Shopping center: o futuro promete

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Shopping center: o futuro promete"

Transcrição

1 Mesa-redonda Shopping center: o futuro promete maravilhas Fotos: Junior de Oliveira A A o ler os debates travados nessa mesa-redonda, o leitor certamente se sentirá transportado às fronteiras do varejo, onde tudo pode acontecer e o melhor ainda está por vir. Essa é a impressão que nos deixaram os profissionais do setor que participaram desse debate. Eles se sentem orgulhosos pelo muito que já foi feito, na curta história do shopping center em nosso país, mas sentem que estamos no limiar de transformações e realizações ainda maiores. Na verdade, tudo está por fazer nas estratégias de desenvolvimento dos shopping centers aqui no Brasil. Já estão nas pranchetas dos planejadores os contornos de novos shoppings, atingindo novos grupos sociais, espalhando-se pelo interior do país e visando a novos segmentos do mercado, ainda mal atendidos pelo atual conceito de shopping center. Enfim, há um futuro repleto de maravilhas à nossa espera. 72 REVISTA DA ESPM janeiro/fevereiro de 2011

2 PARTICIPANTES MÁRIO ERNESTO RENÉ SCHWERINER Moderador LUIZ ALBERTO MARINHO Sócio-diretor da BrandWorks RICARDO PASTORE Coordenador do Núcleo de Estudos do Varejo da ESPM NABIL SAHYOUN Presidente da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping GEORGE ANDRÉ BLUM Presidente da Pmotion Marketing e Eventos FRANCISCO GRACIOSO Presidente do Conselho Editorial RUBENS SIMONSEN Diretor da Simonsen Asses soria e Participações MAURICIO KELLER Diretor da Empresa Brasileira de Shoppings janeiro/fevereiro de 2011 R EVISTA DA ESPM 73

3 MÁRIO RENÉ Aqui, na ESPM, muitos profissionais lidam com o varejo e, como o shopping center é um centro de excelência, esse é um assunto que deve interessar a muita gente. Além disso, todos somos consumidores. Idealizada pelo Professor Gracioso ex-diretor-presidente da ESPM e atual presidente do Conselho Editorial, a pauta Shopping center, sonho de consumo ou catarse coletiva é riquíssima. GRACIOSO O shopping center no Brasil tem uma história bonita de algumas décadas, sendo que foi uma das últimas modalidades do varejo a fincar raízes no País. Esse tema sugere algumas interpretações curiosas a respeito do shopping e, principalmente, do comportamento do consumidor. Para o brasileiro, o shopping é mais do que um lugar de compras. Muita gente vai ao shopping por mil motivos, inclusive para comprar. Uma coisa que me intriga é que a própria origem do shopping no Brasil não é aquela típica do varejo, porque as grandes incorporadoras que iniciaram o negócio têm raízes muito mais no ramo imobiliário. Isso é curioso. Evidente que a cabeça desses profissionais mudou com o tempo, mas eu diria que a razão pela qual se lançaram nesse novo mundo foi para lucrar com a atividade imobiliária implícita no shopping, deixando o varejo para segundo plano. Estou certo nesta interpretação um pouco crítica? NABIL O primeiro empreendimento no País foi inaugurado em novembro de 1966, com 75 lojas e mais de 1,6 mil funcionários trabalhando dia e noite. Não existia praça de alimentação e era, efetivamente, um local para compras. Na época, as pessoas humildes tinham vergonha de entrar nesse estabelecimento. Quatro anos depois, ele dobrou de tamanho e foi a partir da década de 80 que iniciou-se o grande boom da indústria de shopping centers. Sobre a questão imobiliária, entendo que os primeiros empreendimentos focaram esse aspecto e muitos lojistas hoje acreditam que ainda é um negócio muito mais imobiliário do que de compras. Basta ver o contrato que o lojista faz com o shopping: se em algum momento ele precisa deixar o empreendimento por algum motivo, há uma cláusula que estabelece o pagamento de multa de 20 aluguéis. Essa relação tem de ser cada vez mais próxima, já que não existe empreendimento sem lojista, um depende do outro. SIMONSEN O primeiro shopping foi um empreendimento imobiliário do Alfredo Matias, que começou com uma visão imobiliária para aquela área do Iguatemi que era afastada e desnuda. Outro empreendimento bem imobiliário foi o Jardim Sul, que era afastado de tudo e nasceu para polarizar as grandes áreas do empreendedor. MARINHO Isso acontece. Recentemente, o Shopping Jardins foi criado em Aracaju para ancorar um empreendimento imobiliário. Mas estamos vivendo um ponto de virada da indústria de shopping centers no Brasil. Com a multiplicação dos empreendimentos, essa balança que sempre pesou a favor dos shoppings e contra os lojistas está mudando. Os bons lojistas passam a ser valorizados e os bons shoppings passam a negociar de outra maneira. Tudo que se viveu no mundo dos shoppings até agora será, no futuro, visto como uma etapa preliminar na história do segmento no Brasil. KELLER Tenho uma visão menos assertiva. Como o Nabil falou, não existiriam shoppings se não fosse o pessoal do varejo e vice-versa. Esse é um processo de simbiose que vai continuar acontecendo. A indústria de shoppings já está passando por uma mudança de foco. Na minha empresa, por exemplo, somos três sócios um do setor de mineração e outros dois do setor bancário. Juntos vamos buscar novas oportunidades, porque o Brasil hoje é um país onde se pode sonhar com novos desafios. Ao montarmos a empresa, nosso foco foi construir pequenos shoppings em vez de investir milhões num só projeto. Criamos uma estratégia comercial e investimos em pesquisas para implantar algo em torno de 30 empreendimentos, shoppings de vizinhança com 10 a 20 mil metros de ABL (Área Bruta Locável). Nos próximos anos haverá um grande fervor nesse sentido, porque implantar grandes projetos demanda tempo e um risco maior. Assim, preferimos investir em dez projetos de R$ 20 milhões. MARINHO O Brasil de hoje não é igual ao de ontem. Uma pesquisa feita pela ABRASCE (Associação Brasileira de Shopping Centers), há dois anos, mostrou que 15% dos consumidores de shopping centers no Brasil pertenciam às classes A e B, ou seja, o Brasil construía shoppings para uma parcela diminuta da população concentrada nas grandes cidades. Com esse ressurgimento econômico e o crescimento da massa de consumidores, o que temos agora são shoppings de diversos tipos, mas não vemos uma diversificação muito grande, o que seria muito saudável para a indústria. Temos, segundo a ABRAS- CE, cerca de 700 shoppings no País. Já pelas contas da ALSHOP (Associação Brasileira de Logistas de Shopping), são quase 800 no Brasil, enquanto os Estados Unidos têm 40 mil. SIMONSEN Essa é a diferença. Vários indicadores mostram que o Brasil é dez vezes menor que os Estados Unidos. Quando se pega por número de shopping, essa diferença é de 100 vezes. GEORGE Uma diferença básica é que no International Council of Shopping Centers (ICSC) a definição do termo 74 REVISTA DA ESPM janeiro/fevereiro de 2011

4 shopping é diferente da utilizada pela ABRASCE ou ainda pela ALSHOP. Então, não vale como base. Os Estados Unidos têm por volta de 110 mil shoppings, sendo que 85% são strip centers, que é o comércio de rua organizado. Shopping centers como conhecemos somam cerca de três mil malls no mercado americano. No Brasil, o comércio de rua passou a ser novamente uma grande competição para o shopping center pelo preço das mercadorias. Hoje, o consumidor da classe C não quer saber se é Calvin Klein ou Nike, ele não liga para marcas, porque busca uma etiqueta chamada preço. Então, o varejo está voltando para a rua visando atender ao público que ainda tem um pouco de medo de ir em um lugar muito luxuoso por acreditar que o luxo traz preços altos, o que não é verdade. GRACIOSO Concordo totalmente. O grupo de lojas de rua que chamamos de 25 de Março, toda aquela região, fatura cerca de R$ 25 bilhões por ano. GEORGE A rua José Paulino ou ainda a rua Augusta voltaram a crescer junto com a classe C. SIMONSEN Na verdade, é o ingresso de uma massa que não consumia e que, nos últimos quatro anos, começou a consumir. GEORGE A chamada Fome de Consumo. MARINHO Essa fome de consumo não foi prevista de forma adequada pela indústria dos shoppings centers. Não é apenas a percepção de preço alto, mas o fato de que essas pessoas não se sentem pertencentes ao mundo dos shoppings, porque eles não foram feitos para a classe C emergente. Esse público não se sente estimulado a frequentar os shoppings que existem no Brasil. Não adianta achar que a classe C com mais dinheiro vai querer morar numa mansão do Morumbi é outro padrão estético e de consumo. Agora estamos vendo o surgimento de alguns empreendimentos pelo Brasil afora que são focados para esse público. KELLER E com sucesso. Por exemplo, o Shopping Largo Treze... NABIL Uma observação importante: na primeira semana após o lançamento do Shopping Itaquera, que é focado em uma população de baixa renda, teve fila de espera de lojistas que queriam fazer parte do empreendimento, pois ficaram impressionados com o fluxo de pessoas da região. O Shopping Center Norte recebe quatro milhões de pessoas por mês. O Shopping Leste Aricanduva tem 700 mil metros de área, quatro tipos de empreendimentos diferentes e recebe quatro milhões de pessoas por mês e naquela região o que predomina é o pessoal de baixa renda. PASTORE O maior revendedor de Mont Blanc é o do Center Norte. MARINHO Mas o Center Norte não é um empreendimento popular. Ele é um shopping para todos e a maior parte de consumidores é A/B. GEORGE Vocês estão falando só de São Paulo. Existe um shopping no Rio de Janeiro chamado Grande Rio, que é do Grupo Aliansce. Lá, o consumidor vai de sandálias Havaianas, bermuda e camisa aberta, compra dois carrinhos de supermercado e ainda fica tomando chopp, enquanto a mulher compra moda. Esse é um shopping que conseguiu chegar até a classe C. MARINHO Recentemente foi inaugurado no Rio de Janeiro um novo shopping em São Gonçalo. Com oito choperias esse empreendimento é uma }A melhor maneira que o shopping tem para se comunicar com seu público é ele próprio.~ janeiro/fevereiro de 2011 R EVISTA DA ESPM 75

5 }Segundo a ABRASCE, são mais de 450 milhões de pessoas que praticam shopping center todo mês.~ reprodução da rua. Além disso, tanto o shopping Nova América como o Norte Shopping, no Rio de Janeiro, já possuem essas ruas cenográficas para reproduzir a sensação real. E aí vem outro ponto interessante: nos anos 90, os shoppings brasileiros deixaram de ser simplesmente um templo de consumo para abrigar uma população que queria conviver, mas não estava se sentindo à vontade nas ruas em função de segurança, clima, falta de estacionamento etc. Hoje, o shopping é mais do que um centro de compras, o que obriga o lojista a mudar um pouco o seu padrão de operação, porque tem de capturar um consumidor que está passando ali muitas vezes sem intenção de compra, mas que num impulso pode acabar consumindo uma roupa, um perfume ou um sapato. MÁRIO RENÉ Os strip centers são aqueles pequenos, em formato de U? GEORGE Todos eles são em L ou U e ficam em algum ponto chave para atender a uma determinada comunidade. SIMONSEN E normalmente são ancorados por alguma loja grande. KELLER A diferença é que nesses projetos o foco é o imobiliário. O objetivo é construir e alugar. Shopping center é muito mais do que isso, é pensar em um projeto para daqui 20, 30, 40 anos e construir uma relação com o lojista. MARINHO Neste caso, o foco do empreendedor é de curto prazo, imediatista. Já o foco de um shopping é para, no mínimo, 50 anos, por isso precisa estabelecer uma relação com o lojista, um incremento de vendas, um planejamento. Veja o nosso caso: como a classe C está crescendo no Brasil e o comércio varejista do País cresceu mais de 10% nos últimos oito anos, desenvolvemos projetos pequenos para atender a esse público e ganharmos velocidade. Até porque em São Paulo não tem lugar para grandes projetos. SIMONSEN Não concordo com o Geor ge quando ele diz que um strip center com duas âncoras grandes, 40 lojas, praça de alimentação, estacionamento, segurança... não seja shopping center. GEORGE O grande número de estabelecimentos que o ICSC chama de strip center são aqueles que têm ar condicionado só nas lojas, não têm uma administração geral, nem uma loja âncora. Quando se fala em duas âncoras e segurança, isso é um shopping. PASTORE A ABRASCE, como é a associação que representa os empreendedores, impõe alguns limites conceituais, mas se pegarmos qualquer bibliografia, o shopping center é um centro comercial organizado. Sendo organizado, o strip center pode ser um shopping center, embora não caiba na definição da ABRASCE. MÁRIO RENÉ Mudando o foco para o consumidor. Na época do Natal, não passo perto de shopping, porque é difícil de entrar e estacionar. Então, como o consumidor encara um shop ping atualmente? A outra pergunta é: se o shopping está cada vez menos sendo um local onde as pessoas vão necessariamente para comprar, por que continuar chamando isso de shopping center e não criar logo outro termo? KELLER O problema é que, enquanto as pessoas quiserem escolher vários tipos de tênis ou de roupas, elas vão continuar enfrentando problemas para estacionar num grande shopping. Só ele tem um mix capaz de proporcionar ao consumidor variação de preço e qualidade. Um shopping pequeno não oferece tanta variedade. 76 REVISTA DA ESPM janeiro/fevereiro de 2011

6 MARINHO É mais do que isso. O shopping center já está incorporado à cultura do brasileiro, em função de tudo o que foi comentado aqui, como o caos urbano, incluindo a violência... KELLER Você acha que o mix é que define? MARINHO Não. É o mix de lojas, o ambiente que o shopping oferece e a experiência que tanto o mix de lojas quanto o ambiente são capazes de proporcionar. A diferença entre comprar na rua, na internet ou no shopping é a experiência, a atmosfera. Existe hoje uma cultura no País muito associada ao shopping center. Ele virou um ponto de encontro, foi associado a uma série de coisas agradáveis. É por esse motivo que essa onda de insegurança e violência que recentemente atacou os shoppings é tão perigosa, não só para a segurança do empreendimento, mas para o conceito. Esses assaltos não prejudicam apenas o negócio, de alguma maneira ferem também o conceito do shopping como uma ilha, um oásis. SIMONSEN Quebrou-se o dogma de que tenho no shopping 100% de segurança e conforto. NABIL Temos de considerar que, neste momento, no nosso país, algumas centenas de pessoas estão sendo assaltadas no comércio de rua, só que isso não é divulgado na imprensa. Em 2010, não tivemos mais do que 40 assaltos nos 750 empreendimentos existentes no Brasil, o que, estatisticamente, não é nada. PASTORE Não há no shopping assalto à pessoa física, ninguém aborda o consumidor. É assalto à pessoa jurídica, uma empresa, um banco, uma joalheria. MARINHO Mas é um assalto à sensação de que ali é um oásis. O shopping é um oásis porque nada acontece de ruim dentro dele, não chove, todo mundo é feliz, não há tristeza... PASTORE O shopping construiu essa imagem. MARINHO Construída e percebida. MÁRIO RENÉ Não sei se é tão percebida. Saiu nos jornais a notícia de que um PM sequestrou um jornalista no shopping, saindo da academia. De acordo com a neurociência, se existe uma experiência ruim com o produto ou serviço, esse produto ou serviço é praticamente esquecido pelo consumidor. São funcionamentos cerebrais. Pessoas que são fregueses habituais de um bom restaurante há dez anos, se encontram um fio de cabelo ou uma asa de barata no prato uma única vez, dizem: Vou mudar de restaurante. Isso não é uma decisão arbitrária e sim neurológica. E isso vale para a questão da segurança nos shoppings. NABIL A imprensa tem falado muito sobre a segurança. Mas não existe em qualquer lugar do mundo uma segurança perfeita, esse é o primeiro ponto. O segundo ponto é que o consumidor é suficientemente inteligente e sábio, porque se tiver que escolher entre ir ao empreendimento à noite e como segunda opção ir ao comércio de rua, vai escolher sempre o shopping center, em qualquer horário. Segundo a ABRASCE, são mais de 450 milhões de pessoas que praticam shopping center todo mês claro que as pessoas se repetem os dados da AL- SHOP são 420 milhões, então estamos bem próximos. GRACIOSO Qual a média de frequência da mesma pessoa por mês? NABIL Três vezes por semana, por shopping. Esse é o comportamento, principalmente, da dona de casa. GRACIOSO Em torno de cento e poucos milhões por mês... SIMONSEN São doze vezes ao mês. NABIL Hoje também temos escritórios em que as pessoas vão todos os dias almoçar e acabam circulando, temos uma estatística importante de frequência. Quando se aborda a questão do consumidor, os shoppings e o varejo estão em constante transformação. O Marinho citou que a verdade de ontem não é a verdade de hoje e nem será a de amanhã e por isso que decifrar o consumidor é uma coisa de presentefuturo. O shopping center precisa se preocupar com seus lojistas para que eles tragam novidades que acontecem o tempo todo. Dentro dessa filosofia, para manter o shopping na crista da onda é preciso buscar a inovação, o que está acontecendo de novo no mundo. O apelo da vitrine atualmente é um ponto tão importante que arquitetos estão sendo contratados. A compra em shopping é decidida muito pelo impulso e uma boa vitrine é capaz de puxar o consumidor para dentro da loja. KELLER Veja como aumentou o tamanho das vitrines. Antigamente, eram pequenas. Hoje temos vitrines de cinco metros. NABIL A fidelização do consumidor é uma busca constante e esse é o grande diferencial do shopping em relação à rua. Ele se recicla o tempo inteiro e está sempre em busca de novidades. Com o }Sentimos que os projetos irão aumentar no interior de todo o País. Teremos, nos próximos cinco anos, o dobro da média dos últimos cinco anos.~ janeiro/fevereiro de 2011 R EVISTA DA ESPM 77

7 advento, em 2007, do IPO das empresas, que abriram o capital na Bolsa de Valores, agora tem também a exigência dos acionistas em, além de gerar lucro, estar sempre em transformação. Esses empreendimentos são extraordinários em todos os sentidos. Mas precisam melhorar a relação com os varejistas não com as âncoras, que têm uma série de condições especiais, mas com o pequeno varejo, que representa 75% do total de lojas de um shopping. O pequeno empresário tem de ser tratado como âncora. Tivemos uma operação em Miami (EUA), por três anos. Logo no início, nos chamaram para uma mesa semelhante a esta, com profissionais do departamento de marketing e especialistas em varejo, que abriram uma pasta e começaram a discutir todos os pontos relevantes da nossa loja: horário de abertura, postura do profissional, rotação de estoque, quantidade de produtos. Deram-nos uma verdadeira aula de como se deve trabalhar no mercado americano e também três meses de aluguel gratuito. E disseram claramente: Se você não conseguir viabilizar sua operação, infelizmente não poderemos continuar com a parceria. É um profissionalismo muito rígido, mas também muito aberto e franco, coisa que não vi ainda no Brasil. Estamos aprendendo muito, o varejo no Brasil é muito recente, são 44 anos de shopping centers. Nosso varejo ainda está engatinhando. E os shoppings com a sua administração têm a função fundamental de ajudar esses empresários a se desenvolverem. PASTORE Nabil, nós temos esse curso de Marketing para Shopping Centers e ouço o Marinho, que é professor do curso, e outros gestores declararem que hoje o shopping precisa conhecer a operação do varejo para poder auxiliar seus parceiros. Então, o shopping já mudou de postura. MARINHO Mas a grande maioria da verba de marketing é gasta para levar clientes aos shoppings e uma parcela minúscula para ajudar o lojista, o que é um contrassenso porque o shopping não cobra ingresso na porta, ele vive de suas lojas. Esse pequeno lojista que o Nabil citou é o grande ameaçado pela revolução do varejo brasileiro, no momento. GRACIOSO Mas, nesse contexto, parece que os shoppings estão apostando em franquias. Segundo Luiz Fernando Pinto Veiga, presidente da ABRASCE, 60% das lojas de shoppings hoje são franquias, o que é muito mais do que no comércio de rua. Por que isso acontece? NABIL Numa convenção recente da Associação Brasileira de Franquias (ABF), chegou-se ao percentual de 55%. Existem, aproximadamente, 1,7 mil franqueadores de marca, número que até o final do ano deverá crescer para 1,9 mil franqueadores máster. Em época de crise a franquia é um grande negócio. As pessoas que perdem seus empregos têm a opção de fazer um investimento de R$ 30 mil e ter uma franquia. Nos Estados Unidos, dentro do varejo normal, mais de 50% são franquias. No Brasil há potencial para deslanchar e muitas empresas estão trazendo franqueadores e marcas novas, por isso esse crescimento. As franquias são muito procuradas porque, com elas, cresce-se sem investimento; apenas uma boa operação e consegue-se concorrer em um mercado altamente competitivo. Um bom exemplo é a Cacau Show, que chegou a mil lojas, assim como a Chilli Beans que, em oito anos de operação, conta com 350 operações de franquia. Você cresce de forma rápida, sem usar o investimento do empresário, que pre- }Tudo o que se viveu no mundo dos shoppings até agora será, no futuro, visto como uma etapa preliminar na história do segmento no Brasil.~ 78 REVISTA DA ESPM janeiro/fevereiro de 2011

8 }Nunca foi templo. O shopping é o lugar onde as pessoas vão comprar.~ cisaria ser milionário para acelerar esse processo de crescimento. KELLER E nós, que estamos construindo o shopping, temos a certeza de estar colocando lá um lojista que sabe operar. GEORGE Hoje temos a geração smartphone, um público de 12 a 30 anos que vive na base da comunicação direta. Como se fala com esses jovens, que são os futuros consumidores do shopping center? MÁRIO RENÉ A minha pergunta é: como vocês encaram uma diferença básica entre a constituição de um shopping para alta renda, como o Ibirapuera ou o Morumbi, e um shopping de classe popular? O que cada um espera desses empreendimentos? SIMONSEN No passado, costumávamos dizer que shopping center era localização, localização, localização. Hoje, não vejo mais por esse ângulo. Outra frase famosa era: A obrigação do empreendedor é trazer o consumidor para o mall; já a obrigação do lojista é vender e pagar aluguel. Este é um conceito antiquíssimo que está mudando. Logo os shoppings estarão usando as suas verbas para fazer treinamento dos lojistas. GEORGE Você fala de São Paulo e Rio de Janeiro. Mas se for para Maceió ou Aracaju, verá que o problema é muito maior e está longe de ser resolvido. O lojista paulista aprende com o vizinho. Mas o mercado de lá é desinformado e ainda precisa de toda a educação de varejo. KELLER Tanto que algumas empresas com projetos para a região Norte estão tendo dificuldade de comercialização. Conseguem levar daqui a Lojas Marisa, a Casas Bahia, mas não conseguem sensibilizar 75% de ABL. MARINHO Em compensação o consumidor, das regiões Norte e Nordeste, tem uma expectativa de serviço menor. De qualquer maneira, quem é esse novo consumidor? PASTORE Existe um hiato. Estive em Natal (RN), e visitei o Midway Mall, que tem um mix de lojas muito semelhante ao de São Paulo, com muitas franquias. Não sei se o consumidor tem sua necessidade atendida, porque vê imposta uma condição definida pelo empreendedor do shopping, que apresenta um conjunto de lojas parecido com o que tem em São Paulo. Temos uma inércia e isso vem do varejo, que é a massificação, impomos condições, está aí a crise dos hipermercados. O consumidor está dizendo não quero mais volume, quero algo customizado, senão vou para a internet e faço o que quiser. MARINHO Os hipermercados são uma alternativa para esse consumidor popular, a classe C se sente em casa no Carrefour e no Extra. Eles estão se adaptando para vender eletros, brinquedos, roupas, bazar e computadores para esse consumidor. PASTORE O formato entra em revisão e aí voltamos para uma questão mais central, na qual o próprio empreendedor de shopping não desenvolve conhecimento no mercado local. Ele espera lá fora aprender alguma coisa com quem já fez, e dar o seu jeitinho. Temos maturidade suficiente para desenvolver um modelo de shopping brasileiro. MARINHO E precisa ser assim, porque o consumidor brasileiro é diferente e essa classe C emergente não tem nada a ver com o que existe no exterior, assim como a geração Y de outros países é diferente da nossa geração Y. É claro janeiro/fevereiro de 2011 R EVISTA DA ESPM 79

9 que a classe C emergente tem celular e computador, mas frequenta a lan house e está no Orkut. O Orkut, por exemplo, lá fora, praticamente não existe. MÁRIO RENÉ Os primeiros shoppings como o Iguatemi, que foi inaugurado em 1966 tinham lojas e dois cinemas. Quais serviços foram sendo incorporados até chegarmos ao formato atual? E qual é o limite desse formato? Estive recentemente na China com um grupo de professores e visitamos alguns shoppings fantásticos. Imagino esses lugares como grandes centros de lazer, em que as pessoas também podem fazer compras. Como vocês enxergam isso? Qual a direção? Onde vamos parar? PASTORE No esforço de criar fluxo de consumidores para o shopping. GEORGE Concordo, mas em função da pauta que é fornecida. Pesquisei muito no sentido de como falar com esse público, que vive com aquele aparelhinho na mão e faz do Twitter o maior veículo de comunicação de ofertas comerciais. PASTORE Que é questionável. GEORGE Hoje o brasileiro é considerado o maior consultor on-line do mundo, o segundo no Google. Acredito que o site deva ser uma extensão do mall com seus produtos, tendências e oportunidades, porque o mall hoje passou a ser um status. Ir ao shopping significa ter status, já que ele é um definidor de moda, tendências e ações. GRACIOSO George, você está definindo o mall como uma arena de comunicação, que lança moda e cria marcas. A melhor maneira que o shopping tem para se comunicar com seu público é ele próprio. A comunicação é feita através das vitrines, da vida dos corredores, do público, do ambiente criado, do aproveitamento das grandes datas promocionais. Isso tudo é comunicação. KELLER Não concordo com a questão do ar condicionado. Nossos projetos não vão ter ar condicionado. Na costa oeste americana, os maiores shoppings não possuem ar condicionado nos corredores. O fundamental do shopping ainda continua sendo o mix adequado ao público. Em cima desse foco é que você vai fazer todo o planejamento do local. Vou construir a R$ 1,3 mil o metro quadrado. Nenhum shopping grande consegue construir por esse preço. E vou dar de retorno ao meu lojista uma locação mais barata, mas nem por isso vou deixar de oferecer qualidade. Dentro do meu foco nas classes C e D posso oferecer esse tipo de retorno. GEORGE O Fashion Mall, no Rio de Janeiro, não tem ar condicionado. SIMONSEN O conforto oferecido pelo projeto arquitetônico não é o conforto térmico de uma super máquina de 22 o, mas uma temperatura razoável, que é suficiente para o mix e o consumidor esperado. Então, você está trazendo um público novo, que não quer mais um piso de R$ 100 o metro, elevadores de bronze ou latão polido. O consumidor observa e sabe que alguém está pagando por isso. NABIL No passado, ninguém imaginava que teríamos academias de ginástica ou ainda serviço da Polícia Federal. Hoje, todos os segmentos de rua estão dentro de shopping center, até posto de gasolina. Atualmente, temos empreendimentos multiuso, com escritórios, áreas residenciais e, daqui a pouco, vamos integrar também o clube de golfe. São projetos cada vez mais renovados para trazer todos os segmentos da sociedade que pratiquem shopping center diariamente. Essa é uma mudança importante, que não vai mais parar, porque a exigência do consumidor é eterna. MÁRIO RENÉ Sugiro nesta segunda etapa que foquemos dois pontos. O primeiro é como se comunicar com esse jovem, maluquinho e interconectado. Também é importante falar sobre a imagem dos shoppings como verdadeiros templos de consumo, quase religiosos. Ainda como último ponto: o que falta colocar dentro do shopping? GEORGE Todos os shoppings que eram do Sendas têm uma igreja dentro deles. No Conjunto Nacional, em Brasília, tem igreja e até uma loja de produtos religiosos, há mais de dez anos. MARINHO O Morumbi também tem. MÁRIO RENÉ Os senhores encaram o shopping como algo relacionado, metaforicamente, a uma catedral do consumo? MARINHO É claro que sim. Mas para um consumo abrangente. Não estamos falando do consumo de coisas. O shopping é um local de consumo de significados, que estão presentes em produtos, roupas e até encontro entre pessoas. Cada vez mais o shopping ganha um caráter de entretenimento, não só com o cinema, o parque de diversões e a área infantil, mas o próprio local. MÁRIO RENÉ Quero citar um artigo escrito pelo filósofo Gilles Lipovetsky para uma edição de luxo da revista Época, comentando que existe muita gente que fala do shopping como um ambiente mágico, uma espécie de sacralização do universo das marcas. Nesse contexto, o ato da compra corresponderia a uma espécie de missa tal é a sua semelhança com o rito de redenção que reforça o sentimento do indivíduo de pertencer a uma comunidade de fiéis. Ele questiona se o luxo seria a nossa última religião e depois rebate dizendo que não estamos perante relíquias santas, que é menos uma veneração e mais uma diversão. GEORGE É um templo do lazer, porque comprar é um lazer. É um templo 80 REVISTA DA ESPM janeiro/fevereiro de 2011

10 da família, o local onde as pessoas se encontram, é a antiga praça, onde as pessoas vão para interagir fisicamente, porque hoje tudo é feito através da internet e o shopping se tornou um dos grandes pontos da interação interpessoal. PASTORE O que chamamos não de ponto-de-venda, mas ponto de relacionamento entre marcas e pessoas. NABIL Shopping center é, indiscutivelmente, consumo e mais uma série de coisas importantes que crescem assustadoramente. Por exemplo: hoje, temos empreendimentos com oito, dez, quinze salas de cinema, que aumentam o fluxo dos consumidores em até 35%. GRACIOSO A previsão é de que irá dobrar o número de cinemas em shoppings nos próximos cinco anos. MARINHO Os shoppings salvaram os cinemas no Brasil, pois estavam em extinção. Não vejo o consumo como uma palavra pejorativa. GEORGE Não é o consumo, mas sim o templo. KELLER Nunca foi templo. O shop ping é o lugar onde as pessoas vão comprar. MARINHO Autor de A felicidade paradoxal (Companhia das Letras), Gilles Lipovetsky fala em três fases do consumo. Estamos na terceira, que é a fase onde o consumo transcende a coisa, que passa a ter significado. Somos um lugar onde as pessoas compram coisas supérfluas e isso não é nenhum problema. MÁRIO RENÉ O Gilles não concorda, fala que muita gente cita a sacralização e ele não enxerga dessa forma, vê mais como um espaço lúdico de troca de consumo... MARINHO Exatamente, um consumo no sentido de que as pessoas vão além das coisas, além do que antigamente era o consumo do necessário. É o consumo do supérfluo. KELLER Não é só consumo. O shop ping é um lugar onde se pode ter acesso a várias coisas. Por exemplo: trabalho na torre do Shopping Morumbi, porque lá tem banco e tudo o que preciso para minha empresa. Tem também o shopping, mas nem por isso eu consumo. NABIL Com a chegada do Natal, as famílias se reúnem e vão olhar a decoração como para apreciar arte. MARINHO Mas isso é consumo de cultura, de serviço... GEORGE Isso é lazer. NABIL Nesse período, os investimentos em decoração de Natal são milionários e isso é feito para atrair esse consumidor e mostrar a ele que o shopping está antenado com o que há de mais moderno. O consumo passa a ser uma consequência natural daquele entretenimento. O Shopping Paulista fez um convênio com uma livraria e hoje tem um espaço onde você pode entrar e ler seu jornal sem pagar nada. Isso mostra a humanização do shopping center, mostra que ele respeita você. São ações como as caminhadas matinais que podem ser feitas nas dependências do Shopping Interlagos, que depois oferece um café da manhã gratuito para aqueles que participaram. Essa é uma relação que vai além do discurso: Venha comprar no meu shopping. É claro que se amanhã eu precisar fazer uma compra, vou lembrar desse empreendimento que, de certa forma, me trouxe algum }Hoje, o consumidor da classe C não quer saber se é Calvin Klein ou Nike, ele não liga para marcas, porque busca uma etiqueta chamada preço. Então, o varejo está voltando para a rua.~ janeiro/fevereiro de 2011 R EVISTA DA ESPM 81

11 benefício, agregou valor para a minha saúde ao me oferecer essa caminhada. MÁRIO RENÉ Como se comunicar com o jovem mais antenado? KELLER As lojas é que vão fazer a primeira transformação, veja o exemplo da FNAC. Antes, não se tinha uma FNAC no Brasil ou ainda uma Saraiva que hoje oferece café, jogos eletrônicos e uma série de produtos. Isso aconteceu naturalmente, é um processo evolutivo. GEORGE Uma pergunta mais fácil: quem dos senhores usa o Twitter? Porque hoje a geração que estamos recebendo é a do Twitter. E todos os shoppings estão tentando tratar o site como uma ferramenta adicional. Está totalmente errado. Ele precisa ser tratado como resultado da interligação dos produtos que existem naquele empreendimento. Para dar um exemplo, o Shopping Interlagos desenvolveu um trabalho e hoje tem 42 mil seguidores que acompanham suas informações e tudo o que ele oferece. PASTORE Que tipo de informação? GEORGE Por exemplo: na semana passada foi colocada a informação de que uma determinada loja tinha um GPS. Falou-se sobre GPS. Em quatro minutos, eles tiveram 620 acessos e venderam todos os aparelhos. PASTORE Acompanhando seu raciocínio, com esses 40 mil seguidores, esse shopping está formando que tipo de seguidor? GEORGE Não é o seguidor de relações humanas, é de informação comercial. PASTORE Interessado em descontos e oportunidades. Se isso fizer parte da estratégia do shopping, está perfeito, se não fizer, é um problema. O que o shopping tem de bom que pode distribuir? Em que é especializado? O que ele pode gerar de conteúdo para a comunidade? KELLER Há 15 anos, o Pão de Açúcar faz vendas on-line... GEORGE É diferente. O shopping não deve fazer vendas on-line. É a consulta, não quero vender, quero que a pessoa vá ao shopping. PASTORE Ele divulgou uma promoção. GEORGE É um centro de informações on-line, que traz público para aquele empreendimento. Por exemplo, o shopping Aricanduva divulgou o sorteio de ingressos para seus cinemas. A pessoa acionava o site, assistia ao trailer e participava da ação. Aí ele tomou a interligação com o produto e com o shopping. É isso que quero dizer. MARINHO Você está analisando a Geração Y com a sua cabeça de Geração Baby Boomer. A maior parte dos brasileiros, que acessa a internet, entra nas redes sociais, que são, por natureza, interativas. Fiz uma palestra no congresso da ABRASCE sobre redes sociais em shoppings centers. Pesquisamos 220 associados e vimos que a grande maioria está no Twitter, Facebook e Orkut, mas está reproduzindo nas redes sociais a mesma coisa que está fazendo na televisão. Chega no YouTube e coloca o comercial do shopping ou vai para o Twitter anunciar a abertura de loja, oferta e evento. Está errado. A natureza das redes sociais é a interação. Você fala, a pessoa responde. Se você não responde, não estabelece conexão. KELLER A maneira de falar com essa classe é fazer o que está sendo feito hoje, como o Morumbi Shopping, que tem a FNAC com produtos relacionados a essa faixa etária. É só você entrar em uma }Temos maturidade suficiente para desenvolver um modelo de shopping brasileiro.~ 82 REVISTA DA ESPM janeiro/fevereiro de 2011

12 }A massa das classes C e D que vai aos shoppings aos domingos é a razão de tudo.~ FNAC para ver que a faixa etária não passa de 30 anos. PASTORE O shopping pode falar sobre moda. KELLER Não. O shopping pode escolher seus operadores, como a FNAC, que tem uma gama de itens para os consumidores entre 20 e 30 anos. A maneira de sensibilizar esse público é oferecer o produto certo. PASTORE Se tenho interesse por moda e esporte, quem pode me dar um conteúdo interessante é o shopping. E aí eu estabeleço um relacionamento com esse shopping e vou comprar nele. SIMONSEN Como o caso citado pelo Nabil: você vem aqui, anda de manhã, toma um café e depois passeia pelas lojas. GRACIOSO Vocês falaram tanto de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Natal, mas por que não citaram os shoppings de interior? Aqui, sabemos que 60% das vendas de varejo são feitas fora da grande São Paulo desde São José do Rio Preto até São José dos Campos e Presidente Prudente. Não tem shopping nesses lugares? NABIL O município hoje que não tiver a preocupação de ter um shopping center vai perder arrecadação para o empreendimento vizinho. Existe atualmente uma grande preocupação nesse sentido. A tendência é de interiorização, em função até dos espaços disponíveis. Há 15 dias, estive em Garanhuns, a três horas de carro de Recife, onde foi lançado o primeiro empreendimento. Fizemos a abertura do evento e na semana seguinte quando liguei para saber dos resultados fui informado de que já tinham vendido 75% das lojas. De lá fomos para Macaé, onde há dois anos funciona o único empreendimento da região, que está mudando. Entrou uma nova administradora, que está preparando uma ampliação e já estão pensando num segundo empreendimento para a cidade. Sentimos que os projetos irão aumentar no interior de todo o País. Teremos nos próximos cinco anos o dobro da média dos últimos cinco anos. GRACIOSO No interior? NABIL No Brasil de um modo geral, mas claro que a interiorização é um foco. Teremos já no fechamento deste ano de 38 a 40 empreendimentos sendo inaugurados. Nos próximos cinco anos, essa vai ser a média. MARINHO A indústria dos shopping centers no Brasil vai passar por uma forte interiorização e diversificação de modelo, com novos formatos. E a grande ameaça é que fazemos parte de um setor muito tradicional. Continuamos sorteando carro no Natal apesar de saber que isso não funciona. Seguimos aplicando as mesmas estratégias de mídia convencional nas redes sociais, dando foco no grande lojista e matando a galinha dos ovos de ouro, o pequeno lojista, que é fundamental no negócio. Damos as costas para as marcas regionais apesar de saber que nosso futuro é a interiorização. PASTORE Em Natal (RN), estive com um empresário, dono de uma confecção com 30 franqueados, que foi recusado em São Paulo. Ele foi convidado por um dos executivos, apresentou o projeto e o comitê barrou, dando preferência a uma marca do eixo Rio-São Paulo. Ele ficou frustradíssimo. SIMONSEN Com toda razão. Sortear carro todo ano, mesmo sabendo que não dá certo, é um bom exemplo. Mas essa janeiro/fevereiro de 2011 R EVISTA DA ESPM 83

13 }Se o shopping está cada vez menos sendo um local onde as pessoas vão necessariamente para comprar, por que continuar chamando isso de shopping center e não criar logo outro termo?~ transformação que está acontecendo agora vai mudar tudo isso. Pode ser em 2011 ou 2012, mas está prestes a acontecer. KELLER Saímos de um período sem crescimento, fomos para uma fase na qual crescemos 2% e agora estamos em um momento em que crescemos 4%. É isso que está mudando no Brasil: a estabilidade. O empresário poder enxergar lá na frente. SIMONSEN A massa das classes C e D que vai aos shoppings aos domingos é a razão de tudo. NABIL O Grupo Walter Torre, da WTorre JK, está com um projeto para construir 40 shoppings nos próximos três anos. MARINHO Também vamos ter crescimento no segmento de luxo e de média renda. Muitas marcas internacionais vão desembarcar por aqui. PASTORE Mas existem armadilhas nesse crescimento e a principal delas é crescer e agregar valor ou crescer só quantitativamente? KELLER Distribuir qualitativamente. PASTORE Existe uma força que gera a repetição de fórmulas do passado. É mais fácil fazer um novo shopping esteticamente diferente, mas conceitualmente igual. MARINHO E sortear um carro na inauguração. MÁRIO RENÉ Uma pergunta geral, citando novamente o bom e velho consumidor: que nota o consumidor costuma atribuir aos shoppings centers? NABIL A resposta está no crescimento de público, em média de 8% a 10% ao ano. Quando se fala em mais de 400 milhões de pessoas/mês que frequentam esses empreendimentos, a resposta está aí, na satisfação independentemente dos problemas de assalto ou de esperar meia hora para estacionar. Mas se o consumidor se planejar, ele vai chegar ao shopping um mês antes do Natal, às 10 horas da manhã, fazer uma pesquisa e comprar com tranquilidade. O brasileiro que trabalha e tem de comprar em média 40 presentes para família e amigos precisa ir ao shopping. MÁRIO RENÉ Existe algum monitoramento para medir esse grau de satisfação ao longo do tempo? É possível precisar se esse índice está melhorando ou piorando? GRACIOSO Está aumentando cada vez mais o número de pessoas que vai ao shopping fazer compras. MÁRIO RENÉ Talvez por falta de opção. NABIL A partir das 19 horas, o comércio de rua, praticamente, deixa de existir. Com isso já se tem um fluxo de pessoas que, naturalmente, por necessidade, vai para o shopping. Já durante o dia, as pessoas que saem para fazer compras pensam: qual é o local que me dá a oportunidade de comprar tudo?, porque falta tempo e o diferencial do shopping é a conveniência. No shopping você paga estacionamento mas tem um retorno de serviços e seu carro está seguro. Você tem uma série de benefícios que caracterizam a continuação desse crescimento, dessa massa praticando shopping center cada vez mais em função de todos esses atributos que são indiscutíveis nesses empreendimentos. 84 REVISTA DA ESPM janeiro/fevereiro de 2011

14 PASTORE Em primeiro lugar, o lojista precisa se preparar para os últimos momentos do Natal, que é uma loucura, com grandes picos de venda e falta de produto. Depois, o shopping precisa prever soluções específicas de consumo, nas quais o consumidor não precisa circular por todos os corredores. Esse é o tipo de consumo em que a frequência aumenta, mas o tempo de permanência diminui. MARINHO Em média, das 200 lojas do shopping, o consumidor entra em três a cada visita ao empreendimento. Hoje, a internet tem ajudado a mudar essa relação. Antigamente, a pesquisa era feita nas lojas. Hoje essa pesquisa é feita na internet, até porque a dispersão de preço no comércio é muito grande, varia de 40% a 80% isso prova como o varejo brasileiro ainda é muito desigual. PASTORE Sem dizer que a internet está na mão, agora. MARINHO A internet facilita isso. O problema é quando o consumidor está pesquisando preço e se depara com uma boa oferta on-line. A tentação de fechar negócio pela internet é grande. Já encontrei aqui uma oferta melhor, porque vou esperar para ir até um shopping center? PASTORE Esse é um dos desafios do shopping: justificar a presença desse consumidor. GRACIOSO Falando ainda em comunicação do shopping para o público potencial: no longo prazo, o que faz a imagem do shopping não é o metal brilhando ou o mármore no chão. São as lojas, as novidades oferecidas, a inovação, o bom gosto, o atendimento. E, muitas vezes, o administrador ou a incorporadora não reconhecem isso. Se é verdade que são as lojas que fazem a imagem, nenhuma comunicação será perfeita se não for integrada com os lojistas. Mas infelizmente não vejo isso em parte alguma. NABIL Na grande maioria, infelizmente, não existe. A maioria dos profissionais de marketing do setor ainda tem de aprender a lidar com essa relação. Essas grandes marcas pesquisam o tempo inteiro, viajam para Europa e Estados Unidos, além de muitas vezes trabalhar para fortalecer sua própria imagem frente aos concorrentes. E a administração do shopping não está sabendo potencializar essa pesquisa extraordinária em sua comunicação com o mercado. É isso que vai proporcionar ao shopping ter uma marca valorizada, fazer com que seu goodwill cresça. O sonho de toda marca é ter uma imagem como a da Harley Davidson, em que as pessoas tatuam o símbolo nos seus braços. Esse é o grande desafio: como os shopping vão se posicionar perante o seu consumidor? Quando a JHSF quis implantar um shopping de luxo, buscou o melhor e criou aquela ambientação. As pessoas vão para o cinema só para passear naquele ambiente de glamour, muitas vezes sem comprar nada, mas é um local gostoso, agradável, que não está lotado e tem o maior preço médio de compra do País. MARINHO O problema é que os profissionais de marketing de shopping centers não são avaliados pelo resultado de vendas. Isso agora está mudando, a partir da BRMalls e sua cultura de resultados. Outro dia estava dando aula no curso de Marketing para Shopping Centers aqui na ESPM, que é parceira da ABRASCE, e uma aluna comentou sobre uma promoção de sorteio, onde o ticket médio para ganhar o cupom era baixo, R$ 50, sendo que o ticket médio do estabelecimento era de R$ 120. Quando perguntei por que ela tinha colocado R$ 50 para conseguir um cupom se o ticket médio era maior, a resposta foi que era para ter a urna cheia. Para ela, a métrica de sucesso é a urna cheia para mostrar ao lojista como a promoção está sendo um sucesso... Você não eleva o ticket médio dessa forma. Se ele já é R$ 120 e você coloca R$ 50 para a troca do cupom, não está forçando o crescimento das vendas. MÁRIO RENÉ Se carro não funciona mais, o que fazer para atrair pessoas? GEORGE Sempre digo que para a maturação de um empreendimento são necessários dois Natais, porque o consumidor durante o ano todo é preparado e educado para consumir naquele shopping. Hoje, sou frontalmente contra premiações e a favor de grandes mix. O sucesso dos empreendimentos são as lojas e as atrações. MARINHO Depende da estratégia. Não sou completamente contra os sorteios há momentos em que são necessários, mas é como a questão do antibiótico: se você ministra antibiótico em qualquer gripe, vai criar resistência e ele não vai funcionar. As pesquisas mostram que apenas 20% das vendas de um shopping durante o período promocional passam pelos balcões de troca de nota. E, desse percentual, a grande maioria era de pessoas que já estavam no shopping com intenção de comprar. O incremento de vendas motivado pela promoção é pequeno. Quando mostro esses números no curso da ESPM, as pessoas se surpreendem e eu fico mais espantado porque, se o gerente de marketing não tem esse dado, significa que nunca se preocupou em pesquisar. Só faz promoção porque todo mundo sempre fez. GEORGE Sabem por que foram criados eventos de sorteio em shoppings? Foram os empreendedores que criaram para exigir que o consumidor fosse o maior auditor das lojas exigir a nota fiscal. Este foi o motivo pelo qual foram criados os grandes sorteios: auditar as vendas. GRACIOSO Obrigado, pessoal. ESPM janeiro/fevereiro de 2011 R EVISTA DA ESPM 85

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

Geonotícias SHOPPING CENTERS SUPERMERCADO: ÂNCORA OU COMPLEMENTO? VISÃO SETORIAL FLUXO CONSUMIDOR Shoppings invadem mercados inéditos PÁG.

Geonotícias SHOPPING CENTERS SUPERMERCADO: ÂNCORA OU COMPLEMENTO? VISÃO SETORIAL FLUXO CONSUMIDOR Shoppings invadem mercados inéditos PÁG. Geonotícias SHOPPING CENTERS INFORMATIVO SETORIAL DE SHOPPING CENTERS Produzido pela área de Geonegócios SUPERMERCADO: ÂNCORA OU COMPLEMENTO? PÁG. 4 VISÃO SETORIAL FLUXO CONSUMIDOR Shoppings invadem mercados

Leia mais

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 bilhões de 2011, um aumento de 10,6% no período, segundo

Leia mais

MAKING YOUR BUSINESS WALK THE BRAND YOU TALK.

MAKING YOUR BUSINESS WALK THE BRAND YOU TALK. MAKING YOUR BUSINESS WALK THE BRAND YOU TALK. Pesquisa sobre a experiência de compra em lojas de brinquedos Outubro 2012 Amostra 200 homens e mulheres com filhos entre 3 e 11 anos Mais de 51 anos 3% Sexo

Leia mais

Rentabilidade em Food Service

Rentabilidade em Food Service Rentabilidade 6 passos para tornar sua franquia mais lucrativa Seja bem-vindo ao e-book da Linx. Aqui estão reunidos os principais caminhos para o aumento da rentabilidade em operações de fast food. São

Leia mais

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 bilhões de 2011, um aumento de 10,6% no período, segundo

Leia mais

UM NOVO CONCEITO. UMA NOVA ARQUITETURA. UM NOVO DESIGN. UM NOVO ESPAÇO. BEM-VINDO AO NOVO... SHOPPING VALINHOS.

UM NOVO CONCEITO. UMA NOVA ARQUITETURA. UM NOVO DESIGN. UM NOVO ESPAÇO. BEM-VINDO AO NOVO... SHOPPING VALINHOS. UM NOVO CONCEITO. UMA NOVA ARQUITETURA. UM NOVO DESIGN. UM NOVO ESPAÇO. BEM-VINDO AO NOVO... SHOPPING VALINHOS. Imagem meramente ilustrativa, sujeito a alterações. NOVA GALERIA DE ACESSO - primeiro piso

Leia mais

SHOPPING ILHA DO MEL

SHOPPING ILHA DO MEL Cenário atual O Brasil é o 5º maior país do mundo com grande crescimento no setor de Shopping Centers. Segundo pesquisa da Interscience, encomendada pela Associação Brasileira de Shopping Centers (ABRASCE),

Leia mais

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 bilhões de 2011, um aumento de 10,6% no período, segundo

Leia mais

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 bilhões de 2011, um aumento de 10,6% no período, segundo

Leia mais

Vamos ao shopping? Crescimento dos centros de compras atrai investidores de ações e de fundos imobiliários. Ainda há muito espaço para lucrar com eles

Vamos ao shopping? Crescimento dos centros de compras atrai investidores de ações e de fundos imobiliários. Ainda há muito espaço para lucrar com eles Página 1 de 5 INVESTIDORES Nº EDIÇÃO: 815 Investimentos 24.MAI.13-21:00 Vamos ao shopping? Crescimento dos centros de compras atrai investidores de ações e de fundos imobiliários. Ainda há muito espaço

Leia mais

Informações Financeiras. Sistema de Franquias

Informações Financeiras. Sistema de Franquias Informações Financeiras Sistema de Franquias Sistema de Franquias Somos uma loja que nasceu em Porto Alegre, somos especialista em moda masculina, e, em satisfazer e encantar os clientes. Com nosso sistema

Leia mais

http://blog.andersonferro.com.br/como-eu-comecei SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS http://blog.andersonferro.com.br

http://blog.andersonferro.com.br/como-eu-comecei SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS http://blog.andersonferro.com.br /como-eu-comecei SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS Todos os direitos Reservados. Porém este livro pode ser reproduzido, copiado ou transmitida livremente de qualquer forma onde direitos autorais e links se mantenham.

Leia mais

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 bilhões de 2011, um aumento de 10,6% no período, segundo

Leia mais

COSMOPOLITANO SHOPPING. orgânico moderno conectado novo completo diverso dinâmico confortável

COSMOPOLITANO SHOPPING. orgânico moderno conectado novo completo diverso dinâmico confortável COSMOPOLITANO SHOPPING orgânico moderno conectado novo completo diverso dinâmico confortável Uma cidade do mundo deve abraçar o mundo. Crescer e prosperar junto com ele. Na era dos novos negócios, coragem

Leia mais

O dentista que virou dono de restaurante chinês 1

O dentista que virou dono de restaurante chinês 1 O dentista que virou dono de restaurante chinês 1 O cirurgião dentista Robinson Shiba, proprietário da rede China In Box, em 1992 deixava de exercer sua profissão como dentista para inaugurar a primeira

Leia mais

www.dinheiroganharja.com

www.dinheiroganharja.com Sumário Introdução...3 Empreendedorismo Digital...4 Trabalhar em casa ou da Onde quiser...5 Liberdade financeira...5 Como criar um blog...7 Domínio...7 Hospedagem...8 WordPress...9 Instalando a Plataforma

Leia mais

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 bilhões de 2011, um aumento de 10,6% no período, segundo

Leia mais

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 bilhões de 2011, um aumento de 10,6% no período, segundo

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 12º Encontro - 26/03/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - CÁLCULOS PARA LOCALIZAÇÃO DE EMPRESAS -

Leia mais

Capa VERÃO 30 n SuperVarejo novembro 2009

Capa VERÃO 30 n SuperVarejo novembro 2009 30 n SuperVarejo novembro 2009 Protetores solares, bronzeadores e cremes para pele e cabelo vão garantir o faturamento do verão na categoria higiene e beleza >> Rogério Gatti > rgatti@supervarejo.com.br

Leia mais

MBA Executivo UFPE. Disciplina: Ambiente de Negócios. Setembro/2011 Prof. Bosco Torres SHOPPING CENTERS

MBA Executivo UFPE. Disciplina: Ambiente de Negócios. Setembro/2011 Prof. Bosco Torres SHOPPING CENTERS MBA Executivo UFPE Disciplina: Ambiente de Negócios Setembro/2011 Prof. Bosco Torres SHOPPING CENTERS Fonte: MATTAR, Fauze Najib. Administração de Varejo. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011 Prof. Bosco Torres

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

EXPECTATIVAS, GESTÃO E AÇÕES DOS EMPRESÁRIOS DO COMÉRCIO VAREJISTA PARA O NATAL DE 2013 MACAPÁ - 2013

EXPECTATIVAS, GESTÃO E AÇÕES DOS EMPRESÁRIOS DO COMÉRCIO VAREJISTA PARA O NATAL DE 2013 MACAPÁ - 2013 EXPECTATIVAS, GESTÃO E AÇÕES DOS EMPRESÁRIOS DO COMÉRCIO VAREJISTA PARA O NATAL DE 2013 MACAPÁ - 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 POPULAÇÃO... 3 4 COLETA DE DADOS... 3 5 RESULTADOS... 4 Ilustração 1 -

Leia mais

IMOCX IZZO MOTO CULTURE E EXPERIENCE (http://varejo.espm.br/conceitoimocx-izzo-moto-culture-e-experience)

IMOCX IZZO MOTO CULTURE E EXPERIENCE (http://varejo.espm.br/conceitoimocx-izzo-moto-culture-e-experience) Página 1 de 6 Quem somos (http://varejo.espm.br/quem-somos) Retail Lab (http://varejo.espm.br/retail-lab) Contato (http://varejo.espm.br/contato) (http://varejo.espm.br/feed) (http://twitter.com/varejo_espm)

Leia mais

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 bilhões de 2011, um aumento de 10,6% no período, segundo

Leia mais

www.uvaeverde.com.br

www.uvaeverde.com.br O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua rede de franquias Você Sabia? Há trinta anos os Estados Unidos adotaram um modelo inovador na gestão de redes de franquia

Leia mais

ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE. Por: Alexandre Maldonado

ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE. Por: Alexandre Maldonado ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE Por: Alexandre Maldonado Autor do site Marketing para E- commerce www.marketingparaecommerce.com.br TERMOS DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

Você já comprou roupa pela internet? 1,5% INTERNET VAREJO PELA UMA ANÁLISE SOBRE AS VENDAS DE O VAREJO ON-LINE NO BRASIL

Você já comprou roupa pela internet? 1,5% INTERNET VAREJO PELA UMA ANÁLISE SOBRE AS VENDAS DE O VAREJO ON-LINE NO BRASIL UMA ANÁLISE SOBRE AS VENDAS DE VAREJO PELA INTERNET O VAREJO ON-LINE NO BRASIL Você já comprou roupa pela internet? Estatisticamente, é bastante improvável, pois apesar de as roupas liderarem as compras

Leia mais

SETOR de shopping center no Brasil: UMA VISÃO DO MERCADO

SETOR de shopping center no Brasil: UMA VISÃO DO MERCADO Informativo setorial de shopping centers Nº01 maio 2011 NÚMERO DE SHOPPINGS, 2 Descubra a distribuição dos shoppings por área bruta comercial. FLUXO DE CLIENTES, 6 Entenda o fluxo médio diário e a densidade

Leia mais

SETOR de shopping center no Brasil:

SETOR de shopping center no Brasil: Informativo setorial de shopping centers Nº01 maio 2011 número de Shoppings, 2 Descubra a distribuição dos shoppings por área bruta comercial. Fluxo de Clientes, 6 Entenda o fluxo médio diário e a densidade

Leia mais

Shopping das Franquias lança unidades móveis das marcas Click Sushi e Tostare Café. E mais: O Boticário dobra faturamento em três anos

Shopping das Franquias lança unidades móveis das marcas Click Sushi e Tostare Café. E mais: O Boticário dobra faturamento em três anos FRANQUIA.COM: Novo jeito de fazer franquia Portal InvestNE - - COLUNAS - 23/03/2012-11:02:00 Hugo Renan Nascimento Shopping das Franquias lança unidades móveis das marcas Click Sushi e Tostare Café. E

Leia mais

erceiro município mais populoso do interior paulista e o quarto mercado consumidor do Estado, fora da região metropolitana de São Paulo.

erceiro município mais populoso do interior paulista e o quarto mercado consumidor do Estado, fora da região metropolitana de São Paulo. T erceiro município mais populoso do interior paulista e o quarto mercado consumidor do Estado, fora da região metropolitana de São Paulo. Ao longo dos últimos 12 anos, Sorocaba vem crescendo expressivamente

Leia mais

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 bilhões de 2011, um aumento de 10,6% no período, segundo

Leia mais

O MERCADO E PERSPECTIVAS

O MERCADO E PERSPECTIVAS Sell Book O MERCADO E PERSPECTIVAS MERCADO E PERSPECTIVA BRASIL VAREJO FRANQUIAS PIB: projeção de 3% para 2013; Desemprego em baixa (inferior a 6% em 2013); Crescimento do consumo da classe média; Aumento

Leia mais

Empresa já nasceu grande: maior contrato de concessão de mobiliários urbanos do mundo! Concessão por 25 anos: manutenção e substituição de abrigos

Empresa já nasceu grande: maior contrato de concessão de mobiliários urbanos do mundo! Concessão por 25 anos: manutenção e substituição de abrigos Empresa já nasceu grande: maior contrato de concessão de mobiliários urbanos do mundo! Concessão por 25 anos: manutenção e substituição de abrigos Criada em 2010, a Odebrecht TransPort Participações S.A.

Leia mais

Apresentação ao Shopping

Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua rede de franquias Você Sabia? Há trinta anos os Estados Unidos adotaram um modelo inovador

Leia mais

Ofereça um atendimento de alto nível e surpreenda

Ofereça um atendimento de alto nível e surpreenda Ofereça um atendimento de alto nível e surpreenda Para profissionais do mercado imobiliário por Índice Introdução... 2 Seja o primeiro a responder... 3 Mantenha seu material em ordem... 4 Tenha o necessário

Leia mais

Juiz de Fora a cidade certa para se fazer negócio. É a quarta cidade mais populosa e a terceira com maior potencial de consumo de Minas Gerais.

Juiz de Fora a cidade certa para se fazer negócio. É a quarta cidade mais populosa e a terceira com maior potencial de consumo de Minas Gerais. Expansao Juiz de Fora a cidade certa para se fazer negócio. É a quarta cidade mais populosa e a terceira com maior potencial de consumo de Minas Gerais. Juiz de Fora em numeros 1-Fonte: IBGE, 2-Fonte:

Leia mais

Marketing Digital de resultado para PMEs. Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas

Marketing Digital de resultado para PMEs. Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas 1 Sumário I II V Porque monitorar? O que monitorar? Onde monitorar? Como engajar? 2 Por que Monitorar? 3 I II V Nas mídias sociais

Leia mais

O MAIOR COMPLEXO DA REGIÃO OESTE DE BH.

O MAIOR COMPLEXO DA REGIÃO OESTE DE BH. & O MAIOR COMPLEXO DA REGIÃO OESTE DE BH. & O Central Park Shopping & Residence é um empreendimento inédito na região e vai atrair todos os olhares. Ele integra uma área comercial, com espaço para supermercado

Leia mais

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 bilhões de 2011, um aumento de 10,6% no período, segundo

Leia mais

Acionistas e parceiros REP

Acionistas e parceiros REP Acionistas e parceiros REP Joint venture* Acionista da REP, a PDG é líder no mercado brasileiro, presente em 17 estados e mais de 100 cidades. Maior grupo das Américas no setor imobiliário em valor de

Leia mais

O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em

O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em volta. Por isso, é considerado um verdadeiro acrobata.

Leia mais

ATENDIMENTO A CLIENTES

ATENDIMENTO A CLIENTES Introdução ATENDIMENTO A CLIENTES Nos dias de hoje o mercado é bastante competitivo, e as empresas precisam ser muito criativas para ter a preferência dos clientes. Um dos aspectos mais importantes, principalmente

Leia mais

Segunda-feira, 22 de abril de 2013

Segunda-feira, 22 de abril de 2013 Segunda-feira, 22 de abril de 2013 22/04/2013 07h00 - Atualizado em 22/04/2013 07h00 Empresários dão dicas de como empreender após a aposentadoria Professora aposentada montou empresa de reforma de calçadas.

Leia mais

Você já deve ter lido varias vezes sobre, Gatilhos Mentais, pois bem, hoje vamos falar sobre isso...

Você já deve ter lido varias vezes sobre, Gatilhos Mentais, pois bem, hoje vamos falar sobre isso... Olá, tudo bem?! Nesse Mini E-book eu vou lhe passar a 1º Sacada da semana, pretendo toda semana compartilhar informações com você, pois sei bem o que é ficar na internet buscando informações e nunca encontrar

Leia mais

O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional

O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional O guia online Vitrine de Guarulhos é um dos produtos do Grupo Vitrine X3, lançado no dia 11/11/11 com o objetivo de promover

Leia mais

VEÍCULO: PORTAL UOL SEÇÃO: ECONOMIA DATA: 17.02.2011

VEÍCULO: PORTAL UOL SEÇÃO: ECONOMIA DATA: 17.02.2011 VEÍCULO: PORTAL UOL SEÇÃO: ECONOMIA VEÍCULO: REVISTA ALGO MAIS SEÇÃO: ECONOMIA DATA: 16.02.2011 Algomais - PE 16/02/2011-17:43 Mercado de executivos em alta Com várias empresas chegando para se instalar

Leia mais

Atividade - Sequência Conrado Adolpho

Atividade - Sequência Conrado Adolpho Atividade - Sequência Conrado Adolpho Agora, eu quero lhe apresentar os 6 e-mails do conrado adolpho para vender o 8ps. Quero que você leia está sequência com muita atenção e, depois, responda às provocações

Leia mais

Assine PEGN e receba até 4 meses grátis!

Assine PEGN e receba até 4 meses grátis! Page 1 of 5 Home Notćias Esportes Entretenimento V deos Todososites RSS Mobile Favoritos Twitter Assine PEGN e receba até 4 meses grátis! Abril de 2010 Ampliar capa HOME Agenda Calendário Fiscal Colunistas

Leia mais

SHOPPING CENTERS Evolução Recente

SHOPPING CENTERS Evolução Recente ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Maio/98 N o 16 SHOPPING CENTERS Evolução Recente Este informe apresenta a evolução recente da indústria de shopping

Leia mais

Apresentação. Área Comercial

Apresentação. Área Comercial Apresentação Área Comercial Sobre a REP Com mais de 20 anos de experiência no varejo, somos uma empresa full service: originamos, desenvolvemos, comercializamos e administramos Shopping Centers. Nosso

Leia mais

COMÉRCIO DE RUA É O PREFERIDO ENTRE OS MORADORES DA GRANDE VITÓRIA

COMÉRCIO DE RUA É O PREFERIDO ENTRE OS MORADORES DA GRANDE VITÓRIA COMÉRCIO DE RUA É O PREFERIDO ENTRE OS MORADORES DA GRANDE VITÓRIA Priscila Zanotti Pizol e Luciana Zamprogne A Futura foi às ruas para saber mais a respeito do setor varejista da Grande Vitória, conhecer

Leia mais

Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil.

Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. O Outlet Premium avança pelo território nacional abrindo grandes oportunidades de negócios para você. Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. Outlet

Leia mais

Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita!

Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita! Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita! Hum, essa não é uma novidade. As outras também eram de certa forma inéditas, uma vez que o layout era baseado na estrutura dos Gurus, mas vamos lá,

Leia mais

Miguel Nicolelis: Vamos transformar o RN na Califórnia

Miguel Nicolelis: Vamos transformar o RN na Califórnia Miguel Nicolelis: Vamos transformar o RN na Califórnia Emanuel Amaral CIÊNCiA - Reconhecido internacionalmente, Miguel Nicolelis tem planos ambiciosos para o RN 05/08/2007 - Tribuna do Norte Anna Ruth

Leia mais

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 bilhões de 2011, um aumento de 10,6% no período, segundo

Leia mais

MUTIRÃO DE CIRURGIA DA CATARATA

MUTIRÃO DE CIRURGIA DA CATARATA MUTIRÃO DE CIRURGIA DA CATARATA A - Empresa Com um terreno de 1.000.000 m² e 354.000 m² de área construída, o Centro Comercial Leste Aricanduva surgiu em 1991 com a inauguração do primeiro shopping center

Leia mais

SUPERMERCADOS: TENDÊNCIAS 2015

SUPERMERCADOS: TENDÊNCIAS 2015 SUPERMERCADOS: TENDÊNCIAS 2015 Tecnologias e soluções para aplicar na sua empresa e aumentar a sua competitividade. NRF 2015 ÍNDICE Objetivo...04 De multicanal para omnichannel...05 O propósito...05 Capital

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins - GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br) 1/5 Lucros Bons e Lucros Ruins Podemos pensar que lucrar é sempre bom,

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

VEÍCULO: PORTAL UOL CADERNO: ECONOMIA DATA: 02.05.2011

VEÍCULO: PORTAL UOL CADERNO: ECONOMIA DATA: 02.05.2011 VEÍCULO: PORTAL UOL DATA: 02.05.2011 VEÍCULO: BLOG FALANDO DE VAREJO SEÇÃO: NOTÍCIAS VEÍCULO: BLOG FALANDO DE VAREJO SEÇÃO: NOTÍCIAS CONTINUAÇÃO VEÍCULO: DIÁRIO DO NORDESTE SEÇÃO: ECONOMIA Diário do Nordeste

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

RELATÓRIO DE VIAGEM INTERNACIONAL

RELATÓRIO DE VIAGEM INTERNACIONAL SERVIÇO DE APOIO AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE MINAS GERAIS RELATÓRIO DE VIAGEM INTERNACIONAL NRF 2013 BIG SHOW NOVA YORK - USA Montes Claros, fevereiro 2013 SERVIÇO DE APOIO AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Leia mais

O site CAMISETASDAHORA criou um projeto apenas para atendimento a franqueados.

O site CAMISETASDAHORA criou um projeto apenas para atendimento a franqueados. PROPOSTA DE MICROFRANQUIA E FRANQUIA Pelo presente instrumento particular de Microfranquia ou Franquia, de um lado o site CAMISETAS DA HORA, do outro VOCÊ, nosso futuro parceiro, neste ato, passamos a

Leia mais

03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança

03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança 03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança Render 5 Vezes Mais por Leandro Sierra Índice Apresentação...03 Introdução... 04 Passo 1...05 Passo 2... 08 Educação Financeira para a Segurança do seu Investimento...

Leia mais

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 bilhões de 2011, um aumento de 10,6% no período, segundo

Leia mais

Módulo 15. Novos modelos de distribuição

Módulo 15. Novos modelos de distribuição Módulo 15. Novos modelos de distribuição No mercado existem as chamadas destinações de compra, assim denominadas por conter uma determinada aglomeração de estabelecimentos comerciais que se tornam áreas

Leia mais

Central de Cases DOIS SANTOS ILHABELA. www.espm.br/centraldecases

Central de Cases DOIS SANTOS ILHABELA. www.espm.br/centraldecases Central de Cases DOIS SANTOS ILHABELA www.espm.br/centraldecases Central de Cases DOIS SANTOS ILHABELA Preparado pelo Prof. Marcus S. Piaskowy, da ESPM-SP. Recomendado para as áreas de Marketing, Propaganda,

Leia mais

InformationWeek Brasil

InformationWeek Brasil Fotos: Ricardo Benichio EM TEMP Roberta Prescott 10 Casas Bahia inaugura loja virtual mais tarde que outros varejistas, mas seu CIO, Frederico Wanderley, quer ter na internet o mesmo sucesso da rede física

Leia mais

REDES SOCIAIS PARA PEQUENAS EMPRESAS

REDES SOCIAIS PARA PEQUENAS EMPRESAS REDES SOCIAIS PARA PEQUENAS EMPRESAS Entenda a importância da utilização das Redes Sociais para a sua pequena empresa e conheça os fundamentos necessários para obter resultados positivos com a sociabilidade.

Leia mais

O que é promoção de vendas e para que serve?

O que é promoção de vendas e para que serve? 4 Para aumentar as vendas, ela precisa basicamente fazer com que os clientes atuais comprem mais ou trazer novos clientes para a loja. Nos dois casos, fica evidente que ela terá que oferecer mais benefícios

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Pra que serve tudo isso?

Pra que serve tudo isso? Capítulo 1 Pra que serve tudo isso? Parabéns! Você tem em mãos a base para o início de um bom planejamento financeiro. O conhecimento para começar a ver o dinheiro de outro ponto de vista, que nunca foi

Leia mais

Paradigmas e paradoxos da sociedade da informação

Paradigmas e paradoxos da sociedade da informação Paradigmas e paradoxos da sociedade da informação As mudanças DebatePapo Mídia Dalton Pastore - ABAP Caio Barsotti - SECOM José Alves - IVC Orlando Lopes - ABA Impacto da Tecnologia Individualização Acesso

Leia mais

Aviso Legal...6. Sobre o autor... 7. Prefácio... 8. 1. Empreendimento Online Por Que Criar Um?... 11. 2. Importação Seus Mistérios...

Aviso Legal...6. Sobre o autor... 7. Prefácio... 8. 1. Empreendimento Online Por Que Criar Um?... 11. 2. Importação Seus Mistérios... Conteúdo Aviso Legal...6 Sobre o autor... 7 Prefácio... 8 1. Empreendimento Online Por Que Criar Um?... 11 2. Importação Seus Mistérios... 14 2.1 Importar é Legal?... 15 2.2 Por Que Importar?... 15 2.3

Leia mais

Manual Bicicleta e Comércio

Manual Bicicleta e Comércio Manual Bicicleta e Comércio 66% dos comerciantes dizem que as vendas aumentaram após a implantação de ciclovias em São Francisco - Estados Unidos 49% de aumento nas vendas em comércios próximos a ciclovias

Leia mais

5. Shopping Centers. 5.1. O Mercado de Shopping Centers no Brasil

5. Shopping Centers. 5.1. O Mercado de Shopping Centers no Brasil 52 5. Shopping Centers 5.1. O Mercado de Shopping Centers no Brasil O primeiro Shopping Center inaugurado no Brasil foi o Iguatemi, em São Paulo, em 1966. Na década de 70, mais sete empreendimentos foram

Leia mais

VEÍCULO: BLOG FALANDO DE VAREJO CADERNO: NOTÍCIAS DATA: 27.01.2011

VEÍCULO: BLOG FALANDO DE VAREJO CADERNO: NOTÍCIAS DATA: 27.01.2011 VEÍCULO: BLOG FALANDO DE VAREJO CADERNO: NOTÍCIAS VEÍCULO: JORNAL A TARDE A Tarde - BA 27/01/2011-07:22 Compras online vão pesar mais no bolso A partir de terça-feira, dia 1º, o governo do Estado irá cobrar

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

Sobre a rep acionistas e ParceiroS

Sobre a rep acionistas e ParceiroS Mídia kit Com mais de 20 anos de experiência no varejo, somos uma empresa Full Service: originamos, desenvolvemos, comercializamos e administramos Shopping Centers Atuando full service, desde a idealização,

Leia mais

manual liga elo7 2.0 ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES PARA PLANEJAMENTO DE EVENTOS

manual liga elo7 2.0 ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES PARA PLANEJAMENTO DE EVENTOS ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES PARA PLANEJAMENTO DE EVENTOS Olá Elosetter, Então você está com vontade de organizar um evento? O Elo7 incentiva as ações que fortaleçam e integram a comunidade artesanal e

Leia mais

O ABC do Programa de Fidelização

O ABC do Programa de Fidelização O ABC do Programa de Fidelização COMO E POR QUÊ RETER CLIENTES? Diagnóstico As empresas costumam fazer um grande esforço comercial para atrair novos clientes. Isso implica Investir um alto orçamento em

Leia mais

No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado. alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para

No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado. alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para QUAL NEGÓCIO DEVO COMEÇAR? No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para então definir seus objetivos e sonhos.

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua

Leia mais

Varejo: será que o foco está mesmo no cliente?

Varejo: será que o foco está mesmo no cliente? Revista da ESPM -101 Varejo: será que o foco está mesmo no cliente? FÁTIMA MOTTA Graduada em Administração de Empresas (FMU) e Comunicação (ECA/USP) Pós -Graduada em Administração de Empresas (PUC/SP)

Leia mais

PROMOÇÃO DE VENDAS. O problema da Dona Cida resume-se em aumentar as vendas de sua loja e ao mesmo tempo, acabar com alguns estoques indesejáveis.

PROMOÇÃO DE VENDAS. O problema da Dona Cida resume-se em aumentar as vendas de sua loja e ao mesmo tempo, acabar com alguns estoques indesejáveis. 1 PROMOÇÃO DE VENDAS Constituída há pouco mais de dois anos, a loja de confecções da Dona Cida já possuía uma boa clientela, porém ela acreditava que ainda poderia crescer bastante. Assim, tinha na prateleira

Leia mais

MIZUNO, TOPPER, RAINHA, HAVAIANAS, TIMBERLAND, DUPÉ E SETE LÉGUAS.

MIZUNO, TOPPER, RAINHA, HAVAIANAS, TIMBERLAND, DUPÉ E SETE LÉGUAS. SOBRE A ALPARGATAS Quem nunca usou um Bamba? Ou uma calça US Top, um tênis Rainha, uma sandália Havaianas, ou jogou com uma bola Topper? A Alpargatas e suas marcas estiveram e estarão sempre presentes

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau , Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau Porto Velho-RO, 12 de março de 2009 Gente, uma palavra apenas, de agradecimento. Uma obra dessa envergadura não poderia

Leia mais

E-book Internet Marketing que Funciona Página 1

E-book Internet Marketing que Funciona Página 1 E-book Internet Marketing que Funciona Página 1 Produção Este E-book é Produzido por: Sérgio Ferreira, administrador do blog: www.trabalhandoonline.net Visite o site e conheça várias outras Dicas GRÁTIS

Leia mais

Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco

Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco O que é o NTCPE? O Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco/NTCPE é uma associação de direito privado, sem fins lucrativos.

Leia mais

Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1

Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1 Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1 Se não pode subir a montanha, torne-se uma. Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 2 ISSO ESTÁ ME GERANDO R$7.278,05 - R$10.588,38 POR SEMANA E VOCÊ PODE FAZER

Leia mais

Ecológico. Arranha-céu. O retrofit de um dos principais ícones norte-americanos. bate-papo Com Vitorio Panicucci, da Clavi Incorporações

Ecológico. Arranha-céu. O retrofit de um dos principais ícones norte-americanos. bate-papo Com Vitorio Panicucci, da Clavi Incorporações Mar/Abr 2015 ANO III Nº 16 R E V I S TA A REVISTA DA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Arranha-céu Ecológico O retrofit de um dos principais ícones norte-americanos bate-papo Com Vitorio Panicucci, da Clavi Incorporações

Leia mais

Diagnosticando os problemas da sua empresa

Diagnosticando os problemas da sua empresa Diagnosticando os problemas da sua empresa O artigo que você vai começar a ler agora é a continuação da matéria de capa da edição de agosto de 2014 da revista VendaMais. O acesso é restrito a assinantes

Leia mais

Agora sua máquina da Cielo passa os cartões Diners Club. Informativo. Ou seja, o seu ponto de venda acaba de ganhar vários pontos com os clientes.

Agora sua máquina da Cielo passa os cartões Diners Club. Informativo. Ou seja, o seu ponto de venda acaba de ganhar vários pontos com os clientes. A número 1 em vendas. NADA SUPERA ESSA MÁQUINA. Informativo EDIÇÃO 2 TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE A CIELO PARA O SEU NEGÓCIO. Palavra do presidente Prezado cliente, A Cielo atua no cenário multibandeira

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento

Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento Sumário XXI EDIÇÃO DO CONGRESSO FENABRAVE TERMINA COM PREVISÃO OTIMISTA PARA

Leia mais

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas?

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? 2 Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? É SOBRE ISSO QUE VOU FALAR NESTE TEXTO. A maioria das empresas e profissionais

Leia mais