Modalidade de Apresentação: Pôster. GT 1: Biblioteconomia, Tecnologia e Redes Sociais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modalidade de Apresentação: Pôster. GT 1: Biblioteconomia, Tecnologia e Redes Sociais"

Transcrição

1 Modalidade de Apresentação: Pôster GT 1: Biblioteconomia, Tecnologia e Redes Sociais CLASSIFICAÇÃO COLABORATIVA NA WEB 2.0: VANTAGENS E DESVANTAGENS DO USO DA FOLKSONOMIA. MACENA, Luis Guilherme G. 1 ; SILVEIRA, Thais de Souza 2 ; RIOS, Patrícia da Silva 3. RESUMO: Apresenta de maneira sucinta o histórico e as transformações em torno da classificação utilizada na organização do conhecimento, destacando o desenvolvimento no modo evolutivo e alguns métodos utilizados na classificação até a atualidade. No contexto da web 2.0, os avanços na forma de disponibilizar a informação tornou-se mais ágil devido à internet, assim a partir das necessidades individuais, como o crescimento da demanda de informação e sua conseqüente necessidade de recuperação surgiu a Folksonomia. Aborda a Folksonomia como uma modalidade de compartilhamento e organização das informações, assim como dos recursos web que se processa de maneira mais colaborativa, de forma que o próprio usuário tem a oportunidade de agilizar livremente a recuperação da informação. Em pesquisa futura com base no globo.com, delicious.com e flickr.com, sites que utilizam essa forma de indexação, discute-se a popularização da Folksonomia entre os sites, blogs e meios de transmissão da informação e de que 1 Graduando em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO, Rio de Janeiro, RJ. 2 Graduando em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO, Rio de Janeiro, RJ. 3 Graduando em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO, Rio de Janeiro, RJ

2 maneira ela facilita a organização do conhecimento na web, visando expor as vantagens e desvantagem ao adotar esse método onde a classificação é realizada com o pensamento individual de cada classificador sem que haja a interferência do profissional da informação. Palavras-Chave: Folksonomia; Classificação do Conhecimento; Web 2.0; Tags ABSTRACT: Succinctly presents the history and the changes around the classification used in knowledge organization, highlighting the development in evolutionary and some methods used in classification to the present. In the context of Web 2.0, advances in the form of providing information has become more streamlined because of the Internet as well as individual needs, as demand growth of information and its consequent need of recovery emerged Folksonomy. Discusses Folksonomy as a means of sharing and organizing information, and web resources that takes place in a more collaborative, so that the user himself has the opportunity to expedite the retrieval of information freely. In future research based on the sites that use this form of indexation, discusses the popularity of folksonomies between sites, blogs and means of transmitting information and how it facilitates the organization of knowledge on the web in order to expose the advantages and disadvantage in adopting this method where the classification is done with the thought of each individual "classifier" without the interference of the information professional. Keywords: Folksonomy; Classification of Knowledge, Web 2.0; Tags 1. Introdução Com o surgimento da web 2.0 possibilitando ao usuário colaborar com informação, seja enviando para sites, como conteúdo para ser postado ou até mesmo por um simples comentário a respeito de algo. De acordo com as mudanças na web, surgiram novos ambientes virtuais para troca de informações, relacionamentos, idéias entre outras coisas. E esses ambientes são as redes sociais e sites que utilizam hipertexto.

3 A partir dessa mudança o seguinte trabalho abordará a trajetória da classificação que surgiu a partir das idéias Aristotélicas baseadas na lógica e traçando um paralelo com ambiente informacional anterior a era da web, onde os livros e os documentos eram os principais veículos e suportes pela qual a informação era disseminada e também como preservação do conhecimento. Com base em sites onde é utilizado tags para organizar a informação de modo que o próprio usuário é o classificador de um determinado assunto tratado e mediante ao alto índice de relevância que essa informação recebe em determinado momento. A questão que será abordada é uma reflexão diante desse novo modo de classificar a informação na web sobre a visão do próprio usuário do site. No momento da pesquisa e na reflexão sobre o tema surgiu uma problemática por causa da classificação colaborativa que os usuários proporcionam aos sites que utilizam as tags e isso de certa forma faz com que a informação seja classificada pelo pensamento do senso comum. Diante dessas problemáticas e questões para serem analisadas o papel do bibliotecário é deixado em segundo plano e o foco é nas vantagens e desvantagens que a Folksonomia proporciona para a indexação dessas informações. Com a análise do portal do Globo 4, o seguinte trabalho investigará como a informação é organizada e qual a possibilidade do bibliotecário participar como um mediador entre as opiniões levantadas pelo usuário e ao processamento de indexação das informações para o site. 2 Revisão de Literatura A classificação de fato sempre esteve presente na vida do ser humano. Percebe-se que na Grécia Antiga, os filósofos eram vistos como os pioneiros na organização do conhecimento. Isso iniciou a partir de Aristóteles quando o mesmo 4

4 buscou na lógica os seus argumentos para a elaboração das cinco predicáveis, mais conhecida como categorias da lógica aristotélica. Elas se dividem em: Gênero: classe que contêm elementos com características em comum. Espécie: coisa que possui uma diferença específica. Está relacionado ao Gênero Diferença: característica que tem a função de gerar algo novo. O acréscimo de cada diferença gera algo novo. Propriedade: algo próprio que pertence a uma determinada classe. Acidente: qualidade que não precisa ser obrigatório ao elemento de uma determinada classe. Essas categorias evoluíram e originaram 10 categorias que foram ampliadas com base nas cinco já existentes. Aristóteles descreveu como substância; qualidade e quantidade; relação; lugar; tempo; situação; posse; ação; sofrimento ou passividade. Com a grande quantidade de informação que ao longo do tempo foi existindo a Classificação obteve um papel importantíssimo na sociedade. Segundo Langridge (2006) Sem classificação não poderia haver nenhum pensamento humano, ação e organização que conhecemos. A classificação transforma impressões sensoriais isoladas e incoerentes em objetos reconhecíveis e padrões recorríveis. [...] O filósofo americano John Dewey chegou mesmo a sugerir que Conhecimento é classificação. Essa pode não ser uma definição muito precisa de conhecimento, mas enfatiza efetivamente significativo o papel da classificação (p.11). Devido ao crescimento do conhecimento humano e respectivamente a grande quantidade de informação circulando no âmbito científico, a classificação passa de uma arte para uma ciência e com isso surgem diversos modos e estruturas de classificação.

5 A arte se dá através de como ela é organizada, ou seja, a forma do arranjo sistemático por uma idéia que foi pré-concebida (construída). E a ciência por relacionar áreas do conhecimento e assim organizar uma divisão estruturada com os assuntos que pertencem a essa área. Os esquemas de classificação eram divididos em dois grandes grupos. Um era voltado para organização do conhecimento (divisão de assuntos) sem notação - e outro para descrever os assuntos contidos nas fontes de informações, por exemplo, o livro com notação. No grupo de sem notação se encontram os seguintes esquemas de classificações: Classificação de Edwards (1859), Classificação de Smith (1882), Classificação de Oagle (1895), Classificação do Museu Britânico ( ), entre outros. Dentro do grupo com notação, se encontram as principais organizações de classificação que serviram de base para um estudo aprofundado e compreensão da organização do conhecimento. Neste grupo se encontram a Classificação Expansiva de Cutter, ( ), a Classificação da Library of Congress (1902), Classificação Decimal Universal (1902), Classificação Decimal de Dewey (1876). Posterior a estes esquemas surgiu um dos esquemas que contribuiu para estudos, Classificação de Dois Pontos, elaborada por Ranganathan. Diante das mudanças tecnológicas e com o advento da web 2.0, a classificação também conquistou o seu espaço, porém de uma forma diferenciada. A partir disso surgiu a questão da folksonomia, um hipertexto que colabora para uma descrição de determinado item na web e ele é mais utilizado em sites (ambientes) de redes sociais (AQUINO, 2008). 2.1 A Web 2.0 e a Folksonomia Nos séculos XVI e XVII era possível ver uma prática de leitura hipertextuais, nas quais sempre trouxeram como característica a coletividade para a sua construção. Em 1965, esse hipertexto ganhou importância como forma de registro, organização e recuperação da informação, e vinte anos depois os documentos poderiam ser alterados, comentados, e ficariam armazenadas para posteriores. O

6 hipertexto passou por três fases: a primeira com a evolução da escrita (textos impressos); a segunda como o surgimento da web e a terceira como que chamam de Web 2.0. Já em 1989 com a criação da web, a potência do hipertexto foi diminuída por causa das limitações da linguagem HTML, tornado-se assim o principal suporte do hipertexto eletrônico. A Internet veio se desenvolvendo com a cooperação entre pesquisadores, acadêmicos, hackers, e hoje mais do que nunca, graças a esses cooperadores, vem se fortalecendo esse caráter coletivo A web 2.0 pode ser considerada como: Uma nova concepção, que passa agora a ser descentralizada, e na qual o sujeito torna-se a ser ativo e participante sobre a criação, seleção e troca de conteúdo postado em um determinado site por meio de plataformas abertas. Nesses ambientes, os arquivos ficam disponíveis on-line, podendo ser acessados em qualquer lugar e momento, ou seja, não existe a necessidade de gravar em um determinado computador os registros de uma produção ou nas alterações feitas na estrutura de um texto. As alterações são realizadas automaticamente na própria Web, pelo próprio usuário e em tempo hábil. (SILVA; BLATEMANN,2007, p. 198) Tim O Reilly foi o criador do termo web 2.0, na qual encara como uma plataforma, em que os próprios usuários controlam seus dados, em que não dependem de softwares (pacotes fechados) e sim de serviços que rodam no browser, online. A arquitetura é edificada sob cooperação, chamada arquitetura de participação, na qual os dados podem ser remixável e transformados, na busca de uma inteligência coletiva, uma memória coletiva. A principal característica da web 2.0 é a colaboração, pois com essa nova web, as ações são realizadas pelos próprios usuários, de acordo com as necessidades de cada usuário, em que cada usuário colabora com a implementação dos conteúdos disponíveis na internet. Assim, nesse contexto, nasce um novo conceito para a organização do conhecimento: a folksonomia, na qual é a tradução do termo folksonomy, um neologismo criado em 2004 pelo arquiteto Thomas Vander Wal, a partir da junção de folk (povo, pessoas) com taxonomy.

7 A Folksonomia se baseia no conceito de web 2.0, pois é realizada de maneira colaborativa, funciona através de atribuições de tags (etiquetas), pelos próprios usuários da web, a arquivos disponibilizados on-line. A etiquetagem significa atribuir etiquetas com aos recursos da Web. Trata-se de uma indexação livre em linguagem natural, não são adotadas regras e/políticas de indexação e nem controle de vocabulários, ou seja, não há efetivamente a tradução dos termos para uma linguagem artificial. Os conteúdos são indexados livremente pelos usuários do recurso, podendo representar assunto ou quaisquer elementos de metadados tais como tipo ou formato. (CATARINO; BAPTISTA, 2007, p.3) Existem termos que se referem à ação de adquirir etiquetas aos recursos da web: Etiquetagem e Classificação. Outros termos se relacionam diretamente a etiquetagem dos marcadores (favoritos): Bookmarking. Há dois outros termos pouco utilizados que são de Ontologias Sociais e Taxonomia Dinâmica. Com isso é o usuário que recupera e representa a informação através das tags que ele mesmo cria. Catarino e Batista (2007, p.3) destacam três fatores essenciais: o resultado de uma indexação livre; objetiva a recuperação posterior da informação; é desenvolvida em um ambiente aberto que possibilita o compartilhamento. A Folksonomia tem como finalidade ordenar o caos existente, facilitar a recuperação da informação. Pode ser traduzida como classificação feita pelas pessoas, pois o resultado para quem faz a pesquisa é uma maior facilidade para encontrar termos que as demais linguagens de indexação não conseguem acompanhar em suas tabelas hierárquicas, fazendo assim o usuário um estudo e classificação sistemática. Assume uma característica de feedback imediato, pois depende de uma necessidade, na qual uma nova tag pode ser criada, por qualquer usuário, que a cria de acordo com o significado a informação que está sendo etiquetada. Em alguns sistemas que a utilizam, é possível até mesmo discutir sobre a construção de tags e assim ordenar os dados de um determinado grupo de usuários. A web possui um problema, na qual muitas vezes o usuário realiza uma busca e no final a considera inútil, por causa da pluralidade de formas como a informação é organizada, tendo assim diversas formas de encontrá-la, e pela ordenação dos resultados, pois muitas vezes o termo digitado pelo usuário no

8 campo de busca nem sempre está de acordo com o abrangido pelo mecanismo. A partir desses problemas, alguns sistemas começaram a facilitar as buscas, na qual o usuário tem a possibilidade de fazer buscas por tags, refinando sua pesquisa, outros sistemas oferecem as tags mais utilizada e permite q o usuário crie pacotes e assine tags, sempre recebendo informações sobre o que lhe interessa. 2.3 Vantagem e Desvantagens Criação de tags próprias: o que tornou o uso popularizado entre os usuários nos sites que adotam a folksonomia como a principal vantagem, é a possibilidade de atribuir tags aos itens de maneira própria, individual, criando termos que melhor representa o documento de acordo com os conhecimentos, forma de pensar e interesses próprios de cada usuário. Nesse caso o usuário dos sites com esse serviço poderá recuperar os assuntos de seu interesse de forma tranqüila e rápida, dessa forma o usuário se sente livre para atribuir, procurar documentos sem depender de sistemas que traduzam a ele os termos que representam os documentos de seu interesse modificando a forma antiga quando houver necessidade da busca, haja a necessidade ou gravar a forma de representação imposta ao usuário, ao adicionar tags que representam de maneira adequada a sua forma de pensamento, o usuário tem a possibilidade de encontrar pessoas e criar grupos que tem o mesmo interesse, e forma de pensamento, aumentando assim a ligação com pessoas com os mesmos interesses. Visualizando o site globo.com, a nuvem de tags mostra as palavras em destaque que são as mais visitadas. O site globo.com é um exemplo de nuvens de tags com controle, ele é um exemplo de tags gerenciadas por um grupo de pessoas, esse não segue o principio da folksonomia que é o da colaboração, nele apenas as palavras mais buscadas são destacadas para uma busca mais rápida pela relevância da busca ou assuntos de interesse comum.

9 Figura 1 - Página Inicial do site globo.com Fonte: A liberdade na representação oferece muitas vantagens aos usuários, porém a partir dessa que encontramos umas das desvantagens mais citadas, todos têm experiências individuais e coletivas que podem ser diferentes umas das outras, a partir disso, podemos ter formas de representação iguais, porém na maioria das vezes, sempre há uma maneira que achamos um pouco melhor que a maneira já criada, na criação das tags ocorre algo semelhante, o termo que para uma pessoa melhor é representado por um termo para outra pode não fazer sentido, essa diferença de pensamento implica nas inúmeras tags criadas a partir de usuários diversos, pode causar um congestionamento de tags. A falta de monitoramento ou de vocabulários controlados acaba ocasionando uma repetição de termos semelhantes, ou termos individuais onde a representação só faz sentido para quem criou. Esse método de criação de etiquetas ou tags que por serem tão individuais podem ser adotadas caso haja pessoas com a mesma linha de

10 pensamento, e podem não ser adotadas, essa ultima é a mais freqüente. Em seu texto Aquino (2007 ) chama a folksonomia de o vocabulário descontrolado. Os sites delicious e flickr são os mais citados como exemplo que utilizam a folksonomia, neles o uso não tem gerenciamento de inclusão de tags. Figura 2 - Página Inicial do site delicious Fonte:

11 ]Figura 3 - Página Inicial do site Flickr Fonte: Apesar desse grande número de palavras-chave e tags diferenciadas o uso da folksonomia trás a vantagem de recuperação rápida, e a possibilidade de criação de textotecas disponíveis a todos em qualquer lugar que possa acessar a internet, dispensando a utilização de dispositivos de armazenamento. [...] a liberdade de criação das tags não poderia causar um crescimento absurdo do número de informações na web? Prefere-se acreditar que as informações não estariam aumentando em função das tags, mas mais, ou melhor, do que isso, estariam sendo mais bem organizadas. (AQUINO, 2007, p.13)

12 3 Materiais e Métodos A pesquisa teve como base os livros, artigos e sites da internet, que abordam a Classificação, Folksonomia, Tags e assuntos relacionados ao tema, tendo em vista um maior conhecimento dos estudantes do curso de biblioteconomia e profissionais que não refletiram sobre as variáveis do assunto. 4 Resultados Parciais/Finais Avaliando o uso da folksonomia, surge a hipótese da utilização em centros de documentação e bibliotecas, sendo possível unir a colaboração dos usuários com a supervisão de profissionais especializados e a inclusão de vocabulários controlados para o auxilio no momento da escolha por uma representação, com os termos mais adequados para a instituição e para o usuário. 5 Considerações Parciais/Finais Com isso podemos concluir que o uso da folksonomia é uma ferramenta que colabora com a integração dos usuários. A folksonomia e o hipertexto 2.0 libertam os usuários da web dos mecanismos estreitos da taxonomia, através da possibilidade de uso de um vocábulo descontrolado, que atende aos formatos originais do hipertexto, permitindo além do armazenamento conectado de informações, o registro de informações ou não, da memória coletiva da web.

13 Referências: AQUINO, Maria Clara. A Folksonomia como hipertexto potencializador de memória coletiva: um estudo dos links e tags no Del.icio.us e no Flikcr. Liinc. em Revista, v.4, n. 2, set. 2008, p AQUINO, Maria Clara. Hipertexto 2.0, folksonomia e memória coletiva: um estudo das tags na organizazão da web. Revista E-Compós, v. 18, n.18, ago Disponível em: Acesso em 17 ago CATARINO, Maria Elisabete; BAPTISTA, Ana Alice. Folksonomia: um novo conceito para a organização dos recursos digitais na Web. Revista Data Grama Zero, v.8, n. 3, jun Disponível em: Acesso em: 17 ago LANGRIDGE, Derek. Classificação: abordagem para estudantes de biblioteconomia. Rio de Janeiro: Interciência, p. RUFINO, Airtiane; SILVA, Roosewelt Lins. Folksonomia: a classificação colaborativa facilitando a organização do conhecimento. In.: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE BIBLIOTECONOMIA, DOCUMENTAÇÃO, CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DA INFORMAÇÃO, 31 Maceió. Anais...Maceió: UFAL, 2008.

FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO I SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FOLKSONOMIA: LIBERDADE DE INDEXAÇÃO PARA O INTERNAUTA

FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO I SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FOLKSONOMIA: LIBERDADE DE INDEXAÇÃO PARA O INTERNAUTA FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO I SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FOLKSONOMIA: LIBERDADE DE INDEXAÇÃO PARA O INTERNAUTA Bárbara Cristina A. UEHARA barbarauehara@gmail.com; Denise

Leia mais

Keywords: Folksonomy, Social indexing, Web 2.0, Tags, Library catalogs. A folksonomia no contexto das bibliotecas: exemplos do WorldCat

Keywords: Folksonomy, Social indexing, Web 2.0, Tags, Library catalogs. A folksonomia no contexto das bibliotecas: exemplos do WorldCat Folksonomy in the library context: WorldCat's examples Bruna Pacheco Marques (Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes. Departamento de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, Brasil)

Leia mais

MOFI: Um Modelo para Recuperação de Informação baseado em Ontologias, Folksonomia e Indexação Automática de Conteúdo

MOFI: Um Modelo para Recuperação de Informação baseado em Ontologias, Folksonomia e Indexação Automática de Conteúdo MOFI: Um Modelo para Recuperação de Informação baseado em Ontologias, Folksonomia e Indexação Automática de Conteúdo Uedson Santos Reis (SENAI) uedsonreis@gmail.com Eduardo Manuel de Freitas Jorge (UNEB)

Leia mais

LÉA MARIA DE SOUZA BARROS. A Folksonomia como prática de classificação colaborativa para a recuperação da informação

LÉA MARIA DE SOUZA BARROS. A Folksonomia como prática de classificação colaborativa para a recuperação da informação LÉA MARIA DE SOUZA BARROS A Folksonomia como prática de classificação colaborativa para a recuperação da informação Dissertação de mestrado Fevereiro de 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO

Leia mais

XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação - XIII ENANCIB 2012. GT 2: Organização e Representação do Conhecimento

XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação - XIII ENANCIB 2012. GT 2: Organização e Representação do Conhecimento XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação - XIII ENANCIB 2012 GT 2: Organização e Representação do Conhecimento TAXONOMIA E ETIQUETAGEM: análise dos processos de organização e recuperação

Leia mais

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Introdução Organização e Recuperação de Informação(GSI521) Tópicos Recuperação de informação (RI); Breve histórico; O

Leia mais

HASHTAGS: ROMPIMENTOS COM DIZERES SEDIMENTADOS* Autora: Vânia Lúcia Coelho- Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto- FFCLRP/USP

HASHTAGS: ROMPIMENTOS COM DIZERES SEDIMENTADOS* Autora: Vânia Lúcia Coelho- Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto- FFCLRP/USP 1 HASHTAGS: ROMPIMENTOS COM DIZERES SEDIMENTADOS* Autora: Vânia Lúcia Coelho- Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto- FFCLRP/USP RESUMO: Há muito que áreas como a Biblioteconomia e

Leia mais

O BLOG NA ERA DA INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA DE COMPARTILHAMENTO DE INFORMAÇÃO, CONHECIMENTO E PARA A PROMOÇÃO PROFISSIONAL. Paula Carina de Araújo

O BLOG NA ERA DA INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA DE COMPARTILHAMENTO DE INFORMAÇÃO, CONHECIMENTO E PARA A PROMOÇÃO PROFISSIONAL. Paula Carina de Araújo O BLOG NA ERA DA INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA DE COMPARTILHAMENTO DE INFORMAÇÃO, CONHECIMENTO E PARA A PROMOÇÃO PROFISSIONAL Paula Carina de Araújo Resumo Apresenta um relato de experiência da utilização

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 Adriana Nascimento Flamino 1, Juliana de Souza Moraes 2 1 Mestre em Ciência

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 Eduardo Laguna Rubai, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR- Brasil eduardorubay@gmail.com, bonetti@unipar.br Resumo.

Leia mais

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Maria das Dores Rosa Alves¹, Marcia Izabel Fugisawa Souza¹ ¹Embrapa Informática Agropecuária Caixa postal 6014 Campinas, SP

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO III SEMINÁRIO DE PESQUISA DA FESPSP

FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO III SEMINÁRIO DE PESQUISA DA FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO III SEMINÁRIO DE PESQUISA DA FESPSP O USO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO: ESTUDO SOBRE MEMÓRIAS DE EXPOSIÇÕES EM SITES DE MUSEUS PÚBLICOS PAULISTAS DEDICADOS

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

RECUPERANDO INFORMAÇÃO SOBRE TEXTOS PUBLICADOS NO TWITTER

RECUPERANDO INFORMAÇÃO SOBRE TEXTOS PUBLICADOS NO TWITTER RECUPERANDO INFORMAÇÃO SOBRE TEXTOS PUBLICADOS NO TWITTER Autores: Miguel Airton FRANTZ 1 ;; Angelo Augusto FROZZA 2, Reginaldo Rubens da SILVA 2. Identificação autores: 1 Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

3 Ferramentas de busca

3 Ferramentas de busca 3 Ferramentas de busca A Internet se transformou em um vasto repositório de informações. Podemos encontrar sites sobre qualquer assunto, de futebol a religião. O difícil, porém é conseguir encontrar a

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Etiquetagem e folksonomia: o usuário e sua motivação para organizar e compartilhar informação na Web 2.0

Etiquetagem e folksonomia: o usuário e sua motivação para organizar e compartilhar informação na Web 2.0 Etiquetagem e folksonomia: o usuário e sua motivação para organizar e compartilhar informação na Web 2.0 Mestre pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (FaE- UFMG). Especializando

Leia mais

AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO: um relato de experiência da Biblioteca Central Julieta Carteado

AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO: um relato de experiência da Biblioteca Central Julieta Carteado PÔSTER IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Uso estratégico das tecnologias em informação documentária AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO:

Leia mais

A Biblioteca Escolar Digital Gildenir Carolino Santos

A Biblioteca Escolar Digital Gildenir Carolino Santos INTRODUÇÃO A Biblioteca Escolar Digital Gildenir Carolino Santos Historicamente já possuímos três períodos principais que retratam a evolução das bibliotecas, iniciamos com as bibliotecas tradicionais,

Leia mais

GESTÃO DA INFORMAÇÃO: APLICABILIDADE NOS REPOSITÓRIOS EDUCACIONAIS

GESTÃO DA INFORMAÇÃO: APLICABILIDADE NOS REPOSITÓRIOS EDUCACIONAIS GESTÃO DA INFORMAÇÃO: APLICABILIDADE NOS REPOSITÓRIOS EDUCACIONAIS Názia Holanda Torres 1 (UFPB) Isabel Cristina Pereira da Costa 2 (UFC) Resumo: Apresenta inicialmente o conceito de gestão da informação

Leia mais

AS POTENCIALIDADES DA WEB SEMÂNTICA PARA A CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

AS POTENCIALIDADES DA WEB SEMÂNTICA PARA A CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO AS POTENCIALIDADES DA WEB SEMÂNTICA PARA A CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO Resumo Este artigo aborda a Web Semântica em termos conceituais e explora as suas potencialidades para a Ciência da Informação. Através

Leia mais

O PADRÃO DE METADADOS DUBLIN CORE: A REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA EM HTML 1

O PADRÃO DE METADADOS DUBLIN CORE: A REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA EM HTML 1 1 Eixo Temático: Organização e Representação da Informação e do Conhecimento O PADRÃO DE METADADOS DUBLIN CORE: A REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA EM HTML 1 Bill Alexander Santos da Silva 2 Juliana Marques do

Leia mais

Comunicação Oral ESTUDO SOBRE A ADOÇÃO DA FOLKSONOMIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: UMA PROPOSTA DE HIBRIDISMO

Comunicação Oral ESTUDO SOBRE A ADOÇÃO DA FOLKSONOMIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: UMA PROPOSTA DE HIBRIDISMO XIV Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB 2013) GT 2 - Organização e Representação do Conhecimento Comunicação Oral ESTUDO SOBRE A ADOÇÃO DA FOLKSONOMIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO:

Leia mais

CURSO SOBRE ACESSO ÀS BIBLIOTECAS ON-LINE DA MEDLINE/PubMed

CURSO SOBRE ACESSO ÀS BIBLIOTECAS ON-LINE DA MEDLINE/PubMed TUTORIAL PARA ACESSO BIBLIOTECA ON-LINE da MEDLINE/PUBMED CURSO SOBRE ACESSO ÀS BIBLIOTECAS ON-LINE DA MEDLINE/PubMed Este tutorial faz parte do curso de extensão da UNIFESP sobre acesso on-line às publicações

Leia mais

A FOLKSONOMIA E A RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO

A FOLKSONOMIA E A RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA EDUCAÇÃO - FAED DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA E GESTÃO DA INFORMAÇÃO - DBI PATRICIA SIMONE BROCH A FOLKSONOMIA E A RECUPERAÇÃO

Leia mais

Tecnologia da informação sob a perspectiva da CiênCia da informação e da. Gestão do ConheCimento

Tecnologia da informação sob a perspectiva da CiênCia da informação e da. Gestão do ConheCimento Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação Disciplina: Gestão do Conhecimento Prof.:Lillian Alvares Tecnologia da informação

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. HTML - Introdução

Desenvolvimento em Ambiente Web. HTML - Introdução Desenvolvimento em Ambiente Web HTML - Introdução O que é HTML? HTML é uma linguagem para descrever a estrutura de uma página WEB. Ela permite: Publicar documentos online com cabeçalhos, texto, tabelas,

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web

2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web 13 2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web 2.1. Páginas, Sites e Outras Terminologias É importante distinguir uma página de um site.

Leia mais

BVS Site. Aplicativo para geração de portais BVS. Cláudia Guzzo Patrícia Gaião

BVS Site. Aplicativo para geração de portais BVS. Cláudia Guzzo Patrícia Gaião BVS Site Aplicativo para geração de portais BVS Cláudia Guzzo Patrícia Gaião Gerência de Produção de Fontes de Informação / Projetos e Instâncias da BVS BIREME/OPAS/OMS Biblioteca Virtual em Saúde (BVS)

Leia mais

A Potencialização da Memória Coletiva através do Hipertexto na Web 2.0 1

A Potencialização da Memória Coletiva através do Hipertexto na Web 2.0 1 A Potencialização da Memória Coletiva através do Hipertexto na Web 2.0 1 Maria Clara Aquino 2 Mestranda do PPGCOM da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo O hipertexto passou por três fases,

Leia mais

O SERPRO E A GESTÃO DO CONHECIMENTO: UMA LIÇÃO A SER APRENDIDA VIVIANNE VERAS SERPRO JUNHO 2013

O SERPRO E A GESTÃO DO CONHECIMENTO: UMA LIÇÃO A SER APRENDIDA VIVIANNE VERAS SERPRO JUNHO 2013 VIVIANNE VERAS SERPRO JUNHO 2013 O SERPRO MELHORES PRÁTICAS LIÇÕES APRENDIDAS PRÓXIMOS PASSOS... O SERPRO ORGANOGRAMA A EMPRESA ESTRUTURA LINHAS DE NEGÓCIO CLIENTES E SERVIÇOS -Política de Propriedade

Leia mais

Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br

Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Hardware Processo Informação Codificação Armazenamento Decodificação Informação Modelo computacional

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS Leandro Guilherme Gouvea 1, João Paulo Rodrigues 1, Wyllian Fressatti 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leandrog.gouvea@gmail.com,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a indexação e resumos, julgue os itens a seguir. Julgue os itens subsecutivos, referentes à gestão da informação e do conhecimento. 51 Coerência intraindexador refere-se

Leia mais

Etiquetagem e Folksonomia:

Etiquetagem e Folksonomia: Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação

Leia mais

Folksonomia: Um Estudo da Linguagem de Indexação Adotada Pelo Flickr

Folksonomia: Um Estudo da Linguagem de Indexação Adotada Pelo Flickr Folksonomia: Um Estudo da Linguagem de Indexação Adotada Pelo Flickr Bruno Felipe de Melo Silva (UFAL) bruno.fms545@gmail.com Francisca Rosaline Leite Mota (UFAL) rosemota@yahoo.com.br Resumo O surgimento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE ALGORITMO PARA FUNÇÃO MULTILÍNGUE DO SOFTWARE TROPLUX

DESENVOLVIMENTO DE ALGORITMO PARA FUNÇÃO MULTILÍNGUE DO SOFTWARE TROPLUX DESENVOLVIMENTO DE ALGORITMO PARA FUNÇÃO MULTILÍNGUE DO SOFTWARE TROPLUX Pedro Vítor Sousa Ribeiro Universidade Federal de Alagoas pedrovsribeiro@gmail.com Ricardo Carvalho Cabús Universidade federal de

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

TRATAMENTO TEMÁTICO DA INFORMAÇÃO: Processos de Análise e Representação

TRATAMENTO TEMÁTICO DA INFORMAÇÃO: Processos de Análise e Representação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES CURSO DE BIBLIOTECONOMIA ANÁLISE DA INFORMAÇÃO I TRATAMENTO TEMÁTICO DA INFORMAÇÃO: Processos de Análise e Representação

Leia mais

Facilidade e flexibilidade na web

Facilidade e flexibilidade na web Facilidade e flexibilidade na web palavras-chave: acessibilidade, usabilidade, web 2.0 Tersis Zonato www.tersis.com.br Web 2.0 o termo de marketing x a nova forma de conhecimento Web 2.0 O conceito começou

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA BIBLIOTECA CENTRAL DO CAMPUS DE RIBEIRÃO PRETO NA CRIAÇÃO DE SEU BLOG: RELATO DE CASO

A EXPERIÊNCIA DA BIBLIOTECA CENTRAL DO CAMPUS DE RIBEIRÃO PRETO NA CRIAÇÃO DE SEU BLOG: RELATO DE CASO 1 A EXPERIÊNCIA DA BIBLIOTECA CENTRAL DO CAMPUS DE RIBEIRÃO PRETO NA CRIAÇÃO DE SEU BLOG: RELATO DE CASO Lívia Porto Zocco 1, Maria Cristina Manduca Ferreira 2, Paula de Oliveira Almeida Moraes 3, Leopoldina

Leia mais

Um arcabouço para gerenciamento automático de máquinas virtuais em CPDsbaseado em perfil

Um arcabouço para gerenciamento automático de máquinas virtuais em CPDsbaseado em perfil VIII WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 9 e 10 de outubro de 2013 Sistemas produtivos: da inovação à sustentabilidade ISSN: 2175-1897 Um arcabouço para gerenciamento

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

Biblioteca Virtual de Soluções Assistivas

Biblioteca Virtual de Soluções Assistivas 264 Biblioteca Virtual de Soluções Assistivas Maria Helena Franciscatto 1 Adriana Soares Pereira 1 Roberto Franciscatto 1 Liliana Maria Passerino 2 1 Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Colégio

Leia mais

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Ontologias Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Origem Teoria sobre a natureza da existência Ramo da filosofia que lida com a natureza e organização da realidade.

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

XIV Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB 2013) GT3 - Mediação, Circulação e Apropriação da Informação.

XIV Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB 2013) GT3 - Mediação, Circulação e Apropriação da Informação. XIV Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB 2013) GT3 - Mediação, Circulação e Apropriação da Informação Pôster DISPERSÃO DA INFORMAÇÃO CIENTÍFICA EM REDES SOCIAIS Sibele Fausto

Leia mais

HTML Página 1. Índice

HTML Página 1. Índice PARTE - 1 HTML Página 1 Índice HTML A HISTÓRIA... 2 O COMEÇO E A INTEROPERABILIADE... 3 Primeira Página... 4 Entendendo seu código... 5 Abrindo o código fonte da sua página... 6 Comentários na página...

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

A BIBLIOTECA DIGITAL: novos meios para velhas práticas

A BIBLIOTECA DIGITAL: novos meios para velhas práticas A BIBLIOTECA DIGITAL: novos meios para velhas práticas Débora Xavier Oliveira * RESUMO Aborda o crescimento das bibliotecas mediante a sociedade da informação, incluindo os tipos e características além

Leia mais

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Até agora: redes onde unidades eram pessoas ou entidades sociais, como empresas e organizações Agora (Cap 13, 14 e

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação - N. 7, JUL/DEZ 2009 O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto

Leia mais

PROJETO MINHAS CITAÇÕES : desenvolvimento de uma base de dados on-line para armazenamento de registros de leitura

PROJETO MINHAS CITAÇÕES : desenvolvimento de uma base de dados on-line para armazenamento de registros de leitura TRABALHO ORAL IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Uso estratégico das tecnologias em informação documentária PROJETO MINHAS CITAÇÕES : desenvolvimento de uma base

Leia mais

Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED

Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED Índice Introdução... 1 Sobre a linguagem XML... 2 O que é XML (extensible Markup Language)?... 2 Características da Linguagem...3 Sobre o seu uso...

Leia mais

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 354 METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP) Bárbara Fadel (UNESP) 1. Introdução Com os avanços das tecnologias de informação e comunicação (TIC) as instituições

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

ANÁLISE DO USO DAS FERRAMENTAS WEB 2.0 APLICADAS ÀS BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP)

ANÁLISE DO USO DAS FERRAMENTAS WEB 2.0 APLICADAS ÀS BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP) ANÁLISE DO USO DAS FERRAMENTAS WEB 2.0 APLICADAS ÀS BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP) Edna Tiemi Yokoti WATANABE 1 ; Fátima Aparecida Colombo PALETTA 1 ; Marina Mayumi YAMASHITA 1 1 Bibliotecárias

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Ciência da Computação 5ª série Sistemas Operacionais A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Características do Software

Características do Software Questionamentos Por que tanta demora para entregar? Por que os prazos se atrasam? Por que os custos são altos? Por que não achar todos os erros antes de entregar? Por que dificuldade em medir o progresso

Leia mais

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO Juliana da Silva Cabral PIBID Universidade Estadual da Paraíba/ julianacabralletras2@gmail.com Janaína da Costa Barbosa PIBID Universidade Estadual da Paraíba/

Leia mais

Iniciativas de marketing digital aplicado na biblioteca da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) do Rio de Janeiro. Berta Jaqueline Rosa* 1

Iniciativas de marketing digital aplicado na biblioteca da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) do Rio de Janeiro. Berta Jaqueline Rosa* 1 Iniciativas de marketing digital aplicado na biblioteca da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) do Rio de Janeiro Berta Jaqueline Rosa* 1 Resumo: Este trabalho tem como objetivo identificar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS Trabalho final da disciplina Computadores, Redes, IP e Internet Professor: Walter Freire Aluno:

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

A folksonomia como hipertexto potencializador de memória coletiva: um estudo dos links e das tags no de.licio.us e no Flickr

A folksonomia como hipertexto potencializador de memória coletiva: um estudo dos links e das tags no de.licio.us e no Flickr A folksonomia como hipertexto potencializador de memória coletiva: um estudo dos links e das tags no de.licio.us e no Flickr Maria Clara Aquino * Resumo A comunicação mediada por computador no final dos

Leia mais

Arquitetura de Informação de Websites. 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com

Arquitetura de Informação de Websites. 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com Arquitetura de Informação de Websites 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com 2 Vivemos a era da explosão da informação Existe um tsunami de dados que bate sobre as praias do mundo civilizado. É um maremoto

Leia mais

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

APLICATIVO PARA GERENCIAMENTO DE FORÇA DE TRABALHO EM EMPRESAS DE TELEFONIA MÓVEL

APLICATIVO PARA GERENCIAMENTO DE FORÇA DE TRABALHO EM EMPRESAS DE TELEFONIA MÓVEL APLICATIVO PARA GERENCIAMENTO DE FORÇA DE TRABALHO EM EMPRESAS DE TELEFONIA MÓVEL Tatiana Bogo Fujii Prof. Wilson Pedro Carli Orientador Introdução; Telefonia Celular; Internet; ASP; Inteligência Artificial;

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE Eliane Apolinário Vieira Priscila Marylin de Almeida Arlete Inocencia Menezes Roni

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

Web 2.0. Amanda Ponce Armelin RA 052202

Web 2.0. Amanda Ponce Armelin RA 052202 Amanda Ponce Armelin RA 052202 Americana, 2007 Tópicos Introdução Web 1.0 Definição Comparativo Web1.0 x Web2.0 Web 3.0 Definição Conclusão Definição Principais características Discórdia Termos Essenciais

Leia mais

Proposta de Implantação do Software MULTIACERVO no Arquivo do DEINFRA

Proposta de Implantação do Software MULTIACERVO no Arquivo do DEINFRA Proposta de Implantação do Software MULTIACERVO no Arquivo do DEINFRA Acadêmicos: CÁSSIA REGINA BATISTA - cassiareginabatista@grad.ufsc.br CLARISSA KELLERMANN clarissakel@gmail.com IVAN MÁRIO DA SILVEIRA

Leia mais

Integrando e Fragmentando Dados: Reflexões sobre o projeto Conectando Conteúdos

Integrando e Fragmentando Dados: Reflexões sobre o projeto Conectando Conteúdos Integrando e Fragmentando Dados: Reflexões sobre o projeto Conectando Conteúdos Rodrigo Freese Gonzatto (rodrigo@gonzatto.com) Pós-Graduando em Design de Interação Instituto Faber-Ludens de Design de Interação

Leia mais

Representação iterativa e folksonomia assistida para repositórios digitais 1

Representação iterativa e folksonomia assistida para repositórios digitais 1 Representação iterativa e folksonomia assistida para repositórios digitais 1 José Eduardo Santarém Segundo * Silvana Aparecida Borsetti Gregorio Vidotti ** Resumo A recuperação da informação tem sido muito

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Construção Colaborativa de Conhecimento: Estudo da Folksonomia em Sistemas e-learning 1

Construção Colaborativa de Conhecimento: Estudo da Folksonomia em Sistemas e-learning 1 Construção Colaborativa de Conhecimento: Estudo da Folksonomia em Sistemas e-learning 1 Bruno Zolotareff dos Santos 2 Resumo O projeto se dedica ao estudo da utilização de mecanismos da folksonomia no

Leia mais

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente Documentos formam a grande massa de conhecimentos de uma organização seja ela privada ou pública, esses documentos em sua maioria são parte do seu patrimônio. A Gestão

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

05/05/2015. Recuperação de Informação

05/05/2015. Recuperação de Informação Recuperação de Informação Recuperação de Informação Recuperar consiste em identificar, em um conjunto de documentos (corpus), quais atendem à necessidade de do usuário. O usuário de um sistema de recuperação

Leia mais

MÍDIA INFORMÁTICA E INTERNET NA EDUCAÇÃO INFANTIL: USO DE BLOG ESCOLAR

MÍDIA INFORMÁTICA E INTERNET NA EDUCAÇÃO INFANTIL: USO DE BLOG ESCOLAR 88 MÍDIA INFORMÁTICA E INTERNET NA EDUCAÇÃO INFANTIL: USO DE BLOG ESCOLAR Karine Queiroz Lagranha karinelagranha@ig.com.br 1 Resumo Este artigo apresenta um estudo de caso com uma turma de educação infantil

Leia mais

Desenho didático para cursos online

Desenho didático para cursos online Desenho didático para cursos online Edméa Santos Professora da UERJ Professora-tutora do PROGED/ISP/UFBA E-mail: mea2@uol.com.br Site: www.docenciaonline.pro.br/moodle Que é cibercultura? Educação online:

Leia mais

Arquitetura de Informação - 6

Arquitetura de Informação - 6 Arquitetura de Informação - 6 Ferramentas para Web Design Prof. Ricardo Ferramentas para Web Design 1 Objetivo do Sistema de Rotulação O sistema de rotulação é o componente da Arquitetura de Informação

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

INTELIGÊNCIA COLETIVA NA CONSTRUÇÃO DO SABER: aprendizagem em ambientes virtuais. 1

INTELIGÊNCIA COLETIVA NA CONSTRUÇÃO DO SABER: aprendizagem em ambientes virtuais. 1 INTELIGÊNCIA COLETIVA NA CONSTRUÇÃO DO SABER: aprendizagem em ambientes virtuais. 1 Laís Tolentino Muniz CAMPOS 2 Fernanda Gabriela Gadelha Romero 3 Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB RESUMO

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO

AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO 200 AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO Clayton Cardoso de MORAES 1 Guilherme Bernardo SARDINHA 2 O presente

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES Via N1 Leste s/n, Pavilhão das Metas, Praça dos Três Poderes - Zona Cívico Administrativa - CEP: 70.150-908 Telefones: (061) 3411.4246

Leia mais

Web Semântica. Web Semântica. uma introdução @yaso

Web Semântica. Web Semântica. uma introdução @yaso Web Semântica uma introdução @yaso O que é SEMÂNTICA Semântica é o estudo do signifcado. Incide sobre a relação entre signifcantes, tais como palavras, frases, sinais e símbolos, e o que eles representam,

Leia mais

TI no Contexto da Segurança Química. Fabiano Bergamo Ferrari

TI no Contexto da Segurança Química. Fabiano Bergamo Ferrari Comunicação breve TI no Contexto da Segurança Química Fabiano Bergamo Ferrari Desenvolvimento do SafetyChem, software de elaboração de Documentos de Segurança Química para Intertox. Vasta experiência em

Leia mais

Usabilidade métodos & boas práticas Fábio Fernandes

Usabilidade métodos & boas práticas Fábio Fernandes Usabilidade métodos & boas práticas Fábio Fernandes Usabilidade vem tornando-se cada vez mais predominante no mercado de desenvolvimento de web sites, seja qual for o tipo de site: corporativo, e-commerce,

Leia mais