõe de uma metodologia adequada, os esforços dispendidos para eliminação de perdas torna-se ineficientes, ou seja,. Portanto, estabelecida a ordem de prioridade, na etapa logo a seguir se deve definir os indicadores de desempenho da empresa como: produtividade, qualidade, custo, tempo de 7

8 entrega, segurança, meio ambiente e responsabilidade social, a partir dos quais a empresa terá condições de planejar os meios para atingir a condição ideal. Os tipos de perdas são apresentados no Quadro 1. Quadro 1 Tipos de Perdas. Manutenção programada Quebras / Falhas Set up (troca de produtos) Troca de ferramentas e gabaritos Partida e desligamento Espera Baixas velocidades, pequenas paradas e ociosidade Defeito e retrabalho Falhas administrativas Falhas operacionais Falha logística Desorganização da produção Medição e ajustes excessivos Rendimento de material Desperdício de energia Baixa eficiência de moldes e gabaritos Perdas nos equipamentos Perda de tempo por desligamento decorrente de manutenção periódica conforme calendário anual de manutenção. Perdas de tempo devido à parada inesperada do equipamento em decorrência de quebras ou falhas durante o regime normal de produção. Perdas de hora x máquina entre o final da produção de um produto e o início da produção do produto seguinte, livre de defeitos, inclusive ajustes necessários. Perda de tempo decorrente da substituição de ferramentas ou gabaritos necessários à continuação da produção podendo ser causada por desgaste normal, quebra ou fim da vida útil. Perdas de tempo causadas pelos procedimentos de partida após período planejado de inatividade e desligamento para período planejado de parada de equipamento. Perda causada pela espera por instrução de ordens de produção ou espera por materiais, mão-de-obra e/ou insumos, de maneira não programada. Perdas de produção, equivalentes em tempo, causadas pelo fato de a máquina estar trabalhando com velocidade abaixo da projetada ou a pequenas paradas, devido a problemas temporários. Perdas de produção, equivalentes em tempo, em vista da fabricação de produtos defeituosos descartados ou retrabalho de recuperação ou rebaixamento para produto de segunda categoria. Perdas nos recursos humanos e insumos Perdas de tempo do homem na espera durante processos administrativos, como espera por materiais e por instruções e trabalhos extraordinários. Perdas de tempo do homem, relacionadas ao não cumprimento dos padrões de trabalho previamente estabelecidos. Perdas de tempo do homem, relacionadas ao excessivo movimento ou deslocamento (layout deficiente, falta de sistemas automatizados ou mesmo sistemas mal projetados). Perdas de tempo do homem, relacionadas à desorganização da linha de produção que causam movimentos desnecessários, esperas ou ainda dificuldades para a realização dos trabalhos. Perdas de tempo do homem, relacionadas à utilização de horas x homem em excessivos controles, medições e ajustes, para evitar a ocorrência de produtos defeituosos. Perdas, em volume/peso, devido à diferença de peso entre todas as matérias-primas e os produtos finais, por exemplo, espessuras desnecessárias, sobremetal, refiles, rebarbas, canais de fundição etc. Insumos desperdiçados ou utilizados em excesso, isto é, além do especificado no projeto ou processo (por exemplo, perda de ar comprimido, vapor etc.) Perdas de custos indevidos incorridos na fabricação ou reparo de matrizes, gabaritos ou ferramentas, devido ao desgaste prematuro, não atingindo a vida útil 8

9 Superprodução Transporte desnecessário Movimentos desnecessários Espera Estoque desnecessário Processamento redundante Correção Fonte: Cortez (2013). esperada Custo de Armazenagem Perdas no fluxo de produção Perdas decorrentes da produção de uma grande quantidade sem necessidade ou de produção mais rápida que a demanda do cliente. Perdas causadas por qualquer movimentação de material não compatível com o sistema de produção just-in-time. Perdas devido a qualquer movimento dos recursos humanos que não adiciona valor. Perdas decorrentes do tempo ocioso entre operações. Perdas causadas por qualquer abastecimento em excesso que não ajude o fluxo de uma peça. Perdas decorrentes de processamentos desnecessários que não adicionam valor ao produto. Perdas devido à necessidade de separar, inspecionar, consertar ou refugar um produto ou serviço, para satisfazer as exigências do cliente. Para a implantação de uma estratégia empresarial, um princí. q agregado por meio de posicionamentos competitivos que são selecionados para apoiar a estratégia. Os centros logísticos prega a redução de custos e a criação de um sistema racional de armazenagem de matérias-primas e insumos para obter uma maior flexibilidade e velocidade na operação, atendendo às exigências e flutuações do mercado. A armazenagem surge como uma das funções que agrega valor ao sistema logístico, porque a mesma apresenta soluções para os problemas de estocagem de materiais e melhora na integração entre suprimento, produção e distribuição. Ballou (2001) apresentou alguns motivos que justificam a armazenagem na cadeia de suprimentos, como apresentado no Quadro 2. Quadro 2 Justificativas para armazenagem na cadeia de suprimentos Redução de custos de transporte e de produção Coordenação entre demanda e oferta Processo de produção Motivos para armazenagem Em decorrência do melhoramento no transporte e produção, as despesas adicionadas podem se compensadas com custos mais baixos da armazenagem e o estoque associado. Empresas que possuem produtos de produção sazonal e demanda variável, recorrem em alguns momentos por manter uma produção em níveis constante í. q - necessário realizar a armazenagem. Um outro fator gerador de armazenagem em decorrência da variação o í. Quando existe uma grande oscilação de preço em um curto espaço de tempo, as empresas buscam de certa forma negociar, se antecipando na compra de insumos ou produtos, afim de obtê-los a um preço mais baixo. q q í (vinhos, queijos etc.).. 9

10 Processo de marketing Fonte: Ballou (2001). Frequente preocupação do mar consumidor. Em alguns casos a armazenagem agrega um determinado valor ao produto, em função da diminuição do tempo de entrega e disponibilidade. Basicamente os custos de armazenagem (mão-de-obra, instalações, aluguel ou aquisição, equipamentos etc.) são caracterizados por serem fixos e indiretos, ou seja, existe uma obrigação contá q q çã çã (acondicionamento) e não por contas naturais (depreciaçã. os itens são contabilizados por sua função -se proporcionais. Mesmo que existam poucos produtos no armazém ou sua movimentação esteja abaixo do planejado, os custos de armazenagem continuarão constantes, pois na grande maioria esses são dependentes dos equipamentos de movimentação, de pessoal, espaço físico e de novos investimentos, se tratando de uma atividade de demanda não constante. O custo de armazenag transportes, obsolescência e despesas diversas (DIAS, 1997), - : Custo Total de Armazenagem = { [ (Q / 2) x P ] + Df } T x i : custos de capital, seguro, q Onde: Q / 2 = estoque médio em unidades de um produto. P = preço unitário do material. Df = despesas financeiras. T = tempo considerado de armazenagem. i = taxa de armazenagem, expressa geralmente em termos de porcentagem do preço unitário. Para que a expressão acima seja vá ária a análise de duas hipóteses: 1. q é q q q ível má áximo, da mesma forma para o estoque mínimo, como apresentado na Figura O preço unitário deve ser constante no período analisado ou se deve utilizar o valor médio. Estoque Estoque Máximo x 10

11 Estoque Médio y Custo de Armazenagem Figura 1 - Curva do custo de armazenagem. Fonte: Dias (1997). Na próxima seção será apresentado a metodologia que norteou o trabalho. 3 Metodologia Nesse trabalho desenvolveu-se um estudo de caso em uma empresa de impressão metálica. Os dados foram levantados por meio de entrevistas semi estruturada e observação em documentos e participação, que possibilitou identificar as melhorias no controle dos almoxarifados utilizando-se ferramentas de gestão de estoques. O estudo de caso permite compreender cada cenário analisado por meio de coleta de dados em entrevistas e observação em documentos e participação do processo, resultando em dados qualitativos e quantitativos (EISENHARDT, 1989). No processo de coleta de dados realizou-se entrevista semiestruturada junto ao gestor de logística, que permitiu a observação participante no almoxarifado de tintas e acesso a documentos e indicadores de desempenho para avaliar dados quantitativos, que possibilitou realizar análise estatística dos dados. Conforme Bogdan e Biklen (1992) a observação participante e a entrevista semiestruturada são ferramentas importantes para desenvolver discussão qualitativa. A avaliação quantitativa dos dados permitiu calcular o ABC dos itens de estoque, o retorno de capital, as perdas de estoque, o custo de armazenagem e cálculos de capacidade de produção para facilitar o entendimento sobre as melhorias conquistadas após a implementação de gestão de estoques. Segundo Hayati et al., (2006) a análise quantitativa permite melhorar compreensão do objeto estudado. 4 Estudo de Caso 11

12 4.1 Apresentação da empresa A empresa está no mercado desde 1936, atua na área de embalagens metálicas de aço, produzindo latas, baldes e aerossóis. Atende aos segmentos químico e alimentício fornecendo embalagens e serviços de litografia para as principais empresas do mercado. Possui três unidades de produção e produz mais de 1 bilhão de latas de aço ao ano, um desempenho que se deve a uma associação de atributos como: tecnologia, inovação, pontualidade, competência e preocupação com o meio ambiente. 4.2 Análise e discussão dos dados As análises foram realizadas, a partir da classificação ABC do inventário total da empresa, com o objetivo de demonstrar diferentes cenários em relação ao retorno de capital da empresa, rotatividade, valores financeiros das perdas dos insumos, comparativo dos custos de armazenagem entre os diferentes cenários dos estoques e os cálculos das capacidades de impressão da gráfica. A Tabela 1demonstra o valor de inventário total da empresa que representa 180 tipos diferentes de tintas em estoques no valor de R$ ,20 classificados em classes ABC, que de acordo com a política de estoque da empresa, visando que seus insumos de tintas possuem valores elevados, sendo assim fica determinado pela diretoria que os itens mais caros que pertencem à classe A representariam 10% que é representado por 18 produtos no valor de R$ ,44 no inventário total, e assim os itens da classe B 30% para 54 produtos no valor de R$ ,50 e para a classe C 60% igual a 108 produtos em R$ 4.799,26 totalizando assim 180 produtos em estoques. O intuito da classificação ABC, foi de fornecer aos gestores uma forma de visualizar quais eram seus produtos mais caros, suas representatividade percentuais e financeiramente no inventário total, tornando assim uma forma mais clara para o controle de compras para os abastecimentos das tintas importando-se principalmente com os itens da classe A que são os mais caros para se manter em estoques. Tabela 1 Classificação ABC do Inventário Total Produto - Tinta $ Lote de Tinta Classificação ABC 18 (10%) R$ ,44 A 54 (30%) R$ ,50 B 108 (60%) R$ 4.799,26 C = 180 (100%) = ,20 Inventário Total 12

13 A partir da classificação ABC, que foi possível quantificar financeiramente os estoques, deu suporte para uma análise do retorno de capital da empresa, porém com cenários diferentes, devido a falta de controle dos estoques do setor de impressão da gráfica, gerando assim três cenários diferentes de estoques: abastecido, baixado e físico. A Tabela 2 mostra o cenário do estoque abastecido, calculado o retorno de capital pela fórmula RC = L / C, sendo L representando o lucro das vendas e C= capital em estoques, seguido de sua rotatividade pela fórmula R = CV / E, onde CV representa os custos das vendas E o capital em estoques. De acordo com os valores fornecidos pela direção da empresa um lucro de R$ ,12 dividindo-se pelo capital em estoques encontrado pela classificação ABC de R$ ,20 obtemos um RC= de 24 e uma rotatividade utilizando um custo de vendas de R$ ,00 e o mesmo capital em estoques R$ ,20 resultou em 10 dias para reposição de insumos em estoques. Esse cenário demonstra que o retorno de capital não é ruim em comparativo com das empresas do mesmo setor, mas por outro lado a rotatividade demonstra a necessidade de reposição de tintas de pelo menos a cada 10 dias, pois essa rotatividade se deve a falta de controle do retorno das tintas nos almoxarifados, gerando assim compras indevidas, elevando assim o valor do capital em estoques. Tabela 2 Retorno de Capital e Rotatividade do Estoque Abastecido Retorno de Capital do Estoque Abastecido Rotatividade RC = L/C R = CV /E R$ ,12 / R$ ,00 / R$ ,20 = 24 R$ ,20 = 10 dias Na Tabela 3 aponta-se para o cenário do estoque baixado no sistema, onde fora utilizado o mesmo valor do lucro das vendas de R$ ,12, porém calculado com o valor do estoque baixado no sistema de R$ ,41 resultando em um retorno de capital de 40 e sua rotatividade para 17 dias. Tabela 3 Retorno de Capital e Rotatividade do Estoque Baixado Retorno de Capital do Estoque Baixado RC = L/C R$ ,12 / R$ ,41 = 40 Rotatividade R = CV /E R$ ,00 / R$ ,41 = 17 dias A Tabela 4 representa para o estoque físico da empresa utilizando o mesmo valor para o lucro das vendas R$ ,12 com o valor de R$ ,00 para o capital em estoques gerando um retorno de capital de 94 e uma rotatividade para 39 dias. 13

14 Tabela 4 Retorno de Capital e Rotatividade do Estoque Físico Retorno de Capital do Estoque Físico RC = L/C R$ ,12 / R$ ,00 = 94 Rotatividade R = CV /E R$ ,00 / R$ ,00 = 39 dias A Tabela 5 compara os retornos de capital encontrados entre os diferentes cenários seguidos de suas rotatividades. O comparativo demonstra as diferenças quantitativas para a gestão dos estoques, onde no estoque abastecido em relação ao baixado houve uma variação de 73,9%, e do estoque baixado para a contagem do estoque físico uma variação de 135%, o mesmo ocorreu com os valores em rotatividade, onde no estoque abastecido era necessária uma reposição a cada 10 dias, no estoque baixado 17 dias e no estoque físico 39 dias. Tabela 5 Comparativo de Retorno de Capital e Rotatividade do Estoque Físico Comparativo do Retorno de Capital e Rotatividade do setor de impressão da empresa Retorno de capital % Rotatividade Abastecido = dias Baixado = 40 73,9 % 17 dias Físico = % 39 dias Com a falta de um controle nos estoques, resultou em perdas financeiras de tintas no setor de impressão, pois as tintas utilizadas para a impressão não retornavam para os almoxarifados, ficando espalhados pela a empresa e até mesmo ficando nos tinteiros das máquinas. A Tabela 6 mensura os valores financeiros em perdas de tintas no setor de impressão, do estoque abastecido em relação ao baixado uma perda de R$ ,79, e do abastecido em relação ao físico R$ ,20. Tabela 6. Perdas de Tintas em Relação aos Estoques Perdas de Tintas em Relação aos Estoques Valores Perdas Financeiras R$ Estoque Abastecido Estoque Baixado Perda de Tintas R$ ,20 R$ ,41 (R$ ,79) Estoque Abastecido Estoque Físico Perda de Tintas R$ , ,00 (R$ ,20) Com a falta de controle dos estoques das tintas para impressão, traz para a empresa uma dificuldade em quantificar seus custos de armazenagem, já que esses insumos podem ser armazenados sem correr o risco de se degradarem, para isso é necessário que a empresa saiba qual é realmente o valor de seu custo de armazenagem, pois nesse cálculo trabalhamos o valor 14

15 de inventário total, as despesas financeiras (Df), tempo de armazenagem (T) e custo do dinheiro investido em estoques (i). Para tanto a Tabela 7 demonstra o cálculo do custo de armazenagem do estoque abastecido [(Q: 2) x P] no valor de R$ ,20 obtendo o valor médio do estoque de R$ ,10, somado com as despesas financeiras R$ ,00 e multiplicado por 0, 22, resultando um custo de armazenagem de R$ ,82. Tabela 7 Custo de Armazenagem do Estoque Abastecido Custo de Armazenagem do Estoque Abastecido CTA = { [ (Q : 2) x P ] + Df } T x i CTA = { [ ( R$ ,20 : 2 ) ]+ R$ 8.500,00 + R$ ,00 + R$ ,00}x 0,22 CTA = {R$ ,10 + R$ ,00}x 0,22 CTA = R$ ,10 x 0,22 CTA = R$ ,82 Na Tabela 8 mostra-se a quantificação do custo de armazenagem do estoque baixado, [(Q: 2) x P] no valor de R$ ,41, obtendo o valor médio de R$ ,71, e que somado pelo mesmo valor das despesas financeiras e multiplicado por 0,22, resultou em um custo de armazenagem de R$ ,06. Tabela 8 Custo de Armazenagem do Estoque Baixado Custo de Armazenagem do Estoque Baixado CTA = { [ (Q : 2) x P ] + Df } T x i CTA = { [ ( R$ ,41 : 2 )] + R$ 8.500,00 + r$ ,00 + R$ ,00}x 0,22 CTA = {R$ ,71 + R$ ,00}x 0,22 CTA = R$ ,71 x 0,22 CTA = R$ ,06 O custo de armazenagem do estoque físico, [(Q: 2) x P] no valor de R$ ,00, obtendo o valor médio de R$ 6.672,00, e que somado pelo mesmo valor das despesas financeiras e multiplicado por 0,22, resultou em um custo de armazenagem de R$ 9.277,84, conforme Tabela 9. Tabela 9 Custo de Armazenagem do Estoque Físico Custo de Armazenagem do Estoque Físico CTA = { [ (Q : 2) x P ] + Df } T x i CTA = {[( R$ ,00 : 2 ) ] + R$ 8.500,00 + r$ ,00 + R$ ,00}x 0,22 CTA = {R$ 6.672,00 + R$ ,00}x 0,22 CTA = R$ ,00 x 0,22 CTA = R$ 9.277,84 15

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Posicionamento em relação à Produção e Interação com outras áreas CQ FO ORNECEDORES Matéria Prima Material de Consumo

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa Controle de estoques Capítulo 6 Sumário Conceito de estoque Tipos Sistemas de controle de estoques Fichas de estoque Classificação de estoque Dimensionamento de estoque Logística e Cadeia de suprimentos

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

Logística Empresarial. Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia

Logística Empresarial. Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia Logística Empresarial Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia Logística de Serviço ao Cliente Kyj e Kyj definem: Serviços ao cliente, quando utilizados de forma eficaz, é uma variável primária

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém Estoque é um ativo que ninguém deseja, mas que toda empresa deve ter. O santo padroeiro do gerenciamento

Leia mais

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Tema Fundamentação Conceitual de Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Introdução

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO GESTÃO DE ESTOQUE - 1 - Jéssica Taiani do Amaral - jessicataiani@hotmail.com Laurinda Oliveira Dourado - RESUMO A gestão de estoques é um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza Aula Anterior: Cadastramento de Materiais CADASTRAMENTO DE MATERIAIS O QUE É??? O CADASTRAMENTO DE MATERIAIS

Leia mais

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6 Bacharelado em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Parte 6 1 NBC TG 16 - ESTOQUES 6.1 Objetivo da NBC TG 16 (Estoques) O objetivo da NBC TG 16 é estabelecer o tratamento contábil para os estoques, tendo como questão fundamental

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção RESUMO Atualmente, as organizações vêm buscando incessantemente novas ferramentas

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

Noções de Administração de Materiais

Noções de Administração de Materiais Noções de Administração de Materiais ANTES DA DÉCADA DE 70 POUCA IMPORTÂNCIA MATERIAL EM ABUNDÂNCIA COM POUCAS OPÇÕES CUSTOS BAIXOS DE MANTER OS ESTOQUES INVESTIMENTOS PARA AQUISIÇÃO DOS ESTOQUES CONSUMO

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

3. Os stocks dos produtos em curso de fabricação, isto é, os stocks entre as diferentes fases do processo produtivo (entre postos de trabalho).

3. Os stocks dos produtos em curso de fabricação, isto é, os stocks entre as diferentes fases do processo produtivo (entre postos de trabalho). GESTÃO DE STOCKS STOCKS Almofada do planeamento e programação FORNECEDOR FABRICO CLIENTE stock MP stock TC stock PA Objectivos da criação de stocks 1. Aumentar a segurança, criando defesas contra as variações

Leia mais

Prof. Gustavo Boudoux

Prof. Gustavo Boudoux ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Recursos à disposição das Empresas Recursos Materiais Patrimoniais Capital Humanos Tecnológicos Martins, (2005.p.4) O que é Administração de Materiais?

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

CARACTERIZAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

MPU Gestão de Materiais Parte 03 Janilson Santos

MPU Gestão de Materiais Parte 03 Janilson Santos MPU Gestão de Materiais Parte 03 Janilson Santos 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL PROF.: JANILSON EXERCÍCIOS CESPE 1) (TJ-DF Técnico)

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC. RODRIGUES DE ABREU Código: 135 Município: BAURU/SP Área Profissional: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação:

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA Daiane Milioli Dagostin 1 Wagner Blauth 2 RESUMO Atualmente as empresas

Leia mais

Comentários às questões de Administração de Recursos Materiais do INSS

Comentários às questões de Administração de Recursos Materiais do INSS Comentários às questões de Administração de Recursos Materiais do INSS Olá a todos. Seguem os comentários às questões da matéria de ARM que caíram na prova do INSS, aplicada pela banca FUNRIO. Como de

Leia mais

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA RESUMO: Vanessa dos Santos Dada 1 Há uma grande demanda, nos mercados atuais, pelas empresas que atuam na área de operações logísticas.

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31 Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 5 Índice OBJETIVO

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

estratégias operações

estratégias operações MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão O que buscamos? EXCELÊNCIA LOGÍSTICA

Leia mais

Manual Técnico PROPOSTA COMERCIAL CONSULTORIA TÉCNICA

Manual Técnico PROPOSTA COMERCIAL CONSULTORIA TÉCNICA Manual Técnico PROPOSTA COMERCIAL CONSULTORIA TÉCNICA À xxxx Aos cuidados Sr. xxxxxx São Paulo, 23 de Março de 2011 2 1 INTRODUÇÃO O CESVI BRASIL através da prestação de serviços de consultoria tem como

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

Administração de Materiais

Administração de Materiais Administração de Materiais vanessa2010.araujo@gmail.com EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO Subsistemas Adm. Materiais 1) (CESPE-SGA/AC 2008) A Administração de materiais busca coordenar os estoques e a movimentação

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 22º Encontro - 11/05/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - CAPACIDADE E TURNOS DE TRABALHO. 02 Introdução

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston 1 Planejamento e Controle Recursos de entrada a serem transformados Materiais Informação Consumidores AMBIENTE ESTRATÉGIA DE OPERAÇÕES OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem Introdução histórica a Administração de Materiais Prof. Vianir André Behnem Origem - A origem da logística surge cerca de 10.000 AC; - Cerca de 6.000 anos, as civilizações da Mesopotâmia e do Egito já

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos.

Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos. Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos. Tatiana Sakuyama Jorge Muniz Faculdade de Engenharia de Guaratingüetá - Unesp

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais