Capacitação Básica Departamento Pessoal II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capacitação Básica Departamento Pessoal II"

Transcrição

1 Centro Avançado de Especialização Profissional TCP-PRO-00211/ Capacitação Básica Departamento Pessoal Módulo II Capacitação Básica Departamento Pessoal II Alizete Alves 03/2009

2 Introdução Objetivo Compromisso Materiais

3 Salários Formas Mensalista: Esta opção deverá ser utilizada para funcionários, cujo salário base seja por valor mensal, entre eles podemos encontrar: Salário Mínimo Salário Profissional Piso Salarial

4 Salários No Cadastro de Sindicatos temos a opção do piso por categoria ou por CBO.

5 Salários Semanalista: Esta opção deverá ser utilizada para funcionários, cujo salário base seja por hora, porém o pagamento para este funcionário seja feito semanalmente.

6 Salários

7 Salários Tabela de Períodos

8 Salários

9 Salários Horista: Esta opção deverá ser utilizada para funcionários, cujo salário base seja por hora, porém o pagamento para este funcionário seja feito mensalmente;

10 Salários

11 Salários

12 Salários Tarefeiro: É o salário resultante das tarefas produzidas em determinado tempo. Pagamento

13 Salários Eventos Modelo do Recibo:

14 Salários Aulista/Professor: Para o processamento dos recibos de funcionários Aulistas, o programa irá considerar as parametrizações do cadastro de empresa, Tabela de Aulas e eventuais eventos de aulas digitados em variáveis. Produtividade compõe DSR DSR informado

15 Salários Dados: Valor da Aula R$ 10,00 Quantidade de Aulas informadas DSR 027 Aula 029 Produtividade

16 Salários Exemplo 1 Nesse exemplo, o valor da produtividade referente ao DSR será apresentado junto com o evento 004 e no evento 029 será aplicado 5% apenas sobre o valor do evento 027 Evento Referência Valor Cálculo 004 1,43 15,02 Valor da aula + 5% (Produt.) * Quantidade de DSR 027 8,57 85,70 Quantidade de aulas * valor da aula 029-4,29 5% do Valor total de aulas (85,70 * 5%)

17 Salários Exemplo 2 No segundo exemplo, apesar do valor de DSR estar desmembrado do valor da aula, no campo de referência será apresentado o total de aulas digitadas e no evento 029 será apresentado o valor da produtividade total (Sobre aulas e DSR) Evento Referência Valor Cálculo ,30 Valor da aula * Quantidade de DSR (1,43) :00 85,70 Quantidade de aulas * valor da aula 029-5,00 Valor total de aulas + DSR (85, ,30) * 5%

18 Salários Exemplo 3 Nesse exemplo está informado o divisor 6 para que o valor de DSR não seja desmembrado do valor das aulas. Evento Referência Valor Cálculo ,70 Valor das aulas / :00 100,00 Quantidade de aulas * valor da aula 029-5,84 Valor total de aulas + DSR (100, ,70) * 5%

19 Salários Comissões Comissionista é o empregado que recebe seu salário de forma variável. Cadastro de Sindicatos / Piso Comissionista

20 Salários

21 Salários Se o valor de comissão for inferior ao piso do comissionista, o programa completa até que atinja o valor do piso com o evento 082.

22 Salários

23 Salários

24 Remunerações É a soma do salário com vantagens percebidas pelo empregado em decorrência do contrato. Adicionais Os adicionais previstos na legislação trabalhista são: Trabalho noturno; Trabalho insalubre; Trabalho perigoso.

25 Remunerações Adicional Noturno O percentual de redução é determinado por lei, todo funcionário tem direito a receber, quando trabalha dentro do horário noturno de 22:00 às 05:00hs da manhã. O percentual pode ser definido no Cadastro de Sindicatos, no Cadastro do Funcionário ou no próprio Evento de Adicional Noturno.

26 Remunerações

27 Remunerações

28 Remunerações

29 Remunerações 1100,00 (Salário) / 220 (Qtde. de Horas) * 20 % (percentual do Ad. Noturno) * 220 (Qtde. de Horas Noturnas).

30 Remunerações Nome Salário Hs. Mensais Percentual Qtde. de Hs. Noturnas Remuneração Maria José R$ 1.000, % 10 R$ Augusto Faria R$ 1.760, % 80 R$ Henrique Luiz R$ 1.900, % 120 R$ Carol Pires R$ 2.120, % 90 R$ Julia Paes R$ 2.340, % 180 R$ Letícia Souza R$ 2.500, % 50 R$

31 Remunerações Insalubridade As atividades ou operações são aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos, de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos à saúde. Norma Regulamentadora - NR 15, aprovada pela Portaria MTB nº 3.214/78.

32 Remunerações Disponibilizamos a opção de efetuar o cálculo da Insalubridade (10, 20 ou 40%) sobre o Salário Mínimo, Salário Base ou Piso Salário CBO.

33 Remunerações 1000,00 (Salário) * 10 % (percentual da Insalubridade)

34 Remunerações Exercícios: Nome Salário Grau de risco Valor Insalubridade Maria José R$ 1.000,00 10% R$ R$ Augusto Faria R$ 1.760,00 40% R$ R$ Henrique Luiz R$ 1.900,00 20% R$ R$ Carol Pires R$ 2.120,00 20% R$ R$ Julia Paes R$ 2.340,00 10% R$ R$ Letícia Souza R$ 2.500,00 40% R$ R$ Remuneração

35 Remunerações Periculosidade São consideradas perigosas as atividades ou operações que, por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem contato permanente com inflamáveis ou explosivos, em condições de risco acentuado.

36 Remunerações

37 Remunerações

38 Remunerações Exemplos: Nome Salário Valor Periculosidade Remuneração Maria José R$ 1.000,00 R$ R$ Augusto Faria R$ 1.760,00 R$ R$ Henrique Luiz R$ 1.900,00 R$ R$ Carol Pires R$ 2.120,00 R$ R$ Julia Paes R$ 2.340,00 R$ R$ Letícia Souza R$ 2.500,00 R$ R$

39 Remunerações Gratificação Integram a remuneração a gratificação, mesmo anual, paga a qualquer título. Prêmios São instituídos de forma a incentivar o empregado na execução do contrato de trabalho ou recompensá-io por sua dedicação e empenho.

40 Remunerações Temos os seguintes prêmios: Prêmio-assiduidade, que tem por causa a frequência do empregado; Prêmio-antiguidade, tendo como causa o tempo de serviço na empresa; Prêmio-produção, quando a causa do pagamento tem por base uma determinada produção a se atingir.

41 Remunerações

42 Remunerações

43 Remunerações Diárias para viagem São valores pagos de maneira habitual, para cobrir as despesas necessárias à execução de serviço externo realizado pelo empregado. Ajuda de custo É o valor atribuído ao empregado, pago de uma única vez, para cobrir eventual despesa por ele realizada decorrência de transferência do local de trabalho.

44 Remunerações Horas extraordinárias A Constituição Federal/88, art. 7 inciso XVI determina que: Remuneração do serviço extraordinário superior, no mínimo, em 50% à do normal. Horas extras diurnas são aquelas realizadas no período compreendido entre as 05:00 e 22:00 hs. No cadastro do sindicato pode ser definido os percentuais:

45 Remunerações

46 Remunerações

47 Remunerações 4,54 (Salário Hora) * 10 (N de Horas) * 1,50 (percentual da Hora Extra)

48 Remunerações Nome Salário Hs. Mensais Percentual Qtde. de Hs. Extras Remuneração Maria José R$ 1.000, % 10 R$ Augusto Faria R$ 1.760, % 80 R$ Henrique Luiz R$ 1.900, % 120 R$ Carol Pires R$ 2.120, % 90 R$ Julia Paes R$ 2.340, % 180 R$ Letícia Souza R$ 2.500, % 50 R$

49 Remunerações Gorjeta É a remuneração que o pagamento recebe de terceiros, isto é, clientes. A gorjeta pode ser espontânea ou compulsória. A gorjeta espontânea é a importância dada pelo cliente diretamente ao empregado. Sindicatos das categorias profissionais.

50 Remunerações

51 Descontos A CLT em seu art. 462 proíbe o empregador de efetuar descontos nos salários dos empregados, exceto em relação aos descontos relativos a adiantamentos, dispositivos de lei (INSS, IR etc.), o os decorrentes de contrato coletivo. Descontos salariais efetuados pelo empregador, com a autorização prévia e por escrito do empregado, para ser integrado em planos de assistência odontológica, médico-hospitalar, de seguro, de previdência privada, ou de entidade cooperativa, cultural ou recreativo-associativa. Pagamento de compras efetuadas em farmácias e supermercados que mantenham convênios com as empresas empregadoras etc.

52 Descontos O desconto em decorrência do empréstimo consignado. Existe uma rotina responsável por calcular e descontar nos recibos os valores de empréstimo.

53 Descontos Contribuição sindical. Deve definir no cadastro do funcionário se a Sindical já foi ou não descontada.

54 Repouso Semanal Remunerado Para fazer jus ao gozo DSR/RSR é necessário o que empregado cumpra integralmente sua jornada de trabalho semanal, sem faltas, atrasos ou saídas injustificados durante o expediente.

55 Repouso Semanal Remunerado Exemplo: Calendário

56 Repouso Semanal Remunerado

57 Repouso Semanal Remunerado Calendário: 23 dias úteis e 5 Dias inúteis DSR pelo calendário = 68,18 (valor das Hs. Extras) / 23 (Dias Úteis) * 5 (Dias Não Úteis) = 14,82

58 Repouso Semanal Remunerado Exemplo: Tabela de Dias

59 Repouso Semanal Remunerado

60 Repouso Semanal Remunerado Tabela de Dias: 24 dias úteis e 4 Dias inúteis DSR pela Tabela de Dias = 68,18 (valor das Hs. Extras) / 24 (Dias Úteis) * 4 (Dias Não Úteis) = 11,36

61 Férias Todo empresado tem direito a um período anual de férias, sem prejuízo de sua remuneração, concedidas em período que melhor atenda aos interesses do empregador. Esse período, contudo, não poderá ultrapassar o limite de 12 meses subseqüentes à aquisição do direito pelo empregado, sob pena de pagamento em dobro daquilo que exceder o referido período.

62 Férias

63 Férias Exercício

64 Férias Férias com Abono Pecuniário

65 Férias Exercício

66 Férias Escala de Férias Dias de férias (corridos) Faltas injustificadas 30 Até a a a 32 Acima de 32 faltas injustificadas no curso do período aquisitivo, haverá a perda do direito às respectivas férias. Exemplo de um Funcionário com 16 faltas.

67 Férias

68 Férias Exercício

69 Férias Férias Coletivas As férias coletivas poderão ser gozadas em 2 (dois) períodos anuais, desde que nenhum deles seja inferior a 10 (dez) dias corridos.

70 Férias No processamento das próximas férias.

71 Férias

72 Férias Férias em dobro Quando por algum motivo o funcionário não gozou as férias e venceu o segundo período aquisitivo sem ter pago o primeiro.

73 Férias Exercício

74 Férias Contrato a tempo parcial Contrato a tempo parcial, nos termos do art. 58-A da CLT, é aquele cuja duração não exceda às 25 horas semanais.

75 Décimo Terceiro Salário Recibos de 13º salário O 13º Salário trata-se de uma gratificação natalina, devida a todos os empregados urbanos, rurais e domésticos, é paga em duas parcelas, sendo, a primeira, entre os meses de fevereiro e novembro de cada ano, e a segunda, até 20 de dezembro. Seu valor corresponde a 1/12 da remuneração devida em dezembro, por mês de serviço do ano correspondente, considerando-se mês integral a fração igual ou superior a 15 dias de trabalho, no mês civil.

76 Décimo Terceiro Salário Faltas Injustificadas Para identificar se o trabalhador fará jus ao avo de 13º salário, será necessário que o empregador apure, mês a mês, as faltas injustificadas, a fim de verificar se houve pelo menos 15 dias de trabalho. Justificadas Não são consideradas faltas ao serviço, para fins de apuração do 13º salário, as ausências relacionadas conforme tabela disponível ao final desta apostila.

77 Décimo Terceiro Salário Composição do cálculo: Fazem parte do cálculo do pagamento de 13º salário, valores extras, no caso do sistema PROSOFT, os valores que estão acumulados na Ficha Financeira do funcionário (Comissões, Horas Extras e Adicional Noturno).

78 Décimo Terceiro Salário Médias Médias de Comissões e Horas Extras A quantidade de meses utilizados para média de comissões da primeira ou segunda parcela deve ser considerada as doze últimas levando em consideração as observações abaixo: Primeira parcela: considera-se para o cálculo os meses de Janeiro a outubro. Segunda Parcela: considera-se para o cálculo os meses de Janeiro a Novembro. Recálculo do 13º salário: considera-se para o cálculo os meses de Janeiro a Dezembro. Para os admitidos no exercício deve ser considerado o mês da admissão para a contagem dos adicionais.

79 Décimo Terceiro Salário

80 Décimo Terceiro Salário Médias Maiores Comissões

81 Décimo Terceiro Salário Exemplo Para a 2ª. Parcela Cálculo considerando os 03 últimos meses: 2.900,00 / 3 = 966,66 09/ ,00 10/ ,00 11/ ,00 Cálculo considerando os 06 últimos meses: 5.000,00 / 6 = 833,33 06/ ,00 07/ ,00 08/ ,00 09/ ,00 10/ ,00 11/ ,00

82 Décimo Terceiro Salário Cálculo considerando os 09 últimos meses: 6.200,00 / 9 = 688,88 03/ ,00 04/ ,00 05/ ,00 06/ ,00 07/ ,00 08/ ,00 09/ ,00 10/ ,00 11/ ,00

83 Décimo Terceiro Salário Conforme exemplos apresentados acima, a média de maior valor que deve ser considerada para o cálculo do recibo de 13º salário do funcionário é a utilização dos 03 últimos meses.

84 Décimo Terceiro Salário Integração de Horas Exemplo: MESES H.E. 50% H.E. 60% H.E. 100% 01/2009 2,00 12,00 10,00 02/2009 3,00 13,00 15,00 03/2009 4,00 14,00 20,00 04/2009 5,00 15,00 22,00 05/2009 6,00 16,00 25,00 06/2009 7,00 17,00 30,00 07/2009 8,00 18,00 35,00 08/2009 9,00 19,00 37,00 09/ ,00 20,00 40,00 10/ ,00 21,00 42,00 11/ ,00 20,00 40,00 12/ ,00 22,00 25,00

85 Décimo Terceiro Salário Recibo de 1a parcela com a competência 11/2009, para funcionário com valor de salário hora R$ 4,55. Cálculo de média: HORA EXTRA 50%: 65 horas / 10 = 6,50 horas HORA EXTRA 60%: 165 horas / 10 = 16,50 horas HORA EXTRA 100%: 276 horas / 10 = 27,60 horas Total de média de horas = 50,60 50,60 * salário hora (4,55) = 230,23 230,23 / 2 = 115,12 (O resultado é divido por dois por se tratar de primeira parcela)

86 Décimo Terceiro Salário Fixos Salariais Deverá ser considerado, os valores fixos pagos aos funcionários mensalmente, inclusive os adicionais conforme segue: Adicional Insalubridade Adicional Periculosidade Adicional de Sal. Família Faixa Gorjeta Adicional noturno Outras informações: Para o processamento da primeira parcela de 13º salário o empregador pode optar por não considerar o avo correspondente ao mês de dezembro.

87 Décimo Terceiro Salário Encargos Sociais I.N.S.S A tributação deve ser feita integralmente na 2º parcela ou parcela única do 13º Salário, separadamente da Folha de Pagamento Mensal e o recolhimento, deve ser efetuado até o dia 20 de dezembro, I.R.R.F Incide o IRRF, no mês de dezembro, sobre o valor total do 13º Salário (1º e 2º parcelas), separadamente dos demais rendimentos pagos, A dispensa da retenção do IRRF de valor inferior a R$ 10,00 não se aplica aos casos de tributação exclusiva na fonte, tal como a gratificação natalina (13º salário). Art. 724 do RIR/99.

88 Décimo Terceiro Salário F.G.T.S O depósito será devido na importância correspondente a 8% da remuneração paga ou devida no mês.

89 Décimo Terceiro Salário Exercícios: 1-) Calcular os recibos de 13º salário da 1ª e 2ª parcela para os seguintes casos: a) Admissão em 17/07/2009 com salário de R$ 900,00 mensais.

90 Décimo Terceiro Salário

91 Décimo Terceiro Salário b) Admissão em 10/04/2009 com salário de R$ 655,00 mensais Funcionário possui 16 faltas injustificadas no mês de Maio/2009

92 Décimo Terceiro Salário

93 Décimo Terceiro Salário c) Admissão em 04/01/2007 com salário de R$ 2.750,00 mensais e um dependente. Possui integração de médias de comissões no valor de R$ 500,00 Possui integração de médias de horas extras no valor de R$ 400,00

94 Décimo Terceiro Salário

95 Décimo Terceiro Salário d) Admissão em 21/05/2009 com salário de R$ 620,00 mensais. Adicional de periculosidade - (30% do salário base) Integração de adicional por tempo de serviços (R$ 200,00)

96 Décimo Terceiro Salário

97 Décimo Terceiro Salário e) Admissão em 08/08/2007 com salário de R$ 3.200,00 com dois dependentes. Funcionário possui afastamento por motivo de doença não relacionada ao trabalho no exercício. Período de afastamento: 13/05/2009 à 09/07/2009

98 Décimo Terceiro Salário

99 Décimo Terceiro Salário f) Admissão em 08/08/2007 com salário de R$ 3.200,00 com dois dependentes. Funcionário possui afastamento por motivo de acidente de Trabalho no exercício. Período de afastamento: 13/05/2009 à 09/07/2009

100 Décimo Terceiro Salário

101 Décimo Terceiro Salário

102 Décimo Terceiro Salário g) Admissão em 21/05/2009 com salário de R$ 620,00 mensais. Integração de valores conforme ficha financeira abaixo: Calcule a média dos três últimos valores de comissão 05/ ,00 06/ ,00 07/ ,00 08/ ,00 09/ ,00 10/ ,00 11/ ,00

103 Décimo Terceiro Salário 1ª. Parcela com pagamento em 11/ / ,00 09/ ,00 10/ , ,00 / 3 = 466,67

104 Décimo Terceiro Salário

105 Rescisão Contratual Homologação O pagamento da rescisão contratual será feito ao empregado, no ato da homologação da rescisão do contrato de trabalho. O artigo 477 parágrafo quinto diz que, qualquer desconto que o empregador quiser fazer do empregado, não poderá ser maior do que o salário mensal.

106 Rescisão Contratual Prazo Para Pagamento Até o 1 dia útil imediato ao término do contrato: Aviso prévio trabalhado; Extinção automática do contrato de prazo determinado. Até o 10 dia contado da notificação de demissão, quando a ausência de aviso prévio ou indenização dele: Aviso prévio indenizado; Ausência de aviso prévio; Rescisão antecipada do contrato por prazo determinado.

107 Rescisão Contratual Aviso Prévio O aviso prévio é necessário nos contratos de trabalho firmados por prazo indeterminado, inclusive os dos trabalhadores rurais. Se a rescisão ocorrer por iniciativa de uma das partes, teremos: Despedimento (ou dispensa) - quando partir do empregador; Pedido de demissão - quando partir do empregado. Aviso Prévio Trabalhado É aquele que uma das partes comunica à outra da sua decisão de rescindir o contrato de trabalho ao final de determinado período, sendo que, no transcurso do aviso prévio, continuará exercendo as suas atividades habituais.

108 Rescisão Contratual Dispensa de Cumprimento do Aviso Prévio Trabalhado Aviso Prévio Indenizado Aviso Prévio Domiciliar Rescisão Contratual Verbas Rescisórias As verbas rescisórias devidas ao empregado variam conforme o tipo de rescisão que está sendo feito e, do tempo de serviço que o mesmo tenha na empresa (mais de um ano ou menos de um ano). Assim, já existem vários tipos de rescisão/extinção contratual. Abaixo estão discriminados alguns exemplos, bem como as respectivas verbas:

109 Rescisão Contratual (*) No caso de rescisão antes do término do Contrato de Experiência, a parte que der motivo à rescisão, pagará a outro 50% do período restante que faltar até o término normal do contrato. (O contrato de experiência só poderá ser celebrado por período máximo de 90 dias). A Lei Complementar nº 110, de 29/06/2001, instituiu contribuições sociais, dentre elas a contribuição de 10% sobre o montante de todos os depósitos devidos, referentes ao FGTS, durante a vigência do contrato de trabalho, acrescido das remunerações aplicáveis às contas vinculadas, no caso de despedida do empregado sem justa causa.

110 Rescisão Contratual Observações: Desconto de INSS Desconto de IRRF Exemplos de Cálculo de Rescisão de Contrato de Trabalho:

111 Rescisão Contratual Pedido de demissão - Sem justa causa com mais de um ano de serviço

112 Rescisão Contratual Dados: Admissão...02/03/2008 Pedido de dispensa...10/03/2009 Salário...950,00 Foi liberado do cumprimento do aviso Prévio

113 Rescisão Contratual

114 Rescisão Contratual Dispensa sem justa causa com mais de um ano de serviço

115 Rescisão Contratual Dados: Admissão...02/03/2008 Demissão...10/04/2009 Salário ,00 Aviso Prévio...Indenizado Não têm dependentes

116 Rescisão Contratual

117 Rescisão Contratual Exercícios 1) Motivo: Dispensa antes do término do contrato de experiência Dados: Admissão...02/03/2009 Término do contrato de experiência (45 dias)...15/04/2009 Demissão...01/04/2009 Salário...500,00 Aviso prévio...ausente 01 dependente para o cálculo de Salário Família

118 Rescisão Contratual

119 Rescisão Contratual 2) Motivo: Pedido de Demissão, funcionário com mais de um ano. Dados: Admissão...02/02/2008 Desligamento...25/05/2009 Salário...920,00 Aviso prévio...não cumpriu Não têm dependentes

120 Rescisão Contratual

121 Rescisão Contratual 3) Motivo: Pedido de Demissão, funcionário com menos de um ano. Dados: Admissão...02/06/2008 Desligamento...20/03/2009 Salário...800,00 Aviso prévio...20/02/ dependente para o cálculo do salário família

122 Rescisão Contratual

123 Rescisão Contratual 4) Motivo: Dispensa sem justa causa, funcionário com menos de um ano. Dados: Admissão...02/06/2008 Demissão...10/04/2009 Salário ,00 Aviso prévio...trabalhado 01 dependente para o cálculo do IRRF Empresa Regime Caixa: Base de cálculo do IRRF do mês anterior: 2000,00 INSS do recibo mensal de março/ ,00 IRRF descontado no recibo de março/ ,00

124 Rescisão Contratual

125 Rescisão Contratual 5) Motivo: Dispensa por justa causa, funcionário com menos de um ano. Dados: Admissão...02/06/2008 Demissão...10/04/2009 Salário...500,00

126 Rescisão Contratual

127 Rescisão Contratual 6) Motivo: Pedido de Demissão antes do término do contrato de experiência Dados: Admissão...02/03/2009 Término do contrato de experiência (45 dias)...15/04/2009 Desligamento...01/04/2009 Salário...500,00 Aviso prévio...ausente 01 dependente para o cálculo de Salário Família

128 Rescisão Contratual

129 Seguro Desemprego Seguro Desemprego A assistência financeira é concedida em no máximo cinco parcelas, de forma contínua ou alternada, a cada período aquisitivo de dezesseis meses, conforme a seguinte relação: Três parcelas; Quatro parcelas; Cinco parcelas.

130 Folha de Pagamento A Legislação Previdenciária estabelece que a empresa está, entre outras, obrigada a preparar mensalmente folha de pagamento da remuneração paga, devida ou creditada a todos os segurados a seu serviço, devendo manter, em cada estabelecimento, uma via da respectiva folha de pagamento. A folha de pagamento deverá ser elaborada mensalmente, de forma coletiva por estabelecimento da empresa, por obra de construção civil e por tomadores de serviços, com a correspondente totalização.

131 Folha de Pagamento A confecção da folha de pagamento, além de ser um procedimento de caráter trabalhista, decorre da obrigatoriedade prevista no artigo 47 do Regulamento da Organização e Custeio da Seguridade Social. A folha de pagamento divide-se em três partes distintas, a saber: Proventos Descontos Bases

132 Folha de Pagamento Proventos (Remuneração) São todos os pagamentos a serem efetuados ao empregado de natureza salarial, tais como: Salário base, horas extras, adicional noturno, adicional de insalubridade, adicional de periculosidade, comissões, DSR (descanso semanal remunerado), gratificações, etc. Salário É o valor combinado entre o empregador e o empregado para execução da tarefa preestabelecida. O relatório de Folha de Pagamento consiste em relacionar todos os funcionários da empresa e seus respectivos eventos: Modelos:

133 Folha de Pagamento

134 Folha de Pagamento Funcionário 0001 Eventos Descrição Referência Valor 001 Salário Normal , Salário Família 1 17, Adc. Noturno 50% , INSS 8% 45,65

135 Folha de Pagamento Salário de Contribuição: Nesse campo será apresentado o valor total dos eventos que tem incidência para o cálculo do INSS deduzindo o valor das faltas Base de Cálculo do FGTS: Nesse campo será apresentado o valor total dos eventos que tem incidência para o cálculo do FGTS deduzindo o valor das faltas. FGTS do mês: Corresponde a 8% sobre o valor da Base de cálculo do FGTS.

136 Folha de Pagamento FGTS Todos os empregadores estão obrigados a depositar, até o dia 7 (sete) de cada mês, em conta bancária vinculada, a importância correspondente a 8% (oito por cento) da remuneração paga ou devida, no mês anterior. Base de cálculo do IRRF: Nesse campo será apresentado o valor total dos eventos que tem incidência para o cálculo do IRRF

137 Folha de Pagamento Exercício de fixação: 1-) Calcule o valor das (horas extras + os DSR s) a ser pago a um empregado com salário base de R$ 3.868,00 com 220 horas mensais. Realizou 15 Horas extras à 50% e 8h à 100%. Mês com 25 X 05 DSR s. Possui um dependente para o cálculo do IRRF Desconto de contribuição assistencial 1% sobre salário base Desconto de 6% de vale transporte

138 Folha de Pagamento

139 Folha de Pagamento Teto máximo de contribuição O desconto de vale transporte Exemplo: 02 transportes diários Valor unitário R$ 2,00 * 25 dias úteis = 100,00 Hora extra fracionada Exemplo: 0:30 (meio hora - Conforme relógio) 0:50 ( deve ser considerado 50 para o cálculo, ou seja em centesimal ½ de 1 inteiro. Para transformar os minutos em centesimal divida a quantidade de minutos por 60, ou seja 30 / 60 = 0,50

140 Folha de Pagamento 2-) Calcule o valor dos rendimentos pagos ao funcionário (10% de Insalubridade sobre o valor do salário mínino) salário base 465,00 com 220 horas mensais. 01 Dependente para fins de salário família 01 Falta (dia) 01 Hora Falta

141 Folha de Pagamento

142 Folha de Pagamento Informações importantes: Cálculo de salário família Cálculo do adicional de Insalubridade ou periculosidade para funcionários que possuem faltas ou horas faltas deve ser deduzido o valor equivalente a quantidade de faltas considerando a base de cálculo conforme o valor do adicional. Exemplo: Insalubridade (10% do salário base = 46,50) 46,50 / 30 * 1 (Falta) = 1,55 46,50 / 220 = * 1 ( Hora Falta) = 0,21 Total de Insalubridade a ser pago= 44,74

143 Folha de Pagamento 3-) Calcule a remuneração de um determinado empregado, com salário base de R$ 500,00 com data de admissão em 13/04/2009 e leve em consideração que a folha de pagamento que está sendo processada é referente a competência Abril/2009. Possui 02 horas extras a 100% + DSR do mês abril 01 dependente para o cálculo de salário família

144 Folha de Pagamento

145 Folha de Pagamento Informações importantes: de cálculo de salário família, considera-se o valor que seria devido no mês, e o valor pago deve ser proporcional ao número de dias trabalhados: Base de cálculo 510,91 ( Quota - 18,08) 18,08 / 30 * 18 = 10,85 Resumo geral da empresa: Com base nos valores apresentados acima, segue de forma detalhada os cálculos efetuados para apresentação do resumo geral dos valores de Folha de Pagamento da empresa.

146 Folha de Pagamento

147 Folha de Pagamento Valores de INSS / FGTS Valores apurados GPS Informações para o cálculo: Salário de Contribuição: 5.483,32 20% Parte Patronal 2,0% SAT (Seguro acidente de trabalho) 5,8% Terceiros (SEST, SENAT,SESI)

148 Folha de Pagamento

149 Folha de Pagamento Valores apurados FGTS Valores apurados IRRF

150 Folha de Pagamento Valores apurados PIS Este valor é recolhido por empresas que não possuem fins lucrativos, exemplo: entidade Filantrópica. A base de cálculo é a mesma correspondente ao salário de contribuição e deve ser aplicado alíquota de 1%. Outras Informações

151 Folha de Pagamento Cálculo de IRRF para Empresas com regime de apuração caixa: Para esta situação o cálculo do IRRF é efetuado de forma diferenciada, ou seja deve-se apurar exatamente os valores de IRRF conforme os valores pagos na competência, por isto no cálculo do IRRF do recibo de adiantamento salarial deve-se somar também a base de IRRF do mês anterior, visto que os dois pagamento possuem o fato gerador na mesma competência. Segue exemplo para melhor entendimento:

152 Folha de Pagamento Empresa regime caixa: Recibo mensal - Competência 03/2009 com pagamento em 05/04/2009 Para efetuar o cálculo do IRRF neste exemplo, será necessário abater o valor de adiantamento salarial, pois este foi tributado na competência anterior.

153 Folha de Pagamento

154 Folha de Pagamento Recibo de adiantamento salarial Competência 04/2009 com pagamento em 20/04/2009 Observem neste exemplo, que o valor do salário base do recibo mensal de março e o adiantamento salarial de abril de 2009, apesar de se tratar de competência diferentes, ambos foram pagos ao funcionário no mesmo fato gerador.

155 Folha de Pagamento

156 Folha de Pagamento Cálculo do IRRF: Base de IRRF do mês anterior (1.799,26 + Adiantamento salarial 1.520,00 = 3.319,26 * 22,5% - 483,84 - IRRF deduzido no adiantamento 27,35) = 235,64

157 Folha de Pagamento Cálculo de INSS para funcionários que possuem variáveis de Férias na competência: Para fins de cálculos previdenciários os valores de INSS dos rendimentos de Férias e Salário Mensal devem ser somados para a tributação do INSS, conforme exemplo abaixo:

158 Folha de Pagamento Cálculo: Base de cálculo (considerando os valores de Férias + Rendimentos mensais = 2.333,33 * 11% = 256,67 (INSS já descontado no recibo de Férias) 146,66, resultará em um desconto de = 110,00

159 Previdenciária Contribuição Trabalhadores Para empregados, empregados domésticos e trabalhadores avulsos aplica-se sobre a base de cálculo Previdenciária a alíquota correspondente ao enquadramento deste na tabela vigente, conforme abaixo: Tabela INSS até 01/2009

160 Previdenciária Tabela INSS até 02/2009

161 Previdenciária Empresas Em relação aos empregadores, a contribuição referente ao 13º salário incidirá sobre o valor efetivamente pago, independentemente do limite máximo do salário-de-contribuição, conforme as seguintes alíquotas a) 20% (vinte por cento) sobre o total das remunerações pagas, devidas ou creditadas a qualquer título, durante o mês, aos segurados empregados e trabalhadores avulsos

162 Previdenciária b) para o financiamento da aposentadoria especial e daqueles concedidos em razão do grau de incidência de incapacidade laborativa decorrente dos riscos ambientais do trabalho (RAT) b.1) 1% (um por cento) b.2) 2% (dois por cento) b.3) 3% (três por cento) Instituições Financeiras Outras entidades (terceiros), tais como: INCRA, SENAR, SESC, SESCOOP, entre outros. FPAS 507 e 515.

163 Previdenciária

164 Previdenciária

165 Previdenciária A empresa optante pelo Simples Nacional goza de tratamento diferenciado em relação à contribuição previdenciária patronal. Para mais informações sobre o assunto acesse Roteiro - Previdenciário/Trabalhista /3963 intitulado Encargos Previdenciários sobre Folha de Pagamento no site da Fiscosoft. Segurados Incide o INSS, observadas as alíquotas de 8%, 9% ou 11%, conforme o valor e teto máximo mensal. Para a determinação da alíquota de desconto, obedecendo ao teto de salário-contribuição, somam-se todas as importâncias recebidas durante o mês.

166 Previdenciária Valores apurados GPS Informações para o cálculo: Salário de Contribuição: 5.483,32 20% Parte Patronal 2,0% SAT (Seguro acidente de trabalho) 5,8% Terceiros (SEST, SENAT,SESI)

167 Previdenciária

168 Previdenciária Segurados 418,67 Empresa 1096,66 Terceiros 318,03 Acidente de Trabalho 109,67 Dedução de FPAS 28,93 Sub-Total 1.914,10

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1 Apostila de 13 Salário Capacitação e Treinamento 1 Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri. A elaboração da folha de pagamento. Folha de Pagamento. Folha de Pagamento

Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri. A elaboração da folha de pagamento. Folha de Pagamento. Folha de Pagamento Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri A elaboração da folha de pagamento A é o documento que contabiliza os valores que o empregado tem direito de receber e os descontos que ele pode sofrer. Obs. Sua

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão Atuação do Gestor no Departamento de Pessoal Atuação do Gestor Férias E 13º Salário Sistema Integrado de Gestão de Pessoas no Dep. Pessoal PLR Férias Todo empregado adquire o direito às férias após 12

Leia mais

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela Sumário 1. Introdução 2. Quem Tem Direito 3. Valor a Ser Pago 3.1 - Empregados Admitidos Até 17 de Janeiro 3.2 - Empregados Admitidos Após 17 de Janeiro 3.3 - Empregados

Leia mais

Gestão de Pessoas - Windows

Gestão de Pessoas - Windows P á g i n a 1 Gestão de Pessoas - Windows Módulo Administração de Pessoal (Rubi) Processo: 13º Salário Senior Sistemas S.A Rua São Paulo, 825 - Bairro Victor Konder - CEP 89012.001 - Blumenau/SC Fone:

Leia mais

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias 1 TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º - Gratificação Natalina A Gratificação de Natal, popularmente conhecida como, foi instituída pela Lei 4.090, de 13/07/1962, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil Rotina de Férias Sumário Calculo de Férias Abono Pecuniário Períodos consecutivos Licença Remunerada Parâmetros da rotina Id_calculo utilizado Férias em Dobro Férias Empregado com menos de 12 Meses Férias

Leia mais

TREINAMENTO: DEPARTAMENTO PESSOAL COMPLETO-ATENÇÃO AS RECENTES ALTERAÇÕES

TREINAMENTO: DEPARTAMENTO PESSOAL COMPLETO-ATENÇÃO AS RECENTES ALTERAÇÕES TREINAMENTO: DEPARTAMENTO PESSOAL COMPLETO-ATENÇÃO AS RECENTES ALTERAÇÕES PROGRAMA Módulo I - Processo Admissional Providências da Empresa, Documentação Exigida, Exame Médico na Admissão, CAGED, Registro

Leia mais

Infor-Pag. Importa lançamentos de outros Sistemas (Ponto Eletrônico, Convênios,...).

Infor-Pag. Importa lançamentos de outros Sistemas (Ponto Eletrônico, Convênios,...). Cálculos Infor-Pag CLT, Estagiários, Autônomos e Pró-Labore. Geral ou por Centro de Custos. Recálculo. Com o mesmo código de evento pode-se ter 3 tipos de movimento; Normal, diferença ou estorno. Permite

Leia mais

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a)

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Carteira de Trabalho e Previdência Social, devidamente anotada Devidamente anotada, especificando- se as condições do contrato de trabalho (data de admissão, salário

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁ RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS CAGED INSS

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS CAGED INSS AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS O empregador deve efetuar o pagamento de salários aos empregados até o 5º (quinto) dia útil do mês subsequente ao vencido.

Leia mais

Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF

Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF Discriminação INSS Fundamento legal FGTS Fundamento legal IRRF Fundamento legal Abono de férias - pecuniário

Leia mais

Módulo de Rescisão. Passaremos a explicar abaixo os campos da tela do cálculo da rescisão:

Módulo de Rescisão. Passaremos a explicar abaixo os campos da tela do cálculo da rescisão: Módulo de Rescisão Para calcular a rescisão, é necessário informar para quem se deseja calcular (Código, Divisão, Tomador), depois informar tipo de dispensa, data de aviso prévio, data de pagamento, dias

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

Direitos do Empregado Doméstico

Direitos do Empregado Doméstico Direitos do Empregado Doméstico Com a aprovação da Emenda Constitucional n 72, que ocorreu em 02/04/2013, o empregado doméstico passou a ter novos direitos. Alguns deles independem de regulamentação e,

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

CÁLCULOS TRABALHISTAS

CÁLCULOS TRABALHISTAS CÁLCULOS TRABALHISTAS Remuneração - Salário acrescido da média das variáveis (exemplo: comissões) dos últimos 12 meses. - Média: soma das 6 maiores parcelas variáveis mês a mês, divididas por 6, dentro

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 -

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 - ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL INTRODUÇÃO... 008 DISPOSIÇÕES GERAIS... 009 Conceito de empregador... 009 Conceito de empregado... 009 Direitos do empregado... 010 ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO TRABALHO...

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO DO 13ª SALÁRIO

INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO DO 13ª SALÁRIO INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO DO 13ª SALÁRIO Versão Obrigatória 2.10a Suporte Follha - Winner Página 1 27/10/08 COPYRIGHT As informações contidas neste documento, sobre produtos e/ou serviços são de propriedade

Leia mais

TÓPICO (em ordem alfabética) PÁGINA Nº

TÓPICO (em ordem alfabética) PÁGINA Nº ÍNDICE DO MANUAL DE ROTINAS TRABALHISTAS TÓPICO (em ordem alfabética) PÁGINA Nº INTRODUÇÃO 6 SIGLAS UTILIZADAS 7 ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL E GERÊNCIA DE REC HUMANOS 8 ABANDONO DE EMPREGO 19 ACIDENTE NO

Leia mais

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15.1 - Integram a remuneração para fins de cálculos dos valores devidos à Previdência Social e a serem recolhidos para o FGTS, dentre outras, as seguintes parcelas:

Leia mais

13º SALÁRIO 2015 NOVEMBRO/2015

13º SALÁRIO 2015 NOVEMBRO/2015 2015 NOVEMBRO/2015 Sumário 1. O que é, porque é pago, quando é pago, quem tem direito?... Erro! Indicador não definido. 1.1 Conceito 1.2 Base de Calculos 1.3 Pagamento das Parcela 2. Calculos no Protheus...

Leia mais

Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador

Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador A Personale Consultoria em Recursos Humanos compilou as principais dúvidas referentes aos direitos e deveres dos trabalhadores no Brasil, baseado no

Leia mais

Manual Prático 13º Salário

Manual Prático 13º Salário Manual Prático 13º Salário 1/36 Índice 1. ROTINAS 13 SALÁRIO DOS SISTEMAS EBS... 4 1.1. Definições... 4 2. CONFIGURAÇÕES DE EVENTOS... 6 3. 1 PARCELA... 9 4. 2 PARCELA... 11 5. INFORMAÇÃO DE VALORES EXTRAS...

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE FINANCEIRA. Prof. Carlos Barretto

Unidade II CONTABILIDADE FINANCEIRA. Prof. Carlos Barretto Unidade II CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Contabilidade financeira Na Unidade II veremos as peculiaridades da folha de pagamento de uma empresa com funcionários mensalistas No Modulo I

Leia mais

Manual das Férias Coletivas. Índice

Manual das Férias Coletivas. Índice Manual das Férias Coletivas Índice 1. COMO CALCULAR FÉRIAS COLETIVAS... 2 2. REGRAS BÁSICAS... 3 2.1. CONTAGEM DOS AVOS DE DIREITO... 4 2.2. DEDUÇÃO DE DIAS JÁ CONCEDIDOS... 6 2.3. COMPARAÇÃO DOS DIAS

Leia mais

Mauro Chagas Contador CRC/MT 7322/O-9 65 3549.3441 / 9995-8505

Mauro Chagas Contador CRC/MT 7322/O-9 65 3549.3441 / 9995-8505 OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS Sumário 1. Introdução 2. Obrigações Mensais 2.1 - Salários 2.2 - CAGED 2.3 - INSS 2.4 - PIS - Cadastramento 2.5 - FGTS 2.6 - CIPA 2.7 - Exame Médico 2.8 - Acidente

Leia mais

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA Fiscalização do Trabalho Finalidade: tem por finalidade assegurar, em todo o

Leia mais

Características do Sistema

Características do Sistema SISTEMA FOLHA DE PAGAMENTO ADVANCED Características do Sistema Sistema multiusuário pleno. Sistema multiempresa sem limitações. Recursos e facilidades operacionais com eficiência, segurança e exatidão.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo do Imposto de Renda na Fonte sobre o complemento de 13º Salário

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo do Imposto de Renda na Fonte sobre o complemento de 13º Salário complemento de 13º Salário 01/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares...

Leia mais

RESUMO ALÍQUOTAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS

RESUMO ALÍQUOTAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS RESUMO ALÍQUOTAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS - DAS EMPRESAS EM GERAL, sobre: Folha de Pagamento (EMP./AVULSOS) 20% Remunerações pagas aos CI 20% Terceiros (EMP./AVULSOS) 5,8% RAT (EMP./AVULSOS) 1% (leve) 2%

Leia mais

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS.

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS. Direitos básicos dos Profissionais de Educação Física PERGUNTAS E RESPOSTAS CTPS Para que serve a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)? A CTPS serve como meio de prova: a ) da relação de emprego;

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA. Wfolha 13 Salário

MANUAL DO SISTEMA. Wfolha 13 Salário MANUAL DO SISTEMA Wfolha 13 Salário SulProg Sistemas 1 INTRODUÇÃO Este manual foi desenvolvido a fim de facilitar e esclarecer dúvidas sobre os procedimentos referente ao 13 salário. SulProg Sistemas 2

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

Tabela de incidência Tributária

Tabela de incidência Tributária Tabela de incidência Tributária INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Não. Arts. 28, 9º, e,

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS (Lei nº 8.036, de 11/5/90, e Decreto nº 99.684, de 8/11/90). 11.1. CONSIDERAÇÕES GERAIS O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é uma conta

Leia mais

ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA. Alexandre Corrêa

ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA. Alexandre Corrêa ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA Alexandre Corrêa ATUALIZAÇÃ ÇÃO O TRABALHISTA PROGRAMA EMPREGADO DOMÉSTICO (Aspectos Legais) EMPREGADO DOMÉSTICO A Lei 5859/72 regulamentada pelo Decreto 71885/73 tornou reconhecida

Leia mais

Produto Gestão de Pessoas - Versão 4w

Produto Gestão de Pessoas - Versão 4w Produto Gestão de Pessoas - Versão 4w Módulo Administração de Pessoal (Rubi) Processo: Férias Senior Sistemas S.A Rua São Paulo, 825 - Bairro Victor Konder - CEP 89012.001 - Blumenau/SC Fone: (047) 3221-3300

Leia mais

Práticas trabalhistas

Práticas trabalhistas Resumo Neste capítulo, discorreremos sobre a prática da folha de pagamento da parte empregado, patrão e autônomos, algumas das principais leis trabalhistas brasileiras da parte do empregado e da parte

Leia mais

Todo Material é encaminhado em formato PDF, para que o leitor possa utilizá-lo em seu tablet ou celular.

Todo Material é encaminhado em formato PDF, para que o leitor possa utilizá-lo em seu tablet ou celular. Regras Básicas de Departamento Pessoal Todo Material é encaminhado em formato PDF, para que o leitor possa utilizá-lo em seu tablet ou celular. Material dedicado a todos que necessitam melhorar seus conhecimentos

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003924/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.011188/2014-31 DATA

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da Abono pecuniário de férias Não. Arts. 28, 9º, e,

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

Mini Curso de Setor de Recursos Humanos

Mini Curso de Setor de Recursos Humanos Mini Curso de Setor de Recursos Humanos Carlos Antônio Maciel Luciano Nóbrega Cerqueira Maio/Junho 2009 1 SUMÁRIO 1 Admissões 2 Elaboração da Folha de Pagamento 3 Rescisões Contratuais 4 Obrigações Acessórias

Leia mais

Cap. I INTRODUÇÃO À FOLHA DE PAGAMENTO

Cap. I INTRODUÇÃO À FOLHA DE PAGAMENTO I.1 - Obrigatoriedade da Elaboração Cap. I INTRODUÇÃO À FOLHA DE PAGAMENTO O art. 225 do Decreto nº 3.048/99 determina que a empresa seja obrigada a elaborar mensalmente a folha de pagamento da remuneração

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

ANO XXIV - 2013-2ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 46/2013

ANO XXIV - 2013-2ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 46/2013 ANO XXIV - 2013-2ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 46/2013 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS RECOLHIMENTO EM ATRASO - TABELA NOVEMBRO/2013... Pág.1199 ASSUNTOS TRABALHISTAS DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

Cálculos Trabalhistas e Previdenciários

Cálculos Trabalhistas e Previdenciários CURSO Cálculos Trabalhistas e Previdenciários Orientador Rogério Andrade Henriques Advogado; especialista em Direito do Trabalho e Previdenciário; instrutor de cursos empresariais na Área Trabalhista e

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO INOVAÇÕES LEGISLATIVAS DA LEI COMPLEMENTAR 150 CAPÍTULO I PRINCIPAIS EVOLUÇÕES LEGISLATIVAS A categoria dos empregados domésticos tem como principais regulamentações legislativas, por

Leia mais

ROTINAS TRABALHISTAS. MÓDULO 2 f Preencher ficha de salário-família Valor da Cota Início do Pagamento

ROTINAS TRABALHISTAS. MÓDULO 2 f Preencher ficha de salário-família Valor da Cota Início do Pagamento ROTINAS TRABALHISTAS MÓDULO 1 Conceitos Introdutórios Empregador Grupo de Empresas Empresas Terceirizadas Franquia Cooperativa de Trabalho Empregador Rural Documentação do Empregador Empregado Demais Trabalhadores

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002511/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053502/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005004/2012-32 DATA

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

Instruções de Impressão

Instruções de Impressão Instruções de Impressão 1. O modelo deverá ser plano e impresso em papel A4, na cor branca, com 297 milímetros de altura e 210 milímetros de largura em papel com, ao menos, 75 gramas por metro quadrado.

Leia mais

Gestão de Pessoas - 4w

Gestão de Pessoas - 4w P á g i n a 1 Gestão de Pessoas - 4w Modulo Administração de Pessoal (Rubi) Processo: Férias P á g i n a 2 Sumário 1 Conceito... 3 1.1 Parametrizações no Sistema... 3 1.1.1 - Sindicato... 3 1.1.2 - Situações...

Leia mais

FÉRIAS COLETIVAS - Considerações. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 16/11/2011. Sumário:

FÉRIAS COLETIVAS - Considerações. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 16/11/2011. Sumário: FÉRIAS COLETIVAS - Considerações Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 16/11/2011. Sumário: 1 - Introdução 2 - Direito de Férias 3 - Duração 3.1 - Regime de Tempo Parcial 3.2 - Faltas Justificadas

Leia mais

Desconto Valor Desconto Valor Desconto Valor 100 Pensão Alimentícia 101 Adiantamento Salarial

Desconto Valor Desconto Valor Desconto Valor 100 Pensão Alimentícia 101 Adiantamento Salarial ANEXO I TERMO DE RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DO EMPREGADOR 01 CNPJ/CEI 02 Razão Social/Nome 03 Endereço (logradouro, nº, andar, apartamento) 04 Bairro 05 Município 06 UF 07 CEP 08 CNAE

Leia mais

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS Linha de pesquisa: Gestão Empresarial João Paulo dos Santos Ribeiro

Leia mais

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional AULA 7: Férias Coletivas: ART. 7º, XVII, CRFB gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, ⅓ a + do que o salário normal. FÉRIAS = SALÁRIO + ⅓ terço constitucional férias coletivas art. 139 a 141

Leia mais

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO O décimo terceiro salário (13º Salário) é o nome mais conhecido da gratificação de natal. É um salário extra, pago ao trabalhador urbano e rural, inclusive o doméstico e o avulso,

Leia mais

Tem direito aos benefícios previdenciários os BENEFICIÁRIOS, ou seja, todos os segurados e seus dependentes.

Tem direito aos benefícios previdenciários os BENEFICIÁRIOS, ou seja, todos os segurados e seus dependentes. CARTILHA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO O REGIME GERAL DA PREVIDENCIA SOCIAL É REGIDO PELAS LEIS 8.212 E 8.213/91 E TEM POR FINALIDADE ASSEGURAR À SEUS FILIADOS RECEBER BENEFÍCIOS QUE SUBSTITUAM SUA RENDA.

Leia mais

A Constituição Federal88 determina em seu art. 201 a garantia do benefício de salário-família aos trabalhadores de baixa renda.

A Constituição Federal88 determina em seu art. 201 a garantia do benefício de salário-família aos trabalhadores de baixa renda. SALÁRIO-FAMÍLIA - Considerações Gerais Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 07/05/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Salário-Família 3 - Beneficiários 3.1 - Filho - Equiparação 3.2 - Verificação

Leia mais

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil Rotina de Folha de Pagamento Sumário Mapa de Vale Refeição Seguro de Vida Cesta Básica Assistência Médica Tipo 1 e 2 Parâmetro 22 - Assistência Médica Parâmetro 58 - Assistência Médica 2 Salário-Base Periculosidade

Leia mais

Neste comentário analisaremos as regras a serem observadas para o pagamento da segunda parcela do 13º salário e da tributação correlata.

Neste comentário analisaremos as regras a serem observadas para o pagamento da segunda parcela do 13º salário e da tributação correlata. 13º SALÁRIO - 2ª PARCELA - Considerações Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 05/12/2011. Sumário: 1 - Introdução 1.1 - Trabalhadores Avulsos 2 - Apuração do Tempo de Serviço 2.1 - Afastamento

Leia mais

SINDMINÉRIOS SANTOS. Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios, Derivados de Petróleo e Combustíveis de Santos e Região.

SINDMINÉRIOS SANTOS. Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios, Derivados de Petróleo e Combustíveis de Santos e Região. FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO COMÉRCIO DE MINÉRIOS E DERIVADOS DE PETRÓLEO NO ESTADO DE SÃO PAULO 01 - REAJUSTE SALARIAL PAUTA DE REIVINDICAÇÕES SIREGÁS 2012/2013 As Empresas concederão, a todos os empregados

Leia mais

Data-Base 1º de maio de 2015

Data-Base 1º de maio de 2015 PRÉ-PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2015 Data-Base 1º de maio de 2015 Pré-Pauta de Reivindicações 2015 Agroindústrias do setor de carnes e leite, Cooperativas Agropecuárias, Clinicas Veterinárias, Laboratórios

Leia mais

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL -

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - - CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). 5.

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 11. DIREITOS NA HORA DA DEMISSÃO É de fundamental importância saber quais os direitos dos trabalhadores na hora da rescisão do contrato de trabalho. Devese ter especial atenção no caso de demissões sem

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO E INCLUSÃO DE APOSENTADORIA

MANUAL DE PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO E INCLUSÃO DE APOSENTADORIA MANUAL DE PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO E INCLUSÃO DE APOSENTADORIA 2005 FIXAÇÃO DOS PROVENTOS PELA MÉDIA DAS MAIORES REMUNERAÇÕES A Emenda Constitucional nº 41, de 19.12.2003, introduziu a regra de fixação

Leia mais

ACORDO COLETIVO 2008/2009

ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA E ATACADISTA DE VITÓRIA DA CONQUISTA ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA 01 DE MARÇO DE 2008 CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

Conteúdo Complementar Cálculo de Rescisão

Conteúdo Complementar Cálculo de Rescisão Conteúdo Complementar Cálculo de Rescisão Gestão de Pessoal Contéudo Complementar Cálculo de Rescisão 1. Cálculo de Rescisão Para efetuar o cálculo de um recibo de rescisão é necessário seguir as orientações

Leia mais

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO A NOVA REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO Sara Costa Benevides 1 Advogada Sócia de Homero Costa Advogados Lorena Efigênia da Cruz Silva Estagiária de Homero Costa Advogados INTRODUÇÃO No Diário Oficial

Leia mais

Cartilha Mentorear. PEC Proposta de Emenda à Constituição

Cartilha Mentorear. PEC Proposta de Emenda à Constituição Cartilha Mentorear Empregada Doméstica e Categorias Associadas na Nova Lei conhecida como PEC das Domésticas PEC Proposta de Emenda à Constituição PEC 478/2010 na Câmara dos Deputados Federais PEC 66/2012

Leia mais

Recursos Humanos. Encargos Sociais. Comparação de cálculos e encargos na várias formas de contratação. Encargos Sociais e Trabalhistas

Recursos Humanos. Encargos Sociais. Comparação de cálculos e encargos na várias formas de contratação. Encargos Sociais e Trabalhistas Recursos Humanos Prof. Rafael Beluzzo Comparação de cálculos e encargos na várias formas de contratação e Trabalhistas Taxas e contribuições pagas pelo empregador para financiamento das políticas públicas

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo proporcional do INSS e dedução do IRRF na folha após férias de 30 dias 16/05/14

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo proporcional do INSS e dedução do IRRF na folha após férias de 30 dias 16/05/14 Cálculo proporcional do INSS e dedução do IRRF na folha após férias de 30 dias 16/05/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012

PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012 PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012 Altera a Portaria nº 1.621 de 14/07/2010, que aprovou os modelos de Termos de Rescisão do Contrato de Trabalho

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON ANDRADE;

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.057, DE 6 DE JULHO DE 2011

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.057, DE 6 DE JULHO DE 2011 DOU Nº 131, segunda-feira, 9 de julho de 2012 Seção 1 Página 108 GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.057, DE 6 DE JULHO DE 2011 Altera a Portaria nº 1.621, de 14 de julho de 2010, que aprovou os modelos

Leia mais

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 A PEC n 66 de 2012 Veio com O OBJETIVO de alterar a redação do parágrafo único do art. 7º da Constituição Federal para estabelecer a

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON

Leia mais

Legislação. Lei Complementar n 150/2015. Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal

Legislação. Lei Complementar n 150/2015. Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal Simples Doméstico Legislação Lei Complementar n 150/2015 Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal Quem é empregado doméstico? Art. 1 o da LC n 150/2015 Ao empregado doméstico, assim considerado

Leia mais

Categoria abrangida: Empregados em Empresas de Turismo de Porto Alegre

Categoria abrangida: Empregados em Empresas de Turismo de Porto Alegre Convenção Coletiva de Trabalho 46218.009286/2008-18 O SINDICATO DAS EMPRESAS DE TURISMO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SINDETUR, conjuntamente com o SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE TURISMO DE PORTO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2014-2015 DOS EMPREGADOS DA EMPRESA ADINOR INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ADITIVOS LTDA. 1ª Cláusula - REAJUSTE SALARIAL A Empresa reajustará o salário de seus empregados em 100% (cem

Leia mais

Veja abaixo como duplicar as informações da empresa modelo para as empresas.

Veja abaixo como duplicar as informações da empresa modelo para as empresas. 1 1. Duplicação das informações da empresa modelo Juntamente com a instalação da empresa modelo encaminhamos anexada a empresa modelo, que contem cadastros que podem ser utilizados nas empresas a serem

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA GERAR FOLHA DE PAGAMENTO

ROTEIRO BÁSICO PARA GERAR FOLHA DE PAGAMENTO ROTEIRO BÁSICO PARA GERAR FOLHA DE PAGAMENTO Nas páginas seguintes, você terá uma visão geral dos recursos disponíveis e das funções que o Persona pode automatizar. Sem entrar em detalhes, você saberá

Leia mais