AZULEJOS HISTÓRICOS EUROPEUS PRODUZIDOS NO FINAL DO SÉCULO XIX E INÍCIO DO SÉCULO XX: CARACTERIZAÇÃO MINERALÓGICA E QUÍMICA DE BISCOITOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AZULEJOS HISTÓRICOS EUROPEUS PRODUZIDOS NO FINAL DO SÉCULO XIX E INÍCIO DO SÉCULO XX: CARACTERIZAÇÃO MINERALÓGICA E QUÍMICA DE BISCOITOS"

Transcrição

1 AZULEJOS HISTÓRICOS EUROPEUS PRODUZIDOS NO FINAL DO SÉCULO XIX E INÍCIO DO SÉCULO XX: CARACTERIZAÇÃO MINERALÓGICA E QUÍMICA DE BISCOITOS Cristiane Pereira da Silva, CG UFPA, Marcelo Farinha Silva, CG UFPA, Rômulo Simões Angélica, CG UFPA, Marcondes Lima da Costa, CG UFPA, Thais Alessandra Bastos Caminha Sanjad, CG- CT UFPA, RESUMO A utilização de azulejos em fachadas de prédios em Belém teve um considerável aumento no período econômico mais próspero da região, que ficou conhecido como Belle Epoque. Com a motivação de adquirir conhecimentos a respeito da caracterização física e da composição química e mineralógica de azulejos antigos, foram aplicadas técnicas instrumentais da área das Geociências na busca de informações tecnológicas que possibilitem a fabricação de réplicas de azulejos que possam ser utilizados em intervenções restaurativas ou mesmo no artesanato local. Pertencentes à coleção do Departamento de Arquitetura da UFPA, dezenove amostras de azulejos do final do século XIX e início do século XX fabricados na Alemanha, Portugal e França foram coletadas. As análises da porosidade do biscoito foram realizadas através de absorção total em água e picnômetro de Hubbardd. As espessuras foram medidas com o auxílio do paquímetro. Para a caracterização mineralógica foi utilizado difratômetro de Raios-X do Centro de Geociências, (método do pó). A composição química semi-quantitativa foi realizada através da microscopia eletrônica de varredura (MEV/SED) que também deu suporte à caracterização mineralógica. Foram realizadas também análises químicas totais em três amostras por diferentes métodos de análises via-úmida e por espectroscopia de absorção atômica. Os resultados revelaram uma clara diferenciação entre os azulejos provenientes dos grandes centros produtores, tais como França e Alemanha que apresentou porosidades menores do que as encontradas nas de Portugal. Uma outra diferença também pode ser vista na composição mineralógica. Os azulejos da Alemanha e França alcançaram temperaturas de queima superiores a 1200ºC, e que provavelmente a matéria prima utilizada foi composta de caulinita e quartzo. Já nos portugueses há outras fases derivadas da presença de carbonatos na matéria prima (utilizado como fundente), não ultrapassando os 1200ºC necessários para formar mullita, mas que foi superior a 1000ºC.

2 ABSTRACT The tiles used in facades of ancient buildings in Belém had a considerable increase in the more prosperous economic period of the region that was known as Belle Époque. The main purpose of this work was to characterize such tiles in terms of their physical, chemical and mineralogical composition, by mean of instrumental techniques usually applied for geosciences or related disciplines. Such technological information can be applied that in the manufacture of new tiles in the refurbishing of ancient buildings, besides in local handcraft market. Samples analyzed in this work came from the collection of the Architecture Department of UFPA. They are nineteen tile samples of the end of XIX s century and manufactured in the beginning of XX s century in Germany, Portugal and France. Porosity analyses of the biscuit had been carried out through total absorption in water using the Hubbard picnometer. X-ray powder diffraction analysis were carried out for all samples using a Philips PW 3710 x-ray diffractometer. Semi-quantitative chemical analysis was carried out by means of X-ray energy-dispersive system (EDS) attached to a scanning electronic microscope (SEM) that also supported mineralogical characterization. Total chemical analyses have been done only in three samples (A1, F1 and P4ii) for different methods, including wet-chemical assays and atomic absorption spectroscopy. The results disclosed a clear differentiation between the studied tiles according to their sources and manufacturing centers, such as France and Germany that presented lesser porosities, in comparison with the Portuguese tiles. Another remarkable difference can also be seen in the mineralogical composition. German and France tiles have reached temperatures above 1200ºC whose probable raw material we based on kaolinite and quartz. In the Portuguese tiles other mineral phases have been found, including carbonates that were used as flux. They did not reached 1200ºC necessary to form mullite but the temperature was probably above 1000ºC. INTRODUÇÃO A maioria dos azulejos antigos de Belém data do final do século XIX e início do século XX. Eestes estão em fachadas de edificações que se encontram no centro da cidade e no seu entorno. Foi no período econômico mais prospero da região, denominado de Belle Epoque (século XIX), que ocorreu um aumento da importação de azulejos vindos da Europa, e houve uma maior diversidade dos exemplares existentes hoje na cidade. Os azulejos históricos da capital paraense são carentes de estudos até os dias atuais e poucos são os trabalhos que vem sendo desenvolvidos. O mais importante registro foi realizado por Dora Alcântara na década de 70 do século XX, mas não foi publicado. Ao longo destes anos sua importância não passou despercebida e continua sendo referência em importantes obras que retratam a Belle Époque no âmbito da arquitetura eclética (Sanjad, 2002). Com a motivação de adquirir conhecimentos a respeito da caracterização física e da composição química e mineralógica de azulejos antigos, foram aplicadas técnicas instrumentais da área das Geociências na busca de informações tecnológicas que possibilitem a fabricação de réplicas de azulejos que possam ser utilizados em intervenções restaurativas ou mesmo no artesanato local.

3 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Pertencentes ao acervo do Departamento de Arquitetura da UFPA, dezenove amostras foram coletadas. Todas são fragmentos de azulejos do final do século XIX e início do século XX, fabricados em Portugal, França e Alemanha. Das amostras coletadas, foram fotografadas e digitalizadas tanto a face principal, quanto o tardoz (costa) dos azulejos, visto que em alguns casos apresentam a identificação das fábricas. A identificação foi realizada com base no país de origem de cada amostra, por exemplo, Portugal (P); Alemanha (A) e França (F) e também foram numeradas. Para auxiliar na caracterização física, química e mineralógica dos azulejos foram preparadas seções polidas de cortes transversais, mostrando as espessuras de vidrado e biscoito. A preparação foi realizada no Laboratório de Laminação do Centro de Geociências da UFPA. As seções polidas abrangem todas as cores da decoração dos azulejos. A caracterização física restringiu-se á verificação da porosidade dos azulejos através das análises de absorção total em água e densidade pelo picnômetro de Hubbardd, este último realizado no Núcleo de Tecnologia da Preservação e da Restauração (UFBA). Além disso, foram verificadas as espessuras do biscoito dos azulejos utilizando uma lupa, além de microscópio ótico e eletrônico na verificação das possíveis fragilidades como fraturas, craquelês e bolhas de ar. As densidades das amostras foram verificadas para complementar os resultados da absorção total em água. Devido tratar-se de um material cerâmico poroso, a água é facilmente absorvida e o picnômetro de Hubbard foi o método mais adequado para ser utilizado nas amostras já que o mesmo utiliza mercúrio no lugar da água. As análises mineralógicas foram realizadas em um difratômetro da marca Philips, modelo PW 3710, equipado com tubo de cobre (CuK 1 = 1,54060), com monocromador e gerador de tensão e corrente ajustados para 45kV e 35 ma, respectivamente, pertencente ao Laboratório de raios-x do Centro de Geociências da Universidade Federal do Pará. A composição química foi realizada por Microscopia Eletrônica de Varredura com sistema de análise por dispersão de energia (MEV-EDS), que fornece a composição química pontual ou região da superfície, possibilitando a identificação de praticamente qualquer elemento presente na amostra. Foram realizadas também análises químicas totais em três amostras (A1, F1 e P4ii) por diferentes métodos de análises via-úmida e por espectroscopia de absorção atômica. RESULTADOS Caracterização física As amostras dos azulejos possuem espessuras variando entre 0,55cm a 1,25cm. Nestes valores estão inclusas as superfícies com relevo, tanto no vidrado quanto no tardoz (parte posterior dos azulejos). Dentre as amostras observou-se uma diferenciação na homogeneidade caracterizada pela presença ou não de grãos (minerais) em matriz vítrea.tais grãos apresentam formas angulosas e tamanhos variados (entre 10 µm a 40 µm). Das amostras estudadas neste trabalho, os resultados da absorção total em água revelam uma porosidade acessível bastante diversificada. Foi observado que os azulejos portugueses são os que apresentam em geral uma maior absorção de água, quando comparados com os alemães e franceses analisados.

4 Todos os resultados das analises realizadas, bem como as amostras e suas procedências estão apresentados na tabela 1. Tabela 1 Identificação, procedência, absorção total em água, densidade (com e sem vidrado) e espessura total dos azulejos do final do século XIX e início do século XX. Amostras País de origem Absorção em Água (%) *Azulejos com relevo na face principal Densidade sem vidrado (kg/cm 3 ) **Azulejo com relevo no tardoz (parte de traz do azulejo) Densidade com vidrado (kg/cm 3 ) Espessura Total (cm) Espessura do biscoito (mm) P1 Portugal 18,08 1,93 2,00 0,91 8,6 a 8,56 P2 Portugal 17,82 1,50 1,97 0,90 5,8 a 4,6 P3 Portugal 18,57 1,56 1,73 0,99 a 0,80 ** 6,6 a 5,6 P4i Portugal 27,94 1,66 1,64 0,85 a 0,65 ** 6,42 a 6,36 P4ii Portugal 23,46 1,76 2,11 0,90 a 0,55 ** 5,38 a 5,26 P5 Portugal 15,22 1,58 1,75 1,00 9,9 a 9,5 P6 Portugal 27,58 1,61 1, a 0,80 * 7,92 a 7,26 P7 Portugal 17,83 1,61 1,66 0,85 8,16 a 8,06 P8 Portugal 16,11 1,64 1,72 0,90 8,6 a 8,56 P9 Portugal 19,17 1,54 1,66 0,85 8,04 a 7,98 P10 Portugal 29,79 1,42 1,78 0,90 a 0,82 ** 8,14 a 8,1 P11 Portugal 23,00 1,87 2,20 0,68 6,6 a 6,5 P12 Portugal 19,50 1,71 1,75 0,92 a 0,85** 8,2 a 8,16 P13 Portugal 17,40 1,38 1,40 0,65 6,22 a 6,2 P14 Portugal 20,88 1,63 1,83 0,91 a 0,81 ** 8,0 a 7,96 P15 Portugal 19,22 1,59 2,15 0,90 8,86 a 8,7 A1 Alemanha 6,77 1,77 1,90 1,00 a 9,8 ** 9,76 a 9,66 A2 Alemanha 9,70 1,64 1,70 1,12 a 1,08 * 10,72 a 10,66 F1 França 14,58 1,72 1,74 0,71 a 0,61 ** 6,02 a 6,0 Caracterização Mineralógica A presença de equivalentes minerais de anortita, gehlenita, diopsídio e wollastonita, cuja formação acontece pós quebra da estrutura da calcita, do quartzo e do argilomineral, provavelmente caulinita, indica que tais amostras tiveram temperatura de queima superior a 1000 ºC.

5 Os equivalentes minerais de mullita, cristobalita, tridimita indicam uma matéria-prima composta basicamente de caulinita e quartzo. Santos (1989) explica que tais fases são originadas a partir de um aumento crescente de temperatura, a partir de 1000ºC para caulinita e tridimita, e 1200ºC para cristobalita. A calcita pode ter existido na composição do azulejo, mas sendo a queima superior a 1000ºC, sua estrutura foi quebrada. Isto indica que sua formação foi pós-queima, possivelmente originada pelo óxido de cálcio sem combinação durante a cozedura do biscoito, ou pelo hidróxido de cálcio da argamassa de assentamento destes azulejos que migrou pela porosidade do material. A caracterização mineralógica das amostras por difração de Raios-X está apresentada na Tabela 2. Tabela 2 - Identificação, composição mineralógica da base cerâmica (biscoito) e procedência dos azulejos. Amostras Procedência Resultados da Difração P1- BIS Portugal quartzo, anortita, calcita, gehlenita, diopsídio P2- BIS Portugal quartzo, calcita, diopsídio, gehlenita, wollastonita P3- BIS Portugal quartzo, calcita, diopsídio, gehlenita, cristobalita P4i- BIS Portugal quartzo, diopsídio, calcita, gehlhenita, anortita P4ii- BIS Portugal quartzo, diopsídio, calcita, anortita, tridimita, gehlenita. P5- BIS Portugal quartzo, calcita, gehlenita, diopsídio, cristobalita. P6- BIS Portugal quartzo, wollastonita, gehlenita, diopsídio. P7- BIS Portugal quartzo, calcita, diopsídio, gehlenita. P8- BIS Portugal quartzo, calcita, mullita, diopsídio P9- BIS Portugal quartzo, gehlenita, wollastonita, calcita, diopsídio. P10- BIS Portugal quartzo, gehlenita, Wollastonita. P11- BIS Portugal quartzo, calcita, gehlenita, wollastonita. P12- BIS Portugal quartzo, anortita,diopsídio,gehlenita, wollastonita P13- BIS Portugal quartzo,calcita,diopsídio, cristobalita, gehlenita. P14- BIS Portugal quartzo, mullita, diopsídio. P15- BIS Portugal quartzo, tridimita, gehlenita, wollastonita. A1- BIS Alemanha quartzo, mullita, cristobalita. A2- BIS Alemanha quartzo, mullita, cristobalita. F1- BIS França quartzo, mullita, cristobalita.

6 Caracterização química A amostra A1 representa os azulejos alemães na análise química e este obteve como resultado um alto teor de SiO 2 (74,08 %) e Al 2 O 3 (19,12 %), indicando que a matéria prima utilizada apresenta um caráter mais puro, composta principalmente por caulinita e quartzo. A amostra P4ii, representa todos os azulejos portugueses e obteve como resultado, além do alto teor de SiO 2 (46,38 %) e Al 2 O 3 (17,02 %), um alto teor de CaO (22,96 %), muito utilizado como fundente, indicando a presença de outros compostos químicos como carbonatos e óxidos e/ou hidróxidos de ferro. A amostra F1 obteve resultados similares aos dos azulejos alemães. Nesta, o alto teor de SiO 2 (71,54 %), juntamente com o de Al 2 O 3 (22,37 %), indicando, assim como nas amostras alemães, que a matéria prima utilizada apresenta um caráter mais puro, composta principalmente por caulim e sílica. Tabela 3 Análise química total % de Óxidos SiO 2 Al 2 O 3 Fe 2 O 3 t TiO 2 P 2 O 5 P.F Na 2 O K 2 O CaO MgO Amostra A1 74,08 19,12 0,54 0,34 <0,01 0,87 2,40 1,34 0,48 0,15 Amostra F1 71,54 22,37 0,77 0,68 <0,01 0,74 0,26 2,12 0,21 0,34 Amostra P4ii 46,38 17,02 3,64 0,73 <0,11 2,75 0,74 2,43 22,96 3,24 CONCLUSÕES As informações obtidas mostram claramente uma diferenciação entre os azulejos provenientes de grandes centros produtores do século XIX, como Alemanha e França, que apresentam uma composição mineralógica alcançada a temperaturas superiores a 1200 ºC, cuja matéria-prima utilizada foi possivelmente composta de caulinita e quartzo. Já as demais amostras apresentam diversas fases derivadas da presença de carbonatos na matéria-prima, muito utilizado como fundente, caracterizando assim uma amostra que não ultrapassou os 1200ºC necessários para formar mullita, mas que foi superior a 1000ºC. PALAVRAS CHAVES: Cerâmica, azulejo, caracterização mineralógica, patrimônio cultural, mineralogia aplicada

7 AGRADECIMENTOS Ao CNPq pela bolsa de Iniciação Científica a nós concedida; a SECTAM/FUNTEC; a DAU/UFPA e ao NTPR/UFBA REFERÊNCIAS SANJAD, T. A. B. C. (2002). Patologias e conservação de azulejos: um estudo tecnológico de conservação e restauração de azulejos dos séculos XVI, XVII e XIX, encontrados na cidade de Belém e Salvador. Salvador: Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Arquitetura, 206p. (Dissertação de Mestrado). SANTOS, P. de S. Ciência e tecnologia de argilas. São Paulo: Ed. Edgard Blücher, v.3.

Geociências. Caracterização mineralógica de azulejos de Salvador e Belém dos séculos XVI, XVII e XIX. Abstract. Resumo. Thais A. B.

Geociências. Caracterização mineralógica de azulejos de Salvador e Belém dos séculos XVI, XVII e XIX. Abstract. Resumo. Thais A. B. Thais A. B. Caminha Sanjad et al. Geociências Caracterização mineralógica de azulejos de Salvador e Belém dos séculos XVI, XVII e XIX Thais A. B. Caminha Sanjad Arquiteta, doutoranda do curso de Pós-Graduação

Leia mais

CONHECENDO ALGUNS PIGMENTOS MINERAIS DE MINAS GERAIS PARTE II

CONHECENDO ALGUNS PIGMENTOS MINERAIS DE MINAS GERAIS PARTE II 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 1 CONHECENDO ALGUNS PIGMENTOS MINERAIS DE MINAS GERAIS PARTE II A. R. P. Pereira, J. A. S. Oliveira, M. J. S. F. da Silva, O. M. de Sousa, J. O. Saturnino.

Leia mais

A INCORPORAÇÃO DE PÓ DE EXAUSTÃO EM MASSA CERÂMICA ATOMIZADA TIPO SEMIGRÊS

A INCORPORAÇÃO DE PÓ DE EXAUSTÃO EM MASSA CERÂMICA ATOMIZADA TIPO SEMIGRÊS A INCORPORAÇÃO DE PÓ DE EXAUSTÃO EM MASSA CERÂMICA ATOMIZADA TIPO SEMIGRÊS W. R. Knop 1, L. Dalla. Valentina 2, M. V. Folgueiras 3, S.C.Semptikovski 4 Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA GRANALHA DE AÇO RECUPERADA DO RESÍDUO DE ROCHAS ORNAMENTAIS POR SEPARAÇÃO MAGNÉTICA

CARACTERIZAÇÃO DA GRANALHA DE AÇO RECUPERADA DO RESÍDUO DE ROCHAS ORNAMENTAIS POR SEPARAÇÃO MAGNÉTICA CARACTERIZAÇÃO DA GRANALHA DE AÇO RECUPERADA DO RESÍDUO DE ROCHAS ORNAMENTAIS POR SEPARAÇÃO MAGNÉTICA E. Junca, V. B. Telles, G. F. Rodrigues, J.R. de Oliveira, J.A.S. Tenório Av. Prof. Mello Moraes n.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO GESSO RECICLADO CALCINADO NA TEMPERATURA DE 200ºC

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO GESSO RECICLADO CALCINADO NA TEMPERATURA DE 200ºC 1 CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO GESSO RECICLADO CALCINADO NA TEMPERATURA DE 200ºC J. A. Roque (1); M. M. T. M. Lima (2); G. Camarini (3) Caixa Postal 6021, CEP: 13.083-852,

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aulas 7 1º sem.

Leia mais

VII JORNDAS TÉCNICAS INTERNACIONAIS SOBRE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA INDÚSTRIA DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS.

VII JORNDAS TÉCNICAS INTERNACIONAIS SOBRE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA INDÚSTRIA DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS. 1 VII JORNDAS TÉCNICAS INTERNACIONAIS SOBRE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA INDÚSTRIA DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS. RIO CLARO (SP) 24-25 NOVEMBRO 2003 CRICIUMA (SC) 27-28 NOVEMBRO 2003 DESENVOLVIMENTO DE FORMULAÇÕES

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE ARGILA EXPANDIDA PARA APLICAÇÃO COMO AGREGADO EM CONCRETO ESTRUTURAL LEVE

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE ARGILA EXPANDIDA PARA APLICAÇÃO COMO AGREGADO EM CONCRETO ESTRUTURAL LEVE 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 1 CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE ARGILA EXPANDIDA PARA APLICAÇÃO COMO AGREGADO EM CONCRETO ESTRUTURAL LEVE W.G. Moravia; C.A.S. Oliveira; W.L. Vasconcelos;

Leia mais

Massas cerâmicas para telhas: características e comportamento de queima (Ceramic bodies for roofing tiles: characteristics and firing behavior)

Massas cerâmicas para telhas: características e comportamento de queima (Ceramic bodies for roofing tiles: characteristics and firing behavior) Cerâmica 49 (2003) 245-250 245 Massas cerâmicas para telhas: características e comportamento de queima (Ceramic bodies for roofing tiles: characteristics and firing behavior) C. M. F. Vieira, T. M. Soares,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MINERALÓGICA DE MATERIAL ARGILOSO PROVENIENTE DO MUNICÍPIO DE SANTA BÁRBARA PA RESUMO

CARACTERIZAÇÃO MINERALÓGICA DE MATERIAL ARGILOSO PROVENIENTE DO MUNICÍPIO DE SANTA BÁRBARA PA RESUMO CRCTERIZÇÃO MINERLÓGIC DE MTERIL RGILOSO PROVENIENTE DO MUNICÍPIO DE SNT BÁRBR P E.. Hildebrando(1); T. Sheller(2); R. S. ngélica, (2); R. F. Neves(3) Folha 17, uadra 04, Lote Especial, Nova Marabá, Marabá-P

Leia mais

CARACTERIZAÇÕES FÍSICAS E POZOLÂNICAS DAS ARGILAS DE IVINHEMA/MS

CARACTERIZAÇÕES FÍSICAS E POZOLÂNICAS DAS ARGILAS DE IVINHEMA/MS CARACTERIZAÇÕES FÍSICAS E POZOLÂNICAS DAS ARGILAS DE IVINHEMA/MS Antonio Aparecido Zanfolim; Dalton Pedroso de Queiroz; Aguinaldo Lenine Alves; Alberny Alves Ferreira; Rony Gonçalves de Oliveira 1 ; RESUMO

Leia mais

DOSAGEM DE MASSA CERÂMICA PARA BLOCOS PRENSADOS COM ADIÇÃO DE RESÍDUO DE GRANITO ATRAVÉS DO MÉTODO SIMPLEX

DOSAGEM DE MASSA CERÂMICA PARA BLOCOS PRENSADOS COM ADIÇÃO DE RESÍDUO DE GRANITO ATRAVÉS DO MÉTODO SIMPLEX DOSAGEM DE MASSA CERÂMICA PARA BLOCOS PRENSADOS COM ADIÇÃO DE RESÍDUO DE GRANITO ATRAVÉS DO MÉTODO SIMPLEX L. G. Pedroti 2, C. M. F. Vieira 2, J. Alexandre 1,, S. N. Monteiro 2, G. C. Xavier 1 1 Laboratório

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUO DE PÓ DE MÁRMORE PARA APLICAÇÃO EM MATERIAIS CERÂMICOS

CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUO DE PÓ DE MÁRMORE PARA APLICAÇÃO EM MATERIAIS CERÂMICOS CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUO DE PÓ DE MÁRMORE PARA APLICAÇÃO EM MATERIAIS CERÂMICOS Thiago de F. Almeida 1* (D), Flaviane H. G. Leite 1 (D) José N. F. de Holanda 1 1-Universidade Estadual do Norte Fluminense

Leia mais

IPT IPT. Instituto de Pesquisas Tecnológicas

IPT IPT. Instituto de Pesquisas Tecnológicas Relatório Técnico Nº 85 176-205 - 121/192 Foto 39 - Ondulada refeitório. Perfil de alteração da BAS. Zona de corrosão, carbonatação e pouco carbonatada. Notar grãos de clínquer e fibras como inertes e

Leia mais

Metalurgia & Materiais

Metalurgia & Materiais Luiz Alberto Baptista Pinto Junior et al. Metalurgia & Materiais Caracterização do resíduo de manta cerâmica usada para isolamento térmico e sua utilização na fabricação de argamassa Characterization of

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA E MINERALÓGICA DE RESÍDUOS DE QUARTZITOS PARA UTILIZAÇÃO EM REVESTIMENTO CERÂMICO

CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA E MINERALÓGICA DE RESÍDUOS DE QUARTZITOS PARA UTILIZAÇÃO EM REVESTIMENTO CERÂMICO CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA E MINERALÓGICA DE RESÍDUOS DE QUARTZITOS PARA UTILIZAÇÃO EM REVESTIMENTO CERÂMICO Souza, Marcondes Mendes IFRN marcondes.mendes@ifrn.edu.br 1 Costa, Franciné Alves UFRN - facosta@ct.ufrn.br

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio César Giubilei

Leia mais

DECOMPOSIÇÃO TÉRMICA DO SILICATO DE MANGANÊS ESPESSARTITA

DECOMPOSIÇÃO TÉRMICA DO SILICATO DE MANGANÊS ESPESSARTITA XXV Encontro Nacional de Tratamento de Minérios e Metalurgia Extrativa & VIII Meeting of the Southern Hemisphere on Mineral Technology, Goiânia - GO, 20 a 24 de Outubro 2013 DECOMPOSIÇÃO TÉRMICA DO SILICATO

Leia mais

IPT A N E X O S D. Microscopia eletrônica de varredura com espectroscopia de energia dispersiva

IPT A N E X O S D. Microscopia eletrônica de varredura com espectroscopia de energia dispersiva Relatório Técnico Nº 85 176-205 - 138/192 A N E X O S D Microscopia eletrônica de varredura com espectroscopia de energia dispersiva Relatório Técnico Nº 85 176-205 - 139/192 Foto 1 Am-4 Forjaria. Agregado

Leia mais

INFLUÊNCIA DA GRANULOMETRIA E TEMPERATURA DE QUEIMA SOBRE O GRAU DE DENSIFICAÇÃO DE ARGILAS DA REGIÃO DE MARTINÓPÓLIS SP

INFLUÊNCIA DA GRANULOMETRIA E TEMPERATURA DE QUEIMA SOBRE O GRAU DE DENSIFICAÇÃO DE ARGILAS DA REGIÃO DE MARTINÓPÓLIS SP 1 INFLUÊNCIA DA GRANULOMETRIA E TEMPERATURA DE QUEIMA SOBRE O GRAU DE DENSIFICAÇÃO DE ARGILAS DA REGIÃO DE MARTINÓPÓLIS SP S. R. Teixeira, F. C. Dias, A. E. Souza, G. T. Almeida Santos, M. A. L. Nobre

Leia mais

Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios. Prof. Gustavo Baldi de Carvalho

Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios. Prof. Gustavo Baldi de Carvalho Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios Prof. Gustavo Baldi de Carvalho Indústrias: Plásticos Cerâmica Metalúrgica Amplamente utilizado nas indústrias de plásticos, tintas, papel e cosméticos,

Leia mais

ESTUDO DE ATIVAÇÃO ÁCIDA DA ATAPULGITA DO PIAUÍ PARA USO NA CLARIFICAÇÃO DE ÓLEOS

ESTUDO DE ATIVAÇÃO ÁCIDA DA ATAPULGITA DO PIAUÍ PARA USO NA CLARIFICAÇÃO DE ÓLEOS ESTUDO DE ATIVAÇÃO ÁCIDA DA ATAPULGITA DO PIAUÍ PARA USO NA CLARIFICAÇÃO DE ÓLEOS Filipe de Santana Guedes Programa de capacitação Institucional, PCI. Luiz Carlos Bertolino Orientador, Geólogo, D.Sc. lcbertolino@cetem.gov.br

Leia mais

ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO

ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO Ana Maria Gonçalves Duarte Mendonça 1, Milton Bezerra das Chagas Filho 2, Taíssa Guedes 3, Yane Coutinho Lira 4, Daniel Beserra

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE ESCÓRIA DE ACIARIA LD ATRAVÉS DE ANÁLISE QUÍMICA E DIFRAÇÃO DE RAIOS-X PARA ATIVAÇÃO QUÍMICA.

CARACTERIZAÇÃO DE ESCÓRIA DE ACIARIA LD ATRAVÉS DE ANÁLISE QUÍMICA E DIFRAÇÃO DE RAIOS-X PARA ATIVAÇÃO QUÍMICA. CARACTERIZAÇÃO DE ESCÓRIA DE ACIARIA LD ATRAVÉS DE ANÁLISE QUÍMICA E DIFRAÇÃO DE RAIOS-X PARA ATIVAÇÃO CHARACTERIZATION OF BOF STEEL SLAG USING CHEMICAL ANALYSIS AND X-RAY DIFFRACTION FOR CHEMICAL ACTIVATION.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA POTENCIALIDADE DE ARGILAS DO RN QUANDO SUBMETIDAS A ELEVADAS TAXAS DE AQUECIMENTO

AVALIAÇÃO DA POTENCIALIDADE DE ARGILAS DO RN QUANDO SUBMETIDAS A ELEVADAS TAXAS DE AQUECIMENTO AVALIAÇÃO DA POTENCIALIDADE DE ARGILAS DO RN QUANDO SUBMETIDAS A ELEVADAS TAXAS DE AQUECIMENTO Filgueira, R. L.; Pereira, L.M.; Dutra, R.P.S.; Nascimento, R.M. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MINERALOGICA DE AZULEJOS PORTUGUESES DO CENTRO HISTORICO DE SÃO LUIS DO MARANHÃO

CARACTERIZAÇÃO MINERALOGICA DE AZULEJOS PORTUGUESES DO CENTRO HISTORICO DE SÃO LUIS DO MARANHÃO 19º Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciênia dos Materiais CBECiMat, 21 a 25 de novembro de 2010, Campos do Jordão, SP, Brasil CARACTERIZAÇÃO MINERALOGICA DE AZULEJOS PORTUGUESES DO CENTRO HISTORICO

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE ARGILAS DA REGIÃO NORTE DE SANTA CATARINA

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE ARGILAS DA REGIÃO NORTE DE SANTA CATARINA CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE ARGILAS DA REGIÃO NORTE DE SANTA CATARINA S.L. Correia 1, E.L. Bloot 1, M. V. Folgueras 1, D. Hotza 2 1 Universidade do Estado de Santa Catarina, Centro de Ciências Tecnológicas

Leia mais

USO DE LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA PARA PRODUÇÃO DE BLOCOS CERÂMICOS

USO DE LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA PARA PRODUÇÃO DE BLOCOS CERÂMICOS 1 USO DE LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA PARA PRODUÇÃO DE BLOCOS CERÂMICOS Marcus Vinicius Veleda Ramires (1) Ivana Suely Soares dos Santos (1) Claudio de Souza Kazmierczak (1) Av. Unisinos, 950

Leia mais

Caracterização da Deterioração do Mármore Componente das Banheiras Históricas Situadas no Parque Nacional da Tijuca.

Caracterização da Deterioração do Mármore Componente das Banheiras Históricas Situadas no Parque Nacional da Tijuca. Caracterização da Deterioração do Mármore Componente das Banheiras Históricas Situadas no Parque Nacional da Tijuca. Beatriz M. Morani Bolsista de Iniciação Científica, Geologia, UFRJ Adriano Caranassios

Leia mais

PROBLEMAS EM INTERVENÇÕES NO PATRIMÔNIO HISTÓRICO NACIONAL SEM CARACTERIZAÇÃO TECNOLÓGICA

PROBLEMAS EM INTERVENÇÕES NO PATRIMÔNIO HISTÓRICO NACIONAL SEM CARACTERIZAÇÃO TECNOLÓGICA PROBLEMAS EM INTERVENÇÕES NO PATRIMÔNIO HISTÓRICO NACIONAL SEM CARACTERIZAÇÃO TECNOLÓGICA 1 R.E.C. da Silva, 1 R. C. C. Ribeiro RESUMO - Temos assistido um grande interesse na investigação de materiais

Leia mais

Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis. de Radiação. V. Vivolo, L.V.E. Caldas

Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis. de Radiação. V. Vivolo, L.V.E. Caldas Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis de Radiação V. Vivolo, L.V.E. Caldas Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, Comissão Nacional de Energia Nuclear, P.O. Box

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ

ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ Carolina Coelho da Rosa carolinarosa@ufpa.br Debora Dias Costa Moreira deborinhadias@hotmail.com Géssica Katalyne Bilcati ge_katalyne87@hotmail.com UFPA,

Leia mais

Influência dos recalques do radier na edificação

Influência dos recalques do radier na edificação Influência dos recalques do radier na edificação The influence of vertical displacement in the foundation raft for the building Cícero Isac de Alencar de Lima¹; Ricardo José Carvalho Silva²; Francisco

Leia mais

V 2 O 5 /TiO 2, especificamente, o vanádio encontra-se altamente disperso. Os resultados de XPS indicaram a presença de íons V 4+ e V 5+ nos

V 2 O 5 /TiO 2, especificamente, o vanádio encontra-se altamente disperso. Os resultados de XPS indicaram a presença de íons V 4+ e V 5+ nos Resumo Os óxidos mistos V 2 O 5 /SiO 2, V 2 O 5 /TiO 2 e V 2 O 5 /Al 2 O 3 foram sintetizados pelo método sol-gel, bem como seus correspondentes óxidos puros, SiO 2, TiO 2 e Al 2 O 3. Os óxidos mistos

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Avaliação da dolomita funcionalizada

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS ISOLADORES ELÉTRICOS CERÂMICOS DESCARTADOS PELAS REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ELETRECIDADE E COMPARAÇÃO COM PRODUTOS SIMILARES SEM USO.

CARACTERIZAÇÃO DOS ISOLADORES ELÉTRICOS CERÂMICOS DESCARTADOS PELAS REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ELETRECIDADE E COMPARAÇÃO COM PRODUTOS SIMILARES SEM USO. CARACTERIZAÇÃO DOS ISOLADORES ELÉTRICOS CERÂMICOS DESCARTADOS PELAS REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ELETRECIDADE E COMPARAÇÃO COM PRODUTOS SIMILARES SEM USO. C.S. Franco 1 ; V.A. Mantovani 1 ; M. Fávero 1 ; J.

Leia mais

ESTUDO DE RESÍDUOS DE ROCHAS ORNAMENTAIS PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAIS VÍTREOS

ESTUDO DE RESÍDUOS DE ROCHAS ORNAMENTAIS PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAIS VÍTREOS doi: 10.4322/tmm.2011.032 ESTUDO DE RESÍDUOS DE ROCHAS ORNAMENTAIS PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAIS VÍTREOS Girley Ferreira Rodrigues 1 Joner Oliveira Alves 2 Jorge Alberto Soares Tenório 3 Denise Crocce Romano

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE CINZA DE BAGAÇO DE CANA PARA PRODUZIR MATERIAL VITRO-CERÂMICO DO SISTEMA SiO 2 -CaO-Na 2 O

UTILIZAÇÃO DE CINZA DE BAGAÇO DE CANA PARA PRODUZIR MATERIAL VITRO-CERÂMICO DO SISTEMA SiO 2 -CaO-Na 2 O UTILIZAÇÃO DE CINZA DE BAGAÇO DE CANA PARA PRODUZIR MATERIAL VITRO-CERÂMICO DO SISTEMA SiO 2 -CaO-Na 2 O S.R.Teixeira 1, J.Ma.Rincón 2, M.Romero 2, R.S.Magalhães 1,G.T.A.Santos 1, C.L.Carvalho 3 rainho@fct.unesp.br

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES TÉRMICAS DO CAULIM DURO DA REGIÃO DO RIO CAPIM, PARÁ

TRANSFORMAÇÕES TÉRMICAS DO CAULIM DURO DA REGIÃO DO RIO CAPIM, PARÁ TRNSFORÇÕES TÉRICS DO CULI DURO D REGIÃO DO RIO CPI, PRÁ B. S. Carneiro 1, R. S. ngélica 2, T. Scheller 2, W... Costa 2, E.. S. Castro 1, R. F. Neves 3 Tv. Tupinambás, n 540 / apt 701, Batista Campos,

Leia mais

CORROSÃO EM MEIO DE DIESEL DO AÇO CARBONO REVESTIDO COM COBRE. Danielle Cristina Silva (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil)

CORROSÃO EM MEIO DE DIESEL DO AÇO CARBONO REVESTIDO COM COBRE. Danielle Cristina Silva (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil) CORROSÃO EM MEIO DE DIESEL DO AÇO CARBONO REVESTIDO COM COBRE Danielle Cristina Silva (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil) Julian Johann (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil) Maico

Leia mais

Espectometriade Fluorescência de Raios-X

Espectometriade Fluorescência de Raios-X FRX Espectometriade Fluorescência de Raios-X Prof. Márcio Antônio Fiori Prof. Jacir Dal Magro FEG Conceito A espectrometria de fluorescência de raios-x é uma técnica não destrutiva que permite identificar

Leia mais

Aula 2: O estudo da matéria

Aula 2: O estudo da matéria KROTON S.A. UNIC EDUCACIONAL LTDA. ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2015/1 Aula 2: O estudo da matéria A Matéria Conceitos; Tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. - O que é massa? - Como se afere a massa de

Leia mais

MARCELO DE LIMA BRAZ REDUÇÃO DA QUANTIDADE DE REPROCESSO NO SETOR DE PRODUÇÃO DE CALDOS ALIMENTÍCIOS NA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO (ERA).

MARCELO DE LIMA BRAZ REDUÇÃO DA QUANTIDADE DE REPROCESSO NO SETOR DE PRODUÇÃO DE CALDOS ALIMENTÍCIOS NA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO (ERA). MARCELO DE LIMA BRAZ REDUÇÃO DA QUANTIDADE DE REPROCESSO NO SETOR DE PRODUÇÃO DE CALDOS ALIMENTÍCIOS NA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO (ERA). Poços de Caldas / MG 2014 MARCELO DE LIMA BRAZ REDUÇÃO DA QUANTIDADE

Leia mais

PROPOSTA DE RESTAURAÇÃO PARA A IGREJA DE SANTO ANTÔNIO EM BELÉM/PA. Aluna: Stephanie Mendes Orientadora: Profa. Dra. Thais Sanjad

PROPOSTA DE RESTAURAÇÃO PARA A IGREJA DE SANTO ANTÔNIO EM BELÉM/PA. Aluna: Stephanie Mendes Orientadora: Profa. Dra. Thais Sanjad PROPOSTA DE RESTAURAÇÃO PARA A IGREJA DE SANTO ANTÔNIO EM BELÉM/PA Aluna: Stephanie Mendes Orientadora: Profa. Dra. Thais Sanjad Século XVIII Brasil disseminação da a arquitetura Barroca Construções Religiosas

Leia mais

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Leonardo Pimenta de Mello Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título

Leia mais

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Ribeiro e Silva Ferreira, Karime; Sabedot, Sydney; Hoffmann Sampaio, Carlos Avaliação da presença de monazita em concentrado

Leia mais

Por que a mineração é importante na sua vida e no seu dia-a-dia

Por que a mineração é importante na sua vida e no seu dia-a-dia Por que a mineração é importante na sua vida e no seu dia-a-dia A importância da mineração nos dias de hoje A qualidade de vida é tema cada vez mais discutido atualmente. Quem viaja quer contar com rodovias

Leia mais

E-mail: lucio_eugenio@hotmail.com

E-mail: lucio_eugenio@hotmail.com ESTUDO DE DOSAGEM DO CONCRETO CONVENCIONAL FEITO COM CP II F-32 E AGREGADOS DE RIO BRANCO - ACRE E UTILIZAÇÃO DE ARGILA CALCINADA DO MESMO LOCAL COMO POZOLANA NA SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO CIMENTO CONSALES,

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

FORMULAÇÃO DE MASSA CERÂMICA PARA FABRICAÇÃO DE TELHAS

FORMULAÇÃO DE MASSA CERÂMICA PARA FABRICAÇÃO DE TELHAS 1 FORMULAÇÃO DE MASSA CERÂMICA PARA FABRICAÇÃO DE TELHAS R.M.P.R. Macêdo 1,2 ; R.P.S. Dutra 1 ; R.M. Nascimento 1,3 ; U.U. Gomes 1 ; M.A.F. Melo 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN Campus

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DA UTILIZAÇÃO DAS ARGILAS DO MUNICÍPIO DE POÇO FUNDO-MG NA FABRICAÇÃO DE TIJOLOS

ESTUDO DA VIABILIDADE DA UTILIZAÇÃO DAS ARGILAS DO MUNICÍPIO DE POÇO FUNDO-MG NA FABRICAÇÃO DE TIJOLOS ESTUDO DA VIABILIDADE DA UTILIZAÇÃO DAS ARGILAS DO MUNICÍPIO DE POÇO FUNDO-MG NA FABRICAÇÃO DE TIJOLOS L. A. Gaspar Junior (1), ; A. F. D. C. Varajão (2) ; M. H. O. Souza (3) ; M. M. T. Moreno (4) 1 UNIFAL;

Leia mais

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO COMPARAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO TIJOLO DE SOLO-CIMENTO INCORPORADO COM RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROVENIENTES DE CATAGUASES - MG E O RESÍDUO DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DAS INDÚSTRIAS PERTENCENTES

Leia mais

Otimização de uma metodologia para análise mineralógica racional de argilominerais. (Otimization of rational mineralogical analysis of ceramics)

Otimização de uma metodologia para análise mineralógica racional de argilominerais. (Otimization of rational mineralogical analysis of ceramics) Cerâmica 51 (2005) ) 387-391 387 timização de uma metodologia para análise mineralógica racional de argilominerais (timization of rational mineralogical analysis of ceramics) M. L. Varela 1, R. M. do Nascimento

Leia mais

Geologia Noções básicas. Profa. Dra. Andrea Sell Dyminski UFPR 2010

Geologia Noções básicas. Profa. Dra. Andrea Sell Dyminski UFPR 2010 Geologia Noções básicas Profa. Dra. Andrea Sell Dyminski UFPR 2010 Estrutura do Planeta Terra Fonte: http://domingos.home.sapo.pt/estruterra_4.html Eras Geológicas Evolução dos Continentes Vídeos: http://www.youtube.com/watch?v=hsdlq8x7cuk

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA ARGILA PARA CONFECÇÃO DE BLOCOS PRENSADOS E QUEIMADOS

CARACTERIZAÇÃO DA ARGILA PARA CONFECÇÃO DE BLOCOS PRENSADOS E QUEIMADOS CARACTERIZAÇÃO DA ARGILA PARA CONFECÇÃO DE BLOCOS PRENSADOS E QUEIMADOS J. Alexandre ; C. L. de A. P. e Silva Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro Av. Alberto Lamego, 2000, Campos dos

Leia mais

A coleta da argila plástica e da laterita foram feitas diretamente no galpão de estoque da empresa Cerâmica Vermelha de forma regular e sistemática.

A coleta da argila plástica e da laterita foram feitas diretamente no galpão de estoque da empresa Cerâmica Vermelha de forma regular e sistemática. CARACTERIZAÇÃO TECNOLÓGICA E MINERALÓGICA DA MATÉRIA-PRIMA UTILIZADA NA FABRICAÇÃO DE BLOCOS CERÂMICOS N. Q. Campos; N. S. Tapajós. Laboratório de Beneficiamento de Minérios (LABEM) Instituto de Educação,

Leia mais

Artigo. Resumo. Abstract. Introdução. Materiais e Métodos. 64 Revista Analytica Agosto/Setembro 2013 nº 66

Artigo. Resumo. Abstract. Introdução. Materiais e Métodos. 64 Revista Analytica Agosto/Setembro 2013 nº 66 Artigo Caracterização e Classificação de Resíduo Gerado na Indústria de Metal-Mecânica Characterization and Classification of Waste Generated in Metal-Mechanical Industry Resumo O objetivo do presente

Leia mais

Anuário do Instituto de Geociências - UFRJ www.anuario.igeo.ufrj.br

Anuário do Instituto de Geociências - UFRJ www.anuario.igeo.ufrj.br www.anuario.igeo.ufrj.br Caracterização Tecnológica e Mineralógica dos Caulins Belmiro Braga e São Miguel do Anta, Minas Gerais Technological and Mineralogical Characterization of Belmiro Braga and São

Leia mais

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA CT CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE PETRÓLEO - PPGCEP DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO FELDSPATO PELO RESÍDUO DE VIDRO PLANO EM MASSAS PARA CERÂMICA BRANCA

SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO FELDSPATO PELO RESÍDUO DE VIDRO PLANO EM MASSAS PARA CERÂMICA BRANCA SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO FELDSPATO PELO RESÍDUO DE VIDRO PLANO EM MASSAS PARA CERÂMICA BRANCA V.S. Porto 1 ;, M.S.L. Cavalcanti 2 ; Araújo, A.M.B. C.R.S. Morais 1 1 Departamento de Ciênicias Básicas e Sociais-

Leia mais

TT77 AVALIAÇÃO DE INCRUSTAÇÃO EM TUBULAÇÃO DE PVC

TT77 AVALIAÇÃO DE INCRUSTAÇÃO EM TUBULAÇÃO DE PVC TT77 AVALIAÇÃO DE INCRUSTAÇÃO EM TUBULAÇÃO DE PVC OTAVIO LUIZ DO NASCIMENTO ENGENHEIRO CIVIL PELA FACULDADE DE ARQUITETURA E ENGENHARIA DA FUMEC (1991), MESTRE EM ENGENHARIA METALÚRGICA E MATERIAIS PELA

Leia mais

FONTE DE PLASTICIDADE E FUNDÊNCIA CONTROLADA PARA PORCELANATO OBTIDO POR MOAGEM VIA ÚMIDA

FONTE DE PLASTICIDADE E FUNDÊNCIA CONTROLADA PARA PORCELANATO OBTIDO POR MOAGEM VIA ÚMIDA FONTE DE PLASTICIDADE E FUNDÊNCIA CONTROLADA PARA PORCELANATO OBTIDO POR MOAGEM VIA ÚMIDA Henrique Cislagui da Silva, Nilson Schwartz da Silva e Rui Acácio Lima Neto SUMÁRIO Introdução Tendência da produção

Leia mais

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Célula à combustível é um material eletroquimico em

Leia mais

USO DE PÓ DE VIDRO COMO FUNDENTE NA PRODUÇÃO DE GRÊS PORCELANATO

USO DE PÓ DE VIDRO COMO FUNDENTE NA PRODUÇÃO DE GRÊS PORCELANATO 1 USO DE PÓ DE VIDRO COMO FUNDENTE NA PRODUÇÃO DE GRÊS PORCELANATO A. P. Luz; S. Ribeiro Polo Urbo Industrial Gleba AI-6, s/n, Bairro Mondesir, Lorena- SP, CP 116, CEP: 12600-000, E-mail: ana@ppgem.faenquil.br

Leia mais

21º CBECIMAT - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 09 a 13 de Novembro de 2014, Cuiabá, MT, Brasil

21º CBECIMAT - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 09 a 13 de Novembro de 2014, Cuiabá, MT, Brasil CARACTERIZAÇÃO E PROPRIEDADES TECNOLÓGICAS DE ARGILAS UTILIZADAS NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ E OESTE DE SANTA CATARINA C. Z. Valdameri 1, D. F. CIESCA 1, L. Zatta 2, F. J. Anaissi 3, Departamento de Engenharia

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA

COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA Andressa Garcia Lima 1, Dra. Maria Aurora Santos da Mota 2 1 Graduada em Meteorologia- UFPA, Belém-PA, Bra. andressinhagl@yahoo.com.br.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MINERALÓGICA PARA FINS TURÍSTICOS DAS AREIAS DE PONTA NEGRA NATAL/RN/BRASIL

CARACTERIZAÇÃO MINERALÓGICA PARA FINS TURÍSTICOS DAS AREIAS DE PONTA NEGRA NATAL/RN/BRASIL CARACTERIZAÇÃO MINERALÓGICA PARA FINS TURÍSTICOS DAS AREIAS DE PONTA NEGRA NATAL/RN/BRASIL J. Y. P. LEITE 1, F. ARAÚJO 2 e B. M. S. ARAÚJO Laboratório de Processamento Mineral - IFRN E-mail: jyp.leite@ifrn.edu.br

Leia mais

Difração. Espectrometria por Raios X 28/10/2009. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://ww.walmorgodoi.com

Difração. Espectrometria por Raios X 28/10/2009. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://ww.walmorgodoi.com Difração Espectrometria por Raios X Fenômeno encontrado enquanto ondas (sísmicas, acústicas, ondas de água, ondas eletromagnéticos, luz visível, ondas de rádio, raios X) encontram um obstáculo teia de

Leia mais

III Congresso Nacional de Meio Ambiente

III Congresso Nacional de Meio Ambiente Centro de Tecnologia Mineral Ministério da Ciência e Tecnologia Coordenação de Apoio Tecnológico a Micro e Pequena Empresa - CATE III Congresso Nacional de Meio Ambiente Aproveitamento dos Rejeitos Sólidos

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES ACAL 1. Definição. Generalidades. Características Gerais. Classificação. 2. Aglomerantes

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos Classificação dos materiais pétreos Fabricação de blocos cerâmicos Pedras naturais: encontradas in natura, usadas normalmente após beneficiamento. Ex.: agregados, placas de rocha para revestimento. Pedras

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

Caracterização da Fração Pedregulho de Materiais Utilizados em Pavimentação Através de Microscopia Óptica e Difração Raio-X

Caracterização da Fração Pedregulho de Materiais Utilizados em Pavimentação Através de Microscopia Óptica e Difração Raio-X Caracterização da Fração Pedregulho de Materiais Utilizados em Pavimentação Através de Microscopia Óptica e Difração Raio-X Yasser Arafat Belém de Figueiredo, Instituto Militar de Engenharia, Rio de Janeiro,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO PROVENIENTE DO DESDOBRAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLOGICOS DE SOLO-CIMENTO

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO PROVENIENTE DO DESDOBRAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLOGICOS DE SOLO-CIMENTO UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO PROVENIENTE DO DESDOBRAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLOGICOS DE SOLO-CIMENTO Joseane Damasceno Mota (1) Graduanda em Química Industrial na UEPB Djane de Fátima

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MINERALÓGICA PARA FINS TURÍSTICOS DAS AREIAS DE PONTA NEGRA NATAL/RN/BRASIL

CARACTERIZAÇÃO MINERALÓGICA PARA FINS TURÍSTICOS DAS AREIAS DE PONTA NEGRA NATAL/RN/BRASIL XXV Encontro Nacional de Tratamento de Minérios e Metalurgia Extrativa & VIII Meeting of the Southern Hemisphere on Mineral Technology, Goiânia - GO, 20 a 24 de Outubro 2013 CARACTERIZAÇÃO MINERALÓGICA

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO ALMEIDA, Diego Henrique de Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho UNESP MOLINA, Julio Cesar Escola

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DO ESTUDO DA CLORAÇÃO DE UM CONCENTRADO DE ILMENITA

ACOMPANHAMENTO DO ESTUDO DA CLORAÇÃO DE UM CONCENTRADO DE ILMENITA ACOMPANHAMENTO DO ESTUDO DA CLORAÇÃO DE UM CONCENTRADO DE ILMENITA Aluna: Marcella Golini Pires Orientadores: Eduardo Brocchi e Ludy Margarita Cáceres Montero Introdução A metalurgia é a ciência que estuda

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE NÍQUEL ELETRODEPOSITADO NA PRESENÇA DE NANOTUBOS DE CARBONO (NTC)

CARACTERIZAÇÃO DE NÍQUEL ELETRODEPOSITADO NA PRESENÇA DE NANOTUBOS DE CARBONO (NTC) CARACTERIZAÇÃO DE NÍQUEL ELETRODEPOSITADO NA PRESENÇA DE NANOTUBOS DE CARBONO (NTC) A.C.Lopes a,e.p.banczek a, I.Costa c, M.Terada b, M.T.Cunha a, P.R.P. Rodrigues a a Universidade Estadual do Centro-Oeste,

Leia mais

ESTUDO PARA O APROVEITAMENTO ECONÔMICO DA LAMA-ARGILOSA GERADA NO BENEFICIAMENTO DE AREIA INDUSTRIAL

ESTUDO PARA O APROVEITAMENTO ECONÔMICO DA LAMA-ARGILOSA GERADA NO BENEFICIAMENTO DE AREIA INDUSTRIAL ESTUDO PARA O APROVEITAMENTO ECONÔMICO DA LAMA-ARGILOSA GERADA NO BENEFICIAMENTO DE AREIA INDUSTRIAL JOEL MARTINS DOS SANTOS (SENAI) joel.martins@pr.senai.br Eliane Jorge dos Santos (SENAI) eliane.santos@pr.senai.br

Leia mais

BALANCEAMENTO ESPECTRAL DE VOLUME SÍSMICO 3D

BALANCEAMENTO ESPECTRAL DE VOLUME SÍSMICO 3D Copyright 2004, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

Reciclagem do Lodo da Estação de Tratamento de Efluentes de uma Indústria de Revestimentos Cerâmicos. Parte 2: Ensaios Industriais

Reciclagem do Lodo da Estação de Tratamento de Efluentes de uma Indústria de Revestimentos Cerâmicos. Parte 2: Ensaios Industriais Reciclagem do Lodo da Estação de Tratamento de Efluentes de uma Indústria de Revestimentos Cerâmicos. Parte 2: Ensaios Industriais P.F. Fernandes 1,2, A.P.N. Oliveira 2,3, D. Hotza 1,2 1 Universidade Federal

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA.

A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA. 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 1 A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA. Mello, Roberta Monteiro de (1) ; Oliveira, Amando Alves de (1)

Leia mais

CENTRO D'c Dtbc^v-XViMtNiO ÜA ítcnüi. ÜOÍ A I -

CENTRO D'c Dtbc^v-XViMtNiO ÜA ítcnüi. ÜOÍ A I - CENTRO D'c Dtbc^v-XViMtNiO ÜA ítcnüi. ÜOÍ A I - DESCONTAMINABILIDAOE RADIOATIVA EM MATE RIAIS DE RECOBRIMENTO PARA INSTALAÇÕES NUCLEARES Maria Ângela Menezes de Oliveira Melo NUCLEBRÃS/CDTN-545 EMPRESAS

Leia mais

RESULTADOS E VANTAGENES DA CARACTERIZAÇÃO DE AMOSTRAS POR MICROSCOPIA ELECTRONICA NO SEMAT/UM

RESULTADOS E VANTAGENES DA CARACTERIZAÇÃO DE AMOSTRAS POR MICROSCOPIA ELECTRONICA NO SEMAT/UM 16 th Workshop SEMAT/UM, Caracterização Avançada de Materiais Técnicas de preparação de amostras para análise por Microscopia Eletrónica (TEM, SEM, STEM) RESULTADOS E VANTAGENES DA CARACTERIZAÇÃO DE AMOSTRAS

Leia mais

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK.

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. Mario Henrique de Cerqueira Engenheiro de Desenvolvimento Ambiental - Tetra Pak 1. Introdução

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO TECNOLÓGICA DE UMA AMOSTRA DE MINÉRIO DE FERRO

CARACTERIZAÇÃO TECNOLÓGICA DE UMA AMOSTRA DE MINÉRIO DE FERRO XXV Encontro Nacional de Tratamento de Minérios e Metalurgia Extrativa & VIII Meeting of the Southern Hemisphere on Mineral Technology, Goiânia - GO, 20 a 24 de Outubro 2013 CARACTERIZAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

POROSIMETRIA AO MERCÚRIO

POROSIMETRIA AO MERCÚRIO 1 POROSIMETRIA AO MERCÚRIO 1 - INTRODUÇÃO A característica que determina a utilização em engenharia de muitos materiais é a sua porosidade. A forma, o tamanho e o volume de poros que um material apresenta

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DE AZULEJOS HISTÓRICOS

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DE AZULEJOS HISTÓRICOS CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DE AZULEJOS HISTÓRICOS Nathália Pimenta 1 (nathaliapiment@gmail.com) Oswaldo Cascudo 2 (ocascudo@gmail.com) Universidade Federal de Goiás, 74605-220, Brasil Palavras-chave Placa cerâmica,

Leia mais

Areias e Ambientes Sedimentares

Areias e Ambientes Sedimentares Areias e Ambientes Sedimentares As areias são formadas a partir de rochas. São constituídas por detritos desagregados de tamanhos compreendidos entre 0,063 e 2 milímetros. Areias: Ambiente fluvial As areias

Leia mais

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil ESTUDO TERMOANALÍTICO DE COMPÓSITOS DE POLI(ETILENO-CO-ACETATO DE VINILA) COM BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR Carla R. de Araujo, Igor B. de O. Lima, Cheila G. Mothé Departamento de Processos Orgânicos - Escola

Leia mais

Aula 02 (Revisão): Ligação Química e Estruturas Cristalinas

Aula 02 (Revisão): Ligação Química e Estruturas Cristalinas Aula 02 (Revisão): Ligação Química e Estruturas Cristalinas Prof. Dr. André Luiz Molisani Curso de Engenharia de Materiais e-mail: andre.molisani@fsa.br 2017 1 MATERIAL RECOMENDADO PARA ESTUDO: Capítulo

Leia mais

Núcleo de Ciências Químicas e Bromatológicas do Centro de

Núcleo de Ciências Químicas e Bromatológicas do Centro de INVESTIGAÇÃO DE SUSPEITA DE CACO DE VIDRO EM VINHO: IMPORTÂNCIA DO LABORATÓRIO DE SAÚDE PÚBLICA NOS CASOS DE PRODUÇÃO ANTECIPADA DE PROVAS * Prado SPT 1, Yokosawa CE 1, Rosales RRC 2 1 Núcleo de Ciências

Leia mais

FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS GEORGE PINHEIRO RAMOS

FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS GEORGE PINHEIRO RAMOS FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS GEORGE PINHEIRO RAMOS FATORES DETERMINANTES E INFLUENCIADORES DE COMPRA DA MÚSICA GOSPEL VITÓRIA 2013 2 GEORGE PINHEIRO RAMOS

Leia mais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Trabalho realizado por: Leonardo Vieira R. da Silveira Marcelo Henrique G. Bueno Ralf Marcelo. S. de Oliveira Professor: Renato de Sousa Dâmaso Disciplina:

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA DE QUEIMA NA MICROESTRUTURA DE ESPUMAS VÍTREAS OBTIDAS A PARTIR DE RESÍDUOS DE VIDRO

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA DE QUEIMA NA MICROESTRUTURA DE ESPUMAS VÍTREAS OBTIDAS A PARTIR DE RESÍDUOS DE VIDRO INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA DE QUEIMA NA MICROESTRUTURA DE ESPUMAS VÍTREAS OBTIDAS A PARTIR DE RESÍDUOS DE VIDRO A. Pokorny, J. Vicenzi, C.P. Bergmann Av. Osvaldo Aranha, 99/705C, andrea_pokorny@yahoo.com.br

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INFLUÊNCIA DA SUBSTITUIÇÃO ISOMÓRFICA DE Fe POR Al NA TRANSFORMAÇÃO TÉRMICA DE MAGHEMITAS (γ-fe 2-X Al X O 3 ) SINTÉTICAS EM HEMATITAS (α-fe 2-X Al X O

Leia mais

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UMA ARGILA PARA USO EM CERÂMICA VERMELHA Auro Tanaka 1, José Marques Luiz, Rafael Fontebasso 1. Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá, UNESP Univ. Estadual

Leia mais