TECNOLOGIAS LIMPAS Porque não fazer já o que certamente virá amanhã

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECNOLOGIAS LIMPAS Porque não fazer já o que certamente virá amanhã"

Transcrição

1 Publicado na revista TECBAHIA maio ago,1999 TECNOLOGIAS LIMPAS Porque não fazer já o que certamente virá amanhã Asher Kiperstok PhD em Tecnologias Ambientais pela UMIST Instituto de Ciências e Tecnologia da Universidade de Manchester, RU. Chefe do Departamento de Hidráulica e Saneamento, Coordenador do Programa de Tecnologias Limpas, TECLIM Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Rua Aristides Novis 02 Federação Salvador BA, Tel , Telefax , e.mail: Resumo A necessária velocidade com que a redução do impacto ambiental das atividades produtivas deve se dar, exige uma mudança na forma de se pensar a relação destas com o meio ambiente. Deve-se evoluir das práticas fim de tubo para atitudes de prevenção da poluição. Esta mudança exige uma participação ativa tanto do setor produtivo como das agências reguladoras. Palavras Chave Tecnologias Limpas, Prevenção da Poluição, Certificação Ambiental. INTRODUÇÃO Neste trabalho discute-se a necessidade de mudanças na forma de se pensar o processo produtivo para permitir um crescimento econômico sustentável do ponto de vista ambiental. Num momento em que empresas de grande porte aderem a sistemas de certificação ambiental, convêm discutir se apenas isto é suficiente. O crescimento do impacto que a sociedade provoca sobre o meio ambiente global pode ser melhor analisado se considerarmos três fatores principais, crescimento populacional, crescimento do consumo per capita e o impacto ambiental de cada produto que consumimos. Ao se discutir este último fator discute-se, de fato, a tecnologia utilizada e a parcela que lhe cabe na exaustão dos recursos naturais. As pressões por um meio ambiente mais equilibrado tem levado a indústria a adotar medidas para reduzir o impacto de suas atividades. Algumas empresas deram passos mais arrojados e passaram a pensar não apenas no impacto provocado pelas suas plantas industriais mas no impacto ambiental provocado ao longo de todo o ciclo de vida dos seus processos e produtos. Uma ferramenta importante para instrumentalizar estes esforços é a Análise de Ciclo de Vida ( Life Cycle Analysis ou LCA). Apesar de ser um instrumento em desenvolvimento e, consequentemente, de difícil aplicação no momento, alguns autores já apresentam trabalhos que permitem prever a sua contribuição num futuro próximo. Um destes trabalhos, Ecologia Industrial e o Automóvel (Graedel e Allenby, 1998) é aproveitado neste artigo para ilustrar a necessidade de mudanças no modelo de produção vigente. Um dos meios de articular a excelência ambiental de processos e produtos é a possibilidade de julgar a utilização, ao longo de toda a cadeia produtiva, das melhores tecnologias disponíveis. O 1

2 julgamento da qualidade ambiental de uma determinada tecnologia nos coloca numa rota de análise de grande complexidade que convêm trilhar gradativamente. O primeiro passo neste caminho exige diferenciar entre tecnologias Fim de Tubo ou Fim de Linha ( End of Pipe ) e Tecnologias Limpas. Não se faz aqui distinção entre os termos Tecnologias Limpas, Prevenção da Poluição, Produção Limpa, Produção Mais Limpa, mesmo que alguns autores estabeleçam distinções importantes entre estes termos (Ashford e Côte, 1997, Baas, 1996). As Tecnologias Limpas se caracterizam por voltar-se para as fontes da geração de resíduos visando aproximar o processo produtivo da condição de emissão zero. Priorizam os esforços pela eliminação da poluição a montante dos processos tentando se afastar da visão do binômio tratamento / disposição final (Fim de Tubo) como solução para os problemas ambientais gerados pela indústria. TECNOLOGIAS LIMPAS, POR QUE?? Nos dias de hoje existe uma quase unanimidade em torno da causa ambiental. Seja por razões mercadológicas ou de compromisso social, o fato é que cada vez mais pessoas e empresas adotam atitudes ambientalistas. Convêm analisar se os resultados que estão sendo atingidos efetivamente apontam para uma reversão do processo de degradação ambiental ou sequer para uma redução da velocidade com que esse se dá. Ao implantar um sistema de gestão ambiental, nos moldes das certificações hoje em voga, as empresas se comprometem com processos de melhoria contínua do seu desempenho ambiental. Um processo de melhoria contínua tende a implicar numa redução gradativa dos impactos ambientais da empresa. A velocidade com que esta redução se dá, fica a critério da direção da empresa. Normalmente, critérios de caráter econômico, tais como os investimentos necessários para reverter um determinado aspecto ambiental contribuem para desacelerar processos de melhoria contínua. Pressões legais e sociais, contribuem no sentido de atingir um melhor desempenho ambiental num menor espaço de tempo. Não devemos deixar de considerar entre estes últimos, o crescimento do compromisso ambiental e social de uma parcela importante do empresariado. Dois elementos que podem contribuir para uma aceleração de processos de melhoria de desempenho ambiental no âmbito das empresas são: a capacidade de identificar mudanças tecnológicas que impliquem em concomitantes reduções de custos (isto é, ganhar dinheiro a partir da redução da geração de resíduos); e, o esclarecimento do ritmo de melhoria necessário para tornar o processo ambientalmente sustentável. Cada processo e produto detém uma parcela de responsabilidade na conformação do nível de impacto da atividade produtiva sobre o meio ambiente. Na ausência de condições para quantificar estas parcelas separadamente, pode-se estimar a ordem de grandeza do crescimento do impacto ambiental global, nos próximos anos, usando a equação mestra de impacto ambiental. Graedel e Allenby (1998), pesquisadores dos laboratórios Bell e da AT&T, se valem desta equação com o mesmo objetivo. Neste artigo não usaremos as previsões de crescimento populacional que estes autores publicaram por considerá-las exageradas. Equação mestra do impacto ambiental : 2

3 Impacto ambiental = (População) x (Renda per capita) x (Impacto ambiental / Unidade de produção) Mitchell (1997), do Worldwatch Institute, citando dados do Escritório de Censos dos Estados Unidos, aponta para um crescimento da população mundial entre 1950 e 1996 de 2,6 para 5,8 bilhões de pessoas. Isto representa uma taxa média de crescimento anual de 1,8%. Segundo a fonte, esta taxa flutuou entre 1,3% e 2,2% a.a. Se considerarmos uma taxa de crescimento anual de 1,3%, nos próximos 30 anos a população mundial será 1,5 vezes a atual. Prever a evolução da renda per capita para os próximos 50 anos é outro exercício de arriscada futurologia. Graedel e Allenby (1998), ilustram com dados do Banco Mundial, as taxas de crescimento verificadas em diversos blocos econômicos (Tabela 1). Tabela 1 Crescimento da renda per capita, (Banco Mundial 1992) Grupo de paises Mais desenvolvidos Sub-sahara Leste Asiático América Latina Leste Europeu Menos desenvolvidos Os números representam taxas médias de crescimento anual em % Os números para a década são estimados Fonte: Graedel e Allenby, 1998 Mesmo podendo se contestar os dados projetados na tabela acima, os autores citados se permitem apontar, para um crescimento da renda per capita mundial de 3 a 5 vezes (eqüivale a 2.2% e 3.3% a.a, respectivamente) nos próximos cinqüenta anos. Consideremos aqui, conservadoramente, um taxa de crescimento anual da renda per capita mundial de 2%. Isto implica num crescimento desta em 80% nos próximos 30 anos. As considerações acima apontam para um crescimento, nos dois primeiros fatores da equação mestra, de 1.5 X 1.8 = 2.7 vezes nos próximos 30 anos. (Graedel e Allenby consideram valores bastante maiores para este produto: entre 6 e 10 vezes nos próximos 50 anos). Isto quer dizer que o terceiro fator, impacto ambiental por unidade de produção teria que ser reduzido a um terço do valor atual para que em 2030 possa se ter o mesmo nível de impacto ambiental global de hoje. Impacto este que muitos autores consideram insustentável. Mesmo assim, será isto possível? e caso possamos dar uma resposta positiva a esta pergunta, será que poderemos atingir esta redução, apenas aplicando medidas de controle da poluição do tipo Fim de Tubo? Ainda no trabalho anteriormente citado, Graedel e Allenby (1998) fazem uma comparação entre o impacto ambiental do automóvel dos anos cinqüenta e dos anos noventa. Os autores desenvolvem uma análise de ciclo de vida para esses veículos, incluindo não apenas o produto em si, mas toda a infra-estrutura a ele relacionada. O resultado dessa análise é bastante ilustrativo. Se, por um lado, o 3

4 impacto ambiental de uma unidade do produto automóvel, reduziu-se neste período, a infra-estrutura a ele relacionada, aumentou seu impacto. O saldo total aponta para uma pequena redução do impacto ambiental do produto automóvel. É possível imaginar que nos próximos 30 anos, a evolução tecnológica do automóvel possa reduzir o seu impacto ambiental por unidade de produto para um terço da atual? A mesma pergunta caberia para qualquer outro bem de consumo. Reduções de impacto ambiental, desta ordem de grandeza, só poderão ser atingidas a partir de um intenso esforço pela racionalização do uso dos recursos naturais ao longo de todo o ciclo de vida dos produtos e processos. A priorização de medidas Fim de Tubo pouco contribui para se atingir o ritmo de melhoria necessário. É importante, que tanto o setor produtivo como os órgãos reguladores se atualizem neste sentido. Para difundir o uso de tecnologias limpas é importante considerar as razões e motivos que apontam para o seu uso. Ao mesmo tempo convêm entender os motivos que têm levado a priorização de práticas corretivas no lugar das preventivas, no controle da poluição. TECNOLOGIAS LIMPAS, MUDANÇA DE ATITUDES, DAS PRÁTICAS FIM DE TUBO PARA A PRODUÇÃO MAIS LIMPA. As práticas ambientais na produção, em particular, e na sociedade em geral, influenciam determinantemente as políticas ambientais. Estas, por sua vez afetam as primeiras. Até a década de 80, o meio ambiente era considerado um aspecto de menor importância para o setor produtivo, tanto no campo econômico como no tecnológico. No campo econômico ele era tratado como uma externalidade. No tecnológico, medidas de controle da poluição foram tomadas (no melhor dos casos) para adequar as emissões aos padrões exigidos. Tradicionalmente, as medidas de controle ambiental têm se fundamentado na aplicação de padrões de lançamento de emissões, seja na forma de concentrações de poluentes ou de cargas, e/ou na fixação de concentrações máximas admitidas nos corpos receptores, os chamados padrões ambientais. Um dos princípios aprovados na Conferência das Nações Unidas sobre o Ambiente Humano (Estocolmo, 1972) estabelece a necessidade de controlar o lançamento de substancias tóxicas, ou outros compostos, no meio ambiente se as quantidades ou concentrações destes excederem a sua capacidade de absorção. Em 1975, a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico, OECD, populariza o Princípio do Poluidor Pagador. Este princípio estabelece que o produtor deve se responsabilizar pelos custos ambientais, assim como os provocados a pessoas e propriedades. A ótica que prevalece nos anos 70, é a da aceitação do inevitável lançamento de poluentes no meio ambiente, estabelecendo-se medidas para o seu controle. Procurou-se, com isto, transferir os custos ambientais para a produção, promovendo sua incorporação no preço final dos produtos, induzindo-se a adoção de medidas cabíveis para atenuar o seu impacto ambiental. Trata-se de uma visão na qual reduzir impactos ambientais só faz agregar custos ao processo produtivo. Nesta lógica, a tecnologia ambiental representa a interface que tem por objetivo adequar os lançamentos a capacidade dos corpos receptores. 4

5 A rápida expansão da produção industrial e dos seus impactos, obrigou o aprimoramento da compreensão da relação produção - meio ambiente. O meio ambiente passa a ser visto não apenas como um conglomerado de corpos receptores. A preservação da natureza torna-se um valor em si mesmo. Além disto novas funções são reconhecidas. A natureza como fornecedora de recursos, renováveis ou não, cuja preservação se constitui em pré-requisito para a continuidade da atividade produtiva. A natureza como fornecedora de informações fundamentais para o desenvolvimento tecnológico. A partir da segunda metade dos anos 70, órgãos ambientais dos países desenvolvidos, passam a exigir da indústria a adoção de melhores técnicas para os tratamentos fim de tubo. Não basta atender determinados padrões ambientais. Exige-se, do setor produtivo, a utilização das melhores opções tecnológicas existentes. Isto, de certa forma, quebra uma barreira na relação entre as a agências regulamentadoras e os agentes produtivos. Os fiscais passam de meros controladores de descargas para avaliadores das tecnologias utilizadas para tratar as emissões. Mesmo que inicialmente utilizadas para exigir melhores tratamentos fim de tubo (Baas, 1996), a utilização deste tipo de exigências começa a transferir a discussão ambiental para o interior das fábricas. Nem sempre, contudo, a melhor técnica disponível está ao alcance da empresa avaliada. Surge a necessidade de se encontrar critérios que levem em consideração a capacidade do produtor de pagar pela melhor técnica disponível no mercado para abater determinados poluentes. Às exigências de aplicação da melhor tecnologia disponível (BAT - Best Available Technology) se agregam considerações econômicas e surgem as melhores técnicas disponíveis, economicamente viáveis. Desta maneira, a discussão das medidas de controle ambiental atinge o interior das fábricas aceitando, inclusive, critérios econômicos para a decisão das técnicas a serem adotadas. Dado este passo, não tardaria para o conceito de prevenção vir a ser considerado. Em 1990, o parlamento britânico aprova o Ato de Proteção Ambiental, EPA 90 que estabelece a política do Controle da Poluição Integrado, IPC. Esta lei aponta para dois instrumentos que devem ser utilizados pelas empresas potencialmente poluidoras: A melhor tecnologia disponível que não implique em custos excessivos, BATNEEC ( Best Available Technique Not Entailing Excessive Cost ); e A melhor opção ambiental praticável, BPEO Best Practicable Environmental Option (DoE e HMIP,1991). No documento acima definem-se como BATNEEC aquelas técnicas que permitem prevenir a emissão de substâncias prescritas. Exige-se que, caso a prevenção não seja possível, as emissões devem ser minimizadas e tornadas inofensivas. Introduz-se uma gradação de prioridades com ênfase para a prevenção. Esta visão é também adotada na Comunidade Européia na Diretiva do Conselho relativa a prevenção e controle integrados da poluição. (Conselho das Comunidades Europeias,1996). Um outro aspecto a ser observado na legislação britânica recente, diz respeito ampliação do conceito de tecnologia utilizado. O termo technique é utilizado para abranger não apenas a tecnologia propriamente dita mas os aspectos gerenciais e operacionais a ela relacionados. Mesmo assim, o conceito das melhores tecnologias não consegue se desvincular das práticas de fim de tubo com as que estiveram inicialmente associadas. As idéias mais recentes de Prevenção da Poluição, e Produção Mais Limpa, ampliam as opções a serem consideradas para o equacionamento da relação produção e meio ambiente. 5

6 Joseph Ling, ex vice presidente da empresa 3M, relata que em 1975 a sua corporação adotou o programa 3P, Prevenção da Poluição se Paga (Shen, 1995). Este programa sustentava que a redução ou eliminação da poluição na fonte permitiria eliminar ou reduzir os custos de tratamento e limpeza, conservando, ao mesmo tempo, matérias primas e tornando o processo produtivo mais eficiente e barato. A Comissão Econômica das Nações Unidas para a Europa convidou a empresa a apresentar esta proposta em Paris em 1976, no seminário Princípios e Criação de Tecnologia sem Resíduos, propondo a sua divulgação. Apesar da Agência de Proteção Ambiental Americana, EPA, promover no final da década de 70 discussões sobre Prevenção da Poluição, o Congresso Americano só deu o devido valor ao enfoque preventivo quando o assunto dos resíduos perigosos tornou-se público. Em 1989 a EPA montou seu Escritório de Prevenção da Poluição e um ano depois o Congresso dos Estados Unidos aprovou o Ato de Prevenção da Poluição (Shen, 1995). A Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial, UNIDO, vem desenvolvendo desde 1990 o programa de Produção Mais Limpa. Este programa apoiou a implantação do Centro Nacional de Tecnologias Limpas, CNTL, no SENAI/RS em Em 1997, o Programa de Controle da Poluição Industrial de São Paulo, PROCOP, (inicialmente concebido para financiar soluções Fim de Linha) é reestruturado com base nos conceitos de Produção Limpa e Prevenção da Poluição. A OECD em 1987, define tecnologias limpas como qualquer medida técnica na indústria, para reduzir, ou até eliminar na fonte, a produção de qualquer incômodo, poluição ou resíduo, e ajudar na economia de matérias prima, recursos naturais e energia. Elas podem ser introduzidas tanto a nível de projeto, com mudanças radicais no processo de manufatura, ou num processo existente, com a separação e utilização de produtos secundários que de outra maneira seriam perdidos (Baas 1996). Por sua vez, a Comissão Econômica das Nações Unidas para a Europa, em 1984, define as Tecnologias de Baixo ou Nenhum Resíduo (LNWT) como um método de manufatura (processo, planta industrial, complexo industrial) onde a totalidade de matérias primas e energia são utilizados da forma mais racional e integrada no ciclo produtivo: matérias primas - produção - consumo - recursos materiais secundários, de forma a prevenir qualquer impacto negativo no ambiente que possa afetar seu funcionamento normal. Num sentido mais amplo, a tecnologia de baixa poluição e sem resíduos se preocupa, não apenas com processos produtivos, mas também com o destino dos produtos num tempo de vida mais longo, seu fácil concerto e o seu reciclo e transformação após uso deforma a prevenir dano ecológico. O objetivo é atingir um ciclo tecnológico completo para o uso dos recursos naturais, compatível ou similar aos ecossistemas naturais (Baas, 1996). Baas (1996) salienta que a Prevenção da Poluição e minimização de resíduos representa uma mudança de atitude onde o foco é mudado do uso de tecnologias para o controle da poluição para uma atitude pro-ativa de prevenção ao longo de todo o processo produtivo. A adoção destas práticas converge com a viabilização econômica da produção por aliar aspectos ambientais com lucratividade econômica. O autor identifica três tendências principais na evolução das tecnologias ambientais: 1 De controle da poluição e tecnologias de manipulação de resíduos após a sua geração, a uma tecnologia pro-ativa de integração de processos que previna a geração de poluentes na fonte. 2 De uma ênfase única nas medidas tecnológicas para uma abordagem mais ampla que inclui medidas não técnicas. 6

7 3 Da consideração exclusiva dos aspectos ambientais do processo de manufatura a consideração dos aspectos ambientais de todo o ciclo de vida dos produtos, incluindo o projeto dos mesmos, gestão de recursos naturais, consumo e gestão da fase após o consumo dos produtos usados. A implementação da Prevenção da Poluição implica numa mudança de paradigma tanto no processo produtivo como na vida doméstica. O desenvolvimento de uma atitude de percepção da maneira como são gerados os resíduos serve de base para eliminação das causas de sua geração. Baas (1996) resume contribuições de vários autores para esclarecer o conceito de produção mais limpa e apontar para caminhos para o seu desenvolvimento e futuras pesquisas: Avaliação das necessidades da sociedade; Enfoque integrado de mudanças organizacionais e gerenciamento da melhoria contínua; Avaliação do custo total de forma a se promover a alocação do custo ambiental real no custo da produção; Recursos sustentáveis e gerenciamento de materiais: seremos capazes de formular uma transição para energias e materiais renováveis? A corrida para uma tecnologia ecológica é um desafio para mudanças tecnológicas radicais: seremos capazes de desenvolver radicalmente novas tecnologias, que usem 1/10 da energia atualmente utilizada de forma a atender os requisitos do desenvolvimento sustentável? Projeto para o meio ambiente, projeto para o reuso; Ecossistemas industriais: uma nova cooperação entre empresas deverá ser estimulada de forma a que outras utilizem a energia e emissões que uma única empresa não possa prevenir ou reutilizar. Christie et al. (1995) citam Roland Clift, da Universidade de Surrey no Reino Unido para ilustrar a relação entre tecnologias de Fim de Tubo e Tecnologias Limpas, comparando seus aspectos ambientais e econômicos. A Figura 1mostra a busca de atalhos tecnológicos que permitam passar para patamares de maior eficiência na relação custo produtivo e impacto ambiental. Estes atalhos ou oportunidades são encontrados na medida que os esforços técnicos são direcionados para o interior do processo produtivo e a montante do mesmo. 7

8 C u s t o e c o n ô m i c o Soluções Fim de Tubo Tecnologias atuais TecnologiasLimpas Custo ambiental Figura 1 : Produção limpa (Clift, 1993 em Christie et al, 1995) CONCLUSÃO A reversão do processo de degradação ambiental, com crescimento econômico, só é possível se forem introduzidas mudanças na forma de se pensar a relação processo produtivo meio ambiente. Estas mudanças apontam na direção do próprio processo produtivo e não mais, apenas, para ações na interface empreendimento corpo receptor e devem acontecer tanto no comportamento dos produtores como das agências regulamentadoras. Mecanismos devem ser procurados para promover o uso de Tecnologias Limpas e ações de Prevenção da Poluição. Estas práticas aliam critérios ambientais a econômicos tornando-as acessíveis e recomendáveis para empreendimentos de qualquer porte. No caso das empresas maiores, participantes do restrito clube das que detêm ou procuram a sua certificação ambiental pelos critérios atualmente em voga, a utilização de Tecnologias Limpas permitirá uma consistente e inadiável ampliação dos seus resultados. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASHFORD, N.A., CÔTE, R.P. An overview of the special issue on industrial ecology. J. Cleaner Prod 5, p. i -iv. BAAS, L. An integrated approach to cleaner production. In: MISRA,K.B. (Ed.) Clean production, Environmental and economic perspectives. 1st ed. Springer, Berlin p CHRISTIE, I., ROLFE, H., LEGARD, R. Cleaner production in industry, integrating busines goals and environmental management. 1st ed. Policy Studies Institute, London p. CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Directiva 96/61/CE de 24 de Setembro de 1996 relativa à prevenção e controlo integrados da poluição, Jornal Oficial das Comunidades Europeias N0 257 de 10/10/ p

9 DoE, HMIP (Eds.) Integrated pollution control, a practical guide. HMSO p. GRAEDEL,T.E., ALLENBY, B. R. Industrial ecology and the automobile. 1st ed. Prentice Hall, New Jersey p. MITCHELL, J.D. Population increase slows slightly. In: BROWN, L.R., RENNER, M., FLAVIN, C. (Eds.) Vital Signs. Worldwatch Institute, London p SHEN, T.T. Industrial pollution prevention. 1st ed. Springer, Berlin p. Abstract The needed speed of reduction of the environmental impact of productive activities, demands a change on the way the relationship between these and the environment is actually considered. An evolution from end of pipe practices to pollution prevention is required. This change obliges an active participation of both productive sector and environmental regulators. Key words Clean technologies, pollution prevention, environmental certification. 9

VI-134 TECNOLOGIAS LIMPAS E A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO: NOVAS POSTURAS DA INDÚSTRIA EM RELAÇÃO AO MEIO AMBIENTE.

VI-134 TECNOLOGIAS LIMPAS E A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO: NOVAS POSTURAS DA INDÚSTRIA EM RELAÇÃO AO MEIO AMBIENTE. 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-134 TECNOLOGIAS LIMPAS E A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO: NOVAS POSTURAS DA INDÚSTRIA EM RELAÇÃO

Leia mais

Tecnologias Limpas e

Tecnologias Limpas e Tecnologias Limpas e Minimização de Resíduos Professor: Neyval Costa Reis Jr. Departamento de Engenharia Ambiental Centro Tecnológico UFES Introdução Programa do Curso Parte I Parte II Minimização de Resíduos

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

GEIA. Grupo de Ecologia Industrial Aplicada FLUXUS. Laboratório de Estudos em Sustentabilidade Socioambiental e Redes Técnicas FEC/UNICAMP.

GEIA. Grupo de Ecologia Industrial Aplicada FLUXUS. Laboratório de Estudos em Sustentabilidade Socioambiental e Redes Técnicas FEC/UNICAMP. São Paulo Brazil May 20th 22nd 2009 Evolução das Abordagens Industriais Ambientais MSc. Juliana C. Fontes Lima, Profa. Dra. Emília W. Rutkowski FEC/UNICAMP GEIA. Grupo de Ecologia. Faculdade Industrial

Leia mais

Inovação como requisito do Desenvolvimento Sustentável

Inovação como requisito do Desenvolvimento Sustentável Inovação como requisito do Desenvolvimento Sustentável Asher Kiperstok, Mestrado Profissional em Produção Limpa, MEPLIM Universidade Federal da Bahia, U FBA; Rede de Tecnologias Limpas da Bahia TECLIM;

Leia mais

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL Maria de Fátima Nunesmaia(1)

Leia mais

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015 Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa Prof. Dr. Douglas Wittmann São Paulo - 2015 Prof. Dr. Douglas Wittmann Doutor em Ciências (USP). Mestre em Engenharia de Produção (UNIP). Pós-graduado em

Leia mais

PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES

PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES BAIOTTO, Alexandre 1 ; COSTA, Augusto Cesar da 1 ; SCHMIDT, Alberto 2 Palavras-Chave: Gestão ambiental. Empresa. Produção sustentável. Introdução Agregados

Leia mais

1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da. 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida pela UNIDO/UNEP

1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da. 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida pela UNIDO/UNEP 3 - Metodologias 1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da poluição e minimização de resíduos 2. Histórico de produção mais limpa no Brasil 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida

Leia mais

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria.

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Edson José Duarte 1 Universidade Federal de Goiás/Campos catalão Email: edsonduartte@hotmail.com

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL: NOVO PARADIGMA PARA OS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL E NA BAHIA 1

GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL: NOVO PARADIGMA PARA OS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL E NA BAHIA 1 GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL: NOVO PARADIGMA PARA OS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL E NA BAHIA 1 Luiz Roberto Santos Moraes* Patrícia Campos Borja** Resumo: O modelo de gestão de resíduos sólidos

Leia mais

TRATADO SOBRE RESÍDUOS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE RESÍDUOS PREÂMBULO [23] TRATADO SOBRE RESÍDUOS PREÂMBULO Considerando que: 1. Os recursos naturais da Terra são limitados e devem ser utilizados de forma responsável, socialmente justa e ambientalmente sustentável. 2. A

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Federação das Indústrias do Estado da Bahia FIEB. Conselho de Meio Ambiente COMAM

APRESENTAÇÃO. Federação das Indústrias do Estado da Bahia FIEB. Conselho de Meio Ambiente COMAM APRESENTAÇÃO A FIEB, através do seu Conselho de Meio Ambiente - COMAM, vem realizando desde o ano de 2000, o Prêmio FIEB Desempenho Ambiental. Em suas duas primeiras edições o Prêmio abrangeu as categorias

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL Palavras-chave: Efluentes industriais, tecnologia ambiental, controle de poluição. 1 Introdução O mercado de tecnologias ambientais no Brasil, principalmente

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

Ingrid Maria Furlan Öberg

Ingrid Maria Furlan Öberg Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental Ingrid Maria Furlan Öberg Relação Homem x Ambiente no modelo de desenvolvimento da sociedade moderna NATUREZA Fonte de recursos ilimitados Depósito de resíduos

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

FORMAÇÃO AMBIENTAL MULTIDISCIPLINAR: A NOVA DEMANDA DO MERCADO E POSSIBILIDADES DE MELHORES NEGÓCIOS PARA OS ENGENHEIROS

FORMAÇÃO AMBIENTAL MULTIDISCIPLINAR: A NOVA DEMANDA DO MERCADO E POSSIBILIDADES DE MELHORES NEGÓCIOS PARA OS ENGENHEIROS FORMAÇÃO AMBIENTAL MULTIDISCIPLINAR: A NOVA DEMANDA DO MERCADO E POSSIBILIDADES DE MELHORES NEGÓCIOS PARA OS ENGENHEIROS Ogenis Magno Brilhante (1) Professor Doutor do DSSA/ENSP/FIOCRUZ.desde 1990. Pós

Leia mais

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Apresentação: José Leildon QSA - ASSESSORIA EMPRESARIAL Ltda 2 Abordagem tradicional - controle corretivo Recursos Naturais Produtos Ambiente Rejeitos

Leia mais

Empresas se veem numa nova lógica de mercado...

Empresas se veem numa nova lógica de mercado... Empresas se veem numa nova lógica de mercado... 20/04/2010 Acidente com uma plataforma de petróleo que causou o vazamento de 2,2 milhões de barris no mar. - 53,79% ... mas também enxergam novas oportunidades.

Leia mais

LANXESS AG. Rainier van Roessel Membro da Diretoria. Sustentabilidade em Borrachas: Hoje e Amanhã. Painel 1 Discurso de Abertura

LANXESS AG. Rainier van Roessel Membro da Diretoria. Sustentabilidade em Borrachas: Hoje e Amanhã. Painel 1 Discurso de Abertura LANXESS AG Rainier van Roessel Membro da Diretoria Sustentabilidade em Borrachas: Hoje e Amanhã Painel 1 Discurso de Abertura LANXESS Rubber Day São Paulo (Favor verificar em relação à apresentação) 23

Leia mais

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA Solidia Elizabeth dos Santos 1 Co-autores: Prof. Dr. Cleverson V. Andreoli 2 Prof. Dr. Christian L. da Silva 3 RESUMO

Leia mais

Tecnologia e Sustentabilidade

Tecnologia e Sustentabilidade Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade Robério Fernandes Alves de Oliveira 1 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade As dimensões da sustentabilidade Econômica Social AMBIENTAL 2 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA RESUMO No mundo dos negócios, inovar significa: desenvolvimento e introdução de novidade. A empresa deve inovar em tecnologia para se tornar competitiva e aumentar seu lucro. As inovações

Leia mais

RESÍDUOS INDUSTRIAIS E SUA DESTINAÇÃO FINAL: ANALISE E PROPOSTA PARA O PRINCIPAL RESÍDUO DE UMA FÁBRICA DE PRÉ- MOLDADOS DE CONCRETO.

RESÍDUOS INDUSTRIAIS E SUA DESTINAÇÃO FINAL: ANALISE E PROPOSTA PARA O PRINCIPAL RESÍDUO DE UMA FÁBRICA DE PRÉ- MOLDADOS DE CONCRETO. RESÍDUOS INDUSTRIAIS E SUA DESTINAÇÃO FINAL: ANALISE E PROPOSTA PARA O PRINCIPAL RESÍDUO DE UMA FÁBRICA DE PRÉ- MOLDADOS DE CONCRETO. Andre Pinheiro de Souza (UNESPA ) deco_pinheiro@hotmail.com Rafael

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

A INCLUSÃO DO CONCEITO DA AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA NA GRADE CURRICULAR DO CURSO DE AGRONOMIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ (UEM)

A INCLUSÃO DO CONCEITO DA AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA NA GRADE CURRICULAR DO CURSO DE AGRONOMIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ (UEM) A INCLUSÃO DO CONCEITO DA AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA NA GRADE CURRICULAR DO CURSO DE AGRONOMIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ (UEM) R.L. CONTIERO 1, F.I. BÁNKUTI 1, J.F. BENCHIMOL 2, T.C.L.CAIRES

Leia mais

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 Reconheça o que está ao alcance dos seus olhos, e o que está oculto tornar-se-á claro para você. Jesus de Nazaré 2 3 1. Citar as principais contribuições

Leia mais

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências.

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL.

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DE SUSTENTABILIDADE E ECOEFICIÊNCIA

FÓRUM PERMANENTE DE SUSTENTABILIDADE E ECOEFICIÊNCIA FÓRUM PERMANENTE DE SUSTENTABILIDADE E ECOEFICIÊNCIA POR QUE UM FÓRUM DE SUSTENTÁBILIDADE ECOEFICIENTE? PORQUE O MUNDO VAI MUDAR; PORQUE O MERCADO VAI EXIGIR; PORQUE AS POLÍTICAS PÚBLICAS VÃO DISCIPLINAR;

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis

Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis O sistema de licenças negociáveis é um tipo especifico de direito de propriedade. O direito de propriedade consiste em uma licença por meio da qual os agentes

Leia mais

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES Ítalo Camilo da Silva Nogueira Mestrando em Desenvolvimento Regional (mídias sociais), docente na Faculdade Nossa Senhora Aparecida/FANAP-GO.

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa: do conceito à prática

Sustentabilidade Corporativa: do conceito à prática Sustentabilidade Corporativa: do conceito à prática Clarissa Lins F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O S U S T E N T Á V E L Índice Paradigmas do Desenvolvimento

Leia mais

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social.

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Aula 2 A Sustentabilidade e as Empresas Prof. Esp. Felipe Luiz Conceito Básico de Contextualização Sustentabilidade Exemplificação Responsabilidade Social Cidadania

Leia mais

Construção Civil e Sustentabilidade

Construção Civil e Sustentabilidade CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 07 maio de 2014 Organização:

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 20

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 20 CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 20 MANEJO AMBIENTALMENTE SAUDÁVEL DOS RESÍDUOS PERIGOSOS, INCLUINDO A PREVENÇÃO DO TRÁFICO INTERNACIONAL ILÍCITO DE RESÍDUOS

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTAO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTAO AMBIENTAL IMPLANTAÇÃO DA GESTAO AMBIENTAL MELO, Fabrício Pires CARDOSO, Mauricio QUEIROS, Silmara Mirian PEDRO, Lincoln MULLER, Edi RESUMO Este trabalho busca mostrar quais os benefícios, custos e métodos para se

Leia mais

01-12/12/2008 Cuiabá - MT

01-12/12/2008 Cuiabá - MT Secretaria de Estado do Meio Ambiente SEMA-MT - Em defesa da meio ambiente Instituto Brasileiro de Administração para o Desenvolvimento IBRAD Curso de Avaliação e Monitoramento de Políticas Públicas 01-12/12/2008

Leia mais

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Conceitos e Premissas Evolução Tecnológica: Impacto Social Ambiental Conceitos e Premissas Esforço Governamental políticas e ações de mercado

Leia mais

Destaques do Plano de Trabalho do Governo Chinês para 2015

Destaques do Plano de Trabalho do Governo Chinês para 2015 INFORMATIVO n.º 25 MARÇO de 2015 Esta edição do CEBC Alerta lista os principais destaques do Plano de Trabalho do governo chinês para 2015, apresentado pelo Primeiro-Ministro Li Keqiang e divulgado pela

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA. UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA DE PERFIL DE ALUMÍNIOS

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA. UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA DE PERFIL DE ALUMÍNIOS Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA. UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA DE PERFIL DE ALUMÍNIOS IMPLEMENTATION OF CLEANER PRODUCTION. A CASE STUDY IN AN

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

Estudo do potencial da geração de energia renovável proveniente dos "aterros sanitários" nas regiões metropolitanas e grandes cidades do Brasil 1

Estudo do potencial da geração de energia renovável proveniente dos aterros sanitários nas regiões metropolitanas e grandes cidades do Brasil 1 Estudo do potencial da geração de energia renovável proveniente dos "aterros sanitários" nas regiões metropolitanas e grandes cidades do Brasil 1 Resumo Convênio FEALQ - Ministério do Meio Ambiente (Início

Leia mais

ECOLOGIA INDUSTRIAL diminuição eliminação

ECOLOGIA INDUSTRIAL diminuição eliminação A crescente necessidade de preservação ambiental tem levado à adoção de tecnologias que utilizam os recursos naturais de maneira mais econômica e menos destruidora. Ao mesmo tempo, buscam-se soluções para

Leia mais

Plataforma de Metanização de Resíduos Orgânicos - pmethar

Plataforma de Metanização de Resíduos Orgânicos - pmethar Plataforma de Metanização de Resíduos Orgânicos - pmethar Aplicação Digestão Anaeróbia descentralizada e em pequena escala Luis Felipe Colturato Diretor Executivo Global Methane Initiative Agriculture,

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capítulo 7 Política Ambiental Pelotas, 2010 7.1 Introdução A política ambiental

Leia mais

Emprego da Contabilidade de Custos Ecológicos em um Projeto de Produção Enxuta de uma Indústria Automobilística Brasileira

Emprego da Contabilidade de Custos Ecológicos em um Projeto de Produção Enxuta de uma Indústria Automobilística Brasileira Emprego da Contabilidade de Custos Ecológicos em um Projeto de Produção Enxuta de uma Indústria Automobilística Brasileira Fabiana Giusti Serra 2015 Indústria automobilística brasileira A indústria automobilística

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE Índice O que é um SGA e o que é ISO 14001?...2 ISO 14001:1996. Suas perguntas respondidas...3 O sistema

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

TÍTULO: SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADES ATIBAIA

TÍTULO: SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADES ATIBAIA TÍTULO: SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADES ATIBAIA AUTOR(ES): SIMONE DE MIRANDA MENDES SOARES ORIENTADOR(ES):

Leia mais

Competitividade e Tecnologias Limpas

Competitividade e Tecnologias Limpas Competitividade e Tecnologias Limpas Carlos Eduardo Frickmann Young Instituto de Economia/UFRJ Email: young@ie.ufrj.br A grande vantagem das tecnologias limpas está na possibilidade de reverter um custo

Leia mais

Palavras-Chave: ensino; hospitalidade; lixo; restaurantes; sustentabilidade.

Palavras-Chave: ensino; hospitalidade; lixo; restaurantes; sustentabilidade. Lixo e Hospitalidade: o ensino consciente como estratégia para redução do volume de resíduos produzidos pela indústria de hospitalidade e ferramenta de capacitação profissional gerando benefício social.

Leia mais

Sistema de suporte à decisão para gestão regional dos fluxos de nitrogênio: Modelo Conceitual

Sistema de suporte à decisão para gestão regional dos fluxos de nitrogênio: Modelo Conceitual Sistema de suporte à decisão para gestão regional dos fluxos de nitrogênio: Modelo Conceitual Francisco R. A. do Nascimento, Asher Kiperstok, Juan M. Garcia, Jordi M. Farreras, Eduardo Cohim Rede de Tecnologias

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL Wanderley Feliciano Filho CRQ IV- Novembro/ 006 Conceito Constituicional Artigo Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem Papel com Reflorestamento e Reciclagem 49 O setor brasileiro de celulose e papel prima pela utilização de madeiras florestais plantadas exclusivamente para fins industriais. O emprego de técnicas de manejo

Leia mais

PROPRIEDADE REGISTRADA. Mundo Insustentável. Desenvolvimento Sustentável

PROPRIEDADE REGISTRADA. Mundo Insustentável. Desenvolvimento Sustentável Mundo Insustentável x Desenvolvimento Sustentável Resumo da Insustentabilidade no Mundo Contemporâneo 50% dos 6,1 bilhões de habitantes do planeta vivem com menos de US$2 por dia e um terço está abaixo

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA SANTOS 2005 ÍNDICE 01.Introdução...3 02. Gestão Ambiental Portuária...6 03. Referências Bibliográficas...12 2 01. INTRODUÇÃO

Leia mais

ECONOMIA E MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DAS EMPRESAS DO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (CDI) DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA.

ECONOMIA E MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DAS EMPRESAS DO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (CDI) DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA. ECONOMIA E MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DAS EMPRESAS DO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (CDI) DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA. RESUMO: O Centro de Desenvolvimento Industrial de Guarapuava foi criado

Leia mais

Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA

Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA Parceria Portuguesa para a Água no centro das decisões da Estratégia Europa 2020 para a Água 16.nov.2012 - eip.on.water Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA Nexus Água - Energia

Leia mais

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992)

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e desenvolvimento, Tendo-se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 21 de junho de

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

Habilitação recomendada para ministrar o componente curricular:

Habilitação recomendada para ministrar o componente curricular: Ementa do Curso Curso: SEGURANÇA DO TRABALHO Etapa: 1ª Componente Curricular: PROTEÇÃO AMBIENTAL - PA Carga Horária: 80 H/A Habilitação recomendada para ministrar o componente curricular: BIÓLOGO ENGENHEIRO

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

2006 2007 2008 2009 2010 ANO

2006 2007 2008 2009 2010 ANO COMPRAS SUSTENTÁVEIS NA SABESP ALVARO MENDES Superintendência de Suprimentos e Contratações Estratégicas O Poder de Compra da Sabesp M I L H Õ E S 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 0 1.532

Leia mais

SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ

SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ - 2011 CURSO DE GERENCIAMENTO DE RSS LEI 12.305 DE 02 DE AGOSTO DE 2010 Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e

Leia mais

Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais. Janeiro / 2010

Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais. Janeiro / 2010 Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais Janeiro / 2010 BNDES e o Meio Ambiente Década de 70 A variável ambiental é incorporada, formalmente, ao processo de análise

Leia mais

Uma política nacional de meio ambiente focada na produção limpa: elementos para discussão

Uma política nacional de meio ambiente focada na produção limpa: elementos para discussão Uma política nacional de meio ambiente focada na produção limpa: elementos para discussão José Célio Silveira Andrade * Márcia Mara de Oliveira Marinho ** Asher Kiperstok *** Introdução O enfoque da gestão

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM Para atender às regulamentações ambientais de hoje, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana e outros tipos de biomassa similares devem, obrigatoriamente,

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

Regulamentação e Licenciamento Ambiental. Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas

Regulamentação e Licenciamento Ambiental. Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas Regulamentação e Licenciamento Ambiental Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas Matriz Constitucional "Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia

Leia mais

CONSUMO APARENTE DE AÇO NO BRASIL DEVE VOLTAR AO PATAMAR DE

CONSUMO APARENTE DE AÇO NO BRASIL DEVE VOLTAR AO PATAMAR DE Aço AÇO BRASIL ABRIL I N F O R M A 28ª 28EDIÇÃO ABRIL 2015 CONSUMO APARENTE DE AÇO NO BRASIL DEVE VOLTAR AO PATAMAR DE 2007 O consumo aparente de aço no País deve fechar o ano de 2015 com queda de 7,8%

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO O mundo dá sinais de exaustão Mudanças Climáticas Alterações ambientais Paradoxo do consumo: Obesidade x Desnutrição Concentração

Leia mais

CONCEITO Meio ambiente (Lei 6.938/81 art. 3 , I) Visão antropocêntrica

CONCEITO Meio ambiente (Lei 6.938/81 art. 3 , I) Visão antropocêntrica DIREITO AMBIENTAL CONCEITO Meio ambiente (Lei 6.938/81 art. 3, I) conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas

Leia mais

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DAS POLÍTICAS AMBIENTAIS

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DAS POLÍTICAS AMBIENTAIS CONCEITOS E PRINCÍPIOS DAS POLÍTICAS AMBIENTAIS António Gonçalves Henriques AMBIENTE Conjunto dos sistemas físicos, químicos, biológicos e suas relações, e dos factores económicos, sociais e culturais

Leia mais

ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL

ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL JOSÉ, Clodoaldo SILVA, Gabriel de Oliveira da PROENÇA, Leandro Gomes JUNIOR, Luiz Antonio Martins RESUMO ISO 14000 é uma norma desenvolvida pela ISO e que estabelece diretrizes

Leia mais

Como obter produção e consumo sustentáveis?

Como obter produção e consumo sustentáveis? Como obter produção e consumo sustentáveis? Meiriane Nunes Amaro 1 O conceito de produção e consumo sustentáveis (PCS) 2 vem sendo construído há duas décadas, embora resulte de um processo evolutivo iniciado

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Emanuele Montenegro Sales (1) Graduando em Licenciatura em Química pela UEPB, Graduando de Engenharia Química pela UFCG. Antônio Augusto Pereira (2) Engenheiro

Leia mais

A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS

A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS SEMANA AMBIENTAL NA BRASIMET 2006 CIDADANIA E EDUCAÇÃO PARA UM PLANETA MELHOR A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS A atual conjuntura econômica e os novos cenários sócio-ambientais nacionais e internacionais

Leia mais