O gosto de classe: o jogo das classificações nos espaços de consumo. 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O gosto de classe: o jogo das classificações nos espaços de consumo. 1"

Transcrição

1 O gosto de classe: o jogo das classificações nos espaços de consumo. 1 Janaína Vieira de Paula Jordão 2 Faculdade de Informação e Comunicação / Universidade Federal de Goiás Resumo Este trabalho pretende investigar a constituição do gosto como demarcador de classe nos espaços de consumo. Buscamos entender possíveis relações entre as posições de classe e as representações sociais sobre o que constituiriam as altas e as baixas camadas da sociedade, e, dentro dessas representações, buscamos mapear a importância e a própria noção do gosto. Além disso, pretendemos investigar se há a apropriação dos conteúdos midiáticos no que se refere à nomeação de uma nova classe média. Foi feita a análise quantitativa de dados qualitativos a partir de 100 questionários aplicados em espaços de consumo de Goiânia. O que se poderá notar é que a formação de um gosto elevado depende de atributos que são também definidores de posições de classe. E que, apesar de a observação da presença de um novo público nos espaços de consumo ser pouco expressiva, quase a totalidade da amostra afirma a existência de uma nova classe média. Palavras-chave: Classes sociais; gosto; nova classe média ; consumo; comunicação. Gosto de classe. Trabalhar um conceito de classe social não é uma tarefa descomplicada. São várias correntes, com diferentes pressupostos, o que requer do pesquisador delimitar quais são as suas filiações teóricas para orientar a compreensão e a definição inclusive dos métodos de investigação. Não entendemos que um conceito de classe possa 1 Trabalho apresentado no Grupo de Trabalho Comunicação e Consumo: materialidades e representações da cidadania, do 4º Encontro de GTs - Comunicon, realizado nos dias 08, 09 e 10 de outubro de É doutoranda em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás, é mestre em Comunicação pelo Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Faculdade de Informação e Comunicação da UFG, e Professora no Curso de Publicidade e Propaganda da FIC/UFG. Bolsista da FAPEG Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás.

2 capturar toda a estrutura de uma sociedade, uma vez que há outros aspectos que vão definir as relações sociais, como gênero, patriarcalismo, etnia etc. Mas, segundo Miliband (1999), o ser social é constituído por diferentes aspectos, mas a classe é um deles, podendo incidir na vida das pessoas como uma das formas de dominação. Uma mulher poderá estar sujeita a uma cultura machista, mas o fato de estar em classes altas ou baixas pode mudar como ela vai lidar com as relações de dominação desta cultura. Assim, consideramos importante o estudo das classes sociais, pois a classe pode funcionar como um potencializador de diferentes aspectos da vida humana, aumentando ou diminuindo os acessos às oportunidades de vida. Até por uma questão de espaço e do tema, não vamos fazer a tentativa de uma revisão bibliográfica desta vasta discussão. De antemão, deixamos claro que não pensamos na detenção dos meios de produção como o maior diferenciador entre classes opostas burgueses e operários a partir da teoria marxista. Entendemos, na esteira do pensamento de Weber (2009), que o prestígio também é uma forma de distribuição de poder na sociedade. Ou seja, não é somente o viés econômico que define a posição de uma pessoa na estrutura social. Nos termos de Bourdieu, além do capital econômico, há o capital cultural, o social e também o simbólico (o prestígio), contribuindo para este posicionamento. Para o autor, podemos recortar classes no sentido lógico do termo, quer dizer, conjuntos de agentes que ocupam posições semelhantes e que, colocados em condições semelhantes e sujeitos a condicionamentos semelhantes, têm, com toda a probabilidade, atitudes e interesses semelhantes, logo, práticas e tomadas de posição semelhantes (BOURDIEU, 2012, p.136) [grifo do autor]. Na cultura de consumo, os objetos, as roupas, a aparência podem funcionar como um demarcador de classe, pelas semelhanças das escolhas por pessoas de diferentes classes sociais. Ou seja, o objeto consumido é a parte mais visível do gosto de uma pessoa ou grupo. Segundo Douglas e Isherwood (2009), os bens têm significados sociais (são comunicadores) e servem para estabelecer e manter relações sociais. Assim, a função essencial do consumo é a sua capacidade de dar sentido.

3 Esqueçamos a idéia da irracionalidade do consumidor. Esqueçamos que as mercadorias são boas para comer, vestir e abrigar; esqueçamos sua utilidade e tentemos em seu lugar a ideia de que as mercadorias são boas para pensar: tratêmo-las como um meio não verbal para a faculdade humana de criar (DOUGLAS; ISHERWOOD, 2009, p. 108). E mais: o consumo é relacional. Afinal, todo consumo é feito com o objetivo de se distinguir, mesmo que não haja a intenção, de forma a caracterizar os grupos por estilos de vida diferentes no espaço social (BOURDIEU, 2012). E o operador que faz com que as diferenças da ordem física o objeto consumido ou a maneira de consumir - tenham acesso à ordem simbólica maior ou menor grau de prestígio - é o gosto. Segundo Bourdieu (2007), o olhar puro é uma invenção histórica. Ao contrário de ideologias que pretendem atribuir ao gosto um caráter de dom da natureza, a observação científica mostra que as necessidades culturais são o produto da educação e estão associadas ao nível de instrução e à origem social (BOURDIEU, 2007, p. 9). O gosto classifica aquele que procede à classificação: os sujeitos sociais distinguem-se pelas distinções que eles operam entre o belo e o feio, o distinto e o vulgar; por seu intermédio, exprime-se ou traduz-se a posição desses sujeitos nas classificações objetivas (BOURDIEU, 2007, p. 13). O gosto, desta forma, pode classificar tanto pessoas, quanto grupos. Bourdieu (2007) afirma a existência de um habitus 3 de classe, já que, para o autor, classe é definida não só por como é identificada através de índices (profissão, renda, nível de instrução), mas também por características auxiliares que podem funcionar como princípios reais de exclusão e seleção, mesmo que nunca formalmente enunciados. Aliás, o gosto pode ser parte da estratégia nas lutas simbólicas que se travam para se manterem as distâncias entre as classes sociais, através das classificações (Bourdieu, 2007, p. 234). 3 Habitus, segundo Bourdieu, é o princípio gerador de práticas objetivamente classificáveis e, ao mesmo tempo, sistema de classificação (principium divisionis) de tais práticas. [...] Na relação entre as duas capacidades que definem o habitus, ou seja, capacidade de produzir práticas e obras classificáveis, além da capacidade de diferenciar e de apreciar essas práticas e esses produtos (gosto), é que se constitui o mundo social representado ou seja, o espaço dos estilos de vida. (BOURDIEU, 2007, p.162, grifos do autor).

4 E são essas classificações que buscaremos mapear neste trabalho. Fomos aos seguintes espaços de consumos, justificados pela suposição de predominância de pessoas de diferentes classes sociais, e aplicamos ao todo 100 questionários: a) Aeroporto Santa Genoveva, objetivando encontrar respondentes das classes altas, devido ao ainda alto valor de passagens aéreas praticado no Brasil; b) Feira da Lua, que acontece em uma região nobre da cidade, e que comercializa desde vestuário, objetos de decoração e alimentos. Na Feira da Lua 4, esperávamos encontrar pessoas das camadas médias e médias altas; e c) Camelódromo de Campinas, também tradicional na cidade, que comercializa também, entre outros, vestuário, alimentação e produtos de informática. No Camelódromo, esperávamos aplicar os questionários prioritariamente para pessoas das camadas sociais mais baixas. Estratificação social Como a proposta do trabalho é entender quais os atributos que as pessoas consideram para formar suas opiniões a respeito do gosto de diferentes classes sociais, tivemos que utilizar um critério de estratificação para situar os respondentes, consonante com o conceito de classe utilizado. Com base na estratificação sócioocupacional proposta por Quadros (2008), vamos delimitar o que entendemos ser cada camada, de acordo com a renda e as características ocupacionais (que dão pistas sobre anos de estudo, prestígio da ocupação e característica manual ou não manual de trabalho). Fazem parte da classe alta, para Quadros (2010): pessoas da alta classe média e da classe alta, que têm acesso à educação, moradia, transporte e planos de saúde de melhor qualidade. O grupo de ocupações é composto por empresários, médicos, engenheiros, professores universitários, juristas, entre outros. A média classe média 4 A Feira da Lua acontece desde 1993, na Praça Tamandaré, em uma região nobre de Goiânia, e que comercializa desde vestuário, objetos de decoração e alimentos. A estimativa é que passem na feira, por cada sábado, aproximadamente 10 mil pessoas, de diferentes classes sociais. Devido à observação do público frequentador e com base na localização geográfica da Feira, esperávamos encontrar pessoas das camadas médias e médias altas, o que de fato ocorreu no momento da estratificação dos respondentes.

5 ou simplesmente classe média - é formada por gerentes, professores de nível médio, profissionais da segurança pública, militares, enfermeiras, trabalhadores de nível técnico etc. Com algum sacrifício no orçamento familiar, as pessoas da classe média buscam um padrão de vida parecido com o da classe alta. Já a baixa classe média que seria a nova classe média ou nova classe trabalhadora é formada por auxiliares de enfermagem, auxiliares de escritório, recepcionistas, garçons, barbeiros, cabeleireiras, manicures, motoristas, entre outros. Seria, segundo o autor, muito contorcionismo intelectual para incluí-los na classe média, já que são pessoas com acesso a um ensino de baixa qualidade e a planos de saúde precários. Também são precárias as condições de habitação, transporte, segurança, alimentação, cultura e lazer. É este segmento que teve maior dinamismo social com a estabilização da economia, o acesso ao crédito e as políticas de transferência de renda. E a classe baixa é formada por segmentos mais baixos de trabalhadores assalariados e autônomos, os trabalhadores domésticos, os trabalhadores rurais e os miseráveis. Apesar da nomenclatura baixa classe média, consideramos, em concordância com Quadros e Antunes (2001), Scalon e Salata (2012), Ronsini (2012) e Souza (2012) que este estrato faz parte da camada inferior na estratificação, e não na classe média, ou de uma nova classe média, pela característica do estilo de vida proporcionado pelas ocupações e pelo caráter manual do trabalho. Definido o critério de estratificação, podemos passar agora para a análise das representações sociais. As representações sociais sobre classes altas e baixas. Para entendermos quais são nas representações sociais os atributos para diferenciar as pessoas de classes altas e baixas, avaliamos o grau de importância de algumas características, como dinheiro, cultura, beleza, bons modos, oportunidades, higiene, vontade de trabalhar, bom gosto e aparência. As respostas foram divididas em muito importante, um pouco importante e não é importante. Dinheiro é muito importante para todas as classes tendo a maior frequência na classe alta, com 100% das opiniões. Cultura também é muito importante para todas as

6 classes, especialmente para a classe média (67,6%) e baixa classe média (72,4%). Beleza divide as opiniões: no total da amostra, a soma de muito importante e um pouco importante corresponde a 54%, tendo as maiores frequências na classe alta, média e baixa. Somente a baixa classe média teve um expressivo índice em não é importante (55,2%). No quesito aparência, a importância aumenta. No total da amostra, 68% considera alguma importância, ficando equilibradas as opiniões nas diferentes classes. Somando-se muito e um pouco importante, aparência conta para 75% da classe alta, 64,7% da classe média, 72,4% da baixa classe média e 65,5% da classe baixa. Bons modos também importam em alguma medida para 81% do total da amostra, tendo os maiores índices na classe média (50%) e baixa classe média (62,1%). 68% do total da amostra considera higiene como um atributo que importa em alguma medida para a diferenciação de classes altas e baixas, tendo os maiores índices nas classe média (52,9%) e baixa classe média, esta última com 62,1%. Também esta classe apresenta a maior frequência de respostas muito importante para o atributo vontade de trabalhar, com 69%, seguida pela classe alta, com 62,5%. O bom gosto é em alguma medida importante para 63% do total da amostra, sendo que, na classe alta, 75% dos respondentes veem importância; 61,8% na classe média; 58,6 na baixa classe média; e 65,5% na classe baixa. Ou seja, podemos observar que, além do capital econômico e cultural, beleza, aparência, bons modos, higiene, vontade de trabalhar e bom gosto também contam como elementos de classificação. Isso nos chama a atenção, uma vez que podem ser percebidos preconceitos geralmente velados na diferenciação entre ricos e pobres, que são encontrados nas interações do dia a dia, em frases como sou pobre, mas sou limpinho, ou em observações que determinado lugar está dando muita gente feia. Também a cultura meritocrática pode ser observada pelo quesito vontade de trabalhar, como se uma estagnação social pudesse ser percebida como falta de vontade de trabalho. Existe também a representação de que as pessoas das classes mais baixas se comportam de forma diferente em público. Somando-se as opiniões muito diferente

7 e um pouco diferente, 90% do total da amostra considera em alguma medida a diferença, estando o maior índice na baixa classe média, seguida pela classe média, classe baixa e classe alta. Quanto ao modo de se portar em público, o comportamento das pessoas mais baixas é o que, comparado com as classes mais altas? Total Alta Média Baixa classe média Baixa Muito diferente Um pouco diferente Não vê diferença ,5% 12,5% 25,0% 100, ,5% 64,7% 8,8% 100, ,7% 44,8% 3,4% 100, ,3% 37,9% 13,8% 100,0 % % % % Tabela 1: modo de se portar em público classes altas x classes baixas. O principal motivo da diferença se deve para todas as classes à diferença na educação, cultura ou costumes (estando o maior índice na baixa classe média); e em segundo lugar, devido a problemas de adaptação ou preparo para se comportar em determinados lugares ou situações (estando o maior índice na classe alta) 5. Apesar de quase toda a amostra considerar que o gosto de uma classe mais baixa que a do respondente possa ser pior ou melhor, a renda é um fator que importa em alguma medida para a constituição de um gosto elevado, especialmente para a classe baixa. Para todas as classes, 67% consideram alguma importância na renda e é dividida pela metade a opinião da classe alta entre a soma de muito / um pouco importante e não é importante. Desta forma, temos uma inversão: a classe baixa é 5 Esta era uma pergunta com respostas abertas. Então, anotamos as falas dos respondentes para posterior codificação.

8 a que mais respondeu muito importante (51,7%) e a classe alta é a que mais respondeu não é importante (50%). A escolaridade também tem importância em alguma medida para todas as classes (90% do total da amostra), sendo que a baixa classe média foi a que mais respondeu muito importante, com 75,9%, seguida da classe média e baixa, ambas com 58,8%. A classe alta foi a que mais considerou um pouco importante, com 62,5%. Crescente na medida em que se desce na pirâmide se encontra a frequência de acesso à cultura. Do total da amostra, esse atributo é em alguma medida importante para a constituição do gosto elevado para 93% dos respondentes. Interessante notar que o capital cultural é em alguma medida importante para a classe alta, mas no quesito escolaridade e acesso a cultura, esta foi a classe que apresentou os menores índices de muito importante. Já o histórico familiar é considerado muito importante, especialmente para a classe alta, com 62,5%, seguida pela classe baixa (51,7%), classe média (50%) e baixa classe média (41,4%). Nota-se que os capitais econômico e cultural, além da origem social, que são uns dos definidores das posições de classe, contam também como definidores da constituição do gosto elevado. Mas, se considerávamos a hipótese da distinção a partir das classes altas, isso não se comprovou nesta amostra. O que se pôde observar foi um atravessamento das representações sociais por todas as classes, inclusive pelas classes baixas, o que poderia nos fazer pensar em fluidez, mas não em solidificação de fronteiras simbólicas entre as classes, especialmente entre a classe média e a baixa, como muito tem se falado na mídia e em ambientes acadêmicos 6, desde o aparecimento de uma nova classe média, à qual supostamente a classe média tradicional estaria se opondo. Voltaremos neste assunto mais adiante. 6 Muito têm repercutido as opiniões da filósofa Marilena Chaui sobre um caráter reacionário da classe média tradicional, como neste vídeo em que a autora afirma odiar a classe média. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=fddcbc4dwdg. Acesso em 11 de agosto de Também muito se criticou esta classe média nos eventos da Copa do Mundo, quem que a Presidente Dilma foi vaiada.

9 E a nova classe média? Muito tem se falado e já há algum tempo sobre a existência de uma nova classe média brasileira 7. O termo, cunhado pelo economista Marcelo Neri (2008), foi midiatizado tanto por publicações de cunho jornalístico, quanto pela programação de entretenimento, como foi o caso de duas novelas da Rede Globo Cheias de Charme e Avenida Brasil, esta última com 79% de seus personagens pertencendo a esta classe. Em outro sentido, tem surgido publicações no âmbito, entre outros, da Sociologia, buscando trazer à tona a discussão sobre classe e estratificação social, com o fim de situar esta parcela da população no espaço social e averiguar se há ou não uma real mobilidade. O ponto fundamental da discordância em relação ao critério de Neri é utilizar a renda (ou o poder de consumo) para situarmos uma pessoa em uma ou outra classe ou posição de classe. A suspeita é que este grupo, que passou a ter maior poder de consumo devido a vários fatores (para os quais diferentes autores darão diferentes importâncias), como estabilização da economia, aumento de postos de trabalho, políticas de transferência de renda e de aumento do salário mínimo, não faz parte de uma nova classe média, mas de uma nova classe trabalhadora (Souza, 2012). Para Pochmann (2012), não se pode falar sequer em uma emergência de uma nova classe, pelo fato de que, devido ao aumento de postos de serviços na base da pirâmide, houve a elevação do rendimento e o aumento do consumo, um fenômeno que pode ser considerado comum. Do ponto de vista da estratificação sócioocupacional, o maior aumento de renda ocorreu nas ocupações que detêm o menor prestígio, no setor dos trabalhadores manuais, sendo o trabalho manual o principal marcador de diferenciação das classes médias e baixas, tanto em estudos empíricos realizados no Brasil (Scalon e Salata, 2012), quanto no conceito de classe média trabalhado por Mills (1979), no contexto norte-americano. Para este autor, esta característica está historicamente ligada às pretensões de prestígio, o ponto essencial para situar as camadas médias na estrutura social contemporânea. 7 Temos trabalhado a representação midiática das classes populares e de uma nova classe média em Jordão (2011; 2012; 2013).

10 Inicialmente, não perguntamos diretamente sobre a nova classe média para os respondentes para não partir do pressuposto da existência deste grupo. Desta forma, perguntamos se as pessoas têm notado ou não alguma diferença em relação ao público nos centros de compras e lazer. Do total da amostra 65% das pessoas não notam nenhuma diferença. Na distribuição da estratificação, notam a diferença 50% da classe alta, 32,4% das classes médias, 44,8% da baixa classe média e 24,1% da classe baixa. Para os 35% do total da amostra que notam a diferença, perguntamos qual seria, ao que 68,6% afirmou ser acesso da classe mais baixa. Em segundo lugar, com 17,1%, o fator mistura de pessoas foi citado. Mas chamou nossa atenção o fato de que, apesar de somente 35% do total da amostra notar a diferença, 93% da amostra nomeia uma grande parcela da população que saiu da pobreza e agora consegue consumir mais e frequentar shoppings, aeroportos e centros de lazer : todas as classes citaram em primeiro lugar nova classe média e em segundo lugar emergentes. E, na localização na estratificação, 82% do total da amostra situa esta nova classe dentro da classe média. Já estando claro para os respondentes que agora estamos falando desta nova classe média, repetimos a pergunta do começo da pesquisa a respeito de diferença de comportamento, em comparação às classes altas. Em todas as classes houve uma redução das frequências em muito diferente, aumentou-se a frequência de um pouco diferente (exceto para a classe média, cuja frequência permaneceu inalterada) e de não vê diferença. Isso nos chamou a atenção, uma vez que, se somente 35% do total da amostra percebe a nova classe média nos locais, como pode nomeá-la e fazer inferências sobre a diferença de seu comportamento?

11 Quanto ao modo de se portar em público, o comportamento das pessoas desta parcela da população, que também tem sido chamada, dentre outros, de NOVA CLASSE MÉDIA OU NOVA CLASSE C, é o quê, comparado com as classes mais ALTAS? Total Alta Média Baixa classe média Baixa Muito diferente Um pouco diferente Não vê diferença NSD/NR ,0% 25,0% 25,0%,0% 100,0% ,8% 64,7% 20,6% 2,9% 100,0% ,0% 55,2% 10,3% 3,4% 100,0% ,7% 62,1% 13,8% 3,4% 100,0% Tabela 2: modo de se portar em público classes altas x NCM. Da mesma forma, 96% da amostra tem opinião a respeito do gosto desta nova classe, sendo que 64% o considera pior do que o gosto das classes altas: 75% na classe alta; 58,8% na classe média; 72,4% na própria baixa classe média; e 58,6% na classe baixa. Isso nos faz pensar no poder de nomeação da mídia a respeito da existência de uma nova classe. Ainda que 65% das pessoas entrevistadas não tenham ainda podido construir as suas próprias representações devido à ausência da percepção objetiva desses novos consumidores, já conseguem nomeá-los e falar sobre seu comportamento e gosto. As inúmeras publicações falando sobre esta classe, a produção do mau gosto nas representações midiáticas ao falar pelas classes populares e até um contexto sócio-histórico em que o termo nova classe média qualificaria os programas governamentais como propulsores de uma mobilidade social de fato para a classe média servem como pano de fundo para entendermos formas de compreensão explicitadas nesta pesquisa. Entendemos esses dados como uma pista da mediação dos meios de comunicação na formação do conhecimento no cotidiano e da classificação dos grupos sociais, antes mesmo da convivência nos espaços sociais. Nos termos de Thompson,

12 o processo de interpretação pode começar a explicar o caráter ideológico das mensagens, isto é, - as maneiras como o significado, mobilizado por mensagens específicas, pode servir, em determinadas circunstâncias, para estabelecer e sustentar relações de dominação. Pois o que essas relações de dominação são, e se esse significado serve para mantê-las ou miná-las, para firmá-las ou destruí-las, são questões que podem ser respondidas somente através da junção da produção/transmissão e construção das mensagens às maneiras como elas são recebida e apropriadas pelas pessoas inseridas dentro de contextos sócio-históricos específicos (THOMPSON, 1995, p. 396). O lugar dos respondentes: estratificação x identificação. Voltamos agora à questão da estratificação. O pesquisador define critérios objetivos dentre muitos para situar as pessoas no espaço social. Assim fizemos e o que pudemos descobrir é que as representações sociais sobre a constituição do gosto e da classe social atravessa todas as classes sociais de maneira mais ou menos equilibrada. Não temos, como poderíamos supor, uma distinção que partisse das classes altas ou uma representação negativa somente a partir dos estratos superiores. Poderíamos entender isso como a dominação de sentidos específicos na sociedade de forma que há uma apropriação consentida conscientemente ou não por todas as partes da estrutura social (desta amostra, claro), de forma que as classes baixas têm representações negativas das classes baixas. Mas, uma outra hipótese surgiu ao perguntarmos às pessoas com quais classes elas se identificam. Todas as classes se identificam com a classe média e com a classe trabalhadora. No primeiro caso, vemos um movimento claro de pertencimento para baixo, a partir das classes altas (87,5% se identifica plenamente com a classe média), e para cima, a partir das baixas (69% da baixa classe média e 51% da classe baixa). E no segundo caso, compreendemos a confusão que classe trabalhadora cause no senso comum. Um empresário pode perfeitamente se considerar um trabalhador, o que coloca em jogo um cuidado maior do pesquisador na hora de interpretar os dados (100% da classe alta se identificou plenamente com a classe trabalhadora). Se olharmos novamente os dados a partir desta ótica de que 64% do total da amostra se considera de classe média, podemos supor que as representações não são

13 negativas a respeito de si mesmo, mas de um outro, que está em uma classe inferior. Seria uma espécie de distinção em cascata, em que o gosto, que é constituído por atributos de classe, piora na medida em que se desce na escala social. Reflexões Este trabalho buscou entender um pouco melhor os mecanismos de classificação do gosto em diferentes posições sociais. Pudemos observar que, além do capital econômico, cultural, social e simbólico, outros atributos diferenciam as classes, como aparência, beleza, bons modos, higiene, bom gosto e vontade de trabalhar. Ao pensarmos que na oposição entre classe alta e classe baixa também se opõem maus modos x bons modos; vontade de trabalhar x falta de vontade de trabalhar; boa aparência x aparência ruim; bom gosto x mau gosto; beleza x feiúra, podemos inferir que muitas vezes as representações hierarquizam, a partir da classe, outros atributos que não necessariamente têm relação com ela. E acreditamos que estes outros capitais naturalizados podem acabar fazendo com que a consequência vire causa, interferindo nas oportunidades de vida, especialmente no campo do capital social: casamentos, empregos, amizades etc., podendo engessar uma possível mobilidade social ou acesso mais igualitário a recursos. Outro fator que notamos é que as noções, ainda que preconceituosas, sobre as classes baixas estão introjetadas em todas as classes, de forma dominante. Neste ponto, confirmamos na nossa amostra a ideia de Bourdieu (2007) a respeito da contestação da legitimidade da cultura, segundo a qual há poucas áreas em que as classes baixas desafiam esta legitimidade. As frequências significativas de representações negativas a respeito das classes baixas, dentro delas próprias, só reafirmam esta ideia de dominação, que, segundo Bourdieu (2008) atinge dominantes e dominados. E mais: a classe baixa introjetou representações ruins sobre a classe baixa, mas, se pensarmos que só 17,2% da classe baixa se identifica plenamente com este estrato, e 51% se identifica plenamente com a classe média, as representações que ela produz não necessariamente dizem sobre ela mesma, mas sobre uma classe

14 que ela pode considerar estar abaixo da sua. Desta forma, podemos inferir que o mecanismo da distinção aqui não opõe ricos e pobres, a partir dos ricos, mas todas as classes em relação ao que se pensa ser uma classe inferior à sua. É a distinção em efeito cascata. A parcela da população que passou a ter maior poder de consumo e frequentar lugares que antes estavam destinados às classes média e alta é reconhecida pela maioria da amostra como nova classe média, ainda que pese o fato de a maioria das pessoas pesquisadas não terem observado uma diferença no público em centros de compras, parques e centros de lazer. Isso mostra o poder de nomeação e de penetração dos conteúdos midiáticos na formação dessa representação. Um termo criado pelo economista Marcelo Neri (2008), que foi e é amplamente repetido pela mídia, passou a fazer parte do vocabulário e da noção das pessoas de que esta parcela da população pertence à classe média, do que nós discordamos e justificamos no decorrer do trabalho. Sendo assim, esperamos ter contribuído para os estudos de gosto e de classe, conceitos tão caros ao universo do consumo. Referências BOURDIEU, Pierre. A Distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre, RS: Zouk, 2007., Pierre. O espaço social e a gênese das classes. In O poder simbólico. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, DOUGLAS, Mary; ISHERWOOD, Baron. O mundo dos bens. Para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, JORDÃO, Janaína Vieira de Paula. Comunicando o gosto: a publicidade para a Classe C. Anais do Comunicon I Congresso Internacional de Comunicação e Consumo. Anais do 1º Encontro de GTs do Comunicon II Congresso Internacional de Comunicação e Consumo. Escola Superior de Propaganda e Marketing, ESPM. São Paulo: ESPM, 2011., Janaína. Olhai as periguetes : a representação das classes populares na mídia e a estetização da diferença. Anais do 2º Encontro de GTs do Comunicon II Congresso Internacional de Comunicação e Consumo. Escola Superior de Propaganda e Marketing, ESPM. São Paulo: ESPM, 2012.

15 , Janaína Vieira de Paula. O porteiro do prédio também pode ir, então qual a graça? A nova classe trabalhadora e representações midiáticas da distinção social. Anais do 3º Encontro de GTs do Comunicon III Congresso Internacional de Comunicação e Consumo. Escola Superior de Propaganda e Marketing, ESPM. São Paulo: ESPM, MILIBAND, Ralph. Análise de Classes. In: GIDDENS, Anthony; TURNER, Jonathan. Teoria Social Hoje. São Paulo: Editora UNESP, NERI, M. A Nova Classe Média. Rio de Janeiro: CPS, POCHMANN, Marcio. Nova classe média? O trabalho na base da pirâmide social brasileira. São Paulo: Boitempo, QUADROS, Waldir José de; ANTUNES, Davi José Nardy. Classes sociais e distribuição de renda no Brasil dos anos noventa. Cadernos do CESIT, n. 30, QUADROS, Waldir José de. A evolução da estrutura social brasileira: notas metodológicas. Texto para Discussão, IE/Unicamp, n. 147, QUADROS, Waldir José de. Brasil: um país de classe média? Le monde diplomatique, n. 40, p.4-5, novembro, RONSINI, Veneza V. Mayora. A crença no mérito e a desigualdade: a recepção da telenovela no horário nobre. Porto Alegre: Sulina, SCALON, Celi; SALATA, André. Uma nova classe média no Brasil da última década?: o debate a partir da perspectiva sociológica. Soc. estado., Brasília, v. 27, n. 2, Aug Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=en&nrm=iso>. Acesso em 07 jun SOUZA, Jessé. Os Batalhadores Brasileiros: Nova classe média ou nova classe trabalhadora? Belo Horizonte: Editora UFMG, THOMPSON, John B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis, RJ: Vozes, WEBER, Max. Economia e Sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Volume 2. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2009.

A Constituição das desigualdades

A Constituição das desigualdades Introdução Muitos estudos, especialmente na área da sociologia da educação, têm demonstrado que os projetos de democratização das sociedades modernas enfrentam dificuldades relacionadas à efetivação dos

Leia mais

Metade da humanidade não come...

Metade da humanidade não come... Metade da humanidade não come... ...e a outra metade não dorme com medo da que não come. Josué de Castro DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM Art. 1º Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus -

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus - EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO - práticas, saberes e habitus - Fabíola Santini Takayama do Nascimento Mestranda em Educação da PUCGOIÁS e Técnica em Assuntos Educacionais do IFG - Campus Inhumas

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Exercícios Classe Social x Estratificação Social

Exercícios Classe Social x Estratificação Social Exercícios Classe Social x Estratificação Social 1. Para Karl Marx o conceito de Classes Sociais se desenvolve com a formação da sociedade capitalista. Dessa forma, é correto afirmar que : a) As classes

Leia mais

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA COMPRENDER Y HACERSE COMPRENDER: COMO REFORZAR LA LEGITIMIDADE INTERNA Y EXTERNA DE LOS ESTUDIOS CUALITATIVOS

Leia mais

5 Discussão dos Resultados

5 Discussão dos Resultados 5 Discussão dos Resultados Este capítulo apresenta a análise e a interpretação dos dados extraídos das entrevistas com as consumidoras de baixa renda. Primeiramente, serão abordadas as buscas pelos valores

Leia mais

PESQUISA EM EDUCAÇÃO

PESQUISA EM EDUCAÇÃO PESQUISA EM EDUCAÇÃO O que é Pesquisa? O que é Pesquisa? 1. Ato ou efeito de pesquisar. 2. Indagação ou busca minuciosa para averiguação da realidade; investigação. 3. Investigação e estudo sistemáticos,

Leia mais

OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas

OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas Profa. Dra. Maria Ozanira da Silva e Silva, GAEPP/UFMA Seminário de Intercâmbio de pesquisas em Políticas

Leia mais

Medeiros 2005, Cap. 4. As teorias de estratificação da sociedade e o estudo dos ricos Cap5. Construção de uma linha de riqueza

Medeiros 2005, Cap. 4. As teorias de estratificação da sociedade e o estudo dos ricos Cap5. Construção de uma linha de riqueza Medeiros 2005, Cap. 4. As teorias de estratificação da sociedade e o estudo dos ricos Cap5. Construção de uma linha de riqueza Pressuposto: Estratificação é procedimento útil quando indivíduos com características

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

Max Weber. Sociologia Compreensiva

Max Weber. Sociologia Compreensiva Max Weber Sociologia Compreensiva Índice Max Weber: Vida e obra Uma teia de sentidos Desencantamento do mundo e racionalização Tipos puros 1. O conceito de ação social 1.1 Ação racional com relação a objetivos

Leia mais

Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli

Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli O contexto do debate A idéia da construção de indicadores de resultados para projetos vem ganhado força entre

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Uma ação de cidadania para o emprego e geração de renda na cidade de Lavras-MG 1

Uma ação de cidadania para o emprego e geração de renda na cidade de Lavras-MG 1 Uma ação de cidadania para o emprego e geração de renda na cidade de Lavras-MG 1 Iracema Clara Alves Luz, 3º módulo de Agronomia/UFLA, chokbool@hotmail.com; Paula Terra Duarte, 8º módulo de Agronomia/UFLA,

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL

ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL É muito comum ler em notas de jornais, revistas, internet sobre as classes sociais, geralmente são classificadas da seguinte maneira: classe A, B, C, D, E. No mês de julho de 2008,

Leia mais

Condições de pr odução do discurso : relações entre a força dos mercados e a autonomia do discursivo no campo das mídias 1

Condições de pr odução do discurso : relações entre a força dos mercados e a autonomia do discursivo no campo das mídias 1 Condições de pr odução do discurso : relações entre a força dos mercados e a autonomia do discursivo no campo das mídias 1 Jairo Ferreira Programa de Pós Graduação em Ciências da Comunicação Universidade

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

Proposições. Gluckman(1990) Muitas pessoas deixam de tomar vinho em restaurantes por não saber escolher.

Proposições. Gluckman(1990) Muitas pessoas deixam de tomar vinho em restaurantes por não saber escolher. 3 Metodologia 3.1 Elaboração da Pesquisa A pesquisa de campo dividiu-se em três fases distintas, porém complementares. 1 Passo - Pesquisa Bibliográfica Primeiramente, foi realizada uma pesquisa bibliográfica,

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

Tema: O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender. tomada de decisão do jovem na hora da compra.

Tema: O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender. tomada de decisão do jovem na hora da compra. Radar Jovem 2015 Tema: Já sabemos que o jovem é um dos consumidores que mais possui poder aquisitivo do país*. O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender agora. Nesse estudo iremos

Leia mais

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1 Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 Ana Luiza Araujo COSTA anaepietro26@gmail.com Maria Simone

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCAEDHMT01-P A IMPORTÂNCIA EPISTEMOLÓGICA DA METODOLOGIA DE PESQUISA NAS CIÊNCIAS SOCIAIS Ozilma Freire dos Santos (1) Deyve Redyson (3). Centro de Ciências Aplicadas e Educação/Departamento de Hotelaria/MONITORIA

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Émile Durkheim demonstrou por meio de seus estudos a relação entre as manifestações de solidariedade existentes na sociedade

Leia mais

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I).

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman

Leia mais

Carreiras do Futuro. Profa. Renata Giovinazzo Spers FEA-USP. São Paulo, 11 de junho de 2013

Carreiras do Futuro. Profa. Renata Giovinazzo Spers FEA-USP. São Paulo, 11 de junho de 2013 Carreiras do Futuro Profa. Renata Giovinazzo Spers FEA-USP São Paulo, 11 de junho de 2013 Previsão, Planejamento e Ação Estruturada para Criar o Futuro Pesquisas Abertas sobre Tendências e Futuro (desde

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE PROCESSO DE INGRESSO NA UPE SOCIOLOGIA 2º dia 1 SOCIOLOGIA VESTIBULAR 11. A Sociologia surgiu das reflexões que alguns pensadores fizeram acerca das transformações ocorridas na sociedade do seu tempo.

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema de pesquisa, temos que traçar um caminho a seguir durante a investigação. Realizar um estudo mais planejado dos aspectos que

Leia mais

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP Resumo O propósito deste trabalho é apresentar o processo de constituição

Leia mais

ARTIGO MOBILIDADE SOCIAL. Brasil: um país de classe média?

ARTIGO MOBILIDADE SOCIAL. Brasil: um país de classe média? ARTIGO MOBILIDADE SOCIAL Brasil: um país de classe média? Se passarmos a contar com condições estruturalmente mais favoráveis, os avanços recém-conquistados serão consolidados. Nesse cenário, a atual baixa

Leia mais

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Prof. Dr. Eduardo Braga 1 1 Introdução TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Iniciar a redação colocando alguns antecedentes do assunto/tema/problema escolhido. Expor as justificativas e razões para a escolha do tema

Leia mais

TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA. Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck

TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA. Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck INTRODUÇÃO A escolha das técnicas está condicionada ao Problema de Pesquisa. Três perguntas básicas devem ser respondidas

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado pessoas do grupo. Não basta simplesmente analisar cada interpretação possível, é preciso analisar quais as conseqüências de nossas possíveis respostas, e é isso que proponho que façamos de forma racional.

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA. INSTRUÇÃO: Responder às questões 21 a 26 com base no texto 1. TEXTO 1

LÍNGUA PORTUGUESA. INSTRUÇÃO: Responder às questões 21 a 26 com base no texto 1. TEXTO 1 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 LÍNGUA PORTUGUESA INSTRUÇÃO: Responder às questões 21 a 26 com

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea

Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea Suzi Weber Departamento do Teatro da UFRGS Mestra (Université du Québec à Montreal (UQAM) Doutoranda Resumo: O corpo social refere-se

Leia mais

Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1481 ECONOMIA DOMÉSTICA: O Desafio do Planejamento dos Gastos Familiares em Época de Crise

Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1481 ECONOMIA DOMÉSTICA: O Desafio do Planejamento dos Gastos Familiares em Época de Crise Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1481 ECONOMIA DOMÉSTICA: O Desafio do Planejamento dos Gastos Familiares em Época de Crise Franciele Henrique, Aluna do Curso de Graduação em Economia da UNESPAR/Apucarana, franciele_henrique@hotmail.com

Leia mais

FACULDADES ALVES FARIA - ALFA

FACULDADES ALVES FARIA - ALFA FACULDADES ALVES FARIA - ALFA CENTRO DE PESQUISAS ECONÔMICAS ALFA/CDL PESQUISA INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013 GOIÂNIA 2013 1. INTRODUÇÃO. Este trabalho apresenta os resultados da pesquisa social

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012 CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012 ESTAMOS CONDENADOS A SER DESIGUAIS? No mundo em que vivemos, percebemos que os indivíduos são diferentes

Leia mais

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato.

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Luciany Fusco Sereno** Introdução O trabalho tem por objetivo apresentar um estudo de caso realizado na cidade de Barreirinhas-MA

Leia mais

VISIBILIDADE SOCIAL DA ENFERMAGEM: RECONHECENDO AS CONQUISTAS E LACUNAS

VISIBILIDADE SOCIAL DA ENFERMAGEM: RECONHECENDO AS CONQUISTAS E LACUNAS VISIBILIDADE SOCIAL DA ENFERMAGEM: RECONHECENDO AS CONQUISTAS E LACUNAS Prof a. Dr a. Dorisdaia Carvalho de Humerez FORÇA DE TRABALHO NA ENFERMAGEM Na Saúde, 65% da Força de Trabalho é formada por profissionais

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

TOTAL DE RESPONDENTES: 604 entrevistados. DATA DE REALIZAÇÃO: 11 e 12 de setembro de 2014, nas ruas do Centro do Rio de Janeiro.

TOTAL DE RESPONDENTES: 604 entrevistados. DATA DE REALIZAÇÃO: 11 e 12 de setembro de 2014, nas ruas do Centro do Rio de Janeiro. Ingressar em um emprego mediante concurso público é ambição para muitas pessoas, isso se deve ao fato de que o salário oferecido, a estabilidade, os benefícios na maioria dos cargos é bastante superior

Leia mais

14 --------- Como redigir o projeto de pesquisa? 14. 1.2 Identificação

14 --------- Como redigir o projeto de pesquisa? 14. 1.2 Identificação 14 --------- Como redigir o projeto de pesquisa? 14. 1.2 Identificação Nesta primeira parte são apresentados os dados essenciais à identificação do projeto, quais sejam: a) título e subtítulo (se houver);

Leia mais

O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública

O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública 1 O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública Resumo Carla Fabiana Graetz Orientador Prof. Dr. Eduardo Pinto e Silva Mestrado Linha de Pesquisa:

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Samira Santana de Almeida 1. Apresentação RELATÓRIO O presente

Leia mais

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO INTEGRAL Retirado e adaptado de: LEITE, L. H. A., MIRANDA, S. A. e CARVALHO, L. D. Educação Integral e Integrada: Módulo

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

ATRASO NO DESENVOLVIMENTO NEURO PSICO MOTOR: ACESSIBILIDADE NA MODA INCLUSIVA

ATRASO NO DESENVOLVIMENTO NEURO PSICO MOTOR: ACESSIBILIDADE NA MODA INCLUSIVA ATRASO NO DESENVOLVIMENTO NEURO PSICO MOTOR: ACESSIBILIDADE NA MODA INCLUSIVA Delay in Neuro Psycho Motor development: accessibility in inclusive fashion Sartori, Bárbara Keoma; Graduada em Design de Moda

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2003 - Érika Nunes Martins Simões Formação do Professor de - Sheila Andrade

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

TÍTULO: COMUNICAÇÃO DIGITAL: UMA ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS E AS NOVAS FORMAS DE COMUNICAÇÃO

TÍTULO: COMUNICAÇÃO DIGITAL: UMA ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS E AS NOVAS FORMAS DE COMUNICAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: COMUNICAÇÃO DIGITAL: UMA ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS E AS NOVAS FORMAS DE COMUNICAÇÃO CATEGORIA:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL Natal, setembro de 2015 1 Sumário 1. Aspectos Metodológicos... 3 2. Descrição dos Resultados... 4 Itens de comemoração... 4 Gastos com presente... 4 Local e quando compra...

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade

Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade Congresso de Prevenção à Aids e de Saúde Sexual e Reprodutiva (Gapa-Bahia) Salvador, 19.03.07 Cristina Câmara Contexto social da aids no Brasil Democratização

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

O LABORATÓRIO DE PESQUISA DA UNICARIOCA

O LABORATÓRIO DE PESQUISA DA UNICARIOCA Ingressar em um emprego mediante concurso público é ambição para muitas pessoas, isso se deve ao fato de que o salário oferecido, a estabilidade, os benefícios na maioria dos cargos é bastante superior

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução.

O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Pesquisa de Mercado O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto decorre um modelo genérico de decisão,

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a Definição da Classe Média

Perguntas e Respostas sobre a Definição da Classe Média Perguntas e Respostas sobre a Definição da 1 Sumário Afinal, o que é classe média?... 3 Por que a SAE/PR propôs uma definição de classe média?... 3 Para que serve uma definição de classe média?... 3 O

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com VIII Jornada de Estudos do Discurso NARRANDO A VIDA SOCIAL A FALA DO PROFESSOR DE INGLÊS SOBRE A SUA ATIVIDADE DOCENTE EM CURSOS DE IDIOMAS: POR UM ITINERÁRIO INVESTIGATIVO NA INTERFACE TRABALHO & LINGUAGEM

Leia mais

TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS

Leia mais

Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia. Anabelly Brederodes Cássio Tavares

Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia. Anabelly Brederodes Cássio Tavares Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia Anabelly Brederodes Cássio Tavares Resumo O trabalho tem como objetivo refletir sobre a prática de ensino e aprendizagem, como um processo

Leia mais

METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais.

METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais. METODOLOGIA METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO 2.085 pessoas foram entrevistadas, a partir de 16 anos, de todos os níveis econômicos em todas as regiões do país. As entrevistas foram

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda.

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda. DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1 Rodolfo Hoffmann 2 RESUMO Este trabalho analisa a distribuição da renda no Brasil e em seis regiões do país, utilizando os dados da PNAD de 1999. É examinada a

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA AO IDOSO USUÁRIO

AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA AO IDOSO USUÁRIO AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA AO IDOSO USUÁRIO Regina Irene Diaz Moreira Formiga UNIPE- reginaformiga@yahoo.com.br A Política Nacional do Idoso 1 assevera que

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Especial sobre a

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais