MATEUS COSTA MACCARINI INVERSOR MONOFÁSICO SINCRONIZADO PARA A CONEXÃO DE UM GERADOR EÓLICO À REDE ELÉTRICA: ESTUDO, PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MATEUS COSTA MACCARINI INVERSOR MONOFÁSICO SINCRONIZADO PARA A CONEXÃO DE UM GERADOR EÓLICO À REDE ELÉTRICA: ESTUDO, PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO"

Transcrição

1 MATEUS COSTA MACCARINI INVERSOR MONOFÁSICO SINCRONIZADO PARA A CONEXÃO DE UM GERADOR EÓLICO À REDE ELÉTRICA: ESTUDO, PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS 2009

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA INVERSOR MONOFÁSICO SINCRONIZADO PARA A CONEXÃO DE UM GERADOR EÓLICO À REDE ELÉTRICA: ESTUDO, PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO Dissertação submetida à Universidade Federal de Santa Catarina como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Mestre em Engenharia Elétrica. MATEUS COSTA MACCARINI Florianópolis, Março de 2009.

3

4 Dedico este trabalho aos meus pais Dilson e Cleonice pelo afeto e incentivo sempre incondicional. Aos meus irmãos Márcio e Marcello pela amizade e apoio. iii

5 AGRADECIMENTOS Agradeço ao Professor Ivo Barbi pela orientação e admirável sabedoria, pela ajuda incomparável, pela amizade e por compartilhar uma pequena parte de seus conhecimentos. Com certeza uma das mentes mais brilhantes da Eletrônica de Potência. Aos membros da banca examinadora Professores Kefas Damazio Coelho, Denizar Cruz Martins e Marcelo Lobo Hedwein pelas sugestões e correções, que com certeza ajudaram a engrandecer este trabalho. A todos os professores do INEP, Ivo Barbi, Arnaldo J. Perin, Denizar C. Martins, Enio V. Kassick, João C. Fagundes, Hari B. Mohr e Samir A. Mussa, pelos ensinamentos durante a fase de créditos do mestrado. Aos grandes amigos de turma, Bruno S. Dupczak, Gabriel Tibola, Gierri Waltrich, Gláucio R. T. Hax, Gustavo C. Flores, Roberto F. Coelho, Rodrigo da Silva, Roniere H. Oliveira e Tiago K. Jappe, pela amizade e momentos de descontração. São com certeza jovens brilhantes que tem um futuro promissor. Aos amigos Doutorandos Telles B. Lazzarin e Márcio S. Ortmann pelas discussões e dúvidas sanadas. Não poderia deixar de agradecer a meus primos Leandro e Daniel, meu tio Luiz e minha tia Dulce pela amizade e ajuda durante o mestrado. Sem o apoio de vocês com certeza esse trabalho não seria possível. Agradeço também a minha tia Izabel (tia Nêga ) pela paciência e dedicação para revisar a ortografia da primeira versão deste documento. Aos funcionários do INEP, Regina, Pacheco, Fernando, Coelho e Filipe, pela disponibilidade e pela ajuda no decorrer desta pesquisa. Ao CNPq e à Universidade Federal de Santa Catarina, pelo apoio financeiro e pela estrutura oferecida para a realização do curso. Ao povo brasileiro por financiar meus estudos por meio do CNPq. iv

6 Toda a nossa ciência, comparada com a realidade, é primitiva e infantil - e, no entanto, é a coisa mais preciosa que temos. Albert Einstein ( ) v

7 Resumo da Dissertação apresentada à UFSC como parte dos requisitos necessários para obtenção do grau de Mestre em Engenharia Elétrica. INVERSOR MONOFÁSICO SINCRONIZADO PARA CONEXÃO DE UM GERADOR EÓLICO COM À REDE ELÉTRICA: ESTUDO, PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO Mateus Costa Maccarini Março/2009 Orientador: Ivo Barbi, Dr. Ing. Área de Concentração: Eletrônica de Potência e Acionamento Elétrico Palavras-chave: Energia Eólica, Inversor Monofásico, Três Níveis. Número de Páginas: xxv O objetivo principal deste trabalho é o estudo, projeto e implementação de um conversor CC/CA para a conexão de um gerador eólico à rede elétrica. Faz-se isso utilizando-se um inversor monofásico, com modulação PWM a três níveis, ligado à rede através de um transformador de baixa freqüência. São controladas três variáveis distintas no conversor: a corrente de saída, que deve ser senoidal e com baixa distorção harmônica, a tensão do barramento CC de entrada, que se deve manter regulada e com a ondulação projetada, e a componente média de corrente no primário do transformador, para se evitar que esse último sature. Inicialmente faz-se uma breve introdução sobre o uso da energia eólica, logo em seguida, estuda-se o estágio de potência, malhas de controle e compensadores utilizados e, por fim, implementa-se um protótipo para que seja feita a comprovação experimental de toda a teoria desenvolvida. vi

8 Abstract of Dissertation presented to UFSC as a partial fulfillment of the requirements for the degree of Master in Electrical Engineering. SINGLE-PHASE INVERTER APPLIED AT CONNECTION OF A WIND POWER GENERATOR TO THE ELECTRIC GRID: STUDY, PROJECT AND IMPLEMENTATION Mateus Costa Maccarini March/2009 Advisor: Ivo Barbi, Dr. Ing. Area of Concentration: Power Electronics Key words: Wind Power, Single-Phase Inverter, Three-Level. Number of Pages: xxv The aims of this work are the study, design and implementation of a dc/ac converter for the connection of a wind power generator to the electric grid. It makes use of a single-phase inverter, with three-level PWM modulation, connected to the grid through a low frequency transformer. Three distinct variables are controlled in the converter: the output current, that must be sinusoidal and present low harmonic distortion, the DC link voltage, that must be regulated and within the designed ripple, and the average current component in the primary winding of the transformer, what prevents it from saturating. Initially, a brief introduction on the use of the wind power is performed. Afterwards, studies of the power structure, control models and employed compensators. Finally, a prototype is assembled and tested to validate through experimental results all developed theoretical analysis and design. vii

9 Sumário 1 Introdução Geral Introdução Aerodinâmica Tipos de Aerogeradores A Potência do Vento Potência de Saída de uma Turbina Eólica Ideal Cálculo do Coeficiente de Potência Sistema de Geração de Energia Eólica Considerações Sobre Conexão com a Rede Elétrica Regulação da Tensão Resposta a Perturbações de Tensão Resposta a Perturbações de Freqüência Harmônicas de Corrente Islanding Conclusão Inversor Ponte Completa Monofásico Conectado à Rede Introdução viii

10 2.2 Modulação Modulação a Dois Níveis Etapas de Operação Característica Estática Indutor de Saída Modulação a Três Níveis Etapas de Operação Característica Estática Indutor de Saída Capacitância de Entrada Conclusão Controle do Inversor Conectado à Rede Introdução Funções de Transferência do Inversor Função de Transferência do Inversor para a Malha da Corrente de Saída Função de Transferência do Inversor para a Malha de Tensão CC de Entrada Controle da Corrente de Saída Compensador da Corrente de Saída Ganho do Sensor de Corrente Ganho do Modulador Controle da Tensão CC de Entrada Compensador de Tensão Ganho do Sensor de Tensão ix

11 3.4.3 Ganho da F T MF I (s) Conclusão Projeto dos Compensadores, Estágio de Potência e Circuitos Auxiliares Introdução Dimensionamento do Estágio de Potência Transformador Principal Indutor Capacitor Semicondutores Projeto dos Compensadores Compensador da Corrente de Saída Compensador de Tensão Compensador de Corrente Média no Primário Transformador Auxiliar Circuito de Limitação da Corrente de Pré-carga Referência de Corrente Sensores de Corrente Sensor de Tensão Multiplicador Circuito Somador Condicionador de Sinal Circuito de Proteção Contra Sobretensão Fontes de Alimentação Microcontrolador Conclusão x

12 5 Simulações e Resultados Experimentais Introdução Operação Como Retificador Operação Como Inversor Com uma Fonte de Tensão Contínua na Entrada Com o Gerador na Entrada Conclusão Conclusão Geral 101 Apêndices 104 A Planilha MathCAD Três Níveis 105 B Ensaios Realizados no Transformador 120 C Projeto Físico do Indutor 126 D Código Fonte 130 E Diagrama Esquemático Completo 142 Referências Bibliográficas 153 xi

13 Lista de Figuras 1.1 Típico moinho de vento europeu. (Fonte: World Wind Energy Association - WWEA) Capacidade global instalada por ano. (Fonte: Global Wind Energy Council - GWEC ) Capacidade global acumulada por ano. (Fonte: Global Wind Energy Council - GWEC ) (a) Dez maiores produtores de energia eólica do mundo, (b) Dez países que mais instalaram usinas eólicas em (Fonte: Global Wind Energy Council - GWEC ) Capacidade global instalada - distribuição regional. (Fonte: Global Wind Energy Council - GWEC ) Forças de sustentação e arrasto num aerofólio estacionário Sustentação e arrasto em um aerofólio em translação Definição de ângulo de passo θ P e de ataque γ Exemplos de turbinas: (a) Darrieus (vista frontal), (b) Eixo horizontal (vista frontal) e (c) Savonius (vista superior) Composição de um aerogerador de grande porte. (Fonte: World Wind Energy Association - WWEA) Fluxo de ar atravessando o disco atuador Velocidade e pressão do vento no volume de controle xii

14 1.13 Gráfico que representa o comportamento do coeficiente de potência quando varia-se o fator a Eficiência da turbina em função da razão de velocidades na ponta das pás Potência extraída da turbina ENERSUD GERAR246 em função da rotação da hélice para algumas velocidades do vento Diagrama de blocos do sistema eólico de pequeno porte Destaque para o objetivo do trabalho Inversor monofásico ponte completa Limites estabelecidos pela norma ANSI C84.1, Range A[1] Esquema do inversor ponte completa monofásico Modulação a dois níveis Modulação a três níveis Modulador a dois níveis Primeira etapa de operação Segunda etapa de operação Principais formas de onda para a modulação PWM a dois níveis Variação da razão cíclica em função de meio período da rede para alguns valores de M Variação da ondulação de corrente normalizada em função de meio período da rede para alguns valores de M Modulador a três níveis Primeira e terceira etapa de operação Segunda etapa de operação Quarta etapa de operação Principais formas de onda para a modulação PWM a três níveis xiii

15 2.15 Variação da razão cíclica em função de meio período da rede, para alguns valores de M Variação da ondulação de corrente normalizada em função de meio período da rede para alguns valores de M Comportamento da corrente no capacitor durante as etapas de operação do inversor para modulação PWM a três níveis. (a) Primeira e terceira etapas; (b) Segunda etapa; (c) Quarta etapa Forma de onda da corrente no capacitor para a modulação PWM a três níveis Formas de onda de tensão e corrente no capacitor Diagrama de blocos de controle do inversor Tensão v ab (t) para a operação a três níveis Modelo elétrico equivalente Modelo elétrico equivalente referenciado Circuito equivalente do inversor operando sem corrente na entrada Diagrama de blocos do controle da corrente (a) estrutura do controlador de corrente. (b) diagrama de Bode assintótico da função de transferência do compensador Diagrama de Bode do compensador utilizado e do que seria desejado Pulsos gerados pelo modulador de três níveis Diagrama de blocos do controle da tensão Estrutura do controlador de tensão Sensor de tensão Transformador principal Circuito equivalente do transformador principal Esquema do inversor Semikron xiv

16 4.4 FTMA da corrente de saída (a) estrutura do controlador de corrente. (b) diagrama de Bode assintótico da função de transferência do compensador Diagrama de Bode da F T MA I (s) (a) estrutura do controlador de corrente modificado. (b) diagrama de Bode assintótico da função de transferência do compensador modificado Diagrama de Bode da F T MA I (s) utilizando o controlador modificado FTMA da tensão de entrada (a) estrutura do controlador de tensão. (b) diagrama de Bode assintótico da função de transferência do compensador Resposta em freqüência da F T MA V (s) Implementação do compensador de corrente média do primário do transformador Esquema do transformador auxiliar Estágios da partida do inversor Circuito de pré-carga do capacitor Circuito de partida suave (a) Saída do compensador de tensão (V V cont ). (b) Referência de corrente. (c) Saída do compensador de corrente (V Icont ). (d) Saída do circuito de auxílio à partida suave Circuito comparador Circuito de auxílio a partida suave Circuito de geração da referência de corrente Medidor de corrente do secundário do transformador Medidor de corrente do primário do transformador Medidor da tensão do barramento CC xv

17 4.24 Circuito multiplicador Circuito para a compensação do ganho do multiplicador Circuito somador não inversor Circuito amplificador inversor Circuito subtrator Circuito de proteção contra sobretensões Circuito das fontes auxiliares Diagrama de blocos do inversor juntamente com o microcontrolador Fluxograma da rotina principal Fluxograma da interrupção do PWM e da rotina do barramento CC carregado Fluxograma das interrupções de alta prioridade Circuito de potência simulado para a operação como retificador Circuito de controle simulado Processo de inicialização. (a) Simulação. (b)resultado experimental Corrente e tensão de saída: (a) simulação; (b)resultado experimental Tensão entre os pontos a e b e de entrada: (a) simulação; (b) resultado experimental Circuito de potência simulado para a operação como inversor Circuito de teste para a operação como inversor Corrente e tensão de saída: (a) simulação; (b) resultado experimental Comparação das harmônicas de corrente com a norma IEEE Corrente e tensão no primário do transformador: (a) simulação; (b) resultado experimental Tensão entre os pontos a e b e de entrada: (a) simulação; (b) resultado experimental xvi

18 5.12 Curva de rendimento Comportamento da THD da corrente de saída em função da potência de saída Esquema de ligação do gerador com o inversor Gerador simulado Corrente e tensão de saída. (a) Simulação. (b)resultado experimental Corrente e tensão de linha no gerador. (a) Simulação. (b)resultado experimental E.1 Foto do Protótipo: 1) Inversor Semikron SKS 50 B6U+B2CI 10 V6 ; 2) Placa de controle; 3) Fontes auxiliares; 4) Transformador auxiliar; 5) Transformador principal; 6) Sensor Hall1 e Relé de pré-carga; 7) Chave seccionadora; 8)Indutor; 9) Sensor de tensão e sensor Hall2 ; 10) Resistor de pré-carga xvii

19 Lista de Tabelas 1.1 Especificações da turbina ENERSUD GERAR Constantes empíricas Especificações do inversor Resposta a anormalidades da tensão (IEEE 1547) Resposta do sistema para perturbações de freqüência (base 60 Hz) para IEEE Máxima distorção harmônica de corrente em porcentagem da fundamental (IEEE 1547) Parâmetros do transformador principal Requisitos para o capacitor de entrada Capacitores utilizados Esforços nos semicondutores medidos via simulação numérica Especificações dos semicondutores utilizados Especificações do inversor utilizado Componentes utilizados no compensador de corrente Componentes utilizados no compensador de tensão Especificações do sensor de corrente do secundário do transformador Especificações do sensor de corrente do primário do transformador xviii

20 4.11 Principais características do PIC18F Indicações dos LEDs Análise dos resultados experimentais para a operação como retificador Análise dos resultados experimentais para a operação como inversor Parâmetros simulados do gerador de fluxo axial a imã permanente Resultados experimentais Resultados experimentais e simulados xix

21 Nomenclatura Abreviaturas a.c. A/D Antes de Cristo Analog to Digital BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social CA CC Corrente Alternada Corrente Contínua EEPROM Electrically-Erasable Programmable Read-Only Memory FAE FAIP Fonte Alternativa de Energia Fluxo Axial à Ímã Permanente FRIP Fluxo Radial à Ímã Permanente FTMA Função de Transferência de Malha Aberta IEEE Institute of Electrical and Electronics Engineers IGBT Insulated Gate Bipolar Transistor INEP Instituto de Eletrônica de Potência LED Light Emitting Diode MME Ministério das Minas e Energia PCC Ponto de Conexão Comum xx

22 PFC PI PIC Power Factor Correction (Correção do Fator de Potência) Proporcional Integral Peripheral Interface Controller PROINFA Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica PWM Pulse Width Modulation (Modulação por Largura de Pulsos) UFSC Universidade Federal de Santa Catarina WWEA World Wind Energy Association Símbolos I Lb Ondulação de corrente na indutância de saída do inversor A V Cp Ondulação de tensão no barramento CC do inversor V ɛ I Sinal de erro da malha de controle da corrente de saída V ɛ V Sinal de erro da malha de controle da tensão de entrada V η Rendimento γ Ângulo de ataque da hélice rad λ Razão de velocidades na ponta das pás rad ω R Velocidade angular da turbina rad/s I Lb Ondulação parametrizada de corrente na indutância de saída do inversor ρ Densidade do ar kg/m 3 θ P Ângulo de passo da hélice rad ϕ m Margem de fase o a Fator de interferência do fluxo axial A D Área do disco atuador m 2 A R Área do rotor m 2 xxi

23 A + Área antes do disco atuador m 2 A Área depois do disco atuador m 2 C I (s) Compensador da corrente de saída C P Coeficiente de potência C V (s) Compensador de tensão C in Capacitância de entrada do inversor F D Razão cíclica D 1,2,3,4 Diodos do inversor E c Energia cinética J f c Freqüência de cruzamento Hz F D Empuxo axial na turbina N f R Freqüência da rede elétrica Hz f S Freqüência de comutação Hz f Ip1 Freqüência do pólo 1 do compensador de corrente da saída Hz f Ip2 Freqüência do pólo 2 do compensador de corrente da saída Hz f Iz Freqüência do zero do compensador de corrente da saída Hz F T MA I (s) Função de Transferência de Malha Aberta da corrente de saída F T MA V (s) Função de Transferência de Malha Aberta da tensão de entrada F T MF I (s) Função de Transferência de Malha Fechada para o controle da corrente de saída g Aceleração da gravidade m/s 2 H I (s) Função de transferência do inversor para a malha de controle da corrente de saída H V (s) Função de transferência do inversor para a malha de controle de tensão Hall1 Sensor de corrente do secundário do transformador Hall2 Sensor de corrente do primário do transformador xxii

24 I Bcc Corrente no barramento CC A I Cmpc Corrente média no capacitor de entrada para um período de comutação A I Cp Corrente de pico no capacitor de entrada A I in Corrente de entrada do inversor A I Lb Corrente na indutância de saída A I linha Corrente de no gerador A I op Corrente de pico na saída A I P pc Corrente no primário do transformador durante a pré-carga A K Hall1 Ganho do sensor Hall1 K Mv Ganho do sensor de tensão K P W M Ganho do modulador PWM L b Indutância de saída do inversor H M Índice de modulação m Massa kg N P Número de espiras do primário do transformador N S Número de espiras do secundário do transformador P Potência W P D Potência extraída do vento pelo disco atuador W P V Potência do vento W p Pressão atmosférica Pa p Dj Pressão à jusante do disco atuador Pa p Dm Pressão à montante do disco atuador Pa P o Potência de saída do inversor W Q 1,2,3,4 Interruptores do inversor xxiii

25 R R Raio do rotor m R P C Resistor de pré-carga Ω t Tempo s T S Período de comutação s V Velocidade m/s V in Tensão de saída do sensor de tensão V V D Velocidade do vento no disco atuador m/s v o (t) Tensão da rede elétrica V V V Velocidade do vento m/s V ab Tensão entre os pontos a e b do inversor V V ce Tensão coletor emissor do IGBT V V Hall1 Tensão de saída do sensor Hall1 V Hall2 Tensão de saída do sensor Hall2 V ICCcont Tensão de saída do compensador de corrente média V V V V Icont Tensão de saída do compensador de corrente de saída V V in Tensão de entrada do inversor V V IRefp Valor de pico da referência da corrente de saída V V Iref Referência da corrente de saída V V linha Tensão de linha no gerador V V op Tensão de pico da rede elétrica V V o Tensão eficaz da rede elétrica V V P prim Tensão de pico no primário do transformador V V tri Tensão de pico do sinal da triangular V V V cont Tensão de saída do compensador de tensão V xxiv

26 V V j Velocidade do vento depois da turbina m/s V V ref Referência da tensão de entrada V X C Impedância capacitiva Ω xxv

27 Capítulo 1 Introdução Geral O vento e as ondas estão sempre a favor do navegador habilidoso. Edward Gibbon 1.1 Introdução O uso da energia contida nos ventos não é recente, pois os europeus chegaram às Américas utilizando caravelas que eram movidas pelo vento. Muitos países prosperaram no período das grandes navegações utilizando a energia eólica. Em terra, tem-se notícias que o imperador da Babilônia Hammurabi planejou o uso de turbinas eólicas para irrigação em 1700 a.c.[2]. Na Europa, os moinhos de vento surgiram na idade média. Eles eram usados para moer grãos, serrar madeira e mover ferramentas em geral[3]. Um típico moinho de vento europeu está ilustrado na figura 1.1. Figura 1.1: Típico moinho de vento europeu. (Fonte: World Wind Energy Association - WWEA)

28 1. Introdução Geral 2 A Dinamarca foi o primeiro país a utilizar o vento para geração de eletricidade. Em 1890 os dinamarqueses já utilizavam turbinas eólicas de 23 m de diâmetro para gerar eletricidade. Em 1910 inúmeras unidades com capacidade de 5 a 25 kw estavam em operação na Dinamarca[2]. Atualmente o uso da energia eólica vem crescendo cada vez mais ano após ano. Em 2007 foram instalados mais de 20 GW em energia eólica, liderados pelos Estados Unidos, China e Espanha, aumentando a capacidade global instalada para mais de 94 GW, como pode ser visto nos gráficos das figuras 1.2, 1.3 e 1.4b. CAPACIDADE GLOBAL INSTALADA POR ANO MW Figura 1.2: Capacidade global instalada por ano. (Fonte: Global Wind Energy Council - GWEC ) CAPACIDADE GLOBAL ACUMULADA POR ANO MW Figura 1.3: Capacidade global acumulada por ano. (Fonte: Global Wind Energy Council - GWEC )

29 1. Introdução Geral 3 Resto do Mundo Portugal Reino Unido França Itália Alemanha Resto do Mundo Canadá Reino Unido Portugal Itália França EUA Dinamarca Alemanha China EUA Índia Índia Espanha Espanha China MW % Alemanha , 6 EUA , 9 Espanha , 1 Índia , 5 China , 4 Dinamarca , 3 Itália , 9 França , 6 Reino Unido , 5 Portugal , 3 Resto do Mundo , 8 Total Dez Maiores ,2 Total ,0 (a) MW % EUA , 1 Espanha , 5 China , 2 Índia , 6 Alemanha , 3 França 888 4, 4 Itália 603 3, 0 Portugal 434 2, 2 Reino Unido 427 2, 1 Canadá 386 1, 9 Resto do Mundo , 6 Total Dez Maiores ,4 Total ,0 (b) Figura 1.4: (a) Dez maiores produtores de energia eólica do mundo, (b) Dez países que mais instalaram usinas eólicas em (Fonte: Global Wind Energy Council - GWEC ) No ano de 2007 os Estados Unidos aumentaram sua capacidade instalada em 45%, totalizando agora 16 GW de capacidade. A China adicionou mais 3,5 GW, em 2007 somando mais de 6 GW de instalações eólicas. Já na Europa, a Espanha teve o maior crescimento, adicionando 3,5 GW, ficando em terceiro lugar no ranking global com uma capacidade instalada de mais de 15 GW, como é apresentado na figura 1.4a. A figura 1.5 apresenta a capacidade global instalada em energia eólica dividida por regiões. No Brasil o uso da energia eólica está apenas no início. Criado em 2002, o Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica (PROINFA), programa criado pelo Ministério das Minas e Energia (MME), estabelece a contratação de 1,1GW em capacidade eólica instalada. Com o auxílio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) uma linha de crédito financiará até 70%, da obra cabendo aos investidores garantir 30% por capital próprio.

30 1. Introdução Geral 4 CAPACIDADE GLOBAL INSTALADA (MW) - DISTRIBUIÇÃO REGIONAL Total em 2006 Novo 2007 Total em 2007 ÁFRICA & ORIENTE MÉDIO ÁSIA EUROPA AMÉRICA LATINA & CARIBE AMÉRICA DO NORTE OCEANIA Egito Morrocos Irã Tunísia Outros Total Índia China Japão Taiwan Coréia do Sul Filipinas Outros Total Alemanha Espanha Dinamarca Itália França Reino Unido Portugal Holanda Áustria Grécia Irlanda Suécia Noruega Bélgica Polônia Resto da Europa Total Europa Somente EU Brasil México Costa Rica Caribe (Sem Jamaica) Argentina Colombia Jamaica Chile Cuba Total EUA Canadá Total Austrália Nova Zelândia Melanésia, Micronésia e Polinésia Total Total no Mundo Cabo Verde, Israel, Jordânia, Nigéria, África do Sul; 2 Bangladesh, Indonésia, Sri Lanka; 3 Bulgária, Croácia, Chipre, República Tcheca, Estônia, Ilhas Faroé, Finlandia, Húngria, Islândia, Letônia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Noruega, Romênia, Rússia, Eslováquia, Eslovênia, Suíça, Ucrânia; 4 Áustria, Bégica, Bulgária, Chipre, República Tcheca, Dinamarca, Estônia, Finlandia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Holanda, Polônia, Portugal, Romênia, Eslováquia, Eslovênia, Espanha,S uécia, Reino Unido; Figura 1.5: Capacidade global instalada - distribuição regional. (Fonte: Global Wind Energy Council - GWEC )

31 1. Introdução Geral 5 O conselho da World Wind Energy Association (WWEA) atribuiu ao Brasil o prêmio World Wind Energy Award 2007 pela implementação do PROINFA. Até 2008 o nosso país terá uma capacidade total instalada de 1,423 GW. Atualmente temos 237 MW (figura 1.5), dos quais 208 MW foram instalados com o auxílio do PROINFA em 2006[4]. Neste capítulo introdutório serão tratadas algumas generalidades acerca da energia eólica e sobre o sistema que será utilizado neste trabalho. A seguir, são apresentados alguns conceitos básicos sobre aerodinâmica, energia cinética do vento, rendimento das turbinas e também uma revisão sobre o gerador utilizado. 1.2 Aerodinâmica Existem basicamente duas forças que atuam sobre um perfil imerso em um fluido em movimento: sustentação e arrasto. A força de sustentação é perpendicular ao fluxo do fluido, já a de arrasto tem a mesma direção e sentido do fluxo, como pode ser visto na figura 1.6. Sustentação Fluxo Arrasto Figura 1.6: Forças de sustentação e arrasto num aerofólio estacionário. A força de sustentação existe somente quando há escoamento laminar sobre o aerofólio, Direção do Vento isto é, o fluido percorre suavemente a superfície do perfil. Fluxo turbulento faz com que se F Movimento 1 Sustentação anule a força de sustentação e aumente o arrasto. Relativo do Aerofólio Sobre o aerofólio, o ar possui uma velocidade maior do que na parte inferior, essa diferença Vento Relativo de velocidade faz com que a pressão seja menor na parte superior do perfil. Tendo-se uma Arrasto pressão reduzida acima do aerofólio, acaba surgindo uma força perpendicular ao fluxo de ar chamada sustentação. Em uma turbina eólica que utiliza a força de sustentação para gerar eletricidade, as forças de arrasto são indesejáveis e essas devem ser reduzidas ao máximo a fim de melhorar a eficiência da turbina. F 2 Direção do Vento Vento Relativo γ Movimento da Pá

32 Sustentação Arrasto Fluxo Arrasto 1. Introdução Geral 6 Quando é permitido o movimento do aerofólio, a sua translação combina-se com o movimento do ar para gerar o que é chamado de vento relativo. A força de sustentação é perpendicular ao vento relativo como pode ser observado na figura 1.7[2]. Direção do Vento Movimento Relativo do Aerofólio F 1 Sustentação Vento Relativo F 2 Figura 1.7: Sustentação e arrasto em um aerofólio em translação. Direção do Vento Sustentação Vento Relativo Bordo de Ataque Movimento da Pá Na decomposição da força de arrasto eγ de sustentação, encontram-se as forças F 1 e F 2, Fluxo figura 1.7. A força F 1 está na direção do movimento de translação e é a que realiza trabalho. A força F 2 tem a mesma direção que o vento. Essa última é utilizada para projetar-se a estrutura do aerogerador. Arrasto Corda Direção do Vento A figura 1.8 apresenta alguns termos que caracterizam um aerofólio. A parte mais à frente Plano de Rotação Sustentação Bordo de Fuga e a parte posterior são chamadas respectivamente Relativo do de bordo de ataque e bordo de fuga. A Vento Relativo Movimento Aerofólio linha que liga o bordo de ataque ao de fuga chama-se corda. O plano de rotação, é o plano que a ponta da hélice descreve no espaço. Obtém-se a potência máxima em um aerogerador, quando o plano de rotação é perpendicular à direção do vento. O ângulo de ataque, γ, é definido como o ângulo entre o vento relativo e a corda. Finalmente tem-se o ângulo de passo, θ P, que é o ângulo entre a corda e o plano de rotação. F 1 Arrasto F 2 Direção do Vento P Vento Relativo γ Movimento da Pá Bordo de Ataque Corda Plano de Rotação Bordo de Fuga Figura 1.8: Definição de ângulo de passo θ P e de ataque γ.

33 1. Introdução Geral 7 O ângulo de ataque é dinâmico e varia com a velocidade da hélice e do vento. As forças de sustentação e arrasto possuem valores ótimos para apenas um ângulo de ataque, logo, uma hélice eficiente deve possuir uma certa torção para manter um quase constante ângulo de ataque do centro até a ponta[2]. 1.3 Tipos de Aerogeradores As turbinas eólicas dividem-se basicamente em duas categorias: as de eixo vertical (figura 1.9a e 1.9c) e as de eixo horizontal (figura 1.9b). Existem basicamente duas configurações para aerogeradores de eixo vertical: a Darrieus e Savonius. As turbinas de eixo horizontal diferem-se entre si pelo número de pás. Figura 1.9: Exemplos de turbinas: (a) Darrieus (vista frontal), (b) Eixo horizontal (vista frontal) e (c) Savonius (vista superior).

34 1. Introdução Geral 8 O conceito de turbina do tipo Savonius diferencia-se das demais basicamente por utilizar a força de arrasto ao invés da de sustentação. Essas turbinas tem essencialmente dois problemas: baixo rendimento e a dificuldade de proteção contra rajadas de vento. Ela é utilizada apenas em pequenas aplicações. Turbinas de eixo horizontal utilizam a força de sustentação. Dentre essas turbinas, as de três pás são as que apresentam maior eficiência. Essa é a topologia utilizada nos aerogeradores de grande porte. Os principais componentes de uma grande turbina eólica são apresentados na figura Figura 1.10: Composição de um aerogerador de grande porte. (Fonte: World Wind Energy Association - WWEA) A turbina Darrieus, assim como as de eixo horizontal, também utiliza a força de sustentação. Apesar de algumas vantagens estruturais, esse tipo de aerogerador não alcançou a de eixo horizontal no custo da energia produzida[3].

35 1. Introdução Geral A Potência do Vento Para se transformar a energia contida no vento em energia elétrica é necessário fazer o uso de turbinas eólicas. A energia cinética do vento é capturada e transformada em movimento rotacional através das hélices da turbina eólica. Na equação 1.1 tem-se a definição de energia cinética[5]. E c = 1 2.m.V 2 (1.1) Potência é a taxa de variação da energia durante um certo intervalo de tempo. Dividindose a equação 1.1 pelo tempo, obtém-se a expressão da potência. P = 1 2.m.V 2 t (1.2) Conhecendo-se a densidade do ar e a área de varredura do rotor da turbina eólica, tem-se 1.3. m t = ρ.a R.V (1.3) A expressão da potência contida no vento, exposta na equação 1.4, é conseguida substituindose 1.3 em 1.2. P V = 1 2.ρ.A R.V 3 V (1.4) A equação 1.4 representa a potência contida no vento, a qual varia linearmente com a densidade e com o cubo da velocidade do ar. Nem toda a potência do vento pode ser extraída pelas pás do aerogerador, pois parte dela é perdida com o ar que atravessa a turbina. 1.5 Potência de Saída de uma Turbina Eólica Ideal Será utilizado o modelo do disco atuador para a determinação do máximo rendimento alcançado por uma turbina eólica. Esse modelo consiste em substituir o aerogerador por um

36 1. Introdução Geral 10 dispositivo genérico ideal que extrai a energia cinética do vento. Apresenta-se na figura 1.11 o modelo utilizado para análise da hélice idealizada. V V A + Fronteira das Linhas de Corrente A D Volume de Controle A - V Vj Figura 1.11: Fluxo de ar atravessando o disco atuador. Em relação à hélice, o escoamento à montante está a uma velocidade V V e na pressão ambiente e, à jusante, a velocidade é V V j e retorna a pressão ambiente. Para conservar a continuidade da vazão em massa para dentro do volume de controle[6], a área A + deve ser menor que a área do disco atuador A D e essas duas são menores que a área da seção transversal A. Ao atravessar o disco atuador o vento sofre uma queda de velocidade de V V V V j. Então, o empuxo axial existente em uma turbina pode ser dado pela equação 1.5. F D = (V V V V j ).ρ.a D.V D (1.5) No disco da turbina a velocidade do vento é desacelerada para V D = (1 a).v V onde a é conhecido como fator de interferência do fluxo axial. O empuxo axial é gerado pela queda de pressão que ocorre à jusante da turbina e é dado pela equação 1.6. F D = (p Dm p Dj ).A D = (V V V V j ).ρ.a D.V V.(1 a) (1.6)

37 1. Introdução Geral 11 A figura 1.12 ilustra a distribuição da velocidade e da pressão do vento através do volume de controle. V V Velocidade p Dm V D Volume de Controle p Pressão V Vj p p Dj Figura 1.12: Velocidade e pressão do vento no volume de controle. A equação de Bernoulli pode ser aplicada para determinar a queda de pressão através do disco. Esta equação afirma que, sob condições estáticas, a energia contida em um fluxo mantém-se constante se nenhum trabalho for realizado no fluido[7]. Pode-se aplicá-la no volume de controle da figura 1.12 antes e depois do disco atuador, pois apenas é realizado trabalho no disco. Logo, tem-se 1.7 e ρ.V 2 D + p Dm + ρ.g.h = 1 2.ρ.V 2 V + p + ρ.g.h (1.7) 1 2.ρ.V 2 D + p Dj + ρ.g.h = 1 2.ρ.V 2 V j + p + ρ.g.h (1.8) A variável g é a aceleração da gravidade e p é a pressão atmosférica. equações 1.7 e 1.8 obtém-se a expressão 1.9. A partir das (p Dm p Dj ) = 1 2.ρ.(V 2 V V 2 V j) (1.9)

38 1. Introdução Geral 12 Substituindo-se a expressão 1.9 em 1.6, tem-se a equação V V j = V V.(1 2.a) (1.10) A partir de 1.5 e 1.10, o empuxo axial no disco atuador no fluxo de ar é dado pela expressão F D = 2.ρ.A D.V 2 V.a.(1 a) (1.11) Fazendo-se o produto entre a velocidade do vento no disco atuador (V D = (1 a).v V ) e o empuxo axial da turbina (equação 1.11), tem-se na expressão 1.12 a potência extraída do vento. P D = F D.V D = 2.ρ.A D.VV 3.a.(1 a) 2 (1.12) Uma maneira convencional de caracterização da habilidade da turbina eólica de capturar a energia do vento é o coeficiente de potência (C P ), que por definição, é a razão entre a potência extraída pelo aerogerador e a potência do vento, como é exposto na equação C P = P D P V (1.13) Aplicando-se 1.4 e 1.12 em 1.13, tem-se a definição do coeficiente de potência em C P = 4.a.(1 a) 2 (1.14) O gráfico do coeficiente de potência versus o fator de interferência a é apresentado na figura O máximo valor de C P, conhecido como limite Betz que foi o primeiro a deduzir este resultado e a mostrar a máxima eficiência teórica, é C P max = 0, 593 e ocorre para um fator a = 1 3. O coeficiente de potência das turbinas eólicas da atualidade chega no máximo a 0, 45, bem abaixo do limite teórico.

39 1. Introdução Geral C P a Figura 1.13: Gráfico que representa o comportamento do coeficiente de potência quando varia-se o fator a Cálculo do Coeficiente de Potência Neste trabalho será utilizado um aerogerador da marca ENERSUD modelo GERAR246. Esse possui um gerador síncrono de fluxo axial à ímã permanente com potência de 1 kw e 14 pólos. Além disso, é dotado de um sistema de segurança que reduz a velocidade da turbina em dois terços, quando a velocidade do vento atinge 16 m/s. São apresentadas na tabela 1.1 as principais características técnicas da turbina e do gerador[8]. Tabela 1.1: Especificações da turbina ENERSUD GERAR246. Parâmetro Valor Diâmetro 2,46 m Potência (Vento a 12 m/s) 1000 W Início da Rotação Vento a 2,2 m/s N o de Pás 3 Sistema Elétrico Trifásico N o de Pólos do Gerador 14 Tensão de Linha no Gerador (700 rpm) 75 V rms Freqüência (700 rpm) 80 Hz

40 1. Introdução Geral 14 Para estimativa do coeficiente de potência da turbina utilizada neste trabalho, será empregada a expressão empírica 1.15[9]. C P (λ, θ P ) = c 1.(c 2 c 3.θ P c 4.θ x P c 5 ).e c6 (1.15) A variável θ P é o ângulo de passo da hélice e λ é conhecido como razão de velocidades na ponta das pás (tip speed ratio) que é dada pela equação λ = ω R.R R V V (1.16) Tendo-se os valores típicos das constantes da equação 1.15 na tabela 1.2[9] juntamente com os dados da turbina eólica que será utilizada neste trabalho (tabela 1.1), foi traçado o gráfico da figura 1.14, que mostra a variação do coeficiente de potência da turbina em função da razão de velocidades na ponta das pás. Pode-se perceber que o máximo rendimento que poderá ser alcançado pela turbina será C P = 0, Tabela 1.2: Constantes empíricas. c 1 c 2 c 3 c 4 c 5 c 6 x θ P 0, 5 116/λ 1 0, /λ 1 1, 5 10 o O coeficiente λ 1 está representado na equação λ 1 = 1 λ + 0, 08.θ P 0, 035 θ 3 P + 1 (1.17) A partir da figura 1.14, pode-se concluir que, para se operar com a máxima eficiência possível da turbina eólica é necessário manter-se a razão de velocidades na ponta das pás constante. Como essa última obedece a equação 1.16, verifica-se que, como o raio do rotor (R R ) e a velocidade do vento (V V ) não são possíveis de serem alteradas, a única variável que pode ser controlada para se manter a turbina no ponto de máxima potência é a velocidade angular da turbina (ω R ).

41 1. Introdução Geral C P [rad] Figura 1.14: Eficiência da turbina em função da razão de velocidades na ponta das pás. Como pode ser observado na figura 1.15, para cada velocidade do vento existe uma velocidade angular que faz a turbina operar em um ponto ótimo. Uma estratégia de controle bem projetada irá buscar sempre a maior potência da turbina eólica. Como o ponto de máxima potência varia com a velocidade do vento, a rotação deve ser continuamente ajustada para se extrair a maior potência possível do aerogerador. Potência (W) m/s 11m/s 10m/s 9m/s 8m/s 7m/s 6m/s 5m/s rrpm Figura 1.15: Potência extraída da turbina ENERSUD GERAR246 em função da rotação da hélice para algumas velocidades do vento.

42 1. Introdução Geral Sistema de Geração de Energia Eólica O sistema eólico proposto é formado pelos componentes apresentados na figura A seguir, faz-se uma breve descrição de cada bloco do diagrama. Vento CA/CC CC/CA Gerador Rede Turbina Figura 1.16: Diagrama de blocos do sistema eólico de pequeno porte. Turbina Eólica: Esse componente do sistema já foi estudado neste capítulo. Gerador Elétrico: Para se transformar a energia mecânica do vento captada pela turbina em elétrica, faz-se necessário o uso de um gerador. O sistema que será utilizado nesse trabalho, é uma máquina de Fluxo Axial à Ímã Permanente (FAIP), que é uma alternativa às máquinas de Fluxo Radial à Ímã Permanente (FRIP) por serem mais compactas e possuírem maior densidade de potência. As máquinas FAIP podem operar como pequenos ou médios geradores. A facilidade para acomodar um grande número de pólos nas máquinas FAIP, faz com que esses geradores sejam ótimos em aplicações de baixa velocidade, como por exemplo, em turbinas eólicas[10]. Conversor CA/CC: O uso do gerador FAIP faz com que a tensão e a freqüência na sua saída variem com a rotação da turbina. Dessa forma, faz-se necessário se utilizar um conversor CA/CC que transforme a tensão alternada do gerador em contínua e faça o rastreamento da máxima potência da turbina. Devido às especificações do inversor utilizado nesse trabalho, esse estágio também realizará a elevação da tensão do barramento CC. Conversor CC/CA: O conversor CC/CA transforma a corrente CC do estágio anterior em alternada e a transfere para a rede elétrica. O objetivo do trabalho é o projeto desse último estágio, apresentado no diagrama de blocos da figura 1.15, ou seja, o projeto

43 1. Introdução Geral 17 de um conversor CC/CA para a conexão do gerador eólico à rede elétrica. Para tanto, será utilizado um inversor de tensão monofásico, como o apresentado na figura 1.17, com um transformador elevador de tensão na saída do mesmo. Objetivo do Trabalho L b Vento CA/CC C in N P N S Gerador Inversor Rede Turbina Figura 1.17: Destaque para o objetivo do trabalho. A topologia escolhida para o inversor é a apresentada na figura Trata-se de um inversor monofásico ponte completa. O transformador de saída, eleva a tensão de saída para um nível adequado e provê isolação galvânica ao gerador eólico, fazendo com que o sistema seja mais seguro. Q 1 D 1 Q 3 D 3 V in a b L b N P N S v out(t) Q 2 D 2 Q 4 D 4 Figura 1.18: Inversor monofásico ponte completa. Definidos os objetivos do trabalho e a topologia a ser utilizada, são necessárias as especificações do projeto, que são apresentadas na tabela 1.3. Tabela 1.3: Especificações do inversor. Parâmetro Potência de saída Freqüência de comutação Tensão CC de entrada Tensão de saída Freqüência de saída Modulação Sistema Elétrico Valor 1 kw 20 khz 100 V 220 V rms 60 Hz 3 Níveis Monofásico

44 1. Introdução Geral 18 Para que o inversor opere da maneira desejada, é necessário que sejam controladas algumas variáveis, as quais são descritas a seguir: Corrente de Saída: Apenas a corrente de saída do inversor será controlada, pois a tensão de saída é imposta pela rede elétrica local; Corrente no Primário do Transformador: A utilização do transformador na saída do inversor faz com que seja necessário o uso dessa malha de controle adicional, para eliminar a componente contínua de corrente no seu primário, evitando-se que ele sature; Tensão no Barramento CC: Essa variável é controlada para se manter o valor médio da tensão de entrada constante. O controle do fluxo de potência transferido para a rede elétrica é realizado pelo compensador de tensão do barramento CC. 1.7 Considerações Sobre Conexão com a Rede Elétrica A conexão de fontes de geração distribuídas de energia à rede elétrica requer que várias considerações sejam feitas, no sentido de se garantir segurança e confiabilidade na execução dessa tarefa. A norma IEEE 1547, Standard for Interconnecting Distributed Resources with Electric Power Systems, aprovada em 2003, trata sobre o projeto, comercialização e uso de fontes distribuídas de energia conectadas a rede elétrica[11]. Serão tratados, a seguir, alguns itens dessa norma Regulação da Tensão A Fonte Alternativa de Energia (FAE) 1 deve ser capaz de manter a tensão no Ponto de Conexão Comum (PCC) 2 regulada, ou seja, dentro de limites aceitáveis para a rede elétrica local. Segundo a norma IEEE 1547, a FAE não deve degradar a tensão da rede elétrica onde ela é conectada, mantendo-a dentro dos limites estabelecidos pela norma ANSI C84.1, Range A[12], ilustrados na figura FAE também pode ser uma fonte de geração de energia distribuída. 2 PCC é o ponto em que a fonte de energia é conectada ao sistema elétrico comercial. 3 Na figura 1.19 é utilizado um sistema base de 120 V. Qualquer tensão pode ser convertida para base 120 V dividindo-se a tensão atual pela razão de transformação para a base 120 V. Por exemplo, a razão de transformação para um sistema de 480 V é 480/120 ou 4, então 460 V medidos no sistema de 480 V deve ser 460/4 ou 115 V na base de 120 V.

45 1. Introdução Geral 19 VOLTAGE ON A 120 V BASE MAXIMUM VOLTAGE LIMIT - RANGE A V ALLOWABLE VOLTAGE DROP IN THE DISTRIBUTION FEEDER ALLOWBLE VOLTAGE DROP IN THE DISTRIBUTION TRANSFORMER AND LOW-VOLTAGE CONNECTIONS ALLOWBLE VOLTAGE DROP IN THE BUILDING WIRING FOR LIGHTING EQUIPMENT ALLOWBLE VOLTAGE DROP IN THE BUILDING WIRING FOR OTHER THAN LIGHTING EQUIPMENT 117 V SERVICE VOLTAGE LIMITS 114 V TOLERANCE LIMITS FOR LIGHTING EQUIPMENT 125 V TOLERANCE LIMITS FOR OTHER THAN LIGHTING EQUIPMENT 110 V 108 V Figura 1.19: Limites estabelecidos pela norma ANSI C84.1, Range A[1] Resposta a Perturbações de Tensão A FAE deve possuir sistemas de segurança que monitorem a tensão eficaz, de linha ou de fase, no PCC. Quando a medida enquadrar-se em algum dos limites estabelecidos na tabela 1.4, deve-se iniciar o processo de desconexão da FAE da rede elétrica local, no tempo de seccionamento especificado. Tempo de seccionamento é o tempo entre o início da perturbação e a desconexão da FAE. Tabela 1.4: Resposta a anormalidades da tensão (IEEE 1547). Potência da FAE Tensão (PCC) [%] Tempo de seccionamento [s] 30 kw V < 50 0, V < 88 2, < V < 120 1, V 0, Resposta a Perturbações de Freqüência Além de proteções contra perturbações de tensão, a FAE deve ser equipada também por sistemas que desconectem-na caso ocorram variações na freqüência fundamental da tensão da rede elétrica local. A tabela 1.5, apresenta os limites de variação da freqüência e seus respectivos tempos de seccionamento para uma FAE de até 30 kw. Nota-se que, para pequenas variações de freqüência, a FAE deve ser desconectada em até dez ciclos de rede.

46 1. Introdução Geral 20 Tabela 1.5: Resposta do sistema para perturbações de freqüência (base 60 Hz) para IEEE Potência da FAE Intervalo de freqüência [Hz] Tempo de Seccionamento [s] 30 kw > 60, 5 0, 16 < 59, 3 0, Harmônicas de Corrente Quando a FAE está alimentando cargas lineares, a distorção harmônica da corrente no PCC não deve ultrapassar os limites estabelecidos na tabela 1.6. Devem ser excluídas as harmônicas de corrente causadas pela distorção harmônica da tensão presente na rede elétrica sem a FAE[12]. Tabela 1.6: Máxima distorção harmônica de corrente em porcentagem da fundamental (IEEE 1547). Harmônicas Individuais (Ímpares) Valor [%] < 11 4, 0 11 h < 17 2, 0 17 h < 23 1, 5 23 h < 35 0, 6 35 h 0, 3 THD [%] 5, 0 Harmônicas Pares Limitadas em 25% das ímpares Corrente CC [%] 0, 5 A corrente base utilizada na tabela 1.6 é a maior demanda integrada de corrente (15 ou 30 minutos) na rede elétrica local sem a FAE, ou a capacidade média de corrente da FAE (transferida ao PCC quando existe um transformador entre a FAE e a rede elétrica). Como é visto na tabela 1.6, a corrente CC injetada na rede elétrica é limitada em 0, 5%. A limitação de offset na corrente injetada serve para prevenir a saturação dos transformadores contidos no sistema elétrico de distribuição.

47 1. Introdução Geral 21 Como foi citado anteriormente, nesse projeto será utilizado um transformador para se fazer a conexão do inversor ao PCC. O uso desse componente elimina a possibilidade de injeção de corrente contínua na rede elétrica local Islanding Islanding é o fenômeno que ocorre quando há uma desenergização da rede elétrica no PCC de uma fonte de energia, e a mesma permanece alimentando as suas redondezas, fazendo com que exista uma ilha energizada com a rede elétrica local desligada. Segundo a norma IEEE 1547, a FAE deve possuir um sistema de segurança que detecte quando a mesma está ilhada e a desconecte em no máximo dois segundos. Os sistemas anti-islanding podem ser divididos basicamente em dois tipos: métodos passivos e ativos[1]: Nos métodos passivos, são monitoradas algumas variáveis no PCC. Assim que se detecte condições que indiquem a formação do islanding, a FAE é desconectada do sistema elétrico. Esse método baseia-se na incapacidade da FAE satisfazer uma mudança repentina na carga sem que haja um transitório na tensão e/ou freqüência de saída. Os métodos ativos, assim como os passivos, atuam diretamente no PCC. Esses métodos consistem em aplicar uma pertubação na rede elétrica e verificar o resultado. A partir dessa resposta, é determinado se o sistema está ou não ilhado. Um exemplo de método ativo anti-islanding consiste em aplicar um sinal de corrente diferente da freqüência da rede e verificar a tensão nesta freqüência. O islanding será detectado de acordo com a mudança da impedância do sistema. Na maioria dos casos, o fenômeno chamado islanding é indesejado em um sistema elétrico. Esse último pode arriscar a vida de operários que eventualmente tenham de fazer manutenção em uma rede que deveria estar desenergizada. 1.8 Conclusão Os principais tópicos pertinentes a este trabalho foram revisados neste capítulo. A situação da energia eólica no Brasil e no mundo foi abordada de forma sucinta, apresentando o ranking mundial dos maiores produtores dessa fonte alternativa de eletricidade.

48 1. Introdução Geral 22 O apelo mundial para redução das emissões dos gases causadores do efeito estufa faz com que a pesquisa e aperfeiçoamento da tecnologia utilizada na produção de energia elétrica, a partir do vento, esteja em evidência. O vento é gratuito, limpo e inesgotável. A exploração dessa e de outras fontes alternativas de energia elétrica é necessária para se poder frear o aquecimento global. No Brasil, um maior uso da energia eólica poderia eliminar o risco de apagão, ou a dependência da importação de combustíveis fósseis como o gás natural.

49 Capítulo 2 Inversor Ponte Completa Monofásico Conectado à Rede Não basta apreciar a beleza de um jardim, sem ter que imaginar que há fadas nele? Douglas Adams, O guia do mochileiro das galáxias 2.1 Introdução Como o objetivo deste trabalho é transferir potência ativa para a rede elétrica, uma estrutura que pode ser utilizada para a realização de tal tarefa é o inversor monofásico em ponte completa, ilustrado na figura 2.1. corrente senoidal em sua saída. O inversor é controlado de modo a impor uma Q 1 D 1 Q 3 D 3 V in a b L b N P N S v (t) out Q 2 D 2 Q 4 D 4 Figura 2.1: Esquema do inversor ponte completa monofásico.

50 2. Inversor Ponte Completa Monofásico Conectado à Rede 24 O estudo completo do inversor operando a dois e a três níveis será realizado neste capítulo. Primeiramente, os dois tipos de modulação serão apresentados, logo em seguida, serão expostas as etapas de operação e, por fim, são deduzidas as expressões para o projeto dos elementos de potência do inversor. Toda a análise realizada foi baseada na referência[13]. 2.2 Modulação As formas de se gerar os pulsos de comando para os interruptores do inversor diferenciamse pela característica da tensão entre os pontos a e b do mesmo, apresentados na figura 2.1. A maneira mais simples é aquela chamada modulação PWM (Pulse Width Modulation) a dois níveis, que se caracteriza por apresentar apenas dois níveis de tensão entre os pontos a e b. A geração dos comandos para os interruptores é realizada comparando-se o sinal modulante com um sinal modulador no formato dente de serra ou triangular. Um exemplo de modulação PWM a dois níveis é apresentado na figura Sinal Modulante e Moduladora Tensão Entre os Pontos "a" e "b" Figura 2.2: Modulação a dois níveis. Outra forma de se comandar o inversor, é utilizando a modulação PWM a três níveis, na qual a tensão entre os pontos a e b apresenta três níveis distintos de tensão. A geração dos pulsos de comando é realizada comparando-se o sinal modulante com duas moduladoras

51 2. Inversor Ponte Completa Monofásico Conectado à Rede 25 defasadas cento e oitenta graus entre si e com formato triangular. A figura 2.3 apresenta um exemplo da modulação a três níveis. Figura 2.3: Modulação a três níveis. Será estudado, nos itens seguintes, o comportamento da estrutura de potência escolhida, utilizando-se a modulação PWM a dois e três níveis. E então, será feita a escolha da modulação que se utilizará neste trabalho. 2.3 Modulação a Dois Níveis Inicialmente é feita a análise do inversor operando com modulação a dois níveis. A maneira analógica de se implementar o modulador a dois níveis é apresentada na figura 2.4. Cada par de interruptores, diagonalmente opostos recebe, o mesmo sinal de comando. Razão Cíclica Comparador Q 1 Q 4 Q 2 Q 3 Figura 2.4: Modulador a dois níveis.

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Potência Instalada (GW)

Potência Instalada (GW) Modelagem e simulação de um aerogerador a velocidade constante Marcelo Henrique Granza (UTFPR) Email: marcelo.granza@hotmail.com Bruno Sanways dos Santos (UTFPR) Email: sir_yoshi7@hotmail.com Eduardo Miara

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp.

Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp. CONVERSORES ELETRÔNICOS DE POTÊNCIA PARA SISTEMAS FOTOVOLTAICOS DE BAIXA TENSÃO CONECTADOS À REDE Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp.br

Leia mais

Inversores de freqüência. Introdução

Inversores de freqüência. Introdução Inversores de freqüência Introdução Desde que os primeiros motores surgiram, os projetistas perceberam uma necessidade básica, controlar sua velocidade, várias técnicas foram utilizadas ao longo dos anos

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Leia mais

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável.

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável. Implementação do modelo de uma turbina eólica baseado no controle de torque do motor cc utilizando ambiente matlab/simulink via arduino Vítor Trannin Vinholi Moreira (UTFPR) E-mail: vitor_tvm@hotmail.com

Leia mais

Eletrônica Analógica e de Potência

Eletrônica Analógica e de Potência Eletrônica Analógica e de Potência Conversores CC-CC Prof.: Welbert Rodrigues Introdução Em certas aplicações é necessário transformar uma tensão contínua em outra com amplitude regulada; Em sistemas CA

Leia mais

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA)

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) 1. Introdução 1.1 Inversor de Frequência A necessidade de aumento de produção e diminuição de custos faz surgir uma grande infinidade de equipamentos desenvolvidos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA SÉRIE PARALELO APRESENTADOR: MÁRCIO STEFANELLO,

Leia mais

Introdução à Eletrônica de Potência

Introdução à Eletrônica de Potência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica de Potência Introdução à Eletrônica de Potência Florianópolis, setembro de 2012. Prof.

Leia mais

Controle de Conversores Estáticos Controle de um conversor boost CCM para correção do FP. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Controle de Conversores Estáticos Controle de um conversor boost CCM para correção do FP. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Controle de Conversores Estáticos Controle de um conversor boost CCM para correção do FP cassiano@ieee.org 1 Operação como PFP Como a freqüência de comutação do interruptor S é muito maior que a freqüência

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva

Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva 6 Capítulo Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva Meta deste capítulo Estudar os conversores ca-cc monofásicos operando com carga resistiva-indutiva objetivos Entender o funcionamento

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores.

Leia mais

Implementação do Protótipo do. RHM operando com Corrente CA de. Alimentação de 12 Pulsos Imposta

Implementação do Protótipo do. RHM operando com Corrente CA de. Alimentação de 12 Pulsos Imposta Capítulo 7 Implementação do Protótipo do RHM operando com Corrente CA de Alimentação de 12 Pulsos Imposta 7.1 Introdução Durante os estudos realizados em laboratório, três protótipos do RHM proposto, operando

Leia mais

"Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein)

Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade. (Adaptado livremente de A. Einstein) Fácil assim. 12345 "Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein) 12345 Tudo é mais fácil com Lenze. O forte dinamismo dos tempos atuais o coloca em confronto

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção AS DIFERENTES TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Nesta secção apresentam-se as diferentes tecnologias usadas nos sistemas eólicos, nomeadamente, na exploração

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Automação Industrial Porto Alegre, Maio de 2014 Revisão: A Prof Vander Campos Conhecer os princípios básicos do inversor de frequência; Saber interpretar

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

Retificadores Buck com Fator de Deslocamento Unitário Operando em um Quadrante

Retificadores Buck com Fator de Deslocamento Unitário Operando em um Quadrante UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Retificadores Buck com Fator de Deslocamento Unitário Operando em um Quadrante André Pires Nóbrega Tahim Marcos Tadeu

Leia mais

5. CONVERSORES QUASE-RESSONANTES

5. CONVERSORES QUASE-RESSONANTES Fontes Chaveadas - Cap. 5 CONVRSORS QUAS-RSSONANTS J. A. Pomilio 5. CONVRSORS QUAS-RSSONANTS Os conversores quase-ressonantes procuram associar as técnicas de comutação suave presentes nos conversores

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

EXERCÍCIOS CORRIGIDOS

EXERCÍCIOS CORRIGIDOS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção EXERCÍCIOS CORRIGIDOS INTRODUÇÃO Vamos testar os conhecimentos adquiridos; para o efeito, propõem-se seis exercícios de diferentes dificuldades:

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00 Histórico N. Doc. Revisão Data Descrição Aprovado 601165 A 24/01/14 Inicial Faria Executado: Edson N. da cópia: 01 Página 1 de 7 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO 2- CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS E MECÂNICAS 2.1 - Entrada

Leia mais

Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl

Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl 1. Apresentação Com o uso do conceito do Interruptor PWM apresentado por Vorpérian [1,2], torna-se extremamente simples

Leia mais

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos 36 Capítulo II Topologias de UPS estático Luis Tossi * Para evitarmos que os distúrbios elétricos de tensão DC, que se altera em nível DC em função de apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

ESTABILIZADOR DE TENSÃO ALTERNADA PARA CARGAS NÃO-LINEARES

ESTABILIZADOR DE TENSÃO ALTERNADA PARA CARGAS NÃO-LINEARES ESTABILIZADOR DE TENSÃO ALTERNADA PARA CARGAS NÃOLINEARES Clóvis Antônio Petry, João Carlos dos Santos Fagundes e Ivo Barbi Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia Elétrica Instituto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA EÓLICO DE PEQUENO PORTE PARA INTERLIGAÇÃO À REDE ELÉTRICA Maria Izabel Batista

Leia mais

Resumo. Abstract. Docente do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Estadual de Londrina-DEEL-UEL; treviso@uel.br.

Resumo. Abstract. Docente do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Estadual de Londrina-DEEL-UEL; treviso@uel.br. DOI: 10.5433/1679-0375.2013v34n1p31 Inversor de tensão com topologia push-pull para injeção de energia em sistemas elétricos com modulação SPWM Voltage inverter with push-pull topology to inject energy

Leia mais

Parte 1 Introdução... 1

Parte 1 Introdução... 1 Sumário SUMÁRIO V Parte 1 Introdução... 1 Capítulo 1 Unidades de Medida... 3 Introdução...3 Grandezas Físicas...3 Múltiplos e Submúltiplos...4 Arredondamentos...6 Exercícios...7 Capítulo 2 Simbologia...

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Como funciona um aerogerador Componentes de um aerogerador Gôndola:contém os componentes chaves do aerogerador. Pás do rotor:captura o vento e transmite sua potência até o cubo que está acoplado ao eixo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

Sumário Capítulo I Introdução aos Comandos Elétricos... 12 Capítulo II Chaves com e sem retenção... 14 Capítulo III Atuadores...

Sumário Capítulo I Introdução aos Comandos Elétricos... 12 Capítulo II Chaves com e sem retenção... 14 Capítulo III Atuadores... Sumário Capítulo I Introdução aos Comandos Elétricos... 12 1. Simulações de comandos elétricos... 12 2. Diagrama unifilar e multifilar... 13 Capítulo II Chaves com e sem retenção... 14 1. Chaves... 14

Leia mais

TLC 60 TORRE LUMINOSA COMPACTA

TLC 60 TORRE LUMINOSA COMPACTA TLC 60 TORRE LUMINOSA COMPACTA TLC-60 Torre Luminosa Compacta Desenvolvida para ser a melhor opção em custo/benefício, a Torre Luminosa Compacta - TLC-60 combina tecnologia e performance na medida ideal

Leia mais

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Introdução O objetivo deste Laboratório de EE-641 é proporcionar ao aluno um ambiente

Leia mais

Motores eléctricos em sistemas de controlo

Motores eléctricos em sistemas de controlo Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores SISEL - Sistemas Electromecânicos Exercícios de 26 1. Considere

Leia mais

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS 01 - Questão Esta questão deve ser corrigida? SIM NÃO Um transformador de isolação monofásico, com relação de espiras N

Leia mais

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores 22 Capítulo I Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Novo! As retiradas de geradores do sistema de potência devido a curto-circuitos, operação anormal ou

Leia mais

Retificadores Monofásicos com Filtro Capacitivo

Retificadores Monofásicos com Filtro Capacitivo 9 Retificadores Monofásicos com Filtro Capacitivo Meta deste capítulo Capítulo Estudar os conversores ca-cc monofásicos operando com filtro capacitivo. objetivos Entender o funcionamento de circuitos retificadores;

Leia mais

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica PONTIFÍCIA UNIERIDADE CATÓICA DE GOIÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍICA Professor: Renato Medeiros MAF 1292 Eletricidade e Eletrônica NOTA DE AUA II Goiânia 2014 Diodos Retificadores Aqui trataremos dos

Leia mais

Energia Eólica. História

Energia Eólica. História Energia Eólica História Com o avanço da agricultura, o homem necessitava cada vez mais de ferramentas que o auxiliassem nas diversas etapas do trabalho. Isso levou ao desenvolvimento de uma forma primitiva

Leia mais

EMULAÇÃO DE UMA TURBINA EÓLICA E CONTROLE VETORIAL DO GERADOR DE INDUÇÃO ROTOR GAIOLA DE ESQUILO PARA UM SISTEMA EÓLICO. Renato Ferreira Silva

EMULAÇÃO DE UMA TURBINA EÓLICA E CONTROLE VETORIAL DO GERADOR DE INDUÇÃO ROTOR GAIOLA DE ESQUILO PARA UM SISTEMA EÓLICO. Renato Ferreira Silva EMULAÇÃO DE UMA TURBINA EÓLICA E CONTROLE VETORIAL DO GERADOR DE INDUÇÃO ROTOR GAIOLA DE ESQUILO PARA UM SISTEMA EÓLICO Renato Ferreira Silva PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

Introdução: Inversor de Freqüência: Princípios Básicos:

Introdução: Inversor de Freqüência: Princípios Básicos: Introdução: Inversor de Freqüência: Atualmente, a necessidade de aumento de produção e diminuição de custos, se fez dentro deste cenário surgir a automação, ainda em fase inicial no Brasil, com isto uma

Leia mais

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 EE531 - Turma S Diodos Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 Professor: José Cândido Silveira Santos Filho Daniel Lins Mattos RA: 059915 Raquel Mayumi Kawamoto RA: 086003 Tiago

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

TECNOLOGIA DE GRANDES TURBINAS EÓLICAS: AERODINÂMICA. Professora Dra. Adriane Prisco Petry Departamento de Engenharia Mecânica

TECNOLOGIA DE GRANDES TURBINAS EÓLICAS: AERODINÂMICA. Professora Dra. Adriane Prisco Petry Departamento de Engenharia Mecânica TECNOLOGIA DE GRANDES TURBINAS EÓLICAS: AERODINÂMICA Professora Dra. Adriane Prisco Petry Departamento de Engenharia Mecânica ELETRÔNICA DE POTENCIA AERODINÂMICA ELETRICIDADE DINÂMICA DOS ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor 225 Aplicações com OpAmp A quantidade de circuitos que podem ser implementados com opamps é ilimitada. Selecionamos aqueles circuitos mais comuns na prática e agrupamos por categorias. A A seguir passaremos

Leia mais

SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA.

SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA. SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA. Marco Antonio Souza 1, Milton Benedito Faria 2, Carlos Eduardo Cabral Vilela, Prof. MSc 3. Homero Santiago Maciel, Prof. DR 4. UNIVAP,

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I QUALIDADE DE ENERGIA 1-Introdução ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Desde o princípio do método de transmissão de energia elétrica utilizando CA, ou ondas senoidais, o aparecimento de componentes harmônicas é um

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Clóvis Antônio Petry,

Leia mais

Controle de Conversores Estáticos Controladores baseados no princípio do modelo interno. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Controle de Conversores Estáticos Controladores baseados no princípio do modelo interno. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Controle de Conversores Estáticos Controladores baseados no princípio do modelo interno cassiano@ieee.org 1 Objetivos da aula Projeto de um controlador PID para o controle da tensão de saída de um inversor

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Contínua Topologias Clássicas

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Contínua Topologias Clássicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Contínua Topologias

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS

RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS Autores: Felipe JUNG, Tiago DEQUIGIOVANI, Jessé de PELEGRIN, Marcos FIORIN Identificação autores:

Leia mais

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO FONTES CAVALCANTI CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO LABORATÓRIO DE CONTROLE (PEE/COPPE) RELATÓRIO TÉCNICO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA INTRODUÇÃO AO FUNCIONAMENTO E AO ACIONAMENTO DE MOTORES DC André Euler Torres Orientador:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Guilherme Brunel Martins

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Guilherme Brunel Martins UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Guilherme Brunel Martins ESTUDO DE CONVERSORES A CAPACITORES CHAVEADOS Florianópolis 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 7 p.1/47

Leia mais

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS GSI Nº: ART061-09 - CD 382-09 SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS Carlos Alberto Murari Pinheiro João Roberto Cogo Artigo publicado na Revista Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico,

Leia mais

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP16-4.2A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

Leia mais

DIRK LINDEKE. PROJETO DE UM FILTRO ATIVO PARALELO DE 1kVA USANDO TÉCNICAS DE CONTROLE ANALÓGICO E DIGITAL

DIRK LINDEKE. PROJETO DE UM FILTRO ATIVO PARALELO DE 1kVA USANDO TÉCNICAS DE CONTROLE ANALÓGICO E DIGITAL DIRK LINDEKE PROJETO DE UM FILTRO ATIVO PARALELO DE 1kVA USANDO TÉCNICAS DE CONTROLE ANALÓGICO E DIGITAL FLORIANÓPOLIS 003 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM ENGENHARIA

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Máquinas Síncronas Luis Pestana Resumo Máquinas Síncronas Generalidades Principio de funcionamento Aspectos construtivos O gerador síncrono em carga com cargas isoladas Curvas de regulação ligado a um

Leia mais

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Diodo A natureza de uma junção p-n é que a corrente elétrica será conduzida em apenas uma direção (direção direta) no sentido da seta e não na direção contrária (reversa).

Leia mais

CHAVES DE FIM DE CURSO. Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão

CHAVES DE FIM DE CURSO. Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão CHAVES DE FIM DE CURSO Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão Índice Importância das Normas Técnicas página 3 Produtos Especiais página 4 Chaves de Emergência Linha 500 página 5 Chaves de

Leia mais

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representada por g. Quando necessário adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON APOSTILA MÓDULO 4 AULA 4 AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 2 Amplificação de sinais diferenciais bobina magnética e HALL O circuito Schmitt Trigger analisado detalhadamente Os pontos NSD e NID (Nível Superior

Leia mais

Perfil. Proteções. Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão. 10 a 100 kva

Perfil. Proteções. Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão. 10 a 100 kva 10 a 100 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas de 10 a 50KVA de 60 a 100KVA Perfil Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão A linha de nobreaks SMS Sinus Triphases

Leia mais

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a.

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. 1. A Figura abaixo apresenta o oscilograma da forma de onda de tensão em um determinado nó de um circuito

Leia mais

Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP

Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DE UM GERADOR EÓLICO EM CONEXÃO UNITÁRIA DURANTE A OCORRÊNCIA DE FALTAS. Victor Henrique Cascão

ANÁLISE DO DESEMPENHO DE UM GERADOR EÓLICO EM CONEXÃO UNITÁRIA DURANTE A OCORRÊNCIA DE FALTAS. Victor Henrique Cascão ANÁLISE DO DESEMPENHO DE UM GERADOR EÓLICO EM CONEXÃO UNITÁRIA DURANTE A OCORRÊNCIA DE FALTAS Victor Henrique Cascão PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL

CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL Rangel S. Maia¹, Renato

Leia mais

Nobreak. 3,2 a 20 kva PERFIL PROTEÇÕES. senoidal on-line - dupla convers o

Nobreak. 3,2 a 20 kva PERFIL PROTEÇÕES. senoidal on-line - dupla convers o Nobreak senoidal on-line - dupla convers o modelos isolados e n o isolados com PFC opcional 3,2 a 20 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas PERFIL O nobreak inteligente

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO Universidade Federal do Pará - UFPA Faculdade de Engenharia da Computação Disciplina: Laboratório de Eletrônica Analógica TE - 05181 Turma 20 Professor: Bruno Lyra Alunos: Adam Dreyton Ferreira dos Santos

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Driver - DRM100D80A. Principais características. DRM100D80A - Driver Isolado Duplo. www.supplier.ind.br

Driver - DRM100D80A. Principais características. DRM100D80A - Driver Isolado Duplo. www.supplier.ind.br A SUPPLIER Indústria e Comércio de Eletroeletrônicos Ltda é uma empresa constituída com o objetivo de atuar no setor das Indústrias Eletroeletrônicas, principalmente na fabricação de fontes de alimentação

Leia mais

4. CONVERSORES CC/CA - INVERSORES

4. CONVERSORES CC/CA - INVERSORES 4. CONVERSORES CC/CA - INVERSORES Serão estudados neste capítulo os conversores CC-CA que fornecem em suas saídas tensões com frequência fixa, para aplicação como fonte de tensão, com controle da corrente

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012 Ação Cultural Externa Relatório Anual 0 Indicadores DSPDCE 0 .Iniciativas apoiadas pelo IC a) Número (total): 0 b) Montante global:.0,0,* Áreas Geográficas África América Ásia Europa Médio Oriente e Magrebe

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

Sistemas de Geração Eólica

Sistemas de Geração Eólica Cronograma Aula 1. Panorâma de geração eólica 22/11 Sistemas de Geração Eólica Aula 2. Operação de sistemas de geração eólica 29/11 Prof. Romeu Reginato Outubro de 2010 1 Aula 3. Tecnologias de geração

Leia mais

Amplificador de Radiofreqüência

Amplificador de Radiofreqüência Laboratório de Telecomunicações 1 Amplificador de Radiofreqüência Objetivos Comportamentais 1 Identificar um estágio amplificador de radiofreqüência utilizado em um transmissor típico e medir as tensões

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Eletricidade, Máquinas e Medidas Elétricas: 1.1. Princípios da Eletrodinâmica: Tensão Elétrica, Corrente Elétrica, Resistores Elétricos, Potência Elétrica e Leis de OHM; 1.2. Circuitos

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Destaques do Education at a Glance 2014 Diretor de Estatísticas Educacionais Carlos Eduardo Moreno Sampaio

Leia mais