O COMPLEXO UNIVERSO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O COMPLEXO UNIVERSO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA"

Transcrição

1 CAPA

2

3 O COMPLEXO UNIVERSO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA Organizadores Maria Taís de Melo Fernando José Spanhol Maritê Inez Argenta 1ª edição Palmas - TO Unitins 2012

4 GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS Governador José Wilson Siqueira Campos Secretário de Educação Danilo de Melo Souza FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS Reitor Joaber Divino Macedo Vice-Reitor Fernando José Spanhol Pró-Reitora Pró-Reitora de Pró-Reitor de Graduação Extensão e Pós-Graduação de Pesquisa Denise Sodré Dorjó Fátima Ribas Joseano Carvalho Dourado Coordenação editorial e revisão linguístico-textual Silvéria Aparecida Basniak Schier Projeto gráfico e capa Rogério Adriano Ferreira C736 O complexo universo da dependência química / organização de Maria Taís de Melo; Fernando José Spanhol; Maritê Inez Argenta; autores, Deyse Silvia Botelho Barbosa... [ et al. ]. 1. ed. Palmas: Editora UNITINS, p.; 21x14,8 cm. ISBN 1. Dependência química. 2. Drogas. I. Fundação Universidade do Tocantins. II. Melo, Maria Taís de. III. Spanhol, Fernando José. IV. Argenta, Maritê Inez.

5 APRESENTAÇÃO O tema dependência química tem despertado atenção e está no cerne de debates e pesquisas na área da saúde, pois o uso de substâncias químicas traz inúmeras consequências, como traumatismos, lesões neurológicas, tumores e transtornos mentais. Todos os profissionais da saúde, da educação e de áreas afins, no exercício de suas atividades, terão, em alguns momentos, contato com usuários que apresentam transtornos decorrentes da dependência química. Entretanto poucos profissionais são capacitados para o atendimento desses usuários durante sua formação acadêmica e não se sentem capazes de realizar diagnóstico e de atuar em ações preventivas nessa área. O resultado desse processo acaba sendo o paciente tratado das complicações secundárias ao uso de substâncias psicoativas. Com isso, as causas primárias acabam sendo negligenciadas, e, consequentemente, o paciente não recebe orientação adequada para o seu processo de tratamento. Pelo exposto, torna-se necessária a capacitação adequada de profissionais a fim de que possam prestar ao usuário e a seus familiares um tratamento com eficiência e eficácia. Acredita-se que o acesso à construção de novos conhecimentos é uma forma de prevenção e de incentivo ao tratamento. Sabe-se que, se já é difícil o acesso à informação qualificada aos profissionais da saúde mental que lidam diretamente com essa problemática, mais inacessível é ainda para os outros profissionais, principalmente os educadores. Partindo dessa premissa, em 2010, no município de São José em Santa Catarina, iniciou-se o projeto Prevenção à Dependência Química, que realizou, como primeira ação, um curso de aperfeiçoamento em dependência química, com carga horária de 180 horas, no maior hospital público de Santa Catarina, o Hospital Regional de São José-Homero de Miranda Gomes. Na sequência, foram realizados cursos com trezentos profissionais da educação do município de São José e duzentos do município de Palhoça. Também houve capacitação de toda a rede de saúde de São José, mais de setecentos profissionais. Esse trabalho foi realizado com a parceria da Associação de Amigos do Hospital Regional (AAMHOR), da Receita Federal de Santa Catarina e das prefeituras de São José e Palhoça com a coordenação do Instituto para Formação Continuada em Educação (IFCE). 5

6 Em 2011, a Fundação Universidade do Tocantins (Unitins) entrou nesse consórcio pela vida e ofereceu o curso em sete municípios de Santa Catarina e sete do Tocantins. Para 2012, almeja levantar recursos para implantá-lo em seus 257 polos no Brasil. Esta coletânea é fruto do trabalho realizado durante esses três anos do projeto de extensão e está dividida em três partes: em um primeiro momento, são apresentados trabalhos de alunos do curso de Aperfeiçoamento em Dependência Química do Hospital Regional de São José (SC). Na segunda parte, expõem-se relatos da experiência do curso em SC e no Tocantins. Na terceira parte, apresentam-se dois relatórios de pesquisa elaborados por alunos da Unitins. Com essa metodologia articulam-se, nesta obra, as Pró-Reitorias de Ensino, Pesquisa e Extensão. Maria Taís de Melo Coordenadora do curso de Prevenção à Dependência Química 6

7 SUMÁRIO PARTE I Artigos de alunos do curso de Aperfeiçoamento em Dependência Química - Hospital Regional de São José - SC Cuidando do cuidador: uma proposta de intervenção nas equipes multiprofissionais nas comunidades terapêuticas...11 Do prazer à dor: a trajetória de buscas e perdas no universo da dependência química...16 Representação social do alcoolismo evidenciado nos atendimentos do Serviço Social...24 Uso de morfina por profissionais da Saúde...31 Cocaína como desencadeante do infarto agudo do miocárdio...37 PARTE II Relatos do projeto de extensão Prevenção à Dependência Química desenvolvido em Santa Catarina e no Tocantins Relato do projeto piloto em Santa Catarina...45 A articulação do ensino, da pesquisa e da extensão na construção de uma política social no combate à dependência química...55 PARTE III Relatórios de pesquisa realizados por alunos do curso de Serviço Social EaD da Fundação Universidade do Tocantins Relatório do polo de Joinville - SC...80 Relatório do polo de Criciúma - SC

8 Parte I Artigos de alunos do curso de Aperfeiçoamento em Dependência Química - Hospital Regional de São José - SC 8

9 CUIDANDO DO CUIDADOR: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NAS EQUIPES MULTIPROFISSIONAIS NAS COMUNIDADES TERAPÊUTICAS Deyse Silvia Botelho Barbosa Resumo Dado às peculiaridades do processo de cointernação dos cuidadores em Comunidades Terapêuticas e por representarem um grupo quase sempre com muitas demandas internas e pessoais a serem resolvidas em seus próprios tratamentos e/ou após a eles, este artigo pretende abordar reflexões de como melhor assistir os cuidadores nas Comunidades Terapêuticas. O objetivo é que eles possam reafirmar seus propósitos de abstinência e ter melhor qualidade de vida, visando à administração das frustrações e das interdições de forma que não lhes cause instabilidades e retrocessos ao propósito de abstinência. Além disso, o artigo descreve estratégias para tratamento para dependentes de substâncias psicoativas no modelo da Comunidade Terapêutica, bem como reflete sobre programas de assistência e apoio aos cuidadores de tal forma que lhes viabilizem melhor qualidade de vida, desenvolvimento pessoal, profissional e emocional. Palavras-chave: Comunidade Terapêutica, cuidadores, abstinência e qualidade de vida. Introdução Segundo Marlatt (1999), a maioria das Comunidades Terapêuticas absorve como cuidador de dependentes químicos outros dependentes em processo de recuperação que passaram pelo processo de tratamento e reabilitação semelhante e estão abstinentes. Essas pessoas trazem de suas trajetórias experiências múltiplas, ricas e contextualizadas que muito servirão para respaldar as atividades propostas nos 9

10 programas de tratamento. Por outro lado, em função das condições de trabalho com jornadas ininterruptas, nível de exposição a situações de desgaste e dinâmicas que muito lembram os momentos difíceis do seu próprio tratamento, ressalta-se a importância de serem assistidos psicologicamente para que os fatores externos não coloquem em risco o tratamento daqueles que estão aos seus cuidados, como também deles próprios. Marlatt (1999) descreve que, mesmo desfrutando de descansos e folgas regulares, durante o período em que estão assistindo os internos, muitos dos cuidadores se institucionalizam, ou seja, fazem da Comunidade Terapêutica sua única opção de rede social, privando-se do mundo real e vivendo 24 horas confinados nesse espaço com receio de retomar suas vidas. Este artigo tem como principal objetivo descrever estratégias de cuidados e atendimentos psicológicos aos cuidadores de dependentes de substâncias psicoativas no contexto da Comunidade Terapêutica, visando a melhorar sua prática profissional e sua qualidade de vida. Além disso, objetiva viabilizar a elaboração de procedimentos metodológicos junto aos cuidadores que ampliem sua capacidade de tomada de decisões e assertividade, fomentando a importância do acompanhamento de cuidadores de dependentes químicos, suas relações com os outros integrantes da Equipe Multidisciplinar e suas relações com as pessoas atendidas na Comunidade Terapêutica. 10 Cuidando do cuidador Nas Comunidades Terapêuticas, a base do atendimento está nos saberes e nas práticas coletivizadas, integradas e consolidadas a partir de propostas de trabalhos organizados na integralidade das ações. Por isso Comunidades Terapêuticas quase sempre diferem de outros espaços terapêuticos. Totugui (2003) relata que há uma sobrecarga psíquica enfrentada pelos cuidadores, com visíveis desgastes emocionais, físicos e funcionais mais intensos advindos das longas jornadas de trabalho. O autor ainda comenta que o fato de se concentrar quase sempre em uma única pessoa (pela falta de pessoal técnico especializado) a instância capaz de resolver inúmeras demandas, às vezes muito complexas e diversificadas, aliadas a impactos emocionais conflituosos e jornadas de trabalho intenso, faz dos cuidadores de Comunidades Terapêuticas pessoas

11 com níveis de estresse muito elevado. A convivência diuturnamente com aqueles a quem assistem traz a necessidade de ajuda terapêutica, pois de fato esses colaboradores se desgastam continuamente fazendo com que essa exposição prolongada seja um fator de risco relevante a si próprio, à equipe técnica desses espaços, bem como a todos os assistidos. É de fato uma cointernação e, por isso, traz uma infinidade de situações quase sempre densas em problemas de toda ordem e de níveis de gravidade elevados, o que precisa ser repensado. Assim, uma proposta de programa de assistência a cuidadores de Comunidades Terapêuticas se faz necessário, pois visa à melhoria do desempenho profissional. Nesse sentido, há necessidade de ampliação dos saberes técnicos, metodológicos e administrativos, como também assistência psicológica sistematizada, o que permitiria a apropriação de condutas conciliatórias e mediadoras aliadas à melhor divisão de tarefas e à diminuição da sobrecarga psíquica. A partir dessa proposta, é necessário inserção de outros profissionais de diferentes formações à equipe responsável pelo processo de assistência a dependentes químicos e a possibilidade de garantir a preservação e a ampliação da qualidade de vida desses colaboradores. Colaboradores desses espaços terapêuticos alternativos também buscam pautar suas ações terapêuticas na qualidade técnica, na eficiência e na ética, sem abrir mão do acolhimento, do respeito e da solidariedade a cada uma das pessoas que buscam nesses centros o restabelecimento integral de sua vida focada na funcionalidade e na melhoria de qualidade vida. Assim, faz-se necessário que os gestores das Comunidade Terapêutica atendam à demanda dos cuidadores de tal forma que os afazeres técnico-administrativos e cuidados pessoais, mesmo em diferentes contextos do tratamento possam encontrar respaldo de tal sorte que resulte na viabilização de melhorias técnicoprofissionais, éticas e humanas focadas na ampliação e na consolidação da qualidade de vida pessoal e profissional. Faz-se necessário que se levantem e se analisem questões relevantes no exercício das atividades do cuidador de dependentes químicos no contexto das Comunidades Terapêuticas, para que se amplie a capacidade de tomada de decisões, sua assertividade e qualidade de vida. A elaboração de procedimentos psicoterapêuticos em atendimento aos cuidadores de dependentes químicos pode contribuir para melhoria 11

12 não só de seu desempenho e de sua eficiência, mas também da qualidade de vida. Programas de atendimentos a cuidadores poderiam oferecer um suporte suplementar que visaria ao fortalecimento de suas resiliências, respaldando o enfrentamento dos desafios diários próprios desse espaço. Ao sugerir-se o acompanhamento psicológico aos cuidadores por meio de atividades psicoterápicas voltadas às questões relacionadas ao desempenho profissional, à tomada de decisões, à assertividade, bem como assistência à melhoria da qualidade de vida desses indivíduos, quer-se viabilizar minimização em sua sobrecarga psíquica e possibilidade de melhoria da assistência que prestam aos internos nesse contexto. Ressalta-se também a importância da possibilidade de ampliação da capacidade de resolução de problemas de todas as ordens no contexto de suas vidas pessoais, profissionais, familiares e sociais. Paralelamente a essas ações psicoterápicas, sugere-se a formulação de um programa de educação continuada relativo às várias facetas da dependência química, o que ampliaria o entendimento sobre elementos importantes nem sempre tão claros, como: alterações psicológicas, neurológicas e comportamentais de dependentes químicos no curso da dependência e nos processos de abstinência; estudo ampliado das comorbidades psiquiátricas relacionadas à dependência química e às formas de intervenção incluindo as várias abordagens psicológicas e farmacológicas; estudo dos mecanismos de defesa e das formas de desmobilização; estudo dos processos de ampliação da motivação para o tratamento e para a manutenção da abstinência; abordagem de redução de danos e da prevenção à recaída. Segundo Marlatt (1999), as Comunidades Terapêuticas vêm respondendo a uma pluralidade de necessidades. O autor ainda afirma que apenas a intervenção ou a recuperação do corpo biológico não têm respondido de forma plena às necessidades de saúde, pois vão além e demandam por uma atenção que leve em conta a integralidade do ser humano, a qualidade de vida e a promoção da saúde. 12 Considerações finais A necessidade de ações de atendimentos dirigidos a cuidadores internos em Comunidades Terapêuticas, de tal forma que os ajudem na realização de suas tarefas cotidianas, ao mesmo tempo que permitam

13 a ampliação da capacidade de tomada de decisão e assertividade ao lidarem com situações diárias próprias desse espaço, ficou evidenciada no decorrer deste artigo. Conclui-se que essa situação ocorre porque a maioria dos cuidadores fica imersa no ambiente terapêutico de alta tensão, por longas e exaustivas jornadas de trabalho e exposta a inúmeras e diversificadas demandas. Conclui-se ainda que essas ações devem incluir acompanhamentos psicológicos por meio de atividades psicoterápicas voltadas às questões relacionadas ao desempenho profissional e pessoal, possibilitando a minimização da carga de sofrimento psíquico e, consequentemente, a redução do nível de estresse e ansiedade. Essas ações podem resultar na melhoria da assistência que prestam aos internos, bem como facilitar a resolução de problemas no contexto da vida pessoal, profissional, familiar e social. Outro aspecto relevante observado é a necessidade de atualização constante das várias facetas e abordagens da dependência química. A elaboração de um programa de formação continuada viável e possível de ser sistematizado em Comunidades Terapêuticas poderia ser uma preocupação e um ponto de honra para gestores e terapeutas. Isso de fato poderia resultar em melhoria do desempenho funcional e técnico desses operadores, bem como revisões, ampliações e melhorias contínuas do processo de tratamento nesse espaço terapêutico. Referências MARLATT, G. A. Redução de danos: estratégias práticas para lidar com comportamentos de alto risco. Trad. Daniel Bueno. Porto Alegre: Artes Médicas, TOTUGUI, M. L. Visão histórica e antropológica do consumo de drogas. In: BUCHER, R. O. (Org.). As drogas e a vida: uma abordagem biopsicossocial. São Paulo: CORDATO-EPU,

14 DO PRAZER À DOR: A TRAJETÓRIA DE BUSCAS E PERDAS NO UNIVERSO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA Salete Laurici Marques Dias Resumo Este artigo trata dos fatores que favorecem a aproximação de indivíduos a substâncias psicoativas e da trajetória de perdas vivenciadas quando o uso continuado torna-se um quadro de dependência química. Os objetivos são levantar os facilitadores de acesso ao consumo, demonstrar o conjunto de dificuldades e/ou perdas que o dependente químico experimenta em sua vida social e familiar, bem como abordar as possíveis formas de tratamento em dependência química. A abordagem é feita por meio de uma pesquisa bibliográfica aliada à experiência profissional da autora. Palavras-chave: dependência química, perdas, tratamento. 14 Introdução A dependência química é um tema possível de ser abordado sob diversas nuances. Neste artigo, buscaremos refletir sobre o que leva a pessoa a buscar e introduzir o uso das substâncias psicoativas em sua vida, conceituar os estágios do uso até a dependência e demonstrar o conjunto de perdas no aspecto da saúde, da vida social e familiar do dependente químico. Abordaremos ainda as linhas de tratamento à dependência e as dificuldades de acesso ao tratamento. Este estudo foi feito a partir de uma pesquisa bibliográfica, procurando contribuir com os demais profissionais da área. Enquanto profissional da Saúde e atuando como assistente social na emergência geral de um hospital público de grande porte, é comum o contato e a abordagem com pessoas envolvidas com a dependência química. Essa experiência leva-nos a perceber que essas pessoas trilham caminhos semelhantes: seja na fase da aproximação e do encantamento com as substâncias psicoativas, no tempo que levam mascarando o

15 seu uso como se fosse algo que não lhes trouxesse maiores danos, ou quando se percebem dependentes já estão vivenciando problemas físicos, emocionais, familiares e sociais de difícil resgate. O que motiva o ingresso no consumo de drogas Por que tantas pessoas de diferentes faixas etárias e cada vez mais cedo se deixam seduzir pelo álcool, pelo tabaco, por outras drogas ilícitas ou por medicações que causam dependência? O que o usuário busca? Que ganhos se podem obter com o uso? Há elementos facilitadores do uso no estilo de vida atual? A aproximação com as drogas começa com a experimentação início do uso que pode ser uma curtição com os amigos, pela simples banalização do uso (como o caso do álcool, que é servido livremente em festas e confraternizações familiares), por comportamento aprendido (quando o uso é padrão familiar), ou até por prescrição médica, no caso das medicações que causam dependência. É evidente que nem todas as pessoas que experimentam drogas tornam-se dependentes. Entre a experimentação e a dependência, há um processo em que o indivíduo passa a fazer uso repetido, desenvolve tolerância 1, até estabelecer um comportamento compulsivo de consumo. A grande armadilha é que, para se tornar dependente, não há um tempo certo ou uma quantidade limite de consumo preestabelecido, e não raro indivíduos que já desenvolveram um padrão abusivo do uso de substâncias psicoativas creem, fantasiosamente, que podem parar a qualquer momento, sem qualquer sofrimento ou complicação, retardando a percepção de si mesmos como dependentes. A ciência já provou que droga é fonte de prazer, e talvez seja esse o principal motivo de aproximação e encantamento. As substâncias psicoativas geram reações no sistema nervoso central que libera sensações de prazer ao indivíduo. No relato de dependentes químicos que já tiveram suas vidas arrasadas pelo consumo compulsivo de drogas, fica evidente que os curtos momentos de prazer proporcionados pela droga é um preço muito alto na relação custo-benefício, em que a droga gera um prazer momentâneo em troca de uma escravidão permanente. 1 Tolerância é a necessidade de doses crescentes de uma determinada substância psicoativa para alcançar efeitos originalmente obtidos com doses mais baixas. 15

16 A sociedade atual tem sido marcada por grandes revoluções sociais e tecnológicas, como se a rotação da terra tivesse sido acelerada. Na vida social, mudanças significativas ocorreram nas relações de trabalho, na configuração e no funcionamento familiar, exigindo do indivíduo adaptações e estabilidade para experienciar conflitos, competitividade, frustrações e estresse. Tudo isso são elementos a serem pontuados na discussão sobre a dependência química. Diante desse panorama, a utilização de drogas pode manter-se na vida das pessoas como um meio de fuga da realidade, ou anestesiante das situações de estresse. Pode inclusive estar associada a enfermidades como depressão ou outros transtornos psiquiátricos, causando comorbidade 2 ou simplesmente motivada pelo sentimento de inabilidade que o indivíduo atribui a si mesmo diante das dificuldades do dia a dia. Evidentemente, nessa segunda possibilidade, o indivíduo percebe que a utilização da droga em nada lhe auxilia na resolução dos problemas, mas pode possibilitar-lhe um caminho de fuga. 16 A dependência gerando perdas Ingressar no caminho da dependência química é como montar um álbum de figurinhas, em que cada peça é o registro de uma perda importante: de uma pessoa amada ou dos pais que fez sofrer, de um vínculo que se rompeu, de um emprego que se perdeu, de uma confiança que foi quebrada, de uma agressividade gratuita, de um filho que não se viu crescer ou não ajudou a formar, de um(a) companheiro(a) que ficou no caminho, de um patrimônio que se esvaiu, de sonhos que se perderam, da saúde que se destruiu, enfim, de dias amargos de sofrimento. Por conta de tudo isso, o dependente começa a trilhar um caminho solitário como se as outras pessoas deixassem de fazer parte de sua trajetória, num caminho de dormir e acordar na escuridão. O processo do olhar voltado para si se constitui em um momento muito doloroso na maioria dos casos. Junto com a dependência química, o indivíduo desenvolve habilidades para mascarar seu uso e para obter a próxima dose. Com isso, sedimenta desvios de conduta que lhe permitem mentir, omitir, difamar ou roubar, até 2 Comorbidade é a ocorrência conjunta de dois ou mais transtornos mentais ou com outras condições clínicas gerais. A presença de comorbidades entre os usuários de álcool e outras drogas tem sido demonstrada pela literatura médica.

17 que se torne não confiável aos olhos das outras pessoas, em que melhor é não o ter por perto para evitar problemas. Considerando que a confiança é um componente importante nas relações familiares, amorosas e sociais, o dependente químico acaba propiciando seu próprio isolamento. Esses desvios de conduta costumam ser responsáveis pela perda dos vínculos empregatícios e pela marginalização social do dependente químico. Não raro também afeta as relações familiares, embora a família seja, geralmente, a última a largar de mão. Esse abandono também acontece num processo doloroso levando à quebra de vínculo e ao sofrimento de todos. Há uma relação bastante estreita entre dependência química e situação de marginalidade (no sentido de se colocar à margem das regras e do convívio social), derivando daí a imagem negativa que a sociedade vincula ao dependente como bandido, criminoso, ladrão, assassino. Essa imagem limita a compreensão de que dependência química é uma doença e não fraqueza do dependente. É comum o dependente químico colocar-se diante de todas as mazelas geradas pela dependência como vítima da incompreensão dos outros e até buscar, na conduta alheia ou em acontecimentos inevitáveis, motivação para manter-se dependente. Esses sentimentos fazem parte das estratégias de fuga e de negação da responsabilidade pelos seus atos. Nesse ínterim, corroboramos com Laranjeira (2010, p. 8) quando coloca que [...] o uso de substâncias começa com um ato voluntário e a pessoa tem grande responsabilidade pelo seu comportamento e também pela sua recuperação. Portanto, ter uma doença cerebral com essas características não exime de responsabilidade o dependente. A busca por tratamento A busca por tratamento é um capítulo à parte na trajetória do dependente químico, podendo ser tão penosa quanto a própria dependência. Laranjeira (2010, p. 5) expõe que, Na área de tratamento, as pesquisas já avançaram muito nos últimos anos e temos condições de fornecer um sistema efetivo e eficaz para a doença chamada dependência química, no entanto, o 17

18 acesso a um tratamento de qualidade para a maioria da população ainda é um sonho distante. O despertar para o tratamento pode ser motivado pelas perdas já sofridas, como numa atitude desesperada de resgatar família, emprego, dignidade e a si mesmo, ou quando o dependente se percebe como um escravo de sua compulsão e deseja a mudança. Pode também ser motivado por uma atitude de sobrevivência, quando o dependente se sente ameaçado, coagido ou temoroso pela sua vida, necessitando afastar-se temporariamente do circuito de consumo (muito comum o relato de dependentes químicos em débito com os fornecedores de drogas que buscam vagas em locais de internação prolongada sob o argumento de estarem ameaçados de morte). Casos severos com alto grau de consumo de substâncias psicoativas, em que o dependente não consegue mais se responsabilizar pela própria segurança ou imprime risco a terceiros, justificam internações compulsórias, seja pela ação da família ou do Estado. Independente do contexto que motiva a busca por tratamento, o dependente frequentemente se depara com a escassez de vagas e de serviços/instituições, principalmente se tiver pouco ou nenhum recurso financeiro e depender exclusivamente das vagas sociais, subsidiadas por convênios dos municípios ou do Sistema Único de Saúde (SUS). Linhas de tratamento Podemos apresentar algumas formas de tratamento em dependência química: internação, atendimento ambulatorial e grupos de mútua ajuda. Na internação, o dependente entra em pronta abstinência e passa a receber tratamento medicamentoso (seja para contenção, diminuição da fissura ou comorbidades) e/ou psicoterápico, afastandose do contexto que o levava ao uso sistemático de droga. As instituições que promovem internação são hospitais especializados, hospitais gerais, clínicas ou Comunidades Terapêuticas. Há no meio médico diferentes posicionamentos quanto à necessidade de internação. Franco Júnior (2010, p. 1) argumenta que se trata de 18 [...] alternativa, de caráter extremo, deve ser sopesada por equipe multiprofissional habilitada, de

19 acordo com o grau de dependência do paciente. [...] muitas vezes, o tratamento somático e psicossocial bem ajustado, no plano doméstico em ambulatorial, é capaz de inibir o uso de drogas, manejar a fissura, orientar sobre as possíveis recaídas e recuperar pessoas, mas que a internação é, quase sempre, evocada pela família como a primeira e única forma de saída para a crise gerada pelo comportamento desregrado de um de seus membros. A grande maioria das vagas para internação em dependência química se faz nas chamadas Comunidades Terapêuticas, instituições que têm seu regulamento técnico regido pela Resolução da Diretoria Colegiada RDC 101 da ANVISA, de 30 de maio de As Comunidades Terapêuticas são instituições de internação e atenção a pessoas com transtornos decorrentes do uso ou do abuso de substâncias psicoativas, são unidades que têm por função a oferta de ambiente protegido, com responsabilidade técnica, durante período predefinido por programa terapêutico. A crítica que se faz às Comunidades Terapêuticas, tanto pelos estudiosos do assunto quanto pelos próprios internos e familiares, é o forte apelo religioso e até conversão por vezes exigida aos usuários e a aplicação de métodos terapêuticos questionáveis, como trabalho forçado e castigos. Tais métodos sugerem a necessidade de maior fiscalização dos órgãos reguladores. É preciso destacar, porém, que as Comunidades Terapêuticas são responsáveis por muitas histórias de sucesso e que a expansão delas é uma tendência mundial. O acesso às Comunidades Terapêuticas é regido pelo número de vagas disponíveis e também pelas possibilidades de custeio do tratamento. Ou seja, são instituições que, mesmo vinculadas a congregações religiosas e não governamentais, cobram pelo tratamento, pois ofertam serviço de hotelaria e equipe técnica. Assim, o dependente químico que não dispõe de recursos próprios ou da família precisa recorrer às pouquíssimas vagas sociais ou vagas conveniadas pelos municípios, em que é comum a permanência em fila de espera. Na linha ambulatorial, há serviços vinculados a hospitais públicos, geralmente comandados por ambulatórios de psiquiatria, grupos terapêuticos ou atendimento individual em instituições particulares e vinculadas aos núcleos de formação de acadêmicos de Universidades. Enquanto política de Estado, o carro chefe de atendimento ambulatorial são os CAPS (Centros de 19

20 20 Atenção Psicossocial) 3. Nem todos os CAPS têm a especificidade de tratar/acompanhar dependentes químicos. Essa particularidade está firmada apenas aos CAPS AD, e boa parte dos municípios brasileiros ainda não dispõe desse serviço. A grande vantagem do atendimento ambulatorial é que o dependente pode dar continuidade às tarefas do dia a dia, como trabalho, cuidado com os filhos e outros afazeres, e também pode manter em segredo, se assim desejar, que está em tratamento (alguns dependentes temem melindres nos locais de trabalho ou preferem omitir de pessoas sua condição de dependente químico). Para alguns profissionais da área, o tratamento ambulatorial é mais efetivo do que a internação, por tratar a pessoa sem tirá-la do ambiente no qual ela vive. No atendimento ambulatorial, o usuário de substâncias psicoativas tem acesso ao tratamento medicamentoso, ao controle da abstinência, evitando crises e orientações para esquivar-se de recaídas. A terceira linha de tratamento refere-se aos grupos de autoajuda, que são organizados por ex-dependentes e têm como base a troca de experiências e o aconselhamento, por vezes reforçados por princípios religiosos. Os grupos de autoajuda não seguem uma teoria específica, mas são extremamente eficientes e colecionam histórias bem sucedidas. O material humano e o relato da história de vida de outras pessoas que vivenciaram problemas semelhantes e construíram estratégias de se manterem abstinentes atuam como elemento terapêutico. Os grupos já renomados são os AA (Alcoólicos Anônimos), que se destinam a pessoas alcoolistas, os NA (Narcóticos Anônimos), para dependentes químicos, o Amor exigente e Al-Anon, para familiares de dependentes, e o Alateen, para adolescentes. Independente da modalidade de tratamento escolhida ou possível de ser acessada pelo dependente químico, o grande motivador e responsável pelo alcance do controle da dependência e pela abstinência é o próprio 3 Os CAPS são políticas de atendimento do Ministério da Saúde decorrente da luta antimanicomial e da reforma psiquiátrica brasileira. São regulamentados pela Portaria 336/GM e são unidades integrantes do SUS. Estão dispostos nos municípios de acordo com a faixa populacional assim distribuída: CAPS I - para municípios com populações entre e habitantes; CAPS II - para populações entre e habitantes; CAPS III - acima de habitantes (este é o único que funciona 24 horas, incluindo feriados e fins de semana); CAPSi - atende a crianças e adolescentes (até 17 anos de idade); e CAPS AD - atende a usuários de álcool e outras drogas cujo uso é secundário ao transtorno mental clínico.

O COMPLEXO UNIVERSO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA

O COMPLEXO UNIVERSO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA CAPA O COMPLEXO UNIVERSO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA Organizadores Maria Taís de Melo Fernando José Spanhol Maritê Inez Argenta 1ª edição Palmas - TO Unitins 2012 GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS Governador

Leia mais

O COMPLEXO UNIVERSO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA

O COMPLEXO UNIVERSO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA CAPA O COMPLEXO UNIVERSO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA Organizadores Maria Taís de Melo Fernando José Spanhol Maritê Inez Argenta 1ª edição Palmas - TO Unitins 2012 GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS Governador

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico -

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Alessandro Alves Toda vez que se pretende classificar algo, deve-se ter em mente que o que se vai fazer é procurar reduzir um fenômeno complexo que em

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17 Sumário Prefácio... 15 Introdução... 17 1. QUÊS E PORQUÊS... 21 1) O que é droga?... 21 2) O que é vício?... 21 3) O que é dependência?... 22 4) O que é abuso?... 24 5) Que drogas levam a abuso ou dependência?...

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente,

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 04/05/2011. ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Messiano Ladislau Nogueira de Sousa Médico Psiquiatra com aperfeiçoamento em terapia psicanalítica Abril, 2014 Sumário Conceitos

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Patricia Maia von Flach Rede de Atenção Psicossocial PORTARIA 3088 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 OBJETIVOS: I - Ampliar o acesso à atenção psicossocial da população em geral; II

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

REABILITAÇÃO AOS DEPENDENTES QUÍMICOS EM EMPRESA DE ECONONIA MISTA

REABILITAÇÃO AOS DEPENDENTES QUÍMICOS EM EMPRESA DE ECONONIA MISTA 1 REABILITAÇÃO AOS DEPENDENTES QUÍMICOS EM EMPRESA DE ECONONIA MISTA Cláudia Cristina Augusto Currículo: Pedagogia pela - Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1996-1999); Pós-Graduação em Pedagogia

Leia mais

Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica

Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica XXII Curso de Inverno em Atualização em Dependência Química do Hospital Mãe de Deus Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica Ana Paula Pacheco Psicóloga da Unidade de Dependência Química

Leia mais

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam.

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam. Introdução O objetivo deste trabalho é compreender a possível especificidade das famílias nas quais um ou mais de seus membros apresentam comportamento adictivo a drogas. Para isto analisaremos que tipos

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites?

Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites? Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites? Cláudia Fabiana de Jesus Psicóloga e Mestre em Psicologia da Saúde Estimular a reflexão sobre os limites das abordagens Repensar sobre os

Leia mais

SEMINÁRIOS REGIONAIS DA CIDADE DE SÃO PAULO DEPENDÊNCIA QUÍMICA: A REALIDADE NAS SUBPREFEITURAS

SEMINÁRIOS REGIONAIS DA CIDADE DE SÃO PAULO DEPENDÊNCIA QUÍMICA: A REALIDADE NAS SUBPREFEITURAS SEMINÁRIOS REGIONAIS DA CIDADE DE SÃO PAULO DEPENDÊNCIA QUÍMICA: A REALIDADE NAS SUBPREFEITURAS TEMPO E FORTALECIMENTO DA RELAÇÃO COM A DROGA O USO DE DROGA X RELAÇÃO DEPENDENCIA Relações Familiares, trabalho,

Leia mais

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional.

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional. A dependência química é uma síndrome de números superlativos e desconfortáveis; A OMS (Organização Mundial de Saúde) aponta que mais de 10% de qualquer segmento populacional apresenta predisposição à dependência

Leia mais

PROGRAMA TERAPÊUTICO

PROGRAMA TERAPÊUTICO CENTRO DE RECUPERAÇÃO CAMINHO DA VIDA MARECHAL CÂNDIDO RONDON PARANÁ CNPJ: 03.507.934/0001-02 CEP. 85960-000 MARECHAL CÂNDIDO RONDON PR. VILA CURVADO PROGRAMA TERAPÊUTICO 1. INTRODUÇÃO O Programa Terapêutico

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Por meio do Programa Rede Judicial de Proteção objetiva-se reduzir a reprodução de infrações penais semelhantes às cometidas, a partir de intervenções orientadas para

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS XXI ABEAD - RECIFE ROBERTA PAYÁ ROBERTAPAYA@HOTMAIL.COM TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA PARA O TRANSTORNO DO ABUSO DE SUBSTANCIAS Um Modelo Integrativo

Leia mais

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL FRENTE AO TRATAMENTO DOS DEPENDENTES QUÍMICOS

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL FRENTE AO TRATAMENTO DOS DEPENDENTES QUÍMICOS 0. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( )

Leia mais

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012.

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) NORMAS DE FUNCIONAMENTO E HABILITAÇÃO DO SERVIÇO HOSPITALAR DE REFERÊNCIA ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Diário Oficial da União

Leia mais

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos INSTITUTO BAIRRAL DE PSIQUIATRIA Dr. Marcelo Ortiz de Souza Dependência Química no Brasil (CEBRID, 2005) População Geral: 2,9% já fizeram uso de cocaína

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención FORMAÇÃO ANTIMANICOMIAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Autores: Camila Alves Soares Ana Marta Lobosque Sílvia Melo Karine Lage Fonseca Maria Elisa Freitas Camila Castanheira Rodrigues.

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

TÍTULO: SOFRIMENTO PSÍQUICO EM FAMÍLIAS DE DEPENDENTES ALCOÓLICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM

TÍTULO: SOFRIMENTO PSÍQUICO EM FAMÍLIAS DE DEPENDENTES ALCOÓLICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM TÍTULO: SOFRIMENTO PSÍQUICO EM FAMÍLIAS DE DEPENDENTES ALCOÓLICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO AUTOR(ES): ANDRESSA

Leia mais

Suplementar após s 10 anos de regulamentação

Suplementar após s 10 anos de regulamentação Atenção à Saúde Mental na Saúde Suplementar após s 10 anos de regulamentação Kátia Audi Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, 2008 Mercado de planos e seguros de saúde: cenários pré e pós-regulamentap

Leia mais

Esse procedimento estabelece requisitos mínimos a serem observados para o desenvolvimento do programa nas unidades da Vale Fertilizantes.

Esse procedimento estabelece requisitos mínimos a serem observados para o desenvolvimento do programa nas unidades da Vale Fertilizantes. Responsável Técnico: Andrea Maria Cardoso Manarte DIHB GESMA - GASHO Público-alvo: Empregados da Vale Fertilizantes e Contratados 1. OBJETIVO Nº: PGS-3209-46-58 Pág.: 1 de 11 Código de Treinamento: NA

Leia mais

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde SILVIA CURY ISMAEL HOSPITAL DO CORAÇÃO DE SÃO PAULO III Congresso dos Servidores de Saúde

Leia mais

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba:

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Tem por objetivo prestar atendimento aos pacientes internados ou de forma ambulatorial no Hospital, bem como aos seus familiares,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando a atuação de um psicólogo em equipe 57 O casal em psicoterapia deverá ser treinado a identificar seus multidisciplinar de saúde de um órgão público e as normas éticas

Leia mais

ORIENTAÇÃO ÀS CHEFIAS NAS SITUAÇÕES DE FUNCIONÁRIOS COM PROBLEMAS DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS. O PAPEL DA CHEFIA

ORIENTAÇÃO ÀS CHEFIAS NAS SITUAÇÕES DE FUNCIONÁRIOS COM PROBLEMAS DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS. O PAPEL DA CHEFIA ORIENTAÇÃO ÀS CHEFIAS NAS SITUAÇÕES DE FUNCIONÁRIOS COM PROBLEMAS DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS. O PAPEL DA CHEFIA Como chefe de alguém que apresenta problemas relacionados ao uso de álcool e/ou outras drogas,

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, o Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras Drogas 24 horas - CAPS AD III. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e

A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e interdisciplinares, visando à melhoria da qualidade de vida

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

estudo Por ViVian Lourenço 7 4 g u i a d a f a r m á c i a

estudo Por ViVian Lourenço 7 4 g u i a d a f a r m á c i a Sentir dor não é normal A dor é sinal de que algo não vai bem no organismo. Os sintomas estão no cotidiano e é essencial saber a diferença entre a dor crônica e a aguda para buscar o tratamento Por Vivian

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social. Lillyan Justino Tanaka

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social. Lillyan Justino Tanaka Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social Lillyan Justino Tanaka Comorbidade em pessoas com transtorno mental: perfil crescente

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA MULTIDISCIPLINAR DE ESTUDOS SOBRE DROGAS. ABRAMD - Associação Brasileira Multidisciplinar de Estudos sobre Drogas

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA MULTIDISCIPLINAR DE ESTUDOS SOBRE DROGAS. ABRAMD - Associação Brasileira Multidisciplinar de Estudos sobre Drogas ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA MULTIDISCIPLINAR DE ESTUDOS SOBRE DROGAS ABRAMD - Associação Brasileira Multidisciplinar de Estudos sobre Drogas Contribuições para Audiência Pública sobre COMUNIDADES TERAPÊUTICAS

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1)

PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1) Curso Lideres 2004 Salvador Bahia Brasil 29 de novembro a 10 de dezembro de 2004. PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1) Capítulo 1: Antecedentes e considerações gerais Considerando-se

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

A pessoa dependente do álcool, além de prejudicar a sua própria vida, acaba afetando a sua família, amigos e colegas de trabalho.

A pessoa dependente do álcool, além de prejudicar a sua própria vida, acaba afetando a sua família, amigos e colegas de trabalho. O que é Alcoolismo? Alcoolismo é a dependência do indivíduo ao álcool, considerada doença pela Organização Mundial da Saúde. O uso constante, descontrolado e progressivo de bebidas alcoólicas pode comprometer

Leia mais

Esse procedimento estabelece requisitos mínimos a serem observados para o desenvolvimento do programa nas unidades da Vale Fertilizantes.

Esse procedimento estabelece requisitos mínimos a serem observados para o desenvolvimento do programa nas unidades da Vale Fertilizantes. Nº: PGS-3209-46-58 Pág.: 1 de 11 Responsável Técnico: Andrea Maria Cardoso Manarte DIHB GESMA - GASHO Público-alvo: Empregados da Vale Fertilizantes e Contratados Código de Treinamento: NA Necessidade

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Sistema único de Assistência Social

Leia mais

Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química

Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química Entenda como funciona A Clínica Viva desenvolveu um programa intensivo de reabilitação do alcoolismo com abordagem médica e psicoterapêutica individual

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal II JORNADA REGIONAL SOBRE DROGAS ABEAD/MPPE Recife, 9&10 Setembro Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria

Leia mais

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS A prática do aconselhamento desempenha um papel importante no diagnóstico da infecção pelo HIV/ outras DST e na qualidade da atenção à saúde. Contribui para a promoção

Leia mais

Tratamento da dependência do uso de drogas

Tratamento da dependência do uso de drogas Tratamento da dependência do uso de drogas Daniela Bentes de Freitas 1 O consumo de substâncias psicoativas está relacionado a vários problemas sociais, de saúde e de segurança pública, sendo necessário

Leia mais

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não?

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Dependência Química Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Os fatores relacionados ao desenvolvimento da dependência química são variados. O fator genético está bem estabelecido.

Leia mais

Uma luta que se vence diariamente

Uma luta que se vence diariamente ALCOOLISMO Uma luta que se vence diariamente Milhões de pessoas tentam vencer a dependência do álcool, tão perigosa quanto o vício da maconha ou cocaína. Reconhecer o problema e aceitar o apoio da família

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

Cuidados Paliativos em Câncer

Cuidados Paliativos em Câncer Cuidados Paliativos em Câncer Temos assistido nas últimas décadas a um envelhecimento progressivo da população, assim como o aumento da prevalência do câncer. O avanço tecnológico alcançado, associado

Leia mais

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as Saúde Mental-Álcool e Drogas Atenção Básica O nosso modelo tem como proposta a superação da lógica hospitalocêntrica, pressupondo a implantação de serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico, quer

Leia mais

Crack, é possível vencer

Crack, é possível vencer Crack, é possível vencer Prevenção Educação, Informação e Capacitação Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas

Leia mais

2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO

2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO 2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO 3 Você já deve ter percebido que a família é a base de tudo, tendo papel decisivo na formação do sujeito e da própria sociedade. Sabendo da relevância do

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 60 2011 Rede de Atenção Psicossocial Minuta de portaria que aprova as normas de funcionamento e habilitação do Serviço Hospitalar de Referência para atenção às pessoas com sofrimento ou transtorno

Leia mais

SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, IDOSAS E SUAS FAMÍLIAS NO SUAS Tipificação Nacional dos Serviços SUAS/2009

SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, IDOSAS E SUAS FAMÍLIAS NO SUAS Tipificação Nacional dos Serviços SUAS/2009 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SNAS DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL - DPSE SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM

Leia mais

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfretamento ao Crack e Outras Drogas

Leia mais

OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente.

OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente. OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente. Universidade do Vale do Paraíba, Faculdade de Ciências da Saúde,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR Larissa Brito da Silva, Waleria Maria de Sousa Paulino, Stefania Germano Dias, Flavio Pereira de Oliveira, Leilane Menezes Maciel

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

CENÁRIO DAS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR

CENÁRIO DAS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR CENÁRIO DAS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR Aparecida Moreno Panhossi da Silva 1 A construção da Reforma Psiquiátrica representa um movimento em busca de uma prática de assistencia

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

O avanço e o risco do consumo de crack no Brasil

O avanço e o risco do consumo de crack no Brasil O avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Professor Titular de Psiquiatria da UNIFESP INPAD-CNPq (Instituto Nacional de Políticas do Álcool e Drogas) ABP Associacão

Leia mais

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Aspectos da Consciência

Aspectos da Consciência Consciência Aspectos da Consciência Consciência Muitos livros definem a consciência como a percepção atual do indivíduo em relação a estímulos externos e internos isto é, de eventos do ambiente e de sensações

Leia mais

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Diga Não Usando a Razão 1.2 Câmpus de Origem: Panambi

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM PROJETO INTERINSTITUCIONAL SAÚDE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: APOIO PSICOSSOCIAL AS FAMÍLIAS POR MEIO DA PARTICIPAÇÃO DE PAIS EM GRUPOS DE REFLEXÃO Daniela Cristina Grégio

Leia mais

Neste texto você vai estudar:

Neste texto você vai estudar: Prevenção ao uso de drogas Texto 1 - Aspectos gerais relacionados ao uso de drogas Apresentação: Neste texto apresentamos questões gerais que envolvem o uso de drogas com o objetivo de proporcionar ao

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi AUTOVIOLÊNCIA Dalila Santos Daniela Soares Colombi Automutilação Conceito: Comportamento autolesivo deliberado, causando dano tissular, com a intenção de provocar lesão não fatal para obter alívio de tensão.

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens O que é o PSE? O PSE é uma política intersetorial do Saúde e do, instituído em 2007, por decreto presidencial.

Leia mais

Transtornos do Espectro do Autismo

Transtornos do Espectro do Autismo Transtornos do Espectro do Autismo O Município adotou o documento Ministerial, LINHA DE CUIDADO PARA A ATENÇÃO ÀS PESSOAS COM TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO E SUAS FAMILIAS NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL,

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais