PROGRAMA DE DISCIPLINA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE DISCIPLINA"

Transcrição

1 PROGRAMA DE DISCIPLINA CAMPUS: CEUNES/SÃO MATEUS CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO HABILITAÇÃO: OPÇÃO: DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS NATURAIS IDENTIFICAÇÃO: ANA NERY FURLAN MENDES CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO PERIODIZAÇÃO IDEAL DCN09831 QUÍMICA GERAL I 1º OBRIG./OPT. PRÉ/CO/REQUISITOS ANUAL/SEM. OBRIG /1º CRÉDITO CARGA HORÁRIA TOTAL AULAS TEÓRICAS 60 DISTRIBUIÇÃO DA CARGA HORÁRIA TEÓRICA EXERCÍCIO LABORATÓRIO OUTRA NÚMERO MÁXIMO DE ALUNOS POR TURMA AULAS DE EXERCÍCIO AULAS DE LABORATÓRIO OUTRA EMENTA: Teoria atômica. Tabela periódica. Ligação química. Estequiometria. Soluções. Gases, sólidos e líquidos. Termodinâmica. Cinética Química. Equilíbrio químico. Equilíbrio iônico. Eletroquímica. APROVAÇÃO (Número dos respectivos documentos) CÂMARA DEPARTAMENTAL COLEGIADO DE CURSO CONSELHO DEPARTAMENTAL ASSINATURA (S) DO(S) RESPONSÁVEL(EIS)

2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO UNIDADE I U IVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SA TO 1) TEORIA ATÔMICA E LIGAÇÃO QUIÍMICA Estrutura atômica (a teroria dos gregos: modelo atômico de Dalton, Thompson, Rutherford; modelo atômico de Bohr e a mecânica quântica; números quânticos) Orbitais atômicos e Distribuição eletrônica Paramagnetismo e diamagnetismo Tabela periódica moderna Características dos elementos da tabela periódica Símbolos e estruturas de Lewis Geometria molecular e polaridade Ligação iônica (modelo de ligação iônica, fórmulas dos compostos iônicos, ciclo de Born-Haber, estrutura cristalina dos compostos iônicos, propriedades físicas) Ligação Covalente (regra do octeto, ressonância, ordem de ligação, carga formal, TLV, hibridização, ligação covalente coordenada e TOM) Interações intermoleculares 2) LÍQUIDOS Comparar líquidos com gases e sólidos Propriedades dos líquidos (vaporização, pressão de vapor, curvas de pressão de vapor, ponto de ebulição, temperatura e pressão crítica, viscosidade, tensão superficial, ponto de congelamento, diagramas de fases) 3) ESTEQUIOMETRIA Balanceamento de equações químicas Usar a estequiometria para determinar a fórmula de um composto Realizar cálculos estequiométricos usando equações químicas balanceadas Compreender o significado de um reagente limitante Calcular o rendimento teórico e percentual de uma reação química 4) SOLUÇÕES Classificar os diferentes tipos de soluções Fatores que afetam a solubilidade Expressar e calcular a concentração das soluções Cálculo de diluição Processo de dissolução e tipos de reações em solução aquosa UNIDADE II 5) GASES Características dos gases Relação entre pressão, volume e temperatura (Lei de Boyle, Lei de Charles, Lei de gay-lussac e Lei de Avogadro) Gases ideais Densidade dos gases (determinação da massa molar de um gás) Recolhimento de gás sobre água

3 Pressões parciais Teoria cinética (postulados, velocidade média quadrática, distribuição das velocidades) As leis dos gases explicada pela teoria cinética Gases reais (forças intermoleculares, as equações de estado) 6) CINÉTICA QUÍMICA Introdução Fatores que afetam a velocidade das reações químicas Medida da velocidade da reação Teoria das colisões Mecanismos de reações Ordem de reação Energia de ativação Teoria do estado de transição Catalisadores 7) TERMODINÂMICA Conceitos, transformações termodinâmica 1º Princípio da termodinâmica Trabalho reversível e irreversível Determinação de E Entalpia e termoquímica Calor específico Energias e mudanças de estado Entropia 2º Princípio da termodinâmica 3º Princípio da termodinâmica Energia livre padrão de formação UNIDADE III 8) EQUILÍBRIO QUÍMICO Características de um sistema em equilíbrio Cinética e equilíbrio Constante de equilíbrio e lei da ação das massas Equilíbrios heterogêneos Termodinâmica e equilíbrio Fatores externos que afetam o equilíbrio Princípio de Le Chatelier 9) EQUILÍBRIO IÔNICO Equilíbrio de solubilidade Teorias de ácidos e bases Força dos ácidos e bases A escala de ph Auto-ionização da água Relação entre Ka e Kb Ácidos polipróticos

4 Hidrólise de ânions e cátions Hidrólise e ph ph de soluções salinas Solução tampão Titulação e indicadores 10) ELETROQUÍMICA Introdução Balanceamento de reações redox Células eletroquímicas Células galvânicas Potencial de células galvânicas Potenciais padrão de eletrodo Energia livre e potencial de célula Efeito da concentração e equação de Nerst Células eletrolíticas Eletrólise OBJETIVOS 1. Compreender os conceitos elementares da química. 2. Equacionar e interpretar reações químicas. 3. Identificar modelos teóricos para explicar o comportamento das substâncias nos diversos estados de agregação. 4. Apresentar e analisar as diversas teorias sobre estrutura atômica e suas consequências e as teorias de ligações químicas para diferentes compostos. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM A avaliação será realizada por TRÊS provas teóricas, sendo o conteúdo de cada prova especificado pelas unidades I, II e III, conforme apresentado no conteúdo programático. A média parcial (MP) será a média das três provas realizadas. O aluno que obtiver média parcial maior ou igual a sete ( MP 7 sete) estará aprovado. Caso contrário, o aluno fará uma prova final (PF ) envolvendo todo o conteúdo da disciplina. A média final (MF ) é igual MP+ PF a MF =. Se a média final for maior ou igual a cinco ( MF 5 ) estará aprovado. 2 Caso contrário estará reprovado. O aluno que obtiver freqüência inferior a 75% das aulas previstas estará reprovado por falta, independente de suas avaliações. BIBLIOGRAFIA BÁSICA 1- Química e Reações Química, Kotz, John C., Treichel Paul Jr., Volume 1 e 2, 4 Edição, 2002, Ed. LTC.

5 2- Princípios de Química: Questionando a Vida Moderna e o Meio Ambiente, ATKINS, Peter; JONES, Loretta, 3 Edição, 2006, Ed. Bookman. 3- Química a ciência central, Brown, Theodore L.; Lemay, Eugene H.; Bruce, Bursten. 9ª ed. São Paulo: Pearson Education, Química Geral, John B. Russel, volume 1 e 2, 2ª ed. São Paulo: Makron Books, Princípios de Química, Masterton, William L.; Slowinski, Emil J.; Stanitski, Conrad L., 6ª ed. Rio de Janeiro: LTC, Química Geral Aplicada à Engenharia, Brown, L. S.; Holme, T. A.; 1ª Edição, 2012, Ed. Cengage Learning.

ÁREA: QUÍMICA GERAL E INORGÂNICA - MATERIAIS

ÁREA: QUÍMICA GERAL E INORGÂNICA - MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO ICE - DEPARTAMENTO DE QUÍMICA ÁREA: QUÍMICA GERAL E INORGÂNICA - MATERIAIS II) PROGRAMA DA ÁREA DE CONHECIMENTO DO CONCURSO público de provas e títulos para

Leia mais

ONC 2016 FÍSICA - PROGRAMA OFICIAL PARA AS PROVAS

ONC 2016 FÍSICA - PROGRAMA OFICIAL PARA AS PROVAS ONC 2016 FÍSICA - PROGRAMA OFICIAL PARA AS PROVAS Os estudantes deverão conhecer e utilizar, preferencialmente, as unidades do Sistema Internacional de Unidades (SI) com seus múltiplos e submúltiplos.

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA. Estequiometria; Soluções; Cinética química; Equilíbrio químico; Equilíbrio iônico e ácido base; Termoquímica.

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA. Estequiometria; Soluções; Cinética química; Equilíbrio químico; Equilíbrio iônico e ácido base; Termoquímica. EIXO TECNOLÓGICO: Produção alimentícia Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Alimentos FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA EDITAL DQ/OMQ Nº 01/2016 19ª OLIMPÍADA MINEIRA DE QUÍMICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA EDITAL DQ/OMQ Nº 01/2016 19ª OLIMPÍADA MINEIRA DE QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA EDITAL DQ/OMQ Nº 01/2016 19ª OLIMPÍADA MINEIRA DE QUÍMICA O Departamento de Química do Instituto de Ciências Exatas

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Quinta-Feira- 07:00 10:40

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Quinta-Feira- 07:00 10:40 CAMPUS: São Mateus UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CURSO: Engenharia da Computação PROGRAMA DE DISCIPLINA Quinta-Feira- 07:00 10:40 HABILITAÇÃO: Engenheiro de Computação OPÇÃO: DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL:

Leia mais

DISCIPLINA: QUIMICA INORGÂNICA I, QUI 0147, Turmas: T01 e T02 PERÍODO LETIVO: 2014-2 PROFESSOR: ANTONIO REINALDO CESTARI

DISCIPLINA: QUIMICA INORGÂNICA I, QUI 0147, Turmas: T01 e T02 PERÍODO LETIVO: 2014-2 PROFESSOR: ANTONIO REINALDO CESTARI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE QUÍMICA/CCET DISCIPLINA: QUIMICA INORGÂNICA I, QUI 0147, Turmas: T01 e T02 PERÍODO LETIVO: 2014-2 PROFESSOR: ANTONIO REINALDO CESTARI Sala 23 Departamento

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2014/1

PLANO DE ENSINO 2014/1 PLANO DE ENSINO 2014/1 Dados de Identificação: Curso: Código: UAC 41 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia IFRS Campus Porto Alegre Licenciatura em Ciências da Natureza: Habilitação em Biologia

Leia mais

PLANO DE CURSO TÉCNICO EM QUIMICA PLANO DE CURSO - 2013 ÁREA CURSO TÉCNICO EM QUIMICA CARGA HORÁRIA 60 HORAS

PLANO DE CURSO TÉCNICO EM QUIMICA PLANO DE CURSO - 2013 ÁREA CURSO TÉCNICO EM QUIMICA CARGA HORÁRIA 60 HORAS PLANO DE CURSO - 2013 ÁREA CURSO TÉCNICO EM QUIMICA CARGA HORÁRIA 60 HORAS MODULOS/DISCIPLINA QUIMICA GERAL PROFESSOR: PERÍODO: 1º Nº AULAS PRIMEIRO SEMESTRE COMPETÊNCIAS HABILIDADES BASES TECNOLÓGICAS

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA ALAGOANA DE QUÍMICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA ALAGOANA DE QUÍMICA 2014 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA ALAGOANA DE QUÍMICA 2014 Art. 1 o - A Olimpíada Alagoana de Química 2014 (OALQ 2014), evento integrante do Programa Nacional Olimpíadas de Química, é uma promoção da Coordenação

Leia mais

Ano Letivo 2016/2017

Ano Letivo 2016/2017 Ano Letivo 2016/2017 PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUENCIA DOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE BRAGANÇA, DOS INDÍVIDUOS MAIORES DE 23

Leia mais

3. Misturas, Substâncias Simples e Compostas e Processos de Separação de Misturas.

3. Misturas, Substâncias Simples e Compostas e Processos de Separação de Misturas. Conteúdo I. 1. Elementos, modelos atômicos e representações: modelos atômicos de Dalton, Tomson, Rutherford-Bohr. Elemento químico. Número atômico e número de massa. Prótons, elétrons e nêutrons. Distribuição

Leia mais

EPR-07932 Economia da Engenharia I Geral Quanto a microeconomia: Quanto a macroeconomia:

EPR-07932 Economia da Engenharia I Geral Quanto a microeconomia: Quanto a macroeconomia: CAMPUS: Goiabeiras CURSO: Engenharia Civil HABILITAÇÃO: não há OPÇÃO: não há DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: Departamento de Engenharia de Produção IDENTIFICAÇÃO: CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO PERIODIZAÇÃO IDEAL

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROFESSOR VOLUNTÁRIO NA ÁREA DE CONHECIMENTO: QUÍMICA GERAL

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROFESSOR VOLUNTÁRIO NA ÁREA DE CONHECIMENTO: QUÍMICA GERAL PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROFESSOR VOLUNTÁRIO NA ÁREA DE CONHECIMENTO: QUÍMICA GERAL O Instituto de Ciência e Tecnologia da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM),

Leia mais

PLANO DE ENSINO ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS INFORMAÇÕES BÁSICAS. Unidade curricular. Carga Horária Prática - Grau acadêmico / Habilitação

PLANO DE ENSINO ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS INFORMAÇÕES BÁSICAS. Unidade curricular. Carga Horária Prática - Grau acadêmico / Habilitação PLANO DE ENSINO ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS Turno: Integral Currículo: 2010 INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular Departamento Química Geral DQBIO Período 2017/2 Teórica 54h Carga Horária Prática Total

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina QUI102 Química Fundamental

Programa Analítico de Disciplina QUI102 Química Fundamental Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina QUI10 Química Fundamental Departamento de Química - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: 7 Teóricas Práticas

Leia mais

INSCRIÇÕES MESTRADO/DOUTORADO 1º SEMESTRE DE 2016

INSCRIÇÕES MESTRADO/DOUTORADO 1º SEMESTRE DE 2016 EDITAL DE SELEÇÃO INSCRIÇÕES MESTRADO/DOUTORADO 1º SEMESTRE DE 2016 As inscrições para o ingresso no Mestrado e Doutorado do 1o. Semestre de 2016 estarão abertas a partir de 15 de setembro a 30 de outubro/2015.

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO: é o estado de um sistema reacional no qual não ocorrem variações na composição do mesmo ao longo do tempo.

EQUILÍBRIO QUÍMICO: é o estado de um sistema reacional no qual não ocorrem variações na composição do mesmo ao longo do tempo. IV INTRODUÇÃO AO EQUILÍBRIO QUÍMICO IV.1 Definição EQUILÍBRIO QUÍMICO: é o estado de um sistema reacional no qual não ocorrem variações na composição do mesmo ao longo do tempo. Equilíbrio químico equilíbrio

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA

PROGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA PROGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA CÁLCULO Função real de uma variável real: números reais, intervalo, módulo, funções. Definição de limites laterais, infinitos e limites no infinito; assíntotas verticais

Leia mais

LICENCIATURA EM QUÍMICA QUÍMICA

LICENCIATURA EM QUÍMICA QUÍMICA Programa de Disciplina Nome: Química Geral II IQ Código: IQG 120 Categoria: Carga Horária Semanal: CARACTERÍSTICAS Número de Semanas Previstas para a Disciplina: 15 Número de Créditos da Disciplina: 4

Leia mais

Conteúdos publicados na pesquisa escolar junho /2015

Conteúdos publicados na pesquisa escolar junho /2015 Conteúdos publicados na pesquisa escolar junho /2015 Título da Disciplina Nível de ensino Link da O núcleo como armazenador de material genético %201/uc_b4_l004/html/ Especialização celular Plantas Estrutura

Leia mais

CURSO: FARMÁCIA INFORMAÇÕES BÁSICAS

CURSO: FARMÁCIA INFORMAÇÕES BÁSICAS Turno: Integral Currículo 2014 Período 1º Período Tipo Obrigatória Teórica 72 horas CURSO: FARMÁCIA INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular Química Fundamental Carga Horária Prática ----- Habilitação /

Leia mais

CURSO APOIO QUÍMICA RESOLUÇÃO

CURSO APOIO QUÍMICA RESOLUÇÃO QUÍMICA CURSO APOIO 15. O sulfato de sódio é um composto utilizado na indústria de celulose e na fabricação de detergentes. Por apresentar grande afinidade por água, pode ser encontrado na forma de um

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UFS 2014.1 GABARITO

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UFS 2014.1 GABARITO PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UFS 2014.1 GABARITO Questão 1) Para o composto sólido de C: 1 mol = 12 g. d = m / V = 12 g / 5,0 cm 3 = 2,4 g cm -3 Para o composto sólido

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2012 GABARITO DA PROVA DE QUÍMICA

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2012 GABARITO DA PROVA DE QUÍMICA Questão 1 O ácido carbônico é formado quando se borbulha o dióxido de carbono em água. Ele está presente em águas gaseificadas e refrigerantes. Em solução aquosa, ele pode sofrer duas dissociações conforme

Leia mais

INTRODUÇÃO À CINETICA E TERMODINÂMICA QUÍMICA

INTRODUÇÃO À CINETICA E TERMODINÂMICA QUÍMICA INTRODUÇÃO À CINETICA E TERMODINÂMICA QUÍMICA Principios de Termodinâmica Termodinamica determina se um processo fisicoquímico é possível (i.e. espontaneo) Termodinamica não providencia informação sobre

Leia mais

É o cálculo das quantidades de reagentes e/ou produtos das reações químicas.

É o cálculo das quantidades de reagentes e/ou produtos das reações químicas. Estequiometria Introdução Estequiometria É derivada da palavra grega STOICHEON (elemento) e METRON (medida) significa medida dos elementos químicos", ou ainda medir algo que não pode ser dividido. É o

Leia mais

Aula 01 QUÍMICA GERAL

Aula 01 QUÍMICA GERAL Aula 01 QUÍMICA GERAL 1 Natureza da matéria Tales de Mileto (624-548 a. C.) Tudo é água Anaxímenes de Mileto (585-528 a. C.) Tudo provém do ar e retorna ao ar Empédocle (484-424 a. C.) As quatro raízes,

Leia mais

Indicadores de ph naturais

Indicadores de ph naturais Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia Indicadores de ph naturais Práticas de ensino 2014.1 Sheila Silva; Elton Rocha; Mayara Oliveira; Izabela Oliveira [Escolha a data] Introdução

Leia mais

7. EQUILÍBRIO QUÍMICO

7. EQUILÍBRIO QUÍMICO Departamento de Química Inorgânica IQ / UFRJ IQG 18 / IQG 1 7. EQUILÍBRIO QUÍMICO I. INTRODUÇÃO Quando a concentração de todos os reagentes e produtos, em um sistema fechado, não variam mais com o tempo

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Química Inorgânica I Código da Disciplina: NDC 132 Curso: Engenharia Civil Semestre de oferta da disciplina: 2 Faculdade responsável: Núcleo de Disciplinas Comuns (NDC)

Leia mais

BC 0307 Transformações Químicas Prof. Dr. André Sarto Polo Bloco B Sala 1014 andre.polo@ufabc.edu.br http://transquim.ufabc.edu.br 1 Descrição da Disciplina Fornecer os fundamentos básicos de química para

Leia mais

VI Olimpíada Norte - Nordeste de Química e

VI Olimpíada Norte - Nordeste de Química e VI Olimpíada Norte - Nordeste de Química e Seletiva para a Olimpíada Ibero-americana de Química - 2000 Exame aplicado em 27.05.2000 Somente as questões de números 1 a 6 serão consideradas na composição

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A tabela periódica foi desenvolvida a partir da segunda metade do século XIX e permitiu sistematizar os conhecimentos sobre as propriedades dos elementos químicos. Ao longo dos anos, diversas versões foram

Leia mais

OLIMPÍADAS INTERNAS (1ª FASE) 1ª SÉRIE/ENSINO MÉDIO

OLIMPÍADAS INTERNAS (1ª FASE) 1ª SÉRIE/ENSINO MÉDIO 1 1. Objetivos: OLIMPÍADAS INTERNAS Dinamizar o estudo e o ensino das disciplinas envolvidas despertando o interesse pelo aprofundamento. Preparar os alunos para resolução de questões baseadas no modelo

Leia mais

Eletroquímica. Universidade Federal de Ouro Preto Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Departamento de Química

Eletroquímica. Universidade Federal de Ouro Preto Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Departamento de Química Universidade Federal de Ouro Preto Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Departamento de Química Eletroquímica Professora: Melissa Soares Caetano Disciplina QUI 702 Eletroquímica estuda as relações

Leia mais

Volumetria de Neutralização Ácido-Base

Volumetria de Neutralização Ácido-Base Volumetria de Neutralização Ácido-Base 1 O que é um Processo de Titulação? A Titulação é uma operação analítica utilizada em análises volumétricas com o objetivo de determinar a Concentração de soluções.

Leia mais

Programa da cadeira Física I Cursos: Matemática, Engenharia Informática, Engenharia de Telecomunicações e Redes

Programa da cadeira Física I Cursos: Matemática, Engenharia Informática, Engenharia de Telecomunicações e Redes Programa da cadeira Física I Cursos: Matemática, Engenharia Informática, Engenharia de Telecomunicações e Redes Ano lectivo 2005-2006, 1º semestre Docentes: Prof. Dr. Mikhail Benilov (aulas teóricas, regência

Leia mais

OBJETIVO Compreender os fenômenos físicos e solução de problemas em física básica relacionados aos temas de termologia e termodinâmica.

OBJETIVO Compreender os fenômenos físicos e solução de problemas em física básica relacionados aos temas de termologia e termodinâmica. Curso Superior de Tecnologia Refrigeração, Ventilação e Ar condicionado Terceiro Semestre APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. Dr. Sérgio Turano de Souza FATEC ITAQUERA Faculdade de Tecnologia de Itaquera Prof.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS FÍSICAS E MATEMÁTICAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS FÍSICAS E MATEMÁTICAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS FÍSICAS E MATEMÁTICAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA Campus Universitário -Trindade - 88040-900 - Florianópolis - SC - Brasil Fone: (048) 3721-6852 Disciplina:

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 08/10/07

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 08/10/07 P2 - PRVA DE QUÍMICA GERAL - 08/10/07 Nome: Nº de Matrícula: GABARIT Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 R = 8,314 J mol -1 K -1 = 0,0821 atm L mol

Leia mais

FÍSICO-QUÍMICA TERMOQUÍMICA Aula 1

FÍSICO-QUÍMICA TERMOQUÍMICA Aula 1 FÍSICO-QUÍMICA TERMOQUÍMICA Aula 1 A termoquímica é parte da termodinâmica e corresponde ao segmento da química que compreende as trocas de calor e seus efeitos nas substâncias e reações químicas. Os primeiros

Leia mais

Modelos atômicos. Modelo de Bohr

Modelos atômicos. Modelo de Bohr Modelos atômicos Modelo de Bohr O modelo de Bohr apresenta limitações significativas, não servindo para explicar vários dos fenômenos nos quais estão envolvidos elétrons. As deficiências do modelo de Bohr

Leia mais

Questão 1. Considerando condições ambientes, assinale a opção ERRADA.

Questão 1. Considerando condições ambientes, assinale a opção ERRADA. CONSTANTES Constante de Avogadro (N A ) = 6,02 x 10 23 mol 1 Constante de Faraday (F) = 9,65 x 10 4 C mol 1 = 9,65 x 10 4 A s mol 1 = 9,65 x 10 4 1 J V 1 mol Volume molar de gás ideal = 22,4 L (CNTP) Carga

Leia mais

Química Prof. Rogério 2016. Química. Professor Rogério. Imagens meramente ilustrativas, domínio público sites diversos/internet

Química Prof. Rogério 2016. Química. Professor Rogério. Imagens meramente ilustrativas, domínio público sites diversos/internet Química Prof. Rogério 2016 Química Professor Rogério Imagens meramente ilustrativas, domínio público sites diversos/internet 1º MOMENTO - Propriedades básicas da matéria - Tabela periódica - Estrutura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2016 Semestre 1. Identificação Código 1.1 Disciplina: Teoria Econômica 060.115 1.2 Unidade:

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Escola de Engenharia Curso: QUÍMICA Núcleo Temático: Matemática, Física e Química Básica Disciplina: Química Fundamental Código da Disciplina: 060.1104.7 Professor(es): ANA CRISTINA

Leia mais

Estequiometria - Cálculo Estequiométrico

Estequiometria - Cálculo Estequiométrico 01. As Reações Químicas Estequiometria - Cálculo Estequiométrico Uma reação química significa uma transformação de substâncias em outras. Os elementos químicos não são modificados, apenas as substâncias.

Leia mais

Química Orgânica I. Ácidos e Bases, tipos de reações, intermediários de reações, termodinâmica e cinética de reações orgânicas.

Química Orgânica I. Ácidos e Bases, tipos de reações, intermediários de reações, termodinâmica e cinética de reações orgânicas. Química Orgânica I Ácidos e Bases, tipos de reações, intermediários de reações, termodinâmica e cinética de reações orgânicas Aula 4 (Parte I) Profa. Alceni Augusta Werle Profa Tânia Márcia Sacramento

Leia mais

Capítulo 10. 2005 by Pearson Education

Capítulo 10. 2005 by Pearson Education QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Gases David P. White Características dos gases Os gases são altamente compressíveis e ocupam o volume total de seus recipientes. Quando um gás é submetido à pressão,

Leia mais

QUÍMICA REVISÃO 1 INTERATIVIDADE. Unidade IV. Reações químicas e cálculo estequiométrico.

QUÍMICA REVISÃO 1 INTERATIVIDADE. Unidade IV. Reações químicas e cálculo estequiométrico. Unidade IV Reações químicas e cálculo estequiométrico. 2 Aula 16.1 Conteúdo: Revisão e avaliação da unidade IV. 3 O que é uma reação química? É uma transformação em que novas substâncias são formados a

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA COM TRANSFERÊNCIA DE ELÉTRONS

EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA COM TRANSFERÊNCIA DE ELÉTRONS EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA COM TRANSFERÊNCIA DE ELÉTRONS José Celson Braga Fernandes¹ - celsonbraga@yahoo.com.br Emanuele Montenegro Sales² Flaviana Vieira da Costa³ Apoliana Braga Fernandes 4

Leia mais

Kw = 1,0 x 10 (a 25 C)

Kw = 1,0 x 10 (a 25 C) - QUÍMICA Número Atômico Símbolo Massa Atômica Nº de massa do Isótopo mais estável 23 Constante de Avogadro = 6,02 x 10 (valor aproximado) -14 0 Kw = 1,0 x 10 (a 25 C) UFBA 2002 2ª etapa Quím. - 15 QUÍMICA

Leia mais

A ÁLISE TITRIMÉTRICA

A ÁLISE TITRIMÉTRICA A ÁLISE TITRIMÉTRICA Análise titrimétrica - O termo análise titrimétrica refere-se à análise química quantitativa feita pela determinação do volume de uma solução, cuja concentração é conhecida com exatidão,

Leia mais

Lista de Exercícios Química Geral Entropia e energia livre

Lista de Exercícios Química Geral Entropia e energia livre Lista de Exercícios Química Geral Entropia e energia livre 1. Se a reação A + B C tiver uma constante de equilíbrio maior do que 1, qual das seguintes indicações está correta? a) A reação não é espontânea.

Leia mais

Propriedades de Misturas. Parte 1

Propriedades de Misturas. Parte 1 Propriedades de Misturas Parte 1 Introdução Muitos sistemas de interesse empregam misturas de substâncias Misturas de gases são de particular interesse É necessário saber avaliar propriedades de misturas

Leia mais

Sigla: QUI01121 C réditos: 6 C arga Horária: 90

Sigla: QUI01121 C réditos: 6 C arga Horária: 90 Instituto de Química Departamento de Química Inorgânica Dados de identificação Período Letivo: 2014/1 Professor Responsável: EMILENE MENDES BECKER Disciplina: QUÍMICA FUNDAMENTAL Sigla: QUI01121 C réditos:

Leia mais

1 Resolução CEPE N 2615

1 Resolução CEPE N 2615 _II n Universidade Federal de Ouro Preto 1 Resolução CEPE N 2615 Aprova aplicação de prova específica no processo de transferência para o Curso de Química Industrial. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

Colégio Saint Exupéry

Colégio Saint Exupéry Colégio Saint Exupéry Apostila QUÍMICA No nosso dia-a-dia o ato de classificar as coisas é algo corriqueiro. Em um faqueiro colocamos em um mesmo espaço as facas, em outro os garfos, etc. Agrupar coisas

Leia mais

1

1 Níveis de dificuldade das Questões Fácil Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Médio Difícil Resolução da Prova de Química Vestibular Verão PUCRS 2005 Prof. Emiliano Chemello www.quimica.net/emiliano

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL D PARANÁ PRGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃ EM QUÍMICA PRVA DE INGRESS N CURS DE MESTRAD ACADÊMIC EM QUÍMICA PRCESS DE SELEÇÃ: primeiro semestre de 2008 11 de Fevereiro de 2008 INFRMAÇÕES: -

Leia mais

Introdução à Volumetria. Profa. Lilian Lúcia Rocha e Silva

Introdução à Volumetria. Profa. Lilian Lúcia Rocha e Silva Introdução à Volumetria Profa. Lilian Lúcia Rocha e Silva INTRODUÇÃO À VOLUMETRIA TITULAÇÃO Processo no qual uma solução padrão ou solução de referência é adicionada a uma solução que contém um soluto

Leia mais

Polaridade e Geometria Molecular

Polaridade e Geometria Molecular Polaridade e Geometria Molecular Prof. Leandro Zatta Prof. Leandro Zatta 1 Conceitos Prof. Leandro Zatta 2 Eletronegatividade Polaridade de ligação Momentos de dipolo Geometria molecular Modelo de ligação

Leia mais

QUÍMICA PROFª MARCELA CARVALHO

QUÍMICA PROFª MARCELA CARVALHO QUÍMICA 1 PROFª MARCELA CARVALHO EQUAÇÃO QUÍMICA É a representação química simbólica e abreviada de uma reação química. 2 H2 + O2 2 H2O 2, 1 e 2 = coeficientes estequiométricos ou simplesmente coeficiente,

Leia mais

VOLUMETRIA DE NEUTRALIZAÇÃO

VOLUMETRIA DE NEUTRALIZAÇÃO VOLUMETRIA DE NEUTRALIZAÇÃO 1 semestre 2011 Profa. Maria Auxiliadora Costa Matos Volumetria de neutralização envolve a titulação de espécies químicas ácidas com uma solução padrão alcalina (ALCALIMETRIA)

Leia mais

Química Inorgânica Aula 3

Química Inorgânica Aula 3 Química Inorgânica Aula 3 Orientadora: Drª Karla Vieira Professor Monitor: Gabriel Silveira LIGAÇÕES QUÍMICAS O que são Ligações Químicas? São as ligações que se estabelecem entre a união de dois átomos.

Leia mais

Cálculo Químico ESTEQUIOMETRIA

Cálculo Químico ESTEQUIOMETRIA Cálculo Químico ESTEQUIOMETRIA Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É o estudo da quantidade de reagentes e produtos em uma reação química, portanto é uma análise quantitativa de um fenômeno

Leia mais

9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL -2015

9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL -2015 COLÉGIO NOSSA SENHORA DE LOURDES trimestral Disciplina: Professor (a): QUÍMICA LUIS FERNANDO Roteiro de estudos para recuperação 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL -2015 Conteúdo: Referência para estudo: Sites

Leia mais

PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA.

PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI MINAS GERAIS EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA www.ufvjm.edu.br PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA

Leia mais

Planos de Ensino Física 2016

Planos de Ensino Física 2016 Planos de Ensino Física 2016 Organização Coordenadora da disciplina: Sandra Madalena Pereira Franke INSTITUIÇÃO: Colégio de Aplicação -UFSC CURSO: Ensino Médio ANO: 1º ano TURMAS: A, B, C e D. PROFESSOR:

Leia mais

CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1. CAPÍTULO 2 Massa Atômica e Molecular; Massa Molar 16. CAPÍTULO 3 O Cálculo de Fórmulas e de Composições 26

CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1. CAPÍTULO 2 Massa Atômica e Molecular; Massa Molar 16. CAPÍTULO 3 O Cálculo de Fórmulas e de Composições 26 Sumário CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1 Introdução 1 Os sistemas de medida 1 O Sistema Internacional de Unidades (SI) 1 A temperatura 2 Outras escalas de temperatura 3 O uso e o mau uso das unidades

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2015 2º 1. Identificação Código 1.1 Disciplina: Contabilidade Social 0760.130 1.2 Unidade:

Leia mais

Concurso de Seleção 2004 NÚMERO DE INSCRIÇÃO - QUÍMICA

Concurso de Seleção 2004 NÚMERO DE INSCRIÇÃO - QUÍMICA QUÍMICA QUESTÃO 21 Muitas pessoas já ouviram falar de gás hilariante. Mas será que ele é realmente capaz de provocar o riso? Na verdade, essa substância, o óxido nitroso (N 2 O), descoberta há quase 230

Leia mais

ferro bromo brometo de ferro 40g 120g 0g 12g 0g 148g 7g 40g 0g 0g x g 37g

ferro bromo brometo de ferro 40g 120g 0g 12g 0g 148g 7g 40g 0g 0g x g 37g 01) (FCMSC-SP) A frase: Do nada, nada; em nada, nada pode transformar-se relaciona-se com as idéias de: a) Dalton. b) Proust. c) Boyle. d) Lavoisier. e) Gay-Lussac. 02) Acerca de uma reação química, considere

Leia mais

O que é Cinética Química?

O que é Cinética Química? Cinética Química O que é Cinética Química? Ramo da físico-química que estuda a velocidade das reações; Velocidade na química: variação de uma grandeza no tempo: x v t Velocidade Considere a reação aa bb

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 29/06/06

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 29/06/06 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 9/06/06 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 a,5 4 a,5 Total 10,0 Constantes e equações: R 0,08 atm L -1 K -1 8,14 J -1

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO 2 o CONCURSO VESTIBULAR DE 2009. Questões de Química

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO 2 o CONCURSO VESTIBULAR DE 2009. Questões de Química UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO 2 o CONCURSO VESTIBULAR DE 2009 Questões de Química 01 O gráfico abaixo registra o aquecimento de um líquido transparente e incolor,

Leia mais

tem-se no equilíbrio que 1 mol de HCl reagiu com 1 mol de NaOH, ou seja: n(hcl) = n(naoh)

tem-se no equilíbrio que 1 mol de HCl reagiu com 1 mol de NaOH, ou seja: n(hcl) = n(naoh) Experiência 8: TITULAÇÕES ÁCIDO-BASE 1. Objetivos Após a realização desta atividade experimental, espera-se que o aluno seja capaz de: - Determinar a concentração de um ácido e uma base por titulação.

Leia mais

Educação para toda a vida

Educação para toda a vida LIGAÇÕES IÔNICAS E COVALENTES Noções sobre Ligações Químicas Regra do Octeto Ligação Iônica ou Eletrovalente Ligação Covalente ou Molecular Ligação Metálica Teoria do Octeto Todos os elementos buscam formas

Leia mais

Programa de Disciplina CARACTERÍSTICAS OBRIGATÓRIA 4 (TEÓRICA) NENHUM

Programa de Disciplina CARACTERÍSTICAS OBRIGATÓRIA 4 (TEÓRICA) NENHUM Programa de Disciplina Nome: Química Geral I Código: IQG 114 Categoria: Carga Horária Semanal: CARACTERÍSTICAS Número de Semanas Previstas para a Disciplina: 15 Número de Créditos da Disciplina: 4 OBRIGATÓRIA

Leia mais

5- Formam substância iônica do tipo AB 2 A) III e I B) III e II C) IV e I D) V e I E) V e II

5- Formam substância iônica do tipo AB 2 A) III e I B) III e II C) IV e I D) V e I E) V e II LIGAÇÕES QUÍMICAS 1- Uma ligação de caráter acentuadamente iônico se estabelece quando os átomos participantes da ligação: A) possuem números de oxidação acentuadamente diferentes. B) apresentam elétrons

Leia mais

I OLIMPÍADA DE QUÍMICA DO GRANDE ABC - 13/06/2015 ENSINO MÉDIO - FASE 2

I OLIMPÍADA DE QUÍMICA DO GRANDE ABC - 13/06/2015 ENSINO MÉDIO - FASE 2 I OLIMPÍADA DE QUÍMICA DO GRANDE ABC - 13/06/2015 ENSINO MÉDIO - FASE 2 INSTRUÇÕES: 1. A prova consta de 3 questões discursivas (5 pontos cada) e de 17 questões objetivas (1 ponto cada), cada uma com 4

Leia mais

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Química

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Química Conteúdo de Química A LDB/96 propõe diretrizes curriculares nacionais que visam nortear as várias áreas de conhecimento abordadas no ensino médio (na realidade a última etapa da educação básica). Enfatiza

Leia mais

Eletroquímica. Oxidar é perder elétrons, havendo então, um aumento algébrico do NOX.

Eletroquímica. Oxidar é perder elétrons, havendo então, um aumento algébrico do NOX. Eletroquímica André Silva Franco A eletroquímica é a parte da química que estuda, na maior parte, a transferência de elétrons em reações e suas aplicações. Encontramos a eletroquímica em nosso corpo, por

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Química. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Química. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

QUI 072/150 Química Analítica V Análise Instrumental. Aula 1 Introdução Química Analítica

QUI 072/150 Química Analítica V Análise Instrumental. Aula 1 Introdução Química Analítica Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química QUI 072/150 Química Analítica V Análise Instrumental Aula 1 Introdução Química Analítica Prof. Julio C. J. Silva

Leia mais

SUBSTÂNCIAS, MISTURAS E SEPARAÇÃO DE MISTURAS

SUBSTÂNCIAS, MISTURAS E SEPARAÇÃO DE MISTURAS NOTAS DE AULA (QUÍMICA) SUBSTÂNCIAS, MISTURAS E SEPARAÇÃO DE MISTURAS PROFESSOR: ITALLO CEZAR 1 INTRODUÇÃO A química é a ciência da matéria e suas transformações, isto é, estuda a matéria. O conceito da

Leia mais

Série: 2º ano. Assunto: Estequiometria

Série: 2º ano. Assunto: Estequiometria Aluno: Série: 2º ano Assunto: Estequiometria 1) A massa de dióxido de carbono liberada na queima de 80 g de metano, quando utilizado como combustível, é: (Dados: massas molares, em g/mol: H = 1, C =12,

Leia mais

Fundamentos de Química Profa. Janete Yariwake

Fundamentos de Química Profa. Janete Yariwake Introdução à Eletroquímica: Conceitos fundamentais Pilhas e Baterias 1 Química moderna : Eletroquímica Eletroquímica Estudo de sistemas que envolvem passagem de corrente elétrica e envolvendo reações químicas

Leia mais

Experiência 07: Preparo de Solução a partir de Substâncias sólidas, Liquidas e de Solução Concentrada

Experiência 07: Preparo de Solução a partir de Substâncias sólidas, Liquidas e de Solução Concentrada 1 Experiência 07: Preparo de Solução a partir de Substâncias sólidas, Liquidas e de Solução Concentrada 1. Questões de estudo - Como preparar uma solução aquosa de NaOH 0,1 M? - Como preparar uma solução

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e comunicação CURSO: Técnico em Informática FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Aula 16 A Regra das Fases

Aula 16 A Regra das Fases Aula 16 A Regra das Fases 1. Introdução Poderíamos especular se quatro fases de uma única substância poderiam estar em equilíbrio (como, por exemplo, as duas formas sólidas do estanho, o estanho líquido

Leia mais

Dicas de Química Tasso

Dicas de Química Tasso Dicas de Química Tasso Questão 01) Considere a reação química representada pela equação: 2Fe 2 S 3(s) + 6H 2 O (l) +3O 2(g) 4Fe(OH) 3(s) +6S (s) Calcule a quantidade de (em mols) de Fe(OH) 3 que pode ser

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Escola de Engenharia Curso: Engenharia Elétrica Núcleo Temático: Matemática Disciplinas específicas Código da Disciplina: Disciplina: Química Tecnológica 060.1300.7 Professor(es):

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2015, 2.ª Fase, versão 1

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2015, 2.ª Fase, versão 1 Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2015, 2.ª Fase, versão 1, 18 de julho de 2015 Exame Final Nacional do Ensino Secundário, Prova Escrita de Física e Química A, 11.º

Leia mais

Experiência 10: Estudo do equilíbrio cromato-dicromato

Experiência 10: Estudo do equilíbrio cromato-dicromato 1 UFSC Departamento de Química Área de Educação Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química 2011/1 Prof. Marcos Aires de Brito Prof. Fábio Peres Gonçalves Prof. José Carlos Gesser Experiência

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA. Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA. Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Controle e Processos Industriais CURSO: Técnico Integrado em Química FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 03/09/07

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 03/09/07 1 - ROVA DE QUÍMICA GERAL 03/09/07 Nome: Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Dados R = 0,0821 atm L mol -1 K -1 T (K) = T ( C) + 273,15

Leia mais

CONCEITOS DE BRÖNSTED-LOWRY CONCEITOS DE ÁCIDOS E BASES CONCEITOS DE ARRHENIUS. Ácido: Ácido: HCN + H O H O + - Base ou hidróxido: Base: + +

CONCEITOS DE BRÖNSTED-LOWRY CONCEITOS DE ÁCIDOS E BASES CONCEITOS DE ARRHENIUS. Ácido: Ácido: HCN + H O H O + - Base ou hidróxido: Base: + + Ácido: CONCEITOS DE ÁCIDOS E BASES CONCEITOS DE ARRENIUS Toda substância que em solução aquosa, sofre ionização, produzindo como cátion, apenas o íon CN O ( aq ) CN ( aq ) Na realidade, o íon, quando em

Leia mais

Edital 023/2014 OBTENÇÃO DE NOVO TÍTULO

Edital 023/2014 OBTENÇÃO DE NOVO TÍTULO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Pró-Reitoria de Graduação Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 Edital

Leia mais

Física (Eletricidade e Eletromagnetismo) Automação Industrial Segundo Semestre APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. Dr. Sérgio Turano de Souza

Física (Eletricidade e Eletromagnetismo) Automação Industrial Segundo Semestre APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. Dr. Sérgio Turano de Souza Física (Eletricidade e Eletromagnetismo) Automação Industrial Segundo Semestre APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. Dr. Sérgio Turano de Souza FATEC ITAQUERA Faculdade de Tecnologia de Itaquera Prof. Miguel Reale

Leia mais