ENTENDA SEU CONTRACHEQUE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENTENDA SEU CONTRACHEQUE"

Transcrição

1 ENTENDA SEU CONTRACHEQUE RH/RB Atualizado em Março de 2010

2 Índice Introdução... 4 Salário Básico... 4 Adicional de Periculosidade... 4 Vantagem Pessoal Acordo Coletivo de Trabalho... 5 Vantagem Pessoal - Subsidiária... 5 Adicional de Trabalho Noturno... 5 Adicional de Hora Repouso e Alimentação... 6 Adicional de Sobreaviso... 7 Adicional Regional Especial de Campo... 7 Adicional de Regime Especial de Apoio Aéreo... 8 Adicional Regional de Confinamento... 8 Adicional Regional... 9 Remuneração Mínima por Nível e Regime (RMNR)... 9 Complemento da RMNR... 9 Adicional por Tempo de Serviço Vantagem Pessoal - DL Auxílio Almoço Adicional Noturno CLT Adicional de Sobreaviso Parcial Gratificação de Campo Terrestre de Produção Adicional de Permanência no Estado do Amazonas Adicional Provisório de Transferência Adicional Provisório de Transferência Temporária Auxílio Deslocamento Complemento de RBE Honorário de Ensino Hora Extra Repouso Semanal Remunerado HE Troca de Turno RSR HE Troca de Turno Adiantamento Salarial º salário Férias Remuneração de Férias...20 Adiantamento da Remuneração de Férias...20 Remuneração de Férias...21 Gratificação de Férias...22 Adiantamento da Gratificação de Férias...22 Gratificação de Férias...22 Abono Pecuniário de Férias...23 Adiantamento do Abono Pecuniário de Férias...23 Abono Pecuniário de Férias...24 Complementação de Auxílio-Doença Plano Petros...24 Plano Petros Não optante PP e PP Salário Maternidade Vantagem por Readaptação Página 2 de 34

3 Remuneração de Candidato Interno Benefícios Educacionais Gratificação Contingente PLR Indenização por Supressão de Horas Extras Indenização por Supressão ou Redução de Vantagens Regimes Especiais...29 Adicional Regional...29 Alimentação Transporte Contribuição Petros Contribuição Petros II INSS Imposto de Renda FGTS Rodapé do contracheque Página 3 de 34

4 Introdução A cartilha Entenda Seu Contracheque foi elaborada com objetivo de melhor explicar as parcelas salariais e os descontos apresentados no contracheque de pagamento dos empregados e não substitui, em hipótese alguma, os padrões normativos de Recursos Humanos e demais instrumentos da Petrobras. Em caso de dúvidas, sugestões ou outras informações o empregado deverá contatar o RH local ou sua unidade de pagamento. Salário Básico O Salário Básico é um valor de tabela que varia de acordo com o nível salarial do empregado. O salário inicial do empregado está estabelecido em seu contrato individual de trabalho. Para acessar as tabelas salariais clique aqui. Padrão de Parcelas Remuneratórias Permanentes Padrão de Plano de Classificação e Avaliação de Cargos PCAC Salário Básico Adicional de Periculosidade O Adicional de Periculosidade é pago aos empregados que exercem suas atividades em áreas de risco na forma da legislação ou dentro do critério intramuros. Fórmula de cálculo: Peri = SB x 30% Peri: valor do Adicional de Periculosidade SB: valor do Salário Básico Padrão de Relações no Trabalho Padrão de Regimes e Condições de Trabalho Padrão de Parcelas Remuneratórias Transitórias Página 4 de 34

5 Periculosidade Vantagem Pessoal Acordo Coletivo de Trabalho A Vantagem Pessoal Acordo Coletivo de Trabalho (VP-ACT) aplica-se ao empregado admitido até 31/08/1997 e que percebia o Adicional de Periculosidade por extensão quando em atividades fora das áreas de risco ou do critério intramuros. A VP- ACT e o Adicional de Periculosidade não são cumulativos. Fórmula de cálculo: VP ACT = SB x 30% VP ACT: valor da Vantagem Pessoal Acordo Coletivo de Trabalho SB: valor do Salário Básico Padrão de Relações no trabalho Padrão de Regimes e condições de trabalho Padrão de Compensação de empregados Padrão de Parcelas remuneratórias transitórias VP-ACT Vantagem Pessoal - Subsidiária Vantagem paga exclusivamente aos empregados incorporados e/ou absorvidos pela Companhia, oriundos de determinadas subsidiárias, visando garantir o valor da sua remuneração quando do enquadramento no Plano de Classificação e Avaliação de Cargos (PCAC), por ocasião da sua movimentação para a Petrobras. VP-SUB Adicional de Trabalho Noturno O Adicional de Trabalho Noturno (ATN) é pago ao empregado que exerce suas atividades com engajamento em Turno Ininterrupto de Revezamento, conforme a legislação e ACT vigentes. Página 5 de 34

6 O valor do Adicional de Trabalho Noturno é obtido pela aplicação do percentual de 20% sobre o salário básico. Quando couber pagamento de Adicional de Periculosidade o percentual do ATN é de 26%. Fórmula de cálculo: ATN = SB x 20% ou ATN = SB x 26% ATN: valor do Adicional de Trabalho Noturno SB: valor do Salário Básico Padrão de Regimes e Condições de Trabalho Padrão de Parcelas Remuneratórias Transitórias ATN Adicional de Hora Repouso e Alimentação O Adicional de Hora de Repouso e Alimentação (AHRA) é pago ao empregado que exerce suas atividades com engajamento nos regimes de Turno Ininterrupto de Revezamento de 8h e 12h, nos quais o empregado não pode ausentar-se do posto de trabalho para cumprir horário de repouso e alimentação. O valor do Adicional de Hora de Repouso e Alimentação corresponde a 30% do Salário Básico efetivamente percebido no mês. Quando couber pagamento de Adicional de Periculosidade o percentual do AHRA é de 39% do Salário Básico. Fórmula de cálculo: AHRA = SB x 30% ou AHRA = SB x 39% AHRA: Adicional de Hora de Repouso e Alimentação SB: Salário Básico Padrão de Regimes e Condições de Trabalho Padrão de Parcelas Remuneratórias Transitórias AHRA Página 6 de 34

7 Adicional de Sobreaviso O Adicional de Sobreaviso (ASA) é pago ao empregado que exerce suas atividades com engajamento em Regime de Sobreaviso, conforme legislação e ACT vigentes. O valor do Adicional de Sobreaviso corresponde a 40% do Salário Básico percebido no mês. Quando couber pagamento de Adicional de Periculosidade o percentual do ASA é de 52% do Salário Básico. Fórmula de cálculo: ASA = SB x 40% ou ASA = SB x 52% ASA: Adicional de Sobreaviso SB: Salário Básico Padrão de Regimes e Condições de Trabalho Padrão de Parcelas Remuneratórias Transitórias ASA Adicional Regional Especial de Campo O Adicional de Regime Especial de Campo (AREC) é um adicional que visa remunerar o empregado engajado em atividades operacionais ou administrativas, não enquadrados como trabalho em Turno Ininterrupto de Revezamento (TIR) ou Sobreaviso, exercidas em locais confinados, em áreas terrestres e / ou em atividades de equipes sísmicas. O valor do AREC é obtido através da aplicação do percentual de 20% do Salário Básico, efetivamente percebido no mês, acrescido do Adicional de Periculosidade ou VP- ACT, quando couber, totalizando 26% do Salário Básico. Padrão de Regimes e Condições de Trabalho Padrão de Parcelas Remuneratórias Transitórias Página 7 de 34

8 REC Adicional de Regime Especial de Apoio Aéreo Parcela remuneratória transitória que visa remunerar os empregados lotados nos aeroportos de Macaé e do Farol de São Tomé, que se encontram engajados nas atividades de apoio aéreo para as plataformas de exploração, perfuração, produção e transferência de petróleo no mar. O valor do Adicional de Regime Especial de Apoio Aéreo equivale a 20% (vinte por cento) do Salário Básico, acrescido do Adicional de Periculosidade, quando for o caso, totalizando 26% (vinte e seis por cento) do Salário Básico. Padrão de Regimes e Condições de Trabalho Padrão de Parcelas Remuneratórias Transitórias Adicional de Regime Especial de Apoio Aéreo Adicional Regional de Confinamento Parcela paga ao empregado que obrigatoriamente permanece no local de trabalho em regiões terrestres inóspitas ou nas instalações das plataformas marítimas. Fórmula de cálculo: ARC = SB x (% Confinamento) ARC: valor do Adicional Regional de Confinamento SB: valor do Salário Básico % Confinamento: 10%, 15% ou 30%, de acordo com o local de trabalho Para outras informações clique aqui. Padrão de Regimes e Condições de Trabalho Padrão de Parcelas Remuneratórias Transitórias Página 8 de 34

9 Adicional Regional de Confinamento Adicional Regional Parcela paga ao empregado admitido ou transferido até 26/06/1984 que trabalhava em exploração, perfuração e produção de petróleo em regiões precárias. Fórmula de cálculo: AR = SB x (% do Ad. Reg.) AR: valor do Adicional Regional SB: valor do Salário Básico % do Ad. Reg.: percentual do adicional (10%, 20%, 30% ou 40%) Padrão de Parcelas Remuneratórias Transitórias Adicional Regional Remuneração Mínima por Nível e Regime (RMNR) A Remuneração Mínima por Nível e Regime (RMNR) corresponde a um valor remuneratório mínimo garantido pela Companhia, vinculado ao nível da tabela salarial, regime de trabalho e a área correspondente à cidade (microrregião geográfica) de atuação, definido em tabela. Para acessar as tabelas de RMNR clique aqui. Padrão de Parcelas Remuneratórias Permanentes Complemento da RMNR Para o cálculo do Complemento da RMNR, deve-se utilizar a seguinte fórmula: CRMNR = (RMNR SB Peri VP-ACT VP-SUB ATN AHRA ARC ASA AREAA) CRMNR: valor do Complemento da RMNR RMNR: valor da tabela de RMNR Página 9 de 34

10 SB: valor do Salário Básico ENTENDA SEU CONTRACHEQUE Peri: valor do Adicional de Periculosidade VP-ACT: valor da Vantagem Pessoal Acordo Coletivo de Trabalho VP-SUB: valor da Vantagem Pessoal Subsidiária ATN: valor do Adicional de Trabalho Noturno AHRA: valor do Adicional de Hora de Repouso e Alimentação ARC: valor do Adicional Regional de Confinamento AREC: valor do Adicional de Regime Especial de Campo ASA: valor do Adicional de Sobreaviso AREAA: valor do Adicional de regime especial de apoio aéreo Se o resultado da fórmula aplicada for zero ou um valor negativo, o empregado não faz jus ao complemento de RMNR. Padrão de Parcelas Remuneratórias Permanentes Complemento de RMNR Sim Sim Sim Não Sim Adicional por Tempo de Serviço O Adicional por Tempo de Serviço (ATS) é um valor calculado com base em um percentual definido em tabela específica, que incide sobre o salário básico. É devido a partir do primeiro dia do mês subseqüente àquele em que o empregado completar cada período de um ano de efetivo exercício, respeitando situações específicas. O ATS não compõe o cálculo da RMNR, porém compõe o cálculo da Remuneração Normal. Para acessar a tabela de ATS clique aqui. Padrão de Parcelas Remuneratórias Permanentes ATS Página 10 de 34

11 Vantagem Pessoal - DL 1971 Vantagem pessoal paga aos empregados que faziam jus ao recebimento da extinta "Participação nos Lucros - DL-1971 de garantida aos admitidos até , desde que não a tenham negociado integralmente, conforme Acordos Coletivos de Trabalho. O valor da Vantagem Pessoal - DL 1971 é um percentual do salário básico e esse percentual é específico por empregado. Padrão de Compensação de empregados Padrão de Parcelas remuneratórias permanentes Vantagem Pessoal - DL 1971 Auxílio Almoço O auxílio-almoço é uma parcela de natureza salarial, negociada em Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), destinada a subsidiar o custo uma refeição por dia de trabalho, paga mensalmente e em espécie, correspondente ao número médio de 22 dias úteis. Seu valor é considerado no complemento salarial efetuado pela Companhia, quando do afastamento do empregado por motivo de saúde e acidente do trabalho. Seu pagamento não é concomitante com o pagamento de diárias de viagem, em dias úteis. Padrão de Parcelas Remuneratórias Acessórias Auxílio almoço Adicional Noturno CLT O Adicional Noturno - CLT é um adicional que visa remunerar o empregado que desempenha seu trabalho no período compreendido entre as 22 (vinte e duas) horas de um dia até as 5 (cinco) horas do dia seguinte, e que não recebam o ATN. Página 11 de 34

12 Para definição do valor do Adicional Noturno CLT é considerada a hora reduzida a 52 (cinqüenta e dois) minutos e 30 (trinta) segundos. Fórmula de cálculo: AN CLT = (20% x SB x NHT) THM ou AN CLT¹ = (26% x SB x NHT) THM AN CLT: valor do Adicional Noturno CLT SB: valor do Salário Básico efetivamente percebido no mês NHT: número de horas efetivamente trabalhadas no horário noturno THM: total de horas mensal (200 horas para o regime administrativo, 180 para a categoria diferenciada e 168 para os regimes especiais) ¹ Quando couber pagamento de Adicional de Periculosidade é utilizada a fórmula com o percentual de 26%. Padrão de Relações no Trabalho Padrão de Regimes e Condições de Trabalho Padrão de Parcelas Remuneratórias Transitórias Adicional Noturno - CLT Adicional de Sobreaviso Parcial O Sobreaviso Parcial aplica-se ao empregado designado a permanecer à disposição da Companhia, fora do local de trabalho, nos períodos de folga ou repouso, aguardando chamada para serviço. As horas em sobreaviso parcial são remuneradas com 1/3 do valor da hora normal, considerando-se o Salário Básico acrescido do Adicional de Periculosidade ou VP-ACT, quando couber. Fórmula de cálculo: SP = (SB + ATS + CRMNR + Peri + VP ACT + ATN + AHRA + ARC + AREC + ASA +AREAA + VP SUB) THM x NHD 3 SP: valor do Adicional de Sobreaviso Parcial SB: valor do Salário Básico Peri: valor do Adicional de Periculosidade VP ACT: valor da Vantagem pessoal Acordo Coletivo de Trabalho Página 12 de 34

13 THM: total de horas mensais (200 horas para o regime administrativo, 180 para a categoria diferenciada e 168 para os regimes especiais) NHD: número de horas em disponibilidade Padrão de Relações no Trabalho Padrão de Regimes e Condições de Trabalho Padrão de Parcelas Remuneratórias Transitórias Sobreaviso Parcial Gratificação de Campo Terrestre de Produção A Gratificação de Campo Terrestre de Produção é paga ao empregado do regime administrativo que desempenha suas atividades em bases ou áreas remotas, assim definidas nos padrões normativos. Para consultar o valor da Gratificação de Campo Terrestre de Produção e a tabela de bases remotas e campos de produção clique aqui. Padrão de Regimes e Condições de Trabalho Padrão de Parcelas Remuneratórias Transitórias Gratificação de Campo Terrestre de Produção Adicional de Permanência no Estado do Amazonas O Adicional de Permanência no Estado do Amazonas aplica-se ao empregado lotado e trabalhando no Estado do Amazonas. É um valor de tabela, que varia de acordo com a situação funcional do empregado. Para consultar a tabela do Adicional de Permanência no Estado do Amazonas, clique aqui. Padrão de Compensação de empregados Página 13 de 34

14 Padrão de Parcelas remuneratórias transitórias Adicional de permanência no Estado do Amazonas Adicional Provisório de Transferência O Adicional Provisório de Transferência (APT) aplica-se ao empregado transferido por iniciativa da Companhia, com mudança obrigatória de domicílio e residência, sem perspectiva de retorno à sua unidade de origem ou de movimentação para outra unidade da Petrobras. O valor do Adicional Provisório de Transferência é o definido em tabela constante no padrão normativo ou o correspondente a 25% do Salário Básico, prevalecendo o que for maior, considerada a situação funcional da data da transferência. O período de concessão do adicional provisório de transferência é de 4 anos, sendo seu valor pago integralmente durante os dois primeiros anos, reduzido a 50% no terceiro e a 25% no quarto ano, ao final do qual cessa automaticamente. Padrão de Parcelas Remuneratórias Acessórias Padrão de Relações no Trabalho Padrão de Movimentação de Pessoal Adicional Provisório de Transferência Sim Sim Sim Não Sim Adicional Provisório de Transferência Temporária O Adicional Provisório de Transferência Temporária (APTT) aplica-se ao empregado transferido por iniciativa da Companhia, com mudança obrigatória de domicílio e residência, cuja transferência tenha prazo certo de duração. O valor do adicional provisório de transferência é o definido em tabela constante no padrão normativo ou o correspondente a 25% do Salário Básico, prevalecendo o que for maior, considerada a situação funcional da data da transferência. Padrão de Parcelas Remuneratórias Acessórias Página 14 de 34

15 Padrão de Relações no Trabalho Padrão de Movimentação de Pessoal Adicional Provisório de Transferência Temporária Sim Sim Sim Não Sim Auxílio Deslocamento O Auxilio Deslocamento é uma parcela concedida pela Companhia, excepcionalmente e provisoriamente, dadas as características da região de Macaé (RJ), para o empregado dos segmentos de exploração e produção (E&P), lotado em suas Unidades da Bacia de Campos, engajado em regimes especiais nas instalações off-shore, residindo fora do Estado do Rio de Janeiro e enquanto permanecer nesta condição. O valor mensal a ser recebido pelo empregado é o resultante entre o estabelecido em tabela específica e a dedução equivalente a 6% (seis por cento) sobre o salário básico, considerando o número de 9,5 embarques anuais. Auxílio Deslocamento Sim Sim Sim Não Sim Complemento de RBE O cálculo do complemento da Remuneração Básica para o Exterior (RBE) deve ser feito da seguinte maneira: CRBE = RBE - SB - ATS - VP - AR - VFG CRBE: valor da Complementação da RBE RBE: valor da RBE SB: valor do Salário Básico ATS: valor do Adicional por Tempo de Serviço VP: valor das vantagens pessoais AR: Valor dos adicionais relativos ao regime ou condição especial de trabalho VFG: valor das vantagens decorrentes da função gratificada Se o resultado da fórmula aplicada for zero ou um valor negativo, o empregado não faz jus ao complemento de RBE. Página 15 de 34

16 Padrão de Viagem, Missão e Programas de DRH no Exterior RBE Sim Sim Sim Não Sim Honorário de Ensino Parcela paga ao empregado designado para ministrar aulas em cursos internos promovidos pela Companhia. Fórmula de cálculo: ENS = 2,25% x GFG13 x NHA ENS: valor dos honorários de ensino GFG13: nível 13 da tabela de gratificação de função gerencial NHA: número de horas / aula ministradas. Padrão de Compensação em Programas de Capacitação no País Honorário de Ensino Sim Sim Sim Não Sim Hora Extra A hora extra é o pagamento pelo serviço prestado fora da jornada normal de trabalho, conforme orientações dos padrões normativos. Para seu cálculo, deve-se utilizar a fórmula abaixo: HE = (SB + ATS + CRMNR + Peri + VP ACT + ATN + AHRA + ARC + AREC + ASA +AREAA + VP SUB) x PHE x NHE THM HE: valor da hora extra SB: valor do Salário Básico ATS: valor do Adicional por Tempo de Serviço CRMNR: valor do Complemento de RMNR Peri: valor do Adicional de Periculosidade VP ACT: valor da Vantagem pessoal Acordo Coletivo de Trabalho ATN: valor do Adicional de Trabalho Noturno AHRA: valor do Adicional de Hora de Repouso e Alimentação Página 16 de 34

17 ARC: valor do Adicional Regional de Confinamento AREC: valor do Adicional de Regime Especial de Campo ASA: valor do Adicional de Sobreaviso AREAA: valor do Adicional de Regime Especial de Apoio Aéreo VP SUB: valor da Vantagem Pessoal - Subsidiária PHE: percentual da hora extra: o Nas situações de HE a 50%, multiplicar por 1,50; o Nas situações de HE a 80%, multiplicar por 1,80; o Nas situações de HE a 90%, multiplicar por 1,90; o Nas situações de HE a 100%, multiplicar por 2. NHE: número de horas extras THM: total de horas mensal (200 horas para o regime administrativo, 180 para a categoria diferenciada e 168 para os regimes especiais) Padrão de Serviço Extraordinário Hora Extra Repouso Semanal Remunerado As horas extras habitualmente realizadas durante a semana, ou seja, por mais de três dias, serão computadas no repouso semanal remunerado (RSR), no pagamento mensal, conforme fórmula de cálculo abaixo: RSR: HE 6 RSR: repouso semanal remunerado HE: valor recebido de hora extra (realizada com habitualidade) Padrão de Pagamento de Empregados Padrão de Serviço Extraordinário Repouso semanal remunerado Página 17 de 34

18 HE Troca de Turno A Hora Extra Troca de Turno (HETT) é uma parcela que visa remunerar o empregado pelo serviço extraordinário realizado nas trocas de turnos, cujas atividades exigem a passagem obrigatória de serviço, de um turno a outro. O valor da HETT pode ser obtido utilizando a seguinte fórmula de cálculo: HETT = 2 x (SB + PERI + AHRA + ATN + CRMNR + ATS + ARC) x NHE / THM HETT: valor da Hora Extra pela Troca de Turno SB: valor do Salário Básico PERI: valor do Adicional de Periculosidade AHRA: valor do Adicional de Hora de Repouso e Alimentação ATN: valor do Adicional de Trabalho Noturno CRMNR: valor do Complemento da Remuneração Mínima por Nível e Regime ATS: valor do Adicional por Tempo de Serviço ARC: valor do Adicional Regional de Confinamento THM: total de horas mensal (200 horas para o regime administrativo, 180 para a categoria diferenciada e 168 para os regimes especiais) NHE: número de horas extras realizadas. Obs.: Conforme negociado com as entidades sindicais, a Petrobras utiliza tempos médios para o pagamento da hora extra pela troca de turno, não havendo apuração diária. Fórmula de cálculo: NHE = TMMU x NMTT / 60 minutos. o TMMU: tempo médio (em minutos) da unidade. Tabela disponibilizada no ACT. o NMTT: número médio de trocas de turno (144 horas mensais / jornada diária) RSR HE Troca de Turno Parcela remuneratória relativa ao repouso semanal remunerado decorrente do pagamento de serviço extraordinário pela troca de turno. O seu valor pode ser obtido dividindo-se o valor da Hora Extra pela Troca de Turno (HETT) por 6 (seis). Página 18 de 34

19 HE Troca de Turno RSR HE Troca de Turno Adiantamento Salarial O valor do adiantamento salarial corresponde a 45% (quarenta e cinco por cento) do salário líquido estimado, calculado pela Folha de Pagamento no dia do seu processamento. O adiantamento salarial é processado no início do mês corrente e, por isso, reflete a situação cadastral do empregado naquele momento, a qual pode ser diversa daquela do dia da quitação do pagamento (contracheque do mês). Por esta razão, em algumas situações, o valor do adiantamento não corresponde aos 45% (quarenta e cinco por cento) do salário líquido do pagamento final. Exemplo: os valores de um empréstimo consignado, contratado pelo empregado no mês corrente, entram na Folha de Pagamento após a execução do adiantamento salarial e antes do processamento do pagamento do mês e, por isso, o adiantamento realizado corresponde a um percentual superior aos 45% (quarenta e cinco por cento) do salário líquido do dia 25 desse mês. Não há incidências de encargos no adiantamento salarial por ser quitado ainda dentro do mesmo mês. 13º salário O 13º salário é o valor equivalente à remuneração devida no mês de dezembro de cada ano e é pago proporcionalmente ao número de meses trabalhados, devendo ser considerado como mês o período igual ou superior a 15 dias. Em decorrência do acordo coletivo de trabalho, a Companhia paga no mês de fevereiro (ou no mês do adiantamento de férias do empregado) o adiantamento do 13º salário no valor de 50% das parcelas percebidas pelo empregado naquele mês. A 2ª parcela do 13º salário (ou adiantamento do 13º para aqueles que não receberam a 1ª parcela) é paga ao empregado em novembro. É calculada aplicando-se 70% sobre o valor das parcelas percebidas no mês de outubro e abatendo-se o valor já adiantado em fevereiro, quando for o caso. O 13º salário é acrescido de 1/12 das gratificações de férias pagas no exercício, bem como das médias proporcionais das parcelas salariais incidentes que foram reduzidas ou suprimidas durante o exercício. Página 19 de 34

20 A quitação do 13º salário ocorre em dezembro considerando as parcelas salariais que incidem para o seu cálculo, percebidas pelo empregado neste mês, e abatendo-se os valores já adiantados em fevereiro e novembro, quando for o caso. Ao empregado que ficar afastado do serviço em razão de doença durante todo o ano é concedida pelo INSS gratificação na base de 1/12, da complementação salarial que lhe foi paga no ano. No caso de dispensa de empregado que tenha percebido o adiantamento, este é compensado com o valor a que faz jus a título de 13º Salário e se este não bastar, com outro crédito de natureza salarial que possua na Companhia. Não incide nenhum desconto sobre o adiantamento do 13º salário e, portanto a tributação é efetuada sobre o valor integral no mês de sua quitação. Tanto o empregado que recebe auxílio-almoço, quanto aquele com participação no custeio da alimentação tem o valor do auxílio-almoço computado no cálculo do 13º salário. Férias Padrão de Parcelas Remuneratórias Permanentes 13 salário Remuneração de Férias As férias são o período legal de descanso anual remunerado a que faz jus o empregado após cada 12 meses de efetivo exercício. O valor da remuneração de férias corresponde à remuneração mensal proporcional aos dias de férias a que o empregado faz jus. Adiantamento da Remuneração de Férias Para o cálculo do adiantamento da remuneração de férias deve-se utilizar a seguinte fórmula: AdF = 80% x (RB C) x N NF AdF: valor do adiantamento de Férias Página 20 de 34

21 RB: somatório das parcelas consideradas para o cômputo da remuneração de férias (ver padrão de Pagamento de Empregados e seus anexos) C: soma do valor das consignações, pensão judicial e AMS Grande Risco N: número de dias de gozo de férias NF: número de dias de férias devidos ao empregado Remuneração de Férias Para o cálculo da remuneração de férias deve-se utilizar a seguinte fórmula: F = RB x NM NF F: valor da remuneração de férias RB: somatório das parcelas consideradas para o cômputo da remuneração de férias (ver padrão de Pagamento de Empregados e seus anexos) NM: número de dias de férias gozadas no mês corrente NF: número de dias de férias devidos ao empregado O valor da remuneração de férias é pago por meio de duas rubricas: FERIAS C PETROS : somatório das parcelas da remuneração de férias que têm incidência da contribuição ao Plano Petros do Sistema Petrobras, e FERIAS S PETROS somatório das parcelas da remuneração de férias que não tem incidência da contribuição ao Plano Petros do Sistema Petrobras. Obs.: ambas as rubricas têm incidência da contribuição ao Plano Petros II. No caso de supressão ou redução de alguma vantagem percebida no período aquisitivo, é efetuado o pagamento através do cálculo da média duodecimal dos valores após sua atualização de acordo com os percentuais de reajustamento salarial. Nas situações em que as férias iniciam em um mês e terminam no mês seguinte a remuneração de férias é proporcional ao período de gozo. Por exemplo, o empregado que sai de férias em 15 de janeiro com retorno em 13 de fevereiro, recebe 17 dias de remuneração de férias em janeiro e os outros 13 dias em fevereiro. O empregado que recebe Auxílio-Almoço e aquele que participa no custeio da alimentação têm o valor do Auxílio-Almoço computado no cálculo da remuneração de férias. Já o empregado abrangido pela Lei 5.811/72 tem a alimentação computada nas férias conforme estipulado na norma PE-0V item Página 21 de 34

22 Padrão de Parcelas Remuneratórias Permanentes Adiantamento da Remuneração Férias Não Não Sim Não Não Remuneração de Férias Sim Sim Sim (*) Sim (*) Parte da Remuneração de Férias tem incidência da contribuição ao Plano Petros do Sistema Petrobras. Gratificação de Férias A gratificação de férias corresponde ao valor adicional concedido pela Companhia ao empregado, por ocasião do efetivo gozo de suas férias. Adiantamento da Gratificação de Férias Para o cálculo do adiantamento da gratificação de férias deve-se utilizar a seguinte fórmula: AdGF = 80% x RB x N NF AdGF: valor do adiantamento da Gratificação de Férias RB: somatório das parcelas consideradas para o cômputo da gratificação de férias (ver padrão de Pagamento de Empregados e seus anexos) N: número de dias de gozo de férias NF: número de dias de férias devidos ao empregado Gratificação de Férias Para o cálculo da gratificação de férias deve-se utilizar a seguinte fórmula: GF = RB x NM NF GF: valor da gratificação de férias RB: somatório das parcelas consideradas para fins de cômputo da gratificação de férias (ver norma PE-0V Pagamento de empregados, item e item 8.1 Anexo I NM: número de dias de férias gozadas no mês corrente NF: número de dias de férias devidos ao empregado O valor da gratificação de férias é pago por meio de duas rubricas: GRATIFICACAO DE FERIAS : somatório das parcelas da gratificação de férias que têm incidência da contribuição ao Plano Petros do Sistema Petrobras, e Página 22 de 34

23 PARC FERIAS S PETROS somatório das parcelas da gratificação de férias que não tem incidência da contribuição ao Plano Petros do Sistema Petrobras. Obs.: ambas as rubricas têm incidência da contribuição ao Plano Petros II. No caso de supressão ou redução de alguma vantagem percebida no período aquisitivo, é efetuado o pagamento através do cálculo da média duodecimal dos valores após sua atualização de acordo com os percentuais de reajustamento salarial. Nas situações em que as férias iniciam em um mês e terminam no mês seguinte, a remuneração de férias é proporcionalizada conforme o período de gozo. Por exemplo, o empregado que sai de férias em 15 de janeiro com retorno em 13 de fevereiro, recebe 17 dias de remuneração de férias em janeiro e os outros 13 dias em fevereiro. O empregado que recebe Auxílio-Almoço e aquele que participa no custeio da alimentação têm o valor do Auxílio-Almoço computado no cálculo da remuneração de férias. Já os empregado abrangidos pela Lei 5.811/72 tem a alimentação computada nas férias conforme estipulado na norma PE-0V item Quando o empregado opta por converter 1/3 das férias em abono pecuniário, ele recebe a gratificação de férias equivalente ao número total de dias de férias que lhe são devidos, como se não tivesse optado. Padrão de Parcelas Remuneratórias Permanentes Adiantamento da Gratificação de Férias Não Não Sim Não Não Gratificação de Férias Sim Sim Sim (*) Sim (*) Parte da Gratificação de Férias tem incidência da contribuição ao Plano Petros do Sistema Petrobras. Abono Pecuniário de Férias Valor pago ao empregado que opta pela conversão de 1/3 (um terço) do período de férias a que faz jus, em abono pecuniário. Adiantamento do Abono Pecuniário de Férias Seu valor corresponde a 1/3 do somatório do adiantamento da gratificação de férias. Página 23 de 34

CAMPANHA Salarial. Propostra de pauta para o ACT 2015/2017 PAUTA DE REIVINDICAÇÕES NOVA REDAÇÃO: Atualizar datas

CAMPANHA Salarial. Propostra de pauta para o ACT 2015/2017 PAUTA DE REIVINDICAÇÕES NOVA REDAÇÃO: Atualizar datas ACT 2013/2015 CAPÍTULO I DOS SALÁRIOS Cláusula 1ª Tabela Salarial CAMPANHA Salarial Propostra de pauta para o ACT 2015/2017 PAUTA DE REIVINDICAÇÕES Proposta do Sindipetro Caxias NOVA REDAÇÃO : Pauta (proposta)

Leia mais

ACT2011/2013 TRABALHADORES DO SISTEMA PETROBRÁS. ACT 2011/2013 A vida, sim, é a nossa energia! Exploração, só de petróleo 1

ACT2011/2013 TRABALHADORES DO SISTEMA PETROBRÁS. ACT 2011/2013 A vida, sim, é a nossa energia! Exploração, só de petróleo 1 ACT2011/2013 TRABALHADORES DO SISTEMA PETROBRÁS ACT 2011/2013 A vida, sim, é a nossa energia! Exploração, só de petróleo 1 ACT 2011.pmd 1 Fazer valer nossas conquistas! Você está recebendo a integra do

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011 A Petrobras Transporte S.A. Transpetro, doravante denominada Companhia, representada neste ato pelo seu Presidente José Sérgio de Oliveira Machado, e os Sindicato dos Trabalhadores

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

NORMA 1 OBJETIVO. Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS. 2.1 Abono Pecuniário

NORMA 1 OBJETIVO. Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS. 2.1 Abono Pecuniário 1/6 1 OBJETIVO Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS 2.1 Abono Pecuniário Valor pago ao beneficiário que optar expressamente por converter 1/3 (um terço) do seu período

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015-2017

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015-2017 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015-2017 Companhia Acordante Petróleo Brasileiro S/A - PETROBRAS, sociedade de economia mista, com sede na Avenida República do Chile, 65, Rio de Janeiro - RJ. Sindicatos Acordantes

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão Atuação do Gestor no Departamento de Pessoal Atuação do Gestor Férias E 13º Salário Sistema Integrado de Gestão de Pessoas no Dep. Pessoal PLR Férias Todo empregado adquire o direito às férias após 12

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007 Que fazem de um lado, o SINAERO Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Empresa de Táxi Aéreo, Aeroclubes, Aviação Agrícola e de Garimpo, Prestadores

Leia mais

CAPÍTULO I - DOS SALÁRIOS 3 CAPÍTULO II - DAS VANTAGENS 5 CAPÍTULO III - DOS BENEFÍCIOS 24 CAPÍTULO IV - DA SEGURANÇA NO EMPREGO 46

CAPÍTULO I - DOS SALÁRIOS 3 CAPÍTULO II - DAS VANTAGENS 5 CAPÍTULO III - DOS BENEFÍCIOS 24 CAPÍTULO IV - DA SEGURANÇA NO EMPREGO 46 Í N D I C E CAPÍTULO I - DOS SALÁRIOS 3 CAPÍTULO II - DAS VANTAGENS 5 CAPÍTULO III - DOS BENEFÍCIOS 24 CAPÍTULO IV - DA SEGURANÇA NO EMPREGO 46 CAPÍTULO V - DO PLANEJAMENTO, RECRUTAMENTO, SELEÇÃO E MOVIMENTAÇÃO

Leia mais

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1 Apostila de 13 Salário Capacitação e Treinamento 1 Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

CONHEÇA MELHOR SEU CONTRACHEQUE

CONHEÇA MELHOR SEU CONTRACHEQUE CONHEÇA MELHOR SEU CONTRACHEQUE DIPES/PROGP 2013 Para esclarecer dúvidas sobre seu pagamento, procure imediatamente sua unidade pagadora. COMPROVANTE DE RENDIMENTOS - FOLHA NORMAL FUND. UNIVERSIDADE DE

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2006-2007

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2006-2007 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2006-2007 Que entre si firmam, de um lado o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Telecomunicações, Telefonia Móvel, Centros de Atendimento, Call Centeres, Transmissão

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000433/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/10/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015947/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.032963/2008-13 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000346/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000762/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000198/2015-31 DATA DO

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013 A Petrobras Transporte S.A. TRANSPETRO, doravante denominada Companhia, representada neste ato pelo seu Presidente José Sérgio de Oliveira Machado, a Federação Única dos

Leia mais

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil Rotina de Férias Sumário Calculo de Férias Abono Pecuniário Períodos consecutivos Licença Remunerada Parâmetros da rotina Id_calculo utilizado Férias em Dobro Férias Empregado com menos de 12 Meses Férias

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002511/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053502/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005004/2012-32 DATA

Leia mais

Práticas trabalhistas

Práticas trabalhistas Resumo Neste capítulo, discorreremos sobre a prática da folha de pagamento da parte empregado, patrão e autônomos, algumas das principais leis trabalhistas brasileiras da parte do empregado e da parte

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

Direitos do Empregado Doméstico

Direitos do Empregado Doméstico Direitos do Empregado Doméstico Com a aprovação da Emenda Constitucional n 72, que ocorreu em 02/04/2013, o empregado doméstico passou a ter novos direitos. Alguns deles independem de regulamentação e,

Leia mais

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15.1 - Integram a remuneração para fins de cálculos dos valores devidos à Previdência Social e a serem recolhidos para o FGTS, dentre outras, as seguintes parcelas:

Leia mais

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias 1 TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º - Gratificação Natalina A Gratificação de Natal, popularmente conhecida como, foi instituída pela Lei 4.090, de 13/07/1962, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011 Companhia Acordante Petróleo Brasileiro S/A - PETROBRAS, sociedade de economia mista, com sede na Avenida República do Chile, 65, Rio de Janeiro - RJ. Sindicatos Acordantes

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007 Companhia Acordante Petróleo Brasileiro S/A - PETROBRAS, sociedade de economia mista, com sede na Avenida República do Chile, 65, Rio de Janeiro - RJ. Sindicatos Acordantes

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

Tabela de incidência Tributária

Tabela de incidência Tributária Tabela de incidência Tributária INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Não. Arts. 28, 9º, e,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000679/2015 VALEC ENGENHARIA CONSTRUCOES E FERROVIAS S/A, CNPJ n. 42.150.664/0001-87, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a).

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP000528/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/01/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024421/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46255.000080/2009-59 DATA DO

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DIÁRIA: 8 HORAS SEMANAL: 44 HORAS MENSAL: 220 HORAS INTERVALOS PARA DESCANSO

Leia mais

Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri. A elaboração da folha de pagamento. Folha de Pagamento. Folha de Pagamento

Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri. A elaboração da folha de pagamento. Folha de Pagamento. Folha de Pagamento Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri A elaboração da folha de pagamento A é o documento que contabiliza os valores que o empregado tem direito de receber e os descontos que ele pode sofrer. Obs. Sua

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES E OPERADORES DE MESAS TELEFÔNICAS NO ESTADO DE SÃO PAULO

SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES E OPERADORES DE MESAS TELEFÔNICAS NO ESTADO DE SÃO PAULO REFERÊNCIA: GRUPO TELEFÔNICA / VIVO S/A PRÉ - PAUTA NACIONAL DE REIVINDICAÇÕES DOS TRABALHADORES DAS EMPRESAS CONCESSIONÁRIAS DE TELEFONIA FIXA E MÓVEL (OPERADORAS) PARA NEGOCIAÇÃO UNIFICADA DOS SINDICATOS

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES DATAMEC 2014-2015

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES DATAMEC 2014-2015 PAUTA DE REIVINDICAÇÕES DATAMEC 2014-2015 EIXO POLÍTICO CAMPANHA EM DEFESA DA DATAMEC E DE SUA HISTORIA. CLÁUSULA REAJUSTAMENTO Os salários fixos ou a parte fixa dos salários mistos, vigentes em 30/04/2014,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO. Sistema Petrobrás

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO. Sistema Petrobrás ACORDO COLETIVO DE TRABALHO Sistema Petrobrás CAPÍTULO I - DOS SALÁRIOS Cláusula 1ª Reajuste Salarial Em 1º de setembro de 2011, a Companhia reajustará os salários de seus empregados no percentual correspondente

Leia mais

SINDMINÉRIOS SANTOS. Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios, Derivados de Petróleo e Combustíveis de Santos e Região.

SINDMINÉRIOS SANTOS. Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios, Derivados de Petróleo e Combustíveis de Santos e Região. FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO COMÉRCIO DE MINÉRIOS E DERIVADOS DE PETRÓLEO NO ESTADO DE SÃO PAULO 01 - REAJUSTE SALARIAL PAUTA DE REIVINDICAÇÕES SIREGÁS 2012/2013 As Empresas concederão, a todos os empregados

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da Abono pecuniário de férias Não. Arts. 28, 9º, e,

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PARA O ACT UNIFICADO 2011-2013 PETRÓLEO BRASILEIRO S/A PETROBRÁS, PETROBRÁS TRANSPORTES S/A TRANSPETRO. e demais subsidiárias

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PARA O ACT UNIFICADO 2011-2013 PETRÓLEO BRASILEIRO S/A PETROBRÁS, PETROBRÁS TRANSPORTES S/A TRANSPETRO. e demais subsidiárias PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PARA O ACT UNIFICADO 2011-2013 PETRÓLEO BRASILEIRO S/A PETROBRÁS, PETROBRÁS TRANSPORTES S/A TRANSPETRO e demais subsidiárias CAPÍTULO I - DOS SALÁRIOS CLÁUSULA 1ª REAJUSTE SALARIAL

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000433/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/09/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR054260/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.010934/2010-24 DATA DO

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PARA O ACT UNIFICADO 2013-2015 PETRÓLEO BRASILEIRO S/A PETROBRÁS, PETROBRÁS TRANSPORTES S/A TRANSPETRO e demais subsidiárias

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PARA O ACT UNIFICADO 2013-2015 PETRÓLEO BRASILEIRO S/A PETROBRÁS, PETROBRÁS TRANSPORTES S/A TRANSPETRO e demais subsidiárias PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PARA O ACT UNIFICADO 2013-2015 PETRÓLEO BRASILEIRO S/A PETROBRÁS, PETROBRÁS TRANSPORTES S/A TRANSPETRO e demais subsidiárias ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2015 CAPÍTULO I DOS

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PARA O ACT UNIFICADO 2013-2015 PETRÓLEO BRASILEIRO S/A PETROBRÁS, PETROBRÁS TRANSPORTES S/A TRANSPETRO. e demais subsidiárias

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PARA O ACT UNIFICADO 2013-2015 PETRÓLEO BRASILEIRO S/A PETROBRÁS, PETROBRÁS TRANSPORTES S/A TRANSPETRO. e demais subsidiárias PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PARA O ACT UNIFICADO 2013-2015 PETRÓLEO BRASILEIRO S/A PETROBRÁS, PETROBRÁS TRANSPORTES S/A TRANSPETRO e demais subsidiárias ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2015 1 CLÁUSULA 1ª

Leia mais

Gestão de Pessoas - 4w

Gestão de Pessoas - 4w P á g i n a 1 Gestão de Pessoas - 4w Modulo Administração de Pessoal (Rubi) Processo: Férias P á g i n a 2 Sumário 1 Conceito... 3 1.1 Parametrizações no Sistema... 3 1.1.1 - Sindicato... 3 1.1.2 - Situações...

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000247/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 01/07/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021198/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.001800/2010-02 DATA DO

Leia mais

TRANSPETRO/PRES/RH 4.543/11 Rio de Janeiro, 29 de novembro de 2011.

TRANSPETRO/PRES/RH 4.543/11 Rio de Janeiro, 29 de novembro de 2011. TRANSPETRO/PRES/RH 4.543/11 Rio de Janeiro, 29 de novembro de 2011. À Federação Única dos Petroleiros FUP Av. Rio Branco, 133/21º andar Centro Rio de Janeiro RJ CEP: 20040-226 Prezados Senhores, Após reunião

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DOS TECNICOS EM SEGURANCA TRABALHO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CNPJ n. 25.578.642/0001-01, neste ato representado por seu Presidente, Sr. CLÁUDIO FERREIRA SANTOS;

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002716/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/11/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064091/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.006426/2015-78 DATA DO

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG005003/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/12/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR079528/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.007490/2014-02 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003924/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.011188/2014-31 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000635/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/04/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR014927/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.010443/2012-36 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000640/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020835/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46232.001517/2015-88 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 1/5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES CULTURAIS, RECREATIVAS, DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, DE ORIENTAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NO ESTADO DO PARANÁ SENALBA/PR, CNPJ 75.992.446/0001-49,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001710/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR042733/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.004077/2015-50 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP008079/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/09/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044195/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.004278/2009-22 DATA

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP000842/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/01/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000966/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46219.000473/2015-47

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000007/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/01/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR072509/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.000014/2014-10 DATA

Leia mais

CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS 2 de abril de 2013 CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Hoje foi promulgada uma Emenda Constitucional que amplia os direitos trabalhistas dos empregados domésticos. Alguns direitos

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

CAMPANHA SALARIAL 2015-2016 PAUTA UNIFICADA DA CATEGORIA REPRESENTADA PELO SINDIPA EMPRESAS COM DATA BASE EM 01/11/2015 E 01/01/2016

CAMPANHA SALARIAL 2015-2016 PAUTA UNIFICADA DA CATEGORIA REPRESENTADA PELO SINDIPA EMPRESAS COM DATA BASE EM 01/11/2015 E 01/01/2016 CAMPANHA SALARIAL 2015-2016 PAUTA UNIFICADA DA CATEGORIA REPRESENTADA PELO SINDIPA EMPRESAS COM DATA BASE EM 01/11/2015 E 01/01/2016 1. REAJUSTE SALARIAL: O salário base nominal dos empregados da categoria

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 7 20/3/2014 10:43 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000166/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/03/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001874/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.003144/2014-04

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - M I. nº 1628/09 FOR-101 1/5 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/5 2 Definição, 2/5 3 Competências,

Leia mais

GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS. FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC

GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS. FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO CEARÁ CRC-CE CE GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC FORTALEZA-CE

Leia mais

CLÁUSULA 3ª AUXÍLIO-ALIMENTAÇÃO

CLÁUSULA 3ª AUXÍLIO-ALIMENTAÇÃO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO que entre si firmam, de um lado, a DME DISTRIBUIÇÃO S/A - DMED, sediada à Rua Pernambuco, 265, centro, Poços de Caldas MG, CNPJ nº 23.664.303.0001/04, doravante denominada apenas

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DA VIVO PARA ACORDO COLETIVO 2008/2009. CAPíTULO I DAS CONDIÇÕES ECONÔMICAS

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DA VIVO PARA ACORDO COLETIVO 2008/2009. CAPíTULO I DAS CONDIÇÕES ECONÔMICAS PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DA VIVO PARA ACORDO COLETIVO 2008/2009 CAPíTULO I DAS CONDIÇÕES ECONÔMICAS Cláusula Primeira - Reajuste Salarial A Empresa reajustará em 1º de outubro/2008, os

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO INOVAÇÕES LEGISLATIVAS DA LEI COMPLEMENTAR 150 CAPÍTULO I PRINCIPAIS EVOLUÇÕES LEGISLATIVAS A categoria dos empregados domésticos tem como principais regulamentações legislativas, por

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁ RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG004008/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR057851/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.008943/2011-67 DATA

Leia mais

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO O décimo terceiro salário (13º Salário) é o nome mais conhecido da gratificação de natal. É um salário extra, pago ao trabalhador urbano e rural, inclusive o doméstico e o avulso,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015-2017

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015-2017 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015-2017 Companhia Acordante Petróleo Brasileiro S/A - PETROBRAS, sociedade de economia mista, com sede na Avenida República do Chile, 65, Rio de Janeiro - RJ. Sindicatos Acordantes

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000953/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029282/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009097/2013-02 DATA DO

Leia mais

Instruções Folha de Pagamento

Instruções Folha de Pagamento Instruções Folha de Pagamento Rotina 20 Instruções DIRF Informações Iniciais Entrega da Declaração (Instrução Normativa RFB. 1.216 15/12/2011) o A DIRF deverá ser entregue até as 23h59min59s (horário de

Leia mais

Parágrafo Primeiro: Fica assegurado ao TRABALHADOR admitido para a função de outro, o percebimento de salário igual ao TRABALHADOR desligado.

Parágrafo Primeiro: Fica assegurado ao TRABALHADOR admitido para a função de outro, o percebimento de salário igual ao TRABALHADOR desligado. REFERÊNCIA: CLARO S/A PAUTA NACIONAL DE REIVINDICAÇÕES DOS TRABALHADORES DAS EMPRESAS CONCESSIONÁRIAS DE TELEFONIA FIXA E MÓVEL (OPERADORAS) PARA NEGOCIAÇÃO UNIFICADA DOS SINDICATOS FILIADOS À FENATTEL

Leia mais

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei (Lei 8.112/90 artigos 77 a 80).

Leia mais

FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS

FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS PROPOSTA DE ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2011 SISTEMA PETROBRÁS CAPÍTULO I DOS SALÁRIOS CLÁUSULA 1ª REAJUSTE SALARIAL Em 1º de setembro de 2009, a Companhia reajustará os salários de seus empregados

Leia mais

SENAC/DF - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

SENAC/DF - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL CAMPANHA SALARIAL - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SENAC-SERVICO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COM COMERCIAL-ADMINISTRACAO REGIONAL DO DF O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2017 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR072168/2015 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 11/11/2015 ÀS 17:47 SINDICATO DOS EMPREG VEND E VIAJ DO COM NO ESTADO DO RS, CNPJ n. 92.997.394/0001

Leia mais

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2014-2015 DOS EMPREGADOS DA EMPRESA ADINOR INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ADITIVOS LTDA. 1ª Cláusula - REAJUSTE SALARIAL A Empresa reajustará o salário de seus empregados em 100% (cem

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PARA O ACT 2014-2015 DOS TRABALHADORES DA ANGLO AMERICAN MINÉRIO DE FERRO BRASIL S.A.

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PARA O ACT 2014-2015 DOS TRABALHADORES DA ANGLO AMERICAN MINÉRIO DE FERRO BRASIL S.A. CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no período de 1º de setembro de 2014 a 31 de agosto de 2015 e a data-base da categoria em 1º

Leia mais