Palavras Chaves: O processo de morte e morrer; Tanatologia; Cuidados paliativos; Enfermagem.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras Chaves: O processo de morte e morrer; Tanatologia; Cuidados paliativos; Enfermagem."

Transcrição

1 Curso de Enfermagem Artigo de Revisão A IMPORTÂNCIA DA TANATOLOGIA NA FORMAÇÃO DOS ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM Catiane do Nascimento Souza 1, Nayara Lorena Oliveira de Freitas 1, Alexandre Sampaio², 1 Aluna do Curso de Enfermagem 1 Aluna do Curso de Enfermagem 2 Professor Orientador Resumo INTRODUÇÃO: A formação acadêmica do enfermeiro ensina-o a ter a cura do paciente como objetivo e não a sua morte, mas esta precisa ser considerada na prática clínica e para ter essa experiência são necessários os conhecimentos teóricos da Tanatologia, o estudo da morte e dos processos de morrer. OBJETIVO: Realizar levantamento sobre o conhecimento da Tanatologia clínica pelos acadêmicos de Enfermagem e a importância da implementação da disciplina na grade curricular de uma instituição de ensino superior (IES) do Distrito Federal. JUSTIFICATIVA: O enfermeiro deve conhecer os conceitos da Tanatologia, para que desta forma possa se capacitar e se preparar para as fases do processo da morte do paciente, identificando cada uma delas e prestar uma assistência humanizada para o cliente e seus familiares. METODOLOGIA: Levantamento bibliográfico, a partir dos descritores morte, Tanatologia e Enfermagem. Os critérios de inclusão dos textos na pesquisa foram: publicação entre 2005 e 2014; completos; em língua portuguesa; e diretamente relacionados ao tema. Também foi realizada uma entrevista de campo estruturada, com quatro questões fechadas, de natureza qualitativa e quantitativa, com participação de acadêmicos de Enfermagem do 1º, 2º, 7º e 8º períodos da IES selecionada. RESULTADOS: Para a revisão da literatura foram selecionados 21 textos, que fundamentaram a pesquisa de campo, da qual participaram 85 alunos, com assinatura de Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). CONCLUSÃO: O estudo da Tanatologia no Curso de Enfermagem é superficial e fragmentado, fazendo com que na prática clínica o profissional não tenha conhecimentos suficientes para lidar com a morte e o processo de morrer, de forma humanizada. Palavras Chaves: O processo de morte e morrer; Tanatologia; Cuidados paliativos; Enfermagem. Abstract INTRODUCTION: The academic nursing education teaches you to be patient and not intended to cure his death, but this needs to be considered in clinical practice and to have this experience theoretical knowledge of Pathology are needed, the study of death and the dying process. OBJECTIVE: To survey the knowledge of clinical thanatology by nursing students and the importance of implementing discipline in the curriculum of an institution of higher education (IHE) of the Distrito Federal. JUSTIFICATION: The nurse should know the concepts of Thanatology, so this way can empower and prepare for the phases of the process of death of the patient, identifying each one and provide humanized care for the client and their families. METHODOLOGY: The literature through bibliographic research, the descriptors "death", "Thanatology" and "Nursing". The criteria for inclusion of texts in the research were published between 2005 and 2014, complete, in Portuguese and directly related to the topic. One structured field interviews with four closed questions, qualitative and quantitative, with participation of nursing students from the 1st, 2nd, 7th and 8th semester of the selected IHE, totaling 85 students. RESULTS: For the literature review were selected 21 texts, which supported the field research. CONCLUSION: The study of Thanatology at the Nursing Course is superficial and fragmented, making the professional clinical practice does not have sufficient knowledge to deal with death and the dying process, in a humane way. Key Words: The process of death and dying; Thanatology; Palliative care; Nursing. Contato: Introdução A Tanatologia significa estudo da morte e dos processos de morrer. Esse estudo surgiu como subsidio de conforto aos profissionais de saúde. Uma vez que os enfermeiros são os que mais lutam contra a morte, e este assunto não faz parte do programa de estudo nas universidades e quando ocorre o estudo é superficial, entende-se ser relevante a realização deste estudo (Paula, Deus, Lima, Carolina, Versiani, Silva, 2013). Entretanto, a formação acadêmica dos enfermeiros e dos outros profissionais de saúde ainda é direcionada e intensificada no cuidado para promoção, recuperação e preservação da vida, deixando-os despreparados, técnica e psicologicamente, para o enfrentamento da morte, a partir do entendimento que ela não faz parte da vida (Mascarenhas, Rosa, 2010). A todo instante e de modo intimo dos

2 2 sentimentos, das frustrações e dos medos que são próprios da cultura e dos vividos de cada individuo que padece. Neste sentido, é relevante valorizar a dimensão emocional da equipe de enfermagem, destacando que antes de cuidar do outro que está morrendo, é preciso cuidar da emoção dos que cuidam (Silva Júnior, Santos, Moura, Melo, Monteiro, 2011). A convivência com a morte faz parte do cotidiano dos profissionais de saúde, causando-lhes sobrecarga emocional, ansiedade e depressão. Assim esta convivência com a finitude gera sofrimento para os profissionais. Em sua formação os profissionais de saúde são preparados desde a graduação para recuperar a saúde e preservar a vida (Oliveira, Amaral, Viegas, Rodrigues, 2013). Apesar da morte ser o destino de todas as pessoas, indiscriminadamente, a duração da vida e a maneira de morrer são diferentes: dependem da classe socioeconômica em que a pessoa está inserida (Combinato, Queiroz, 2006). O conhecimento dos significados atribuídos pela equipe ás suas experiências permite definir conceitos, fortalecer teorias, aperfeiçoar métodos de pesquisa, ajudando os profissionais a intervirem efetivamente, respeitando as subjetividades das famílias diante das situações de perda, luto e tomada de decisão (Bousso, Poles, Rossato, 2009). A terminalidade e o evento da morte repercutem na ação do cuidador e na relação com o paciente, o que não significa, porém, que o processo seja irremediavelmente marcado pela desesperança. Técnicas, ações e posturas facilitadoras da elaboração das perdas, consequentes nos óbitos de crianças com câncer. A criança usufruirá melhores condições de cuidados se a ação paliativa for por um cuidador equilibrado em suas questões sobre a morte (Färber, 2013). A doença frequente causa sofrimento e desencadeia a procura de significados, na tentativa, de compreender uma experiência tão avassaladora. Esses significados são moldados pelas crenças e estes inseridos em historias de fé e compreensão do sagrado (Bousso, Poles, Rossato, 2009). A maioria das produções científicas na área de enfermagem e demais cursos da saúde, referem que os atuais conteúdos curriculares destacam, incisiva e enfaticamente, os tipos de tecnologias e medicamentos destinados à cura ou tratamento de enfermidades. Nesse contexto, a formação dos profissionais da saúde, está voltada à defesa da vida e ao combate da temida inimiga morte (Lima et al, 2012). Assim, a morte foi esquecida, sem que a sociedade percebesse que as pessoas sofrem, por não discutirem o tema; por ser algo inconveniente e proibido. Nessa lógica, não se pode expressar os sentimentos reais diante da morte, mesmo quando se perde alguém próximo, nem mesmo manifestar saudade (Mascarenhas, Rosa, 2010). Conforme as informações apresentadas o objetivo geral deste estudo é realizar levantamento sobre o conhecimento da tanatologia clínica pelos acadêmicos de Enfermagem e a importância da implementação da disciplina na grade curricular de uma instituição de ensino superior (IES) do Distrito Federal. Os objetivos específicos são: apresentar um histórico sobre as formas como o ser humano lida com a morte, especialmente nos serviços de saúde; analisar o processo de formação do enfermeiro, nele observando o possível lugar da Tanatologia clínica. Assim, o objetivo deste estudo é realizar levantamento sobre o conhecimento da Tanatologia clínica pelos acadêmicos de Enfermagem e a importância da implementação da disciplina na grade curricular de uma instituição de ensino superior (IES) do Distrito Federal. O estudo justifica-se pelo fato de que o enfermeiro deve conhecer os conceitos da Tanatologia, para que desta forma possa se capacitar e se preparar para as fases do processo da morte do paciente, identificando cada uma delas e prestar uma assistência humanizada para o cliente e seus familiares. Materiais e Métodos Trata- se de um levantamento bibliográfico e uma entrevista de campo estruturada, com quatro perguntas fechadas, de natureza qualitativa e quantitativa, aplicada aos acadêmicos de enfermagem de uma IES no Distrito Federal, com o objetivo de proporcionar o aprofundamento do conhecimento sobre o tema. A entrevista foi submetida ao Comitê de Ética, por meio da Plataforma Brasil. Para o levantamento bibliográfico foram utilizados os descritores Morte, Tanatologia e Enfermagem. Os critérios de inclusão foram: publicação entre 2005 e 2014; completos; em língua portuguesa; e diretamente relacionados ao tema. Os critérios de exclusão foram: publicação anterior a 2005, incompletos, idioma diverso da língua portuguesa e não relacionados ao tema. Os textos selecionados (21) foram

3 3 utilizados para o levantamento bibliográfico. A entrevista foi elaborada a partir da leitura prévia dos textos e aplicada aos acadêmicos do 1º, 2º, 7º e 8º período do curso de Enfermagem da IES selecionada. Os acadêmicos (85) foram informados a respeito do sigilo e anonimato das informações, assinando um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). A entrevista foi aplicada no turno de estudo dos acadêmicos e foi constituída por quatro perguntas, de natureza aberta. A análise observou o conteúdo, mas também a quantidade de acadêmicos que opinaram sobre os temas tratados. O estudo seguiu as normas do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa (NIP), versão 2014, da Faculdade PROMOVE. Levantamento Bibliográfico A única certeza absoluta que o ser humano tem na vida é a de que um dia morrerá. Contudo, as ideias que envolvem os processos de morte e morrer são cheias de incertezas e imprevisibilidade, pois ninguém sabe nem como e nem quando vai morrer. Mas a morte convive constantemente com o indivíduo, seja relacionada aos parentes e amigos ou pessoas desconhecidas. A morte e o morrer foram enfrentados de formas distintas pela humanidade, durante a história e assumiram significações diversas, de acordo com a época e a cultura dominante, passando do âmbito doméstico para o cenário hospitalar, na medida em que as pessoas passaram a ter acesso aos serviços organizados de saúde (Silva Júnior, Santos, Moura, Melo, Monteiro, 2011). Os estudos sobre a morte se desenvolveram após as Guerras Mundiais, mas a sistematização da Tanatologia foi feita a partir da década de 1970, nos Estados Unidos, com a fundação da Association for Death Education (ADEC), que passou a divulgar o tema do estudo da morte por meio de encontros e workshops, além de incrementar a educação e o preparo dos profissionais que mais diretamente lidam com o assunto, como enfermeiros e médicos. No Brasil, os estudos se intensificaram a partir da década de 1980 e contam com referências importantes, como o Laboratório de Estudos sobre o Luto, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC) e o Laboratório de Estudos sobre a Morte no Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP) (Kovács, 2008). O pioneirismo dos estudos sobre Tanatologia no Brasil é creditado à Wilma da Costa Torres, que, na década de 1970, começou a publicar estudos sobre o conceito da morte em crianças, nos Arquivos Brasileiros de Psicologia. Em 1981, criou, na Fundação Getúlio Vargas (FGV), o primeiro curso de especialização em Tanatologia, desenvolvendo também um serviço de documentação e consultoria. Mais tarde, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde criou o Núcleo de Estudos e Pesquisas em Tanatologia, com disciplinas também em alguns cursos de graduação. Publicou livros e artigos em periódicos sobre o tema da morte, em seus vários aspectos, inclusive o educacional (Kovács, 2004). Uma área dos estudos sobre a morte que se desenvolveu muito, acompanhado avanços tecnológicos, foi a dos cuidados paliativos, destinados a pacientes gravemente enfermos e sem perspectivas de recuperação, envolvendo toda uma estrutura de atendimento nos hospitais e às vezes no domicílio. Diante do caráter incurável da doença, o paciente ou seus familiares buscam se adaptar à ideia da morte, mas sem renunciar às possibilidades de vida, que são oferecidas pela tecnologia e pela ciência. Entretanto, esses recursos também têm seus limites e chega um momento em que o enfermeiro precisa lidar com a realidade da morte (Menossi, Zorzo, Lima, 2012). A morte refere-se ao momento em que o corpo biológico encontra sua finitude, mas morrer constitui um processo, construído socialmente, constituindo uma angústia metafísica, relacionada com a destruição biológica e a incerteza da vida espiritual, que representa o anseio da chamada eternidade. O processo de morrer começa no próprio ato do nascimento, a separação da mãe e depois a perda do corpo infantil e dos pais, durante a adolescência. Finalmente, a perda da juventude e o envelhecimento, que aproxima o homem cada vez mais da morte biológica. Assim, o processo de morrer também faz parte das relações sociais do ser humano (Brêtas, Oliveira, Yamaguti, 2006). A forma como uma sociedade lida com a morte mostra sua identidade e constitui uma tradição cultural comum. O corpo do morto era tratado de várias formas, com preparações cuidadosas, enterrado ou cremado, de acordo com as crenças de cada civilização. A morte do homem comum não tinha o mesmo significado da morte do herói e a condição social, juntamente com a religiosidade sempre marcou o processo de morrer ao longo da história. A introdução do Cristianismo trouxe o conceito de

4 4 ressurreição, de vida após a morte, de um eterno gozo ou eterno sofrimento (Caputo, 2008). Até meados do século XVIII a morte era um acontecimento público, do qual participavam parentes e vizinhança. O morto era velado em casa e os cortejos fúnebres eram concorridos. Os sepultamentos eram feitos em igrejas e os parentes cuidavam dos túmulos. Contudo, o desenvolvimento da Medicina racionalizou a visão da sociedade sobre a morte, transformando-a em um fenômeno privado e individualista. Os cuidados com o morto e seu túmulo passaram a ser feitos por serviços contratados. Contudo, no mundo ocidental, predominantemente cristão, as pessoas não perderam a preocupação em morrer dignamente. Mas a morte em casa é rara e o ambiente hospitalar passou a ser o seu cenário (Tavares, 2010). Nesse ambiente, a morte se deparou com um objetivo contrário dos profissionais de saúde, que é o de salvar vidas. Para isso, o paciente é submetido a toda sorte de avanços tecnológicos e medicamentosos, na tentativa de prolongar a vida e evitar o que seria o fracasso dos profissionais que dele cuidam. Contudo, existem doenças incuráveis e situações extremas, onde o paciente morre e o profissional se vê diante da impossibilidade da cura e da sua própria mortalidade. Para vencer a impotência diante do fenômeno de morrer busca-se um distanciamento dele, por meio da valorização da técnica e do uso de sinônimos, como óbito (Barros, Martins, 2009). O sentimento de impotência resulta não apenas da constatação pelo profissional que cuida do paciente, principalmente o enfermeiro, de sua própria finitude, mas também da formação insuficiente sobre os processos de morte e de morrer, especialmente nos cursos de graduação, onde o tema raramente é estudado e algumas vezes sob a forma de disciplinas optativas. Quando o enfermeiro passa à prática, no ambiente hospitalar, o conceito de morte se banaliza ainda mais, como forma de negação e de um possível fracasso diante dele (Silva, Ribeiro, Kruse, 2009). A Tanatologia faz parte da Bioética, cujos princípios norteiam as condutas éticas diante do processo de morte do paciente. Esses princípios são a beneficência e a não maleficência, que consistem em buscar o bem máximo do paciente, diminuindo o mal que a doença ou o trauma possam lhe causar; a autonomia, que confere ao paciente o autogoverno do seu processo de morrer; e a justiça, que propõe a imparcialidade na distribuição dos riscos e benefícios, independente das classes sociais a que os pacientes pertençam. Devido à falta de estudos sobre a morte nos cursos de enfermagem, nem sempre o enfermeiro aprende o valor desses princípios, bem como a coloca-los em prática no seu cotidiano de trabalho (Silva, 2011). A realidade da morte do paciente traz para a enfermagem uma forma especial de atuação, na aplicação de Cuidados Paliativos. A expressão tem origem na palavra latina palliare, ou seja, proteger, amparar, cobrir, abrigar e tem por objetivo aliviar o sofrimento do paciente com prognóstico terminal ou doença crônica progressiva. Podem ser aplicados pela equipe de saúde desde o nível da Atenção Básica, no ambiente hospitalar ou domiciliar. Objetiva oferecer apoio físico, psicológico e social ao paciente e sua família, para que tenham bem estar na fase progressiva ou terminal da doença, inclusive após a sua morte. Os Cuidados Paliativos envolvem amor, compaixão e respeito à dignidade do ser humano (Monteiro, Oliveira, Vall, 2010). Um dos principais componentes dos Cuidados Paliativos é a comunicação, que o profissional de enfermagem deve desenvolver com o paciente, caso seja possível, e com seus familiares ou representantes legais. O processo de comunicação pode ser dificultado pelo fato do enfermeiro não saber enfrentar o prognóstico da morte e, assim, deixa-se de estabelecer os elos de confiança e respeito mútuo, necessários nesse momento. Distanciar-se, ser frio e esconder sentimentos são mecanismos de defesa da enfermagem que não facilitam a comunicação. O enfermeiro precisa aprender a enfrentar a morte, refletir sobre o morrer e seus significados e aceitar que a vida humana é finita. Essas reflexões humanizam os Cuidados Paliativos (Rodrigues, Ferreira, Menezes, 2010). A humanização do cuidar relativo ao processo de morrer não prescinde, no entanto, da aplicação de conhecimentos científicos, por parte do enfermeiro, visto que envolve uma complexidade maior do que a cura da doença. Por isso, existem princípios que visam a humanização dos Cuidados Paliativos, mas sem deixar de lado os aspectos científicos. Para aplica-los o enfermeiro precisa ser preparado durante a sua formação e não apenas adquirir conhecimentos que se destinam à cura do paciente, pois a morte é inevitável e o ambiente hospitalar é onde ela é mais

5 5 constante, apesar de todo o aparato tecnológico existente (Silva, Campos, Pereira, 2011). A Organização Mundial de Saúde (OMS) enumerou, em 2002, os seguintes princípios inerentes aos Cuidados Paliativos (Davies, Higginson, 2004): a. Alívio da dor: pressupõe conhecimentos científicos para prescrever medicação adequada, além de considerar medidas não farmacológicas, envolvendo aspectos sociais e espirituais; b. Consideração da morte como um evento natural: a formação profissional direciona o enfermeiro para a cura, mas é preciso adquirir conhecimentos sobre a morte; c. Não acelerar e nem adiar a morte: o diagnóstico da doença deve ter um embasamento seguro, para que se possa acolher e respeitar as decisões do paciente e seus familiares; d. Promoção de atendimento total: o paciente e sua família devem ser tratados também em relação aos aspectos psicológicos e espirituais, para que possam lidar com as perdas inerentes ao processo de morrer; e. Oferecimento de suporte para uma vida ativa: muitos pacientes com prognóstico de morte podem desenvolver diversas atividades, caso estejam conscientes, e deve ser-lhes concedida essa oportunidade; f. Suporte para dificuldades sociais: devido às dificuldades do acesso ao sistema de saúde, o paciente sem possibilidade de cura pode não ter os medicamentos que precisa ou o atendimento necessário nos momentos mais críticos. Então, é preciso que o sistema de saúde esteja mais aberto para esse paciente e sua família; g. Não supervalorizar tempos estimados de sobrevida: muitos pacientes com pouco tempo de vida estimado vivem ainda mais tempo, justamente porque não tiveram sua vida social diminuída antes da hora, mantendo a qualidade de seus relacionamentos; h. Avaliar a capacidade funcional: o sofrimento e não a doença propriamente dita pode diminuir a capacidade para o exercício de algumas atividades da vida diária. Assim, é preciso oferecer com cautela qualquer prognóstico de sobrevida que tome como base a capacidade funcional, mas proporcionar ao paciente as condições de viver com dignidade; i. Início precoce: os Cuidados Paliativos devem acompanhar o tratamento do paciente desde o diagnóstico da incurabilidade da doença, para permitir a antecipação dos sintomas e o seu alívio, por meio de um plano integral de cuidados. Esses cuidados foram recomendados pela OMS para todos os sistemas nacionais de saúde. Como o conceito de Cuidados Paliativos havia sido estabelecido pela OMS desde 1986, muitos países, incluindo o Brasil, já havia traçados estratégias para cumprir essas determinações e oferecer esse tipo de assistência aos pacientes sem possibilidade de cura, a qual se baseia no controle dos sintomas físicos, psicológicos, sociais e espirituais: avaliar antes de tratar; explicar as causas dos sintomas ao paciente; não esperar as queixas; adotar terapias mistas; monitorizar os sintomas; reavaliar as terapias regularmente; cuidar dos detalhes; e estar disponível (Oliveira, 2008). Na assistência em Cuidados Paliativos, o enfermeiro deve valorizar cada detalhe e registrá-lo, pois os pacientes sem possibilidade de cura podem ter sua situação alterada diversas vezes durante o dia. A atenção aos detalhes demonstra conhecimento da história natural da doença e contribui para antecipar determinados sintomas, os quais podem ser combatidos sem o uso de fármacos, por meio de tratamentos alternativos. Caso não deem resultado, o conhecimento também ajuda a escolher as melhores alternativas anestésicas ou cirúrgicas, juntamente com o médico, visando o bem estar do paciente (Oliveira, 2008). Na assistência de enfermagem em Cuidados Paliativos o enfermeiro nunca deve deixar de lado os aspectos éticos, respeitando a individualidade e a vontade de cada paciente ou de sua família, sempre que for manifestada. Cada paciente é único em sua doença e seu sofrimento e as regras de cuidado não podem ser generalizadas. Ao oferecer cuidado humanizado ao paciente sem possibilidade de cura o enfermeiro pode contribuir para aliviar seu sofrimento e até prolongar um pouco mais a vida e quando a sua morte chegar o profissional não precisa ter a sensação de fracasso, mas de dever cumprido, tanto no aspecto técnico e

6 6 científico, quanto humano (Souza, Martins de Souza, Alves e Souza, 2005). Para oferecer Cuidados Paliativos humanizados o enfermeiro precisa adquirir conhecimentos sobre a Tanatologia ainda na graduação, nível de ensino em que os professores precisam exercitar com os alunos a reflexão sobre a importância de existir, para depois refletir sobre o morrer. A experiência dos docentes, no entanto, aponta que os alunos pouco se interessam pelo tema da morte e dos processos de morrer (Pinho, Barbosa, 2010). Os docentes, quase sempre já com experiência hospitalar, sentem-se desconfortáveis, pois a morte para eles é uma experiência real, enquanto para os alunos é apenas um tema de Psicologia Aplicada. Além disso, sentem-se com dificuldades para transmitirem aos alunos uma experiência que, na maioria das vezes, é traumática, especialmente nos estágios iniciais da profissão (Bandeira, Cogo, Hildebrandt, Badke, 2014). No início do curso os acadêmicos veem a morte como inimiga, algo que precisam vencer, para preservar a vida. Se não conseguirem sentem-se fracassados. É preciso oferecer a esses alunos espaços para reflexão, a partir de que sendo a morte um fenômeno anterior a eles, precisam aprender a lidar com ela de forma humanizada, em benefício do paciente e seus familiares, bem como em benefício de si mesmos, para evitar o estresse. É necessário que os alunos cheguem ao final do curso com esses conhecimentos acumulados, pois logo serão profissionais, responsáveis por uma prática clínica (Santos, Bueno, 2011). Na atuação profissional, uma das formas que o enfermeiro encontra para não enfrentar a morte e lidar com o sentimento de impotência diante dela é a confiança excessiva na tecnologia. O conteúdo curricular de Tanatologia teria, assim, a complexa missão de desconstruir, construir e reconstruir novas bases para um ensino que não deixe de lado a morte e os processos de morrer (Lima, Nietsche, Teixeira, 2012). Os acadêmicos de Enfermagem precisam compreender que o seu trabalho lida com os ciclos vitais e isso inclui o último, a morte, que deve ser enfrentada como algo que faz parte da vida do ser humano. Isso não significa endurecer-se diante dela, mas se humanizar diante do paciente que a enfrenta, proporcionando-lhe atenção e conforto (Lima, Nietsche, Teixeira, 2012). Resultados Os sujeitos da pesquisa (85 acadêmicos de Enfermagem) estão distribuídos conforme o Gráfico 1: Gráfico 1 Distribuição dos sujeitos da pesquisa Fonte: Pesquisa Acadêmica, 2014 Foi perguntado ao grupo de acadêmicos se sabiam o significado de Tanatologia. As respostas estão representadas no Gráfico 2: Gráfico 2: Conhecimento autoreferido do significado de Tanatologia Fonte: Pesquisa Acadêmica, 2014 O conhecimento autoreferido é aquele que o sujeito acredita ter sobre determinado assunto. Assim, foi solicitado que marcassem o conceito correto de Tanatologia e as respostas podem ser observadas no Gráfico 3: Gráfico 3 Conhecimento do conceito de Tanatologia evidenciado pelos sujeitos da pesquisa Fonte: Pesquisa Acadêmica, 2014

7 7 Em seguida, foi solicitado aos acadêmicos que se posicionassem sobre a importância do estudo da Tanatologia para o seu futuro profissional. Esse posicionamento está no Gráfico 4: Gráfico 4 Importância atribuída ao estudo da Tanatologia para o futuro profissional Fonte: Pesquisa Acadêmica, 2014 Diante dessa questão, foi perguntado aos acadêmicos se achavam relevante que a Tanatologia fosse incluída como disciplina na grade curricular. As respostas são apresentadas no Gráfico 5: Gráfico 5 Inclusão da Tanatologia no currículo Fonte: Pesquisa Acadêmica, 2014 Discussão O percentual de alunos que admite não conhecer o conceito de Tanatologia é elevado (56,50%). Isso indica que esses acadêmicos não estão preparados para lidarem eficientemente com o fenômeno da morte, por falta de conhecimentos sobre o assunto. Essa situação ocorre no grupo de acadêmicos que inicia o curso de Enfermagem na IES selecionada (1º e 2º semestres), bem como no grupo de acadêmicos que finaliza o curso (7º e 8º semestres). O percentual de alunos que efetivamente sabe o conceito de Tanatologia ficou abaixo da metade (46,08%), sendo que 52,75% dos alunos preferiram deixar a resposta em branco e um aluno marcou uma resposta errada (1,17%). Esse resultado é pertinente com a pergunta anterior, onde a média de 45,24% dos acadêmicos afirmou saber o conceito, número que diferiu do conceito efetivamente correto em 2,58 décimos, favoravelmente aos acadêmicos. Alguns alunos que afirmaram não saber o conceito, na verdade marcaram corretamente a resposta. Entre as duas turmas que mais acertaram o conceito (2º sem. Matutino e 8º sem. Noturno), a primeira turma evidencia maior conhecimento, visto que os que participaram da pesquisa (10 alunos), todos marcaram a resposta correta, enquanto 12 em 26 alunos da outra turma fizeram o mesmo, sendo nessa turma um aluno marcou a resposta errada, em vez de deixar em branco, como os demais colegas. A importância da Tanatologia para o futuro profissional e a sua possível inclusão na grade curricular estão interligadas, contudo com divergência na questão da inclusão. Os acadêmicos consideram importante o conhecimento sobre Tanatologia, para lidar com a prática da Enfermagem, mas quando se trata de incluir na grade curricular os alunos estão concluindo o curso divergem entre si: os acadêmicos do 8% semestre Matutino não concordam com a inclusão da disciplina e os acadêmicos do 8º semestre Noturno são favoráveis. Os resultados apresentados pela pesquisa estão de acordo com a literatura pesquisada, onde os autores encontraram acadêmicos que não tinham conhecimentos sobre Tanatologia. Entretanto, encontraram a mesma situação na prática clínica, evidenciando que o tema da morte ainda constitui um assunto difícil para o enfermeiro. Essa dificuldade em lidar com o problema no cotidiano do seu trabalho pode provocar o distanciamento em relação ao paciente em processo de morte, da sua família, fazendo com que o enfermeiro assuma uma postura aparentemente fria. Considerações Finais O objetivo do estudo foi realizar levantamento bibliográfico e em campo sobre o conhecimento de acadêmicos de enfermagem sobre a Tanatologia, ou seja, o estudo da morte e dos processos de morrer. O levantamento bibliográfico revelou que a Tanatologia é uma disciplina que faz parte de poucos cursos da área de saúde, principalmente a Enfermagem. O posicionamento que se encontra nesses cursos é o de que a morte é algo a ser evitado, principalmente pelo uso de tecnologias cada vez mais sofisticadas.

8 8 Dificilmente se ensina aos acadêmicos a lidarem com um fenômeno que faz parte do ciclo vital do ser humano e que deveria ser encarada nem tanto de forma natural, mas humanizada, oferecendo-se ao paciente que passa pelo processo, Cuidados Paliativos adequados. Para comprovar ou não essas informações foi realizada uma pesquisa de campo, com acadêmicos iniciantes e concluintes do curso de Enfermagem, de uma IES situada no Distrito Federal. Os acadêmicos demonstraram que conhecem pouco sobre o conceito da Tanatologia, principalmente os que estão concluindo o curso. Quase 20% dos acadêmicos concluintes não consideram muito importante que os conhecimentos sobre a morte e o processo de morrer sejam fundamentais para o seu futuro profissional e quase 25% não concordam que a disciplina seja introduzida no curso de Enfermagem. Acredita-se que não desejem postergar sua formatura, o que não ocorre com os alunos iniciantes, os quais gostariam que a disciplina Tanatologia fosse implantada no curso que estão começando, como forma de se prepararem melhor para a prática profissional. A pesquisa não abordou os professores da IES, mas a literatura mostrou que falar sobre a morte não é fácil para os docentes, que se deparam com o desinteresse dos alunos, resultado de conteúdos distanciados da prática. Assim, a introdução de Tanatologia no currículo implicaria em realizar mudanças na forma de tratar o tema, para que os alunos aprendessem a lidar com ele desde o início do curso, de forma humanizada e responsável. Sugere-se, portanto, aos gestores da IES pesquisada que promovam estudos para analisar a viabilidade da introdução da disciplina no currículo do curso de Enfermagem, com palestras, debates, fóruns e ampla consulta aos docentes e discentes de todas as etapas do curso. Essa sugestão leva em conta que o tema tem sido pouco abordado nos cursos de Enfermagem, em disciplinas não específicas, o que deixa o preparo profissional a desejar, no que se refere à morte e aos processos de morrer, conhecimentos essenciais para o cuidado humanizado ao paciente e seus familiares. Agradecimentos: Agradeço em primeiro lugar a Deus, porque sem Ele jamais teria chegado até aqui. Aos meus pais, por terem me apoiado nos momentos difíceis. Eles me incentivaram a prosseguir e jamais desistir. Aos meus avós, que me acolheram em sua casa, pela paciência que sempre tiveram para comigo. Aos meus tios e meus irmãos, pelo carinho. Ao Professor Alexandre Sampaio, pela paciência na orientação, que tornou possível a conclusão desse artigo, e a todos os professores que me ajudaram nessa jornada. Agradeço especialmente a minha Coordenadora do curso, Professora Judith Trevisan, que me ajudou quando precisei dela. Aos meus colegas de curso, pela compreensão e pelo carinho que sempre tiveram comigo. Aos meus colegas de trabalho, que sempre me ajudaram quando precisei, sem questionar. Enfim, quero agradecer a todos que de alguma forma contribuíram para que meu sonho fosse realizado. Catiane do Nascimento Souza Agradecimentos: Obrigada a meu pai, que trabalha dobrado, sacrificou seus sonhos a favor dos meus e me ensinou a lutar com dignidade. Agradeço a minha mãe, que me deu carinho, me ajudou a superar as decepções e me aplaudiu pelas minhas conquistas. Obrigada a minha irmã, que me estendeu a mão quando mais precisei. Agradeço ao Thiago, que fez parte da minha luta diária e me ofereceu seu ombro amigo, quando eu não tinha mais forças para me levantar. Agradeço de coração a minha colega Catiane,

9 9 que soube compartilhar seu conhecimento, suas experiências, seguindo ao meu lado, para a conclusão do curso, com sucesso. Apesar de parecer uma pequena vitória pessoal, foi imprescindível contar com o apoio de todos vocês, para que ela se tornasse grande. Nayara Lorena Oliveira de Freitas

10 10 Referências: 1. Bandeira, D; Cogo, SB; Hildebrandt, LM; Badke, MR. A morte e o morrer no processo de formação de enfermeiros sob a ótica de docentes de enfermagem. Texto Contexto Enferm., 2014; 23(2): Barros AS, Martins CRM. A percepção do técnico de enfermagem sobre sua formação em Tanatologia. Rev. Psicol. UNESP, 2009; 8(1): Bousso RS, Poles K, Rossato LM. Desenvolvimento de conceitos: novas direções para a pesquisa em tanatologia e enfermagem. Rev. Esc. Enferm. USP, 2009; 43(Esp. 2): Brêtas JRS, Oliveira JR, Yamaguti L. Reflexões de estudantes de enfermagem sobre morte e o morrer. Rev Esc Enferm USP, 2006; 40(4): Caputo, RF. O homem e suas representações sobre a morte e o morrer: um percurso histórico. Rev. Saber Acadêmico, 2008; 6: Combinato DS, Queiroz MS. Morte: uma visão psicossocial. Est. Psicol., 2006; 11(2), Davies E, Higginson IJ (Edit.). Better Palliative Care for older people. Geneva: WHO, Färber SS. Tanatologia clínica e cuidados paliativos: facilitadores do luto oncológico pediátrico. Cad. Saúde Colet., 2013; 21(3): Kovács MJ. Notícia: Wilma da Costa Torres ( ): Pioneira da Tanatologia no Brasil. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 2004; 20(1): Kovács MJ. Desenvolvimento da Tanatologia: estudos sobre a morte e o morrer. Paidéia, 2008; 18(41), Lima MGR et al. Revisão integrativa: um retrato da morte e suas implicações no ensino acadêmico. Rev. Gaúcha Enferm., 2012; 33(3): Lima, MGR; Nietsche, EA; Teixeira, JA. Reflexos da formação acadêmica na percepção do morrer e da morte por enfermeiros. Rev. Eletr. Enferm., 2012;14(1): Mascarenhas NB, Rosa DOS. Bioética e formação do enfermeiro: uma interface necessária. Texto Contexto Enferm, 2010; 19(2): Menossi MJ, Zorzo JCC, Lima RAG. A dialógica vida/morte no cuidado do adolescente com câncer. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 2012; 20(1): Monteiro FF, Oliveira M, Vall J. A importância dos cuidados paliativos na enfermagem. Rev. Dor, 2010; 11(3): Oliveira RA (Coord.). Cuidado Paliativo. São Paulo: CREMESP, Oliveira PP, Amaral JG, Viegas SMF, Rodrigues AB. Percepção dos profissionais que atuam numa instituição de longa permanência para idosos sobre a morte e o morrer. Ciência e Saúde Coletiva, 2013; 18(9): Paula BC, Silva BC, Deus CS, Lima MDO, Carolina R, Versiani TC, Silva KR. A importância da tanatologia para o acadêmico de enfermagem artigo de revisão. Rev. NBC, 2013; 3(5): Pinho, LMO; Barbosa, MA. A relação docente acadêmico no enfrentamento do morrer. Rev.

11 11 Esc. Enferm. USP, 2010; 44(1): Rodrigues MVC, Ferreira ED, Menezes TMO. Comunicação da enfermeira com pacientes portadores de câncer fora de possibilidade de cura. Rev. enferm. UERJ, 2010; 18(1): Santos, JL; Bueno, SMV. Educação para a morte a docentes e discentes de enfermagem: revisão documental da literatura científica. Rev. Esc. Enferm. USP, 2011; 45(1): Silva AS. Tanatologia: Bioética, enfermagem e a morte da criança. WebArtigos, 28 abr Silva RS, Campos AER, Pereira A. Cuidando do paciente no processo de morte na Unidade de Terapia Intensiva. Rev Esc Enferm USP, 2011; 45(3): Silva KS, Ribeiro RG, Kruse MHL. Discursos de enfermeiras sobre morte e morrer: vontade ou verdade? Rev. Bras. Enferm., 2009; 62(3): Silva Júnior FJG, Santos LCS, Moura PVS, Melo BMS, Monteiro CFS. Processo de morte e morrer: evidências da literatura científica de enfermagem. Rev. Bras. Enferm., 2011; 64(6): Souza LB, Martins de Souza LEE, Alves e Souza AM. A ética no cuidado durante o processo de morrer: relato de experiência. Rev. Bras. Enferm., 2005; 58(6): Tavares, TR. Um ritual de passagem: o processo histórico do bem morrer. Juiz de Fora: UFJF, 2010.

12 12 APÊNDICE 1: Entrevista Estruturada Curso: Turno: Semestre: 1 Você sabe o que significa Tanatologia? ( ) Sim ( ) Não 2 Se sabe, marque o que significa: ( ) estudo da vida profissional do enfermeiro; ( ) estudo dos processos de morte-morrer e de como lidar com eles; ( ) estudo das práticas de enfermagem na UTI; ( ) estudo das práticas de enfermagem no Pronto Socorro; ( ) estudo das práticas de gerenciamento de enfermagem. A Tanatologia significa estudo da morte e tem como objetivo estudar o processo de mortemorrer, abordando particularidades desse processo, para auxiliar a compreensão daqueles que com eles se defrontam, identificando meios de lidar e avaliar a dor psíquica e as dificuldades impostas pela morte. 3 Você, como acadêmico de enfermagem, acha o tema importante para o futuro profissional? ( ) Sim ( ) Não 4 Como acadêmico de enfermagem, você acha relevante a implementação do tema em sua grade curricular? ( ) Sim ( ) Não

13 13 APÊNDICE 2: Termo de Consentimento Livre e Esclarecido TCLE O(a) Sr.(a) está convidado(a) a participar do projeto: A IMPORTÂNCIA DA TANATOLOGIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO ENFERMEIRO, desenvolvido pelas pesquisadoras Catiane do Nascimento Souza e Nayara Lorena Oliveira de Freitas, acadêmicas de Enfermagem da Faculdade ICESP/PROMOVE. O nosso objetivo é realizar levantamento sobre o conhecimento da Tanatologia clínica pelos acadêmicos de Enfermagem e a importância da implementação da disciplina na grade curricular de uma instituição de ensino superior (IES) do Distrito Federal. O(a) senhor(a) receberá todos os esclarecimentos necessários antes e no decorrer da pesquisa e lhe asseguramos que seu nome não aparecerá, sendo mantido o mais rigoroso sigilo, através da omissão total de quaisquer informações que permitam identificá-lo(a). A sua participação será através de um questionário que o(a) Sr.(a) deverá responder quando solicitado pelos pesquisadores, no lugar e horário em que se encontrar, com um tempo estimado para seu preenchimento de cinco (5) minutos. Pode solicitar mais tempo, se assim o desejar. Informamos que o(a) Sr.(a) pode se recusar a responder qualquer questão que lhe traga constrangimento, podendo desistir de participar da pesquisa em qualquer momento, sem nenhum prejuízo. Os resultados da pesquisa serão divulgados no mural ao lado da Secretaria, na Faculdade ICESP/PROMOVE, podendo ser publicados posteriormente. Os dados e materiais utilizados na pesquisa ficarão sob a guarda das pesquisadoras. Se o(a) Sr.(a) tiver qualquer dúvida em relação à pesquisa, por favor telefone para a acadêmica Catiane do Nascimento Souza, telefone: , no horário vespertino. Este projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da SES/DF, com base em modelo de Termo de Consentimento Livre e Esclarecido elaborado pela FEPECS e adaptado para a presente pesquisa. As dúvidas com relação à assinatura do TCLE ou os direitos do sujeito da pesquisa podem ser obtidos através do telefone: (61) Este documento foi elaborado em duas vias, uma ficará com as pesquisadoras responsáveis e a outra com os sujeitos da pesquisa. Nome/Assinatura Catiane do Nascimento Souza Pesquisadora Responsável Curso de Enfermagem Nayara Lorena Oliveira de Freitas Pesquisadora Responsável Curso de Enfermagem Brasília, de de 2014.

14 ANEXO 1: FOLHA DE ROSTO PARA PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS 14

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Família Secretaria Municipal de Saúde CASC - Centro de Atenção a Saúde Coletiva Administração Municipal Horizontina RS Noroeste do Estado Distante 520 Km da

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

TERCEIRA IDADE - CONSTRUINDO SABERES SOBRE SEUS DIREITOS PARA UM ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

TERCEIRA IDADE - CONSTRUINDO SABERES SOBRE SEUS DIREITOS PARA UM ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA TERCEIRA IDADE - CONSTRUINDO SABERES SOBRE SEUS DIREITOS PARA UM ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Gabriela Pereira Batista, graduanda em enfermagem (UNESC Faculdades) gabrielabio_gabi@hotmail.com

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Assistência na Fase Final da Vida e Luto: Assistência à Família. Ana Paula M. Bragança dos Santos Assistente Social/INCA

Assistência na Fase Final da Vida e Luto: Assistência à Família. Ana Paula M. Bragança dos Santos Assistente Social/INCA Assistência na Fase Final da Vida e Luto: Assistência à Família Ana Paula M. Bragança dos Santos Assistente Social/INCA De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) "Cuidados Paliativos consistem

Leia mais

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos CARTA DE PRAGA Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos A Associação Europeia de Cuidados Paliativos (EAPC), a Associação Internacional

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Graziela Silva do Nascimento Discente do curso de Enfermagem da UFPB. E-mail: graziela_nascimento_@hotmail.com

Leia mais

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Centro de História e Filosofia das Ciências da Saúde Valdir Reginato Espiritualidade

Leia mais

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Fernanda Diniz de Sá 1, Leonildo Santos do Nascimento Júnior, Daniele Nascimento dos Santos, Magdalena Muryelle Silva Brilhante (UFRN

Leia mais

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR INTRODUÇÃO O presente estudo busca refletir a respeito da importância do brincar no ambiente hospitalar. A construção desse material foi feita a partir do contato de três

Leia mais

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 PERFIL DOS PROFESSORES-PESQUISADORES DOS CURSOS DA SAÚDE DE UMA UNIVERSIDADE CEARENSE Palavras-chave: Educação

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Maria Andréa Fernandes

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM Adelita Eneide Fiuza Gustavo Costa de Oliveira RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR II NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE VILA GAÚCHA Porto Alegre

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE CAPACITAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PARA ESTUDANTES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE CAPACITAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PARA ESTUDANTES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE CAPACITAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PARA ESTUDANTES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM MOTA 1, Carla Pimentel; FARIAS 2, Creusa Ferreira; PEDROSA 3, Ivanilda Lacerda 1 Aluno bolsista;

Leia mais

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009)

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) Consulta nº 159.756/08 Assuntos: - Filmagem em interior de UTI. - Legalidade de contratação de médicos plantonistas como pessoa jurídica.

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO Kaisy Pereira Martins - UFPB kaisyjp@hotmail.com Kátia Neyla de Freitas Macêdo Costa UFPB katianeyla@yahoo.com.br Tatiana Ferreira

Leia mais

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI. José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI. José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718 NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718 COMO TUDO COMEÇOU: Demanda da Coordenadora do Voluntariado

Leia mais

O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL

O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL RIBAS, Ana C. -UFPR-GEMSA anacarolinaribas@gmail.com Resumo Nos dias atuais, o papel do enfermeiro nas unidades hospitalares deixou de ser apenas assistencial.

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES CAMARGO, Victor Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva ZUTTIN, Fabiana Docente da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

Cuidados Paliativos em Câncer

Cuidados Paliativos em Câncer Cuidados Paliativos em Câncer Temos assistido nas últimas décadas a um envelhecimento progressivo da população, assim como o aumento da prevalência do câncer. O avanço tecnológico alcançado, associado

Leia mais

Universidade Estadual De Londrina

Universidade Estadual De Londrina Universidade Estadual De Londrina CENTRO DE EDUCAÇÃO, COMUNICAÇÃO E ARTES DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO PEDAGOGIA LONDRINA 2009 2 REITOR WILMAR SACHETIN MARÇAL

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 8. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 8. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 3 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 7 Cronograma de Aulas Pág. 8 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM DOR Unidade Dias e Horários

Leia mais

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Aline Paula

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO A IMPORTÂNCIA DO VOLUNTARIADO NO PROCESSO DO HUMANIZAR FERNANDO BASTOS fernandobastosmoura@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E PROFISSIONAIS DE SAÚDE DIAGNÓSTICO

Leia mais

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R As fases do câncer ANTERIOR AO DIAGNÓSTICO RECUPERAÇÃO OU MORTE DIAGNÓSTICO A FASE

Leia mais

Estágio Curricular Supervisionado

Estágio Curricular Supervisionado Estágio Curricular Supervisionado CURSO DE ENFERMAGEM O curso de bacharelado em Enfermagem do IPTAN apresenta duas disciplinas em seu plano curricular pleno relativas ao estágio: Estágio Supervisionado

Leia mais

DIMENSÃO 8 ATENDIMENTO AOS ESTUDANTES

DIMENSÃO 8 ATENDIMENTO AOS ESTUDANTES DIMENSÃO 8 ATENDIMENTO AOS ESTUDANTES 8.1 CONDIÇÕES INSTITUCIONAIS PARA OS DISCENTES 8.1.1 Facilidade de acesso aos dados e registros acadêmicos 8.1.2 Apoio à participação em eventos, produção e divulgação

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo CREMESP rayer@usp.br

Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo CREMESP rayer@usp.br Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo CREMESP rayer@usp.br Podemos pensar em duas éticas: a ética do próprio indivíduo e a ética do outro. Das diferenças e semelhanças entre elas é que surgirá

Leia mais

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 1 Trabalho de Pesquisa 2 Curso de Graduação em Enfermagem

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas

Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas CLEBER FEIJÓ SILVA DANIELA PATRICIA VAZ TAIS MAZZOTTI cleber.feijo@famesp.com.br danielavaz@famesp.combr tamazzotti@terra.com.br Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

ANJOS DA ENFERMAGEM: EDUCAÇÃO E SAÚDE ATRAVÉS DO LÚDICO

ANJOS DA ENFERMAGEM: EDUCAÇÃO E SAÚDE ATRAVÉS DO LÚDICO 1 IDENTIFICAÇÃO Título: ANJOS DA ENFERMAGEM: EDUCAÇÃO E SAÚDE ATRAVÉS DO LÚDICO Data de realização: Local de realização: IESUR Horário: será definido conforme cronograma Carga horária: definido conforme

Leia mais

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br Psicologia Intensiva uma especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br PSICOLOGIA INTENSIVA O intensivismo é uma especialidade que apresenta um caráter interdisciplinar voltado

Leia mais

TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS.

TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS. CATEGORIA:

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização.

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO.

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. PINOTTI, Elaine Cristina 1 GAZZOLA, Ms.Rangel Antonio 2 RESUMO O objetivo deste estudo é apresentar como os cuidados paliativos podem promover o bem estar e a qualidade de

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 Ementa: Realização de treinamentos, palestras, cursos e aulas por profissionais

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 07/2014 DATA DA ENTRADA: 07 de janeiro de 2014 INTERESSADA: Sra. M. C. da S. CONSELHEIRA CONSULTORA: Dra Hildenete Monteiro Fortes ASSUNTO: classificação

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Srs. Dr. Talmir e Miguel Martini) Dispõe sobre cuidados devidos a pacientes que se encontrem em fase terminal de enfermidade. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Todo paciente,

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 6 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 9 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM BASES DA MEDICINA INTEGRATIVA

Leia mais

MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ

MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES Karem Nacostielle EUFRÁSIO Campus Jataí karemnacostielle@gmail.com Sílvio Ribeiro DA SILVA

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Local PRODEL. Programa de Extensão Institucional

Programa de Desenvolvimento Local PRODEL. Programa de Extensão Institucional Programa de Desenvolvimento Local PRODEL Programa de Extensão Institucional Programa de Extensão Institucional Um programa de extensão universitária é o conjunto de projetos de extensão desenvolvido por

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Programa de Atenção Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC

Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC Serviço de Família acolhedora definição Serviço que organiza o acolhimento de crianças

Leia mais

ATUAÇÃO DO SERVIÇO v SOCIAL JUNTO AO PACIENTE COM QUEIMADURAS POR TENTATIVA DE SUICÍDIO

ATUAÇÃO DO SERVIÇO v SOCIAL JUNTO AO PACIENTE COM QUEIMADURAS POR TENTATIVA DE SUICÍDIO ATUAÇÃO DO SERVIÇO v SOCIAL JUNTO AO PACIENTE COM QUEIMADURAS POR TENTATIVA DE SUICÍDIO 1.AMBULATÓRIO DO CTQ Atendimento ao paciente e familiares, garantindo a permanência de um acompanhante como apoio

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

RELATÓRIO DE INTERCÂMBIO CRInt ECA. Dados do Intercâmbio

RELATÓRIO DE INTERCÂMBIO CRInt ECA. Dados do Intercâmbio RELATÓRIO DE INTERCÂMBIO CRInt ECA Nome: Juliana Malacarne de Pinho No. USP 7166759 Curso ECA: Jornalismo Dados do Intercâmbio Universidade: Universidade NOVA de Lisboa Curso: Comunicação Social Período:

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

PERCEPÇÃO DE PACIENTES IDOSOS ACERCA DA HUMANIZAÇÀO PROFISSIONAL NAS UNIDADES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL NO ALTO SERTÃO PARAIBANO

PERCEPÇÃO DE PACIENTES IDOSOS ACERCA DA HUMANIZAÇÀO PROFISSIONAL NAS UNIDADES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL NO ALTO SERTÃO PARAIBANO PERCEPÇÃO DE PACIENTES IDOSOS ACERCA DA HUMANIZAÇÀO PROFISSIONAL NAS UNIDADES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL NO ALTO SERTÃO PARAIBANO Janaíne Chiara Oliveira Moraes Universidade Federal da Paraíba;

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais