FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE ECONOMIA CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE ECONOMIA CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO Monografia de Conclusão de Curso FACULDADE DE ECONOMIA CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS INTERNACIONALIZAÇÃO DA ZION NUTRIÇÃO ANIMAL LTDA Eduardo Barion Baaklini Professor Orientador: Mario Sacchi 2010

2 INTERNACIONALIZAÇÃO DA ZION NUTRIÇÃO ANIMAL LTDA EDUARDO BARION BAAKLINI Monografia de Conclusão do Curso apresentada à Faculdade de Economia para obtenção do título de graduação em Relações Internacionais, sob orientação do Prof. Mario Sacchi. São Paulo 2010

3 Dedicatória Aos meus pais Rick e Cris,

4 Agradecimentos e aos meus avós João e Ruth. Por detrás deste projeto está um sentimento de curiosidade sobre um mundo empresarial, uma carreira bem distante daquela planejada durante os quatro anos do curso de Relações Internacionais. Desde o início a área acadêmica sempre me despertou maior interesse e ainda motiva as minhas aspirações. Porém depois de metade do curso concluído, algumas matérias surgiram como Internacionalização de Negócios, Marketing Internacional e Empresas Transnacionais e Investimento Direto Externo. As novas disciplinas e o empreendedorismo de minha família através da Zion acabaram por despertar um maior interesse em mim pelo agronegócio e pela área empresaria. Meu interesse foi ainda aguçado por meus pais que forneceram conselhos sobre um projeto que proporcionasse conhecimentos sobre essa área. À medida que visitava a fabrica e tinha qualquer contato com o setor, a vontade de saber mais aumentava. Tenho tratado de questões relacionadas ao comércio entre países, mais especificamente sobre internacionalização há aproximadamente um ano. Sou particularmente grato aos meus pais, Ricardo e Maria Cristina que jamais pouparam esforços para me proporcionar a melhor educação e formação superior. Nas minhas escolhas sempre fui apoiado e bem aconselhado por eles. Foram estes grandes os responsáveis pelo incentivo ao tema e a pesquisa sobre o agronegócio. Meus avós, João e Ruth também sempre foram presentes com seus ensinamentos e experiências de vida. Também devo muito aos meus amigos da FAAP que com críticas, sugestões e muita paciência me ajudaram na comunicação com profissionais do ramo, associações e instituições ligadas ao setor. Os amigos de Marília acudiram com a compreensão de minha ausência e ainda sempre estiveram presentes quando solicitados. Ainda assim, devo agradecer especificamente ao meu orientador professor Mario Sacchi que generosamente fez comentários, esclareceu dúvidas e auxiliou nas versões recentes de parte deste trabalho. Ajudou-me a dar forma uma de projeto a uma confusão de idéias complexas. Minhas outras dívidas de gratidão são com os professores da Faculdade de Economia da FAAP que também contribuíram com minha formação acadêmica.

5 Resumo Pelos últimos anos uma das características mais marcantes da globalização talvez seja o intercâmbio comercial entre os países. A velocidade com que as informações são transmitidas e os avanços na tecnologia resultam na interdependência dos atores da comunidade mundial. A internacionalização das empresas é uma tendência que vem aumentando ao longo dos anos. Um exemplo dos efeitos desse fenômeno é o processo de inserção da Zion no comércio internacional que ajudará a empresa a se tornar mais competitiva e eficiente. Para isso deverá ser realizada uma séria de estudos, visando garantir uma escolha segura do mercado alvo, bem como da estratégia utilizada. Dentre as análises a serem feitas é fundamental um panorama histórico da empresa, bem como o ambiente onde ela está inserida, o agronegócio brasileiro. Esse setor está em constante crescimento, o que coloca o Brasil em uma posição privilegiada no comércio de vários produtos, entre eles no segmento de rações. Além disso, o Brasil como membro do MERCOSUL realiza comércio de forma intensa no continente, usufruindo dos benefícios de fazer parte da Zona de Livre Comércio. A Argentina é o maior parceiro comercial do país na América do Sul e um grande produtor de rações, especialmente rações voltadas para alimentação de eqüinos a base de alfafa peletizada.

6 Abstract For the last few years one of the most striking features of globalization is perhaps the trade between countries. The speed with which information is transmitted and advances in technology results in the interdependence of actors in the world. The internationalization of companies is a growing trend over the years. An example of the effects of this phenomenon is the process of insertion of Zion in international trade that will help the company to become more competitive and efficient. For so it will be performed a series of studies, aimed at ensuring a safe choice of the target market as well as the strategy used. Among the things to be elucidated is a basic historical overview of the company, as well as the environment where it is inserted, the Brazilian agribusiness. This industry is constantly growing, which places Brazil in a privileged position in the trade of various products, including the segment of rations. In addition, Brazil, as a member of MERCOSUR trade performs extensively on the continent and enjoy the benefits of joining the Free Trade Zone. Argentina is the country's largest trading partner in South America and a major producer of animal feed, especially focused on food rations for horses alfalfa-based pellets.

7 LISTA DE SIGLAS: CAGE Cultural, Política Administrativa, Geográfica COCHO Recipiente para rações e comidas para animais CMC Conselho do Mercado Comum MERCOSUL Mercado Comum do Sul NAFTA North America Free Trade Area TEC Tarifa Externa Comum UNASUL União das Nações Sul americanas

8 LISTA DE GRÁFICOS: Gráfico 1 Custo de Fabricação das Rações...24 Gráfico 2 Competição Local...28 LISTA DE TABELAS

9 Tabela 1 Balança Comercial Brasileira com o MERCOSUL...55 Tabela 2 Balança Comercial Brasil e Argentina Tabela 3 Balança Comercial Brasil e Paraguai Tabela 4 Balança Comercial Brasil e Uruguai Sumário LISTA DE SIGLAS LISTA DE GRÁFICOS LISTA DE TABELAS INTRODUÇÃO 1

10 1. HISTÓRICO DA EMPRESA Formação da Empresa Estrutura administrativa Maquinários Produtos Tecnologia Produção Cliente Fornecedores Parcerias ANÁLISE DO SETOR AGROINDUSTRIAL BRASILEIRO E O SEGMENTO Agronegócio Sistema Agroindustrial Complexo Agroindustrial Cadeia de Produção agroindustrial Agroindustrial Características dos produtos Agroindustriais Outros aspectos do Agronegócio O segmentos das rações Tipos de Rações Custos de Produção Tecnologia Logística A Competição Local ESTRATEGIAS DE MARKETING Algumas definições de marketing Marketing estratégico e marketing operacional Os passos do planejamento estratégico Possíveis estratégias Especialização Integração vertical Diversificação Inovação Fusões e Aquisições Estratégias de Corte A estratégia aplicada a Zion Marketing Agroindustrial Marketing Mix Produto Preço Distribuição Composto promocional O PLANO DE INTERNAICONALIZACAO A idéia de se internacionalizar A competitividade externa O MERCOSUL O Brasil e o MERCOSUL 54

11 Argentina Paraguai Uruguai Mercado alvo: Argentina População Eqüina Consumo Per capta Produto Similares Promoção e publicidade Possibilidades Mercadológicas Estrutura CAGE Estruturação do Departamento Funções do Departamento de Exportação O Gerente do Comercio Exterior Alterações no organograma da empresa 66 CONCLUSÃO 68 BIBLIOGRAFIA 70

12 1 Introdução O tema do presente projeto tem como objetivo a internacionalização de uma empresa familiar. Será elaborada uma escolha de uma estratégia de marketing a um mercado potencial, partindo disso poderá ser estruturado o departamento de comércio exterior na Zion Nutrição Aninal LTDA, uma empresa média e familiar, da qual o que escreve é aluno de Relações Internacionais e pretende que esta contribuição auxilie a empresa em seus passos necessários para sua perfeita inserção no comércio internacional. Um dos motivos que contribuíram para a elaboração desse trabalho é a competitividade em que se encontram as empresas presentes no mercado internacional, tornando-se menos vulneráveis a crises de seus mercados nacionais gerando a alternativa de alcançar os mercados internacionais através da internacionalização. As empresas que exportam regularmente se tornam competitivas, ampliando sua capacidade de produção, reduzindo seus custos fixos e adquirindo maior poder de negociação em relação aos concorrentes e ao mesmo tempo sendo os parceiros habituais. O número de clientes da empresa também é ampliado e através da entrada em um novo mercado o acesso a novas tecnologias e inovação. A política governamental incentiva oferecendo tanto benefícios na exportação como também incentivos fiscais, ganhos de prestigio do produto, bem como um aumento nos padrões de qualidade na produção. Esses benefícios podem ser provenientes do país de origem ou do país receptor. O processo de internacionalização é longo e detalhado, pois é um estudo de mercados onde são necessários investimentos para se atender tanto o mercado doméstico como o mercado externo. Na entrada de divisas existem diversos tipos de barreiras, desde as mais conhecidas como econômicas, ou comerciais, mas também as geográficas, administrativas e culturais. A empresa Zion tem pouco tempo de vida, e vem obtendo bons resultados no mercado doméstico, estando em processo de consolidação, o que refletirá na internacionalização somente ao mediano e longo prazo. Uma vez iniciada a exportação na empresa, o processo de exportação será um processo esporádico para trabalhar com os produtos excedentes de produção. Porém deverá ser constante, demonstração da seriedade e melhoria da imagem do país, o que gera muito peso no comércio internacional.

13 2 A metodologia a ser utilizada para o projeto será baseada em análise de informações secundarias, trabalho de campo (informação primaria), como feiras, eventos ligados ao setor, associações e entrevistas com os gestores da empresa que possam fornecer dados que possam auxiliar o projeto. Também foram utilizados livros, sites e conhecimentos acumulados nos quatros de estudo no curso de Relações Internacionais na Fundação Armando Álvares Penteado. No primeiro capítulo é descrita a história da empresa, a situação percorrida por ela até a situação encontrada nos dias atuais da Zion, os clientes, fornecedores e a estrutura organizacional da empresa que será utilizada como base deste projeto. Assim, depois de abordado esse panorama no capítulo dois serão elucidadas as diversas definições de agronegócio, agrobussines, cadeia de produção agrícola e sistema agroindustrial. Ainda é analisado o segmento de rações onde a Zion esta inserida, ou seja, até este momento o no âmbito doméstico. Para isso são discutidas quais são os principais concorrentes e o espaço que a indústria detém e poderá ter no mercado. O volume de vendas não pôde ser utilizado, uma vez que a empresa iniciou suas atividades faz poucos meses e no início a produção era realizada para testes dos produtos, onde pouca quantidade era vendida e com uma política de promoção, onde as rações eram comercializadas com descontos, não continham a nova embalagem e destinadas somente a poucos clientes mais próximos. Logo, a fatia do mercado pertencente à Zion foi estimada de acordo com o Diretor Zilo e segundo as vendas dos meses após a fase de testes. No terceiro capítulo são observados os passos para desenvolver uma estratégia de marketing em um determinado mercado, alguns passos da estratégia (implementação e controle) não foram relacionados pela Zion, pois não devem ser discutidos no momento atual e sim no momento do processo de internacionalização, que ocorrerá no futuro próximo, Também serão citadas as distintas estratégias que poderão ser adotadas pelas empresas. E as estratégias cabíveis a Zion no estágio em que a empresa se encontra. No quarto e último capítulo será explicada o porquê da decisão de exportar, analisando a competitividade externa através dos países que formam o MERCOSUL, como potenciais mercados na internacionalização da Zion e a seleção do mercado alvo de acordo com as possibilidades de se obter uma boa parceria comercial nesses mercados. Além da análise comercial é feita uma análise de acordo com a estrutura CAGE (Cultural, Administrativa, Geografia e Econômica). E finalmente a estruturação do departamento de comércio exterior na empresa.

14 3 Nesse quarto capítulo não foram definidos os preços dos produtos a serem comercializados no mercado externo, pois será desenvolvido um estudo de mercado onde se analisará os preços praticados nesses mercados pela concorrência para que o projeto que visa à internacionalização se ajuste a cada mercado com estratégias de preços, uma vez que se penetre a cada mercado se ajustem e permitam os melhores resultados. Além da dificuldade de determinar a participação exata da Zion no mercado, também foi complicado obter dados sobre os principais líderes no mercado. Muitas empresas se recusaram a divulgar informações como o volume de vendas, a participação no mercado brasileiro ou até mesmo os países exatos para onde exportam. Muitas associações não dispõem desse tipo de informações e somente de informações sobre produtos, feiras, máquinas e novidades no setor. Outras estão desatualizadas e as informações que possuíam não eram sobre o segmento de rações e sim sobre o agronegócio brasileiro. As Instituições brasileiras que fomentam o comércio internacional e que regem e auxiliam o processo exportação das empresas ajudaram na medida em que dispunham informações em seus sites atualizados constantemente, porém sobre dúvidas mais específicas era impossível obter auxílio via ou telefone, uma das principais razões foi que essa pesquisa foi desenvolvida no período pré-eleitoral que durou aproximadamente um semestre. O diferencial desse trabalho está na escolha da empresa a ser internacionalizada, a Zion é uma média empresa totalmente interligada ao setor do agronegócio, uma empresa de rações peletizadas que além de se internacionalizar busca obter uma parceria com um país produtor de rações a base de alfafa que praticamente no existe no Brasil como fonte de alimentação animal, sendo requerida, aqui se está pensando em termos de Aliança estratégica.

15 4 Capítulo 1 - Histórico da Empresa Este capítulo visa explicar o histórico da empresa, elucidando sua criação (sócios, principais colaboradores e suas respectivas funções e estrutura organizacional), sendo ainda abordados os principais aspectos dos produtos, máquinas, tecnologia, fornecedores, processo produtivo e os clientes alvos da empresa Formação da empresa: A empresa objeto do trabalho: Zion Nutrição Animal LTDA é uma indústria de rações para cavalos localizada na Rua Engenheiro Benedito Renê Km 54, s/ nº, bairro São João Novo (Distrito Industrial), Município de São Roque, interior do Estado São Paulo. A empresa iniciou suas atividades no dia 1 de março de 2009 e foi inaugurada somente em junho de 2010, devido ao início de sua produção 1. A fábrica já existia, porém com o nome de Nutrimento Agroindustrial LTDA. Os donos anteriores iniciaram o processo de falência e concordata no início de 2007, vendendo a empresa no ano seguinte. Através de conversas com o Diretor/proprietário da Zion, o Sr. Roberto Zilo, foi verificado os motivos que levaram ele e o Sr. Carlos Barion a adquirirem uma empresa naquelas condições, responderam-me que ambos já estavam em uma fase da vida em que já não dependiam de um emprego e uma renda fixa. O nome Zion é uma junção dos sobrenomes das duas famílias Zilo e Barion. O Sr. Zilo é pecuarista e tendo já deixado suas propriedades bem encaminhadas resolveu continuar no agronegócio, só que através de uma agroindústria. O Sr. Barion possui outra atividade profissional, tendo a função de apenas assessorar os trabalhos na Zion, visto que possui uma vasta experiência na área industrial. Ambos são engenheiros agrônomos, formados na mesma Instituição, a Universidade Estadual UNESP de Jaboticabal e possuem um vínculo familiar. No início de 2010 um novo sócio passou a integrar a estrutura societária da empresa o Dr. Ricardo Baaklini, médico radiologista, graduado pela Santa Casa de São Paulo. Os motivos que levaram a entrada do Dr. Baaklini na empresa foram: a necessidade de capital para o término de reformas nas instalações e quitação de dívidas da antiga gestão. O Dr. 1 A inauguração ocorreu mais de um ano depois do ínicio da compra devido ao processo de regulamentação das atividades da empresa e quitação de dívidas da gestão anterior. Nesse período a empresa não obteve lucro, pois não havia produção. Suas operações se baseavam na busca de certificações e alvarás necessários para o exercício da atividade.

16 5 Baaklini também está ligado na atividade pecuária, sendo um dos fornecedores da empresa e possui um vínculo parentesco com um dos sócios. Devido a sua dedicação na área da saúde como médico e professor, suas funções na empresa são restritas ao papel de um conselheiro, sendo um sócio investidor. A Zion possui como missão levar a seus clientes produtos agroindustriais de alta qualidade sempre prezando pela saúde e bem estar dos animais. Segundo o Diretor Sr. Zilo o processo de implantação da empresa foi longo devido aos cuidados que diretoria tomou para conseguir o registro do Serviço Inspeção Federal (SIF) e no Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA) e também no desenvolvimento da formulação das rações oferecidas pela empresa, praticamente exclusivas no mercado, oferecendo a exclusividade do aroma e a segurança de que não afetará o animal em função da cólica eqüina. A visão dos diretivos da Zion é se desenvolver e consolidar no mercado brasileiro nos próximos cinco anos, além no fim desse período já ter vivenciado a experiência de estar presente também no mercado externo. Inicialmente espera-se que através deste trabalho a empresa escolha um país ou região como laboratório para iniciar seu processo de internacionalização. A Cólica Eqüina causa fortes dores abdominais nos cavalos, devido a afecções no aparelho digestivo ou em outros órgãos. O animal possui um estomago de tamanho reduzido, e em grande parte das vezes o motivo da cólica é alimentação incorreta, má distribuída, em excesso, alimentos muito triturados, ração mal balanceada e alimentação antes dos trabalhos que exigem esforço físico. Essa cólica ainda é conhecida como cólica de impacto, resultado de uma obstrução, no intestino grosso, por sobrecarga de alimentos 2. Ao ser questionado sobre o futuro da empresa, o Diretor proprietário Sr. Zilo afirmou que com os resultados, mais que satisfatórios dos testes das rações e que com o aumento de capital da empresa, com a entrada de mais sócio, a Zion pode aos poucos ampliando seu espaço no mercado e adquirir um aumento significativo na produção. Segundo os executivos a empresa antes da nova gestão já possuía um considerável número de clientes e com os contatos dos novos proprietários, espera-se que em um curto prazo seja possível ampliar a capacidade de produção e incluir novos produtos na linha. Isso permitirá que clientes sejam atendidos de forma mais ágil e encontrar novos produtos com preço baixo e qualidade. Podem-se identificar os principais valores da empresa: Ética, Inovação, Transparência e Competência. Acreditando que seus clientes terão acesso a tudo o que o Sr. Zilo deseja. 2 MELDAU Débora. Cólica Eqüina Medicina Veterinária - Infoescola Disponível em:

17 6 Nesse um ano em que a empresa não teve produções foi desenvolvida uma fórmula para as rações e realizado diversos testes para garantir a eficiência do produto. Os testes foram realizados em diversas propriedades entre elas a Fazenda Santa Silvia de propriedade da família, localizada em Júlio de Mesquita, interior de São Paulo. Por isso de acordo com o Sr. Zilo a empresa desenvolveu um produto novo e forte, proporcionando à empresa a condição de sobrevivência frente aos grandes concorrentes. Pouco tempo depois de comprar a empresa os sócios ainda possuíam o ônus do pagamento de um aluguel mensal referente ao imóvel onde está instalada a Zion. Com a venda de parte das ações, os dois sócios Sr. Zilo e Sr. Barion adquiriram a área onde estão o prédio, os barracões e onde existe muito espaço ocioso para uma futura expansão. A empresa possuía maquinas inoperantes, onde não eram feitas as manutenções necessárias e que estavam fora de funcionamento já há algum tempo. Com a capitalização a Zion reformou seus maquinários e adaptou-os a nova formulação dos produtos, também comprou novas ferramentas, utensílios de manuseio fabril, computadores e móveis para escritório, além reformar praticamente toda sua instalação. Originalmente as máquinas eram utilizadas para fabricação de rações para cavalos, sem a capacidade para produzir variedades de acordo com a raça e porte do animal e sem a possibilidade de inclusão da nova formulação. Dentre as máquinas adquiridas estão uma Morga de Descarga e uma Balança Digitalizada, o que agiliza a produção da empresa e ainda permite um maior controle da quantidade produzida. A empresa ainda nesse pouco tempo de existência pode contar com a acessória jurídica do escritório Marcos Martins Advogados Associados, considerado um grande escritório de advocacia, especialista em direito empresarial e com a acessória em Marketing do Sr. Paulo Venturini, com sua experiência na área logística e comercial Estrutura Administrativa: A Zion por ser uma empresa pequena possui uma estrutura administrativa enxuta, que poderá ser visualizado no organograma abaixo, composto pelo Diretor Geral Sr. Zilo, responsável pela administração de toda a empresa, pela área de desenvolvimento de novos produtos, por todo o departamento técnico e também pelo atendimento de alguns clientes. Mesmo não estando presente no dia a dia da empresa o Sr. Barion, também possui um papel importante, pois além assessorar todo o trabalho do Diretor Geral, é responsável por

18 7 grande parte dos contatos que a empresa possui, desde fornecedores, consultores (jurídico e marketing), e até novos clientes. Semanalmente os três sócios se reúnem para traçarem diretrizes e reportarem sobre vendas, clientes e políticas a serem adotadas. Existe ainda um auxiliar administrativo, o Sr. Nelson Simões, responsável pelas burocracias de escritórios, pagamentos em geral, de funcionários, fornecedores e contas da empresa, é quem compra as matérias primas e todos os materiais utilizados na Zion. O auxiliar de expedição é o responsável pelo armazenamento das matérias primas, dos produtos acabados (as rações), pela entrega, quando feita pela própria empresa e pela saída de caminhões carregados na expedição. O auxiliar de produção é quem coordena a ocupação das máquinas, é o profissional que decide o que cada máquina produz a cada momento, ou seja, controla toda a produção da empresa, pois possui o domínio e experiência sobre as capacidades das máquinas, conhecendo qual fará a mistura exata para cada tipo de ração. Figura 1: Organograma da Estrutura Administrativa Diretor Roberto Zilo Auxiliar Administrativo Auxiliar Expedição Auxiliar Produção Como já foi dito está é a estrutura administrativa da empresa, porém a mesma conta com um Conselho Diretivo formado pelos três sócios: Sr. Roberto Zilo, Sr. Carlos Barion e Dr. Ricardo Baaklini. Além destes a empresa conta com doze funcionários na produção, os operários e possui um segurança na portaria, e duas faxineiras. Desta análise desprende-se que a empresa possui uma estrutura administrativa simples, pois esta em processo de desenvolvimento, assim com este projeto será incluído mais um setor no organograma da Zion, o responsável pela internacionalização da empresa.

19 Maquinários: A Zion conta com nove equipamentos de diferentes tamanhos e distintas funções na produção das rações, sendo elas: Duas peletizadoras de 250 CV e 350 CV; Um misturador vertical; Um resfriador Um Readler (pré misturador) horizontal; Uma balança Uma morga de descarga Uma caldeira a lenha vertical; Um descarregador. A balança e a morga de descarga foram adquiridas no ano de E os demais equipamentos foram reformados e adaptados as alterações na composição química dos produtos. As peletizadoras são as grandes responsáveis pelo estado final em que o produto se encontra, dando a forma uniforme as rações. As rações peletizadas compreendem mais de dois terços do total produzido industrialmente no mundo interiro. Esse método é flexível para a adaptação de uma grande variedade de partículas (matérias-primas) e parâmetros de processos. É melhor forma e a mais eficiente para se produzir rações para animais. Além da agregação de vantagens a produtos alimentícios, como adubos e resíduos de cereais 3. Segundo o Diretor Sr. Zilo, as rações peletizadas possuem uma vida útil maior, melhoram a digestão do animal, evitam o desperdício, possuem uma maior quantidade de nutrientes e são muito mais fáceis de manejar. Todos os equipamentos são responsáveis pela produção dos quatro tipos de rações oferecidos pela Zion, e que serão descritos mais adiante. Neste momento os donos da empresa estão avaliando a possibilidade de se adquirir novos equipamentos em função do excelente desempenho na comercialização das rações nos últimos meses. 3 Peletização Lucauto. Disponível em:

20 9 Com novas máquinas, mais modernas, haverá um aumento na eficiência da produção e conseqüentemente melhor qualidade e agilidade em atender os clientes Produtos A Zion ainda é tida como uma empresa pequena, conta com uma área útil de metros quadrados em um terreno de metros quadrados o que inclui uma área de preservação ambiental de metros quadrados. Inicialmente o prédio era alugado e contava com uma área externa de apenas metros quadrados. Logo sua linha de produtos é reduzida contando apenas com quatro variedades de um só produto. Com o crescimento e expansão a empresa modificou sua linha de produtos, pois antes da mudança na gestão da empresa a fabrica só produzia dois tipo de rações (equivalentes a ração Tropa TS e Lida). Os novos proprietários se aperfeiçoaram de acordo com as necessidades dos consumidores dos dias atuais e hoje a empresa possui quatro tipos de rações. A seguir iremos descrever cada uma deles para um melhor entendimento do leitor: Ração Tropa TS: indicada para cavalos de tropa de serviço com excelência genética, utilizados em médias e grandes propriedades. Esta ração possui nutrientes reforçados, o que garante um ótimo desempenho do animal nas atividades agrícolas diárias; Ração Potro: indicada para animais até quatro anos de idade, recém nascidos. Contém substâncias fundamentais para o completo desenvolvimento do animal; Ração Monta: indicada para animais oriundos do cruzamento entre raças distintas, ou ainda, cavalos de montaria e equitação; Ração Lida: indicada para cavalos de serviços diários, ou com a peculiaridade de sua utilização como transporte. Também contém nutrientes que garantem o desempenho do cavalo. É importante ressaltar que todas as rações produzidas pela Zion possuem em sua composição química, substâncias que evitam que o cavalo desenvolva a cólica eqüina em

21 10 função de uma alimentação excessiva. Logo o tratador não precisa se preocupar em retirar a ração do cocho 4, ou em colocar a quantidade exata para o animal não ingerir comida demais. Outro diferencial dos produtos da Zion são os aromas contidos nas rações. A grande maioria das matérias primas utilizadas em sua produção quando armazenadas e mesmo após o processo produtivo causam um odor um tanto desagradável. Sendo assim a empresa desenvolveu uma tecnologia capaz adicionar um aroma no produto que mesmo armazenado por um período longo e fora da embalagem se mantém ativo. Os aromas são de frutas frescas, como maça, pêra, uva e laranja. O preço das rações é de R$ 1,04 o quilo, independentemente da ração escolhida pelo cliente (tropa, monta, lida e potro). A empresa disponibiliza embalagens com 15, 20 e 25 quilos. O que acaba por aumentar o preço das rações é o frete que o cliente paga até sua propriedade e que varia de acordo com a distância. Alguns clientes especiais que compram em grande quantidade e com exclusividade, alocados em Marília ou São Roque acabam sendo beneficiados pela empresa realizando a entrega com seus veículos. A pedido do Diretor Sr. Zilo, por questões de segurança e sigilo não iremos divulgar nem entrar em detalhes sobre as fórmulas das rações produzidas pela Zion. Ainda, tendo em vista que o foco do trabalho não é o processo produtivo, mas sim a comercialização desses produtos no exterior (a internacionalização da empresa), não há razões para descrevermos o produto tão a fundo, o que não prejudica a análise da empresa Tecnologia A tecnologia utilizada pela empresa abrange todo o conhecimento que a Zion possui em termos de rações e produtos agrícolas. Seus funcionários possuem um cursos relacionados a área ou passam por treinamentos para compreenderem o agronegócio. Toda a equipe, dos diretores aos operários é atualizada sempre que possível em relação às novidades e mudanças sofridas pelo setor. A empresa procura manter modernizado seus equipamentos. Prova disso é troca de algumas máquinas que já eram consideradas obsoletas. O ideal segundo o Diretor Sr. Zilo é que a empresa compre máquinas novas aos poucos, de acordo com capacidade do caixa da empresa. A compreensão de que a transição tecnológica é fundamental (atualização e compra de máquinas e equipamentos) em uma empresa já é um grande diferencial da Zion em relação 4 Cocho é o recipiente onde o tratador coloca a comida para o boi ou para o cavalo.

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Nicola Minervini Santa Catarina, 02-05/12/2014 Sumario Desafios da empresa Ferramentas para a competitividade O porque das alianças Formas de alianças

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes

Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes 1 Conceito de Agronegócio As propriedades rurais tradicionais eram muito diversificadas, com várias culturas e criações

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Doutorando História das Ciências UFBA,UEFS ABA QUALYAGRO PEC NORDESTE 2013 Guilherme Augusto Vieira gavet@uol.com.br Agronegócio Contexto Pessoal Início trabalhos com Agronegócio

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

negócios agroindustriais

negócios agroindustriais graduação administração linha de formação específica negócios agroindustriais Características gerais A Linha de Formação Específica de Negócios Agroindustriais da Univates visa ao desenvolvimento de competências

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL INTEGRAÇÃO CONTRATUAL Uma Estratégia de Acesso ao Mercado Internacional Pedro Viana Borges Esp. Pol. Públicas P e Gestão Governamental Internacionalização de Cooperativas Integração Regional no Mercosul

Leia mais

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa Nossa História Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa O desafio é imenso: acabar com a fome, dobrar a produção de alimentos até 2050 e ajudar a reduzir o impacto ambiental da agricultura

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Curitiba, 18 de março de 2015. 1 SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Sumário APRESENTAÇÃO... 3 JUSTIFICATIVAS E BENEFÍCIOS... 3 COMO OBTER O SELO...

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio. Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras

Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio. Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras Prospecção do conhecimento Defina agronegócio Cite, conforme seu conhecimento e

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PÚBLICO ALVO

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PÚBLICO ALVO SUMÁRIO 4 APRESENTAÇÃO DO PROJETO 6 JUSTIFICATIVA 7 OBJETIVOS 7 PÚBLICO ALVO 8 HISTÓRICO DO EVENTO 12 EMPRESAS E INSTITUIÇÕES PARCEIRAS APRESENTAÇÃO DO PROJETO Foto 1: Vista aérea do evento A Expoarroz

Leia mais

CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS.

CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS. CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS. A Experiência dos Agrupamentos Vitícolas de Petrolina (Brasil) e Tierra Amarilla (Chile). Estrutura do Trabalho: 1.

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

Seminário O Impacto das Mudanças Climáticas no Agronegócio Brasileiro

Seminário O Impacto das Mudanças Climáticas no Agronegócio Brasileiro Seminário O Impacto das Mudanças Climáticas no Agronegócio Brasileiro Monitorando riscos e oportunidades: Como as grandes empresas estão se preparando para as mudanças climáticas André Nassar 8 de maio

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO Dos cursos mais procurados pelos estudantes, o de Administração é um dos mais novos. Enquanto Medicina e Direito formam profissionais desde o século 19, foi apenas em 1946 que

Leia mais

Seus serviços vão além das fronteiras?

Seus serviços vão além das fronteiras? Seus serviços vão além das fronteiras? Negócios Internacionais Oportunidades para o setor de serviços Globalização Transformações de ordem política, econômica e cultural mundial Mais intensidade nas últimas

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE S (ÁREA: GESTÃO) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011

TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 Dispõe sobre os contratos de integração, estabelece condições, obrigações e responsabilidades nas relações contratuais entre produtores integrados e

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Governo do Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Integração Contratual para Acesso a Mercado Rodolfo Osorio de Oliveira Coordenador

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

GRUPO OURO FINO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MODELO DE GESTÃO INOVAÇÃO ABERTA

GRUPO OURO FINO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MODELO DE GESTÃO INOVAÇÃO ABERTA GRUPO OURO FINO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MODELO DE GESTÃO INOVAÇÃO ABERTA Ms.Lucimara C. Toso Bertolini. Gerente PD&I OURO FINO AGRONEGÓCIOS DIVISÃO SAÚDE ANIMAL 1987: Nasce a Ouro Fino

Leia mais

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios Você é nosso convidado para participar

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

A China e o agronegócio brasileiro: Complexo Soja

A China e o agronegócio brasileiro: Complexo Soja A China e o agronegócio brasileiro: Complexo Soja Conselho Empresarial Brasil China ABIOVE Carlo Lovatelli Presidente Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais 1 de Junho de 2005 1 Brasil

Leia mais

PROJETO INTERNACIONAL

PROJETO INTERNACIONAL PROJETO INTERNACIONAL EM 10 PASSOS Ubirajara Marques Direitos: Todos os direitos reservados para Center Group International Duração: 1 hora Apresentação: Linguagem simples, para micros e médios empresários

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

5 Conclusões. Estratégias Café Verde. peneiras) peneiras) cereja descascado) - certificação orgânica internacional (IBD)

5 Conclusões. Estratégias Café Verde. peneiras) peneiras) cereja descascado) - certificação orgânica internacional (IBD) 5 Conclusões A partir do objetivo principal deste estudo, que buscava identificar as estratégias de marketing adotadas pela empresas Alfa e Beta para comercializar o seu produto no exterior, bem como os

Leia mais

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho Perfil do Curso É o gerenciamento dos recursos humanos, materiais e financeiros de uma organização. O administrador é o profissional responsável pelo planejamento das estratégias e pelo gerenciamento do

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Empresa. Cliente. Ramo de Atividade. Logomarca. Localização

Empresa. Cliente. Ramo de Atividade. Logomarca. Localização Empresa Cliente Razão Social: Barraco Resto Bar LTDA. Fantasia: (Barraco) Ramo de Atividade Comércio de Bebidas e Petiscaria Logomarca Localização Avenida das Esmeraldas 609 Marília/SP Cidade de Marília

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA 1 CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA O Sr. Roberval, proprietário de uma pequena indústria, sempre conseguiu manter sua empresa com um bom volume de vendas. O Sr. Roberval acredita que uma empresa, para ter sucesso,

Leia mais

SETOR EQÜINO MOVIMENTA R$ 7,3 BILHÕES POR ANO

SETOR EQÜINO MOVIMENTA R$ 7,3 BILHÕES POR ANO SETOR EQÜINO MOVIMENTA R$ 7,3 BILHÕES POR ANO Pio Guerra 1, Sidney Almeida Filgueira de Medeiros 2 A importância dos eqüinos para o desenvolvimento do Brasil pode ser observada desde os tempos do Brasil-Colônia,

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA

PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA (Coordenação de Agropecuária) E DA GEPAD (Gerência de Planejamento,

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Novembro 2009

SUMÁRIO EXECUTIVO. Novembro 2009 SUMÁRIO EXECUTIVO Novembro 2009 1 Introdução A Biomm se dedica ao desenvolvimento de processos de produção baseados na biotecnologia, área em que a sua equipe foi pioneira no Brasil desde os anos 1970.

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO.

FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO. FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO. Um dos principais pilares da economia, o agronegócio é marcado pela competitividade. Com 15 anos de experiência, a SIAGRI é uma das mais completas empresas

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais A Importância do Entendimento na elaboração das diretrizes Estratégicas do Negócio Autores Frederico Fonseca Lopes (fflopes@markestrat.org):

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Projeto Execução Expositores

Projeto Execução Expositores Projeto Execução Expositores Realização: Cooperativa Agropecuária Petrópolis PIA EMATER RS ASCAR Prefeitura Municipal de Nova Petrópolis A ENTIDADE PROMOTORA DO RURALSHOW 2014. COOPERATIVA AGROPECUÁRIA

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS Diretriz 01: Desenvolvimento e inovação de tecnologias para o aproveitamento de resíduos agrossilvopastoris 1.Estabelecimento de linhas de financiamento em condições específicas

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais