A QUALIDADE DE SERVIÇO APLICADA NO ESTUDO DE ACESSOS TERRESTRES A AEROPORTOS. Ewerton Chaves Moreira Torres Licinio da Silva Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A QUALIDADE DE SERVIÇO APLICADA NO ESTUDO DE ACESSOS TERRESTRES A AEROPORTOS. Ewerton Chaves Moreira Torres Licinio da Silva Portugal"

Transcrição

1 RESUMO A QUALIDADE DE SERVIÇO APLICADA NO ESTUDO DE ACESSOS TERRESTRES A AEROPORTOS Ewerton Chaves Moreira Torres Licinio da Silva Portugal Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia Com o propósito de aumentar o uso de transporte público, este artigo fornece através de uma revisão na bibliografia sobre as particularidades da viagem de acesso terrestre a aeroportos, caracterizando o usuário e a viagem, u m a a b o r d a g e m s o b r e a qualidade de serviço aplicada a transportes para saber quais atributos fundamentais nesse tipo de acesso. Além disso, o presente trabalho visa identificar quais são os atributos desse tipo viagem e quais desses atributos são mais importantes do ponto de vista do usuário, dada a situação que esse usuário acessa o aeroporto, relacionando esses atributos com os descritos na qualidade de serviço. O estudo também procura esclarecer como e em que situação a qualidade de serviço pode influenciar na escolha do transporte público como modo de acesso terrestre a aeroporto. ABSTRACT In order to increase the use of public transportation, this article provides through an overview covering the bibliography related to the particularities of airport ground access, c h a r a c t e r i z i n g the a i r p o r t u s e r a n d t h e t r a v e l i t s e l f, an approach about the quality of service under the transportation perspective to find out what are the key attributes in this type of access. Besides that, this work aims to identify the attributes of this kind of trip and which one of these attributes are taken into consideration by the users as the most important ones, given the circumstances when accessing the airport, and relating these attributes with the ones described at the quality of service. This work also intends to clarify how and under which situation the quality of service is taken into account on the decision process when considering public transportation as the airport ground access mode. 1. INTRODUÇÃO A indústria da aviação em geral está tentando reduzir seus impactos ambientais incentivando os usuários do aeroporto a viajarem de e para o aeroporto, utilizando modos de transporte mais sustentáveis e reduzir sua dependência de utilização do automóvel particular (Budd, 2014). Dado o elevado volume de passageiros e funcionários acessando o aeroporto, o papel das viagens de acesso terrestre é vista com uma atenção especial. Por exemplo, estima-se que um aeroporto que atenda 45 milhões de passageiros por ano, pode gerar até nove milhões de quilômetros em viagens de acesso terrestre todos os dias (Coogan et al., 2008).

2 O grande problema está no fato de que a maioria das viagens de acesso a aeroportos serem realizadas por automóveis particulares. Nos grandes aeroportos estima-se que os automóveis particulares são responsáveis por 65% das viagens de acesso terrestre, ao passo que este número pode ser tão alto que pode chegar a 99% nos menores aeroportos (Humphreys e Ison, 2005). A saturação das infraestruturas dos aeroportos aliada as crescentes demandas por viagens aéreas, inclusive no que se refere às questões de acesso terrestre, a situação tende a se agravar, tornando necessário e urgente o estímulo ao uso do transporte coletivo (Alves, 2005). Além desse fato, os transtornos causados pelas viagens de acesso ao aeroporto por veículos particulares são intensificados pelos passageiros que optam por serem deixados e/ou buscados no aeroporto, com duas viagens adicionais geradas de e para o aeroporto, viagem onde segundo Miyoshi e Mason (2013), geram um impacto ambiental ainda mais desproporcional por meio dessa escolha de acesso. Sendo assim, as viagens ao aeroporto, especialmente no segmento de viajantes aéreos, se tornam em sua maioria, viagens circulares, aumentando os impactos no sistema: táxis levam clientes a um destino e voltam para o aeroporto em busca de mais clientes; passageiros são levados por motoristas ao aeroporto e voltam para a origem da viagem. Em paralelo a isso, o que se percebe é um aumento da exigência dos clientes em relação a fatores de qualidade em serviços que podem não somente deixarem de atrair os usuários de modos de transporte indesejados no acesso terrestre a aeroportos como também pode reduzir a parcela dos usuários que acessam o aeroporto por meio de transporte público. Já se sabe que quanto mais satisfeito o cliente estiver com o serviço oferecido, maior será a probabilidade do cliente voltar a procurar o mesmo (Gianesi e Corrêa, 2008). Logo, levando em conta que a viagem de acesso terrestre a aeroportos se d i f e r e n c i a de uma viagem convencional a trabalho, ou a lazer, pois o destino final ainda dependerá da modalidade aeroportuária, entender quais atributos são os mais importantes do ponto de vista do usuário sobre a qualidade de serviço é fundamental para tomar medidas mais eficazes na fidelização desses usuários no transporte público. Isso ainda pode aumentar a possibilidade da indicação do serviço a outros usuários, aumentando o número de clientes em potencial (Freitas, 2011). A introdução de modos coletivos de transporte pretende oferecer ao passageiro uma opção rápida de acesso, diminuindo por sua vez os congestionamentos nas vias principais de acesso

3 ao aeroporto. O congestionamento urbano não só afeta os usuários dos terminais aeroportuários, como também a própria circulação urbana, uma vez que a falta de políticas de incentivo ao transporte público tem efeito em todos os usuários do sistema viário. Diante da necessidade para desenvolver estratégias que possam enfrentar o problema de acesso terrestre e reduzir a utilização do automóvel particular, o trabalho tem como objetivo entender a viagem de acesso terrestre a aeroportos, caracterizando o motivo da viagem e algumas características do usuário, e d escobrir de que modo a qualidade de serviço pode influenciar na escolha modal segundo os atributos mais importantes declarados em circunstância das várias peculiaridades desse tipo de viagem. 2. CARACTERIZAÇÃO DA VIAGEM E DO USUÁRIO Adotando-se que a viagem de acesso terrestre a aeroportos se diferencia de uma viagem convencional a trabalho ou a lazer pelo modo rodoviário, provavelmente os atributos mais importantes da viagem serão diferentes. Sendo assim, é necessário identificar essas diferenças e quais atributos são mais importantes em virtude dessas diferenças Motivo da viagem As viagens de acesso terrestre a aeroportos são realizadas pelos próprios funcionários do aeroporto, prestadores de serviços e, principalmente, por usuários de transporte aéreo. Na maioria dos estudos realizados com usuários de transporte aéreo se pode destacar como os principais motivos que levam esses usuários a se utilizarem desse tipo de transporte são as viagens a trabalho/negócio e as viagens a lazer. Além dos motivos de viagem citados, outros motivos como estudo/conferência/congresso e resolver questões pessoais apareceram nos resultados da pesquisa de Alves (2014). Conhecer o motivo da viagem é importante no sentido de que muitas abordagens indicam que o motivo da viagem influencia na ponderação, por parte do usuário, dos atributos da viagem. Muitos autores também concordam que viajantes a negócios apresentam valores do tempo até 80% mais altos do que viajantes por outros motivos (Pels et al. 2003, Tsamboulas e Nikoleris, 2008). Esses usuários tendem a valorizar menos o custo e mais o tempo de viagem, seja porque o tempo gasto no acesso ao aeroporto pode ser considerado como tempo de trabalho desperdiçado ou porque talvez as empresas paguem por suas viagens. Tipos diferentes de passageiros podem ter preferências diferentes, por exemplo, os viajantes a negócios agregam um valor superior ao tempo e sua disposição em pagar viagens de e para o

4 aeroporto é muito maior do que a de quem viaja a lazer (Gupta et al., 2008) Escolha modal Dependendo da oferta de transportes, várias modalidades de transportes podem ser escolhidas para acessar o aeroporto. Dentre essas modalidades, as opções mais usuais são: ônibus coletivo; usar transportes de alta capacidade como trem e metrô; fazer a viagem de táxi; usando veículo particular sendo pego e deixado no aeroporto ou utilizando o estacionamento. Chebli e Mahmassani (2002) indicaram que a maior parte dos passageiros dos transportes aéreos tem dependido principalmente do automóvel como principal modo de acesso de e para o aeroporto durante as últimas três décadas. Em alguns casos, pesquisas mostram que o táxi é o modo de acesso escolhido predominante. Gupta et al. (2008) desenvolveram um modelo de escolha de aeroporto conjunta ao modo de acesso terrestre para a região metropolitana de Nova York e descobriram que táxis e vans compartilhados são favorecidos quando viajam para aeroportos com um número maior de voos em geral, e uma linha de ônibus local é favorecida quando acessam aeroportos com um maior número de voos domésticos Renda A renda individual declarada é uma variável que pode influenciar a escolha de modo. Bhat e Sardesai (2006) verificaram que indivíduos de alta renda parecem evitar modos coletivos de transporte, já Alves (2011) observou que a taxa de escolha de modos coletivos no experimento é muito similar para viajantes de alta e baixa renda. A baixa sensibilidade dos viajantes aéreos com relação aos custos do acesso terrestre foi também observada por outros autores (Koster et al., 2010) Origem da viagem Outra característica que é importante ser conhecida quando se deseja entender a viagem até o aeroporto é a origem da viagem. As áreas comerciais são em geral melhor providas de modos coletivos, a saída do escritório pode indicar uma maior tendência do indivíduo a valorizar o atributo tempo de acesso, quando comparado com o indivíduo que sai de sua residência (Alves, 2005). 3. PRINCIPAIS ATRIBUTOS DA QUALIDADE DE SERVIÇO QUE PODEM INFLUÊNCIAR NA TRANSFERÊNCIA MODAL

5 Harvey (1986) descobriu que o tempo de viagem e custo foram o atributo mais importante que influenciam a escolha do modo de acesso ao aeroporto para o passageiros que vivem na área da Baía de San Francisco. Tam et al. (2006) descobriram que o desempenho do serviço foi o fator chave no que diz respeito à escolha do modo de acesso ao Aeroporto Internacional de Hong Kong. Jou et al. (2011) indicaram que o tempo de viagem fora do veículo e tempo de viagem no veículo foram dois fatores importantes para a escolha dos viajantes, do modo acesso ao Aeroporto Internacional Taoyuan. Para os idosos, com o aumento da idade, a visão, mobilidade, força e cognição podem, cada vez mais diminuir. Estas mudanças, tanto no estado físico quanto no estado psicológico, influenciará quando as pessoas idosas viajarem até o aeroporto (Donorfio et al., 2009). Por exemplo, se os idosos usarem um transporte público para acesso ao aeroporto, eles podem ter dificuldade em entrar e sair do ônibus ou de transportar bagagem dentro ou fora do metrô. Se eles dirigem um carro, eles podem ter dificuldade em encontrar o seu caminho para o aeroporto, encontrar estacionamento, e viajarem a partir do estacionamento para o terminal (Wolfe, 2002, apud Chang, 2013) Qualidade de serviço Transporte é a denominação referenciada ao deslocamento de pessoas e produtos. A facilidade do deslocamento de pessoas é um fator significante na caracterização da qualidade de vida de uma população e, por consequência, do seu grau de desenvolvimento social e econômico (Ferraz e Torres, 2001). O transporte, em geral, é caracterizado como uma atividade tipicamente de prestação de serviço. Segundo Freitas (2005), apesar de muito abordado em pesquisas científicas, o tema Qualidade em Serviços ainda é objeto de muitas discussões entre pesquisadores, gerentes e administradores. Em sua essência, este questionamento é decorrente do envolvimento de dois objetos de entendimento não tão trivial: qualidade e serviços. Segundo Portugal (1980), a qualidade é um conceito abrangente e complexo, indicador do serviço, refletido através de vários atributos do sistema, conforme percebido pelos usuários. A qualidade de serviço é uma medida global de todas as características do serviço, cuja percepção do sistema é feita pelo usuário. A percepção e a ponderação dos atributos variam de acordo com características socioeconômicas, características locacionais e propósito da viagem. A Qualidade de Serviço é, tradicionalmente, o principal indicador do desempenho do transporte nas vias urbanas (Sanches, 1997 apud Catunda et al., 2003) e se expressa através da percepção e das expectativas dos usuários desse sistema. Considerando que os diferentes

6 atributos de serviço são importantes na percepção dos usuários, pois refletem as diferenças nas características socioeconômicas e também as suas preferências, torna-se indispensável mensurar a qualidade do serviço oferecido. Admitindo a similaridade dos atributos percebidos pelos usuários de transporte aéreo na viagem de acesso terrestre a aeroportos com uma viagem convencional de transporte público pelo modo rodoviário, e utilizando-se do decreto no 2521/98, que regulamenta o Serviço de Transporte Rodoviário Interestadual e Internacional de Passageiros, a viagem de acesso a aeroportos será considerada adequada quando satisfizer às condições de atualidade, pontualidade, regularidade, continuidade, segurança, eficiência, generalidade, cortesia na sua prestação e modicidade das tarifas. Tabela 01 Atributos revelados na prestação de um serviço adequado de transporte público pelo modo rodoviário para viagens intermunicipais e internacionais (Freitas, 2011) Atualidade Pontualidade Abrange a modernidade dos equipamentos, das técnicas e das instalações e sua conservação, assim como a melhoria e expansão do serviço. Cumprimento rigoroso dos horários para a prestação do serviço preestabelecido em contrato. Prestação do serviço nas condições estabelecidas na legislação vigente, no contrato Regularidade e nas normas técnicas aplicáveis, sem interrupções (BRASIL, 1995). Segurança Continuidade Eficiência Generalidade ou universalidade Cortesia Representa a prestação dos serviços sem perigos, riscos ou danos (Parasuraman et al, 1985). No contexto do problema em questão, significa a prestação de serviços livre de incidentes que comprometam as condições físicas, financeiras e pessoais (confidencialidade) dos passageiros, tais como: acidentes automobilísticos, assaltos, agressões, divulgação de informações pessoais, etc. Pode ser entendida como a manutenção, em caráter constante, da oferta dos serviços. Conceito originado da premissa que não basta somente a instalação do serviço público. E preciso que o serviço seja prestado de forma eficiente, ou melhor, atenda plenamente a necessidade que lhe deu origem (BRASIL, 1995). Relaciona-se com o princípio da igualdade ou uniformidade dos usuários. Significa que o serviço público pode ser exigido e utilizado por todos que dele necessitem, independentemente da renda e do local onde o serviço deva ser prestado ou disponibilizado. Envolve a educação, respeito, consideração e simpatia dos funcionários da empresa para com os clientes (Parasuraman et al., 1985). Nesta situação, incluem-se os funcionários dos guichês, funcionários de atendimento por telefone, motoristas e carregadores de bagagens.

7 3.2. Transferência Modal Em virtude dos congestionamentos dos grandes centros urbanos, decorrentes do privilégio concedido aos modos de transporte individuais, que afetam o acesso aos aeroportos de modo tal que podem até, em casos de destinos aéreos próximos, tornar a duração da parcela terrestre (parte terrestre das viagens aéreas) maior que a parcela aérea (Foote et al., 1997) e pela necessidade de que os sistemas de transportes estejam fundamentados em transporte público, é desejado que os usuários de veículos particulares passem a utilizar transportes coletivos. Diante dessa necessidade e para promover a transferência modal, se torna necessário entender como cada perfil de usuário escolhe acessar o aeroporto para que se possa entender como a qualidade de serviço pode influenciar na escolha modal, aumentando assim o número de usuários de transporte público Budd (2014) caracterizou os usuários que acessam um aeroporto específico, com base no perfil atitudinal e situacional desses usuários, em alguns grupos com o objetivo de determinar o potencial desses diferentes grupos de passageiros em reduzirem o uso de veículos particulares e as possíveis opções estratégicas para promover essa redução. Segundo o autor, alguns grupos de usuários tem mais resistência à mudança para o transporte público em virtude de que os usuários classificados nesses grupos possuem opiniões fortemente favoráveis a utilização de táxis e de automóveis, e em contrapartida tem opiniões negativas sobre o transporte público. Outro grupo que mantém resistência a diminuição do uso de veículos particulares é o grupo de usuários que preferem serem deixados ou pegos no aeroporto através de veículos particulares, e que não percebem que acessar o aeroporto dessa forma seja um grande problema. Ainda segundo Budd (2014), alguns usuários de carro parecem serem mais conscientes dos problemas associados com o acesso por veículos particulares para os aeroportos e, apesar de manterem opiniões negativas para com o transporte público e acreditarem que suas ações não representarão grandes impactos, mesmo assim, são mais susceptíveis a transferência modal do que os grupos anteriormente citados. Na outra extremidade existem grupos de usuários cujos seus perfis revelam atitudes positivas para a utilização de transportes públicos e menos favorável ou negativas para outros modos. Alguns desses usuários têm a sua escolha modal limitada pelo fato de não terem acesso a um carro. Mesmo assim, esses usuários não representam uma prioridade quanto a transferência

8 modal pois já se comportam da maneira desejada (Budd, 2014). Porém, onde se observa uma perspectiva mais importante de mudança comportamental conforme suas atitudes e características de viagem, geralmente mais maleáveis e suscetível a alterações, são nos usuários que não conseguem traduzir suas opiniões subjacentes ou intenções futuras sobre o uso do transporte público na escolha do modo real e em usuários que preferem serem deixados no aeroporto por considerarem o transporte público difícil de ser usado. 4. ANÁLISE E SÍNTESE O que foi observado no presente artigo se aplica a aeroportos de médio e grande porte, localizados nos grandes centros urbanos com ênfase quanto a sua operação no transporte de passageiros em voos domésticos e/ou internacionais. Da caracterização do usuário é possível entender quais atributos são mais importantes em virtude de cada característica relevante observada. Dos motivo que levam o usuário a acessar o aeroporto, que são principalmente motivos de negócios e lazer, os atributos pontualidade e regularidade são mais importantes para os viajantes a negócios. Uma alta renda do usuário foi observada como um fator que causa uma baixa sensibilidade no uso de transporte público mesmo com uma melhora na qualidade de serviço. Pela origem da viagem, os viajantes que saem dos seus locais de trabalho para o aeroporto tendem a valorizar mais o tempo de viagem do que os viajantes que saem das suas casas, o que reforça que viajantes a negócios valoram mais a pontualidade e regularidade dos sistemas de transportes. Sobre a qualidade de serviço foi possível revisar o conceito e relacionar a qualidade de serviço no transporte interestadual e internacional de passageiros pelo modo rodoviário com a qualidade de serviço na acesso terrestre a aeroportos. Em seguida analisou-se a propensão dos usuários que acessam o aeroporto via terrestre de usarem transporte público com o objetivo de identificar os atributos da qualidade de serviço que possam promover essa transferência modal. Com isso, foi observado que o maior potencial de transferencial modal para transporte público se concentra em usuários que possuem uma imagem negativa dos sistemas de transportes coletivos.

9 5. CONCLUSÃO O presente artigo contribui no entendimento do acesso terrestre a aeroportos e na qualidade de serviço nesse tipo de acesso, e segundo foi tratado no próprio artigo, é possível concluir que a viagem de acesso terrestre a aeroportos, apesar das similaridades com outros tipos de viagem pelo modo rodoviário, também possui muitas particularidades, umas até não levantadas nesse estudo como o transporte de bagagens e as viagens feitas em grupo. Com isso, é possível perceber também que os atributos, advindos da qualidade de serviço, percebidos pelos usuários da viagem de acesso terrestre a aeroportos são semelhantes aos atributos percebidos pelos usuários de outros tipos de viagem, diferenciando-se apenas, a ponderação na importância desses atributos entre esses usuários. O atributos que tem sua importância destacada pelos usuários de transporte aéreo quando acessam o aeroporto é principalmente o tempo de viagem, que relacionado com a qualidade de serviço prestada pelos transportes públicos, seriam traduzidos como a pontualidade e a regularidade. Do ponto de vista da transferência modal, apesar de existirem grupos de usuários que dificilmente mudarão a forma que eles acessam o aeroporto, os grupos de usuários que não se utilizam de transporte público no acesso a aeroportos por considerarem o uso desse tipo de transporte proibitivamente difícil, podem reduzir o uso do veículo particular em virtude de um amento na qualidade de serviço prestada. Diante desses fatos, e como resultado desse artigo, se deduz que a transferência de usuários de transportes individuais, no acesso terrestre a aeroportos, para transportes coletivos será mais acentuada ou não, dependendo do panorama da qualidade de serviços, no que se refere a pontualidade e a regularidade das linhas de transporte. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Alves, B. B. (2005) A importância da variabilidade do tempo de viagem no acesso terrestre a aeroportos: Estudo de caso do aeroporto interncaional André Franco Montoro. Dissertação de M.Sc. Escola Politécnica/USP, São Paulo, SP, Brasil. Alves, B. B. (2011) Escolha de modo no acesso terrestre a aeroportos considerando a confiabilidade do tempo de viagem. TRANSPORTES, v.19, n.1, p Alves, B. B. (2014) O comportamento de viagens de acesso a aeroportos considerando a confiabilidade do tempo de viagem. Tese de D.Sc. Escola Politécnica/USP, São Paulo, SP, Brasil. Bhat, C. R. e R. Sardesai (2006) The impact of stop-making and travel time reliability on commute mode choice. Transportation Research B, v. 40, p

10 Brasil (1995) Lei no 8987, de 13 de fevereiro de Que dispõe sobre o regime de concessão e permissão da prestação de serviços públicos previstos no art. 175 da Constituição Federal, e dá outras providências. Brasil (1998) Decreto no 2521, de 20 de março de Sobre a exploração mediante permissão e autorização de serviços de transporte rodoviário dual e internacional de passageiros e dá outras providências. Budd, T., Ryley, T. e Ison, S. (2014) Airport ground access and private car use: a segmentation analysis. Journal of Transport Geography, v.36, n.1, p Catunda, C. E. G., Côrtes, B. C., Portugal, L. S. (2003) Medidas da Qualidade em Serviços: Aplicações Relacionadas aos Estacionamentos. Anais Eletrônicos do I Rio de Transportes. Rio de Janeiro, Junho. Chang, Y.-C. (2013) Factors affecting airport access mode choice for elderly air passengers. Transportation Research Part E v. 57, p Chebli, H. e Mahmassani, H. S. (2002) Air travelers stated preferences towards New Airport landside access mode services. In: The 82nd Annual Meeting of the Transportation Research Board, Washington, DC. Coogan, M. A., MarketSense Consulting LCC e Jacobs Consultancy (2008) Ground Access to Major Airports by Public Transportation, ACRP (Airport Cooperative Research Programme) Report 4. Transportation Research Board of the National Academies, Washington, D.C. Donorfio, L.K.M., D Ambrosio, L.A., Coughlin, J.F., Mohyde, M. (2009) To drive or not to drive, that is not the question the meaning of self-regulation among older drivers. Journal of Safety Research v. 40, p Ferraz, A.C.P e I. G. E. Torres (2001) Transporte público urbano. São Carlos: Rima. Freitas, A. L. P. (2005) A qualidade em serviços no contexto da competitividade. Produção On-line, Florianópolis, v. 5, n. 1, março. Freitas, A. L. P., Filho, C. A. C. R., Rodrigues, F. R. (2011) Avaliação da qualidade do transporte rodoviário intermunicipal de passageiros: uma abordagem exploratória. TRANSPORTES, v.19, n.3, p Foote, P. J., La Belle, S. J. e Stuart, D. G. (1997) Increasing Rail Transit Access to Airports in Chicago. Transportation Research Record, Washington DC, n.1600, p Gianesi, I.G. N.; H. L. Corrêa (2008) Administração Estratégica de Serviços: Operações para a satisfação do cliente. São Paulo: Atlas. Gupta, S., Vovshe, P., Donnelly, R. (2008) Air passenger preferences for choice of airport and ground access mode in the New York City metropolitan region. Journal of the Transportation Research Board, n. 2042, p Harvey, G. (1986) Study of airport access mode choice. Journal of Transportation Engineering 112, p Humphreys, I., Ison, S. (2005) Changing airport employee travel behavior: the role of airport surface access strategies. Transport Policy 12, p.1 9. Jou, R.C., Hensher, D.A. e Hsu, T.L. (2011) Airport ground access mode choice behavior after the introduction of a new mode: a case study of Taoyuan International Airport in Taiwan. Transportation Research Part E: Logistics and Transportation Review v. 47, p Medeiros, F. S. e C. T. Nodari (2011) Identificação e análise de atributos para compor indicadores de desempenho para o transporte rodoviário interestadual de passageiros. Revista ANTT. v.3, n.1, p.12. Miyoshi, C., Mason, K.J. (2013) The damage cost of carbon dioxide emissions produced by passengers on airport surface access: the case of Manchester Airport. Journal of Transport Geography, v.28, n.1, p Parasuraman, A., V. A. Zeithaml e L. Berry (1985) A conceptual model of service quality and its implications for future research. Journal of Marketing, Chiago: v. 49, n. 4, fall. Pels, E.; P. Nijkamp e P. Rietveld (2003) Access to and competition between airports: a case study for the San

11 Francisco Bay area. Transportation Research A, v. 37, p Portugal, L. S. (1980) Estacionamento nas Vias Públicas: Princípios e Procedimentos. Dissertação de M.Sc. COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Tam, M. L., Lam, William H. K., Lo, H. P. (2006) Modeling the effect of safety margin on air passenger behavior f or ground access mode choice problems. 11th International Conference on Travel Behavior Research, Kyoto. Tsamboulas, D. A. e A. Nikoleris (2008) Passengers willingness to pay for airport ground access time savings. Transportation Research A, v. 42, p

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras Diretoria de Engenharia - DE Cidades candidatas e seus aeroportos Aeroportos da INFRAERO primeira e última imagem que o turista estrangeiro

Leia mais

Mobilidade em um Campus Universitário. Suely da Penha Sanches 1 ; Marcos Antonio Garcia Ferreira 1

Mobilidade em um Campus Universitário. Suely da Penha Sanches 1 ; Marcos Antonio Garcia Ferreira 1 Mobilidade em um Campus Universitário. Suely da Penha Sanches 1 ; Marcos Antonio Garcia Ferreira 1 1 Universidade Federal de São Carlos PPGEU, Rodovia Washington Luis, km 235, (16) 33519677 ssanches@ufscar.br;

Leia mais

Palavras chave: Transporte Rodoviário; Passageiros; Qualidade; Cliente.

Palavras chave: Transporte Rodoviário; Passageiros; Qualidade; Cliente. A importância da avaliação do transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros através dos critérios de qualidade priorizados pelos clientes Lílian da Silva Santos (UFOP) lilisisa@gmail.com

Leia mais

da avaliação do transporte rodoviário

da avaliação do transporte rodoviário /2007 A IMPORTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DO RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NO BRASIL A Agência Nacional de Transportes Terda avaliação do transporte rodoviário passageiros através dos critérios de qualidade priorizados

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MOBILIDADE COM FOCO EM GRANDES POLOS GERADORES DE VIAGENS

PLANEJAMENTO DA MOBILIDADE COM FOCO EM GRANDES POLOS GERADORES DE VIAGENS PLANEJAMENTO DA MOBILIDADE COM FOCO EM GRANDES POLOS GERADORES DE VIAGENS Angelica Meireles de Oliveira Antônio Nélson Rodrigues da Silva PLANEJAMENTO DA MOBILIDADE COM FOCO EM GRANDES POLOS GERADORES

Leia mais

Modelamento Banco de Dados e modelos de tendencia

Modelamento Banco de Dados e modelos de tendencia Modelamento Banco de Dados e modelos de tendencia NOTA: Cada barra representa o grau de partidas de uma determinada origem de um conhecido percurso. Por exemplo, em Dezembro o fator sazonal para Chicago

Leia mais

Guia para compra de passagens e contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros. Suburbano e Rodoviário

Guia para compra de passagens e contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros. Suburbano e Rodoviário Guia para compra de passagens e contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros 100 95 Suburbano e Rodoviário 75 25 5 0 Introdução A Artesp tem a finalidade de regulamentar e fiscalizar todas as

Leia mais

Renata Pedrosa Dantas Orientador: Prof. Dr. Paulo Maciel

Renata Pedrosa Dantas Orientador: Prof. Dr. Paulo Maciel Uma Análise de Dependabilidade e Desempenho como Alternativa ao Planejamento em Sistemas de Transporte de Passageiros: um estudo sobre o sistema BRT (Bus Rapid Transit). Renata Pedrosa Dantas Orientador:

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais

TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO

TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2 Municípios Habitantes PIB (Regional) Comércio e Serviços 39 18,6 milhões 10,5% população Brasileira R$ 244 Bilhões 15,7% PIB Brasileiro

Leia mais

Pesquisa sobre o transporte escolar oferecido aos alunos do Instituto Federal Farroupilha Câmpus Alegrete

Pesquisa sobre o transporte escolar oferecido aos alunos do Instituto Federal Farroupilha Câmpus Alegrete 0 Pesquisa sobre o transporte escolar oferecido aos alunos do Instituto Federal Farroupilha Câmpus Alegrete Autores: Alunos da Turma 201 da Licenciatura em Matemática Orientador: Professor Mauricio Lutz

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIO DE ANÁLISE PARA PROPOSIÇÃO DE ATO NORMATIVO

ANEXO I FORMULÁRIO DE ANÁLISE PARA PROPOSIÇÃO DE ATO NORMATIVO ANEXO I FORMULÁRIO DE ANÁLISE PARA PROPOSIÇÃO DE ATO NORMATIVO Processo nº: 00058.024009/2014-54 Unidade Responsável GCON/SRE (Sigla): Assunto do normativo: Regulamentar a aferição dos Indicadores de Qualidade

Leia mais

REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO

REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO 1.Introdução A divisão modal pode ser definida como a divisão proporcional de total de viagens realizadas pelas pessoas e cargas, entre diferentes modos de viagem. Se refere

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES 480 MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES Poliana de Oliveira Basso¹, Sibila Corral de Arêa Leão Honda². ¹Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo da

Leia mais

PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013

PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013 PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013 SUMÁRIO Página Capítulo 3 Objetivos, conceitos utilizados e metodologia 12 Dados socioeconômicos

Leia mais

ACESSO AO TERMINAL DE PASSAGEIROS POR MODAIS DE SUPERFÍCIE: UM ESTUDO PARA AEROPORTOS SELECIONADOS

ACESSO AO TERMINAL DE PASSAGEIROS POR MODAIS DE SUPERFÍCIE: UM ESTUDO PARA AEROPORTOS SELECIONADOS ACESSO AO TERMINAL DE PASSAGEIROS POR MODAIS DE SUPERFÍCIE: UM ESTUDO PARA AEROPORTOS SELECIONADOS Mariana Sá Barreto dos Santos - IC Protógenes Pires Porto - PQ RESUMO Até pouco tempo atrás, os operadores

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 8 Mobilidade urbana e de seu interesse Rogério Soares da Silva (*)

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 8 Mobilidade urbana e de seu interesse Rogério Soares da Silva (*) Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 8 Mobilidade urbana e de seu interesse Rogério Soares da Silva (*) O crescimento global da população vem atingindo índices cada vez maiores nos

Leia mais

Pesquisa de Satisfação QualiÔnibus. Cristina Albuquerque Engenheira de Transportes EMBARQ Brasil

Pesquisa de Satisfação QualiÔnibus. Cristina Albuquerque Engenheira de Transportes EMBARQ Brasil Pesquisa de Satisfação QualiÔnibus Cristina Albuquerque Engenheira de Transportes EMBARQ Brasil Qualificar o serviço de transporte coletivo por ônibus para manter e atrair novos usuários ao sistema e tornar

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

PASSAGEIRO, CONHEÇA SEUS DIREITOS E DEVERES.

PASSAGEIRO, CONHEÇA SEUS DIREITOS E DEVERES. PASSAGEIRO, CONHEÇA SEUS DIREITOS E DEVERES. O que é a ANTT? A Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT regula e fiscaliza a prestação de serviços de transportes terrestres de passageiros em todo

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: LOCOMOÇÃO URBANA AGOSTO/2011

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: LOCOMOÇÃO URBANA AGOSTO/2011 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: LOCOMOÇÃO URBANA AGOSTO/2011 PESQUISA CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria Executiva - DIREX José Augusto Coelho

Leia mais

4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional. 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração

4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional. 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração RA DA APRES ENTAÇ ÃO ES STRUTU 1. Embasamento Legal 2. Serviços a licitar 3. Premissas 4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração Embasamento Legal

Leia mais

METRÔ DE SÃO PAULO Gerência de Planejamento e Integração de Transportes Metropolitanos GPI / DM

METRÔ DE SÃO PAULO Gerência de Planejamento e Integração de Transportes Metropolitanos GPI / DM METRÔ DE SÃO PAULO Gerência de Planejamento e Integração de Transportes Metropolitanos GPI / DM Sistemas Estruturais de Transporte Alta e Média Capacidade Alberto Epifani Gerente de Planejamento e Integração

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA

PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA INTRODUÇÃO A mobilidade das cidades tem se tornado um desafio cada vez maior com o passar do tempo. Em 10 anos, a frota de automóveis e motocicletas cresceu 400% no

Leia mais

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Fernanda Borges Monteiro, Vânia Barcellos Gouvêa Campos arqnandy@gmail.com; vania@ime.eb.br Instituto Militar de Engenharia

Leia mais

Pesquisa de Opinião Pública sobre Transportes Coletivos

Pesquisa de Opinião Pública sobre Transportes Coletivos Pesquisa de Opinião Pública sobre Transportes Coletivos Realizada por encomenda da Especificações Período de campo: setembro de 2004 Universo: população geral, com idade entre 16 e 64 anos (inclusive),

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

ProReserve Serviços de Internet Ltda.

ProReserve Serviços de Internet Ltda. [Digite texto] ProReserve Serviços de Internet Ltda. Av. Evandro Lins e Silva, 840-1911, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro - 21 2178-2180 São Paulo / Rio de Janeiro / Campinas / Curitiba / Brasília / Fortaleza

Leia mais

Política de Viagens e Procedimentos

Política de Viagens e Procedimentos Política de Viagens e Procedimentos A Maxgen desenvolveu uma política de viagens e procedimentos para permitir que cada funcionário possa fazer uma contribuição substancial para a rentabilidade do seu

Leia mais

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ 1 1 Introdução Sustentabilidade Mudança nos atuais modelos de produção e consumo Alternativas

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro www.regiaodeaveiro.pt PIMT de Aveiro, Aveiro TIS.PT Transportes Inovação e Sistemas, S.A. 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO. 1.1. Objetivo Geral

1. APRESENTAÇÃO. 1.1. Objetivo Geral PRÁTICA 1) TÍTULO FEEDBACK DE INTERAÇÕES CLIENTES E GESTORES REDES SOCIAIS 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: 1. APRESENTAÇÃO O Serviço de Monitoramento em Redes Sociais da Infraero,

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos a serem adotados para a utilização dos meios de transporte na COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma, poderá ser necessário consultar:

Leia mais

Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional. Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br

Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional. Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br Sumário 1. Dados da SAC sobre o Setor Aeroportuário 2. Plano Geral de Outorgas

Leia mais

CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC)

CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC) CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC) 1. CONCEITO O contrato de transporte é o contrato pelo qual alguém se vincula, mediante retribuição, a transferir de um lugar para outro pessoas ou bens. Art.

Leia mais

Abordagem para os Serviços Aéreos Internacionais. Transporte para o Comércio e a Integração Regional

Abordagem para os Serviços Aéreos Internacionais. Transporte para o Comércio e a Integração Regional Abordagem para os Serviços Aéreos Internacionais Seminário CNI-BID Brasília, 01 de outubro de 2008 Transporte para o Comércio e a Integração Regional Ronaldo Seroa da Motta Diretor da ANAC Marco Legal

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

O roteiro de uma. boa viagem. começa na preocupação com conforto e a segurança de quem você vai levar.

O roteiro de uma. boa viagem. começa na preocupação com conforto e a segurança de quem você vai levar. O roteiro de uma boa viagem começa na preocupação com conforto e a segurança de quem você vai levar. Sobre o Turismo Rodoviário O Brasil e a América do Sul como um todo possuem os mais variados atrativos.

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE.

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. Autor: ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA E SÁ FILHO Introdução O Turismo de Eventos está em plena ascensão

Leia mais

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como:

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como: VALE-TRANSPORTE 1. Introdução O vale-transporte foi instituído pela Lei nº 7.418 de 16.12.85, regulamentada pelo Decreto nº 92.180/85, revogado pelo de nº 95.247, de 17.11.87, consiste em benefício que

Leia mais

Como está a cultura de segurança no trânsito na sua empresa?

Como está a cultura de segurança no trânsito na sua empresa? Como está a cultura de segurança no trânsito na sua empresa? J. Pedro Corrêa Especialista em Programas de Trânsito São Paulo, 23 Setembro 2013 Você considera seguro o comportamento dos motoristas que usam

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2012

PROJETO DE LEI Nº /2012 PROJETO DE LEI Nº /2012 (Dos Senhores Deputados Heuler Cruvinel e Onofre Santo Agostini) Institui a obrigatoriedade de instalação de pontos de recarga para veículos elétricos em vias públicas e em ambientes

Leia mais

As perspectivas de longo prazo do seguro de automóvel. Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Novembro/2013

As perspectivas de longo prazo do seguro de automóvel. Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Novembro/2013 As perspectivas de longo prazo do seguro de automóvel Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Novembro/2013 Sumário: 1) Alguns Números do Mercado de Seguros no Brasil 2) Oportunidades e Desafios do

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Transporte e Planejamento Urbano

Transporte e Planejamento Urbano Transporte e Planejamento Urbano para o Desenvolvimento da RMRJ Julho/2014 Cidades a maior invenção humana As cidades induzem a produção conjunta de conhecimentos que é a criação mais importante da raça

Leia mais

VII Encontro Amazônico de Agrárias

VII Encontro Amazônico de Agrárias VII Encontro Amazônico de Agrárias Segurança Alimentar: Diretrizes para Amazônia CONCESSÃO DE CRÉDITO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DO BANCO DA AMAZÔNIA RESUMO No Brasil, o setor bancário assume

Leia mais

Anderson Tavares de Freitas. Bruno Vieira Bertoncini

Anderson Tavares de Freitas. Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA MATRIZ ORIGEM/DESTINO DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO A PARTIR DOS DADOS DE BILHETAGEM ELETRÔNICA E GPS DOS VEÍCULOS Anderson Tavares de Freitas Bruno Vieira

Leia mais

Universidade Corporativa do Transporte PROGRAMAS DE CAPACITAÇÃO

Universidade Corporativa do Transporte PROGRAMAS DE CAPACITAÇÃO Universidade Corporativa do Transporte PROGRAMAS DE CAPACITAÇÃO SISTEMA FETRANSPOR Federação das Empresas de Transporte de Passageiros Transporte por ônibus urbanos, intermunicipais, turismo e fretamento

Leia mais

Guia para contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros sob regime de FRETAMENTO

Guia para contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros sob regime de FRETAMENTO Guia para contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros sob regime de FRETAMENTO 100 95 75 25 5 0 Introdução A Artesp tem a finalidade de regulamentar e fiscalizar todas as modalidades de serviços

Leia mais

Intelligent Transportation Systems

Intelligent Transportation Systems Intelligent Transportation Systems Mauricio Consulo Diretor America Latina Clever Devices - Overview Sede em Nova Iorque, EUA. Provedora de sistemas de informações digitais, Sistemas de Inteligentes de

Leia mais

MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS

MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS Murilo Castanho dos Santos Cira Souza Pitombo MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS Murilo Castanho dos Santos Cira Souza Pitombo Universidade

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Jaime Martins) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Jaime Martins) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Jaime Martins) Institui o Programa Bicicleta Brasil, para incentivar o uso da bicicleta visando a melhoria das condições de mobilidade urbana. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Job 150904 Setembro / 2015

Job 150904 Setembro / 2015 Job 50904 Setembro / Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores de 6 anos ou mais de

Leia mais

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Bolívar Arthur Butzke 1, Karine Baiotto 1, Msc. Adalberto Lovato 1, Msc. Vera Lúcia Lorenset Benedetti 1 1 Sistemas de Informação

Leia mais

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA: PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília, 28 de novembro de 2012 Organização Não Governamental fundada em 2006 com a missão de apoiar a

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16 Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA) decidiu desenvolver o Plano Intermunicipal de

Leia mais

UMA PESQUISA SOBRE CARSHARING

UMA PESQUISA SOBRE CARSHARING UMA PESQUISA SOBRE CARSHARING Aluna: Gabriela Mello Kortchmar Orientador: Hugo Repolho Introdução Carsharing é um modelo de compartilhamento de carros por meio de aluguel que consiste em uma frota de veículos

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

www.vt.fetranspor.com.br (21) 2127-4000 Economia para Empresa smo

www.vt.fetranspor.com.br (21) 2127-4000 Economia para Empresa smo Economia para Empresa Redução de Absenteísmo smo 212 empresas filiadas Sobre a Fetranspor A Fetranspor Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro congrega dez sindicatos

Leia mais

Clipping. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO 20 de janeiro de 2012 ESTADO DE MINAS

Clipping. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO 20 de janeiro de 2012 ESTADO DE MINAS ESTADO DE MINAS 1 ESTADO DE MINAS 2 3 4 5 6 ESTADO DE MINAS 7 ESTADO DE MINAS 8 ESTADO DE MINAS 9 O TEMPO 10 11 12 O TEMPO 13 O TEMPO 14 O TEMPO Leilão dos aeroportos de Guarulhos, Brasília e Campinas

Leia mais

A Regulação das Infraestruturas de Transportes Terrestres Rodoviários. Ciclo de Palestras Regulação Setorial: os modelos regulatórios brasileiros

A Regulação das Infraestruturas de Transportes Terrestres Rodoviários. Ciclo de Palestras Regulação Setorial: os modelos regulatórios brasileiros A Regulação das Infraestruturas de Transportes Terrestres Rodoviários Ciclo de Palestras Regulação Setorial: os modelos regulatórios brasileiros Fernando Barbelli Feitosa Brasília - 14.03.2014 Sumário

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. 8, n. 3, pp. 229-249, Jul. 2014 Research Directory

Journal of Transport Literature Vol. 8, n. 3, pp. 229-249, Jul. 2014 Research Directory B T P S Brazilian Transportation Planning Society Journal of Transport Literature Vol. 8, n. 3, pp. 229-249, Jul. 2014 Research Directory JTL RELIT www.transport-literature.org ISSN 2238-1031 Análise do

Leia mais

NOVA LEI DA MOBILIDADE URBANA GESTÃO DA DEMANDA EXPERIÊNCIAS INTERNACIONAIS

NOVA LEI DA MOBILIDADE URBANA GESTÃO DA DEMANDA EXPERIÊNCIAS INTERNACIONAIS NOVA LEI DA MOBILIDADE URBANA GESTÃO DA DEMANDA EXPERIÊNCIAS INTERNACIONAIS Matteus Freitas Rio de Janeiro/RJ, 3 de outubro de 2012 Estrutura da Apresentação 1. Contexto; 2. Cingapura - Sistema de Pedágio

Leia mais

IIIª Circunferência de Mobilidade Urbana de Florianópolis

IIIª Circunferência de Mobilidade Urbana de Florianópolis Documento confidencial para uso e informação do cliente IIIª Circunferência de Mobilidade Urbana de Florianópolis Dia Mundial sem Carro Divulgação Preliminar dos Resultados das Pesquisas Parte I Visão

Leia mais

INOVAÇÕES DA LEI ESTADUAL (SP) N 15.179 DE 23 DE OUTUBRO DE 2013. REGULAMENTADO PELO DECRETO Nº 60.085, DE 22 DE JANEIRO DE 2014.

INOVAÇÕES DA LEI ESTADUAL (SP) N 15.179 DE 23 DE OUTUBRO DE 2013. REGULAMENTADO PELO DECRETO Nº 60.085, DE 22 DE JANEIRO DE 2014. INOVAÇÕES DA LEI ESTADUAL (SP) N 15.179 DE 23 DE OUTUBRO DE 2013. REGULAMENTADO PELO DECRETO Nº 60.085, DE 22 DE JANEIRO DE 2014. INNOVATIONS OF STATE LAW (SP) N 15,179 OCTOBER 23, 2013. REGULATED BY THE

Leia mais

Soluções analíticas em transporte Promovemos a eficiência, reduzimos o congestionamento e levamos as pessoas de maneira mais rápida onde desejam ir.

Soluções analíticas em transporte Promovemos a eficiência, reduzimos o congestionamento e levamos as pessoas de maneira mais rápida onde desejam ir. Soluções analíticas em transporte Promovemos a eficiência, reduzimos o congestionamento e levamos as pessoas de maneira mais rápida onde desejam ir. Soluções analíticas em transporte Promovemos a eficiência,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Proposta de resolução que revoga as limitações e proibições operacionais impostas à Área de Controle Terminal (TMA) do Rio de Janeiro, estabelecidas

Leia mais

PROPOSTA E ANÁLISE DE CRITÉRIOS VISANDO A INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO COM O AUTOMÓVEL. Mariana de Paiva Vânia Barcellos Gouvêa Campos

PROPOSTA E ANÁLISE DE CRITÉRIOS VISANDO A INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO COM O AUTOMÓVEL. Mariana de Paiva Vânia Barcellos Gouvêa Campos PROPOSTA E ANÁLISE DE CRITÉRIOS VISANDO A INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO COM O AUTOMÓVEL Mariana de Paiva Vânia Barcellos Gouvêa Campos RESUMO Neste trabalho, são propostos critérios de decisão

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE VIAGENS

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE VIAGENS POLÍTICA INSTITUCIONAL DE VIAGENS 1 INTRODUÇÃO A ANEC Associação Nacional de Educação Católica do Brasil, através de sua estrutura organizacional e de seus colaboradores, tem avançado muito no cumprimento

Leia mais

Painel da Indústria Financeira - PIF

Painel da Indústria Financeira - PIF Painel da Indústria Financeira - PIF Agenda Desintermediação Bancária nas Operações de Créditos Relacionamento com Instituições não Bancárias As Razões de Uso do Sistema Financeiro, segundo as Empresas:

Leia mais

TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV

TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV Encontro Econômico Brasil - Alemanha 2009 Cooperação para o Crescimento e Emprego Idéias e Resultados TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV Secretaria de Política Nacional de Transportes / MT - Engº Marcelo Perrupato

Leia mais

CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO

CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO Projeção de crescimento populacional Demanda de energia mundial Impacto ao meio ambiente projeções indicam que os empregos vão CONTINUAR no centro EMPREGOS concentrados no CENTRO

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Introdução PLAMUS e status do projeto Diagnóstico: qual

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles AS EXPECTATIVAS DO CLIENTE COM O SERVIÇO Expectativas dos clientes São crenças acerca da execução do serviço que

Leia mais

Mobilidade com produtividade

Mobilidade com produtividade Curitiba Maio, 2015 > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Mobilidade com produtividade Wagner Colombini Martins Logit Engenharia Documento confidencial para uso e informação do cliente > > > > > >

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE DAS EMPRESAS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS INTERMUNICIPAL NO ESTADO DE GOIÁS Meirielle França Amaral 1 Kalinka Martins da Silva 2 RESUMO O presente trabalho analisa a atuação das empresas

Leia mais

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO TRANSPORTE COLETIVO M. Eng. André Cademartori Jacobsen Especialista em Benchmarking Associação Latino-americana de Sistemas Integrados e BRT (SIBRT) 28/Nov/2012

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

Aço. o desafio da sustentabilidade

Aço. o desafio da sustentabilidade Aço o desafio da sustentabilidade Conteúdo extraído do Relatório de Sustentabilidade 2014 da ArcelorMittal, disponível em corporate.arcelormittal.com/sustainability/2014-report Editado pela Comunicação

Leia mais

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 A gestão pública brasileira é marcada pela atuação setorial, com graves dificuldades

Leia mais

Mobilidade Urbana. João Fortini Albano. Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs

Mobilidade Urbana. João Fortini Albano. Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs Mobilidade Urbana João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs Aspectos conceituais Questões de mobilidade urbana Encaminhando soluções Aspectos conceituais Mobilidade urbana? É uma atividade

Leia mais

Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro

Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro 1 Em apoio às campanhas Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro A Universidade Federal de Santa Catarina e a Rede

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

7.1 Turismo Rural: Estratégias e comercialização de um mercado consolidado

7.1 Turismo Rural: Estratégias e comercialização de um mercado consolidado 7. Fundamentos do agenciamento e produtos turísticos 7.1 Turismo Rural: Estratégias e comercialização de um mercado consolidado INSTRUTOR(A): Andreia Roque Representantes de agências de viagens, técnicos

Leia mais

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT.

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. 1 NATÁLIA SALVADEGO, 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel em Engenheira Florestal (UNEMAT) e Estudante

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. 7, n. 4, pp. 130-146, Oct. 2013 Research Directory

Journal of Transport Literature Vol. 7, n. 4, pp. 130-146, Oct. 2013 Research Directory B T P S Brazilian Transportation Planning Society Journal of Transport Literature Vol. 7, n. 4, pp. 130-146, Oct. 2013 Research Directory JTL RELIT www.transport-literature.org ISSN 2238-1031 Análise da

Leia mais

ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO: A QUESTÃO DA CABOTAGEM E DA PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL ESTRANGEIRO NAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS

ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO: A QUESTÃO DA CABOTAGEM E DA PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL ESTRANGEIRO NAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO: A QUESTÃO DA CABOTAGEM E DA PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL ESTRANGEIRO NAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS por Victor Carvalho Pinto 1. Conceituação Os parâmetros básicos

Leia mais

TURISMO E TRANSPORTE RODOVIÁRIO.

TURISMO E TRANSPORTE RODOVIÁRIO. TURISMO E TRANSPORTE RODOVIÁRIO. SILVA, Odair Vieira da. Bacharelado e Licenciatura em Geografia Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Campus Presidente Prudente. Especialista

Leia mais

UMA MEDIDA DO NÍVEL DE SERVIÇO OFERECIDO EM TERMINAIS DE PASSAGEIROS EM AEROPORTOS

UMA MEDIDA DO NÍVEL DE SERVIÇO OFERECIDO EM TERMINAIS DE PASSAGEIROS EM AEROPORTOS Anais do 13 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIII ENCITA / 2007 Instituto Tecnológico de Aeronáutica, São José dos Campos, SP, Brasil, Outubro, 01 a 04, 2007. UMA MEDIDA DO NÍVEL

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Campus universitário, Plano de mobilidade cicloviária, Fatores que incentivam o uso da bicicleta.

PALAVRAS-CHAVE: Campus universitário, Plano de mobilidade cicloviária, Fatores que incentivam o uso da bicicleta. Mobilidade cicloviária em Campus Universitário. Marcos Antonio Garcia Ferreira 1 ; Suely da Penha Sanches 1 1: Universidade Federal de São Carlos, Rodovia Washington Luis, km 235 13565-905 São Carlos,

Leia mais

desafios para o sistema de mobilidade sustentável no estado de minas gerais

desafios para o sistema de mobilidade sustentável no estado de minas gerais desafios para o sistema de mobilidade sustentável no estado de minas gerais Subsecretaria de Regulação de Transportes maio / 2015 Secretaria de Desenvolvimento Econômico Secretaria de Desenvolvimento Urbano

Leia mais

SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO

SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO ESTRATÉGICO- SP2040 Tema: Política de Estacionamento dos automóveis 09 DE FEVEREIRO DE 2011- AUDITÓRIO DO SEESP-SP PROGRAMAÇÃO Realização: SEESP-SP Quadro geral da

Leia mais

ANTT - AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

ANTT - AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Estabelece procedimentos para o transporte de bagagens e encomendas nos ônibus utilizados nos serviços de transporte interestadual e internacional de passageiros e para a identificação de seus proprietários

Leia mais

Crescimento sem precedentes

Crescimento sem precedentes João Sidou, Leandro Ventura e Rodrigo Fanton MBA Executivo Internacional Turma 34 1 Crescimento sem precedentes Milhões de Hab. 1600 1100 600 Mundo. 204 25M p/ Ano ~2.4% p/ Ano 579 1900 Milhões de Hab.

Leia mais

SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇOS EM AEROPORTOS

SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇOS EM AEROPORTOS Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

Leia mais

Abordagens e dimensões da qualidade PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Abordagens e dimensões da qualidade PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Abordagens e dimensões da qualidade PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Abordagens da Qualidade Garvin, (1992) mostrou que a qualidade sofre modificações Em função da sua organização e abrangência, sistematizou

Leia mais