CIÊNCIA E ESPIRITUALIDADE NO NOVO MILÊNIO: UM ENSAIO SOBRE ASPECTOS COMPLEXOS E TRANSDISCIPLINARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIÊNCIA E ESPIRITUALIDADE NO NOVO MILÊNIO: UM ENSAIO SOBRE ASPECTOS COMPLEXOS E TRANSDISCIPLINARES"

Transcrição

1 CIÊNCIA E ESPIRITUALIDADE NO NOVO MILÊNIO: NPI-FMR UM ENSAIO SOBRE ASPECTOS COMPLEXOS E TRANSDISCIPLINARES Ivan Amaral Guerrini Laboratório de Caos, Fractais e Complexidade Departamento de Física e Biofísica - IB UNESP, Botucatu SP A inteligência compartimentada, mecânica e reducionista, destrói o complexo do mundo em fragmentos disjuntos, fraciona os problemas e unidimensionaliza o multidimensional. É uma inteligência míope, daltônica e zarolha que acaba freqüentemente por tornar-se cega, destruindo as possibilidades de compreensão e de reflexão na vida e de uma visão a longo prazo. É, cada vez mais, inconsciente e irresponsável. (Edgar Morin) Há um certo consenso hoje de que desde o início da Era Cristã, muitas das relações entre Ciência e Religião foram nocivas para a evolução do ser humano, o que, num outro ângulo de visão, talvez tenha sido importante e até necessário para essa caminhada. Um dos pontos marcantes dessa relação que traz grandes conseqüências para os nossos dias, refere-se ao posicionamento de Renèe Descartes no século XVII. Seu modelo de universo mecânico e fragmentado funcionando como um grande relógio veio acalmar a disputa entre religiosos e cientistas na época. Ao separar os temas relacionados à matéria, à mente e a Deus, Descartes estava afirmando que o universo era regido por leis matemáticas bem definidas que precisavam ser descobertas, separando o que dizia respeito à ciência, ao homem e a Deus. Esse Deus deveria estar num outro campo de ação, inacessível à ciência, já que havia criado o universo e havia empreendido uma viagem para longe, só devendo voltar no fim dos tempos para o juízo final. Esse foi o modelo instituído e muito bem aceito com pequenas variações introduzidas por diferentes grupos. Assim, as leis do universo e da matéria nele contida se constituíam num campo específico de estudo, sendo ordenadas e perfeitas como o seu criador, o que instigava os cientistas a descobri-las, fato esse que acabou acalmando cientistas e Revista Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar, São Manuel. 10/05/2006. http//www.fmr.edu.br/npi_2.php. 12p.

2 2 religiosos. Esse modelo de Descartes foi ótimo para o grande desenvolvimento científico e tecnológico que sobreveio à sociedade nos tempos que se seguiram. Juntamente com as leis de Bacon, Copérnico, Galileu, Newton, Kepler e outros, as idéias de Descartes prevaleceram nos séculos XVII, XVIII, XIX e em boa parte do século XX. Ficaram conhecidas como o reducionismo de Descartes, já que ele havia proposto a fragmentação ao se dividir o todo em partes, reduzindo-o às suas funções particulares para depois entender o funcionamento do todo juntando essas partes. Nesse sentido, diz-se também que seus adeptos usavam e usam o caminho do cartesianismo. Essa linha de pensamento e atuação trazia como hipótese que os sistemas naturais deveriam ser simples, ordenados e que seus movimentos futuros seriam totalmente previsíveis através das suas equações de estado. Os matemáticos, aproveitando todo o arcabouço epistemológico que sustentava o reducionismo, introduziram também a necessidade dos sistemas naturais serem, sempre que possível, lineares e causais, ou seja, de causa e efeito lineares e bem definidos, uma vez que somente dessa forma as equações que modelavam os sistemas naturais poderiam apresentar soluções satisfatórias e as previsões poderiam ser feitas. Tudo isso fez do universo um sistema determinístico a ser cada vez mais descoberto, a ponto de Laplace no século XIX afirmar que tudo na natureza já estaria prédeterminado, bastando que se estudasse o sistema uma só vez para compreendê-lo totalmente para trás e para frente no tempo. Como conseqüência, Laplace, inquirido, ousou dizer que não mais precisava da hipótese de Deus e foi assim que a ciência adentrou o século XX, quando as idéias evolucionistas de Darwin enfatizavam que o modelo criacionista do cristianismo estava ruindo. Portanto, para os evolucionistas radicais, um Deus pertencente ao modelo separatista e fixo, exclusivo de Descartes, estaria morrendo ou, pelo menos, não sendo mais necessário. Havia sido dada a largada para o grande debate entre criacionistas e evolucionistas, mas ainda permanecia muito evidente a distinção dos caminhos trilhados pela Religião e pela Ciência. Um estudo mais abrangente e profundo da história da Ciência mostra, ao mesmo tempo, que o advento da Ciência Clássica ou Moderna, tendo Newton e Descartes como seus arautos, acabou por afastar Filosofia e Ciência, ou ao menos, descartar posições filosóficas que não fossem as hegemônicas. A verdadeira Física, por exemplo, antes conhecida como Filosofia Natural, originária do grego Physis, se sentiu expurgada da redoma clássica da chamada modernidade científica. Perdeu-se o sentido da Physis como um estudo da natureza em sua essência, voltando-o a uma definição muito reduzida que dizia respeito ao conhecimento de fórmulas matemáticas e cálculos apenas, o que em grande parte é responsável pelo desprezo recebido de alunos nos mais variados graus de escolaridade, já que 2

3 3 o verdadeiro encanto pela natureza estava na ignorância da Physis. Dessa forma, o modelo científico que chegou até a segunda metade do século XX e que gera a dual e confusa crença cientificista vigente, a conhecida por escola determinística dual que é uma mistura do criacionismo dominical com o evolucionismo acadêmico, não deu e não dá maior atenção para alguns filósofos menos convencionais, menos citados, por serem inquiridores do modelo mecanicista. Spinoza e Bergson, por exemplo, bases de apoio dos laureados com o Nobel, Albert Einstein e Ilya Prigogine, respectivamente, não estão entre os utilizados como modelos de pensamento e de universo para a grande maioria dos cientistas clássicos que atuam hoje no meio acadêmico. Suas bases filosóficas e epistemológicas não condizem com o modelo clássico, antes o questionam (Prigogine, 1996). O modelo predominante utiliza ainda Descartes e Newton em suas posições mais conhecidas, deixando de lado, o que é por muitos ignorado, algumas de suas inquietações metafísicas, místicas e menos ortodoxas. Outros pensadores e cientistas que apresentaram posições diferentes dos clássicos já mencionados vieram bem antes de Spinoza e Bergson. Foi o caso de Blaise Pascal, um conterrâneo de Renèe Descartes, que viveu na França também no século XVII. Ao contrário de Descartes que se fixava em seu Discurso do Método para explicar toda a natureza pela razão, Pascal defendia que para se conhecer a verdade, eram necessários razão e coração. Chegou a dizer que a visão unidirecional de Descartes sobre a soberania da razão era míope, ainda que apoiada num bom senso, este definido para Pascal como uma bússola irrisória para quem aborda as maravilhas do infinito. O ponto sutil que talvez tenha feito muita diferença na vida de Pascal, funcionando como um verdadeiro Efeito Borboleta, é que ele havia passado por um grave acidente no final de sua vida, o que mudou sua maneira de ver o universo. Grande estudioso desses dois cientistas franceses, Michel Serres afirmou: comparado a Pascal, Descartes não passa de um romancista (Lebrun, 1983). No entanto, a grande maioria dos modelos científicos que prevaleceram oficialmente foram os estruturados por Descartes, os quais, sem dúvida, impulsionaram a ciência e a tecnologia, enquanto que Pascal, a menos da linguagem computacional que leva seu nome, ficou quase esquecido. Com o advento da Teoria do Caos e da Ciência da Complexidade nas últimas décadas do século XX, contudo, Pascal começou a ser relembrado pelas suas divergências com Descartes e seus posicionamentos lhe valeram o título de precursor da Ciência da Complexidade no século XVII (Morin e Le Moigne, 2004). É fácil reconhecer que com o apoio de toda a ciência oficial, a escola determinística dual se fortaleceu muito, trazendo conseqüências marcantes que perduram até o presente momento. Foi essa mesma escola determinística que marcou as posições de Albert Einstein, 3

4 4 não obstante suas idéias revolucionárias sobre seu Deus cósmico e aquelas apresentadas na sua Teoria da Relatividade. Apesar do escândalo trazido pelos conceitos relativos de tempo, massa e comprimento, ainda não compreendidos pela grande maioria da humanidade, mesmo na comunidade científica, essa teoria traz em seu bojo a certeza de uma natureza determinística, cartesiana, sem margem para incertezas e probabilidades. Tanto assim que Einstein não aceitava o Princípio da Incerteza de Heisenberg e muito menos os emaranhamentos quânticos e colapsos de função de onda, alguns dos princípios inquietantes que a Física Quântica começou a evidenciar na década de 1930, afirmando: Não acredito em um Deus que jogue dados com a natureza. Cabe questionar, então: como estava a ligação entre Ciência e Religião no início do século XX? E de uma forma mais ampla: como estava a ligação entre Ciência e Espiritualidade nessa época? Os cientistas clássicos que defendiam a existência de Deus ainda o faziam na crença de um Deus longínquo, distante, não mais atuante nas leis da natureza e, portanto, não atuante diretamente no ser humano, idéia original de Descartes. Einstein sofreu essa influência ao desenvolver suas idéias sobre uma religião cósmica e uma de suas mais famosas frases foi: A Religião sem a Ciência é cega e a Ciência sem a Religião é manca. Em certo aspecto, Einstein concordava com Pascal, mas para ele as leis imutáveis da natureza permaneciam inatingíveis e as certezas científicas nessas leis muito bem definidas eram provas cabais da criação de um Deus que privilegiava a ordem e a determinação, expurgando tanto quanto possível o acaso, o que o aproximava muito nesses aspectos de Descartes, Newton e da Ciência clássica. Para Einstein, restavam as variáveis ocultas a serem descobertas. De fato, para a Ciência Clássica, qualquer sinal de irregularidade ou imprevisibilidade foi e ainda é devido a uma falta de conhecimento no assunto, uma ignorância passageira. Foi a visão desse mundo clássico, cheio de certezas e de divisões muito claras, que forçavam ao já mencionado posicionamento dual do ser humano que se tornou comum até os dias de hoje em termos de Ciência e Religião: louva-se a Deus aos domingos e à Ciência nos demais dias da semana. As idéias de Descartes sobre a separação entre Deus, mente e matéria que foram tão importantes para o século XVII, com o passar do tempo foram se ampliando na linha científica clássica, paradoxalmente auxiliada pela Teoria da Evolução, levando a uma postura de extrema independência e até mesmo prepotência em relação à Religião, a ponto de muitos cientistas prescindirem totalmente da idéia de Deus no século XIX e em boa parte do XX, tornando o cartesianismo quase que exclusivamente materialista e, assim, afastando-o das idéias originais do próprio Descartes. Como para os cientistas conservadores Religião e Espiritualidade sempre foram aproximadamente a mesma coisa, a 4

5 5 mesma separação ocorria entre Ciência e Espiritualidade. Assim, durante o desenrolar do século XX, Ciência e Religião foram assumindo perante a sociedade, posições radicais, e a separação entre elas ficou cada vez mais clara: crentes ferrenhos de um lado e cientistas materialistas do outro, enquanto os cientistas crentes faziam o jogo hipócrita, muitas vezes conveniente, da dualidade. Adeptos da espiritualidade, por sua vez, sentiram-se discriminados por grupos extremistas dos dois lados. Cientificismo e criacionismo exacerbados no decorrer desse século constituíram outra conseqüência desses extremismos. Na segunda metade do século XX, conceitos provenientes de crenças orientais, místicas e a expansão do Espiritismo ajudaram em alguns casos a atenuar a discrepância entre os caminhos assumidos entre Ciência e Religião, incorporando a idéia de uma contínua evolução do ser humano ao cristianismo, o que trazia em si um bom paralelo com a ciência evolucionista. Os radicais de cada grupo, entretanto, se fecharam ainda mais a essa onda de espiritualidade. Na década de 1960, porém, sob os olhares incrédulos dos cartesianos e mecanicistas que já execravam as descobertas revolucionárias da Física Quântica, da Psicanálise de Jung e da grande quebra de paradigmas proposta pelos movimentos hippies (Ferguson, 1980), ocorreu o nascimento da Teoria do Caos, a qual veio trazer para o mundo macroscópico as instabilidades e incertezas da Física Quântica, em princípio aplicadas apenas ao mundo do muito pequeno (Gell-Man, 1994). Já no cristianismo oficial, talvez para acompanhar os avanços do Espiritismo e de incontestes manifestações espirituais corroboradas por filósofos e humanistas espiritualistas como Rudolph Steiner, ocorria o nascimento da linha carismática pentecostal em vários de seus segmentos, inclusive no catolicismo. Esses acontecimentos na Ciência e na Religião oficiais, em princípio, apresentaram-se desconectados, mesmo porque, de acordo com Descartes, eles não teriam nada em comum. Entretanto, a Ordem Implícita de David Bohm, um físico quântico, o Ponto Ômega de Teilhard Chardin, um teólogo, e a Ressonância Mórfica de Rupert Sheldrake, um biólogo, conceitos, entre tantos outros, surgidos na segunda metade do século XX, diziam que esses movimentos pareciam conspirar para a busca de uma nova direção de evolução para o ser humano. A espiritualidade e o misticismo pareciam estar de volta, mesmo sob o repúdio de setores tradicionais de igrejas e universidades. Constatou-se, por exemplo, que nas últimas décadas, para surpresa de muitos estudiosos, houve um aumento significativo na busca do sagrado, do místico e do espiritual em toda a humanidade (Cavalcanti, 2000), incluindo aí cientistas, religiosos, místicos e mesmo a população em geral. Veja-se, por exemplo, o enorme sucesso do livro de Dan Brown, O Código Da Vinci (Brown, 2004), o qual tem provocado inúmeras reações de 5

6 6 menosprezo daqueles que, sem querer ao menos investigar as possíveis veracidades do tema tratado, durante muito tempo fizeram prevalecer a visão clássica do caminho único e certo. Sem entrar no mérito de ser esse um livro somente de ficção, a estória de O Código Da Vinci, transformada em filme, é, com certeza, um sinal claro da mudança de rota que ocorre em nossos tempos em termos do relacionamento entre Ciência, Religião e Espiritualidade. Quem tem medo desse livro é convidado a pensar onde estão ancoradas as suas crenças de hoje, se no século XVII ou em nossa época (Guerrini, 2006a). Essa relação nunca mais será a mesma doravante, ficando, queiram os religiosos clássicos ou não, maculados a ética e os objetivos mais profundos das religiões institucionalizadas, algo semelhante ao ocorrido com os partidos políticos no Brasil depois da avalanche de denúncias em 2005, independentemente do partido político. Nesta mesma época, as igrejas cristãs têm registrado, via de regra, perdas no número de fiéis e, particularmente, a Igreja Católica no número de padres, indicando que esta nova tendência se caracteriza muito mais por uma busca do espiritual e muito menos do religioso doutrinário. Mesmo com muitos religiosos querendo atribuir a essa onda crescente, a permissividade instituída no Concílio Vaticano II nos idos de 1960, não se quer perceber que um dos pontos essenciais nessa interpretação diz respeito ao vazio que o fiel encontra ao buscar o verdadeiro sentido da vida, vazio esse que nem a Religião e nem a Ciência clássicas conseguem mais preencher. Com efeito, aqueles cidadãos que sentiam necessidade do espiritual e que não encontravam apoio de suas instituições de educação e pesquisa por um lado e de suas igrejas de outro, fundaram ou se agregaram a grupos de estudo que acabaram se enquadrando na categoria de grupos de auto-conhecimento e sociedades secretas e esotéricas, os quais cresceram muito nos últimos anos. Assim, as energias emanadas dos pêndulos, das pirâmides e dos cristais, assim como o estudo da Astrologia, da Quiromancia, do Eneagrama, do Shamanismo, de vários oráculos, da telepatia e de outros fenômenos psi e de diferentes rituais místicos, tendo sido barrados durante séculos tanto de um lado como de outro, abriram espaço para uma terceira via, considerada anátema pelos críticos conservadores de ambos os lados (Guerrini, 2004). No entanto, mesmo com a obstinada oposição desses conservadores, nada conseguiu deter o rápido desenvolvimento das aplicações da Teoria do Caos e Complexidade, da Psicologia Transpessoal e da Física Quântica nesse período de grandes transições da segunda metade do século passado e início do atual. Antes, surgiram cientistas de renome que desafiaram a ortodoxia vigente com ligações profundas entre os princípios da Ciência e os da Espiritualidade. Fora da linha da Psicologia, um dos primeiros e mais conhecidos a realizar 6

7 7 essa proeza foi o físico Fritjof Capra ao fazer uma ponte entre as descobertas da Física Quântica e a Espiritualidade Oriental em seu livro O Tao da Física (Capra, 2000), cuja visão foi depois ampliada em O Ponto de Mutação (Capra, 2001) e, mais recentemente em A Teia da Vida (Capra, 2001) e Conexões Ocultas (Capra, 2002). Surgiram, simultaneamente, outros desbravadores cognominados pejorativamente de gurus pelo cientificismo clássico, como David Bohm, Deepak Chopra, Amit Goswami, Danah Zohar, Fred Allan Wolf, etc, todos físicos que ousaram aplicar Física Quântica na vida, nos relacionamentos e na saúde. Hoje, depois de muita insistência, não se apresentam mais como desconhecidos, mas ainda são tidos como místicos e quase sempre como não-científicos pela comunidade acadêmica ortodoxa, enquanto que literalmente execrados pela hierarquia dominante do cristianismo arcaico. Outros cientistas falam igualmente dessa nova maneira de se olhar para o universo nesta virada de milênio, englobando áreas da ciência antes desconectadas pelo ponto de vista cartesiano (Barrow, 1995; Johnson, 1995; Cavalcanti, 2000 e 2004). O momento atual permite, pois, algumas reflexões. Por mais ortodoxo e cartesiano que se queira ser, não se pode negar o avanço de uma corrente cada vez maior na direção de uma profunda interação entre a Ciência e a Espiritualidade neste início de novo milênio, muito embora não se possa dizer o mesmo das religiões institucionalizadas. O que transparece é que o desejo interior do religare nunca esteve tão forte e tão visível na caminhada do ser humano, ainda que sem parâmetros bem definidos, o que per se define uma característica ímpar do momento. Nunca a liberdade e a responsabilidade do ser humano foram a ele devolvidos para se constituírem caminhos próprios de cada um como nesta época, o que pode ser olhado como um grande avanço evolutivo e, ao mesmo tempo, revolucionário (Zohar, 1990; Arntz et al., 2005). Como é, então, essa ligação que ocorre hoje? Tudo indica que é algo novo, não tendo, verdadeiramente, precedente em toda a história do ser humano, ainda que seja uma evolução dos modelos antigos. A espiritualidade não surge mais como uma imposição para se alcançar um prêmio tendo à sua sombra o castigo eterno, mas como, na linguagem da Teoria do Caos, uma propriedade emergente de um sistema dinâmico complexo e adaptativo que é o ser humano em sua integridade na busca de seu atrator através de uma complexidade crescente, algo a ser comparado com o Ponto Ômega de Teilhard Chardin (Heller, 1995; Betto, 1997). Céu e inferno passam a ser, nessa nova ótica, atratores dinâmicos do ser humano que deliberadamente os escolhe (Guerrini, 2006b). E como atratores dinâmicos, nenhum deles é visto como definitivo, mas passivos de mudança através de novas escolhas pela evolução que 7

8 8 não cessa. O ponto final, que nunca é final na verdade, é o Ponto Ômega de Chardin, o que faz a chegada ser a própria caminhada. A ligação dessas idéias com a visão espiritualista é clara, muito embora não mais se definam conceitos imutáveis, dogmas e caminhos únicos (Guerrini, 2005). Essa nova ligação entre Ciência e Espiritualidade neste início de milênio, envolve razão e, principalmente, intuição, bem na linha de Pascal, evocando também idéias já elaboradas por Heráclito e Platão na antiga Grécia. Tem raízes, sim, na aurora do desenvolvimento científico da humanidade, quando se usavam oráculos de adivinhação para se conhecer a natureza e seu curso. Segundo Carl G. Jung, esses oráculos muitas vezes trabalhavam com sistemas caóticos simples, onde o mago, o feiticeiro ou o sensitivo usavam seus inconscientes conhecedores de todas as informações tanto em tempos futuros como em tempos passados para descobrir os padrões ali escondidos. Para o elaborador da Psicanálise, nada de sobrenatural, já que esses fatos podiam ser explicados pelo contacto do inconsciente pessoal com o coletivo. Pode-se perceber aqui que eles buscavam a ordem no caos, ou seja, o que esses padrões escondidos na natureza (definidos como fractais) estariam revelando sobre certa pessoa ou sobre certa situação. Segundo M. L. Von Franz, colaboradora de Jung, ao padrão caótico ligado aos oráculos, estaria o verdadeiro começo da ciência muitos séculos antes da era cristã. Lá, ao contrário da ciência clássica, o acaso não era descartado e o instável e irracional eram valorizados na busca da verdade. O evento único não repetível, onde não atua a Estatística Clássica, era, muitas vezes, essencial nessa busca (Von Franz, 1995). Entretanto, a oficial e formal ciência moderna desenvolvida estruturalmente no século XVII veio não somente abolir essa maneira primitiva de se fazer ciência, como também condenar à fogueira quem dela ainda ousasse fazer uso, com o pretexto da blasfêmia contra o Deus criador que se mantinha distante, porém vingador e punitivo, em que pesem as metáforas bíblicas como a do Filho Pródigo onde a imagem de Deus Pai era radicalmente diferente. O grande desenvolvimento científico e tecnológico que se seguiu à elaboração da Ciência Clássica deu um suporte mais que necessário ao reducionismo e mecanicismo, permitindo uma grande segregação de quem não seguisse as diretrizes da ciência do século XVII. Somente agora, nas últimas décadas do século XX, é que por linhas não esperadas e não-convencionais foram surgindo evidências da necessidade de um retorno ao sagrado (Cavalcanti, 2000) no meio da comunidade científica, ainda que de forma não totalmente oficial, já que menos reconhecida, e menos acadêmica. Nasceu a abordagem científica transdisciplinar que engloba as dimensões artísticas, intuitivas e até a religiosa e a espiritual 8

9 9 na tentativa de compreender a natureza (Nicolescu, 1999), tendo ocorrido em setembro de 2005 o II Congresso Mundial de Transdisciplinaridade em Vitória-ES, Brasil. Um bom modelo para o surgimento da necessidade dessa abordagem transdisciplinar, quase que imperativa em nossos tempos, pode ser fornecido pela analogia da pilha de areia no contexto da Teoria do Caos: era a avalanche necessária! De fato, descobertas da Física Quântica, da Teoria do Caos, Fractais e Complexidade e de vários efeitos paranormais dentro da Psicologia vieram trazer um forte vínculo com os oráculos primitivos, intuições e esforços de auto-conhecimento e, junto com eles, um grande desafio: ou se expurgam essas tentativas de se voltar ao natural, ao irregular, ao instável, ao incerto com uma inquisição muito mais forte do que aquela promovida pela Igreja Católica na Idade Média, ou se aceita o até então inaceitável, imponderável, não quantificavel, não passível de prova científica clássica. O que se observa, na prática, é a opção da desconsideração feita pela grande maioria dos cientistas oficiais: faz-se de conta que as descobertas acima relatadas ocorridas no século XX simplesmente não aconteceram ou, ao menos, não tem influência em suas áreas de atuação. Isso vale tanto para os estranhos fenômenos da Física Quântica e das inquietantes descobertas da Teoria do Caos, como para as fortes evidências da ligação da Ciência com a Espiritualidade que têm sido divulgadas em todos os cantos. Acontece com a Homeopatia, por exemplo, ainda considerada como ramo não científico da medicina, já que não pode ser provada por métodos clássicos (Guerrini, 2006c). Na verdade, a Homeopatia precisa da hipótese do imaterial, ou seja, do espiritual para ser compreendida, o que não é contemplada pelo mecanicismo clássico e acaba criando uma grande celeuma em toda a população que a utiliza e a defende. Um dos pontos principais é que, mesmo de forma inconsciente, os cientistas clássicos que se dizem religiosos, acreditam num modelo de religião separatista, dual, fragmentada, separada do quotidiano, própria de um Deus que está somente nos templos ou muito distante, o que reflete claramente as idéias clássicas de Descartes plantadas no século XVII, e que formam hoje um arquétipo coletivo dominante. Há de outro lado, mas seguindo o mesmo arquétipo, os ateus e os agnósticos. Todos esses, crentes ou não crentes, são, geralmente, incrédulos da nova ligação entre Ciência e Espiritualidade que se construiu a partir do século XX, tentando ignorar que os avanços vieram em grande parte da própria Ciência, primeiro com a Física Quântica e depois com a Teoria do Caos e Complexidade. A maioria desses crentes, agnósticos e ateus prefere continuar a seguir o chamado da Ciência Clássica, defendendo-se como podem através de um corporativismo manco, como diria Einstein, na busca de índices de produtividade baseados em trabalhos rigorosamente quantitativos e cartesianos. 9

10 10 O caminhar da humanidade neste momento histórico, no entanto, não mais permite que esses ortodoxos sejam portadores da única voz a se fazer ouvir, ainda que permaneçam como a maioria dominante nas academias e nos púlpitos. Há, hoje, a possibilidade de escolha pela abordagem transdisciplinar, um caminho mais abrangente que não exclui a visão clássica. A verdade é que não há como ficar inerte, não influir ou não ser influenciado pelas mudanças de paradigmas que estão ocorrendo nas últimas décadas da evolução humana. A própria Física Quântica mostra o papel essencial do observador, sem o qual não existe o observado e a tremenda influência daquele neste último. A Psicologia de Jung mostrou a mesma coisa de outro ponto de vista. Fingir, portanto, que a Física Quântica não descobriu o que descobriu, é promover uma ciência de faz-de-conta, o que, infelizmente ocorre com a maioria dos cientistas reducionistas que se aproveitam do sistema vigente para criar uma zona de conforto muito próxima ao equilíbrio. É como se num sistema de n janelas disponíveis para se olhar o universo, haja uma teimosia de se afirmar que só se pode olhar por uma delas, aquela que o padrão arquetípico dos cartesianos diz que é segura. Além disso, esqueceu-se da proposta de Henri Poincaré no século XIX de que a ciência deveria procurar a verdade a qualquer custo e que os extremos devem ser evitados (Poincaré, 1998). O que se vê, então, no ensino oferecido oficialmente nas universidades neste início de terceiro milênio? Como conciliar as descobertas estranhas da Física Quântica e da Teoria do Caos, Fractais, Complexidade, Psicologia com as áreas de atuação de cada um e a busca individual da Espiritualidade? Qual a ligação entre essas descobertas e a antiga maneira de se fazer ciência com oráculos e adivinhações? Como essas ridículas e primitivas ferramentas e a grande consideração dos antigos pelo acaso e pelos eventos únicos podem estar tão intimamente ligados ao conceito definido como Efeito Borboleta na Teoria do Caos (Gleick, 1990)? E quanto aos conhecimentos considerados esotéricos, intuitivos e espirituais, mas que inúmeras vezes funcionam, o que se fazer com eles dentro de uma ciência menos ortodoxa (Von Franz, 1995)? Na busca dessas respostas, este ensaio tem a intenção de, tão somente, propor alguns questionamentos que, se bem trabalhados, poderão levar a respostas importantes no plano individual e, quem sabe também, ao nível de uma comunidade de destino como eram definidos os antigos grupos que tinham objetivos verdadeiramente em comum. A maneira como se vê hoje a ligação entre Ciência e Espiritualidade está ligada à maneira como se aceita ou não a nova face da Ciência construída no século XX. Se cada linha é separada da outra precisando de métodos próprios de análise e não comportando uma transdisciplinaridade e, por conseguinte, não aceitando a metadisciplina, o enfoque ainda é 10

11 11 o clássico, o cartesiano do século XVII. Se, por outro lado, se leva em conta os avanços do século XX, novas definições se fazem necessárias com aberturas para o enfoque sistêmico e transdisciplinar, não simplesmente à justaposição de disciplinas. Nessa ótica não há mais uma janela única para se olhar o universo. Um parâmetro indicativo interessante é o modelo de átomo que temos em mente. Uma oscilação entre o modelo clássico e didático de Bohr e o estranho modelo quântico probabilístico de imenso vazio significativo e de interconexão definido pelo observador, indica onde estão os nossos padrões. Se no século XVII ou nas recentes descobertas, e, por conseqüência, em qual tipo de modelos de Ciência, Religião e Espiritualidade estamos inseridos. LITERATURA CITADA - Arntz, W.; Chasse, B.; Vicente, M.; Forem, J. What the bleep do we know? Discovering the endeless possibilities for altering yopur everyday reality. HCI, New York, 2005; - Barrow, J. D. The Artful Universe. Oxford Press, New York, 1995; - Betto, F. Sinfonia Universal: A Cosmovisão de Teilhard de Chardin. Ed. Ática, São Paulo, 1997; - Brown, D. O Código Da Vinci. Ed. Sextante, São Paulo, 2004; - Capra, F. O Tao da Física. Ed. Cultrix, São Paulo, 2000; - Capra, F. O Ponto de Mutação. Ed. Cultrix, São Paulo, 2001; - Capra, F. A Teia da Vida. Ed. Cultrix, São Paulo, 2001; - Capra, F. Conexões Ocultas. Ed. Cultrix, São Paulo, 2001; - Cavalcanti, R. O Retorno do Sagrado. Ed. Cultrix, São Paulo, 2000; - Cavalcanti, R. O Caminho Sagrado. Ed. Rosari, São Paulo, 2004; - Ferguson, M. A Conspiração Aquariana. Transformações Pessoais e Sociais nos Anos 80. Ed. Record, São Paulo, 1980; - Gleick, J. Caos. A Criação de uma Nova Ciência. Ed. Campus, Rio de Janeiro, 310 p., 1990; - Gell-Mann, M. The Quark and the Jaguar. Adventure in the Simple and the Complex. W. H. Freeman, New York, 1995; - Goswami, A. The Self-Aware Universe. Penguin Putnan Inc., New York, 1995; - Guerrini, I. A. Síndrome de Galileu. Jornal de Piracicaba, edição de 01/09/2004, p. 2, Piracicaba, 2004; - Guerrini, I. A. Os Novos Caminhos do Sagrado. Jornal da UNESP, n. 201, p. 2, São Paulo, 11

12 ; - Guerrini, I. A. Sobre o Código Da Vinci. In: Acessado em 27/04/2006 (2006a); - Guerrini, I. A. Inferno por Escolha. In: Acessado em 25/04/2006 (2006b); - Guerrini, I. A. O Teste da Homeopatia na Visão de Um Físico. In: Acessado em 25/04/2006 (2006c); - Heller, M. Teilhard s Vision of the World and Modern Cosmology. Zygon, 30 (1), 11-23, 1995; - Johnson, G. Fire in the Mind: Science, Faith and the Search for Order. Ed. Alfred A. Knopf, 1995; - Lebrun, G. Blaise Pascal. Ed. Brasiliense, São Paulo, 1983; - Morin, E.; Moigne, J. L. A Inteligência da Complexidade. Ed. Fundação Peirópolis, São Paulo, 2004; - Nicolescu, B. O Manifesto da Transdisciplinaridade. Ed. Triom, São Paulo, 1999; - Penrose, R. O Grande, o Pequeno e a Mente Humana. Ed. UNESP, São Paulo, 1997; - Poincarè, H. O Valor da Ciência. Ed. Contraponto, São Paulo, 1998; - Prigogine, I. O Fim das Certezas. Ed. UNESP, 199 p., 1996; - Sheldrake, R. Sete Experimentos que Podem Mudar o Mundo. Ed. Cultrix, 206 p., 1995; - Von Franz, M. L. Adivinhação e Sincronicidade. A Psicologia da Probabilidade Significativa. Ed. Cultrix, São Paulo, 1995; - Zohar, D. The Quantum Self. William Morrow Ed., New York, 268 p., 1990; 12

Bibliografias referentes à Transdisciplinaridade e Complexidade

Bibliografias referentes à Transdisciplinaridade e Complexidade Bibliografias referentes à Transdisciplinaridade e Complexidade A ATLAN, H. Teórico da auto-organização, in: PESSIS-PASTERNAK, G., Do caos à inteligência artificial: quando os cientistas se interrogam,

Leia mais

É possível não crer em Deus?

É possível não crer em Deus? É possível não crer em Deus? Apresentação disponível em www.searadomestre.com.br Adriana Pizzutti dos Santos É possível não crer em Deus? Adriana Pizzutti dos Santos Ateísmo Ateu é quem não crê na existência

Leia mais

5910224 Evolução dos Conceitos da Física FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque - Origem

5910224 Evolução dos Conceitos da Física FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque - Origem A Origem do Pensamento Científico O ser humano levou milhões de anos para evoluir até o estado atual. Essa evolução levou ao aparecimento de capacidades artísticas, religiosas e científicas na mente humana,

Leia mais

CENTRO ESPÍRITA MARIA ANGÉLICA CURSO: CIÊNCIA E ESPIRITISMO

CENTRO ESPÍRITA MARIA ANGÉLICA CURSO: CIÊNCIA E ESPIRITISMO CENTRO ESPÍRITA MARIA ANGÉLICA CURSO: CIÊNCIA E ESPIRITISMO DO CURSO: Geral: Viabilizar o entendimento dos fenômenos espirituais com base no conhecimento científico, aceito na atualidade. Específicos:

Leia mais

I Plenitude do Espírito e vida familiar

I Plenitude do Espírito e vida familiar 13 I Plenitude do Espírito e vida familiar E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito, falando entre vós com salmos, entoando e louvando de coração ao Senhor com

Leia mais

A NOVA ERA NEW AGE. Bruno Glaab

A NOVA ERA NEW AGE. Bruno Glaab A NOVA ERA NEW AGE A Nova Era (New Age) é uma mistura de crenças filosóficas e religiosas orientais: espiritualistas, animistas, teológicas, etc. Quer criar uma nova moral integrada no cosmos. Na realidade,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SISTÊMICO NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE

CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SISTÊMICO NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SISTÊMICO NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE Esdras Lins Bispo Júnior 1 Universidade Católica de Pernambuco UNICAP bispojr@dei.unicap.br Introdução A

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

Caminhando Com as Estrelas

Caminhando Com as Estrelas Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Com Alessandra França e Jaqueline Salles Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Aula 1 Com Alessandra França Temas: O Reino dos Céus

Leia mais

Sociologia e Espiritismo

Sociologia e Espiritismo Sociologia e Espiritismo Sérgio Biagi Gregório SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Conceito: 2.1. Etimologia; 2.2. Objeto da Sociologia; 2.3. Natureza da Sociologia. 3. Histórico. 4. O Positivismo de Augusto Comte.

Leia mais

O ESTUDO DA RELAÇÃO MENTE E CORPO SEGUNDO O PENSAMENTO FUNCIONAL DE WILHELM REICH Alberto Pucci Junior

O ESTUDO DA RELAÇÃO MENTE E CORPO SEGUNDO O PENSAMENTO FUNCIONAL DE WILHELM REICH Alberto Pucci Junior 1 O ESTUDO DA RELAÇÃO MENTE E CORPO SEGUNDO O PENSAMENTO FUNCIONAL DE WILHELM REICH Alberto Pucci Junior Resumo Este artigo apresenta algumas características da técnica de pesquisa desenvolvida por Wilhelm

Leia mais

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE José Carlos Pezini Luis Alexandre Ribeiro Branco O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE Uma Espiritualidade Cristocêntrica 1 Revisão: Bruna Perrella Brito 2 Prefácio Introdução 1 Índice O Que é Espiritualidade

Leia mais

MITOS NA HISTORIA DAS RELACOES ENTRE CIENCIA E ESPIRITUALIDADE

MITOS NA HISTORIA DAS RELACOES ENTRE CIENCIA E ESPIRITUALIDADE MITOS NA HISTORIA DAS RELACOES ENTRE CIENCIA E ESPIRITUALIDADE 1 Alexander Moreira-Almeida NUPES Núcleo de Pesquisas em Espiritualidade e Saúde Fac. de Medicina - Universidade Federal Juiz de Fora CONHECIMENTO

Leia mais

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO Ao longo da história da humanidade, crer na existência de Deus sempre esteve na preocupação do ser pensante, e foi no campo da metafísica

Leia mais

Entrevista - Espiritualidade nas empresas

Entrevista - Espiritualidade nas empresas Entrevista - Espiritualidade nas empresas 1 - O que podemos considerar como espiritualidade nas empresas? Primeiramente considero importante dizer o que entendo por espiritualidade. Podemos dizer que é

Leia mais

5ª. Apostila de Filosofia FILOSOFIA MODERNA

5ª. Apostila de Filosofia FILOSOFIA MODERNA 1 5ª. Apostila de Filosofia FILOSOFIA MODERNA A História da Filosofia A História da Filosofia não é apenas um relato histórico, mas as transformações do pensamento humano ocidental, ou seja, o percurso

Leia mais

Apologética Cristã V. Paulo em Atenas (Atos 17:16-34)

Apologética Cristã V. Paulo em Atenas (Atos 17:16-34) 1 Apologética Cristã V Paulo em Atenas (Atos 17:16-34) Alan Myatt A Bíblia nos dá um exemplo da metodologia apologética de Paulo no discurso no Areópago de Atos 17. Paulo enfrentou as filosofias gregas

Leia mais

A transdisciplinaridade não procura a matriz de muitas disciplinas, mas a abertura de todas as disciplinas ao que as atravessa e as ultrapassa.

A transdisciplinaridade não procura a matriz de muitas disciplinas, mas a abertura de todas as disciplinas ao que as atravessa e as ultrapassa. A transdisciplinaridade é complementar ao modo disciplinar; ela faz emergir através do confronto das disciplinas, novos dados que as articulam, nos oferecendo assim uma nova visão da natureza da realidade.

Leia mais

ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR

ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR Claudio C. Conti www.ccconti.com Congresso Espiritismo 150 de O Evangelho Segundo o Espiritismo ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR Como funcionamos A mente é a ferramenta para compreender questões que transcendem

Leia mais

Teorias da luz. Experiências

Teorias da luz. Experiências Teorias da luz. Experiências Jaime E. Villate Departamento de Física Faculdade de Engenharia Universidade do Porto Exposição na Biblioteca da FEUP 21 de Abril a 13 de Junho de 2005 1 A luz é um fenómeno

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

Física Quântica e Espiritismo

Física Quântica e Espiritismo Casa de Frei Fabiano 06/09/2015 Claudio C. Conti www.ccconti.com Física Quântica e Espiritismo Cronologia Napoleão III Espiritismo 1852 1870 Napoleão I 1857 1868 Leon Denis 1804 1814 Jung 1846 Einstein

Leia mais

CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO

CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO INTRODUÇÃO Síntese sobre a Teoria da Evolução Química. Criacionismo (fundamentado na fé e na religião). É a primeira explicação para perguntas sobre a origem do Universo, da

Leia mais

Saber coletivo, como raiz da Interdisciplinaridade e saber de si como fonte para o autoconhecimento; resistências sociais à temática

Saber coletivo, como raiz da Interdisciplinaridade e saber de si como fonte para o autoconhecimento; resistências sociais à temática 132 Saber coletivo, como raiz da Interdisciplinaridade e saber de si como fonte para o autoconhecimento; resistências sociais à temática Ruy Cezar do Espírito Santo 1 O que me trouxe a escrever esse texto

Leia mais

Pedagogia 19/10/2012. Dois Temas. Tecnologias da Informação e Mídias Digitais na Educação. Tecnologias da comunicação e informação nos PCNs

Pedagogia 19/10/2012. Dois Temas. Tecnologias da Informação e Mídias Digitais na Educação. Tecnologias da comunicação e informação nos PCNs Pedagogia Profº Mestre Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da Informação e Mídias Digitais na Educação Dois Temas Tecnologias da informação e comunicação nos PCN http://pibidpedagogiaufba.blogspot.com.br/

Leia mais

METODOLOGIA DA PESQUISA. Característica: Obrigatória. Créditos: 2 (30 h)

METODOLOGIA DA PESQUISA. Característica: Obrigatória. Créditos: 2 (30 h) METODOLOGIA DA PESQUISA Ementa: Pesquisa qualitativa e quantitativa. As técnicas de observação e o trabalho de campo: componentes do trabalho de campo: componentes do trabalho de campo. O método cientifico.

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita;

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita; MÉTODO CIENTÍFICO CONCEITO: palavra de origem grega, significa o conjunto de etapas e processos a serem vencidos ordenadamente na investigação da verdade; IMPORTÃNCIA DO MÉTODO: pode validar ou invalidar

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Espiritismo e Espiritualismo. Palestrante: Altivo Pamphiro. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Espiritismo e Espiritualismo. Palestrante: Altivo Pamphiro. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Espiritismo e Espiritualismo Palestrante: Altivo Pamphiro Rio de Janeiro 01/08/2003 Organizadores da Palestra: Moderador:

Leia mais

Canguilhem e as ciências da vida

Canguilhem e as ciências da vida Canguilhem e as ciências da vida 679 CANGUILHEM, G. Estudos de História e de Filosofia das Ciências: concernentes aos vivos e à vida Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 1 Lizandro Lui 1 Instituto

Leia mais

Parece-me importante ter em conta a concomitância destes três factores, mas:

Parece-me importante ter em conta a concomitância destes três factores, mas: CRISE E TRANSFORMAÇÃO INTRODUÇÃO Como indivíduo, sociedade, civilização e ecossistema, estamos em tempos de crise e, portanto, de mudança. Procurando identificar os principais agentes desta mudança actualizo

Leia mais

EDUCAÇÃO E SERVIÇO SOCIAL NA PERSPECTIVA DA TEORIA DA COMPLEXIDADE.

EDUCAÇÃO E SERVIÇO SOCIAL NA PERSPECTIVA DA TEORIA DA COMPLEXIDADE. EDUCAÇÃO E SERVIÇO SOCIAL NA PERSPECTIVA DA TEORIA DA COMPLEXIDADE. 1 Adriana de Oliveira Dias (Unesp adriodias@hotmail.com) Adriana Regina de Almeida (Unesp adrialme@terra.com.br) Cíntia Rosa Oliveira

Leia mais

O ARQUÉTIPO NA MANIFESTAÇÃO RELIGIOSA

O ARQUÉTIPO NA MANIFESTAÇÃO RELIGIOSA O ARQUÉTIPO NA MANIFESTAÇÃO RELIGIOSA Cristiano Corrêa de Paula 1 RESUMO: Utilizando-se do conceito formulado por Jung sobre manifestação religiosa, este artigo discorre sobre como se dá a manifestação

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O PARADIGMA HOLISTICO E HOLISMO E SAÚDE

REFLEXÕES SOBRE O PARADIGMA HOLISTICO E HOLISMO E SAÚDE REFLEXÕES SOBRE O PARADIGMA HOLISTICO E HOLISMO E SAÚDE Elizabeth Teixeira* TEIXEIRA, E. Reflexões sobre o paradigma holístico e holismo e saúde.rev.esc.enf.usp, v.30, n.2, p. 286-90, ago. 1996. Trata-se

Leia mais

Espiritualidade na empresa, sem religião na empresa

Espiritualidade na empresa, sem religião na empresa Como em tudo na vida, existem duas formas de implantar espiritualidade na empresa: a adequada e a não adequada. A não adequada é confundir espiritualidade na empresa com a implantação de religião na empresa.

Leia mais

Ensinando por projetos transdisciplinares

Ensinando por projetos transdisciplinares Ensinando por projetos transdisciplinares Romildo Nogueira (UFRPE) ran.pe@terra.com.br Maria Cilene Freire de Menezes (UFRPE) pgensino@ufrpe.br Ana Maria dos Anjos Carneiro Leão (UFRPE) amanjos2001@yahoo.com.br

Leia mais

A Educação Transdisciplinar e a reinvenção dos modelos de gestão das organizações empresariais.

A Educação Transdisciplinar e a reinvenção dos modelos de gestão das organizações empresariais. A Educação Transdisciplinar e a reinvenção dos modelos de gestão das organizações empresariais. AUTOR: ANDRÉ GUSTAVO DE ARAUJO BARBOSA MESTRE EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS(UFBA) ESTUDANTE DO CURSO A ARTE

Leia mais

Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência

Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência Joel Jessen Traduzido para o Português do Brasil por Guita R. Herman a partir da versão inglesa

Leia mais

ÍNDICE. O Sentido místico das Escolas de Aprendizes do Evangelho...2 Atmosfera Mística: Atmosfera de santidade...8. Página 12 de 12.

ÍNDICE. O Sentido místico das Escolas de Aprendizes do Evangelho...2 Atmosfera Mística: Atmosfera de santidade...8. Página 12 de 12. 12 de 12 1 de 12 ÍNDICE O Sentido místico das Escolas de Aprendizes do Evangelho...2 Atmosfera Mística: Atmosfera de santidade...8 2 de 12 11 de 12 O Sentido místico das Escolas de Aprendizes do Evangelho

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Campus Sombrio MARIA EMÍLIA MARTINS DA SILVA

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Campus Sombrio MARIA EMÍLIA MARTINS DA SILVA MARIA EMÍLIA MARTINS DA SILVA RESENHA CRÍTICA SOBRE O FILME O PONTO DE MUTAÇÃO Referência da Obra: CAPRA, Fritijof. O Ponto de Mutação. Atlas: 1990, 135 min. O nome do livro foi extraído de um hexagrama

Leia mais

As metáforas quânticas aplicadas às organizações modernas Teorias do caos, fractais e suas influências sobre nossa visão do mundo

As metáforas quânticas aplicadas às organizações modernas Teorias do caos, fractais e suas influências sobre nossa visão do mundo As metáforas quânticas aplicadas às organizações modernas Teorias do caos, fractais e suas influências sobre nossa visão do mundo Prof. Marcos Nicolau (Mestrado em Comunicação e Culturas Midiáticas PPGC/UFPB)

Leia mais

Cabo Frio, 1973; foto Beto Felício. ARCOS VOLUME 1 1998 NÚMERO ÚNICO

Cabo Frio, 1973; foto Beto Felício. ARCOS VOLUME 1 1998 NÚMERO ÚNICO Cabo Frio, 1973; foto Beto Felício. 8 ARCOS VOLUME 1 1998 NÚMERO ÚNICO documento O que o desenho industrial pode fazer pelo país? Por uma nova conceituação e uma ética do desenho industrial no Brasil Aloísio

Leia mais

SOCIOLOGIA. Max Weber.

SOCIOLOGIA. Max Weber. SOCIOLOGIA. Max Weber. 1 - Assinale a opção que contenha as categorias básicas da sociologia de Max Weber: a) função social, tipo ideal, mais-valia b) expropriação, compreensão, fato patológico c) ação

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991. RESENHA AGOSTINHO, Márcio Roberto Mestre em Ciências da Religião MACKENZIE SÃO PAULO/SP BRASIL Coordenador do Curso de Psicologia - FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: casteloagostinho@yahoo.com.br 1. Indentidade

Leia mais

PROVA DE SOCIOLOGIA 1 o BIIMESTRE 2012

PROVA DE SOCIOLOGIA 1 o BIIMESTRE 2012 PROVA DE SOCIOLOGIA 1 o BIIMESTRE 2012 PROF. PAULO NOME N o 1 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

I. Espiritualidade: um tema emergente

I. Espiritualidade: um tema emergente I. Espiritualidade: um tema emergente O Homem entra no século XX com grande otimismo nas suas capacidades! Em meados do século XX anunciava-se o fim da religião. Deus está morto! Deus continua morto! E

Leia mais

Judith Sonja Garbers, Psicóloga Jörg Garbers, Mestre de Teologia

Judith Sonja Garbers, Psicóloga Jörg Garbers, Mestre de Teologia Judith Sonja Garbers, Psicóloga Jörg Garbers, Mestre de Teologia C.G.Jung: Espiritualidade Conforme Jung o ser humano desenvolve primeiro uma identidade pessoal, descobre quem é, o que gosta, qual é seu

Leia mais

Hebe Laghi de Souza. DARWIN e KARDEC

Hebe Laghi de Souza. DARWIN e KARDEC Hebe Laghi de Souza DARWIN e KARDEC U M D I Á L O G O P O S S Í V E L CAMPINAS SP 2007 Sumário prefácio...xvii Capítulo 1 novos conhecimentos... 1 Dois livros, duas teorias um novo rumo...1 Detonando o

Leia mais

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913 Rudolf Steiner Londres, 2 de Maio de 1913 O Mistério do Gólgota é o mais difícil de se compreender de todos os Mistérios, mesmo para aqueles que alcançaram um estágio avançado no conhecimento oculto. Entre

Leia mais

Deus criou o universo do nada! E o ponto de partida é:

Deus criou o universo do nada! E o ponto de partida é: Aula 1 18/02/2015 Deus criou o universo do nada! E o ponto de partida é: No principio, criou Deus os céus e a terra (Gn 1.1) O verbo hebraico bãrã, criou, denota o conceito de iniciar alguma coisa nova.

Leia mais

CURSO ESTRATÉGIAS TERAPÊUTICAS PARA AS DOENÇAS DA ALMA.

CURSO ESTRATÉGIAS TERAPÊUTICAS PARA AS DOENÇAS DA ALMA. CURSO ESTRATÉGIAS TERAPÊUTICAS PARA AS DOENÇAS DA ALMA. JUSTIFICATIVA Apesar dos avanços tecnológicos e o aperfeiçoamento dos métodos especializados e modernos da prática médica tradicional, fica cada

Leia mais

Tipos de Conhecimento

Tipos de Conhecimento Conhecer = incorporação de um conceito novo ou original sobre algo (fato ou fenômeno) CONHECIMENTO surge: de experiências acumuladas na vida cotidiana; de relacionamento interpessoais; de outros instrumentos

Leia mais

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos)

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) 3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) Questão (1) - A filosofia se constitui, a partir das concepções de Sócrates, Platão e Aristóteles, como o pensamento que investiga: a) A questão da dívida externa.

Leia mais

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO?

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? A palavra Concílio significa assembleia reunida por convocação e, na Igreja, um concílio sempre teve como objetivo discutir, definir e deliberar sobre questões de

Leia mais

A NOÇAO DE TOTALIDADE NA TEORIA JUNGUIANA: BREVES CONSIDERAÇÕES

A NOÇAO DE TOTALIDADE NA TEORIA JUNGUIANA: BREVES CONSIDERAÇÕES A NOÇAO DE TOTALIDADE NA TEORIA JUNGUIANA: BREVES CONSIDERAÇÕES Sheila Carla de Souza 1 (Mackenzie) Quem olha para fora sonha, quem olha para dentro desperta (C. G. Jung) RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão.

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. Senso comum... aranha caranguejeira ou aranha-marrom? Epistemologia Moderna e Contemporânea EPISTEMOLOGIA investiga o conhecimento. limites. possibilidades.

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO. Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda

O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO. Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda RESUMO: este texto tem por objetivo compreender a importância da

Leia mais

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa 1. Sensibilização e Investigação textual Primeiramente, serão apresentados os excertos dos textos sem

Leia mais

FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL

FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL O Livro dos Espíritos, qq. 1 e 27 Obra codificada por Allan Kardec Figuras: Elio Mollo Deus é a inteligência s uprema, causa primária de todas as coisas. Resposta dada pelos Espíritos

Leia mais

O Yoga: Uma Introdução Esclarecedora

O Yoga: Uma Introdução Esclarecedora O Yoga: Uma Introdução Esclarecedora Por Kamalakali www.kamalakali.com www.trikainstitute.org Como muitos, você já deve ter feito algumas aulas de Yoga e até dominado algumas posturas. No entanto, pode

Leia mais

Teoria Geral dos Sistemas

Teoria Geral dos Sistemas Prof. Carlos Zeve Apresentação Origem Histórico Conceito de Sistema Componentes de um Sistema Hierarquia de Sistemas Tipologia de Sistemas Propriedades dos Sistemas Sistemas e Empresa Sistemas de Informação

Leia mais

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana 93 ISSN - 1517-7807 9!BLF@FB:VWOOUWoYdZh outubro 2013 Que a saúde se difunda sobre a terra Escatologia e Exercícios Espirituais Pedro Arrupe, homem de Deus 1

Leia mais

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Este ponto é aqui. É a nossa casa. Somos nós, numa imagem tirada a partir de 6 mil milhões de quilómetros da Terra pela sonda Voyager

Leia mais

Departamento Acadêmico

Departamento Acadêmico Departamento Acadêmico Quinto Boletim de Física e Espiritualidade (Com Decálogo do Médico Espírita) Decálogo do Médico-Espírita No dia 12/10/1968 Dra. Marlene Nobre recebeu uma mensagem psicografada, o

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Motivação: uma viagem ao centro do conceito

Motivação: uma viagem ao centro do conceito FATOR HUMANO Motivação: uma viagem ao centro do conceito Muitos executivos ainda acreditam que é possível gerar motivação condicionando os comportamentos por meio de prêmios e punições. Mas a verdadeira

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DA CIÊNCIA MODERNA VOLUME 4 A BELLE-ÉPOQUE DA CIÊNCIA

BREVE HISTÓRIA DA CIÊNCIA MODERNA VOLUME 4 A BELLE-ÉPOQUE DA CIÊNCIA BREVE HISTÓRIA DA CIÊNCIA MODERNA VOLUME 4 A BELLE-ÉPOQUE DA CIÊNCIA MARCO BRAGA ANDREIA GUERRA JOSÉ CLAUDIO REIS BREVE HISTÓRIA DA CIÊNCIA MODERNA VOLUME 4 A BELLE-ÉPOQUE DA CIÊNCIA RIO DE JANEIRO Copyright

Leia mais

Religião, Cristianismo e os significados

Religião, Cristianismo e os significados Religião, Cristianismo e os significados Religião: 1 - Crença na Carlos Alberto Iglesia Bernardo das existência palavras Manifestação dicionário Aurélio de - tal editora crença Nova pela Fronteira doutrina

Leia mais

HÁ FÍSICA NA BÍBLIA?

HÁ FÍSICA NA BÍBLIA? HÁ FÍSICA NA BÍBLIA? Nillo Gallindo nillo.gallindo@bol.com.br Este artigo é parte de um livro de 114 páginas intitulado: O QUE EINSTEIN NÃO PERCEBEU - do autor Nillo Gallindo. Os direitos autorais Copyright

Leia mais

O texto a seguir é referência para as questões 01 e 02.

O texto a seguir é referência para as questões 01 e 02. Comentário Geral Foi uma boa prova! A UFPR manteve o bom nível das questões e manteve também sua qualidade. Apresentou-se uma prova que foi além do conhecimento básico dos textos aludidos. Exigiu-se boa

Leia mais

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii SUMÁRIO Introdução XV 1. Construção do Campo do Trabalho no Pensamento Ocidental como Condição para a Emergência da Psicologia do Trabalho

Leia mais

Décimo Oitavo Boletim de Física e Espiritualidade

Décimo Oitavo Boletim de Física e Espiritualidade Décimo Oitavo Boletim de Física e Espiritualidade Evangelho no lar, acaso e probabilidade BOLETIM 18 FÍSICA E ESPIRITUALIDADE Prof. MARCUS VINÍCIUS AMEABC produpar1022@uol.com.br Março/2013 Oi meus queridos

Leia mais

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características:

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características: 14. HISTÓRIA DAS UNIVERSIDADES Um universitário de hoje talvez imagine que a ciência sempre foi parte integrante dessas instituições, mas a ciência chega relativamente tarde à comunidade universitária,

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

ANALISE COMBINATORIA Um pouco de probabilidade

ANALISE COMBINATORIA Um pouco de probabilidade ANALISE COMBINATORIA Um pouco de probabilidade Programa Pró-Ciência Fapesp/IME-USP-setembro de 1999 Antônio L. Pereira -IME USP (s. 234A) tel 818 6214 email:alpereir@ime.usp.br 1 Um carro e dois bodes

Leia mais

E S T U D O S D E C O S M O L O G I A E F I L O S O F I A

E S T U D O S D E C O S M O L O G I A E F I L O S O F I A E S T U D O S D E C O S M O L O G I A E F I L O S O F I A Astrologia da Complexidade A questão da Astrologia frente aos desafios da complexidade do conhecimento. À luz da Cosmologia, os conhecimentos se

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA A prova de filosofia se mostrou abrangente em relação aos conteúdos propostos. Destacamos algumas pequenas observações nas questões envolvendo o livro X da República de

Leia mais

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum?

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum? A Busca Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas em livros e filmes podemos encontrar uma trama em comum? Alguém, no passado, deixouse

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

Parte I - A perspectiva ciência, tecnologia, sociedade e ambiente (CTSA) no ensino de Ciências e as questões sociocientíficas (QSC)

Parte I - A perspectiva ciência, tecnologia, sociedade e ambiente (CTSA) no ensino de Ciências e as questões sociocientíficas (QSC) Parte I - A perspectiva ciência, tecnologia, sociedade e ambiente (CTSA) no ensino de Ciências e as questões sociocientíficas (QSC) 2. A perspectiva histórica da filosofia da ciência como crítica à visão

Leia mais

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

12/02/2012. Administração I. Estrutura da Administração INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO

12/02/2012. Administração I. Estrutura da Administração INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO Idalberto Chiavenato Conceitos; Evidências históricas; e Estruturando a administração. 1 Administração I Administração é criar um ambiente para o esforço grupal

Leia mais

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I 11 - Kelly George Kelly (1905-1967) Estágio Curricular Supervisionado em Física I www.fisica-interessante.com 1/33 www.fisica-interessante.com 2/33 Kelly Ponto de Partida formou-se em Matemática e Física

Leia mais

A NOVA ERA NEW AGE Bruno Glaab

A NOVA ERA NEW AGE Bruno Glaab A NOVA ERA NEW AGE Bruno Glaab Introdução Com o presente estudo queremos oferecer uma possibilidade de conhecer um dos fenômenos religiosos de nosso tempo. Trata-se da Nova Era, ou então, New Age. Este

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO Elias da Silva Maia Doutorando HCTE esmaia@ig.com.br UMA VISÃO DE CIÊNCIA Podemos considerar e definir ciência como as atividades, as instituições e os métodos ligados

Leia mais

Complexidade versus Simplicidade na Física 1

Complexidade versus Simplicidade na Física 1 Volume especial, outubro de 2004. Complexidade versus Simplicidade na Física 1 Fernando Kokubun Departamento de Física FURG Avenida Itália, km 8 CEP96200, Rio Grande, RS, Brasil kokubun@fisica.furg.br

Leia mais

Espiritualidade. O que é Espiritualidade?

Espiritualidade. O que é Espiritualidade? Espiritualidade O que é Espiritualidade? Nos primeiros séculos do cristianismo a pergunta é: Quem é o homem espiritual? Nos padres do deserto Homem espiritual Aquele que recebeu o dom: - do conhecimento

Leia mais

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática Por Prof. Manoel Ricardo Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática A sociedade do século XXI é cada vez mais caracterizada pelo uso intensivo do conhecimento, seja para trabalhar, conviver ou exercer

Leia mais

A missão no contexto asiático

A missão no contexto asiático A missão no contexto asiático Pe. Joachim Andrade SVD Introdução O continente asiático é tão grande e tão diverso é muito difícil dar uma visão clara e contextual da missão dentro de poucos minutos. Além

Leia mais

O QUE É A METAFÍSICA?

O QUE É A METAFÍSICA? Álvaro de Campos O QUE É A METAFÍSICA? O QUE É A METAFÍSICA? Na opinião de Fernando Pessoa, expressa no ensaio «Athena», a filosofia isto é, a metafísica não é uma ciência, mas uma arte. Não creio que

Leia mais

Nascido em 11 de maio de 1895 em Madnapele, ao sul da Índia, Jiddu Krishnamurti foi um filósofo e místico indiano.

Nascido em 11 de maio de 1895 em Madnapele, ao sul da Índia, Jiddu Krishnamurti foi um filósofo e místico indiano. Nascido em 11 de maio de 1895 em Madnapele, ao sul da Índia, Jiddu Krishnamurti foi um filósofo e místico indiano. Acompanhou seu pai Jiddu Naraniah a Adyar em 23 de janeiro de 1909, pois este conquistara

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Edda Curi Resumo Os Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática dos Ensinos Fundamental e Médio enfatizam como um critério essencial para

Leia mais